COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)"

Transcrição

1 COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES FAIXAS MAIS USADAS ÁRA SELEÇÃO DOS COMPRESSORES. CENTRÍFUGOS: ENTRE E FT 3 /MIN (CFM) PRESSÃO ATÉ PSIG ALTERNATIVOS: ATÉ CFM PRESSÃO ATÉ PSIG ROTATIVOS DE DESLOCAMENTO POSITIVO: ATÉ CFM PRESSÃO ATÉ 400 PSIG BLOWERS CENTRÍFUGOS: ENTRE 800 E CFM -VANTAGENS: COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617) a) MESMO COM ALTAS VAZÕES, JÁ TRAZEM ECONOMIA UMA VEZ QUE PODE BASTAR SÓ UMA UNIDADE. b) OFERECE UMA VARIAÇÃO DE FLUXO RELATIVAMENTE AMPLA COM PEQUENA MUDANÇA DE HEAD (H). c) PERMITE LONGOS INTERVALOS ENTRE MANUTENÇÕES. d) OCUPAM MENOS ESPAÇO QUANDO COMPARADO COM OUTROS TIPOS. e) HAVENDO DISPONIBILIDADE DE VAPOR GERADO NO PROCESSO OU PARA O PROCESSO, PODE SER ACIONADO DIRETAMENTE POR TURBINA A VAPOR. f) OFERECE FLUXO CONTÍNUO SEM PULSAÇÃO OU VIBRAÇÕES.

2 - DESVANTAGENS: a) SÃO SENSÍVEIS AO PESO MOLECULAR DO GÁS QUE ESTÁ SENDO COMPRIMIDO. MUDANÇAS NO PESO MOLECULAR PODEM CAUSAR PRESÕES DE DESCARGA MUITO ALTAS OU MUITO BAIXAS, UMA VEZ QUE O HEAD (H) É CONSTANTE, MAS A PRESSÃO E O PESO ESPECÍFICO DO GÁS VARIAM COM O PESO MOLECULAR. b) SÃO NECESSÁRIAS VELOCIDADES MUITO ALTAS PARA ATINGIR AS PRESSÕES. COM A TENDÊNCIA DE REDUZIR TAMANHO E AUMENTAR CAPACIDADES, O CUIDADO DEVE SER MUITO MAIOR COM BALANCEAMENTO DE ROTORES E NA SELEÇÃO DE MATERIAIS MUITO ESPECIAIS PARA ALGUNS COMPONENTES. c) PEQUENOS AUMENTOS NA PERDA DE CARGA DO SISTEMA (CURVA DO SISTEMA) PODEM CAUSAR GRANDES REDUÇÕES DE CAPACIDADE DO COMPRESSOR. d) OS SISTEMAS DE LUBRIFICAÇÃO E SELAGEM NECESSÁRIOS SÃO MUITO COMPLEXOS. COMPRESSORES DE FLUXO AXIAL É UM TIPO DE COMPRESSOR DINÂMICO EM QUE O FLUXO É PARALELO AO EIXO DO COMPRESSOR E NÃO MUDA DE DIREÇÃO COMO NOS COMPRESSORES CENTRÍFUGOS DE FLUXO RADIAL. USA-SE COMO JÁ VIMOS OS COMPRESSORES AXIAIS PARA FLUXOS MAIORES QUE OS DOS COMPRESSORES CENTRÍFUGOS. COMPARAÇÃO COM OS CENTRÍFUGOS: AXIAIS: VAZÕES MAIORES ENTRE 20 MIL E 400 MIL (ICFM). HEAD POR ESTÁGIO <50% DO CENTRÍFUGO, MAS PODEM SER FABRICADOS COM MUITOS ESTÁGIOS EM SÉRIE.

3 SUBIDA DE PRESSÃO DE 65PSIG EM 12 ESTÁGIOS EM SÉRIE OU ATÉ 100PSIG COM 15 ESTÁGIOS, NO CASO DE COMPRESSORES DE AR DE TURBINAS A GÁS. SÃO USADOS TAMBÉM EM TURBINAS A GÁS DOS AVIÕES. SÃO USADOS EM UNIDADES DE PROCESSO PARA FLUXOS ACIMA DE 75 MIL OU 100 MIL ICFM. TEM MAIOR EFICIÊNCIA QUE OS MULTIESTÁGIO CENTRÍFUGOS. PREÇO MAIOR QUE OS CENTRÍFUGOS. CURVA CARACTERÍSTICA MAIS STEEP (ABISMO) DEVIDO A CARACTERÍSTICA DO ROTOR E O MÍNIMO DE ESTÁGIOS. RANGE DE ESTABILIDADE MUITO ESTREITO. TEM-SE GERALMENTE MENOS INFORMAÇÃO PARA SELEÇÃO PRELIMINAR QUE OS CENTRÍFUGOS. CENTRÍFUGOS: HEAD POR ESTÁGIO MAIS DE 2 VEZES QUE O DOS AXIAS. TEM MENOR EFICIÊNCIA QUE OS MULTIESTÁGIO AXIAIS. PREÇO MENOR QUE OS AXIAIS. CURVA CARACTERÍSTICA MENOS STEEP E MAIS FLAT. COMPRESSORES DE DESLOCAMENTO POSITIVO AO CONTRÁRIO DOS COMPRESSORES CENTRÍFUGOS, SÃO BASICAMENTE DE CAPACIDADE CONSTANTE, MESMO TENDO QUE OPERAR A DIFERENTES PRESSSÕES DE DESCARGA.

4 COMPRESSORES ALTERNATIVOS SÃO USADOS QUANDO A CAPACIDADE REQUERIDA NÃO PASSA DE 3000 ICFM. PARA CAPACIDADES MAIORES, EM UNIDADES DE PROCESSO OS COMPRESSORES CENTRÍFUGOS SÃO PREFERIDOS. USA-SE PARA: ALTAS PRESSÕES E RELATIVAMENTE BAIXOS FLUXOS EM VOLUME. ATÉ 100 HP PODEM TER CILINDROS DE SIMPLES AÇÃO E RESFRIADOS A AR. GRANDES COMPRESSORES DE AR OU DE GÁS REQUER DOIS OU MAIS CILINDROS. COMPRESSORES ALTERNATIVOS (NORMA API-618) PODEM SER LUBRIFICADOS E NÃO LUBRIFICADOS. SÃO MELHOR ADEQUEDOS PARA BAIXAS VELOCIDADES, ACIONADOS A MOTORES ACIMA DE 300HP. NORMALMENTE TEM VELOCIDADE CONSTANTE E O CONTROLE DE CAPACIDADE É FEITO POR ALÍVIO NAS VÁLVULAS. ESTE CONTROLE UNLOADING VALVES PODE SER AUTOMÁTICO OU MANUAL. NORMALMENTE AS ETAPAS SÃO: 0-100%, %, %. AS TEMPERATURAS DE DESCARGA PARA MÁQUINAS NÃO LUBRIFICADAS DEVEM SER NO MÁXIMO 177ºC. PARA COMPRESSORES LUBRIFICADOS A MÁXIMA TEMPERATURA DE DESCARGA DEVE SER 149ºC. USANDO LUBRIFICANTES SINTÉTICOS PODE CHEGAR A 177ºC.

5 PARA COMPRESSORES DE O 2 NÃO LUBRIFICADOS A TEMPERATURA DE DESGARGA DEVE SER LIMITADA A 149ºC. PARA COMPRESSORES DE CLORO NÃO LUBRIFICADOS A TEMPERATURA DE DESCARGA DEVE SER LIMITADA A 107ºC, PARA PREVENIR FOULING. A VELOCIDADE MÉDIA DOS PISTÕES DEVE SER NO MÁXIMO: COMPRESSORES NÃO LUBRIFICADOS = 700 PÉS/MIN COMPRESSORES LUBRIFICADOS = 850 PÉS/MIN A ROTAÇÃO DO EIXO PARA GRANDES COMPRESSORES ( HEAVY-DUTY ) DEVE SER LIMITADA A 600 RPM E ATÉ MENORES PARA POTÊNCIAS ACIMA DE 400HP. COMPRESSORES ROTATIVOS SEJAM COMPRESSORES SOPRADORES OU BOMBAS DE VÁCUO, SÃO TODOS MÁQUINAS DE DESLOCAMENTO POSITIVO, NAS QUAIS UM ELEMENTO ROTATIVO DESLOCA UM VOLUME FIXO, DURANTE CADA ROTAÇÃO. TIPOS BÁSICOS: A) O MAIS ANTIGO É O DE LÓBULOS E É MAIS AMPLAMENTE CONHECIDO. CAPACIDADE VAI DE 50 ICFM A ICFM. SÃO USADAS EM PRIMEIRO LUGAR COMO SOPRADORES (BAIXA PRESSÃO) COMPRIMINDO AR OU GASES DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA PARA 5 Á 7 PSIG OU ATÉ MAIS DE 25 PSIG PARA TIPOS ESPECIAIS. TEM AMPLA APLICAÇÃO COMO BOMBAS DE VÁCUO DE PRESSÃO ABAIXO DA ATMOSFÉRICA ATÉ PRESSÕES LIGEIRAMENTE ACIMA DA ATMOSFÉRICA.

6 C) O DE PARAFUSO: É MODERADAMENTE POPULAR (NORMA API 619). NOS ÚLTIMOS ANOS TEM SIDO CAPAZES DE ALTAS PRESSÕES E GRANDES CAPACIDADES. RANGE DE CAPACIDADE: MODELOS COM ÓLEO-RESFRIADO DE 50 A 3500 ICFM MODELOS SECOS DE 50 A ICFM ROTAÇÕES DE A RPM RANGE DE PRESSÃO DE DESCARGA: 3 A 600 PSIG. D) ANEL LÍQUIDO: USO EM LÍQUIDO DE SELAGEM. COM O GIRO DO ROTOR A FORÇA CENTRÍFUGA FAZ DO LÍQUIDO UM ANEL DE SELAGEM E O GÁS QUE ENTRA TEM SEU VOLUME REDUZIDO E HÁ, PORTANTO, AUMENTO DA PRESSÃO. A MAIOR APLICAÇÃO É COMO BOMBA DE VÁCUO PARA PRESSÕES ABSOLUTAS DE 75 A 100 MILÍMETROS DE HG. CAPACIDADES VÃO DE 10 ICFM ATÉ ICFM PRESÕES ATÉ 25 PSIG COMO BLOWERS E ATÉ 100 PSIG COMO COMPRESSOR DE AR. USA-SE PARA CLORO, GÁS ÁCIDO, H 2 S E CO 2. HÁ MODELOS EM AÇO INOX. COMPRESSORES ROTATIVOS DE DESLOCAMENTO POSITIVO SOPRADORES DE LÓBULOS (TIPO ROOTES) COMPRESSOR DE PARAFUSO (NORMA API 619) COMPRESSOR DE SELO LÍQUIDO COMPRESSOR DE ÊMBOLO ROTATIVO COMPRESSOR DE PALHETAS

7 TODOS ESTES COMPRESSORES TÊM O MESMO COMPORTAMENTO (CURVA DE DESEMPENHO) QUE OS COMPRESSORES ALTERNATIVOS, OU SEJA: SÃO MÁQUINAS DE CAPACIDADE FIXA, OPERANDO COM A PRESSÃO QUE FOR NECESSÁRIA PARA VENCER A CONTRA-PRESSÃO. DIFERENTEMENTE DOS COMPRESSORES ALTERNATIVOS SÃO ADAPTÁVEIS A ACIONADORES DE VELOCIDADE VARIÁVEL, INCLUSIVE TURBINA A VAPOR. NORMALMENTE SUAS CAPACIDADES MÁXIMAS SÃO DE CERCA DE CFM. ISTO SE APLICA A COMPRESSORES DE PARAFUSO E DE LÓBULOS, QUE SÃO OS TIPOS MAIS COMUNS DE COMPRESSORES DE DESLOCAMENTO POSITIVO USADOS NAS UNIDADES DE PROCESSO. - OUTRAS VANTAGENS: O GÁS FICA LIVRE DE ÓLEO. NÃO APRESENTA FLUXO COM PULSAÇÃO. TEM MAIORES CAPACIDADES QUE OS COMPRESSORES ALTERNATIVOS. - CARACTERÍSTICAS A CONSIDERAR: COMO SÃO MÁQUINAS DE DESLOCAMENTO POSITIVO, DEVEM TER VÁLVULA DE ALÍVIO ENTRE O COMPRESSOR E O PRIMEIRO BLOQUEIO. OS COMPRESSORES DE LÓBULOS (TIPO ROOTES) TEM BAIXO DIFERENCIAL DE PRESSÃO NORMALMENTE LIMITADO A 15 PSIG. PARA UM DADO COMPRESSOR: - VELOCIDADES BAIXAS CAUSAM MAIORES RECIRCULAÇÕES INTERNAS.

8 - SE A VELOCIADE FOR MUITO BAIXA PODE APARECER SOBRE- AQUECIMENTO, QUE PODE TRAZER PROBLEMAS AOS ROTORES. - O FABRICANTE DEVE ESTIPULAR QUAL A MÍNIMA VELOCIDADE DE OPERAÇÃO. SE A TEMPERATURA DE DESCARGA DOS COMPRESSORES DE PARAFUSO EXCEDER A 177ºC DEVE SER ESPECIFICADO ROTORES RESFRIADOS A ÓLEO. A PRIMEIRA VELOCIDADE CRÍTICA DESSES COMPRESSORES SÃO NORMALMENTE ACIMA DA VELOCIDADE DE OPERAÇÃO. ESTA VELOCIDADE CRÍTICA DEVE SER ESTABELECIDA PARA O COMPRESSOR E O ACIONADOR, E DEVE SER PELO MENOS 20% ACIMA DA VELOCIDADE DE OPERAÇÃO E ACIMA DA VELOCIDADE DE TRIP SE O ACIONADOR FOR TURBINA. VENTILADORES E SOPRADORES OS VENTILADORES E SOPRADORES SÃO USADOS PARA INSUFLAR OU EVACUAR AR OU OUTROS GASES, NAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO EM VÁRIAS APLICAÇÕES: REATORES DE PROCESSO SECADORES TORRES DE RESFRIAMENTO AR E GASES DE COMBUSTÃO EM FORNALHAS TRANSPORTE PNEUMÁTICO VENTILAÇÃO PARA SEGURANÇA E HIGIENE INDUSTRIAL RESFRIADORES A AR (TROCADORES DE CALOR), ETC. HOJE DEMANDA-SE DOS FABRICANTES, MAIORES PRESSÕES DE DESCARGA, O QUE RESULTA EM MAIORES VELOCIDADES. POR OUTRO LADO DESEJA-SE CADA VEZ MENORES OS NÍVEIS DE RUIDO.

9 OS VENTILADORES SÃO NORMALMENTE MÁQUINAS AXIAIS OU MÁQUINAS CENTRÍFUGAS. AS MÁQUINAS AXIAIS SÃO USADAS PARA ALTAS VAZÕES E PEQUENAS RESISTÊNCIAS (BAIXOS HEADS) AS MÁQUINAS CENTRÍFUGAS SÃO PRECISAM DE HEADS MAIORES. USADAS EM TRABALHOS QUE OS SOPRADORES SÃO GERALMENTE DE UM SÓ ESTÁGIO E ALTA VELOCIDADE OU MULTI-ESTÁGIO, OPERANDO A PRESSÕES DE DESCARGA PRÓXIMAS OU JÁ NO RANGE DOS COMPRESSORES. OS SOPRADORES PODEM TAMBÉM SER MÁQUINAS ROTATIVAS DE DESLOCAMENTO POSITIVO, PODENDO TRANSPORTAR FLUXOS RELATIVAMENTE BAIXOS A ALTAS TAXAS DE COMPRESSÃO. VENTILADORES AXIAIS PODEM SER DOS TIPOS: TUBE AXIAL-FAN - A DESCARGA SEGUE UM CAMINHO ESPIRAL VANE AXIAL-FAN - A DESCARGA FLUE EM LINHA RETA. OPERAM COM PRESSÕES DE ATÉ 20 POLEGADAS DE ÁGUA. PODEM SER DOS TIPOS: LÂMINA RADIAL VENTILADORES CENTRÍFUGOS É UM TIPO DE ROTOR QUE ATUA BEM EM MUITAS APLICAÇÕES, DESDE O TRANSPORTE PNEUMÁTICO À EXAUSTÃO DE AR OU GASES EM SISTEMAS DE MAIOR PERDA DE CARGA.

10 QUANDO GRANDES POTÊNCIAS SÃO REQUERIDAS, É FREQUENTE SE USAR MOTORES DE VELOCIDADE SÍNCRONA. PODEM DESENVOLVER ALTAS PRESSÕES A ALTAS VELOCIDADES. NORMALMENTE NÃO SE USA PARA VENTILAÇÃO. LÂMINA CURVADA PARA FRENTE TEM GRANDE CAPACIDADE VOLUMÉTRICA A BAIXAS VELOCIDADES (VENTILADORES PARA AR CONDICIONADO, ETC.) E OPERA CALMO E SERENO. LÂMINA CURVADA PARA TRÁS OU INCLINADA PARA TRÁS TRANSFERE MUITO DE SUA ENERGIA COMO ENERGIA DE PRESSÃO. ISTO OS FAZ EFICIENTES VENTILADORES. PODEM OPERAR A MÉDIAS VELOCIDADES PEQUENAS VARIAÇÕES NO VOLUME DO SISTEMA GERALMENTE RESULTA EM PEQUENAS VARIAÇÕES DA PRESSÃO DO GÁS, O QUE FAZ COM QUE ESSE TIPO DE VENTILADOR SER DE FÁCIL CONTROLE. AIRFOIL SÃO ROTORES COM PÁS VIRADAS PARA TRÁS QUE DÃO UM EFEITO DE ESTABILIDADE, EFICIÊNCIA E DESEMPENHO OPERAM SUAVEMENTE SEM PULSAR DENTRO DO SEU RANGE, PORQUE O GÁS FLUE PELO ROTOR SEM TURBULÊNCIA. TUBULAR SÃO FECHADOS DENTRO DE UM DUTO, TAL QUE O GÁS ENTRA E SAI AXIALMENTE, E TODAS AS MUDANÇAS DE DIREÇÃO DE FLUXO SÃO DENTRO DO VENTILADOR. ESTE PROJETO PRODUZ UMA ABRUPTA ELEVAÇÃO DE PRESSÃO E AMPLO RANGE DE VAZÃO.

11 SÃO ADEQUADOS PARA PRÉDIOS E SISTEMAS DE AR CONDICIONADO, PARA SUPRIR AR DE COMBUSTÃO, RESFRIAMENTO DE MOTORES, PARA SECADORES, ETC. VENTILADORES CENTRÍFUGOS E AXIAIS AMBOS SÃO DISPONIVEIS PARA VAZÕES DE ATÉ CFM. OS CENTRÍFUGOS SÃO MAIS USADOS NAS APLICAÇÕES DE PROCESSO EM GERAL. CARACTERÍSTICAS DOS VENTILADORES CENTRÍFUGOS EM GERAL SÃO MAIS FÁCEIS DE CONTROLAR. TEM CONSTRUÇÃO MAIS ROBUSTA. FAZEM MENOS RUIDO QUE OS AXIAIS. SUA EFICIÊNCIA NÃO CAI TÃO RAPIDAMENTE QUANDO SAI DAS CONDIÇÕES DE PROJETO. SÃO MENOS AFETADOS POR JOELHO NA ENTRADA DO QUE OS VANE- AXIAL-FAN, MAS PERDEM ATÉ 15% DE EFICIÊNCIA. SÂO MECANICAMENTE MAIS COMPLEXOS. REQUEREM EIXOS E MANCAIS MAIORES, ALÉM DE UM BALANCEAMENTO MAIS RIGOROSO. REQUEREM INSTALAÇÃO EM ÂNGULO DE 90 COM O DUTO. LÂMINAS INCLINADAS PARA TRÁS SÃO MAIS EFICIENTES DO QUE OS DE LÂMINAS RADIAIS OU DE LÂMINAS CURVADAS PARA FRENTE. PRESSÃO DE DESCARGA ATÉ 60 POLEGADAS DE ÁGUA. CARACTERÍSTICAS DOS VENTILADORES AXIAIS OCUPAM MENOS ESPAÇO. OPERAM A MAIOR ROTAÇÃO E PORTANTO PRODUZEM MAIS RUIDO O CUSTO INICIAL DO CONJUNTO VENTILADOR-MOTOR É MENOR

12 PODEM SER INSTALADOS EM LINHA RETA COM O DUTO E SÃO MAIS FÁCEIS DE INSTALAR. REQUEREM MAIS POTÊNCIA PARA O MESMO SERVIÇO. OS VANE-AXIAL-FAN SÃO MAIS EFICIENTES QUE OS TUBE-AXIAL-FAN. PRESSÃO POR ESTÁGIO 8 A 9 POLEGADAS DE ÁGUA. SÃO MENOS INDICADOS QUANDO ESPERA-SE VARIAÕES DE FLUXO. VALORES DE EFICIÊNCIA DE VENTILADORES CENTRÍFUGOS DE LÂMINA RADIAL 55 A 70% CENTRÍFUGOS DE LÂMINA CURVADA P/FRENTE 52 A 71% CENTRÍFUGOS AIRFOIL 55 A 86% VANE-AXIAL-FAN 50 A 65%

3.1 CONTEUDO PROGRAMÁTICO:

3.1 CONTEUDO PROGRAMÁTICO: 3 COMPRESSORES, VENTILADORES E SOPRADORES 3.1 CONTEUDO PROGRAMÁTICO: 1. VISÃO GERAL E CONCEITOS ELEMENTARES 2. TIPOS DE COMPRESSORES, SUAS APLICAÇÕES E SELEÇÃO 3. TIPOS DE COMPRESSORES E SEUS PRINCÍPIOS.

Leia mais

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial Tópicos da Aula Complementar - Ventiladores; - Ventiladores Axiais; - Ventiladores Centrífugos; - Dados necessários para a seleção correta de um ventilador; - Modelos e Aspectos Gerais de Ventiladores.

Leia mais

Compressor Parafuso. Principais tipos: Parafuso simples. Parafuso duplo (mais empregado)

Compressor Parafuso. Principais tipos: Parafuso simples. Parafuso duplo (mais empregado) Principais tipos: Parafuso simples Parafuso duplo (mais empregado) Vantagens em relação aos alternativos: Menor tamanho Número inferior de partes móveis Desvantagens em relação aos alternativos: Menor

Leia mais

Compressores. Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores:

Compressores. Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores: Compressores Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores: Alternativos Rotativos de parafusos Rotativos Scroll Rotativos de palhetas

Leia mais

COMPRESSORES PARAFUSO

COMPRESSORES PARAFUSO COMPRESSORES PARAFUSO PARTE 1 Tradução e adaptação da Engenharia de Aplicação da Divisão de Contratos YORK REFRIGERAÇÃO. Introdução Os compressores parafuso são hoje largamente usados em refrigeração industrial

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo III Aula 02 1. Introdução O ar comprimido é um fluido limpo e que se encontra facilmente e pode ser usado como uma fonte de energia de diferentes

Leia mais

EQUIPAMENTOS ROTATIVOS

EQUIPAMENTOS ROTATIVOS 1 INTRODUÇÃO EQUIPAMENTOS ROTATIVOS O objetivo da presente apostila é prestar informações mínimas, a nível técnico, sobre os principais equipamentos rotativos utilizados na indústria de petróleo e petroquímica.

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 01 Bombas São máquinas acionadas que recebem energia mecânica de uma fonte motora (máquina acionadora) e a transformam em energia cinética (movimento),

Leia mais

Gas-Lift - Vantagens

Gas-Lift - Vantagens Gas-Lift - Vantagens Método relativamente simples para operar O equipamento necessário é relativamente barato e é flexível Podem ser produzidos baixos ou altos volumes É efetivo sob condições adversas

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores

Leia mais

COMPRESSORES DE AR ENERGIA NA FORMA DE PRESSÃO ENERGIA NA FORMA DE PRESSÃO OBJETIVOS DO AR COMPRIMIDO 06/04/2011 FUGAS DE AR COMPRIMIDO E SEU CUSTO

COMPRESSORES DE AR ENERGIA NA FORMA DE PRESSÃO ENERGIA NA FORMA DE PRESSÃO OBJETIVOS DO AR COMPRIMIDO 06/04/2011 FUGAS DE AR COMPRIMIDO E SEU CUSTO ENERGIA NA FORMA DE PRESSÃO COMPRESSORES DE AR Transformação de energia elétrica em pressão; resulta da compressão do ar ambiente; Segunda energia na indústria transformadora; Mais cara cerca de 7 a 10

Leia mais

de pneumática Fuussshhhhhhh... era o característico som de A importância da pneumática

de pneumática Fuussshhhhhhh... era o característico som de A importância da pneumática A UU L AL A Noções básicas de pneumática Fuussshhhhhhh... era o característico som de vazamento de ar que o experiente ouvido de Gelásio captava. Seus olhos procuraram a fonte do vazamento na linha do

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 17 Bombas Hidráulicas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 17 Bombas Hidráulicas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 17 Bombas Hidráulicas Tópicos Abordados Nesta Aula Características das Bombas Hidráulicas. Definição São Máquinas Hidráulicas Operatrizes, isto é, máquinas que recebem energia potencial (força motriz

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Capítulo 4 Compressores Parte 1

Capítulo 4 Compressores Parte 1 Refrigeração Capítulo 4 Pág. 1 Capítulo 4 Compressores Parte 1 4.1. Introdução O compressor é um dos quatro componentes principais de um sistema de refrigeração por compressão mecânica de vapor. O compressor

Leia mais

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010 Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) /05/00 SOLUÇÃO DO EXERCÍCIO PROPOSTO CONSIDERANDO A CCI OBTIDA PARA O f CONSTANTE, ESCREVA SUA EQUAÇÃO QUE IRÁ OPERAR COM A

Leia mais

Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho

Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ESPECIALIZAÇÃO em ENGENHARIA de SEGURANÇA do TRABALHO Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho (6ª Aula) Prof. Alex Maurício Araújo Recife - 2009 Ventiladores

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

Noções de Compressores

Noções de Compressores Noções de Compressores 1 1. Estudo dos Gases 2 Estados da Matéria Características próprias: volume, densidade e forma. Pressão e Temperatura 3 Gases Não possuem nem forma definida nem volume próprio. Volume

Leia mais

4 pólos (n = 1800 rpm) 8 pólos (n = 900 rpm) 1,5 2,2 3,0 3,7 4,4 5,5 7,5 9,2 11,0 15,0 18,5 22,0 30,0 37,0 45,0 55,0 75,0 92,0 110,0

4 pólos (n = 1800 rpm) 8 pólos (n = 900 rpm) 1,5 2,2 3,0 3,7 4,4 5,5 7,5 9,2 11,0 15,0 18,5 22,0 30,0 37,0 45,0 55,0 75,0 92,0 110,0 VULBRAFLEX VB GENERALIDADES O VULBRAFLEX é um acoplamento flexível e torcionalmente elástico. Sua flexibilidade permite desalinhamentos radiais, axiais e angulares entre os eixos acoplados e ainda, sendo

Leia mais

Turbocompressores Holset

Turbocompressores Holset Turbocompressores Holset ...Só pode ser Holset Turbocompressores Holset Os turbocompressores Holset são sinônimos de excelência em turbomáquinas e em manipulação de ar em todo o mundo. Projetados e fabricados

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

BOMBAS E COMPRESSORES

BOMBAS E COMPRESSORES IPRJ 02-10669 BOMBAS E COMPRESSORES www.liviajatoba.com/iprj02-10669 Professora Livia Jatobá liviajatoba@iprj.uerj.br 1 /23 SOBRE A DISCIPLINA Eletiva restrita com ênfase em Termofluidodinâmica. Eletiva

Leia mais

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO !" AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO 1- INTRODUÇÃO O transporte de água (ADUÇÃO) pode ser realizado das seguintes formas: a) Por GRAVIDADE Utilizando Conduto Livre (Canal) b) Por GRAVIDADE Utilizando

Leia mais

Automação Pneumática

Automação Pneumática Automação Pneumática Prof. Carlos Alberto G. Pegollo Engenharias Elétrica, Mecânica, de Produção e da Computação 1. Origem do Termo A palavra pneumática deriva do termo grego πνευµατικός (pneumatikos =

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

Como mostra a tabela abaixo, quanto mais frio o ar, menor será o conteúdo de água, sob a forma de vapor.

Como mostra a tabela abaixo, quanto mais frio o ar, menor será o conteúdo de água, sob a forma de vapor. O AR ATMOSFÉRICO 1 - Composição O ar puro e seco é incolor, sem gosto e sem cheiro. É formado por uma mistura de gases na seguinte proporção (aproximada) Nitrogênio = 78 % Oxigênio = 21 % Outros gases

Leia mais

- Quanto a entrada de aspiração a Simples aspiração entrada somente de um lado b Dupla aspiração entrada dos dois lados

- Quanto a entrada de aspiração a Simples aspiração entrada somente de um lado b Dupla aspiração entrada dos dois lados Ventiladores Ventiladores são máquinas de fluxo, que movimentam os gases produzindo trabalho para seu deslocamento. Esse trabalho é transferido em forma de energia cinética e potencial, fazendo movimentar-se

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

COMPRESSORES. Ruy Alexandre Generoso

COMPRESSORES. Ruy Alexandre Generoso COMPRESSORES Ruy Alexandre Generoso É o componente básico de qualquer sistema pneumático. O ar é comprimido em um sistema pneumático, de forma que possa ser usado para puxar, empurrar, realizar trabalho

Leia mais

Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO. Série GXG-S Série GSG-S

Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO. Série GXG-S Série GSG-S Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO Série GXG-S Série GSG-S Chiller Centrífugo Novas Séries GXG-S e GSG-S A nova série de Chiller Centrífugo de Alta Eficiência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 4 - ESTAÇÕES DE RECALQUE: BOMBAS 4.1 Introdução No estudo das máquinas

Leia mais

Secador de Ar por Refrigeração CPX. Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você!

Secador de Ar por Refrigeração CPX. Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você! Secador de Ar por Refrigeração CPX 2011 Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você! Secador de Ar CPX 2. Condensados O ar comprimido produzido pelos compressores contém vapor de água que poderá

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Nem sempre as unidades geradoras

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação CURSO

Leia mais

www.imbil.com.br 1 1

www.imbil.com.br 1 1 www.imbil.com.br 1 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha BP de nossa fabricação. Nele constam informações técnicas de construção, e curvas características de cada

Leia mais

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS NAS INSPEÇÕES DE CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS ATÉ RECENTEMENTE NÃO ERA DADA A DEVIDA ATENÇÃO AO COMPRESSOR - TIPO - LOCAL

Leia mais

w w w. h e n f e l. c o m. b r HIDROVARIADOR

w w w. h e n f e l. c o m. b r HIDROVARIADOR w w w. h e n f e l. c o m. b r HIDROVARIADOR CH-0509-BR Introdução Fundada em 1981, a HENFEL Indústria Metalúrgica Ltda. é uma tradicional empresa do setor mecânico / metalúrgico, fornecedora de Caixas

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Motores alternativos de combustão interna. Parte 1

Motores alternativos de combustão interna. Parte 1 Motores alternativos de combustão interna Parte 1 Introdução Sistemas de potência utilizando gás: Turbinas a gás Motores alternativos (ICE, ICO) Ciclos a gás modelam estes sist. Embora não trabalhem realmente

Leia mais

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo.

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo. AR COMPRIMIDO Nos diversos processos industriais, os sistemas de ar comprimido desempenham papel fundamental na produção e representam parcela expressiva do consumo energético da instalação. Entretanto,

Leia mais

VENTILADOR INDUSTRIAL

VENTILADOR INDUSTRIAL VENTILADOR INDUSTRIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES INDUSTRIAIS Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: E L D I 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

Compressor Parafuso. Série V. alto desempenho. www.mayekawa.com.br

Compressor Parafuso. Série V. alto desempenho. www.mayekawa.com.br Parafuso Confiabilidade e alto desempenho www.mayekawa.com.br COMPRESSOR PARAFUSO Parafuso Os es Parafuso MYCOM possuem características excepcionais. Estas proporcionam máxima efi ciência, fácil operação

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM...

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM... Motores H-Compact COMPACTO, REFRIGERAÇÃO EFICIENTE A importância crescente da economia de energia, dos requerimentos ambientais, da procura por dimensões menores e das imposições dos mercados nacionais

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação A U A UL LA Lubrificação III Introdução Após a visita de um vendedor de lubrificante ao setor de manutenção de uma indústria, o pessoal da empresa constatou que ainda não conhecia todos os dispositivos

Leia mais

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna Sistema de Arrefecimento dos Motores Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna SISTEMA DE ARREFECIMENTO O sistema de arrefecimento é um conjunto de dispositivos eletromecânicos Tem como função

Leia mais

Compressores. www.iesa.com.br 2

Compressores. www.iesa.com.br 2 www.iesa.com.br 1 Compressores A pneumática utiliza o ar como fonte de energia para o acionamento de seus automatismos. Esse ar necessita de determinadas condições apropriadas para sua utilização. São

Leia mais

ESCOLA SENAI GERALDO ALCKMIN CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA

ESCOLA SENAI GERALDO ALCKMIN CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA ESCOLA SENAI GERALDO ALCKMIN CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA TIPOS DE COMPRESSORES, PRINCÍPIOS CONSTRUTIVOS, FUNCIONAIS E SUAS APLICAÇÕES por LUCAS DE MACEDO PACHECO Aluno do 3º Semestre do Curso Técnico

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

Transmissão de Movimento

Transmissão de Movimento Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Transmissão de Movimento 1. Introdução A transmissão

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

5 Estações elevatórias (EE)

5 Estações elevatórias (EE) 5 Estações elevatórias (EE) Esgotamento por gravidade mais econômico Estudo prévio comparativo outras soluções Todavia, são necessárias EE nos casos de: Terrenos planos e extensos Esgotamento de áreas

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Áreas de oportunidade para melhorar a eficiência na distribuição de frio Isolamento das tubulações

Leia mais

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Pneumática 1

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Pneumática 1 Sistemas Pneumáticos UNIFEI EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Pneumática 1 Aula 8 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Gerador: compressores (êmbolo, palhetas, pistões, parafusos etc.); Distribuidor:

Leia mais

VÁLVULAS. Válvulas de Regulagem São destinadas especificamente para controlar o fluxo, podendo por isso trabalhar em qualquer posição de fechamento.

VÁLVULAS. Válvulas de Regulagem São destinadas especificamente para controlar o fluxo, podendo por isso trabalhar em qualquer posição de fechamento. VÁLVULAS São dispositivos destinados a estabelecer, controlar e interromper o fluxo em uma tubulação. São acessórios muito importantes nos sistemas de condução, e por isso devem merecer o maior cuidado

Leia mais

Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas. para trás (Limit Load)

Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas. para trás (Limit Load) Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas para trás (Limit Load) Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 065-0 Fazendinha Santana do Parnaíba SP 1 Índice 1- Fundamentos 3 2- Curvas características

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

BOOSTER BOOSTER? Benefícios e vantagens PORQUE COMPRAR UM

BOOSTER BOOSTER? Benefícios e vantagens PORQUE COMPRAR UM Linha BOOSTER Agilidade, confiabilidade e eficiência BOOSTER Os compressores Schulz modelo SB, possuem como função principal elevar a pressão da rede de baixa pressão para até 40 bar (580 psi). Benefícios

Leia mais

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos e flexíveis, e hidrovariadores de velocidade, produtos destinados a atender os mais

Leia mais

SÉRIE LEONARDO KAT COMPRESSOR PARAFUSO TRANSMISSÃO DIRETA ISENTO DE OLEO COM CATALISADOR. Capacidade de 9 a 75 kw Pressão de 8 a 10 bar

SÉRIE LEONARDO KAT COMPRESSOR PARAFUSO TRANSMISSÃO DIRETA ISENTO DE OLEO COM CATALISADOR. Capacidade de 9 a 75 kw Pressão de 8 a 10 bar COMPRESSOR PARAFUSO TRANSMISSÃO DIRETA ISENTO DE OLEO COM CATALISADOR Capacidade de 9 a 75 kw Pressão de 8 a 10 bar Compressor parafuso-transmissão direta-isento de oleo com catalisador- resfriado a ar

Leia mais

Índice. TERMODIN Componentes Termodinâmicos Ltda. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 06530-020 Fazendinha Santana do Parnaíba SP Fone/Fax: (11) 4156-3455 2

Índice. TERMODIN Componentes Termodinâmicos Ltda. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 06530-020 Fazendinha Santana do Parnaíba SP Fone/Fax: (11) 4156-3455 2 Catálogo geral de ventiladores axiais 1 Índice 1- Fundamentos 3 2- Curvas características 4 3- Fórmulas relativas ao ventiladores centrífugos 5 4- Nomenclatura 6 5- Características construtivas 6 6- Dimensões

Leia mais

Resfriadores Evaporativos BRISBOX

Resfriadores Evaporativos BRISBOX Características do Produto: Resfriadores Evaporativos BRISBOX BRISBOX Aplicações Resfriadores evaporativos Munters, possuem uma ótima performance energética e podem ser aplicados em: Bingos; Boates; Academias;

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Tecnologias Piovan para Refrigeração: Chillers com compressores scroll

Leia mais

COMPRESSORES PARAFUSO

COMPRESSORES PARAFUSO COMPRESSORES PARAFUSO PARTE 2 Controle de capacidade O controle de capacidade em um compressor parafuso é utilizado para variar a quantidade de gás que entra na câmara. Isto é necessário para providenciar

Leia mais

CAPITULO 1 - INTRODUÇÃO UNIDADES DEFINIÇÕES

CAPITULO 1 - INTRODUÇÃO UNIDADES DEFINIÇÕES CAPITULO 1 - INTRODUÇÃO UNIDADES DEFINIÇÕES INTRODUÇÃO Os motores de combustão podem ser classificados como do tipo de COMBUSTÃO EXTERNA, no qual o fluido de trabalho está completamente separado da mistura

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX MN

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX MN CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética de elevada resistência a abrasão.

Leia mais

Ciclos de operação. Motores alternativos: Razão de compressão. Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro

Ciclos de operação. Motores alternativos: Razão de compressão. Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Ciclos de operação Motores alternativos: O pistão move-se pra frente e pra trás no interior de um cilindro transmitindo força para girar um eixo (o virabrequim) por meio de um sistema de biela e manivela.

Leia mais

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1 BOMBAS: 1. Bombas e Motores As bombas hidráulicas são o coração do sistema, sua principal função é converter energia mecânica em hidráulica. São alimentadas

Leia mais

COMPRESSOR DE AR COMPRIMIDO

COMPRESSOR DE AR COMPRIMIDO Definição: Os compressores podem ser definidos como estruturas mecânicas industriais destinadas a elevar a energia utilizável de ar pelo aumento de sua pressão. Necessita de cuidados para manter sua plena

Leia mais

Ar comprimido: energia na forma de pressão

Ar comprimido: energia na forma de pressão Ar comprimido: energia na forma de pressão Transformação de energia eléctrica em pressão; resulta da compressão do ar ambiente, cuja composição é uma mistura de oxigénio ( 23,2 %(m/m)), nitrogénio ( 75,5

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Embreagens são elementos que

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Geração Termoelétrica a Gás Joinville, 07 de Maio de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Conceitos básicos de termodinâmica; Centrais Térmicas a Gás: Descrição de Componentes;

Leia mais

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases V1 O queéum Sistemade Condicionamento? O Que é um Sistema de Condicionamento? Amostra do Processo? Analisador Sistema de Condicionamento O sistema

Leia mais

27 Sistemas de vedação II

27 Sistemas de vedação II A U A UL LA Sistemas de vedação II Ao examinar uma válvula de retenção, um mecânico de manutenção percebeu que ela apresentava vazamento. Qual a causa desse vazamento? Ao verificar um selo mecânico de

Leia mais

1. As Máquinas Hidráulicas de Fluxo

1. As Máquinas Hidráulicas de Fluxo 1. As Máquinas Hidráulicas de Fluxo Máquina de Fluxo é uma máquina de fluido, em que o escoamento flui continuamente, ocorrendo transferência de quantidade de movimento de um rotor para o fluido que atravessa.

Leia mais

Compressores de Ar Isento de Óleo

Compressores de Ar Isento de Óleo Especificação Técnica Modelo Vazão FAD Potência HP cfm m3/min Vazão de Água Dimensões Peso Galões/min L x W x H (mm) Kg 60 Hz - 100 PSI - Pressão de Trabalho OF-90 120 549 15.5 32 OF-110 150 669 18.9 37

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração CICLOS DE REFRIGERAÇÃO Os ciclos mais usados, na seqüência, são: Ciclo de refrigeração por compressão de vapor Ciclo de refrigeração por absorção O ciclo é constituído dos seguintes processos sucessivos:

Leia mais

Sopradores Série BB HB

Sopradores Série BB HB www.kaeser.com Sopradores Série BB HB com o mundialmente renomado PERFIL OMEGA Vazões de 0,59 a 160 m³/min Pressão de até 1000 mbar, vácuo de 500 mbar KAESER O fabricante de sopradores renomado mundialmente

Leia mais

RZR-900-CVA BOMBA DE ENGRENAGENS INTERNAS MODELO: Especificações: ICX-CVA/2013-0. Deslocamento por Rotação: 18 cm3

RZR-900-CVA BOMBA DE ENGRENAGENS INTERNAS MODELO: Especificações: ICX-CVA/2013-0. Deslocamento por Rotação: 18 cm3 BOMBA DE ENGRENAGENS INTERNAS MODELO: RZR-9-CVA Especificações: Deslocamento por Rotação: 18 cm3 Capacidade: l/h até 1.8 l/h (8 l/min até 3 l/min) Pressão Admissível na Sucção:, Kgf/cm2 (ABS) até 1 Kgf/cm2

Leia mais

PINOFLEX-NP 2009/01 ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRA-RECUOS DENFLEX - NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN

PINOFLEX-NP 2009/01 ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRA-RECUOS DENFLEX - NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRARECUOS DENFLEX NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN PINOFLEXNP SPEFLEX N VULBRAFLEX VB VULKARDAN E VULMEX 2009/01 GENERALIDADES Os acoplamentos

Leia mais

Ferramentas Pneumáticas

Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Para se tomar a decisão com relação ao uso de ferramentas pneumáticas é necessário saber as diferenças principais entre elas e outros tipos de ferramentas

Leia mais

Bibliografia. Edição brasileira Manual de Hidráulica, Festo. Manual de Hidráulica, Parker,

Bibliografia. Edição brasileira Manual de Hidráulica, Festo. Manual de Hidráulica, Parker, AUTOMAÇÃO (M323) CAPÍTULO III Sistemas Hidráulicos 2013/2014 Bibliografia Manual de Hidráulica, Parker, Edição brasileira Manual de Hidráulica, Bosch- Rexroth Manual de Hidráulica, Festo J. R. Caldas Pinto,

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... VII Prefácio... IX

SUMÁRIO. Apresentação... VII Prefácio... IX SUMÁRIO Apresentação... VII Prefácio... IX CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À TERMODINÂMICA DOS GASES INDUSTRIAIS...1 1.1INTRODUÇÃO... 1 1.1.1 Estados de uma substância... 1 1.1.2 Mol de uma substância... 2 1.1.3

Leia mais

vendas1@juntasamf.com.br

vendas1@juntasamf.com.br À Sr( a) Ref.: Apresentação para Cadastro de Fornecedor Prezados Senhores, Vimos através desta, apresentar a Juntas AMF Ind. e Com. de Peças Ltda., uma empresa que já se tornou referencia no mercado de

Leia mais

SISTEMA CONJUGADO DE EXAUSTÃO E ADMISSÃO PARA OS MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA DO CICLO DE DOIS TEMPOS O

SISTEMA CONJUGADO DE EXAUSTÃO E ADMISSÃO PARA OS MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA DO CICLO DE DOIS TEMPOS O 1/7 1 2 SISTEMA CONJUGADO DE EXAUSTÃO E ADMISSÃO PARA OS MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA DO CICLO DE DOIS TEMPOS O motor do ciclo de dois tempos remonta aos primórdios da utilização dos motores do tipo à combustão

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA)

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX CR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre

Leia mais

SÉRIE NOBEL ISENTO DE OLEO - 2 ESTÁGIOS TRANSMISSÃO DIRETA TIPO PARAFUSO RESFRIADO A AR OU A AGUA VELOCIDADE VARIÁVEL MOTOR MAGNETO PERMANENTE

SÉRIE NOBEL ISENTO DE OLEO - 2 ESTÁGIOS TRANSMISSÃO DIRETA TIPO PARAFUSO RESFRIADO A AR OU A AGUA VELOCIDADE VARIÁVEL MOTOR MAGNETO PERMANENTE SÉRIE NOBEL ISENTO DE OLEO - 2 ESTÁGIOS TRANSMISSÃO DIRETA TIPO PARAFUSO RESFRIADO A AR OU A AGUA VELOCIDADE VARIÁVEL MOTOR MAGNETO PERMANENTE Capacidade de 75 a 250 kw Pressão de 7 a 10 bar NOBEL SÉRIE

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. POLI/UPE

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. POLI/UPE TURBOCOMPRESSÃO Os turbocompressores aumentam significativamente a potência do motor com muito pouca adição de peso. Eles comprimem o ar e forçam este ar comprimido para o coletor de admissão. O compressor

Leia mais