DETERMINAÇÃO DO ÍON NITRATO E PH NO TOMATEIRO SOB NÍVEIS DE SALINIDADE DO SOLO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DETERMINAÇÃO DO ÍON NITRATO E PH NO TOMATEIRO SOB NÍVEIS DE SALINIDADE DO SOLO"

Transcrição

1 DETERMINAÇÃO DO ÍON NITRATO E PH NO TOMATEIRO SOB NÍVEIS DE SALINIDADE DO SOLO P. R. F. Medeiros 1 ; E. F. F. Silva 2 ; S. N. Duarte 3 ; A. N. Santos 4 ; R. M. L. Dantas 4 RESUMO: Este trabalho teve como objetivo determinar a concentração do íon Nitrato e o monitoramento do ph da solução do solo, das folhas e frutos da cultura do tomate em ambiente protegido. Os tratamentos foram dois manejo de fertirrigação e seis níveis de salinidade do solo. O experimento foi na área experimental do Departamento de Engenharia de Biossistemas da ESALQ/USP. O delineamento estatístico adotado foi o aleatorizado em blocos completos, com quatro repetições. Como principais conclusões, os níveis de salinidade do solo provocaram uma variação nos valores de Nitrato e ph de ambas as partes das plantas e a partir do manejo de fertirrigação com controle da solução do solo, recomenda-se a manutenção do nível de salinidade 2 ds m -1 em relação a quantificação dos teores para a solução do solo, nas folhas e frutos do tomate. PALAVRAS CHAVES: irrigação localizada, sais fertilizantes, ambiente protegido DETERMINATION OF NITRATE ION AND PH IN THE TOMATO CROP UNDER LEVELS OF SOIL SALINITY ABSTRACT: The aim was to determine the concentration of NO3- and ph of soil solution, of leaf and fruits of tomato crop in protecting environment. The treatments were two types of fertirrigation management and six levels of soil salinity. The experiment was conducted at the Department of Biosystems Engineering at ESALQ/USP, Piracicaba/SP. The statistic design was randomized in blocks, with 4 repetitions. As conclusions, the levels of soil salinity had modified the values of NO3- and ph in the parts of the plants, from of fertirrigation management M2 with the level salinity of 2. ds m -1. KEY WORKS: trickle irrigation, fertilizer salts, protected environment INTRODUÇÃO O conhecimento da composição química da solução do solo pode auxiliar nas estimativas da taxa de ciclagem dos elementos químicos e no fluxo de nutrientes (Miranda et al., 26). 1 Bolsista Pós-Doutorado, Departamento de Tecnologia Rural, UFRPE. Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos - CEP: Recife/PE. Fone: (81) Prof. Adjunto, Depto de Tecnologia Rural, UFRPE, Recife, PE. 3 Prof. Associado, Depto de Engenharia de Biossistemas, ESALQ/USP, Piracicaba, SP. 4 Pós-Graduando, Depto de Tecnologia Rural, UFRPE, Recife, PE.

2 Segundo Lao et al. (24), a solução do solo em casa de vegetação, deve ser controlada pelo monitoramento se aplicadas elevadas quantidades de nitrato, pois este elemento é muito móvel no perfil, sendo observadas variações para este nutriente no tempo e no espaço. A alta mobilidade do nitrato no solo justifica a enorme preocupação ambiental em relação ao manejo dos sais fertilizantes aplicados via fertirrigação. Monitoramentos periódicos da solução do solo devem ser frequentes, principalmente quando se utiliza solos em ambientes livres da lixiviação a partir da precipitação, em locais de elevado uso de sais fertilizantes a partir da fertirrigação com irrigações de baixa intensidade e elevada frequência, em ciclos sucessivos. A composição química da solução de solo varia em função do ph, adição de produtos químicos, das condições de oxi-reduções, do manejo do solo e também do clima (Meurer; Anghinoni, 24). O ph da rizosfera é reduzido pela absorção radicular de NH 4+, e aumenta quando o NO 3- é absorvido pelas plantas (Huber e Thompson, 27). Segundo Malavolta (26), do ponto de vista do aproveitamento dos nutrientes pelas plantas, o ph parece ser a variável com maior influência na disponibilidade de nutrientes. Com isso, este trabalho teve como objetivo determinar a concentração do íon Nitrato e o monitoramento do ph da solução do solo, das folhas e frutos da cultura do tomate em ambiente protegido com solo argiloso, a partir de dois manejos de fertirrigação e seis níveis de salinidade do solo. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido em ambiente protegido na área experimental do Departamento de Engenharia de Biossistemas da ESALQ/USP, com a cultura do tomate, cultivar Débora Plus. A irrigação foi localizada por gotejamento, os emissores com vazão nominal de 4 L h -1. Para auxiliar as irrigações, o método de manejo por tensiometria, as irrigações eram realizadas quando a tensão na cápsula cerâmica atingia 2 kpa e somente durante o tempo necessário para que a umidade do solo retornasse à capacidade de campo (5 kpa). Foi utilizado o material de solo classificado como Nitossolo Vermelho Eutrófico (serie Luiz de Queiroz ) de textura franco-argiloso acondicionado em vasos de 25 L. Os tratamentos foram: dois tipos de manejo de fertirrigação (M1 e M2) interagindo com seis níveis iniciais de salinidade do solo (1,; 2,; 3,; 4,; 5, e 6, ds m -1 ) a partir dos seguintes sais fertilizantes, Nitrato de Cálcio, Nitrato de Potássio, Fosfato Monoamônico, Fosfato Monopotássico, Sulfato de Potássio e Sulfato de Magnésio. Os dois manejos de fertirrigação tiveram os mesmos níveis de salinidade inicial. No manejo M1, que é o manejo tradicional de fertirrigação, obedecendo a marcha de absorção de nutrientes da cultura do tomate sem o controle do nível inicial de salinidade do solo; Já o manejo M2, teve como objetivo principal controlar o nível inicial de salinidade através de medições da condutividade elétrica da solução do solo extraída por extratores de capsula porosa. A condutividade elétrica da solução do solo era corrigida pelo método padrão da pasta saturada, para determinação da salinidade do solo. Os seis níveis de salinidade do solo foram aplicados antes do transplantio independente do manejo de fertirrigação adotado, de forma a simular solos salinos em seis diferentes

3 níveis provocados por excesso de sais fertilizantes em ambiente protegido. A salinização inicial do solo foi por meio da aplicação de solução salina a partir da mistura dos sais fertilizantes e o auxilio da curva artificial de salinização do solo que relaciona concentração dos sais com a condutividade elétrica da solução do solo. As parcelas foram distribuídas (sorteadas) em quatro blocos, sendo cada bloco considerado uma repetição. O delineamento experimental adotado foi o de blocos aleatorizados completos com quatro repetições, ficando os fatores estudados arranjados no esquema fatorial 6 x 2, totalizando 48 unidades experimentais. Os variáveis do solo foram obtidas mediante solução do solo, e nas folhas e frutos mediante maceração. Os dados de Nitrato foram obtidos a partir de um analisador de íon especifico (mg L -1 ) e os dados de ph mediante um potenciômetro digital, ambos ao final do ciclo da cultura. Estatisticamente os dados foram analisados com o auxílio do programa SAS. RESULTADOS E DISCUSSÃO A salinidade do solo teve influência sobre as características ph e NO 3- da solução do solo, da folha e fruto, em nível de 1% de probabilidade, com efeito linear. O tipo de manejo de fertirrigação e a interação entre os fatores salinidade e manejo de fertirrigação também foram significativos em tais características, em nível de 1 e 5% de probabilidade, respectivamente (Tabela 1). A salinidade teve influencia nos valores de Nitrato, porém somente quando o nível de salinidade foi controlado durante todo o ciclo, para o manejo de fertirrigação que obedece somente a marcha de absorção de nutrientes da cultura, tais valores não se diferenciam. Resultado semelhante ocorreu com o ph das folhas e frutos. Tais valores assumem tendência crescente com o aumento da salinidade do solo, resultado este esperado, porém de intensidade bastante distintas; nas folhas estes podem ser quatro vezes maior se comparado com o solo e os frutos. Já para o monitoramento do ph, observa-se tendência decrescente nas folhas e crescente no solo, refletindo assim, a seleção de absorção e/ou desequilíbrio quantitativo de íons pelas plantas devido aos elevados níveis de salinidade do solo. A tendência crescente dos valores de Nitrato também reflete as relações solo/planta, solo/fruto e planta/fruto. Porém a relação Nitrato/pH, esta assume tendências decrescentes para solo/planta e solo/fruto. Essas associações baseiam-se na idéia de que o teor de nitrato (NO 3- ) na seiva da planta depende do teor de nitrato na solução do solo, e o teor de nitrato da solução do solo depende do ph da solução do solo. O teor de nitrato nas plantas depende da disponibilidade de água e de outros nutrientes na planta e, principalmente, da disponibilidade de nitrato na solução do solo (Malavolta, 26). CONCLUSÕES Os níveis de salinidade do solo provocaram uma variação nos valores de Nitrato em um gradiente de 115 a 7115 mg L -1, porém para o ph esta variação foi de apenas 4,1 a 6,9. O manejo de fertirrigação com controle da solução do solo obteve influencia satisfatória na concentração do íon Nitrato, em que recomenda-se a manutenção do nível de salinidade da solução do solo de 2 ds m -1 para o solo, folhas e frutos de tomate.

4 ph ph P. R. F. Medeiros et al. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem ao MCT, ao CNPq, a CAPES/PNPD, a FACEPE, a FAPESP, pelo apoio financeiro a esta pesquisa, por meio do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Engenharia da Irrigação (INCTEI). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS HUBER, D.M.; THOMPSON, L.A. Nitrogen and plant disease. In: DALTNOFF,L.E.; ELMER, W.H.; HUBER, D.M. (Ed). Mineral nutrition and plant disease. Brasilia:Saint Paul; M. N. Tropical Plant Pathology Press, 27. p LAO, M.T.; JIMÉNEZ, S.; EYMAR, E.; FERNÁNDEZ, E.J. Nutrient levels of the solution obtained by means of suction cups in intensive tomato cultivation. Phyton, Buenos Aires, v. 4, n. 7, p , 24. MALAVOLTA, E. Manual de nutrição mineral de plantas. São Paulo: Agronômica Ceres, p. MEURER, E.J.; ANGHINONI, I. A solução do solo. In: MEURER, E. Fundamentos de química do solo. 2. ed. Porto Alegre: Genesis, 24. p MIRANDA, J.; COSTA, L.M.; RUIZ, H.A.; EINLOFT, R. Composição química da solução de solo sob diferentes coberturas vegetais e análise de carbono orgânico solúvel no deflúvio de pequenos cursos de água. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v.3, p , 26. (A) (D) N = 1811,4 CEes - 19 R² =,91 (C) ph = 6,4 -,28 CEes R² =,93 (B) N = 257,1 CEes + 63,33 R² =,88 Figura 1. Diagrama de dispersão e equação de ajuste para os valores do íon Nitrato e ph do solo (A e D), da Folha (C e D) e dos frutos (B) cultura do tomate em função dos níveis de salinidade do solo 5 N = 457 CEes R² =,94 (E) ph =,35 CEes + 4,86 R² =,93

5 Tabela 1. Resumo da análise da variância para as análises de ph e NO3- da solução do solo, folha e fruto submetidas a diferentes níveis de salinidade do solo e tipos de manejo de fertirrigação Estatística F Fontes de Solo Folha Fruto Variação NO 3- ph NO 3- ph NO 3- ph Salinidade,84 ** 17,68 ** 2,89 ** 13,65 **,56 ** 6,8 ns Linear,9 ** 75,96 **,98 ** 6,59 ns 1,23 ** 3,74 ns Quadra,32 ns 6,39 * 1,1 ns 2,36 ns,36 ns 22,35 ** Manejo,5 ns 47,61 **,71 ns 27,94 ns 2,36 ns 3,83 ns (S) x (M) 1,31 ns 6,23 ** 6,37 ns 2,75 **,96 * 3,78 ** CV (%) 32,96 5,42 22,69 8,98 17,56 3,12 Médias M1 628,63a 5,11b 56289,1a 4,79a 693,3a 4,26a M2 6753,44a 5,69a 59677,5a 4,69a 783,3a 4,34a * e ** significativo a 5% e a 1% de probabilidade, respectivamente. ns - não significativo; médias seguidas da mesma letra não diferem entre si pelo teste de Tukey ao nível de,5 de probabilidade

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM*

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* SILVEIRA, A.L. 1 ; SANTANA, M.J. ; BARRETO, A.C. ; VIEIRA, T.A. 3 * Projeto com apoio da FAPEMIG. 1 Estudante Agronomia

Leia mais

Tolerância da cultura do tomate à salinidade do solo em ambiente protegido

Tolerância da cultura do tomate à salinidade do solo em ambiente protegido 51 Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.16, n.1, p.51 55, 2012 Campina Grande, PB, UAEA/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 194.10 29/10/2010 Aprovado em 20/11/2011 Tolerância

Leia mais

FLÁVIO FAVARO BLANCO Engenheiro Agrônomo. Orientador: Prof. Dr. MARCOS VINÍCIUS FOLEGATTI

FLÁVIO FAVARO BLANCO Engenheiro Agrônomo. Orientador: Prof. Dr. MARCOS VINÍCIUS FOLEGATTI TOLERÂNCIA DO TOMATEIRO À SALINIDADE SOB FERTIRRIGAÇÃO E CALIBRAÇÃO DE MEDIDORES DE ÍONS ESPECÍFICOS PARA DETERMINAÇÃO DE NUTRIENTES NA SOLUÇÃO DO SOLO E NA PLANTA FLÁVIO FAVARO BLANCO Tese apresentada

Leia mais

CRESCIMENTO VEGETATIVO DE PLANTAS JOVENS DE LARANJA VALÊNCIA SUBMETIDAS A ESTRESSE CONTÍNUO E INTERMITENTE 1

CRESCIMENTO VEGETATIVO DE PLANTAS JOVENS DE LARANJA VALÊNCIA SUBMETIDAS A ESTRESSE CONTÍNUO E INTERMITENTE 1 CRESCIMENTO VEGETATIVO DE PLANTAS JOVENS DE LARANJA VALÊNCIA SUBMETIDAS A ESTRESSE CONTÍNUO E INTERMITENTE 1 E. F. Fraga Júnior 2, R. Mauri 2 ; D. P. V. Leal 3 ; F. S. Barbosa 2 ; L. M. Vellame 3 ; R.

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO *

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BARRETO, A.C. 2 * Projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG).

Leia mais

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO GERÊNCIA DE PÓSGRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO

Leia mais

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Water management in organic cultivation of banana nanica PINTO, José Maria. Embrapa Semiárido, Petrolina, PE, jmpinto@cpatsa.embrapa.br; GALGARO, Marcelo.

Leia mais

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE INTRODUÇÃO

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE INTRODUÇÃO Acúmulo de biomassa em planta de gergelim irrigada com águas salinas em solo com biofertilizante bovino G. G. de Sousa 1 ; P. G. R. de Sousa 2 ; J. B. de O. Silva 5 ; G. L. da Silva 3 ; V. dos S. Rodrigues

Leia mais

TÍTULO: EFEITO DO ESTERCO DE GALINHA APLICADO EM COBERTURA NO SOLO CULTIVADO COM ABACAXI.

TÍTULO: EFEITO DO ESTERCO DE GALINHA APLICADO EM COBERTURA NO SOLO CULTIVADO COM ABACAXI. TÍTULO: EFEITO DO ESTERCO DE GALINHA APLICADO EM COBERTURA NO SOLO CULTIVADO COM ABACAXI. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ESTIMATIVA DE POTASSIO NA SOLUÇÃO DO SOLO EM LISIMETRO DE DRENAGEM COM USO DA TDR

ESTIMATIVA DE POTASSIO NA SOLUÇÃO DO SOLO EM LISIMETRO DE DRENAGEM COM USO DA TDR ESTIMATIVA DE POTASSIO NA SOLUÇÃO DO SOLO EM LISIMETRO DE DRENAGEM COM USO DA TDR Modalidade: ( ) Ensino ( x ) Pesquisa ( ) Extensão Nível: ( ) Médio ( ) Superior ( x ) Pós-graduação Área: ( ) Química

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

EFEITO DA SALINIDADE NO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL EM DOIS TIPOS DE SOLOS DIFERENTES

EFEITO DA SALINIDADE NO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL EM DOIS TIPOS DE SOLOS DIFERENTES EFEITO DA SALINIDADE NO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL EM DOIS TIPOS DE SOLOS DIFERENTES A. M. A. Medeiros ; J. L. A. Silva ; F. A. Oliveira 2 ; S. S. V. Alves 3 ; I. B. Nascimento 4 ; N. O. Miranda 2

Leia mais

ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS CORRIGIDOS COM GESSO

ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS CORRIGIDOS COM GESSO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO DISCIPLINA: SEMINÁRIO II PROFº: MARIO DE ANDRADE LIRA JR. Ciência do Solo ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS

Leia mais

TEORES DE NITROGÊNIO NAS FOLHAS DE CANA-DE- - AÇÚCAR (SACCHARUM OFFICINARUM L.), CULTIVAR CB

TEORES DE NITROGÊNIO NAS FOLHAS DE CANA-DE- - AÇÚCAR (SACCHARUM OFFICINARUM L.), CULTIVAR CB TEORES DE NITROGÊNIO NAS FOLHAS DE CANA-DE- - AÇÚCAR (SACCHARUM OFFICINARUM L.), CULTIVAR CB 41/76 ( 1 ). JOSÉ ROMANO GALLO ( 2 ), RÚTER HIROCE ( 2 ) e RAPHAEL ALVAREZ. Numa revisão da literatura feita

Leia mais

IRRIGAÇÃO POR GOTEJO EM MORANGO*

IRRIGAÇÃO POR GOTEJO EM MORANGO* IRRIGAÇÃO POR GOTEJO EM MORANGO* ANTONIO FERNANDO OLITTA** KEIGO M I N A M I * * * INTRODUÇÃO O método de irrigação por gotejo foi desenvolvido em termos de uma agricultura intensiva e altamente produtiva,

Leia mais

Tolerância da cultura do pepino à salinidade em ambiente protegido 1. Tolerance of cucumber crop to salinity in greenhouse

Tolerância da cultura do pepino à salinidade em ambiente protegido 1. Tolerance of cucumber crop to salinity in greenhouse Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.13, n.4, p.46 41, 29 Campina Grande, PB, UAEA/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 179.7 22/11/27 Aprovado em 5/1/28 Tolerância da cultura do

Leia mais

AVALIAÇÃO DE LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO

AVALIAÇÃO DE LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO AVALIAÇÃO DE LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO M. B. BRAGA 1 ; W.A. MAROUELLI 1 ; I. M. R. GUEDES 1 ; M. CALGARO RESUMO: Este trabalho teve como objetivo determinar

Leia mais

VII Semana de Ciência Tecnologia IFMG campus

VII Semana de Ciência Tecnologia IFMG campus Avaliação do efeito do corretivo líquido sobre o ph, Ca 2+, Mg 2+, porcentagem de saturação por bases (V) e alumínio (m) em um Latossolo Vermelho distroférrico André Luís Xavier Souza 1 ; Fernando Carvalho

Leia mais

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 Taise Pacheco Paganini 2 ; Janaina Emerim de Souza 3 ; Naracelis Poletto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ARMAZENAMENTO DE UMA SOLUÇÃO DE NITRATO DE POTÁSSIO APLICADO VIA IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO NA CULTURA DO PIMENTÃO 1

CARACTERIZAÇÃO DO ARMAZENAMENTO DE UMA SOLUÇÃO DE NITRATO DE POTÁSSIO APLICADO VIA IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO NA CULTURA DO PIMENTÃO 1 CARACTERIZAÇÃO DO ARMAZENAMENTO DE UMA SOLUÇÃO DE NITRATO DE POTÁSSIO APLICADO VIA IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO NA CULTURA DO PIMENTÃO 1 B. L. Santoro 2 ; C. F. Souza 3 ; L. M. Sato 2 ; R. C. M. Pires 4 RESUMO:

Leia mais

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Thiago Henrique Carvalho de Souza

Leia mais

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BIULCHI, P.A. 2 ; VASCONCELOS, R.F. 3 1 Estudante de Agronomia do CEFET Uberaba MG, bolsista FAPEMIG, e-mail:

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE EXTRATORES PROVIDOS DE CÁPSULA POROSA PARA MONITORAMENTO DA SALINIDADE E DA CONCENTRAÇÃO DE ÍONS

CALIBRAÇÃO DE EXTRATORES PROVIDOS DE CÁPSULA POROSA PARA MONITORAMENTO DA SALINIDADE E DA CONCENTRAÇÃO DE ÍONS CALIBRAÇÃO DE EXTRATORES PROVIDOS DE CÁPSULA POROSA PARA MONITORAMENTO DA SALINIDADE E DA CONCENTRAÇÃO DE ÍONS FRANCISCO DE A. DE OLIVEIRA 1, JOSÉ F. DE MEDEIROS 2, SERGIO N. DUARTE 3, MANOEL J. DA SILVA

Leia mais

Avaliação dos parâmetros dos colmos da cana-de-açúcar, segunda folha, submetida a níveis de irrigação e adubação

Avaliação dos parâmetros dos colmos da cana-de-açúcar, segunda folha, submetida a níveis de irrigação e adubação REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 5- Número 1-1º Semestre 2005 Avaliação dos parâmetros dos colmos da cana-de-açúcar, segunda folha, submetida a níveis de irrigação e adubação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata).

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). Rezanio Martins Carvalho (bolsista do PIBIC/CNPq), Fabiano André Petter

Leia mais

Efeito do uso de MAP revestido com polímeros de liberação gradual em teores de nitrogênio e fósforo foliares na cultura do milho.

Efeito do uso de MAP revestido com polímeros de liberação gradual em teores de nitrogênio e fósforo foliares na cultura do milho. Efeito do uso de MAP revestido com polímeros de liberação gradual em teores de nitrogênio e fósforo foliares na cultura do milho. É. A. S 1. Borges, F. B. Agostinho 1, W. S. Rezende 1, 2 F. E. Santos,

Leia mais

RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO

RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO Leonardo Campos Faria (1), Paulo César de Lima (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Waldênia de Melo Moura (2), Edimaldo Garcia Júnior

Leia mais

5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS

5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS 5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS Victor Hugo Alvarez V. 1 Roberto Ferreira de Novais 2 Nairam Félix de Barros 3 Reinaldo Bertola Cantarutti 4 Alfredo Scheid Lopes 5 Os critérios a

Leia mais

Fertirrigação em hortaliças Eng. Agr. Carine Cocco Acad.: Djeimi Janisch

Fertirrigação em hortaliças Eng. Agr. Carine Cocco Acad.: Djeimi Janisch UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DEPARTAMENTO D FITOTECNIA CAPACITAÇÃO EM FERTIRRIGAÇÃO Fertirrigação em hortaliças Eng. Agr. Carine Cocco Acad.: Djeimi Janisch Fertirrigação

Leia mais

Efeito da aplicação de soro de leite sobre a condutividade hidráulica de solo não saturado

Efeito da aplicação de soro de leite sobre a condutividade hidráulica de solo não saturado Efeito da aplicação de soro de leite sobre a condutividade hidráulica de solo não saturado Autores: Karin da Costa Ribeiro Raphael B. A. Fernandes Igor Rodrigues de Assis Augusto C. Marques de Almeida

Leia mais

Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico

Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico Bruna de Souza SILVEIRA 1 ; André Luís XAVIER 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO 2 ; Fernando

Leia mais

Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo

Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo Iara Cristina Santos Curvelo (1), Elka Fabiana Aparecida Almeida

Leia mais

EFEITOS DA OMISSÃO DE NUTRIENTES NOS COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO ARROZ EM LATOSSOLOS DO NORDESTE PARAENSE

EFEITOS DA OMISSÃO DE NUTRIENTES NOS COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO ARROZ EM LATOSSOLOS DO NORDESTE PARAENSE 64 EFEITOS DA OMISSÃO DE NUTRIENTES NOS COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO ARROZ EM LATOSSOLOS DO NORDESTE PARAENSE Danielly Cristina da Silva Marques 1 ; Juliana Souza da Silva 2 ; José Darlon Nascimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA DRENAGEM AGRÍCOLA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA DRENAGEM AGRÍCOLA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA DRENAGEM AGRÍCOLA Diagnóstico de drenagem Antenor de Oliveira de Aguiar Netto SÃO CRISTÓVÃO NOVEMBRO 2011 ESQUEMA DE APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais.

Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais. Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais. RESUMO O trabalho foi conduzido na Área de Pesquisa

Leia mais

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades.

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades. Informação sobre interpretação de Análise de Solo, segundo o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais, Instituto Agronômico de Campinas. Quadro 1 - Fatores para conversão de

Leia mais

EXTRATORES DE CÁPSULAS POROSAS PARA O MONITORAMENTO DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA E DO TEOR DE POTÁSSIO NA SOLUÇÃO DE UM SOLO

EXTRATORES DE CÁPSULAS POROSAS PARA O MONITORAMENTO DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA E DO TEOR DE POTÁSSIO NA SOLUÇÃO DE UM SOLO 785 Nota EXTRATORES DE CÁPSULAS POROSAS PARA O MONITORAMENTO DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA E DO TEOR DE POTÁSSIO NA SOLUÇÃO DE UM SOLO Ênio Farias de França e Silva,5 *; Gláucia Regina Anti 2,6 ; Quirino Augusto

Leia mais

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO E. D. ARAÚJO 1 ; A. M. A. AVILEZ 1 ; J. M. SANTOS 1 ; E. C. MANTOVANI 2 1 Estudante de Mestrado, Universidade Federal

Leia mais

PRODUCTION OF BANANA CV GRAND NAINE UNDER FERTIRRIGATION IN THE NORTH OF MINAS GERAIS STATE CONDITIONS

PRODUCTION OF BANANA CV GRAND NAINE UNDER FERTIRRIGATION IN THE NORTH OF MINAS GERAIS STATE CONDITIONS PRODUÇÃO DE BANANEIRA GRAND NAINE SOB FERTIRRIGAÇÃO NAS CONDIÇÕES DO NORTE DE MINAS F. D. ARAÚJO 1, J. T. A. SOUZA 1, E. F.COELHO 2, P. M. DE OLIVEIRA 3, W. L. SIMÕES 4, E. B. DO N. FILHO 1 RESUMO: O objetivo

Leia mais

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Atualmente, pode-se dizer que um dos aspectos mais importantes no manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho refere-se à época de aplicação e

Leia mais

FONTES DE ADUBOS FOSFATADOS EM ARROZ DE TERRAS ALTAS.

FONTES DE ADUBOS FOSFATADOS EM ARROZ DE TERRAS ALTAS. FONTES DE ADUBOS FOSFATADOS EM ARROZ DE TERRAS ALTAS. Carvalho, F. F. (1) ; Lange, A. (2) (1) Acadêmico do curso de Bacharelado em Agronomia, UNEMAT, Campus Universitário de Alta Floresta e-mail: fernandofcarvalho@unemat.br.

Leia mais

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO 11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO ESTÁDIO R3 DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de diferentes fontes de potássio aplicados no estádio

Leia mais

INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE CULTIVO SOBRE A PRODUÇÃO DE ALFACE

INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE CULTIVO SOBRE A PRODUÇÃO DE ALFACE INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE CULTIVO SOBRE A PRODUÇÃO DE ALFACE Matheus D. LAIRA 1 ; Marcos C. RIBEIRO 2 ; Sindynara FERREIRA 3 ; RESUMO A Hidroponia é uma técnica agrícola onde cultiva-se plantas sem a necessidade

Leia mais

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS Carlos Hissao Kurihara (1), Bruno Patrício Tsujigushi (2) Introdução A adubação da cultura do milho safrinha

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

Sais fertilizantes e manejo da fertirrigação na produção de tomateiro cultivado em ambiente protegido

Sais fertilizantes e manejo da fertirrigação na produção de tomateiro cultivado em ambiente protegido Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.17, n.11, p.1173 1180 2013 Campina Grande, PB, UAEA/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 256.12 31/10/2012 Aprovado em 09/08/2013 Sais fertilizantes

Leia mais

EMISSÃO E ABORTAMENTO DE FLORES EM Lycopersicon pimpinellifolium SOB ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL IRRIGADO COM DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA

EMISSÃO E ABORTAMENTO DE FLORES EM Lycopersicon pimpinellifolium SOB ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL IRRIGADO COM DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA EMISSÃO E ABORTAMENTO DE FLORES EM Lycopersicon pimpinellifolium SOB ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL IRRIGADO COM DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA Antônio Suassuna de Lima 1, Rennan Fernandes Pereira 2, Salatiel

Leia mais

FONTES ORGÂNICAS DE NUTRIENTES E SEUS EFEITOS NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA*

FONTES ORGÂNICAS DE NUTRIENTES E SEUS EFEITOS NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA* FONTES ORGÂNICAS DE NUTRIENTES E SEUS EFEITOS NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA* Márcia Maria Bezerra Guimarães 1 ; Robson César Albuquerque 1 ; Amanda Micheline Amador de Lucena 1 ; Fabiana

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 593

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 593 Página 593 ANÁLISE QUÍMICA DO SOLO E PRODUTIVIDADE DO ALGODOEIRO EM RESPOSTA A DOSES DE NITROGÊNIO E PLANTAS DE COBERTURA NO PERÍODO DE INVERNO * Samuel Ferrari 1 ; Enes Furlani Júnior 2 ; João Vitor Ferrari

Leia mais

ABSORÇÃO DE NUTRIENTES PELA CULTURA DO FEIJOEIRO ( 1 )

ABSORÇÃO DE NUTRIENTES PELA CULTURA DO FEIJOEIRO ( 1 ) ABSORÇÃO DE NUTRIENTES PELA CULTURA DO FEIJOEIRO ( 1 ) DR. H. P. HAAG, químico-biológico, e DR. E. MALAVOLTA, engenheiro- -agrônomo, Departamento de Química, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz",

Leia mais

ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA 1

ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA 1 ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA 1 Andrei de Souza da Silva 2 ; José Ricken Neto 3 ; Vanderson Mondolon Duart 4 ; Fernando José

Leia mais

AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1

AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1 AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1 FRAGA JUNIOR, E. F. 2 ; VALLE JUNIOR, R.F. 3 ; FERREIRA JUNIOR, J. A. 4 ; CASSIA, M. T. 4 ; BONTEMPO, A.R. 4 ; FERREIRA,

Leia mais

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO José C. Cruz 1 ; Israel A. Pereira Filho 1 ;

Leia mais

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo EDUCAR para PRESERVAR el suelo y conservar la vida en La Tierra Cusco Perú, del 9 al 15 de Noviembre del 2014 Centro de Convenciones

Leia mais

FLUXO DE SEIVA DE PIMENTA TABASCO SUBMETIDA A DÉFICIT HÍDRICO NO CICLO DE PRODUÇÃO E APÓS PERÍODO SEM RESTRIÇÃO HÍDRICA *

FLUXO DE SEIVA DE PIMENTA TABASCO SUBMETIDA A DÉFICIT HÍDRICO NO CICLO DE PRODUÇÃO E APÓS PERÍODO SEM RESTRIÇÃO HÍDRICA * FLUXO DE SEIVA DE PIMENTA TABASCO SUBMETIDA A DÉFICIT HÍDRICO NO CICLO DE PRODUÇÃO E APÓS PERÍODO SEM RESTRIÇÃO HÍDRICA * L. B. Marinho 1 ; L. M. Vellame 2 ; J. B. Tolentino Júnior 3 ; E. F. Fraga Júnior

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS Resumo Danilo Franco 1 Minoru Yasuda 2 Rafael Curimbaba Ferreira 3 Leandro Aparecido Fukuda 4 Rafael Trombin Ferracini 5 O presente

Leia mais

ANÁLISE DO TECIDO VEGETAL DO PINHÃO MANSO, SUBMETIDOS A FONTES E DOSES DE FERTILIZANTES

ANÁLISE DO TECIDO VEGETAL DO PINHÃO MANSO, SUBMETIDOS A FONTES E DOSES DE FERTILIZANTES ANÁLISE DO TECIDO VEGETAL DO PINHÃO MANSO, SUBMETIDOS A FONTES E DOSES DE FERTILIZANTES Andréia de Sousa Guimarães 1, Napoleão Esberard de Macedo Beltrão 2 1 UFPB, asgbio@yahoo.com.br, 2 Embrapa Algodão,

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO: ESTADO ATUAL E PERSPECTIVAS FUTURAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO: ESTADO ATUAL E PERSPECTIVAS FUTURAS Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP AGRICULTURA DE PRECISÃO: ESTADO ATUAL E PERSPECTIVAS FUTURAS FERTBIO 2016 RUMO AOS NOVOS DESAFIOS Centro de Convenções de Goiânia 18 de outubro de 2016

Leia mais

Comunicado Técnico 43

Comunicado Técnico 43 Comunicado Técnico 43 ISSN 1679-0162 Dezembro, 2002 Sete Lagoas, MG CULTIVO DO MILHO Interpretação de resultados de análise de solo Francisco Morel Freire 1 Gilson Villaça Exel Pitta 2 Vera Maria Carvalho

Leia mais

Desempenho de Cultivares de Alface Americana Para Mesorregião da Mata do Estado de Pernambuco.

Desempenho de Cultivares de Alface Americana Para Mesorregião da Mata do Estado de Pernambuco. Desempenho de Cultivares de Alface Americana Para Mesorregião da Mata do Estado de Pernambuco. Humberto P. Lyra Filho 1 ; Maria Cristina L. da Silva 2 ; Elizabeth A. de A. Maranhão 1 ; Silvio Luiz Tavares

Leia mais

EFEITO DA FREQÜÊNCIA DE FERTIRRIGAÇÃO NITROGENADA NA CULTURA DA MELANCIA

EFEITO DA FREQÜÊNCIA DE FERTIRRIGAÇÃO NITROGENADA NA CULTURA DA MELANCIA EFEITO DA FREQÜÊNCIA DE FERTIRRIGAÇÃO NITROGENADA NA CULTURA DA MELANCIA C. N. V. Fernandes 1 ; J. R. DO Nascimento Neto 2 ; A. R. Campêlo 1 ; R. H. Lima 3 ; J. B. R. de Mesquita 4 ; B. M. de Azevedo 5

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES LÂMINAS E ÉPOCA DE SUSPENSÃO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DO ALHO (Allium sativum L.)

EFEITO DE DIFERENTES LÂMINAS E ÉPOCA DE SUSPENSÃO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DO ALHO (Allium sativum L.) EFEITO DE DIFERENTES LÂMINAS E ÉPOCA DE SUSPENSÃO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DO ALHO (Allium sativum L.) TAVARES, W.A.C. 1 ; SILVEIRA, A.L. da 2 ; CRUZ, O.C. 3 ; BARRETO, A.C. 3 ; SANTANA, M.J. de 3 ; RESENDE,

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE FRUTOS DE MELANCIA FERTIRRIGADA SOB DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO EM TERESINA, PI

PRODUTIVIDADE DE FRUTOS DE MELANCIA FERTIRRIGADA SOB DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO EM TERESINA, PI 1 PRODUTIVIDADE DE FRUTOS DE MELANCIA FERTIRRIGADA SOB DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO EM TERESINA, PI N. S. DIAS 1 ; A. S. ANDRADE JUNIOR 2 ; L. G.M. FIGUEREDO JÚNIOR 3 & A.B., SOUSA 4. Resumo: Com este

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais

CEPEC/Fertilizantes Heringer S/A - Martins Soares - MG

CEPEC/Fertilizantes Heringer S/A - Martins Soares - MG EFEITO DE DIFERENTES FONTES DE FÓSFORO E DE ÉPOCAS DE APLICAÇÃO, NA COVA DE PLANTIO, SOBRE A PRODUTIVIDADE INICIAL DO CAFEEIRO CEPEC/Fertilizantes Heringer S/A - Martins Soares - MG Rosa, G. N. G. P.;

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA UMIDADE CRÍTICA PARA COMPACTAÇÃO E DENSIDADE MÁXIMA A PARTIR DO CARBONO ORGÂNICO E DA TEXTURA EM UM LATOSSOLO VERMELHO DISTRÓFICO

DETERMINAÇÃO DA UMIDADE CRÍTICA PARA COMPACTAÇÃO E DENSIDADE MÁXIMA A PARTIR DO CARBONO ORGÂNICO E DA TEXTURA EM UM LATOSSOLO VERMELHO DISTRÓFICO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DETERMINAÇÃO DA UMIDADE CRÍTICA PARA COMPACTAÇÃO E DENSIDADE MÁXIMA A PARTIR DO CARBONO ORGÂNICO E DA TEXTURA EM UM LATOSSOLO VERMELHO DISTRÓFICO Wagner

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MODELO NÃO LINEAR NA ESTIMAÇÃO DE NITRATO NA SOLUÇÃO DO SOLO

AVALIAÇÃO DE MODELO NÃO LINEAR NA ESTIMAÇÃO DE NITRATO NA SOLUÇÃO DO SOLO AVALIAÇÃO DE MODELO NÃO LINEAR NA ESTIMAÇÃO DE NITRATO NA SOLUÇÃO DO SOLO Torquato Martins de Andrade Neto 1 ; Eugênio Ferreira Coelho 2 ; Laina de Andrade Queiróz 3. RESUMO: O objetivo desse estudo foi

Leia mais

37º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISAS CAFEEIRAS

37º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISAS CAFEEIRAS 37º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISAS CAFEEIRAS Fertilizante de liberação lenta e controlada (Polyblen ) em cafeeiros Coffea arabica em produção. Duas safras (2011/2012 e 2012/2013) no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR: ANÁLISE BIOMÉTRICA DE CULTIVARES, ANO AGRÍCOLA 2012/2013. SUGARCANE: CULTIVARS BIOMETRIC ANALYSIS, CROP SEASON 2012/2013.

CANA-DE-AÇÚCAR: ANÁLISE BIOMÉTRICA DE CULTIVARES, ANO AGRÍCOLA 2012/2013. SUGARCANE: CULTIVARS BIOMETRIC ANALYSIS, CROP SEASON 2012/2013. CANA-DE-AÇÚCAR: ANÁLISE BIOMÉTRICA DE CULTIVARES, ANO AGRÍCOLA 202/203. SUGARCANE: CULTIVARS BIOMETRIC ANALYSIS, CROP SEASON 202/203. Maiara Paula de Oliveira () Kaio César Ragghianti (2) Bruno Fernandes

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE CAPSACININA E DIHIDROCAPSAICINA EM PLANTAS DE PIMENTA TABASCO EM FUNÇÃO DE DOSES DE CO 2, APLICADAS VIA IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO.

CONCENTRAÇÃO DE CAPSACININA E DIHIDROCAPSAICINA EM PLANTAS DE PIMENTA TABASCO EM FUNÇÃO DE DOSES DE CO 2, APLICADAS VIA IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO. CONCENTRAÇÃO DE CAPSACININA E DIHIDROCAPSAICINA EM PLANTAS DE PIMENTA TABASCO EM FUNÇÃO DE DOSES DE CO 2, APLICADAS VIA IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO. Fabiana Luiza Matielo de Paula², Adalberto Luiz de Paula³[orientador]*,

Leia mais

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: Universidade Estadual da Paraíba Brasil

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: Universidade Estadual da Paraíba Brasil Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil Pedrosa, R. M. B.; Santos, J. S.; Albuqueruqe, W. G.; Farias, C. H. A.; Azevedo,

Leia mais

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Alexandre de Vicente Ferraz Fábio Poggiani Programa de Pós-Graduação em Recursos Florestais

Leia mais

Doses e épocas de aplicação do nitrogênio no milho safrinha.

Doses e épocas de aplicação do nitrogênio no milho safrinha. Doses e épocas de aplicação do nitrogênio no milho safrinha. Douglas de Castilho Gitti (1) ; Andre Faleiros Lourenção (2) ; José Fernando Jurca Grigolli (3) ; Alex Marcel Melotto (4) ; Renato Roscoe (5).

Leia mais

EFEITO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA EM UM SOLO CULTIVADO COM O FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.)

EFEITO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA EM UM SOLO CULTIVADO COM O FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) EFEITO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA EM UM SOLO CULTIVADO COM O FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) MÁRCIO JOSÉ DE SANTANA 1 JACINTO DE ASSUNÇÃO CARVALHO 2 ÉLIO LEMOS DA SILVA 3 DOUGLAS DA SILVA MIGUEL 4

Leia mais

ANALYSIS OF PRODUCTIVE PARAMETERS IN BANANA "PRATA CATARINA" ON THE CONDITIONS OF EDAPHOCLIMATIC THE CHAPADA DO APODI -CE

ANALYSIS OF PRODUCTIVE PARAMETERS IN BANANA PRATA CATARINA ON THE CONDITIONS OF EDAPHOCLIMATIC THE CHAPADA DO APODI -CE ANÁLISE DE PARAMETROS PRODUTIVOS NA BANANEIRA PRATA CATARINA SOBRE AS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA CHAPADA DO APODÍ -CE F. K. K. Silva (IC)¹;L. F. Sousa (IC)² ; V. A. S. Lino (IC) 3 ; S. C. Costa (PQ)

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO. Título do Trabalho: Doses de adubos para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO. Título do Trabalho: Doses de adubos para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO Título do Trabalho: Doses de adubos para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Autor (es): Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira, Laurenia Oliveria Pessoni,

Leia mais

RELAÇÃO K/CA NA SOLUÇÃO NUTRITIVA PARA O CULTIVO HIDROPÔNICO DE SALSA

RELAÇÃO K/CA NA SOLUÇÃO NUTRITIVA PARA O CULTIVO HIDROPÔNICO DE SALSA DONEGA MA; KASSOMA JN; NAKATA Relação BA; K/Ca OLIVEIRA na solução NZ; nutritiva CAMPAGNOL para o R; cultivo MELLO hidropônico SC. 2009. de Relação salsa K:Ca na solução nutritiva para o cultivo hidropônico

Leia mais

Relações lineares entre caracteres de tremoço branco

Relações lineares entre caracteres de tremoço branco Relações lineares entre caracteres de tremoço branco Alberto Cargnelutti Filho 1 Marcos Toebe 2 Cláudia Burin 2 Bruna Mendonça Alves 2 Giovani Facco 2 Gabriele Casarotto 3 1 - Introdução Por apresentar

Leia mais

EFEITO DO TRÁFEGO DE MÁQUINAS SOBRE ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO E DESENVOLVIMENTO DA AVEIA PRETA. Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul/SC

EFEITO DO TRÁFEGO DE MÁQUINAS SOBRE ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO E DESENVOLVIMENTO DA AVEIA PRETA. Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul/SC EFEITO DO TRÁFEGO DE MÁQUINAS SOBRE ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO E DESENVOLVIMENTO DA AVEIA PRETA Vitória, Guilherme 1 ; Weber, Francieli S. 1 ; Lopes, Herberto 1 ; Salvador, Rodrigo 1 ; Alves, Tainah Triani

Leia mais

VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS

VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS Geraldo Magela da Silva (1), Geraldo Antônio Resende Macêdo (2), Édio Luiz da Costa (3), Heloísa Mattana Saturnino (3), Fúlvio Rodriguez

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO Patrícia da Silva Simão 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 ; André Luiz Ribas de Oliveira

Leia mais

FITOMASSA SECA E DIÂMETRO DO CAPÍTULO DO GIRASSOL SOB NÍVEIS DE SALINIDADE E ADUABAÇÃO NITROGENADA

FITOMASSA SECA E DIÂMETRO DO CAPÍTULO DO GIRASSOL SOB NÍVEIS DE SALINIDADE E ADUABAÇÃO NITROGENADA FITOMASSA SECA E DIÂMETRO DO CAPÍTULO DO GIRASSOL SOB NÍVEIS DE SALINIDADE E ADUABAÇÃO NITROGENADA D. H. Guedes Filho 1 ; J. B. Santos 2 ; K. D. Travassos 1 ; H. L. de Farias 3 ; P. P. H. Ribeiro 4 ; H.

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

A FERTIRRIGAÇÃO E O PROCESSO DE SALINIZAÇÃO DE SOLOS EM AMBIENTE PROTEGIDO

A FERTIRRIGAÇÃO E O PROCESSO DE SALINIZAÇÃO DE SOLOS EM AMBIENTE PROTEGIDO Pesquisas Agrárias e Ambientais doi: 10.14583/2318-7670.v02n03a10 http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/nativa ISSN: 2318-7670 A FERTIRRIGAÇÃO E O PROCESSO DE SALINIZAÇÃO DE SOLOS EM AMBIENTE

Leia mais

EFEITOS DO REUSO DE ÁGUA RESIDUÁRIA NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO

EFEITOS DO REUSO DE ÁGUA RESIDUÁRIA NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO EFEITOS DO REUSO DE ÁGUA RESIDUÁRIA NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO DA Moreira 1, JAR Souza 2, WB Carvalho 3 e CVM e Carvalho 4 RESUMO: Neste trabalho objetivou-se analisar os efeitos do reuso de água

Leia mais

1. Nitrato de potássio para uma nutrição vegetal eficiente

1. Nitrato de potássio para uma nutrição vegetal eficiente Nitrato de potássio é uma fonte única de potássio devido ao seu valor nutricional e a sua contribuição para a sanidade e a produtividade das plantas. O nitrato de potássio possui desejáveis características

Leia mais

Precisão experimental, na avaliação da produtividade de colmos, em ensaios de genótipos de cana-de-açúcar com colheita manual

Precisão experimental, na avaliação da produtividade de colmos, em ensaios de genótipos de cana-de-açúcar com colheita manual Precisão experimental, na avaliação da produtividade de colmos, em ensaios de genótipos de cana-de-açúcar com colheita manual Letícia Barão Medeiros 1 Alberto Cargnelutti Filho 2 Fernanda Martins Simões

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE SALINIDADE EM DOIS SOLOS SUBMETIDOS A LÂMINAS CRESCENTES DE IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE SALINIDADE EM DOIS SOLOS SUBMETIDOS A LÂMINAS CRESCENTES DE IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE SALINIDADE EM DOIS SOLOS SUBMETIDOS A LÂMINAS CRESCENTES DE IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA André Souza Lima Eng. Agr. Mestre em Irrigação e Drenagem. UFERSA Universidade Federal Rural

Leia mais

USO DE FONTES MINERAIS NITROGENADAS PARA O CULTIVO DO MILHO

USO DE FONTES MINERAIS NITROGENADAS PARA O CULTIVO DO MILHO USO DE FONTES MINERAIS NITROGENADAS PARA O CULTIVO DO MILHO Ludymilla Mayelle Pereira Gomes 1, Samuel de Deus da Silva 2 1 Graduanda em Licenciatura em Ciências Biológicas IFTO e-mail: ludymilla.g@outlook.com

Leia mais

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER Efeito Alelopático do Óleo Essencial de Citronela (Cymbopogon winterianus) Sobre a Germinação de Sementes de Picão-Preto e de Milho em Diferentes Épocas de Aplicação. MARIA LITA PADINHA CORREA 1, ANA PAULA

Leia mais

Características biométricas de cafeeiro intercalado com diferentes sistemas de produção de abacaxizeiro para agricultura familiar do Projeto Jaíba

Características biométricas de cafeeiro intercalado com diferentes sistemas de produção de abacaxizeiro para agricultura familiar do Projeto Jaíba Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Características biométricas de cafeeiro intercalado com diferentes sistemas de produção de abacaxizeiro para agricultura familiar

Leia mais

Efeito do método de irrigação localizada na cultura do morangueiro, submetida às diferentes frequências de irrigação e forma de fertilização

Efeito do método de irrigação localizada na cultura do morangueiro, submetida às diferentes frequências de irrigação e forma de fertilização Efeito do método de irrigação localizada na cultura do morangueiro, submetida às diferentes frequências de irrigação e forma de fertilização Polliana Basília Santana (1), Édio Luiz da Costa (2), Polyanna

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ José Salvador Simoneti Foloni 1*, Manoel Carlos Bassoi 1, Luis César Vieira Tavares 1, Larissa

Leia mais

Calendário de Reposição de Nutrientes Para Alface Cultivar Vera em Cultivo Hidropônico no Período de Inverno.

Calendário de Reposição de Nutrientes Para Alface Cultivar Vera em Cultivo Hidropônico no Período de Inverno. 1 Calendário de Reposição de Nutrientes Para Alface Cultivar Vera em Cultivo Hidropônico no Período de Inverno. Hideaki W. Takahashi 1/ ; Fernando K. Suetake 2/ e Jeanedy M. Pazinato 2/ 1/ Universidade

Leia mais

VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO ESTADO DO CEARÁ

VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO ESTADO DO CEARÁ VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO ESTADO DO CEARÁ Francisco Solon Dantas Neto (1); Tarcísio Da Silveira Barra (1) Eng.º Agrº, Pós-graduação em Agrometeorologia, DEA/UFV, CEP:

Leia mais

ACÚMULO DE MASSA SECA E ABSORÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM ALHO VERNALIZADO PROVENIENTE DE CULTURA DE MERISTEMAS SOB DOSES DE NITROGÊNIO

ACÚMULO DE MASSA SECA E ABSORÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM ALHO VERNALIZADO PROVENIENTE DE CULTURA DE MERISTEMAS SOB DOSES DE NITROGÊNIO MACÊDO FS; SOUZA Acúmulo RJ; CARVALHO de massa JG; seca LEITE e absorção LVR; SANTOS de macronutrientes BR. Acúmulo de em massa alho vernalizado seca e absorção proveniente de macronutrientes em alho vernalizado

Leia mais

CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DE CAFEEIRO IRRIGADO SUBMETIDO A COMBINAÇÕES DE DOSES DE NITROGÊNIO E ENXOFRE

CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DE CAFEEIRO IRRIGADO SUBMETIDO A COMBINAÇÕES DE DOSES DE NITROGÊNIO E ENXOFRE CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DE CAFEEIRO IRRIGADO SUBMETIDO A COMBINAÇÕES DE DOSES DE NITROGÊNIO E ENXOFRE Ana Marcela Ferreira Barros¹, Tonny José Araújo da Silva², Edna Maria Bonfim-Silva 3 Introdução

Leia mais

O FARELO DE TORTA DE MAMONA NA ADUBAÇÃO DA BATATINHA (*)

O FARELO DE TORTA DE MAMONA NA ADUBAÇÃO DA BATATINHA (*) O FARELO DE TORTA DE MAMONA NA ADUBAÇÃO DA BATATINHA (*) O. J. BOOCK Engenheiro-agrônomo, Dr. Agr., Seção de Raízes e Tubérculos, Instituto Agronômico RESUMO Na composição de fórmulas de adubação para

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA SOB DIFERENTES VAZÕES E COMPRIMENTO DE MICROTUBOS

AVALIAÇÃO DE SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA SOB DIFERENTES VAZÕES E COMPRIMENTO DE MICROTUBOS AVALIAÇÃO DE SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA SOB DIFERENTES VAZÕES E COMPRIMENTO DE MICROTUBOS Janielle Lima Fernandes 1, Monikuelly Mourato Pereira 2, Gerlange Soares da Silva 3, Gean Duarte da Silva

Leia mais