ÉTICA E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA ANA SOFIA CARVALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÉTICA E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA ANA SOFIA CARVALHO"

Transcrição

1 ÉTICA E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA ANA SOFIA CARVALHO

2 BIOÉTICA DAS SITUAÇÕES PERSISTENTES BIOÉTICA DAS SITUAÇÕES EMERGENTES

3

4 Integridade da Ciência Má conduta em investigação É verdadeiro? Integridade do investigador Ética e investigação científica Conduta questionável em investigação É ético? Responsabilidade social É socialmente responsável? Conduta responsável em investigação científica Invenção Falsificação Plágio Critérios de autoria Critérios de publicação Consentimento informado Amostras e dados pessoais 3 Rs Instituição de investigação Entidade financiadora Colegialidade Investigação em seres humanos Investigação em animais Conflito de interesse Prioridade e alocação de recursos Educação e divulgação Impacte ambiental

5 Ética na investigação científica Ética e investigação em seres humanos Ética e investigação em animais Investigação em seres humanos Amostras biológicas e dados pessoais Embriões humanos Investigação envolvendo países em vias de desenvolvimento Investigação em animais Primatas não humanos Animais transgénicos e clonados

6 YES NO Does the proposed research involve the use of any kind of Stem Cells? RESEARCH ON HUMAN EMBRYO/ FOETUS Does the proposed research involve Human Embryos? Does the proposed research involve Human Embryonic Stem Cells? Does the proposed research on Human Embryonic Stem Cells involve the derivation of cells from Embryos? RESEARCH ON HUMANS Does the proposed research involve children? Does the proposed research involve persons not able to give consent and/or vulnerable populations? Does the proposed research involve patients? Does the proposed research involve adult healthy volunteers? Does the proposed research involve Human genetic analysis? Does the proposed research involve Human biological samples? Does the proposed research involve Human data collection? PRIVACY Does the proposed research involve processing of genetic information or personal data (e.g. health, sexual lifestyle, ethnicity, political opinion, religious or philosophical conviction)? Does the proposed research involve tracking the location or observation of people? RESEARCH INVOLVING NON-EU COUNTRIES Does the proposed research involve the use of local resources (genetic, animal, plant, etc)? Is the proposed research of benefit to local communities (e.g. capacity building, access to healthcare, education)? RESEARCH ON ANIMALS Are those animals non-human primates? Are those animals genetically-modified laboratoryor farm animals? Are those animals cloned farm animals?

7 Investigação com objectivo de clonagem humana com finalidade reprodutiva; Investigação com objectivo de modificar o património genético de seres humanos; Investigação com objectivo de criar embriões somente com o propósito de obtenção de células estaminais, incluindo o uso de clonagem por transferência nuclear. ETHICAL REVIEW BOARD FASE 2 - Os candidatos terão de confirmar que a proposta não envolve

8 INVESTIGAÇÃO EM SERES HUMANOS justificação dessa investigação com base no binómio RISCO/BENEFÍCIOS para as pessoas envolvidas; indicação dos CRITÉRIOS DE RECRUTAMENTO (o número de participantes, critérios de inclusão/exclusão, incentivos directos/indirectos para a participação) indicação dos detalhes relacionados com a informação fornecida e a obtenção do respectivo CONSENTIMENTO ETHICAL REVIEW BOARD

9 ETHICAL REVIEW BOARD INVESTIGAÇÃO EM SERES HUMANOS As cópias dos formulários de consentimento e as fichas de informação devem ser incluídas. Estas devem estar em termos compreensíveis para os participantes. Os participantes têm o direito de: saber que a participação é voluntária fazer perguntas e receber respostas compreensíveis antes de tomar uma decisão saber o grau de risco e burden envolvido na participação saber quem beneficiará da participação conhecer os procedimentos que serão implementados no caso de descobertas acidentais receber garantias de que a cobertura do seguro adequada está em vigor retirar-se ou retirar as amostras do projecto a qualquer momento conhecer qualquer potencial exploração comercial da investigação

10 ETHICAL REVIEW BOARD Para crianças ou pessoas incapazes de consentir, as propostas devem incluir também: informação de quando e como os envolvidos poderão beneficiar dos procedimentos em questão; justificação sobre a necessidade de incluir pessoas incapazes de consentir; descrição do procedimento a adoptar junto dos pais ou representantes legais.

11 ETHICAL REVIEW BOARD USO DE AMOSTRAS BIOLÓGICAS e dados pessoais especificação e justificação o TIPO, QUANTIDADE, e FONTE das amostras biológicas ou dados pessoais provenientes de seres humanos; descrição do procedimento usado para obtenção do CONSENTIMENTO INFORMADO junto das pessoas a partir das quais o material biológico (dados pessoais) é obtido (incluir consentimento para o uso secundário das amostras); descrição dos procedimentos para protecção a CONFIDENCIALIDADE dos DADOS PESSOAIS; descrição das medidas para CODIFICAÇÃO e ANONIMIZAÇÃO dos biomateriais armazenados ou dados (incluem medidas que possibilitem RASTREABILIDADE); Descrição dos procedimentos relativos à COLHEITA, ARMAZENAMENTO, medidas de SEGURANÇA, RETENÇÃO ou DESTRUIÇÃO da amostra ou dos dados.

12 ETHICAL REVIEW BOARD Investigação com animais as espécies (ou estirpes quando apropriado) a usar e os motivos da escolha; detalhar e justificar o número de animais com referência à metodologia estatística de suporte (se aplicável); fornecer um sumário dos principais efeitos adversos nos animais, o que deve incluir os efeitos do alojamento, alimentação, e transporte, assim como, os efeitos do procedimento experimental em si; especificar qual o destino dos animais no final da experiência especificar as medidas encetadas no sentido dos princípios dos 3 Rs (reduction, refinement and replacement); descrever a natureza das experiências, os procedimentos que serão efectuados e seu impacto esperado (p.e. dor, sofrimento, distress e lasting harm ) e como podem ser minimizados

13 ETHICAL REVIEW BOARD Investigação com animais PRIMATAS NÃO-HUMANOS nestes animais, o projecto, para além da informação idêntica aos restantes animais, deve também incluir: a ESPÉCIE a usar (a sua ORIGEM (i.e. se foram capturados na natureza ou se provêm de cativeiro, e denominação do centro responsável pelo fornecimento dos animais); especificação do parceiro responsável pela IMPORTAÇÃO dos animais e respectivas condições de ALOJAMENTO; especificação do PARCEIRO que vai realizar a experimentação; especificar o número de animais a ser sacrificado.

14 células estaminais provenientes de embriões Toda a investigação que envolva a utilização de embriões humanos criopreservadosdeve solicitar autorização ao Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida de acordo com a alínea f) artigo 30º. Os candidatos terão de confirmar que a proposta não envolve: investigação com objectivo de criar embriões somente com o propósito de obtenção de células estaminais, incluindo o uso de clonagem por transferência nuclear ETHICAL REVIEW BOARD

15 Investigação em países em vias de desenvolvimento Quando a investigação se realizar em países em vias de desenvolvimento e/ou com parceiros destes países, ou ainda, se os resultados tiverem aplicações potenciais nestes países, o projecto a apresentar deve incluir: descrição da política para a partilha de benefícios e alocação dos direitos de propriedade; contribuição para o capacity building dos países em vias de desenvolvimento. ETHICAL REVIEW BOARD

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária.

Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária. Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária. Todos os animais, domésticos, selvagens e de laboratório são beneficiados por substâncias testadas em animais. Graças

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS AOS PESQUISADORES

ORIENTAÇÕES GERAIS AOS PESQUISADORES ORIENTAÇÕES GERAIS AOS PESQUISADORES 1 Pesquisador responsável é a pessoa responsável pela coordenação e realização da pesquisa e pela integridade e bem-estar dos sujeitos da pesquisa (Res.196/96 II.4).

Leia mais

FORMULÁRIO PARA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE PROJETO DE UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS PARA FINS CIENTÍFICOS

FORMULÁRIO PARA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE PROJETO DE UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS PARA FINS CIENTÍFICOS FORMULÁRIO PARA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE PROJETO DE UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS PARA FINS CIENTÍFICOS Este formulário inclui sete secções: Secção 1: Detalhes administrativos sobre o projeto, pessoas e estabelecimentos

Leia mais

AVISO DE PRIVACIDADE DOS CANDIDATOS A EMPREGO

AVISO DE PRIVACIDADE DOS CANDIDATOS A EMPREGO AVISO DE PRIVACIDADE DOS CANDIDATOS A EMPREGO Índice 1. Objetivo... 3 2. Que informações pessoais a ADM coleta... 3 3. Como a ADM usa suas informações pessoais... 4 4. Como a ADM protege suas informações

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015. Atividades a desenvolver pelo CNPMA em 2015: ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO CNPMA

PLANO DE ATIVIDADES 2015. Atividades a desenvolver pelo CNPMA em 2015: ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO CNPMA PLANO DE ATIVIDADES 2015 Atividades a desenvolver pelo CNPMA em 2015: ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO CNPMA Expediente, recolha e tratamento da informação Assegurar o funcionamento regular do CNPMA Responder

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 9.7.2003 COM (2003) 390 final 2003/0151 (CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que altera a Decisão 2002/834/CE que adopta o programa específico de investigação,

Leia mais

Resumo do Protocolo Partner

Resumo do Protocolo Partner Resumo do Protocolo Partner Estudo em casais serodiscordantes em relação ao VIH para estimativa da taxa de transmissão de VIH e investigação de factores associados à utilização de preservativo. Partners

Leia mais

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 1 Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera USO DE ANIMAIS ESTÁ CERCADO DE : aspectos emocionais questões religiosas aspectos culturais dilemas morais 2 INFLUÊNCIADO POR: filósofos cientistas protetoras meio

Leia mais

ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012

ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012 ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012 1 2 USO DE ANIMAIS ESTÁ CERCADO DE : aspectos emocionais questões religiosas dilemas morais aspectos culturais influenciado

Leia mais

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET POLÍTICA GLOBAL DE NA INTERNET A política da PayU Latam é cumprir com todas as leis aplicáveis referentes à proteção de dados e privacidade. Este compromisso reflete o valor que conferimos à conquista

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos Adotado da 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinki, Finlândia, Junho 1964 e emendas da

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos

DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos Adotada pela 18ª Assembleia Geral da Associação Médica Mundial (Helsinque, Finlândia,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA BOLSAS IBERO-AMERICANAS. JOVENS PROFESSORES E INVESTIGADORES CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA BOLSAS IBERO-AMERICANAS. JOVENS PROFESSORES E INVESTIGADORES CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA BOLSAS IBERO-AMERICANAS. JOVENS PROFESSORES E INVESTIGADORES CONVOCATÓRIA 2015 A promoção da investigação através de programas que contribuam de maneria eficaz para a criação

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E/OU PESQUISA

ANEXO I FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E/OU PESQUISA ANEXO I FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E/OU PESQUISA PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS USO EXCLUSIVO DA COMISSÃO PROTOCOLO N o RECEBIDO EM: / / No campo

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 1. Descrição Este programa procura desenvolver nos estudantes de graduação

Leia mais

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial A. Introdução Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial Princípios éticos para as pesquisas médicas em seres humanos Adotado pela 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinque, Finlândia, junho do 1964

Leia mais

Implementac a o do Alelo Animal/ Animal GRIN no Brasil. Samuel Rezende Paiva Embrapa Labex EUA Recursos Genéticos

Implementac a o do Alelo Animal/ Animal GRIN no Brasil. Samuel Rezende Paiva Embrapa Labex EUA Recursos Genéticos Implementac a o do Alelo Animal/ Animal GRIN no Brasil Samuel Rezende Paiva Embrapa Labex EUA Recursos Genéticos O Que é o Alelo Animal? PORTAL ALELO, lançamento final 2013: https://www.embrapa.br/alelo

Leia mais

da UNESCO Uma leitura portuguesa

da UNESCO Uma leitura portuguesa A Declaração Universal de Bioética da UNESCO Uma leitura portuguesa Por: M. Patrão Neves Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos 1. O antes : a génese da Declaração e o acolhimento crítico

Leia mais

BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ)

BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) Gostaria de doar sangue para apoiar a investigação médica. Como poderei fazer? Para doar uma amostra pode nos contactar (217999437 ou 965152588) ou visitar nos no

Leia mais

CONSENTIMENTO INFORMADO Versão #

CONSENTIMENTO INFORMADO Versão # FORMULÁRIO TIPO FOLHA DE INFORMAÇÃO AO PARTICIPANTE /FORMULÁRIO DE CONSENTIMENTO INFORMADO E AUTORIZAÇÃO PARA USO E DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO MÉDICA chilshflsdk. TÍTULO DO ENSAIO CLÍNICO: PROTOCOLO Nº.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Presidência do Conselho de Ministros 53/CNECV/07

CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Presidência do Conselho de Ministros 53/CNECV/07 53/CNECV/07 PARECER DO CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA PARECER SOBRE OS PROJECTOS DE LEI Nº 126/X (Estabelece os Princípios da Investigação Científica em Células Estaminais e a Utilização

Leia mais

Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em

Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em Formulação de Políticas de Saúde e Tomada de Decisões Informadas por Evidências Sessão 5 Como usar evidências de pesquisa

Leia mais

ÉTICA E PESQUISA. Ética e Pesquisa

ÉTICA E PESQUISA. Ética e Pesquisa ÉTICA E PESQUISA Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos Conselho Nacional de Saúde Resolução 196/96 ASPECTOS ÉTICOS DA PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Dados históricos

Leia mais

ISEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/CNPq

ISEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/CNPq ISEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/CNPq FAMEMA Legislação Brasileira Para a Ética em Pesquisa Animal Prof. Dr. Haydée de Oliveira Moreira Rodrigues HISTÓRICO GERAL Claude Bernard (1813-1878) Cruelty

Leia mais

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 Clube da Ciência, Ano Lectivo 2010/2011 1 . Tempo de aplicação do projecto Os trabalhos a desenvolver no âmbito do Clube da Ciência serão realizados ao longo do ano

Leia mais

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATOR: RUI NUNES 1 PREÂMBULO Poucas questões têm despertado tanta controvérsia como a natureza e a atribuição

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 PLANO DE ATIVIDADES 2016 Atividades a desenvolver pelo CNPMA em 2016: ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO CNPMA Expediente, recolha e tratamento da informação Assegurar o funcionamento regular do CNPMA Responder

Leia mais

TP.100. Política de Segurança da Informação

TP.100. Política de Segurança da Informação Manual do utilizador TP.100 Política de Segurança da Informação Órgão: Versão: 1.0 Data inicial: 2006/05/25 Última alteração: 2006/05/25 (referência) 2/8 Índice de conteúdos 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- INFORMAÇÃO...

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE JUVENTUDE E DESPORTO DESTACAMENTO DE DOCENTES PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO ANO LETIVO 2014/2015

DIREÇÃO REGIONAL DE JUVENTUDE E DESPORTO DESTACAMENTO DE DOCENTES PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO ANO LETIVO 2014/2015 REGULAMENTO Artigo 1.º Objeto 1 - O presente regulamento define as condições de candidatura ao destacamento de docentes para entidades que operam no Sistema Desportivo Regional e regula os procedimentos

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL

CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL 1. INTRODUÇÃO Este regulamento: Descreve os requisitos referentes à Certificação de Pessoas da SGS ICS; Complementa o documento PTD6850 - Processo de Certificação

Leia mais

Patentes Conceitos Básicos

Patentes Conceitos Básicos Patentes Conceitos Básicos O que é patente O que é patenteável O que não é patenteável Como é um documento de patente Como definir o escopo de proteção Como é o processo de patenteamento 2014 www.axonal.com.br

Leia mais

Locacaoemtemporada.com.br Política de Privacidade

Locacaoemtemporada.com.br Política de Privacidade Locacaoemtemporada.com.br Política de Privacidade Esta Política de Privacidade implica em como usamos e protegemos sua informação pessoal. Ela se aplica ao locacaoemtemporada.com.br, e quaisquer outros

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Clonagem A Medicina regenerativa vai ser uma realidade nos próximos anos

Clonagem A Medicina regenerativa vai ser uma realidade nos próximos anos Clonagem A Medicina regenerativa vai ser uma realidade nos próximos anos Entrevista concedida pelo Prof. Carolino Monteiro à revista Oxigénio A classe científica dividiu-se perante o anúncio do nascimento

Leia mais

Sessão 4 Como usar evidências de pesquisa para estruturar opções. Brasília, 10 a 13 dezembro 2012

Sessão 4 Como usar evidências de pesquisa para estruturar opções. Brasília, 10 a 13 dezembro 2012 Sessão 4 Como usar evidências de pesquisa para estruturar opções Brasília, 10 a 13 dezembro 2012 Objetivos Familiarizar-se com uma lista de questões a serem consideradas para estruturar opções com o objetivo

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

CEP - COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACIMED PLATAFORMA BRASIL SUBMISSÃO DE PROJETO

CEP - COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACIMED PLATAFORMA BRASIL SUBMISSÃO DE PROJETO CEP - COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACIMED PLATAFORMA BRASIL SUBMISSÃO DE PROJETO 1 - Acessar a URL www.saude.gov.br/plataformabrasil 2 - Se usuário novo, acessar o link , localizado na

Leia mais

Ciência em Animais de Laboratório

Ciência em Animais de Laboratório 02/10/2012 Ciência em Animais de Laboratório Marcel Frajblat Universidade Federal do Rio de Janeiro Ciência em Animais de Laboratório 1 I Educação, bioética, legislação e biossegurança em animais de laboratório:

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

Definição de Business Angel

Definição de Business Angel BUSINESS ANGELS CLUB ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIDORES EM START-UPS CÓDIGO DE CONDUTA Definição de Business Angel Os Business Angels são investidores individuais que investem, directamente ou através

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

Contabilização e divulgação das despesas de I & D pelas empresas. Domingos Cravo Comissão Executiva da Comissão de Normalização Contabilística

Contabilização e divulgação das despesas de I & D pelas empresas. Domingos Cravo Comissão Executiva da Comissão de Normalização Contabilística Contabilização e divulgação das despesas de I & D pelas empresas Domingos Cravo Comissão Executiva da Comissão de Normalização Contabilística 1 A necessidade da divulgação das despesas de I & D A natureza

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 9.7.2003 Jornal Oficial da União Europeia C 160/7 BANCO CENTRAL EUROPEU MODELO DE ACORDO ENTRE O BANCO CENTRAL EUROPEU E O [banco central nacional do país aderente] ( 1 ) O PRESENTE ACORDO é celebrado

Leia mais

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Protocolo nº: (uso da CEUA) Data de Entrega / / (uso da CEUA) Título do Projeto Pesquisador-chefe Departamento Unidade Acadêmica - - - - -

Leia mais

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10 Artigo 1º Objectivo e âmbito O Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Coordenação de Unidades de Saúde, adiante designado por curso, integra a organização, estrutura curricular e regras de funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO EDITORIAL E NORMAS DE ESTILO DA REVISTA CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS

REGULAMENTO EDITORIAL E NORMAS DE ESTILO DA REVISTA CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS REGULAMENTO EDITORIAL E NORMAS DE ESTILO DA REVISTA CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS REGULAMENTO EDITORIAL Uma das missões do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Pernambuco (CRMV-PE)

Leia mais

Mestrado em Ensino da Física e da Química

Mestrado em Ensino da Física e da Química Mestrado em Ensino da Física e da Química Mestrado em Ensino da Física e da Química - Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 1 5. Estrutura curricular e plano de estudos FORMULÁRIO 1. Estabelecimento

Leia mais

PRINCÍPIOS INTERNACIONAIS PARA A PESQUISA BIOMÉDICA ENVOLVENDO ANIMAIS

PRINCÍPIOS INTERNACIONAIS PARA A PESQUISA BIOMÉDICA ENVOLVENDO ANIMAIS PRINCÍPIOS INTERNACIONAIS PARA A PESQUISA BIOMÉDICA ENVOLVENDO ANIMAIS ADAPTADO do International Guiding Principles for Biomedical Research Involving Animals (CIOMS) - Genebra, 1985. 1 - PRINCÍPIOS BÁSICOS

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIZAÇÃO DO CARTÃO ZILIAN PROPRIEDADE E EMISSÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIZAÇÃO DO CARTÃO ZILIAN PROPRIEDADE E EMISSÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIZAÇÃO DO CARTÃO ZILIAN PROPRIEDADE E EMISSÃO 1. O CARTÃO ZILIAN é válido nos estabelecimentos comerciais Zilian, pertencentes ao Grupo Mar Capital, SGPS, SA, adiante designados

Leia mais

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate YOUR LOGO PLEASE FEEL FREE TO ADD YOUR OWN BACKGROUND Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate Categoria: MEDIA, saúde

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA. EDITAL Nº 009/2014-PROPPG, de 22 de abril de 2014

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA. EDITAL Nº 009/2014-PROPPG, de 22 de abril de 2014 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA EDITAL Nº 009/2014-PROPPG, de 22 de abril de 2014 A, por meio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG/IFG), torna público o processo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO Na sequência dos trabalhos desenvolvidos pelo Fórum para a Cooperação, implementado em 2008, e reconhecendo o papel que

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES

PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES Exposição de motivos O isolamento de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

Directiva INSPIRE. Sessão promovida pelo Grupo Geo-Competitivo 2 da APDSI Auditório da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 27 de Maio de 2008

Directiva INSPIRE. Sessão promovida pelo Grupo Geo-Competitivo 2 da APDSI Auditório da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 27 de Maio de 2008 Directiva INSPIRE Sessão promovida pelo Grupo Geo-Competitivo 2 da APDSI Auditório da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 27 de Maio de 2008 Índice Directiva INSPIRE Fase de Transposição 2007-2009 Exigências

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

Regulamento Programa de bolsas de residência artística. Escultura Design de equipamento Espaço público. Produção Apoio Estrutura Financiada por

Regulamento Programa de bolsas de residência artística. Escultura Design de equipamento Espaço público. Produção Apoio Estrutura Financiada por Formas e Técnicas na Transição Resgate, Mudança, Adaptação, Construção, Simbiose, Regeneração, Estrutura, Diversidade, Especificidade, Desenvolvimento, Identidade, Informação, Lugar Regulamento Programa

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 18 de Março de 2015 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS ANICT

REGULAMENTO DE BOLSAS ANICT REGULAMENTO DE BOLSAS ANICT Preâmbulo Um dos obstáculos identificados por parte dos associados da ANICT para o desejado desenvolvimento da sua carreira académica e científica prende-se com a dificuldade

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

Parque Tecnológico de Óbidos

Parque Tecnológico de Óbidos Parque Tecnológico de Óbidos Regulamento de obras (Versão preliminar) Fevereiro de 2009 Óbidos Requalifica, E.E.M. Casa do Largo da Porta da Vila, 1.º Tel: +351 262 955 440 obidos.requalifica@mail.telepac.pt

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Ideia Empresarial/Protecção da Ideia José Paulo Rainho Coordenador do UAtec Universidade de Aveiro Curso de Empreendedorismo e Valorização

Leia mais

Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico. HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005

Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico. HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005 Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005 João Cadete de Matos Director Departam ento de Estatística Banco de Portugal A protecção de informação estatística confidencialno

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000

RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 Ementa: Dispõe sobre a realização de pesquisa em Psicologia com seres humanos. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação

Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação Preâmbulo Com o objectivo de unir os esforços das Organizações Não Governamentais para o Desenvolvimento (ONGD) associadas da Plataforma Portuguesa das

Leia mais

74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA

74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA 74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA PARECER SOBRE O PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM E A BIOMEDICINA, RELATIVO À INVESTIGAÇÃO BIOMÉDICA (Julho de

Leia mais

RESOLUÇÃO 033 DO CONSELHO SUPERIOR DO IFMG, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO 033 DO CONSELHO SUPERIOR DO IFMG, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO 033 DO CONSELHO SUPERIOR DO IFMG, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS EM PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P.

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aplica-se às bolsas atribuídas pelo Instituto Português do Mar

Leia mais

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Algarve A.1.a.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

Diretrizes Éticas Internacionais para a Pesquisa Envolvendo Seres Humanos

Diretrizes Éticas Internacionais para a Pesquisa Envolvendo Seres Humanos Diretrizes Éticas Internacionais para a Pesquisa Envolvendo Seres Humanos Council for International Organizations of Medical Siences (CIOMS), em colaboração com a Organização Mundial da Saúde (OMS) Genebra,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

CONVOCATÓRIA PRÉMIO CGC CENTRO GENÉTICA CLÍNICA

CONVOCATÓRIA PRÉMIO CGC CENTRO GENÉTICA CLÍNICA CONVOCATÓRIA PRÉMIO CGC CENTRO GENÉTICA CLÍNICA Prémio CGC Genetics Professor Doutor Amândio Tavares, FWA PRÉMIO CGC Genetics Professor Doutor Amândio Tavares, FWA 1º. Prémio: 5.000 2º. Prémio: 2.000 3º.

Leia mais

Padrões de Conduta e Ética em Negócios para Terceiros

Padrões de Conduta e Ética em Negócios para Terceiros Todas as atividades de negócios na Bristol-Myers Squibb (BMS) estruturam-se sobre a base do nosso compromisso com a integridade e o cumprimento de todas as leis, regulamentações, diretrizes e códigos de

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES SÉCULOS XV A XIX O CEDOPE tem como objetivo central constituir-se em centro de pesquisas relativas à história do universo

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA

<!ID1060354-0> CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 879, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2008 Dispõe sobre o uso de animais no ensino e na pesquisa e regulamenta as Comissões de Ética no Uso de

Leia mais

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet O B J E CT I V O Estabelecer critérios para acesso à Internet utilizando recursos do Projecto Portal do Governo de Angola. Orientar os Utilizadores sobre as competências, o uso e responsabilidades associadas

Leia mais

ROTEIRO E ESCLARECIMENTOS PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA COM ANIMAIS A COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIFRA

ROTEIRO E ESCLARECIMENTOS PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA COM ANIMAIS A COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIFRA ROTEIRO E ESCLARECIMENTOS PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA COM ANIMAIS A COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIFRA Antes de preencher o formulário para submissão de projeto de pesquisa em animais,

Leia mais

NOTIFICAÇÃO DA INVENÇÃO

NOTIFICAÇÃO DA INVENÇÃO NOTIFICAÇÃO DA INVENÇÃO 1- TÍTULO DA INVENÇÃO: (Identificar um título breve que descreva de forma clara a invenção) 2- CARACTERIZAÇÃO DA INVENÇÃO 2.1 Descrever de forma sucinta a solução técnica proposta

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015 O Programa Bolsas Ibero-américa. Estudantes de Licenciatura e

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O Trabalho de Conclusão de Curso está estruturado sob a forma de elaboração de um artigo científico, sendo este resultado de um trabalho integrado entre as disciplinas

Leia mais

University of California (Universidade da Califórnia) Permissão para utilização de informações médicas pessoais para pesquisa

University of California (Universidade da Califórnia) Permissão para utilização de informações médicas pessoais para pesquisa University of California (Universidade da Califórnia) Permissão para utilização de informações médicas pessoais para pesquisa Título do estudo (ou Número de Aprovação do IRB (Comitê de Revisão Institucional)

Leia mais

2. CALENDÁRIO 3. ELEGIBILIDADE 4. INSCRIÇÃO DAS PROPOSTAS

2. CALENDÁRIO 3. ELEGIBILIDADE 4. INSCRIÇÃO DAS PROPOSTAS 1. INTRODUÇÃO A Universidade do Porto (U.Porto) e a Universidade de São Paulo (USP) celebraram um Acordo de Cooperação Internacional objetivando a cooperação académica em todas as áreas do conhecimento,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

Concurso de Ideias Empreende +

Concurso de Ideias Empreende + Concurso de Ideias Empreende + REGULAMENTO Preâmbulo A Universidade de Aveiro, através da sua Unidade de Transferência de Tecnologia (UATEC), a seguir denominada Organização, promove o «Concurso de Ideias

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA UNIARA COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA UNIARA COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ROTEIRO SUGERIDO PELA RESOLUÇÃO Nº 466/12 O respeito à dignidade humana exige que toda pesquisa se processe após o consentimento livre e esclarecido dos sujeitos, indivíduos ou grupos que por si e/ou por

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais