COACHING COMO METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DO EDUCADOR LÍDER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COACHING COMO METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DO EDUCADOR LÍDER"

Transcrição

1 COACHING COMO METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DO EDUCADOR LÍDER STEPHANIE BARROS BATISTA 1 RESUMO Este trabalho discute a importância do coaching como ferramenta para melhoria do processo de ensino-aprendizagem na educação superior. Para tanto, elencam-se o papel e os desafios do educador no ensino superior, discute-se a necessidade deste profissional ser um educadorlíder, que trabalha seu auto-conhecimento, identifica suas necessidades, transforma-as em objetivos realizados e investe em sua formação continuada. Com essa postura, o educador contribuirá para a formação de cidadãos éticos, questionadores e condutores de suas vidas, futuros educandos-líderes. Para a realização desse estudo, recorreu-se à revisão de literatura das áreas de educação, liderança e de coaching, tais como Ausubel (1980), Freire (1996), Outhwaite e Bottomore (1996), Chiavenato (2004), Pollard (1999) Marques (2013) e Zaib (2013). PALAVRAS-CHAVE: Educador. Ensino Superior. Educador-Líder. Coaching. 1 INTRODUÇÃO Vive-se numa sociedade marcada pela globalização, na qual as informações são transmitidas com agilidade e eficiência. Para compreender este cenário, as pessoas necessitam investir em leituras e pesquisas, além de assistir a telejornais diversos, pois este contexto exige que se elejam informações significativas para que se desenvolva o pensamento crítico. Ao refletir-se sobre a educação superior neste contexto, constata-se que a responsabilidade do processo de ensino-aprendizagem não é exclusiva dos professores. No entanto, não se pode excluir estes profissionais da análise deste processo de educação, haja vista que, ao falar de educação, todos os olhares se voltam para sua prática, para sua postura, para o seu pensar, ou seja, para o ser educador. Constantemente, vive-se à expectativa de um novo perfil para o educador do ensino superior, que deve adequar-se às características e necessidades de diferentes alunos, em suas diversas fases de seu desenvolvimento. Espera-se, portanto, que o professor desperte a atenção dos alunos, garantindo o seu sucesso profissional e a participação social num mundo cada vez mais exigente. Mas como o professor, com tantas atribuições e responsabilidades, pode contribuir para que o aluno ultrapasse os limites da universidade com seus 1 Administradora, pela Universidade Federal do Piauí UFPI. Tecnóloga em Gestão de Recursos Humanos, pelo Instituto Federal do Piauí IFPI. Especialista em Gestão de Pessoas Universidade Estadual do Piauí UESPI. Especializanda em Docência do Ensino Superior Faculdade Maurício de Nassau FAP.

2 2 aprendizados? Qual o real papel do professor no ensino superior e que desafios precisa enfrentar? É consenso que, na arte e desafio de educar, o professor possui um papel de suma importância no que se refere à transmissão de conhecimentos e formação intelectual de seus educandos. Entretanto, sabe-se também que a formação intelectual vai além do mero repassar conhecimentos. No processo de ensino-aprendizagem, a teoria discutida precisa ser aliada à prática, e, para isso, a postura do profissional na sala de aula interfere significativamente na eficácia da aplicação dos conteúdos. O educador, assim como todo ser humano e profissional que busca se destacar na sua missão, precisa também ser um líder, alguém que como um maestro conduz os seus alunos rumo ao aprendizado e os influencia positivamente na busca da obtenção dos objetivos estabelecidos. Isso posto, pretende-se com esta pesquisa, de natureza qualitativa, discutir a importância do uso do coaching como ferramenta para melhoria do ensinoaprendizagem no ensino superior. Para a obtenção desse objetivo, realizou-se um estudo bibliográfico a respeito dos obstáculos enfrentados pelo professor e do perfil que se deseja que ele tenha, bem como sobre a liderança e a possibilidade do uso do coaching no campo educacional. Ressalta-se que o interesse por este tema nasceu após a participação em um curso de formação de coaching. A partir daí, passou-se a refletir sobre as possibilidades de uso desta estratégia na educação superior, em busca de melhores resultados no ensino, haja vista que esta é a atividade fim de qualquer instituição de ensino, independentemente de que nível trabalhe. Faz-se necessário registrar que a utilização do coaching na educação no Brasil é uma novidade. Entretanto, o coaching educacional já é bastante difundido na Europa, EUA e América do Sul, conforme informa Zaib (2013, p. 1). No Brasil, a criação da Escola Brasileira de Coaching Educacional (EBCE), e o lançamento do Manual de Coaching Educacional, na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), constituem importantes eventos de difusão do uso dessa estratégia no campo educacional. O referido manual foi lançado em 2013, no Rio de Janeiro, São Paulo, Equador e Portugal. A seguir discute-se algumas ideias de estudiosos das áreas de educação, liderança e de coaching.

3 3 2 O PAPEL E DESAFIOS DO EDUCADOR NO ENSINO SUPERIOR Seria fácil relatar o papel do educador como responsável pelo processo de aprendizagem de determinados conteúdos na sala de aula, no entanto, muito mais do que o ensino, o seu papel é também criar uma relação harmoniosa com seus alunos, acompanhar de perto o desempenho deles, entusiasmá-los, por meio da didática utilizada, bem como tentar fazer com que se apaixonem pela profissão pela qual optaram. A vocação, o conhecimento e a postura na sala de aula deste educador são fundamentais para que o seu papel dentro da sala de aula seja cumprido com maestria e eficácia. Comumente depara-se com salas de aula, nas quais o conhecimento é trabalhado pelos educadores como verdades absolutas, que não podem ser questionadas, quando na realidade deveria ser trabalhado com discussões, para assim possibilitar a formação de alunos críticos que, ao entrarem em contato com a realidade, interagem, discutem, agregam e cocriam os diversos saberes. Em contrapartida, muitos de nossos alunos também não questionam a realidade em que vivem e isso, muitas vezes, é resultado do tipo de educação trabalhada pelos professores, que não oportunizaram a esses alunos uma formação capaz de desenvolverem uma postura reflexiva, crítica diante da realidade. A esse respeito, Freire (1996) é contundente em defender que: ensinar não é transferir conhecimentos, conteúdos nem formar é ação pela qual um sujeito criador dá forma, estilo ou alma a um corpo indeciso e acomodado. Não há docência sem discência, as duas se explicam e seus sujeitos, apesar das diferenças que os conotam, não se reduzem à condição de objeto, um do outro. Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. (FREIRE, 1996, p. 12) Reforça a defesa por uma formação crítica, o exposto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB, 1996), no que se refere ao Ensino Superior, em seu capítulo IV, art. 43, onde expressa as finalidades deste nível de educação, dentre as quais destacamos: I Estimular a criação cultural e o desenvolvimento de espírito científico e do pensamento reflexivo; II formar diplomados nas diferentes áreas do conhecimento, aptos para a inserção em setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua formação contínua. (LDB, 1996, p. 43).

4 4 Como afirma a Lei, constitui um dos objetivos do Ensino Superior colaborar para a formação de um profissional crítico e competente, em síntese, formar um cidadão. O desafio do educador, principalmente no ensino superior, de onde deverão sair profissionais cidadãos, é fazer com que os alunos expressem seus pontos de vista, construam visões críticas do mundo e produzam conhecimentos. Uma vez que o educador é o principal contato do aluno, passa a ser um dos maiores responsáveis por sua mudança, não podendo ficar acomodado com o repasse de conhecimento de forma fechada, sem interdisciplinaridade, pelo contrário, deve assumir uma postura de intermediador, criando condições para que seus alunos reflitam, critiquem e construam novos saberes. A defesa sobre a importância de se considerar os conhecimentos prévios dos discentes para construção dos conteúdos a serem trabalhados em sala de aula é unanimidade por parte de grandes teóricos das mais variadas áreas do conhecimento, em especial, da área de educação e da psicologia da educação, a exemplo de Freire, Piaget e Ausubel. De acordo com o autor americano Ausubel (1980, apud, Fernandes, 2011, p. 72), o fator isolado mais importante influenciando a aprendizagem é aquilo que o aprendiz já sabe. Descubra isso e ensine-o de acordo. Desse modo, valorizando o conhecimento prévio dos educandos, o professor pode conquistá-los a participarem ativamente das aulas, despertando neles o interesse em aprender os conteúdos. O pensamento de Freire sobre a relevância de o educador levar em conta o conhecimento prévio do aluno vai ao encontro do ponto de vista de Ausubel. Para Freire (1996, p. 12), o conhecimento que os alunos possuem constitui um amplo esquema de ressignificação, devendo ser mobilizado durante todo o processo de ensino-aprendizagem, pois a partir deles o indivíduo interpreta o mundo. Assim, entende-se que o conhecimento só se torna significativo para o aluno quando é construído na ação participativa e não quando é recebido de maneira passiva. Para facilitar o processo de construção do conhecimento, o professor precisa criar um ambiente interessante, propício à investigação, planejar as atividades com estratégia adequadas, incentivar as pesquisas e a curiosidade e criar oportunidades para a participação de todos. Soma-se a esses aspectos a importância de conhecer as experiências de vida dos alunos, a realidade em que estão inseridos, ouvi-los e respeitá-los, demonstrando amor à sua profissão, pois a postura do professor na sala de aula, o relacionamento, baseado no respeito, a ser construído com seus alunos, também tem papel fundamental nesse processo. Acredita-se que o educador que assume esta postura diante de seus alunos é um líder, haja vista que entende que sua função de educador é estar a serviço da aprendizagem do

5 5 aluno. E não de uma aprendizagem qualquer, mas de um modo de aprender a ver as coisas com olhar crítico, reflexivo, o que o possibilitará a tornar-se, de fato, um agente transformador. Como visto, os desafios do professor são muitos e não tão fáceis de serem enfrentados, caso analisem-se as dificuldades pelas quais, há décadas, passa a educação brasileira. Entretanto, mesmo entendendo o quanto é relevante a infraestrutura das escolas e o salário dos professores, estes temas não serão discutidos, uma vez que não constituem objeto desta pesquisa. 3 EDUCADOR-LÍDER Não há como duvidar que o modo como ocorre a interação professor-aluno influencia sobremaneira na motivação ou na falta desta no aluno. A fala de Freire ilustra bem esse pensamento: o professor autoritário, o professor licencioso, o professor competente, sério, o professor incompetente, irresponsável, o professor amoroso da vida e das gentes, o professor mal-amado, sempre com raiva do mundo e das pessoas, frio, burocrático, racionalista, nenhum deles passa pelos alunos sem deixar sua marca. (FREIRE, 1996, p. 66) Ao refletir-se sobre essa afirmação de Freire (1996), percebe-se uma estreita semelhança entre a esfera educacional e a esfera organizacional, isto é, entre o professor como gestor de sua sala de aula, no dia a dia com seus alunos, e um gerente ou diretor de uma empresa, relacionando-se com seus subordinados. Assim, como o responsável por um determinado setor de uma empresa precisa influenciar seus colaboradores a desenvolverem suas atividades com responsabilidade, o professor, como já foi mencionado, necessita influenciar seus alunos a ter sucesso na vida acadêmica e, consequentemente, na vida profissional. A palavra influência relaciona-se diretamente à palavra liderança desde o surgimento desta. De acordo com Outhwaite e Bottomore (1996), liderança é a qualidade que permite a um indivíduo comandar outros, o que implica relação mútua entre líder e liderado. O Educador invariavelmente é o líder. Fazendo uma relação com o conceito de liderança mais popularmente difundido, ser líder é ter capacidade de influenciar as pessoas a alcançarem um determinado objetivo neste caso específico dentro da sala de aula. Nesse sentido, a

6 6 maneira como o professor se comporta, lida com seus alunos e compartilha seus conhecimentos pode influenciar na definição dos perfis profissionais a serem formados. Chiavenato reforça ainda, que a liderança é imprescindível em todos os tipos de organização humana, nas empresas ou em cada um de seus departamentos. O administrador precisa conhecer a natureza humana e saber conduzir as pessoas, isto é, liderar. (CHIAVENATO, 2004, p. 100). Sendo a universidade uma organização, mesmo que com suas especificidades, torna-se também importante que se pense quais aspectos da liderança podem contribuir para o maior aprimoramento de seus educadores dentro da sala de aula. Para as teorias comportamentais, que estudam a liderança no que diz respeito ao estilo de comportamento para liderar, há, de acordo com Barros (2013), três estilos de liderança, a saber: liderança autocrático-burocrática: estilo no qual o líder é centralizador; é ele quem fixa as diretrizes, sem nenhuma participação do grupo, do mesmo modo que determina as providências técnicas para a realização das tarefas. É o estilo no qual os líderes só mandam, não co-mandam; qualquer questionamento sobre as ordens recebidas é considerado insubordinação. liderança liberal ou laissez-faire: este estilo é caracterizado pela liberdade total para as decisões grupais ou individuais, assim, a participação do líder é mínima. Nesse estilo, não há estrutura ou supervisão; as metas e padrões de desempenho são definidos pelos próprios membros, portanto, o líder não tem autoridade, é simplesmente alguém à disposição do grupo. (ENGSTROM; MACKENZIE,1974, apud ALABY, 2011, p. 31). liderança democrático-participativa: nessa abordagem, o líder é o condutor e orientador do grupo, incentivando a participação democrática das pessoas. Líder e subordinados desenvolvem comunicações espontâneas, francas e cordiais. Em síntese: o líder democrático delega autoridade, incentiva a participação, confia nos subordinados e usa o poder de referência para a obtenção dos resultados almejados. (LACOMBE, 2009, apud BARROS, 2013). Analisando os estilos de liderança, entende-se que dentro do contexto atual da docência do ensino superior não há lugar para líderes autocrático-burocrático, que não consideram a participação de seus alunos e nem incentivam a formação de seu senso crítico, assim como um líder liberal também se torna inviável, seria massacrado pelos alunos, não conquista autoridade e não os conduzirá a nenhum objetivo, uma vez que a sua participação é elementar nesse estilo. Um verdadeiro educador-líder deve se inspirar na liderança democrático-participativa, agindo como um motivador, criando condições que facilitem o

7 7 aprendizado do aluno, bem como sua interação com seus colegas, educadores e com o próprio conteúdo a ser trabalhado. Prosseguindo as discussões sobre os estilos de liderança, observa-se que as teorias evoluem, modificam-se, o que também acontece com os estudos sobre liderança. Atualmente muito se fala sobre a liderança transformacional ou carismática, cuja noção aproxima-se muito do que alguns autores denominam liderança servidora. Pollard (1999) define o líder servidor como: um líder com intenção de servir pode proporcionar esperança, em vez de desespero, e pode servir de exemplo para aqueles que estão em busca de direção e objetivo para suas vidas e que desejam realizar e colaborar. (POLLARD, 1999, p. 242). Desse modo, líderes servidores devem ser pessoas compromissadas e não simples expectadores ou detentores de cargos ou funções. Esses líderes ouvem e aprendem com seus liderados. Estes líderes não se consideram detentores da verdade. Percebe-se que essa concepção de líder assemelha-se às palavras de Freire (1996) quando este se refere ao professor amoroso da vida e das gentes. Na próxima seção, apresentam-se algumas discussões sobre o coaching, como uma ferramenta estratégica que pode ser utilizada na educação superior, para auxiliar o professor no processo ensino-aprendizagem. 4 COACHING COMO FILOSOFIA DE LIDERANÇA E FERRAMENTA EDUCACIONAL O coaching é uma ferramenta de desenvolvimento, mundialmente conhecida, considerada como uma filosofia de Liderança. Marques (2013) concebe o coaching como um processo que objetiva aumentar o desempenho de um indivíduo, grupo, ou empresa, gerando resultados positivos, por meio de metodologias, ferramentas e técnicas guiadas por um profissional, denominado coach, em uma parceria coesa e dinâmica com o cliente, chamado coachee. Esta relação de parceria é reforçada por Gallwey (2013, apud MARQUES, 2013, p.155), ao destacar que o coaching é uma relação de parceria que revela/liberta o potencial das pessoas de forma a maximizar o desempenho delas. É ajudá-las a aprender ao invés de ensinar algo a elas. Portanto, analisando os desafios que o professor precisa enfrentar em sala de aula, bem como as exigências sobre o seu perfil para que ele desempenhe com eficácia o seu papel de

8 8 educador no contexto atual, observa-se que o coaching pode ser utilizado como uma nova metodologia de ensino dentro da sala de aula e como uma excelente ferramenta para o avanço do processo educacional no ensino superior. Para tornar-se um profissional Coach, é necessário que se faça um curso de formação em um dos institutos credenciados. No entanto, caso o educador não deseje ser um coach, pode participar do curso, e aproveitá-lo informalmente, utilizando-se de suas técnicas e ferramentas e potencializando os seus resultados através de seus alunos. Em sua essência, o coaching visa a identificar no indivíduo o seu estado atual (onde ele está, o que está fazendo) e qual o seu estado desejado (o que ele pretende alcançar, ou aonde quer chegar). O coach, nesse processo, age como um mediador, auxiliando o coachee a identificar suas necessidades, trabalhando com foco na disciplina e no comprometimento, ajudando-o na elaboração de planos de ação, que o façam sair da zona de conforto, acompanhando-o e despertando-o para a importância da efetivação do plano e auxiliando-o, por meio de um processo de mudança e transformação, a alcançar o seu estado almejado. Segundo o diretor do Instituto de Neurolinguística e Psicologia Aplicada - INEP, professor José Zaib, o coaching pode ser aplicado no processo educacional porque ele foca, em primeiro lugar, o auto-conhecimento, o auto-desenvolvimento, a melhoria do professor, do gestor educacional. Parte-se de um pressuposto universal: nada pode ser mudado; mas você pode mudar (ZAIB, 2013, p. 1). Para ele, a partir do momento em que você muda, é possível que o contexto em torno de você mude através de sua liderança. Desse modo, o primeiro passo para transformar o processo educacional é transformar o professor. O processo de coaching nos dá três elementos potenciais: consciência, responsabilidade e ação, afirma Zaib (2013). Prosseguindo sua defesa em favor do uso do coaching na educação, Zaib ( 2013) declara que esta é mais uma ferramenta para o professor. A educação tradicional nos dá a pedagogia, a didática e uma série de outras metodologias, desenvolvidas por pensadores que são colocadas em prática: temos Piaget, Vygotsky, Paulo Freire, Maria Montessori e muitos outros. O coaching é disponibilizado aos educadores como mais uma ferramenta que pode se tornar poderosa, uma vez que o profissional se aproprie dela e a utilize com proficiência. Para alcançar resultados excelentes, o docente precisa, inicialmente, ter habilidade para mudar seus comportamentos, para assim desenvolver habilidades específicas, isso é sair do estado atual para avançar ao estado desejado. O coaching auxilia-o nesse processo. A mudança deve começar no docente para só então ser replicada, inclusive, como filosofia de vida para os alunos.

9 9 As técnicas dessa ferramenta conduzem o sujeito, primeiramente, ao processo de reavaliação pessoal e profissional, fazendo com que as pessoas descubram seus pontos fortes, suas capacidades e habilidades, e aspectos a serem melhorados, bem como as competências que estimulam as pessoas a terem o melhor desempenho, de acordo com as suas aptidões e as funções exercidas na organização. (TRENDS, p. 10, 2005, apud DEMARCHI, [s.d.], p. 2). O processo de autoconhecimento proporcionado pelo coaching é o pontapé inicial. Uma vez adotado dentro da sala de aula, o educador poderá iniciar com os seus alunos este processo de autoconhecimento, fazê-los refletir sobre onde estão e aonde desejam chegar e fazê-los traçar, baseado em suas necessidades e potencialidades, o plano ou caminho a ser percorrido até o alcance de seus objetivos. Partindo do pressuposto que o coaching é um processo com início, meio e fim e que necessita da ação, ou vontade dos envolvidos, o êxito na sala de aula será percebido no fortalecimento da relação aluno-professor e, consequentemente, no avanço da eficácia de seu processo de ensino-aprendizagem. Os resultados alcançados com o coaching podem ser mensurados pela mudança de comportamento, a partir do momento em que os indivíduos, orientados por suas técnicas e ferramentas, começam a pôr em prática ações que antes não realizavam, aumentando assim a sua performance, seu desempenho e, por conseguinte, potencializando sua qualidade de vida e sua satisfação pessoal. Encerra-se essa seção concordando com o posicionamento de Zaib (2013) para quem o professor, após passar pelo processo de coaching, não se transforma em um super-herói. Porém, conscientiza-se de sua capacidade: descobre que seu potencial vai além daquele formatado pela educação tradicional. Esse profissional, como pessoa, assume que pode muito mais daquilo que vem fazendo. E quando o educador toma essa consciência, começa um processo de transformação poderoso. (ZAIB, 2013, p. 1). 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Constata-se, pelas discussões apresentadas, que muitas são as funções e os desafios que o professor enfrenta no dia a dia, cheio de adversidades. Estes desafios iniciam-se desde a tentativa de despertar o interesse de seus alunos, por meio de sua didática, de sua postura como educador, da criação de laços entre educador-aluno, até o desafio da formação de alunos questionadores, cidadãos éticos e agentes de transformação social. Desse modo, salienta-se que não se pretendeu esgotar este tema, mas sim proporcionar uma reflexão sobre o papel do professor de ensino superior, analisando se os princípios de liderança podem auxiliá-lo na obtenção de êxito no processo de ensino-aprendizagem, bem

10 10 como apresentando a ferramenta coaching como mais uma metodologia a ser utilizada em prol da eficácia no processo educacional. Defende-se que a liderança democrático-participativa, servidora ou transformacional é a mais adequada a essa nova realidade da educação superior. Necessita-se de educadores que sejam exemplos a serem seguidos, que motivem seus alunos, dando- lhes reforço positivo em suas habilidades e despertando o que possuem de melhor, isto é, precisa-se de educadoreslíderes. Sendo assim, o coaching torna-se uma ferramenta estratégica neste processo. Suas técnicas e ferramentas, uma vez interiorizadas pelos educadores e posteriormente replicadas para seus alunos, podem auxiliá-los no que se acredita ser a formação de uma nova geração de educandos: questionadores, agentes de transformação, motivados e motivadores, que transformam adversidades em oportunidades e que estão totalmente comprometidos com o alcance de suas metas e objetivos. COACHING AS A METHODOLOGY DEVELOPMENT LEADER EDUCATOR ABSTRACT Stephanie Barros Batista This paper aims to discuss the importance of coaching as a tool to be used to improve the process of teaching and learning in higher education. To do so, we list the role and challenges of the educator in higher education, as well as discusses the need this person to be a teacher leader, working his self-knowledge, identify their needs, transforms them into goals made and invests in their continuing education. With this attitude, and intellectual trainer through the sharing of knowledge, the educator will contribute to the formation of ethical citizens, and questioning drivers of their lives, future-educated leaders. To conduct this study, we used the literature review authors in the areas of education, leadership and coaching, such as Ausubel (1980), Freire (1996), Outhwaite and Bottomore (1996), Chiavenato (2004), Pollard (1999 ) Marques (2013) and Zaib (2013). KEYWORDS: Educator. Higher Education. Educator-Leader. Coaching. REFERÊNCIAS ALABY, José Assan. Líderes devem ser filósofos? In: Marinho, Robson M.; Oliveira, Jair Figueiredo de. (org.). Liderança: uma questão de competência. 1ª Ed. São Paulo: Saraiva, BARROS, Francisca da Rocha. Do comandar ao servir: noções de poder nos discursos sobre liderança. Recife: UFPE, Tese (Doutorado em Letras-Linguística).

11 11 BRASIL, Lei Nº Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Promulgada em 20 de dezembro de Brasília: Editora do Brasil, CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 3ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, DEMARCHI, Marcos Tadeu. Coaching educacional uma abordagem transformadora capaz de alterar a prática educativa e o papel do docente. Disponível em: Acesso em: 25/07/2014. FERNANDES, E.; IWASZKO, T. B. M.;SCARPA, R. Revista Nova Escola, ano XXVI, nº 240. Fundação Victor Civita. São Paulo, abril, p FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, MARQUES, José Roberto. Leader Coach Coaching como Filosofia de Liderança. São Paulo: Ser Mais, OUTHWAITE, William e BOTTOMORE, Tom. Org.). Dicionário do pensamento social do séc. XX. Rio de Janeiro: Zahar,1996. POLLARD, C. William. O líder Servidor. In: HESSELBEIN, Frances; GOLDSMITH, Marshall; BECKHARD, Richard. O líder do futuro. São Paulo: Futura, ZAIB, José. Coaching: uma ferramenta para transformar educadores em líderes. 26/ 06/2013. Folha Dirigida. Entrevista concedida a Alessandra Moura Bizoni.Disponível em:http://www.meirafernandes.com.br/site/noticias-e-artigos/?id=2458. Acesso em: 25/07/2014.

Como se tornar um líder de Sucesso!

Como se tornar um líder de Sucesso! Como se tornar um líder de Sucesso! Os 10 mandamentos do Como se tornar um líder de Sucesso! O líder é responsável pelo sucesso ou fracasso de uma organização. A liderança exige de qualquer pessoa, paciência,

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

leader coach COUTO Liberando potencial, maximizando resultados. P E R F O R M A N C E

leader coach COUTO Liberando potencial, maximizando resultados. P E R F O R M A N C E leader coach Liberando potencial, maximizando resultados. COUTO P E R F O R M A N C E Objetivo tualmente, vivemos em um mundo de constantes mudanças. ANesse contexto, tão importante, o treinamento Leader

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder I Simpósio Coaching - Arte e Ciência CRA-SP 28 de maio de 2013 1 COACH Sentido original da palavra: veículo para transporte de pessoas.

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas 1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso GEPAG UNIFESP abril / 2009 CONTEXTO Características do Trabalho no

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Mário Rocha. A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências

Mário Rocha. A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências Mário Rocha A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências Missão Visão Objetivos estratégicos Competências Organizacionais Competências Conhecimento o que saber Habilidades - saber fazer

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

COACHING CRISTÃO. Formação em. Seja um líder cristão especialista em desenvolvimento humano e resultados!

COACHING CRISTÃO. Formação em. Seja um líder cristão especialista em desenvolvimento humano e resultados! Formação em COACHING CRISTÃO Seja um líder cristão especialista em desenvolvimento humano e resultados! Fortalecendo líderes cristãos que impactam sua geração. O que é Coaching? Coaching é um processo

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Resumo O presente texto tem por objetivo refletir e discutir sobre a integração entre ensino,

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Webinário liderança e coaching 21 de Maio de 2014

Webinário liderança e coaching 21 de Maio de 2014 Webinário liderança e coaching 21 de Maio de 2014 Creating the Future Objetivos Percecionar a diferença entre um gestor e um líder; Conhecer as caraterísticas de uma liderança eficaz; Conhecer o coaching;

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão PELOZO, Rita de Cássia Borguetti Docente da FAHU/ACEG RESUMO: O presente trabalho procura evidenciar a importância

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Resumo Elaine Carvalho de Campos Abib¹ Este trabalho foi realizado com base nas características das Tendências Pedagógicas e nas

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO Beatriz de Castro Rosa 1 O reconhecimento acadêmico de uma Instituição de Ensino Superior decorre, dentre outros fatores, do desenvolvimento

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão.

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. Liderança Objetivo Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. 2 Introdução O que significa ser líder? Todo gestor é um líder? E o contrário? Liderança

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

LÍDER 360º APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE LIDERANÇA PARA A GESTÃO PÚBLICA E PRIVADA

LÍDER 360º APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE LIDERANÇA PARA A GESTÃO PÚBLICA E PRIVADA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE LIDERANÇA PARA A GESTÃO PÚBLICA E PRIVADA 24 HORAS DE MUITO CONHECIMENTO, DINÂMICAS E TROCA DE EXPERIÊNCIAS APRESENTAÇÃO LÍDER 360º Os princípios da liderança efetiva Para construirmos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CARRENHO, Silvanira migliorini 1 KIMURA, Marcia Regina de Souza 1 VEGAS, Dirce Aparecida Izidoro 1 ANTONIO, Fernanda Peres 2 RESUMO

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

LIDERANÇA, COACHING E MENTORING

LIDERANÇA, COACHING E MENTORING , COACHING E MENTORING SEMINÁRIO APRESENTADO NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS E SERVIÇOS. DISCIPLINA: GESTÃO DE PESSOAS Profa.Dra. Margareth Bianchini Diferenças entre Gerente e Líder GERENTE

Leia mais

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional Ao investir em pessoas o seu resultado é garantido! Tenha ganhos significativos em sua gestão pessoal e profissional com o treinamento

Leia mais

Liderança Pessoal para alunos do ensino superior: novos paradigmas para ensino, aprendizagem e carreira.

Liderança Pessoal para alunos do ensino superior: novos paradigmas para ensino, aprendizagem e carreira. Liderança Pessoal para alunos do ensino superior: novos paradigmas para ensino, aprendizagem e carreira. Escrito por: Maria de Lurdes Zamora Damião e Isabel Macarenco Cenário: jovens recém-formados que

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1

LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1 1 LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1 RESUMO Este artigo analisa o perfil de diferentes tipos de líderes, bem como a análise de situações encontradas do ponto de vista de gestão de pessoas.

Leia mais

Princípios de Liderança

Princípios de Liderança Princípios de Liderança LIDERANÇA E COACH www.liderancaecoach.com.br / liderancaecoach ÍNDICE Liderança Chefe x Líder O que um líder não deve fazer Dicas para ser um líder de sucesso Para liderar uma equipe

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o desempenho de um indivíduo, grupo ou empresa, possibilitando o alcance de resultados planejados, através de metodologias, ferramentas e técnicas, conduzidas

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Liderança e Comunicação Professor: Roberto César Liderança O líder nasce líder ou aprende a ser líder? Liderar é conhecer a motivação humana e saber conduzir as pessoas a

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Projeto Integrador Couching

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Projeto Integrador Couching Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Projeto Integrador Couching Goiânia 2015 Couching 1. Conceito. O Coach é o profissional especializado no processo de Coaching. Pode ser considerado um treinador que

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA 1 GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA Valéria Aparecida Vieira Velis Orientador: Prof. Dr. Celso Luiz Ap. Conti Mestrado em Educação Linha de pesquisa:

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Um dos melhores Programas de Capacitação de Líderes do Mundo

Um dos melhores Programas de Capacitação de Líderes do Mundo Um dos melhores Programas de Capacitação de Líderes do Mundo O Leader Coaching Traning é um programa de treinamento em Coaching para Líderes, licenciado pela World Federation of Coaching (WFC), entidade

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você.

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você. Somos uma empresa inovadora, que através de uma metodologia vencedora proporciona a nossos clientes um ambiente favorável ao desenvolvimento de capacidades, para que seus profissionais alcancem o melhor

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à relação entre educação e sociedade, julgue os Com relação às concepções pedagógicas, julgue os próximos itens. itens a seguir. 60 A vivência grupal na forma

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA MORAIS, Luciane dos Santos Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva LAMARI, Luciano Brunelli Docente da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

Isaias Holowate (isaiasholowate@gmail.com) Silvana Maura Batista de Carvalho. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

Isaias Holowate (isaiasholowate@gmail.com) Silvana Maura Batista de Carvalho. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

www.idsingular.com.br

www.idsingular.com.br Business and Executive Coach ID Coach Seu mundo do tamanho do seu conhecimento Tel. 31 3681 6117 ID COACH No que diz respeito ao desempenho, ao compromisso, ao esforço, à dedicação, não existe meio termo.

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais