Área 521 Metalurgia e Metalomecânica CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL. Serralheiro(a) Mecânico(a) Júnior de Cunhos e Cortantes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Área 521 Metalurgia e Metalomecânica CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL. Serralheiro(a) Mecânico(a) Júnior de Cunhos e Cortantes"

Transcrição

1 Área 521 Metalurgia e Metalomecânica CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DE Serralheiro(a) Mecânico(a) Júnior de Cunhos e Cortantes GUIA DE CURSO 1/6

2 Curso Serralheiro(a) Mecânico(a) Júnior de Cunhos e Cortantes Estrutura Curricular Unidades de Formação Sócio Cultural Desenvolvimento Pessoal e Social Comunicar em Inglês e ou Espanhol Ciências Básicas Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) Qualidade, Ambiente, Saúde e Segurança Matemática Específica Cientifico-Tecnológico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Tecnologia Mecânica Processos de Fabrico Pneumática e Hidráulica Metrologia Oficinal Noções Básicas de Eletricidade Prática em Contexto de Formação Serralharia Geral Maquinação Convencional Soldadura Processos (SER-MAG-TIG) Tratamento Térmico de Metais Total de horas lectivas da responsabilidadade da Responsabilidade Total de horas lectivas da responsabilidadade da Prática em Contexto de Trabalho na Empresa (1 dia/semana X ± 23 semanas) Carga Horária Conteúdos Programáticos Desenvolvimento Pessoal e Social (24 H) Conceitos de cultura raça e etnia; Entidade cultural das comunidades emigrantes; Contributo de diferentes culturas para a vida do país e da empresa; Racismo e xenofobia; Formas de descriminação: nacionalidade, cor, género, religião e orientação sexual; Legislação de promoção da igualdade entre grupos sociais e étnicos. 2/6

3 Comunicar em Inglês e ou Espanhol (32 H) Total quality management Environmental; Saefty and health in industrial enterprises; Moderation of meetings; Total quality control. Tecnologias de Informação e Comunicação (24 H) Processamento de texto; Folha de cálculo; Consultas na Internet; . Qualidade, Ambiente, Saúde e Segurança (24 H) Qualidade; Ambiente; Saúde e segurança. Matemática Específica (40 H) Equações de 1º e 2º grau; Teorema de Pitágoras; Trigonometria; Números e operações; Geometria e álgebra. Leitura e Interpretação de Desenho Técnico (112 H) Interpretar projeções ortogonais; Interpretar vistas, cortes e seções; Interpretar perspectivas isométricas; Interpretar desenhos de conjuntos; Tolerâncias dimensionais e ajustamentos. Tecnologia Mecânica (48 H) Materiais metálicos ferrosos e não ferrosos utilizados em ferramentas de corte e estampagem; Elementos de ligação normalizados; Lubrificação e fluidos de corte; Ensaios mecânicos destrutivos; Estudo da cinemática aplicada nas máquinas ferramentas. 3/6

4 Processos de Fabrico (40 h) Definir processo designado por cunho e cortante; Vantagens e desvantagens da aplicação do processo de fabrico em série; Determinar os esforços em jogo para a escolha assertiva das ferramentas e prensas a utilizar; Regras de segurança na operação com este tipo de equipamentos; Planeamento e organização da manutenção; Manutenção preventiva de máquinas ferramentas de corte e estampagem. Pneumática e Hidráulica (32 H) Precauções de segurança no manuseamento de circuitos pneumáticos e hidráulicos; Ar comprimido suas aplicações gerais; Tipos de compressores e suas classificações; Produção, tratamento e armazenamento de ar comprimido; Válvulas: distribuidoras: reguladora de fluxo, simultaneidade, alternadora, bloqueio e antirretorno; Pressostatos, temporizadores e acumuladores de pressão; Elementos de trabalho: actuadores, cilindros, motores pneumáticos e hidráulicos; Elementos de comando e sinal: válvulas de acionamento manual, mecânico, pneumático e elétrico; Simbologia pneumática e hidráulica; Lei de Pascal; Efeito de cavitação; Multiplicação de forças; Definição de caudal e de pressão; Exercícios práticos de pneumática e hidráulica em bastidores didácticos. Metrologia Oficinal (32h) Identificar sistemas de unidades e derivados; Conversão de unidades em diversos sistemas tais como linear (milímetros e polegadas) e sexagésimal (graus); Manuseamento com os diversos apetrechos de medição e verificação; Calcular a natureza do nónio; Nónios rectilíneos e circulares; Noção de perímetro, superfície e volume; Teorema de Pitágoras; Introdução à trigonometria; Consulta de tabelas trigonométricas e de tolerâncias; Medições indirectas com blocos padrões e por cálculos matemáticos através da trigonometria; Traçagem em plano retificado com auxílio de graminho graduado. 4/6

5 Noções Básicas de Eletricidade (16 H) Constituição da matéria noção de molécula e átomo; Lei de Ohm; Lei de Joule; Tipos de corrente elétrica contínua e alternada sinusoidal; Aparelhos de medida analógicos e digitais; Instruções de segurança em operações de medição e ligação com corrente elétrica; Equipamentos de corte e segurança de pessoas e bens; Simbologia elétrica. Prática em Contexto de Formação Serralharia Geral (200 H) Posto de trabalho Higiene e arrumação das ferramentas; Corte e desbaste por arranque de apara; Método de corte de material por processo mecânico e térmico; Traçagem medição e verificação; Quinadeira: dobragem e desempeno de chapa; Exercícios de furação com engenho de furar, roscar e escarear; Corte com serrote manual e mecânico; Planeamento de um projecto mecânico; Execução de projecto de uma pequena ferramenta de corte. Maquinação Convencional Torno e Fresa (80 H) Características técnicas dos tornos e fresadoras mecânicas; Funcionamento, condução e regulação dos parâmetros de corte; Processos e sistemas de fixação das peças a maquinar; Processos e sistemas de fixação das ferramentas de corte; Operações de corte no torno: exterior, interior, facejamento, roscar e furar; Operações com fresadora: plana, mandrilagem, caixas, ranhuras e furar. Soldadura Processo SER, MAG e TIG (72 H) Conhecimento e utilização dos meios de segurança EPI; Compreender o processo de soldadura SER, MAG e TIG; Identificar as características das fontes de potência; Identificar os princípios do arco elétrico; Identificar os diversos tipos de juntas; Classificação dos elétrodos; Interpretar a simbologia da soldadura Execução das linhas de fusão no TIG em espessura limitadas na posições PA-PF e PC Execução de soldadura de angulo exterior em chapas com junta em T nas posições PA-PF e PB. 5/6

6 Tratamento Térmico de Metais (40 H) Perceber a influência do carbono nos aços; Desenvolver e adequar os tipos de aços em função do teor em carbono; Selecionar aços de liga em função da sua aplicação; Propriedades físicas dos metais; Entender a dureza dos aços; Processos de medição da dureza: Brinell e Rockwell; Têmpera; Têmpera superficial (cementação); Recozimento de normalização da têmpera; Revenido, suas características; Tipos de fornos mais utilizados nos tratamentos térmicos; Execução de trabalhos práticos. Pratica em Contexto de Trabalho na Empresa (184 H) 1 dia/semana x ± 23 semanas 6/6

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

Rua Benedito Freire da Paz, 197 Boa Esperança Santa Luzia/MG. Telefone: 3641-4518 www.senai-mg.org.br

Rua Benedito Freire da Paz, 197 Boa Esperança Santa Luzia/MG. Telefone: 3641-4518 www.senai-mg.org.br Segurança na Operação de Empilhadeira Operam empilhadeiras e as demais atividades relativas ao manuseio e transporte de cargas observando os requisitos da norma regulamentadora 11 e as das demais normas

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 521. Metalurgia e Metalomecânica Itinerário de Formação 52103. Serralharia Mecânica Saída Profissional Designação:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

CM ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA PLANO DE CURSO

CM ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA PLANO DE CURSO CM ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA PLANO DE CURSO Perfil Profissional Competência Geral obra. Coordenar as montagens mecânicas de acordo com o planejamento da Competência de Gestão Identificar e interpretar

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas

Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas Aula Sumário das Aulas Teóricas Sem. T1 Introdução aos objectivos e tipos da Automação Industrial Introdução à disciplina. Objectivos da

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Mecânica Acoplamentos. Ajustagem mecânica. Alinhamento de maquinas. Autocad. Bombas centrifugas. Bombas de deslocamento positivo. Bombas. Cabos de aço. Cálculos aplicados a mecânica. Elementos de transmissão.

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Primeiro Semestre (Manhã) Carga Horária Total: 450 Horas. Segundo Semestre (Manhã)

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Primeiro Semestre (Manhã) Carga Horária Total: 450 Horas. Segundo Semestre (Manhã) MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Primeiro Semestre (Manhã) Cálculo I 90 h Básico - Experimental I 90 h Básico - Geometria Analítica 36 h Básico - Introdução à Engenharia de Controle

Leia mais

Mudanças profissionais e mercado de trabalho. Escolher uma profissão/mudar de atividade. Debater os direitos e deveres dos cidadãos

Mudanças profissionais e mercado de trabalho. Escolher uma profissão/mudar de atividade. Debater os direitos e deveres dos cidadãos Duração: 775 horas Duração: 400 horas Viver em português Comunicar em língua Inglesa* Mundo atual Desenvolvimento social e pessoal TIC Matemática e realidade Física e Química 6651 Portugal e a Europa 6652

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 015 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos EE: Etec Paulino Botelho Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Áreas relevantes dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do ISVOUGA

Áreas relevantes dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do ISVOUGA Anexo I Cursos Técnicos Superiores Profissionais do ISVOUGA (2015/16) Gestão Comercial e Vendas Contabilidade e Fiscalidade Produção Industrial Serviços Jurídicos Criação e Gestão de Negócios Comunicação

Leia mais

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CONVÊNIO COM O SENAI Matriz Curricular válida para os acadêmicos

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

PROVA OBJETIVA PARA TÉCNICO 2 I CARGO TÉCNICO MECÂNICO

PROVA OBJETIVA PARA TÉCNICO 2 I CARGO TÉCNICO MECÂNICO PROVA OBJETIVA PARA TÉCNICO 2 I CARGO TÉCNICO MECÂNICO Observações: 1. Cada questão tem o mesmo valor de 0,5. 2. Preencher a folha de respostas com caneta azul ou preta. 3. Não pode haver rasura na folha

Leia mais

Concurso Público Técnico-Administrativo 2014 - Prova Tipo A 7

Concurso Público Técnico-Administrativo 2014 - Prova Tipo A 7 Técnico de Laboratório / Área: Processos, Produtos e Manutenção Industrial ==Questão 26==================== O paquímetro é um instrumento usado para medir com precisão as dimensões de pequenos objetos.

Leia mais

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico;

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico; EMENTA DE CONTEÚDOS Eletricidade Conceitos fundamentais da eletricidade; Circuitos elétricos de corrente contínua; Tensão alternada; Gerador de funções; Operação do osciloscópio; Tensão e corrente alternadas

Leia mais

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI Programa de Formação AWS / CWI, Documentos a distribuir aos Formandos, exames AWS conteúdo e respectiva classificação para aprovação

Leia mais

ASSOSSIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementa Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior. Carga horária: 40h

ASSOSSIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementa Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior. Carga horária: 40h ASSOSSIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementa Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso I MÓDULO I TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso Habilitar e qualificar profissionais para desenvolver atividades de projeto, especificação, instalação, montagem e manutenção de sistemas eletromecânicos

Leia mais

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS Aprovado no CONGRAD de: 24.09.2013 Retificado no CONGRAD de: 13.05.2014 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/1 CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 CÓD.

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO

TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO LÍNGUA PORTUGUESA I 1. Compreensão e interpretação de textos. 2. Tipologia textual. 3. Ortografia oficial.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED 1º MED DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Especificação de elementos que compõem projetos; técnicas de desenho técnico e de representação gráfica correlacionadas com seus fundamentos matemáticos e geométricos;

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-481/2012,

Leia mais

525. Construção e Reparação de Veículos a Motor. 525083_RFA - Mecânico/a de Automóveis Ligeiros

525. Construção e Reparação de Veículos a Motor. 525083_RFA - Mecânico/a de Automóveis Ligeiros REFERENCIAL DE FORMAÇÃO ADAPTADO (RFA) Pessoas com Deficiências e Incapacidades (PCDI) EM VIGOR Área de Educação e Formação Código e Designação do Referencial de Formação 525. Construção e Reparação de

Leia mais

IEFP, I.P. DESTINATÁRIOS: Jovens com idade inferior a 25 anos e com o 9º ano de escolaridade CARATERIZAÇÃO:

IEFP, I.P. DESTINATÁRIOS: Jovens com idade inferior a 25 anos e com o 9º ano de escolaridade CARATERIZAÇÃO: INSTITUTO DO EMPREGO E PROFISSIONAL CENTRO DE EMPREGO E PROFISSIONAL DE BRAGA (Telef.) 3 605 900 (Fax) 3 605 911 Jovens com idade inferior a anos e com o 9º ano de Cursos de formação inicial de jovens,

Leia mais

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão.

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão. CatÁlogo de cursos Eixo tecnológico - Controle e Processos Industriais Ajustador Mecânico Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de

Leia mais

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica ACTOS PROFISSIONAIS GIPE Gabinete de Inovação Pedagógica Cooptécnica Gustave Eiffel, CRL Venda Nova, Amadora 214 996 440 910 532 379 Março, 10 MECATRÓNICA 1 GIPE - Gabinete de Inovação Pedagógica Comunicar

Leia mais

CAMPUS CRUZ DAS ALMAS Edital 01/2010. Área de Conhecimento

CAMPUS CRUZ DAS ALMAS Edital 01/2010. Área de Conhecimento CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CAMPUS CRUZ DAS ALMAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CETEC Área de Conhecimento Materiais, Estrutura e Sistemas Eletromecânicos PONTOS DO

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ALIMENTOS SENAI RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos 1. TÍTULO ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS Preparar profissionais para identificar os ângulos

Leia mais

Sistemas térmicos aplicados

Sistemas térmicos aplicados Sistemas térmicos aplicados LNEG 8 Julho 2015 BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Temas gerais 1 hora - Teórica Legislação sobre Segurança

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6 ÍNDICE Apresentação Wintek.Center... 4 Programa das Ações de Formação... 3 Básico de Refrigeração e Climatização... 6 Automação, Controlo e Instrumentação... 7 Electricidade de Sistemas de Refrigeração

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento.

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento. Tecnologia Mecânica Programa Processamento Mecânico de Materiais Metálicos Fundamentos Estampagem Luís Alves Corte Arrombamento Forjamento Hydroforming Bárbara Gouveia Tecnologia Mecânica 1 Tecnologia

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NOME: FELIPE VESCOVI ORIENTADOR: FABIO REDIN DO NASCIMENTO CARAZINHO, DEZEMBRO DE 2011. DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES PALAVRA CHAVES:

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS CÓDIGO - ERG-OO4 ÁREA DE ACTIVIDADE ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Programar, organizar, coordenar

Leia mais

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES BENEFÍCIOS AOS PARTICIPANTES: Sistema de gestão que opera seguindo os requisitos da norma técnica ISO/IEC 17043; Programas concluídos cadastrados na base de dados internacional EPTIS European Proficiency

Leia mais

II Competências, Habilidades e Bases Tecnológicas do Componente Curricular Componente Curricular: Processo de Fabricação III Módulo: III

II Competências, Habilidades e Bases Tecnológicas do Componente Curricular Componente Curricular: Processo de Fabricação III Módulo: III Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle de Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca 1. INSPETOR CONTROLE DE QUALIDADE- Atuar com inspeção de processos / final, ensaios de rotina, controle de qualidade e verificação de falhas na

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Ementas Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade: Bases Tecnológicas: Carga Horária: Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade:

Ementas Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade: Bases Tecnológicas: Carga Horária: Disciplina: Ementa: Competência: Habilidade: Ementas Disciplina: Metodologia da Pesquisa Cientifica Ementa: Conhecimento, Ciência, Pesquisa e tipos de pesquisa, Métodos e técnicas para a elaboração e apresentação de trabalho científico. Competência:

Leia mais

Sistemas Pneumáticos

Sistemas Pneumáticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Sistemas Pneumáticos Gilson PORCIÚNCULA wp.ufpel.edu.br/porciuncula Estrutura de um circuito Pneumático

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processo Industrial Habilitação

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular PlanoCurricular

Plano Curricular Plano Curricular PlanoCurricular Área de formação 522. Eletricidade e Energia Curso de formação Técnico/a de Instalações Elétricas Nível de qualificação do QNQ 4 Componentes de Sociocultural Duração: 775 horas Científica Duração: 400

Leia mais

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar a instalação, a conversão e a reparação de aparelhos de queima de gás e executar soldaduras

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL -

Leia mais

TÉCNICO(A) INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES FOTOVOLTAICOS

TÉCNICO(A) INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES FOTOVOLTAICOS TÉCNICO(A) INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES FOTOVOLTAICOS QUADRO RESUMO FORMAÇÃO UFCD Duração (H) Sistemas solares fotovoltaicos 4587 50 Módulos solares fotovoltaicos 4588 50 Projeto de sistema solar fotovoltaico

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Faculdade de Engenharia Licenciatura Engenharia e Gestão Industrial Unidade Curricular Instalações e Serviços Industriais Semestre: 5 Nº ECTS: 6,0 Regente José

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) -

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: METALMECÂNICA Aperfeiçoamento

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 QUESTÃO 41 As afirmativas a seguir tratam das características de alguns dos tratamentos térmicos aplicados aos aços. Verifique quais são verdadeiras (V) ou falsas (F) e marque

Leia mais

Ferramentaria & Matrizaria

Ferramentaria & Matrizaria A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA CAD / CAM PARA MELHORIA DE PROCESSO Ferramentaria & Matrizaria NX 7.5 Month 06/11/ 2012 HISTÓRIA DA SIFCO A SIFCO iniciou suas operações em Jundiaí SP no ano de 1958, como resultado

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Material Terrestre MMT ESTRUTURA DA PROVA

PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Material Terrestre MMT ESTRUTURA DA PROVA PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Material Terrestre MMT ESTRUTURA DA PROVA Disciplina Motores Sistemas Auto Electricidade Auto Oficinas Máquinas e Ferramentas Capítulo

Leia mais

ETEC BENTO QUIRINO - CAMPINAS PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES.

ETEC BENTO QUIRINO - CAMPINAS PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. ETEC BENTO QUIRINO - CAMPINAS PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO Nº 043/03/12 DE 10/05/2012. PROCESSO Nº 03828/2012. AVISO DE DEFERIMENTO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-479/2012,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2013 1 Sumário 1º Módulo Componente Curricular: Eletrônica Digital I... 5 Componente Curricular: Eletricidade

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. www.grima.ufsc.br/jcarlos/ jcarlos@emc.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL MADEIRA/MOBILIÁRIO SENAI-RR SENAI-RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos 1. TÍTULO DESENHISTA DE MÓVEIS CBO 3184-25 Preparar profissionais para realizar

Leia mais

DISCIPLINA: Gestão de Pessoas

DISCIPLINA: Gestão de Pessoas ASSOSSIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementa Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração de

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro 2005

DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro 2005 OCUPAÇÃO 0 5 DESCRITIVO TÉCNICO MECÂNICO - CAD DESENHO Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina,

Leia mais

HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA

HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA 1º A 2016 Noturno Central 1S/2016 Introdução à Engenharia de Controle à Automação Lógica e Matemática Discreta Física Geral Física Geral Fundamentos de Cálculo Lógica e Matemática Discreta Algoritmos e

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 147/2012, que altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL. carlosxxl@yahoo.com EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL. carlosxxl@yahoo.com EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome SANTOS, Carlos Morada 57 4º Esq., Rua Conde de Castelo Melhor, 2765-310, Estoril, Portugal Correio electrónico Telefone (+351) 965656691 carlosxxl@yahoo.com

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO Prof. Marcio Gomes 1 Soldagem a arco elétrico É um processo de soldagem por fusão em que a fonte de calor é gerada por um arco elétrico formado

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Relógios Comparadores. Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli Anderson César Silva

Relógios Comparadores. Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli Anderson César Silva Relógios Comparadores Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli Anderson César Silva 1 Conteúdos 2 Medição diferencial O relógio comparador mecânico Aspectos metrológicos Calibração de relógios comparadores

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica : Metalurgia

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL METAL/MECÂNICA SENAI RR SENAI RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS 1. TÍTULO INTRODUÇÃO À HIDRÁULICA Proporcionar ao treinando a compreensão dos princípios básicos da

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: Práticas Oficinais N.º TOTAL DE MÓDULOS: 5 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 N.º 1 18 Higiene e Segurança no Trabalho Organização

Leia mais

Processos de Fabricação - Furação

Processos de Fabricação - Furação 1 Introdução Formas de obtenção de furos Definição de furação (usinagem): A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO QUADRO RESUMO FORMAÇÃO UFCD (H) Análise de circuitos em corrente contínua 6008 25 Corrente alternada 6010 25 Eletrónica industrial 6023 25 Instalações elétricas - generalidades 6075

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA BROCAS (NOMENCLATURA,CARAC. TIPOS) São ferramentas de corte, de forma cilíndrica, com canais retos ou helicoidais, temperadas, terminam em ponta cônica e são afiadas

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS

FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS Profª. Angela Emilia de Almeida Pinto Departamento de

Leia mais

Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO

Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO Administração Central Unidade do Ensino Médio e Técnico GFAC Grupo de Formulação e Análises Curriculares Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS CAPÍTULO 3 PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO MÓDULO

Leia mais

NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO OPERADORES DE MÁQUINAS OPERATRIZES N. º DOCUMENTO: PNCO-MO-CS-002

NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO OPERADORES DE MÁQUINAS OPERATRIZES N. º DOCUMENTO: PNCO-MO-CS-002 NORMA DE REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO OPERADORES DE MÁQUINAS OPERATRIZES N. º DOCUMENTO: PNCO-MO-CS-002 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. APLICAÇÃO...3 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...3

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL I

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL I PROGRAMA DA DISCIPLINA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL I 3º Ano Regime: 2º Semestre Ano Lectivo: 2006/2007 Carga Horária: 1T 1TP 2P Docente responsável: Eng.º Toni Alves Total de horas de contacto: 60 Corpo Docente:

Leia mais