Um Diagnóstico das Habilidades de Visualização no Ensino Médio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um Diagnóstico das Habilidades de Visualização no Ensino Médio"

Transcrição

1 Um Diagnóstico das Habilidades de Visualização no Ensino Médio Mariko Kawamoto 1 GD3 Educação Matemática no Ensino Médio Resumo: Com esta pesquisa, tem-se como objetivo verificar se alunos da 2ª série do Ensino Médio mostram ter desenvolvido habilidades de visualização em Geometria. Colocam-se duas questões de pesquisa: Quais habilidades de visualização alunos da 2ª série do Ensino Médio mostram ter desenvolvido? e Em quais delas apresentam maior dificuldade?. Para atingir o objetivo proposto e responder as questões de pesquisa, pretende-se elaborar e aplicar um questionário do tipo diagnóstico, com algumas questões abertas de Geometria Espacial, retiradas e adaptadas das provas de Avaliação da Aprendizagem em Processo da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. A análise dos dados obtidos com o questionário será feita com o intuito de verificar quais das habilidades de visualização, propostas por Gutierrez, esses alunos desenvolveram e em quais mostram maior dificuldade. Palavras-chave: Diagnóstico. Geometria. Habilidades de Visualização. Introdução Baseada na minha experiência como educadora, percebemos que alunos da 2ª série do Ensino Médio mostram interesse pelo estudo de sólidos geométricos, mas apresentam dificuldades em alguns conceitos de Geometria Espacial, principalmente na elaboração e na interpretação de desenhos bidimensionais de figuras tridimensionais. Estas dificuldades se refletem nos baixos índices de acerto em algumas provas institucionais, como a Avaliação da Aprendizagem em Processo (AAP); e o Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar de São Paulo (SARESP), ambas da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo; a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), organizada pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), que tem como objetivo estimular o estudo da Matemática e revelar talentos na área e conta com os apoios da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), do Conselho de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), cujas questões são aplicadas e corrigidas por um grupo de professores de cada Escola. Como as provas AAP, que são aplicadas no início de cada semestre letivo, para avaliar o semestre anterior, nas disciplinas Língua Portuguesa, Redação e Matemática, são corrigidas pelos próprios professores de cada disciplina avaliada, tivemos contato com 1 Mestranda em Educação Matemática pela Universidade Anhanguera de São Paulo, orientadora: Vera Helena Giusti de Souza.

2 todas as sete que já foram realizadas, desde o segundo semestre de 2011 até o segundo semestre de 2014 e podemos citar um exemplo que observamos ao corrigir essas provas. Selecionamos oito questões, de provas aplicadas em semestres diferentes, algumas do tipo teste e outras abertas, que envolvem habilidades de visualização. Cinco delas apresentam índice de acerto inferior a 50% (índice relativo ao semestre de realização), no caso de alunos da 2ª série do Ensino Médio, o que mostra a dificuldades desse alunos em conceitos geométricos envolvidos, como ilustramos com uma questão tipo teste, que apresenta uma das planificações do cubo, na qual três faces estão identificadas com 1, 2 e 3 pontos e pede-se para completar, com pontos, as outras três faces, sabendo-se que a soma dos pontos de faces opostas é igual a sete. Entre os alunos da 2ª série que fizeram a prova, mais de 70% errou a questão e, entre estes, alguns preencheram a quantidade de pontos necessários para totalizar sete pontos, sem verificarem se as faces escolhidas por eles eram faces opostas; ficamos na dúvida sobre o motivo que os levou a cometer tal erro. A partir de resultados como este e pela qualidade dos erros que nossos alunos apontam ter cometido, perguntamo-nos se tais erros podem ser causados pela falta de habilidades de visualização. Para responder esse nosso questionamento, propusemo-nos a desenvolver uma pesquisa do tipo diagnóstico, para verificar se realmente podemos dizer que esses alunos do Ensino Médio desenvolveram ou não habilidades de visualização em Geometria. Procuramos o Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Anhanguera de São Paulo, no qual fomos aceitos no primeiro semestre de 2014 e onde pretendemos desenvolver uma Dissertação de Mestrado em Educação Matemática com esse diagnóstico. Justificativa Escolhemos diagnosticar as habilidades de visualização, por entender que elas são necessárias e importantes no estudo de Geometria e por estarem presentes em diversas áreas de conhecimento como, por exemplo, Arquitetura, Física, Química, Arte, Engenharia, Propaganda e Marketing, quando nos deparamos com maquetes (na Arquitetura ou na Arte), no estudo do movimento dos planetas (na Física ou na Meteorologia), nas representações das moléculas de carbono (na Química ou na Geologia), nas pinturas (na Arte), nas construções das mais variadas formas (na Engenharia, na Arquitetura, na Joalheria, na Marcenaria ou na Arte) ou em outdoors (na Propaganda ou na Arte).

3 Vimos também que a importância da visualização é apontada nos Parâmetros Curriculares do Ensino Médio (PCNEM, 2000) as habilidades de visualização, desenho, argumentação lógica e de aplicação na busca de soluções para problemas podem ser desenvolvidas com um trabalho adequado de Geometria, para que o aluno possa usar as formas e propriedades geométricas na representação e visualização de partes do mundo que o cerca. Essas competências são importantes na compreensão e ampliação da percepção de espaço e construção de modelos para interpretar questões da Matemática e de outras áreas do conhecimento (PCNEM, 2000, p.44). Outras pesquisas em Educação Matemática mostram preocupação semelhante à nossa, como os trabalhos de Gutierrez (1996, 1998); a tese de Parsysz (1988); as dissertações de Carvalho (2010), Souza (2010) e Rosalves (2006). Em seu artigo, Gutierrez (1996, 1998) afirma que as representações gráficas e visuais são muito importantes no ensino de Matemática, o que vinha sendo reconhecido por muitos educadores e professores da Matemática de vários países, por volta de 1980, e manifesta preocupação pelas dificuldades na visualização de representações bidimensionais de figuras tridimensionais, o que reforça nossa ideia em relação às dificuldades apresentadas por nossos alunos e o desejo de elaborar abordagens que possam contribuir para diminuir essas dificuldades. Gutierrez afirma também que sempre que estamos manejando objetos espaciais e nos vemos obrigados a representá-los no plano, deparamo-nos com um problema que tem a ver com a visão espacial e com a habilidade para elaborar tais representações (ou codificação) ou para interpretá-las corretamente (ou decodificação). Carvalho (2010), em sua Dissertação de Mestrado em Educação Matemática, mostra preocupação com as dificuldades de alunos em interpretar e elaborar desenhos que representam sólidos geométricos. Propõe, em sua pesquisa, identificar as contribuições que uma sequência de atividades com material concreto e recursos informáticos pode dar para a codificação e a decodificação de desenhos de figuras tridimensionais. Para tal, elaborou e aplicou um conjunto de atividades, envolvendo materiais manuseáveis e informáticos, com o intuito de promover o desenvolvimento de habilidades de visualização (GUTIERREZ, 1996). A autora conclui que algumas atividades contribuíram para a formação de imagens mentais, fundamentais para os processos de codificação e de decodificação de desenhos bidimensionais de figuras tridimensionais. Souza (2010) também manifesta preocupação com dificuldades apresentadas por alunos em visualizar representações planas de figuras espaciais. Em sua pesquisa, Souza

4 propõe investigar se a utilização de imagens externas variadas pode contribuir para o desenvolvimento de habilidades de visualização e quais destas podem ser desenvolvidas. Recorreu a duas entrevistas do tipo reflexivo, individuais, separadas por um trabalho de casa. Souza (2010) conclui que a visualização de imagens externas variadas ajudou no desenvolvimento de algumas das habilidades de visualização e sugere que um trabalho semelhante seja desenvolvido, em sala de aula, com a ajuda do professor de Artes (ver mais detalhes desta pesquisa em nossa revisão de literatura). Rosalves (2006) afirma em sua Dissertação de Mestrado que alunos encontram muitas dificuldades na passagem da Geometria Plana para a Geometria Espacial, em particular nas relações entre os objetos geométricos e suas representações planas; propõe investigar o papel das representações dinâmicas em ambiente informático, com o software Cabri 3D. A autora conclui que o ambiente Cabri 3D permite ao sujeito ver melhor, pelo fato do sujeito poder mudar o ponto de vista de quem olha o desenho, o que, entendemos, pode contribuir para a aquisição de habilidades de visualização em Geometria Espacial. Todas as nossas citações mostram que há necessidade de recorrer a atividades diferenciadas, a fim de promover o desenvolvimento das habilidades de visualização e, acreditamos que fica justificada nossa preocupação com o tema e com a aplicação de um diagnóstico, cujos resultados podem mostrar um caminho para a elaboração dessas atividades diferenciadas. Assim, colocamos como objetivo da nossa pesquisa verificar se alunos da 2ª série do Ensino Médio mostram ter desenvolvido habilidades de visualização em Geometria e em quais mostram ter maior dificuldade. Com estes objetivos, elaboramos nossas questões de pesquisa: Quais habilidades de visualização, alunos da 2ª série do Ensino Médio mostram ter desenvolvido? e Em quais delas apresentam maior dificuldade?. Revisão de literatura Definidos nossos objetivos e nossas questões de pesquisa, iniciamos nossa revisão de literatura, numa tentativa de situar nossa pesquisa na área de Educação Matemática. Carvalho (2010), em sua pesquisa, ao tentar responder a questão: quais são as contribuições de uma sequência de atividades envolvendo o uso de materiais manipuláveis e recursos informáticos para a codificação e decodificação de desenhos de corpos

5 geométricos tridimensionais pelos alunos do Ensino Médio?, elaborou uma sequência de atividades, com a finalidade de favorecer a formação das imagens mentais dos alunos e verificar possíveis vantagens na utilização desses recursos para o desenvolvimento das habilidades destes alunos para produzirem e para interpretarem desenhos bidimensionais de corpos geométricos tridimensionais. Aplicou a proposta de ensino a 13 alunos do 3 ano do Ensino Médio, com a participação do pesquisador-professor e de uma observadora neutra, para anotar perguntas e comentários feitos pelos alunos, tudo acompanhado por áudio gravação e filmagem. Os principais instrumentos para coleta de dados foram: um curso de geometria espacial; atividades práticas e teóricas; pré-teste (questionário sobre o conhecimento prévio dos participantes, em Geometria Espacial, para verificar suas habilidades para codificar e decodificar desenhos de corpos geométricos tridimensionais); e pós-teste (adaptação do pré-teste, com pequenas alterações). A partir da análise de livros, artigos e textos relacionados à visualização de representações gráficas de corpos geométricos tridimensionais, dentre eles textos dos autores Kodama (2006), Kaleff (2003), Gutierrez (1992, 1998a, 2006) e Parzysz (1988, 1991, 2006), a pesquisadora desenvolveu sua pesquisa. Carvalho (2010) elaborou a proposta de ensino, com atividades direcionadas ao desenvolvimento de habilidades de visualização, relacionadas a representações planas, utilizando materiais manuseáveis e recursos informáticos. Foram realizados 12 encontros, com duração de 2 horas cada. Após a aplicação do pós-teste, a autora comparou os resultados de cada uma das atividades, do pré-teste e pós-teste, e concluiu que uma sequência de atividades envolvendo o uso de materiais manipuláveis e recursos informáticos favorece a formação das imagens mentais e ajuda a desenvolver a visualização de objetos tridimensionais. Em sua pesquisa sobre Representações planas de figuras tridimensionais: um estudo envolvendo visualizações, Souza (2010) teve como objetivo investigar se a utilização de imagens externas variadas pode contribuir no processo de desenvolvimento de habilidades de visualização e quais destas podem ser desenvolvidas com a análise dessas imagens. Para responder estas questões, o autor recorreu a duas entrevistas reflexivas, individuais, áudio gravadas, com quatro alunos do 3º ano do Ensino Médio, separadas por um espaço de tempo, no qual esses alunos tinham como tarefa analisar duas gravuras e responder

6 questões relativas às habilidades de visualização. Na primeira entrevista, o pesquisador apresentou onze gravuras, dentre quadros famosos e situaçãos do cotidiano e os alunos responderam um conjunto de perguntas. Na segunda entrevista, Souza (2010) discutiu com cada um dos alunos as regras de perspectiva cônica, da perspectiva paralela e as respostas dadas à tarefa de casa. Em seguida, cada aluno analisou novamente as onze gravuras da primeira entrevista e respondeu as perguntas colocadas, com o intuito de verificar se as regras de perspectiva discutidas ajudaram nas habilidades de visualização, propostas por Gutierrez (1996). Com a análise dos protocolos e das entrevistas áudio-gravadas, Souza (2010) concluiu que a utilização de imagens externas variadas ajudou no desenvolvimento de algumas das habilidades de vizualização, tais como: habilidade figura-percepção solo, que é a capacidade de identificar uma figura especifica por isolamento fora de um contexto complexo e a habilidade discriminação visual, que é a capacidade de comparar vários objetos, imagens ou imagens mentais para identificar semelhanças e diferenças entre eles. Rosalves (2006), em sua pesquisa, propõe investigar o papel das representações dinâmicas em ambiente informático, em especial com o software Cabri 3D, com o intuito de analisar como as representações nesse ambiente são elaboradas e interpretadas por alunos e em que medida essas representações contribuem para o desenvolvimento das habilidades de visualização e possibilitam a interpretação de propriedades geométricas de objetos espaciais. A autora utiliza, como fundamentação teórica, os estudos dos polos do visto e do sabido, desenvolvidos por Parsysz (1988; 1993). A pesquisa foi desenvolvida segundo os princípios do Design Experiment, na perspectiva de Cobb (2003), com seis alunos da 2ª série do Ensino Médio e concluiu com quatro dele, no decorrer da 3ª série. Participaram também das atividades um observador e o pesquisador, que assumiu o papel de professor. Aplicou quinze atividades, divididas em três partes, em sessões de 1 hora e 30 minutos cada uma, para: familiarização com o ambiente de Geometria Dinâmica, o Cabri II, com oito sessões; atividades realizadas com papel e lápis, em uma sessão; e familiarização e atividades realizadas no Cabri 3D, em seis sessões. Para a análise dos dados, utilizou a áudio gravação das interações entre os alunos; a captura das telas com as resoluções das atividades; e textos com observações e anotações, tanto do professor pesquisador como do observador, sobre as produções dos alunos. A autora concluiu que as perdas de informação mencionadas por Parsysz (1988, 1991), no Cabri 3D são menores do que no ambiente lápis e papel. Numa das atividades, realizadas

7 no papel e lápis, alguns alunos responderam que duas retas suportes de arestas reversas de um cubo se interceptam, prevalecendo o polo do visto, o que não ocorreu no Cabri 3D, que facilita a percepção da posição das retas, com seus recursos de manipulação e mudanças de pontos de vista. A autora considera que em relação à aprendizagem de Geometria, nos dois ambientes (papel e lápis ou Cabri 3D), os alunos privilegiaram o polo do visto, porém no ambiente Cabri 3D, que permite ao sujeito ver melhor, houve uma evolução para o polo do sabido. Pesquisadores como Gutierrez, Carvalho, Souza e Rosalves manifestam preocupação com as dificuldades encontradas por alunos nas habilidades de visualização e sugerem atividades e recursos para o desenvolvimento dessas habilidades. A intenção de nossa pesquisa é diagnosticar se as habilidades de visualização foram desenvolvidas e em quais os sujeitos têm maior dificuldade para, numa pesquisa posterior, propor uma abordagem de ensino com atividades que possam contribuir para o desenvolvimento dessas habilidades. Fundamentação teórica Para desenvolver nossa pesquisa, optamos por utilizar, em princípio, as ideias de Gutierrez (1991, 1996) sobre o ensino de Geometria e as habilidades de visualização. Como este capítulo de nossa dissertação está em construção, apresentamos aqui as primeiras ideias que julgamos importantes para nossa fundamentação teórica. Em um de seus artigos, Gutierrez (1998) apresenta algumas reflexões sobre a importância de utilizar as representações de sólidos geométricos espaciais, adequadas a estudantes do Ensino Fundamental, na Espanha. Faz análise de várias formas usuais de representação plana de objetos tridimensionais, tomando como base, resultados de algumas pesquisas que descrevem dificuldades de alunos ao elaborarem (codificação) ou interpretarem (decodificação) representações planas de figuras tridimensionais e apresenta sugestões aos professores. Gutierrez (1992, 1996) aponta diferentes grupos de pesquisadores da época, que mostram que a aprendizagem é mais profunda quando os estudantes trabalham com objetos manipuláveis e resume que entende a visualização como composta por quatro elementos: as imagens mentais, as representações externas, os processos de visualização e as habilidades de visualização (GUTIERREZ, 1996, p. 1-9, tradução nossa). As imagens mentais, em Matemática, correspondem a qualquer representação cognitiva de um conceito ou propriedade por meio de elementos visuais ou

8 espaciais (GUTIERREZ, 1996, p. 1-9, tradução nossa). As representações externas, relativas à visualização em Matemática, são as representações gráficas ou verbais de conceitos ou propriedades, o que inclui figuras, desenhos, diagramas, etc... que ajudam a criar ou transformas imagens mentais e fazer raciocínio visual (GUTIERREZ, 1996, p. 1-9, tradução nossa). Um processo de visualização é uma ação mental ou física em que as imagens mentais estão envolvidas (GUTIERREZ, 1996, p. 1-10, tradução nossa). As habilidades de visualização, em Matemática, são habilidades que um sujeito deve adquirir e desenvolver para realizar os processos necessários, com as imagens mentais específicas de um dado problema (GUTIERREZ, 1996, p. 1-10, tradução nossa). Gutierrez (1992, 1996) afirma que uma relação bastante detalhada das principais habilidades de visualização que podem integrar a percepção espacial do indivíduo, quando está envolvido no estudo de Matemática, são Percepção de figura-base: é a habilidade de identificar uma figura específica, isolando-a de um entorno complexo. Constância perceptiva: é a habilidade de reconhecer que algumas propriedades de um objeto (real ou imagem mental) são independentes de tamanho, cor, textura ou posição e não se confunde quando um objeto ou uma figura está com orientação diferente. Rotação mental: é a habilidade de produzir imagens mentais dinâmicas e de visualizar uma configuração em movimento. Percepção de posições espaciais: é a habilidade de relacionar um objeto, figura ou imagem mental consigo mesmo. Percepção de relações espaciais: é a habilidade de relacionar vários objetos, figuras e/ou imagens mentais entre eles ou simultaneamente consigo mesmo. Discriminação visual: é a habilidade de relacionar vários objetos, figuras, e/ou imagens mentais para identificar semelhanças e diferenças entre eles. (GUTIERREZ, 1996, p. 1-10, tradução nossa). Procedimentos Metodológicos Optamos por realizar uma pesquisa diagnóstica, com análise qualitativa dos dados, para verificar se um grupo de aluno do Ensino Médio desenvolveu as habilidades de visualização (GUTIERREZ, 1992, 1996) no estudo de Geometria Espacial e em quais apresentam maior dificuldade. Nossa opção se deve ao fato de nossos alunos de 2ª série do Ensino Médio terem apresentado um índice muito baixo de acerto (inferior a 50%) nas provas da Avaliação da Aprendizagem em Processo (AAP) já realizadas (sete, desde 2011), aplicadas na escola pública do Estado de São Paulo em que lecionamos Matemática. As AAP são comprostas de questões tipo teste e apesar de termos acesso aos resultados de

9 algumas avaliações (não temos de todas as provas), por serem questões do tipo teste, não temos como fazer uma avaliação qualitativa dos tipos de erros cometidos pelos alunos. Decidimos transformar as questões tipo teste, que envolvem Geometria, em questões abertas, para poder aplicar num grupo de alunos e analisar as respostas dadas e assim identificar se desenvolveram as habilidades de visualização e em quais têm mais dificuldade. Pretendemos aplicar esta avaliação diagnóstica no 1º semestre de 2015 em três aulas seguidas de um mesmo período, em todas as turmas de 2ª série do Ensino Médio da Escola em que trabalhamos e cujos professores permitirem esse diagnóstico. No caso do aluno não responder as questões, ou escrever muito pouco ou ainda responder de forma não compreensível, não será possível tirar conclusões. Nesses casos, esperamos poder entrevistar estes alunos, para saber o que eles pensam da questão, tornando possível concluir um diagnóstico. Resultados Esperados Esperamos que os alunos escrevam muito ao responderem as questões ou que falem o que pensam das questões não respondidas, nas entrevistas, para que possamos identificar e diagnosticar as habilidades de visualização, como também as suas dificuldades, para que outros pesquisadores, dentre os quais nos incluímos, da área de Educação Matemática, possam elaborar atividades que contribuam para o desenvolvimento das habilidades de visualização. Referências BRASIL, S. D. E. B. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Ensino Médio. http: //portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pde/matemática.pdf, Acesso em: 10 abril CARVALHO, M. L. Representações planas de corpos geométricos tridimensionais: uma proposta de ensino voltada para a codificação e decodificação de desenhos. Universidade Federal de Ouro Preto. Ouro Preto GUTIERREZ, A. Procesos y habilidades en visualizacion espacial. Universidad de Valencia. Valencia GUTIERREZ, A. Visualization in 3-Dimensional Geometry: In Search of a Framework. Proceeding of the 20th PME Conference I, GUTIERREZ, A. Las Representaciones Planas de Cuerpos 3-Dimensionales en la Enseñanza de la Geometria Espacial. EMA 3.3, p , 1998.

10 PARSYSZ, B. "Knowing" vs "Seeing". Educational Studies im Mathematics, v. 19, p , PCNEM, P. C. N. Ministério da Educação. http: //portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pde/matemática.pdf, Acesso em: 10 abril ROSALVES, M. Y. Relaçoes entre os polos do visto e do sabido no Cabri 3D: uma experiência com alunos do Ensino Médio. PUC-SP. São Paulo SOUZA, W. R. S. D. Representações planas de figuras tridimensionais: um estudo envolvendo visualizações. UNIBAN. São Paulo

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

EXPLORAÇÕES EM GEOMETRIA ESPACIAL COM O SOFTWARE CABRI 3D

EXPLORAÇÕES EM GEOMETRIA ESPACIAL COM O SOFTWARE CABRI 3D EXPLORAÇÕES EM GEOMETRIA ESPACIAL COM O SOFTWARE CABRI 3D Ana Paula Jahn, UNIBAN/SP Vincenzo Bongiovanni, UNIBAN/SP Este mini-curso tem por objetivo explorar situações espaciais no ambiente de geometria

Leia mais

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES Silmara Cristina Manoel UNESP Ilha Solteira Silmaracris2@hotmail.com Inocêncio Fernandes Balieiro Filho

Leia mais

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA Maria Maroni Lopes Secretaria Estadual de Educação Resumo: O presente mini-curso tem como objetivo apresentar as potencialidades

Leia mais

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2 Estudo da reta em geometria analítica: uma proposta de atividades para o Ensino Médio a partir de conversões de registros de representação semiótica com o uso do software GeoGebra Raquel Santos Silva 1

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I Diego Barboza Prestes 1 Universidade Estadual de Londrina diego_led@hotmail.com Tallys Yuri de Almeida Kanno 2 Universidade

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille Rodrigo Cardoso dos Santos 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo do trabalho. Por

Leia mais

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ ISSN 2316-7785 UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ Marinela da Silveira Boemo Universidade Federal de Santa Maria marinelasboemo@hotmail.com Carmen Reisdoerfer Universidade

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PINTO 1,SIMONE P; VIANNA 2,DEISE M. 1 Programa de Pós Graduação em Ensino de Biociências e Saúde. Instituto Oswaldo Cruz. 2 Instituto de Física. Universidade

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

O SOFTWARE GEOGEBRA E A CONSTRUÇÃO DO CICLO TRIGONOMÉTRICO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DE TRIGONOMETRIA

O SOFTWARE GEOGEBRA E A CONSTRUÇÃO DO CICLO TRIGONOMÉTRICO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DE TRIGONOMETRIA ISSN 2316-7785 O SOFTWARE GEOGEBRA E A CONSTRUÇÃO DO CICLO TRIGONOMÉTRICO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DE TRIGONOMETRIA Charles Bruno da Silva Melo Centro Universitário Franciscano xarlesdemelo@yahoo.com.br

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Mariângela Assumpção de Castro Chang Kuo Rodrigues

Mariângela Assumpção de Castro Chang Kuo Rodrigues Mariângela Assumpção de Castro Chang Kuo Rodrigues 1 APRESENTAÇÃO A ideia deste caderno de atividades surgiu de um trabalho de pesquisa realizado para dissertação do Mestrado Profissional em Educação Matemática,

Leia mais

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Valdir Amâncio da Silva 1 Angélica da Fontoura Garcia

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PORTFÓLIO EM SALA DE AULA

UTILIZAÇÃO DE PORTFÓLIO EM SALA DE AULA UTILIZAÇÃO DE PORTFÓLIO EM SALA DE AULA Maisa Aline da Veiga 1 Carina Eberhardt. INTRODUÇÃO O presente artigo possui como finalidade apresentar experiências vivenciadas com o uso de portfólios em sala

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRANDO - GILSON DO NASCIMENTO GOUVÊA VICTORIANO

Leia mais

PRODUTOS DE VETORES NO CABRI 3D: UM ESTUDO BASEADO NA TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA

PRODUTOS DE VETORES NO CABRI 3D: UM ESTUDO BASEADO NA TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA PRODUTOS DE VETORES NO CABRI 3D: UM ESTUDO BASEADO NA TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA Monica Karrer Universidade Bandeirante de São Paulo mkarrer@uol.com.br Bruno Santos Baggi Universidade

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA Maria Maroni Lopes Universidade Federal do Rio Grande do Norte marolopes@hotmail.com

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

SUBPROJETO PIBID/MATEMÁTICA/ARAGUAÍNA TRABALHANDO AS FORMAS DOS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS

SUBPROJETO PIBID/MATEMÁTICA/ARAGUAÍNA TRABALHANDO AS FORMAS DOS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS SUBPROJETO PIBID/MATEMÁTICA/ARAGUAÍNA TRABALHANDO AS FORMAS DOS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS Eduardo Dias Lima e Hernandes Pereira de Oliveira Araguaína 2014 INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA (sugiro que leiam o documento

Leia mais

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática As habilidades na Solução de Problemas em Matemática Érica Valeria Alves O que diferencia a espécie humana das demais espécies do reino animal é a capacidade de pensar, raciocinar, formular hipóteses,

Leia mais

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO Vilmara Luiza Almeida Cabral UFPB/Campus IV Resumo: O presente relato aborda o trabalho desenvolvido no projeto de intervenção

Leia mais

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Lilian Simone Leal Machado URZEDO 1, Rosely Ribeiro LIMA 2 (UFG/CAJ) lilianmachadoinove@hotmail.com

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

ANÁLISE DO ENSINO DE GEOMETRIA ESPACIAL

ANÁLISE DO ENSINO DE GEOMETRIA ESPACIAL ANÁLISE DO ENSINO DE GEOMETRIA ESPACIAL GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Msc. Acylena Coelho Costa UEPA acylena@uepa.br Ana Priscila Borges Bermejo UEPA anapriscilabb@hotmail.com

Leia mais

GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA

GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA 1 - RESUMO DA ATIVIDADE Como exemplo de um método de medida, vamos mostrar como há três séculos antes de Cristo, Eratóstenes mediu o raio da Terra, utilizando

Leia mais

Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima

Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima Claudia Piva Depto de Física, Estatística e Matemática DeFEM, UNIJUÍ 98700-000, Ijuí, RS E-mail: claudiap@unijui.edu.br

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental

PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental Antonia Zulmira da Silva (autor) 1 GD2 Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar, analisar

Leia mais

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES Dircélia dos Santos Universidade Federal do Rio Grande do Sul dirceliafg@yahoo.com.br Elisabeta D' Elia Gallicchio Universidade

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 Resumo: Delane Santos de Macedo 2 Universidade Federal do Recôncavo da Bahia delayne_ba@hotmail.coml Gilson Bispo de Jesus

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

Aplicação do Software GeoGebra no ensino de Funções

Aplicação do Software GeoGebra no ensino de Funções Ricardo Antonio Faustino da Silva Braz Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA Brasil ricardobraz@ufersa.edu.br Jean Michel Moura Bezerra Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA Brasil

Leia mais

A Elaboração de Conjecturas em Geometria com o Auxílio do Cabri-Geomètre. Introdução

A Elaboração de Conjecturas em Geometria com o Auxílio do Cabri-Geomètre. Introdução A Elaboração de Conjecturas em Geometria com o Auxílio do Cabri-Geomètre Paulo Humberto Piccelli - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Tv. Adelaide n 150, (67)33869675, pjpiccelli@hotmail.com,

Leia mais

Bolsistas: Fabiana Reczko, Fernanda Menegotto, Jéssica Tumelero e Maiara Ghiggi

Bolsistas: Fabiana Reczko, Fernanda Menegotto, Jéssica Tumelero e Maiara Ghiggi COLÉGIO ESTADUAL VISCONDE DE BOM RETIRO Plano de aula 1 março de 2015 Atividades para 1º ano do ensino médio Bolsistas: Fabiana Reczko, Fernanda Menegotto, Jéssica Tumelero e Maiara Ghiggi Supervisora:

Leia mais

MONTAGEM DO DODECAEDRO REGULAR COM TUBOS DE CANETA PARA APRENDIZAGEM DO VOLUME UTILIZANDO CABRI 3D

MONTAGEM DO DODECAEDRO REGULAR COM TUBOS DE CANETA PARA APRENDIZAGEM DO VOLUME UTILIZANDO CABRI 3D MONTAGEM DO DODECAEDRO REGULAR COM TUBOS DE CANETA PARA APRENDIZAGEM DO VOLUME UTILIZANDO CABRI 3D Resumo: Amarildo Aparecido dos Santos Pontifícia Universidade Católica de São Paulo amarosja@terra.com.br

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE Lorrania Miranda Nogueira Raquel da Silva Barroso Monica Rosana de Andrade Mateus Camargo Pereira

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Ensinar Geometria com Modelagem o professor deve ir onde o aluno está

Ensinar Geometria com Modelagem o professor deve ir onde o aluno está Marly de Menezes Gonçalves, doutora na área de Design e Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP; FASM / IED-SP Ensinar Geometria com Modelagem o professor

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior.

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. Bruno Marques Collares, UFRGS, collares.bruno@hotmail.com Diego Fontoura Lima, UFRGS,

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM Daniela Fidelis Bezerra Túlio Cordeiro de Souza Maria Elizabete

Leia mais

Capacitación de docentes en el uso de las nuevas tecnologías. Márcia Campos (marciac@fortalnet.com.br ), Hermínio Borges Neto

Capacitación de docentes en el uso de las nuevas tecnologías. Márcia Campos (marciac@fortalnet.com.br ), Hermínio Borges Neto 1. TÍTULO: QUE RECURSOS PODEM CONTRIBURIR PARA OTIMIZAR A APRENDIZAGEM EM UM AMBIENTE VIRTUAL? 1 2. ÁREA TEMÁTICA Capacitación de docentes en el uso de las nuevas tecnologías 3. AUTORES Márcia Campos (marciac@fortalnet.com.br

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS

REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS RESUMO Poliana de Brito Morais 1 Silvanio de Andrade 2 Este artigo tem como objetivo discutir nossa

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM.

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. UCHÔA, Yasmim Figueiredo Graduanda de Pedagogia/ UEPB. Bolsista PIBID CABRAL, Isabel Cristina Gomes de Morais Graduanda

Leia mais

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO Cícero Félix da Silva; Izailma Nunes de Lima; Ricardo Bandeira de Souza; Manoela

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO CONFLITOS CONCEITUAIS COM IMAGENS RELATIVAS A CONCEITOS COMUNS ENTRE A MATEMÁTICA ELEMENTAR E A AVANÇADA 1 VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO WILSON ROBERTO SOLUNA DE SOUZA

UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO WILSON ROBERTO SOLUNA DE SOUZA UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO WILSON ROBERTO SOLUNA DE SOUZA REPRESENTAÇÕES PLANAS DE FIGURAS TRIDIMENSIONAIS : UM ESTUDO ENVOLVENDO VISUALIZAÇÕES SÃO PAULO 2010 1 WILSON ROBERTO SOLUNA DE SOUZA

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

A Turma da Tabuada 3

A Turma da Tabuada 3 A Turma da Tabuada 3 Resumo Aprender brincando e brincando para aprender melhor. É dessa forma que a turma da tabuada nos levará a mais uma grande aventura pelo mundo do espaço e das formas. Na primeira

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL POR MEIO DE ATIVIDADES ENVOLVENDO GEOMETRIA ANALÍTICA E AUTOCAD

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL POR MEIO DE ATIVIDADES ENVOLVENDO GEOMETRIA ANALÍTICA E AUTOCAD INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL POR MEIO DE ATIVIDADES ENVOLVENDO GEOMETRIA ANALÍTICA E AUTOCAD Thatiana Sakate Abe 1 abe.thaty@gmail.com Bianca Serico Leite biancaserico@hotmail.com Fabiano Antonio Bessani

Leia mais

O USO DE PROGRAMAS COMPUTACIONAIS COMO RECURSO AUXILIAR PARA O ENSINO DE GEOMETRIA ESPACIAL

O USO DE PROGRAMAS COMPUTACIONAIS COMO RECURSO AUXILIAR PARA O ENSINO DE GEOMETRIA ESPACIAL O USO DE PROGRAMAS COMPUTACIONAIS COMO RECURSO AUXILIAR PARA O ENSINO DE GEOMETRIA ESPACIAL Angélica Menegassi da Silveira UNIFRA Eleni Bisognin - UNIFRA Resumo: O presente artigo tem como objetivo apresentar

Leia mais

Explorando a geometria com as crianças das séries iniciais do ensino fundamental

Explorando a geometria com as crianças das séries iniciais do ensino fundamental Explorando a geometria com as crianças das séries iniciais do ensino fundamental Luciane de Fatima Bertini Universidade Federal de São Carlos Brasil lubertini@terra.com.br ) Nacir Aparecida Bertini Prefeitura

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA Débora Dalmolin Universidade Federal de Santa Maria debydalmolin@gmail.com Lauren Bonaldo Universidade Federal de Santa Maria laurenmbonaldo@hotmail.com

Leia mais

ENSINO DE ÁREA E PERÍMETRO DE FIGURAS PLANAS COM O AUXÍLIO DO GEOPLANO

ENSINO DE ÁREA E PERÍMETRO DE FIGURAS PLANAS COM O AUXÍLIO DO GEOPLANO ENSINO DE ÁREA E PERÍMETRO DE FIGURAS PLANAS COM O AUXÍLIO DO GEOPLANO Lindomar Reco¹; Rodrigo Macedo da Silva²; UFGD/FACET- C. Postal 364, 79.804-970 Dourados-MS, E-mail: recocpo@hotmail.com/ macedo_rdo@hotmail.com.¹acadêmico

Leia mais

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1 Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Ana Luiza Araujo COSTA anaepietro26@gmail.com Maria Simone

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

E depois da Elaboração de um Produto Educacional?

E depois da Elaboração de um Produto Educacional? E depois da Elaboração de um Produto Educacional? Antônio do Nascimento Gomes 1 José Antonio Salvador 2 Resumo O trabalho de Mestrado Profissional que gerou este texto tinha como objetivo principal o desenvolvimento

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato.

RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato. PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos e Silvana Bento de Melo Couto. Escola: E. M. José

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

A EXPRESSÃO GRÁFICA NA EXPLORAÇÃO DE PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS ATRAVÉS DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA

A EXPRESSÃO GRÁFICA NA EXPLORAÇÃO DE PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS ATRAVÉS DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA A EXPRESSÃO GRÁFICA NA EXPLORAÇÃO DE PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS ATRAVÉS DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA Anderson Roges Teixeira Góes Universidade Federal do Paraná Departamento de Expressão Gráfica Secretaria

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

AULA COM O SOFTWARE GRAPHMATICA PARA AUXILIAR NO ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS

AULA COM O SOFTWARE GRAPHMATICA PARA AUXILIAR NO ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS AULA COM O SOFTWARE GRAPHMATICA PARA AUXILIAR NO ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 Manoel Luiz de Souza JÚNIOR Universidade Estadual

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA

OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA Luiz Cleber Soares Padilha Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande lcspadilha@hotmail.com Resumo: Neste relato apresentaremos

Leia mais

EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE UM PROGRAMA INFORMATIZADO DE LEITURA NA ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM ESCOLA REGULAR E ESPECIAL

EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE UM PROGRAMA INFORMATIZADO DE LEITURA NA ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM ESCOLA REGULAR E ESPECIAL EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE UM PROGRAMA INFORMATIZADO DE LEITURA NA ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM ESCOLA REGULAR E ESPECIAL Camila Graciella Santos Gomes Universidade Federal de São

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital

Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital Sérgio Freitas de Carvalho 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Este artigo tem por

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

4 Metodologia. 4.1.Metodologia de observação

4 Metodologia. 4.1.Metodologia de observação 56 4 Metodologia O objetivo desse trabalho é observar o uso de textos de multimodais na sala de aula de língua inglesa, assim como a escolha do professor no uso de este ou aquele texto multimodal, de modo

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

A Experimentação Investigativa no Ensino de Química: Reflexões. partir do PIBID FRANCIELLE DA SILVA BORGES ISIS LIDIANE NORATO DE SOUZA CURITIBA 2013

A Experimentação Investigativa no Ensino de Química: Reflexões. partir do PIBID FRANCIELLE DA SILVA BORGES ISIS LIDIANE NORATO DE SOUZA CURITIBA 2013 A Experimentação Investigativa no Ensino de Química: Reflexões de práticas experimentais a partir do PIBID FRANCIELLE DA SILVA BORGES ISIS LIDIANE NORATO DE SOUZA CURITIBA 2013 PIBID- Programa Institucional

Leia mais

Geometria para os Anos Iniciais: estudo de formas planas e espaciais por meio de aplicativos em tablets

Geometria para os Anos Iniciais: estudo de formas planas e espaciais por meio de aplicativos em tablets Geometria para os Anos Iniciais: estudo de formas planas e espaciais por meio de aplicativos em tablets Maria Madalena Dullius 1, Marli Teresinha Quartieri 2, Lucy Aparecida Gutiérrez de Alcântara 3, Cristian

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

CAPÍTULO 4. A Produção de Significados para a Noção de Base: Um Estudo de Caso

CAPÍTULO 4. A Produção de Significados para a Noção de Base: Um Estudo de Caso CAPÍTULO 4 A Produção de Significados para a Noção de Base: Um Estudo de Caso 77 4. Um Estudo Preliminar Na primeira fase de elaboração das atividades do estudo de caso, tentamos reunir alguns elementos

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO INTERVENÇÃO NA REALIDADE DA ESCOLA PARCEIRA NO CONTEXTO DO PIBID DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO INTERVENÇÃO NA REALIDADE DA ESCOLA PARCEIRA NO CONTEXTO DO PIBID DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO INTERVENÇÃO NA REALIDADE DA ESCOLA PARCEIRA NO CONTEXTO DO PIBID DE MATEMÁTICA Vinicius A. S. Guissi vinnyguissi@hotmail.com Thays R. S. Couto couto_thays@hotmail.com Paulo H.

Leia mais

Escola Artística de Soares dos Reis. Desenho 12º Ano A Planificação 2013-2014

Escola Artística de Soares dos Reis. Desenho 12º Ano A Planificação 2013-2014 Escola Artística de Soares dos Reis Desenho 12º Ano A Planificação 2013-2014 Desenho A 12º Ano Planificação 2013-2014 A planificação da disciplina de Desenho A do 12º ano é elaborada de acordo com indicações

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Matemática Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) História, contexto e aplicações da matemática.

Leia mais