TÍTULO DO PROJETO: Imagem, Literatura e contemporaneidade: perceber, compreender e criar. Área do Conhecimento: Educação Artística

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO DO PROJETO: Imagem, Literatura e contemporaneidade: perceber, compreender e criar. Área do Conhecimento: Educação Artística"

Transcrição

1 ANEXO 2 Bolsa Discente ICeT/CBT RESUMO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA TÍTULO DO PROJETO: Imagem, Literatura e contemporaneidade: perceber, compreender e criar. Área do Conhecimento: Educação Artística Resumo A pesquisa proposta pela professora de Arte pretende viabilizar a investigação e criação com base no diálogo entre Arte e Literatura, mais precisamente, entre as imagens/ilustrações (linguagem visual) e os textos literários (linguagem verbal). Para tanto, faz-se necessário o aprofundamento acerca da linguagem visual, sua leitura e criação, com o estudo de obras visuais e publicações em diferentes meios e suportes; e a experimentação de diversas possibilidades de criação de imagens com o uso de recursos convencionais e tecnológicos, tais como: desenho, pintura, fotografia, colagem, meios digitais. O presente projeto se relaciona com outro de Iniciação Científica: Letra e imagem: a arte de ler nas entrelinhas do texto literário, na era da cibercultura, proposto pela professora de Literatura, que tem por objetivo final uma publicação digital. Nesse sentido, colabora com a criação de um material que visa aproximar o leitor contemporâneo da Arte e da Literatura e se configura como uma proposta de inovação, de ampliação de repertório cultural e de democratização da cultura, junto ao público interno e externo ao IFSP. 2. Objetivos Ampliar aos jovens as possibilidades de compreensão, interpretação e disseminação da Literatura e da Arte, por meio do atraente diálogo entre diferentes linguagens, especificamente as verbais e visuais. Valorizar a Arte e a Literatura na escola, com o incentivo ao gosto pela leitura e interpretação de diferentes textos verbais e visuais. Incentivar a busca da poética pessoal e da experimentação em variadas técnicas e meios para a criação de imagens. Pesquisar aspectos da criação artística, das artes visuais e da ilustração, a partir da análise da obra de alguns artistas e ilustradores. Compreender o ato da leitura de textos verbais e visuais na sala de aula e fora da sala de aula como uma prática contínua e necessária para a compreensão do mundo contemporâneo.

2 Estudar algumas das possibilidades das novas tecnologias de comunicação (computadores, tablets, celulares, etc) como meios para criação de imagens voltadas para uma publicação digital. Colaborar com a criação de uma publicação digital como um meio de aproximação para o amplo público, sobretudo o jovem, relacionado com as linguagens e estética inerentes às redes e novos meios. 3. Justificativa O mundo contemporâneo é permeado por textos expressos em diferentes meios e linguagens, onde notadamente a linguagem visual se mostra em destaque em nossa cultura nas últimas décadas. Nesse sentido, pensar na conjugação entre as diferentes linguagens, sobretudo entre a visual e verbal, valorizar as imagens, torna-se mais do que uma estratégia para atrair o público aos textos literários, sobretudo uma necessidade para a compreensão e significação de elementos de nossa cultura atual. O presente projeto está vinculado ao Grupo de Pesquisa PELTI - Educação, Linguagens, Tecnologia e Educação, cuja linha de pesquisa Literatura, Arte, Cultura e Sociedade tem como um de seus objetivos abordar as especificidades das linguagens, seus diferentes meios e suportes e as relações entre literatura e outras linguagens no mundo contemporâneo. O presente projeto, com foco na linguagem visual dialoga diretamente com outro projeto de Iniciação Científica: Letra e imagem: a arte de ler nas entrelinhas do texto literário, na era da cibercultura, proposto pela professora de Literatura. Entre os objetivos está o estímulo à criação de imagens, consideradas como textos visuais, em diálogo com textos verbais - linguagem essencial da Literatura. Pretende-se que o jovem pesquisador possa enriquecer a sua formação e expandir as suas possibilidades de leitura, interpretação e criação, bem como contribuir para a construção de uma publicação digital com potencial de aproximação entre o grande público, a Literatura e a Arte, uma relação que por vezes, ainda se mostra superficial e distante. Nota-se que o texto literário por vezes é tratado de forma distanciada e descontextualizada na escola e fora dela, acarretando a dificuldade de interpretação e valorização dessa importante vertente cultural. Por sua vez, curiosamente, a imagem, tão sedutora e atraente, nem sempre tem o destaque e o estudo que merece. Aparentemente mais próxima, entretanto, a leitura crítica de imagens e a sua produção, também essenciais ao longo da história e da contemporaneidade, nem sempre são trabalhadas de forma consistente. A leitura de imagens crítica e aprofundada, em diálogo com a compreensão dos contextos envolvidos e com o fazer artístico possui um caráter emancipador, ao se colocar como uma

3 possibilidade de aprofundamento da crítica, interpretação e ressignificação. Essa proposta, desenvolvida primeiramente no Brasil por Barbosa (2014) também tem se mostrado como base para outros autores relevantes do ensino de arte, entre eles Martins, Picosque e Guerra (2010). Compreende-se a partir desse ponto, que o papel da arte na escola seja o de tratá-la como uma rica área de conhecimento com as suas especificidades e facilitar aos alunos o acesso e a decorrente ampliação do repertório cultural. As manifestações das linguagens artísticas são produto de ricas e inventivas elaborações, por outro lado, como qualquer texto, também possuem um caráter aberto, pois a sua fruição depende do leitor, sua percepção e seu repertório construído socialmente, intelectual e sensivelmente. Nesse sentido, contribuem as ideias de obra aberta de Eco (2005) de formatividade de Pareyson (2005) e da fenomenologia de Merleau-Ponty (1971). As linguagens artísticas possuem seus códigos e materialidades específicos e o presente projeto foca sobretudo a linguagem visual, que em diálogo com os textos verbais permite a exploração de ilustrações como interpretações criativas, com o estudo e experimentação de pinturas, desenhos, quadrinhos, colagens, fotografias, vídeos, etc. Criações/ilustrações propícias tanto às publicações pelos meios convencionais, como também aos novos meios, atrelados à tecnologia e à hipermídia como uma linguagem contemporânea (Santaella, 2005). Consideramos que trabalhar com imagens em diálogo com os textos verbais e o uso de novos meios se configura como uma proposta de inovação e oportunidade de enriquecimento tanto aos jovens pesquisadores e docentes envolvidos no projeto, quanto ao público interno e externo do IFSP, inclusive outros e professores que venham a ter acesso à publicação digital. Nesse sentido, contempla-se além do caráter de inovação com o uso das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação - NTIC s, a valorização da cultura e a sua democratização em sentido amplo. 4. Análise de requisitos técnicos exigidos pelo Projeto. O projeto será desenvolvido na sala de arte e no laboratório de pesquisa do Campus de Cubatão que dispõe de infraestrutura necessária, como laboratório de informática com acesso à internet; biblioteca, e espaço para orientação dos professores envolvidos no projeto. Para o desenvolvimento da pesquisa será realizada uma revisão da base teórica e estudo de alguns pontos específicos fundamentais. Também será realizado o estudo de publicações variadas que contemplem o diálogo entre o verbal e visual - publicações em papel quanto nos meios digitais, com especial foco na análise de

4 suas ilustrações. O estudo acerca das obras de alguns artistas também enriquecerá a compreensão acerca da construção e leitura de imagens. Para a criação das ilustrações (aquarela, desenho, imagem digital, colagem, fotografia, etc.) serão feitas análise/interpretação do texto literário selecionado e a criação de um projeto gráfico que aprofunde a experimentação e expressão da linguagem visual, em diálogo com o verbal. O projeto gráfico do material deve oferecer legibilidade tanto do ponto de vista espacial quanto semântico. Após esse processo, juntamente com o outro projeto de iniciação científica proposto pela professora de Literatura, haverá a produção e publicação em meio digital. 5. Plano de Trabalho 1 Etapas da pesquisa ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ 1 X 2 X X 3 X X X 4 X X X 5 X 6 X X X 7 X X X 8 X X X X 9 X Descrição das atividades da tabela acima: Atividade Descrição 1 Seleção do texto literário/ Interpretação do texto visando a criação das ilustrações 2 Leitura e reflexão acerca de pontos do referencial teórico. 3 Pesquisa e estudo de diferentes obras visuais e publicações. 4 Experimentação de diversas técnicas e meios para criação de imagens. 5 Entrega do Relatório Parcial até 10/08/ Criação das ilustrações. 7 Escrita de artigo científico ou painel para congresso. 8 Colaboração com a edição/publicação digital e sua veiculação, em conjunto com o projeto da área de Literatura. 9 Entrega do Relatório Final até 30/11/ Atividades específicas previstas para o desenvolvimento da pesquisa. Serão realizados prioritariamente encontros semanais entre professora-orientadora e alunopesquisador. Será elaborado um cronograma com as tarefas a serem cumpridas pelo orientando.

5 Pretende-se realizar visitas a uma ou mais instituições culturais que enriqueçam o repertório cultural e imagético, tais como: Casa das Rosas, Pinacoteca do Estado de São Paulo, MIS /Museu de Imagem e do Som, Biblioteca Mário de Andrade (São Paulo). 3 Critérios para avaliação do aluno durante o desenvolvimento do projeto. Durante a orientação, o aluno será avaliado pelo cumprimento das tarefas designadas no cronograma, pela iniciativa, compromisso, interesse e desempenho na pesquisa. 4 Períodos em que o projeto será avaliado. O projeto será avaliado e acompanhado semanalmente seguindo os objetivos das ações descritas na tabela de atividades, no prazo de cumprimento das metas e na qualidade da informação apresentadas. 5 Atividades planejadas para a avaliação do aluno. O aluno será avaliado quanto à frequência, desempenho e resultados das tarefas realizadas. Será também avaliado o aluno quando da elaboração dos relatórios parcial e final, e será estimulada a participação em eventos científicos, por meio de apresentação de trabalho (painel ou comunicação) e submissão de textos por ele produzidos (resumo, artigo ou painel). 6 Produto do Trabalho Realizado. Espera-se, a partir da execução do projeto apresentado pela professora de Arte, obter como produto final uma série de ilustrações que terá valor como linguagem artística por si e, especialmente, imagens selecionadas serão utilizadas em uma publicação digital em conjunto com o projeto de iniciação científica proposto pela professora de Literatura. Espera-se que a publicação na internet dissemine o produto de maneira ampla, junto à comunidade interna e externa do IFSP, professores, alunos e público geral. 7 Bibliografia ALMEIDA, M. A. D. A cada leitor seu texto: dos livros às redes. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. n. esp., 1., p , ISSN Disponível em acesso em 02/04/2015. DEWEY. Arte como experiência. São Paulo: Martins Fontes, BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino da arte: anos oitenta e novos tempos. São Paulo: Perspectiva, 2014 (9a edição). ECO, Umberto. Obra Aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. São Paulo: Perspectiva, 2005.

6 JÚNIOR, Klaus (org.). Inclusão Digital: Tecendo redes afetivas/ cognitivas. Rio de Janeiro: DP&A, JAUSS, Hans Robert et al. A literatura e o leitor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, MANGUEL, Alberto. Lendo Imagens: uma história de amor e ódio. São Paulo: Companhia das Letras, MARTINS, Mirian Celeste; PICOSQUE, Gisa; GUERRA, M. Terezinha. Didática no ensino de arte: poetizar, fruir e conhecer arte. São Paulo: FTD, MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Freitas Bastos, OLIVEIRA. Larissa. A imagem e a letra: ensaio sobre literatura e artes plásticas. ENTRELETRAS, v. 5, n. 1, p , jan./jul Disponível em acesso em 02/04/2015. OLIVEIRA, Rui. A imagem narrativa. Anais do III Congresso da FNLIJ. PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. São Paulo: Martins Fontes, ROCHA ROLLA, Angela. Imagem na literatura: intertextualidade e narratividade. ebooks.pucrs.br/edipucrs/anais/iicillij/3/angelarolla.pdf. Acesso em 02/04/2015. In: SANTAELLA, Lúcia. Navegar no Ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, Matrizes da linguagem e pensamento: sonora visual verbal: aplicações na hipermídia. 3ª ed. São Paulo: Iluminuras: FAPESP, 2005

TÍTULO DO PROJETO: Imagem, Literatura e contemporaneidade: perceber, compreender e criar. Área do Conhecimento (Tabela do CNPq):

TÍTULO DO PROJETO: Imagem, Literatura e contemporaneidade: perceber, compreender e criar. Área do Conhecimento (Tabela do CNPq): INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: Imagem, Literatura e contemporaneidade: perceber, compreender e criar. Área do Conhecimento (Tabela do CNPq): 8. 0 3. 1 0. 0 0-1 1. RESUMO A pesquisa

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Colégio Técnico Plano de Ensino

Universidade Federal de Minas Gerais Colégio Técnico Plano de Ensino Disciplina: Carga horária total: Universidade Federal de Minas Gerais Plano de Ensino Artes Ano: 2015 66,67 horas Curso: Todos Regime: Anual Série: 1º ano Observação: Carga Horária Semanal Total Teórica:

Leia mais

CURSO: ARTE EM AÇÃO - LITERATURA

CURSO: ARTE EM AÇÃO - LITERATURA CURSO: ARTE EM AÇÃO - LITERATURA Docente: Mariana Felix de Oliveira Carga Horária Total do Projeto: 295 hrs Resumo: A oficina de literatura é uma das três vertentes que compõe o projeto Arte em ação. Terá

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

OFICINA DAS CORES. Eduardo Dias Mattos. Artes Visuais. Professor. Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP. DER-Santos

OFICINA DAS CORES. Eduardo Dias Mattos. Artes Visuais. Professor. Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP. DER-Santos OFICINA DAS CORES Professor Eduardo Dias Mattos Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP DER-Santos 2016 Artes Visuais Introdução O Projeto foi criado em 2006 pelo Arte Educador, Professor Eduardo

Leia mais

Minha, tua, nossa cadeira: desdobramentos do objeto

Minha, tua, nossa cadeira: desdobramentos do objeto Minha, tua, nossa cadeira: desdobramentos do objeto Ana Lúcia Pereira Ferreira de Quadros 1 aninha-q@hotmail.com Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense - IFSUL Resumo: Este

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 24 DE OUTUBRO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 24 DE OUTUBRO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.337, DE 24 DE OUTUBRO DE 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DESIGN

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DESIGN MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DESIGN (Vigência a partir do segundo semestre de 2007) Fase Cód. Disciplinas Pré- Requisito Créditos Carga Horária 01 Integração ao Ensino Superior 1 18 02 Oficinas de Integração

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Biologia

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FATEC PINDAMONHANGABA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FATEC PINDAMONHANGABA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FATEC PINDAMONHANGABA 1. INTRODUÇÃO O objetivo de presente regulamento é estabelecer as normas e os procedimentos gerais do programa de iniciação científica-tecnológica

Leia mais

O ontem e o hoje no ensino de artes, suas diretrizes curriculares e as competências atuais do professor desta disciplina.

O ontem e o hoje no ensino de artes, suas diretrizes curriculares e as competências atuais do professor desta disciplina. O ontem e o hoje no ensino de artes, suas diretrizes curriculares e as competências atuais do professor desta disciplina. Daniela Pedroso Secretaria Municipal da Educação de Curitiba EQUIPE CLEONICE DOS

Leia mais

Impressionismo e Pós Impressionismo

Impressionismo e Pós Impressionismo Escola Estadual Dr.Martinho Marques Edna Terezinha Perigo Barreto Pigari Baptista Impressionismo e Pós Impressionismo Taquarussu - Agosto de 2009. Escola Estadual Dr.Martinho Marques Edna Terezinha Perigo

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

Perspectivas Musicais na Educação Infantil. Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá

Perspectivas Musicais na Educação Infantil. Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá Perspectivas Musicais na Educação Infantil Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá - 2011 Ementa Reflexão sobre a produção sonora contemporânea e suas implicações para o viver em sociedade. Apresentação das

Leia mais

Edital 01/2016 Programa de Iniciação Científica

Edital 01/2016 Programa de Iniciação Científica Edital 01/2016 Programa de Iniciação Científica A Faculdade Promove de Minas Gerais, Faculdade Promove de Belo Horizonte, Faculdade Promove de Tecnologia,Escola de Engenharia Kennedy, Faculdade Kennedy

Leia mais

1. Identificação Nome do projeto: Nome da Escola: Local: Série: Número de alunos: Professores envolvidos:

1. Identificação Nome do projeto: Nome da Escola: Local: Série: Número de alunos: Professores envolvidos: 1. Identificação Nome do A arte da produção e interpretação de texto em ambientes virtuais projeto: Nome da Escola: Angelina Jaime Tebet Local: Ivinhema/MS Série: 3º, 4º e 5º anos Número de alunos: 160

Leia mais

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Esta linha de pesquisa objetiva o exame dos processos de construção do conhecimento docente do professor de línguas, com ênfase no papel da linguagem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CHAMADA PÚBLICA PROGRAD/UFOP 01/2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CHAMADA PÚBLICA PROGRAD/UFOP 01/2015 CHAMADA PÚBLICA PROGRAD/UFOP 01/2015 A Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal de Ouro Preto (PROGRAD/UFOP) convida, por meio desta Chamada Pública, os professores e demais interessados da comunidade

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Biologia

Leia mais

Breves notas sobre a conquista da formação de diversos públicos para os museus de Arte Contemporânea: foco nas crianças, ações para todos

Breves notas sobre a conquista da formação de diversos públicos para os museus de Arte Contemporânea: foco nas crianças, ações para todos Breves notas sobre a conquista da formação de diversos públicos para os museus de Arte Contemporânea: foco nas crianças, ações para todos Cristiane Mabel Medeiros MAMAM no Pátio - Pernambuco A forma só

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Matemática Componente Curricular: Matemática Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR MARTINHO MARQUES PROJETO SAUDOSA MALOCA

ESCOLA ESTADUAL DR MARTINHO MARQUES PROJETO SAUDOSA MALOCA ESCOLA ESTADUAL DR MARTINHO MARQUES PROJETO SAUDOSA MALOCA TAQUARUSSU/MS 2009 SALA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL Projeto elaborado pela professora regente Marilza Nunes do Nascimento e professora da Sala de

Leia mais

OS BENEFÍCIOS E AS DIFICULDADES DE PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO NA ÁREA DA QUÍMICA NO NÍVEL MÉDIO TÉCNICO

OS BENEFÍCIOS E AS DIFICULDADES DE PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO NA ÁREA DA QUÍMICA NO NÍVEL MÉDIO TÉCNICO OS BENEFÍCIOS E AS DIFICULDADES DE PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO NA ÁREA DA QUÍMICA NO NÍVEL MÉDIO TÉCNICO Taís Lima Sousa (1); Magna Macêdo Fernandes (1); Rodson Regi de Sousa Correia (2) Instituto

Leia mais

O DIÁLOGO ENTRE LITERATURA E FILOSOFIA NA FICÇÃO BRASILEIRA DO SÉCULO XX

O DIÁLOGO ENTRE LITERATURA E FILOSOFIA NA FICÇÃO BRASILEIRA DO SÉCULO XX PROJETO DE PESQUISA O DIÁLOGO ENTRE LITERATURA E FILOSOFIA NA FICÇÃO BRASILEIRA DO SÉCULO XX Profª. Ms. Patrícia Chanely da Silva Ricarte Coordenadora Prof. Paulo Alberto da Silva Sales Colaborador Acadêmica:

Leia mais

ARTEBR LIVRO CONVERSAS COM A ARTE BRASILEIRA

ARTEBR LIVRO CONVERSAS COM A ARTE BRASILEIRA ARTEBR LIVRO CONVERSAS COM A ARTE BRASILEIRA A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria

Leia mais

MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES. Palavras-chave: Matemática; Agropecuária; Interdisciplinaridade; Caderno Temático.

MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES. Palavras-chave: Matemática; Agropecuária; Interdisciplinaridade; Caderno Temático. MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES Josislei de Passos Vieira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Rio Pomba. josisleipassos@gmail.com

Leia mais

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no uso de suas

Leia mais

FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES

FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES sala 5 1ª sessão Professor Apresentador: Danival Mascarini de Souza Realização: Foco O Projeto Fotonovela foi elaborado visando à melhoria do processo

Leia mais

Definição: ( PÉRES, 2006)

Definição: ( PÉRES, 2006) Antropologia Visual Definição: Antropologia Visual é uma área da Antropologia Sócio-cultural, que utiliza suportes imagéticos para descrever uma cultura ou um aspecto particular de uma cultura. ( PÉRES,

Leia mais

PORTARIA nº 048/ FEG/STA

PORTARIA nº 048/ FEG/STA PORTARIA nº 048/2014 - FEG/STA O Diretor da, no uso de suas atribuições legais, considerando a proposta das Normas do Trabalho de Graduação para o Curso de Graduação em Engenharia, Habilitação em ENGENHARIA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 004/2011 CONSUNI/CGRAD Institui o Programa de Monitorias no âmbito da UFFS e dá outras providências. A Câmara de Graduação do Conselho Universitário CGRAD/CONSUNI, da Universidade Federal

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Mairiporã Etec: Mairiporã Código: 27 Município: Mairiporã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível Médio de

Leia mais

Choque de Conhecimento E.E. Prof.ª ADELAIDE MARIA DE BARROS Sala 13 Sessão 2

Choque de Conhecimento E.E. Prof.ª ADELAIDE MARIA DE BARROS Sala 13 Sessão 2 Choque de Conhecimento E.E. Prof.ª ADELAIDE MARIA DE BARROS Sala 13 Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Marcos Felipe Malaquias da Silva Valéria Ramos Barca Rogerio Realização: Foco Reconhecer a Ciência

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta

Aprovação do curso e Autorização da oferta MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

HISTORIA DO DESIGN III

HISTORIA DO DESIGN III Blucher Design Proceedings Agosto de 2014, Número 3, Volume 1 HISTORIA DO DESIGN III Nelson Rodrigues da Silva - nelson.rodrigues@belasartes.br Centro Universitário Belas Artes de São Paulo - Bacharelado

Leia mais

PDI UNIVASF Notas sobre questões legais-normativas e sobre o processo de elaboração

PDI UNIVASF Notas sobre questões legais-normativas e sobre o processo de elaboração UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Propladi Av. José de Sá Maniçoba, s/n, Centro Petrolina-PE - CEP.: 56.304-917 Fone: (87) 2101-6804

Leia mais

Ementário do Curso de Design de Moda - Matriz

Ementário do Curso de Design de Moda - Matriz Ementário do Curso de Design de Moda - Matriz 2011.1 Disciplina: INTRODUÇÃO AO DESIGN DE MODA (60h) Terminologias e conceitos da área. Descrição dos conceitos da área. Contextualização e processo de moda.

Leia mais

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo PIC Produção Integrada ao Conteúdo 7. o ano Ensino Fundamental Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências A nota do PIC é a média entre as atividades e as tarefas vinculadas ao caderno de Arte. 1.

Leia mais

CESMAC FACULDADE DO AGRESTE NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA (NAP) CHAMADA PARA A FORMAÇÃO DE GRUPOS DE ESTUDO EM 2017

CESMAC FACULDADE DO AGRESTE NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA (NAP) CHAMADA PARA A FORMAÇÃO DE GRUPOS DE ESTUDO EM 2017 CESMAC FACULDADE DO AGRESTE NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA (NAP) CHAMADA PARA A FORMAÇÃO DE GRUPOS DE ESTUDO EM 2017 O Núcleo de Apoio à Pesquisa (NAP) do Cesmac Faculdade do Agreste, no uso de suas atribuições,

Leia mais

PROJETO ESPECIAL DE AÇÃO

PROJETO ESPECIAL DE AÇÃO PROJETO ESPECIAL DE AÇÃO - 2013 PORTARIA Nº 1.566 DE 18/03/08 Nome da Unidade Educacional EMEI MÁRIO SETTE Diretoria Regional de Educação CAMPO LIMPO Modalidade (art.2º): A tematização das práticas desenvolvidas

Leia mais

PLANEJAMENTO Julho. Professor (a): Janete Neusa Perin NOME DO LIVRO: Objetivo geral:

PLANEJAMENTO Julho. Professor (a): Janete Neusa Perin NOME DO LIVRO: Objetivo geral: PLANEJAMENTO Julho NOME DO LIVRO: Estratégias de outras áreas do conhecimento A BRUXA SALOMÉ Leitura e escrita; Oralidade; Dias da Semana; Rimas. -Desenvolver o gosto pela leitura, valorizando a como fonte

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO ROQUE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO ROQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO ROQUE Rodovia Prefeito Quintino de Lima, 2100, Paisagem Colonial - CEP 18136-540 São Roque SP Fone (11)

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº 213 aprovado pela portaria Cetec nº 134 de 04/10/12 Etec Ermelinda Giannini Teixeira Código: 187 Município: SANTANA

Leia mais

Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora Direção Acadêmica

Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora Direção Acadêmica Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora Direção Acadêmica EDITAL Nº. 04 / 2010 Programa de Iniciação Científica PIC Programa de Extensão Acadêmica PEA Objetivos A Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora,

Leia mais

AÇÃO EDUCATIVA DA REDE DE MEDIADORES DA GALERIA DE ARTE LOIDE SCHWAMBACH FUNDARTE

AÇÃO EDUCATIVA DA REDE DE MEDIADORES DA GALERIA DE ARTE LOIDE SCHWAMBACH FUNDARTE 1 AÇÃO EDUCATIVA DA REDE DE MEDIADORES DA GALERIA DE ARTE LOIDE SCHWAMBACH FUNDARTE Patriciane Teresinha Born 1 Palavras-chave: Ação educativa. Mediação. 3º Salão de Arte 10 x 10. 1 INTRODUÇÃO Este texto

Leia mais

Aula 1 Apresentação do programa da disciplina e discussão dos critérios de avaliação. Apresentação dos alunos

Aula 1 Apresentação do programa da disciplina e discussão dos critérios de avaliação. Apresentação dos alunos Disciplina: Portal P01070/2586 A - Teorias Avançadas na Aprendizagem em Ambientes Virtuais (TAAV) Nível: Mestrado e Doutorado Módulo 2 Área de Concentração: Processos Cognitivos e Ambientes Digitais Linha

Leia mais

ANEXO I. QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I

ANEXO I. QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I ANEXO I QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I Desemho básico Desemho intermediário Desemho básico de observação Desenho de observação Fotografia

Leia mais

Unidade: Desenvolvimento de cursos, produção de material didático para o ensino virtual. Unidade I:

Unidade: Desenvolvimento de cursos, produção de material didático para o ensino virtual. Unidade I: Unidade: Desenvolvimento de cursos, produção de material didático para o ensino virtual Unidade I: 0 Unidade: Desenvolvimento de cursos, produção de material didático para o ensino virtual A distância

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO CÓDIGO UNIDADE 042 CÓD. CURSO CURSO 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL HAB: JORNALISMO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO 121.3211.1 HISTÓRIA DA ARTE E DA CULTURA PROFESSOR (A) OBJETIVOS 2ª 02 34

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

Reflexio Reflexo e Reflexão Uma Abordagem do retrato, uma imagem para pensar o mundo Um resgate do olhar na Eja.

Reflexio Reflexo e Reflexão Uma Abordagem do retrato, uma imagem para pensar o mundo Um resgate do olhar na Eja. Reflexio Reflexo e Reflexão Uma Abordagem do retrato, uma imagem para pensar o mundo Um resgate do olhar na Eja. Neusa Loreni Vinhas 1 Resumo: Nosso relato se faz num percurso de mediação numa escola estadual

Leia mais

Movimento e Cultura da Pop Art: Uma Viagem ao Museu

Movimento e Cultura da Pop Art: Uma Viagem ao Museu Movimento e Cultura da Pop Art: Uma Viagem ao Museu Aline Villela Abbade Débora A. dos Santos Ferreira Julho 2009/01 Apresentação do tema: Começamos a elaborar este projeto levando em consideração que

Leia mais

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Disciplina: Artes Curso: Técnico Em Eletromecânica Integrado Ao Ensino Médio Série: 1º Carga Horária: 67 h.r Docente Responsável: EMENTA O universo da arte, numa abordagem

Leia mais

TÍTULO DO TRABALHO PROPOSTO

TÍTULO DO TRABALHO PROPOSTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO TÍTULO DO TRABALHO PROPOSTO Projeto para orientação de iniciação científica junto ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica da

Leia mais

2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: Consecutivo web e a argumentação na matemática escolar Área do Conhecimento (Tabela do CNPq): 7. 0 8. 0 4. 0 3-6 1. RESUMO O software Consecutivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ 1 - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Geografia Departamento/Setor: Geografia Disciplina: Didática para o ensino de Geografia II Código: Ano: 2012 Distribuição De

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Sociologia Série: 2º Eixo Tecnológico:

Leia mais

A LEITURA DO PEQUENO PRÍNCIPE COMO INCENTIVO NA FORMAÇÃO DO LEITOR

A LEITURA DO PEQUENO PRÍNCIPE COMO INCENTIVO NA FORMAÇÃO DO LEITOR A LEITURA DO PEQUENO PRÍNCIPE COMO INCENTIVO NA FORMAÇÃO DO LEITOR FLÁVIA ALVES SAMPAIO; LEANDRO RODRIGUES DE SOUZA AZEVEDO; ANA LÚCIA MARIA DE SOUZA NEVES. Universidade Estadual da Paraíba RESUMO Este

Leia mais

PROGRAMA DE OFICINA de ARTES DISCIPLINA DE OFERTA DE ESCOLA

PROGRAMA DE OFICINA de ARTES DISCIPLINA DE OFERTA DE ESCOLA PROGRAMA DE OFICINA de ARTES DISCIPLINA DE OFERTA DE ESCOLA Oficina de Artes é uma disciplina cujo nome releva da noção de ofício, no sentido que lhe é conferido atualmente pelo operador plástico, enquanto

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS/PORTUGUÊS Gêneros textuais como ferramenta para o ensino de Língua Portuguesa INTRODUÇÃO De acordo com os objetivos do programa, conforme portaria 096/2013 Capes, essa proposta de

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 5º semestre

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 5º semestre EIXO TECNOLÓGICO: Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU:( )integrado( )subsequente( ) concomitante ( ) bacharelado( x )licenciatura( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

Curso: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO MULTIMÍDIA Curriculo: /13 DISCIPLINAS EM OFERTA 1ºº Semestre de NOTURNO

Curso: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO MULTIMÍDIA Curriculo: /13 DISCIPLINAS EM OFERTA 1ºº Semestre de NOTURNO Curriculo: 100-250/13 GR02754 GR02745 GR02350 GR02549 GR02374 GR02391 GR02410 1º PERÍODO Carga Horária Docentes Empreendedorismo - Tecnologia 72.00 A Definir Estudo do Homem Contemporâneo - Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO METODOLOGIA DA PESQUISA EM MATEMÁTICA PARA TCC CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO METODOLOGIA DA PESQUISA EM MATEMÁTICA PARA TCC CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO METODOLOGIA DA PESQUISA EM MATEMÁTICA PARA TCC CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TIC) NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA Bruno

Leia mais

Prof. Dr. Adilson de Souza Cândido

Prof. Dr. Adilson de Souza Cândido Prof. Dr. Adilson de Souza Cândido candido@ifsp.edu.br 2017 AGENDA Edital 80/2017 da PRE O que está previsto no Edital? Dimensões Prioritárias Submissão dos Projetos Webinar (Seminários Virtuais) 2 AGENDA

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS UNIDADE CONTAGEM COORDENAÇÃO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS UNIDADE CONTAGEM COORDENAÇÃO DE PESQUISA EDITAL PERMANTE PICV A Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais convoca os alunos interessados em apresentar propostas de projetos de pesquisa para o Programa de Iniciação Científica Voluntária

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: Redes sociais digitais no ensino de literatura Área do Conhecimento: Teoria da

TÍTULO DO PROJETO: Redes sociais digitais no ensino de literatura Área do Conhecimento: Teoria da INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: Redes sociais digitais no ensino de literatura Área do Conhecimento: Teoria da 8. 0 2. 0 5. 0 0-3 Literatura 1. RESUMO Este projeto visa a dar

Leia mais

SMA 0186 PRÁTICA DO ENSINO DE MATEMÁTICA I- 2011

SMA 0186 PRÁTICA DO ENSINO DE MATEMÁTICA I- 2011 SMA 0186 PRÁTICA DO ENSINO DE MATEMÁTICA I- 2011 Responsável: Dra. Miriam Cardoso Utsumi Horário: quarta-feira 16:10h as 17:50h, sala : LEM Atendimento a alunos: PRESENCIALMENTE apenas às terças e quintas:

Leia mais

FACULDADE JAUENSE REGULAMENTO PROJETO INTEGRADOR

FACULDADE JAUENSE REGULAMENTO PROJETO INTEGRADOR FACULDADE JAUENSE REGULAMENTO PROJETO INTEGRADOR JAÚ/ SP - 2014 REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA

CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA ICHLA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA Currículo Novo - 2010/02 - Noturno. RECONHECIMENTO RENOVADO PELA PORTARIA Nº 1.657, DE 07/10/2010 - D.O.U. DE 08/10/2010

Leia mais

CURRÍCULO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO ARTES - 6º ANO AO 9º ANO

CURRÍCULO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO ARTES - 6º ANO AO 9º ANO Tipos de Letras Diferenciação entre o espaço bi e tridimensional, espaço e volume e suas conexões com as formas o espaço teatral, o corpo em movimento e o som no espaço. Cores Arte rupestre 6ª ANO 5ª SÉRIE

Leia mais

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik O ensino de ciências segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais O ensino de Ciências tem

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I DA DEFINIÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - A Coordenação do Curso de Licenciatura em Química da UTFPR Campus

Leia mais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais INTRODUÇÃO Para o ensino de Ciências Naturais é necessária a construção

Leia mais

O blog como ferramenta didática no ensino do jornalismo

O blog como ferramenta didática no ensino do jornalismo O blog como ferramenta didática no ensino do jornalismo Ariane Holzbach Gama Filho / UERJ Resumo: O trabalho vai narrar a experiência desenvolvida no curso de Comunicação Social da Universidade Gama Filho

Leia mais

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. PROJETO ARARIBÁ Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. Araribá Ciências Organização do Conteúdo: Por que estudar

Leia mais

CAMINHOS DA ESCOLA Arte na Escola

CAMINHOS DA ESCOLA Arte na Escola CAMINHOS DA ESCOLA Arte na Escola Resumo A série Caminhos da Escola nos apresenta neste episódio Arte na Escola, uma coletânea de matérias gravadas a partir de experiências em escolas de formação técnica

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Pesquisa

Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Pesquisa Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Pesquisa NORMAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS DISCIPLINAS 1. Introdução à Pesquisa em Letras 2. Metodologia de ensino de línguas estrangeiras I: perspectivas teóricas e abordagens

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DE UM EVENTO ENTRE A SABEDORIA COLETIVA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO

A EXPERIÊNCIA DE UM EVENTO ENTRE A SABEDORIA COLETIVA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO A EXPERIÊNCIA DE UM EVENTO ENTRE A SABEDORIA COLETIVA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO Nilton Bahlis dos Santos, Alessandra dos Santos, Antonio Cordeiro, Mercia Maria Santos, Nathielly de Souza Campos, Rodrigo

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Usabilidade em aplicações web 1.2 Câmpus de Origem: São Borja 1.3

Leia mais

SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. Maria Lúcia Santaella Braga (Catanduva, 13 de agosto de 1944). Pesquisadora brasileira e professora titular

Leia mais

ARTE CONTEMPORÂNEA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

ARTE CONTEMPORÂNEA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL ARTE CONTEMPORÂNEA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Caroline de Azambuja¹, Ursula Rosa da Silva² ¹Graduada em Artes Visuais - modalidade licenciatura pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel),

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA -

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - Rio de Janeiro / 2014 0 SUMÁRIO Público-alvo p. 2 Justificativa p.2 Objetivos Gerais p. 3 Objetivos Específicos

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS. Coordenador: Carlos André de Melo Alves. Endereço no Lattes:

INFORMAÇÕES GERAIS. Coordenador: Carlos André de Melo Alves. Endereço no Lattes: INFORMAÇÕES GERAIS Nome do projeto: A Divulgação da Governança Corporativa em Bancos Públicos e Privados no Brasil: Estudo Baseado em Princípios Recomendados pelo Comitê da Basileia Coordenador: Carlos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O USO DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVA

CONTRIBUIÇÃO PARA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O USO DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVA CONTRIBUIÇÃO PARA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O USO DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVA Francisca Tamires Alves da Silva¹, Jacicleide Rodrigues de Sousa², Simone Pereira Camboim³, Nadia Farias dos Santos. ¹Universidade Estadual

Leia mais

A DIFERENÇA ENTRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA

A DIFERENÇA ENTRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA A DIFERENÇA ENTRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA (Autor) Bruno Rocha; (Co-autor) Júlio César Andrade; (Co-autor) Cláudia Jeciane Souza; (Coautor) Mylena Teixeira

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 019/2016-CEPE/UNESPAR. Considerando o art. 7º, incisos I, II e VII do Regimento Geral da Unespar;

RESOLUÇÃO Nº 019/2016-CEPE/UNESPAR. Considerando o art. 7º, incisos I, II e VII do Regimento Geral da Unespar; RESOLUÇÃO Nº 019/2016-CEPE/UNESPAR Convalida as alterações e prazos de vigência da matriz curricular do curso de Composição e Regência do campus Curitiba I - EMBAP. Considerando o art. 7º, incisos I, II

Leia mais

II Encontro Bibliotecas de Bragança. Ler o Mundo: passaporte para o futuro. Agrupamento de Escolas André Soares. Ler. Projeto de leitura

II Encontro Bibliotecas de Bragança. Ler o Mundo: passaporte para o futuro. Agrupamento de Escolas André Soares. Ler. Projeto de leitura o Mundo: passaporte para o futuro Agrupamento de Escolas André Soares Génese do projeto II Encontro Bibliotecas de Bragança Pontos fracos Decréscimo de participação dos alunos do 3º ciclo nas atividades

Leia mais

SELEÇÃO DE PROJETOS PARA A VII JORNADA ACADÊMICA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E CULTURA (JACITEC) O

SELEÇÃO DE PROJETOS PARA A VII JORNADA ACADÊMICA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E CULTURA (JACITEC) O SELEÇÃO DE PROJETOS PARA A VII JORNADA ACADÊMICA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E CULTURA (JACITEC) O Brasil tem Fome de quê? (Realização de 19 a 23 de setembro de 2016) Os Coordenadores da Comissão designada

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MANOEL FONTANILLAS FRAGELLI. PROJETO Leitura para ser feita em casa

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MANOEL FONTANILLAS FRAGELLI. PROJETO Leitura para ser feita em casa ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MANOEL FONTANILLAS FRAGELLI PROJETO Leitura para ser feita em casa... aprender não é um ato findo. Aprender é um exercício constante de renovação.... Paulo Freire ANGÉLICA MS ABRIL/MAIO

Leia mais

Atividades no COINES 2016 O INES de Portas Abertas

Atividades no COINES 2016 O INES de Portas Abertas Atividades no COINES 2016 O INES de Portas Abertas TURNO TÍTULO Vagas para sorteio externo OFICINA: O INTÉRPRETE DE LIBRAS NO TEATRO. 12 MINICURSO: LITERATURA SURDA: ESTRATÉGIAS TRADUTÓRIAS DE INCORPORAÇÃO

Leia mais

APÊNDICE II. 1.4 ÁREA E SUB-ÁREA DO CONHECIMENTO - CNPq (vide site

APÊNDICE II. 1.4 ÁREA E SUB-ÁREA DO CONHECIMENTO - CNPq (vide site APÊNDICE II PROJETO DE PESQUISA CICLO 2016/2017 Código: (Para uso da coordenação de iniciação científica) 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 TÍTULO: 1.2 ANO LETIVO: 1.3 SEMESTRE: 1.4 ÁREA E SUB-ÁREA DO CONHECIMENTO

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO

MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL Alex Junior Bilhoto Faria 1, Yuka Garcia Kinoshita 2, Winnie Mandela de Paula Raimundo 3 Karina Oliveira Silva 4 Marieli

Leia mais

E I X O S

E I X O S 0011 0010 1010 1101 0001 0100 1011 5 E I X O S 10 dimensões 5 eixos 8- Planejamento e Avaliação. 1- Missão e Plano de Desenvolvimento Institucional. 0011 3- Responsabilidade 0010 1010 1101 Social 0001

Leia mais

PLANO DE ENSINO CARGA HORÀRIA 40

PLANO DE ENSINO CARGA HORÀRIA 40 PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Ambiente, Saúde e Segurança CURSO: Curso Técnico em Meio Ambiente/Subsequente ao Ensino Médio FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante (

Leia mais

ESTRUTURA E FORMA DO PROJETO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS, MATEMÁTICA E TECNOLOGIAS

ESTRUTURA E FORMA DO PROJETO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS, MATEMÁTICA E TECNOLOGIAS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICA E TECNOLOGIAS - PPGECMT ESTRUTURA E FORMA DO PROJETO DO MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 1/2013

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 1/2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 1/2013 Abertura de Processo Seletivo para o Programa de Iniciação Científica Voluntária do Universitário Módulo/ Processo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS

PROGRAMAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Curso: Licenciatura Plena em Ciências Biológicas Projeto de Estágio Supervisionado do curso de Ciências Biológicas Profa.: Angela Martins Baeder 2005 PROGRAMAÇÃO

Leia mais