Como funciona a lâmpada fluorescente

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como funciona a lâmpada fluorescente"

Transcrição

1

2 A TELA DE PLASMA A grande inovação desse tipo de aparelho está na forma como são ativados os pixels, os pequenos pontos luminosos que formam a imagem na tela. Na televisão tradicional, isso é feito por um feixe de elétrons, que é emitido dentro de um grande tubo por isso o aparelho tem muita profundidade. Já no novo modelo, os pixels são minúsculas lâmpadas fluorescentes que contêm em seu interior plasma, um gás carregado eletricamente que dá nome ao aparelho. Como as microlâmpadas têm espessura equivalente à de um fio de cabelo, o aparelho tem uma estrutura extremamente compacta, parecendo um quadro para pendurar na parede. Além de reduzir a profundidade da TV para poucos centímetros, a nova tecnologia ainda aumentou a resolução da imagem em quase sete vezes. Outras vantagens são a tela plana, que evita distorções, e as imagens com mais cores e brilho, além de menos problemas de reflexo. Entretanto, o princípio usado para formar as imagens é basicamente o mesmo nas duas televisões.

3 Como funciona a lâmpada fluorescente Dentro do envoltório de vidro de uma lâmpada fluorescente há argônio e vapor de mercúrio, rarefeitos. Em cada extremidade do tubo há um eletrodo sob a forma de um filamento, revestido com um óxido. Quando se liga a lâmpada, os filamentos se aquecem e emitem elétrons; isso inicia a ionização do gás. Um starter (disparador) interrompe então o circuito, automaticamente, e desliga o aquecimento dos filamentos. O reator, ligado à lâmpada, produz imediatamente um impulso de alta voltagem, que inicia a descarga no argônio. Essa descarga aquece e vaporiza o mercúrio, cuja maior quantidade está inicialmente sob estado líquido.

4 Os elétrons provenientes do filamento chocam-se com as moléculas de gás mercúrio contidas no tubo, o que produz não só a excitação como também a ionização dos átomos. Ionizados, os átomos do gás são acelerados pela diferença de voltagem entre os terminais do tubo, e ao se chocarem com outros átomos provocam outras excitações. O retorno desses átomos ao estado fundamental ocorre com a emissão de fótons de energia correspondente a radiações visíveis e ultravioleta (invisíveis). A radiação ultravioleta, ao se chocar com o revestimento fluorescente do tubo (fósforo), produz luz invisível. Como nas lâmpadas fluorescentes, a maior parte da energia fornecida é transformada em luz, seu rendimento pode ser até cinco vezes maior do que o das lâmpadas incandescentes, que produzem muito mais calor.

5 O que é plasma? O elemento central em uma luz fluorescente é um plasma, um gás composto de íons que fluem livremente (átomos eletricamente carregados) e elétrons (partículas negativamente carregadas). Em condições normais, um gás é principalmente composto de partículas não carregadas. Isto é, os átomos de gás individuais incluem números equivalentes de prótons (partículas positivamente carregadas do núcleo do átomo) e elétrons. Os elétrons negativamente carregados anulam perfeitamente os prótons positivamente carregados, portanto o átomo tem uma carga neta do zero. Se você introduz muitos elétrons livres no gás estabelecendo uma voltagem elétrica através dele, a situação muda rapidamente. Os elétrons livres colidem com os átomos, batendo e arrancando outros elétrons. Com um elétron a menos, um átomo perde o equilíbrio. Ele tem uma carga líquida positiva, e se torna um íon. Em um plasma com uma corrente elétrica que o atravessa, as partículas negativamente carregadas se deslocam em direção à área positivamente carregada do plasma, e as partículas positivamente carregadas, em direção à área negativamente carregada.

6 Neste ímpeto louco, as partículas vão se chocando constantemente umas com as outras. Essas colisões excitam os átomos de gás no plasma, causando-os liberar fótons de energia. Com Xenônio e átomos de Neônio, os átomos usados em telas de plasma, fótons de luz são emitidos quando eles são excitados. Pela maior parte, esses átomos liberam fótons ultravioletas, que são invisíveis ao olho humano. Mas os fótons ultravioletas podem ser usados para excitar fótons visíveis (quando absorvidos e reemitidos pelo pó branco utilizado nas lâmpadas).

7 Os pixels, distribuídos em linhas horizontais, da esquerda para direita, e de cima para baixo, não são ativados todos de uma só vez. Assim, cada quadro da tela leva pouco mais de um milésimo de segundo para ser completado. E é exatamente essa seqüência de surgimento dos quadros que cria a ilusão de movimento. Aparelho de TV antigo usa feixe de elétrons, enquanto o novo tem microlâmpadas coloridas.

8 TV COMUM 1. Uma peça chamada cátodo emite um feixe de elétrons rumo à tela. A luz criada pelo feixe aciona os pixels na tela, que têm três cores: vermelha, verde e azul. Dependendo da luz que cada cor recebe, forma-se um ponto na tela e a soma de todos eles compõe a imagem 2. Tudo isso ocorre no tubo da TV. Mas é preciso haver espaço interno para que o feixe de elétrons seja desviado por um campo magnético (controlado pelos sinais da emissora) e consiga varrer a tela toda. Quanto maior a tela, maior tem que ser o tubo

9 TV A PLASMA 1. O feixe de elétrons foi substituído por microlâmpadas, dispostas lado a lado, formando uma grade próxima à tela. Cada lâmpada é um pixel e tem uma cor própria (vermelha, verde ou azul). As lâmpadas são acionadas por eletrodos ligados a uma placa de vídeo, que recebe os sinais da emissora 2. Cada lâmpada possui em seu interior uma mistura de gases. Quando recebem o comando da placa de vídeo, os eletrodos de um pixel liberam elétrons que se chocam contra os átomos da mistura gasosa, transformandoa em plasma, ou seja, um gás com partículas carregadas eletricamente. 3. Essas partículas são atraídas por outras partículas de carga oposta e começam a se chocar, liberando luz ultravioleta, invisível ao olho humano. A luz ultravioleta bate numa camada de fósforo da lâmpada e, aí sim, surge uma luminosidade visível. Ou seja, um dos milhares de pixels da TV foi acionado para ajudar a compor a imagem na tela.

10 IDENTIFICAÇÃO DAS PLACAS DE UMA TV PLASMA

11 PCI - FONTE

12 Placa regulador Y (Y-Sus)

13 Placa Regulador Z (Z-Sus)

14 Placa controladora (Control)

15 Processadora de video (VSC Video ScanConverter)

16 Placa tuner

17 Placa Buffer Y superior e inferior respectivamente

18 Placa Buffer X direito e esquerdo respectivamente

19 PRINCIPAIS DEFEITOS Perda de sincronismo ao mudar canal, não é defeito ver sinc lost

20 Perda de sincronismo ao mudar canal, não é defeito ver sinc lost

21 Vários pontos na tela de cores diversas acendendo e apagando nas cenas escuras troca do painel.

22 Troca do Painel.

23 Uma ou mais faixas verticais bem definidas desde que não tenha problema de DriveX leftou right Troca de display

24 PRINCIPAIS DEFEITOS1.6 -Faixa vertical idem ao 5 Troca do display

25 Faixa horizontal verifique as placas Buffer Y superior e inferior, caso tudo OK, troca do display.

26 Pontos apagados(células) permitido de 2 a 10 Superior Troca do display.

27

PLASMA X LCD. Marcelo de Souza Freitas Mestrado em Telecomunicações Universidade Federal Fluminense

PLASMA X LCD. Marcelo de Souza Freitas Mestrado em Telecomunicações Universidade Federal Fluminense PLASMA X LCD Marcelo de Souza Freitas Mestrado em Telecomunicações Universidade Federal Fluminense ROTEIRO Introdução Funcionamento do LCD Funcionamento do Plasma Comparação entre as tecnologias Conclusão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 07 COMANDO DE LÂMPADAS INCANDESCENTES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 07 COMANDO DE LÂMPADAS INCANDESCENTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 07 COMANDO DE LÂMPADAS INCANDESCENTES 1 INTRODUÇÃO A presente aula tem por objetivo principal

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna. Bloco 01: A EXPERIÊNCIA DE FRANCK - HERTZ

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna. Bloco 01: A EXPERIÊNCIA DE FRANCK - HERTZ Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Bloco 01: A EXPERIÊNCIA DE FRANCK - HERTZ Introdução Os elétrons podem ser excitados por fótons ou por colisões. Historicamente,

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

QUI 072 Química Analítica V. Aula 5 - Espectrometria de absorção atômica

QUI 072 Química Analítica V. Aula 5 - Espectrometria de absorção atômica Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 072 Química Analítica V Aula 5 - Espectrometria de absorção atômica Julio C. J. Silva Juiz de Fora, 2014 Métodos

Leia mais

4º bimestre - Volume 3, Capítulo 19

4º bimestre - Volume 3, Capítulo 19 Página 1 de 7 4º bimestre - Volume 3, Capítulo 19 Testes propostos 4º bimestre 1 (Uneb-BA) De acordo com o físico Max Planck, que introduziu o conceito de energia quantizada, a luz, elemento imprescindível

Leia mais

NOTA: Os primeiros aparelhos emitiam radiação praticamente na faixa de Raios X duros, sendo extremamente perigosos, podendo causar danos biológicos.

NOTA: Os primeiros aparelhos emitiam radiação praticamente na faixa de Raios X duros, sendo extremamente perigosos, podendo causar danos biológicos. As colisões dos elétrons com alta energia cinética no tubo fluorescente provocam transições eletrônicas que envolvem orbitais internos. Raios X moles (de maior λ e fraco poder de penetração, e.g. λ=150å

Leia mais

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união.

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Soldagem Tipos de Soldagem Soldagem Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Tipos de Fontes Mecânica: Calor gerado

Leia mais

Raios-x. Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA

Raios-x. Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA Raios-x Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA Materiais Radioativos 1896 o físico Francês Becquerel descobriu que sais de Urânio emitia radiação capaz de produzir sombras de

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO 2007 Atenção! Para que este informativo tenha resultado é imprescindível que leia todos os boletins técnicos emitidos para cada

SUPORTE TÉCNICO 2007 Atenção! Para que este informativo tenha resultado é imprescindível que leia todos os boletins técnicos emitidos para cada SUPORTE TÉCNICO 2007 Atenção! Para que este informativo tenha resultado é imprescindível que leia todos os boletins técnicos emitidos para cada modelo, pois, difere ligeiramente em alguns detalhes (LAM).

Leia mais

Espectroscopia do Visível

Espectroscopia do Visível Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa Espectroscopia do Visível Relatório da Atividade Experimental Curso de Ciências da Arte e do Património

Leia mais

OLED _ Como funciona esta tecnologia

OLED _ Como funciona esta tecnologia OLED _ Como funciona esta tecnologia Imagine uma TV de alta definição com 2 metros de largura e menos de 0,60 cm de espessura, que consuma menos energia do que a maioria das TVs comuns e possa ser enrolada

Leia mais

EXPERIMENTO 12: MEDIDA DA RAZÃO CARGA/MASSA DO ELÉTRON

EXPERIMENTO 12: MEDIDA DA RAZÃO CARGA/MASSA DO ELÉTRON EXPERIMENTO 12: MEDIDA DA RAZÃO CARGA/MASSA DO ELÉTRON 12.1 OBJETIVO Medir a razão carga/massa do elétron pelo método de Thomsom usando um osciloscópio didático adaptado. 12.2 INTRODUÇÃO A razão e/m foi

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta

Centro Universitário Padre Anchieta 1) Quais são os cinco componentes principais utilizados nos equipamentos de espectroscopia óptica (molecular e atômica). Resposta: Os cinco componentes são: 1- Fonte de radiação (energia): Responsável

Leia mais

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco.

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco. Painel de Plasma Esse tutorial apresenta os conceitos básicos da tecnologia empregada em painéis de plasma e suas principais características. Anderson Clayton de Oliveira Graduado em Engenharia Elétrica

Leia mais

O ÁTOMO pág. 66. Átomo: do grego, indivisível.

O ÁTOMO pág. 66. Átomo: do grego, indivisível. O ÁTOMO pág. 66 Átomo: do grego, indivisível. Núcleo: Prótons + Nêutrons Eletrosfera: Elétrons Número atômico (Z): nº de prótons no núcleo Número de massa (A): nº de prótons + nêutrons Prótons: carga positiva

Leia mais

Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia

Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia Por propriedade ótica subentende-se a reposta do material à exposição à radiação eletromagnética e, em particular, à luz visível.

Leia mais

Laser. Emissão Estimulada

Laser. Emissão Estimulada Laser A palavra laser é formada com as iniciais das palavras da expressão inglesa light amplification by stimulated emission of radiation, que significa amplificação de luz por emissão estimulada de radiação.

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Dispositivos de Entrada e Saída Aula baseada no material do prof. Dr. Neil Paiva Dispositivos de Entrada Teclado Scanner Tela Sensível ao Toque (e saída) Mouse Leitores de código de barras automação de

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV006 Lanterna de LED Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Prof. Ventura Ensina Tecnologia Lanterna de LED Nosso simples projeto consiste

Leia mais

Introdução à Astrofísica. Espectroscopia. Rogemar A. Riffel

Introdução à Astrofísica. Espectroscopia. Rogemar A. Riffel Introdução à Astrofísica Espectroscopia Rogemar A. Riffel Radiação de Corpo Negro Corpo negro: corpo que absorve toda a radiação que incide sobre ele, sem refletir nada; - Toda a radiação emitida pelo

Leia mais

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. O Sol. Rogério Riffel.

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. O Sol. Rogério Riffel. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica O Sol Rogério Riffel http://astro.if.ufrgs.br/esol/esol.htm Dados gerais Maior objeto do sistema solar Diâmetro (da fotosfera): 1 391 980 km (100 X diâmetro da Terra)

Leia mais

Energia É definida como tudo aquilo capaz de realizar ou produzir trabalho. Ela existe em diversas modalidades sob várias formas:

Energia É definida como tudo aquilo capaz de realizar ou produzir trabalho. Ela existe em diversas modalidades sob várias formas: 1. Instalações Elétricas de Baixa Tensão: 1.1. Introdução A energia elétrica está presente em inúmeras atividades do ser humano. Ela é sinônimo de desenvolvimento de um país e de padrão de vida de sua

Leia mais

J.J. Thomson N. Bohr E. Schrödinger. J. Dalton E. Rutherford. Demócrito e Leucipo. A. Sommerfeld. Evolução histórica

J.J. Thomson N. Bohr E. Schrödinger. J. Dalton E. Rutherford. Demócrito e Leucipo. A. Sommerfeld. Evolução histórica J.J. Thomson N. Bohr E. Schrödinger Demócrito e Leucipo J. Dalton E. Rutherford Evolução histórica A. Sommerfeld Demócrito e Leucipo (modelo filosofal) Do que a matéria é constituída? A matéria é descontínua.

Leia mais

RADIOATIVIDADE E FÍSICA NUCLEAR

RADIOATIVIDADE E FÍSICA NUCLEAR RADIOATIVIDADE E FÍSICA NUCLEAR O começo... 1895 Wilhelm Conrad Roengten descobre a radiação X 1896 Antoine Henri Bequerel descobriu que determinado material emitia radiações espontâneas radioatividade

Leia mais

Dark Skies Rangers Program

Dark Skies Rangers Program Dark Skies Rangers Program Espetro das luzes: Uma Demonstração Interativa com Redes de Difração Emissão Todo o átomo é composto por protões, neutrões e eletrões. Os protões e os neutrões residem no núcleo

Leia mais

EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação

EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação a EMISSÃO ocorre quando um elétron de um átomo salta de uma órbita superior para uma inferior (fundamentalização): um fóton é emitido (produzido). e - e - + n 2, E 2 n, E

Leia mais

Catálogo Técnico 2013

Catálogo Técnico 2013 Catálogo Técnico 203 Design e Tecnologia incomparáveis Identificação Esquema de ligação Interruptor imples - 0A/250V~ 2 FAE Permite comandar uma o u m a i s l â m p a d a s exclusivamente de um único local.

Leia mais

Monitores. Tipos de conexões:

Monitores. Tipos de conexões: Monitores 1-Conexões O primeiro passo para que as informações de um computador irem para uma tela. O processo todo começa quando um sinal de vídeo é enviado para o aparelho. Ele chega até ele por meio

Leia mais

CURSO DE RADIOPROTEÇÃO COM ÊNFASE NO USO, PREPARO E MANUSEIO DE FONTES RADIOATIVAS NÃO SELADAS

CURSO DE RADIOPROTEÇÃO COM ÊNFASE NO USO, PREPARO E MANUSEIO DE FONTES RADIOATIVAS NÃO SELADAS CURSO DE RADIOPROTEÇÃO COM ÊNFASE NO USO, PREPARO E MANUSEIO DE FONTES RADIOATIVAS NÃO SELADAS Walter Siqueira Paes DIVISÃO DE HIGIENE, SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SETOR DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PROGRAMAÇÃO

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 3 ÁTOMOS E LIGAÇÕES QUÍMICAS

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 3 ÁTOMOS E LIGAÇÕES QUÍMICAS Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Agronomia Química Analítica Prof. Dr. Gustavo Rocha de Castro. As medidas baseadas na luz (radiação eletromagnética) são muito empregadas

Agronomia Química Analítica Prof. Dr. Gustavo Rocha de Castro. As medidas baseadas na luz (radiação eletromagnética) são muito empregadas ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA Introdução As medidas baseadas na luz (radiação eletromagnética) são muito empregadas na química analítica. Estes métodos são baseados na quantidade de radiação emitida

Leia mais

A CAUSA DO ENCOLHIMENTO ACELERADO DO PLANETA MERCÚRIO: Perspectiva atual: Mudança da Constituição Atômica:

A CAUSA DO ENCOLHIMENTO ACELERADO DO PLANETA MERCÚRIO: Perspectiva atual: Mudança da Constituição Atômica: A CAUSA DO ENCOLHIMENTO ACELERADO DO PLANETA MERCÚRIO: LUIZ CARLOS DE ALMEIDA Perspectiva atual: O encolhimento observado no planeta Mercúrio está sendo explicado atualmente, como se o planeta estivesse

Leia mais

LISTA 1 PARA ENTREGAR. Raios ultravioletas

LISTA 1 PARA ENTREGAR. Raios ultravioletas LISTA 1 PARA ENTREGAR 1) a) Radiação é energia em trânsito. É uma forma de energia emitida por uma fonte e transmitida por meio do vácuo, do ar ou de meios materiais. b) Radiações ionizantes são partículas

Leia mais

Aplicações da Mecânica Quântica

Aplicações da Mecânica Quântica Aplicações da Mecânica Quântica LASER I Amplificação da luz por emissão estimulada da radiação As bases teóricas para o laser foram estabelecidas por Einstein em 1917. O primeiro laser foi construído em

Leia mais

Clarissa chuta, em seqüência, três bolas P, Q e R, cujas trajetórias estão representadas nesta figura:

Clarissa chuta, em seqüência, três bolas P, Q e R, cujas trajetórias estão representadas nesta figura: PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 46 Clarissa chuta, em seqüência, três bolas P, Q e R, cujas trajetórias estão representadas nesta figura: Q P R Sejam t P, t Q e t R os tempos gastos, respectivamente, pelas bolas

Leia mais

Cap. 2 Princípios da Eletrodinâmica

Cap. 2 Princípios da Eletrodinâmica Cap. 2 Princípios da Eletrodinâmica Instituto Federal Sul-rio-grandense Curso Técnico em Eletromecânica Disciplina de Eletricidade Básica Prof. Rodrigo Souza Conteúdos 2 Princípios da Eletrodinâmica 2.1

Leia mais

ANÁLISES QUÍMICAS EMPREGANDO AS TÉCNICAS DE ABSORÇÃO ATÔMICA, ESPECTROMETRIA DE EMISSÃO ÓTICA E DE MASSAS: POTENCIALIDADES E APLICAÇÕES

ANÁLISES QUÍMICAS EMPREGANDO AS TÉCNICAS DE ABSORÇÃO ATÔMICA, ESPECTROMETRIA DE EMISSÃO ÓTICA E DE MASSAS: POTENCIALIDADES E APLICAÇÕES ANÁLISES QUÍMICAS EMPREGANDO AS TÉCNICAS DE ABSORÇÃO ATÔMICA, ESPECTROMETRIA DE EMISSÃO ÓTICA E DE MASSAS: POTENCIALIDADES E APLICAÇÕES Fernando V. Silva fernando.vitorino vitorino@varianinc.com Espectroscopia

Leia mais

Monitores. Introdução

Monitores. Introdução Monitores Introdução Até os dias de hoje, o principal método para exibição de vídeos em computadores é o tradicional monitor CRT (Catodic Ray Tube - Tubo de Raios Catódicos). Comparando de uma forma grosseira,

Leia mais

TEORIAS ATÔMICAS. Menor partícula possível de um elemento (Grécia antiga) John Dalton (1807)

TEORIAS ATÔMICAS. Menor partícula possível de um elemento (Grécia antiga) John Dalton (1807) TEORIAS ATÔMICAS Átomo Menor partícula possível de um elemento (Grécia antiga) John Dalton (1807) 1. Os elementos são constituídos por partículas extremamente pequenas chamadas átomos; 2. Todos os átomos

Leia mais

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (Eletromagnetismo) Nos capítulos anteriores estudamos as propriedades de cargas em repouso, assunto da eletrostática. A partir deste capítulo

Leia mais

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque Componentes eletrónicos Motherboard de um computador e respetivos componentes eletrónicos Alguns componentes eletrónicos Características dos díodos de silício São o tipo mais simples de componente eletrónico

Leia mais

Terceira aula de química

Terceira aula de química Terceira aula de química Nome: Laísa 24/04/2017 O modelo atômico de Thomson Foi proposta em 1898 pelo físico inglês Joseph John Thomson. Ele derrubou a teoria da indivisibilidade do átomo proposta por

Leia mais

Luz amiga do ambiente A ausência de metais pesados, chumbo e mercúrio tornam a tecnologia LED especialmente amiga do ambiente.

Luz amiga do ambiente A ausência de metais pesados, chumbo e mercúrio tornam a tecnologia LED especialmente amiga do ambiente. Tecnologia LED Valores da tecnologia LED Luz que não aquece, mas emociona. O LED é uma fonte de luz que não emite calor (não produz radiação infravermelha) e oferece a capacidade de personalizar o fluxo

Leia mais

Unidades SI. Existem dois tipos de unidades: Unidades fundamentais (ou básicas); Unidades derivadas. Existem 7 unidades básicas no sistema SI.

Unidades SI. Existem dois tipos de unidades: Unidades fundamentais (ou básicas); Unidades derivadas. Existem 7 unidades básicas no sistema SI. Unidades SI Existem dois tipos de unidades: Unidades fundamentais (ou básicas); Unidades derivadas. Existem 7 unidades básicas no sistema SI. Unidades SI As potências de dez são utilizadas por conveniência

Leia mais

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para produzir determinado iluminamento, das seguintes maneiras: 1ª Pela carga mínima exigida por normas; 2ª Pelo método

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TV Analógica e Digital O sistema de TV em preto-e-branco Prof. Márcio Lima E-mail:marcio.lima@upe.poli.br Site: marcio.lima.poli.br 02.09.2014

Leia mais

MANUAL. Qualidade DO REATOR. DEMAPE Reatores para Iluminação Tel.: 55 (11) Fax.: 55 (11)

MANUAL. Qualidade DO REATOR.  DEMAPE Reatores para Iluminação Tel.: 55 (11) Fax.: 55 (11) Qualidade A DEMAPE oferece produtos e serviços com excelente qualidade, contínuo processo de melhoria e certificações de acordo com o INMETRO. MANUAL DO REATOR Segredo da qualidade Equipamentos, pesquisas,

Leia mais

FÍSICA. Processo Seletivo/UNIFAL - julho ª Prova Comum TIPO 1 QUESTÃO 11

FÍSICA. Processo Seletivo/UNIFAL - julho ª Prova Comum TIPO 1 QUESTÃO 11 FÍSICA QUESTÃO 11 A figura abaixo apresenta um feixe de luz branca viajando no ar e incidindo sobre um pedaço de vidro crown A tabela apresenta os índices de refração (n) para algumas cores nesse vidro

Leia mais

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS )

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 2 - OBJETIVOS: 1) CONCEITOS BÁSICOS DE FOTOMETRIA E DA AÇÃO DA LUZ SOBRE O OLHO 2) TIPOS DE LÂMPADAS 2.1) LÂMPADAS

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA:

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA: ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 0.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 200/20 NOME: Nº: TURMA: AVALIAÇÃO: Prof.. A energia eléctrica pode ser produzida em centrais termoeléctricas. Nessa produção há perdas de

Leia mais

Luz e Cores. Prof. Glênon Dutra

Luz e Cores. Prof. Glênon Dutra Luz e Cores Prof. Glênon Dutra Por Que Ensinar? O tema luz e cores deve ser trabalhado pelo fato de estar tão presente em nosso cotidiano. Além m de ser um tópico muito instigante aos alunos do Ensino

Leia mais

Sua vida reproduz seu pensamento

Sua vida reproduz seu pensamento AULA 02 Evolução do Modelo Atômico Sua vida reproduz seu pensamento Autor Desconhecido Aristides Cipriano www.aristidesfilho.wordpress.com UNIVERSO = MATERIA + ENERGIA Tudo aquilo que tem massa e ocupa

Leia mais

Terra: Fogo, Água e Ar

Terra: Fogo, Água e Ar Terra: Fogo, Água e Ar Curso para a Terceira Idade IAG/USP 2016 Professoras Leila Soares Marques e Márcia Ernesto A Terra é azul! Camadas da Atmosfera Estrutura e composição da atmosfera atual íons Sulfato

Leia mais

A IMAGEM DE TELEVISÃO

A IMAGEM DE TELEVISÃO STV 18 AGO 2008 1 A IMAGEM DE TELEVISÃO a televisão, basicamente, reproduz imagens estáticas a seqüência dessas imagens, em rápida sucessão, nos dá a sensação de movimento cada uma das imagens, ou quadro,

Leia mais

Identificação do Valor Nominal do Resistor

Identificação do Valor Nominal do Resistor Conteúdo complementar 1: Identificação do Valor Nominal do Resistor Os resistores são identificados por um código de cores ou por um carimbo de identificação impresso no seu corpo. O código de cores consiste

Leia mais

QUÍMICA. Prof. Sheila Borges RESOLUÇÃO DE MODELOS ATÔMICOS. Resolução da aula 1 1ª série medicina:

QUÍMICA. Prof. Sheila Borges RESOLUÇÃO DE MODELOS ATÔMICOS. Resolução da aula 1 1ª série medicina: QUÍMICA Prof. Sheila Borges RESOLUÇÃO DE MODELOS ATÔMICOS Resolução da aula 1 1ª série medicina: MODELOS ATÔMICOS HISTÓRICO 1. Como era o modelo atômico sugerido por Dalton? Resp: Era uma esfera maciça

Leia mais

Aula 17 Tudo sobre os Átomos

Aula 17 Tudo sobre os Átomos Aula 17 Tudo sobre os Átomos Física 4 Ref. Halliday Volume4 Sumário Algumas propriedades dos átomos; O spin do elétron; Momento Angular e momento magnético; O experimento de Stern-Gerlach; O princípio

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Bloco 0: AS LINHAS DE BALMER Introdução A teoria quântica prevê uma estrutura de níveis de energia quantizados para os

Leia mais

- ATOMÍSTICA Folha 03 João Roberto Mazzei

- ATOMÍSTICA Folha 03 João Roberto Mazzei 01- (UFRJ 2005) Um professor decidiu decorar seu laboratório com um "relógio de Química" no qual, no lugar das horas, estivessem alguns elementos, dispostos de acordo com seus respectivos números atômicos,

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q39 Propriedades periódicas II

Química. Resolução das atividades complementares. Q39 Propriedades periódicas II Resolução das atividades complementares 3 Química Q39 Propriedades periódicas II p. 43 1 (UFRGS-RS) Em fogos de artifício, as diferentes colorações são obtidas quando se adicionam sais de diferentes metais

Leia mais

EXERCÍCIOS 1. Um átomo apresenta 15 prótons e 12 nêutrons. Qual seu A e seu Z?

EXERCÍCIOS 1. Um átomo apresenta 15 prótons e 12 nêutrons. Qual seu A e seu Z? Professor Juscelino O ÁTOMO Elite Belém É formado por duas regiões: o núcleo (que contém toda carga positiva e praticamente toda massa do átomo) e a eletrosfera (que fica envolta do núcleo e é praticamente

Leia mais

O átomo de Dalton O átomo de Thomson O átomo de Rutherford O átomo moderno Isótopos Abundância isotópica e determinação de massas atômicas O átomo de

O átomo de Dalton O átomo de Thomson O átomo de Rutherford O átomo moderno Isótopos Abundância isotópica e determinação de massas atômicas O átomo de Estrutura atômica O átomo de Dalton O átomo de Thomson O átomo de Rutherford O átomo moderno Isótopos Abundância isotópica e determinação de massas atômicas O átomo de Bohr 2 1 Por que estudar os átomos???

Leia mais

Química Geral prof. Eduardo. Modelos Atômicos. Módulo QG 04 Apst. 1

Química Geral prof. Eduardo. Modelos Atômicos. Módulo QG 04 Apst. 1 Química Geral prof. Eduardo Modelos Atômicos Módulo QG 04 Apst. 1 Empédocles (492 432 a.c.) Existem quatro elementos básicos na natureza. Aristóteles teles (384 322 a.c.) Frio, quente, úmido, seco. Ar,

Leia mais

ELETRICIDADE CAPÍTULO 1 VARIÁVEIS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

ELETRICIDADE CAPÍTULO 1 VARIÁVEIS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS ELETRICIDADE CAPÍTULO 1 VARIÁVEIS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS 1 - INTRODUÇÃO 1.1 HISTÓRICO DA CIÊNCIA ELÉTRICA 1 - INTRODUÇÃO O PRIMEIRO TRANSISTOR CHIP DE COMPUTADOR 1 - INTRODUÇÃO 1 - INTRODUÇÃO 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Disciplina Eletrotécnica Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Conceitos básicos Eletricidade Eletrostática Eletrodinâmica Cargas elétricas em repouso

Leia mais

DETECÇÃO DE RADIAÇÃO CÂMARA DE IONIZAÇÃO

DETECÇÃO DE RADIAÇÃO CÂMARA DE IONIZAÇÃO DETECÇÃO DE RADIAÇÃO CÂMARA DE IONIZAÇÃO Interação de partículas carregadas no gás Difusão Transferência de carga Importante em mixtura de gases. Anexação de elétron Comportamento similar ao íon positivo

Leia mais

Espectrometria de Absorção Atômica. Prof. Luiz Carlos Farmácia UNIP

Espectrometria de Absorção Atômica. Prof. Luiz Carlos Farmácia UNIP Espectrometria de Absorção Atômica Prof. Luiz Carlos Farmácia UNIP Conceito Técnica baseada na atomização de amostras para detecção de elementos químicos individuais. Envolve a medida da absorção de uma

Leia mais

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores As imagens formadas na retina são planas, entretanto, conseguimos enxergar o volume dos objetos, uma das razões disto ocorrer é devido à iluminação nas diferentes

Leia mais

EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação

EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação a EMISSÃO ocorre quando um elétron de um átomo salta de uma órbita superior para uma inferior (fundamentalização): um fóton é emitido (produzido). e - e - + n 2, E 2 n 1,

Leia mais

(a) Representação esquemática da soldagem por fusão; (b) Macrografia de uma junta

(a) Representação esquemática da soldagem por fusão; (b) Macrografia de uma junta 1 1. A TÉCNICA DA SOLDAGEM E CONCEITUAÇÕES Um grande número de processos utilizados na fabricação e recuperação de peças, equipamentos e estruturas é abrangido pelo termo SOLDAGEM. Soldagem é a operação

Leia mais

Apostila básica sobre osciloscópios.

Apostila básica sobre osciloscópios. Apostila básica sobre osciloscópios. O osciloscópio é um dos instrumentos mais versáteis usados na eletrônica. Com ele podemos verificar um sinal elétrico e suas variações no tempo. O osciloscópio mostra

Leia mais

OLIMPÍADA PIAUIENSE DE QUÍMICA Modalidade EF

OLIMPÍADA PIAUIENSE DE QUÍMICA Modalidade EF OLIMPÍADA PIAUIENSE DE QUÍMICA - 2013 Modalidade EF INSTRUÇÕES 1 Esta prova contém oito questões no total, sendo duas questões abertas e seis questões de múltipla escolha. 2 Antes de iniciar a prova, confira

Leia mais

PROTOTIPAGEM ELETRÔNICA DO IMD PENTATRONIX

PROTOTIPAGEM ELETRÔNICA DO IMD PENTATRONIX PROTOTIPAGEM ELETRÔNICA DO IMD PENTATRONIX 1) CONCEITO DE PROTOBOARD Fonte: Fritzing http://fritzing.org/home/ adaptado por Fátima Rosas. Protoboard ou matriz de contato é uma placa com diversos furos

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2

FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2 FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2 Diagnóstico por imagens Radiologia convencional/digital I 1 aproximadamente K U 2 n 5 n I T 2 A IMAGEM RADIOGRÁFICA 3 contraste Qualidade da imagem ruído resolução 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

Corrente elétricas. i= Δ Q Δ t [ A ]

Corrente elétricas. i= Δ Q Δ t [ A ] Corrente elétricas A partir do modelo atômico de Bohr, que o define pela junção de prótons, nêutrons e elétrons, é possível explicar a alta condutividade dos metais, devida à presença dos elétrons livres.

Leia mais

Estudo da excitação e ionização atômicas (experimento de Franck-Hertz)

Estudo da excitação e ionização atômicas (experimento de Franck-Hertz) 1 UFSC DEPARTAMENTO DE FÍSICA FSC 5151: Laboratório de Física Moderna I Estudo da excitação e ionização atômicas (experimento de Franck-Hertz) Objetivos Medir o primeiro potencial de excitação do mercúrio

Leia mais

Descoberta o elétron século XIX por Thomsom. Próton - - século XX por Rutherford. Neutron 1932 por Chadwick

Descoberta o elétron século XIX por Thomsom. Próton - - século XX por Rutherford. Neutron 1932 por Chadwick Estrutura Atômica Átomo 3 partículas Quais são? Descoberta o elétron século XIX por Thomsom Próton - - século XX por Rutherford Neutron 1932 por Chadwick Modelo atômico Núcleo prótons e neutros Elétrons

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

Demócrito. Demócrito a.c. Filósofo grego. A matéria é formada por partículas indivisíveis chamadas átomos.

Demócrito. Demócrito a.c. Filósofo grego. A matéria é formada por partículas indivisíveis chamadas átomos. Atomística Demócrito Demócrito 460-370 a.c. Filósofo grego. A matéria é formada por partículas indivisíveis chamadas átomos. Lavoisier NADA SE PERDE NADA SE CRIA TUDO SE TRANSFORMA Dalton BASEADO NA LEI

Leia mais

NOÇÕES ELÉTRICAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

NOÇÕES ELÉTRICAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho NOÇÕES ELÉTRICAS Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho Ramal de Ligação É o conjunto de condutores e acessórios instalados pela CEMIG entre o ponto de derivação da rede secundária e o ponto de entrega.

Leia mais

Correntes elétricas A CORRENTE ELÉTRICA E AS SUAS FONTES

Correntes elétricas A CORRENTE ELÉTRICA E AS SUAS FONTES A CORRENTE ELÉTRICA E AS SUAS FONTES Correntes elétricas Um átomo de um metal qualquer, isolado, é eletricamente neutro. Por exemplo, um átomo de cobre é constituído de um núcleo que contém 29 prótons

Leia mais

FONTES DE ENERGIA FONTES DE ENERGIA

FONTES DE ENERGIA FONTES DE ENERGIA FONTES DE ENERGIA A soldagem por fusão é realizada pela aplicação de energia localizada em uma parte da junta de forma a conseguir a sua fusão localizada, de preferência afetando termicamente ao mínimo

Leia mais

Aula 08 - Níveis e subníveis eletrônicos e a Distribuição Eletrônica

Aula 08 - Níveis e subníveis eletrônicos e a Distribuição Eletrônica Aula 08 - Níveis e subníveis eletrônicos e a Distribuição Eletrônica Nas nossas aulas passadas nós vimos que cada elemento químico é caracterizado pelo seu número atômico (Z). Vimos também que um átomo

Leia mais

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo STV 8 SET 2008 1 ANÁLISE DOS SINAIS DE VÍDEO as três partes do sinal composto de vídeo, ilustradas na figura abaixo, são: 1 o sinal da câmera correspondendo às variações de luz na cena 2 os pulsos de sincronismo

Leia mais

FÍSICA. 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Duração desta prova: TRÊS HORAS. FAÇA LETRA LEGÍVEL.

FÍSICA. 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Duração desta prova: TRÊS HORAS. FAÇA LETRA LEGÍVEL. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FÍSICA 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Provas contém seis questões, constituídas de itens e subitens,

Leia mais

ESTRUTURA ATÔMICA. As partículas do átomo

ESTRUTURA ATÔMICA. As partículas do átomo QUÍMICA M.2 ESTRUTURA ATÔMICA As partículas do átomo Multimídia 1803 - Dalton (Inglês) A partir de experimentos com gases. Dalton propõe uma hipótese atômica. Segundo ele, os átomos são: Indivisíveis Maciços

Leia mais

Física Laboratorial Ano Lectivo 2003/04 OSCILOSCÓPIO

Física Laboratorial Ano Lectivo 2003/04 OSCILOSCÓPIO 1. Introdução OSCILOSCÓPIO O osciloscópio (fig. 1) é o mais útil e versátil dos instrumentos utilizados para testes de circuitos electrónicos, uma vez que nos permite visualizar a evolução de uma diferença

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA - QUÍMICA Prof. Adriana Strelow 1º Ano

CIÊNCIAS DA NATUREZA - QUÍMICA Prof. Adriana Strelow 1º Ano CIÊNCIAS DA NATUREZA - QUÍMICA Prof. Adriana Strelow 1º Ano - 2016 TABELA PERIÓDICA ATUAL: Os elementos estão ordenados em ordem crescente de número atômico. O critério utilizado para classificar os elementos

Leia mais

ELETRICIDADE. Eletrodinâmica. Eletrostática. Eletromagnetismo

ELETRICIDADE. Eletrodinâmica. Eletrostática. Eletromagnetismo ELETRICIDADE Eletrodinâmica Eletrostática Eletromagnetismo Átomo Núcleo Prótons carga positiva (+e). Nêutrons carga neutra. Eletrosfera Eletrons carga negativa (-e). Carga Elétrica Elementar e = 1,6 x

Leia mais

Cap. 5 - Corrente, Resistência e Força Eletromotriz

Cap. 5 - Corrente, Resistência e Força Eletromotriz Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 5 - Corrente, Resistência e Força Eletromotriz Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, estudaremos a definição de corrente,

Leia mais

INTRODUÇÃO À QUÍMICA

INTRODUÇÃO À QUÍMICA INTRODUÇÃO À QUÍMICA O QUE É QUÍMICA? É a ciência que estuda a matéria, suas propriedades, transformações e interações, bem como a energia envolvida nestes processos. QUAL A IMPORTÂNCIA DA QUÍMICA? Entender

Leia mais

Física básica das radiografias convencionais

Física básica das radiografias convencionais Física básica das radiografias convencionais Dra. Claudia da Costa Leite, Dr. Edson Amaro Júnior, Dra. Maria Garcia Otaduy Os princípios físicos dos raios-x foram descobertos por Wilhelm Conrad Roentgen

Leia mais

Aula 6.1 Conteúdo: Eletrodinâmica corrente elétrica e seus efeitos, corrente contínua e alternada, relacionados a com a cultura indígena.

Aula 6.1 Conteúdo: Eletrodinâmica corrente elétrica e seus efeitos, corrente contínua e alternada, relacionados a com a cultura indígena. Aula 6.1 Conteúdo: Eletrodinâmica corrente elétrica e seus efeitos, corrente contínua e alternada, relacionados a com a cultura indígena. Habilidades: Entender a corrente elétrica como fluxo de elétrons

Leia mais

Fisica de relâmpagos

Fisica de relâmpagos Fisica de relâmpagos Scholand e seus colegas na África do Sul foram os pioneiros em realizar medidas simultâneas dos processos de um relâmpago, ou seja, eles fotografaram e mediram o campo elétrico de

Leia mais

Espectrometria de emissão atômica

Espectrometria de emissão atômica Espectrometria de emissão atômica Técnica analítica que se baseia na emissão de radiação eletromagnética das regiões visível e ultravioleta do espectro eletromagnético por átomos neutros ou átomos ionizados

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica: FIS2001

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica: FIS2001 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Fundamentos de Astronomia e Astrofísica: FIS2001 Prof. Rogério Riffel 1 Extinção Atmosférica A atmosfera é praticamente

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

Joel L. R. Muzart Depto de Física UFSC Florianópolis - SC

Joel L. R. Muzart Depto de Física UFSC Florianópolis - SC LASER OU ALEER Joel L. R. Muzart Depto de Física UFSC Florianópolis - SC Introdução A palavra Laser foi criada a partir das iniciais de Light Amplifier by Stimulated Emission of Radiation, ou seja, amplificador

Leia mais

Introd. Física Médica

Introd. Física Médica Introd. Física Médica O Efeito Foto Elétrico (EFE) Introdução a Física Médica O Efeito Foto Elétrico (EFE) Introdução a Fís sica Médica Heinrich HERTZ descobriu o Efeito FotoElétrico (1887): Quando a luz

Leia mais