Organização de músicas do Apple itunes: simulação através de técnicas de hashing

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Organização de músicas do Apple itunes: simulação através de técnicas de hashing"

Transcrição

1 Estrutura de Dados II Universidade Federal de Juiz de Fora Trabalho Prof. Jairo Francisco de Souza Organização de músicas do Apple itunes: simulação através de técnicas de hashing 1. Introdução e objetivo do trabalho Sofwares para gerenciamento de músicas devem estar preparados para lidar com grandes bibliotecas de música. Alguns desses sofwares, contudo, começam a fcar muito lentos quando o usuário possui uma biblioteca com mais de 30 mil arquivos. O problema é ainda maior quando o sofware roda num dispositvo de baixo processamento. Por exemplo, o ipod oferece opção de 160gb de espaço para arquivos MP3. Considerando arquivos de MP3 com 4mb, o aparelho pode armazenar aproximadamente 40mil arquivos. Segundo sites não-ofciais (a Apple não fornece informações sobre processadores desses portáteis), os modelos classic desses aparelhos utlizam um processador de apenas 80mhz com dois núcleos e 32mb de RAM. Porém, verifcando aparelhos similares ou celulares que tocam mp3, notamos, mesmo que de forma empírica, que os aparelhos da Apple possuem velocidade muito maior no processo de busca por informações de música e acesso ao arquivo (reprodução da música). Considerando-se que celulares e outros tocadores de MP3 oferecem capacidade de armazenamento muito menor (16gb a 32gb em média), é interessante verifcar porque esses aparelhos que lidam com muito menos informação demoram muito mais para realizar as mesmas operações de busca e recuperação. O objetvo desse trabalho é aplicar técnicas de hashing e de ordenação de registros para organização fsica de arquivos MP3 e geração de relatórios para o usuário, simulando operações básicas de um software para carregamento de dados em aparelhos multmídia portáteis. Para tal, vamos simular a abordagem de armazenamento e busca do itunes/ipod/iphone. 2. Descrição do trabalho Dado um diretório parametrizado ou pré-determinado com caminho relatvo contendo somente arquivos do tpo mp3 com tags ID3 preenchidas, pede-se que seu programa seja capaz de organizar esses arquivos em pastas numeradas de 0 a 99, onde cada pasta representa uma entrada de uma tabela de hashing. O aplicatvo deve utlizar as informações do arquivo, como nome da música, álbum ou artsta, e, através de uma função hash, determinar em qual diretório o arquivo mp3 deve ser movido. Os diretórios numerados devem ser criados somente sob demanda. O aplicatvo deve criar um arquivo auxiliar para agilizar a consulta sobre músicas adicionadas no repositório. Cada música inserida em seu diretório correto deve gerar um novo registro em um arquivo music.dat, o qual contém registros no seguinte formato: struct { char *titulo, *artista, *album; } regmusic; Para evitar o gasto de espaço em disco (e de memória) é PROIBIDO armazenar outras informações do arquivo. Note, então, que o nome do arquivo não foi armazenado. Assim, como o sistema fará para encontrar o arquivo? Para tal, iremos criar uma segunda função de hash, a qual será responsável por alterar o nome do arquivo para uma sequência de 10 caracteres (podendo conter números e letras). Assim, para buscar uma dada música, o sistema usará uma função de hash para descobrir em qual diretório a música se encontra e, depois, usará uma segunda função de hash (diferente da primeira) para descobrir qual o nome da música dentro do diretório. Essa segunda função de hash deverá tratar colisões (ou seja, músicas com mesmo nome). PS: numa aplicação real, espera-se que a segunda função de hash seja perfeita. Mas no nosso trabalho, como o objetvo é treinar os conceitos vistos em sala, não nos preocuparemos se a função for imperfeita.

2 3. Funcionalidades a serem implementadas 1. O sistema deve importar músicas para o repositório. O usuário pode, a qualquer momento, importar novas músicas para o repositório. 2. O usuário pode visualizar relatórios sobre as músicas existentes na biblioteca. Este relatório pode ser gerado ordenado por: Artsta Álbum Artsta + Álbum 3. Não serão armazenadas no arquivo music.dat informações sobre o caminho relatvo ou absoluto do arquivo mp3! Isso permite que o usuário ou outro aplicatvo possam alterar o nome dos arquivos mp3s mesmo depois de já armazenados no repositório sem conhecimento do aplicatvo a ser implementado. 4. Relatório Deve-se fazer testes com o sistema utlizando 6 diferentes funções de hashing, sendo 3 para alocação em diretórios e 3 para alteração do nome da música. Estas funções devem ser avaliadas através da Quantdade Média de Colisões Totais e a Distribuição Média das Colisões (veja Apêndice II). Para a primeira função de hash, ou seja, a função que aloca em diretórios, deve-se considerar que as colisões c correspondem a exatamente n-1, sendo n a quantdade de arquivos em uma dada pasta. Ou seja, se uma pasta possui 3 arquivos, então foram geradas duas colisões nesta pasta. Das funções a serem implementadas, quatro devem ser baseadas em técnicas vistas em sala de aula e as outras devem ser técnicas totalmente novas (pesquise ou use a imaginação). Para a primeira função de hash (alocação em diretório): faça testes e registre o resultado dos índices de colisões pedidos para inserção de 100, 200, 300 e 500 arquivos mp3s (sempre músicas distntas). Para a segunda função de hash (alteração do nome do arquivo): faça testes e registre o resultados dos índices de colisões para alteração de nomes de 100, 200, 300 e 500 arquivos. Para contabilizar as colisões, considere que todos os arquivos irão para a mesma pasta (ou seja, não use a primeira função de hash). PS: esse trabalho vai servir, no mínimo, para você atualizar a sua biblioteca de músicas no celular :) 5. Entrega O grupo deverá ser formado por 4 alunos e as responsabilidades de cada aluno deve ser dividida nos seguintes grupos, onde cada aluno deve escolher um dos 4 papéis abaixo: Papel 1: Definição das 3 funções de hash para alocação em pastas, testes com as funções e geração dos gráficos Papel 2: Definição das 3 funções de hash para alteração do nome dos arquivos, testes com as funções e geração dos gráficos Papel 3: Códigos para inserção da música no sistema: leitura das tags ID3 dos arquivos, criação do arquivo music.dat, renomeação da música e alocação na pasta correta. Papel 4: Códigos para geração dos relatórios ordenados solicitados pelo usuário. Deve ser entregue um relatório com os seguintes itens: 1. Descrição das atvidades realizadas por cada membro do grupo 2. A implementação dos algoritmos (código documentado informando o que faz e quais os autores de cada função); 3. A explicação sobre as 6 funções de hash implementadas, com exemplos didátcos; 4. Gráfcos com os resultados dos índices de colisões pedidos na seção 4; 5. Análise dos resultados resultados obtdos nos gráfcos; O grupo deve agendar um horário com o professor para entrega pessoal do trabalho e apresentação oral no DCC. O sistema deverá rodar em Ubuntu. Principalmente se fzer em C ou C++, nem comece a programar no Windows.

3 Atenção para a data de entrega dos trabalhos: caso você deixe para o últmo dia, não espere que o professor estará disponível para te atender (outro grupo já pode ter reservado o horário!). Se não tver espaço vago para a sua apresentação, será considerado entrega com atraso. Atenção de novo: todo semestre os alunos perdem muito tempo com problemas na implementação que os alunos que fazem no Linux ou OSX não tveram. Então, se não usa linux, instale AGORA. 6. Pontuação Os membros da equipe serão avaliados pelo produto fnal do trabalho e pelos resultados individuais alcançados. Assim, numa mesma equipe, um membro pode fcar com nota 90 e outro com nota 50, por exemplo. Dentre os pontos que serão avaliados, estão: Execução do programa (caso o programa não funcione, a nota será zero) Corretude do programa (se todas as funções geram resultados esperados) Código documentado e boa prátca de programação (o mínimo necessário de variáveis globais, variáveis e funções com nomes de fácil compreensão, soluções elegantes de programação, código bem modularizado, etc) Sistema visualmente bem apresentado (interface com usuário) Pontualidade (quanto mais atrasada for a entrega do trabalho, mais pontos o trabalho perde) Relatório bem redigido Considerações finais: O trabalho pode ser feito em C, C++ ou Java O trabalho deve ser feito em grupo, mas o código deve ser feito individualmente. Trabalhar em grupo não significa sentar 4 na frente de um computador. Trabalhar em grupo significa dividir tarefas, assumir responsabilidades e cada um implementar seu código. Reuniões serão necessárias para juntar o código de cada um. Se cada um assumir as responsabilidades do seu Papel, o trabalho individual de cada membro será MUITO reduzido. Evite dependência do trabalho do colega. Por exemplo: se você escolheu o Papel 1 ou 2, não depende do trabalho dos demais. Se você escolheu o Papel 3 ou 4, combine com os Papéis 1 e 2 como o nome da função de hash e, durante a sua implementação, crie uma função fictícia que retorna um valor constante (ou aleatório), de forma que você não dependa do trabalho dos demais. Se você terminar o seu código e os demais membros do grupo não terminarem, o professor irá considerar o seu código. Se um membro abandonar o grupo, alguém terá que herdar as tarefas faltantes. No final, tudo terá que ser implementado para que o trabalho seja aceito com nota máxima. Apêndice I: como ler tags ID3 Para manipular tags ID3, baixe a biblioteca para C chamada libid3tag. É necessário compilar a biblioteca para o seu sistema operacional. As instruções de instalação estão no site da biblioteca (pesquise no google). Para usuários do Ubuntu, pode-se baixar a biblioteca já compilada no repositório da Canonical (digite libid3tag0-dev na Central de Programas do Ubuntu). Para usuários Windows, boasorte... :-) Para compilar o seu projeto, será necessário setar a biblioteca id3tag.so no CodeBlocks. Para tal, vá em Project Build optons Linker settings Add e adicione o caminho completo da biblioteca. No Ubuntu, a biblioteca estará em /usr/lib/libid3tag.so. A documentação do libid3tag pode ser encontrada em Trabalhe com músicas com nome de artstas e de faixas sem acentos, para facilitar o seu trabalho. Exemplo de código para recuperação de tags ID3: #include <stdio.h> #include <stdlib.h> #include <id3tag.h>

4 /** * Esta função retorna uma string contendo a informação de alguma tag do MP3, como nome do artista, album, musica, etc. * O nome do campo a ser retornado é passado pela variável frameid, a qual contém valores das enumerações ID3_FRAME_TITLE, ID3_FRAME_ARTIST, etc, vide documentação da biblioteca libid3tag em * * Autor: Jairo Francisco de Souza (#jairofsouza) **/ char *getlabel(struct id3_file *arquivo, char const *frameid) { } struct id3_tag *tagid3 = id3_file_tag(arquivo); struct id3_frame *frame = id3_tag_findframe(tagid3, frameid, 0); union id3_field field = frame->fields[1]; id3_ucs4_t const *ptemp = id3_field_getstrings(&field,0); id3_latin1_t *pstrlatinl = id3_ucs4_latin1duplicate(ptemp); char *texto = pstrlatinl; return texto; int main() { // Abre o arquivo mp3 struct id3_file *arquivo = id3_file_open("teste.mp3", ID3_FILE_MODE_READONLY); // coleta informação do nome da música char *titulo = getlabel(arquivo, ID3_FRAME_TITLE); printf("%s\n", titulo); // coleta informação do nome do artista char *artista = getlabel(arquivo, ID3_FRAME_ARTIST); printf("%s\n", artista); // coleta informação do nome do album char *album = getlabel(arquivo, ID3_FRAME_ALBUM); printf("%s\n", album); // fecha o arquivo (não esquecer de fechar todo arquivo aberto!) int x = id3_file_close(arquivo); if (x!=0) printf("erro ao fechar arquivo"); } return 0; Apêndice II: como calcular os índices de colisão O programa deve gerar para cada função: A Quantdade Média de Colisões Totais = (Total de Colisões) / n. A Distribuição Média das Colisões = (Total de Colisões) / (Total de pastas que colidiram ao aplicar h(k) Imagine que, ao inserir registros em uma tabela utlizando duas funções distntas de hashing (h1 e h2), são gerados os seguintes resultados: h1 gerou 5 colisões totais na tabela, porém todas as 5 colisões aconteceram em somente 2 posições da tabela (ou seja, 5 chaves distntas, ao aplicar h1(k), foram direcionadas para uma das duas posições de colisão). h2 gerou 7 colisões totais na tabela, porém as 7 colisões aconteceram em 5 posições distntas na tabela. Sendo assim, temos (para somente 1 execução do algoritmo): Quantdade de Colisões Totais de h1 = 5 Quantdade de Colisões Totais de h2 = 7 Distribuição das Colisões de h1 = 5 / 2 = 2,5 Distribuição das Colisões de h2 = 7 / 5 = 1,4 Analisando os resultados, verifcamos que a função h1 gera menos colisões do que a função h2. Contudo, as colisões geradas pela função h2 são melhor distribuídas que as colisões geradas pela função h1. Em algumas situações, pode ser mais interessante escolher uma função que distribua melhor as colisões, mesmo que ela gere algumas colisões a mais que outra função qualquer, pois permite um

5 resultado melhor ao aplicar técnicas de tratamento de colisões como, por exemplo, na abordagem de encadeamento.

DCC 003 Algoritmos e Estruturas de Dados I Tutorial de instalação do GCC e do TextPad

DCC 003 Algoritmos e Estruturas de Dados I Tutorial de instalação do GCC e do TextPad DCC 003 Algoritmos e Estruturas de Dados I Tutorial de instalação do GCC e do TextPad Semestre: 2012-2 Professor: Daniel Fernandes Macedo Introdução Durante as aulas práticas, iremos utilizar nos laboratórios

Leia mais

Persistência de Dados

Persistência de Dados Persistência de s Universidade do Estado de Santa Catarina - Udesc Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Departamento de Ciência da Computação Tecnologia de Sistemas de Informação Estrutura de s II - DAD

Leia mais

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp MC-102 Aula 01 Introdução à Programação de Computadores Instituto de Computação Unicamp 2015 Roteiro 1 Por que aprender a programar? 2 Hardware e Software 3 Organização de um ambiente computacional 4 Algoritmos

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

Procedimentos para Instalação e Utilização do PEP Programa automatizado de apoio à Elaboração de Projetos

Procedimentos para Instalação e Utilização do PEP Programa automatizado de apoio à Elaboração de Projetos MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria-Executiva Unidade de Coordenação de Programas Esplanada dos Ministérios Bl. P 4º Andar Salas 409/410 CEP 70.048-900 Brasília DF Tel: (61) 3412.2492 email: ucp@fazenda.gov.br

Leia mais

Algoritmos e Linguagem de Programação I

Algoritmos e Linguagem de Programação I Algoritmos e Linguagem de Programação I Roberto Ferreira roberto.ferreira@lapa.ifbaiano.edu.br 2014.1 Módulo I Aula 4 Introdução ao C Linguagem de Programação É um conjunto de regras sintáticas e semânticas

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Continuando as aulas sobre os fundamentos

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright Nextel 2014 http://nextelcloud.nextel.com.br 1 Nextel Cloud... 4 2 Nextel Cloud Web... 5 2.1 Página Inicial... 6 2.1.1 Meu Perfil... 7 2.1.2 Meu Dispositivo...

Leia mais

Manual Signext Card Explorer

Manual Signext Card Explorer Índice 1. Gerenciador... 1 2. Editar... 4 3. Token... 7 4. Key Pair... 8 5. Certificado... 9 6. Sobre... 10 O Card Explorer é um software desenvolvido para que o usuário possa: gerar par de chaves, inserir/excluir

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO

UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO www.origy.com.br UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO CARACTERÍSTICAS: E-MAIL IMAP * Acesso simultâneo e centralizado, via aplicativo, webmail e celular/smartphone * Alta capacidade de armazenamento

Leia mais

Componentes da linguagem C++

Componentes da linguagem C++ Componentes da linguagem C++ C++ é uma linguagem de programação orientada a objetos (OO) que oferece suporte às características OO, além de permitir você realizar outras tarefas, similarmente a outras

Leia mais

JDBC Java Database Connectivity

JDBC Java Database Connectivity 5 JDBC Java Database Connectivity Prof. Autor: Daniel Morais dos Reis e-tec Brasil Programação Avançada Para Web Página1 Meta Trabalhar com bancos de dados em aplicações web em JSP através das classes

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Sistemas Operacionais Carga horária total:

Leia mais

Tutorial: Programando no Linux

Tutorial: Programando no Linux UECE Universidade Estadual do Ceará CCT Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Ciência da Computação Tutorial: Programando no Linux Alunos: Henrique Neto e João Gonçalves Professora: Ana Luiza E-mails:

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Tutorial USERADM. Inserindo conteúdos no site

Tutorial USERADM. Inserindo conteúdos no site Tutorial USERADM Inserindo conteúdos no site Como acessar o Administrador de Conteúdos do site? 1. Primeiramente acesse o site de sua instituição, como exemplo vamos utilizar o site da Prefeitura de Aliança-TO,

Leia mais

Nota de Aula: Utilização da IDE Code::Blocks

Nota de Aula: Utilização da IDE Code::Blocks INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CAMPUS SÃO LUÍS MONTE CASTELO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE INFORMÁTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO I PROFESSOR:

Leia mais

2 Um Primeiro Programa em C

2 Um Primeiro Programa em C 2 Um Primeiro Programa em C Ronaldo F. Hashimoto, Carlos H. Morimoto e José A. R. Soares OobjetivodessaaulaéintroduzirvocêàlinguagemCemambienteLinux,primeiramentemostrandoasua estrutura, e a seguir com

Leia mais

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive Google Drive um sistema de armazenagem de arquivos ligado à sua conta Google e acessível via Internet, desta forma você pode acessar seus arquivos a partir de qualquer dispositivo que tenha acesso à Internet.

Leia mais

Acessando um Banco de Dados

Acessando um Banco de Dados Acessando um Banco de Dados Introdução Agora que você já está craque em JSP e já instalou seu servidor, vamos direto para a parte prática! Neste tutorial vamos aprender a acessar um banco de dados. Para

Leia mais

Possui como idéia central a divisão de um universo de dados a ser organizado em subconjuntos mais gerenciáveis.

Possui como idéia central a divisão de um universo de dados a ser organizado em subconjuntos mais gerenciáveis. 3. Tabelas de Hash As tabelas de hash são um tipo de estruturação para o armazenamento de informação, de uma forma extremamente simples, fácil de se implementar e intuitiva de se organizar grandes quantidades

Leia mais

Cadastramento de Computadores. Manual do Usuário

Cadastramento de Computadores. Manual do Usuário Cadastramento de Computadores Manual do Usuário Setembro 2008 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Conhecendo a solução...03 Segurança pela identificação da máquina...03 2. ADERINDO À SOLUÇÃO e CADASTRANDO COMPUTADORES

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

O Processo de Programação

O Processo de Programação Programação de Computadores I Aula 04 O Processo de Programação José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/23 Algoritmo Um algoritmo é uma seqüência de

Leia mais

Tabelas de Espalhamento

Tabelas de Espalhamento Tabelas de Espalhamento Motivação Algumas das estruturas de dados vistas anteriormente requerem que seus elementos (células dinâmicas) sejam inspecionados seqüencialmente até que a desejada seja encontrada.

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário

Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário Front-end Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário Back-End Geração de código de máquina Sistema Operacional? Conjunto de Instruções do processador? Ambiente de Execução O

Leia mais

Como funcionam os comandos de SQL no Logic Basic Por Alan Oliveira

Como funcionam os comandos de SQL no Logic Basic Por Alan Oliveira Como funcionam os comandos de SQL no Logic Basic Por Alan Oliveira www.linksinfo.com.br Tutorial versão 1.0 Sobre o Logic basic: Parte 1 Sobre o Logic Basic e o SQL O Logic Basic é uma linguagem de programação

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br Manual do Usuário Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0 www.spider.ufpa.br Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 27/05/2011 1.0 Criação da seção de instalação/configuração

Leia mais

Sistema Operacional Ex: Complexo Computador multiusuário com vários terminais Tem que administrar todos os pedidos de usuários e assegurar que eles

Sistema Operacional Ex: Complexo Computador multiusuário com vários terminais Tem que administrar todos os pedidos de usuários e assegurar que eles Sistema Operacional Conjunto de programas que inicializam o hardware do computador; Fornece rotinas básicas para o controle de dispositivos; Fornece gerência, escalonamento e interação de tarefas; Mantém

Leia mais

Interface do DT. Figura 1: Interface do DT. DT Help File v1.3

Interface do DT. Figura 1: Interface do DT. DT Help File v1.3 Interface do DT Esta seção permite que você minimize e/ou feche a Interface do DT e oferece um campo de Pesquisa e uma barra de capacidade de espaço disponível/utilizada. Esta seção é usada para selecionar

Leia mais

1 Instalando o VirtualBox no Windows

1 Instalando o VirtualBox no Windows 1 Instalando o VirtualBox no Windows Para quem não possui o Linux instalado no computador é necessário utilizar uma Máquina Virtual, que é responsável por emular Sistemas Operacionais. O primeiro passo

Leia mais

Especificação do 3º Trabalho

Especificação do 3º Trabalho Especificação do 3º Trabalho I. Introdução O objetivo deste trabalho é abordar a prática da programação orientada a objetos usando a linguagem Java envolvendo os conceitos de classe, objeto, associação,

Leia mais

1 Resumo: Strings e vetores de caracteres. Departamento de Ciência da Computação IME/USP

1 Resumo: Strings e vetores de caracteres. Departamento de Ciência da Computação IME/USP Departamento de Ciência da Computação MAC2166 Introdução a Computação IME/USP Strings e vetores de caracteres 1 Resumo: O uso de strings facilita a manipulação de palavras e textos. Strings são basicamente

Leia mais

Computação L2. Arquivos. Observação: Material da Disciplina Computação Eletrônica CIN/UFPE.

Computação L2. Arquivos. Observação: Material da Disciplina Computação Eletrônica CIN/UFPE. Computação L2 Arquivos Observação: Material da Disciplina Computação Eletrônica CIN/UFPE. Memórias do Computador HD: permanente (pode desligar o computador), barato e lento; O HD é representado por um

Leia mais

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks Code::Blocks Conhecendo a IDE Programação de Computadores I Professor: Edwar Saliba Júnior Conhecendo a IDE Code::Blocks Apresentação: 1) Abra a IDE (Integrated Development Environment), ou seja, o Ambiente

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE ANDRÉ LUCHESI CESAR HENRIQUE KÁLLAS SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE Pontifícia Universidade Católica de Campinas Faculdade de Engenharia de Computação Turma III Grupo 9 Agosto

Leia mais

ArcSoft Total Media. HDCam 2.0

ArcSoft Total Media. HDCam 2.0 ArcSoft Total Media HDCam 2.0 1 Introdução Guia de Início Rápido O ArcSoft Total Media HDCam é um software de área de trabalho que combina gerenciamento de mídia e capacidades de reprodução. Gerenciamento

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Arquivos de Textos no C - Básico

Arquivos de Textos no C - Básico OpenStax-CNX module: m47676 1 Arquivos de Textos no C - Básico Joao Carlos Ferreira dos Santos This work is produced by OpenStax-CNX and licensed under the Creative Commons Attribution License 3.0 TRABALHANDO

Leia mais

1- Requisitos mínimos. 2- Instalando o Acesso Full. 3- Iniciando o Acesso Full pela primeira vez

1- Requisitos mínimos. 2- Instalando o Acesso Full. 3- Iniciando o Acesso Full pela primeira vez Manual Conteúdo 1- Requisitos mínimos... 2 2- Instalando o Acesso Full... 2 3- Iniciando o Acesso Full pela primeira vez... 2 4- Conhecendo a barra de navegação padrão do Acesso Full... 3 5- Cadastrando

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Tecnologia e Informática

Tecnologia e Informática Tecnologia e Informática Centro Para Juventude - 2014 Capitulo 1 O que define um computador? O computador será sempre definido pelo modelo de sua CPU, sendo que cada CPU terá um desempenho diferente. Para

Leia mais

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Linux R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Linux R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD Soluções de Acessibilidade VLibras - Desktop Manual de Instalação da Ferramenta Linux R Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD 2015 INTRODUÇÃO Objetivo Este manual contém introdução e informações necessárias

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Recuperação do CDDB 2

Recuperação do CDDB 2 Mike McBride Jonathan Singer David White Desenvolvimento: Bernd Johannes Wuebben Desenvolvimento: Dirk Forsterling Desenvolvimento: Dirk Foersterling Revisão: Lauri Watts Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Guia de instalação UEG Linux 14.04 LTS

Guia de instalação UEG Linux 14.04 LTS 1. Apresentação O UEG Linux 14.04 LTS é um sistema operacional baseado em Linux e derivado do Ubuntu, customizado pela Gerência de Núcleo de Inovação Tecnológica da Universidade Estadual de Goiás para

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Construções Básicas Programa em C #include int main ( ) { Palavras Reservadas } float celsius ; float farenheit ; celsius = 30; farenheit = 9.0/5

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 1 Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira Linguagem a ser Utilizada? Nossa disciplina é de Algoritmos e Estrutura de Dados, e não de linguagem

Leia mais

ArcSoft MediaConverter

ArcSoft MediaConverter ArcSoft MediaConverter User Manual Português 1 201004 Índice Índice... 2 1. Índice... 3 1.1 Requisitos do sistema... 4 1.2 Extras... 4 2. Convertendo arquivos... 7 2.1 Passo1: Selecionar mídia... 7 2.1.1

Leia mais

Manual Biblioteca Mackenzie

Manual Biblioteca Mackenzie Manual Biblioteca Mackenzie 1. Acessar e fazer o download do ebook Acessar o site da Biblioteca Mackenzie através da Intranet. Faça o download do Software de Leitura. Se necessitar de ajuda neste ponto

Leia mais

Gerenciamento de Arquivos e Pastas. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com

Gerenciamento de Arquivos e Pastas. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Gerenciamento de Arquivos e Pastas Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Arquivo Todo e qualquer software ou informação gravada em nosso computador será guardada em uma unidade de disco,

Leia mais

Manual do Desenvolvedor Criptografia de Arquivos do WebTA

Manual do Desenvolvedor Criptografia de Arquivos do WebTA Manual do Desenvolvedor Criptografia de Arquivos do WebTA Versão 1.4 Índice 1. Objetivo..3 2. Processo..3 3. API de Criptografia - Biblioteca Java..4 3.1 WEBTACryptoUtil..4 3.1.1 decodekeyfile..4 3.1.2

Leia mais

Aula 1 Tipo Abstrato de Dados

Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Luiz Chaimowicz e Raquel O. Prates Livro Projeto de Algoritmos Capítulo 1 2009-1 O que é um algoritmo? O que é um programa? Algoritmos Sequência de ações executáveis para

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

Guia Rápido de Uso. Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO

Guia Rápido de Uso. Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO 1 Guia Rápido de Uso Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO 1 Acesso ao sistema...3 2 Entenda o Menu...4 3 Como enviar torpedos...6 3.1 Envio

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Índice. * Recursos a partir da IOS 4.1. Telefone (11)2762-9576 Email sac@iphonebest.com.br. www.iphonebest.com.br

Índice. * Recursos a partir da IOS 4.1. Telefone (11)2762-9576 Email sac@iphonebest.com.br. www.iphonebest.com.br 1 Índice Utilizando o Gerenciador Multi Tarefa... 3 Organização de aplicativos... 8 Configurar Gmail... 15 Página favorita em ícone... 18 Excluindo Aplicativos e Ícones Favoritos...21 Gerenciar Aplicativos

Leia mais

Configuração do Linux Educacional 5 para melhor uso do MonitorINFO-V4

Configuração do Linux Educacional 5 para melhor uso do MonitorINFO-V4 Configuração do Linux Educacional 5 para melhor uso do MonitorINFO-V4 Primeiro fazemos o login com o usuário admin para ter acesso total ao sistema Usuário: admin Senha: admin Estando no sistema com administrador

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Fundamentos de Arquivos SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Arquivos Informação mantida em memória secundária HD Disquetes Fitas magnéticas CD DVD 2 Discos X Memória Principal Tempo de acesso HD:

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular 17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro Ministrado por: Prof. André Amarante 17

Leia mais

Eclipse com c++11 e boost Etapa 1- Download da IDE Eclipse c++ e configuração do MinGW

Eclipse com c++11 e boost Etapa 1- Download da IDE Eclipse c++ e configuração do MinGW Eclipse com c++11 e boost Etapa 1- Download da IDE Eclipse c++ e configuração do MinGW Primeiro passo: download Primeiramente devemos baixar o eclipse para c++, sugiro a ultima versão o Mars M4 https://eclipse.org/downloads/packages/release/mars/m4

Leia mais

Manual AGENDA DE BACKUP

Manual AGENDA DE BACKUP Gemelo Backup Online DESKTOP Manual AGENDA DE BACKUP Realiza seus backups de maneira automática. Você só programa os dias e horas em que serão efetuados. A única coisa que você deve fazer é manter seu

Leia mais

Banco de Dados Oracle 10g

Banco de Dados Oracle 10g 2010 Banco de Dados II Líder: George Petz... 19 Bruno Aparecido Pereira... 07 Gustavo da Silva Oliveira... 24 Luis Felipe Martins Alarcon... 32 Rubens Gondek... 41 Professor: Gilberto Braga de Oliveira

Leia mais

Apex Desenvolvendo Aplicações Web

Apex Desenvolvendo Aplicações Web Apex Desenvolvendo Aplicações Web Instrutores Rafael Tomé Obje?vos Introduzir ao universo Oracle. Conhecer a facilidade de desenvolver para web com APEX. Criação de uma rápida aplicação com os recursos

Leia mais

GRS Gerador de Redes Sistêmicas. (outubro/2004)

GRS Gerador de Redes Sistêmicas. (outubro/2004) 116 APÊNDICE A MANUAL DO GRS Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Departamento de Ciência da Computação DCC Instituto de Matemática IM / Núcleo de Computação Eletrônica NCE GRS Gerador de Redes

Leia mais

Trabalho 3: Agenda de Tarefas

Trabalho 3: Agenda de Tarefas INF 1620 Estruturas de Dados Semestre 08.2 Trabalho 3: Agenda de Tarefas O objetivo deste trabalho é a implementação de um conjunto de funções para a manipulação de uma agenda de tarefas diárias, de forma

Leia mais

Manual AGENDA DE BACKUP

Manual AGENDA DE BACKUP Gemelo Backup Online DESKTOP Manual AGENDA DE BACKUP Realiza seus backups de maneira automática. Você só programa os dias e horas em que serão efetuados. A única coisa que você deve fazer é manter seu

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Instalando o Linux e outros Softwares

Instalando o Linux e outros Softwares Instalando o Linux e outros Softwares Atualizado em 4 de Dezembro de 2013 1 Introdução Nas minhas disciplinas são adotados obrigatoriamente algumas ferramentas computacionais para auxílio no processamento

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor.

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor. PUC-Rio Departamento de Informática Período: 2015.1 Horário: 2as-feiras e 4as-feiras de 17-19 30 de março de 2015 ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) 1 a Lista de Exercícios 1. Lista (a) Seja um TAD

Leia mais

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Aula de hoje: Periférico de entrada/saída, memória, vírus, Windows, barra tarefas. Prof: Lucas Aureo Guidastre Memória A memória RAM é um componente essencial

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas SISTEMAS DE ARQUIVOS FAT E FAT32 José Vitor Nogueira Santos FT2-0749 Mealhada, 2009 Introdução Muitos usuários

Leia mais

TUTORIAL III: ADICIONANDO AJUDA. Adicionando Ajuda

TUTORIAL III: ADICIONANDO AJUDA. Adicionando Ajuda Adicionando Ajuda Para construir arquivos de ajuda do Windows, é necessário saber quais são os componentes de um arquivo de ajuda. Você tem três arquivos básicos que são parte de cada arquivo de ajuda:

Leia mais

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado - 2 Ponteiro é uma variável que possui o endereço de outra variável; É um poderoso recurso

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de informática.

Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de informática. Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de informática. AULA 1 Noções básicas de Informática Componentes básicos Hardware Componentes básicos Software Noções de MS Word

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

MicroPower Presence. Requisitos Técnicos e Roteiro de Acesso

MicroPower Presence. Requisitos Técnicos e Roteiro de Acesso MicroPower Presence Requisitos Técnicos e Roteiro de Acesso Esse documento tem como objetivo explicar o processo de instalação do Client Presence, fornecer as recomendações mínimas de hardware e software

Leia mais

parte I Apostila Esquematizada de Informática Sumário Navegadores e Mecanismos de Pesquisas na web Unidade 1 Navegadores (browser)

parte I Apostila Esquematizada de Informática Sumário Navegadores e Mecanismos de Pesquisas na web Unidade 1 Navegadores (browser) Apostila Esquematizada de Informática parte I Navegadores e Mecanismos de Pesquisas na web Sumário Unidade 1 Navegadores (browser) Unidade 2 Internet Explorer Explorando a interface e suas funções Unidade

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line)

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Criamos, desenvolvemos e aperfeiçoamos ferramentas que tragam a nossos parceiros e clientes grandes oportunidades

Leia mais

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Linux R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Linux R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD Soluções de Acessibilidade VLibras - Desktop Manual de Instalação da Ferramenta Linux R Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD 2015 INTRODUÇÃO Objetivo Este manual contém introdução e informações necessárias

Leia mais

INTRODUÇÃO AO JAVA PARA PROGRAMADORES C

INTRODUÇÃO AO JAVA PARA PROGRAMADORES C PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB INTRODUÇÃO AO JAVA PARA PROGRAMADORES C Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar a grande semelhança entre Java e C Apresentar a organização diferenciada

Leia mais

www.gerenciadoreficaz.com.br

www.gerenciadoreficaz.com.br Fone: (62) 4141-8464 E-mail: regraconsultoria@hotmail.com www.gerenciadoreficaz.com.br Guia Prático do Usuário Manual de Instalação Gerenciador Eficaz 7 2 Manual do Usuário Gerenciador Eficaz 7 Instalando

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo praticar o uso de tipos abstratos de dados e estruturas do tipo Lista.

Este trabalho tem como objetivo praticar o uso de tipos abstratos de dados e estruturas do tipo Lista. Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática Estruturas de Dados I (INF09292) 1 o Trabalho Prático Período: 2013/1 Prof a Patrícia Dockhorn Costa Email: pdcosta@inf.ufes.br Data de

Leia mais

OMT-G Design. Instalação por pacotes

OMT-G Design. Instalação por pacotes OMT-G Design A plataforma Eclipse OMT-G Design não é um software independente, é um plug-in que se utiliza dos mecanismos de extensão do Eclipse que por sua vez é um ambiente de desenvolvimento de software.

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

Implementando uma Classe e Criando Objetos a partir dela

Implementando uma Classe e Criando Objetos a partir dela Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 04 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 2 Prof. Cristóvão Cunha Implementando uma Classe

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação Aula 1 Motivação e Revisão Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Técnico em Informática Prof. Bruno B. Boniati www.cafw.ufsm.br/~bruno

Leia mais

V1.1 SITE EM UM SITE 11/2015 MINUTOS APRENDA A PROGRAMAR IMAGINE FAZER O SEU PRIMEIRO PROGRAMA EM 180 SEGUNDOS WWW.DESAFIO3MINUTOS.COM.

V1.1 SITE EM UM SITE 11/2015 MINUTOS APRENDA A PROGRAMAR IMAGINE FAZER O SEU PRIMEIRO PROGRAMA EM 180 SEGUNDOS WWW.DESAFIO3MINUTOS.COM. 11/2015 UM SITE SITE EM EM UM 3 APRENDA A PROGRAMAR IMAGINE FAZER O SEU PRIMEIRO PROGRAMA EM 180 SEGUNDOS MINUTOS V1.1 WWW.DESAFIO3MINUTOS.COM.BR ELIELBARONE RUBY ON RAILS O que é? Ruby on Rails é um framework,

Leia mais

Curso de Linguagem C

Curso de Linguagem C Curso de Linguagem C 1 Aula 1 - INTRODUÇÃO...4 AULA 2 - Primeiros Passos...5 O C é "Case Sensitive"...5 Dois Primeiros Programas...6 Introdução às Funções...7 Introdução Básica às Entradas e Saídas...

Leia mais