2 Fase conceptual da investigação Objectivos e perguntas de partida

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida"

Transcrição

1 2 Fase conceptual da investigação 2.1. Objectivos e perguntas de partida

2 Investigação científica Deve iniciar-se com a formulação de um problema O objectivo da investigação é a solução desse problema. O problema deve ser levantado como uma proposição interrogativa, é uma dificuldade teórica ou prática, para a qual se deve encontrar solução (Soares, 2003) 2 In Metodologia Científica

3 Os objectivos da investigação e as suas questões e hipóteses A formulação do objectivo do estudo, das questões de investigação e das hipóteses estabelece a ponte entre o problema e o desenho, os métodos de colheita dos dados e as análises O objectivo do estudo num projecto de investigação é um enunciado declarativo que precisa a orientação da investigação segundo o nível dos conhecimentos estabelecidos no domínio em questão; precisa as variaveis-chave, a população-alvo e a orientação da investigação 3 In O processo de Investigação

4 Os objectivos da investigação e as suas questões e hipóteses Nível I Explorar o domínio e o conceito para extrair dele todas as manifestações com vista a descrever o fenómeno Descrever ; Explorar. Nível II Descobrir relações e descrevê-las, existindo já teorias sobre o assunto que suportem a questão Descrever as relações entre - Uma vez descobertas e descritas as relações, o investigador deseja frequentemente explorar a natureza das relações entre as variáveis. O objectivo será Explorar a relação entre e 4 In O processo de Investigação

5 Os objectivos da investigação e as suas questões e hipóteses Nível III Examinar a força e direcção das relações; determinar o grau de influencia duma variável sobre a outra e como esta influencia contribui para explicar a variação desta variável. Considerando que neste nível o estado dos conhecimentos é suficientemente avançado para formular hipóteses, o objectivo será verificar a natureza da relação entre as variáveis de modo a poder explicar esta relação Determinar ; examinar 5 In O processo de Investigação

6 Os objectivos da investigação e as suas questões e hipóteses Nível IV Os conhecimentos estabelecidos no domínio permitem predizer os resultados dum estudo. Formula-se uma hipótese, a qual presume que existem relações entre variáveis X provoca efeito em Y O objectivo do estudo será: Avaliar os efeitos. ; avaliar a eficácia de 6 In O processo de Investigação

7 1 2 INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA INVESTIGAÇÃO DESCRITIVA INVESTIGAÇÃO CORRELACIONAL INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL 1- estudos exploratórios/descritivos (nível I, II) 2- estudos explicativos/preditivos (nivel III, IV) 7 In Processo de Investigação

8 INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA tipos de estudos -Estudo fenomenológico: Descrever o universo perceptual de pessoas que vivem uma experiência que interessa do ponto de vista clínico. O trabalho do investigador consiste em aproximar-se desta experiência, descrevê-la da forma mais fiel possível e em comunicá-la. Este estudo encontrase muito divulgado na prática da enfermagem. -Estudo etnográfico: Explicita os modos de vida e as visões do mundo dos grupos etnoculturais. Apoia-se no conceito de cultura e procura compreender um sistema cultural do ponto de vista daqueles que partilham essa cultura 8 In Processo de Investigação

9 INVESTIGAÇÃO DESCRITIVA Objectivo: Descobrir e caracterizar os fenómenos, procurando descrevê-los, classificá-los los e interpretá- los. A realidade é interpretada sem ser modificada. Antecedem os estudos de associação Na maior parte dos casos satisfaz pelo menos dois princípios: -A descrição dum conceito relativo a uma população (estudo descritivo simples, estudo de caso de tipo descritivo) 9 -Descrição das características duma população no seu conjunto (inquérito) In Processo de Investigação

10 INVESTIGAÇÃO DESCRITIVA métodos e análise ESTATÍSTICA DESCRITIVA Dados nominais: frequências e moda Dados ordinais: frequências, amplitude de variação e mediana Dados métricos: frequências; mediana, média e moda, desvio padrão e variância 10 In Processo de Investigação

11 INVESTIGAÇÃO DESCRITIVA tipos de estudos -Estudo descritivo simples -Estudos de caso -Inquéritos 11 In Processo de Investigação

12 INVESTIGAÇÃO DESCRITIVA tipos de estudos Estudo descritivo simples Descreve simplesmente um fenómeno ou um conceito relativo a uma população, de maneira a estabelecer as características dessa população ou da sua amostra. A descrição dos conceitos ou variáveis conduz a uma interpretação da significação teórica dos resultados do estudo e à descoberta das relações entre os conceitos, como etapa preparatória para a formulação de hipóteses 12 In Processo de Investigação

13 INVESTIGAÇÃO DESCRITIVA tipos de estudos Estudo de caso É uma investigação aprofundada dum indivíduo, duma família, grupo ou organização Útil para verificar uma teoria, estudar uma doença rara, explicar relações de causalidade entre a evolução dum fenómeno e uma intervenção O nº limitado de sujeitos facilita a realização de estudos em profundidade em que se acumulam dados sobre um caso particular Pode incluir experimentação 13 In Processo de Investigação

14 INVESTIGAÇÃO DESCRITIVA tipos de estudos Estudo de caso Valor científico: - Validade interna: exige um controlo sobre variáveis estranhas; intensidade da análise do fenómeno; múltiplas informações; simetrias dos comportamentos tipo; construção das explicações; triangulação das fontes de dados - Validade externa: generalização analítica de resultados em casos semelhantes através da teoria 14 In Processo de Investigação

15 INVESTIGAÇÃO DESCRITIVA tipos de estudos Inquéritos Toda a actividade no decurso da qual são colhidos dados junto duma população ou porções desta a fim de examinar as atitudes, opiniões, crenças ou comportamentos desta população O inquérito serve para colher informação junto de populações ou amostras; os dados podem ser colhidos por: - entrevista face a face - entrevista telefónica - questionários enviados pelo correio 15 In Processo de Investigação

16 INVESTIGAÇÃO DESCRITIVA tipos de estudos Inquérito- tipos - Comparativo: a mesma informação é colhida junto duma amostra representativa de 2 grupos de sujeitos; procura estabelecer-se diferenças entre os grupos em relação a certas características; não há manipulação de variáveis independentes - Epidemiológicos: a classificação varia com os autores. Segundo Jeniceck e Cléroux (1982) os estudos epidemiológicos classificam-se segundo o tempo; flutuação dos sujeitos no interior dos grupos e segundo os objectivos. Assim, segundo o tempo temos os estudos: - Prospectivos - Retrospectivos 16 - Transversais In Processo de Investigação

17 INVESTIGAÇÃO DESCRITIVA tipos de estudos -Estudos epidemiológicos - prospectivos (coorte): um grupo de sujeitos (coorte) é seguido a fim de estudar os fenómenos que os afectam ao longo do tempo (follow-up). Um grupo foi exposto a um factor e o outro não foi exposto (controlo). Compara-se no tempo a ocorrência dum acontecimento. As observações são colhidas a partir de quando começa a investigação. Estes estudos são geralmente longos e dispendiosos - retrospectivos (caso-controlo): o investigador tenta ligar um fenómeno presente no momento do inquérito a outro fenómeno que lhe foi anterior; os factos são colhidos a posteriori. Divide-se a amostra em 2 grupos, os que detém determinada condição (casos) e os que não detém essa condição (controlo) 17 In Processo de Investigação

18 Estudos analíticos observacionais - Indicados para doenças frequentes e/ou que levam à selecção dos mais saudáveis - Não indicado para doenças raras e as associações podem ser afectadas por variáveis de confusão Ausência da doença Exposição ao Factor de Risco Expostos Presença da Doença Doentes População Amostra Tempo Não Doentes Não Expostos Doentes Não Doentes Desenho de um estudo de coorte

19 Estudos analíticos observacionais - Permite estudar doenças raras e comuns e, se forem de base populacional, podem descrever a incidência e características da doença Exposição ao Factor de Risco Expostos Não Expostos Expostos Não Expostos Investigação Tempo Presença de Doença Amostra de Doentes (Casos) Amostra de Não Doentes (Controlos) Desenho de um estudo de casos e controlos População em Risco

20 INVESTIGAÇÃO DESCRITIVA tipos de estudos -Estudos epidemiológicos - transversais: Examinar um ou vários coortes em relação com fenómenos presentes num dado momento do inquérito; serve para recolher informação relativa à frequência de problemas de saúde no momento do inquérito 20 In Processo de Investigação

21 Estudos analíticos observacionais - Doenças comuns e de duração relativamente longa Selecção da Amostra População Amostra Determinação da Exposição e da Presença de Doença Expostos e Doentes Expostos e Não Doentes Não Expostos e Doentes Não Expostos e Não Doentes G.C. Desenho de um estudo transversal

22 2.2. Escolha e construção do problema C1 Relações Causais Exposição Factor Variável indedependente (Ex: Factores de risco, Factores de prognóstico; Intervenções) C2 C3 C4 C 5 C6 E Estado Resultado Variável dependente (Ex: Doença, Morte, Cura) C7 22

23 2.2. Escolha e construção do problema INVESTIGAÇÃO CORRELACIONAL Objectivo: Examinar relações entre variáveis 1) Explorar relações entre variáveis 2) Verificar a natureza das relações entre variáveis 3) Verificar modelos teóricos 1) Estudo descritivo-correlacional 2) Estudo correlacional (explicativo ou preditivo) 3) Estudos de verificação de modelos teóricos In Processo de Investigação

24 INVESTIGAÇÃO CORRELACIONAL tipos de estudos Ordem hierárquica dos estudos de investigação correlacional Explorar e descrever relações entre variáveis Descritivocorrelacional Explicar ou prever relações entre as variáveis Verificar modelos teóricos Correlacional Verificação de modelo causal hipotético In Processo de Investigação

25 INVESTIGAÇÃO CORRELACIONAL tipos de estudos Estudo descritivo-correlacional correlacional O investigador tenta explorar e determinar a existência de relações entre variáveis, com vista a descrever essas relações Objectivo: descoberta de factores ligados a um fenómeno Nesta etapa, não se aplicam os termos variável independente e variável dependente Vantagem: permite considerar simultaneamente várias variáveis com vista a explorar as suas relações; permite descrever as relações que foram detectadas entre variáveis In Processo de Investigação

26 INVESTIGAÇÃO CORRELACIONAL tipos de estudos Estudo correlacional Verifica-se a natureza das relações que existem entre determinadas variáveis; estas relações presumidas apoiam-se em trabalhos anteriores ou em bases teóricas As variáveis são examinadas sem serem manipuladas As variáveis são escolhidas em função dum quadro teórico e da variação ou da mudança que podem exercer uma na outra Nesta etapa, colocam-se hipóteses acerca da natureza das relações previstas entre variáveis mas não se determina a causalidade das variáveis In Processo de Investigação

27 INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL Objectivo: Estudo de relações de causalidade 1) Experimentais verdadeiros 2) Quasi-experimentais 3) Desenhos pré-experimetais - A aleatoriedade da amostra - Manipulação da variável independente - Grupo controlo In Processo de Investigação

28 INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL Validade científica Validade interna: O investigador deve construir o seu desenho de maneira a introduzir uma variável independente e a observar os efeitos desta manipulação; a validade interna é assegurada se nenhum outro factor entra em jogo ou se outros factores de invalidade são neutralizados (Robert, 1988) Validade externa: Depois de verificada a validade interna os resultados podem ser generalizados a outras pessoas, a outros contextos In Processo de Investigação

29 INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL Características Objectivo: Estudo de relações de causalidade - Uma intervenção X que se presume produzir um efeito Y, é introduzida numa situação e controlada pelo investigador - Considerem-se 2 grupos de objectos (sujeitos): o grupo experimental (aplica-se a intervenção) e o grupo controlo ou testemunho (não se aplica a intervenção) - Designa-se por grupos equivalentes os grupos que saíram da mesma população ou de populações equivalentes (sujeitos idênticos compõem os dois grupos) In Processo de Investigação

30 INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL tipos de estudos Desenhos experimentais verdadeiros 1) Desenho somenteapós com grupo testemunho 2) Desenhoantes-após com grupo testemunho 3) Desenho de 4 grupos de Solomon 4) Desenho factorial 5) Ensaio clínico aleatório ou randomizado In Processo de Investigação

31 INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL experimental verdadeiro 1) Desenho somente após com grupo testemunho - Pelo menos 2 grupos de sujeitos (GE e GC) - Repartição aleatória dos indivíduos em cada grupo antes da intervenção - só o GE recebe intervenção - No final os 2 grupos são avaliados em relação à variável dependente Com tratamento Distribuição aleatória dos sujeitos R X O 1 R O 2 Observação da Sem tratamento variável dependente In Processo de Investigação

32 INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL experimental verdadeiro 2) Desenho antes-após após com grupo testemunho - Inclusão de uma medida antes da introdução do tratamento experimental -A avaliação é feita 2 vezes; Medição antes avalia a equivalência dos grupos edepois avalia o efeito sobre a variável dependente - Permite controlar outros factores que podem afectar a validade interna Com tratamento Distribuição aleatória dos sujeitos R O 1 X O 2 R O 3 O 4 Observação da Sem tratamento variável dependente Medição antes In Processo de Investigação

33 INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL experimental verdadeiro 3) Desenho de4grupos de Solomon R (G 1 ) O 1 X O 2 R (G 2 ) O 3 - O 4 R (G 3 ) - X O 5 R (G 4 ) - - O 6 - Particularmente útil para verificar os efeitos da medida antes do tratamento - Permite considerar um factor de validade externa, ou seja, os efeitos da interacção entre a intervenção e a medida In Processo de Investigação

34 INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL experimental verdadeiro 4) Desenho factorial Ex: Nível de tocar terapêutico Nível de relaxamento sim não Sim A B Não C D (GC) A: permite avaliar o efeito conjunto; B e C: permite avaliar o efeito individual; D: permite avaliar o controlo In Processo de Investigação

35 INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL experimental verdadeiro 5) Ensaio Clínico Randomizado(aleatório) - Usado em epidemiologia para avaliar os efeitos de tratamentos novos de carácter clínico - Os desenhos antes-após e somente após são os mais usados - Objectivo: verificação duma intervenção ou tratamento clínico e dos resultados clínicos previstos - Necessitam de grande número de sujeitos (GE e GC) In Processo de Investigação

36 Estudos analíticos experimentais Definição da população e amostragem Atribuição aleatória da intervenção Seguimento Determinação do resultado Grupo Experimental Com o resultado esperado População de doentes Amostra de doentes Grupo de controlo Tempo Sem o resultado esperado Com o resultado esperado Sem o resultado esperado Desenho de um ensaio clínico randomizado

37 5) Ensaio Clínico Randomizado Ensaio clínico - Metodologia Seleção de uma amostra da população, dividida em grupos de forma aleatória Exposição controlada ao evento Mede-se o evento prospectivamente

38 5) Ensaio Clínico Randomizado pacientes G.E. Factor experimental Comparação dos resultados G.C. In Elementos da pesquisa cientíifca em Medicina

39 5) Ensaio Clínico Randomizado Desenho antes-após G.E. G.C. Antes Teste inicial (T 1 ) Teste inicial (T 1 ) Depois Teste final (T 2 ) Teste inicial (T 2 ) Comparações (estatística) G.E.= T 2 - T 1 = R G.C. =T 2 T 1 = R Possíveis resultados R=R R<R R>R In Introdução ao Projeto de Investigação Científica

40 5) Ensaio Clínico Randomizado Possíveis resultados R R Não se pode afirmar a causalidade da variável independente sobre a variável dependente R>R (significativamente) Pode-se afirmar a causalidade da variável independente sobre a variável dependente, ou seja: A variável independente X provoca o efeito Y NOTA: As comparações entre T 2 e T 1, T 2 e T 1, R e R realizam-se através da aplicação de técnicas estatísticas, cuja escolha e utilização dependem das particularidades de cada projecto In Introdução ao Projeto de Investigação Científica

41 Os objectivos da investigação e as suas questões e hipóteses O objectivo do estudo é também afectado pela natureza da investigação Desenvolvimento da teoria O investigador enuncia uma questão em relação a um fenómeno e evolui no seu processo para a verificação dos conceitos e das ligações que levarão eventualmente ao seu desenvolvimento Verificação da teoria O investigador formula uma hipótese a partir duma proposição teórica, que verificará com a ajuda de testes estatísticos a fim de rejeitar ou de confirmar a sua hipótese 41 In O processo de Investigação

42 Causalidade X causa Y Relação observada Interpretação A) X implica Y X causa Y mas Y pode ter outras causas B) Y implica X Só X pode causar Y mas nem sempre o causa; deve ser associado a outras variáveis para produzir Y C) implicação recíproca entre X e Y X causa sempre Y e X é a única causa possível de Y A) e B) dão explicações aproximativas C) dá explicações científica (relação simétrica) 42

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Estudos de Coorte: Definição

Estudos de Coorte: Definição Estudos de Coorte: Definição São estudos observacionais onde os indivíduos são classificados (ou selecionados) segundo o status de exposição, sendo seguidos para avaliar a incidência de doença. São conduzidos

Leia mais

A pesquisa e suas classificações FACULDADE DE COSTA RICA Prof.ª NELIZE A. VARGAS. nelizevargas@hotmail.com O que é pesquisa? MINAYO (l993,p.23), vendo por um prisma mais filósofico, considera a pesquisa

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

Investigação experimental

Investigação experimental Investigação experimental Aproximação positivista Experiências laboratoriais: identificação de relações exactas entre as variáveis escolhidas num ambiente controlado (laboratório) através do uso de técnicas

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

Introdução. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner

Introdução. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner Introdução Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LUIZ, RR., and STRUCHINER, CJ. Inferência causal em epidemiologia: o modelo de respostas potenciais [online].

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA EQE040 METODOLOGIA CIENTÍFICA www.liviajatoba.com/eqe040 Professora Livia Jatobá liviajatoba@eq.ufrj.br Aula 04: Desenvolvendo o problema científico. Metodologia e fases da pesquisa. 6 de abril de 2015

Leia mais

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa Capítulo 3 Desenho da Pesquisa 3-1 Sumário do Capítulo 1) Introdução 2) Desenho da Pesquisa: Definição 3) Desenho da Pesquisa: Classificação 4) Pesquisa Exploratória 5) Pesquisa Descritiva i. Desenho Secção

Leia mais

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE SURVEY Método de pesquisa amplamente utilizado em pesquisas de opinião pública, de mercado e, atualmente, em pesquisas sociais que, objetivamente, visam descrever, explicar e/ou explorar características

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Prof. Dr. Eduardo Braga 1 1 Introdução TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Iniciar a redação colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. Expor as justificativas e razões para a escolha do tema

Leia mais

Guião para a Organização de Projetos de Melhoria Contínua da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem

Guião para a Organização de Projetos de Melhoria Contínua da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem SECÇÃO REGIONAL SUL DA ORDEM DOS ENFERMEIROS Guião para a Organização de Projetos de Melhoria Contínua da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem Programa Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem CONSELHO

Leia mais

Dr. Ronaldo Pilati - Psicologia Social - Universidade de Brasília 1

Dr. Ronaldo Pilati - Psicologia Social - Universidade de Brasília 1 Métodos de Pesquisa em Psicologia Social Psicologia Social como Ciência Empírica Universidade de Brasília 1 Método Científico O que é o método científico? A produção do conhecimento em ciência está associada

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

Índice. 1. A Pesquisa Quantitativa...3 2. A Produção Científica nas Diversas Áreas do Conhecimento...3

Índice. 1. A Pesquisa Quantitativa...3 2. A Produção Científica nas Diversas Áreas do Conhecimento...3 GRUPO 6.3 MÓDULO 17 Índice 1. A Pesquisa Quantitativa...3 2. A Produção Científica nas Diversas Áreas do Conhecimento...3 2.1. A Produção Científica... 3 2.2. Divulgação Científica... 3 2.3. Comunicação

Leia mais

Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical

Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical Relatório Grupo 515: Carolina Correia Elder Vintena Francisco Martins Salvador Costa Sara Palhares 2 Índice Introdução...4 Objectivos...5 Método...6 Dados Obtidos...7

Leia mais

TÉCNICAS DE PESQUISA. Profa. Esp. Tiago S. de Oliveira

TÉCNICAS DE PESQUISA. Profa. Esp. Tiago S. de Oliveira TÉCNICAS DE PESQUISA Profa. Esp. Tiago S. de Oliveira TÉCNICAS DE PESQUISA Existem algumas técnicas de pesquisa que podem ser utilizadas pelo pesquisador no desenvolvimento do trabalho científico. Estas

Leia mais

O que é Estudo de Caso?

O que é Estudo de Caso? O que é Estudo de Caso? Segundo Araújo et al. (2008) o estudo de caso trata-se de uma abordagem metodológica de investigação especialmente adequada quando procuramos compreender, explorar ou descrever

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE Mariane Alves Gomes da Silva Eliana Zandonade 1. INTRODUÇÃO Um aspecto fundamental de um levantamento

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

Declaração de conflito de interesse. Não existe conflito de interesse em relação a esta apresentação

Declaração de conflito de interesse. Não existe conflito de interesse em relação a esta apresentação Declaração de conflito de interesse Não existe conflito de interesse em relação a esta apresentação Perguntas que os pacientes fazem frequentemente Perguntas que os pacientes fazem frequentemente O que

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLINAR: 500 Matemática Aplicada às Ciências Sociais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLINAR: 500 Matemática Aplicada às Ciências Sociais ANO: 11º ANO LECTIVO : 008/009 p.1/7 CONTEÚDOS MODELOS MATEMÁTICOS COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER - Compreender a importância dos modelos matemáticos na resolução de problemas de problemas concretos. Nº. AULAS

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento Epidemiologia Profa. Heloisa Nascimento Medidas de efeito e medidas de associação -Um dos objetivos da pesquisa epidemiológica é o reconhecimento de uma relação causal entre uma particular exposição (fator

Leia mais

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck INTRODUÇÃO A escolha das técnicas está condicionada ao Problema de Pesquisa. Três perguntas básicas devem ser respondidas

Leia mais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Daniela Riva Knauth Departamento de Medicina Social PPG Antropologia e Epidemiologia UFRGS Pesquisa qualitativa Crítica ao Positivismo Todo

Leia mais

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC)

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo 09/04/2012 Departamento de Informática, PUC-Rio Testes com usuários Como avaliar? inspeção (por especialistas)

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO

AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO 1 AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO Amostra aleatória. Também conhecida como amostra probabilística. A melhor maneira de evitar uma amostra enviesada ou não-representativa é selecionar uma amostra

Leia mais

Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial

Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial Em muitas experiências interessa estudar o efeito de mais do que um factor sobre uma variável de interesse. Quando uma experiência

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Profª Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva email: alcione.miranda@gmail.com Introdução O primeiro passo

Leia mais

Ensaios Clínicos. Alexander R. Precioso

Ensaios Clínicos. Alexander R. Precioso Ensaios Clínicos Alexander R. Precioso Diretor da Divisão de Ensaios Clínicos e Farmacovigilância - Instituto Butantan Pesquisador do Instituto da Criança HC / FMUSP Introdução Os recentes desenvolvimentos

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

I - PESQUISA EXPERIMENTAL

I - PESQUISA EXPERIMENTAL 1 Laboratório de Psicologia Experimental Departamento de Psicologia FUNREI Disciplina: Modelos de Investigação e Produção em Psicologia TEXTO 1 B: TIPOS DE PESQUISA Autora: Prof. Marina Bandeira,Ph.D.

Leia mais

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação 3.1) Definição do problema Tendo como ponto de partida os considerandos enumerados na Introdução, concretamente: Os motivos de ordem pessoal: Experiência

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

IHMT-UNL INSTITUTO DE HIGIENE E MEDICINA TROPICAL UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA MESTRADO. Epidemiologia. www.ihmt.unl.pt

IHMT-UNL INSTITUTO DE HIGIENE E MEDICINA TROPICAL UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA MESTRADO. Epidemiologia. www.ihmt.unl.pt IHMT-UNL INSTITUTO DE HIGIENE E MEDICINA TROPICAL UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA MESTRADO Epidemiologia www.ihmt.unl.pt Prof. Doutora Inês Fronteira Coordenadora do Mestrado em Epidemiologia MENSAGEM DA COORDENADORA

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE MONOGRAFIA FILOMENA MARIA RATES SOARES VITOR TENÓRIO NOVA

Leia mais

PLANIFICAÇÃO OPERACIONAL DA PESQUISA

PLANIFICAÇÃO OPERACIONAL DA PESQUISA Laboratório de Psicologia Experimental Departamento de Psicologia UFSJ Disciplina: Método de Pesquisa Quantitativa TEXTO 8: PLANIFICAÇÃO OPERACIONAL DA PESQUISA Autora: Prof. Marina Bandeira,Ph.D. 1. POPULAÇÃO-

Leia mais

Métodos qualitativos: Estudo de Caso

Métodos qualitativos: Estudo de Caso Métodos AULA 10 qualitativos: Estudo de Caso Por que o estudo de caso? Ele vem sendo considerado um dos mais importantes métodos de pesquisa na gestão de operações, particularmente no desenvolvimento de

Leia mais

IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Disciplina: Epidemiologia e Saúde Pública

IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Disciplina: Epidemiologia e Saúde Pública Avaliação de Programas de Rastreamento: história natural da doença, padrão de progressão da doença, desenhos de estudo, validade e análise de custo-benefício. IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização Pesquisa de Mercado Aula 1 Prof. Me. Ricieri Garbelini Tópicos Abordados 1. Identificação do problema ou situação 2. Construção de hipóteses ou determinação dos objetivos 3. Tipos de pesquisa 4. Métodos

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

Construir um modelo de dados é: - Identificar, Analisar e Registar a política da organização acerca dos dados

Construir um modelo de dados é: - Identificar, Analisar e Registar a política da organização acerca dos dados 4. Modelo Entidade Associação 4.1. Introdução Modelo de Dados. Visão dos dados em vez de visão das aplicações. Eliminação de redundâncias. Partilha de dados pelas aplicações Construir um modelo de dados

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

Pensamento crítico 20011/12. Aula 9, 9 e 11-11-11

Pensamento crítico 20011/12. Aula 9, 9 e 11-11-11 Pensamento crítico 20011/12 Aula 9, 9 e 11-11-11 Resumo Análise de modelos (revisão) Modelo de causalidade (revisão) Análise de hipóteses causais Tipos de experiência Erros, erro cognitivo Ciência e correcção

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema de pesquisa, temos que traçar um caminho a seguir durante a investigação. Realizar um estudo mais planejado dos aspectos que

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ Elaboração e Leitura crítica de artigos científicos www.contemporaneo.com.br Artigos científicos Seria correto se todos os artigos publicados fossem cientificamente

Leia mais

Estudos Epidemiológicos. José de Lima Oliveira Júnior

Estudos Epidemiológicos. José de Lima Oliveira Júnior Estudos Epidemiológicos José de Lima Oliveira Júnior Estudos Epidemiológicos Para se conhecer melhor a saúde de uma população, os fatores que a determinam, a evolução do processo da doença e o impacto

Leia mais

Projeto de Pesquisa 7/21/2014. Prof. Ricardo Melo. Referências. Conceitos

Projeto de Pesquisa 7/21/2014. Prof. Ricardo Melo. Referências. Conceitos Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação Projeto de Pesquisa Prof. Ricardo Melo Referências Richardson,

Leia mais

Pesquisa de Mercado e Opinião

Pesquisa de Mercado e Opinião Pesquisa de Mercado e Opinião MATTAR Prof. Ms. Alexandre Augusto Giorgio 1 NATUREZA DAS VARIÁVEIS ESTUDADAS 2 NATUREZA DO RELACIONAMENTO ENTRE VARIÁVEIS ESTUDADAS 3 OBJETIVO E GRAU EM QUE O PROBLEMA DE

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Métodos de Investigação em Sistemas de Informação

Métodos de Investigação em Sistemas de Informação Métodos de Investigação em Sistemas de Informação Henrique O Neill Programa Doutoral em CTI ISCTE, 26 Novembro 2009 Henrique O'Neill 1/18 INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA O que é? Henrique O'Neill 2/18 1 Investigar

Leia mais

Ensaios Clínicos. Introdução ao planeamento e análise

Ensaios Clínicos. Introdução ao planeamento e análise Ensaios Clínicos Introdução ao planeamento e análise Estudos Interventivos Experiência feita com um grupo de pacientes com características totalmente controladas pelo investigador. Estudos Comunitários

Leia mais

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Comitê de Ética em Pesquisa Universidade de Caxias do Sul Sumário da Reunião de Educação Continuada sobre Ética em Pesquisa realizada

Leia mais

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa O que é técnica? O que é instrumento? Tipos de técnicas e instrumentos de pesquisa Entrevista Questionários Observação 1. ENTREVISTA Encontro entre

Leia mais

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor 333 escolha do local para realizar teste local pode influenciar resultados localização amostragem percepção sensorial podem ocorrer diferenças para um mesmo produto, em diferentes locais, devido a: diferenças

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA DEPT FMR PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DO TRABALHO Profª Drª Vanusa Caiafa Caetano 2012 Desenhos de Pesquisa Porque

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Técnicas de Pesquisa Técnica: Conjunto de preceitos ou processos de que se serve uma ciência. Toda ciência utiliza inúmeras técnicas na obtenção

Leia mais

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Metodologia Científica Aula 1 Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Bibliografia: http://pesquisaemeducacaoufrgs.pbworks. com/w/file/fetch/64878127/willian%20cost a%20rodrigues_metodologia_cientifica

Leia mais

O que é a estatística?

O que é a estatística? Elementos de Estatística Prof. Dr. Clécio da Silva Ferreira Departamento de Estatística - UFJF O que é a estatística? Para muitos, a estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM Jussara Rafael Angelo São José dos Campos 30 de Junho de 2011 CONCEITOS BÁSICOS EM Concepção do processo saúde doença Tipos de estudo Intervenção Seccional Coorte Caso-controle Ecológico

Leia mais

AUTOR DO TRABALHO UNIVERSIDADE CUIABÁ - MT 20XX

AUTOR DO TRABALHO UNIVERSIDADE CUIABÁ - MT 20XX PROJETO DE PESQUISA É uma das etapas componentes do processo de elaboração, execução e apresentação da pesquisa. Todavia, antes de redigir o projeto, alguns passos devem ser dados: - precisam ser realizados

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 (...) tenho de observar o mundo a partir de outra óptica, outra lógica, e outros métodos

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

Estudo de Caso. Edite Gonçalves Lurdes Sá Maria Caldeira. Mestrado em Educação - Supervisão e Orientação Pedagógica

Estudo de Caso. Edite Gonçalves Lurdes Sá Maria Caldeira. Mestrado em Educação - Supervisão e Orientação Pedagógica Estudo de Caso Edite Gonçalves Lurdes Sá Maria Caldeira Mestrado em Educação - Supervisão e Orientação Pedagógica DEFCUL Metodologia de Investigação 2004/2005 O que é um Estudo de Caso? É um processo específico

Leia mais

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional 2014/2015 9º Ano Turma A Orientação Escolar e Vocacional Programa de Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e agora??? Serviço de Apoios Educativos Ano Lectivo 2014/2015 Orientação Escolar e Profissional

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE ECONOMIA FACILITADORES E INIBIDORES DA DECISÃO DE PARTICIPAÇÃO EM VIAGENS DE LAZER O CASO DO SOTAVENTO ALGARVIO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE ECONOMIA FACILITADORES E INIBIDORES DA DECISÃO DE PARTICIPAÇÃO EM VIAGENS DE LAZER O CASO DO SOTAVENTO ALGARVIO UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE ECONOMIA FACILITADORES E INIBIDORES DA DECISÃO DE PARTICIPAÇÃO EM VIAGENS DE LAZER O CASO DO SOTAVENTO ALGARVIO Dissertação para a Obtenção do Grau de Mestre em Gestão

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO ARTIGO CIENTÍFICO Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas

Leia mais

Conceitos Básicos para Avaliação de Impactos Ambientais. [Kemal Vaz] [2 F 10:15 11:15]

Conceitos Básicos para Avaliação de Impactos Ambientais. [Kemal Vaz] [2 F 10:15 11:15] Conceitos Básicos para Avaliação de Impactos Ambientais [Kemal Vaz] [2 F 10:15 11:15] Revisão: Definição da AIA A avaliação do Impacto Ambiental (AIA) é Um processo formal para identificar: Efeitos esperados

Leia mais

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Sumário Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Capítulo I CIÊNCIA, CONHECIMENTOS E PESQUISA CIENTÍFICA... 37 1. Conceito de ciência e tipos

Leia mais