Cap. 3 Redes sem fios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cap. 3 Redes sem fios"

Transcrição

1 Sistemas de Telecomunicações 2 Sistemas Avançados de Telecomunicações (2004/2005) Cap. 3 Redes sem fios 3.1 Introdução às redes celulares 1 Sumário Conceito de sistema celular Sistemas celulares 1G Sistemas celulares 2G Sistemas celulares 2.5G Sistemas celulares 3G 2

2 Noções técnicas (I) Uma célula é a área coberta por uma antena em termos radioeléctricos. Numa célula servida por uma antena, podem operar uma ou mais frequências. frequência fx célula 3 Noções técnicas (II) Uma célula pode variar espacialmente entre 300 m e 35 Km: 300 m = pico-célula 500 m - 1 Km = micro-célula até 35 Km = macro-célula Micro-célula (zonas urbanas) Pico-célula (edifícios) Macro-célula (zonas suburbanas) 4

3 Noções técnicas (III) Área de cobertura dos sistemas depende em grande medida da potência de transmissão dos equipamentos. Potência de transmissão diminui de forma proporcional à distância da estação receptora. Limitações de potência devido à interferência causada nos equipamentos que partilham o espectro. Quanto menor for a potência radiada, melhor é o desempenho do sistema, em termos de performance dos serviços, e maior é a capacidade do sistema em termos de número de utilizadores. 5 Noções técnicas (IV) Esquema de cobertura real: antenas omnidireccionais ou sectorizadas permitem uma ampla cobertura geográfica, através da divisão do terreno em áreas que se sobrepõem. 6

4 Noções técnicas (V) Principio básico das redes celulares é o da reutilização de frequências: a mesma frequência pode ser reutilizada em várias áreas de cobertura (células), desde que estas se encontrem suficientemente afastadas umas das outras de forma a não causarem interferências nos canais rádio. f1 f1 f3 f3 f7 f2 f5 f4 f5 f6 f7 f4 f1 f2 f3 f6 f7 f1 f4 f5 f6 f3 f1 f6 f5 f4 f2 f7 f7 f1 f5 f6 f2 f2 f3 f4 f1 f7 Células agrupadas em cluster f4 f3 7 Vantagens Redução do tamanho das células Redução de potência Aumento da capacidade da rede 8

5 Desvantagens Maior custo da infraestrutura (mais antenas). Interferência co-canal (mesma frequência duma célula vizinha, pertencente a um outro cluster) definição de distância de reutilização definição de número de células por cluster definição de número de frequências por célula. Necessidade de transferências entre canais rádio pertencentes a frequências de células diferentes (handovers), as quais levam tempo e podem degradar a QoS. 9 Sumário Conceito de sistema celular Sistemas celulares 1G Sistemas celulares 2G Sistemas celulares 2.5G Sistemas celulares 3G 10

6 Sistemas celulares 1G Usam técnicas de transmissão analógica. Lançamento comercial em: 1979, Chicago, EUA, AMPS (Advance Mobile Phone Service) 1979, Japão, NTT , Escandinávia, NMT (Nordic Mobile Telephone) 1985, UK, TACS (Total Access Communications Systems) JTACS, C-450, Radiocom 2000, RTMS, MATS, NAMPS. Em Portugal, o primeiro sistema celular foi o C- 450, rede exclusiva da TMN, tendo entrado em funcionamento no final de Distribuição geográfica Sistema Banda Países AMPS 800 MHz EUA, Canadá, México, Austrália, Nova Zelândia, Taiwan, Coreia do Sul, Singapura, Hong Kong, Tailândia, Brasil e Argentina TACS 900 MHz Reino Unido, Irlanda, Espanha, Itália, Áustria, Emiratos Árabes Unidos, etc. NMT 450 / 900 MHz Dinamarca, Finlândia, Noruega, Suécia, Bélgica, Áustria, França, Hungria, Holanda, Espanha, Turquia e Suíça C MHz Alemanha, Áustria, Portugal e África do Sul Radiocom / 900 MHz França RTMS 450 MHz Itália 12

7 Cenário após implantação Tamanho dos terminais foi reduzindo ao longo da década de 80: ao princípio só existiam telefones montados em carros, no fim é que apareceram os portáteis (enormes). Escassa capacidade em termos de tráfego (estimativa de procura abaixo do que na realidade veio a acontecer). Vários sistemas na Europa que não asseguravam roaming (mudança de rede) por apresentarem características técnicas diferentes. 13 Sumário Conceito de sistema celular Sistemas celulares 1G Sistemas celulares 2G Sistemas celulares 2.5G Sistemas celulares 3G 14

8 A rede GSM O objectivo principal foi definir um sistema único para comunicações móveis na Europa. GSM - Global System for Mobile Communications. Usa tecnologia digital. Opera na banda de frequências dos 900 MHz, 1800 MHz e 1900 MHz, sendo a última só usada nos EUA. Os trabalhos de normalização começaram em Dezembro de 1982 e terminaram em 1990 (ETSI). Elevada sinergia com a RDIS e tem por base o serviço de voz. 15 Teste e comercialização Testes a terminais e sistemas celulares 2G no final da década de 80. Lançamento comercial no início da década de 90. Em Portugal, as duas primeiras redes GSM são instaladas em 1992, pela TMN e Telecel, seguidas pela rede da Optimus em

9 Características técnicas Frequências CDMA, (IS-95) GSM, DCS-1900 IS-136, PDC 900MHz-1800MHz 900MHz-1800MHz 800MHz, 1500MHz, 1900MHz Duplexing FDD FDD FDD Técnica Acesso Múltiplo Separação portadora Nº canais voz por portadora CDMA TDMA TDMA 1.25MHz 200kHz 30KHz (IS-136) Países EUA Europa, Austrália, América do Sul e EUA 25KHz (PDC) Continente Americano, Austrália, Japão 17 Distribuição geográfica 18

10 Cenário após implantação Elevado crescimento e alta taxa de penetração Produção em massa resultou em preços acessíveis Terminais de dimensões bastante reduzidas e com razoável autonomia de bateria Baseiam-se no serviço de voz Apresentam baixa taxa de transmissão para dados Só suportam transmissão em modo circuito 19 Interface rádio Interface que mede realmente o desempenho do sistema. O débito binário máximo é de 9.6 kbit/s, devido às limitações da transmissão rádio. Interface rádio PLMN PLMN - Public Land Mobile Network 20

11 ME - Mobile Equipment Peça de material propriamente dita com a qual se efectuam as chamadas Podem ser montadas em veículos, ou portáteis (telefones, PCs, outros) Geralmente, é a única parte visível para o utilizador 21 SIM - Subscriber Identity Module Pode ser IC-Card ou Smart-Card (plug-in SIM) Sem o SIM, o ME não pode ser utilizado em redes GSM/DCS, excepto para chamadas de emergência (112) Reutilizável noutro ME Geralmente é vendido como cativado a um operador 22

12 Serviços Serviços de voz Serviços de dados Serviço de mensagens escritas - SMS Serviços suplementares Serviço WAP 23 Sumário Conceito de sistema celular Sistemas celulares 1G Sistemas celulares 2G Sistemas celulares 2.5G Sistemas celulares 3G 24

13 Sistemas celulares 2.5G (I) Introdução da transmissão em modo pacote. Aumento das taxas de transmissão, quer pela utilização de agregação de canais, como pela utilização de novos esquemas de codificação de canal. Foram desenvolvidas várias normas: HSCSD (High Speed Circuit Switched Data), 57.6 Kbit/s em modo circuito (só para GSM) P-PDC (Packet-mode Personal Digital Cellular), 28.8 Kbit/s (Imode service no Japão). GPRS (General Packet Radio Service), 115 Kbit/s em modo pacote (para o GSM e IS 136 (D-AMPS)) EDGE (Enhanced Data Rates for Global Evolution), 384kbps (para GSM e IS-136) 25 Sistemas celulares 2.5G (II) HSCSD GPRS EDGE L.B. canal 200KHz 200KHz 200KHz Mudança infraestrutura Requer novo espectro? Requer novos terminais? Requer upgrade de software na Base Station Requer novo packet overlay incluindo routers e gateways Não Não Não Sim. Terminais funcionam a 57.6kbps em redes HDCSD e 9.6kbps em GSM Sim. Terminais funcionam a 171.2kbps em redes GPRS e 9.6kbps em GSM Requer novo tranmissor na BS. Requer também upgrade de software na BS e BSC. Sim. Terminais funcionam a 384kbps em redes EDGE, 144kbps em redes GPRS e 9.6kbps em GSM) 26

14 GPRS - General Packet Service Radio Possibilita a transmissão efectiva de dados e sinalização com taxas de transmissão mais elevadas (teoricamente até 115 kbps). Baseia-se na tecnologia de comutação de pacotes. As novas unidades funcionais permitem o acesso directo às redes de comutação de pacotes IP e X.25. Os recursos rádio são partilhados pelos utilizadores no acesso à informação. always on está sempre ligado à rede. Foi aplicado ao GSM e IS GPRS - Benefícios em relação ao GSM Oferece maior largura de banda do que a infraestrutura GSM existente (até 8 timeslots por MS). É mais económico para o utilizador: vários utilizadores no mesmo canal (ais) eficiência espectral melhorada através da multiplexagem nos mesmos recursos taxação por volume de informação transferida, não por tempo A evolução para GPRS foi encarada pelos operadores como um passo em direcção à terceira geração. 28

15 Sumário Conceito de sistema celular Sistemas celulares 1G Sistemas celulares 2G Sistemas celulares 2.5G Sistemas celulares 3G 29 Requisitos para as redes 3G Elevadas taxas de transmissão (144 kps até 2 Mbps). Transmissão simétrica e assimétrica. Transmissão em modo pacote e modo circuito. Boa qualidade de voz. Maior capacidade e eficiência espectral. Possibilitar o uso de vários serviços em simultâneo. Coexistirem com as redes 2G. Permitirem o roaming entre as várias redes (terminais multimodo e multibanda). 30

16 Evolução de 2G para 3G (I) W-CDMA (UMTS) CDMA2000 1xRTT L.B. canal 5MHz 1.25MHz 3.75MHz Mudança infraestrutura Requer novo espectro? Requer novos terminais? Requer Base Stations completamente novas Requer novo software e novo hardware nas BS Sim Não Talvez Sim. Terminais funcionam até 2Mbps Sim. Terminais funcionam a 144 kbps CDMA2000 3xRTT Requer novo software e novo hardware nas BS Sim. Terminais funcionam até 2Mbps 31 Evolução de 2G para 3G (II) GSM - TDMA (Europa e outros) HSCSD PDC - TDMA (Japão) GPRS UMTS IS TDMA (USA e outros) EDGE EDGE IS 95 - CDMA (USA e outros) IS-95B CDMA

17 Sistemas celulares 3G CDMA2000 W-CDMA (UMTS) TD-SCDMA Modo de operação Método de duplexing Principais características Multi-portadora e espalhamento directo DS-CDMA a N* Mcps N = 1, 3, 6, 9, 12 DS-CDMA a N*0.960 Mcps N = 4, 8, 16 FDD e TDD FDD e TDD TDD Retrocompatível com IS-95 Retrocompatível com GSM Até 2.048Mbps no downlink em modo FDD DS-CDMA Mcps Bit rate do canal RF até Mbps O uso de antenas inteligentes é fundamental 33 UMTS Larguras de banda disponíveis Ambiente Taxa de transmissão Velocidade máxima Rural até 144 kbit/s 500 km/h Suburbano até 384 kbit/s 120 km/h Interior / Curta distância exterior até 2 Mbit/s 10 km/h UMTS - Universal Mobile Telecommunications System 34

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 7 Na minha opinião o telemovél na sociedade tem uma boa vantagem porque com tem uma grande mobilidade (pode-se levar para todo o lado), através dele podemos entrar em contacto com amigos ou familiares

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis Rádio Móvel Privado Sistemas e Frequências SiFr (1/11) Existem sistemas de comunicações móveis privados, que são de uso exclusivo dos seus detentores. Os utilizadores são: forças de segurança; serviços

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Versão: 1.5 Vodafone 2009. Reservados todos os direitos. A reprodução e uso escrito ou verbal de

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL ARTIGO WWAN DE BANDA LARGA WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL Cada vez mais, a conectividade imediata de alta-velocidade é essencial para o sucesso dos negócios bem como para a eficiência

Leia mais

LIGAMOS PEQUENAS EMPRESAS A GRANDES NEGÓCIOS.

LIGAMOS PEQUENAS EMPRESAS A GRANDES NEGÓCIOS. Soluções de Telecomunicações para Empresas LIGAMOS PEQUENAS EMPRESAS A GRANDES NEGÓCIOS. Permanência mínima para todos os serviços de 24 meses. IVA não incluido. Válido até Outubro de 2012 ZON Office ZON

Leia mais

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA Tecnologia de redes celular GSM X CDMA GSM (Global Standard Mobile) GSM (Global Standard Mobile) Também baseado na divisão de tempo do TDMA, o GSM foi adotado como único sistema europeu em 1992, e se espalhou

Leia mais

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004 A telefonia celular André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 Resumo Com o avanço das tecnologias dos sistemas de comunicação

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Conceitos Básicos Sistema móvel celular (SMC) Estrutura em célula. Célula é uma área geográfica coberta por um transmissor de baixa

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação Celular

Introdução aos Sistemas de Comunicação Celular Introdução aos Sistemas de Comunicação Celular Nos últimos 10 anos o setor de comunicações o setor de comunicações móveis via rádio cresceu em ordem de grandeza, alimentado por melhorias na fabricação

Leia mais

MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000

MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000 MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000 ELIÉZER SPINELLI MELO YGOR COSTA LIMA Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

NOS Empresas 4Pro Satélite Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Satélite

NOS Empresas 4Pro Satélite Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Satélite NOS Empresas 4Pro Satélite Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Satélite Telemóvel Comunicações incluidas no pacote: Cada cartão tem 4.000 minutos ou SMS para redes fixas e móveis nacionais. : Depois de

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Redes sem fios: Gerações de Telemóveis

Redes sem fios: Gerações de Telemóveis Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Redes sem fios: Gerações de Telemóveis De onde viemos? Onde estamos? Para onde vamos? Equipa

Leia mais

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA.

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA. GERAÇÕES DA TELEFONIA MÓVEL A Telefonia móvel iniciou no final dos anos 70. A 1ª geração de telefonia era a analógica. O serviço padrão era o AMPS (Advanced Mobile Phone System). Esse sistema tinha como

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

hp hardware support On-Site - GLOBAL

hp hardware support On-Site - GLOBAL hp hardware support On-Site - descrição geral do O de resposta global no dia útil seguinte da HP proporciona aos utilizadores de computadores portáteis uma solução de suporte de hardware para Produtos

Leia mais

Desafios da Regulação Regional

Desafios da Regulação Regional Desafios da Regulação Regional A perspectiva da Movicel no contexto da implementação da nova rede G/ U Carlos Brito Data: 14 de Abril de 2011 Agenda 01. A Movicel no contexto das Telecomunicações Móveis

Leia mais

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Anderson Clayton de Oliveira para a etapa de classificação do II Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

Sistemas de Comunicações Móveis. Redes Celulares

Sistemas de Comunicações Móveis. Redes Celulares Redes Celulares Sistemas Celulares SiCe (1/6) Os sistemas de comunicações celulares baseiam-se no princípio da reutilização de um canal (frequência, tempo, código): um canal que é usado para cobrir uma

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE Início: 16 de Dezembro 2009 Término: 26 de Janeiro de 2010 ÍNDICE 1.INTRODUÇÃO....2

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis Capa Redes de Acesso à Internet Móvel Perspectiva dos operadores móveis Sonaecom Engenharia de Acesso Rádio Tecnologias Wireless Leiria, 3 de Maio de 2006 Sonaecom EAR / TW I David Antunes I 03/Maio/2006

Leia mais

Telefonia Móvel Celular

Telefonia Móvel Celular Introdução à Computação Móvel Prof. Francisco José da Silva e Silva Prof. Rafael Fernandes Lopes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Telefonia

Leia mais

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão Cafés e Internet A solução HORECA que lhe dá tudo O pacote é a solução para o segmento HORECA que conjuga os melhores conteúdos de desporto nacional e internacional, com telefone e internet. Chamadas ilimitadas

Leia mais

APLICAÇÕES DE VIDEOCONFERÊNCIA NO IMT-2000

APLICAÇÕES DE VIDEOCONFERÊNCIA NO IMT-2000 APLICAÇÕES DE VIDEOCONFERÊNCIA NO IMT-2000 DOUGLAS EMMANUEL FRAGA PROVAZZI FERREIRA FILIPE ANDREI LIMA DE ANDRADE MOURA Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB http://www.iesb.br

Leia mais

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR Antes de qualquer coisa é preciso apresentar o conceito de telefone celular. Este conceito pode ser definido como um transmissor de baixa potência onde freqüências podem

Leia mais

NOS Empresas 4Pro Fibra Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Fibra

NOS Empresas 4Pro Fibra Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Fibra NOS Empresas 4Pro Fibra Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Fibra Telemóvel Comunicações incluidas no pacote: Cada cartão tem 4.000 minutos ou SMS para redes fixas e móveis nacionais. : Depois de atingir

Leia mais

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX 1 1 Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005 2 2 Enquadramento A tecnologia 802.16 / afecta domínios tecnológicos cruciais para os operadores:

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ LEONARDO NOBORU TAKEDA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA MÓVEL ATÉ 2013

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ LEONARDO NOBORU TAKEDA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA MÓVEL ATÉ 2013 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ LEONARDO NOBORU TAKEDA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA MÓVEL ATÉ 2013 Guaratinguetá 2013 LEONARDO NOBORU TAKEDA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA

Leia mais

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI TELEFONIA CELULAR Tecnologia celular digital - sistema TDMA TDMA= Time Division Multiple Acess Multiplexação digital As informações de vários usuários são transmitidas em um canal comum em um determinado

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Redes de Telefonia Móvel Celular. Sumário. Introdução

Redes de Telefonia Móvel Celular. Sumário. Introdução Redes de Telefonia Móvel Celular $OXQR &DUORV $OEHUWR 9LHLUD &DPSRV 2ULHQWDGRU /XtV )HOLSH 0DJDOKmHV GH 0RUDHV Sumário Introdução Evolução das redes celulares Comparação entra algumas tecnologias Arquitetura

Leia mais

Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal.

Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. Brasília, 07 de abril de 2010. Espectro para telefonia móvel:

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Goiás (2005).

Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Goiás (2005). Telefonia Móvel Celular e sua Aplicação para Tráfego de Dados Esta Série Especial de Tutoriais apresenta os trabalhos premiados no I Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) 2005. O conteúdo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES CARLA MATHEUS MOREIRA VIEIRA INTERFERÊNCIA NO SISTEMA WCDMA NITERÓI 2010 CARLA MATHEUS MOREIRA VIEIRA INTERFERÊNCIA

Leia mais

Sistemas de Comunicações Móveis. Interface Rádio

Sistemas de Comunicações Móveis. Interface Rádio Interface Rádio Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (1/23) A transmissão de informação bidireccional (canais ascendente, UL uplink, e descendente, DL downlink) em sistemas duplex pode ser feita por divisão:

Leia mais

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre ESTV 2002/03 Paulo Coelho Redes e Serviços em Banda Larga 1 Tecnologias para a rede de cobre Evolução da transmissão de dados sobre pares de cobre: Rede s/ elementos

Leia mais

Evolução Telefonia Móvel

Evolução Telefonia Móvel 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação

Leia mais

Redes de Acesso Sem Fio de Banda Larga

Redes de Acesso Sem Fio de Banda Larga Luiz A. R. da Silva Mello smello@cetuc.puc-rio.br Centro de Estudos em Telecomunicações CETUC-PUC/Rio Agenda A evolução das comunicações sem fio WWANs - Sistemas celulares 1G, 2G e 3G WPANs Bluetooth,

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal

Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal A Vodafone tem estado sempre na linha da frente da introdução de novas tecnologias e desenvolvimento de serviços de dados móveis. Foi pioneira em Portugal

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»TELECOMUNICAÇÕES «21. O receptor super-heterodino, foi inventado em 1918 por Edwin Armstrong. O seu princípio de funcionamento é o da conversão de frequência: o sinal captado

Leia mais

Acesso Fixo Via Rádio (FWA) ACESSO FIXO VIA RÁDIO À REDE TELEFÓ NICA

Acesso Fixo Via Rádio (FWA) ACESSO FIXO VIA RÁDIO À REDE TELEFÓ NICA Acesso Fixo Via Rádio (FWA) ACESSO FIXO VIA RÁDIO À REDE TELEFÓ NICA Definição: sistema que interliga os equipamentos do cliente à rede telefónica pública através de sinais de rádio. Autor: António Barros

Leia mais

Características dos operadores

Características dos operadores RÉPUBLIQUE FRANÇAISE Junho de 21 Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 29 Características dos operadores Salvo indicação em contrário, os números apresentados neste documento

Leia mais

Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN)

Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN) Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN) Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Os Primórdios Final da década de 80 e década de 90 2 1 Wide Area Mobile Data Services ARDIS EMBARC MobileComm Nextel RadioMail RAM

Leia mais

Barômetro de Banda Larga no Brasil, 2005-2010

Barômetro de Banda Larga no Brasil, 2005-2010 Mauro Peres, Research Director IDC Brasil Barômetro Banda Larga no Brasil, 2005-2010 Resultados 2006 Preparado para Preparado para Meta Banda Larga em 2010 no Brasil: 10 milhão conexões www.idc.com Agenda

Leia mais

TELEFONIA MÓVEL: EVOLUÇÃO E DEPENDÊNCIA

TELEFONIA MÓVEL: EVOLUÇÃO E DEPENDÊNCIA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FLUMINENSE CAMPUS CAMPOS CENTRO GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES DANUSA DOS SANTOS RODRIGUES DOUGLAS BENTO FARIA JONATHAN PESSANHA

Leia mais

Estudo Comparativo entre as redes 3G e 4G. Resumo

Estudo Comparativo entre as redes 3G e 4G. Resumo Estudo Comparativo entre as redes 3G e 4G Andrei Ricardo Sganzerla, Lauro Henrique de Aquino Rücker Curso de Sistemas e Segunrança de Redes Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, setembro

Leia mais

Telefonia Móvel. Leandro H. Shimanuki

Telefonia Móvel. Leandro H. Shimanuki Telefonia Móvel Leandro H. Shimanuki Índice Motivação História Funcionamento Gerações G s Curiosidades Telefonia Móvel 2 Motivação Contato maior com telefonia no Projeto Aplicativo para Mobilidade Urbana;

Leia mais

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT.

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT. ADSL Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através da rede de pares

Leia mais

Cisco Systems Incorporation

Cisco Systems Incorporation Cisco Systems Incorporation 1. Principais Características Matriz: Cisco Systems Inc. Localização: São José, Califórnia, Estados Unidos Ano de fundação: 1984 Internet: www.cisco.com Faturamento (2000):

Leia mais

Newsletter. Condições especiais para ASAPOL. Agosto 2012. Campanha ASAPOL

Newsletter. Condições especiais para ASAPOL. Agosto 2012. Campanha ASAPOL Newsletter Agosto 2012 Campanha ASAPOL Condições especiais para ASAPOL Principais Vantagens para Associados Campanha ASAPOL A Vodafone oferece condições especiais de tarifas e de aquisição de equipamentos.

Leia mais

Tarifários Anteriores Pós-Pagos

Tarifários Anteriores Pós-Pagos Tarifários Anteriores Pós-Pagos BASE Assinatura Mensal 10,85 CHAMADAS NACIONAIS VOZ MÓVEL TMN MÓVEL TMN Dias úteis (00h00-24h00) Fins-de-Semana e Feriados Nacionais (0h - 24h) MÓVEL TMN REDE FIXA PT Dias

Leia mais

Estrutura da rede celular: Um meio de acesso a Web

Estrutura da rede celular: Um meio de acesso a Web Estrutura da rede celular: Um meio de acesso a Web Getúlio Spalding Alves 1, Willingthon Pavan 1, José Maurício Fernandes 2 1 Instituto de Ciências Exatas e Geociências Universidade de Passo Fundo 2 Embrapa

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELMANO RODRIGUES PINHEIRO FILHO AUTENTICAÇÃO E OUTROS

Leia mais

Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 2010

Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 2010 RÉPUBLIQUE FRANÇAISE Junho de 211 Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 21 Características dos operadores Salvo precisión en contrario, los datos presentados en este documento

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

TELEFONIA CELULAR: OS RECURSOS E A PORTABILIDADE. Bianca Couto Fortuna¹, Henry Karla Silva², Luís Augusto Mattos Mendes³ RESUMO

TELEFONIA CELULAR: OS RECURSOS E A PORTABILIDADE. Bianca Couto Fortuna¹, Henry Karla Silva², Luís Augusto Mattos Mendes³ RESUMO TELEFONIA CELULAR: OS RECURSOS E A PORTABILIDADE Bianca Couto Fortuna¹, Henry Karla Silva², Luís Augusto Mattos Mendes³ RESUMO Este artigo descreve telefonia celular e portabilidade. Será mostrada a evolução

Leia mais

Segurança de Rede Sem Fio

Segurança de Rede Sem Fio Segurança de Rede Sem Fio Dilson Catói Felipe Boeira João Cancelli Marcelo Dieder Rafael Dreher Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS dilsoncatoi@gmail.com, felipecboeira@gmail.com, jvcancelli@gmail.com,

Leia mais

1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Necessidades de comunicação

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

Telefonia Móvel: do Analógico ao 3G+

Telefonia Móvel: do Analógico ao 3G+ Telefonia Móvel: do Analógico ao 3G+ Guilherme Pimentel Diretor TIM Regional Sul 10 de Setembro de 2008 Tecnologia de celular, capaz de trafegar dados em alta velocidade É a banda larga móvel Videochamada,

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08 Wireless Sistemas de Informação Crescimento da Rede Wireless 1 Caso de Estudo: Intel, etc. Tempo dispendido por ligação em média m 5 minutos para cada nova ligação; Independência do local de trabalho dentro

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

Localização em Redes Móveis Celulares. Ivo Sousa

Localização em Redes Móveis Celulares. Ivo Sousa Localização em Redes Móveis Celulares Ivo Sousa Novembro de 28 1. Motivação e objectivos do trabalho Grande vulgarização dos telemóveis desde os anos noventa Aumento do número de chamadas de emergência

Leia mais

PLANEJAMENTO DE SISTEMAS CELULARES NA TRANSIÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO

PLANEJAMENTO DE SISTEMAS CELULARES NA TRANSIÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA CARLOS VINICIO RODRÍGUEZ RON PLANEJAMENTO DE SISTEMAS CELULARES NA TRANSIÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Mestrado em Engenharia

Leia mais

2006 3G CDMA Latin America Regional Conference Benefícios do CDMA2000 e business case sobre 3G no Mercado latino-americano

2006 3G CDMA Latin America Regional Conference Benefícios do CDMA2000 e business case sobre 3G no Mercado latino-americano 2006 3G CDMA Latin America Regional Conference Benefícios do CDMA2000 e business case sobre 3G no Mercado latino-americano Roger Solé Diretor de Segmento Premium São Paulo, 24 de Maio de 2006 VIVO Números

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Glossário de Internet

Glossário de Internet Acesso por cabo Tipo de acesso à Internet que apresenta uma largura de banda muito superior à da linha analógica. A ligação é feita com recurso a um modem (de cabo), que se liga à ficha de sinal de TV

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Roteiro de Estudo: Telefonia Celular - Tecnologias Básicas I O Portal Teleco passa a apresentar periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam

Leia mais

Acesso a internet em trens de alta velocidade e aviões

Acesso a internet em trens de alta velocidade e aviões Acesso a internet em trens de alta velocidade e aviões MAC 5743 Computação móvel Eduardo Teruo Katayama Sumário Introdução Acesso a Internet em aviões Dificuldades Tipos de conexões disponíveis Acesso

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. Bluetooth

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES TELEFONIA MÓVEL PRONATEC

CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES TELEFONIA MÓVEL PRONATEC Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES TELEFONIA MÓVEL PRONATEC

Leia mais