CONDUTA NA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE. João Borges Fortes Filho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONDUTA NA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE. João Borges Fortes Filho"

Transcrição

1 FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE CONDUTA NA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE João Borges Fortes Filho MESTRE, DOUTOR E PÓS-DOUTOR EM OFTALMOLOGIA PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO PROROP INVESTIGATIVE GROUP - UFRGS / UNIFESP / BRASIL

2 RETINOPATIA DA PREMATURIDADE (ROP) DOENÇA OCULAR VASOPROLIFERATIVA INTERRUPÇÃO DO PROCESSO DE FORMAÇÃO NATURAL DOS VASOS DA RETINA EM FUNÇÃO DO NASCIMENTO PREMATURO DOENÇA MULTIFATORIAL QUE AFETA OS BEBÊS MENORES OU OS MAIS DOENTES Ridge Crista Doença Plus Palmer EA, Phelps DL, Spencer R, Lutty GA. Retinopathy of prematurity. In Ryan SJ. Retina. Elsevier Mosby, Philadelphia USA Fourth Ed. 2006, Chapter 80, p 1449.

3 MUITOS AVANÇOS NO CUIDADO PERINATAL E NEONATAL REDUZIRAM A MORTALIDADE ENTRE NASCIDOS PREMATUROS INCIDÊNCIA DA ROP RIGOROSA RESTRIÇÃO AO USO DO OXIGÊNIO 1 a 2 a 3 a MAIOR LIBERAÇÃO AO USO DO OXIGÊNIO Em 1960, nascidos prematuros pesando gramas tinham 95% de risco de morte. Hoje, prematuros com o mesmo peso de nascimento têm 95% de chance de sobreviver. Ingelfinger JR. Prematurity and the legacy of intrauterine stress. EDITORIAL New England Journal of Medicine 2007;356(20):

4 A ROP OCORRE APÓS VÁRIAS SEMANAS TEM UM PERÍODO MUITO CURTO ENTRE SUA INSTALAÇÃO E O DESFECHO MOMENTO DO NASCIMENTO PREMATURO Momento do desfecho Fase 1 Fase 2 4 semanas Momento para ROP limiar 6 semanas

5 A POSSIBILIDADE DE TRATAMENTO DEPENDE DE DIAGNÓSTICO PRECOCE E DE TRATAMENTO REALIZADO NO MOMENTO ADEQUADO MOMENTO DO NASCIMENTO PREMATURO Momento do desfecho IPC 30 IPC 32 IPC 34 IPC 38 Fase 1 Fase 2 4 semanas Momento para ROP limiar 6 semanas IG 28 IG 32 IPC 37 Momento de tratamento pelo laser IPC 35 Momento para tratamento por anti VEGF IPC = IG ao nascimento + semanas de vida

6 A ROP NÃO PODE SER ENFRENTADA EM CONSULTÓRIOS OFTALMOLÓGICOS ROP 4 Descolamento da Retina ROP 5 Fibroplasia Retrolental

7 AS MATERNIDADES DEVEM ORGANIZAR PROGRAMAS DE TRIAGEM OFTALMOLÓGICA PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA ROP c/ INTEGRAÇÃO EFICIENTE ENTRE NEONATOLOGISTAS EQUIPES DE ENFERMAGEM OFTALMOLOGISTAS nº nascimentos no grupo de risco / ano (200) % sobrevivência / ano (75% - 150) % ROP / ano (10%) nº bebês em risco de cegueira / ano (15)

8 TRIAGEM OFTALMOLÓGICA PARA A ROP CRITÉRIOS VARIAM ENTRE PAÍSES OU ENTRE REGIÕES Arq Bras Oftalmol citações Zin A, Florêncio T, Fortes Filho JB, Nakanami CR, Gianini N, Graziano RM, Moraes N. Proposta de diretrizes brasileiras para a detecção e o tratamento da ROP. Arq Bras Oftalmol 2007; 70(5):

9 CRITÉRIOS DE INCLUSÃO NAS TRIAGENS DEVERÃO SER EXAMINADOS PARA A ROP PN gramas e/ou IG 32 semanas Bebês maiores serão examinados por solicitação do Neonatologista Zin A, Florêncio T, Fortes Filho JB, Nakanami CR, Gianini N, Graziano RM et al. Proposta de diretrizes brasileiras para a detecção e o tratamento da retinopatia da prematuridade (ROP). Arq Bras Oftalmol 2007; 70(5):

10 EXAMES OFTALMOLÓGICOS REALIZADOS ENTRE A 4ª E A 6ª SEMANA DE VIDA NA UTI Neo OFTALMOSCOPIA BINOCULAR INDIRETA LENTE Nikon ou Volk 28 Dioptrias MIDRÍASE: Tropicamida 0,5% + Fenilefrina 2,5% BLEFAROSTATO: Alfonso Eye Speculum, Storz INDENTAÇÃO ESCLERAL: Proximetacaína 0,5% Fortes Filho JB. Retinopatia da prematuridade. Artigo de revisão. Rev Bras Oftalmol 2006; 65(4):

11 O EXAME É TECNICAMENTE DIFÍCIL Tunica Vasculosa Lentis NECESSITA PRÁTICA, CONHECIMENTO, RAPIDEZ E ATENÇÃO PERMANENTE NO COMPORTAMENTO DA CRIANÇA (TREINAMENTO)

12 TREINAMENTO? ONDE?

13 INCLUSÃO DE PACIENTES POR PN / IG EXAMES PRECISAM SER REPETIDOS DURANTE VÁRIAS SEMANAS ATÉ 42a SEMANA DE IPC QUANDO SE COMPLETA A VASCULARIZAÇÃO AUMENTO NA FORÇA DE TRABALHO STRESS E DEBILITAÇÃO AO RN EM FUNÇÃO DOS EXAMES REPETITIVOS Zin A, Moreira ME, Bunce C, Darlow BA, Gilbert CE. Retinopathy of prematurity in 7 neonatal units in Rio de Janeiro: screening criteria and workload implications. Pediatrics 2010 online Jul 26,2010.

14 ROPScore para predizer ROP grave Eckert, Fortes Filho e cols ROPScore em 417 prematuros < 1500 g e/ou < 32 IG Eye (London) citações Eckert GU, Fortes Filho JB, Maia M, Procianoy RS. Eye (London) 2012; 26:

15 PRACTICAL USE OF THE ROPScore Risco Baixo-risco BW (birth weight) in grams 1000 Use the birth weight in grams GA (gestational age) in weeks 28 Use the gestational age in weeks BLOOD TRANSFUSION (up to 6th week of life) 1 Use 0 for none or 1 for yes if the baby underwent any blood transfusion OXYGEN IN MECHANICAL VENTILATION (up to 6th week of life) 1 Use 0 for none or 1 for yes if the baby underwent oxygen-therapy WEIGHT AT COMPLETED 6 WEEKS OF LIFE 1400 Use the weight in grams measured at completed the 6th week of life PROPORTIONAL WEIGHT GAIN 0,40 Automatic Calculation / Do not fill in ROPScore 16,9 Automatic Calculation / Do not fill in Higher the ROPScore = Higher the risk for developing ROP BW (birth weight) in grams 1350 Use the birth weight in grams GA (gestational age) in weeks 31 Use the gestational age in weeks Cuttoff point for any stage ROP = 11 and for severe ROP = 14.5 BLOOD TRANSFUSION (up to 6th week of life) 0 Use 0 for none or 1 for yes if the baby underwent any blood transfusion OXYGEN IN MECHANICAL VENTILATION (up to 6th week of life) 0 Use 0 for none or 1 for yes if the baby underwent oxygen-therapy WEIGHT NPV (Negative AT COMPLETED predictive 6 WEEKS OF LIFE values) = 93% of not developing 2200 any Use the stage weight of in ROP grams and measured 99% at of completed not developing the 6th week of severe life ROP PROPORTIONAL NPV = probability WEIGHT of GAIN a patient with ROPScore below 0,63 11 of not Automatic developing Calculation any / stage Do not ROP fill in ROPScore NPV = probability of a patient with ROPScore below 10, of Automatic not developing Calculation severe / Do not ROP fill in Higher the ROPScore = Higher the risk for developing ROP Cuttoff point for any stage ROP = 11 and for severe ROP = 14.5 NPV (Negative predictive values) = 93% of not developing any stage of ROP and 99% of not developing severe ROP NPV = probability of a patient with ROPScore below 11 of not developing any stage ROP NPV = probability of a patient with ROPScore below 14.5 of not developing severe ROP Excel Spreadsheat Microsoft

16 Revisiting the ROPScore: Esquema Padrão para s Oftalmológicos ROPScore de Muito Baixo Risco ( 11.0) Esquema Padrão para s Oftalmológicos ROPScore de Baixo Risco ( 14.0) IG ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana IG ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana ª semana 42 16ª semana 42 Total de Total de s exames exames exames exames exames exames exames s exames exames exames exames exames exames exames O ROPScore pode ser utilizado com excelente performance a partir da 2ª semana de vida RISCO RISCO EXAMINAR EXAMINAR MÁXIMO reduzindo o número de exames SEMPRE MÁXIMO desnecessários SEMPRE em mais de 20%

17 TRATAMENTO ATUAL DA ROP LASER DIODO TRANSPUPILAR AO REDOR DE 700 / 1000 IMPACTOS / OLHO NA RETINA AVASCULAR DOIS OLHOS TRATADOS NO MESMO ATO SEDAÇÃO NA UTIN PREFERENCIALMENTE ROP PRÉ-LIMIAR do tipo 1: LASER MENOS DENSO ROP LIMIAR: LASER MAIS DENSO

18 TRATAMENTO DA ROP LASER: PRECISA SER REALIZADO ENTRE A 37ª E A 38ª SEMANA DE IPC ANTI-VEGF: ENTRE A 35ª E A 36ª SEMANA DE IPC

19 PROGNÓSTICO DA DOENÇA CRYO-ROP / ET-ROP MESMO APÓS O TRATAMENTO PELO LASER PODE HAVER PROGRESSÃO DA ROP E CEGUEIRA Cryotherapy for Retinopathy of Prematurity Cooperative Group. Multicenter trial of cryotherapy for retinopathy of prematurity: ophthalmological outcomes at 10 years. Arch Ophthalmol 2001;119:

20 USO DE MEDICAÇÕES ANTI-VEGF EM ROP NOS CASOS DE DOENÇAS GRAVES AFETANDO A ZONA I 6 dias após anti-vegf Antes anti-vegf 6 meses após anti-vegf

21 PREVALÊNCIA DA ROP NO HCPA 2002/2009 PN g e/ou IG 32 semanas = 22% ROP / 6,7 % ROP GRAVE PN < g = 49% ROP / 17% ROP GRAVE PN > e < g = 18% ROP / 2,3% ROP GRAVE Eye citações Fortes Filho JB, Eckert GU, Procianoy L, Procianoy RS. Eye 2009; 23(1):25-30.

22 A ROP GRAVE PODE SER PREVENIDA RÍGIDO CONTROLE SOBRE A OXIGÊNIIO TERAPIA DESDE O NASCIMENTO COM OXÍMETROS DE PULSO RÍGIDO CONTROLE SOBRE OS FATORES DE RISCO PARA A ROP OTIMIZAÇÃO NA NUTRIÇÃO PARENTERAL TOTAL EM BEBÊS c/ PN < 1250 g PROGRAMAS DE TRIAGEM OFTALMOLÓGICA PARA A DETECÇÃO DA ROP Nº TRATAMENTOS REALIZADOS % ROP grave ,6% 6,1% 5,2% 6,2% 6,7% ,2% 0,0% 0,0% 0,0% ,0%

23 PROROP Website disponibiliza muitas informações sobre a ROP João Borges Fortes Filho Universidade Federal do Rio Grande do Sul Hospital de Clínicas de Porto Alegre

CONDUTA NA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE. João Borges Fortes Filho

CONDUTA NA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE. João Borges Fortes Filho FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE CONDUTA NA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE João Borges Fortes Filho MESTRE, DOUTOR E PÓS-DOUTOR EM OFTALMOLOGIA

Leia mais

PREVENÇÃO DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE: João Borges Fortes Filho

PREVENÇÃO DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE: João Borges Fortes Filho FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE PREVENÇÃO DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE: A VISÃO DO OFTALMOLOGISTA João Borges Fortes Filho MESTRE,

Leia mais

Tratamento e Seguimento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho

Tratamento e Seguimento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Tratamento e Seguimento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho MESTRE, DOUTOR

Leia mais

Prevenção da cegueira por Retinopatia da Prematuridade em hospital da rede privada em Porto Alegre

Prevenção da cegueira por Retinopatia da Prematuridade em hospital da rede privada em Porto Alegre Prevenção da cegueira por Retinopatia da Prematuridade em hospital da rede privada em Porto Alegre João Borges Fortes Filho * RESUMO Objetivo: Avaliar a necessidade e a eficiência da fotocoagulação por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ NATASHA TATIANA VIEIRA ISKOROSTENSKI MURTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ NATASHA TATIANA VIEIRA ISKOROSTENSKI MURTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ NATASHA TATIANA VIEIRA ISKOROSTENSKI MURTA PREVALÊNCIA DE RETINOPATIA DA PREMATURIDADE E FATORES DE RISCO ASSOCIADOS NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Leia mais

Proposta de diretrizes brasileiras do exame e tratamento de retinopatia da prematuridade (ROP)

Proposta de diretrizes brasileiras do exame e tratamento de retinopatia da prematuridade (ROP) ATUALIZAÇÃO CONTINUADA Proposta de diretrizes brasileiras do exame e tratamento de retinopatia da prematuridade (ROP) Brazilian guidelines proposal for screening and treatment of retinopathy of prematurity

Leia mais

Arquivos Catarinenses de Medicina

Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina ISSN (impresso) 0004-2773 ISSN (online) 1806-4280 ARTIGO ORIGINAL Incidência de Retinopatia da Prematuridade no Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa

Leia mais

Jornal de Pediatria ISSN: Sociedade Brasileira de Pediatria Brasil

Jornal de Pediatria ISSN: Sociedade Brasileira de Pediatria Brasil Jornal de Pediatria ISSN: 0021-7557 assessoria@jped.com.br Sociedade Brasileira de Pediatria Brasil Levy Lermann, Viviane; Borges Fortes Filho, João; Procianoy, Renato S. Prevalência de retinopatia da

Leia mais

Avastin em ROP: BEAT-ROP e a possibilidade de recidiva tardia da neovascularização. João Borges Fortes Filho

Avastin em ROP: BEAT-ROP e a possibilidade de recidiva tardia da neovascularização. João Borges Fortes Filho FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Avastin em ROP: BEAT-ROP e a possibilidade de recidiva tardia da neovascularização João Borges Fortes

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE MEDICINA

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE MEDICINA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE MEDICINA Retinopatia da Prematuridade: uma análise de sua prevalência na América Latina Juliana Zimmermann Carrion Canoas, novembro de

Leia mais

RETINOPATIA DA PREMATURIDADE NO HOSPITAL DA FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU UNESP RESUMO

RETINOPATIA DA PREMATURIDADE NO HOSPITAL DA FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU UNESP RESUMO RETINOPATIA DA PREMATURIDADE NO HOSPITAL DA FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU UNESP RESUMO Eliane Chaves Jorge * André Ricardo Carvalho Marcon Núria Avelar Puertas A retinopatia da prematuridade (ROP)

Leia mais

PREVALÊNCIA DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE NO CENTRO DE NEONATOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

PREVALÊNCIA DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE NO CENTRO DE NEONATOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Artigo Revista Original HCPA PREVALÊNCIA DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE NO CENTRO DE NEONATOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE PREVALENCE OF RETINOPATHY OF PREMATURITY AT THE DIVISION OF NEONATOLOGY

Leia mais

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE (ROP) EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE (ROP) EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA ESTUDO DA PREVALÊNCIA DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE (ROP) EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA Departamento de Neonatologia. CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA Departamento de Neonatologia. CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA Departamento de Neonatologia CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica Prevenção de Cegueira Infantil causada por Retinopatia

Leia mais

Update no tratamento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho

Update no tratamento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Update no tratamento da Retinopatia da Prematuridade (ROP) João Borges Fortes Filho MESTRE, DOUTOR E

Leia mais

Prevalência da retinopatia da prematuridade em recém-nascidos de muito baixo peso

Prevalência da retinopatia da prematuridade em recém-nascidos de muito baixo peso 0021-7557/97/73-06/377 Jornal de Pediatria Copyright 1997 by Sociedade Brasileira de Pediatria Jornal de Pediatria - Vol. 73, Nº6, 1997 377 ARTIGO ORIGINAL Prevalência da retinopatia da prematuridade em

Leia mais

Incidência e fatores de risco da retinopatia da prematuridade no Hospital Universitário Onofre Lopes, Natal (RN) - Brasil

Incidência e fatores de risco da retinopatia da prematuridade no Hospital Universitário Onofre Lopes, Natal (RN) - Brasil Incidência e fatores de risco da retinopatia da prematuridade no Hospital Universitário Onofre Lopes, Natal (RN) - Brasil Incidence and risk factors of retinopathy of prematurity in University Hospital

Leia mais

Retinopatia da Prematuridade: uma revisão

Retinopatia da Prematuridade: uma revisão Revista de Medicina e Saúde de Brasília ARTIGO DE REVISÃO Retinopathy of prematurity: a review Fernanda Alves Sousa Costa 1, Danielle Eveline Vilas Boas Gumieiro 1, Liana Chaul Sfair 1, Marina Fernandes

Leia mais

Perfil clínico e epidemiológico de recém-natos prematuros com muito baixo peso no Rio de Janeiro: estudo de 152 pacientes

Perfil clínico e epidemiológico de recém-natos prematuros com muito baixo peso no Rio de Janeiro: estudo de 152 pacientes ARTIGO ORIGINAL 389 Perfil clínico e epidemiológico de recém-natos prematuros com muito baixo peso no Rio de Janeiro: estudo de 152 pacientes Clinic and epidemiologic profile of preterm infants with very

Leia mais

Raphael de Faria Schumann 1 Adauto Dutra Moraes Barbosa 2 Cristina Ortiz Valete 3 RESUMO

Raphael de Faria Schumann 1 Adauto Dutra Moraes Barbosa 2 Cristina Ortiz Valete 3 RESUMO Incidência e gravidade da retinopatia da prematuridade e sua associação com morbidade e tratamentos instituídos no Hospital Universitário Antonio Pedro, entre 2003 a 2005 Incidence and severity of retinopathy

Leia mais

Retinopatia da prematuridade: fatores de risco perinatais Retinopathy of prematurity: perinatal risk factors

Retinopatia da prematuridade: fatores de risco perinatais Retinopathy of prematurity: perinatal risk factors DOI: 10.5433/1679-0367.2016v37n1p3 ARTIGOS / ARTICLES Retinopatia da prematuridade: fatores de risco perinatais Retinopathy of prematurity: perinatal risk factors Fabiola Caroline da Silva 1, Helen Cristina

Leia mais

PREVALÊNCIA DE RETINOPATIA DA PREMATURIDAE EM RECÉM-NASCIDOS DE MUITO BAIXO PESO

PREVALÊNCIA DE RETINOPATIA DA PREMATURIDAE EM RECÉM-NASCIDOS DE MUITO BAIXO PESO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS PEDIATRIA PREVALÊNCIA DE RETINOPATIA DA PREMATURIDAE EM RECÉM-NASCIDOS DE MUITO BAIXO PESO

Leia mais

MEDIDAS PREVENTIVAS EM RETINOPATIA DA PREMATURIDADE

MEDIDAS PREVENTIVAS EM RETINOPATIA DA PREMATURIDADE 41 MEDIDAS PREVENTIVAS EM RETINOPATIA DA PREMATURIDADE PRORN SEMCAD JOÃO BORGES FORTES FILHO INTRODUÇÃO A retinopatia da prematuridade (ROP), doença já conhecida há mais de 50 anos nos países com baixa

Leia mais

BAIXO GANHO PONDERAL COMO PREDITOR DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE

BAIXO GANHO PONDERAL COMO PREDITOR DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE João Borges Fortes Filho BAIXO GANHO PONDERAL COMO PREDITOR DA RETINOPATIA DA PREMATURIDADE Tese apresentada à Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina, para a obtenção do título

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 49 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Oftalmologia Causas de baixa visão e cegueira em crianças Departamento de Medicina do Sono

Leia mais

TEMA: Cirurgia de catarata em paciente de dois anos com catarata congênita

TEMA: Cirurgia de catarata em paciente de dois anos com catarata congênita NOTA TÉCNICA 148/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito - Comarca de Itamarandiba - MG. Processo número: 0325 14 001739-4 Data: 22/07/2014 Medicamento Material Procedimento x Cobertura

Leia mais

Estado Refrativo em Crianças com Retinopatia da Prematuridade Tratada com Laser e/ou Bevacizumab

Estado Refrativo em Crianças com Retinopatia da Prematuridade Tratada com Laser e/ou Bevacizumab Oftalmologia - Vol. 40: pp.127-131 Artigo Original Estado Refrativo em Crianças com Retinopatia da Prematuridade Tratada com Laser e/ou Bevacizumab Mário Ramalho 1, Fernando Vaz 2, Cristina Santos 1, Inês

Leia mais

Módulo 7: ROP. O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? realizado? realizado?

Módulo 7: ROP. O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? realizado? realizado? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 7: ROP O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? ser Q Quando uando o o exame

Leia mais

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina O Setor de Retina da Divisão de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP(HCRP-FMRP-USP) está

Leia mais

RASTREIO AUDITIVO NEONATAL UNIVERSAL (RANU)

RASTREIO AUDITIVO NEONATAL UNIVERSAL (RANU) (RANU) Catarina S. Oliveira e Marta Machado Internas da Formação Específica de Pediatria, CHBV Agradecimentos: Drª. Luísa Monteiro (Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil GRISI) Associação

Leia mais

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES A manutenção da saúde ocular está diretamente relacionada com os exames de rotina realizados por um médico oftalmologista, em

Leia mais

APLICAÇÃO DE UMA CURVA DE GANHO DE PESO PARA GESTANTES

APLICAÇÃO DE UMA CURVA DE GANHO DE PESO PARA GESTANTES APLICAÇÃO DE UMA CURVA DE GANHO DE PESO PARA GESTANTES Arnaldo Augusto Franco de Siqueira * Cyro Ciari Junior * Iara Lucia Brayner Mattos * Keiko Ogura Buralli * Malaquias Baptista Filho ** Néia Schor*

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

ANÁLISE DA MORTALIDADE DE NEONATOS EM UMA UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL DO VALE DO PARAÍBA

ANÁLISE DA MORTALIDADE DE NEONATOS EM UMA UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL DO VALE DO PARAÍBA ANÁLISE DA MORTALIDADE DE NEONATOS EM UMA UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL DO VALE DO PARAÍBA SOUZA, Luciana Santana de¹; CARVALHO, Maria das Neves de Oliveira¹; MARTINS, Selma de Oliveira¹; LANCIA, Maria da

Leia mais

Um(ns) autor(es) português(es) no British Medical Journal

Um(ns) autor(es) português(es) no British Medical Journal Um(ns) autor(es) português(es) no British Medical Journal Prof. Doutor António Vaz Carneiro, MD, PhD, FACP Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência Centro Colaborador Português da Rede Cochrane

Leia mais

Trata-se de consulta encaminhada pelo Ministério Público Federal questionando o uso de tropicamida nos testes do olhinho realizado em recémnascidos.

Trata-se de consulta encaminhada pelo Ministério Público Federal questionando o uso de tropicamida nos testes do olhinho realizado em recémnascidos. PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 9/13 PARECER CFM Nº 7/13 INTERESSADO: Ministério Público Federal ASSUNTO: Uso de tropicamida nos testes do olhinho realizado em recém-nascidos RELATOR: Cons. José Fernando Maia

Leia mais

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006 Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS Retinopatia da Prematuridade 2006 BULBO OCULAR Retinopatia da Prematuridade Doença vaso proliferativa multifatorial Uma das

Leia mais

Triagem Neonatal para hipotireoidismo congênito: campanha para maior cobertura e detecção precoce de afetados

Triagem Neonatal para hipotireoidismo congênito: campanha para maior cobertura e detecção precoce de afetados Léa Maria Zanini Maciel Triagem Neonatal para hipotireoidismo congênito: campanha para maior cobertura e detecção precoce de afetados DIA 3 do Recém Nascido - Dia do Teste do Pezinho O Hipotireoidismo

Leia mais

GENÉTICA E OFTALMOLOGIA JAIME ROIZENBLATT

GENÉTICA E OFTALMOLOGIA JAIME ROIZENBLATT 17 GENÉTICA E OFTALMOLOGIA JAIME ROIZENBLATT 702 Capítulo 17 703 GENÉTICA E OFTALMOLOGIA JAIME ROIZENBLATT Nas últimas décadas tem havido uma grande mudança no padrão das doenças. Houve uma grande diminuição

Leia mais

Síndrome hipertensiva Gestacional e desfecho neonatal o que esperar

Síndrome hipertensiva Gestacional e desfecho neonatal o que esperar Síndrome hipertensiva Gestacional e desfecho neonatal o Dra. Marta David Rocha De Moura Neonatologista Hospital Materno Infantil De Brasília Neonatologista Hospital Das Forças Armadas Coordenadora do Internato

Leia mais

Vigilância Epidemiológica nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais

Vigilância Epidemiológica nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais Vigilância Epidemiológica nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais Maria Teresa Neto Hospital Dona Estefânia Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Coordenadora do Programa de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes de Atenção à Saúde Ocular na Infância: Detecção e Intervenção Precoce para a Prevenção de Deficiências Visuais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes de Atenção à Saúde Ocular na Infância: Detecção e Intervenção Precoce para a Prevenção de Deficiências Visuais MINISTÉRIO DA SAÚDE Diretrizes de Atenção à Saúde Ocular na Infância: Detecção e Intervenção Precoce para a Prevenção de Deficiências Visuais Brasília DF 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS

PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS Tainá de Oliveira Castelanelli Jáima Pinheiro de Oliveira Instituição de origem dos autores: UNESP Marília/SP Eixo Temático:

Leia mais

Simone Suplicy Vieira Fontes

Simone Suplicy Vieira Fontes Simone Suplicy Vieira Fontes Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Retinopatia da prematuridade

Retinopatia da prematuridade 246 ARTIGO DE REVISÃO Retinopatia da prematuridade Retinopathy of prematurity João Borges Fortes Filho 1 RESUMO Este artigo aborda aspectos atuais da Retinopatia da Prematuridade, entidade clínica responsável

Leia mais

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Conheça lesões e doenças que podem comprometer o sistema visual. São informações rápidas para melhor entendimento do que pode ser feito para preservar a sua visão.

Leia mais

Repercuções das TRA na Gestante e no Concepto. Edson Borges Jr.

Repercuções das TRA na Gestante e no Concepto. Edson Borges Jr. Repercuções das TRA na Gestante e no Concepto Edson Borges Jr. 1 http://fertility.com.br/producao-cientifica-2016/ 2 USA: 1% Europa: 3% Dinamarca Finlândia: 6% Brasil: 25 30.000 ciclos FIV/ICSI / ano ~

Leia mais

DEGUSTAÇÃO REVENDO A RETINOPATIA DA PREMATURIDADE: PREVALÊNCIA EM NOSSO MEIO E ABORDAGEM TERAPÊUTICA ATUAL INTRODUÇÃO

DEGUSTAÇÃO REVENDO A RETINOPATIA DA PREMATURIDADE: PREVALÊNCIA EM NOSSO MEIO E ABORDAGEM TERAPÊUTICA ATUAL INTRODUÇÃO REVENDO A RETINOPATIA DA PREMATURIDADE: PREVALÊNCIA EM NOSSO MEIO E ABORDAGEM TERAPÊUTICA ATUAL 27 PRORN Ciclo 11 Volume 4 INTRODUÇÃO ALINE PIOVEZAN ENTRINGER ANDREA ZIN A retinopatia da prematuridade

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

Investigação do reflexo vermelho em recém-nascidos e sua relação com fatores da história neonatal *

Investigação do reflexo vermelho em recém-nascidos e sua relação com fatores da história neonatal * Investigação do reflexo vermelho em recém-nascidos e sua relação com fatores da história neonatal * ARTIGO ORIGINAL INVESTIGATION OF THE RELATED FACTORS BETWEEN NEWBORN HISTORY AND RED REFLEX INVESTIGACIÓN

Leia mais

SOBRE A COOPERATIVA UNIMED LIMEIRA

SOBRE A COOPERATIVA UNIMED LIMEIRA APRESENTAÇÃO COMERCIAL O NEGÓCIO SISTEMA UNIMED SOBRE A COOPERATIVA UNIMED LIMEIRA Qualidade comprovada Top of Mind (Plano mais lembrado pela sociedade), Certificação ONA Nível 3 (Acreditação de Excelência

Leia mais

Proposta de Programa de Follow up de Recém- Nascidos de Risco

Proposta de Programa de Follow up de Recém- Nascidos de Risco Proposta de Programa de Follow up de Recém- Nascidos de Risco Ana Sofia Branco, Margarida Silva 14 de Setembro de 2015 Centro de Desenvolvimento Infan@l Diferenças Introdução O avanço da medicina e a melhoria

Leia mais

Recém-nascido de termo com baixo peso

Recém-nascido de termo com baixo peso Reunião de Obstetrícia e Neonatologia Abril 2014 Recém-nascido de termo com baixo peso Departamento da Mulher, da Criança e do Jovem Unidade Local de Saúde de Matosinhos - ULSM Andreia A. Martins 1, Ângela

Leia mais

INTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

INTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Título: Associação da morfologia do edema macular e do status da membrana limitante externa com a acuidade visual na retinopatia diabética. Autores: Rosana Zacarias HANNOUCHE; Marcos Pereira de ÁVILA;

Leia mais

Prevalência da retinopatia diabética em unidade do Programa de Saúde da Família

Prevalência da retinopatia diabética em unidade do Programa de Saúde da Família 90 ARTIGO ORIGINAL Prevalência da retinopatia diabética em unidade do Programa de Saúde da Família Prevalence of the diabetic retinopathy in a Family s Health Program unity Murielem Fernandes Guedes 1,

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL PELA ENFERMAGEM: UTILIZAÇÃO DA TABELA DE SNELLEN EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL I

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL PELA ENFERMAGEM: UTILIZAÇÃO DA TABELA DE SNELLEN EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL I 16 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL PELA ENFERMAGEM: UTILIZAÇÃO DA TABELA DE SNELLEN EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL I CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Acuidade visual. Crianças. Tabela de Snellen.

PALAVRAS-CHAVE Acuidade visual. Crianças. Tabela de Snellen. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Caracterização visual numa amostra infantil em idade pré-escolar e escolar - o estado da arte num rastreio

Caracterização visual numa amostra infantil em idade pré-escolar e escolar - o estado da arte num rastreio Caracterização visual numa amostra infantil em idade pré-escolar e escolar - o estado da arte num rastreio Hugo Quental, Ilda Maria Poças, Carina Esteves, Wilson Quintino, Carina Silva Fortes Escola Superior

Leia mais

Avaliação da Mácula e Espessura da Camada de Fibras Nervosas Peripapilar em Crianças Prematuras

Avaliação da Mácula e Espessura da Camada de Fibras Nervosas Peripapilar em Crianças Prematuras Oftalmologia - Vol. 36: pp.133-140 Artigo Original Avaliação da Mácula e Espessura da Camada de Fibras Nervosas Peripapilar em Crianças Prematuras Ana Filipa Duarte 1I, Rita Rosa 1I, Arnaldo Santos 1I,

Leia mais

Campanhas de promoção de saúde ocular: experiência do Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre

Campanhas de promoção de saúde ocular: experiência do Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre ARTIGO ORIGINAL 231 Campanhas de promoção de saúde ocular: experiência do Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre Ocular health promotion: the Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre experience Aline Lütz

Leia mais

Ganho de Peso na Gravidez

Ganho de Peso na Gravidez Ganho de Peso na Gravidez Alexandra Messa Cirlinas 1 Umberto Gazi Lippi 2 ¹ Autor principal, acadêmica de medicina da FMABC e bolsista do programa de Iniciação Científica PIBIC 2015 2 Doutor pela UNIFESP,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal - Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal - Lei nº 5.905/73 Homologado na 401ª ROP, de 18/02/2016 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Câmara Técnica de Saúde e Atenção Básica Câmara Técnica de Urgência e Emergência PARECER TÉCNICO Nº 05/2016 Análise

Leia mais

Procedimento Descrição Custo

Procedimento Descrição Custo Nome do procedimento de acordo com a terminologia da CBHPM/TUSS (se possível, informar também o nome em inglês). Descrição do que consiste o procedimento, qual sua finalidade, qual a importância da inclusão

Leia mais

Desenvolvimento cognitivo e de linguagem expressiva em bebês pré-termo muito baixo peso em seus estágios iniciais

Desenvolvimento cognitivo e de linguagem expressiva em bebês pré-termo muito baixo peso em seus estágios iniciais Desenvolvimento cognitivo e de linguagem expressiva em bebês pré-termo muito baixo peso em seus estágios iniciais Palavras chave: recém-nascido de muito baixo peso, linguagem, cognição. A prematuridade

Leia mais

Parto domiciliar na visão do pediatra

Parto domiciliar na visão do pediatra 1º SIMPÓSIO DE ASSISTÊNCIA AO PARTO EM MINAS GERAIS 20 a 21 de março Parto domiciliar na visão do pediatra Cons. Fábio Augusto de Castro Guerra CRMMG Situação Atual CONFLITO Humanização do atendimento

Leia mais

Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical 2016/2017

Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical 2016/2017 Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical 2016/2017 Principais Doenças de Transmissão Vertical no Brasil Sífilis congênita HIV-AIDS Hepatites B e C Rubéola congênita Toxoplasmose congênita

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG370 Enfermagem na Saúde da Criança e do Adolescente

Programa Analítico de Disciplina EFG370 Enfermagem na Saúde da Criança e do Adolescente Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM Graduação em Medicina: Escola Paulista de Medicina ( )

DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM Graduação em Medicina: Escola Paulista de Medicina ( ) DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM 4294 FORMAÇÃO Graduação em Medicina: Escola Paulista de Medicina (1976-81) Residência Médica em Oftalmologia: Escola Paulista de Medicina (1982-83) Título de Especialista:

Leia mais

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE Paulo Augusto de Arruda Mello Filho INTRODUÇÃO A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença ocular que acomete as regiões da retina e coróide responsáveis

Leia mais

DETECÇÃO E TRATAMENTO DE PACIENTES AMBLÍOPES NA CIDADE DE SAO PAULO, SP (BRASIL)

DETECÇÃO E TRATAMENTO DE PACIENTES AMBLÍOPES NA CIDADE DE SAO PAULO, SP (BRASIL) DETECÇÃO E TRATAMENTO DE PACIENTES AMBLÍOPES NA CIDADE DE SAO PAULO, SP (BRASIL) Samir Jacob flechara* Newton KaraJosé** BECHARA S. J. & KARA-JOSÉ, N. Detecção e tratamento de pacientes amblíopes na cidade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização

NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização Em 2005 nasceram em Portugal 109 399 nados vivos, dos quais 6,6 % (7260) foram prematuros (idade gestacional abaixo das 37 semanas), 7,5% (8200)

Leia mais

Programa Estadual de Triagem Auditiva Neonatal Universal TANU/MG

Programa Estadual de Triagem Auditiva Neonatal Universal TANU/MG Programa Estadual de Triagem Auditiva Neonatal Universal TANU/MG Gabriela Cintra Januário SES/SAS/GAS/CASPPD Objetivo Possibilitar a crianças com deficiência auditiva a aquisição de linguagem oral. Linguagem

Leia mais

IMPLANTE INTRAVÍTREO DE POLÍMERO FARMACOLÓGICO DE LIBERAÇÃO CONTROLADA

IMPLANTE INTRAVÍTREO DE POLÍMERO FARMACOLÓGICO DE LIBERAÇÃO CONTROLADA IMPLANTE INTRAVÍTREO DE POLÍMERO FARMACOLÓGICO DE LIBERAÇÃO CONTROLADA Código Tuss: 3.03.12.13-2 Porte Cirúrgico 9B - 1 Aux. - Porte Anest. 03 HONORÁRIOS MÉDICOS QUANT PREÇO TOTAL CIRURGIÃO 1 849,41 849,41

Leia mais

Bioestatística e Computação I

Bioestatística e Computação I ioestatística e Computação I Estatística Descritiva Maria Virginia P Dutra Eloane Ramos Vania Matos Fonseca Pós raduação em Saúde da Mulher e da Criança IFF FIOCRUZ Organizar e resumir dados Estatística

Leia mais

EXPERIENCIAS ACTUALES DE SPF EN EL MUNDO PORTUGAL. Henrique Santos Farmacéutico comunitário Instituto Pharmcare

EXPERIENCIAS ACTUALES DE SPF EN EL MUNDO PORTUGAL. Henrique Santos Farmacéutico comunitário Instituto Pharmcare EXPERIENCIAS ACTUALES DE SPF EN EL MUNDO PORTUGAL Henrique Santos Farmacéutico comunitário Instituto Pharmcare Source: CEFAR, Centre for Health Evaluation & Research (ANF Group) / hmr Cambios en 2007 1

Leia mais

FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRÉ-ECLÂMPSIA

FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRÉ-ECLÂMPSIA FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRÉ-ECLÂMPSIA Barbara Rodrigues Lacerda.Daniele de Fátima de Oliveira Barros,Larissa Aparecida Martins. Raquel Spadotto,Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva,Curso

Leia mais

PERFIL DOS PACIENTES COM RETINOPATIA DIABÉTICA EM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROFILE OF PATIENTS WITH DIABETIC RETINOPATHY AT A UNIVERSITY HOSPITAL

PERFIL DOS PACIENTES COM RETINOPATIA DIABÉTICA EM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROFILE OF PATIENTS WITH DIABETIC RETINOPATHY AT A UNIVERSITY HOSPITAL 4 J. A. H. de FREITAS et al. PERFIL DOS PACIENTES COM RETINOPATIA DIABÉTICA EM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROFILE OF PATIENTS WITH DIABETIC RETINOPATHY AT A UNIVERSITY HOSPITAL João Alberto Holanda de Freitas

Leia mais

Mortalidade neonatal precoce em recém-nascidos de muito baixo peso: estudo de coorte

Mortalidade neonatal precoce em recém-nascidos de muito baixo peso: estudo de coorte 2238-0450/15/04-03/75 Copyright by Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul Artigo Original Mortalidade neonatal precoce em recém-nascidos de muito baixo peso: estudo de coorte Early neonatal mortality

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Jomara Oliveira dos Santos Yogui

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Jomara Oliveira dos Santos Yogui Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Jomara Oliveira dos Santos Yogui A OCORRÊNCIA E OS FATORES ASSOCIADOS À RETINOPATIA DA PREMATURIDADE

Leia mais

Validade do uso de sulfato de magnésio visando a neuroproteção de fetos pré-termo

Validade do uso de sulfato de magnésio visando a neuroproteção de fetos pré-termo Disciplina de Obstetrícia Departamento de Obstetrícia e Ginecologia Validade do uso de sulfato de magnésio visando a neuroproteção de fetos pré-termo Rossana Pulcineli Vieira Francisco Encefalopatia Hipóxico

Leia mais

Assistência Neonatal na RBPN: Rede Brasileira de Pesquisas Neonatais Reunião Geral 14 de abril de 2016 Belo Horizonte - MG

Assistência Neonatal na RBPN: Rede Brasileira de Pesquisas Neonatais Reunião Geral 14 de abril de 2016 Belo Horizonte - MG Assistência Neonatal na RBPN: 215 Rede Brasileira de Pesquisas Neonatais Reunião Geral 14 de abril de 216 Belo Horizonte - MG São Paulo-SP USP/SP - HC USP/SP - HU UNIFESP - HSP UNIFESP - HED UNIFESP -

Leia mais

Fatores de risco para óbito em unidade de terapia intensiva neonatal, utilizando a técnica de análise de sobrevida

Fatores de risco para óbito em unidade de terapia intensiva neonatal, utilizando a técnica de análise de sobrevida ARTIGO ORIGINAL Susana de Paula Risso 1, Luiz Fernando C. Nascimento 2 Fatores de risco para óbito em unidade de terapia intensiva neonatal, utilizando a técnica de análise de sobrevida Risk factors for

Leia mais

Anticoagulação peri-procedimento: o que sabemos e o que devemos aprender? Luiz Magalhães Serviço de Arritmia - UFBA Instituto Procardíaco

Anticoagulação peri-procedimento: o que sabemos e o que devemos aprender? Luiz Magalhães Serviço de Arritmia - UFBA Instituto Procardíaco Anticoagulação peri-procedimento: o que sabemos e o que devemos aprender? Luiz Magalhães Serviço de Arritmia - UFBA Instituto Procardíaco Anticoagulação e Procedimentos Médicos No período perioperatório

Leia mais

20-3-15 21-3-15 8:00-8:30 CREDENCIAMENTO 8:30-9:00 ABERTURA 8:30-9:20 DISFAGIA NA ARGENTINA SILVIA JURY JOSÉ RIBAMAR DO NASCIMENTO JUNIOR - SP

20-3-15 21-3-15 8:00-8:30 CREDENCIAMENTO 8:30-9:00 ABERTURA 8:30-9:20 DISFAGIA NA ARGENTINA SILVIA JURY JOSÉ RIBAMAR DO NASCIMENTO JUNIOR - SP 20-3-15 21-3-15 8:00-8:30 CREDENCIAMENTO 8:30-9:00 ABERTURA JOSÉ RIBAMAR DO NASCIMENTO JUNIOR SP CARLA GUTERRES GRANHA- REPRESENTANTE COORDENAÇÃO - IPA - RS ANA MARIA FURKIM - SC CAMILA CERON RS REPRESENTANTE

Leia mais

Revista Latino-Americana de Enfermagem ISSN: Universidade de São Paulo Brasil

Revista Latino-Americana de Enfermagem ISSN: Universidade de São Paulo Brasil Revista Latino-Americana de Enfermagem ISSN: 0104-1169 rlae@eerp.usp.br Universidade de São Paulo Brasil Sousa Carvalho de Aguiar, Adriana; Barbosa Ximenes, Lorena; Leite Lúcio, Ingrid Martins; Freitag

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa I Jornadas de Enfermagem e Ortóptica do Centro Hospitalar Lisboa Ocidental João Ferreira, Wilson Quintino, Carla Lança e Manuel Oliveira Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa É um problema de

Leia mais

Papel das Unidades Básicas Casa da Gestante. II Encontro das Casas da Gestante do Rio Grande do Sul SES/RS Dezembro 2009

Papel das Unidades Básicas Casa da Gestante. II Encontro das Casas da Gestante do Rio Grande do Sul SES/RS Dezembro 2009 Papel das Unidades Básicas Casa da Gestante II Encontro das Casas da Gestante do Rio Grande do Sul SES/RS Dezembro 2009 Alguns dados: Ao analisar os dados de nascimento e óbitos dos RN residentes em Canoas

Leia mais

Tratamento domiciliar da TEP. Renato Maciel

Tratamento domiciliar da TEP. Renato Maciel Tratamento domiciliar da TEP Renato Maciel Conflito de interesse De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência de Vigilância Sanitária declaro: Não

Leia mais

A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos. detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos

A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos. detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos Material Suplementar On-line MÉTODOS E PROCESSO A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos National

Leia mais

Projeto Olhar Brasil. Ministério da Saúde / Ministério da Educação

Projeto Olhar Brasil. Ministério da Saúde / Ministério da Educação Projeto Olhar Brasil Ministério da Saúde / Ministério da Educação Fevereiro 2007 Projeto Olhar Brasil Justificativa 30% das crianças em idade escolar e 100% dos adultos com mais de 40 anos apresentam problemas

Leia mais

PROGRAMA VI CURSO DE IMERSÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE VISÃO SUBNORMAL

PROGRAMA VI CURSO DE IMERSÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE VISÃO SUBNORMAL PROGRAMA VI CURSO DE IMERSÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE VISÃO SUBNORMAL EXCELENCIA NA PRESCRIÇÃO DE AUXÍLIOS ÓPTICOS E CONDUTAS OFTALMOLÓGICAS NA BAIXA VISÃO ORGANIZAÇÃO: DIRETORIA DA SOCIEDADE BRASILEIRA

Leia mais

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO?

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? MEDEIROS, Paola de Oliveira¹; GALHO, Aline Ribeiro¹; BARRETO, Daniela Hormain¹; MARTINS, Mariana dos Santos¹; VIEIRA, Pâmela Cabral¹;

Leia mais

Avila ACT 1, Sartori J 2, Bello VA 3

Avila ACT 1, Sartori J 2, Bello VA 3 A construção de um protocolo de prevenção de úlcera por pressão em um hospital estadual que atende portadores de deficiência mental: relato de experiência Avila ACT 1, Sartori J 2, Bello VA 3 Introdução:

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE OCULAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE OCULAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE OCULAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Luísa Salles de Moura Mendonça 1, Marcos Pereira de Ávila 2, Lais Leão

Leia mais

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos 038 Avaliação Nutricional Neonatal Última revisão: 12/08/2013 Estabelecido em: 30/12/2008 Responsáveis / Unidade Iaura Mônica Cunha da Silva Esteves - Nutricionista

Leia mais

Programa Nacional de Controle da Tuberculose CGPNCT / DEVEP Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Programa Nacional de Controle da Tuberculose CGPNCT / DEVEP Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Programa Nacional de Controle da Tuberculose CGPNCT / DEVEP Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde tuberculose@saude.gov.br Julho/ 2016 Tuberculose no Mundo Um terço da população está infectada

Leia mais

BIOMICROSCOPIA ÓPTICA

BIOMICROSCOPIA ÓPTICA Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Serviço de Oftalmologia Director de Serviço: Dr. António Melo BIOMICROSCOPIA ÓPTICA 15 de Junho de 2012 Catarina Pedrosa, Susana Pina, Ana Azevedo, Cristina Santos,

Leia mais

BENEFICIOS DO POSICIONAMENTO DE RECÉM-NASCIDOS PRÉ- TERMO EM MÉTODO HAMMOCK NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

BENEFICIOS DO POSICIONAMENTO DE RECÉM-NASCIDOS PRÉ- TERMO EM MÉTODO HAMMOCK NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA BENEFICIOS DO POSICIONAMENTO DE RECÉM-NASCIDOS PRÉ- TERMO EM MÉTODO HAMMOCK NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Isabel Carlos da Silva 1, Priscila Freitas 2 Resumo Introdução O método Hammock (redinhas) vem

Leia mais