XXIII ENANGRAD. Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho (GPT) DESAFIOS DO GESTOR EM GERIR EQUIPES DE VENDAS DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XXIII ENANGRAD. Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho (GPT) DESAFIOS DO GESTOR EM GERIR EQUIPES DE VENDAS DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA"

Transcrição

1 XXIII ENANGRAD Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho (GPT) DESAFIOS DO GESTOR EM GERIR EQUIPES DE VENDAS DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Bianca Smith Pilla Carlos Emilio Villani Bento Gonçalves, 2012

2 GPT Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho DESAFIOS DO GESTOR EM GERIR EQUIPES DE VENDAS DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Área: GPT Autores: Bianca Smith Pilla e Carlos Emilio Villani

3 Resumo A valorização das pessoas nas organizações tem atualmente a maior preocupação das áreas de Recursos Humanos, que passaram de um modelo mecanicista para valorização do conhecimento. Visto que as empresas estão voltadas na gestão de pessoas, sendo estas que fazem a diferença para atingir seus objetivos, o gestor passou a ser peça chave nesse cenário. O presente artigo tem o objetivo de identificar quais são os desafios enfrentados pelo gestor em gerir equipes de vendas da indústria farmacêutica. Portanto, foi realizada uma pesquisa exploratória com cinco gestores de equipes que trabalham na região do Rio Grande do Sul e Santa Catarina de diferentes empresas deste ramo. Dentre os desafios citados destacam-se a dificuldade de treinar as pessoas e tê-las motivadas e alinhadas à empresa. Diante destes desafios os gestores fazem uso da avaliação de desempenho de cada membro da equipe e de coaching. Abstract Valuing people in organizations is currently a major concern in the areas of Human Resources, which grew from a mechanistic model for valuation of knowledge. Because companies are focused on managing people, and these make the difference to achieve its objectives, the manager became a key player in this scenario. This article aims to identify what are the challenges faced by the manager in managing sales teams in the pharmaceutical industry. Therefore, a exploratory research was conducted with managers of teams working in the region of Rio Grande do Sul and Santa Catarina of different companies of this sector. The results show the main challenges of team manager are training people, as well as their motivation and alignment to the company. Faced with these challenges managers proved to be acting primarily through performance evaluation of each team member and coaching. Palavras-chave: Gestor, Equipes de Vendas, Desafios. Keywords: Manager, Sales Teams, Challenges.

4 1 Introdução Hoje em dia a Gestão de Pessoas é um dos temas mais atuais. As organizações vivem em um mundo globalizado e passam de um período industrial para pós-industrial, ou seja, a era do conhecimento, em que há valorização das pessoas e recursos tecnológicos. Neste contexto de transição, o tema mudança organizacional ressurge com vigor no cenário acadêmico, ao mesmo tempo em que se salientam suas relações com a gestão de pessoas (VASCONCELOS; MASCARENHAS; VASCONCELOS, 2006). A Gestão de Pessoas torna-se fundamental nas organizações atuais para atingir seus objetivos, valores e missão social. Nesse sentido o Gestor, Líder, ou qualquer outra denominação dada ao administrador de equipe, tem como função gerir pessoas, sendo responsável desde o planejamento, recrutamento e seleção até o treinamento, desenvolvimento e capacitação delas. Diante desse cenário em que o Gestor de Pessoas é responsável pelo sucesso ou fracasso da equipe e da organização, ficou identificado o problema desta pesquisa: Quais são os desafios do gestor de equipe de vendas da indústria farmacêutica? De acordo com este problema o objetivo geral do estudo é analisar quais são os desafios dos gestores de equipe de vendas da indústria farmacêutica. Foram definidos como objetivos específicos: Descrever a estrutura de trabalho executado pelas equipes de vendas dos gestores pesquisados. Identificar os desafios gerais relatados pelos gestores de equipe. Descrever a atuação dos gestores perante estes desafios, com base em sua percepção. Num mundo em que as mudanças estão cada vez mais rápidas, torna-se cada vez mais importante o conhecimento, habilidade e atitude na capacitação das pessoas. O Gestor é responsável pelo alinhamento, mudanças de paradigmas, feedback e engajamento das pessoas dentro da organização. Sabe-se que a Gestão de Pessoas está ligada a várias funções do Gestor de Equipe. A pesquisa justifica-se pela sua importância como forma de contribuição aos gestores de equipes de vendas do ramo farmacêutico, pois não foram encontrados neste ramo de atividade. Os estudos de Luiz et al. (2010), Cunha e Ximenes Neto (2011) e Michelin (2011), por exemplo, abordam, respectivamente, gestão de equipes no ramo de enfermagem, moveleiro e hospitalar. Na próxima seção é apresentado o referencial teórico com um histórico da gestão de pessoas e gestão de equipes. Na seção três consta a metodologia a estruturação da pesquisa, na seção quatro apresenta-se a análise dos dados coletados e na seção cinco as considerações finais. Por fim, constam as referências que embasaram o estudo. 2 A Gestão de Pessoas Antes de 1930 as atividades de recursos humanos restringiam-se às tarefas correspondentes aos cálculos da retribuição que os trabalhadores tinham direito pelo trabalho prestado, caracterizando-se pelo período contábil. As relações de trabalho tiveram alterações significativas no Brasil depois de 1930, no governo Getúlio Vargas, através de amplas intervenções nas questões trabalhistas, implementando as leis trabalhistas com objetivo de proteção social ao trabalhador como a carteira profissional, que regulamentou o horário de trabalho nas industriais e comércio, o direito de férias remuneradas etc. As empresas tiveram que se organizar para atender a legislação trabalhista, surgindo na sua estrutura seção de pessoal, o Chefe de pessoal, contratado para administrar as rotinas trabalhistas, direitos, deveres e a parte disciplinar (GIL, 2006). A partir de 1950 houve mudanças significativas nas relações de trabalho, tendo a expansão da indústria, com aumento do nível de qualificação, conscientização e aspirações dos trabalhadores. Houve assim, a necessidade da presença de um novo profissional para gerenciar os problemas profissionais, e as empresas começaram a criar departamentos de relações industriais (CHIAVENATO, 2010). Entre 1968 a 1973 teve-se no país um notável surto de crescimento econômico. As empresas cresceram e se modernizaram formando grandes empresas. Neste contexto valorizou-se o administrador de empresas como o profissional de Recursos Humanos. A partir de 1973 a situação econômica mudou exigindo mais da administração. As empresas passam a valorizar algumas áreas de recursos humanos, pouco consideradas até o momento, como treinamento e desenvolvimento de pessoal, cargos, salários e benefícios (GIL, 2006). Na década de 80 o Brasil ficou marcado pela recessão, pelo desemprego e inflação. Já na década de 90 o país iniciou seu processo de integração ao mercado mundial através do desenvolvimento tecnológico no campo da informação, sendo considerado o evento mais significativo da década, a globalização. No final da desta década a globalização tinha seus efeitos criticados pela

5 concentração de riquezas e aumento do desemprego. A recessão econômica afetou as áreas de recursos humanos das empresas, fazendo com que estas inovassem. Passou-se a exigir dos administradores de recursos humanos atuação estratégica, com vistas a agregar valor no negócio por meio de seus programas. Como ponto chave da modernização administrativa está o capital humano, a valorização do funcionário como diferencial competitivo (GIL, 2006). Através destas mudanças ocorridas na década de 90, a área de Administração de Recursos Humanos (ARH), assume a importância comparável com as de finanças ou marketing, com isto, as empresas necessitam evoluírem rapidamente promovendo a Gestão de Pessoas. Assim a Gestão de Pessoas (GP) assume um papel de liderança para as organizações alcançarem a excelência para os novos desafios competitivos, como a globalização, novas tecnologias e a gestão do capital intelectual (CHIAVENATO, 2010). Atualmente a área de Recursos Humanos passa por uma crescente mudança onde o foco de atuação são as pessoas. O novo modelo de gestão implica em espalhar o conhecimento e desenvolver um conjunto de atitudes. A principal estratégia em uma gestão é melhorar e desenvolver o ambiente organizacional. Gil (2006) contribui, fazendo referência à diferença entre Gestão de Pessoas e Administração de Recursos Humanos. Gestão de Pessoas é a função gerencial que visa à cooperação das pessoas que atuam nas organizações para o alcance dos objetivos tanto organizacionais quanto individuais. [...] A expressão Gestão de Pessoas visa substituir Administração de Recursos Humanos, que, ainda mais, é a mais comum entre todas as expressões utilizadas nos tempos atuais para designar os modos de liderar com as pessoas nas organizações. Os argumentos em prol dessa mudança de nomenclatura ressaltam que o termo Administração de Recursos Humanos é muito restritivo, pois implica a percepção das pessoas que trabalham numa organização apenas como recursos, ao lado dos recursos materiais e financeiros. A administração de recursos humanos (ARH) funciona em um conjunto de organizações e de pessoas. Administrar pessoas significa lidar com pessoas que participam de organizações. Mais do que isto, significa administrar com as pessoas. Fazer de cada pessoa um verdadeiro administrador de suas funções dentro da organização, em qualquer nível em que esteja situada ou em qualquer atividade que deva executar. Assim, organizações e pessoas constituem a base fundamental na qual funciona a ARH. (CHIAVENATO, 2006, p. 21). As pessoas são o principal ativo de uma organização. Uma empresa bem-sucedida percebe que pode prosperar otimizando o retorno do investimento com todos os seus parceiros incluindo seus funcionários, pois dessa maneira percebe que a organização está voltada para as pessoas. Para Chiavenato (2010), a Gestão de Pessoas (GP) é um conjunto integrado de processos dinâmicos e interativos, ou seja, criar todas as condições para aumentar o capital humano, bem como o capital intelectual seja das pessoas ou da organização. Gestão de Pessoas é o conjunto de decisões integradas sobre as relações de emprego que influenciam a eficácia dos funcionários e das organizações. Assim, todos os gerentes são, em certo sentido, gerentes de pessoas, porque todos eles estão envolvidos em atividades como recrutamento, entrevistas, seleção e treinamento (CHIAVENATO, 2010, p. 9). Ainda segundo Chiavenato (2010), a administração de pessoas vem passando por grandes transformações no mundo inteiro, saindo de um modelo da era industrial para a era do conhecimento. Dentre estas transformações destacam-se: Da supervisão do trabalho para também sua execução. Da organização de hierarquias para a organização de comunidades. Do trabalho com desenhos e métodos impositivos para a compreensão das tarefas. Do recrutamento e admissão de trabalhadores para retenção de talentos. Da construção de habilidades manuais para a construção de habilidades de conhecimentos. Da avaliação de desempenho visível de cargos para o alcance de aquisição do conhecimento invisíveis. Da ignorância das pessoas para a construção de uma cultura amigável do conhecimento. Do apoio ao modelo burocrático ao rechaçamento de sua rigidez. Os seis processos de Gestão de Pessoas segundo Chiavenato (2010) são:

6 1. Processos de agregar Pessoas. São processos utilizados para incluir novas pessoas na empresa. Podem ser denominados processos de provisão ou de suprimento de pessoas, Incluem recrutamento e seleção de pessoas. 2. Processo de Aplicar Pessoas. São processos utilizados para desenhar as atividades que as pessoas irão realizar na empresa, orientar e acompanhar seu desempenho. Incluem desenho organizacional e desenho de cargos, análise e descrição de cargos, orientação das pessoas e avaliação de desempenho. 3. Processos de Recompensar Pessoas. São os processos utilizados para incentivar as pessoas e satisfazer suas necessidades individuais mais elevadas. Incluem recompensas, remuneração e benefícios e serviços sociais. 4. Processos de Desenvolver Pessoas. São os processos utilizados para capacitar e incrementar o desenvolvimento profissional e pessoal das pessoas. Envolvem seu treinamento e seu desenvolvimento, gestão do conhecimento e gestão de competências, aprendizagem, programas de mudanças e desenvolvimento de carreiras e programas de comunicações e consonância. 5. Processos de Manter Pessoas. São os processos utilizados para criar condições ambientais e psicológicas satisfatórias para as atividades das pessoas. Incluem administração da cultura organizacional, clima, disciplina, higiene, segurança e qualidade de vida e manutenção de relações sindicais. 6. Processos de Monitorar Pessoas. São os processos utilizados para acompanhar e controlar as atividades das pessoas e verificar resultados. Incluem banco de dados e sistemas de informações gerenciais. A Gestão de Pessoas está utilizando formatos organizacionais que variam enormemente de acordo com as características organizacionais. O formato em equipe faz com que cada especialista se torne multifuncional, ou seja, passa a reunir várias competências. Sendo assim, o gestor, é o responsável pelo sucesso ou fracasso da equipe, portanto sua função é liderar pessoas para que atinjam os objetivos organizacionais como será detalhado a seguir. 3 A Gestão de Equipes Atualmente os gestores de pessoas têm que desempenhar o papel de líder. Assim, no contexto de Gestão de Pessoas, é fundamental que elas se vejam mais como colaboradoras do que subordinados, pois requer-se sua adesão aos objetivos, políticas e missão da organização. Portanto, os gestores precisam constantemente atuar como líderes, já que liderança nada mais é do que a forma de direção baseada no prestígio pessoal e na aceitação dos subordinados. O papel do líder é medido pelo seu desempenho, dependendo do compartilhamento dos resultados com as pessoas que fazem parte de sua equipe. É preciso um envolvimento com a equipe no sentido de impulsionar os esforços em uma mesma direção, fazendo com que todos possam atingir um mesmo objetivo (GIL, 2006). Davis e Newstrom (1992, p. 150) definem liderança como: o processo de encorajar os outros a trabalharem entusiasticamente na direção dos objetivos. É o fator humano que ajuda um grupo identificar para onde ele está indo e assim motivar-se em direção aos objetivos. Sem liderança, uma organização seria somente uma confusão de pessoas e máquinas, do mesmo modo que uma orquestra sem maestro seria somente músicos e instrumentos. A orquestra e todas as outras organizações requerem liderança para desenvolver ao máximo seus preciosos ativos (DAVIS; NEWSTROM, 1992). Para Chiavenato (1994), existe uma grande diferença entre gerenciar pessoas e gerenciar com pessoas. No primeiro caso, as pessoas são o objeto da gerência, são guiadas e controladas para alcançar determinados objetivos. No segundo caso, as mesmas são o sujeito ativo da gerência, são elas que guiam e controlam para atingir os objetivos da organização e os objetivos pessoais. Sabe-se hoje que o foco principal são as pessoas, sendo necessária na liderança o respeito às pessoas, estímulo ao autogerenciamento, em equipes autônomas e empreendedoras. Energizar as pessoas, ajudando a trazer à tona a energia que existe naturalmente dentro das pessoas, capacitando-as oferecendo coaching e mentoria, ensinando, cultivando, aconselhando. Ou seja, ajudando as pessoas a desenvolverem a si mesmas. Construir e manter equipes reunindo pessoas em grupos cooperativos, resolvendo conflitos internos e externos para que todos sigam com seu trabalho em busca dos objetivos, estabelecendo e fortalecendo a cultura com valores que encorajam os melhores esforços das pessoas, alinhando seus interesses com as necessidades da organização (GIL, 2006). Segundo Fisher e Albuquerque (2001), gerenciar pessoas é a preocupação de muitas organizações para que seus objetivos sejam atingidos, de preferência com a participação de um

7 grupo eficaz e motivado liderado por um gestor que possa ter os seguintes desafios estratégicos nesta atividade: atrair, capacitar e reter talentos, gerir competências e conhecimento; formar novo perfil do profissional demandado pelo setor, gerindo novas relações trabalhistas, mantendo motivação e clima organizacional; desenvolver uma cultura gerencial voltada para a excelência; RH reconhecido como contributivo para o negócio e como estratégico; conciliar redução de custo e desempenho humano com equilíbrio e qualidade de vida no trabalho; descentralizar gestão de RH. O Gestor de Pessoas precisa agir de acordo com o que ele fala, servindo de exemplo para as pessoas que o seguem. Quando um profissional executor de atividades técnicas passa a assumir um papel de liderança, a equipe espera que ele tenha objetivos claros e estratégias adequadas para conduzir as ações em direção aos resultados organizacionais. Entretanto, é importante ressaltar que a condução das ações passa primeiro pela condução das pessoas em detrimento de seus objetivos pessoais. Cada pessoa é um ser humano único, sistêmico, com personalidade, características, habilidades, atitudes e conhecimentos diferentes uns dos outros. Por isso, é preciso conhecer as ferramentas de Gestão de Pessoas que poderão auxiliar na tomada de decisões em relação ao aproveitamento e valorização dos talentos que integram as equipes de trabalho. Na Gestão de Pessoas o aprendizado é contínuo, direcionando o líder para o aprendizado organizacional. É preciso que ele desenvolva a capacidade de promover educação/desenvolvimento com serviço de alta qualidade e dar abertura para a transmissão de informações, tanto no ambiente interno quanto no ambiente externo, de maneira a permitir a participação dos colaboradores na tomada de decisões, atuando como educador, negociador, incentivador e coordenador. Portanto, é necessário desenvolver atitudes e habilidades que auxiliem na condução de um grupo de pessoas, buscando tomar decisões e ações acertadas em busca dos objetivos e melhores resultados. Para isso, uma inteligência privilegiada não basta. É necessária a combinação com qualidades pessoais, como espírito democrático, entusiasmo pelo trabalho em equipe, habilidade em inspirar confiança, competência técnica, habilidade de delegação, controle emocional, autenticidade, compreensão da natureza humana, respeito pelo ser humano, habilidade em propor e estimular idéias, habilidade em ensinar e despertar melhores talentos (LEVEK; MALSCHITZKY, 2000). 3.1 Tipos de Equipes Segundo Chiavenato (2010), as Equipes são mais do que simples grupos humanos, pois elas têm características ímpares que os grupos não têm. As equipes são um conjunto de pessoas com um objetivo comum em mente, as pessoas têm e compartilham os mesmos interesses, decidem e agem de maneira conjunta, têm forte interconectividade e intercâmbio de idéias, há uma forte interação com as pessoas resultando em uma multiplicação de esforços entre elas. Para Chiavenato (2010), há uma variedade de tipos de equipes, a saber: Equipes funcionais cruzadas: são compostas de pessoas vindas de diversas áreas da empresa (marketing, produção, finanças, engenharia) e são formadas para alcançar um objetivo específico através de mix de competências. Quase sempre são designadas. Equipes de projetos: são formadas especialmente para desenhar um novo produto ou serviço. Os participantes são designados na base de sua habilidade para contribuir para o sucesso. O grupo geralmente debanda após completada a tarefa. Equipes auto-dirigidas: são compostas de pessoas altamente treinadas para desempenhar um conjunto de tarefas interdependentes dentro de uma unidade natural de trabalho. Os membros usam consenso na tomada de decisão para desempenhar o trabalho, resolver problemas ou lidar com clientes internos e externos. Equipes força-tarefa: são equipes designadas para resolver imediatamente um problema. O grupo fica responsável por um plano de longo prazo para a resolução do problema que pode incluir a implementação da solução proposta. Equipes de melhoria de processos: é um grupo de pessoas experientes de diferentes departamentos ou funções encarregadas de melhorar a qualidade, reduzir custos, incrementar a produtividade em processos que afetam todos os departamentos ou funções envolvidas. Os membros são geralmente designados, isto é, indicados pela administração. A base fundamental do trabalho de cada gerente está na equipe. Ela constitui sua unidade de ação, a sua ferramenta de trabalho. Com ela o gerente alcança metas, supera objetivos e oferece resultados. Para tanto, cada gerente como gestor de pessoas precisa saber como escolher sua

8 equipe, como desenhar o trabalho para aplicar as competências da equipe, como treinar e preparar a equipe para aumentar sua excelência, como liderar e impulsionar a equipe, como motivar a equipe, como avaliar o desempenho da equipe para melhorá-lo cada vez mais e como recompensar a equipe para reforçar e reconhecer seu valor (CHIAVENATO 2010). 3.2 Desafios dos Gestores na Gestão de Equipes Um mundo em rápidas mudanças exige gerentes que estejam dispostos a ser mais instrutores, consultores, gurus e mestres, do que estilos que privilegiem o dar ordens, o ser autoritário, o ser determinante e o chefe absoluto. O papel do gerente como incentivador da elevação do grau de maturidade dos subordinados passa a ser crucial. Apesar de não haver um estilo ideal de gerenciamento, o desejável é a elevação dessa maturidade, o que leva o gerente a ter uma postura muito mais orientativa que diretiva. Antes de mudar os outros, é fundamental primeiro mudar a si mesmo, pois nenhuma mudança tem legitimidade se o condutor fala uma coisa e pratica outra (BOOG, 1999). De acordo com Chiavenato (2010), as pessoas constituem o principal ativo das organizações. E quando uma organização está voltada para as pessoas, a sua filosofia global e a sua cultura organizacional passam a refletir essa crença. A GP é a função que permite a colaboração eficaz das pessoas, empregados, funcionários, recursos humanos, talentos ou qualquer denominação que seja utilizada para alcançar os objetivos organizacionais e individuais. As pessoas podem aumentar ou reduzir as forças e fraquezas de uma organização, dependendo da maneira como elas são tratadas. Elas podem ser fonte de sucesso como podem ser fonte de problemas. Para que os objetivos da Gestão de Pessoas sejam alcançados, é necessário que as pessoas sejam tratadas como elementos básicos para a eficácia organizacional. Portanto, os desafios são variados do gestor de pessoas. Dentre eles, Chiavenato (2010) cita os seguintes: ajudar a organização a alcançar seus objetivos e realizar sua missão; proporcionar competitividade à organização; proporcionar à organização pessoas bem treinadas e bem motivadas; aumentar a auto-atualização e a satisfação das pessoas no trabalho; desenvolver e manter qualidade de vida no trabalho; administrar e impulsionar a mudança; manter políticas éticas e comportamento socialmente responsável; construir a melhor empresa e a melhor equipe. Visando o melhor entendimento do papel do gestor na gestão de equipes, da teoria com a prática, busca-se entender as dificuldades enfrentadas por estes profissionais em atender as perspectivas das pessoas com elas lideradas, e das organizações pra atingir seus objetivos. Mediante o exposto, desenvolveu-se a pesquisa, conforme a metodologia a seguir. 4 Metodologia A pesquisa caracteriza-se quanto aos objetivos como exploratória e quanto à abordagem do problema como qualitativa. Segundo Gil (2009), pesquisas exploratórias são desenvolvidas com o objetivo de proporcionar visão geral, de tipo aproximativo, acerca de determinado fato. Este tipo de pesquisa é realizado especialmente quando o tema escolhido é pouco explorado e torna-se difícil sobre ele formular hipóteses precisas e operacionalizáveis. Para Creswell (2010), denomina-se pesquisa qualitativa o desdobramento de um modelo de investigação de um espaço central sobre todas as perspectivas. De forma mais clara o autor define como pesquisa qualitativa: Um meio para explorar e para entender o significado que os indivíduos ou grupos atribuem a um problema social ou humano (CRESWELL, 2010 p. 26). A pesquisa foi realizada com cinco gestores de equipe de diferentes empresas da indústria farmacêutica, no sul do Brasil, na área de vendas. Estes gestores foram convidados a participar da pesquisa, pela acessibilidade e conveniência, visto que o pesquisador trabalha há mais de vinte anos na indústria farmacêutica, atuou quatro anos como gestor de equipe, tendo um relacionamento mais próximo com alguns gestores de equipe, permitindo maior acesso aos entrevistados. A coleta de dados deu-se por meio de entrevistas com estes cinco gestores. Foram realizadas entrevistas com três gestores de equipe presencialmente e dois por telefone. As entrevistas cessaram quando os dados coletados começaram a se repetir. As perguntas para as entrevistas foram: 1. Qual é a estrutura da equipe de vendas dentro da sua organização? 2. Quais são os desafios enfrentados pelo gestor na gestão da equipe?

9 3. Como você atua ou age perante esses desafios? Os gestores foram entrevistados em dias alternados, no período de 10 a 25 de novembro de 2011 em locais fora de seu ambiente de trabalho ou por telefone. Dois gestores concordaram em ter suas entrevistas gravadas, as quais posteriormente foram transcritas pelo pesquisador. As demais tiveram seu conteúdo anotado pelo mesmo. Todos gestores consentiram em participar da pesquisa e assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, tendo recebido uma via e o pesquisador ficado com outra via. Os gestores não foram identificados nesta publicação, tendo recebido, para fins de análise, letras de A (para o primeiro entrevistado) a E (para o último entrevistado). As empresas também não serão identificadas nesta publicação e serão citadas com nomes fictícios (Farma 1, Farma 2, Farma 3 e Farma 4). O quadro a seguir apresenta uma breve caracterização dos entrevistados. Gestor Sexo Tempo aprox. como gestor Empresa Faixa etária (nome fictício) A Masculino 10 anos Farma anos B Masculino 3 anos Farma anos C Masculino 4 anos Farma anos D Masculino 2 anos Farma anos E Masculino 15 anos Farma anos Visando analisar as respostas, foi realizada uma análise de conteúdo, a partir de quatro categorias de análise pré-estabelecidas, que são: a) Estrutura da equipe de vendas; b) Desafios enfrentados; c) Atuação do gestor. 5 Resultados da Pesquisa O resultado da pesquisa confirmou os dados encontrados na literatura, considerando o gestor de equipe como de grande importância para as empresas. O gestor de equipe é o responsável pelo alinhamento, treinamento e desenvolvimento de seus colaboradores, para alcançar os objetivos estabelecidos pela empresa. 5.1 Estrutura da Equipe de Vendas Na empresa Farma 1, conforme relatou o gestor A, a equipe de vendas é estruturada de acordo com seu objetivo, que é a cobertura de determinado território geográfico, o que permite a cada representante estabelecer pelo menos um painel médico de 180 a 200 contatos, considerando o potencial de atendimento de cada um destes profissionais médicos. São levados em consideração o poder aquisitivo dos pacientes, perfil prescritivo dos médicos (inovador ou conservador), estabelecendo as condições efetivas de cobertura, regulada pela geografia e capacidade de visitação. A equipe é composta por oito representantes que atuam em diversas cidades. Em Porto Alegre, devido ao grande número de profissionais médicos, esta equipe tem cinco representantes, divididos por especialidades médicas (pneumologistas, otorrinolaringologistas, pediatras e urologistas). Também há um representante em Pelotas, que visita nove cidades próximas para poder compor o painel médico exigido pela empresa, e em Florianópolis há mais dois representantes. O gestor B da Farma 1 informou que a unidade que trabalha tem os mesmos critérios do gestor A, sendo cinco representantes em Porto Alegre, um em Pelotas e região e outro que atende as cidades próximas a Porto Alegre, como Novo Hamburgo, São Leopoldo, Canoas e Cachoeirinha. Um trabalha na região das Missões e outro em Passo Fundo e cidades próximas. Já na empresa Farma 2, o gestor C disse que a estrutura atual de sua equipe são dez representantes, sendo oito no estado do Rio Grande do Sul, quatro em Porto Alegre e região metropolitana, um em Pelotas, um em Santa Maria, um em Passo Fundo e outro em Caxias do Sul. Em Santa Catarina, há um representante em Criciúma e outro em Florianópolis. Na Farma 3 (do gestor D), identifica-se que a equipe de vendas possui uma estrutura com oito representantes que atuam em todo o Rio Grande do Sul, divididos pelo potencial médico na área de oncologia e respeitando a geografia, para evitar muito deslocamento e perda de produtividade. Dentro da estrutura da equipe o gestor tem o papel de gerenciar, alinhando os objetivos da empresa com os representantes, sendo necessário capacitar os mesmos através de treinamento periódico e coaching.

10 O gestor E, da Farma 4, relatou que sua equipe é caracterizada por um gerente de equipe, responsável por oito representantes distribuídos geograficamente por potencial de mercado de cada região, sendo que cada representante tem um painel médico de cento e noventa profissionais para realização da visitação, tendo objetivos de noventa por cento (90/%) de cobertura em um período de vinte dias uteis. Como é possível perceber, as equipes de vendas deste ramo estão estruturadas de forma enxuta e alinhada às empresas, sendo que cada gestor e responsável em média por oito representantes de vendas distribuídos geograficamente de acordo com o potencial de mercado de cada região. As atividades de coaching e mentoria, tal como apresenta Gil (2006), podem ser identificadas na empresa Farma 3. Quanto aos tipos de equipes apresentados por Chiavenato (2010), identificou-se os seguintes nas empresas pesquisadas: as equipes são auto-dirigidas, ou seja, as pessoas são treinadas, desenvolvidas e alinhadas para alcançar os objetivos gerais das empresas. 5.2 Desafios Enfrentados O gestor A identificou, para gerenciar sua equipe, como principal desafio o desenvolvimento e a qualificação das pessoas, pois, segundo ele, um vendedor qualificado poderá realizar melhores negócios para a empresa. Alinhamento e foco no negócio também foram mencionados. Manter a equipe motivada, engajada e ciente do desempenho esperado são outros desafios enfrentados pelo gestor. O gestor B relatou como desafios a mudança de comportamento e atitudes dos colaboradores e comprometimento com a equipe na busca do desempenho esperado, bem como ter uma equipe equilibrada, disposta ao desenvolvimento profissional e pessoal. O gestor C destaca a administração de conflitos, alinhamento dos representantes para alcançar os objetivos da equipe, cumprimento de prazos de realização das tarefas e manter o grupo motivado como os principais desafios do gestor de equipe. O gestor D relata os desafios de implementar as estratégias da empresa e a sua cultura. Destaca também o recrutamento e seleção de pessoas que atendam o perfil da empresa, o desenvolvimento da performance da equipe e seu alinhamento com as estratégias da empresa e o gerenciamento de conflitos, uma vez que há pessoas diferentes, com experiências diferentes e entendimentos diferentes. O gestor E informa que os desafios são muitos, como o recrutamento e seleção, escolhendo a pessoa certa para o lugar certo, o melhor ou mais preparado para a função respeitando as características locais. Também destaca o treinamento e desenvolvimento, feedback, a resistência das pessoas às mudanças, a motivação, o alinhamento das pessoas ao desempenho esperado e o coaching. Estes desafios podem ser sintetizados no quadro a seguir: Desafio/Gestor A B C D E Total Autores Alinhamento X X X X 4 Gil (2006); Chiavenato (2010) Treinamento e desenvolvimento X X X X 4 Gil (2006); Chiavenato (2010) Motivação X X X 3 Gil (2006) Administração de conflitos X X 2 Boog (1999) Feedback X 2 Gil (2006) Mudar o comportamento da equipe X X 2 Chiavenato (2010); Gil (2006) Recrutamento e seleção X X 2 Chiavenato (2010) Ter o comprometimento da X 1 Chiavenato (2010); Gil (2006) equipe Ter uma equipe equilibrada X 1 Fischer e Albuquerque (2001)

11 Os desafios enfrentados pelos gestores de equipe são vários como os citados acima, porém os mais destacados foram o treinamento e desenvolvimento, o alinhamento e a motivação, o que condiz parcialmente com o apresentado pela literatura pesquisada. Fischer e Albuquerque (2001) destacam como desafios: atrair, capacitar e reter talentos, gerir competências e conhecimento, tendo um grupo eficaz e motivado. 5.3 Atuação do Gestor perante os Desafios O gestor A relatou que atua fornecendo feedback sobre o desempenho realizado por cada membro da equipe, comparando com o desempenho esperado e propondo ações de melhorias para os desempenhos não alcançados. Reconhece os melhores desempenhos realizados dentro dos objetivos propostos. Utiliza a avaliação de desempenho com ferramentas disponibilizadas pela empresa com transparência e justiça e procura motivar as pessoas, comprometendo-as com a empresa. O gestor B destacou que atua de comum acordo com seus gestores e normas da empresa, através de coaching, avaliações de desempenho, prazos e desempenhos esperados bem definidos e claros. O gestor C procura identificar o problema e agir de forma imparcial, centrado no problema e não nas pessoas, evitando cometer injustiças. O gestor D procura agir com resiliência, respeitando as diferentes pessoas e resultados alcançados, alinhando-as para o seu desenvolvimento e alcance dos objetivos da empresa com avaliações de desempenho. O gestor E define que é preciso habilidade para trabalhar com as pessoas. Afirma que as ajuda a se desenvolverem, atuando como treinador, estabelecendo prazos, metas, estimulando o auto-desenvolvimento e executando o coaching. Pode-se sintetizar a atuação destes gestores no quadro a seguir: Atuação/Gestor A B C D E Conforme os demais gestores X Conforme normas da empresa X Coaching X X X Avaliações de desempenho X X X X Conversas/feedback X X Prazos definidos e claros X Sobre o problema X Resiliência X Os gestores pesquisados atuam de diferentes formas, para lidar com os desafios da gestão de equipes. Dentre as formas mais citadas por eles destacam-se o coaching e avaliação e desempenho. Verificando a literatura, Boog (1999) aborda o papel do gestor de equipe como líder com uma postura mais orientativa que diretiva. Gil (2006) destaca a capacitação das pessoas, oferecendo coaching e mentoria, ensinando, cultivando, aconselhando, ou seja, ajudando as pessoas a desenvolverem a si mesmas. Gil (2006) ainda destaca a importância de construir e manter equipes, reunindo pessoas em grupos cooperativos, resolvendo conflitos internos e externos para que todos sigam com seu trabalho em busca dos objetivos, estabelecendo e fortalecendo a cultura com valores que encorajam os melhores esforços das pessoas, alinhando seus interesses com as necessidades da organização. De forma geral, isto vai ao encontro dos resultados da presente pesquisa. 5 Conclusões A pesquisa realizada teve como objetivo identificar os desafios dos gestores em gerir equipes de vendas da indústria farmacêutica. Estes objetivo foi alcançado na medida em que os entrevistados apontaram diversos desafios para a gestão de equipes, tendo como destaques os desafios de treinamento e desenvolvimento das pessoas, alinhamento e motivação. Estes desafios já eram relatados pelo Gil (2006) e Chiavenato (2010), que os destacam como desafios que o gestor de pessoas enfrenta no seu dia a dia com objetivo de alcançar a alta performance da equipe. Quanto à atuação dos gestores de equipe, o que ficou mais evidente da maneira como lidam com estes desafios foi a avaliação de desempenho e o coaching, que vai ao encontro do que Boog (1999), Chiavenato (2010), Gil (2006) mencionam sobre gestão de pessoas.

12 Esta pesquisa foi caracterizada como exploratória, pois se buscou apenas uma primeira aproximação com o tema pesquisado e, a partir dos resultados encontrados, sugere-se pesquisas futuras, como, por exemplo, a realização de um estudo de caso numa indústria farmacêutica ou em outros setores igualmente competitivos. A coleta de dados limitou-se aos gestores pesquisados e, assim, os resultados são restritos a este grupo. Também sugere-se a realização de uma pesquisa quantitativa, mapeando os desafios de gestão de equipes deste ramo pesquisado. Referências BOOG, Gustavo G. Manual de treinamento e desenvolvimento ABTD. 3. ed. São Paulo: Makron Books, CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas. 18. ed. Rio de Janeiro: Campus, CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, CUNHA, Isabel Cristina Kowal Olm; XIMENES NETO, Francisco Rosemiro Guimarães. Competências gerenciais de enfermeiras: um novo velho desafio? Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tce/v15n3/v15n3a13.pdf>. Acesso em: 06 nov DAVIS, Keith; NEWSTROM, John W. Comportamento humano no trabalho. Vol. 1 São Paulo: Pioneira, FISCHER, André Luiz; ALBUQUERQUE, Lindolfo. Tendências que orientam as decisões dos formadores de opinião em gestão de pessoas no Brasil RH In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 25, 2001, Campinas. Anais... Campinas: ANPAD, GIL, Antonio Carlos. Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais. 1. ed. 6. reimpr. São Paulo: Atlas, GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, LEVEK, Andrea R. H. Cunha; MALSCHITZKY, Nancy. Liderança. Fae, Disponível em: <http://fae.edu/publicaçoes/pdf/cap_humano/3.pdf>. Acesso em: 10 set LUIZ, Flavia et al. A sistematização da assistência de enfermagem na perspectiva da equipe de um Hospital de Ensino. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 12 n. 4, Disponível em: <http://www.fen.ufg.br/revista/v12/n4/pdf/v12n4a09.pdf>. Acesso em: 05 nov MICHELIM, Claudia de Freitas. Propostas em práticas em gestão de pessoas segundo o modelo de excelência da gestão MEG para o setor moveleiro da região central do RS. Disponível em: < T143743Z- 3148/Publico/MICHELIN,%20CLAUDIA%20DE%20FREITAS.pdf>. Acesso em: 06 nov VASCONCELOS, Isabela F. G. de; MASCARENHAS, A. D; VASCONCELOS, F. C. Gestão do paradoxo passado versus o futuro: uma visão transformacional da gestão de pessoas. RAE eletrônica, Vol. 5, n. 1, São Paulo, Jan./jun Disponível em: <http://dx.doi.org/ /s > Acesso em: 12 out

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Processos de Recursos Humanos

Processos de Recursos Humanos Gestão Integrada RH Recursos Humanos Unida 2 Rosemeri da Silva Paixão Recursos Humanos 28 Gestão Integrada RH Sumário Introdução... 30 Objetivos... 31 Estrutura da Unida... 31 UNIDADE 2: Recursos Humanos

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS À GESTAO DE PESSOAS Josiane de C. Aparecida Lacerda 1, Renata Valentina Bigolotti 2, Nivaldo Carleto 3 1 Fatec-Taquaritinga. Gestão do Agronegócio. Taquaritinga-SP

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS Lidiane Vieira 1 Nerci Maria Rezende Carvalho 2 Resumo Ao falar-se de Gestão de Pessoas nos deparamos

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS RESUMO Priscila Alves Moreira Robésio Teixeira Gomes Partindo do pressuposto de que o coaching

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

khala@khalanet.com AVS Training tem por objetivo a excelência em processos de treinamento e desenvolvimento corporativos.

khala@khalanet.com AVS Training tem por objetivo a excelência em processos de treinamento e desenvolvimento corporativos. Apresentação AVS Training Telefone: 11 3637 3139 Web site: Emails: http:// avst@khalanet.com khala@khalanet.com CNPJ: 12.808.691/0001-33 AVS Training tem por objetivo a excelência em processos de treinamento

Leia mais

Seminários Públicos Hay Group 2010

Seminários Públicos Hay Group 2010 Seminários Públicos Hay Group 2010 São Paulo, outubro de 2009 É com grande satisfação que estamos lhe apresentando nosso portfólio de seminários abertos Hay Group 2010. Esclarecemos que todos os seminários

Leia mais

M.Sc Angela Abdo Campos Ferreira

M.Sc Angela Abdo Campos Ferreira Nossa Missão Atrair o Talento certo para a Empresa M.Sc Angela Abdo Campos Ferreira GESTÃO DE PESSOAS Gestão Liderança + Administrativo Para se tornar um excelente gestor Para se tornar um excelente gestor

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL Fabiana Custódio e Silva * Murilo Sérgio Vieira Silva **

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

Como atrair e reter talentos

Como atrair e reter talentos Como atrair e reter talentos na Panificação PORQUE A DISCUSSÃO DE TALENTOS É IMPORTANTE PARA ORGANIZAÇÕES COMPETITIVAS? Em toda a história do mundo empresarial, nunca houve tanta preocupação e cuidados

Leia mais

Escola de Engenharia

Escola de Engenharia Unidade Universitária: Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Gestão em Recursos Humanos Professor(es): Roberto Pallesi Carga horária: 4hs/aula por semana Escola de Engenharia DRT: 1140127 Código da

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO

LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO INTRODUÇÃO O setor de RH deve ser extinto. Ram Charan em artigo na Harvard Business Review Você concorda? OBJETIVOS DESTE WORKSHOP

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças

Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças Responsável pela elaboração e realização de projetos em empresas de porte que foram reconhecidos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS 2011 Paola Lucena dos Santos Bolsista de Iniciação Científica, CNPq Acadêmica de Psicologia pela PUC/RS, Brasil Laura Traub Acadêmica de

Leia mais

Ana Cláudia Braga Mendonça

Ana Cláudia Braga Mendonça Plano de Cargos e Salários CSJT OCUPAÇÃO DE FUNÇÃO COMISSIONADA E CARGO EM COMISSÃO I - FUNÇÕES COMISSIONADAS (FC-1 - FC-6) 80% > servidores integrantes das Carreiras do Poder Judiciário da União; (Art.3º)

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Novo Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo e as empresas

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL Antonia Maria Gimenes 1, Renato Nogueira Perez Avila 2 Cleiton Riz Aleixo 3, Jakeline da Silva 4 Thayane C. Anjos Afonso 5 RESUMO Este estudo

Leia mais

A influência das Equipes Auto Gerenciáveis na autonomia e na motivação: um estudo de caso na empresa PepsiCo

A influência das Equipes Auto Gerenciáveis na autonomia e na motivação: um estudo de caso na empresa PepsiCo A influência das Equipes Auto Gerenciáveis na autonomia e na motivação: um estudo de caso na empresa PepsiCo Adilson dos Santos Pereira adilson.pereira01@terra.com.br 1 Alexandre Dutra Pereira alexandre.dutra@pepsico.com

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Recursos Humanos Dentro Da Empresa DeMillus. 1

Recursos Humanos Dentro Da Empresa DeMillus. 1 Recursos Humanos Dentro Da Empresa DeMillus. 1 Carmem Lucia 2 Gabriel Rocha Freitas 3 Janaina Abreu 4 Nara Rúbia 5 Rogério Esteves Simões 6 Viviane Ferreira dos Santos 7 RESUMO A área de Recursos Humanos

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

Mário Ibide STAB Out. 2012

Mário Ibide STAB Out. 2012 pessoas processos resultados Mário Ibide STAB Out. 2012 um consumo de país rico Motivado pelo crescimento da renda, o Brasil irá experimentar uma década de expansão do consumo. Fonte: Revista Exame - Ago.

Leia mais

www.avstraining.com.br

www.avstraining.com.br Apresentação A AVS Training é uma empresa cujo foco é a excelência em treinamentos corporativos. No mercado atual, a grande concorrência, o mercado globalizado e as recentes inovações tecnológicas que

Leia mais

PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING

PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING 8 ENCREPI - PRATICANDO A LIDERANÇA COACHING SARAH MUNHOZ 23/11/09 LIDERANÇA Kotler(1988): processo de movimentar um grupo ou grupos em alguma direção por meios não coercitivos. Robbins (1991): é o processo

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2 A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DO TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2. O presente artigo apresenta os conhecimentos teóricos acerca da importância

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Índice Fora da sombra da área administrativa 3 Como atingir o equilíbrio financeiro 4 O Financeiro encontra várias barreiras até

Leia mais

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Marco Antonio Ornelas Psicólogo com Especialização em Comportamento Organizacional pela Califórnia American University. Formação em Coaching pelo

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis - SEPesq PLANO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO - TALENTOS E LIDERANÇAS EM UMA COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO RURAL Aline Regina Bohn Bacharela em Administração Faculdade Três de Maio SETREM E-mail: aline.bohn@yahoo.com.br

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS O programa irá capacitá-lo a interagir em um contexto empresarial de inúmeras transformações e mudanças, desenvolvendo competências para conhecer,

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO COMPORTAMENTAL

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO COMPORTAMENTAL SOCIEDADE BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO COMPORTAMENTAL Indo além do engajamento Selecionar, desenvolver e reter EMPREENDEDORES CORPORATIVOS é o nosso negócio. EMPREENDEDOR CORPORATIVO Empreender Corporativamente

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas.

Desenvolvimento de pessoas. Desenvolvimento de pessoas. 2.2 FORMULAÇÃO DE UM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Gestão de Pessoas (Antonio Carlos Gil) e Gestão de Pessoas (Idalberto Chiavenato) "Se ensinardes alguma coisa a um

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à gestão, recrutamento e seleção de pessoas, julgue os itens a seguir. 51 A gestão de pessoas recebeu forte influência dos estudos de Hawthrone, especialmente

Leia mais

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação em Gestão de Projetos - Turma 150 Agosto/2015 Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Lucas Rossi Analista de Negócios lucasrossi_@hotmail.com

Leia mais

Palestra do Centro de Estudos Técnicos do Terceiro Setor - CETTESE: A importância da Gestão de Pessoas no Terceiro Setor

Palestra do Centro de Estudos Técnicos do Terceiro Setor - CETTESE: A importância da Gestão de Pessoas no Terceiro Setor Palestra do Centro de Estudos Técnicos do Terceiro Setor - CETTESE: A importância da Gestão de Pessoas no Terceiro Setor Objetivos Organizacionais e Individuais da Pessoas O que é Recursos Humanos? CONCEITOS

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO COMPORTAMENTAL

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO COMPORTAMENTAL SOCIEDADE BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO COMPORTAMENTAL Indo além do engajamento Selecionar, desenvolver e reter EMPREENDEDORES CORPORATIVOS é o nosso negócio. EMPREENDEDOR CORPORATIVO Empreender Corporativamente

Leia mais

Pessoas e negócios em evolução.

Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria desde 2001 Nossos Serviços: Pesquisa de Clima Cargos e Salários Avaliação de Desempenho Recrutamento Especializado Mapeamento

Leia mais

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão Disciplinas Liderança Organizacional O processo de formação e desenvolvimento de líderes. Experiências com aprendizagem ativa focalizando os conceitos e fundamentos da liderança. Liderança compartilhada.

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

A conquista do sucesso depende do bom atendimento!

A conquista do sucesso depende do bom atendimento! Um excelente atendimento faz toda a diferença numa empresa porque é um dos fatores fundamentais para se destacar em qualquer tipo de negocio. Por isto os profissionais de Atendimento e de Vendas precisam

Leia mais

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas 1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso GEPAG UNIFESP abril / 2009 CONTEXTO Características do Trabalho no

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Elton Moraes. O que Clima Organizacional tem a ver com resultados da empresa?

Elton Moraes. O que Clima Organizacional tem a ver com resultados da empresa? Elton Moraes O que Clima Organizacional tem a ver com resultados da empresa? Sobre o Hay Group O Hay Group é uma consultoria mundial em gestão: Trabalhamos com líderes para transformar estratégias em realidade.

Leia mais