I CONGRESSO CABOVERDIANO DE GERONTOLOGIA E GERIATRIA POLÍTICAS SOCIAIS, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA. Dias 5 e 6, de outubro de 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I CONGRESSO CABOVERDIANO DE GERONTOLOGIA E GERIATRIA POLÍTICAS SOCIAIS, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA. Dias 5 e 6, de outubro de 2012"

Transcrição

1 I CONGRESSO CABOVERDIANO DE GERONTOLOGIA E GERIATRIA POLÍTICAS SOCIAIS, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Dias 5 e 6, de outubro de 2012 Assembleia Nacional Achada de Santo António Cidade da Praia Cabo Verde Conclusões Introdução O envelhecimento está associado à mudança na estrutura da população no que diz respeito ao aumento do número de anos de sobrevivência na velhice e à diminuição da população jovem. Em países onde a emigração da população jovem ativa se destaca, como é o caso de Cabo Verde, o envelhecimento demográfico está associado também à diminuição deste grupo nas estruturas etárias. Enquanto processo o envelhecimento faz parte do ciclo de vida dos seres humanos permitindo de acordo com as suas expectativas, desejos e capacidades, a realização do seu potencial e orientando-se no sentido de providenciar uma adequada proteção, saúde, segurança e cuidados às suas necessidades. A ideia é a de aumentar a qualidade de vida durante o envelhecimento e esta passa necessariamente pela promoção da participação no sentido do direito de pertença a uma dada sociedade. É neste registo teórico que este seminário se destacou. Pretendeu-se a partir da discussão e reflexão sobre o envelhecer situar um novo pensamento que significa também transformar o processo do envelhecimento não só como objeto do saber científico, compreendendo este não apenas pela sua visibilidade de aumento demográfico, mas também e principalmente, os olhares que revelam a atuação perante a construção social. 1

2 A longevidade, pela complexidade de temas que a envolvem, propõe o desenvolvimento de um saber que tenha em conta uma perspetiva multidisciplinar, cuja contextualização inerente à questão seja efetivamente destacada. A busca de estudos acadêmicos e técnicos sobre o fenômeno da longevidade sugere novas abordagens para orientar e fomentar as políticas públicas nas áreas económica, social, psicológica e, sobretudo, no campo da Saúde. Dentro deste contexto a Fundação Jorge Barreto Ribeiro e outras entidades da Sociedade Cabo Verdiana acreditam na integração de forças que envolvem as diferentes áreas do saber, geradoras de novos conhecimentos relativos ao envelhecimento humanizando e democratizando a sua aprendizagem. Objetivos do congresso: a) Sensibilizar a comunidade para o processo de envelhecimento em Cabo Verde; b) Refletir sobre as orientações das políticas sociais da saúde na área do envelhecimento; c) Promover o debate sobre o envelhecimento e qualidade de vida dos idosos; d) Analisar as boas práticas de intervenção na área da gerontologia; e) Enfatizar a importância da investigação na área da gerontologia e geriatria; f) Refletir sobre os determinantes do envelhecimento ativo nas dimensões biopsicossociais; g) Prevenir as doenças incapacitantes e desenvolver processos de reabilitação para o envelhecimento ótimo e promover hábitos de vida saudável; Desta forma o 1º Congresso de Gerontologia e de Geriatria integra-se no processo de desenvolvimento e de modernização de Cabo Verde. Destacou: a) a importância de desenvolver um pensamento proactivo e interdisciplinar no sentido de transformar o processo do envelhecimento em objeto do saber científico; b) a necessidade de intervenções substantivas e integradas para promover a qualidade de vida e o bem estar de todas as idades. 2

3 Desenvolveu-se a partir da ideia de potenciar as motivações e as oportunidades desenvolvimento sustentado respeito pelas diferenças e contextos. Assume o envelhecimento como um processo contínuo de crescimento e de desenvolvimento, relacionado com as experiências e expectativas dos sujeitos ciclo de vida - e com as possibilidades e desenvolvimento de determinada sociedade. Cabo Verde tem beneficiado nestes últimos 10 anos de um processo de desenvolvimento que tem contribuído para a modernização da sociedade. As Nações Unidas em 2008 integraram-no na categoria dos países em desenvolvimento. Para isso contribuíram: a estabilidade política, boa governação, modernização do Parlamento, direitos humanos, liberdade de imprensa, a participação, a justiça e a dimensão do género; o crescimento do produto nacional bruto e do PIB e o desenvolvimento de recursos de saúde e de ação social/ministérios/equipamentos sociais e serviços e pensões de reforma. Outros Indicadores da mudança destacam-se, nomeadamente: a) O aumento da população e aumento da esperança média de vida à nascença (homens 75 e mulheres 76 anos) com índice de fecundidade de cerca de 3 filhos por mulher em idade fértil; b) A população jovem com 60% de idades inferiores a 25 anos - as mulheres a representarem 51,6%; c) O fato de 40 % das mulheres assumir a função de chefe de família (questão de género); d) A percentagem crescente da população com idade igual ou superior a 60 anos tem aumentado 7,7%. Tendo em conta esta realidade faz todo o sentido abordar a questão do envelhecimento sob o ponto de vista social e da saúde. 3

4 Face ao exposto o 1ª congresso de Gerontologia e de Geriatria contribui para o debate da gerontologia e da geriatria onde foram assumidas as seguintes conclusões: 1 Importância da introdução do debate gerontológico na sociedade Cabo Verdiana; 2 As potencialidades da gerontologia para a modernização enquanto campo de: saber/conhecimento, profissional e educação/formação: a) Campo de saber multidisciplinar (envelhecimento não diz respeito só aos mais velhos) - Processo de envelhecimento, ciclo de vida, as pessoas mais velhas b) Campo profissional interdisciplinar (biologia, medicina, enfermagem reabilitação, psicologia, espiritualidade, apoio social, gestão de recursos sociais c) Educação formação breve (profissional) superior e ao longo da vida 3 O envelhecimento em Cabo Verde (aumento da população com 60 e mais anos na estrutura da população) desafia a sociedade e o governo para atuar preventivamente (dependência, pobreza, estereótipos negativos) 4 Aliar os capitais sociais e culturais e desenvolver políticas gerontológicas: a) Pensões de reforma e complementos b) Serviços sociais e de saúde (prevenção, acompanhamento de doenças crónicas, melhorar os ambientes e o acessibilidade) c) Medidas complementares: Lazer, educação ao longo da vida, academias sénior ou Universidade da Terceira Idade 5 - Importância das parcerias (informais ou formais) a) Entre as entidades internacionais, nacionais (ministérios), locais (autarquias) b) Públicas e privadas (Fundação e outras ongs) Aliar os saberes e as diferentes contribuições 6 - Estudar a realidade Compreender os idosos em Cabo Verde a) os padrões de velhice b) as necessidades sociais - contextos, representações e práticas solidão e isolamento c) a funcionalidade, dependência e o estado de saúde 4

5 7 - Potenciar a experiência existente e construir documentos (modos de atuação) a) Melhorar as normas e regras de funcionamento e de acesso aos serviços b) Indicadores de qualidade das respostas c) Linhas orientadoras da ação 8 - Formação de profissionais de gerontologia a) De prestadores de cuidados (sociais e de saúde) promover o auto-cuidado b) Cuidadores informais família e voluntários 9 - Desenvolver políticas ativas (participadas) e planos à medida dos resultados (questionar/envolver as pessoas idosas) a) Participação envolver os sujeitos e as organizações b) Realizar planos de atuação de acordo com a realidade 10 - Intervir de forma integrada: em rede (mobilização dos recursos) a) Onde as instituições sociais e de saúde estão envolvidas e se articulam b) Orientar a ação para a comunidade promoção da saúde c) Valorizar as dinâmicas intergeracionais 11 A gerontologia como um mercado de serviços e de emprego a) Formação e Turismo e Lazer b) Serviços de Apoio Domiciliário e espaços residenciais c) Melhoria da acessibilidade e transporte adaptado d) Produto para o idoso - Ajudas de apoio Cadeira rodas entre outras Em suma considerar os idosos como recursos direitos humanos - respeito, dignidade justiça social. Cabo Verde, 7 de Outubro de 2012 Maria Irene de Carvalho 5

O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento

O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento CATEGORIA AUTORIA JUNHO 15 Revisão de Dados Gabinete de Estudos e Literatura Científica Técnicos O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O

Leia mais

Programa de Residência Multiprofissional em Gerontologia

Programa de Residência Multiprofissional em Gerontologia Programa de Residência Multiprofissional em Gerontologia Cenário de Prática: No primeiro ano, o residente terá atuação na Proteção Especial e Atenção Especializada de Média e Alta Complexidade, em Unidade

Leia mais

Envelhecimento: um desafio ao futuro.

Envelhecimento: um desafio ao futuro. Envelhecimento: um desafio ao futuro Sílvia Portugal Sílvia Portugal sp@fe.uc.pt 1. De que falamos quando falamos de envelhecimento? 2. Os problemas 3. As respostas 4. Os desafios 1. De que falamos quando

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Mestrado

Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Mestrado Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Mestrado Estrutura do Programa: A proposta do Programa de Pós-graduação em Gerontologia foi idealizada com o intuito de abranger o envelhecimento nas suas diferentes

Leia mais

Envelhecimento Ativo: mudar o presente para ganhar o futuro

Envelhecimento Ativo: mudar o presente para ganhar o futuro Envelhecimento Ativo: mudar o presente para ganhar o futuro - Seminário_Murça- Paula Cruz 19 Outubro 2011 Missão da EAPN Portugal Defender os direitos humanos fundamentais e garantir que todos tenham as

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 605/XIII/2.ª

Projeto de Resolução n.º 605/XIII/2.ª Projeto de Resolução n.º 605/XIII/2.ª Recomenda ao Governo que promova, junto das instituições do ensino superior da área da saúde, a inclusão do estudo da Dor e da Geriatria nos respetivos programas curriculares

Leia mais

Políticas de Proteção à Pessoa Idosa

Políticas de Proteção à Pessoa Idosa Políticas de Proteção à Pessoa Idosa Maria Alice Nelli Machado Email.marialicemachado@ig.com.br O processo de envelhecimento traz conseqüências para os indivíduos, para as sociedades e para os Estados;

Leia mais

UPE Campus Petrolina. Obrigatória: ( X ) Eletiva: ( ) PROGRAMA DA DISCIPLINA

UPE Campus Petrolina. Obrigatória: ( X ) Eletiva: ( ) PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Enfermagem Disciplina: Cuidar de Enfermagem na Saúde do Idoso Carga Horária: 75h : 45h Prática: 30h Semestre: 2016.2 Professores: Flávia Emília Cavalcante

Leia mais

Mais e melhores empregos nos serviços de apoio domiciliário

Mais e melhores empregos nos serviços de apoio domiciliário Mais e melhores empregos nos serviços de apoio domiciliário Robert Anderson Seminário: Apoio domiciliário e trabalho doméstico: perspetivas de emprego 29 de novembro de 2013, Lisboa Panorâmica Os profissionais

Leia mais

Isolamento na Velhice

Isolamento na Velhice Isolamento na Velhice Grupo de Trabalho Fórum para a Governação Integrada 2014/2015 Coordenador: Mário Rui André Equipa: Carla Ribeirinho, Catarina Cruz, Isabel Vaz Pinto, Maria José Domingos, Maria Helena

Leia mais

Decisão n.º 940/2011/UE, de 14 de Setembro, do Parlamento Europeu e Conselho da União Europeia

Decisão n.º 940/2011/UE, de 14 de Setembro, do Parlamento Europeu e Conselho da União Europeia Decisão n.º 940/2011/UE, de 14 de Setembro, do Parlamento Europeu e Conselho da União Europeia SIMBOLOGIA DO LOGOTIPO DO AEEASG: Figuras Aproximação de gerações Seta: Cores: Olhar em frente Energia e o

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA

GRADE CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA GRADE CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LOGIA Disciplinas do primeiro período Créditos Requisitos Departamento 400084-Estudos Integrados sobre o núcleo Fundamentos da Gerontologia 2 (2T) 40008-Introdução

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA U MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM Disciplinas do primeiro período Créditos Requisitos Departamento 5014-Estudos Integrados sobre o núcleo Fundamentos da Gerontologia 2 (2T) 50120-Introdução

Leia mais

TRABALHOS APROVADOS PARA MODALIDADE: POSTER

TRABALHOS APROVADOS PARA MODALIDADE: POSTER TRABALHOS APROVADOS PARA MODALIDADE: POSTER 01 AS REPRESENTAÇÕES DE IDOSAS SOBRE SEUS CORPOS NO CONTEXTO DA VIDA COTIDIANA 02 ESTUDO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR COM AÇÕES VOLTADAS AO ENVELHECIMENTO

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados

Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados Unidade de Cuidados na Comunidade-1º Ano de Vida Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados Dilma Pereira Raquel Azevedo Enfermeiras Especialistas em Enfermagem Comunitária Projecto de Enfermagem

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE E DO BEM-ESTAR NO TRABALHO

PROMOÇÃO DA SAÚDE E DO BEM-ESTAR NO TRABALHO O início de atividades. 1983 2017 Em 1983, apesar de não obrigado legalmente, o Município criou o Serviço de Saúde Ocupacional e em 1986 foi criado o Serviço de Prevenção, Higiene e Segurança e Apoio Social

Leia mais

Técnicas de Animação Pedagógica. gica

Técnicas de Animação Pedagógica. gica Técnicas de Animação Pedagógica gica Educação SéniorS 1 A intervenção educativa com idosos deve incluir-se no quadro da educação de adultos. Idoso Adulto Segregação Categoria abrangente Áreas de Intervenção

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição)

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) Atendendo ao envelhecimento crescente a que se assiste a nível mundial, é imprescindível os cuidadores, formais e informais, dispensarem a formação neste

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DESCRIÇÃO 22/10/ :33

CARACTERIZAÇÃO DESCRIÇÃO 22/10/ :33 1 Registro 500022 Revisão 29/10/2010 Status Ativo Título PROGRAMA DE MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Data de início 05/03/2009 Previsão de término 10/12/2011 Data da última

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL (CLAS) Grupo de Trabalho Pessoas Idosas, Envelhecimento e Intergeracionalidade. ATA nº 1

CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL (CLAS) Grupo de Trabalho Pessoas Idosas, Envelhecimento e Intergeracionalidade. ATA nº 1 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL (CLAS) Grupo de Trabalho Pessoas Idosas, Envelhecimento e Intergeracionalidade ATA nº 1 Data: 24 de fevereiro de 2012 (sexta-feira) Local: Câmara Municipal de Peniche Hora

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE CUIDADO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA

GUIA PRÁTICO DE CUIDADO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA GUIA PRÁTICO DE CUIDADO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA Isabela Dantas Torres de Araújo; Grasiela Piuvezam; Vilani Medeiros de Araújo Nunes. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, isabeladta@gmail.com; gpiuvezam@yahoo.com.br;

Leia mais

Região do Médio Tejo. Características e Desafios

Região do Médio Tejo. Características e Desafios Região do Médio Tejo Características e Desafios 09 março 2015 A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Território e Municípios A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Atribuições e Competências das

Leia mais

Grupo de Trabalho: Pessoas idosas, envelhecimento e intergeracionalidade

Grupo de Trabalho: Pessoas idosas, envelhecimento e intergeracionalidade Grupo de Trabalho: Pessoas idosas, envelhecimento e intergeracionalidade Baltazar Ricardo Monteiro Abril, 16, 2013 Sumário 1 2 3 4 5 6 Transição demográfica: o que está a ocorrer no Concelho de Peniche?

Leia mais

Conferência Internacional Estudos dos Idosos: Envelhecimento Ativo e Educação. UALG, 24 de maio de 2013

Conferência Internacional Estudos dos Idosos: Envelhecimento Ativo e Educação. UALG, 24 de maio de 2013 Conferência Internacional Estudos dos Idosos: Envelhecimento Ativo e Educação UALG, 24 de maio de 2013 ÍNDICE Introdução 1. Contexto e objetivos da formação pós-graduada em Gerontologia Social (GS) 2.

Leia mais

Escola de Artes, Ciências e Humanidades

Escola de Artes, Ciências e Humanidades Bacharelado em Gerontologia Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Coordenação 2009-2011: Mônica Sanches Yassuda Marisa Accioly Domingues Inaugurada em fevereiro de 2005. Objetivos:

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto!

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL 1 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL (EDL) A EDL incide em traços gerais nas seguintes problemáticas: Acesso

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus Gerontologia Social 08/09 Unidade Curricular: Gerontologia I

Escola Superior de Educação João de Deus Gerontologia Social 08/09 Unidade Curricular: Gerontologia I Escola Superior de Educação João de Deus Gerontologia Social 08/09 Unidade Curricular: Gerontologia I Docente: Doutor Joaquim Marujo Discente: Maria Inês Santos n.º11 Sumário: 1. Envelhecimento Populacional

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PEDAGOGIA NA PROMOÇÃO DE SAÚDE EM UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VOLTADO AO ATENDIMENTO DE ADULTOS E IDOSOS

A CONTRIBUIÇÃO DA PEDAGOGIA NA PROMOÇÃO DE SAÚDE EM UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VOLTADO AO ATENDIMENTO DE ADULTOS E IDOSOS A CONTRIBUIÇÃO DA PEDAGOGIA NA PROMOÇÃO DE SAÚDE EM UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VOLTADO AO ATENDIMENTO DE ADULTOS E IDOSOS Eixo-temático: Inclusão, Direitos Humanos e Interculturalidade Autora

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Apresentação realizada para a Rede Social de Lisboa Plataforma para a Área do Envelhecimento Zona Norte www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt

Leia mais

Temos, por isso, um longo histórico de contributos em prol do progresso e desenvolvimento de Portugal.

Temos, por isso, um longo histórico de contributos em prol do progresso e desenvolvimento de Portugal. Conferência Envelhecimento Ativo Uma prioridade para Portugal Centro Cultural de Belém, Lisboa, 7 de junho de 2017 Intervenção do Presidente da CIP, António Saraiva Exmo. Senhor Provedor da Santa Casa

Leia mais

O lugar dos idosos em Portugal e no mundo

O lugar dos idosos em Portugal e no mundo O lugar dos idosos em Portugal e no mundo Paulo Machado * Janus 2003 Em Abril de 2002 realizou-se em Madrid a II Assembleia Mundial sobre o Envelhecimento. O envelhecimento da população levanta questões

Leia mais

Estrutura FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL Sandra Almeida Área de Integração

Estrutura FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL Sandra Almeida Área de Integração Estrutura FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL Sandra Almeida 21115 Área de Integração 1 CONCEITO DE FAMÍLIA 2 3 RELAÇÕES DE PARENTESCO ESTRUTURAS FAMILIARES/MODELOS DE FAMÍLIA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA 4 5 FUNÇÕES

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Mestrado

Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Mestrado Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Mestrado Estrutura do Programa: A proposta do Programa de Pós-graduação em Gerontologia foi idealizada com o intuito de abranger o envelhecimento nas suas diferentes

Leia mais

Valorizamos o nascer e o pôr-do-sol, dando ênfase ao seu conforto e bem-estar.

Valorizamos o nascer e o pôr-do-sol, dando ênfase ao seu conforto e bem-estar. RELATÓRIO DE ATIVIDADES Área da Terceira Idade Valorizamos o nascer e o pôr-do-sol, dando ênfase ao seu conforto e bem-estar. O ano de 2014 foi um ano de grandes transformações sociais e económicas. A

Leia mais

Os idosos são desafiados a viver sob condições para as quais não estavam acostumados

Os idosos são desafiados a viver sob condições para as quais não estavam acostumados A VALORIZAÇÃO DA VELHICE NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA: UMA QUESTÃO PARA QUEM? Graciela Serra Lopes Os idosos são desafiados a viver sob condições para as quais não estavam acostumados As mudanças do

Leia mais

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone PLANO DE AÇÃO 2017 NOTA PRÉVIA Decorrente do processo de atualização do diagnóstico social e do plano de desenvolvimento social, da Rede Social do Concelho de Nisa e numa perspetiva de continuidade em

Leia mais

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES - JUSTIFICAÇÃO Aumento da Esperança Média de Vida associa-se a: Prevalência de doenças crónicas; Custos na saúde. Inatividade Física

Leia mais

Na União Europeia e países europeus (I):

Na União Europeia e países europeus (I): O princípio da CPD diz-nos que as políticas nos vários setores devem contribuir ativamente para os objetivos de luta contra a pobreza e de promoção do desenvolvimento ou, pelo menos, não prejudicarem esses

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM GERONTOLOGIA 3.ª Edição

CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM GERONTOLOGIA 3.ª Edição CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM GERONTOLOGIA 3.ª Edição Entidade Promotora: Universidade Aberta Unidade para a Aprendizagem ao Longo da Vida Início: 2018 ECTS / Horas: 6 ECTS / 156 Horas / 12 Semanas Formadores:

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Apresentação realizada para a Rede Social de Lisboa Plataforma para a Área do Envelhecimento Zona Oriental www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM GERONTOLOGIA 2.ª Edição

CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM GERONTOLOGIA 2.ª Edição CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM GERONTOLOGIA 2.ª Edição Entidade Promotora: Universidade Aberta Unidade para a Aprendizagem ao Longo da Vida Início: 2017 ECTS / Horas: 6 ECTS / 156 Horas / 12 Semanas Formadores:

Leia mais

Envelhecimento ativo. O envelhecimento ativo foi definido pela Organização Mundial de Saúde (WHO,

Envelhecimento ativo. O envelhecimento ativo foi definido pela Organização Mundial de Saúde (WHO, Envelhecimento ativo O envelhecimento ativo foi definido pela Organização Mundial de Saúde (WHO, 2002), como o processo de otimização das oportunidades de saúde, participação e segurança, com o objetivo

Leia mais

PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS: AS ÚLTIMAS DÉCADAS Cláudia Pina, Graça Magalhães

PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS: AS ÚLTIMAS DÉCADAS Cláudia Pina, Graça Magalhães Cláudia Pina, Graça Magalhães A desaceleração do crescimento demográfico e, mais recentemente, o decréscimo dos volumes populacionais a par com um continuado processo de envelhecimento demográfico consubstanciam

Leia mais

Idade vsriscos Psicossociais. Como actuar?

Idade vsriscos Psicossociais. Como actuar? Idade vsriscos Psicossociais. Como actuar? VI JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA AEVA Idade vs Riscos Psicossociais. Como actuar? Competitividade -Produtividade Competitividade Produtividade

Leia mais

Ser Representante OldCare

Ser Representante OldCare Ser Representante OldCare Modelo de Investimento OldCare OldCarePartner A OldCare é uma empresa portuguesa de prestação de serviços e cuidados na área da gerontologia, saúde e envelhecimento, a trabalhar

Leia mais

Fundos Europeus Estruturais e de Investimento

Fundos Europeus Estruturais e de Investimento GOVERNO DE MINISTERIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Fundos Europeus Estruturais e de Investimento FEEI 20142020 FEEI 2014 2020 C C )V hrn() Prioridades nacionais transversais: Promoção Prioridade

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fragoso 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fragoso

Leia mais

Nos últimos sete anos, a população reduziu-se em 264 mil pessoas

Nos últimos sete anos, a população reduziu-se em 264 mil pessoas Estimativas de População Residente em Portugal 216 16 de junho de 217 Nos últimos sete anos, a população reduziu-se em 264 mil pessoas Em 31 de dezembro de 216, a população residente em Portugal foi estimada

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS. Prof. Dr. Helio Furtado

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS. Prof. Dr. Helio Furtado POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS Prof. Dr. Helio Furtado POLÍTICAS PÚBLICAS O aumento da longevidade e o rápido crescimento do peso relativo da população idosa, aliados às deficiências no sistema público

Leia mais

IDOSOS DO BRASIL ESTADO DA ARTE E DESAFIOS

IDOSOS DO BRASIL ESTADO DA ARTE E DESAFIOS IDOSOS DO BRASIL ESTADO DA ARTE E DESAFIOS IV SEMINÁRIO FISIOLOGIA E FISIOPATOLOGIA DO ENVELHECIMENTO A SENESCÊNCIA E A PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL Wilson Jacob Filho Disciplina de Geriatria FMUSP

Leia mais

PROVEDOR DO IDOSO PROTOCOLO

PROVEDOR DO IDOSO PROTOCOLO PROVEDOR DO IDOSO PROTOCOLO As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa e que se traduzem num envelhecimento populacional, coloca às instituições, às famílias e à comunidade

Leia mais

Isolamento e Solidão No envelhecimento

Isolamento e Solidão No envelhecimento Isolamento e Solidão No envelhecimento Associação dos Lares ferroviários Entroncamento, 9 de Setembro de 2011 Doutor Adelino Antunes adelinoantunes@live.com.pt Uma Velha história De guardião da sabedoria

Leia mais

PECP Programa Einstein na Comunidade de Paraisopolis. Lidio Moreira

PECP Programa Einstein na Comunidade de Paraisopolis. Lidio Moreira PECP Programa Einstein na Comunidade de Paraisopolis Lidio Moreira 1. Estrutura Organizacional SBIBAE SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN Dept. de Voluntários I I R S INSTITUTO ISRAELITA

Leia mais

Memórias de uma Vida

Memórias de uma Vida Secretaria Municipal de Saúde Pouso Novo RS GRUPO DE IDOSOS: Memórias de uma Vida Nutricionista Lilia Heck Gonçalves Fisioterapeuta Renate Scherer Brandt Agosto/2014 Município de Pouso Novo-RS Localização:

Leia mais

DESAFIOS DO ENVELHECIMENTO. A Sociedade e o Envelhecimento. César Fonseca

DESAFIOS DO ENVELHECIMENTO. A Sociedade e o Envelhecimento. César Fonseca DESAFIOS DO ENVELHECIMENTO A Sociedade e o Envelhecimento César Fonseca O Envelhecimento Demográfico O Envelhecimento Demográfico define-se pelo aumento da proporção das pessoas idosas na população total.

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017 Psicólogas do Externato Pré-Escolar Vera Almeida 1º Ciclo Vera Almeida 2º Ciclo Manuela Pires 3º Ciclo Irene Cardoso Ensino Secundário

Leia mais

Impacto da falta de recursos no cuidador. Cristina Campos Psicóloga Carlos Filipe Correia Psicólogo

Impacto da falta de recursos no cuidador. Cristina Campos Psicóloga Carlos Filipe Correia Psicólogo Impacto da falta de recursos no cuidador Cristina Campos Psicóloga Carlos Filipe Correia Psicólogo Novos desafios Aumento da esperança de vida Envelhecimento demográfico Esfera socioeconómica Família Sociedade

Leia mais

População residente em Portugal volta a diminuir em 2012

População residente em Portugal volta a diminuir em 2012 9 95 29 9 954 958 9 974 391 1 8 659 1 43 693 1 84 196 1 133 758 1 186 634 1 249 22 1 33 774 1 394 669 1 444 592 1 473 5 1 494 672 1 511 988 1 532 588 1 553 339 1 563 14 1 573 479 1 572 721 1 542 398 1

Leia mais

Missão, Visão, Valores e Objetivos Estratégicos NOTA INTRODUTÓRIA

Missão, Visão, Valores e Objetivos Estratégicos NOTA INTRODUTÓRIA NOTA INTRODUTÓRIA A definição da Missão, da Visão, dos Valores e dos Objetivos Estratégicos da Câmara Municipal de Câmara de Lobos, tem como escopo estabelecer a direção estratégica que o Município deverá

Leia mais

Número de nados vivos volta a diminuir em 2012

Número de nados vivos volta a diminuir em 2012 Estatísticas Demográficas 29 de outubro de 2013 Número de nados vivos volta a diminuir em O número de nados vivos desceu para 89 841 (96 856 em 2011) e o número de óbitos aumentou para 107 612 (102 848

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

Trabalhamos para a manutenção da sua autonomia!

Trabalhamos para a manutenção da sua autonomia! mais Cuidado Cuidados domiciliários com a maior cobertura do país Fazemos mais por Si, pela sua Saúde e pelo seu Bem-estar! Trabalhamos para a manutenção da sua autonomia! A OldCare... A OldCare é uma

Leia mais

Perspectivas da promoção da saúde: políticas e gestão U N I V E R S I D A D E COMUNITÁ R I A DA REGIÃO DE CHAPECÓ ( U N O C H A P E C Ó )

Perspectivas da promoção da saúde: políticas e gestão U N I V E R S I D A D E COMUNITÁ R I A DA REGIÃO DE CHAPECÓ ( U N O C H A P E C Ó ) Perspectivas da promoção da saúde: políticas e gestão MARIA ELISABETH KLEBA U N I V E R S I D A D E COMUNITÁ R I A DA REGIÃO DE CHAPECÓ ( U N O C H A P E C Ó ) Pontos para refletir Sobre saúde e o Sistema

Leia mais

Modelo de Apoio à Mestria do Cuidador Informal (MAMCI) em contexto clínico: da implementação à avaliação

Modelo de Apoio à Mestria do Cuidador Informal (MAMCI) em contexto clínico: da implementação à avaliação Modelo de Apoio à Mestria do Cuidador Informal (MAMCI) em contexto clínico: da implementação à avaliação Unidade de Saúde de Ilha São Miguel Centro Saúde Ponta Delgada Unidade Cuidados Domiciliários Centro

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO DE APOIO AO DOMICÍLIO

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO DE APOIO AO DOMICÍLIO PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO DE APOIO AO DOMICÍLIO Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida,

Leia mais

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007)

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007) O Centro Social Padre Tomás D Aquino Vaz de Azevedo (CSPTAVA) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que desenvolve a sua actividade na área do apoio à Terceira Idade nas valências de Lar

Leia mais

Retratos sociais para um futuro humano Envelhecimento Humano

Retratos sociais para um futuro humano Envelhecimento Humano Retratos sociais para um futuro humano Desenvolvimento humano e social regional O idoso e os novos desafios comuns Liliana Sousa Daniela Figueiredo Universidade de Aveiro Envelhecimento Humano Problema

Leia mais

Demografia e Perspectiva Económica

Demografia e Perspectiva Económica Demografia e Perspectiva Económica Elementos para uma análise de reciprocidade em Portugal e na Europa III CONGRESSO PORTUGUÊS DE DEMOGRAFIA. 2008 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Demografia População Recursos

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA FUNDAMENTAÇÃO DA ÁREA CIENTÍFICA DE ORTOPROTESIA LISBOA ABRIL DE 2011 1 ENQUADRAMENTO A Ortoprotesia é uma área cientifica

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO PLANO DE CURSO

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO Código: ENF-220 Pré-requisito: - ENF

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS SEGURANÇA SOCIAL SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS Continente e Regiões Autónomas SETEMBRO/2017 Direção-Geral da Segurança Social Instituto de Informática, I.P. Í NDICE PÁGINA Pirâmide etária da população residente

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Cidade da Praia, 25 de Outubro de Senhor Presidente da Câmara dos Deputados do Luxemburgo, Mars de Bartolomeo,

ASSEMBLEIA NACIONAL. Cidade da Praia, 25 de Outubro de Senhor Presidente da Câmara dos Deputados do Luxemburgo, Mars de Bartolomeo, ASSEMBLEIA NACIONAL Discurso do Presidente da Assembleia Nacional, Engº Jorge Santos, na Sessão Plenária de Boas Vindas, ao Presidente da Câmara dos Deputados do Luxemburgo, Mars de Bartolomeo Cidade da

Leia mais

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos Portugal 198-1: Retrato Económico e Social em gráficos E.E.F. Mercados Financeiros Setembro 15 Perante o processo de ajustamento efectuado nos últimos quatro anos, é nosso propósito mostrar e realçar que

Leia mais

Rio de Janeiro, 30 de novembro de 2015.

Rio de Janeiro, 30 de novembro de 2015. Rio de Janeiro, 30 de novembro de 2015. Ofício 025DG/2015 Prezado presidente do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional COFFITO, MD Sr. Roberto Mattar Cepeda A Sociedade Brasileira de Geriatria

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Índice Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Introdução O objetivo do Plano de Atividades da CPCJ de Boticas para 2016 é planear as atividades, procurando manter,

Leia mais

XVII Fórum de Apoio ao Doente Reumático

XVII Fórum de Apoio ao Doente Reumático XVII Fórum de Apoio ao Doente Reumático Envelhecimento e Doenças Reumáticas 10 de Outubro de 2014 Auditório da Associação Nacional de Farmácias - Lisboa Impacto social do envelhecimento Isolamento e dependência

Leia mais

Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal

Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal José Rebelo dos Santos ESCE / IPS jose.rebelo@esce.ips.pt Lisboa, 7 de outubro de 2016 Sumário: Objetivos Contextualização do desemprego

Leia mais

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS 1.1. A população: evolução e diferenças regionais 1.1.1. A evolução da população na 2ª metade do século XX Preparação para exame nacional Geografia A 1/8 Síntese: Evolução demográfica da população portuguesa

Leia mais

Referencial de Educação para a Saúde

Referencial de Educação para a Saúde www.nutrimento.pt Referencial de Educação para a Saúde Para que serve? É uma ferramenta educativa que pode ser adaptada, desde a educação pré-escolar ao ensino secundário, por todas as instituições que

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE.

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. CARLA CARVALHO HORN IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. Dissertação de Mestrado em Gerontologia Biomédica Para a obtenção do

Leia mais

Continente e Regiões Autónomas. Agosto/2014. Instituto de Informática, I.P.

Continente e Regiões Autónomas. Agosto/2014. Instituto de Informática, I.P. SEGURANÇA SOCIAL Continente e Regiões Autónomas Agosto/2014 Direção-Geral da Segurança Social Instituto de Informática, I.P. Í NDICE PÁGINA Pirâmide etária da população residente em e 2060 3 Alguns indicadores

Leia mais

Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI)

Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI) RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO SETORIAL PARA A SAÚDE DO SISTEMA PORTUGUÊS DA QUALIDADE CS/09 (REC CS09/01/2014) Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI) Contexto O número de

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS... 7

ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS... 7 1 BoPS Matosinhos ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 Governância... 5 Pacto de Autarcas... 5 Referências de Excelência... 6 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS...

Leia mais

QUEM SOMOS GD - ENFERMAGEM AC- CIÊNCIAS DA SAÚDE

QUEM SOMOS GD - ENFERMAGEM AC- CIÊNCIAS DA SAÚDE QUEM SOMOS GD - ENFERMAGEM AC- CIÊNCIAS DA SAÚDE ESS Escola Superior de Saúde ESA Escola Superior Agrária ESDL Escola de Desporto e Lazer ESE Escola Superior de Educação 1ªs Jornadas Técnico-Científicas

Leia mais

Transição demográfica

Transição demográfica Transição demográfica u Teoria da transição demográfica foi proposta considerando-se as relações entre crescimento populacional e desenvolvimento socioeconômico. u O desenvolvimento econômico e a modernização

Leia mais

DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social

DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social ADILO PLANO DE AÇÃO CLDS 3G Lordelo do Ouro e Massarelos DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social 2016-2018 Eixo de Intervenção Objetivos Gerais por Eixo de Intervenção N.º Objetivo Descrição

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

Hospital Geral de São Mateus

Hospital Geral de São Mateus Hospital Geral de São Mateus Projeto Referência Hospital Amigo do Idoso Perfil Instituição Hospital Geral, de caráter público, subordinado a Secretaria de Estado da Saúde, da administração direta, com

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

DIA INTERNACIONAL DO IDOSO

DIA INTERNACIONAL DO IDOSO Dia Internacional do Idoso 2005 28 de Setembro de 2005 DIA INTERNACIONAL DO IDOSO A Assembleia Geral das Nações Unidas designou o dia 1 de Outubro como Dia Internacional do Idoso, pela resolução 45/106

Leia mais

ACOLHER, REPARAR E PROMOVER

ACOLHER, REPARAR E PROMOVER GESTÃO E ORGANIZAÇÃO INTERNA Planificação e organização; Elaboração do Plano Anual de Atividades 2016-2017; Definição de calendário de reuniões ordinárias 2016-2017: EE (mensal); ET (semanal), Funcionários

Leia mais

Plano de Trabalho Rede Social de Torres Vedras

Plano de Trabalho Rede Social de Torres Vedras Objectivo Geral: Adequar a formação dos desempregados do concelho de Torres Vedras às necessidades do tecido empresarial Objectivo Específico: Até Março de 2011 conhecer as necessidades do tecido empresarial

Leia mais