1. Matriz de compatibilização das classes de espaço dos Planos Directores Municipais com as Classes de Espaço propostas pelo POOC.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Matriz de compatibilização das classes de espaço dos Planos Directores Municipais com as Classes de Espaço propostas pelo POOC."

Transcrição

1 Lista de quadros 1. Matriz de compatibilização das classes de espaço dos Planos Directores Municipais com as Classes de Espaço propostas pelo. 2. UOPG do : Correspondência entre classes de espaço (/PDM). 3. Parâmetros urbanísticos para Espaços de Urbanização Programada. ANEXO IV COMPATIBILIZAÇÃO ENTRE AS CLASSES DE DO E DOS PDM. SOLO URBANO, SOLO RURAL E UOPG (REV. 01 / ) 1

2 Quadro 1 - Matriz de compatibilização das classes de espaço dos Planos Directores Municipais com as Classes de Espaço propostas pelo (Solo Urbano) CATEGORIAS DE CLASSE DE S URBANIZADOS CONSOLIDADOS S URBANIZADOS S TURÍSTICOS S INDUSTRIAIS EXISTENTES NO INTERIOR DO PERÍMETRO URBANO S DE URBANIZAÇÃO PROGRAMADA PLANOS DIRECTORES MUNICIPAIS VILA REAL LOULÉ FARO OLHÃO TAVIRA CASTRO MARIM DE STº ANTÓNIO Esp. Urb. Histórico Esp. Urb. Estruturantes Espaços Urbanos Espaços Urbanos não Estruturantes Área verde de Protecção Espaço de Equip. e de Serviços Áreas Urbano-Turísticas Área de Aptidão Turís- Zonas de Ocupação Tu- Zonas de Ocupação Tu- Zonas Turísticas de tica rística rística expansão Núcleo de Desenvolvi- Área de Aptidão Turís- Área de Aptidão Turísmento Turístico tica tica Espaços Urbanizáveis para fins Industriais Espaços Urbanizáveis de Espaços Urbanizáveis de Espaços Urbanizáveis Espaços Urbanizáveis Zonas de Expansão Expansão Habitação de Expansão Áreas de Reconversão Espaços Urbanizáveis a Espaços Urbanizáveis a Urbanística Reestruturar Reestruturar Espaço Urbanizável para Fins Turísticos Espaços Urbanizáveis Espaços Urbanizáveis para para fins Com. e Ind. fins Com. e Ind. Verde Urbano de Protecção ANEXO IV COMPATIBILIZAÇÃO ENTRE AS CLASSES DE DO E DOS PDM. SOLO URBANO, SOLO RURAL E UOPG (REV. 01 / ) 2

3 Quadro 1- Matriz de compatibilização das classes de espaço dos Planos Directores Municipais com as Classes de Espaço propostas pelo (Solo Rural) CLASSE DE S NATURAIS S FLORESTAIS DE PROTECÇÃO S AGRÍCOLAS S EDIFICADOS A REESTRUTURAR PLANOS DIRECTORES MUNICIPAIS CATEGORIAS DE LOULÉ FARO OLHÃO TAVIRA CASTRO MARIM Faixa Marítima de Protecção Praias Dunas S NATURAIS: S NATURAIS: S S DE PROTECÇÃO NATURAIS: NATURAL E PAISAGÍSTICA: S NATURAIS: Arribas, Taludes e Zona Parque Natural da Ria Grau I - Áreas de REN Adjacente Formosa Áreas de Protecção Natural Grau I Espaço Lagunar Grau IV Parque Natural Parque Natural da Ria da Ria Formosa Formosa Zonas Húmidas Áreas de Protecção e Áreas de Protecção e Valorização Valorização Áreas de Enquadramento S CULTURAIS S CULTURAIS Grau IV Linhas de Água e Linhas de água Linhas de água Margens Leitos dos Cursos de Água S FLORESTAIS: De Protecção S AGRÍCOLAS: S AGRÍCOLAS: S S AGRÍCOLAS: Áreas Agrícolas Áreas de RAN AGRÍCOLAS: Indiscriminado Preferenciais Áreas de Agricultura Indiscriminado Condicionado II Áreas Agrícolas Condicionada II Condicionado II Condicionadas I Esp. Lag. Edif. (I) Espaços Lagunares Esp. Lag. Edif. (II) Edificados VILA REAL DE STº ANTÓNIO S DE PROTEÇÃO: Grau I - Praias e dunas Grau III - Arribas, Leitos e Margens, Declives S NATURAIS: Grau II - Zonas Sensíveis da Mata PRODUÇÃO AGRÍCOLA: Agrícola I e II Nota 1: Esta matriz traduz a metodologia genérica de trabalho, não constituindo uma sistematização exaustiva da sobreposição entre o e os PDM. Nota 2: As células fechadas nas colunas das Classes de Espaço dos PDM, com o texto a negrito, traduzem uma correspondência directa entre as Categorias do e dos PDM; as restantes correspondem a situações de afinação em função de critérios morfológicos, de uso do solo e de enquadramento. ANEXO IV COMPATIBILIZAÇÃO ENTRE AS CLASSES DE DO E DOS PDM. SOLO URBANO, SOLO RURAL E UOPG (REV. 01 / ) 3

4 Quadro 1- Matriz de compatibilização das classes de espaço dos Planos Directores Municipais com as Classes de Espaço propostas pelo (Espaços de Equipamento/Serviços/Infraestruturas) CLASSE DE CATEGORIAS DE S DE EQUIPAMENTO/SER- VIÇOS/ INFRAESTRUTURAS PLANOS DIRECTORES MUNICIPAIS LOULÉ FARO OLHÃO TAVIRA CASTRO MARIM Espaços de Equipamento Espaços de Doca de Recreio e Doca de e Serviços Equipamento pesca Parque de Campismo e Serviços Parque de Campismo Parque de Campismo VILA REAL DE STº ANTÓNIO Parque de Campismo ANEXO IV COMPATIBILIZAÇÃO ENTRE AS CLASSES DE DO E DOS PDM. SOLO URBANO, SOLO RURAL E UOPG (REV. 01 / ) 4

5 Quadro 2 - UOPG do : correspondência entre classes de espaço (/PDM) Concelhos PDM s Loulé U.O.P.G I - Quarteira Espaços naturais - Reserva Ecológica Praia Nacional Espaços Turísticos Área urbano-turística Espaços de Área degradada de Equipamento, Serviços e Infraestruturas reconversão urbanística U.O.P.G II Vale do Espaços Turísticos Áreas urbano-turísticas Lobo Áreas de verde urbano Áreas de equipado Enquadramento Faro U.O.P.G III Ilha de Faro U.O.P.G IV Núcleo da Culatra Arribas, Taludes e Zona Adjacente Praia Faixas de protecção em litoral de arriba Espaço de produção agrícola Espaços edificados a reestruturar Espaços edificados a renaturalizar Espaço edificado a reestruturar Reserva Ecológica Nacional Reserva Ecológica Nacional Áreas urbano-turísticas Áreas de verde urbano equipado PNRF Espaços lagunares edificados Praia de Faro na península do Ancão Equipamentos, Serviços e Infraestruturas Parque de campismo PNRF Espaços lagunares edificados no DPM Praia de Faro na península do Ancão Núcleo dos Pescadores da Culatra ANEXO IV COMPATIBILIZAÇÃO ENTRE AS CLASSES DE DO E DOS PDM. SOLO URBANO, SOLO RURAL E UOPG (REV. 01 / ) 5

6 Quadro 2 - UOPG do : correspondência entre classes de espaço (/PDM) (continuação) Concelhos PDM s Olhão U.O.P.G V Núcleo da Espaço lagunar Armona edificado Espaços edificados a Equipamentos, reestruturar Serviços, e Infraestruturas Parque de Campismo Espaços edificados a Espaços naturais - renaturalizar PNRF Tavira U.O.P.G VI Quatro Águas Vila Real U.O.P.G VII Cacela / de Santo Fábrica António Castro U.O.P.G VIII Verde Marim Lago Espaço Turístico Áreas de protecção Espaço Lagunar natural Dunas Espaços urbanos Área urbana / Aglomerado Rural Dunas Espaço naturais Protecção Arribas, Taludes e Zona Adjacente Espaço Lagunar Espaços Turísticos Área verde de protecção Vila Real de Santo António U.O.P.G IX Faixa litoral de Monte Gordo Espaços naturais de grau IV (orla costeira) Faixas de protecção em litoral baixo e arenoso faixa contendo edifício dunar frontal estabelecido e activo Espaços urbanizáveis Área urbana / Aglomerado rural Espaços naturais - - Praia ANEXO IV COMPATIBILIZAÇÃO ENTRE AS CLASSES DE DO E DOS PDM. SOLO URBANO, SOLO RURAL E UOPG (REV. 01 / ) 6

7 Quadro 3 - Parâmetros urbanísticos aplicáveis nos Espaços de Urbanização Programada na Área de Intervenção do Concelho Localização Parâmetros urbanísticos propostos pelo Loulé Nascente de Quarteira - Índice máximo de construção = nº máx. de pisos = 3 - Cércea máx. = 10 m Olhão Mato Joinal - índice máximo de construção = 0.4 Torrejão - Índice máximo de construção = 0.4 Bela Mandil - Índice máximo de construção = 0.4 Olhão Nascente - Índice máximo de construção = 0.4 Marim Norte - Índice máximo de construção = 0.03 (1+60%) Marim Sul - Índice máximo de construção = 0.4 Quatrim do sul (área norte) - Índice máximo de construção = 0.03 (1+60%) Olhão (Continuação) Quatrim do sul (área sul) - Índice máximo de construção = 0.4 Murteira - Índice máximo de construção = 0.4 Bias do Sul - Índice máximo de construção = 0.03 (1+60%) Fuseta - Índice máximo de construção = nº máx. de pisos = 3 - Cércea máx. = 9,5 m

8 Quadro 3 - Parâmetros urbanísticos aplicáveis nos Espaços de Urbanização Programada na Área de Intervenção do Concelho Localização Parâmetros urbanísticos propostos pelo Tavira Vila Real de Santo António Pinheiro - Índice máximo de construção = 0.3 (1+ 60% do piso inferior) Santa Luzia Poente - Índice máximo de construção = 0.3 (1+ 60% do piso inferior) Santa Luzia Nascente - Índice máximo de construção = nº máx. de pisos = 3 (2+ 60% do piso inferior) - Cércea máx. = 9,5 m Tavira - Índice máximo de construção = 1,2 - nº máx. de pisos = 3 - Cércea máx. = 9,5 m Cabanas - Índice máximo de construção = 1,2 - nº máx. de pisos = 3 (2+ 60% do piso inferior) - Cércea máx. = 9,5 m Fábrica - índice máximo de construção = nº máx. de pisos = 3 (2+60% do piso inferior) - Cércea máx. = 9,5 Manta Rota - índice máximo de construção = nº máx. de pisos = 3 - Cércea máx. = 10 Monte Gordo - índice máximo de construção = nº máx. de pisos = 3 - Cércea máx. = 10

9 ANEXO IV COMPATIBILIZAÇÃO ENTRE AS CLASSES DE DO E DOS PDM. SOLO URBANO, SOLO RURAL E UOPG. PARÂMETROS URBANÍSTICOS PARA S DE URBANIZAÇÃO PROGRAMADA.

10 FIGURAS

UOP 1 do PDM de Loulé Quarteira-Vilamoura e Vila Sol

UOP 1 do PDM de Loulé Quarteira-Vilamoura e Vila Sol UOP 1 do PDM de Loulé Quarteira-Vilamoura e Vila Sol Não especifica 1. Espaços Naturais: Espaços Naturais de Grau I 2. Espaços Urbanos: Áreas Urbano-turísticas 3. Espaços Urbanizáveis: Áreas Degradadas

Leia mais

POLIS LITORAL RIA FORMOSA PROJETOS ESTRUTURANTES. 7 de abril de 2015

POLIS LITORAL RIA FORMOSA PROJETOS ESTRUTURANTES. 7 de abril de 2015 POLIS LITORAL RIA FORMOSA PROJETOS ESTRUTURANTES 7 de abril de 2015 POLIS LITORAL RIA FORMOSA PROJETOS ESTRUTURANTES Enquadramento Enquadramento _ EXTENSÃO DA LINHA DE COSTA DE PORTUGAL = 987KM _ CONCELHOS

Leia mais

ÍNDICE. POOC Vilamoura Vila Real de Santo António Resumo Não Técnico 1

ÍNDICE. POOC Vilamoura Vila Real de Santo António Resumo Não Técnico 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 2 ESTUDOS DE BASE E ESTUDOS COMPLEMENTARES AOS ESTUDOS DE BASE 3 DEFINIÇÃO E ELABORAÇÃO DAS PROPOSTAS DE INTERVENÇÃO 4 MODELO DE ORDENAMENTO 5 FAIXAS DE SALVAGUARDA DA LINHA DE COSTA

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 32/XIII/1.ª

Projeto de Resolução n.º 32/XIII/1.ª Projeto de Resolução n.º 32/XIII/1.ª Pelo reconhecimento do valor social, económico e cultural dos núcleos urbanos das ilhas-barreira da Ria Formosa e pelo fim das demolições de habitações nessas ilhas-barreira

Leia mais

EDITAL Nº 39/X-2º/

EDITAL Nº 39/X-2º/ /X-2º/2010-11 (Sobre o Plano de Pormenor das Praias de Transição (PP5)) EU, JOSÉ MANUEL MAIA NUNES DE ALMEIDA, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DO CONCELHO DE ALMADA Torno público que na Reunião da Sessão

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA

GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA S e m i n á r i o DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O MAR GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA IST 03 Nov 2004 Quaternaire Portugal http://www.quaternaire.pt Decreto-lei n.º 380/99: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Leia mais

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO EST 01. Ano Mês Alvará de de licença/autorização de de loteamento n.º n.º

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO EST 01. Ano Mês Alvará de de licença/autorização de de loteamento n.º n.º OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO EST 0 - IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO.. Processo Processo n.º n.º 2.Tipo 3. 3. Data Data de de Registo 4. 4. Alvará de de licença/autorização de de loteamento n.º n.º

Leia mais

Requalificação da rede hidrográfica adjacente ao sistema lagunar

Requalificação da rede hidrográfica adjacente ao sistema lagunar ITERVEÇÃO DE REQUALIFICAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA RIA FORMOSA LAO ESTRATÉGICO AEXO II LAO DE ITERVEÇÃO FICHAS DE EIXO 1 DESIGAÇÃO DE ROTECÇÃO E REQUALIFICAÇÃO DA ZOA COSTEIRA VISADO A REVEÇÃO DE RISCO reservar

Leia mais

Delimitação da Reserva Ecológica Nacional do concelho de Manteigas

Delimitação da Reserva Ecológica Nacional do concelho de Manteigas Delimitação da Reserva Ecológica Nacional do concelho de Manteigas C1 Áreas de Máxima Infiltração Aglomerado Rural C2 Aglomerado Rural C3 Aglomerado Rural C4 Solo Urbano C5 Solo Urbano C6 Solo Urbano C7

Leia mais

Ria Formosa A integridade do sistema lagunar e as atividades económicas

Ria Formosa A integridade do sistema lagunar e as atividades económicas Ria Formosa A integridade do sistema lagunar e as atividades económicas Moluscicultura - Bivalves (I) Nuno Grade Ria Formosa caracteriza-se por um estreito cordão dunar de ilhas - barreira, que protege

Leia mais

Ordenamento do Espaço Rural

Ordenamento do Espaço Rural Ordenamento do Espaço Rural Ano lectivo 2005/2006 Capítulo 4 Ordenamento do Espaço Rural 1 4.1 A Política Nacional de Ordenamento do Território 2 Ordenamento do Território Assenta no sistema de gestão

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 530/XIII. Recomenda ao Governo um conjunto de ações em torno da requalificação e valorização da Ria Formosa

Projeto de Resolução n.º 530/XIII. Recomenda ao Governo um conjunto de ações em torno da requalificação e valorização da Ria Formosa Projeto de Resolução n.º 530/XIII Recomenda ao Governo um conjunto de ações em torno da requalificação e valorização da Ria Formosa Através dos Projetos de Resolução n.º 1398/XII, 1279/XII e 152/XIII o

Leia mais

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. LOCALIZAÇÃO 3 III. ENQUADRAMENTO PDM 3 VII. CEDÊNCIAS E INFRAESTRUTURAS 3 V. PROPOSTA 3 VI. ÍNDICES URBANÍSTICOS 4 VII.

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº./XIII/1.ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº./XIII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº./XIII/1.ª RECOMENDA AO GOVERNO O RECONHECIMENTO DO VALOR ECONÓMICO E CULTURAL DOS NÚCLEOS POPULACIONAIS EXISTENTES NAS ILHAS-BARREIRA E ILHOTES DA RIA FORMOSA

Leia mais

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM O PROT - Norte Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 1 ENQUADRAMENTO PNPOT: directivas gerais Resolução do Conselho de Ministros 29/2006, de 23

Leia mais

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento SUB Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano 1 Classificação e Qualificação do Solo Solo Urbano Espaço Central 2 Classificação e Qualificação do Solo Solo

Leia mais

A DELIMITAÇÃO DOS AGLOMERADOS URBANOS E RURAIS NA REVISÃO DO PDM DE TOMAR

A DELIMITAÇÃO DOS AGLOMERADOS URBANOS E RURAIS NA REVISÃO DO PDM DE TOMAR Seminário: A Ocupação dispersa no quadro dos PROT e dos PDM Évora 12 de Novembro de 2009 A DELIMITAÇÃO DOS AGLOMERADOS URBANOS E RURAIS NA REVISÃO DO PDM DE TOMAR INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO CESUR Centro

Leia mais

FICHA DE DADOS ESTATÍSTICOS DE PLANO DIRECTOR MUNICIPAL N.º 5 da Portaria n.º 138/2008, de 2 de Fevereiro

FICHA DE DADOS ESTATÍSTICOS DE PLANO DIRECTOR MUNICIPAL N.º 5 da Portaria n.º 138/2008, de 2 de Fevereiro Designação Revisão de Plano Director Municipal Localização Região / NUT II Município Norte Mirandela Valores Globais Área do município 65 895,7 Ano de referência do PDM 1994 Ano horizonte do PDM 2026 Residente

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DA UOPG3 DE HOTELARIA TRADICIONAL ALVOR - PORTIMÃO TERMOS DE REFERÊNCIA

PLANO DE URBANIZAÇÃO DA UOPG3 DE HOTELARIA TRADICIONAL ALVOR - PORTIMÃO TERMOS DE REFERÊNCIA PLANO DE URBANIZAÇÃO DA UOPG3 DE HOTELARIA TRADICIONAL TERMOS DE REFERÊNCIA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTIMÃO 2012 Índice 1 Introdução; 2 Enquadramento territorial da área de Intervenção; 3 Enquadramento Jurídico;

Leia mais

* *** PROGRAMA DA ORLA COSTEIRA ALCOBAÇA - CABO ESPICHEL. Saúde I

* *** PROGRAMA DA ORLA COSTEIRA ALCOBAÇA - CABO ESPICHEL. Saúde I Nova Praia EAP5 EQUIPAMENTOS E APOIOS APC Apoio de Praia Completo APS Apoio de Praia Simples AC Apoio Complementar EAP Equipamento com Funções de Apoio de Praia EC Equipamento Complementar E Equipamento

Leia mais

OPORTUNIDADES VERÃO ALGARVE TEMOS MAIS DE 360 IMÓVEIS NO ALGARVE MARQUE JÁ A SUA VISITA NESTE VERÃO FECHE UM BOM NEGÓCIO

OPORTUNIDADES VERÃO ALGARVE TEMOS MAIS DE 360 IMÓVEIS NO ALGARVE MARQUE JÁ A SUA VISITA NESTE VERÃO FECHE UM BOM NEGÓCIO VERÃO 2013 TEMOS MAIS DE 360 IMÓVEIS NO MARQUE JÁ A SUA VISITA 2% DE DESCONTO SOBRE O PREÇO DE CATÁLOGO PARA ESCRITURAS REALIZADAS ATÉ 30 DE SETEMBRO DE 2013 NESTE VERÃO FECHE UM BOM NEGÓCIO Descubra as

Leia mais

RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL

RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE BENAVENTE - 1ª Revisão - RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL - Proposta de Exclusões - RAN Final - Memória Descritiva e Justificativa Agosto de 2013 RAN Bruta (Validada) Identificação

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Os artigos 48.º e 49.º do Regulamento do PDM de S. João da Pesqueira passam a ter a seguinte redacção: Artigo 48.º Espaços Agrícolas

Leia mais

A edificabilidade turística nos PROT de 2.ª geração : Orientações para a revisão dos PDM O caso da Região Centro

A edificabilidade turística nos PROT de 2.ª geração : Orientações para a revisão dos PDM O caso da Região Centro Ciclo de Seminários Revisão do PDM Guia orientador CCDR Centro A edificabilidade turística nos PROT de 2.ª geração : Orientações para a revisão dos PDM O caso da Região Centro Fernanda Praça Anadia, 22

Leia mais

NESTE VERÃO FECHE UM BOM NEGÓCIO

NESTE VERÃO FECHE UM BOM NEGÓCIO NESTE VERÃO FECHE UM BOM NEGÓCIO IMÓVEIS PARA HABITAÇÃO ALGARVE ATÉ 31 DE MAIO MAIS DE 200 IMÓVEIS NO ALGARVE, EM CAMPANHA ATÉ 30 DE SETEMBRO DE 2014 IMÓVEIS PARA HABITAÇÃO OPORTUNIDADES NO ALGARVE Ref.ª

Leia mais

PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA)

PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA) PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA) TERMOS DE REFERÊNCIA CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOS DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO E GESTÃO URBANÍSTICA 2010 1. ENQUADRAMENTO LEGAL DO PLANO

Leia mais

NESTE VERÃO FECHE UM BOM NEGÓCIO

NESTE VERÃO FECHE UM BOM NEGÓCIO NESTE VERÃO FECHE UM BOM NEGÓCIO CAMPANHA DE IMÓVEIS PARA HABITAÇÃO 1 DE JULHO A 31 DE AGOSTO DE 2015 MILLENNIUM. É PARA AVANÇAR. 5% DE DESCONTO SOBRE O PREÇO DE CATÁLOGO PARA IMÓVEIS ESCRITURADOS ATÉ

Leia mais

EDITAL Nº 102/VIII/2004

EDITAL Nº 102/VIII/2004 Nº 102/VIII/2004 (Aprovação do Plano de Pormenor do Bairro do Campo da Bola do Programa Polis na Costa de Caparica) EU, JOSE MANUEL MAIA NUNES DE ALMEIDA, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DO CONCELHO

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1 1 Geólogo, Director-Geral NEMUS, Gestão e Requalificação Ambiental Vila Real de Santo

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE IMPLANTAÇÃO PARA O FUTURO ATERRO SANITÁRIO DOS CONCELHOS DE SANTA MARIA DA FEIRA E VILA NOVA DE GAIA

IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE IMPLANTAÇÃO PARA O FUTURO ATERRO SANITÁRIO DOS CONCELHOS DE SANTA MARIA DA FEIRA E VILA NOVA DE GAIA IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE IMPLANTAÇÃO PARA O FUTURO ATERRO SANITÁRIO DOS CONCELHOS DE SANTA MARIA DA FEIRA E VILA NOVA DE GAIA Agosto 2008 Junta de Freguesia de Canedo Trabalho realizado por Simão Dias

Leia mais

UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU. Proposta de Delimitação e Fundamentação. 1. Introdução. Fundamentação

UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU. Proposta de Delimitação e Fundamentação. 1. Introdução. Fundamentação UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU Proposta de Delimitação e Fundamentação 1. Introdução Fundamentação Com a revisão efetuada ao Plano Diretor Municipal de Proença a Nova, cuja aprovação foi publicada

Leia mais

Sociedade Polis Litoral Ria Formosa, S.A.

Sociedade Polis Litoral Ria Formosa, S.A. Sociedade Polis Litoral Ria Formosa, S.A. Volume II Jan-2010 Rf_t08121/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria Formosa Resumo Não Técnico (Final)

Leia mais

PRAIA FLUVIAL CÂMARA MUNICIPAL DO ALANDROAL PROGRAMA BASE DEZ 2009

PRAIA FLUVIAL CÂMARA MUNICIPAL DO ALANDROAL PROGRAMA BASE DEZ 2009 PRAIA FLUVIAL CÂMARA MUNICIPAL DO ALANDROAL PROGRAMA BASE DEZ 2009 PRAIA FLUVIAL, ESPAÇOS TEMÁTICOS E DE LAZER (herdade da águas frias Rosário) Página 2 PRAIA FLUVIAL PROGRAMA BASE Índice 1. Conceito Quadro

Leia mais

Data de Entrada: Pedido de Esclarecimento. Reclamação X RESUMO DA PARTICIPAÇÃO: REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE BENAVENTE

Data de Entrada: Pedido de Esclarecimento. Reclamação X RESUMO DA PARTICIPAÇÃO: REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE BENAVENTE REQUERENTE: SAMAKI Exploração Agrícola e Florestal, Lda. Ref.ª da Participação: 6255 ASSUNTO: Alteração de Espaço Florestal de Produção para Solo Urbano. LOCALIZAÇÃO: Herdade do Infantado, Samora Correia

Leia mais

POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS 1. INTRODUÇÃO

POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO NORTE CENTRO SUL 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS P51 Praia do Amanhã PRAIA A RECLASSIFICAR P51 A P60 Frente Urbana de Santa Cruz

Leia mais

Francisco Sancho, Filipa Oliveira, Paula Freire, João Craveiro. Índice

Francisco Sancho, Filipa Oliveira, Paula Freire, João Craveiro. Índice Avaliação do risco de galgamento, erosão e inundação costeiras Francisco Sancho, Filipa Oliveira, Paula Freire, João Craveiro LNEC Laboratório Nacional de Engenharia Civil Índice 1. Erosão costeira e suas

Leia mais

ESTRUTURA ECOLÓGICA MUNICIPAL

ESTRUTURA ECOLÓGICA MUNICIPAL ESTRUTURA ECOLÓGICA MUNICIPAL Fevereiro 2013 Proposta de Revisão do PDM ÍNDICE I Proposta de Estrutura Ecológica Municipal I Proposta de Estrutura Ecológica Municipal Para a efetiva delimitação da estrutura

Leia mais

Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM

Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM Quanto ao nome do ficheiro: Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM Anexos Conteúdo Nomenclatura do ficheiro Prestação de informação por perito Ficheiro de dados

Leia mais

PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE

PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA 1. Introdução 2. Oportunidade da elaboração do Plano

Leia mais

Alterações Climáticas e Turismo:! Zonas Costeiras! J. Alveirinho Dias!

Alterações Climáticas e Turismo:! Zonas Costeiras! J. Alveirinho Dias! Alterações Climáticas e Turismo:! Zonas Costeiras! J. Alveirinho Dias! O clima está efectivamente a mudar...! e devemos estar preparados para essa mudança.! Foto A. Dias, 2001 Peniche Portugal Modificações

Leia mais

Medidas correctivas da erosão superficial reestruturação e requalificação das ilhas barreira e espaços terrestres contíguos

Medidas correctivas da erosão superficial reestruturação e requalificação das ilhas barreira e espaços terrestres contíguos ITERVEÇÃO DE REQUALIF ICAÇÃO E VALOR IZAÇÃO DA RIA FORMOSA PLAO ESTRATÉGICO AEXO II PLAO DE ITERVEÇÃO FICHAS DE EIXO 1 DESIGAÇÃO DE PROTECÇÃO E REQUALIFICAÇÃO DA ZOA COSTEIRA VISADO A PREVEÇÃO DE RISCO

Leia mais

MUNICÍPIO DA MOITA PLANO DIRETOR MUNICIPAL TITULO II SERVIDÕES ADMINISTRATIVAS E OUTRAS RESTRIÇÕES DE UTILIDADE PÚBLICA

MUNICÍPIO DA MOITA PLANO DIRETOR MUNICIPAL TITULO II SERVIDÕES ADMINISTRATIVAS E OUTRAS RESTRIÇÕES DE UTILIDADE PÚBLICA MUNICÍPIO DA MOITA PLANO DIRETOR MUNICIPAL REGULAMENTO - ÍNDICE TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigos: 1.º Âmbito 2.º Conteúdo documental 3.º Vinculação 4.º Definições TITULO II SERVIDÕES ADMINISTRATIVAS

Leia mais

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5 Termos de Referência 1. Oportunidade da elaboração do Plano de Pormenor do Parque Empresarial para Novas Estratégias de Localização do Investimento O Plano Director Municipal de Penela, em processo de

Leia mais

R e v i s ã o d o P R O T A L G A R V E (Aprovado no Conselho de Ministros de 24 de Maio de 2007)

R e v i s ã o d o P R O T A L G A R V E (Aprovado no Conselho de Ministros de 24 de Maio de 2007) R e v i s ã o d o P R O T A L G A R V E (Aprovado no Conselho de Ministros de 24 de Maio de 2007) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES.1. Como se deverá processar a adaptação dos Planos Directores Municipais (PDM)

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE EQUIPAMENTOS DA FRENTE MARÍTIMA DA COSTA NOVA - ÍLHAVO

PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE EQUIPAMENTOS DA FRENTE MARÍTIMA DA COSTA NOVA - ÍLHAVO PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE EQUIPAMENTOS DA FRENTE MARÍTIMA DA COSTA NOVA - ÍLHAVO PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO janeiro de 2012 ÍNDICE 1 PROGRAMA DE EXECUÇÃO... 3 1.1 IMPLEMENTAÇÃO DO

Leia mais

Zoneamento Santos (Porção Insular - Lei Complementar nº 730/2011)

Zoneamento Santos (Porção Insular - Lei Complementar nº 730/2011) Zona da Orla - ZO Área caracterizada pela predominância de empreendimentos residenciais verticais de uso fixo e de temporada, permeada pela instalação de atividades recreativas e turísticas onde se pretende

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Turismo, Planeamento e Ordenamento do Território no Algarve Dr. Sérgio Palma Brito sergiopalmabrito@gmail.com Faro, 09 de Novembro 1 Estrutura da Apresentação Proposta de Metodologia O Planeamento do Território

Leia mais

Oleiros: floresta de oportunidades

Oleiros: floresta de oportunidades Oleiros: floresta de oportunidades Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira valor dos recursos florestais para a sociedade Importância do setor florestal - fileiras industriais desenvolvidas

Leia mais

Regime Jurídico da Requalificação Urbana Enquadramento Jurídico

Regime Jurídico da Requalificação Urbana Enquadramento Jurídico Enquadramento Jurídico Decreto-Lei n.º 307/2009 de 23 de Outubro - Regime Jurídico da Reabilitação Urbana Legislação relacionada Decreto-Lei n.º 152/82 de 3 de Maio - Regime de criação de ADUP's e ACP's

Leia mais

Guia Prático de Termos e Conceitos do Plano Diretor Municipal de Vila Real

Guia Prático de Termos e Conceitos do Plano Diretor Municipal de Vila Real Guia Prático de Termos e Conceitos do Plano Diretor Municipal de Vila Real Município de Vila Real, Dezembro de 2013 VERSÃO: 1.0 -----------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Índice 1. Localização e Termos de referência 2. Eixos Estratégicos e Objetivos 3. Enquadramento legal 4. Diagnóstico 5. Proposta 6. Concertação

Leia mais

7314 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Resolução do Conselho de Ministros n.

7314 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Resolução do Conselho de Ministros n. 7314 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 253 29-10-1999 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho Ministros n. o 132/99 A Assembleia Municipal Alcobaça aprovou, em 25 Fevereiro 1999, o

Leia mais

Plano de Ação de Proteção e Valorização do Litoral (PAPVL)

Plano de Ação de Proteção e Valorização do Litoral (PAPVL) Plano de Ação de Proteção e Valorização do Litoral (PAPVL) 2012-2015 Sustain Conferência Nacional Gabriela Moniz dos Santos Departamento de Ordenamento e Regulação dos Recursos Hídricos Lisboa, 14 de dezembro

Leia mais

1 Polis Litoral Ria Formosa 2 Intervenções Concluídas 3 Intervenções em Curso 4 Planos em Curso 5 Projectos em Curso. Março de 2011 1 35

1 Polis Litoral Ria Formosa 2 Intervenções Concluídas 3 Intervenções em Curso 4 Planos em Curso 5 Projectos em Curso. Março de 2011 1 35 1 Polis Litoral Ria Formosa 2 Intervenções Concluídas 3 Intervenções em Curso 4 Planos em Curso 5 Projectos em Curso Março de 2011 1 35 1 Polis Litoral Ria Formosa Março de 2011 2 35 1 Polis Litoral Ria

Leia mais

PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DA ÁREA TERRITORIAL DA ARH DO TEJO, I.P.

PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DA ÁREA TERRITORIAL DA ARH DO TEJO, I.P. PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DA ÁREA TERRITORIAL DA ARH DO TEJO, I.P. Sessão de Debate - 11 de Setembro de 2009 Mudança e Inovação para os POOC de 2ª Geração Centro de Informação Geográfica e

Leia mais

P L A N O D I R E T O R M U N I C I P A L DO S E I X A L R E V I S Ã O DISCUSSÃO PÚBLICA

P L A N O D I R E T O R M U N I C I P A L DO S E I X A L R E V I S Ã O DISCUSSÃO PÚBLICA CARACTERIZAÇÃO ECONÓMICA SUMÁRIA TOTAL DE EMPRESAS 80.000 70.000 60.000 50.000 40.000 30.000 20.000 10.000 0 75.163 72.038 75.393 71.682 15.228 14.567 15.135 14.271 2008 2009 2010 2011 P. Setúbal Município

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO POENTE DE MONTE GORDO. Relatório de Fundamentação

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO POENTE DE MONTE GORDO. Relatório de Fundamentação ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO POENTE DE MONTE GORDO Relatório de Fundamentação julho 2016 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Proposta da Alteração ao Plano... 2 3. Enquadramento Legal da

Leia mais

O Planeamento do. Gestão e ordenamento do território

O Planeamento do. Gestão e ordenamento do território O Planeamento do Território em Portugal Gestão e ordenamento do território Henrique Miguel Pereira Enquadramento jurídico Constituição da República Lei de Bases do Ambiente (Lei 11/1987) Lei de Bases de

Leia mais

ANEXOS. Relatório de Avaliação da Execução do Plano Director Municipal de Albufeira

ANEXOS. Relatório de Avaliação da Execução do Plano Director Municipal de Albufeira Relatório de Avaliação da Execução do Plano Director Municipal de Albufeira e de caracterização da evolução das condições económicas, sociais e ambientais (Portaria n.º 290/2003 de 5 de Abril) ANEXOS Março

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL

REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º 1- Âmbito O Plano de Urbanização de Carregal do Sal, adiante designado por PUCS, abrange a Vila de Carregal

Leia mais

1. Introdução Conceito de estrutura ecológica municipal Enquadramento legal Metodologia de trabalho 7

1. Introdução Conceito de estrutura ecológica municipal Enquadramento legal Metodologia de trabalho 7 Índice 1. Introdução 2 2. Conceito de estrutura ecológica municipal 3 3. Enquadramento legal 5 4. Metodologia de trabalho 7 5. Estrutura ecológica municipal bruta 8 6. Estrutura ecológica municipal: proposta

Leia mais

OPORTUNIDADES DE VERÃO

OPORTUNIDADES DE VERÃO OPORTUNIDADES DE VERÃO NO M IMÓVEIS ENCONTRA BOAS OPORTUNIDADES EM TODO O PAÍS. NESTE VERÃO E ATÉ 31 DE AGOSTO DE 2016, JUNTE-SE A NÓS E FECHE UM BOM NEGÓCIO. APROVEITE AS CONDIÇÕES DIFERENCIADAS DE FINANCIAMENTO,

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º de Janeiro de

Diário da República, 2.ª série N.º de Janeiro de Diário da República, 2.ª série N.º 16 23 de Janeiro de 2009 3517 CÂMARA MUNICIPAL DE AMARANTE Aviso n.º 2161/2009 Para os devidos efeitos se faz público que, por meu despacho de 2008.12.31 e no uso da

Leia mais

Ponha os pés na areia e sinta a temperatura do corpo a subir. Depois feche

Ponha os pés na areia e sinta a temperatura do corpo a subir. Depois feche refresque-se praia Ponha os pés na areia e sinta a temperatura do corpo a subir. Depois feche os olhos e deixe que a brisa o empurre para um refrescante banho de mar. O Algarve é mesmo assim, puro prazer.

Leia mais

PLANO DE PRAIAS do PPT

PLANO DE PRAIAS do PPT COSTAPOLIS, Sociedade para o Desenvolvimento do Programa Polis na Costa de Caparica, S.A. PLANO DE PORMENOR DAS PRAIAS DE TRANSIÇÃO PLANO DE PRAIAS do PPT ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 1.1. Enquadramento 1.2. Objectivos

Leia mais

1º CONGRESSO DE ESTUDOS RURAIS AMBIENTE E USOS DO TERRITÓRIO. Paisagem - Observações sobre a RAN e a REN

1º CONGRESSO DE ESTUDOS RURAIS AMBIENTE E USOS DO TERRITÓRIO. Paisagem - Observações sobre a RAN e a REN 1º CONGRESSO DE ESTUDOS RURAIS AMBIENTE E USOS DO TERRITÓRIO Paisagem - Observações sobre a RAN e a REN Luisa Maria Lopes Pires Genésio Instituto Politécnico de Bragança Resumo Para compatibilizar o desenvolvimento

Leia mais

10. VULNERABILIDADE DO MEIO FÍSICO E CARTOGRAFIA DE RISCOS

10. VULNERABILIDADE DO MEIO FÍSICO E CARTOGRAFIA DE RISCOS 10. VULNERABILIDADE DO MEIO FÍSICO E CARTOGRAFIA DE RISCOS 10.1. INTRODUÇÃO À vastidão de transformações económicas, sociais e culturais observadas ao longo do último século corresponderam fortes pressões

Leia mais

PARTE 1 Mosaicos do Algarve romano, parte oriental Catálogo... PARTE 2 Os mosaicos do Algarve oriental no contexto da ocupação romana do território

PARTE 1 Mosaicos do Algarve romano, parte oriental Catálogo... PARTE 2 Os mosaicos do Algarve oriental no contexto da ocupação romana do território Índice Vol. I. Texto Pg. Agradecimentos.. Introdução. Abreviaturas bibliográficas. Bibliografia.. Documentação de Estácio da Veiga... Relatórios de trabalhos arqueológicos. Índice do catálogo de mosaicos.

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

Os Recursos Geológicos na Região do Norte: Ambiente e Ordenamento do Território

Os Recursos Geológicos na Região do Norte: Ambiente e Ordenamento do Território Os Recursos Geológicos na Região do Norte: Ambiente e 9 de Outubro de 2008 ISEP Recursos Geológicos: Pressupostos Instrumentos Programáticos de Instrumentos Programáticos de Ordenamento Sectorial Acção

Leia mais

V E R E A Ç Ã O D E P L A N E A M E N T O, O R D E N A M E N T O E U R B A N I S M O D I V I S Ã O D E P L A N E A M E N T O, R E V I T A L I Z A Ç Ã

V E R E A Ç Ã O D E P L A N E A M E N T O, O R D E N A M E N T O E U R B A N I S M O D I V I S Ã O D E P L A N E A M E N T O, R E V I T A L I Z A Ç Ã 1 I PREÂMBULO O regime de coordenação dos âmbitos nacional, regional e municipal do sistema de planeamento territorial, assim como a revisão dos Planos Diretores Municipais, obedecem ao Decreto-Lei n.º

Leia mais

A evolução de povoações costeiras no litoral da Região Centro de Portugal o caso de estudo das praias de Esmoriz e Cortegaça

A evolução de povoações costeiras no litoral da Região Centro de Portugal o caso de estudo das praias de Esmoriz e Cortegaça 28 Novembro 2014 Mestrado em Urbanismo e Ordenamento do Território A evolução de povoações costeiras no litoral da Região Centro de Portugal o caso de estudo das praias de Provas Públicas Nuno Rafael Almeida

Leia mais

primeira Revisão do Plano Diretor Municipal do Cartaxo Modelo preliminar de ordenamento [Guia Orientador para a Discussão]

primeira Revisão do Plano Diretor Municipal do Cartaxo Modelo preliminar de ordenamento [Guia Orientador para a Discussão] primeira Revisão do Plano Diretor Municipal do Cartaxo Modelo preliminar de ordenamento [Guia Orientador para a Discussão] março 2016 1 - Porque apresentamos e discutimos, nesta fase, a proposta de revisão

Leia mais

A formação e o conteúdo dos planos urbanísticos

A formação e o conteúdo dos planos urbanísticos A formação e o conteúdo dos planos urbanísticos João Miranda Professor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa - Advogado Plano da exposição I Problemas da interpretação de normas de planos II

Leia mais

QUINTA DOS GAGOS QUINTA DO PÓPULO

QUINTA DOS GAGOS QUINTA DO PÓPULO Empreendimentos Turísticos QUINTA DOS GAGOS QUINTA DO PÓPULO Empreendimentos Turísticos QUINTA DOS GAGOS QUINTA DO PÓPULO Quinta dos Gagos 11 2 Resort Ecológico implantado em 1.000.000 m que se estende

Leia mais

Tabela n.º 7 Avaliação Pedidos de Alteração Cibões.

Tabela n.º 7 Avaliação Pedidos de Alteração Cibões. Figura n.º 42 Tabela n.º 7 Avaliação Pedidos de Alteração Cibões. Identificador Localização Dimensão (ha) Classificação Viabilidade Fundamentação infraestruturas 118 Cachamontes 0,21 PP Reduzida 119 Lama

Leia mais

3324 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS TÍTULO I. Disposições gerais e condicionantes

3324 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS TÍTULO I. Disposições gerais e condicionantes 3324 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 134 11-6-1999 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n. o 52/99 A Assembleia Municipal de Loulé aprovou, em 27 de Março de 1998,

Leia mais

VOLUME II Introdução e enquadramento

VOLUME II Introdução e enquadramento #$ VOLUME I RELATÓRIO SÍNTESE VOLUME II Introdução e enquadramento Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 - Enquadramento das Políticas e Instrumentos de Ordenamento Territorial VOLUME III PATRIMÓNIO NATURAL

Leia mais

XI O CASO DA ILHA DE FARO

XI O CASO DA ILHA DE FARO XI O CASO DA ILHA DE FARO XI.1. Caracterização A chamada "Praia de Faro" localiza-se na península do Ancão, a qual constitui a unidade mais ocidental do sistema de ilhas-barreira da Ria Formosa. Os sistemas

Leia mais

UNIDADE DE EXECUÇÃO BORRAGEIROS

UNIDADE DE EXECUÇÃO BORRAGEIROS UNIDADE DE EXECUÇÃO BORRAGEIROS [ESTUDO TERRITORIAL] NOVEMBRO 2016 DGOU- DPUPE SPDM DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ORDENAMENTO URBANÍSTICO DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANÍSTICO E PROJETOS ESTRUTURANTES SECTOR DO

Leia mais

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO ALENTEJO LITORAL. Objectivos específicos comuns

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO ALENTEJO LITORAL. Objectivos específicos comuns PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO ALENTEJO LITORAL a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais. b) Diminuir a área queimada. c) Controlar e erradicar o nemátodo da madeira do pinheiro

Leia mais

Ordenamento do Território Nível Municipal Ano lectivo 2013/2014

Ordenamento do Território Nível Municipal Ano lectivo 2013/2014 Ordenamento do Território Nível Municipal Ano lectivo 2013/2014 4ª Aula Prática Visita de estudo a Odivelas 5ª Aula Prática Apresentações dos trabalhos desenvolvidos à escala 1/25000. 6ª Aula Prática Metodologia

Leia mais

2ª FASE - AVALIAÇÃO DOS POOC NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ARH DO TEJO

2ª FASE - AVALIAÇÃO DOS POOC NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ARH DO TEJO 3.5.1. OBJECTIVOS PROPOSTOS NOS POOC Antecedendo a avalição dos objectivos no conjunto dos POOC e em cada um deles por si, procedeu-se ao elencar dos objectivos propostos em cada POOC, ao nível do ordenamento

Leia mais

9 de Fevereiro de 2005 APRESENTAÇÃO PÚBLICA DO ANTE-PROJECTO DE REVISÃO DO PDM 1

9 de Fevereiro de 2005 APRESENTAÇÃO PÚBLICA DO ANTE-PROJECTO DE REVISÃO DO PDM 1 9 de Fevereiro de 2005 APRESENTAÇÃO PÚBLICA DO ANTE-PROJECTO DE REVISÃO DO PDM 1 PROCESSO DE ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO (DL 380/99) 1.Fase de acompanhamento a CMC entrega um ante-projecto à Comissão Mista

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA FONTE DA TELHA

PLANO DE PORMENOR DA FONTE DA TELHA CÂMARA MUNICIPAL DE ALMADA Arquitetura Paisagista Plano de Pormenor - Lisboa, Março 2015 - PLANO DE PORMENOR DA FONTE DA TELHA Fonte da Telha > Estimativa Orçamental DEMOLIÇÕES 1. Edifícios e estruturas

Leia mais

Estudos de Caracterização e Diagnóstico no Âmbito da Revisão do PDM de Loulé

Estudos de Caracterização e Diagnóstico no Âmbito da Revisão do PDM de Loulé www.dhv.pt Estudos de Caracterização e Diagnóstico no Âmbito da Revisão do PDM de Loulé Abril 2009 E17108 Fase 1 Volume IV Turismo DHV, S.A. Rua Dr. António Loureiro Borges, nº 5-4º andar Arquiparque -

Leia mais

Alteração do Plano de Ordenamento da Orla Costeira Vilamoura Vila Real de Santo António

Alteração do Plano de Ordenamento da Orla Costeira Vilamoura Vila Real de Santo António Alteração do Plano de Ordenamento da Orla Costeira Vilamoura Vila Real de Santo António Despacho nº 1128/2014, de 23 de janeiro RELATÓRIO DE PARTICIPAÇÃO PÚBLICA 29 de fevereiro de 2016 1. INTRODUÇÃO O

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LAMEGO. Capítulo 3 Zona de ocupação condicionada;

CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LAMEGO. Capítulo 3 Zona de ocupação condicionada; CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LAMEGO O presente Regulamento está dividido em seis capítulos que correspondem respetivamente a: Capítulo 1 disposições gerais; Capítulo

Leia mais

Contributo para a Revisão do Plano Director Municipal de Sintra

Contributo para a Revisão do Plano Director Municipal de Sintra Contributo para a Revisão do Plano Director Municipal de Sintra Introdução A revisão do Plano Director Municipal (PDM) é um momento por excelência para fazer escolhas para o futuro do concelho de Sintra.

Leia mais

INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS

INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS RELATÓRIO FINAL DA ANÁLISE DOS DADOS DEZEMBRO 2010 Índice Índice... 2 1. Sumário... 3 2.

Leia mais

Plano Diretor Municipal do concelho de Manteigas

Plano Diretor Municipal do concelho de Manteigas Proposta de Revisão do Plano Diretor Municipal do concelho de Relatório de Identificação dos Compromissos Urbanísticos Novembro de 2014 Relatório com Identificação dos Compromissos Urbanísticos na Área

Leia mais

Legislação temática Ordenamento do território. Decreto-Lei nº Servidões relativas ao serviço de telecomunicações militares.

Legislação temática Ordenamento do território. Decreto-Lei nº Servidões relativas ao serviço de telecomunicações militares. Diploma Resumo Data Alterações, revogações e normas complementares Decreto-Lei nº 37 575 Estabelece regras relativas à localização de edifícios escolares 08-10-1949 Revogado pelo Decreto-Lei nº 80/2010,

Leia mais

ESTRUTURA ECOLÓGICA DA ÁREA URBANA DE BEJA

ESTRUTURA ECOLÓGICA DA ÁREA URBANA DE BEJA BEJA 1/6 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROPOSTA DA ESTRUTURA ECOLÓGICA DA CIDADE... 4 2/6 1. INTRODUÇÃO Com a Estrutura Ecológica Urbana pretende-se criar um «continuum naturale» integrado no espaço urbano,

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DOS RISCOS NO PLANEAMENTO MUNICIPAL - O CASO DA REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE SETÚBAL

A INTEGRAÇÃO DOS RISCOS NO PLANEAMENTO MUNICIPAL - O CASO DA REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE SETÚBAL INTEGRATING RISKS IN MUNICIPAL PLANNING - THE CASE OF SETÚBAL S MASTER PLAN REVISION ESTRUTURA 1. Introdução 2. Planeamento Municipal e Riscos 3. Concelho de Setúbal Da Diversidade à Suscetibilidade Territorial

Leia mais

764,16 km 2, maior município da região do Algarve; habitantes cerca de 15% população algarvia; Duas cidades: Loulé e Quarteira; 11 Freguesias

764,16 km 2, maior município da região do Algarve; habitantes cerca de 15% população algarvia; Duas cidades: Loulé e Quarteira; 11 Freguesias 30 de Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO NQUADRAMENTO / C / CARACTERIZAÇÃO DO CONCELHO DE LOULÉ CONCELHO DE LOULÉ 764,16 km 2, maior município da região do Algarve; 70 260 habitantes cerca de 15% população

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO FORTE DO REVELIM TERMOS DE REFERÊNCIA

PLANO DE PORMENOR DO FORTE DO REVELIM TERMOS DE REFERÊNCIA PLANO DE PORMENOR DO FORTE DO REVELIM TERMOS DE REFERÊNCIA Janeiro 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ENQUADRAMENTO TERRITORIAL E ÁREA DE INTERVENÇÃO... 3 3. ENQUADRAMENTO LEGAL DO PLANO... 4 4. OBJETO

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA VIÇOSA CÂMARA MUNICIPAL AVISO N.º 5 / 2009 PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE VILA VIÇOSA ALTERAÇÃO POR ADAPTAÇÃO

MUNICÍPIO DE VILA VIÇOSA CÂMARA MUNICIPAL AVISO N.º 5 / 2009 PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE VILA VIÇOSA ALTERAÇÃO POR ADAPTAÇÃO MUNICÍPIO DE VILA VIÇOSA CÂMARA MUNICIPAL AVISO N.º 5 / 2009 PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE VILA VIÇOSA (REVISÃO) ALTERAÇÃO POR ADAPTAÇÃO ------ MANUEL JOÃO FONTAINHAS CONDENADO, Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DE ALCOBAÇA-MAFRA

REGULAMENTO DO PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DE ALCOBAÇA-MAFRA REGULAMENTO DO PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DE ALCOBAÇA-MAFRA - POOC - RESOLUÇÃO DO CONCELHO DE MINISTROS Nº 11/2002 de 17 de Janeiro de 2002 Diário da República Nº 14, Série I-B, Pág. 330 a 358

Leia mais

Alteração do Plano de Ordenamento da Orla Costeira Vilamoura Vila Real de Santo António

Alteração do Plano de Ordenamento da Orla Costeira Vilamoura Vila Real de Santo António Alteração do Plano de Ordenamento da Orla Costeira Vilamoura Vila Real de Santo António Despacho nº 1128/2014, de 23 de janeiro FICHAS DAS PRAIAS 28 de setembro de 2015 P1 Praia de Vilamoura Tipo I Reorganização

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Município de Leiria Câmara Municipal Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística Divisão de Planeamento, Ordenamento e Estratégia Territorial Caracterização da Atividade Pecuária no Concelho de Leiria

Leia mais