CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES"

Transcrição

1 Caros concurseiros, Como havia prometido, seguem comentários sobre a prova de estatística do ICMS RS. Em cada questão vou fazer breves comentários, bem como indicar eventual possibilidade de recurso. Não vou escrever o recurso propriamente dito. Vou tentar explicar o que achei das questões, aí vocês mesmos, se concordarem, escrevem os recursos da maneira que preferirem. QUESTÃO 67 A probabilidade de um gaúcho falar inglês é 0,20, de um carioca é 0,25 e de um mineiro é de 0,15. Um gaúcho, um carioca e um mineiro estão em uma mesa de um restaurante. Uma pessoa falando inglês aproxima-se desta mesa e pede uma informação. A probabilidade de ela receber algum tipo de resposta, em inglês, é: a) 0,49 b) 0,70 c) 0,60 d) 0,51 e) 0,40 Sejam A, B e C os eventos relacionados ao gaúcho falar inglês, ao carioca falar inglês e ao mineiro falar inglês. Temos: P( A B C) = P( A) + P( B) + P( C) P( A B) P( A C) P( B C) + P( A B C) P( A B C) = 0,20 + 0,25 + 0,15 0,20 0,25 0,20 0,15 0,15 0,25 + 0,20 0,25 0,15 P ( A B C) = 0,49 Outra forma de resolução é pensar no evento complementar. O estrangeiro não receberá nenhum tipo de reposta em inglês quando nenhum dos três falar inglês. Isto é dado por: P ( A B C) = (1 0,20) (1 0,25) (1 0,15) = 0,51 Se a probabilidade de ele não receber resposta em inglês é 51%, então a probabilidade de receber alguma resposta em inglês é 49%. Creio que seja possível entrar com recurso pela falta de previsão do assunto no edital. O programa, em nenhum momento, menciona probabilidade. O conhecimento de probabilidade é pré-requisito para que se possa estudar o conceito de variáveis aleatórias (previsto no item 1 do edital) e distribuição normal (item 17 do edital). 1

2 Para que se possa entender o conceito de variável aleatória, é suficiente saber os conceitos mais básicos de probabilidade. É suficiente que o candidato entenda a abordagem frequentista, que associa a probabilidade à freqüência relativa obtida num número muito grande de experimentos. Igualmente, para que se possa estudar o comportamento da distribuição normal, é suficiente que o candidato saiba da abordagem frequentista e como consultar uma tabela de função densidade de probabilidade. Ocorre que o assunto probabilidade envolve diversos temas, como a probabilidade da união, probabilidade da intersecção, probabilidade condicional, teorema de bayes, probabilidade do evento complementar, probabilidade de eventos independentes, eventos mutuamente exclusivos, entre outros. Nenhum desses assuntos era necessário para que o candidato pudesse estudar os tópicos efetivamente previstos no edital. Por isso, é cabível recurso para anulação da questão. Particularmente, acho que eles não vão anular. Acho que devem se apegar ao argumento de que probabilidade é pré-requisito para estudo de variáveis aleatórias. Apesar de ser possível este entendimento, eu não concordo com ele. É inviável conhecer tudo o que gera um dado resultado. Se assim fosse, o simples fato de ser cobrada a distribuição normal iria exigir que o candidato conhecesse o teorema do limite central, sua demonstração, entendesse as ferramentas de cálculo envolvidas (limite, derivada, integral) etc. E não é isso que ocorre. Questão 68 Seja X uma variável aleatória contínua, com função densidade de probabilidade dada por f(x) = 1+ cx, se -1 <= x <= 0, f(x) = 1 cx, se 0 < x <= 1, f(x) = 0 se x < -1 ou se x > 1. O valor da média de x é: a) 0,5 b) 0 c) 2/3 d) 1 e) 1/3 O gráfico da função densidade de probabilidade é um triângulo isóceles, centrado em zero. A figura é simétrica. Quando isso ocorre, a média corresponde ao ponto do eixo x por onde passa o eixo de simetria. A média é igual a zero. Sobre variáveis aleatórias, os únicos tópicos previstos foram: 1) o conceito e a classificação em discreta e contínua (item 1 do edital) 2) a variável aleatória normal (item 17). 2

3 A função densidade de probabilidade acima não é de uma variável aleatória normal. Logo, não poderia ser cobrada, por falta de previsão no edital. Questão 69 Um conjunto de N valores observados da variável X tem como valor mínimo 3 e valor máximo 9. Os possíveis valores para moda, mediana, média, desvio padrão e coeficiente de variação, respectivamente, são: a) 3, 3, 8, 1 e 1/8 b) 3, 3, 8, 2 e 2/8 c) 3, 3, 4, 2 e 0,5 d) 9, 9, 4, 3 e 0,5 e) 3, 9, 4, 1 e 0,25 Vamos começar pela letra D, que é a única que indica a moda valendo 9. Nesta alternativa, moda e mediana seriam iguais a 9, que é justamente o valor máximo. Ou seja, metade dos valores são iguais a 9. Vamos tentar baixar a média ao máximo. Mesmo que todos os demais valores sejam iguais a 3 (valor mínimo), a média ficaria: = 6 2 A média não seria igual a 4. A alternativa D está errada. Eliminando-se a alternativa D, já sabemos que a moda é igual a 3. Moda = 3 Vamos agora para a alternativa E. Ela aponta que a mediana é 9. Como 9 é justamente o valor máximo, então metade dos valores são iguais a nove. Com isso, a moda, certamente, também seria igual a 9, e não igual a 3. A alternativa está errada. Descartando-se as alternativas D e E, já sabemos que a moda é igual a 3 e a mediana é igual a 3. mediana = 3 Como 3 é justamente o valor mínimo, então metade dos dados são iguais a 3. Vamos tentar elevar ao máximo a média. Vamos supor que a outra metade é igual a 9. Neste caso, o valor máximo para a média seria 6. Com isso, descartamos A e B. Por exclusão, a resposta é letra C. Nesta questão eu não vi possibilidade de recurso. 3

4 Questão 70 Os salários dos funcionários da empresa AMJ, em setembro de 2009, em reais têm média de 2000 e desvio padrão de 400. A empresa oferece 5 (cinco) propostas de reajuste, P1...,P5, para todos os funcionários, em outubro de 2009, a saber: P1: reajuste de 20% mais um fixo de 100. P2: reajuste de 25% P3: reajuste de 15% mais um fixo de 200. P4: reajuste de 10% mais um fixo de 300. P5: um valor fixo de 500. A proposta de menor coeficiente de variação é: a) P1 b) P2 c) P3 d) P4 e) P5 A tabela abaixo apresenta a nova média e o novo desvio-padrão para cada proposta. inicial p1 p2 p3 p4 p5 Média DP CV 0,2 0,192 0,2 0,184 0,176 0,16 A proposta de menor coeficiente de variação é a P5. Na verdade, não precisaria fazer todas estas contas. Multiplicações não interferem no coeficiente de variação (pois produzem o mesmo efeito, tanto na média, quanto no desvi padrão). Somas aumentam a média e mantém inalterado o desvio padrão. Assim, uma soma reduz o coeficiente de variação. Quanto maior a soma, maior a redução. Na proposta 5, temos uma soma de 500,00, a maior entre as propostas. Nesta questão eu não vi possibilidade de recurso. 4

5 Questão 71 Em relação às variáveis X, definida pela cotação média diária do dólar e Y definida pelo valor máximo do índice BOVESPA no dia, obteve-se para um período de 30 dias a equação de regressão linear de y sobre x: é y= bx. Para uma cotação média do dólar em 200 a reta de regressão permitiu estimar pontualmente um BOVESPA igual a e o teste do coeficiente angular de regressão mostrou uma relação linear estatisticamente significativa entre duas variáveis para um nível de significância de 0,05. A afirmativa falsa é: a) Para uma cotação média de 220, o índice BOVESPA estimado é de b) Para um nível de significância de 0,05, a correlação linear é estatisticamente significativa entre X e Y. c) O coeficiente de correlação linear é positivo. d) Através dos valores da covariância entre x e y e dos desvios padrões de x e y, pode-se obter a correlação entre x e y. e) Através dos valores do coeficiente de correlação, dos desvios padrões e das médias de x e y, pode-se obter a reta de regressão de y sobre x. Quando x = 200, y = Logo: Letra A. Letra B. Correto. y = bx = b 200 b = 1, 2 y = ,2 220 = Letra C. Observem que o sinal de b é negativo, o que indica uma relação linear inversa (quando x aumenta, y diminui, e vice-versa). Com isso, o coeficiente de correlação será negativo. Alternativa errada. Para marcar a alternativa C, o candidato precisaria saber que, se o coeficiente de correlação é negativo, as variáveis em estudo têm uma relação inversa. Isso estava previsto no edital. Contudo, tanto o enunciado quanto uma das alternativas remetem a assuntos não previstos no edital. As expressões nível de significância e estatisticamente significativo remetem a teste de hipóteses. 5

6 O edital prevê regressão linear simples. E só. Não contempla teste de hipóteses (com nenhuma das distribuições usuais normal, distribuição T, distribuição binomial, F). Não contempla análise de variância. Ora, diante deste contexto, seria natural esperar que regressão linear se referisse apenas ao estudo de como obter a reta de regressão. Supõe-se que duas variáveis X e Y tenham uma relação dada por: Y = α + β + ε i X i Onde α e β são constantes do modelo e ε é um erro aleatório. A partir de uma amostra, obtém-se os valores de a e b, que estimam α e β, utilizando o método de mínimos quadrados. Com este procedimento, é possível obter uma reta que estima a verdadeira relação entre X e Y. Ou seja, o candidato deveria saber como é feito o cálculo de a e b. Só isso. Eu, se tivesse dado um curso para este concurso, com base neste edital, pararia neste ponto, de consciência tranqüila. E que o que é que vem em seguida? Bom, em seguida, você pode testar a hipótese de que β é igual a zero. Caso ele seja significativamente diferente de zero, você pode afirmar que há relação linear entre X e Y. Você está testando uma hipótese. Este teste pode ser feito com o uso da distribuição T, ou com a análise de variância da regressão. Ou seja, o candidato precisaria saber: - o que é um teste de hipóteses (o que significam as regiões crítica e de aceitação, bem como determiná-las) - como fazer teste de hipóteses com a distribuição T. - o que é uma análise de variância - como fazer teste de hipóteses a partir dos quadrados médios obtidos na análise de variância - aplicar a análise de variância à reta de regressão linear. Nada disso estava previsto no edital. É forçar a barra supor que regressão linear já contemple, automaticamente, todos esses tópicos aí de cima. i Questão 72 Seja Z uma variável aleatória contínua normalmente distribuída com média zero e desvio padrão um. Seja P (Z<-1) = 0,1587 e P (Z>2) = 0,0228. Seja X uma variável aleatória contínua normalmente distribuída com média 200 e desvio padrão 20, então P(180<X<240), é: a) 0,9772 b) 0,8413 c) 0,3413 d) 0,8185 6

7 e) 0,4772 P ( 180 < X < 240) =? X = P ( < < ) = P ( 1 < Z < 2) = 1 0,1587 0, 0228 = 81,85% Nesta questão eu não vi possibilidade de recurso. A tabela a seguir representa a distribuição de freqüências da idade de uma amostra de moradores de um asilo. Utilize para resolver as questões 73 e 74. Xi fi Total 60 A idade aproximada da mediana é: a) 78,22 b) 80,00 c) 79,38 d) 78,55 e) 79,23 Questão 73 Xi fi F

8 Temos: D = D = 79, Nesta questão eu não vi possibilidade de recurso. Questão 74 O valor da moda pelo método de King é: 72,8 76,6 80,0 76,0 19,0 13 M = = 76, Nesta questão eu não vi possibilidade de recurso. Questão 75 Sabendo que a correlação estatisticamente significativa entre o preço do vinho e a quantidade vendida é de -0,70 pode-se dizer que: a) 70% da variabilidade da quantidade vendida é determinada pelo preço do vinho. b) Quanto maior o preço do vinho, maior a quantidade vendida. c) Há uma redução de 30% na quantidade vendida para um aumento de R$ 1,00 no preço. d) Da variabilidade total da quantidade vendida, 49% é explicada pelo preço do produto. e) Para um aumento de R$ 1,00 no preço do vinho, há uma redução de 0,7 na quantidade vendida.. 8

9 O coeficiente de determinação é igual ao quadrado do coeficiente de correlação. r 0,7 2 2 = = Nesta questão eu não vi possibilidade de recurso. 0,49 Questão 76 O índice de preços de Laspeyres, para um conjunto de produtos, é 120 e o de Paasche é 110. A afirmativa correta é: a) O coeficiente de correlação entre preço e quantidade, para tais produtos, é negativo. b) O aumento médio dos prelos dos produtos foi de 15%. c) A redução média nos preços dos produtos foi de 20%. d) O coeficiente de correlação entre preço e quantidade, para tais produtos, é nulo. e) O aumento médio dos preços dos produtos foi de 115%. A relação entre os índices de Laspeyres e Paasche é dada por: IL IP r sp s = 1 V / V Onde: - r é o coeficiente de correlação linear entre o relativo de preços e o relativo de quantidade. - s P é o desvio-padrão do relativo de preços - s Q é o desvio-padrão do relativo de quantidade - V t é o valor monetário das vendas no ano de interesse, considerando preços do ano de interesse e quantidade do ano de interesse. - V 0 é o valor monetário das vendas no ano base, considerando preços do ano base e quantidades do ano base. t 0 Q Nesta equação aparece o coeficiente de correlação linear entre o relativo de preços e o relativo de quantidades. Prestem bem atenção. O que importa é a correlação linear entre dois índices: um para quantidade, outro para preços. Calculamos a relação entre os preços no ano de interesse e no ano base (índice relativo de preços). Calculamos a relação entre as quantidades no ano de interesse e no ano base (índice relativo de quantidades). Fazemos a correlação linear entre ambos. E é esse valor que entra na fórmula. Quando r = 0, temos: IL = IP 9

10 Se r > 0, temos: IL < IP Se r < 0, temos: IL > IP Como, neste caso, IL > IP, o coeficiente é negativo. Por este motivo, indicou-se a letra A como resposta, o que está errado. De fato, se IL > IP, então r < 0. Pergunta: qual coeficiente de correlação é menor que zero? Resposta: o coeficiente de correlação entre o índice relativo de preços e o índice relativo de quantidade. Nada podemos afirmar sobre a correlação entre quantidade e preço. Por isso a alternativa está errada. Como não há alternativa correta, a questão deve ser anulada. Para reforçar a argumentação, segue um contra-exemplo. Considere a seguinte tabela, referente a dois produtos: Ano base Ano de interesse Produtos preço qdade preço qdade a b Se você calcular os dois índices, chegará a: IL = 120 IP = 110 São exatamente os índices fornecidos pelo enunciado. Calculando os valores dos relativos de preço e quantidade, temos: produto relativo preço relativo qdade a 0,5 4, b 2 3,125 Como se pode observar, quando o relativo de preço aumenta, o relativo de quantidade diminui, o que indica uma relação inversa, o que implica em coeficiente de correlação linear negativo. Ou seja, a correlação linear entre o relativo de preço e o relativo de quantidade é negativa. Mas o que a questão afirmou não foi isso. A questão afirmou que o coeficiente de correlação entre preço e quantidade é negativa. Ora, isto é incorreto. Vide produto B: Preço Quantidade Quando o preço do produto B aumenta, a quantidade também aumenta. É uma relação direta. Isto implica em coeficiente de correlação positivo. Conseguimos construir um exemplo em que IL = 120, IP = 110 e, mesmo assim, um dos produtos apresenta correlação positiva entre quantidade e preço. Este exemplo mostra que a conclusão da alternativa A está errada. 10

11 Creio que cabe anulação da questão, conforme comentários acima. Questão 77 Na revista Seleções de setembro de 2009 foram publicados os resultados da 8ª edição da Pesquisa Marcas de Confiança, também apresentados através de alguns tipos de gráficos, dentre eles, os dois primeiros que estão abaixo, sendo os outros dois fictícios. A seqüência correta dos gráficos abaixo é, respectivamente: a) Polígono, colunas, histograma, barras. b) Histograma, colunas, barras, polígono c) Colunas, barras, histograma, polígono d) Histograma, polígono, barras, colunas e) Barras, colunas, histograma, polígono Sem comentários. Não vi possibilidade de recurso. Questão 78 Uma pesquisa indica que a distribuição do tempo que os candidatos de um concurso levam para entregar uma prova é aproximadamente normal, com tempo médio de 1,5 horas e desvio padrão de 15 minutos. Sabendo que P ( μ < X < μ + 2σ ) = 0, 4772 e P ( μ σ < X < μ + σ ) = 0,6827, o número esperado de candidatos que levam entre 1 e 2 horas para entregar a prova, de um total de candidatos, é: a) b) c) d) e)

12 1 1,5 = 2 0,25 2 1,5 = 2 0,25 P( 2 < Z < 2) = 2 0, 4772 = 95,44% Nesta questão eu não vi possibilidade de recurso. Questão 79 Sejam fac(k) a função de autocorrelação para k=0,1,2,... e facp(k) a função de autocorrelação parcial para k=0,1,2,..., respectivamente de uma ARMA(p,q). Considere as afirmações abaixo: para um ARMA (0,1), fac(k) só difere de 0 para k = 1. Para um ARMA (1,1), fac(k) difere de 0 para k=1 e 2 e facp(k) difere de 0 para k=2. Para um ARMA (2,0), facp(k) difere de 0 para k=1 e 2. Quais estão corretas? a) Apenas I b) Apenas II c) Apenas I e II d) Apenas I e III e) Apenas II e III Aqui vem um detalhe que eu não tinha reparado da primeira vez que vi a prova. A primeira frase tem uma palavrinha que não aparece nas demais frases. Olhem só a primeira frase: para um ARMA (0,1), fac(k) só difere de 0 para k = 1. E isto está errado. De fato, para k = 1, fac é diferente de zero. Mas há um outro valor de k para o qual fac é diferente de zero. Trata-se de k = 0. Seja γ k a covariância entre Z t e Z. t k 12

13 A fac é dada por: Se k=0, então: fac = γ k γ 0 γ o fac = = 1 0 γ 0 A primeira frase está errada. Pessoal, a análise das demais frases eu vou ficar devendo. O modelo ARIMA é um assunto que eu não estudo há muitos anos. A última vez foi na faculdade. Nos cursos de estatística que já dei, nunca precisei abordar esta matéria. O fato é que eu simplesmente não me lembro do que se trata a função de autocorrelação parcial. Não terei tempo de, antes do término da fase de recursos, conseguir um livro que trate do assunto, estudar novamente a matéria, e depois postar comentários aqui. De todo modo, supondo que as demais frases estão de acordo com o indicado pelo gabarito preliminar teríamos: - frase 2 errada - frase 3 correta. Ou seja, a única frase correta seria a 3. Não há alternativa que contemple esta opção. A questão deve ser anulada. s Ver comentários acima. Questão 80 Conhecendo apenas o índice de Laspeyres de preço e o índice de Paasche de quantidade, o cálculo utilizado para obter o índice de valor é: a) divisão b) multiplicação c) média geométrica d) média aritmética e) média harmônica Sem comentários. Não vi possibilidade de recursos. Bom, era isso. Espero que estes comentários ajudem vocês a formularem os recursos 13

14 Recebi s pedindo também a análise da prova de matemática financeira. Infelizmente, não terei tempo de olhar a prova antes do término do prazo dos recursos. Boa sorte!! 14

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES Caríssimos. Recebi muitos e-mails pedindo ajuda com eventuais recursos para as provas do BACEN. Em raciocínio lógico, eu não vi possibilidade de recursos, apesar de achar que algumas questões tiveram o

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES. Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES. Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ Caríssimos, Acabei de voltar de uma longa auditoria em que visitamos inúmeros assentamentos federais do INCRA no interior do estado. Ou seja:

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO

MEDIDAS DE DISPERSÃO MEDIDAS DE DISPERSÃO 1) (PETROBRAS) A variância da lista (1; 1; 2; 4) é igual a: a) 0,5 b) 0,75 c) 1 d) 1,25 e) 1,5 2) (AFPS ESAF) Dada a seqüência de valores 4, 4, 2, 7 e 3 assinale a opção que dá o valor

Leia mais

CURSO ONLINE REGULAR ESTATÍSTICA BÁSICA PROF. SÉRGIO CARVALHO AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS

CURSO ONLINE REGULAR ESTATÍSTICA BÁSICA PROF. SÉRGIO CARVALHO AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS Olá, amigos! AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS Ainda não é chegada nossa aula derradeira! Sei que muitos estão chateados e com toda a razão do mundo pelo atraso destas últimas aulas. Noutra ocasião

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1 CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1 Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática e Estatística para Técnico Administrativo para o BNDES 2008 organizado pela CESGRANRIO. Sem mais delongas,

Leia mais

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014 Inferência Estatística Estimação Cláudio Tadeu Cristino 1 1 Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil Mestrado em Nutrição, Atividade Física e Plasticidade Fenotípica Julho, 2014 C.T.Cristino

Leia mais

Questões de Exames Passados. 1. Considere o polígono integral das distribuições a seguir e responda as perguntas abaixo. F(x) C D

Questões de Exames Passados. 1. Considere o polígono integral das distribuições a seguir e responda as perguntas abaixo. F(x) C D Faculdade de Economia, Universidade Nova de Lisboa Tratamento de Dados André C. Silva Questões de Exames Passados 1. Considere o polígono integral das distribuições a seguir e responda as perguntas abaixo.

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - EPPGG

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - EPPGG Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-010 - EPPGG 11. Em uma caixa há 1 bolas de mesmo tamanho: 3 brancas, 4 vermelhas e 5 pretas. Uma pessoa, no escuro, deve retirar n bolas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Arquitetura e Urbanismo DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL ESTIMAÇÃO AUT 516 Estatística Aplicada a Arquitetura e Urbanismo 2 DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL Na aula anterior analisamos

Leia mais

Logo, para estar entre os 1% mais caros, o preço do carro deve ser IGUAL OU SUPERIOR A:

Logo, para estar entre os 1% mais caros, o preço do carro deve ser IGUAL OU SUPERIOR A: MQI 00 ESTATÍSTICA PARA METROLOGIA - SEMESTRE 008.0 Teste 6/05/008 GABARITO PROBLEMA O preço de um certo carro usado é uma variável Normal com média R$ 5 mil e desvio padrão R$ 400,00. a) Você está interessado

Leia mais

Olá pessoal! Sem mais delongas, vamos às questões.

Olá pessoal! Sem mais delongas, vamos às questões. Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova para AFRE/SC 2010 realizada pela FEPESE no último final de semana. Nosso curso teve um resultado muito positivo visto que das 15 questões, vimos 14 praticamente

Leia mais

Distribuições de Probabilidade Distribuição Normal

Distribuições de Probabilidade Distribuição Normal PROBABILIDADES Distribuições de Probabilidade Distribuição Normal BERTOLO PRELIMINARES Quando aplicamos a Estatística na resolução de situações-problema, verificamos que muitas delas apresentam as mesmas

Leia mais

Dedicado, Exclusivamente, A Todos Aqueles Que Querem A Aprovação!

Dedicado, Exclusivamente, A Todos Aqueles Que Querem A Aprovação! 1 Questões De Estatística Da Banca ESAF Que Você Precisa Aprender Como Resolver Antes De Fazer A Prova Do Concurso De Auditor-Fiscal Da Receita Federal 2014 Dedicado, Exclusivamente, A Todos Aqueles Que

Leia mais

Capítulo 7 Medidas de dispersão

Capítulo 7 Medidas de dispersão Capítulo 7 Medidas de dispersão Introdução Para a compreensão deste capítulo, é necessário que você tenha entendido os conceitos apresentados nos capítulos 4 (ponto médio, classes e frequência) e 6 (média).

Leia mais

Resoluções comentadas das questões de Estatística da prova para. ANALISTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E METAS da PREFEITURA/RJ

Resoluções comentadas das questões de Estatística da prova para. ANALISTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E METAS da PREFEITURA/RJ Resoluções comentadas das questões de Estatística da prova para ANALISTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E METAS da PREFEITURA/RJ Realizada pela Fundação João Goulart em 06/10/2013 41. A idade média de todos

Leia mais

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Distribuição Normal 1. Introdução O mundo é normal! Acredite se quiser! Muitos dos fenômenos aleatórios que encontramos na

Leia mais

http://www.de.ufpb.br/~luiz/

http://www.de.ufpb.br/~luiz/ UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequências

Leia mais

INE 5111 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade INE 5111 LISTA DE EXERCÍCIOS DE PROBABILIDADE

INE 5111 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade INE 5111 LISTA DE EXERCÍCIOS DE PROBABILIDADE INE 5 LISTA DE EERCÍCIOS DE PROBABILIDADE INE 5 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade ) Em um sistema de transmissão de dados existe uma probabilidade igual a 5 de um dado ser transmitido erroneamente.

Leia mais

Aula 11 Esperança e variância de variáveis aleatórias discretas

Aula 11 Esperança e variância de variáveis aleatórias discretas Aula 11 Esperança e variância de variáveis aleatórias discretas Nesta aula você estudará os conceitos de média e variância de variáveis aleatórias discretas, que são, respectivamente, medidas de posição

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas Programa de Pós-graduação em Estatística Aplicada e Biometria Prova de Conhecimentos Específicos

Universidade Federal de Alfenas Programa de Pós-graduação em Estatística Aplicada e Biometria Prova de Conhecimentos Específicos Dados que podem ser necessários a algumas questões de Estatística: P (t > t α ) = α ν 0,05 0,025 15 1,753 2,131 16 1,746 2,120 28 1,791 2,048 30 1,697 2,042 (Valor: 1,4) Questão 1. Considere o seguinte

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática. Reconhecimento de Padrões. Revisão de Probabilidade e Estatística

Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática. Reconhecimento de Padrões. Revisão de Probabilidade e Estatística Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática Reconhecimento de Padrões Revisão de Probabilidade e Estatística Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. http://lesoliveira.net Conceitos Básicos Estamos

Leia mais

Distribuições de Probabilidade Distribuição Binomial

Distribuições de Probabilidade Distribuição Binomial PROBABILIDADES Distribuições de Probabilidade Distribuição Binomial BERTOLO PRELIMINARES Quando aplicamos a Estatística na resolução de situações-problema, verificamos que muitas delas apresentam as mesmas

Leia mais

EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ESTATÍSTICA

EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ESTATÍSTICA EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ESTATÍSTICA Professor: LUIZ ANTÔNIO 1 1º) Em um escritório de consultoria, há cinco contínuos que recebem os seguintes salários mensais: R$ 800,00; R$ 780,00; R$

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Raciocínio Lógico-Quantitativo Correção da Prova ATRFB 2009 Gabarito 1 Prof. Moraes Junior RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO

Raciocínio Lógico-Quantitativo Correção da Prova ATRFB 2009 Gabarito 1 Prof. Moraes Junior RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO 31- A afirmação: João não chegou ou Maria está atrasada equivale logicamente a: a) Se João não chegou, Maria está atrasada. b) João chegou e Maria não está atrasada. c) Se

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Métodos Matemáticos para Gestão da Informação

Métodos Matemáticos para Gestão da Informação Métodos Matemáticos para Gestão da Informação Aula 05 Taxas de variação e função lineares III Dalton Martins dmartins@gmail.com Bacharelado em Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação

Leia mais

A Curva Normal Luiz Pasquali

A Curva Normal Luiz Pasquali Capítulo 3 A Curva Normal Luiz Pasquali 1 A História da Curva Normal A curva normal, também conhecida como a curva em forma de sino, tem uma história bastante longa e está ligada à história da descoberta

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

EXCEL 2013. Público Alvo: Arquitetos Engenheiros Civis Técnicos em Edificações Projetistas Estudantes das áreas de Arquitetura, Decoração e Engenharia

EXCEL 2013. Público Alvo: Arquitetos Engenheiros Civis Técnicos em Edificações Projetistas Estudantes das áreas de Arquitetura, Decoração e Engenharia EXCEL 2013 Este curso traz a vocês o que há de melhor na versão 2013 do Excel, apresentando seu ambiente de trabalho, formas de formatação de planilhas, utilização de fórmulas e funções e a criação e formatação

Leia mais

AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência

AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência 1 AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência Ernesto F. L. Amaral 23 e 25 de novembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Wooldridge, Jeffrey M. Introdução à econometria: uma

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS E RACIOCÍNIO LÓGICO BNDES 2011 ENGENHEIRO PROF PIO

COMENTÁRIOS DA PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS E RACIOCÍNIO LÓGICO BNDES 2011 ENGENHEIRO PROF PIO COMENTÁRIOS DA PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS E RACIOCÍNIO LÓGICO BNDES 2011 ENGENHEIRO PROF PIO Prezados concurseiros, segue abaixo os comentários das questões de métodos quantitativos, matemática financeira

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Normal

Probabilidade. Distribuição Normal Probabilidade Distribuição Normal Distribuição Normal Uma variável aleatória contínua tem uma distribuição normal se sua distribuição é: simétrica apresenta (num gráfico) forma de um sino Função Densidade

Leia mais

Inferência Estatística

Inferência Estatística Universidade Federal Fluminense Instituto de Matemática e Estatística Inferência Estatística Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística Conteúdo 1 Inferência estatística Conceitos básicos 1 1.1

Leia mais

Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA I

Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA I Ano lectivo: 2008/2009 Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA I Ficha de exercícios 1 Validação de Pré-Requisitos: Estatística Descritiva Curso: Psicologia

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2 LISTA N O 2 Prof.: William Morán Sem. I - 2011 1) Considere a seguinte função distribuição conjunta: 1 2 Y 0 0,7 0,0

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/1/011 pelo CEPERJ 59. O cartão de crédito que João utiliza cobra 10% de juros ao mês,

Leia mais

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto A econometria é o laboratório dos economistas, que busca reproduzir o funcionamento do mundo de forma experimental, como se faz nas ciências naturais. Os modelos

Leia mais

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A.

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A. IMES Catanduva Probabilidades e Estatística Estatística no Excel Matemática Bertolo, L.A. Aplicada Versão BETA Maio 2010 Bertolo Estatística Aplicada no Excel Capítulo 3 Dados Bivariados São pares de valores

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES Caríssimos amigos concurseiros. Seguem breves comentários à prova de RLQ do ATA- MF. Não encontramos nenhuma questão passível de recurso. Mas, se vocês tiverem visualizado alguma coisa e quiserem debater

Leia mais

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Metodologias de Avaliação de Impacto Objetiva quantificar as mudanças que o projeto causou na vida dos beneficiários. Plano de Aula Método experimental: regressão

Leia mais

Introdução à Inferência Estatística

Introdução à Inferência Estatística Introdução à Inferência Estatística 1. População: conjunto de indivíduos, ou itens, com pelo menos uma característica em comum. Também será denotada por população objetivo, que é sobre a qual desejamos

Leia mais

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF)

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 010 ExercíciosProgramados1e VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Esses exercícios abrangem a matéria das primeiras semanas de aula (Aula 1) Os alunos

Leia mais

Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia

Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Estatística I Curso: Contabilidade e Administração Ano: 3 o Semestre: o Prova: Exame Época: Normal Ano Lectivo: 2004/2005

Leia mais

Este apêndice resume os conceitos de álgebra matricial, inclusive da álgebra de probabilidade,

Este apêndice resume os conceitos de álgebra matricial, inclusive da álgebra de probabilidade, D Resumo de Álgebra Matricial Este apêndice resume os conceitos de álgebra matricial, inclusive da álgebra de probabilidade, necessária para o estudo de modelos de regressão linear múltipla usando matrizes,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO NORMAL 1

DISTRIBUIÇÃO NORMAL 1 DISTRIBUIÇÃO NORMAL 1 D ensid ade Introdução Exemplo : Observamos o peso, em kg, de 1500 pessoas adultas selecionadas ao acaso em uma população. O histograma por densidade é o seguinte: 0.04 0.03 0.02

Leia mais

Trabalhando com Pequenas Amostras: Distribuição t de Student

Trabalhando com Pequenas Amostras: Distribuição t de Student Probabilidade e Estatística Trabalhando com Pequenas Amostras: Distribuição t de Student Pequenas amostras x Grandes amostras Nos exemplos tratados até agora: amostras grandes (n>30) qualquer tipo de distribuição

Leia mais

Empresa de Pesquisa Energética (EPE) 2014. Analista de Projetos da Geração de Energia

Empresa de Pesquisa Energética (EPE) 2014. Analista de Projetos da Geração de Energia Empresa de Pesquisa Energética (EPE) 2014 Analista de Projetos da Geração de Energia Oi, pessoal! Vou resolver as quatro questões de Estatística (53 a 56) da prova elaborada pela banca Cesgranrio para

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

Correlação e Regressão Linear

Correlação e Regressão Linear Correlação e Regressão Linear A medida de correlação é o tipo de medida que se usa quando se quer saber se duas variáveis possuem algum tipo de relação, de maneira que quando uma varia a outra varia também.

Leia mais

Estatística Aplicada Lista de Exercícios 7

Estatística Aplicada Lista de Exercícios 7 AULA 7 CORRELAÇÃO E REGRESSÃO Prof. Lupércio F. Bessegato 1. Ache os valores de a e b para a equação de regressão Y = a + bx, usando o conjunto de dados apresentados a seguir, sem fazer cálculos (sugestão:

Leia mais

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere os conjuntos S = {0,2,4,6}, T = {1,3,5} e U = {0,1} e as afirmações: I. {0} S e S U. II. {2} S\U e S T U={0,1}.

Leia mais

Prova Escrita de Matemática B

Prova Escrita de Matemática B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/01, de 5 de julho Prova Escrita de Matemática B 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 735/Época Especial 13 Páginas Duração da Prova: 150 minutos.

Leia mais

Bioestatística Aula 3

Bioestatística Aula 3 Aula 3 Castro Soares de Oliveira Probabilidade Probabilidade é o ramo da matemática que estuda fenômenos aleatórios. Probabilidade é uma medida que quantifica a sua incerteza frente a um possível acontecimento

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Tema/Subtema Conteúdos Metas Nº de Aulas Previstas Org.Trat.Dados / Planeamento Estatístico Especificação do problema Recolha de dados População

Leia mais

Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuições de Probabilidade

Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuições de Probabilidade Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuições de Probabilidade Objetivos do aprendizado a.determinar probabilidades a partir de funções de probabilidade b.determinar probabilidades a partir de funções

Leia mais

Primeira Lista de Exercícios de Estatística

Primeira Lista de Exercícios de Estatística Primeira Lista de Exercícios de Estatística Professor Marcelo Fernandes Monitor: Márcio Salvato 1. Suponha que o universo seja formado pelos naturais de 1 a 10. Sejam A = {2, 3, 4}, B = {3, 4, 5}, C =

Leia mais

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior Gestão de TI Evanivaldo Castro Silva Júnior Porque estudar Estatística em um curso de Gestão de TI? TI trabalha com dados Geralmente grandes bases de dados Com grande variabilidade Difícil manipulação,

Leia mais

LISTA DE MATEMÁTICA. Aluno(a): Nº. 1. Determinada editora pesquisou o número de páginas das revistas mais vendidas em uma cidade.

LISTA DE MATEMÁTICA. Aluno(a): Nº. 1. Determinada editora pesquisou o número de páginas das revistas mais vendidas em uma cidade. LISTA DE MATEMÁTICA Aluno(a): Nº. Professor: Rosivane Série: 2 ano Disciplina: Matematica Data da prova: Pré Universitário Uni-Anhanguera MEDIDAS DE DISPERSÃO 1. Determinada editora pesquisou o número

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. MACS Matemática Aplicada às Ciências Sociais. Curso de Línguas e Humanidades 2º ANO (11º ANO)

PLANIFICAÇÃO ANUAL. MACS Matemática Aplicada às Ciências Sociais. Curso de Línguas e Humanidades 2º ANO (11º ANO) PLANIFICAÇÃO ANUAL MACS Matemática Aplicada às Ciências Sociais Curso de Línguas e Humanidades º ANO (º ANO) Ano Lectivo 0/05 Planificação º Ano - MACS º Período Número de Aulas Previstas 0 Apresentação

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Vetores Aleatórios, correlação e conjuntas

Vetores Aleatórios, correlação e conjuntas Vetores Aleatórios, correlação e conjuntas Cláudio Tadeu Cristino 1 1 Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Brasil Segundo Semestre, 2013 C.T.Cristino (DEINFO-UFRPE) Vetores Aleatórios 2013.2

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 835/2.ª Fase 13 Páginas Duração

Leia mais

2 Modelo para o Sistema de Controle de Estoque (Q, R)

2 Modelo para o Sistema de Controle de Estoque (Q, R) Modelo para o Sistema de Controle de Estoque (, ) Neste capítulo é apresentado um modelo para o sistema de controle de estoque (,). Considera-se que a revisão dos estoques é continua e uma encomenda de

Leia mais

Matriz Curricular de Matemática 6º ao 9º ano 6º ano 6º Ano Conteúdo Sistemas de Numeração Sistema de numeração Egípcio Sistema de numeração Romano Sistema de numeração Indo-arábico 1º Trimestre Conjunto

Leia mais

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas.

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas. Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas questões, com as respectivas resoluções comentadas. Amigos, para responder às questões deste Simulado, vamos

Leia mais

PROVA ESCRITA DE ESTATÍSTICA VERSÃO A. 04 As classes de uma distribuição de freqüência devem ser mutuamente exclusivas para que

PROVA ESCRITA DE ESTATÍSTICA VERSÃO A. 04 As classes de uma distribuição de freqüência devem ser mutuamente exclusivas para que COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOT 00 EXAME DE CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS PROVA ESCRITA DE ESTATÍSTICA

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

O presente processo de seleção tem por objetivo preencher vaga e formar cadastro de docentes para ministrar as disciplinas/áreas abaixo:

O presente processo de seleção tem por objetivo preencher vaga e formar cadastro de docentes para ministrar as disciplinas/áreas abaixo: A Faculdade de Economia e Finanças Ibmec/RJ torna pública a abertura de processo seletivo para contratação de professores PJ para o curso de Pós Graduação Executiva - CBA. I Das vagas abertas para seleção

Leia mais

Distribuição de Freqüência

Distribuição de Freqüência Distribuição de Freqüência Representação do conjunto de dados Distribuições de freqüência Freqüência relativa Freqüência acumulada Representação Gráfica Histogramas Organização dos dados Os métodos utilizados

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS

LISTA DE EXERCÍCIOS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS LISTA DE EXERCÍCIOS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS 1. Construir um quadro e o gráfico de uma distribuição de probabilidade para a variável aleatória X: número de coroas obtidas no lançamento de duas moedas. 2. Fazer

Leia mais

Teste de Hipótese para uma Amostra Única

Teste de Hipótese para uma Amostra Única Teste de Hipótese para uma Amostra Única OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM Depois de um cuidadoso estudo deste capítulo, você deve ser capaz de: 1.Estruturar problemas de engenharia de tomada de decisão, como

Leia mais

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 3.2 O Espaço Nulo de A: Resolvendo Ax = 0 11 O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 Esta seção trata do espaço de soluções para Ax = 0. A matriz A pode ser quadrada ou retangular. Uma solução imediata

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Correlação Estatística e Probabilidade Uma correlação é uma relação entre duas variáveis. Os dados podem ser representados por pares ordenados (x,y), onde x é a variável independente ou variável explanatória

Leia mais

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado,

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e distribuições contínuas 4.1 Variáveis aleatórias contínuas. Função densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, variância e algumas das suas propriedades. Moda e quantis

Leia mais

Prova Parcial de Estatística I. Turma: AE1 AE2 AE3 AE4

Prova Parcial de Estatística I. Turma: AE1 AE2 AE3 AE4 ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Prova Parcial de Estatística I Data: Setembro / Professores: Eduardo Francisco Francisco Aranha Nelson Barth A Nome do Aluno: GABARITO

Leia mais

MOQ-23 ESTATÍSTICA. Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo

MOQ-23 ESTATÍSTICA. Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo MOQ-3 ESTATÍSTICA Proessor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo Probabilidade e Estatística: The Science o collecting and analyzing data or the purpose o drawing conclusions and making

Leia mais

no de Questões A Unicamp comenta suas provas

no de Questões A Unicamp comenta suas provas Cad no de Questões A Unicamp comenta suas provas 99 SEGUNDA FASE 4 de Janeiro de 998 Matemática 0 prova de Matemática do Vestibular Unicamp procura identificar nos candidatos um conhecimento crítico e

Leia mais

Exercícios Resolvidos sobre probabilidade total e Teorema de Bayes

Exercícios Resolvidos sobre probabilidade total e Teorema de Bayes Exercícios Resolvidos sobre probabilidade total e Teorema de Bayes Para ampliar sua compreensão sobre probabilidade total e Teorema de Bayes, estude este conjunto de exercícios resolvidos sobre o tema.

Leia mais

AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA

AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil, Analista Tributário da Receita Federal do Brasil e Auditor Fiscal do Trabalho. Prof. Weber Campos webercampos@gmail.com AUDITOR-FISCAL

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Aula 5 Estatística stica para Metrologia Aula 5 Variáveis Contínuas Uniforme Exponencial Normal Lognormal Mônica Barros, D.Sc. Maio de 008 1 Distribuição Uniforme A probabilidade de ocorrência em dois

Leia mais

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 07

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 07 DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 07 Este é o 7º artigo da série de dicas para facilitar / agilizar os cálculos matemáticos envolvidos em questões de Raciocínio Lógico, Matemática, Matemática Financeira

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

PROVA COMENTADA Parte 1 TRT 4ª REGIÃO

PROVA COMENTADA Parte 1 TRT 4ª REGIÃO youyou PROVA COMENTADA Parte 1 TRT 4ª REGIÃO Técnico Judiciário RACIOCÍNIO LÓGICO Professor: Alex Lira Aula Prova 01 Prof. Alex Lira www.concurseiro24horas.com.br 1 10 COMPRA COLETIVA DE CURSOS PARA CONCURSOS

Leia mais

Slides de Estatística Descritiva na HP-12C 01/10/2009 ESTATÍSTICAS. Na HP-12C. 01/10/2009 Bertolo 2. O que é Estatística?

Slides de Estatística Descritiva na HP-12C 01/10/2009 ESTATÍSTICAS. Na HP-12C. 01/10/2009 Bertolo 2. O que é Estatística? ESTATÍSTICAS Na HP-12C 01/10/2009 Bertolo 1 O que é Estatística? A estatística pode ser entendida como um conjunto de ferramentas envolvidas no estudo de métodos e procedimentos usados para 1. colecionar,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 da RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (MACS) 10º ANO

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 da RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (MACS) 10º ANO ESCOLA SECUNDÁRIA/3 da RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (MACS) 10º ANO ANO LETIVO DE 2015/2016 PROFESSORES: Inácio Véstia

Leia mais

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação Agropecuária Prova do Processo Seletivo para o Mestrado

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito.

DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito. UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 41 DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito. Carlos Alexandre Sá (calex@marlin.com.br)

Leia mais

CONTROLE ESTATÍSTICO DA QUALIDADE

CONTROLE ESTATÍSTICO DA QUALIDADE CONTROLE ESTATÍSTICO DA QUALIDADE Prof., PhD OBJETIVO DO CEP A idéia principal do Controle Estatístico de Processo (CEP) é que melhores processos de produção, ou seja, com menos variabilidade, propiciam

Leia mais

Aula 10 Testes de hipóteses

Aula 10 Testes de hipóteses Aula 10 Testes de hipóteses Na teoria de estimação, vimos que é possível, por meio de estatísticas amostrais adequadas, estimar parâmetros de uma população, dentro de certo intervalo de confiança. Nos

Leia mais

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios.

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios. Exercícios A U L A 10 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios. objetivo aplicar os conhecimentos adquiridos nas Aulas 4 a 9 por meio da

Leia mais

POLINÔMIOS. x 2x 5x 6 por x 1 x 2. 10 seja x x 3

POLINÔMIOS. x 2x 5x 6 por x 1 x 2. 10 seja x x 3 POLINÔMIOS 1. (Ueg 01) A divisão do polinômio a) x b) x + c) x 6 d) x + 6 x x 5x 6 por x 1 x é igual a:. (Espcex (Aman) 01) Os polinômios A(x) e B(x) são tais que A x B x x x x 1. Sabendo-se que 1 é raiz

Leia mais

Bem, produto interno serve para determinar ângulos e distâncias entre vetores e é representado por produto interno de v com w).

Bem, produto interno serve para determinar ângulos e distâncias entre vetores e é representado por produto interno de v com w). Produto Interno INTRODUÇÃO Galera, vamos aprender agora as definições e as aplicações de Produto Interno. Essa matéria não é difícil, mas para ter segurança nela é necessário que o aluno tenha certa bagagem

Leia mais

CURSOS ON-LINE - ESTATÍSTICA BÁSICA CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO CARVALHO AULA 02

CURSOS ON-LINE - ESTATÍSTICA BÁSICA CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO CARVALHO AULA 02 Olá, amigos! AULA 02 Tudo bem com vocês? E aí, revisaram a aula passada? Espero que sim. Bem como espero que tenham resolvido as questões que ficaram pendentes! A propósito, vamos iniciar nossa aula de

Leia mais

Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência.

Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Há dois tipos de

Leia mais