Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática"

Transcrição

1 Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica Roteiro de Laboratório: Pneumática Prof. Engº Felipe Amélio de Lucena Catanduva, 25 de julho de 2012.

2 Sumário 1 Objetivo Estrutura para elaboração de relatórios para esta disciplina Experimento Nº 01 Elementos Pneumáticos Experimento Nº 02 Elementos Pneumáticos Experimento Nº 03 Elementos Pneumáticos Experimento Nº 04 Elementos Pneumáticos Experimento Nº 05 Circuito Pneumático Experimento Nº 06 Circuito Pneumático Experimento Nº 07 Circuito Pneumático Experimento Nº 08 Circuito Pneumático Experimento Nº 09 Circuito Eletropneumático Experimento Nº 10 Circuito Eletropneumático Experimento Nº 11 Circuito Eletropneumático Experimento Nº 12 Circuito Eletropneumático

3 1 Objetivo Auxiliar e orientar o aluno no desenvolvimento das atividades práticas, proporcionando maior autonomia no aprendizado e consolidando os conhecimentos adquiridos nas aulas teóricas. 3

4 2 Estrutura para elaboração de relatórios para esta disciplina Cabeçalho. Relatório Nº XX Titulo do Experimento Objetivo É o propósito do experimento, isto é, aquilo que se pretende alcançar. Deve ser escritos de maneira simples, deixando clara a ação pretendida, os objetivos devem iniciar com o verbo no infinitivo. Introdução teórica Deve se fazer um resumo sobre o assunto abordado no experimento, observando os pontos chaves, essenciais ao entendimento e execução do experimento. Esta introdução deve ser ao mesmo tempo sucinta e completa, levando em consideração todos os pontos a serem trabalhados, a bibliografia indicada no roteiro deve ser observada e estudada. Porém, outras literaturas podem ser analisadas. OBS: Qualquer cópia de sities da internet é absolutamente proibida para a realização desta introdução teórica. Porém o estudo de sities adequadamente selecionado pode servir de base para elaboração deste item, desde que, o referido sitie esteja exposta na bibliografia. Material utilizado experimento. Nesse tópico deve-se descrever todo o material utilizado para a realização do Procedimento Experimental Deve-se descrever todo o procedimento experimental utilizado na realização do experimento. A descrição deve ser detalhada dos procedimentos adotados na montagem e elaboração do experimento. Podem-se utilizar esquemas, desenhos, diagramas e figuras para ilustração e detalhamento do procedimento experimental. 4

5 Obtenção e analise dos resultados Nesta seção devem ser expostos os resultados obtidos mostrando os cálculos e os principais resultados devidamente organizados em tabelas quando necessário. E as devidas discussões a respeito destes resultados. Os gráficos, quando necessário devem ser citados nesta seção e colocados em anexo posteriormente no final do relatório. Conclusões Uma conclusão é uma proposição final, a qual se chegam após a consideração de evidências, argumentos ou premissas. Assim, deve conter a síntese de tudo o que foi apresentado no relatório. Devem-se expor as conclusões alcançadas através do experimento, além de uma exposição dos principais resultados obtidos anteriormente. Bibliografia Todas as referências utilizadas para elaboração deste relatório devem ser expostas aqui. Em moldes as referências apresentadas no roteiro do experimento. 5

6 3 Experimento Nº 01 Elementos Pneumáticos 01 Objetivo Identificar os principais elementos pneumáticos, descrever seu funcionamento e suas aplicações. Fundamento Teórico Compressores Para a produção de ar comprimido são necessários compressores. Estes comprimem o ar até a pressão de trabalho desejada. A maioria dos acionamentos e comandos pneumáticos funciona através de uma estação central de distribuição de ar comprimido. Unidade de Conservação A unidade de conservação tem a finalidade de purificar o ar comprimido, ajustar uma pressão constante do ar e acrescentar uma fina neblina de óleo ao ar comprimido, para fins de lubrificação. Devido a isso, a unidade de conservação aumenta consideravelmente a segurança de funcionamento dos equipamentos pneumáticos. pneumática. Material Utilizado Papel, caneta, lápis (lapiseira), borracha, régua, paquímetro, bancada didática de Procedimento Experimental Compressor 1. Identificar o compressor a. Marca/Modelo b. Tipo de compressor (turbo compressor, êmbolo com movimento linear ou rotativo). c. Número de estágio d. Taxa de compressão 6

7 e. Volume de ar fornecido f. Tipo de refrigeração utilizado no resfriamento do pistão g. Capacidade do reservatório de ar comprimido 2. Medir e desenhar o compressor utilizado para alimentar as bancadas didáticas de pneumática. 3. Descrever detalhadamente o funcionamento e a aplicação do compressor. 4. Desenhar a simbologia do compressor Unidade de Conservação 1. Identificar a Unidade de Conservação a. Marca/Modelo b. Capacidade de filtragem c. Range de regulagem de pressão d. Nível de óleo mínimo e máximo e. Qual o óleo utilizado na unidade de conservação 2. Medir e desenhar a unidade de conservação utilizada na bancada didática de pneumática. 3. Descrever detalhadamente o funcionamento e a aplicação da unidade de conservação. 4. Desenhar a simbologia da unidade de conservação. Bibliografia [1] FIALHO, A. B. Automação Pneumática Projeto, Dimensionamento e Análise de Circuitos. Editora Érica Ltda, 3ª ed., [2] BONACORSO, N. G; NOLL, V. Automação Eletro pneumática. Editora Érica, [3] SENAI SP. Comandos Pneumáticos. São Paulo. SENAI SP [4] FESTO DIDACTIC. P111 Introdução à Pneumática. Ed. Indústria Gráfica Senador Ltda. São Bernardo do Campo

8 4 Experimento Nº 02 Elementos Pneumáticos 02 Objetivo Identificar os principais elementos pneumáticos, descrever seu funcionamento e suas aplicações. Fundamento Teórico Cilindros O cilindro pneumático é um elemento de máquina útil, já que permite a aplicação do movimento linear exatamente onde é necessário, sem qualquer complicação mecânica, como por exemplo, em transmissões, eixos, ressaltos, etc. Através de cilindros pneumáticos pode-se transformar a energia pneumática em movimentos retilíneos e, através de motores pneumáticos, em movimentos rotativos. Força do Êmbolo As forças exercidas pelos cilindros dependem da pressão do ar, do diâmetro do êmbolo e das resistências impostas pelos materiais vedantes (gaxetas). Força Teórica exercida pela haste. Força resistiva (atrito) Em condições normais de uso (4,0Bar P 8,0Bar) a força de atrita varia de 3 a 20% da força teórica. 8

9 Cilindro simples ação Força de avanço Cilindro dupla ação Força de Avanço Força de Retorno pneumática. Material Utilizado Papel, caneta, lápis (lapiseira), borracha, régua, paquímetro, bancada didática de Procedimento Experimental Cilindros 1. Identificar o Cilindro a. Marca/Modelo b. Tipo de fixação utilizada nos cilindros c. Diâmetro externo do cilindro (camisa) d. Diâmetro da haste e. Comprimento do curso da haste f. Tipo de vedação do êmbolo 2. Medir e desenhar os cilindros utilizados nas bancadas didáticas de pneumática. 3. Descrever detalhadamente o funcionamento e a aplicação dos cilindros. 4. Desenhar as simbologias dos cilindros existentes na bancada didática. 9

10 5. Calcular a força do êmbolo no avanço e no retorno do cilindro de simples ação e de dupla ação. 6. Comparar a força calculada com a força informada no catálogo. Bibliografia [1] FIALHO, A. B. Automação Pneumática Projeto, Dimensionamento e Análise de Circuitos. Editora Érica Ltda, 3ª ed., [2] BONACORSO, N. G; NOLL, V. Automação Eletro pneumática. Editora Érica, [3] SENAI SP. Comandos Pneumáticos. São Paulo. SENAI SP [4] FESTO DIDACTIC. P111 Introdução à Pneumática. Ed. Indústria Gráfica Senador Ltda. São Bernardo do Campo

11 5 Experimento Nº 03 Elementos Pneumáticos 03 Objetivo Identificar os principais elementos pneumáticos, descrever seu funcionamento e suas aplicações. Fundamento Teórico Válvula Todos os elementos de comando e de sinais que têm por finalidade influenciar o fluxo de informações ou energia (em nosso caso o ar comprimido) são denominados válvulas, independentemente de sua forma construtiva. As válvulas são subdivididas, segundo suas funções, em cinco grupos: Válvulas direcionais Válvulas de bloqueio Válvulas de pressão Válvulas de fluxo (vazão) Válvulas de fechamento Válvulas direcionais São elementos que influenciam o percurso de um fluxo de ar, principalmente nas partidas, nas paradas e na direção do fluxo. Em esquemas pneumáticos, usam-se símbolos gráficos para descrições de válvulas. Estes símbolos não caracterizam os diferentes tipos de construção, mas somente a função das válvulas. Válvulas de bloqueio Válvulas de bloqueio são aparelhos que impedem a passagem do fluxo de ar em uma direção, dando passagem na direção oposta. Internamente, a própria pressão aciona a peça de vedação positiva e ajusta, com isto, a vedação da válvula. 11

12 Válvula de retenção Esta válvula pode fechar completamente a passagem do ar em um sentido determinado. Em sentido contrário, o ar passa com a mínima queda possível de pressão. O bloqueio do fluxo pode ser feito por cone, esfera, placa ou membrana. Há dois tipos de válvulas de retenção: Retenção com mola Retenção sem mola pneumática. Material Utilizado Papel, caneta, lápis (lapiseira), borracha, régua, paquímetro, bancada didática de Procedimento Experimental Válvulas Direcionais 1. Identificar a válvula a. Marca/Modelo b. Número de posições c. Número de vias d. Posição de repouso e. Tipo de acionamento f. Tipo de retorno g. Vazão 2. Medir e desenhar as válvulas direcionais utilizadas na bancada didática de pneumática. 3. Descrever detalhadamente o funcionamento e a aplicação das válvulas direcionais. 4. Desenhar as simbologias das válvulas direcionais existentes na bancada didática. 12

13 Válvulas de Retenção 1. Identificar a válvula a. Marca/Modelo 2. Medir e desenhar as válvulas de retenção utilizada na bancada didática de pneumática. 3. Descrever detalhadamente o funcionamento e a aplicação das válvulas de retenção. 4. Desenhar as simbologias das válvulas de retenção existentes na bancada didática. Bibliografia [1] FIALHO, A. B. Automação Pneumática Projeto, Dimensionamento e Análise de Circuitos. Editora Érica Ltda, 3ª ed., [2] BONACORSO, N. G; NOLL, V. Automação Eletro pneumática. Editora Érica, [3] SENAI SP. Comandos Pneumáticos. São Paulo. SENAI SP [4] FESTO DIDACTIC. P111 Introdução à Pneumática. Ed. Indústria Gráfica Senador Ltda. São Bernardo do Campo

14 6 Experimento Nº 04 Elementos Pneumáticos 04 Objetivo Identificar os principais elementos pneumáticos, descrever seu funcionamento e suas aplicações. Fundamento Teórico Válvula Todos os elementos de comando e de sinais que têm por finalidade influenciar o fluxo de informações ou energia (em nosso caso o ar comprimido) são denominados válvulas, independentemente de sua forma construtiva. As válvulas são subdivididas, segundo suas funções, em cinco grupos: Válvulas direcionais Válvulas de bloqueio Válvulas de pressão Válvulas de fluxo (vazão) Válvulas de fechamento Válvulas de bloqueio Válvulas de bloqueio são aparelhos que impedem a passagem do fluxo de ar em uma direção, dando passagem na direção oposta. Internamente, a própria pressão aciona a peça de vedação positiva e ajusta, com isto, a vedação da válvula. Válvula Alternadora (Função Lógica OU) Válvula de Simultaneidade (Função Lógica E) Válvula de Escape Rápido pneumática. Material Utilizado Papel, caneta, lápis (lapiseira), borracha, régua, paquímetro, bancada didática de 14

15 Procedimento Experimental Válvula Alternadora (Função Lógica OU) 1. Identificar a válvula alternadora a. Marca/Modelo 2. Medir e desenhar a válvula alternadora utilizada na bancada didática de pneumática. 3. Descrever detalhadamente o funcionamento e a aplicação da válvula alternadora. 4. Desenhar a simbologia da válvula alternadora existente na bancada didática. Válvula de Simultaneidade (Função Lógica E) 1. Identificar a válvula de simultaneidade a. Marca/Modelo 2. Medir e desenhar a válvula de simultaneidade utilizada nas bancadas didáticas de pneumática. 3. Descrever detalhadamente o funcionamento e a aplicação da válvula de simultaneidade. 4. Desenhar a simbologia da válvula de simultaneidade existente na bancada didática Válvula de Escape Rápido 1. Identificar a válvula de escape rápido a. Marca/Modelo 2. Medir e desenhar a válvula de escape rápido utilizada na bancada didática de pneumática. 3. Descrever detalhadamente o funcionamento e a aplicação da válvula de escape rápido. 4. Desenhar a simbologia da válvula de escape rápido existente na bancada didática 15

16 Bibliografia [1] FIALHO, A. B. Automação Pneumática Projeto, Dimensionamento e Análise de Circuitos. Editora Érica Ltda, 3ª ed., [2] BONACORSO, N. G; NOLL, V. Automação Eletro pneumática. Editora Érica, [3] SENAI SP. Comandos Pneumáticos. São Paulo. SENAI SP [4] FESTO DIDACTIC. P111 Introdução à Pneumática. Ed. Indústria Gráfica Senador Ltda. São Bernardo do Campo

17 7 Experimento Nº 05 Circuito Pneumático 01 Objetivo Montar e avaliar os circuitos pneumáticos. Fundamento Teórico Sequência de Movimentos Quando os procedimentos de comando de instalações pneumáticas são complicados, e estas instalações têm de ser reparadas, é importante que o técnico de manutenção disponha de esquemas de comando e sequência, segundo o desenvolvimento de trabalho das máquinas. A má elaboração de projeto pneumático resulta em interpretação insegura tornando difícil a montagem ou a identificação de defeitos, de forma sistemática, tendo em vista que é pouco rentável montar ou localizar defeitos empiricamente. Antes de iniciar qualquer montagem ou busca de defeitos, é importante representar sequências de movimentos e estados de comutação, de maneira clara e correta. Essas representações permitirão realizar um estudo e ganhar tempo na montagem ou reparo de equipamento. pneumática. Material Utilizado Papel, caneta, lápis (lapiseira), borracha, régua, bancada didática de Procedimento Experimental Montar os circuitos pneumáticos 1. Acionamento manual de um cilindro de simples ação, através de válvula 3/2 acionada por botão e retorno por mola. O cilindro A avança ao ser acionada o botão da válvula. Liberado o botão, a válvula interrompe o fornecimento de ar ao pistão retornando-o. 17

18 a. Desenhar o circuito pneumático. 2. Acionamento manual de um cilindro através de válvula com retenção do sinal. O cilindro A avança ao ser acionada o botão da válvula e só retorna após a liberação desta. a. Desenhar o circuito pneumático. 3. Acionamento de um cilindro de simples ação com comando de avanço e retorno de dois pontos distintos. O cilindro A avança ao ser acionada a válvula A2 e assim permanece após a liberação desta. Só retorna com o acionamento da válvula A1. a. Desenhar o circuito pneumático. Bibliografia [1] FIALHO, A. B. Automação Pneumática Projeto, Dimensionamento e Análise de Circuitos. Editora Érica Ltda, 3ª ed., [2] BONACORSO, N. G; NOLL, V. Automação Eletro pneumática. Editora Érica, [3] SENAI SP. Comandos Pneumáticos. São Paulo. SENAI SP [4] FESTO DIDACTIC. P111 Introdução à Pneumática. Ed. Indústria Gráfica Senador Ltda. São Bernardo do Campo

19 8 Experimento Nº 06 Circuito Pneumático 02 Objetivo Montar e avaliar os circuitos pneumáticos. Fundamento Teórico Sequência de Movimentos Quando os procedimentos de comando de instalações pneumáticas são complicados, e estas instalações têm de ser reparadas, é importante que o técnico de manutenção disponha de esquemas de comando e sequência, segundo o desenvolvimento de trabalho das máquinas. A má elaboração de projeto pneumático resulta em interpretação insegura tornando difícil a montagem ou a identificação de defeitos, de forma sistemática, tendo em vista que é pouco rentável montar ou localizar defeitos empiricamente. Antes de iniciar qualquer montagem ou busca de defeitos, é importante representar sequências de movimentos e estados de comutação, de maneira clara e correta. Essas representações permitirão realizar um estudo e ganhar tempo na montagem ou reparo de equipamento. pneumática. Material Utilizado Papel, caneta, lápis (lapiseira), borracha, régua, bancada didática de Procedimento Experimental Montar os circuitos pneumáticos 1. Acionamento de um cilindro simples ação, através de duas válvulas em série. O cilindro A avança se forem acionadas as válvulas A2 e A4. O retorno é feito após a liberação de qualquer uma delas. a. Desenhar o circuito pneumático. 19

20 2. Acionamento de um cilindro simples ação, através de duas válvulas simultâneas. O cilindro A avança se forem acionadas as válvulas A2 e A4 simultaneamente. O retorno é feito após a liberação de qualquer uma delas. a. Desenhar o circuito pneumático. 3. Acionamento de um cilindro simples ação com comando de avanço de dois pontos distintos. O cilindro A avança se for acionada a válvula A2 ou a válvula A4. O retorno é feito após a liberação de qualquer uma delas. a. Utilizando a válvula alternadora b. Sem utilizar a válvula alternadora c. Desenhar os dois (2) circuitos pneumáticos. Bibliografia [1] FIALHO, A. B. Automação Pneumática Projeto, Dimensionamento e Análise de Circuitos. Editora Érica Ltda, 3ª ed., [2] BONACORSO, N. G; NOLL, V. Automação Eletro pneumática. Editora Érica, [3] SENAI SP. Comandos Pneumáticos. São Paulo. SENAI SP [4] FESTO DIDACTIC. P111 Introdução à Pneumática. Ed. Indústria Gráfica Senador Ltda. São Bernardo do Campo

21 9 Experimento Nº 07 Circuito Pneumático 03 Objetivo Montar e avaliar os circuitos pneumáticos. Fundamento Teórico Sequência de Movimentos Quando os procedimentos de comando de instalações pneumáticas são complicados, e estas instalações têm de ser reparadas, é importante que o técnico de manutenção disponha de esquemas de comando e sequência, segundo o desenvolvimento de trabalho das máquinas. A má elaboração de projeto pneumático resulta em interpretação insegura tornando difícil a montagem ou a identificação de defeitos, de forma sistemática, tendo em vista que é pouco rentável montar ou localizar defeitos empiricamente. Antes de iniciar qualquer montagem ou busca de defeitos, é importante representar sequências de movimentos e estados de comutação, de maneira clara e correta. Essas representações permitirão realizar um estudo e ganhar tempo na montagem ou reparo de equipamento. pneumática. Material Utilizado Papel, caneta, lápis (lapiseira), borracha, régua, bancada didática de Procedimento Experimental Montar os circuitos pneumáticos 1. Acionamento de um cilindro de dupla ação com ciclo único. O cilindro A avança ao ser acionada a válvula A2. O retorno se dá após a ponta da haste do cilindro acionar a válvula de fim de curso A1. a. Desenhar o circuito pneumático. 21

22 2. Acionamento de um cilindro de dupla ação com ciclo contínuo. O cilindro A avança ao ser acionada a válvula a4, visto que a válvula A2 está acionada. O retorno se dá após a ponta da haste do cilindro acionar a válvula de fim de curso A1. No retorno do cilindro, A2 é novamente acionada, iniciando um novo ciclo. A parada é feita após a reposição de A4. a. Desenhar o circuito pneumático. 3. Acionamento de um cilindro dupla ação com ciclo contínuo e curso variável. O cilindro A avança ao ser acionada a válvula a6, visto que o fim de curso A2 está acionado. Durante o trajeto aciona o fim de curso A4, que confirma o sinal em A0 e o cilindro continua a avançar. O retorno se dá após a ponta da haste do cilindro acionar a válvula de fim de curso A1. No retorno do cilindro, A4 é novamente acionado, iniciando um novo ciclo, com curso regulado entre A4 e A1. A parada é feita após a reposição de A6. a. Desenhar o circuito pneumático. Bibliografia [1] FIALHO, A. B. Automação Pneumática Projeto, Dimensionamento e Análise de Circuitos. Editora Érica Ltda, 3ª ed., [2] BONACORSO, N. G; NOLL, V. Automação Eletro pneumática. Editora Érica, [3] SENAI SP. Comandos Pneumáticos. São Paulo. SENAI SP [4] FESTO DIDACTIC. P111 Introdução à Pneumática. Ed. Indústria Gráfica Senador Ltda. São Bernardo do Campo

23 10 Experimento Nº 08 Circuito Pneumático 04 Objetivo Montar e avaliar os circuitos pneumáticos. Fundamento Teórico Sequência de Movimentos Quando os procedimentos de comando de instalações pneumáticas são complicados, e estas instalações têm de ser reparadas, é importante que o técnico de manutenção disponha de esquemas de comando e sequência, segundo o desenvolvimento de trabalho das máquinas. A má elaboração de projeto pneumático resulta em interpretação insegura tornando difícil a montagem ou a identificação de defeitos, de forma sistemática, tendo em vista que é pouco rentável montar ou localizar defeitos empiricamente. Antes de iniciar qualquer montagem ou busca de defeitos, é importante representar sequências de movimentos e estados de comutação, de maneira clara e correta. Essas representações permitirão realizar um estudo e ganhar tempo na montagem ou reparo de equipamento. pneumática. Material Utilizado Papel, caneta, lápis (lapiseira), borracha, régua, bancada didática de Procedimento Experimental Montar os circuitos pneumáticos 1. Pacotes que chegam sobre um transportador de rolos são elevados por um cilindro pneumático A e empurrados por um cilindro B sobre um segundo transportador. Assim, para que o sistema funcione devidamente, 23

24 o cilindro B deverá retornar apenas quando A houver alcançado a posição final. a. Desenhar o circuito pneumático. Bibliografia [1] FIALHO, A. B. Automação Pneumática Projeto, Dimensionamento e Análise de Circuitos. Editora Érica Ltda, 3ª ed., [2] BONACORSO, N. G; NOLL, V. Automação Eletro pneumática. Editora Érica, [3] SENAI SP. Comandos Pneumáticos. São Paulo. SENAI SP [4] FESTO DIDACTIC. P111 Introdução à Pneumática. Ed. Indústria Gráfica Senador Ltda. São Bernardo do Campo

25 11 Experimento Nº 09 Circuito Eletropneumático 01 Objetivo Montar e avaliar os circuitos eletropneumáticos. Fundamento Teórico Sequência de Movimentos Quando os procedimentos de comando de instalações pneumáticas são complicados, e estas instalações têm de ser reparadas, é importante que o técnico de manutenção disponha de esquemas de comando e sequência, segundo o desenvolvimento de trabalho das máquinas. A má elaboração de projeto pneumático resulta em interpretação insegura tornando difícil a montagem ou a identificação de defeitos, de forma sistemática, tendo em vista que é pouco rentável montar ou localizar defeitos empiricamente. Antes de iniciar qualquer montagem ou busca de defeitos, é importante representar sequências de movimentos e estados de comutação, de maneira clara e correta. Essas representações permitirão realizar um estudo e ganhar tempo na montagem ou reparo de equipamento. pneumática. Material Utilizado Papel, caneta, lápis (lapiseira), borracha, régua, bancada didática de Procedimento Experimental Montar os circuitos eletropneumáticos 1. Acionamento manual de um cilindro de simples ação, através de válvula 3/2 acionada por botão e retorno por mola. O cilindro A avança ao ser acionada o botão da válvula. Liberado o botão, a válvula interrompe o fornecimento de ar ao pistão retornando-o. 25

26 a. Desenhar o circuito eletropneumático. 2. Acionamento manual de um cilindro através de válvula com retenção do sinal. O cilindro A avança ao ser acionada o botão da válvula e só retorna após a liberação desta. a. Desenhar o circuito eletropneumático. 3. Acionamento de um cilindro de simples ação com comando de avanço e retorno de dois pontos distintos. O cilindro A avança ao ser acionada a válvula A2 e assim permanece após a liberação desta. Só retorna com o acionamento da válvula A1. a. Desenhar o circuito eletropneumático. Bibliografia [1] FIALHO, A. B. Automação Pneumática Projeto, Dimensionamento e Análise de Circuitos. Editora Érica Ltda, 3ª ed., [2] BONACORSO, N. G; NOLL, V. Automação Eletro pneumática. Editora Érica, [3] SENAI SP. Comandos Pneumáticos. São Paulo. SENAI SP [4] FESTO DIDACTIC. P111 Introdução à Pneumática. Ed. Indústria Gráfica Senador Ltda. São Bernardo do Campo

27 12 Experimento Nº 10 Circuito Eletropneumático 02 Objetivo Montar e avaliar os circuitos eletropneumáticos. Fundamento Teórico Sequência de Movimentos Quando os procedimentos de comando de instalações pneumáticas são complicados, e estas instalações têm de ser reparadas, é importante que o técnico de manutenção disponha de esquemas de comando e sequência, segundo o desenvolvimento de trabalho das máquinas. A má elaboração de projeto pneumático resulta em interpretação insegura tornando difícil a montagem ou a identificação de defeitos, de forma sistemática, tendo em vista que é pouco rentável montar ou localizar defeitos empiricamente. Antes de iniciar qualquer montagem ou busca de defeitos, é importante representar sequências de movimentos e estados de comutação, de maneira clara e correta. Essas representações permitirão realizar um estudo e ganhar tempo na montagem ou reparo de equipamento. pneumática. Material Utilizado Papel, caneta, lápis (lapiseira), borracha, régua, bancada didática de Procedimento Experimental Montar os circuitos eletropneumáticos 1. Acionamento de um cilindro simples ação, através de duas válvulas em série. O cilindro A avança se forem acionadas as válvulas A2 e A4. O retorno é feito após a liberação de qualquer uma delas. a. Desenhar o circuito eletropneumático. 27

28 2. Acionamento de um cilindro simples ação, através de duas válvulas simultâneas. O cilindro A avança se forem acionadas as válvulas A2 e A4 simultaneamente. O retorno é feito após a liberação de qualquer uma delas. a. Desenhar o circuito eletropneumático. 3. Acionamento de um cilindro simples ação com comando de avanço de dois pontos distintos. O cilindro A avança se for acionada a válvula A2 ou a válvula A4. O retorno é feito após a liberação de qualquer uma delas. a. Utilizando a válvula alternadora b. Sem utilizar a válvula alternadora c. Desenhar os dois (2) circuitos eletropneumáticos. Bibliografia [1] FIALHO, A. B. Automação Pneumática Projeto, Dimensionamento e Análise de Circuitos. Editora Érica Ltda, 3ª ed., [2] BONACORSO, N. G; NOLL, V. Automação Eletro pneumática. Editora Érica, [3] SENAI SP. Comandos Pneumáticos. São Paulo. SENAI SP [4] FESTO DIDACTIC. P111 Introdução à Pneumática. Ed. Indústria Gráfica Senador Ltda. São Bernardo do Campo

29 13 Experimento Nº 11 Circuito Eletropneumático 03 Objetivo Montar e avaliar os circuitos eletropneumáticos. Fundamento Teórico Sequência de Movimentos Quando os procedimentos de comando de instalações pneumáticas são complicados, e estas instalações têm de ser reparadas, é importante que o técnico de manutenção disponha de esquemas de comando e sequência, segundo o desenvolvimento de trabalho das máquinas. A má elaboração de projeto pneumático resulta em interpretação insegura tornando difícil a montagem ou a identificação de defeitos, de forma sistemática, tendo em vista que é pouco rentável montar ou localizar defeitos empiricamente. Antes de iniciar qualquer montagem ou busca de defeitos, é importante representar sequências de movimentos e estados de comutação, de maneira clara e correta. Essas representações permitirão realizar um estudo e ganhar tempo na montagem ou reparo de equipamento. pneumática. Material Utilizado Papel, caneta, lápis (lapiseira), borracha, régua, bancada didática de Procedimento Experimental Montar os circuitos eletropneumáticos 1. Acionamento de um cilindro de dupla ação com ciclo único. O cilindro A avança ao ser acionada a válvula A2. O retorno se dá após a ponta da haste do cilindro acionar a válvula de fim de curso A1. a. Desenhar o circuito eletropneumático. 29

30 2. Acionamento de um cilindro de dupla ação com ciclo contínuo. O cilindro A avança ao ser acionada a válvula a4, visto que a válvula A2 está acionada. O retorno se dá após a ponta da haste do cilindro acionar a válvula de fim de curso A1. No retorno do cilindro, A2 é novamente acionada, iniciando um novo ciclo. A parada é feita após a reposição de A4. a. Desenhar o circuito pneumático. 3. Acionamento de um cilindro dupla ação com ciclo contínuo e curso variável. O cilindro A avança ao ser acionada a válvula a6, visto que o fim de curso A2 está acionado. Durante o trajeto aciona o fim de curso A4, que confirma o sinal em A0 e o cilindro continua a avançar. O retorno se dá após a ponta da haste do cilindro acionar a válvula de fim de curso A1. No retorno do cilindro, A4 é novamente acionado, iniciando um novo ciclo, com curso regulado entre A4 e A1. A parada é feita após a reposição de A6. a. Desenhar o circuito pneumático. Bibliografia [1] FIALHO, A. B. Automação Pneumática Projeto, Dimensionamento e Análise de Circuitos. Editora Érica Ltda, 3ª ed., [2] BONACORSO, N. G; NOLL, V. Automação Eletro pneumática. Editora Érica, [3] SENAI SP. Comandos Pneumáticos. São Paulo. SENAI SP [4] FESTO DIDACTIC. P111 Introdução à Pneumática. Ed. Indústria Gráfica Senador Ltda. São Bernardo do Campo

31 14 Experimento Nº 12 Circuito Eletropneumático 04 Objetivo Montar e avaliar os circuitos eletropneumáticos. Fundamento Teórico Sequência de Movimentos Quando os procedimentos de comando de instalações pneumáticas são complicados, e estas instalações têm de ser reparadas, é importante que o técnico de manutenção disponha de esquemas de comando e sequência, segundo o desenvolvimento de trabalho das máquinas. A má elaboração de projeto pneumático resulta em interpretação insegura tornando difícil a montagem ou a identificação de defeitos, de forma sistemática, tendo em vista que é pouco rentável montar ou localizar defeitos empiricamente. Antes de iniciar qualquer montagem ou busca de defeitos, é importante representar sequências de movimentos e estados de comutação, de maneira clara e correta. Essas representações permitirão realizar um estudo e ganhar tempo na montagem ou reparo de equipamento. pneumática. Material Utilizado Papel, caneta, lápis (lapiseira), borracha, régua, bancada didática de Procedimento Experimental Montar os circuitos eletropneumáticos 1. Pacotes que chegam sobre um transportador de rolos são elevados por um cilindro pneumático A e empurrados por um cilindro B sobre um segundo transportador. Assim, para que o sistema funcione devidamente, 31

32 o cilindro B deverá retornar apenas quando A houver alcançado a posição final. a. Desenhar o circuito eletropneumático. Bibliografia [1] FIALHO, A. B. Automação Pneumática Projeto, Dimensionamento e Análise de Circuitos. Editora Érica Ltda, 3ª ed., [2] BONACORSO, N. G; NOLL, V. Automação Eletro pneumática. Editora Érica, [3] SENAI SP. Comandos Pneumáticos. São Paulo. SENAI SP [4] FESTO DIDACTIC. P111 Introdução à Pneumática. Ed. Indústria Gráfica Senador Ltda. São Bernardo do Campo

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte III 14/02/2015 1

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte III 14/02/2015 1 AUC1 Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos Parte III 14/02/2015 1 Atuadores 14/02/2015 2 Atuador Pneumático Os atuadores pneumáticos, assim como os atuadores hidráulicos, são componentes que

Leia mais

Sistemas Pneumáticos

Sistemas Pneumáticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Sistemas Pneumáticos Gilson PORCIÚNCULA wp.ufpel.edu.br/porciuncula Estrutura de um circuito Pneumático

Leia mais

7ª Aula Válvulas Direcionais

7ª Aula Válvulas Direcionais 7ª Aula Válvulas Direcionais Os comandos pneumáticos consistem de seis camadas de elementos que são: a. Elementos de trabalho; b. Elementos de influência; c. Elementos de comando; d. Elementos de processamento

Leia mais

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO.

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO. Válvulas: São os elementos utilizados para comando dos atuadores, exercendo função preponderante dentro dos circuitos fluídicos e são classificadas conforme suas funções. Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO.

Leia mais

28/8/2011. Aula4 ROTEIRO VÁLVULAS DE CONTROLE DIRECIONAL. Disciplina : EME139 - Acionamentos Hidráulicos e Pneumáticos. Introdução.

28/8/2011. Aula4 ROTEIRO VÁLVULAS DE CONTROLE DIRECIONAL. Disciplina : EME139 - Acionamentos Hidráulicos e Pneumáticos. Introdução. ROTEIRO Disciplina : EME139 - Acionamentos Hidráulicos e Pneumáticos CAPÍTULO 4 Válvulas de Controle Direcional 1. Introdução 2. Características Importantes: 3. Circuitos Pneumáticos Aula4 Prof. Cícero

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 015 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos EE: Etec Paulino Botelho Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

Cilindros de parada seguros - silenciosos - confiáveis

Cilindros de parada seguros - silenciosos - confiáveis Cilindros de parada seguros - silenciosos - confiáveis 13017381 Info 166 Cilindros de parada o equipamento compacto e simples para automatizar linhas de transporte Utilização Equipamento rápido e simples

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

das válvulas de vazão de líquidos e gases

das válvulas de vazão de líquidos e gases Válvulas de Vazão de Líquidos e Gases Wagner Britto Vaz de Oliveira 00/16144 Pedro Kouri Paim 00/16063 9 de Junho de 2005 1 Introdução No contexto de automação industrial, válvulas de comando são elementos

Leia mais

Introdução à pneumática

Introdução à pneumática Introdução à pneumática Introdução: A palavra pneumática tem origem grega Pneuma que significa respiração, sopro e é definido como a parte da física que se ocupa dos fenômenos relacionados com os gases

Leia mais

Automação Pneumática. DIDACTIC Automação Pneumática 1

Automação Pneumática. DIDACTIC Automação Pneumática 1 Automação Pneumática DIDACTIC Automação Pneumática 1 Comparação qualitativa: força, velocidade e precisão Mecânica Boa força Ótimas velocidades Ótima precisão Hidráulica Ótima força Baixas velocidades

Leia mais

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral 1) Calcule o volume de ar comprimido necessário para o acionamento de 10 cilindros pneumáticos (modelo A), 4 cilindros pneumáticos com retorno por mola (modelo B) e 2 cilindros sem haste (modelo C), todos

Leia mais

5ª aula Composição do Circuito Pneumático e Atuadores

5ª aula Composição do Circuito Pneumático e Atuadores 5ª aula Composição do Circuito Pneumático e Atuadores 1 1) Elementos de trabalho são os executores das tarefas automatizadas. Cabe aos elementos de trabalho executar as tarefas que o circuito lógico determinar.

Leia mais

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO PLANO TRABALHO DOCENTE 2º SEMESTRE 2013 1 Sumário 2º Módulo Componente Curricular: Instrumentação Aplicada

Leia mais

Introdução. Tipos de Válvulas. Eletropneumática Válvulas de Controle Direcional. Válvulas de Controle Direcionais. Fabricio Bertholi Dias

Introdução. Tipos de Válvulas. Eletropneumática Válvulas de Controle Direcional. Válvulas de Controle Direcionais. Fabricio Bertholi Dias Introdução Eletropneumática Válvulas de Controle Direcional Fabricio Bertholi Dias Os elementos pneumáticos podem ser subdividido em: Elementos de trabalho; Elementos de comando; Elementos de sinais. Todos

Leia mais

Automatismos Industriais

Automatismos Industriais Automatismos Industriais Introdução à Pneumática Nos actuais sistemas de automação a pneumática é um elemento muito importante pois está presente num vasto numero de aplicações, seja como sistema totalmente

Leia mais

Válvulas Automáticas de Controle e Fluxo

Válvulas Automáticas de Controle e Fluxo Válvulas Automáticas de Controle e Fluxo As válvulas automáticas são utilizadas em processos de automação ou acionamento remoto para controle de fluxo de líquidos e gases, e também nos processos de dosagem

Leia mais

6. CILINDROS PNEUMÁTICOS

6. CILINDROS PNEUMÁTICOS 6. CILINDROS PNEUMÁTICOS Os cilindros, também conhecidos como atuadores lineares, são elementos pneumáticos de trabalho os quais transformam a energia proveniente do ar comprimido em energia mecânica,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação A U A UL LA Lubrificação III Introdução Após a visita de um vendedor de lubrificante ao setor de manutenção de uma indústria, o pessoal da empresa constatou que ainda não conhecia todos os dispositivos

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação CURSO

Leia mais

Válvulas de Segurança 3/2 vias DM² C

Válvulas de Segurança 3/2 vias DM² C Válvulas de Segurança 3/2 vias DM² C Isolamento da Energia Pneumática Categoria 4 Líder na Tecnologia de Válvulas de Segurança Desde 1950 2005 Tecnologia e experiência 1995 2000 1980 1976 1967 1962 1954

Leia mais

Circuitos Pneumáticos Básicos

Circuitos Pneumáticos Básicos UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Pneumática 03 Circuitos Pneumáticos Básicos EME-26/EME610 Aula 09 09-11-2009 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Circuito 1: comando direto de cilindro de simples

Leia mais

INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Treinamento Branqs Automação, 2007 Elaboração: Kauê Leonardo Gomes Ventura Lopes Aprovação: Fernando José Cesilio Branquinho Branqs Automação Ltda. Rua do Comércio, nº

Leia mais

COMPRESSORES PARAFUSO

COMPRESSORES PARAFUSO COMPRESSORES PARAFUSO PARTE 1 Tradução e adaptação da Engenharia de Aplicação da Divisão de Contratos YORK REFRIGERAÇÃO. Introdução Os compressores parafuso são hoje largamente usados em refrigeração industrial

Leia mais

de pneumática Fuussshhhhhhh... era o característico som de A importância da pneumática

de pneumática Fuussshhhhhhh... era o característico som de A importância da pneumática A UU L AL A Noções básicas de pneumática Fuussshhhhhhh... era o característico som de vazamento de ar que o experiente ouvido de Gelásio captava. Seus olhos procuraram a fonte do vazamento na linha do

Leia mais

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Atuadores

Leia mais

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar:

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar: Manutenção Elétrica Elementos de Processamento de Sinais Os componentes de processamento de sinais elétricos são aqueles que analisam as informações emitidas ao circuito pelos elementos de entrada, combinando-as

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

Pneumática. Exercícios de dimensionamento de redes de ar comprimido. Automação. 3.ª Edição. Publindústria

Pneumática. Exercícios de dimensionamento de redes de ar comprimido. Automação. 3.ª Edição. Publindústria Exercícios de dimensionamento de redes de ar comprimido Automação Pneumática.ª Edição Adriano Almeida Santos. António Ferreira da Silva Publindústria metros 100 metros Dimensionamento de redes de ar comprimido

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS Índice 1.0 Conexões Pneumática Instantâneas...... 4 1.1 - Redutores... 7 1.2 Válvulas Manuais... 8 2.0 Acessórios Pneumáticos... 8 3.0 Válvulas Mecânicas... 10 3.1 Piloto... 10 3.2

Leia mais

Componentes de um Sistema Hidráulico Parte II. Prof. Gustavo Fernandes de Lima

Componentes de um Sistema Hidráulico Parte II. Prof. Gustavo Fernandes de Lima <gustavo.lima@ifrn.edu.br> Componentes de um Sistema Hidráulico Parte II Prof. Gustavo Fernandes de Lima Objetivos Identificar os principais componentes de um sistema hidráulico; Conhecer as válvulas direcionais,

Leia mais

11. Simbologia dos Componentes

11. Simbologia dos Componentes Nº Denominação Aplicação Símbolo 1.0 Geral 1.1. Símbolos Básicos 1.1.1. Linhas.1 Contínua 11. Simbologia dos Componentes.2 Interrompida Longa Linhas de fluxo..3 Interrompida Curta.4 Dupla Interligações

Leia mais

Atuadores Pneumáticos

Atuadores Pneumáticos / / D Atuadores Pneumáticos Os atuadores pneumáticos HiTork são dispositivos utilizados para o acionamento de válvulas de controle e outros elementos semelhantes. Possuem construção robusta, grandes torques

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

Linha Ônibus e Caminhões Série OW

Linha Ônibus e Caminhões Série OW Cilindros Cilindro Ø 63 mm x (curso necessário) - 3 tirantes - Substitui o Cilindro Ø 2 1/2" Opções de fornecimento: Podem ser fornecidos com olhais ou com olhal e ponteira, ou olhal e ponteira rotular.

Leia mais

Programa de Treinamentos 2014

Programa de Treinamentos 2014 Programa de Treinamentos 2014 Introdução A Bosch Rexroth tem compromisso com a qualidade de seus treinamentos. Baseado nesse compromisso, a Divisão Service - Didática da Bosch Rexroth desenvolveu uma série

Leia mais

BANCADAS DIDÁTICAS PARA SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PNEUMÁTICA

BANCADAS DIDÁTICAS PARA SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PNEUMÁTICA BANCADAS DIDÁTICAS PARA SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PNEUMÁTICA Silvia G. S. Cervantes 1 ; Kleber R. Felizardo 2 ; Richard V. Romanosque 3 ; Francisco A. Scannavino Junior 4 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

CATÁLOGO CANHÃO DE AR MIDES

CATÁLOGO CANHÃO DE AR MIDES CATÁLOGO CANHÃO DE AR MIDES VANTAGENS EM COMPARAÇÃO A OUTRAS MARCAS SEM MANUTENÇÃO 85 CLIENTES SATISFEITOS NO BRASIL, PORTUGAL, ESPANHA, COLOMBIA, MOÇAMBIQUE, JORDANIA, USA MELHOR PREÇO DE MERCADO CERTIFICAÇÃO

Leia mais

Programa de Treinamentos 2015

Programa de Treinamentos 2015 Programa de Treinamentos 2015 Introdução A Bosch Rexroth tem compromisso com a qualidade de seus treinamentos. Baseado nesse compromisso, a área de Didática da Bosch Rexroth desenvolveu uma série de cursos

Leia mais

Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos.

Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos. PARA O USUÁRIO Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos. PARA SOLICITAR AS PEÇAS Entre em contato com nosso representante mais próximo,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ Alunos: Felipe Portes Lanes (PUC-Rio), Viviane Helena da

Leia mais

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956 EMTV Elevador de manutenção telescópico vertical MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ZELOSO DESDE 1956 PREFÁCIO APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada

Leia mais

Linha Õnibus e Caminhões

Linha Õnibus e Caminhões Linha Õnibus e Caminhões ! ADVERTÊNCIA SELEÇÃO IMPRÓPRIA, FALHA OU USO IMPRÓPRIO DOS PRODUTOS E/OU SISTEMAS DESCRITOS NESTE CATÁLOGO OU NOS ÍTENS RELACIONADOS PODEM CAUSAR A MORTE, DANOS PESSOAIS E/OU

Leia mais

Pneumática aplicada. Introdução:

Pneumática aplicada. Introdução: Introdução: A palavra pneumática tem origem grega Pneuma que significa respiração, sopro e é definido como a parte da física que se ocupa dos fenômenos relacionados com os gases ou vácuos. Embora a pneumática

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÕES

EDITAL DE INSCRIÇÕES EDITAL DE INSCRIÇÕES De acordo com o Contrato, firmado entre a Prefeitura Municipal de Cajati e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI, que estabelece parceria para a implementação de cursos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 01 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação descontínua de produtos moldados, por meio de injeção de material

Leia mais

Série de Válvulas Compact Performance

Série de Válvulas Compact Performance Série de Válvulas Compact Performance Largura mínima, consumo de energia muito baixo e vazão extremamente alta. Densidade máxima de potência: _ pequena massa _ dimensões mínimas Montagem da válvula diretamente

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563.

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563. ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS LOTE 01 Especificar Sistema de Geração de Ar Comprimido, incluindo compressor, secador por adsorção e filtros coalescentes Diagrama Pneumático. Confirmar detalhes com equipe

Leia mais

Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos.

Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos. PARA O USUÁRIO Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos. PARA SOLICITAR AS PEÇAS Entre em contato com nosso representante mais próximo,

Leia mais

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão Pulverizadores costais manuais Prof.: Brandão PULVERIZADORES COSTAIS Operação Manutenção Regulagem da pulverização PJH O QUE É UM PULVERIZADOR COSTAL MANUAL? - Os pulverizadores Costais Manuais são equipamentos

Leia mais

Curriculum de Mecânica dos Fluidos

Curriculum de Mecânica dos Fluidos Curriculum de Mecânica dos Fluidos A Nível I Introdução à Mecânica dos Fluidos (30 horas) A.1 - Princípios e grandezas físicas em Mecânica dos Fluidos A1.1 Conceitos físico-matemáticos elementares A.1.1.1

Leia mais

SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO CENTRALIZADA. Bomba Hidráulica Manual Bomba Hidráulica Automática Distribuidores

SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO CENTRALIZADA. Bomba Hidráulica Manual Bomba Hidráulica Automática Distribuidores SISTEMA DE UBRIFICAÇÃO CENTRAIZADA Bomba Hidráulica Manual Bomba Hidráulica Automática Distribuidores SISTEMA DE UBRIFICAÇÃO CENTRAIZADA 1 - OBJETIVO Este manual objetiva fornecer instruções técnicas para

Leia mais

Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas

Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas Aula Sumário das Aulas Teóricas Sem. T1 Introdução aos objectivos e tipos da Automação Industrial Introdução à disciplina. Objectivos da

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral DISPOSITIVOS DE COMANDO Índice 1 Objetivo... 1 2... 1 2.1 Generalidades......

Leia mais

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação.

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. De acordo com a potência (carga), o contator é um dispositivo de comando

Leia mais

Cilindros Aplicação Específica

Cilindros Aplicação Específica Conteúdo.1.1..1.3.1..1..1.6.1.7.1.8.1.9.1 Cilindro Fixador Mesa 1" Cilindro Fixador Mesa " Cilindro Extra Grande Compacto GC Cilindro Impacto Garra Pneumática Angular Cilindro Hidrocheck Cilindro Hidrocheck

Leia mais

Palavras-chave: hidráulicas; pneumáticas; aprimoramento; produtividade.

Palavras-chave: hidráulicas; pneumáticas; aprimoramento; produtividade. Descrição de sistemas hidráulicos e pneumáticos em uma fábrica de colchões Valdevan da Silva MORAIS 1 ; Douglas Phillipe APARECIDO 1 ; Hector Helmer PINHEIRO 1 ; Lucélia COSTA 1 ; Warley Alves Coutinho

Leia mais

Barreto. Certificado de garantia

Barreto. Certificado de garantia Barreto Certificado de garantia Certificamos que o equipamento (macaco hidráulico BNB de 30 ou 60 tons); passaram pelos testes característicos de construção conforme modelo e capacidade, em nossa fábrica,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área Profissional: Indústria Habilitação Profissional: Técnico de Nível Médio Técnico em Mecânica

Leia mais

Ferramentas Pneumáticas

Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Para se tomar a decisão com relação ao uso de ferramentas pneumáticas é necessário saber as diferenças principais entre elas e outros tipos de ferramentas

Leia mais

Manual de instruções. Rampa de alinhamento

Manual de instruções. Rampa de alinhamento Manual de instruções Rampa de alinhamento Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo de máquinas para auto

Leia mais

SISTEMA HIDRAULICO PARA ELEVADORES CONFORTO TOTAL ACESSIBILIDADE TOTAL

SISTEMA HIDRAULICO PARA ELEVADORES CONFORTO TOTAL ACESSIBILIDADE TOTAL SISTEMA HIDRAULICO PARA ELEVADORES CONFORTO TOTAL ACESSIBILIDADE TOTAL Obrigado por escolher equipamentos FLUHYDRO SYSTEMS. Os sistemas óleo hidráulicos são hoje, as melhores, mais seguras e econômicas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico de Nível

Leia mais

ÍNDICE MANUTENÇÃO PREVENTIVA COMO PEDIR PEÇAS DE REPOSIÇÃO

ÍNDICE MANUTENÇÃO PREVENTIVA COMO PEDIR PEÇAS DE REPOSIÇÃO Este manual ajudará você a familiarizar-se com a sua Empilhadeira Manual BYG. Facilitará também, possíveis manutenções periódicas. Recomendamos uma atenção especial para utilização do equipamento, antes

Leia mais

www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892

www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892 www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892 Index - Anéis O rings - Gaxetas - Raspadores - Reparos - Retentores - Placas - Rolamentos para Bombas - Rotativos - Bombas - Peças Especiais - Dumax Comercial

Leia mais

Didática Bosch Rexroth

Didática Bosch Rexroth Didática Bosch Rexroth 2 Introdução A Divisão Service da Bosch Rexroth oferece ao mercado a sua linha didática. Sempre preocupada com a qualificação técnica do profissional brasileiro, oferece à indústria

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015

Plano de Trabalho Docente 2015 Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Industria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012

Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Industria Habilitação Profissional: INSTALAÇÕES ELETRICAS E REDES Qualificação

Leia mais

Operações Unitárias. Válvulas. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Operações Unitárias. Válvulas. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Operações Unitárias Válvulas Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Válvulas São dispositivos destinados a estabelecer, controlar e interromper o fluxo de fluidos nas tubulações. Há diversas formas

Leia mais

Manual para uso da Bancada de Testes Freios Farj ÍNDICE BANCADA DE TESTES PNEUMÁTICOS FREIOS FARJ... 03 1 REGULADOR DE PRESSÃO...

Manual para uso da Bancada de Testes Freios Farj ÍNDICE BANCADA DE TESTES PNEUMÁTICOS FREIOS FARJ... 03 1 REGULADOR DE PRESSÃO... 2 ÍNDICE BANCADA DE TESTES PNEUMÁTICOS FREIOS FARJ... 03 1 REGULADOR DE PRESSÃO... 04 2 VÁLVULA APU REGULADOR DE PRESSÃO E SECADOR... 08 3 APU VÁLVULA PROTETORA DE 4 CIRCUITOS... 13 4 VÁLVULA DE 04 CIRCUITOS...

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015

Plano de Trabalho Docente 2015 Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Industria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 01 Bombas São máquinas acionadas que recebem energia mecânica de uma fonte motora (máquina acionadora) e a transformam em energia cinética (movimento),

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

Blocos de segurança para Prensas tipo N e P

Blocos de segurança para Prensas tipo N e P 1 Blocos de segurança para Prensas tipo N e P Conteúdo Introdução Referências normativas Bloco tipo N Bloco tipo P Considerações finais 2 Introdução Prensas hidráulicas são máquinas responsáveis pela conformação,

Leia mais

27 Sistemas de vedação II

27 Sistemas de vedação II A U A UL LA Sistemas de vedação II Ao examinar uma válvula de retenção, um mecânico de manutenção percebeu que ela apresentava vazamento. Qual a causa desse vazamento? Ao verificar um selo mecânico de

Leia mais

O produto esta disponível em 4 modelos com tamanho nominal de 10 à 40, todos com aprovação do BG (Associação Alemã de segurança no Trabalho).

O produto esta disponível em 4 modelos com tamanho nominal de 10 à 40, todos com aprovação do BG (Associação Alemã de segurança no Trabalho). As Válvulas de segurança da GPA são a forma mais efetiva de proteger sua prensa freio embreagem contra mau funcionamento ou operação acidental derivada por falha da válvula. MEP-A é uma série de válvulas

Leia mais

Sensores e atuadores (continuação)

Sensores e atuadores (continuação) AULA 05: Sensores e atuadores (continuação) OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. A pirâmide de automação Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3:

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA

SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA 1 SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA Neste item apresentaremos o resumo dos símbolos usuais empregados em diagramas pneumáticos e hidráulicos. A Tabela 1 apresenta alguns símbolos para os atuadores, conforme a norma

Leia mais

IRMÃOS ZEN S.A IND. METALÚRGICA

IRMÃOS ZEN S.A IND. METALÚRGICA IRMÃOS ZEN S.A IND. METALÚRGICA Sumário 1. TENSIONADOR DE BORRACHA ZEN... 1 1.1. Partes do Tensionador... 1 1.2. Alocação na Bancada... 1 1.3. Melhorias na Bancada... 2 2. TANQUES DE COMBUSTÍVEL DE RETORNO...

Leia mais

Manual de reparo de. Sistemas de Embreagem. Caminhões e Ônibus

Manual de reparo de. Sistemas de Embreagem. Caminhões e Ônibus Manual de reparo de Sistemas de Embreagem Caminhões e Ônibus Ford Sistema de acionamento Porca Haste B Haste nova Folga excessiva Haste com desgaste Para veículos que possuem a haste do cilindro regulável,

Leia mais

Dobramento. e curvamento

Dobramento. e curvamento Dobramento e curvamento A UU L AL A Nesta aula você vai conhecer um pouco do processo pelo qual são produzidos objetos dobrados de aspecto cilíndrico, cônico ou em forma prismática a partir de chapas de

Leia mais

Compressores. Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores:

Compressores. Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores: Compressores Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores: Alternativos Rotativos de parafusos Rotativos Scroll Rotativos de palhetas

Leia mais

BIBLIOGRAFIA. José Novais, Método sequencial para automatização electro-pneumática, Fundação Calouste Gulbenkian Tecnologia Pneumática Industrial,

BIBLIOGRAFIA. José Novais, Método sequencial para automatização electro-pneumática, Fundação Calouste Gulbenkian Tecnologia Pneumática Industrial, AUTOMAÇÃO (M323) CAPÍTULO III Sistemas Pneumáticos 2013/2014 BIBLIOGRAFIA José Novais, Método sequencial para automatização electro-pneumática, Fundação Calouste Gulbenkian Tecnologia Pneumática Industrial,

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

Válvulas de Segurança 5/2 vias para o Comando de Cilindros Pneumáticos. 2012 ROSS South America Ltda

Válvulas de Segurança 5/2 vias para o Comando de Cilindros Pneumáticos. 2012 ROSS South America Ltda Válvulas de Segurança 5/2 vias para o Comando de Cilindros Pneumáticos Prensa Pneumática Comandada por Válvula Convencional 5/2 vias Simples Solenóide Escape Área de pilotagem conectada à atmosfera através

Leia mais

Automação Industrial AULA 02: Simbologias. Apresentar e trabalhar os símbolos mais utilizados nos projetos de automação. OBJETIVO:

Automação Industrial AULA 02: Simbologias. Apresentar e trabalhar os símbolos mais utilizados nos projetos de automação. OBJETIVO: AULA 02: Simbologias OBJETIVO: Apresentar e trabalhar os símbolos mais utilizados nos projetos de automação. Contextualização: Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3: Nível 2: Nível 4: Gerenciamento

Leia mais

1 Sistema Pneumático. Instrução Técnica Instrucción Técnica Technical Instruction

1 Sistema Pneumático. Instrução Técnica Instrucción Técnica Technical Instruction 1 Sistema Pneumático 1 1.1 SISTEMA PNEUMÁTICO O sistema pneumático da Irizar está baseado no conceito de bloco de distribuição. Isto significa que todos os componentes pneumáticos estão concentrados em

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos thinkmotion Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos Os analisadores médicos são elementos fundamentais do setor de diagnósticos médicos. São ferramentas versáteis

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais