A influência do Coaching e do Inquérito Apreciativo no Positivismo Organizacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A influência do Coaching e do Inquérito Apreciativo no Positivismo Organizacional"

Transcrição

1 A influência do Coaching e do Inquérito Apreciativo no Positivismo Organizacional Sérgio Guerreiro Maio 2012 O Mundo gira a uma velocidade estonteante!.. Não me refiro, obviamente, em termos físicos mas sim ao modo como tudo o resto acontece Hoje em dia as pessoas são apanhadas no meio do turbilhão da mudança que, mais do que nunca, é a palavra de ordem. Longe vão os tempos em que podíamos estar um ou dois dias sem ver os noticiários sem que isso fizesse de nós pessoas desatualizadas em relação ao mundo que nos rodeia. Hoje, tudo acontece a toda a hora e ninguém é capaz de ficar imune a este ritmo. De tal forma, que arrisco dizer que, hoje em dia, andamos todos muito mais apressados, nervosos e ansiosos, querendo que tudo aconteça quando queremos, onde queremos e da forma que queremos. Por exemplo, se chego a casa de madrugada, depois de um jantar com amigos, sei que, nesse mesmo momento, posso consultar a 1

2 minha conta bancária ou selecionar um canal de notícias, sem que o avançado da hora seja um impedimento para satisfazer os meus desejos. Mas esta realidade formata-nos como Seres mais exigentes, mais rigorosos e menos tolerantes quando algo não acontece como ou quando queremos e, por consequência, ficamos potencialmente mais conflituosos. Agora façamos a transferência destas condicionantes para a realidade das organizações, as quais são compostas por pessoas assim que, para além do mais, são submetidas à pressão de uma crescente competitividade, onde a obsessão pela produtividade e rentabilidade são cada vez maiores. O medo de falhar e de não conseguir atingir os resultados esperados pela Gestão, vai criando ambientes organizacionais em que a angústia, frustração, insegurança e desconfiança são sentimentos que vão estando latentes e crescendo nos colaboradores. Tenho a consciência de que não existem organizações perfeitas pelo simples facto de estas serem compostas por Seres que também não o são. Mas será que este ambiente facilita e estimula uma atitude positiva nas pessoas e, consequentemente, nas organizações? Será legítimo que, em prol do seu sucesso, as organizações sacrifiquem e desrespeitem os seus colaboradores, pondo muitas vezes em causa a sua saúde física e mental?.. Segundo Miguel Pina e Cunha et al (2006:24), Não somos apenas razão. Todos, sem exceção, vivemos de emoções, ideologia, alma, crenças, tendências, amizades, inclinações, irracionalidades, irritações, tranquilidades, imitações, inteligência, materialismo, saudade, planeamento, improvisação, amor e ódio. E todos queremos ser felizes. Esta é a realidade da vida mesmo da vida organizacional. E esta é também a realidade incontornável que, não obstante os discursos mais frios e as atitudes mais austeras de quem governa os Estados e as organizações, não conseguirá eliminar a elementar necessidade que o Ser Humano tem de querer ser feliz. Mas as organizações podem ser espaços onde as boas emoções prevalecem e a felicidade e positivismo são cultivados. Não quero dizer com isto que as frustrações e os dissabores causados pelas dificuldades e desafios colocados pela elevada competitividade nas empresas não continuem a existir. Contudo, torna-se necessário criar uma cultura organizacional que ajude a desenvolver uma visão positiva nos colaboradores e que os prepare para saber lidar com os momentos menos bons, orientando-os para a permanente busca de soluções e concretizações. As organizações podem perfeitamente conciliar o sucesso e a produtividade com o bem estar dos indivíduos e o respeito pela dignidade humana. 2

3 Miguel Pina e Cunha et al (2006:23), citando Mihaly Csikszentmihaly (2003:21-22) na obra Good Business refere que pode parecer pouco intuitivo argumentar que felicidade e negócios tenham alguma relação entre si, já que para muitas pessoas o trabalho é um mal necessário ou, ainda pior, um pesado fardo. A verdade é que ambos estão inextrincavelmente associados. Fundamentalmente, as empresas existem para melhorar o bem estar dos humanos. ( ) A produção e a troca de bens apenas faz sentido se assumirmos que podem melhorar a qualidade da nossa experiência de vida. O novo paradigma da gestão das organizações deve estar ajustado ao novo paradigma da sociedade em que vivemos, exigindo-se uma flexibilidade e capacidade de adaptação que a mudança e imprevisibilidade dos dias de hoje vão impondo. E essa agilidade só se consegue com pessoas mobilizadas e com uma atitude positiva em relação ao seu papel no contexto organizacional. Antigamente as organizações eram estruturas complexas com pessoas simples e agora são estruturas simples com pessoas complexas. Os colaboradores exigem mais dessas estruturas e de quem as gere. Eles procuram um significado para as suas vidas através do trabalho, valorizando cada vez mais o equilíbrio entre a vida pessoal e o lado profissional. Por outro lado, querem aprender continuamente e gostam de ser envolvidos na dinâmica de gestão da organização, não se importando em assumir mais compromissos, desde que isso os valorize. Por outro lado, a agressiva dinâmica e concorrência que envolve as organizações obriga a que estas, para encontrem a sua vantagem competitiva, passem a ter uma atitude de valorização e desenvolvimento dos colaboradores, passando a fazer uma gestão das pessoas, enquanto tal, e não enquanto meros recursos (humanos). Numa lógica meramente empresarial, poderíamos afirmar que essa vantagem competitiva poderia estar num determinado produto ou serviço que notabilizaria essa organização no mercado e perante os seus concorrentes. Mas numa perspectiva de gestão mais integrada, as pessoas passam a ser, cada vez mais, peças fundamentais e determinantes para a competitividade. De acordo com Toffler (1991) citado por Miguel Pinha e Cunha et al (2008:31), Ninguém compra ações da Apple ou da IBM por causa dos bens materiais da firma. O que conta não são os edifícios ou as máquinas da empresa, mas os contactos e o poder da força de marketing e de vendas, a capacidade organizacional da sua administração e as ideias que fervilham dentro das cabeças dos seus empregados. 3

4 Perante isto, podemos afirmar que os factores de natureza social e psicológica são determinantes para o desenvolvimento competitivo da organização, de onde recentemente o chamado capital psicológico positivo tem vindo a assumir particular destaque. O capital psicológico positivo é o resultado de algumas forças presentes no indivíduo que contribuem para o seu desempenho pessoal e organizacional. As quatro componentes que têm sido mais destacadas na literatura organizacional são a auto-confiança, a esperança, o otimismo e a resiliência. No seu conjunto, estas características são designadas por PsyCap. No entanto, outros elementos concorrem a esta designação como são o caso da criatividade, a sabedoria, o bem estar, o humor, a gratidão, o perdão, a inteligência emocional, a autenticidade e a coragem. As pessoas confiantes acreditam nas suas capacidades de ação e intervenção, escolhem objectivos desafiantes, desenvolvem auto-motivação e esforços no sentido do sucesso, para além de serem perseverantes perante as contrariedades. As pessoas mais esperançosas revelam crenças positivas no alcance dos objectivos e desenvolvem formas alternativas para contornar eventuais dificuldades. Os colaboradores mais otimistas tendem a atribuir os acontecimentos negativos a factores externos (não a eles próprios), temporários e situacionais ( o facto de me ter corrido mal desta vez e nesta situação não me impede de conseguir que corra bem da próxima vez ). Estas pessoas atribuem os acontecimentos positivos a factores internos e recorrentes ( serei capaz de voltar a ter sucesso também noutras situações ). Por outro lado, as pessoas resilientes tendem a ser flexíveis, adaptando-se facilmente às mudanças e demonstram criatividade para ultrapassar as dificuldades. Estas (pelo menos) quatro forças que constituem o PsyCap relacionam-se e complementam-se de uma forma sistémica. As pesquisas sugerem que as pessoas com maior capital psicológico positivo alcançam melhor desempenho e melhor bem estar psicológico, isto é, são mais felizes e profissionalmente mais eficazes. Sendo estas características estados individuais (e não traços de personalidade), significa que as organizações em geral e os gestores/líderes em particular, podem potenciar estas capacidades nos seus colaboradores. Podemos mesmo dizer que se recomenda às organizações que criem um conjunto de práticas de desenvolvimento estratégico de pessoas que simultaneamente ajudem a desenvolver o PsyCap. Mas como veremos de seguida, a aplicação dessas práticas está diretamente relacionada, sobretudo, com o tipo de liderança existente nas organizações, sendo esta a chave para um eficaz desenvolvimento de uma cultura de Positivismo Organizacional. 4

5 Há pouco mais de uma década os estudos da Psicologia trouxeram um novo conceito, através do movimento pela Psicologia Positiva (1998), quando o psicólogo Martin Seligman assumiu a presidência da American Psychological Association (APA). Segundo ele, a ciência psicológica vinha negligenciando o estudo dos aspectos virtuosos da natureza humana. Para evidenciar a realidade da produção científica em Psicologia, Seligman e Czikszentmihalyi publicaram uma edição especial da American Psychologist em janeiro de 2000, na qual enfatizaram que a Psicologia não produzia conhecimento suficiente sobre os aspectos virtuosos e as forças pessoais que todos os seres humanos possuem. Nessa importante publicação, apontaram as lacunas presentes nas investigações psicológicas e destacaram a necessidade de pesquisas sobre aspectos positivos como, por exemplo, esperança, criatividade, coragem, sabedoria, espiritualidade, felicidade. Na esfera organizacional, a psicologia positiva defende a necessidade de uma gestão positiva como forma de criar efeitos positivos para os seus membros e para o próprio desempenho da organização. A psicologia positiva organizacional advoga que se identifiquem as qualidades dos indivíduos e se consiga extrair o melhor das suas capacidades, ao mesmo tempo que se devem criar ambientes organizacionais facilitadores do crescimento dos colaboradores. O foco deve estar nas coisas que as pessoas fazem bem, em detrimento das coisas mal feitas. Nesta linha, segue-se a apresentação de algumas práticas recomendadas aos líderes para o desenvolvimento de uma atitude positiva nos seus colaboradores (veja síntese Quadro 1). Quadro 1 COMO PROMOVER O CAPITAL PSICOLÓGICO POSITIVO NA ORGANIZAÇÃO Fomente a autoconfiança Conceda aos colaboradores oportunidades para exercerem atividades em que sejam bem sucedidos. Isso requer que sejam estabelecidos objetivos alcançáveis, realistas, concretos, específicos e próximos no tempo. Disponibilize mentores e coaches aos colaboradores. Divulgue comportamentos exemplares e bem sucedidos levados a cabo pelos líderes e/ou outras pessoas. Estimule as pessoas a imaginarem-se como bem sucedidas numa dada tarefa. Forneça feedback positivo (e.g., elogio e outras recompensas) aos colaboradores quando alcançam bons desempenhos. 5

6 Fomente a esperança Fomente o otimismo Estabeleça objetivos realistas, específicos, rnensuráveis e desafiantes para os seus colaboradores. Fracione objetivos mais amplos em objetivos parcelares. Os colaboradores experimentarão progressos graduais e poderão ir celebrando pequenas vitórias" (em vez de terem que aguardar por uma grande vitória longínqua no tempo). Transmita confiança aos seus colaboradores. Convide-os a participar em iniciativas importantes e faculte-lhes empowerment. Prepare os colaboradores para eventos importantes, facultando-lhes ou ajudando-os a desenvolver programas de contingência para lidarem com tais eventos. Ajude os colaboradores a redefinir objetivos quando os anteriores se revelam inacessíveis (a insistência em objetivos inalcançáveis conduz ao desespero!). Evite que se chore sobre leite derramado". Crie um clima em que as pessoas aprendam a reenquadrar e aceitar os insucessos passados, concedam a si próprias o benefício da dúvida, e esqueçam erros que de modo algum podem ser minorados. Aprecie o presente, desenvolva a gratidão e a alegria com os aspectos positivos da vida. Transmita a convicção de que o futuro é repleto de oportunidades que podem ajudar os indivíduos a desenvolverem-se. Fomente o otimismo realista - e não o que simplesmente descarta todo o tipo de responsabilidades pessoais por erros cometidos. Fomente a resiliência Fomente factores que aumentam os níveis de resiliência. Exemplos são a melhoria dos níveis de formação/educação, as políticas de conciliação trabalhofamília favoráveis à estabilidade familiar, a melhoria das condições:e empregabilidade dos colaboradores e a seleção/promoção de líderes com forte capital psicológico. Remova fatores nefastos à resiliência. Eis alguns exemplos: evitar condições de trabalho que dificultem a vida familiar; facultar cuidados de saúde e de bem estar; adotar medidas de prevenção de consumo de drogas/álcool; implementar medidas de prevenção e combate ao stresse. Seja um líder autêntico Promova um clima organizacional caracterizado por transparência, confiança e integridade. Seja verdadeiro consigo próprio e com os outros - mas seja prudente, ponderando as consequências das suas decisões e ações. Expresse o que realmente pensa e acredita, e atue em conformidade - em vez de se deixar manietar por contingências externas ou por pressões de outros (e.g., o desejo de agradar ou o acesso a recompensas financeiras). Aceite/compreenda as suas forças e fraquezas. Desenvolva o seu próprio capital psicológico, e assim contagiará os seus colaboradores. A sua autoestima e o seu bem-estar psicológico podem gerar otimismo, confiança, esperança e resiliência nos seus colaboradores. Fonte: Cunha, M. P. et al (2008: 38-39) Ao analisar este Quadro, facilmente se percebe que as práticas nele sugeridas pressupõem um papel muito ativo por parte de quem gere pessoas, o qual terá que ir muito para além da mera gestão baseada no princípio da ordem de comando e controlo. 6

7 Torna-se fundamental a existência de uma Liderança, na verdadeira acepção do termo, alicerçada no pressuposto de que os indivíduos possuem talentos duradouros e únicos e de que o seu principal espaço para o crescimento reside nos seus pontos fortes. Neste aspecto, a liderança tem que saber encontrar essas virtudes, desenvolvendo uma atitude que estimule a libertação do potencial e a criatividade dos indivíduos. Ken Robinson especialista britânico em educação, criatividade e recursos humanos defende que A escola mata a criatividade porque está obcecada em colocar alunos na universidade. Faz tudo de forma padronizada, não tem um ambiente propício ao florescimento de talentos. E para fazer face às mudanças que se verificam no mundo, acrescenta ainda que ( ) as minhas teorias não se resumem a tentar fazer com que as pessoas sejam mais felizes. São cada vez mais úteis na conjuntura em que vivemos. ( ) É preciso regenerar a Economia. Encorajar a inovação e a criatividade, aproveitar todos os recursos e talentos é, na minha opinião, a solução. Por outro lado, quando as pessoas são chamadas a desenvolver a sua criatividade no exercício das suas funções, isso gera uma dinâmica de envolvimento e motivação em relação ao que se faz, na expectativa de verem algo criado por si. A este propósito, Luís Lourenço citando Fritjof Capra (2002), refere que a tarefa da liderança é facilitar o processo de emergência e, ao fazê-lo, promover a criatividade. Luís Lourenço reforça ainda dizendo que a liderança eficaz facilita e fomenta a consciência individual a sede de criatividade! (Lourenço, 2010: 63). A liderança que se preocupa em provocar esse lado imprevisível dos indivíduos, levando-os a procurar em si as suas virtudes e forças, torna-os muito mais motivados e felizes. É um tipo de liderança que emerge da corrente dos estudos organizacionais positivos Liderança Apreciativa. A liderança apreciativa (que vai muito para além da liderança tradicional) encerra em si um conjunto de práticas orientadas para a realização humana, valorizando o que é positivo na vida. Habitualmente, a liderança é definida como um conjunto de competências de uma pessoa ou processo que fornece orientação e direção. A liderança apreciativa, por seu lado, procura envolver as pessoas em processos dirigidos para a valorização da vida e para a criação de valor. Por outro lado, a liderança apreciativa preocupa-se em identificar o potencial dos indivíduos e canalizar essas virtudes para finalidades organizacionalmente produtivas. Retomando os estudos organizacionais positivos, gostava de destacar a importância do Inquérito Apreciativo para o positivismo organizacional. Historicamente, a designação Appreciative 7

8 Inquiry surge com os primeiros trabalhos de David Cooperrider durante os anos oitenta do século passado. Os estudos do Inquérito Apreciativo foram muito motivados pelo clima de mudança, acelerada competitividade e pressão que as organizações começavam a sentir. E associada a essa mudança, residia um clima de incerteza e de resistências que, consequentemente geram emoções negativas nas pessoas. Logo, começou a perceber-se que as abordagens baseadas nos problemas, levadas a cabo por estruturas de gestão rígidas e muito hierarquizadas, não conseguiam inspirar as pessoas nem responder aos desafios. A Inquirição Apreciativa (IA) consiste numa alavancagem dos pontos fortes das pessoas e das organizações, mais do que na ultrapassagem das suas fraquezas. Não é pretensão da IA mudar as pessoas mas sim estimulá-las a assumir compromissos com vista à construção de organizações agradáveis de trabalhar, orientadas para as soluções através da exploração das suas forças. Esta prática favorece, assim, a capacidade da organização em capitalizar a energia e orientação das pessoas para demonstrarem todo o seu potencial em torno de uma causa organizacional comum. Daqui resulta uma produção extraordinária de novas ideias, um significativo aumento da comunicação interna, de partilha e de grande capacidade de mobilização, que favorece o aparecimento de bons resultados económicos. A interiorização e aplicação corrente da IA prepara eficazmente as organizações a fazer face às mudanças e ao clima de incerteza que vem dominando o mundo, sobretudo, nos últimos anos, gerando simultaneamente um clima de bem estar e positivismo nos seus stakeholders. Segundo Miguel Pinha e Cunha et al (2006: 78), citando David Cooperrider (1999), A inquirição apreciativa é a procura cooperativa do melhor que há nas pessoas, nas suas organizações e no mundo em seu redor. ( ) Envolve a arte e a prática de colocar questões que revigoram a capacidade do sistema para aumentar o potencial positivo. Mobiliza a inquirição através da colocação de uma questão positiva incondicional. ( ) Na IA, a intervenção dá lugar à imaginação e à inovação. Em vez da negação, do criticismo e do diagnóstico em espiral, há descoberta sonho e concepções. A IA assume que todo o sistema vivo tem elementos positivos inexplorados, ricos e inspiradores. Na base da IA está a capacidade de influência e de transformação da comunicação humana. Como refere Luís Miguel Neto (2008:7) num artigo publicado no website Os sistemas humanos são constituídos por relações interpessoais e as relações são definidas pela comunicação. 8

9 Ao mesmo tempo, a IA apoia-se num modelo de comunicação positiva, e daí, apreciativa. As questões são colocadas numa lógica tendencialmente positiva, pressupondo que o foco deve estar nas soluções e nos aspectos positivos. Por exemplo, relativamente à opinião que um determinado colaborador tem do seu superior hierárquico posso colocar a questão das seguintes formas: Gostas do teu chefe? ou então O que de bom tem a relação com o teu chefe?. A forma como a segunda questão é formulada, pressupõe que existem aspectos positivos na relação do colaborador com a sua chefia. Logo, o seu foco mental passa a estar orientado para características positivas e elimina-se a normal tendência para dizer mal do chefe. Desta forma, o colaborador, ao ser estimulado a encontrar os factores positivos presentes na relação com o chefe, vai igualmente desenvolvendo emoções positivas em relação ao seu trabalho, em geral, e à relação com a sua hierarquia, em particular. A IA mais não é do que uma forma de comunicação focada em aspectos positivos que estimula a descoberta e a criatividade, identificando o que as pessoas mais valorizam e procurando criar imagens positivas que, consequentemente levam a ações positivas. Desta forma, os indivíduos sentem-se mais soltos para dizerem o que idealizam e, muitas vezes, do resultado das suas ideias nascem soluções e projetos de enorme valor para as organizações. Vejamos, por exemplo a seguinte questão que um diretor pode colocar a um seu colaborador: Se você estivesse no meu lugar e tivesse que apresentar à Administração três boas ideias de projetos inovadores para este ano, quais seriam essas ideias?. Esta pergunta, para além de transmitir uma valorização da opinião do colaborador, irá despoletar uma onda de ideias, provavelmente válidas, num todo em parte, para a organização. Por outro lado, este estilo de abordagem vai estimular uma maior e melhor comunicação dentro da organização, aproximando e reforçando a relação entre líder e liderados. Assim sendo, recomenda-se que este modelo de comunicação da IA seja incorporado pelos líderes, de modo a que estes ajam como catalisadores da mudança positiva junto dos seus colaboradores, favorecendo a participação de todos na construção e apresentação de novas ideias. Como atrás referi, este tipo de liderança deve ser de um nível superior do tradicional, exigindo ao líder novas competências, sobretudo, relacionais e comunicacionais. E quando assim é, eis que surge o Líder-Coach. Numa lógica e filosofia idênticas à da Inquirição Apreciativa, aparece o Coaching como uma das práticas mais recentes de desenvolvimento de competências e desempenho. O termo coach (inglês) ou coche (francês) tem presente a ideia de uma carruagem de quatro rodas, puxada por cavalos, que se prestava a transportar alguém de um sítio para outro. 9

10 Inicialmente, a palavra aparece predominantemente associada ao contexto desportivo, designando o treinador de um atleta ou equipa. Mas é com a transposição do termo para a realidade organizacional que a prática do coaching ganha força e expressão. De uma forma simples, podemos definir coaching como um acompanhamento personalizado com vista a elevar o rendimento e a performance de um indivíduo, estimulando-o a encetar ações que o conduzem ao alcance de objetivos. O coaching pretende libertar o potencial de uma pessoa, ajudando-a a aprender em vez de ensiná-la. Este novo modelo sugere que somos mais como uma bolota que contém dentro de si todo o potencial para ser um carvalho magnífico. Precisamos de alimentação, incentivo e de uma luz a alcançar, mas a qualidade do carvalho já está em nós (Whitmore, 2006:3). Os coaches ajudam as pessoas para quem trabalham (coachees) as encontrar soluções práticas e eficazes para os mais variados desafios que têm que enfrentar, ao mesmo tempo que as ajuda a desenvolver as competências adequadas a essas situações. O coach funciona como alguém que leva o seu coachee a mudar frequentemente as suas perspetivas de análise, no sentido de alcançar o maior número possível de possibilidade de resolução de determinada questão. O coaching, por definição, está orientado para a ação e para as soluções. Daqui podemos depreender que o formato de comunicação existente numa relação de coaching tem que ser, necessariamente construtivo e positivo. Deste modo, as semelhanças com o modelo de comunicação presente na Inquirição Apreciativa são inúmeras, sendo que o coach tende a causar no seu coachee um impacto e um conjunto de emoções positivas. Essas emoções positivas ( ) possuem como função o alargamento do campo da consciência e, consequentemente, das possibilidades de pensamento e ação das pessoas (Neto, L e Marujo, H., 2011: 442). Uma das técnicas mais poderosas presentes na relação de coaching é a capacidade de fazer aquilo a que, na gíria do coaching, se designa por Key Questions ou Powerfull Questions. Mas neste âmbito, o principal objetivo das perguntas não é obter respostas para o questionador, mas sim para o respondente. Para poder colorir esta ideia com um exemplo, deixo aqui umas das perguntas que, habitualmente coloco aos meus coachees (em funções de chefia) durante a primeira sessão de coaching: Se os seus colaboradores tivessem uma varinha mágica e a apontassem para si, o que é que acha que eles mudariam?. O objetivo desta pergunta é fazer com que o coachee (num processo de desenvolvimento de competências de liderança) mude a sua perspetiva de 10

11 análise e consiga ver-se com os olhos dos seus colaboradores, facilitando-o a compreender, através das suas próprias respostas, quais as áreas a desenvolver para melhorar a sua liderança. O coaching pressupõe sempre uma estrutura de comunicação. Dos vários modelos sugeridos para uma sessão de coaching, destaco o Modelo GROW (Crescimento) desenvolvido pelo consultor e coach britânico John Whitmore. De uma forma simples, este modelo de conversação leva o coachee a definir o objetivo (Goal) da conversa, sendo igualmente estimulado a perceber e qual é a situação atual em relação àquele objetivo (Reality) e a refletir sobre ela. De seguida, exploram-se as várias alternativas e opções (Options) de atuação e, finalmente, orienta-se o coachee a assumir compromissos sobre o quê, o como e quando (What/When/Will) é que as ações da fase anterior são enecetadas. Esta estrutura vai sendo percorrida através de uma abordagem de questionamento (apreciativa) onde devem predominar as Key Questions de modo a se conseguir elevar o nível de consciência do coachee e, simultaneamente, estimular a sua criatividade e envolvendo-o através do estabelecimento de objetivos e compromisso, desbloqueando algumas crenças limitadoras que o impede de agir. A Consultora Roland Berger defende que nos processos de inovação todas as áreas deverão estar envolvidas ( ). O papel da liderança é colocar as questões críticas que originem novas abordagens e soluções (2010). Numa perspetiva de coaching interno, isto é, aquele que é feito por pessoas dentro da organização, os gestores de equipas não se poderão demitir destas competências. Contudo, não se exige a esses gestores que consigam aplicar um processo de coaching do mesmo modo que um coach profissional externo o faz; até que existem limitações naturais que se prendem com o papel que ocupam na organização que pode ser incompatível, se o tema a tratar com o coachee for, por exemplo, desmotivação ou incompatibilidade com o chefe. No entanto, é perfeitamente recomendável que esses líderes sejam líderes-coach, ou seja, que consigam ter uma atitude de coaching na relação com os seus colaboradores. Como vimos anteriormente, perante os novos desafios a que as organizações passaram a estar expostas, exige-se dos colaboradores uma permanente capacidade de superação. E isso só se consegue com indivíduos felizes e motivados, dispostos a mobilizarem-se em prol de projetos organizacionais estimulantes, dos quais possam extrair conhecimento e desenvolvimento profissional e pessoal. Para isso, as organizações têm que ter lideranças eficazes que libertem o potencial das pessoas. E na maior parte das empresas este potencial mantém-se adormecido, evitando que as pessoas ponham em prática tudo aquilo que valem, amputando-lhes a possibilidade de poderem ser mais felizes e produtivas. 11

12 Cabe ao líder-coach contribuir para essa felicidade. Como refere Richard Denny no seu livro Motivação para Vencer Por vezes as pessoas têm que ser desafiadas para que se acenda o rastilho que as dispara para a atividade realizadora (1993:80). Por outro lado Alan Hooper e John Potter referem no seu livro Liderança Inteligente Criar a Paixão pela Mudança, que ( ) os líderes conseguem fazer sobressair o melhor das pessoas. Isto envolve uma abordagem holística que abrange motivação, ( ) empowerment, coaching e encorajamento (2011:75). Referências BARRETO, A. (2004), Amo-te Galp!. Jornal Público. 4 Janeiro, 5. CAPRA, F. (2002), The Hidden Connections: a Science for Sustainable Living. Nova Iorque. Hasper Collins. CSIKSENTMIHALY, M. (2003). Good Business: Leadership, flow and making of meaning. Coronet. London. CUNHA, M. P. et al (2006). Organizações Positivas. Publicações D. Quixote. Lisboa. CUNHA M. P. et al (2008). Organizações Positivas - Manual de trabalho e formação. Edições Sílabo, 1ª Edição. Lisboa. COOPERRIDER, D.L. & WHITNEY, D. (1999). Aprreciative Inquire.San Francisco. Berret- Kochler. DENNY, R. (1993). Motivação para Vencer. Clássica Editora. Lisboa. HOOPER, A. & POTTER, J. (2011). Liderança Inteligente Criar a Paixão pela Mudança. Actual Editora. Lisboa. NETO, L & MARUJO, H. (2011) Vários Autores, in Psicologia Aplicada, Coordenado por LOPES, M. P. et al. RH Editora, 1ª Edição. Lisboa LOURENÇO, L. (2010). Mourinho A Descoberta Guiada. Editora Prime Books, 5ª Edição. PINK, D. H. (2009). Drive. Editora Estrela Polar, 1ª Edição. Lisboa 12

13 ROBINSON, K. (2010). A escola mata a criatividade e não valoriza o talento. Revista Sábado. 4 Novembro, TOFFLER, A. (1991). Os novos poderes. Livros do Brasil. Rio de Janeiro. WHITMORE, J. (2006). Coaching para Performance. Qualitymark Editora. Rio de Janeiro. Webgrafia NETO, L. (2008). Tudo o que sempre quis saber sobre Inquérito/Indagação/Investigação Apreciativo(a) em 10 perguntas (aparentemente) fáceis, in consultado em 13 de Novembro de Maio

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo A BestKIDS&Teens tem por objetivo desenvolver em cada criança, adolescente ou jovem o melhor de si próprio, contribuindo para o seu enriquecimento pessoal e emocional, através do reforço da sua autoestima,

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Personal and Professional Coaching

Personal and Professional Coaching Personal and Professional Coaching Seu salto para a excelência pessoal e profissional 1 O novo caminho para o sucesso e a realização pessoal! Todos sabem que para ser médico, advogado, dentista ou engenheiro

Leia mais

CONSULTORIA POSITIVA

CONSULTORIA POSITIVA O consultor é uma pessoa que, pela sua habilidade, postura e posição, tem o poder de influenciar as pessoas, grupos e organizações, mas não tem o poder directo para produzir mudanças ou programas de implementação.

Leia mais

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. A maioria absoluta das avaliações obtêm excelentes resultados,

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara 100 FRASES para um dia mais feliz de Ana Flávia Miziara Você está alegre? A vida está sorrindo para você? Você se lembrou de sorrir hoje? Lembre-se que a alegria é a fartura da vida e da mente. A vida

Leia mais

Webinário liderança e coaching 21 de Maio de 2014

Webinário liderança e coaching 21 de Maio de 2014 Webinário liderança e coaching 21 de Maio de 2014 Creating the Future Objetivos Percecionar a diferença entre um gestor e um líder; Conhecer as caraterísticas de uma liderança eficaz; Conhecer o coaching;

Leia mais

COACHING. Coaching Porquê?

COACHING. Coaching Porquê? QUALITIVIDADE COACHING Coaching é um processo de desenvolvimento de competências Comportamentais e Atitudinais que tem um resultado na realização das metas e estratégias do Cliente e das Organizações,

Leia mais

Workshop. As Ferramentas do Coaching na Liderança. Lisboa, 21 maio 2013

Workshop. As Ferramentas do Coaching na Liderança. Lisboa, 21 maio 2013 Workshop As Ferramentas do Coaching na Liderança Lisboa, 21 maio 2013 GESTÃO LIDERANÇA Gerem-se coisas, lideram-se pessoas COACHING A competição global continua a requerer um crescente esforço das organizações

Leia mais

PRO PERFORMANCE EMPRESAS

PRO PERFORMANCE EMPRESAS Uma proposta cultural única aprimore o seu potencial Crie um versão melhor de is mesmo Conheça, pratique, supere-se, aprimore-se PRO PERFORMANCE EMPRESAS Programa de Excelência e Alta Performance para

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU!

BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU! BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU! ENQUANTO UNS ESTÃO CONFUSOS, VOCÊ DEMONSTRA CLAREZA ENQUANTO UNS ESTÃO CONSTRANGIDOS, VOCÊ É FLEXÍVEL ENQUANTO UNS VEEM ADVERSIDADE, VOCÊ DESCOBRE OPORTUNIDADES

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

SEJAM BEM-VINDOS! GESTÃO DE MUDANÇAS EM 3 ESTRATÉGIAS DE COACHING

SEJAM BEM-VINDOS! GESTÃO DE MUDANÇAS EM 3 ESTRATÉGIAS DE COACHING SEJAM BEM-VINDOS! GESTÃO DE MUDANÇAS EM 3 ESTRATÉGIAS DE COACHING OBJETIVOS DESTE WORKSHOP Experimentar o processo de coaching e aplicar as técnicas em seu cotidiano. ASSUNTOS 1. Por que é difícil mudar?

Leia mais

Inteligência Emocional e Liderança

Inteligência Emocional e Liderança Inteligência Emocional e Liderança (no trabalho e na vida ) (Maio 2010) O QUE É QUE OS BONS LÍDERES FAZEM BEM? Comunicar uma visão de futuro Desencadear e gerir a mudança Planear e decidir com eficácia

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DYNAMIC COACHING

CERTIFICAÇÃO DYNAMIC COACHING CERTIFICAÇÃO DYNAMIC COACHING INÍCIO JÁ A 12 DE MARÇO! CONHEÇA O NOSSO PROGRAMA DETALHADO! Público Alvo: Profissionais interessados em desenvolver a actividade de Dynamic Coaching. Inscrições: GO4 Consulting

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

FORMAÇÃO EM COACHING PROFISSIONAL & LÍDER COACH

FORMAÇÃO EM COACHING PROFISSIONAL & LÍDER COACH CHEGOU A HORA DE VOCÊ SE TORNAR UM COACH! CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM COACHING 4 ING AGORA, COMO CONSEGUIR É A QUESTÃO! A vida nunca está parada, existe sempre movimento, um fluxo que nos leva na direção

Leia mais

O Líder do futuro também é coach das suas equipas! Como dar o passo?

O Líder do futuro também é coach das suas equipas! Como dar o passo? Luis Morgadinho e Pedro Miguel Geraldes O Líder do futuro também é coach das suas equipas! Como dar o passo? 14 e 1415 e 15 de Março 2012 2012 Centro Congressos do Estoril Centro Congressos do Estoril

Leia mais

Por que a ausência do pensar e da visão estratégica tendem a anular a ética? Há dois fatores que limitam e amortecepm a consciência ética:

Por que a ausência do pensar e da visão estratégica tendem a anular a ética? Há dois fatores que limitam e amortecepm a consciência ética: presumo Aula-tema 04: Pensamento Ético e Visão Estratégica. Comecemos por uma indagação: Por que a ausência do pensar e da visão estratégica tendem a anular a ética? Há dois fatores que limitam e amortecepm

Leia mais

Coaching e Mentoring

Coaching e Mentoring Coaching e Mentoring Prof. MBA de Gestão Estratégica de Pessoas Mentoring/ Coaching / Counseling Mentoring Coaching Counseling Aconselhamento de Carreira. Realizado em médio e longo prazos. Planejamento

Leia mais

Leader coach e estratégia Disney

Leader coach e estratégia Disney 34 Leader coach e estratégia Disney As organizações enfrentam grandes desafios. Surge a necessidade de adaptação. Um dos principais fatores que fazem a diferença são seus líderes. Os líderes precisam adotar

Leia mais

Que Liderança hoje? A Transformação acontece aqui e agora o que permanecerá? Mentoring, Tutoring, Coaching A Inteligência Emocional

Que Liderança hoje? A Transformação acontece aqui e agora o que permanecerá? Mentoring, Tutoring, Coaching A Inteligência Emocional Que Liderança hoje? A Transformação acontece aqui e agora o que permanecerá? Mentoring, Tutoring, Coaching A Inteligência Emocional Estamos numa encruzilhada Não é a falta de saídas que é problemática,

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... 19 2. AUTOESTIMA... 23 2.1 Autoaceitação... 24 2.2 Apreço por si... 26

Leia mais

ÍNDICE. Leituras PARTE I A QUEM SE DESTINA ESTE LIVRO 13 CINCO NOTAS PRÉVIAS 15

ÍNDICE. Leituras PARTE I A QUEM SE DESTINA ESTE LIVRO 13 CINCO NOTAS PRÉVIAS 15 ÍNDICE A QUEM SE DESTINA ESTE LIVRO 13 CINCO NOTAS PRÉVIAS 15 INTRODUÇÃO 19 Capital humano, social e psicológico 19 Estrutura do livro 20 Uma perspectiva desenvolvimentista 21 Ferramentas de formação e

Leia mais

QUALITIVIDADE. Coaching Uma nova FERRAMENTA para melhorar o DESEMPENHO do Profissional de Saúde

QUALITIVIDADE. Coaching Uma nova FERRAMENTA para melhorar o DESEMPENHO do Profissional de Saúde QUALITIVIDADE Coaching Uma nova FERRAMENTA para melhorar o DESEMPENHO do Profissional de Saúde O Profissional da Saúde como Coach e Mentor: UM DIFERENCIAL QUALITATIVO INOVADOR O Programa In ACTION promove

Leia mais

Líderes do Coração. A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes

Líderes do Coração. A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes Líderes do Coração A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes O que é? Líderes do Coração é um programa que cria espaços de estudo, reflexão e prática da arte da liderança, partindo do pressuposto

Leia mais

leader training Liberando o melhor de você!

leader training Liberando o melhor de você! leader training Liberando o melhor de você! Objetivos Desenvolver habilidades de autocoaching, com foco na gestão de pensamentos e emoções, orientados para as dimensões do bem-estar humano e uma liderança

Leia mais

COACHING. Imagem Evolução do Coaching por Coach Douglas Ferreira. Veja um pouco de sua evolução.

COACHING. Imagem Evolução do Coaching por Coach Douglas Ferreira. Veja um pouco de sua evolução. Faculdade Tecnologia Senac. Goiania,29 de maio de 2014. Nome: Thiago Pereira Profº Itair Pereira da Silva GTI 1 - Matutino COACHING O Coaching é um processo, com início, meio e fim, definido em comum acordo

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO E LIDERANÇA LISBOA 2015-16

PROGRAMA DE GESTÃO E LIDERANÇA LISBOA 2015-16 O PGL foi desenhado para profissionais, com mais de 5 anos de experiência, dinâmicos, com grande capacidade de trabalho e ambição de aceder a novas responsabilidades. PROGRAMA DE GESTÃO E LIDERANÇA LISBOA

Leia mais

CRANBERRY TOOLBOX: COACHING MODELO GROW (WHITMORE) O PROBLEMA E O SEU CONTEXTO EM POUCAS PALAVRAS O QUE É O COACHING?

CRANBERRY TOOLBOX: COACHING MODELO GROW (WHITMORE) O PROBLEMA E O SEU CONTEXTO EM POUCAS PALAVRAS O QUE É O COACHING? CRANBERRY TOOLBOX: COACHING MODELO GROW (WHITMORE) EM POUCAS PALAVRAS O Coaching é uma prática cada vez mais adotada nas organizações pelo seu potencial de transformação de hábitos e comportamentos, sendo

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

O ABC da gestão do desempenho

O ABC da gestão do desempenho Por Peter Barth O ABC da gestão do desempenho Uma ferramenta útil e prática para aprimorar o desempenho de pessoas e organizações 32 T&D INTELIGÊNCIA CORPORATIVA ED. 170 / 2011 Peter Barth é psicólogo

Leia mais

Equipe de Alta Performance

Equipe de Alta Performance Equipe de Alta Performance Como chegar a ser uma EAP? Intelectual Razão Cognição Meta Estratégia EQUIPE EAP (Time) BANDO GRUPO Emocional Motivação Relação Ajuda O que é uma Equipe? Éumgrupodepessoas: com

Leia mais

WORKSHOP DE COACHING

WORKSHOP DE COACHING WORKSHOP DE COACHING APRESENTAÇÃO ATENÇÃO DESLIGUE Facebook Celular E-mail ESTA AULA PODE MUDAR SUA CARREIRA EXPECTATIVAS COACHING O que você espera? APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O que precisa acontecer neste

Leia mais

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Socióloga - Consultora em Gestão de Pessoas - Personal & Professional Coach 1. Cenários organizacionais: Como delimitar

Leia mais

claro que o emprego existe enquanto houver trabalho para cada empregado.

claro que o emprego existe enquanto houver trabalho para cada empregado. Automotivação Antes de abordarmos a importância da motivação dentro do universo corporativo, vale a pena iniciarmos esta série de artigos com uma definição sobre esta palavra tão em voga nos dias atuais.

Leia mais

SEJAM BEM-VINDOS! COACHING DE ALTA PERFORMANCE

SEJAM BEM-VINDOS! COACHING DE ALTA PERFORMANCE SEJAM BEM-VINDOS! COACHING DE ALTA PERFORMANCE APRESENTAÇÃO ATENÇÃO DESLIGUE Facebook Celular E-mail ESTA AULA PODE MUDAR SUA CARREIRA ASSUNTOS O que você espera? EXPECTATIVAS Quais são os desafios para

Leia mais

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Existem sete níveis bem definidos de liderança, que correspondem aos sete níveis de consciência organizacional. Cada nível de liderança se relaciona com a satisfação

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

21 Mandamentos do Grandes Ideias

21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias Ideias simples mas que fazem toda a diferença na motivação dos nossos alunos!! 1. Conhecer os alunos e fazê-los sentirem-se amados pela

Leia mais

O Processo de Coaching*

O Processo de Coaching* O Processo de Coaching* Por Adriana Preto Rutzen** O Coaching surgiu no mundo dos esportes, através do trabalho do técnico de tênis Thimoty Gallwey, que escreveu e publicou, em meados dos anos 70, o livro

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

Não só de canudos vivem as boas equipas/organizações. Arménio Rego

Não só de canudos vivem as boas equipas/organizações. Arménio Rego Não só de canudos vivem as boas equipas/organizações Arménio Rego Biblioteca como organização Organização uma equipa de equipas Diferentes formas de capital Capital económico tradicional Capital humano

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Título de apresentação principal em Calibri tamanho 18

Título de apresentação principal em Calibri tamanho 18 COACHING Título de apresentação principal em Calibri tamanho 18 O novo caminho para o sucesso e a realização pessoal! Todos sabem que para ser médico, advogado, dentista ou engenheiro são necessários anos

Leia mais

leader coach COUTO Liberando potencial, maximizando resultados. P E R F O R M A N C E

leader coach COUTO Liberando potencial, maximizando resultados. P E R F O R M A N C E leader coach Liberando potencial, maximizando resultados. COUTO P E R F O R M A N C E Objetivo tualmente, vivemos em um mundo de constantes mudanças. ANesse contexto, tão importante, o treinamento Leader

Leia mais

CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM COACHING 5 a 12 de Setembro, Belo Horizonte Brasil. www.criscarvalho.com

CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM COACHING 5 a 12 de Setembro, Belo Horizonte Brasil. www.criscarvalho.com CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM COACHING 5 a 12 de Setembro, Belo Horizonte Brasil O processo de Certificação tem como finalidade formar e preparar os participantes para serem capazes de compreender e atuar

Leia mais

Bola Positiva. O positivo expande-se na medida em que é afirmado e apreciado. (Cooperrider & Whitney, 1999)

Bola Positiva. O positivo expande-se na medida em que é afirmado e apreciado. (Cooperrider & Whitney, 1999) Bola Positiva O positivo expande-se na medida em que é afirmado e apreciado. (Cooperrider & Whitney, 1999) O PROJETO POSITIVE GROWTH O Projeto nasceu da vontade de aplicar o conhecimento científico da

Leia mais

Mário Rocha. A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências

Mário Rocha. A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências Mário Rocha A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências Missão Visão Objetivos estratégicos Competências Organizacionais Competências Conhecimento o que saber Habilidades - saber fazer

Leia mais

AS MUDANÇAS DO PLANETA E AS NOSSAS

AS MUDANÇAS DO PLANETA E AS NOSSAS AS MUDANÇAS DO PLANETA E AS NOSSAS As erupções solares e as energias emitidas, são responsáveis por mudanças: Climáticas (aumento de temperatura, degelos, tsunamis), no comportamento humano e do animais,

Leia mais

LC Metodologia Coaching

LC Metodologia Coaching LC Metodologia Coaching Processo de desenvolvimento pessoal e profissional Maio de 2013 Apresentações (plasticina) e expectativas Qual é o seu herói / ídolo? Porquê? Inspiração / Origem do Coaching Método

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

O QUE É EMPREENDEDORISMO? EMPREENDEDORISMO 2º Semestre de 2013. Perfil do empreendedor 23/09/2013

O QUE É EMPREENDEDORISMO? EMPREENDEDORISMO 2º Semestre de 2013. Perfil do empreendedor 23/09/2013 O QUE É EMPREENDEDORISMO? EMPREENDEDORISMO 2º Semestre de 2013 05 12/09/2013 É a área voltada para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas a criação e progressão de um projeto, que

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

SEJAM BEM-VINDOS! WORKSHOP DE COACHING PROFISSIONAIS DE RH

SEJAM BEM-VINDOS! WORKSHOP DE COACHING PROFISSIONAIS DE RH SEJAM BEM-VINDOS! WORKSHOP DE COACHING PROFISSIONAIS DE RH APRESENTAÇÃO & EXPECTATIVAS Quais os desafios do profissional de RH? OBJETIVOS DESTE WORKSHOP Experimentar o processo de coaching e aplicar as

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Marco Antonio Ornelas Psicólogo com Especialização em Comportamento Organizacional pela Califórnia American University. Formação em Coaching pelo

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

A Visão. Uma Introdução

A Visão. Uma Introdução 1 A Visão Uma Introdução Muitas pessoas sabem, já desde a infância ou juventude, o que querem ser na vida quando forem adultos, como, por exemplo, médico(a), enfermeiro (a), músico (a), advogado (a), ou

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA Gestão de Carreira Gestão de Carreira é um dos temas que mais ganhou destaque nesta última década,

Leia mais

Discutir liderança feminina em pleno século

Discutir liderança feminina em pleno século Liderança feminina Discutir liderança feminina em pleno século XXI parece ultrapassado, mas apenas agora as mulheres começam a ser reconhecidas como líderes eficazes. Somente neste século o reconhecimento

Leia mais

Atualmente é Coach, e fundador da Crescimentum-Coaching for Performance (www.crescimentum.com.br). Email : adiniz@crescimentum.com.

Atualmente é Coach, e fundador da Crescimentum-Coaching for Performance (www.crescimentum.com.br). Email : adiniz@crescimentum.com. O Líder do Futuro Numa época em que a Liderança se tornou tão importante quanto rara nas empresas, cada vez mais emerge a questão: quem serão os líderes do futuro? Que características vão predominar nas

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL

ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL COMUNICAÇÃO E IMAGEM COMO FACTORES COMPETITIVOS A sua empresa tem problemas ao nível da comunicação interna? Promover a Comunicação assertiva no relacionamento

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Mobilização de Equipes para Alta Performance

Mobilização de Equipes para Alta Performance Mobilização de Equipes para Alta Performance Mobilização de Pessoas liderar é influenciar pessoas para que desenvolvam motivação para fazer o que "deve" ser feito com vontade e com o máximo de seu potencial

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

COACHING & MENTORING Qual a influência na atuação da Liderança? Everalnice Mascarenhas, M.Sc, PMP

COACHING & MENTORING Qual a influência na atuação da Liderança? Everalnice Mascarenhas, M.Sc, PMP COACHING & MENTORING Qual a influência na atuação da Liderança? Everalnice Mascarenhas, M.Sc, PMP Gerente de Projeto da GENPRO S.A nos ramos Petroquímica e Petróleo. Coordenadora do Curso de Pós Graduação

Leia mais

ARTIGO: Gestão de recursos humanos, desenvolvimento profissional e coaching Uma perspetiva integrada

ARTIGO: Gestão de recursos humanos, desenvolvimento profissional e coaching Uma perspetiva integrada ARTIGO: Gestão de recursos humanos, desenvolvimento profissional e coaching Uma perspetiva integrada Os desafios colocados aos gestores de recursos humanos 1. A gestão de recursos humanos e o coaching

Leia mais

COACHING CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Capacitação Profissional e Desenvolvimento Pessoal

COACHING CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Capacitação Profissional e Desenvolvimento Pessoal COACHING CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Capacitação Profissional e Desenvolvimento Pessoal Curso de Certificação Internacional reconhecido pela ICF* Programa completo de formação teórica e prática de desenvolvimento

Leia mais

COUTO COACHING. Liberando potencial, maximizando resultados.

COUTO COACHING. Liberando potencial, maximizando resultados. COUTO COACHING Liberando potencial, maximizando resultados. O que é Coaching? Coaching é uma poderosa ferramenta de desenvolvimento e gerenciamento do comportamento humano e tem como objetivo levar o indivíduo

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

Curso de. Coaching Executivo. Formação Avançada para Coaches e Executivos. Organização

Curso de. Coaching Executivo. Formação Avançada para Coaches e Executivos. Organização Formação Avançada para Coaches e Executivos Organização Os desafios que hoje se colocam às Organizações exigem delas uma capacidade de resposta rápida e eficaz. Ter colaboradores tecnicamente bons já não

Leia mais

Marketing Pessoal. Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga

Marketing Pessoal. Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga Marketing Pessoal Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga Estratégia de Marketing Pessoal De que forma se pode autopromover? O que é fundamental para alcançar os objetivos próprios? Qual a importância de

Leia mais

Somos os melhores porque somos CoachReference

Somos os melhores porque somos CoachReference Coaching Executivo Tradição e Experiência 1 Somos os melhores porque somos CoachReference Preparado para transformar realidades? A confiança em si mesmo, a motivação interna, a capacidade de decidir, a

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

O QUE É COACHING? O QUE É COACHING? INSTRUMENTO PODEROSO PARA MELHOR PERFORMANC E RESULTADOS QUAIS CONTEXTOS PODEMOS UTLIZAR O COACHING?

O QUE É COACHING? O QUE É COACHING? INSTRUMENTO PODEROSO PARA MELHOR PERFORMANC E RESULTADOS QUAIS CONTEXTOS PODEMOS UTLIZAR O COACHING? O QUE É COACHING? INSTRUMENTO PODEROSO PARA MELHOR PERFORMANC E RESULTADOS QUAIS CONTEXTOS PODEMOS UTLIZAR O COACHING? COMO SURGIU E ESTÁ EVOLUINDO O COACHING? QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS BENEFÍCIOS? IMPORTÂNCIA

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO E LIDERANÇA PORTO 2016

PROGRAMA DE GESTÃO E LIDERANÇA PORTO 2016 PROGRAMA DE GESTÃO E LIDERANÇA PORTO 2016 O PGL foi desenhado para profissionais, com mais de 5 anos de experiência, dinâmicos, com grande capacidade de trabalho e ambição de aceder a novas responsabilidades.

Leia mais

workshop Ciência do Sucesso

workshop Ciência do Sucesso PROF. MARCELINO FERNANDES workshop Ciência do Sucesso professormarcelino@hotmail.com Objetivo do workshop Revelar aos participantes as chaves do segredo do sucesso 2 1 Referências Bibliográficas 3 Referências

Leia mais

COACHING DESPORTIVO APLICADO ÀS

COACHING DESPORTIVO APLICADO ÀS Formação COACHING DESPORTIVO APLICADO ÀS - A Liderança do Desporto para as Organizações - Luanda Lisboa Fev. 2015 Em parceria com Apresentação Alcançar elevados níveis de desempenho e obter o máximo de

Leia mais

Situação Financeira Saúde Física

Situação Financeira Saúde Física Um dia um amigo me fez uma séria de perguntas, que me fez refletir muito, e a partir daquele dia minha vida vem melhorando a cada dia, mês e ano. Acreditando que todos temos um poder interno de vitória,

Leia mais

PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING

PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING 8 ENCREPI - PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING SARAH MUNHOZ 23/11/09 LIDERANÇA Kotler(1988): processo de movimentar um grupo ou grupos em alguma direção por meios não coercitivos. Robbins (1991): é o processo

Leia mais

Coaching Profissional

Coaching Profissional Coaching Profissional Tradição e Experiência 1 Somos os melhores porque somos CoachReference Preparado para transformar realidades? A confiança em si mesmo, a motivação interna, a capacidade de decidir,

Leia mais

O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional. Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011

O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional. Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011 O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011 Organização Realização O QUE É COACHING? É um PROCESSO no qual um profissional

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

Ajudar uma pessoa a mudar da maneira que deseja, e a ir na direção que quer.

Ajudar uma pessoa a mudar da maneira que deseja, e a ir na direção que quer. Introdução Coaching é, na prática, fornecer apoio e feedback positivo ao mesmo tempo oferecendo algum tipo de aconselhamento a um indivíduo ou grupo, a fim de levá-los a perceber as formas de melhorar

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

SEJAM BEM-VINDOS! COACHING PARA PROFISSIONAIS DE RH

SEJAM BEM-VINDOS! COACHING PARA PROFISSIONAIS DE RH SEJAM BEM-VINDOS! COACHING PARA PROFISSIONAIS DE RH APRESENTAÇÃO Quais os maiores desafios do profissional de RH? OBJETIVOS DESTE WORKSHOP Experimentar o processo de coaching e aplicar as técnicas em seu

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

COACHING DE LIDERANÇA COMERCIAL

COACHING DE LIDERANÇA COMERCIAL COACHING DE LIDERANÇA COMERCIAL um processo ao serviço do desenvolvimento pessoal e da performance comercial 1 COACHING DE LIDERANÇA COMERCIAL As pessoas que assumem funções de dirigir comerciais ou unidades

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL 2009

EDIÇÃO ESPECIAL 2009 EDIÇÃO ESPECIAL 2009 BUSINESS COACHING Curso Profissional de Formação de Coach Certificação Internacional em Coaching MORE E ECA (Para Reconhecimento pela ICI contactar-nos.) Entidade: MORE Institut, Ltd

Leia mais

EMPREENDEDORISMO UNIMÓDULO

EMPREENDEDORISMO UNIMÓDULO EMPREENDEDORISMO UNIMÓDULO Prof. Ricardo Suñer Romera Neto rsromera@hotmail.com Prof. Ricardo Suñer Romera Neto 1 Ementa Estudo dos fundamentos, experiências e conhecimentos acumulados a respeito das atividades

Leia mais