TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa :

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa :"

Transcrição

1 TERMO DE REFERÊNCIA Denominação : Consultor(a) na área de ciências agrárias, sociais, econômicas ou áreas afins, para elaboração de proposta de sistema de monitoramento e avaliação para Programa de ATES de assentamentos de reforma agrária no Brasil. Código: ATES/MA 2008 Número de vagas : 1 Local de atuação : Regiões Sul,Sudeste,Centro-Oeste, Nordeste e Norte do Brasil. 1. Justificativa : Após um longo período sem assessoria técnica aos assentamentos, o governo federal, por intermédio do MDA/INCRA criou, em 2003, o Programa de Assessoria Técnica Social e Ambiental (ATES) Esse programa tem por objetivo a implantação de uma assistência técnica descentralizada, visando apoiar as famílias assentadas nos Projetos de Reforma Agrária e nos Projetos de Assentamento reconhecidos pelo Incra. Esse programa é coordenado pelo INCRA e executado em parceria com instituições públicas, privadas, entidades de representação e coordenação de trabalhadores rurais e organizações não governamentais ligadas à Reforma Agrária. Um dos objetivos do PPA é o de garantir assessoria técnica, social e ambiental para as famílias beneficiárias da reforma agrária, de forma integral e continuada, desde a implantação dos projetos de assentamento. O propósito é estruturar as unidades de produção, e ajudar na inserção delas no mercado e na integração na dinâmica do desenvolvimento Municipal e Regional. Especificamente, as atividades de ATES perseguem objetivos importantes, entre os quais: a) contribuir para a promoção do desenvolvimento sustentável das áreas de assentamento, valendo-se de paradigmas baseados nos princípios da Agricultura Familiar, com foco na agroecologia; b) promover a segurança alimentar e a viabilidade econômica dos assentamentos; c) promover o uso de metodologias participativas na condução dos trabalhos; d) estabelecer mecanismos de gestão capazes de monitorar, avaliar e promover as devidas ações em tempo real; e) desenvolver um Programa de Capacitação participativo, consolidando os saberes adquiridos na escola e aqueles obtidos pelas comunidades assentadas; f) desenvolver processos educativos permanentes e continuados, a partir de um enfoque dialético, humanista e construtivista, visando á formação de competências, mudanças de atitudes e

2 procedimentos dos atores sociais, que potencializem os objetivos de melhoria de qualidade de vida e de promoção do desenvolvimento rural sustentável. No ano de 2003, o Programa de ATES, atendeu nas trinta Superintendências Regionais, famílias em No ano 2004, famílias, em famílias, em famílias e aproximadamente famílias em 2007 (relatório de 2007 está sendo finalizado). Em 2008, atuará na assistência a cerca de famílias, contando com cerca de técnicos contratados. Parte significativa dos recursos será aplicada nas áreas pertencentes aos Territórios da Cidadania, como forma de potencializar as ações do Governo Federal. A Diretoria de Desenvolvimento organizou oficinas de avaliação das ações realizadas até Delas participaram servidores do INCRA e demais atores envolvidos. Este processo apontou diversas contribuições relevantes do programa de ATES, tais como: a) é uma ação estruturante dentro do desenvolvimento de assentamentos de Reforma Agrária no Brasil; b) atua de forma transversal às demais políticas públicas de desenvolvimento de assentamentos do INCRA; c) está presente diariamente nos assentamentos; d) ajuda na leitura das realidades dos assentamentos e; e)contribui na busca de soluções dos problemas que se apresentam. Por outro lado, também foram detectados alguns aspectos que se apresentam como desafios a superar. Dentre os principais, destacamos: a) a fiscalização e o monitoramento das ações de Ates por parte do INCRA têm deficiências, o que contribui para que a coordenação deste órgão perca eficácia; b) A crescente exigência dos órgãos de controle diante do instrumento convênio faz com um sistema de monitoramento e avaliação se torne ainda mais necessário; c) A qualidade dos serviços é limitada pela fraqueza do controle social destas ações. Buscar superar os problemas acima mencionados é um dos grandes desafios o programa de ATES no próximo período ( ). Em particular, será necessário instituir um processo ativo de monitoramento e avaliação do programa. Considerando a limitação técnica e operacional do INCRA frente à complexidade das dificuldades e desafios apresentados, será buscado, com o apoio qualificado desta consultoria, a consolidação de uma coordenação para o programa, a nível Nacional e nas Superintendências Regionais, a partir do desenvolvimento de ferramentas que possibilitem o monitoramento e avaliação das ações desenvolvidas em

3 tempo real e se necessário corrigindo rumos. Estas ferramentas deverão considerar os diferentes biomas onde estão inseridos os assentamentos, além da diversidade cultural do público da Reforma Agrária. O Projeto de Cooperação Técnica IICA/NEAD-MDA Participação Social absorve tal demanda por meio de seu Objetivo 1 (Produto 1.2) que prevê a elaboração de propostas de suporte técnico, monitoramento e avaliação das políticas relacionadas ao desenvolvimento rural sustentável e de seu Objetivo 2, dedicado a apoiar e viabilizar ações relacionadas à capacitação de servidores nos temas relacionados ao desenvolvimento rural, agricultura familiar e reforma agrária 2. Objetivo Elaboração de proposta de sistema de monitoramento e avaliação para o Programa de ATES de assentamentos de reforma agrária no Brasil. 3. Aspectos metodológicos e perfil profissional Formação superior na área de ciências agrárias, sociais, econômicas ou afins, com experiência mínima de 08 (oito) anos no trabalho com agricultura familiar e/ou assentamentos de reforma agrária, especialmente com familiaridade e experiência em desenvolvimento rural sustentável e metodologias participativas. 4. Aspectos Técnicos e Metodológicos A elaboração de uma estratégia de atuação do INCRA para o Programa de ATES, por meio da revisão e aperfeiçoamento do atual sistema de operação, será desenvolvido tomando por base de abrangência os estados pertencentes as macro-regiões Centro-Oeste, Sudeste, Nordeste, Norte e Sul do Brasil. E deverá resultar no desenvolvimento final de um Documento contendo a proposta de sistema de monitoramento e avaliação para o Programa de ATES. Para o desenvolvimento desse produto proposto serão adotados os seguintes procedimentos: a) Discussão inicial com a Direção do Projeto e com a Diretoria de Desenvolvimento de Projetos de Assentamento do Incra e MDA a fim de identificar os problemas enfrentados pela ATES e as metas a serem alcançadas pela consultoria;

4 b) Revisão bibliográfica (compilação, seleção, leitura e estudo da bibliografia existente), especialmente do INCRA (manual de ATES, normativas, relatórios, outros), DATER (sistema nacional, documentos, relatórios, outros), Universidades (documentos de análise) e outras experiências de assistência técnica e extensão rural. Essa revisão deve ser qualificada e conter também a identificação das questões mais relevantes para o desenvolvimento dos produtos previstos. c) Conhecimento dos Sistemas e Planos existentes no Incra e MDA nas áreas correlacionadas na consultoria (SIPRA, Plano Nacional de Capacitação dos Servidores do Incra) d) Preparação do trabalho de campo a. elaboração dos instrumentos de entrevista a serem utilizados em campo b. organização dos roteiros e contatos e) Trabalho de campo visita as 5 macro-regiões do país (entrevistas a serem realizadas com as SRs do INCRA, prestadoras, técnicos de campo e entidades representativas dos assentados) f) Sistematização dos dados de campo e elaboração de versão preliminar de proposta para o sistema de monitoramento e avaliação. g) Debate das proposições com as Superintendências Regionais em encontros realizados nas 5 macroregiões do país. h) Debate das proposições com a Diretoria de Desenvolvimento de Projetos de Assentamento e representantes das macro-regiões, em um encontro nacional. i) Elaboração da versão final da proposta para o sistema de monitoramento e avaliação. Ressalte-se que todas as proposições serão elaboradas tendo em vista um caráter nacional a partir de um perfil básico e especificidades respeitando as diversidades das macro-regiões do país (Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul). Por fim, as despesas referentes a passagens e diárias para o desenvolvimento do trabalho serão por conta do contratante. 5. Produtos da consultoria

5 1. Plano de Trabalho, contendo detalhamento das atividades, metodologia a ser empregada no desenvolvimento dos produtos e respectivo cronograma 2. Revisão bibliográfica qualificada de documentos do INCRA, DATER e experiências e análises acadêmicas focada nos temas de monitoramento e avaliação de atividades de assistência técnica e extensão rural (inclusive os Sistemas e Planos do Incra sobre ATES), incluindo uma Proposta de instrumentos metodológicos e plano do trabalho de campo (proposta de preparação de trabalho de campo: instrumentos de entrevista e roteiro de viagens à campo). 3. Relatório técnico contendo os resultados do trabalho de campo da região Centro Oeste do Brasil 4. Relatório técnico contendo os resultados do trabalho de campo das regiões Sudeste e Sul do Brasil 5. Relatório Técnico contendo os resultados do trabalho de campo da região Nordeste 6. Relatório Técnico contendo os resultados do trabalho de campo da região Norte 7. Proposta de sistema de monitoramento e avaliação para o Programa de ATES. 6. Prazos As atividades de consultoria relacionadas serão realizadas em até 12 (doze) meses de trabalho, a contar da data de assinatura do contrato. 7. Cronograma Indicativo De Entrega Dos Produtos Produtos Mês1 Mês2 Mês3 Mês4 Mês5 Mês6 Mês7 Mês8 Mês9 Mês10 Mês11 Mês12 P 1 P 2 P 3 P 4 P5 P6 P7

6 8. Custo e forma de pagamento O valor total da consultoria é de R$ ,00 (noventa e seis mil reais), cujo cronograma de pagamento abaixo indicado, está condicionado à apresentação dos produtos estabelecidos e a devida aprovação dos mesmos pela Direção do Projeto. Produto 1 R$ 4.800,00 (quatro mil e oitocentos reais) Produto 2 R$ ,00 (dezessete mil e quatrocentos reais) Produto 3 R$ 9.000,00 (nove mil reais) Produto 4 R$ ,00 (dezoito mil reais ) Produto 5 R$ 9.000,00 (nove mil reais) Produto 6 R$ ,00 (dezesseis mil e duzentos reais) Produto 7 R$ ,00 (vinte e mil e seiscentos reais)

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN 3.1.6 - MCT 1 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Prestação de serviços de pessoa física para a elaboração de documento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA CODT 03 (AM) Uma Vaga TERMO DE REFERÊNCIA (TR) Prestação de serviço técnico especializado, modalidade de consultoria

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Código: CONSPROC 2010 Prestação de serviço técnico especializado, modalidade de consultoria

Leia mais

Atribuições. Qualificar os profissionais Monitorar e avaliar resultados. Contratar serviços. Credenciar entidades públicas e privadas

Atribuições. Qualificar os profissionais Monitorar e avaliar resultados. Contratar serviços. Credenciar entidades públicas e privadas Atribuições Contratar serviços Qualificar os profissionais Monitorar e avaliar resultados Credenciar entidades públicas e privadas Acreditar as entidades quanto a qualidade do serviço prestado Características

Leia mais

Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº )

Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº ) Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº 13.2010) REALIZAÇÃO DE OFICINAS TÉCNICAS PARA VALIDAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADES DA SOCIEDADE CIVIL E ELABORAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TER - CONS ARQ - 01)

TERMO DE REFERÊNCIA (TER - CONS ARQ - 01) TERMO DE REFERÊNCIA (TER - CONS ARQ - 01) 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Prestação de serviço de consultoria pessoa física à Representação do IICA no Brasil em gestão de projetos de cooperação internacional,

Leia mais

Objetivo Geral: Objetivos Específicos:

Objetivo Geral: Objetivos Específicos: Objetivo Geral: Superação da pobreza e geração de trabalho e renda no meio rural por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável. Objetivos Específicos: Inclusão produtiva das populações

Leia mais

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009 I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO 1º de outubro de 2009 (112 MUNICÍPIOS) (64 MUNICÍPIOS) (91 MUNICÍPIOS) (16 MUNICÍPIOS) (10 MUNICÍPIOS) (IDH Médio M Nacional = 0,766) Especificação

Leia mais

Portaria SAS/Nº 202, de 19 de junho de 2001.

Portaria SAS/Nº 202, de 19 de junho de 2001. Portaria SAS/Nº 202, de 19 de junho de 2001. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 881, de 19 de junho de 2001, que institui, no âmbito

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) RESIDUOS - DRS

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) RESIDUOS - DRS INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) RESIDUOS - DRS 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Serviços de consultoria para apoio técnico referente à realização dos produtos

Leia mais

NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS. ( ):

NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS. ( ): NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 01/2015 DATA: ( 01/03/2014) COMPONENTE:

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, e dá outras

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Título do Projeto: Aprimoramento da sistemática de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA BLUMENAU ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA BLUMENAU ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA BLUMENAU ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA - PROExC

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA - PROExC SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA - PROExC EDITAL Nº 5, de 18 de setembro de 2017. PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS DE ATER NA AGRICULTURA FAMILIAR E NA REFORMA AGRÁRIA - Edição 2016.

EDITAL PARA SELEÇÃO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS DE ATER NA AGRICULTURA FAMILIAR E NA REFORMA AGRÁRIA - Edição 2016. EDITAL PARA SELEÇÃO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS DE ATER NA AGRICULTURA FAMILIAR E NA REFORMA AGRÁRIA - Edição 2016. A Secretaria Nacional da Agricultura Familiar do Ministério do Desenvolvimento Agrário

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº Objetivo da contratação. 2. Antecedentes e contexto

TERMO DE REFERÊNCIA nº Objetivo da contratação. 2. Antecedentes e contexto TERMO DE REFERÊNCIA nº 2017.0202.00008-3 Responsável: Betânia Santos Fichino Setor: Departamento de Áreas Protegidas/MMA Brasília, 02 de fevereiro de 2017 1. Objetivo da contratação Contratação de serviços

Leia mais

IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA MODALIDADE: PRODUTO CARGO A

IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA MODALIDADE: PRODUTO CARGO A INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA MODALIDADE: PRODUTO CARGO A 01. OBJETO DA CONSULTORIA Contratar Consultoria por produto para desenvolver atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Perfil Requerido DIRPE nº 1. Número e Título do Projeto:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA

TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO TR_05_2015_PDHC Produto Mobilização e Gestão Social Parecer Nº 00558/2015/CONJUR-MDA/CGU/AGU,

Leia mais

Reabilitação Integral: o desafio de uma política intersetorial. Conselho Nacional de Previdência Social

Reabilitação Integral: o desafio de uma política intersetorial. Conselho Nacional de Previdência Social Reabilitação Integral: o desafio de uma política intersetorial. Conselho Nacional de Previdência Social Junho 2016 Reabilitação Profissional Lei 8213/1991 Artigo 89 Decreto 3048/1999 Artigo 136 A prestação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS. Consultor de Cadastro de Museus

TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS. Consultor de Cadastro de Museus TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS OEI/BRA 09/005 - Desenvolvimento da Gestão Estratégica do IBRAM e dos Museus Brasileiros para o Fortalecimento Institucional na Formulação e Implantação

Leia mais

CMRV Panorama Amapaense

CMRV Panorama Amapaense Governo do Estado do Amapá Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural - SDR Instituto Estadual de Florestas do Amapá IEF/AP CMRV Panorama Amapaense Mariane Nardi Christianni Lacy Soares Redd+ para o

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) BRA/06/005 - OEI - A Educação Como

Leia mais

Cursos do PRONERA por município de realização ( )

Cursos do PRONERA por município de realização ( ) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO (MDA) INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA (INCRA) DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ASSENTAMENTOS (DD) COORDENAÇÃO-GERAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 44/09

PROJETO DE LEI N.º 44/09 PROJETO DE LEI N.º 44/09 Dispõe sobre a Política Municipal de Esporte e Lazer de Santa Bárbara d Oeste". A Câmara Municipal Santa Bárbara d Oeste decreta: CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º. - A Política

Leia mais

UNESP. ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL: conceitos e objetivos. Antonio Lázaro Sant Ana (Prof. Unesp Ilha Solteira) Abril de 2014

UNESP. ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL: conceitos e objetivos. Antonio Lázaro Sant Ana (Prof. Unesp Ilha Solteira) Abril de 2014 UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ILHA SOLTEIRA Disciplina Comunicação e Extensão Rural Curso de Agronomia ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL: conceitos e objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

2.2 Estruturar ação de oficina de integração com gestores, trabalhadores, usuários e familiares da RAPS, redes de saúde e rede intersetorial.

2.2 Estruturar ação de oficina de integração com gestores, trabalhadores, usuários e familiares da RAPS, redes de saúde e rede intersetorial. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. II Chamada para Seleção de Redes Visitantes

Leia mais

MINUTA EM CONSTRUÇÃO

MINUTA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO MINUTA EM CONSTRUÇÃO RESOLUÇÃO POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS E PROMOÇÃO DA IGUALDADE ÉTNICO-RACIAL Institui a Política de Ações Afirmativas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 73 (Edital RH088/08)

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 73 (Edital RH088/08) INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 73 (Edital RH088/08) 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Prestação de serviço de consultoria pessoa física para fornecer suporte

Leia mais

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A Assessoria de Planejamento (ASPLAN) está se dedicando à elaboração do Planejamento Estratégico da SEDESE. Este projeto surge como uma demanda do Secretário André Quintão para

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 5 09/02/2009 07:57 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.825, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Estabelece as diretrizes para elaboração do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/ CONTRATAÇÃO DE TÉCNICO EXTENSIONISTA

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/ CONTRATAÇÃO DE TÉCNICO EXTENSIONISTA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 - CONTRATAÇÃO DE TÉCNICO EXTENSIONISTA (Administração; Gestão Ambiental; Engenharia de produção; Engenharia de Alimentos ou Engenharia Agronômica) NO ÂMBITO DO PROJETO CTA/MDA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETOIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETOIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETOIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/MEC/DTI

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.825, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Estabelece as diretrizes para elaboração do Plano de Desenvolvimento dos Integrantes do Plano

Leia mais

FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO. Tropical Forest Conservation Act - TFCA TERMO DE REFERÊNCIA

FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO. Tropical Forest Conservation Act - TFCA TERMO DE REFERÊNCIA FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO Tropical Forest Conservation Act - TFCA TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVO: Contratação de serviços de consultoria para avaliação dos resultados alcançados pelo

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA4007 EDITAL Nº 02/2010 1. Perfil: 1 3. Qualificação educacional: Pós-graduação em Turismo, Administração ou Marketing 4. Experiência profissional:

Leia mais

Estudos sobre os. AHE Garabi e AHE Panambi. Reuniões sobre os Cadastros Socioeconômico e Imobiliário

Estudos sobre os. AHE Garabi e AHE Panambi. Reuniões sobre os Cadastros Socioeconômico e Imobiliário Estudos sobre os AHE Garabi e AHE Panambi Reuniões sobre os Cadastros Socioeconômico e Imobiliário Setembro/ Outubro de 2014. Tratado para Aproveitamento dos Recursos Hídricos Compartilhados dos Trechos

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito Lei nº 345, de 21 de agosto de 2013. Nesta data, 21 de agosto de 2013, SANCIONO a presente Lei. Francisco das Chagas de Oliveira Silva PREFEITO MUNICIPAL Institui o Conselho Municipal de Desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE TRABALHO OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS

PLANO DE TRABALHO OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS PLANO DE TRABALHO OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS 1 ÁREA DE CREDENCIAMENTO/SUBÁREA Área Planejamento Empresarial; Subáreas Planejamento Estratégico. 2 PROJETO/AÇÃO Linha

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 2 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 5 3. Objetivos... 5 4. Área

Leia mais

Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica. Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU)

Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica. Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU) Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU) Índice da Apresentação Lições aprendidas Projeto Proteção da Mata Atlântica II (2009 a 2012)

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM ESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL - 33

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM ESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL - 33 TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM ESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL - 33 N.º e Título do Projeto: Projeto OEI/BRA 09/002, Desenvolvimento de Processos Gerenciais e Operacionais no Ministério do Esporte

Leia mais

*2FF6B6EB* PROJETO DE LEI. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o , de 8 de outubro de 1975.

*2FF6B6EB* PROJETO DE LEI. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o , de 8 de outubro de 1975. ** PROJETO DE LEI Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o 76.403, de 8 de outubro de 1975. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei, tendo em vista o disposto no inciso

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 4 4. Área

Leia mais

DE PÓS-GRADUAÇÃO

DE PÓS-GRADUAÇÃO 6.2.2. DE PÓS-GRADUAÇÃO As áreas de abrangência da UFOB têm experimentado importante crescimento econômico e populacional nos últimos 30 anos, fato que tem ampliado significativamente a demanda por profissionais

Leia mais

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLU ÇÃO N 0212005 NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL 1)0 SESI - APROVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS - O PRESIDENTE DO DO SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO E TERMO DE REFERÊNCIA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO E TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE CONTRATAÇÃO E TERMO DE REFERÊNCIA O Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB) torna público o termo de referência para a contratação de consultor especializado para produzir informações

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

EDITAL Nº 06, DE 30 DE MAIO DE 2017 SELEÇÃO DE ESTUDANTES PARA ATUAR NO NÚCLEO DE PRÁTICAS EM GESTÃO

EDITAL Nº 06, DE 30 DE MAIO DE 2017 SELEÇÃO DE ESTUDANTES PARA ATUAR NO NÚCLEO DE PRÁTICAS EM GESTÃO EDITAL Nº 06, DE 30 DE MAIO DE 2017 SELEÇÃO DE ESTUDANTES PARA ATUAR NO A Coordenação do Curso de Administração da Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (FADIP), por meio do Núcleo de Práticas em Gestão,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE APOIO PEDAGÓGICO - 44

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE APOIO PEDAGÓGICO - 44 TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE APOIO PEDAGÓGICO - 44 N.º e Título do Projeto: Projeto OEI/BRA 09/002, Desenvolvimento de Processos Gerenciais e Operacionais no Ministério

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assistente Técnico Junior No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado com a Secretaria

Leia mais

RIPSA. Documento Básico

RIPSA. Documento Básico Governo do Estado da Bahia Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Rede Interagencial de Informação em Saúde no Estado da Bahia Ripsa- Bahia Oficina de Trabalho Interagencial (OTI) Documento Básico I. Introdução

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) TERMO DE REFERÊNCIA (TR) CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA PARA GESTÃO DE CONTEÚDO E MANUTENÇÃO DA PÁGINA WEB DINÂMICA PARA A II CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE IMPACTOS DAS VARIAÇÕES CLIMÁTICAS

Leia mais

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.311, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Altera a Portaria nº 2.866/GM/MS, de 2 de

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MATO GROSSO DO SUL (Neabi)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MATO GROSSO DO SUL (Neabi) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MATO GROSSO DO SUL (Neabi) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I)

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I) Identificação do Projeto OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I) Rede de Cooperação Técnica em Saúde da União de Nações

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL

PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL OUTUBRO/2009 Experiências de Conselhos e Planos Locais de Habitação

Leia mais

VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA. Universalização com Qualidade Rio de Janeiro -2012

VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA. Universalização com Qualidade Rio de Janeiro -2012 VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Universalização com Qualidade Rio de Janeiro -2012 VI SEMINARIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo

Leia mais

A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS

A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS Petrolina Pernambuco 09 a 11/04/2013 MARCOS TEMÁTICOS 1. Plano Estadual de Ação Conjunta em Agrotóxicos 2. Marco Legal: Revisão da Lei Estadual

Leia mais

1. DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: J.I. Serviços de Agronomia e de Consultoria as Atividades Agrícolas e Pecuárias LTDA.

1. DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: J.I. Serviços de Agronomia e de Consultoria as Atividades Agrícolas e Pecuárias LTDA. 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: J.I. Serviços de Agronomia e de Consultoria as Atividades Agrícolas e Pecuárias LTDA. Endereço: Rua das Mangueiras, Qd. 03 Lote 12 Bairro Amapá Agrópolis do INCRA Marabá Pará.

Leia mais

Programa Gestão Estratégica de Pessoas. Projeto Corporativo BNDES

Programa Gestão Estratégica de Pessoas. Projeto Corporativo BNDES Programa Gestão Estratégica de Pessoas Projeto Corporativo BNDES CONTEXTO Desafios novos e crescentes Produtividade 1950 1960 Infraestrutura Econômica - Siderurgia Indústrias de Base - Bens de Consumo

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

Mostra de Projetos Educação no Contexto de Segurança Pública

Mostra de Projetos Educação no Contexto de Segurança Pública Mostra de Projetos 2011 Educação no Contexto de Segurança Pública Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: (Campo

Leia mais

- Versão Preliminar -

- Versão Preliminar - COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CONSELHO DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DA CPLP DIRECTRIZES PARA FACILITAÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES DO ENSINO SUPERIOR - Versão Preliminar - Junho

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 010 CONSTRUÇAO DO MARCO ZERO E INDICADORES DE IMPACTO E RESULTADOS DO PCT

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 010 CONSTRUÇAO DO MARCO ZERO E INDICADORES DE IMPACTO E RESULTADOS DO PCT INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 010 CONSTRUÇAO DO MARCO ZERO E INDICADORES DE IMPACTO E RESULTADOS DO PCT 1 OBJETO DA CONSULTORIA Prestação de Serviços

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO Lato Sensu EM EXTENSÃO RURAL

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO Lato Sensu EM EXTENSÃO RURAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO Lato Sensu EM EXTENSÃO RURAL 1. Curso: Curso de Pós-Graduação em nível de ESPECIALIZAÇÃO em EXTENSÃO RURAL. 2. Justificativa O programa de Pós-graduação

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO ANEXO 1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO :: INFORMAÇÕES PRÉVIAS :: O projeto deve ser apresentado em, no máximo, 15 (quinze) páginas A4, incluindo anexos, com letra tipo Arial, tamanho 12; Todos os itens

Leia mais

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE 2009 PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE GESTORES AMBIENTAIS PNC/PR Elias Araujo Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Texto de apoio

Leia mais

5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL DE MINAS GERAIS MINUTA DE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I.

5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL DE MINAS GERAIS MINUTA DE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. MINUTA DE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - Este regimento tem como objetivo orientar a realização da 5ª Conferência Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (SANS)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - TOR/OEI/MEC/FNDE/DIPRO/

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO-GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural. Secretaria de Agricultura

Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural. Secretaria de Agricultura Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural Secretaria de Agricultura 6º Congresso de Educação Agrícola Superior e 51ª Reunião Anual da ABEAS A Sustentabilidade das Profissões da Área Rural e a Inovação

Leia mais

Projeto GCP/RLA/199/BRA: Fortalecimento do Setor Algodoeiro por meio da Cooperação Sul-Sul

Projeto GCP/RLA/199/BRA: Fortalecimento do Setor Algodoeiro por meio da Cooperação Sul-Sul Projeto GCP/RLA/199/BRA: Fortalecimento do Setor Algodoeiro por meio da Cooperação Sul-Sul Termos de Referência: ESPECIALISTA EM SISTEMATIZAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS (01 Consultor/a): CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

PROTOCOLO DE INTENÇÕES

PROTOCOLO DE INTENÇÕES PROTOCOLO DE INTENÇÕES PROTOCOLO DE INTENÇÕES QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, O INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA POR MEIO DE SUA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL

Leia mais

VERSÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO

VERSÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO VERSÃO 2014-2 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO ARACRUZ 2014 1. INTRODUÇÃO 1.1. Missão No intuito de fortalecer e promover uma educação de qualidade em que o discente é o principal protagonista, a

Leia mais

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome - 06-23-2016 Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome por Por Dentro da África - quinta-feira, junho 23,

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL PERNAMBUCO RELATÓRIO FINAL COMISSÃO EECUTIVA Pesqueira/PE Setembro/2011 1 IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ALIMENTAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.082, DE 2014 (Do Sr. Rogério Carvalho)

PROJETO DE LEI N.º 7.082, DE 2014 (Do Sr. Rogério Carvalho) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.082, DE 2014 (Do Sr. Rogério Carvalho) Altera a Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013 (Estatuto da Juventude), para instituir o Direito ao Empreendedorismo do

Leia mais

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Proteção Social para todos/as os/as brasileiros/as II Plano Decenal - 2016/2026 CARACTERÍSTICAS DOS PLANOS São técnicos e políticos;

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO -

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - 1. Número e Título do Projeto: BRA 09/004 - Aprimoramento

Leia mais

ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017

ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017 ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Contratualização de Resultados com o Terceiro Setor - OSCIP Desafios e Potencialidades: A Experiência de Minas Gerais

Contratualização de Resultados com o Terceiro Setor - OSCIP Desafios e Potencialidades: A Experiência de Minas Gerais Contratualização de Resultados com o Terceiro Setor - OSCIP Desafios e Potencialidades: A Experiência de Minas Gerais Renata Anício Bernardo Felipe Antônio Rocha Silva Frederico de Morais Andrade Coutinho

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NATAL ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA NATAL ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA NATAL ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR)

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Código: CDH -EC- 009 A presente Consultoria visa contratar serviços profissionais especializados

Leia mais

Brasil Sem Miséria RURAL

Brasil Sem Miséria RURAL Brasil Sem Miséria RURAL O desafio de acabar com a miséria Nos últimos anos, 28 milhões de brasileiros superaram a pobreza; Apesar disso, ainda há 16 milhões de pessoas extremamente pobres no Brasil; Para

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES Seminário em prol do Desenvolvimento Socioeconômico do Xingu Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES 16/06/2015 1 Atuação do BNDES no Entorno de Projetos A Política de Atuação no Entorno busca

Leia mais

Discussão participativa da revisão do PPAG para o exercício 2017

Discussão participativa da revisão do PPAG para o exercício 2017 Discussão participativa da revisão do PPAG 2016-2019 para o exercício 2017 EIXO: DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO TEMA: AGROPECUÁRIA E DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DE ESTADO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE GEAM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE GEAM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE- GEAM PROJETO I ENCONTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA UFPA: OS DEZ ANOS DO GRUPO DE ESTUDOS

Leia mais

Programa Territórios da Cidadania Norte - RJ

Programa Territórios da Cidadania Norte - RJ Programa Territórios da Cidadania Norte - RJ Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para Mulheres Rurais Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para Mulheres Rurais Meta: Projetos Apoiados: 1

Leia mais

Ministério da Integração Nacional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Ministério da Integração Nacional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional SISTEMA DE GESTÃO SGIB SISTEMA DE GESTÃO Decreto n o 5.995/2006 Decreto n o 6.365/2008 Conselho Gestor do SGIB 2º, art.

Leia mais

Políticas Corporativas

Políticas Corporativas 1 IDENTIFICAÇÃO Título: Restrições para Uso: POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Acesso Controle Livre Reservado Confidencial Controlada Não Controlada Em Revisão 2 - RESPONSÁVEIS Etapa Área Responsável

Leia mais