MINISTÉRIO DA MARINHA PROCESSO Nº /03 ACÓRDÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA MARINHA PROCESSO Nº 20.307/03 ACÓRDÃO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA MARINHA PROCESSO Nº /03 ACÓRDÃO B/P "POLICARPO". Colisão com um curral de peixes, resultando em água aberta seguido de naufrágio, com danos materiais, sem vítimas e sem registro de poluição ao meio ambiente. Causa não apurada acima de qualquer dúvida Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos autos que no dia 29 de julho de 2002, ocorreu o naufrágio do B/P "POLICARPO", inscrito nesta Capitania dos Portos de Pernambuco sob o nº , após colidir com um curral de peixe localizado nas coordenadas geográficas Lat: 07º44'60" Sul e Long: 034º48'55" Oeste, pelo través da praia do Pilar, ilha de Itamaracá/PE. Dados característicos da embarcação: Embarcação: POLICARPO Classificação: Interior pesca com propulsão bote Porto de inscrição: Recife AB: 3,5 Proprietário: José Policarpo da Silva Bandeira: Brasil Comprimento: 8,50 metros Foram ouvidas as seguintes testemunhas: José Antônio dos Santos; José Policarpo da Silva; Josué Policarpo da Silva; João Alves de Barros Monteiro; e Sandro Ramos do Nascimento. Segundo se depreende dos depoimentos e documentação apresentada, verifica-se:

2 José Antônio dos Santos, conhecido por Carga na lua, pescador profissional, fls. 10/12, declarou que às duas horas do dia 29 de julho de 2002, saíram no B/P "POLICARPO" da praia do bairro Novo, ilha de Itamaracá, com destino a um pesqueiro ao norte de Ponta de Pedras, chegando no local por volta das 6h30min, permanecendo pescando até às 13h30min. Iniciaram a viagem de retorno com tempo bom; Cerca das 18h30min, já estava escuro, o barco estava sendo conduzido pelo mestre "Peia" (José Policarpo da Silva), estando o depoente ao seu lado na cabine. Os outros tripulantes Almir e Jorge Veiga descansavam. Conduziam mais ou menos 200 kg de pescado e estavam com o farol de milha aceso, como é de costume, para que pudessem identificar as balizas de sinalização dos currais de peixe existentes na área; De repente ouviram um barulho e o barco balançou, e perceberam que a embarcação havia batido no mourão do curral, começando a afundar; que em seguida cortaram as cordas das bóias e dos coletes salva-vidas, jogaram as caixas de isopor que estavam com os peixes na água e pularam; O depoente e os colegas pegaram as bóias e as tampas das caixas de isopor e nadaram cerca de 2 km chegando até a praia de Jaguaribe em Itamaracá, cerca das 21h; Por ocasião do acidente o tempo estava bom, vento forte, pouca visibilidade (noite escura) e o mar estavam normais; ao ser perguntado sua opinião sobre a causa do acidente, respondeu: acha que, se o proprietário do curral de peixe tivesse colocado as balizas que indicam a presença de curral, com certeza não teriam batido e evitado o acidente e todo o prejuízo. Disse finalmente que o proprietário do curral é o Sr. João de Joel, residente no Pilar, ilha de Itamaracá/PE. No seu depoimento, José Policarpo da Silva, conhecido por "Peia", pescador profissional e proprietário do barco de pesca, Policarpo fls. 17/19, declarou que estava voltando de uma pescaria nas paredes, pelo través de Ponta de Pedras, quando, por volta das 18h30min, a uma distância aproximada de 1000 metros da praia de Baixa Verde, ilha de Itamaracá, estando com o farol de milha ligado, após ter atravessado os 2

3 baixos ou arrecifes, mandou que Carga na lua e Jorge Veiga olhassem na direção da proa, procurando avistar o curral de peixes conhecido por barreta. Acrescentou que o depoente passa quase todos os dias por aquele local. Quando a boiadeira ou onda baixou avistou por BE a ponta da barbatana do curral; que logo em seguida sentiu a pancada nos mourões do curral, o barco abriu água e o depoente mandou os pescadores pegarem as caixas de isopor que estavam com peixes, e jogarem fora. O barco afundou depressa e só deu tempo de pegar 2 coletes, duas bóias circular e 5 tampas de caixas de isopor. Nadaram até chegar à praia, por volta das 21h30min. Comunicou à Capitania dos Portos e no dia seguinte retornou ao local do acidente, verificando que o barco havia saído de cima dos mourões e estava em cima das pedras e cerca de 3 metros dos referidos mourões. Utilizando bombonas, reflutuou o barco e conseguiu rebocá-lo até a praia de Bairro Novo. Em decorrência do acidente, o barco perdeu a cabine, quebrou 5 cavernas, estragou várias tábuas na popa, perdeu o leme, um rolo de corda de nylon de 13 kg, um rádio VHF com antena, danificou sem recuperação um GPS, objetos de uso pessoal, além de uns 200 kg de pescado. Disse que gastou cerca de R$ 3.600,00 (três mil e seiscentos reais) na recuperação do barco; Após 4 tentativas, falou, juntamente com o Presidente da Colônia de Pesca de Itamaracá, com o proprietário do referido curral de peixe senhor João Monteiro, conhecido por "João de Joel", tendo o referido senhor ajudado com a quantia de R$ 500,00 (quinhentos reais); que o presidente da Colônia de Pesca, cerca de quinze dias antes do acidente falou com João de Joel para que ele colocasse sinalização no curral; mas ao conversar sobre o acidente com o referido senhor, ele falou que os mestres novos dos barcos eram irresponsáveis, pois fazia muitos anos que existia aquele curral e ninguém havia batido; Ao lhe ser perguntado se existem outros currais nas proximidades onde ocorreu o acidente, respondeu: existe e estão sinalizados com balizas com pano de qualquer cor; que, por ocasião do acidente a maré estava cheia; que fez uma filmagem do local do acidente 3

4 com a maré seca mostrando o referido curral e que encaminhou à Capitania a fita de vídeo, para que fosse feita uma cópia; ao ser perguntado, com a sua rotina de passar quase todos os dias por aquele local, a que atribui a causa do acidente, respondeu: a falta de sinalização, pois se estivesse sinalizado teria visto; acrescentou o depoente que pode ter se confundido com a marcação do curral por conta de uma lâmpada que servia de referência na praia, que estava queimada ou apagada. No seu depoimento Josué Policarpo da Silva, conhecido por "Jorge Veiga", pescador profissional, fls. 22/24, declarou que por volta das 18h30min, navegava nas proximidades do local conhecido por "barretas", cerca de 2 km da praia de Rio Âmbar, Itamaracá, com a maré cheia. Se encontrava no convés de proa, junto com "Caga na Lua", enquanto que o mestre "Peia" estava na popa no comando do barco, estando também na popa o pescador "Pouca Sombra"; De repente o barco bateu em alguma coisa e parou; que tentaram sair do local mas não foi possível; que em mais ou menos 5 minutos o barco começou a afundar rapidamente; ficaram em cima do barco até ele afundar totalmente e nadaram para a praia; que navegavam sempre na proximidades do local onde ocorreu o acidente; ao ser perguntado qual a causa do acidente tendo em vista que o trajeto realizado pelo B/P "POLICARPO" é sempre o mesmo, respondeu, por conta da maré cheia e por falta de sinalização, não viram o curral; que por ocasião do acidente estavam com o farol de milha ligado; que a profundidade do local onde ocorreu o acidente com a maré cheia é de mais ou menos 3 metros; que o barco de pesca no momento do acidente vinha desenvolvendo velocidade normal; O tempo estava limpo, sem chuva; que nas proximidades existem outros currais de peixe, alguns sinalizados e outros não; que por ocasião da maré baixa os currais ficam visíveis, inclusive o do acidente; ao ser perguntado quais os equipamentos de auxílio a navegação existentes no B/P "POLICARPO" por ocasião do acidente, respondeu, GPS; ao ser perguntado como é feita a navegação a noite ao se aproximar do litoral, 4

5 respondeu, pelas luzes da cidade; acrescentou o depoente que gostaria que todos os currais fossem sinalizados. No seu depoimento João Alves de Barros Monteiro, conhecido por "João de Joel", funcionário público municipal, fls. 27/29, disse que o curral de peixe denominado "barreta" foi adquirido por seu pai, já falecido e tem mais de 100 anos; que não tem nenhum documento autorizando a construção ou utilização do referido curral, tendo em vista que nos últimos 10 ou 15 anos ou até mais, não houve recadastramento dos currais de peixe localizados na ilha de Itamaracá; que antigamente os currais eram regularizados através de um despachante junto a Capitania dos Portos; que o seu curral fica distante entre 2 e 3 km da praia do Pilar; que a título de ilustração faz anexar ao presente depoimento um croqui do curral de peixe; que, durante o ano fica com redes cerca de 8 meses, neste período se mantém durante a maré alta descoberto; nos outros meses as redes são retiradas para fazer manutenção. Na maré alta fica totalmente submerso. Nessa ocasião são colocadas balizas para sinalização; acrescentou o depoente que em algumas ocasiões os pescadores retiram as balizas para fazer marcação de covos; que por ocasião do acidente com o B/P "POLICARPO" o curral de peixe estava sem as redes; ao ser perguntado se tinha conhecimento se o curral estava sinalizado ou balizado, respondeu: quem pode responder esta pergunta é o pescador Sandro, uma vez que, por problemas de saúde não tem ido com freqüência ao curral; que constantemente fala para o Sandro manter o curral sinalizado; que existem mais ou menos 16 currais de pesca na imediações da ilha de Itamaracá; perguntado se tem conhecimento se todos esse currais estão sinalizados, respondeu: penso que depois desse acidente com o B/P "POLICARPO" os currais foram sinalizados; que este foi o primeiro caso de acidente envolvendo barco de pesca com currais de peixe; que o "barreta" é conhecido como "curral de pedras", por ser perto dos arrecifes; ao ser perguntado, baseado na sua experiência a que atribui a colisão do barco de pesca "POLICARPO", com o seu curral, 5

6 respondeu: uma fatalidade ou um descuido; penso também que o barco podia ter passado próximo e uma vaga do mar ter empurrado para cima do curral; que atualmente vários barcos de pesca com cabine, tem a mesma um vídeo pequeno que limita a visão do pescador, principalmente à noite; que o mestre do barco fica na popa e com isso diminui mais sua visibilidade. Que é comum, durante a viagem o proeiro ficar na parte interna do barco, dormindo. Que atualmente o seu curral está totalmente sinalizado com 4 balizas. No seu depoimento Sandro Ramos do Nascimento, pescador não habilitado, fls. 36/38 que trabalha há cerca de 4 anos no curral do Sr. João de Joel; que, diariamente por ocasião da maré de vazante, vai até o curral para fazer a despesca: que a mesma só é feita na maré seca; que a manutenção do curral é feita de 4 e 4 meses, constando da colocação de esteira de madeira nas pedras em substituição as estragadas; que por ocasião do acidente o curral não estava com a rede em pé; estava sinalizado com uma bandeira branca na ponta, de mais ou menos meio metro; que havia 4 bandeiras sinalizando o curral; que o barco veio do norte, quebrou a baliza e saiu quebrando os mourões em direção a "sala. No dia seguinte ao acidente, foi até o local e viu que a baliza estava quebrada, dentro d água, ainda com a bandeira. As outras estavam no local. Na fita de vídeo encaminhada pelo proprietário do B/P "POLICARPO" à Capitania, visualiza-se o curral de peixe "barreta" por ocasião da baixa mar e o barco de pesca após o acidente ver fls. 49. Verificou-se no Ofício nº 16/2002, da Colônia de Pescadores Z-11 da ilha de Itamaracá, que, por ocasião do naufrágio do B/P "POLICARPO", o curral de peixe denominado "barreta" não estava devidamente sinalizado, ver fls. 3. 6

7 Verificou-se no Ofício Circular nº 18/2002, da citada Colônia de Pesca, que os currais de peixe existentes naquela localidade encontram-se dentro das seguintes coordenadas: Lat: 07º43'30" Sul Log: 034º47"49" Oeste, a 034º Oeste, fls. 48. Verificou-se que não consta nos arquivos, da Capitania documentação referente ao curral, de peixe denominado "barreta", de propriedade de João Alves de Barros Monteiro, contrariando o que preceitua o item 0109, Capítulo I da NORMAM 11. Foi procedida perícia, conforme o laudo de exame pericial, fls. 58/59, onde os peritos constataram que o curral de peixe denominado "barreta" encontra-se localizado nas coordenadas geográficas Lat: 07º44'60" Sul e Long: 034º48"55" Oeste; que está constituído de mourões de madeira encravados em fundo de pedras, numa extensão de aproximadamente 200 metros de comprimento e 25 metros de largura, a mais ou menos 2 km de distância da praia do Pilar; que por ocasião do acidente não estava devidamente sinalizado. Que a embarcação foi resgatada e conduzida até a praia, onde os peritos constataram que o barco estava sem a cabine de comando e leme, com um rombo no casco pelo través de BE de aproximadamente 70cm x 30 cm, uma tábua danificada na proa com um rombo de 33cm x 10cm, além de várias cavernas quebradas. Os peritos concluíram o laudo de exame pericial afirmando que as causas determinantes do acidente foram : a falta de sinalização do curral de peixe "barreta" e a negligência do condutor da embarcação "POLICARPO", tendo em vista que, apesar de possuir a bordo um GPS, fazia sua derrota baseada em pontos de referência localizados na praia. De tudo quanto contém os presentes autos, conclui-se: 1) Fatores que contribuem para o acidente: a) fator humano: não determinado; b) fator material: contribuiu, tendo em vista a ausência de balizas sinalizadoras do curral de peixe, coloca em risco a navegação na região;e 7

8 c) fator operacional: contribuiu, tendo em vista a imprudência do condutor do barco de pesca, em navegar à noite, fazendo um derrota tendo como referência apenas pontos de luz localizados em terra, em área que oferecia riscos à navegação, por conta da presença de vários currais de praxe. 2) que, em face do que foi dito e apurado, permite considerar como possíveis responsáveis pela colisão seguida de naufrágio do b/p "POLICARPO". José Policarpo da Silva, condutor do barco de pesca, por imprudência, conforme o dito no fator operacional. Sandro Ramos do Nascimento, por negligência, em não dotar de sinalização o curral de peixe, sob sua responsabilidade; e João Alves de Barros Monteiro, dito, proprietário do curral de peixe, por negligência, em não fiscalizar o cumprimento das suas ordens ao pescador Sandro Ramos do Nascimento, não dotando o curral de peixe de sinalização. Notificados, apenas João Alves de Barros Monteiro apresentou defesa prévia. A PEM, por meio de seu representante legal firmado, vem oferecer representação em face de João Alves de Barros Monteiro, brasileiro, casado, funcionário público municipal, identidade nº SSP-PE, CPF nº e Sandro Ramos do Nascimento, brasileiro, casado, pescador não habilitado nº SSP-PE, CPF nº , com fulcro no art. 14, letra "a" (colisão, água aberta seguida de naufrágio), combinado com o art. 15, letra "e" (todos os fatos que prejudiquem ou ponham em risco a incolumidade e segurança da embarcação, as vidas e fazendas de bordo), ambos da Lei nº 2.180/54, pelos fatos e fundamentos que serão a seguir expostos: Consta dos autos que no dia 29 de julho de 2002, por volta das 20h, o B/P "POLICARPO" colidiu com um curral de peixe não sinalizado, o qual encontrava-se, por ocasião do evento, submerso, ocasionando, assim, a entrada de água no interior da 8

9 embarcação, fazendo-a naufragar em poucos instantes. Os tripulantes do barco de pesca, felizmente, conseguiram se salvar, nadando até a praia. O laudo pericial de fls. 119/120 notícia que o curral de peixes "barreta", de propriedade do 1º representado, encontrava-se submerso, por ocasião do acidente, destacando, outrossim, que o mesmo não se encontrava devidamente sinalizado. Finaliza concluindo que a causa determinante do acidente foi a ausência de sinalização do curral de peixes "barreta" associada à negligência do condutor da embarcação "POLICARPO", que teria feito a sua derrota baseando-se em pontos de referência localizados na praia, a despeito de possuir a bordo um GPS e de ter grande experiência de navegação na região onde estava situado o curral. De acordo com o relatório de fls. 61/66, o encarregado do inquérito encampa as conclusões dos peritos relatadas acima, responsabilizando também o ora 2º representado, Sandro Ramos do Nascimento, por negligência, em virtude de o mesmo não dotar de sinalização o curral de peixes que se encontrava sob a sua responsabilidade. Percebe-se, facilmente, pela simples leitura do trecho da presente peça em que são apontados os representados, que a Procuradoria não comunga da tese de responsabilização do condutor do barco de pesca. Isto se deve ao fato de que restou comprovado que a ausência de sinalização do curral de peixes constituiu o principal fator de desencadeamento do erro de navegação no presente caso. De acordo com os depoimentos da tripulação, colhidos no decorrer do IAFN, percebe-se que havia uma preocupação com o curral de peixes, mas a sua não identificação através da competente sinalização proporcionou um clima de insegurança. Não nos parece razoável, deste modo, punir a não identificação do curral pelo condutor da "POLICARPO" em virtude de omissão imputável aos ora representados. 9

10 Deve-se destacar, por outro lado, que os representados devem responder não apenas pelo tipo constante do art. 14, letra "a", da Lei nº 2.180/54, mas também pela exposição a risco das vidas de bordo capitulada no art. 15, letra "e". Deste modo, apurou-se que a causa principal do acidente e do fato da navegação em comento foi a não sinalização do curral de peixes conhecido como "barreta", de propriedade do 1º representado, cuja incumbência fora atribuída ao 2º representado. Assim, está evidenciado que os ora representados obraram com culpa no caso em exame. Ante o exposto, requer seja recebida a presente representação e citados os representados para que os mesmos, querendo, possam contestá-la, e, ao final, a condenação dos mesmos nas penas e custas processuais estabelecidas na Lei nº 2.180/54, com as alterações decorrentes da Lei nº 8.969/94. Por fim, protesta-se por todos os meios de prova em direito admitidos, porventura ainda necessários. Recebida a representação, citados, João Alves de Barros Monteiro, já qualificado nos autos do processo citado acima, vem na melhor forma de direito através do seu Advogado, o Dr. Valdemir Nunes de Souza, OAB nº , instrumento procuratório incluso, perante V. Exª apresentar defesa pelos fatos que passa a expor e ao final requerer: O representado já declarou fls. 27/29 do processo que não pode afirmar se o curral de peixes "barreta" esta ao não sinalizado, pois se encontrava doente e fazia vários dias que não acompanhava a dispesca do curral; mas sempre orientou o pescador Sandro Ramos do Nascimento a manter o curral sinalizado. O representado afirmou também fls. 27/29 do processo que é comum os pescadores que costumam pescar com canoas retirarem as bandeiras que estão sinalizando os currais de peixes para fazerem marcação de covos. 10

11 Inclusive o representado costuma comprar tecidos brancos para fazer bandeira de sinalização para curral de dois em dois meses, pois as mesmas são retiradas dos currais de peixes com freqüência. O representado administra o curral barreta de propriedade do seu genitor, o Sr. Joel de Barros Monteiro, a mais de 10 anos e nunca tomou conhecimento de que uma embarcação colidiu com um curral de peixes em Itamaracá/PE. Pelo exposto e pelo declarado pelos peritos no laudo de exame pericial comprovam que houve imprudência do condutor do barco "POLICARPO". Não se pode querer culpar o representado pelo acidente; pois o mesmo cumpriu com a sua obrigação quando orientou o pescador Sandro para manter o curral de peixes sinalizado e quando comprou tecidos para confeccionar as bandeiras brancas para sinalizar o curral "barreta". Logo, não se pode falar de culpa de quem não concorreu direta ou indiretamente para a ocorrência do fato em questão. Pelo exposto e como medida da mais salutar justiça requer de V. Exª que julgue improcedente a presente representação. Protesta provar o alegado por todos os meios permitidos em direito, em especial ouvida de testemunhas. Nestes termos pede deferimento. Sandro Ramos do Nascimento, já qualificado nos autos do processo citado acima, vem na melhor forma de direito através do seu Advogado, o Dr. Valdemir Nunes de Souza, OAB nº , instrumento procuratório incluso, perante V. Exª apresentar defesa pelos fatos que passa a expor e ao final requerer: O representado já declarou fls. 36/38 do processo que no dia do acidente envolvendo o barco "POLICARPO" e o curral "barreta" o citado curral de peixes estava sinalizado com 4 bandeiras brancas de mais ou menos meio metro coladas em varas bem altas e que inclusive no dia seguinte ao acidente quando o mesmo chegou ao local, uma 11

12 das varas com bandeira branca que servia como baliza do curral de peixes estava quebrada, mas as outras 3 varas com bandeiras brancas estavam no local sinalizando o curral de peixes. Logo, é uma grande inverdade o alegado pela tripulação do barco "POLICARPO" de que o curral de peixes estava sinalizado no dia do acidente. A verdadeira causa do acidente foi a negligência do condutor do barco "POLICARPO", pois na região aonde ocorreu o acidente existem dezenas de currais de peixes, há várias décadas, mas nunca houve um acidente desta natureza; nem com os barcos de outras regiões que com freqüência visitam a praia de Itamaracá e velejam na área aonde estão localizados os currais, muito menos com os barcos da região que velejam na área aonde estão localizados os currais de peixes, diariamente. Pelo exposto segue a improcedência da presente representação. Nenhuma prova foi produzida e nem manifestação e alegações finais. De tudo o que consta nos presentes autos, temos que a representação da D. Procuradoria com fulcro nos art. 14 letra a (colisão, água aberta, seguida de naufrágio) e 15 letra e (todos os fatos), ambos da Lei nº 2.180/54, em face dos representados João Alves de Barros Monteiro, proprietário do curral de peixes barreta e Sandro Ramos do Nascimento, responsável pela manutenção do referido curral de peixes, teve por base o laudo pericial de fls. 58 e 59, considerando que os ora representados foram negligentes, pois deixaram de sinalizar devidamente o referido curral de peixes. No citado laudo pericial consta que no dia 5 de agosto, ou seja, uma semana depois do acidente em pauta, compareceu à ilha de Itamaracá PE, uma comissão de peritos, na faixa de areia da praia do bairro Novo para efetuar perícia no B/P "POLICARPO" e no curral de peixes barreta, constando as avarias na embarcação e que o curral não estava devidamente sinalizado por ocasião do acidente. 12

13 Apontou que o fator material contribuiu, tendo em vista que o curral de peixe barreta por ocasião do acidente, encontrava-se submerso e não estava devidamente sinalizado, colocando em risco a navegação na região, e que o fator operacional também contribuiu, pois o mestre da embarcação, José Policarpo da Silva, profundo conhecedor da existência do curral de peixe barreta, conhecido pela comunidade local como curral de pedras, apesar de possuir a bordo o equipamento de navegação GPS, fazia sua derrota baseado em pontos de referência localizados na praia, mesmo assim não teve o devido cuidado, quando navegava em uma área que oferecia risco à navegação, com muitos troncos submersos, provenientes dos muitos currais de peixes existentes no local. Concluiu que as causas determinantes do acidente foram a falta de sinalização do curral de peixes barreta e a negligência do condutor da embarcação. Esta conclusão foi acolhida pelo encarregado do inquérito que apontou como possíveis responsáveis José Policarpo da Silva, condutor do B/P "POLICARPO", por imprudência, conforme apontado no fator operacional, de Sandro Ramos do Nascimento e João Alves de Barros Monteiro, respectivamente, responsável e proprietário do curral de peixes barreta, ambos por negligência, tendo em vista a falta de sinalização do referido curral. A D. Procuradoria não incluiu, na sua exordial, representação em face do condutor do barco de pesca, pois considerou que a negligência dos outros dois indiciados excluía a responsabilidade deste. No depoimento de José Antônio dos Santos, fl. 11, POP, contramestre do barco, consta...fiquei na cabine juntamente com o mestre Peia, Almir e Jorge Veiga descansavam, isso até o momento do acidente ; e esse depoimento contraria os demais que alegaram que estariam todos atentos à proa. 13

14 José Policarpo da Silva, fl. 18, declarou que passavam quase todos os dias por aquele local, que quando a boiadeira ou onda baixou avistou por boreste, a ponta da barbatana do curral, que logo em seguida sentiu a pancada do barco nos mourões do curral; acrescentou o depoente que fez uma filmagem do local do acidente com a maré seca, mostrando o referido curral,mas ao ser perguntado sem em alguma época o curral barreta já foi sinalizado respondeu que não se lembrava; declarou, ainda, que pode ter se confundido com a marcação do curral por conta de uma lâmpada que servia de referência na praia, que estava queimada ou apagada. João Alves de Barros Monteiro, primeiro representado e proprietário do curral de peixes barreta, fl. 28, declarou que são colocadas balizas para sinalização e que, em algumas ocasiões, os pescadores retiram as balizas para fazerem marcação de covos, mas não pode responder se o referido curral, à época do acidente, estava devidamente sinalizado, pois estava com problemas de saúde e o responsável era o segundo representado, Sandro, e que o curral é conhecido como curral das pedras por ser perto dos arrecifes. Levantou dúvidas, pois, o barco pode ter passado próximo do curra e uma vaga de mar o empurrado para cima deste e, também, sobre a visibilidade de dentro da cabine do barco, que limita a visão, principalmente à noite e que é comum o proeiro ficar dentro, dormindo. Sandro Ramos do Nascimento, segundo representado, responsável pelo referido curral de peixes, fls 36 a 38, declarou que, naquela ocasião, o curral estava devidamente sinalizado, com uma vara bem alta com uma bandeira branca na ponta, de mais ou menos meio metro; que existem doze currais na área; que todos os currais são afixados em áreas de fundo de pedra; que as sinalizações estavam localizadas uma no chiqueiro, outra na espia, local mais distante e as duas barbatanas; que o barco de pesca veio do norte e quebrou a baliza do chiqueiro e saiu quebrando os mourões em direção 14

15 à sala; que no dia seguinte ao acidente foi ao local e a baliza estava quebrada, dentro da água, ainda com a bandeira, e as outras estavam no local Na fl. 51 tem uma foto aérea do curral de peixes e na fl. 55 consta de duas fotos do costado do barco evidenciando atrito com material duro, apresentando avarias típicas de contato com corais ou pedra e não choque com madeira (mourões). As peças de defesa dos representados, pelo mesmo patrono, alegaram que o primeiro declarou que não se pode afirmar que o curral de peixes barreta estava ou não sinalizado, mas que é comum os próprios pescadores, com canoas, retirarem as bandeiras para fazerem marcações de covos e que o segundo representado declarou que o curral estava por quatro bandeiras brancas, em suas extremidades, e que, ao retornar no dia seguinte, contatou que uma delas estava quebrada, dentro da água, e que as outras três permaneciam, e considerando que a vistoria no local se deu apenas uma semana depois do acidente e que não vieram aos autos prova, acima de qualquer dúvida, de que não havia sinalização no curral, à época do acidente, assim como, embora a D. Procuradoria não tenha incluído o condutor do B/P "POLICARPO" no pólo passivo da representação, as defesas, o laudo pericial, as conclusões do encarregado do inquérito e os depoimentos dos representados levantaram dúvidas sobre a atenção desses tripulantes e sobre a segurança da navegação empregada, junto a arrecifes, entendo que não ficou provada acima de qualquer dúvida a falta de sinalização do curral de peixes e se isto seria a causa determinante ou a única causa do acidente em pauta, portanto, é por exculpar os representados mandando arquivar os autos, tendo em vista que as causas do acidente não foram apuradas acima de qualquer dúvida. Assim, A C O R D A M os Juízes do Tribunal Marítimo, por unanimidade nos termos do voto do Exmº Sr. Juiz Fernando Alves Ladeiras, adotado pelo Exmº Sr Juiz-Relator: a) quanto à natureza e extensão do acidente e fato: colisão de barco de 15

16 pesca com curral de peixes, resultando em água aberta, seguido de naufrágio, com danos materiais, sem vítimas e sem registro de poluição ao meio ambiente; b) quanto à causa determinante: não apurada acima de qualquer dúvida; c) decisão: julgar o acidente e fato da navegação, previstos nos arts. 14, letra a e 15, letra e, ambos da Lei n o 2.180/54, como decorrentes de causa não apurada com a devida precisão, mandando arquivar os autos. Oficiar à Diretoria de Portos e Costas a infração cometida pelo proprietário do curral de peixes BARRETA, João Alves de Barros Monteiro, ao art. 26 do Decreto nº 2.596/98, RLESTA, (relativa às obras sob, sobre ou às margens das águas), combinado com a NORMAM 11, item 0109, cap. I, conforme verificado pelo encarregado do inquérito. P.C.R. Rio de Janeiro, RJ, em 17 de março de JOSÉ DO NASCIMENTO GONÇALVES Juiz-Relator WALDEMAR NICOLAU CANELLAS JÚNIOR Almirante-de-Esquadra (RM1) Juiz-Presidente 16

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO B/P DOM ISAAC V. Abordagem de barco pesqueiro em plena viagem por pessoas desconhecidas que roubaram toda a carga. Delito cuja materialidade foi comprovada,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO REM JEAN FILHO XXXIV e Balsa CONAVE XVII. Colisão de comboio com muro de marina. Possíveis influência de fortes ventos. Arquivamento. Vistos os presentes

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO Comboio Integrado pelas Chatas TQ-61 / TQ-38 com o empurrador TQ-25 e o batelão areeiro ER-II. Abalroação provocando avarias e o naufrágio parcial do batelão,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO B/M JOSILANDE. Água aberta seguida de naufrágio com perda total da embarcação e sua carga. Não houve acidentes pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho.

Leia mais

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada.

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada. TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.383/05 ACÓRDÃO B/P GLORIA I. Naufrágio de barco de pesca que fica sem governo. Quebra da haste do leme manual. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos autos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO Catamarã JUMBO CAT II. Colisão de catamarã com pedras, seguida de encalhe, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência de vítimas. Avaria sofrida no

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO Comboio integrado R/M ARENA III / Balsas NAVEZON 53, NAVEZON 25 e NBI X Canoa motorizada sem nome. Abalroação resultando em naufrágio da canoa, com posterior

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO Jet-sky VADIO x veleiro BONS VENTOS I. Abalroação envolvendo veleiro e jet-sky não identificado. Causa indeterminada devido a falta de elementos de prova

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO B/M VOVÔ ORLANDO CIDADE. Queda de tripulante na água, estando a embarcação atracada, da prancha de embarque/desembarque, colocada conforme os usos e costumes,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO B/P TOCANTINS. Trumatismo sofrido por pescador que caiu no convés principal. Sendo a causa determinante provável descuido da própria vítima. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO Lancha "FARUSCA". Explosão seguida de incêndio. Causa não apurada. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos Autos que, no dia 13 outubro de

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO Jangada "CARINA". Emborcamento quando navegava a 05 milhas da praia de Ponta Negra, Natal, RN. Sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO Veleiro NIGHT JAR. Encalhe em banco de areia, resultando em naufrágio com perda total da embarcação, sem vítimas. Tráfego da embarcação em região de bancos,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO B/P CANADÁ. Naufrágio, quando adentrava na barra do rio Mampituba, município de Torres, SC, com danos materiais, sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO L/M CAVITOS. Impropriedade da embarcação para o serviço em que era utilizada e empregada para prática de ato ilícito previsto em lei como crime (descaminho).

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO B/P BRUCUTU. Naufrágio com perda total e vítimas fatais. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Trata-se de analisar o naufrágio

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO N/M BETELGEUSE. Não configurada a ocorrência de acidente e/ou fato da navegação elencados na Lei nº 2.180/54. Infração ao artigo 378 do RTM. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO B/M LUANA. Naufrágio de embarcação provocando vítimas fatais e desaparecimento de passageiros. Causa, manobra brusca de embarcação ocasionando o deslocamento

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO Moto-aquática VIPER. Colisão com altos fundos de corais, resultando em lesões corporais nos dois ocupantes, adolescentes inabilitados, e em avarias na embarcação.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 03/06/04, cerca

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO Moto-aquática não identificada X flutuante tipo BANANA BOAT, rebocado pela moto-aquática SPX-I. Abalroação resultando em lesões corporais de natureza grave

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO N/M "RUBENS". Colisão com terminal de granéis sólidos. Falha do motor propulsor, devido a avaria do diafragma da válvula termo eletromagnética do motor propulsor.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO N/M LORETA D. Queda de carga na água devido a não colocação de redes de proteção ao costado, com poluição ao meio ambiente marinho, sem vítima. Negligência.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO Aerobarco FLECHA DE IPANEMA e Chata DIALCAR II. Abalroação entre aerobarco e comboio formado por rebocador e chata, provocando avarias na proa do aerobarco,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO N/T MARTA. Acidente de Trabalho com trabalhador durante a montagem de andaime no tanque do navio que se encontrava docado no estaleiro. Não configurada a

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO B/P DONA NORIS. Interceptação e apresamento de pesqueiro venezuelano por prática de pesca não autorizada na zona econômica exclusiva brasileira, aplicação

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO L/M LAGOMAR II. Avaria no motor, deixando a embarcação á deriva, com assistência de reboque. Danos materiais, sem ocorrência de acidentes pessoais ou danos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO N/M "ASTERI". Morte de trabalhador em operação de raspagem no casco de navio mercante quando em faina de mergulho no porto de Sepetiba, RJ. Condenação.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.874/06 ACÓRDÃO Canoa sem nome. Naufrágio de embarcação a remo com exposição a risco da referida embarcação e das vidas e fazendas de bordo, provocando a morte de uma passageira

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO Embarcação sem nome. Colisão com banhista na praia Mar de Minas, represa de Três Marias, no município de Três Marias, MG, com vítima. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO L/M ILSA-MAR. Queda na água de condutor de lancha, provocando-lhe lesões leves. Falha do condutor da lancha na operação do motor da embarcação. Imperícia.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO Canoa sem nome não inscrita. Naufrágio durante brincadeira dos passageiros. Embarcação desprovida de material de salvatagem. Condução por pessoa sem

Leia mais

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO N/T FO G Á S XV I - Explosão durante faina de transbordo de gás provocando ferimentos em dois tripulantes ccm a morte de um deles; uso indevido de equi* 408 TRIBUNAL MARÍTIMO

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO Lancha de passageiros COMDUSA XII. Queda de passageira a bordo, provocando-lhe ferimentos graves, com fraturas múltiplas no ombro. Desequilíbrio sofrido

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO Comboio R/E SM e Balsa NB II. Colisão de comboio contra casas de palafitas, provocando danos materiais, sem ocorrência de vítimas. Falta de condições físicas

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO N/M SOTIRIA. Quedas de carga n água, sacaria de açúcar, com sua perda, durante operação de carregamento, junto ao armazém nº 11 do porto de Santos,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO R/E CAPITÃO JOSÉ ALECRIM VIII. Incêndio na praça de máquinas de rebocador / empurrador, provocando avarias no motor e nas suas partes elétricas e

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO L/M "O VIGILANTE III". Emborcamento quando em faina de demanda do canal de Marapendi, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, com danos materiais e vítima com

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.471/2003 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.471/2003 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.471/2003 ACÓRDÃO Lancha MAR DE ESPANHA. Colisão com mergulhador. Deficiência de sinalização de mergulho. Exculpar o 1º representado e condenar o 2º. Condenação. Vistos,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO Embarcação sem nome. Emborcamento quando navegava no rio Paraná do Manaquiri, AM, com danos materiais e uma vítima fatal. Condenação. Vistos, relatados

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO Plataforma P-31. Incêndio no motor gerador da praça de máquinas a bordo de plataforma, tendo como causa determinante o rompimento de uma conexão da rede

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO L/M MAKARI. Colisão de lancha contra seu próprio condutor e posteriormente contra trapiche, vindo a encalhar na margem do canal, colocando em risco a incolumidade

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO Rebocador RIO BRANCO. Acidente da Navegação. Naufrágio de rebocador no terminal da PETROBRAS da ilha D água, Rio de Janeiro, RJ, sem danos pessoais

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO L/M ARROZ. Colisão, seguida de encalhe, água aberta e naufrágio, de lancha de esporte e recreio, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO B/P ITAPEVA. Avaria por ato de sabotagem. Ação dolosa de autoria indeterminada. Arquivamento, exculpando-se os representados. Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.795/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.795/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.795/11 ACÓRDÃO Lancha ARPEDI. Naufrágio no local de fundeio devido a admissão de água pelas obras vivas e pelas obras mortas. Defeito no calafeto do casco e do convés.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO R/E ASSO VENTI. Ferimento em tripulante durante faina de reinstalação de rede de resfriamento do diesel-gerador, provocando-lhe a amputação traumática parcial

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO Balsa ENCONTRO DAS ÁGUAS. Colisão de embarcação contra duas casas palafitas, situadas às margens do rio Solimões, proximidades do porto Careiro da

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO Embarcação LEAL SANTOS 7. Avaria no motor principal deixando à deriva. Necessidade de assistência de reboque. Danos materiais sem ocorrência de acidentes

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO Plataforma NOBLE THERALD MARTIN. Acidente de trabalho a bordo, vítima não fatal. Desequilíbrio da própria vítima, durante operação com chave flutuante

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO N/M TEAL ARROW. Acidente com estivador a bordo. Trabalhador que se colocou no caminho de ponte rolante denotando imprudência. Ferimentos no representado

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.030/04 ÁCÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.030/04 ÁCÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.030/04 ÁCÓRDÃO Embarcação DA SILVA. Naufrágio de embarcação que navegava fora de sua área de classificação, conduzida por pessoas não habilitadas. Morte de um de seus tripulantes.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO Moto aquática FEIO II e L/M PAPA LÉGUAS II. Exposição a risco que se materializou em abalroamento e no óbito de duas pessoas. Moto aquática imprópria

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO Catamarã TURISMANDO. Avaria deixando a embarcação à deriva. Deficiência de manutenção. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO B/M INDEPENDÊNCIA. Naufrágio. alagamento, imprudência do representado. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 11/08/00,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO B/P ALIANÇA e moto aquática ÁGUA AZUL. Abalroação. Danos materiais e lesões corporais graves nos ocupantes da moto aquática. Erro de navegação do

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO N/M FLAMENGO. Ferimentos corto-contuso na região occipto-frontal e fratura de dentes sofridos por estivador durante faina de embarque de contêineres. Não

Leia mais

TRIBUNAL MARITIMO JP/MCP PROCESSO Nº. 22.304/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARITIMO JP/MCP PROCESSO Nº. 22.304/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARITIMO JP/MCP PROCESSO Nº. 22.304/06 ACÓRDÃO L/M THEMIS. Colisão de embarcação contra pedras existentes às margem de rio, quando navegava no canal de acesso, Santos, SP. Danos à embarcação,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : Apelação Criminal Nº Processo : 1999 04 1 000829-4 Apelante : JOÃO AMARO FERNANDES Apelada : A JUSTIÇA PÚBLICA Relator : Des or GETULIO PINHEIRO Delito de trânsito.

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL PROCESSO: 00377-2007-001-19-00-6

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL PROCESSO: 00377-2007-001-19-00-6 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL PROCESSO: 00377-2007-001-19-00-6 Aos 09 dias do mês de maio do ano dois mil e sete, às 15:18 horas, estando aberta a audiência

Leia mais

PROCESSO N 14.797/92

PROCESSO N 14.797/92 362 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 14.797/92 ACÓRDÃO Veleiro "ANGELUS". Encalhe. Erro de navegação do condutor do veleiro. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 10 de dezembro

Leia mais

PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO. IVM "NORSUL PINDARé". Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento.

PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO. IVM NORSUL PINDARé. Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento. 848 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO IVM "NORSUL PINDARé". Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento. Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO Moto-aquática SP 2318-01 X flutuante tipo banana boat, rebocado pela L/M KATITA. Abalroação resultando em lesões corporais em dois ocupantes do flutuante.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O FPSO PETROBRAS 43. Acidente de trabalho com cinco vítimas não fatais, danos materiais, sem registro de poluição ao meio ambiente. Falha no sistema

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

PROCESSO Nº 16.496/95 ACÓRDÃO

PROCESSO Nº 16.496/95 ACÓRDÃO 690 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 16.496/95 ACÓRDÃO B/M VIDA NOVA". Naufrágio com danos materiais c o desaparecimento de 05 passageiros. Condições meteorológicas adversas, excesso de confiança do condutor,

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NC PROCESSO Nº 23.384/08 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NC PROCESSO Nº 23.384/08 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NC PROCESSO Nº 23.384/08 ACÓRDÃO B/P SANTA ROSA R x baleeira MARAJÁ II. Abalroamento com perda total da última. Embriaguez confessada do condutor. Imperícia e imprudência provadas.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO N/M KAMARI. Colisão de navio estrangeiro com o píer III, do Terminal da Ponta da Madeira, São Luiz, MA, durante estadia atracado, com danos materiais

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) ANEXO VI (Edital n. 02/2014-2) CRONOGRAMA SEMESTRAL 9.º PERÍODO DEPENDÊNCIA N. DATAS ATIVIDADES EQUIVALÊNCIA Disponibilização do Cronograma Semestral de atividades no átrio

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO Moto aquática RAFAEL ELITE X Moto aquática D FORÇA. Abalroação entre motos aquáticas nas proximidades da ilha do Sol, canal de Marapendi, Barra da

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 26.310/11 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 26.310/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 26.310/11 ACÓRDÃO Embarcação a remo tipo Double Skiff sem nome e não inscrita. Naufrágio como resultado de navegação fora da raia destinada ao esporte por decisão dos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.348/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.348/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.348/03 ACÓRDÃO N/M BOIURA. Acidente ocorrido com estivador Alcides de Jesus Barbosa a bordo do navio quando em faina de carregamento, no cais comercial do porto de Vitória,

Leia mais

EMBARGOS INFRINGENTES EM APELAÇÃO CÍVEL nº 551137/RN (2007.84.02.000434-2/01)

EMBARGOS INFRINGENTES EM APELAÇÃO CÍVEL nº 551137/RN (2007.84.02.000434-2/01) EMBTE : DNIT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES REPTE : PROCURADORIA REGIONAL FEDERAL - 5ª REGIÃO EMBDO : SILDILON MAIA THOMAZ DO NASCIMENTO ADV/PROC : SILDILON MAIA THOMAZ DO NASCIMENTO

Leia mais

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA 7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA Apelante: MUNICÍPIO DE CERRO AZUL Apelado: ESTADO DO PARANÁ Relator: Des. GUILHERME LUIZ GOMES APELAÇÃO CÍVEL AÇÃO ANULATÓRIA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Registro: 2013.0000209289 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0017770-14.2003.8.26.0224, da Comarca de Guarulhos, em que é apelante/apelado HSBC SEGUROS ( BRASIL ) S/A, são

Leia mais

Processo n 702.02.009965-2 AÇÃO REPARATÓRIA DE DANO DECORRENTE DE ATO ILÍCITO. Réus: MARCOS ROBERTO PINCELA MATEUS e SADIA S/A

Processo n 702.02.009965-2 AÇÃO REPARATÓRIA DE DANO DECORRENTE DE ATO ILÍCITO. Réus: MARCOS ROBERTO PINCELA MATEUS e SADIA S/A Processo n 702.02.009965-2 AÇÃO REPARATÓRIA DE DANO DECORRENTE DE ATO ILÍCITO Autor: OLAIR MARQUES CARRIJO Réus: MARCOS ROBERTO PINCELA MATEUS e SADIA S/A Denunciada: SUL AMÉRICA CIA. NACIONAL DE SEGUROS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL. Justiça do Trabalho - 2ª Região 04ª VARA DO TRABALHO DE OSASCO. Processo nº 0000080-14.2011.5.02.0384

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL. Justiça do Trabalho - 2ª Região 04ª VARA DO TRABALHO DE OSASCO. Processo nº 0000080-14.2011.5.02.0384 Aos 09 dias do mês de agosto de 2013, às 09:00 horas, na sala de audiências desta Vara do Trabalho, sob a minha presença, Dr. Leonardo Grizagoridis da Silva, Juiz do Trabalho Substituto, foram apregoados

Leia mais

1.º Curso de Estágio de 2006 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL

1.º Curso de Estágio de 2006 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL 1.º Curso de Estágio de 2006 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL Analise a hipótese que a seguir se enuncia e responda, depois, às questões suscitadas sobre a mesma, fundamentando as respostas com as disposições

Leia mais

PROCESSO N. 654/04 PROTOCOLO N.º 5.344.203-0 PARECER N.º 942/07 APROVADO EM 12/12/07

PROCESSO N. 654/04 PROTOCOLO N.º 5.344.203-0 PARECER N.º 942/07 APROVADO EM 12/12/07 PROTOCOLO N.º 5.344.203-0 PARECER N.º 942/07 APROVADO EM 12/12/07 CÂMARA DE LEGISLAÇÃO E NORMAS INTERESSADA: SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO MUNICÍPIO: CURITIBA ASSUNTO: Relatório de Sindicância no Colégio

Leia mais

Elabore a petição inicial adequada para que sua cliente possa obter, o mais rapidamente possível, a reparação do dano sofrido.

Elabore a petição inicial adequada para que sua cliente possa obter, o mais rapidamente possível, a reparação do dano sofrido. Caso 1 Joana Batista da Silva, brasileira, solteira, vendedora, residente e domiciliada na Av. A n. 100, Setor Felicidade, em Goiânia, GO, é proprietária de um veículo automotor modelo motocicleta, marca

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Pará

Tribunal de Contas do Estado do Pará A C Ó R D Ã O Nº 43.099 (Processo nº 2005/53339-0) Assunto: Prestação de Contas relativa ao Convênio nº 027/2005, firmado entre a FEDERAÇÃO PARAENSE DE VOLEIBOL e a SEEL. Responsável: Sr. CARLOS GETÚLIO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PERNAMBUCO 3º OFÍCIO DA TUTELA COLETIVA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PERNAMBUCO 3º OFÍCIO DA TUTELA COLETIVA Inquérito Civil Público nº 1.26.000.003800/2013-43 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Trata-se de inquérito civil público instaurado nesta Procuradoria da República a partir de representação de NILTON DOS SANTOS

Leia mais

: Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Relator Des. : SILVÂNIO BARBOSA EMENTA ACÓRDÃO

: Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Relator Des. : SILVÂNIO BARBOSA EMENTA ACÓRDÃO Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : APR - Apelação Criminal Nº. Processo : 2000.01.1.046488-9 Apelante : João Severino da Silva Advogado : Defensoria Pública Apelado : Ministério Público do Distrito

Leia mais

RESULTADO DO JULGAMENTO. DENUNCIADA: Equipe TCC/UNITAU/UNIMED/TARUMÃ-TAUBATE

RESULTADO DO JULGAMENTO. DENUNCIADA: Equipe TCC/UNITAU/UNIMED/TARUMÃ-TAUBATE RESULTADO DO JULGAMENTO Processo nº 05/2012 DENUNCIADA: Equipe TCC/UNITAU/UNIMED/TARUMÃ-TAUBATE Aos cinco dias do mês de novembro de dois mil e doze, reuniu-se a Comissão Disciplinar do Superior Tribunal

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO R/E A. H. GENOVA x Dique Flutuante PAULO FERRAZ. Abalroação de rebocador com dique flutuante, durante manobra de docagem, provocando avaria no costado

Leia mais

Tribunal da Comarca de Sintra

Tribunal da Comarca de Sintra Tribunal da Comarca de Sintra Processo nº1 Simulação de Julgamento Meritíssimo Juiz Pedro Brito 23 de Março de 2011 1 Personagem Nome do aluno Ano Turma Nº Maria Patrícia Serrano 12º H 23 João Afonso Patinhas

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.103/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.103/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.103/99 ACÓRDÃO Balsa SANTA ALICE. Queda n água de bordo da balsa de veículo tipo carro forte. Morte do motorista. Descumprimento de normas de segurança que devem ser aplicadas

Leia mais

PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 570/2015

PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 570/2015 Inquérito Civil Público nº 1.26.000.000548/2011-59 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 570/2015 Trata-se de inquérito civil público instaurado a partir do Ofício nº 069/2011 2ª PJDC, do Ministério Público do Estado

Leia mais

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO CIVIL CADERNO DE RASCUNHO

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO CIVIL CADERNO DE RASCUNHO SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO CIVIL CADERNO DE RASCUNHO Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno de rascunho contendo o enunciado da

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO Inquérito Policial n.º: 234/2005 Vítima: Administração Pública Réu: Honestino Guimarães Rosa O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO

Leia mais

6º Campeonato Brasileiro da Classe Velamar 22 30, 31de maio, 01 e 02 de junho de 2013 Praia Clube São Francisco Niterói RJ. Patrocínio: Apoio:

6º Campeonato Brasileiro da Classe Velamar 22 30, 31de maio, 01 e 02 de junho de 2013 Praia Clube São Francisco Niterói RJ. Patrocínio: Apoio: Patrocínio: Apoio: 01 Regras INSTRUÇÕES DE REGATA 01.1 O campeonato será regido como definidas nas Regras de Regata a Vela 2013-2016 01.2 Regras da Classe Velamar 22 01.3 A tripulação deverá ter no máximo

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br AULA 01 O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Conflito de interesses - duas pessoas possuem interesse sobre o mesmo bem

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE BELÉM, ESTADO DO PARÁ. Peças de Informação nº 1.23.000.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE BELÉM, ESTADO DO PARÁ. Peças de Informação nº 1.23.000. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE BELÉM, ESTADO DO PARÁ Peças de Informação nº 1.23.000.000059/2012-90 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, no exercício da titularidade

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO ft' "flay, aimair.41 ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO 4111 APELAÇÃO CRIMINAL N 001.2006.001528-4 / 001 RELATOR : DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA APELANTE : JACKSON ISíDIO DOS

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas:

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: . ' ESTADO DA PARAÍBA t-n " PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Civel n 200.2004.038313-1/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: Executivos Administração e Promoção de Seguros

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO N/M ALIANÇA IPANEMA. Colisão com píer em construção, pertencente à Delegacia da Capitania dos Portos, em Itajaí, resultando em avarias de grande monta na

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.797/00 ACORDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.797/00 ACORDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.797/00 ACORDÃO Navio-Sonda PETROBRAS XXXI. Avaria em equipamento de carga de Navio-Sonda, resultando ferimentos em trabalhador durante operação de descarga de carga pesada.

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: RELATÓRIO

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: RELATÓRIO ESTADO DA PARAÍBA 21 PODER JUDICIÁRIO 1 Apelação Cível n. 888.2002.014.833-4/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: GM Factoring Sociedade de Fomento Comercial Ltda Advogada: Maria Irinea

Leia mais