ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA DO AGRUPAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA DO AGRUPAMENTO"

Transcrição

1 ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA DO AGRUPAMENTO 1

2 Estrutura e Organização Pedagógica e Administrativa 1. Órgão de Administração e Gestão 2. Organização Pedagógica 3. Organização Administrativa 4. Outras Estruturas Estruturas de Coordenação e Supervisão 2

3 Conselho Geral 1. Órgãos de Administração e Gestão Diretora Conselho Pedagógico Conselho Administrativo 3

4 Departamentos Curriculares Conselho de Área Curricular Disciplinar Conselho de Docentes de Ano Coordenação de DT 2. Estruturas de Coordenação e Supervisão Director de Turma Coordenação CEF Conselhos de Turma Coordenação de Estabelecimento Conselho de Coordenadores dos Estabelecimentos de Ensino Coordenador de Projetos Coordenador dos Serviços Especializados e Apoios Educativos 4

5 3. Organização Administrativa Serviços de Administração Escolar Núcleo de Ação Social Escolar 5

6 4. Outras Estruturas Associação de Estudantes Associação de Pais e EE 6

7 SERVIÇOS DA ESCOLA 7

8 Secretaria Cantina e Refeitório Bufete Reprografia/Papelaria Central telefónica Serviços Portaria Setores 1º Socorros Espaços/Salas Específicas Laboratórios (CFQ/CN) Material Didático 8

9 COMUNIDADE EDUCATIVA 9

10 ALUNOS DOCENTES PESSOAL NÃO DOCENTE Comunidade Educativa PAIS E E.E. REPRESENTANTES DE PAIS E E.E. AUTARQUIA LOCAL PARCERIAS 10

11 Missão e visão Missão do Agrupamento O Agrupamento tem por missão a construção de um ensino mais credível, com mais qualidade, mais consentâneo com as necessidades e aspirações individuais e com as exigências das sociedade em que vivemos, reclamando um pensamento crítico e criativo apto a desencadear um desempenho pessoal, social e profissional autónomo e responsável. Este projeto afirma a singularidade deste agrupamento e certifica um futuro desejado. 11

12 Missão e visão Missão da diretora A diretora do Agrupamento assume, como missão globalizante, o desenvolvimento organizacional e educativo e a promoção de uma cultura de eficiência e eficácia partilhada na arquitetura organizativa, administrativa e pedagógica desta instituição. Este trabalho ancora-se no reforço do trabalho cooperativo, na concretização dos propósitos consagrados no Projeto Educativo, bem como no aprofundamento de um clima de autoavaliação e avaliação contínua, suporte essencial à melhoria dos processos estratégicos que permitem estabelecer novos sentidos para a ação individual e coletiva. Esta missão deve concretizar-se no fortalecimento da autonomia da instituição, assente em práticas de gestão participada e articulada a nível de órgãos, estruturas e ciclos. Com vista a promover a identidade do Agrupamento e um ensino de excelência / formação de qualidade visa-se a implantação de estratégias de colaboração e de parceria, inovadoras e transformadoras, o reforço de uma cultura de participação de alunos, pais, encarregados de educação e comunidade educativa envolvente na concretização dos fatores de eficácia e das metas definidas, a gestão eficaz dos recursos humanos, com enfâse na motivação e responsabilização no exercício das suas funções. 12

13 Missão e visão Visão do Agrupamento A nossa visão implica uma atitude intelectual entendida como um propósito para não admitir nenhuma asserção sem reconhecer a sua legitimidade e o seu pensamento crítico. Reforçar mecanismos geradores de formação plena a todos, valorizando a construção da identidade e sucesso académico e profissional é o que o Agrupamento do Levante da Maia pretende continuar a fazer, como uma instituição que: -Promove o sucesso escolar, prevenindo o absentismo e abandono escolar; -Ajuda os alunos a analisar, a construir, a formular e a avaliar raciocínios, visando não só a formulação de juízos, mas também a resolução de problemas de uma maneira critica e consciente; -Procura a qualidade do processo ensino-aprendizagem, tendo em vista a construção progressiva da autonomia; -Proporciona percursos escolares de sucesso, na perspetiva de prosseguimento de estudos ou inserção na vida ativa; -Reforça a liderança institucional e as lideranças intermédias, orientadas para os resultados e qualidade educativa; 13

14 Missão e visão Visão do Agrupamento (cont.) -Promove uma cultura de trabalho colaborativo e de articulação entre órgãos, estruturas de ciclos e de coesão organizacional e pedagógica entre as várias escolas do Agrupamento; -Fomenta um clima positivo de relações humanas, baseado na abertura, transparência, partilha e sã convivência; -Fomenta uma cultura de cidadania, valorizando os valores éticos e morais, através de atitudes e comportamentos sociais saudáveis; -Promove a melhoria contínua da qualidade nos serviços e valências escolares, bem como a valorização e humanização dos espaços educativos; -Aprofunda a integração e ação do Agrupamento na vida e necessidades da comunidade local, alargando e solidificando parcerias; -Aprofunda a relação entre o Agrupamento, os pais / encarregados de Educação e o meio social, cultural e económico; -Enraíza a prática da autoavaliação, numa perspetiva sistemática e participada. 14

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11 Plano de Ação e Plano Estratégico do Agrupamento 1.Plano de Ação Para dar consecução à missão e aos valores, pretende o Agrupamento desenvolver uma ação educativa alicerçada num conjunto de princípios

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Mafra

Agrupamento de Escolas de Mafra CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome da Diretora Maria de Jesus Azevedo dos Santos Roxo Geraldes Pires Escalão 6º Escola : Agrupamento de Escolas de Mafra Grupo de Recrutamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA 2014 Plano de melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escolas de Águeda surge na sequência do relatório da Avaliação Externa das Escolas realizada pela equipa de

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Missão do Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Assegurar a prestação de um serviço público de qualidade na educação, partindo do reconhecimento das condições objectivas do

Leia mais

Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade

Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO INTERNA DA ESCOLA Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade 1 ÍNDICE Constituição da CAI... 3 I. Conceção

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

PLANO DE MELHORIA ANO LETIVO 2016/2017

PLANO DE MELHORIA ANO LETIVO 2016/2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Agrupamento de Escolas Martim de Freitas PLANO DE MELHORIA ANO LETIVO 2016/ 7 INDÍCE 1. - Introdução 3 2. - Contextualização 4 3. Áreas e Ações de Melhoria 6

Leia mais

Apresentação Programa TEIP3

Apresentação Programa TEIP3 Apresentação Programa TEIP3 Programa TEIP O Programa TEIP visa estabelecer condições para a promoção do sucesso educativo de todos os alunos e, em particular, das crianças e dos jovens que se encontram

Leia mais

Processo de implementação do Projeto de Aferição da Qualidade do Sistema Educativo Regional (PAQSER).

Processo de implementação do Projeto de Aferição da Qualidade do Sistema Educativo Regional (PAQSER). Processo de implementação do Projeto de Aferição da Qualidade do Sistema Educativo Regional (PAQSER). O documento legal orientador do projeto é a Portaria nº 245/2014, de 23 de dezembro. Objetivos do PAQSER

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

D E C R E T A. a) dos cursos de licenciaturas; b) das residências pedagógicas; c) das práticas pedagógicas curriculares;

D E C R E T A. a) dos cursos de licenciaturas; b) das residências pedagógicas; c) das práticas pedagógicas curriculares; Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 16.718 DE 11 DE MAIO DE 2016 Dispõe sobre a instituição e organização dos Complexos Integrados de Educação, no âmbito

Leia mais

2014 a Plano estratégico MERGULHAR NO SUCESSO, NUMA ESCOLA COM IDENTIDADE

2014 a Plano estratégico MERGULHAR NO SUCESSO, NUMA ESCOLA COM IDENTIDADE 2014 a 2018 Plano estratégico MERGULHAR NO SUCESSO, NUMA ESCOLA COM IDENTIDADE Teresa Mendes 2014 a 2018 I - Preâmbulo Em conformidade com o disposto no nº 3 do artigo 22º do Decreto-Lei nº 75/2008, de

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA 1. Introdução A avaliação externa do Agrupamento de Escolas da Maia, da responsabilidade da IGEC, decorreu de 17 a 20 de novembro do ano transato. A classificação de Muito Bom em todos os domínios enche-nos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE Observatório da Qualidade Plano de Ação 2011/2012 ÍNDICE Introdução... 2 Equipa e Horário Semanal... 2 Metodologia

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA Plano de Melhoria Avaliação Externa de Escolas 2012-2013 Índice I. Resumo... 2 Objetivo Introdução Ponto de partida II. Áreas de intervenção... 4 A1 - O

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais

Plano Plurianual de Atividades Nota introdutória

Plano Plurianual de Atividades Nota introdutória Nota introdutória O Decreto-Lei n.º 75/2008 de 22 de abril, republicado pelo Decreto-Lei n.º137/2012 de 2 de julho, que regula o regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Plano Trabalho 2016/2017 Alia Raichande Setembro 2016

Plano Trabalho 2016/2017 Alia Raichande Setembro 2016 Plano Trabalho 2016/2017 O que é uma Associação Pais? As associações de pais são organizações de direito privado, autónomas e independentes, sem fins lucrativos, que baseiam o seu trabalho no voluntariado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA VALONGO, JUNHO 2013 INTRODUÇÃO O Plano de Melhoria constitui-se como instrumento de suporte à programação e à implementação da melhoria

Leia mais

Apresentação dos resultados da autoavaliação e das ações de melhoria. Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação

Apresentação dos resultados da autoavaliação e das ações de melhoria. Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação Apresentação dos resultados da autoavaliação e das ações de melhoria Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação Enquadramento Equipa de autoavaliação Representantes do PD José Bentes Guerreiro

Leia mais

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Agenda Preparação do trabalho a realizar no ano letivo 2015/2016 Regulamento Interno disponível no portal do agrupamento www.esvalongo.org

Leia mais

Avaliação Interna do Desempenho Docente Avaliação do Diretor. Critérios para a Avaliação Interna do Diretor

Avaliação Interna do Desempenho Docente Avaliação do Diretor. Critérios para a Avaliação Interna do Diretor Direção Geral dos Equipamentos Escolares Escola Secundária da Baixa da Banheira, Vale da Amoreira-Moita (403234) Avaliação Interna do Desempenho Docente Avaliação do Diretor Critérios para a Avaliação

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA Avaliação Externa das Escolas 2012-2013 PLANO DE MELHORIA A elaboração deste plano de melhoria assenta no pressuposto de que o Agrupamento Vertical de Escolas de Azeitão é capaz de repensar estratégias

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO 1 Introdução Um Plano de Melhoria é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho académico dos alunos e a qualidade

Leia mais

Projeto de Intervenção no

Projeto de Intervenção no Projeto de Intervenção no Agrupamento de Escolas e Jardins-de-Infância D. Lourenço Vicente Diretor do Agrupamento Pedro Carlos Mateus Alves Damião 1. Introdução Quatro anos volvidos após a apresentação

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

Plano de Articulação Curricular

Plano de Articulação Curricular Plano de Articulação Curricular 2014-2015 Agrupamento de Escolas Fernando Pessoa Índice 1.Introdução... 3 2 2.Prioridades... 4 3.Operacionalização do Plano de Articulação Curricular... 5 4.Monitorização

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

Código PLANO DE [2016/2020] (IGEC) MELHORIA

Código PLANO DE [2016/2020] (IGEC) MELHORIA Código 160635 PLANO DE [2016/2020] (IGEC) MELHORIA ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Metodologia de trabalho... 3 3. Identificação das áreas de melhoria... 4 4. Desenvolvimento da estratégia... 5 5. Conclusão...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO Resumo da proposta final Documento para análise PROJETO EDUCATIVO Análise na matriz SWOT (strenghts, weaknesses, opportunities, threats) pontos fortes/pontos fracos/

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Agrupamento de Escolas Henriques Nogueira

PLANO DE MELHORIA. Agrupamento de Escolas Henriques Nogueira PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas Henriques Nogueira ENQUADRAMENTO Importa que a avaliação externa das escolas seja um processo útil para o desenvolvimento e a melhoria de cada escola. Para tal,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UFPR

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UFPR PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UFPR 1. Apresentação O Departamento de Matemática - DMAT da UFPR possui atualmente 45 professores efetivos, 42 dos quais trabalhando em regime de dedicação

Leia mais

Avaliação da biblioteca escolar

Avaliação da biblioteca escolar Avaliação da biblioteca escolar 2009-2013 2010 B. Leitura e literacia Avaliação 4 2011 D. Gestão da biblioteca escolar Avaliação D.1 Articulação da BE com a escola/agrupamento. Acesso e serviços prestados

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Leça da Palmeira, Julho 2012 0 INDICE Introdução. Relatório da avaliação externa..

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO OBJECTIVOS

PROJECTO EDUCATIVO OBJECTIVOS PROJECTO EDUCATIVO OBJECTIVOS 2011/2012 OBJECTIVOS PEA 2011/2012 PROMOÇÃO DE HÁBITOS DE CIDADANIA 1. CLIMA E AMBIENTE ESCOLAR 1. Desenvolver estruturas e processos de gestão de qualidade, participativa,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar - Guimarães (150812) Escola EB 2,3 Abel Salazar Ronfe, Guimarães (343638) PREÂMBULO

Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar - Guimarães (150812) Escola EB 2,3 Abel Salazar Ronfe, Guimarães (343638) PREÂMBULO Agrupamento Escolas Professor Abel Salazar - Guimarães (150812) Escola EB 2,3 Abel Salazar Ronfe, Guimarães (343638) PREÂMBULO 1 O Plano Melhoria constitui-se como instrumento suporte à programação e à

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA PLANO DE MELHORIA Cuba Julho de 2012 1- Introdução A avaliação é um procedimento que permite à organização que o implementa modelar a sua identidade, analisar os pontos fortes

Leia mais

Projeto Educativo 2013-2017

Projeto Educativo 2013-2017 Projeto Educativo 2013-2017 A Escola A CONSTRUIR Qualidade dos Recursos Recursos humanos Serviços e equipamentos Instalações Qualidade da Interação com a comunidade Família Comunidade educativa Qualidade

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico Escola Secundária José Saramago Mafra Plano Estratégico 2014/2015 Preâmbulo O Plano Estratégico para 2014/2015 visa dar cumprimento ao disposto no artigo 15º do despacho normativo nº 6/2014, de 26 de maio.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Plano Plurianual de Atividades 2014/2017 0 Índice Índice... 1 Introdução... 2 DIMENSÃO PEDAGÓGICA... 3 DIMENSÃO CÍVICA... 7 DIMENSÃO ESCOLA, FAMÍLIA, COMUNIDADE... 9 DIMENSÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE RIO TINTO CALENDÁRIO - Processo de ADD - ano escolar de Decreto Regulamentar nº 26/2012 de 21 de fevereiro

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE RIO TINTO CALENDÁRIO - Processo de ADD - ano escolar de Decreto Regulamentar nº 26/2012 de 21 de fevereiro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE RIO TINTO CALENDÁRIO - Processo de ADD - ano escolar de 2016-17 Decreto Regulamentar nº 26/2012 de 21 de fevereiro Ação Prazo Pedido de observação de aulas: docentes em período

Leia mais

Projecto de Intervenção no Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos 2009/2013

Projecto de Intervenção no Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos 2009/2013 P.1: Sucesso Escolar Objectivo 1: Prevenir o abandono escolar E1: Sinalização precoce de situações de absentismo e/ou de risco e seu acompanhamento personalizado. E2: Acção concertada dos Educadores/ Professores

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC SETEMBRO DE 2013 FUNDAMENTOS DO PLANO DE MELHORIA 2013/2015 O Agrupamento assume-se como construtor de uma visão

Leia mais

RELATÓRIO DO PLANO DE FORMAÇÃO

RELATÓRIO DO PLANO DE FORMAÇÃO RELATÓRIO DO PLANO DE FORMAÇÃO Ano letivo 2014/2015 ÍNDICE Introdução---------------------------------------------------------3 Ações realizadas--------------------------------------------------4 Grau

Leia mais

Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE

Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE _ ENQUADRAMENTO GERAL _ Gabinete de Avaliação e Promoção da Qualidade Instituto Superior de Ciências Educativas 2015, Outubro Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE

Leia mais

Avaliação de Desempenho Docente

Avaliação de Desempenho Docente Dicas para a elaboração de um Portefólio Avaliação de Desempenho Docente O PORTEFÓLIO deve conter um registo das reflexões e das práticas e deve estar devidamente documentado. 13-04-2008 1 Deve conter:

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA

Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA 1 PLANO DE MELHORIA Melhoria. Da avaliação externa a que a escola foi submetida nos dias 7 e 8 de Março de 2012, resulta a obrigatoriedade de

Leia mais

CARTA DE MISSÃO (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto) Diretor do Agrupamento Vertical de Escolas Luísa Todi Mandato 2013/ /17

CARTA DE MISSÃO (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto) Diretor do Agrupamento Vertical de Escolas Luísa Todi Mandato 2013/ /17 CARTA DE MISSÃO (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto) Diretor do Agrupamento Vertical de Escolas Luísa Todi Mandato 2013/14 2016/17 VISÃO, MISSÃO E VALORES Como nos vemos Somos uma grande comunidade

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova. Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC

Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova. Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Metodologia... 4 3. Áreas de Melhoria sugeridas no relatório

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FIGUEIRA NORTE FIGUEIRA NORTE: A CONSTRUIR UM CAMINHO!

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FIGUEIRA NORTE FIGUEIRA NORTE: A CONSTRUIR UM CAMINHO! AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FIGUEIRA NORTE FIGUEIRA NORTE: A CONSTRUIR ANO LETIVO 2015-2016 Nota introdutória O nosso Agrupamento, durante o presente ano letivo, vai implementar um processo

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA Escola Secundária/3 de Almeida Garrett PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA Analisar o Passado, compreender o Presente para antecipar o Futuro 2014-2016 Índice 1. Introdução... 3 2. Estrutura do Plano de Ações de

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES

BIBLIOTECAS ESCOLARES PLANO DE AÇÃO BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas da Moita 1 As Bibliotecas Escolares assumem, para além das funções informativa, educativa, cultural e recreativa, o papel de adjuvante do aluno,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

Avaliação Interna. Agrupamento de Escolas de Briteiros 2013/ 2017

Avaliação Interna. Agrupamento de Escolas de Briteiros 2013/ 2017 Avaliação Interna Agrupamento de Escolas de Briteiros 2013/ 2017 Apresentação da Equipa Agradecemos a todos os Alunos, Assistentes Operacionais Administrativos, Docentes, Pais e Encarregados de Educação,

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

ANEXO 18 A Regulamento Interno

ANEXO 18 A Regulamento Interno ANEXO 18 A Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS CIENTÍFICO- HUMANÍSTICOS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO, NA MODALIDADE DE ENSINO RECORRENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria Inicial

Projeto de Ações de Melhoria Inicial Projeto de Ações de Melhoria Inicial PAM Inicial 2015/2016 Outubro de 2015 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Estrutura do documento PAM (Projeto de Ações de Melhoria) Tabela 1 Estrutura do documento Projeto

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA 2015-2017 Aprovado

Leia mais

RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO:

RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO: PLANO DE FORMAÇÃO A PLATAFORMA FITESCOLA COMO INSTRUMENTO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS NA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E NO DESPORTO ESCOLAR RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO:

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015

PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015 PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 ÁREA A - RESULTADOS... 4 EIXO 1 APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS... 4 EIXO 2 PREVENÇÃO DO ABANDONO, ABSENTISMO E INDISCIPLINA... 5 EIXO

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação CARATERIZAÇÃO DOS TERRITÓRIOS ENVOLVIDOS NA CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pinheiro Manual de Supervisão Pedagógica INTRODUÇÃO

Agrupamento de Escolas de Pinheiro Manual de Supervisão Pedagógica INTRODUÇÃO 2 ( ) A construção de uma cultura colegial é um processo longo, não isento de dificuldades e conflitos, e que requer a criação de condições várias, nomeadamente de espaços e tempos destinados ao trabalho

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTRUMENTO DE CONHECIMENTO, REFLEXÃO E DECISÃO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTRUMENTO DE CONHECIMENTO, REFLEXÃO E DECISÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTRUMENTO DE CONHECIMENTO, REFLEXÃO E DECISÃO ALBUQUERQUE, Rosa 1 NEGREIROS, Gláucia 2 VASCONCELOS, Maria Auxiliadora Marques 3 Introdução No ano de 2004 o Governo Federal

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria Inicial

Plano de Ações de Melhoria Inicial Plano de Ações de Melhoria Inicial PAM Inicial 2016/2017 Outubro de 2016 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Plano de Ações de Melhoria Inicial 2.1. Enquadramento das ações de melhoria nos Critérios da CAF

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA

PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO GONÇALO PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA BIÉNIO 2015-2017 SETEMBRO DE 2015 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CRONOGRAMA DO PLANO... 4 3. AÇÕES DE MELHORIA... 5 3.1. COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL...

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

Grau I. Perfil Profissional. Grau I

Grau I. Perfil Profissional. Grau I Perfil Profissional O corresponde à base hierárquica de qualificação profissional do treinador de desporto. No âmbito das suas atribuições profissionais, compete ao Treinador de a orientação, sob supervisão,

Leia mais

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias.

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias. Plano de Melhoria 1. Introdução Em Julho de 2012, o Agrupamento de Escolas de Carnaxide-Valejas juntou-se à Escola Secundária Camilo Castelo Branco dando origem ao atual Agrupamento de Escolas de Carnaxide.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARADAS Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna 2006-2013 Equipa de Avaliação Interna Página 1 [ES C R E V E R O E N D E R E Ç O D A

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014-2015 Com vista ao sucesso escolar dos alunos e ao desejo da melhoria do serviço prestado pelo Agrupamento de Escolas Pedro Alexandrino, é elaborado este Plano Anual de Atividades

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / a / Dezembro de Profª Bibliotecária: Maria Clara Nogueira de Almeida DEFINIÇÃO Documento que apresenta as linhas orientadoras para

Leia mais

Escola Secundária de Cacilhas Tejo

Escola Secundária de Cacilhas Tejo Escola Secundária de Cacilhas Tejo Plano de Melhoria 2013-2014 1. Introdução PLANO DE MELHORIA O presente Plano de Melhoria resulta da articulação entre o relatório da Avaliação Externa da Inspeção-Geral

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Art. 207. As universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CANDIDATURA À PRESIDÊNCIA DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS H ELENA S O USA A Equipa Presidente Helena Sousa Vice-Presidentes José Luís Meireles Teresa Ruão Emília Araújo Programa de Ação Ensinoaprendizagem

Leia mais

AUDITORIA DA A3ES AO SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DO IST

AUDITORIA DA A3ES AO SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DO IST AUDITORIA DA A3ES AO SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DO IST 1 Marta Pile Área de Estudos e Planeamento Cecília Moreira Área para Qualidade e Auditoria Interna Workshop sobre Qualidade no Ensino

Leia mais

5 de setembro 2017 REUNIÃO GERAL

5 de setembro 2017 REUNIÃO GERAL Subdiretor Sérgio Laranjinho Adjunta da Diretora Cláudia Suzano Diretora Paula Maria Figueira diretor@avp.pt Adjunto da Diretora Luís Silva Adjunta da Diretora Mª José Serelha 5 de setembro 2017 REUNIÃO

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Levante da Maia

Agrupamento de Escolas do Levante da Maia Projeto Educativo 2014-2017 Crescer, Saber e Ser. ÍNDICE Preâmbulo... 3 1. CONTEXTO E DIAGNÓSTICO... 6 1.1 ENQUADRAMENTO EXTERNO... 6 1.1.1 LOCALIZAÇÃO (ÁREA DE IMPLANTAÇÃO)... 6 1.1.2 CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PRIORIDADES ESTRATÉGICAS

ESCRITÓRIO DE PRIORIDADES ESTRATÉGICAS ESCRITÓRIO DE PRIORIDADES ESTRATÉGICAS Evolução dos modelos de gestão III Encuentro de la Red de Monitoreo y Evaluación de Política Pública en Colombia GOVERNO DE MINAS GERAIS Evolução constante 3 GERAÇÕES,

Leia mais

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código.

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código. Projecto/Serviços/ Código N.ºA1/A2 Actividade Nº 1 Reuniões de docentes do pré-escolar, 1º e 2º Ciclos. A1 Promover a sequencialidade coerente e estruturada entre a educação préescolar, o 1º Ciclo e o

Leia mais