PROCESSO SELETIVO PARA MATRÍCULA NA PÓS-GRADUAÇÃO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS MILITARES DA PARA EX-DISCENTES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO SELETIVO PARA MATRÍCULA NA PÓS-GRADUAÇÃO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS MILITARES DA PARA EX-DISCENTES"

Transcrição

1 ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA MATRÍCULA NA PÓS-GRADUAÇÃO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS MILITARES DA ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS PARA EX-DISCENTES Rio de Janeiro 2017

2 PROCESSO SELETIVO PARA A MATRÍCULA NA PÓS-GRADUAÇÃO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS MILITARES DA ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS PARA EX-DISCENTES ÍNDICE DOS ASSUNTOS CAPITULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. Seção I - Da Finalidade... 1º Seção II - Da Duração... 2º CAPITULO II - DA INSCRIÇÃO Seção I - Dos Requisitos... 3º Seção II - Da Inscrição... 4º/10 CAPITULO III - DA SELEÇÃO Seção I - Dos Critérios Seção II - Do Projeto Preliminar de Pesquisa... 12/16 Seção III - Da Seleção Final CAPÍTULO IV - DA MATRÍCULA Seção I - Da Designação Seção II - Das Vagas... 19/20 Seção III - Do Desligamento... 21/22 Seção IV - Do Trancamento CAPITULO V - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS... 24/32 ANEXO A - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO DAS LINHAS DE PESQUISA ANEXO B - REQUERIMENTO PARA INSCRIÇÃO E FICHA DE INFORMAÇÃO (MODELO) ANEXO C- FICHA DE COMPROVAÇÃO DA EXPERIÊNCIA (MODELO) ANEXO D - NORMAS PARA A ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROJETO PRELIMINAR DE PESQUISA ANEXO E- PROJETO DE PESQUISA (MODELO) ANEXO F- RESUMO DO PROJETO DE PESQUISA (MODELO) ANEXO G - CALENDÁRIO GERAL

3 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Seção I Da Finalidade Art. 1º A finalidade destas Instruções é regular o processo de inscrição, seleção e matrícula na Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ciências Militares, conduzido pela Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (PGMP/EsAO), para os Capitães do Exército Brasileiro aperfeiçoados nos anos de 2013, 2014 e Seção II Da Duração Art. 2º A duração máxima do período da PGMP/EsAO será de 24 (vinte e quatro) meses, incluídos os créditos presenciais, o desenvolvimento da pesquisa e a conclusão da dissertação. Art. 3º Requisitos exigidos: CAPÍTULO II DA INSCRIÇÃO Seção I Dos Requisitos I - pertencer ao universo dos capitães do Exército Brasileiro da ativa, das Armas, do Quadro de Material Bélico e do Serviço de Intendência, que concluíram o Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais (CAO) e os Médicos que concluíram o Curso de Aperfeiçoamento Militar para Médicos da EsAO, nível lato sensu, há no máximo, 4 (quatro) anos; II - ter concluído o Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais (CAO) ou o Curso de Aperfeiçoamento Militar para Médicos (CAM/Med), da EsAO, com menção Bem (B), Muito Bem (MB) ou Excelente (E) e não ter sido reprovado em Banca Examinadora de Dissertação de Mestrado da EsAO, realizada a partir de 30 de abril de III - não estar na situação de sub judice; e IV - não estar designado para realizar curso presencial ou para missão no exterior, ambos com duração igual ou superior a 6 (seis) meses. Seção II Da Inscrição Art. 4º A inscrição para o processo seletivo dos candidatos à PGMP/EsAO, será efetuada de acordo com o calendário geral (Anexo G). Art. 5º Para a inscrição, o candidato deverá encaminhar à EsAO a seguinte documentação:

4 I - Requerimento de Inscrição e Ficha de Informação (Anexo B); II Ficha de Comprovação da Experiência (Anexo C); III - Projeto de Pesquisa (Anexo E); IV Resumo do Projeto de Pesquisa (Anexo F); V - cópia da ficha individual comprovando Índice de Proficiência Linguística (IPL) e VI - currículo lattes do candidato, em versão impressa (disponível para preenchimento no endereço eletrônico: Art. 6º O candidato deverá possuir, no ato da inscrição, Índice de Proficiência Linguística (IPL), em um idioma estrangeiro, segundo o Sistema de Ensino de Idiomas e Certificação da Proficiência Linguística no Exército Brasileiro, a partir dos seguintes níveis de desempenho: HABILIDADE LINGUÍSTICA NÍVEL DE DESEMPENHO Compreensão Auditiva (ouvir) - Compreensão Oral (falar) - Compreensão Leitora (ler) 2 Expressão Escrita (escrever) 1 Art. 7º A documentação deverá ser encaminhada via SEDEX, com aviso de recebimento (AR) ou carta registrada, para o seguinte endereço: Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais - Divisão de Ensino/STE/Mestrado - Avenida Duque de Caxias, nº 2071, CEP , Vila Militar, Rio de Janeiro. Alternativamente, o postulante poderá entregar a documentação pessoalmente na Secretaria da EsAO, sendo vedado o contato com os militares da Seção de Pós-Graduação. 1º A Seção de Pós-Graduação não aceitará documentação que for entregue diretamente na Seção. 2º Não será homologada a inscrição de candidato cuja documentação seja postada após o período de inscrição constante do Anexo G. 3º O candidato, ao se inscrever, apresentará apenas 01 (um) Projeto de Pesquisa. Art. 8º Não será atribuída à EsAO qualquer responsabilidade referente a extravios de documentos enviados pelos Correios. Art. 9º O candidato poderá solicitar a anulação da sua inscrição, por meio de DIEx encaminhado pelo seu Comandante, Diretor ou Chefe diretamente ao Comandante da EsAO. Art. 10. A inscrição do postulante será deferida mediante a apresentação correta da documentação exigida. Art. 11. A EsAO divulgará, em sua página eletrônica, duas relações de candidatos, em ordem alfabética, dentro do posto, uma dos que tiverem os seus requerimentos de inscrição deferidos e outra, dos indeferidos. 1º No caso dos requerimentos indeferidos, constará o motivo do indeferimento.

5 2º O candidato que tiver o seu requerimento indeferido terá o prazo de 08 (oito) dias, a contar da data da publicação na página eletrônica da EsAO, para apresentar o seu recurso. de recurso. 3º A falta de qualquer documento previsto no art. 5º exclui a possibilidade de aceitação 4º Compete, exclusivamente, ao candidato acompanhar todo o processo de inscrição e seleção para a PGMP/EsAO. CAPÍTULO III DA SELEÇÃO Seção I Dos Critérios Art. 11. A seleção será realizada nas datas constantes do Anexo G, de acordo com os seguintes critérios: I - análise da documentação recebida, pois não será homologada a inscrição do candidato que deixar de encaminhar qualquer um dos documentos referenciados no art. 5 º, ou deixar de cumprir as normas deste Processo Seletivo (de caráter eliminatório); II - avaliação do Projeto Preliminar de Pesquisa tem como objetivo apreciar a sua adequabilidade e exequibilidade. Os candidatos serão pré-selecionados quando obtiverem nota igual ou superior a 6,00 (seis vírgula zero) em suas Fichas de Avaliação do Projeto de Pesquisa (de caráter classificatório/eliminatório); III - interesse do Projeto de Pesquisa para o EB. O interesse pelo objeto de pesquisa será caracterizado quando os resultados esperados demonstrarem evidente contribuição para o desenvolvimento da linha de pesquisa escolhida. Os candidatos deverão propor temas nos quais são verdadeiramente especialistas, no entanto, somente serão considerados no processo seletivo os que demonstrarem ser de interesse do EB (de caráter classificatório); e IV - verificação da experiência do candidato, em relação ao objeto de pesquisa, mediante análise do Anexo C. O candidato deverá ter concluído, minimamente, um curso de especialização, com aproveitamento, ou ter participado de atividade(s) relacionada(s) ao objeto de pesquisa, por, pelo menos, 6 (seis) meses, para caracterizar este critério e não ser eliminado. (de caráter classificatório). Seção II Do Projeto Pesquisa Art. 12. O Projeto de Pesquisa deverá ser elaborado conforme instruções contidas no Anexo D, em 3 (três) vias impressas, apenas grampeadas, e 1 (uma) via em meio eletrônico, CD ou DVD, no formato editável. Art. 13. Será considerado eliminado o candidato cujo Projeto Pesquisa não se enquadre na linha de pesquisa escolhida constante do Anexo A e/ou não seja julgado de interesse do EB pela Comissão de Avaliação. Art. 14. A nota final (com aproximação até centésimos) atribuída ao Projeto de Pesquisa pela Comissão de Avaliação é irrecorrível, não sendo permitida a revisão dos projetos ou de notas

6 atribuídas pela Comissão de Avaliação. A EsAO disponibilizará para o aluno a informação sobre as notas obtidas nas partes da ficha de avaliação, bem como a nota e o conceito final do projeto. Art. 15. O Projeto de Pesquisa que tratar de assunto com classificação de acesso restrito deverá ser encaminhado de acordo com as Instruções Gerais para a Salvaguarda de Assuntos Sigilosos. Art. 16. Os Projetos de Pesquisa serão submetidos a um software antiplágio, com a finalidade de preservar a autenticidade dos trabalhos. Seção III Da Seleção Final Art. 17. A seleção final para matrícula na PGMP/EsAO, em cada linha de pesquisa, será realizada com os candidatos que atenderem a todos os requisitos exigidos neste processo seletivo e de acordo com a disponibilidade de orientadores, conforme o Art. 108 da Portaria 41 do DECEx, de 30 ABR 12. Parágrafo único. A seleção final terá por base os seguintes critérios: I - nota final do Projeto de Pesquisa; II - interesse do EB no objeto de pesquisa; III - experiência do candidato, mínima de 6 (seis) meses em atividade profissional ou realização de 1 (um) curso de especialização, ambos os casos relacionados ao objeto de pesquisa; IV - aderência do objeto de pesquisa à linha de pesquisa; V - disponibilidade de orientador; VI - conclusão da EsAO a mais tempo; e VII - candidato mais antigo. CAPÍTULO IV DA MATRÍCULA Seção I Da Designação Art. 18. A EsAO divulgará a relação dos candidatos designados para a matrícula na Pós- Graduação de Mestrado, em ordem alfabética, por meio da sua página eletrônica e comunicará ao candidato a sua aprovação para a matrícula, por meio de DIEx encaminhado à sua OM. Seção II Do Desligamento Art. 19. O desligamento do curso para os candidatos matriculados será concedido mediante requerimento ao Comandante da EsAO, conforme previsto no Regulamento de Preceitos Comuns aos Estabelecimentos de Ensino do Exército (R-126) e no Regulamento da EsAO (R-75).

7 Art. 20. O Comandante da EsAO informará ao DECEx, pelo canal de comando, e à OM o desligamento concedido. Seção III Do Trancamento Art. 21. Somente haverá previsão de trancamento de matrícula para o caso do candidato ser designado para realizar curso ou para missão no exterior, ambos com duração igual ou superior a 6 (seis) meses, nesta condição o candidato: I - deverá informar à EsAO, no prazo máximo de 08 (oito) dias úteis após ter tomado conhecimento oficial de sua designação, informando, também, a data de início e término do seu curso ou missão no exterior; II - terá a matrícula trancada pela EsAO e poderá solicitar rematrícula na PGMP/EsAO, para o ano seguinte, mediante requerimento ao Cmt EsAO, desde que cumpridos os requisitos do art. 3 º deste processo seletivo. Parágrafo único - Caso a designação seja realizada durante o processo de inscrição ou de seleção, o candidato deverá informar à EsAO, de acordo com inciso I. A sua inscrição será cancelada e a sua documentação restituída pela EsAO. CAPÍTULO V DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 22. A EsAO nomeará uma Comissão de Seleção, com a finalidade de realizar o processo seletivo dos postulantes, e Comissões de Avaliação, para apreciar os Projetos de Pesquisas. Art. 23. Os Oficiais da Escola, com Curso de Mestrado ou Doutorado, não poderão orientar qualquer candidato na elaboração dos seus Projetos de Pesquisa, tendo em vista que estes poderão compor uma das Comissões de Avaliação de Projetos. Art. 24. A documentação dos candidatos que não forem selecionados permanecerá na Seção Técnica de Ensino por um período de até 1 (um) mês, após a divulgação dos matriculados na Pós- Graduação de Mestrado. Findo este período, a documentação será incinerada. Art. 25. Ao inscrever-se no processo seletivo, o candidato reconhece e aceita as normas estabelecidas neste processo seletivo e nos documentos que regulam os cursos de pós-graduação da EsAO. Art. 26. Todas as despesas decorrentes da PGMP/EsAO, previstas neste processo seletivo, correrão por conta do militar, sem qualquer ônus para a União. Art. 27. Excepcionalmente, por motivo de força maior, poderá ocorrer a falta de um orientador do Corpo Permanente da EsAO para o tema escolhido por um candidato selecionado. Neste caso, caberá à EsAO, designar um orientador externo (professor/doutor). Art. 28. Os casos omissos no presente Processo Seletivo serão solucionados pelo Cmt EsAO, Dir Ens Sp Mil e pelo Ch DECEx, conforme o grau de complexidade.

8 ANEXO A ÁREA DE CONCENTRAÇÃO DAS LINHAS DE PESQUISA Área de Concentração Linha de Pesquisa (LP) Descrição Defesa Nacional LP1 - Doutrina Militar Terrestre (DMT) LP2 - Educação e Cultura Militares (ECM) LP3 - Administração Militar (Adm Mil) DMT destina-se ao estudo: - dos elementos do poder de combate (liderança, informações e funções de combate Movimento e Manobra, Inteligência, Logística (apoio de pessoal, material e saúde), Comando e Controle, Fogos e Proteção), no nível tático, de organizações militares valor unidade e subunidade independente; e - das táticas, técnicas e procedimentos que regulam a participação do EB em operações de imposição e/ou manutenção de paz em território estrangeiro, em operações de garantia da lei e da ordem e em ações subsidiárias. ECM destina-se ao estudo: - do ensino e da instrução militar; e - da História Militar. Adm Mil destina-se ao estudo das atividades administrativas em tempo de paz.

9 ANEXO B REQUERIMENTO PARA INSCRIÇÃO (MODELO) Armas Nacionais MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO (escalões hierárquicos até a OM expedidora) Requerimento (Local-UF), (data). Do (1) Ao Sr Comandante da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais Objeto: inscrição na Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ciências Militares da EsAO. 1. (2), (3), (4) servindo na(o) (5), requer a V Exa inscrição na Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ciências Militares, desse Estabelecimento de Ensino, na Área de Concentração Defesa Nacional e Linha de Pesquisa (6). 2. Tal solicitação encontra amparo no art. 83 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional); no art. 6º, inciso VII, 1º, da Lei nº 9.786, de 8 de fevereiro de 1999 (Lei do Ensino no Exército Brasileiro); nos art. 96, 100 e 105, 1º do art. 106, art. 108 e inciso V, do art. 128, tudo da Port nº 41-DECEx, de 30 de abril de Anexos: - Projeto Preliminar de Pesquisa em 03 (três) vias impressas e 01 (um) CD/DVD; - Ficha de Comprovação de Experiência; - Resumo do Projeto de Pesquisa; - Cópia do documento que publicou o IPL em um idioma estrangeiro; e - Currículo lattes do candidato em versão impressa. 4. É a primeira vez que requer. Nestes termos, pede deferimento. Cidade/UF, de de. LEGENDA: (7) (8) (1) - Posto e nome completo do requerente. (2) - Nome completo do requerente. (3) - Identidade do requerente. (4) - Posto, Arma / Quadro / Serviço. (5) - Organização Militar. (6) - Nome da Linha de Pesquisa, de acordo com o Anexo A. (7) - Assinatura do requerente. (8) - Nome Completo e posto do requerente. OBSERVAÇÃO: Seguir as medidas estabelecidas na figura nº A-14 - Modelo de Requerimento, anexa às Instruções Gerais para a Correspondência do Exército (EB10-IG ).

10 FICHA DE INFORMAÇÃO (MODELO) Info n o Armas Nacionais MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO (escalões hierárquicos até a OM expedidora) (Local-UF), (data). Do Comandante do (a) (OM) Ao Sr Comandante da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais Assunto: inscrição na Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ciências Militares. Anexo: Requerimento do Cap (nome). 1. Requerimento em que o (POSTO e NOME COMPLETO), desta OM, pleiteia inscrição na Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ciências Militares dessa Escola. 2. INFORMAÇÃO a. Amparo do Requerente Está amparado no art. 83 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional); no art. 6º, inciso VII, 1º, da Lei nº 9.786, de 8 de fevereiro de 1999 (Lei do Ensino no Exército Brasileiro); nos art. 96, 100 e 105, 1º do art. 106, art.108 e inciso V, do art. 128, tudo da Port nº 41-DECEx, de 30 de abril de 2012, e satisfaz a todos os requisitos exigidos no Processo Seletivo para a Inscrição, Seleção e Matrícula na Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ciências Militares da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais para Ex-Discentes. b. Estudo Fundamentado 1) Dados informativos sobre o requerente a) Pessoais (1) Data do nascimento: (2) Natural de: (Cidade e Estado) (3) Estado civil: (4) Data de praça: (5) Data da declaração a Aspirante a Oficial: (6) Data da última promoção: (7) Número de dependentes: b) Cursos que possui (militar e civil) (Citar nome do curso, escola, local, data de conclusão, grau, menção e classificação na turma).

11 c) Outras informações (1) Data de inclusão na OM: (2) Data de apresentação na OM: (3) Tempo de serviço na Gu: (4) OM que serviu e funções desempenhadas, em cada OM, com duração igual ou superior a (seis) meses. (5) Está ou não está matriculado em curso militar ou designado para missão no exterior, ambos de duração igual ou superior a 6 (seis) meses. (6) Está ou não está sub judice. (7) Não está movimentado (ou indicar a OM em caso afirmativo). (8) Índice de Proficiência Linguística (IPL). (9) Endereço eletrônico. (10) Não foi reprovado em Banca Examinadora de Mestrado realizada a partir de 30 de abril de ) Apreciação O requerente pleiteia inscrição na Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ciências Militares, desse Estabelecimento de Ensino, tendo sido observadas as exigências legais para o prosseguimento do seu pleito. 3. PARECER (próprio punho) 4. O presente requerimento permaneceu encaminhamento. dia(s) nesta OM para fins de informação e NOME COMPLETO - Posto Comandante/Chefe/Diretor da OM

12

13 CÓDIGO: ANEXO C A cargo da EsAO FICHA DE COMPROVAÇÃO DA EXPERIÊNCIA (MODELO) 1. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DEFESA NACIONAL 2. NOME DA LINHA DE PESQUISA: (escolher entre Doutrina Militar Terrestre, Educação e Cultura Militar ou Administração Militar) 3. TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA: 4. EXPERIÊNCIA AFETA À LINHA DE PESQUISA. a. Citar o nome, nível, duração, ano e escola dos cursos/estágios militares ou civis realizados e pertinentes à linha de pesquisa. Curso/Estágio/Graduação Nível* Duração Ano Escola Observação * - graduação, especialização, extensão, mestrado, doutorado. b. Citar os títulos dos trabalhos científicos (TCC/monografias etc) realizados, bem como o nível, ano e escola correspondentes. Trabalhos Científicos Nível* Ano Escola Observação * - graduação, especialização, extensão, mestrado, doutorado. c. Tempo no desempenho de atividades relacionadas ao objeto de pesquisa escolhido. Período OM Funções Início Término d. Relatar resumidamente (máximo de 08 linhas) o desempenho nas atividades anteriormente registradas (item c ), tendo o cuidado de evitar a sua identificação. OBSERVAÇÃO: Esta ficha não poderá conter qualquer anotação que possa facilitar a identificação do candidato pela Comissão de Avaliação.

14

15 ANEXO D NORMAS PARA A ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROJETO PRELIMINAR DE PESQUISA 1. FINALIDADE Definir as condições para a elaboração e avaliação dos Projetos de Pesquisa, que serão apresentados pelos candidatos à matrícula na Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ciências Militares da EsAO. 2. TRABALHOS DO MESTRADO PROFISSIONAL A Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ciências Militares da EsAO exige que o postulante apresente um trabalho de conclusão de curso, do tipo dissertação, análise de casos, performance, produção técnica ou operacional, desenvolvimento de instrumentos, equipamentos, protótipos, projetos técnicos, manuais profissionais ou tecnologia para aplicação no campo profissional, comprovando produção intelectual pertinente ao emprego da Força Terrestre, de acordo com a natureza da área de estudo e perfil do concludente. 3. AVALIAÇÃO DO PROJETO PRELIMINAR DE PESQUISA a. O Projeto será pontuado de 0 (zero) a 10 (dez), com aproximação até centésimos, por uma Comissão de Avaliação que examinará os seguintes aspectos: 1) elementos pré-textuais: 0,20 (zero vírgula dois)pt; 2) elementos textuais: 7,50 (sete vírgula cinco) Pt; 3) elementos pós-textuais: 0,50 (zero vírgula cinco) Pt; 4) técnica de redação: 1,30 (um vírgula três) Pt; e 5) estrutura do trabalho: 0,50 (zero vírgula cinco) Pt. b. Em seguida, os membros da Comissão de Relevância farão uma apreciação parcial em que serão analisados os principais aspectos do projeto, o interesse do trabalho para a EsAO e o produto esperado do trabalho. Desta análise resultará um grau que se somará à nota do Projeto de Pesquisa. c. Após a avaliação do projeto e análise da Relevância, a Comissão de Experiência, Cursos e TCC verificará e quantificará a experiência do candidato, fornecendo um grau que se somará à nota do Projeto de Pesquisa. d. Por fim, as notas serão consolidadas na Ficha de Avaliação Final do Projeto de Pesquisa. 4. CLASSIFICAÇÃO DO CANDIDATO A Comissão de Avaliação classificará o candidato considerando: - a sua nota final (até centésimos), obtida com a média das notas parciais das Fichas de Avaliação do Projeto de Pesquisa de cada membro da Comissão de Avaliação, somada à Avaliação da Relevância do Projeto de Pesquisa e à Avaliação da Experiência, Cursos e TCC.; e

16 - em caso de empate na nota final, caberá à Comissão de Avaliação, com base nos critérios estabelecidos no parágrafo único do art. 17, definir a classificação. - caso o Problema receba nota 0 (zero), o Projeto receberá nota 0 (zero), pois o Problema é a base do trabalho científico. 5. ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROJETO Ao elaborar o seu Projeto Preliminar de Pesquisa, o candidato deverá atender às seguintes observações quanto aos quesitos: elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais: Elementos Pré- Textuais Elementos Textuais CAPA FOLHA DE ROSTO SUMÁRIO OUTROS (se for o caso) 1. INTRODUÇÃO 1.1 Problema e seus antecedentes 1.2 Objetivos (geral e específicos) 1.3 Hipóteses ou questões de estudo 1.4 Justificativa 2. REVISÃO DE LITERATURA Somente a capa será identificada com o posto, arma, quadro ou serviço, nome completo do candidato e organização militar (OM). a. Constar os fundamentos teóricos da revisão de literatura, explicitando seus principais tópicos e breve desenvolvimento, que devem ser pertinentes à linha de pesquisa. b. Caso o projeto de pesquisa seja uma produção técnica ou operacional, desenvolvimento de instrumentos, equipamentos, protótipos, projetos técnicos ou tecnologia para aplicação no campo profissional, comprovando produção intelectual pertinente ao emprego da Força Terrestre, o candidato deverá especificar esta condição e, se for o caso, encaminhar cópia ou protótipo do seu trabalho (CD, equipamento, etc.) Elementos Pós- Textuais 3. METODOLOGIA DA PESQUISA 3.1 Objeto formal de estudo 3.2 Amostra 3.3 Delineamento da Pesquisa Procedimentos para a revisão de literatura Procedimentos metodológicos Instrumentos Análise dos dados 4. RESULTADOS ESPERADOS REFERÊNCIAS OUTROS (se for o caso). Para os projetos de pesquisa especificados na letra b., do nº 2 acima, este item (metodologia) será substituído por um relato sobre o método empregado para a elaboração do instrumento, equipamento ou protótipo. Deverá ser caracterizado que a dissertação ou instrumento, equipamento ou protótipo apresentarão resultado(s) importante(s) para a linha de pesquisa escolhida e, em consequência, será de interesse para a Força. Referências efetivamente utilizadas, atualizadas e expressando o estado da arte. Aspectos a serem observados quanto à técnica de redação e estrutura do trabalho. a. Técnica de redação A redação do projeto é fundamental para que os componentes da Comissão de Avaliação possam entender as suas principais características e a proposta do candidato. O projeto deve estar redigido em uma linguagem compatível com as exigências de um trabalho científico (impessoalidade, ética etc.), evidenciar cuidado com as correções gramatical e ortográfica e ser redigido de forma clara, concisa e precisa.

17 b. Estrutura do trabalho A estrutura do trabalho seguirá as normas da ABNT, podendo o candidato seguir o Manual de Apresentação de Trabalhos Acadêmicos e Dissertações 2017 e o Manual de Metodologia da Pesquisa, constantes da página eletrônica da EsAO, bem como qualquer fonte de consulta que oriente a metodologia da pesquisa científica, desde que conste nas referências do projeto. O projeto será confeccionado e impresso em papel A4 (21cm x 29,7cm), na cor branca, fonte ARIAL 12 (doze), para o texto, e 10 (dez) para citações longas. Os elementos textuais (da Introdução até a última página dos Resultados Esperados) deverão observar o limite máximo de 15 (quinze) páginas. Contará a numeração a partir da folha de rosto, porém, só aparecerá o número (algarismo arábico), na parte superior direita, a partir da 1ª folha da parte textual (INTRODUÇÃO); margens: esquerda e superior 3 cm, direita e inferior 2 (dois) cm; espaço entre linhas 1,5 (um vírgula cinco) cm para todo o texto; alinhamento: justificado. O projeto não deverá ser encadernado. A capa e demais folhas serão apenas grampeadas e encaminhadas conforme especificado nestas Instruções Reguladoras. 6. PRESCRIÇÕES DIVERSAS O candidato deverá ter o cuidado de não colocar, em seu projeto, qualquer símbolo ou anotação diferente das normas da ABNT que possa identificar o seu trabalho. Trabalhos que contiverem o nome de seu autor em qualquer parte do mesmo, excetuando-se a capa, serão sumariamente desclassificados.

18 Lembrando que todo o trabalho deverá obedecer às normas da ABNT: - Fonte: ARIAL - Tamanho: 12 CÓDIGO: ANEXO E (a cargo da EsAO) ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS 1 Enter 5 Enter POSTO: CAP ARMA/QUADRO/SERVIÇO: INFANTARIA NOME COMPLETO: JOSÉ MESTRILDO DA SILVA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DEFESA NACIONAL LINHA DE PESQUISA: DOUTRINA MILITAR TERRESTRE (ou EDUCAÇÃO E CULTURA MILITAR ou ADMINISTRAÇÃO MILITAR) TÍTULO DO PROJETO: SOLDADO DO FUTURO NO COMBATE URBANO: CONSCIÊNCIA SITUACIONAL NO ESCALÃO SUBUNIDADE Variável (de acordo com a extensão do título) Sem espaço Rio de Janeiro 2017

19 CÓDIGO: (a cargo da EsAO) ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS 1 Enter 5 Enter ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DEFESA NACIONAL LINHA DE PESQUISA: DOUTRINA MILITAR TERRESTRE (ou EDUCAÇÃO E CULTURA MILITAR ou ADMINISTRAÇÃO MILITAR) TÍTULO DO PROJETO: SOLDADO DO FUTURO NO COMBATE URBANO: CONSCIÊNCIA SITUACIONAL NO ESCALÃO SUBUNIDADE 3 Enter Projeto de Pesquisa apresentado à Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, como requisito parcial para a Inscrição na Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Ciências Militares Rio de Janeiro 2017 Sem espaço

20 1. INTRODUÇÃO (síntese dos antecedentes) Morbileo mi, nonummyeget, tristique non, rhoncus non, leo. Nullamfaucibus mi quis velit. Integer in sapien. Fuscetellusodio, dapibus id, fermentum quis, suscipit id, erat. Fuscealiquamvestibulum ipsum. Aliquam erat volutpat. Pellentesquesapien. Craselementum. Nullapulvinareleifend sem. Cum sociisnatoquepenatibus et magnisdisparturient montes, nasceturridiculus mus. Quisque porta. Vivamusporttitorturpis ac leo. Maecenas ipsum velit, consectetuer eu, lobortis ut, dictumat, dui. In rutrum. Sed ac dolor sit ametpurusmalesuadacongue. In laoreet, magna idviverratincidunt, sem odiobibendum justo, velimperdietsapienwisised libero. Suspendissesagittisultricesaugue. Maurismetus. Nunc dapibustortorvel mi dapibussollicitudin. Etiamposuerelacus quis dolor. Praesent id justo in nequeelementumultrices. Classaptenttacitisociosqu ad litoratorquent per conubianostra, per inceptoshymenaeos. In convallis. Fuscesuscipit libero egetelit. Praesent vitae arcutempornequelaciniapretium. Morbiimperdiet, mauris ac auctordictum, nislligulaegestasnulla, et sollicitudin sem purus in lacus. 1.1 PROBLEMA (apresentação do problema em forma de pergunta) (1 a 5 parágrafos) Morbi a metus. Phasellusenim erat, vestibulumvel, aliquam a, posuere eu, velit. Nullamsapiensem, ornare ac, nonummy non, lobortis a, enim. Nunc tincidunt ante vitae massa. Duis ante orci, molestie vitae, vehiculavenenatis, tincidunt ac, pede. Nullaaccumsan, elitsitametvariussemper, nullamaurismollisquam, temporsuscipitdiamnullavelleo. Etiamcommododuiegetwisi. Doneciaculis gravida nulla. Donec quis nibhatfelisconguecommodo. Etiambibendumeliteget erat. Vestibulumfacilisisauctorurna. Aliquam in lorem sit ametleoaccumsanlacinia. Integerrutrum, orcivestibulumullamcorperultricies, lacusquamultriciesodio, vitae placerat pede sem sitametenim. Phaselluset lorem id felisnonummyplacerat. Fusce dui leo, imperdiet in, aliquam sit amet, feugiateu, orci. Aeneanvel massa quis maurisvehiculalacinia. Quisquetinciduntscelerisque libero. Maecenas libero. Etiamdictumtinciduntdiam. Donec ipsum massa, ullamcorper in, auctor et, scelerisquesed, est. Suspendissenisl. Sedconvallis magna eu sem.

21 1.2 OBJETIVOS (1 Obj Geral e alguns Obj específicos da pesquisa) Lorem ipsum dolorsitamet, consectetueradipiscingelit. Morbi gravida libero necvelit. Praesent in mauris eu tortorporttitoraccumsan. Maurissuscipit, ligulasitametpharetrasemper, nibh ante cursuspurus, velsagittisvelitmaurisvelmetus. Aeneanfermentumrisus id tortor; Integerimperdietlectus quis justo. Integertempor. Vivamus ac urna velleopretiumfaucibus. Mauriselementummauris vitae tortor. In dapibusaugue non sapien. Aliquam ante. Curabiturbibendum justo non orci; In sem justo, commodo ut, suscipitat, pharetra vitae, orci. Duissapien nunc, commodo et, interdumsuscipit, sollicitudin et, dolor. Pellentesquehabitantmorbitristiquesenectus et netus et malesuada fames ac turpisegestas; Aliquam id dolor. Classaptenttacitisociosqu ad litoratorquent per conubianostra, per inceptoshymenaeos. 1.3 HIPÓTESES (OU QUESTÕES DE ESTUDO) (Dependendo da pertinência) Aenean pellentesque et ligula vel varius. Ut sit amet felis feugiat, dignissim ante et, convallis neque. Cras in auctor enim, id posuere leo. Pellentesque ultrices velit at volutpat consequat. Cras eu aliquam lacus. Aenean vulputate tortor nec quam tempor, sodales ornare est posuere. Donec quis metus felis. Integer consectetur malesuada sem, vitae commodo risus ornare at. Quisque elementum eleifend magna in fringilla. Pellentesque condimentum nisl eget efficitur aliquet. Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos. Sed eget lacus velit. Curabitur bibendum ex eleifend arcu iaculis, quis bibendum nibh congue. Sed lobortis vehicula enim in condimentum. In viverra vehicula nulla quis dictum. Mauris ex lacus, posuere ut erat non, viverra faucibus sem. Phasellus sodales libero a sem cursus vulputate. Nulla pretium scelerisque rhoncus. Vivamus sodales tortor ac turpis tempus rutrum. Vestibulum vitae congue nunc. Praesent malesuada lectus purus, at vehicula massa semper eu. Donec ac purus eu mauris dignissim aliquam. Maecenas nec sapien orci. Duis nec nibh lacus. Aliquam non pharetra nisi, nec accumsan libero. Proin aliquam leo et velit pulvinar, id ultricies lacus feugiat. Pellentesque id ante eget turpis facilisis malesuada. In ex lectus, porta non tempus in, fermentum a tellus. Mauris vel imperdiet mauris. Proin efficitur rutrum libero in vestibulum.

22 Vestibulum lacinia lectus quam, et tincidunt sapien laoreet ut. Suspendisse eleifend ante et ipsum maximus tempor. 1.4 JUSTIFICATIVAS (argumentos que indiquem a serventia da pesquisa) Praesent in mauris eu tortorporttitoraccumsan. Maurissuscipit, ligulasitametpharetrasemper, nibh ante cursuspurus, velsgittisvelitmaurisvelmetus. Aeneanfermentumrisus id tortor; In sem justo, commodo ut, suscipitat, pharetra vitae, orci. Duissapien nunc, commodo et, interdumsuscipit, sollicitudin et, dolor. Pellentesquehabitantmorbitristiquesenectus et netus et malesuada fames ac turpisegestas; Aliquam id dolor. Classaptenttacitisociosqu ad litoratorquent per conubianostra, per inceptoshymenaeos; Integerimperdietlectus quis justo. Integertempor. Vivamus ac urna velleopretiumfaucibus. Mauriselementummauris vitae tortor. In dapibusaugue non sapien. Aliquam ante. Curabiturbibendum justo non orci; In sem justo, commodo ut, suscipitat, pharetra vitae, orci; Duissapien nunc, commodo et, interdumsuscipit, sollicitudin et, dolor. Pellentesquehabitantmorbitristiquesenectus et netus et malesuada fames ac turpisegestas. 2. REVISÃO DE LITERATURA(análise, de forma organizada e numa sequência lógica, das ideias encontradas sobre o assunto em pesquisas anteriores ou outras fontes de consulta) (apresentação em parágrafos, sempre citando a referência utilizar o MATAD) (obedecer às exigências mínimas de citação: 10 referências nacionais e 3 estrangeiras) Mauris dolor felis, sagittis at, luctussed, aliquamnon, tellus. Etiamligula pede, sagittis quis, interdumultricies, scelerisque eu, urna. Nullamatarcu a est sollicitudineuismod. Praesentdapibus. Duisbibendum, lectus ut viverrarhoncus, dolor nunc faucibus libero, egetfacilisisenim ipsum id lacus. Nam sedtellus id magna elementumtincidunt(xxxxxxxxxx, 9999, p. 000). A Lei Complementar 97, de 9 de junho de 1999, em seu capítulo IV, dispõe sobre...maecenas ipsum velit, consectetuer eu, lobortis ut, dictumat,

23 dui. In rutrum. Sed ac dolorsitametpurusmalesuadacongue. In laoreet, magna idviverratincidunt, sem odiobibendum justo, velimperdietsapienwisised libero. Suspendissesagittisultricesaugue. Maurismetus. Nunc dapibustortorvel mi dapibussollicitudin. Morbiimperdiet, mauris ac auctordictum, nislligulaegestasnulla, et sollicitudin sem purus in lacus. GuerraUrbana, CombateemLocalidade, Guerranum 'ambientecomplexo'. Paraquemolhadefora, essaspalavrasparecemdesconexas, antiquadas. Entretanto, essaspalavrassãoreaisevivasparaosprofissionaismilitaresqueviramcen asdegrandedestruiçãoemorteemcidadescomoberlim, Stalingrado, HueeBeirute. AGuerraUrbanaéumcenário em quemuitosmilitaresgostariamdeevitar, masqueaindapermanecenosdiasatuais. Maisdoqueisso, elapoderáseraabordagempreferidadenossosfuturosoponentes (EUA, 2002, p. 206, tradução do autor). Maurisdictumfacilisisaugue. Fuscetellus. Pellentesquearcu. Maecenasfermentum, sem in pharetrapellentesque, velitturpisvolutpat ante, in pharetrametusodio a lectus. Sedelitdui, pellentesque a, faucibusvel, interdumnec, diam. Mauris dolor felis, sagittis at, luctussed, aliquam non, tellus. Etiamligula pede, sagittis quis, interdumultricies, scelerisque eu, urna. Duisbibendum, lectus ut viverrarhoncus, dolor nunc faucibus libero, egetfacilisisenim ipsum id lacus. Nam sedtellus id magna elementumtincidunt(xxxxxxxxxx, 9999, p. 000). A Lei Complementar 97, de 9 de junho de 1999, em seu capítulo IV, dispõe sobre...maecenas ipsum velit, consectetuer eu, lobortis ut, dictumat, dui. In rutrum. Sed ac dolor sit ametpurusmalesuadacongue(figura 1). Figura 1: Organograma de uma Subunidade de Infantaria Fonte: BRASIL, 1973, p. 1-3

24 Maurisdictumfacilisisaugue. Fuscetellus. Pellentesquearcu. Maecenasfermentum, sem in pharetrapellentesque, velitturpisvolutpat ante, in pharetrametusodio a lectus. Sedelitdui, pellentesque a, faucibusvel(tabela 1), interdumnec, diam. Duisbibendum, lectus ut viverrarhoncus, dolor nunc faucibus libero, egetfacilisisenim ipsum id lacus. Nam sedtellus id magna elementumtincidunt(xxxxxxxxxx, 9999, p. 000). TABELA 1:Avaliação da amostraa respeitoda prioridade para o desenvolvimento ou aquisição da capacidade orientar-se por um mapa digital portátil, acompanhando, em tempo real, o posicionamento dos militares da sua fração. Avaliação Capacidade orientar-se por um mapa digital portátil, acompanhando, em tempo real, o posicionamento dos militares da sua fração ƒi Fi ƒri Fri = Fonte: MENDONÇA, 2013, p Pellentesquearcu. Maecenasfermentum, sem in pharetrapellentesque, velitturpisvolutpat ante, in pharetrametusodio a lectus. Sedelitdui, pellentesque a, faucibusvel, interdumnec, diam. Mauris dolor felis, sagittis at, luctussed, aliquam non, tellus. 3. METODOLOGIA(explicação sucinta de como se pretende conduzir a pesquisa) 3.1 OBJETO FORMAL DE ESTUDO (delimitar as variáveis dependente e independente, bem como o contexto e a delimitação no tempo e espaço) Sed dapibus risus et felis consequat, in blandit tortor congue. Donec eleifend felis quis leo pulvinar, non euismod enim fermentum. Morbi et sodales mauris, sed tempor nulla. Integer laoreet vel diam vitae tincidunt. Etiam egestas ultricies risus, eu vestibulum libero lacinia a. Vivamus volutpat, metus sed venenatis varius, ex leo convallis tellus, sed molestie massa urna vel eros. Praesent neque turpis, ultrices a scelerisque at, ultricies vel dui. Praesent vel risus non libero aliquet feugiat. Sed tristique at nisi id varius. Cras rutrum ipsum vel augue malesuada, gravida rutrum orci facilisis. Proin varius neque sapien,

25 vitae hendrerit mauris blandit nec. Nullam feugiat feugiat pellentesque. In id dignissim risus. Pellentesque habitant morbi tristique senectus et netus et malesuada fames ac turpis egestas. Duis nec nisi commodo, tempus dolor id, tristique leo. Aliquam semper pharetra lacus eget posuere. Integer id sagittis diam. Nullam id lobortis augue. Nam sollicitudin eget ante eu vestibulum. Phasellus id euismod eros. Cras tincidunt purus quis eros volutpat, rutrum eleifend tortor hendrerit. Quisque lacinia mollis nisi, eget tincidunt nunc convallis elementum. Ut vitae velit arcu. Integer at ex condimentum, dignissim libero sed, mattis est. Sed non aliquam purus. Quisque felis nibh, pharetra et placerat sit amet, dapibus lobortis nibh. Phasellus fermentum, augue eu tristique mollis, justo leo feugiat lectus, non vulputate mi orci sit amet libero. Morbi a tortor mi. Nullam rhoncus ante sed tristique accumsan. Donec in sem vitae neque hendrerit posuere. Suspendisse tortor ligula, pretium nec aliquet ut, laoreet non mauris. Cras metus magna, sodales sed lacus quis, sagittis vehicula libero. Pellentesque cursus dapibus mi, sit amet consectetur nulla cursus in. Cras et eros quis sapien gravida tincidunt. Donec ac tellus a leo aliquam hendrerit. Suspendisse sagittis velit sem, a ornare libero tempor fringilla. Maecenas sed pharetra erat, non venenatis lorem. Maecenas bibendum ultricies augue, et malesuada nulla blandit ac. Mauris luctus vehicula eleifend. 3.2 AMOSTRA (critérios de amostragem, dimensão e representatividade) Maecenas quis elit tempus, luctus metus id, accumsan lectus. Integer blandit accumsan dui, eu varius neque. Donec ut lorem sed mauris tristique pulvinar. Aenean finibus dui neque, consequat ullamcorper turpis semper non. Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos. Cras sit amet metus porta, ullamcorper lorem mollis, sagittis ex. Donec tristique elementum sem vel varius. Duis efficitur ligula ut eros condimentum tincidunt. Praesent pharetra finibus diam eget vulputate. Integer sodales est id eleifend blandit. In at nisi elit. Quisque a nisi velit. Morbi euismod, enim ultricies vulputate consectetur, turpis neque vulputate elit, vel consequat magna ligula non dui. Nulla elementum facilisis magna ac blandit. In et vulputate quam. Donec condimentum libero a mi varius tincidunt. Mauris sit amet felis vestibulum, placerat urna nec, faucibus ex. Sed a facilisis ipsum. Suspendisse ante tortor,

26 sagittis sed sem sit amet, gravida luctus massa. Nulla gravida ultricies mi, vitae ullamcorper eros. 3.3 DELINEAMENTO DA PESQUISA (método e tipo de pesquisa) Nulla justo mauris, tempor nec elementum ut, laoreet ut mauris. Ut auctor non nulla eu imperdiet. Ut placerat, quam id consectetur vestibulum, metus nulla consectetur magna, ac mollis est magna quis libero. Donec vitae gravida enim, eget interdum augue. Vestibulum tempor lobortis egestas. Ut lobortis sagittis faucibus. Maecenas finibus lectus ac malesuada finibus. Cras condimentum, lectus sed semper vehicula, turpis justo auctor mi, a facilisis mauris odio in erat. Praesent venenatis lacus quis auctor vehicula. Suspendisse pulvinar gravida metus, a congue nunc pharetra at. Praesent sagittis consectetur ipsum vel rhoncus. Maecenas pretium nulla at nisi pretium, ut egestas nisi vulputate. Vestibulum iaculis sem bibendum enim commodo, eget iaculis ante elementum. Nam sed efficitur felis. Cras eleifend scelerisque erat, a placerat lorem ultricies euismod. Nam vitae erat ut arcu mattis laoreet et in nisl. Integer congue gravida leo at volutpat. Donec aliquet magna in odio finibus suscipit non sit amet eros. Fusce finibus eu sapien eget congue Procedimentos Metodológicos (ações até a coleta de dados, critérios de inclusão e exclusão) Curabitur rutrum nibh erat, et condimentum lacus pulvinar non. Phasellus cursus fermentum ipsum, id viverra ante pharetra consectetur. Maecenas id viverra turpis. Nulla malesuada, justo ut imperdiet congue, quam ex pellentesque dolor, vel gravida est massa nec orci. Vivamus sagittis auctor velit vitae commodo. Quisque fermentum risus efficitur aliquam porta. Donec gravida sodales ex quis dignissim. Nunc sit amet eros sit amet erat facilisis aliquet. Donec lectus tellus, cursus et magna vel, vestibulum volutpat nibh. Nunc mollis posuere nibh a facilisis. Integer gravida varius sodales. Suspendisse massa mauris, pharetra at pulvinar eu, consequat vel risus. Donec aliquam erat tortor, et dapibus lorem sagittis eleifend. Nullam non rutrum ex. Curabitur in est in turpis semper varius nec eu lectus. Proin lacinia aliquet pretium. Duis vel finibus dolor, sed vestibulum nunc. Nullam at ligula vehicula velit gravida mollis. Donec eget vehicula ipsum. Quisque felis ante, gravida eu urna quis, aliquet ultricies justo. Fusce ac venenatis sapien. Integer hendrerit, eros

27 sed laoreet finibus, massa purus malesuada arcu, quis luctus sem ex ac justo. Donec maximus luctus augue, vitae pharetra erat suscipit ut. Praesent id turpis scelerisque, tincidunt eros at, mollis augue. Nulla facilisi. Nunc blandit malesuada pulvinar. Suspendisse erat turpis, placerat sed justo id, dapibus placerat massa. Pellentesque habitant morbi tristique senectus et netus et malesuada fames ac turpis egestas. Vestibulum lorem odio, dapibus sed nunc in, faucibus laoreet lorem. Quisque molestie dui egestas fringilla imperdiet. Nam iaculis elit et nisi euismod, vel hendrerit lorem interdum. Suspendisse augue metus, tempor vel lorem et, convallis interdum nulla. In aliquet nec quam a ullamcorper. Vestibulum suscipit eu velit sed vehicula. Etiam accumsan rutrum nisi, eu dictum ex finibus a. Nunc a arcu euismod elit varius luctus nec sed lorem. Morbi dictum quam nec rutrum suscipit. Mauris accumsan arcu in lorem cursus, nec fermentum lectus viverra. Ut hendrerit pharetra ex, et semper dui pretium vel Instrumentos (já foi realizado contato com o CAAdEx a fim de autorizar a utilização do Sistema de Simulação Viva para alguns experimentos, aproveitando-se do adestramento das frações da Gu do Rio de Janeiro. Seja criativo, mas realista!) Proin eu tellus lorem. Aliquam blandit pellentesque nisi in feugiat. Sed at eleifend risus, ut mattis mi. Vestibulum sagittis egestas ipsum in pharetra. Vestibulum sit amet pretium risus. Nulla et tincidunt risus. Praesent ullamcorper egestas tellus vitae aliquam. Vivamus laoreet dapibus elit vitae gravida. Sed viverra et risus vel pulvinar. Nullam eget mauris sed libero varius vehicula. Nullam egestas ipsum at ligula auctor, et hendrerit eros laoreet. Nunc scelerisque vitae libero eget laoreet. Donec nec tortor commodo lorem ultricies ultricies. Ut ac auctor risus. In ac felis a ante fermentum aliquam sit amet quis massa. Maecenas sit amet risus id risus pellentesque ultricies non quis magna. Aenean gravida dui ex, non congue est blandit dictum. Mauris augue sem, volutpat efficitur porttitor ac, molestie sit amet neque. Donec egestas orci non laoreet gravida. Aenean quis augue bibendum, malesuada nisl at, gravida odio. Aenean ut nisl eget mi dapibus convallis sed eget est. Quisque tincidunt id augue vel vehicula. Donec condimentum lobortis dolor id laoreet. Vivamus semper purus quis purus hendrerit, vel tempor ipsum elementum. Integer tincidunt nisl fringilla mauris bibendum congue. Suspendisse vitae ullamcorper lectus. Curabitur gravida dui sed sapien sollicitudin venenatis. Cras

28 ultricies ante eget ex lobortis mattis. Aenean posuere ex id risus hendrerit vehicula. Nam odio sem, faucibus ut porttitor nec, mollis vitae eros. Nunc ut lorem a urna molestie aliquam. Suspendisse egestas egestas venenatis. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Proin semper nulla nec viverra finibus. Quisque luctus ipsum lacus, suscipit aliquet mi faucibus in. Fusce ornare lobortis orci ac dapibus Análise dos Dados (procedimentos adotados para codificação, tabulação e apresentação dos dados) In hac habitasse platea dictumst. Donec finibus, nibh eget hendrerit malesuada, eros sem porttitor metus, quis suscipit turpis justo sit amet quam. Nam sed consequat libero. Donec vulputate metus magna, non tristique tortor maximus et. Sed cursus leo diam. Nam lacinia, ante nec malesuada varius, sapien dolor ultrices lectus, ac tincidunt lacus augue sit amet est. Morbi volutpat, nisl sed luctus iaculis, magna mauris pulvinar ipsum, nec hendrerit quam quam non mi. Pellentesque ornare ultricies mauris hendrerit ornare. Nam tristique risus nec est hendrerit condimentum. Curabitur fringilla sem nec nunc congue scelerisque. Aliquam et nisi ex. Maecenas varius nisl ac arcu semper, nec aliquam lacus consectetur. Ut id dictum quam. Morbi nibh justo, condimentum nec egestas aliquet, convallis ultricies urna. Vestibulum id erat vel mauris tempor dapibus. Mauris vel molestie turpis. Nam id semper sem. Nulla vitae sodales ligula. Mauris tempus erat a orci interdum, eu mattis nunc volutpat. Integer nibh ipsum, lacinia sed aliquet vel, hendrerit id elit. Nunc gravida mauris eget turpis laoreet, sed ultricies libero suscipit. Vestibulum iaculis elit augue, nec rutrum nisi commodo vitae. Donec vitae consequat enim, vel tempus enim. Donec magna sapien, venenatis nec ligula rhoncus, finibus vulputate velit. Duis dui erat, suscipit sed convallis vel, fringilla eu diam. Duis sed turpis et sapien commodo pharetra sit amet non felis. Donec maximus, magna nec auctor elementum, risus neque aliquet est, sit amet aliquet elit tortor vel enim. Proin vel malesuada massa. Mauris ut ipsum at metus maximus pretium. Mauris rutrum odio mattis ultrices pellentesque. Sed euismod risus id lacus venenatis porta. Praesent egestas dictum metus in laoreet. Sed turpis nulla, pretium quis vulputate a, ornare eget urna.

29 4. RESULTADOS ESPERADOS (qual o produto esperado do trabalho? Quais os impactos para o Exército Brasileiro?) Integer vel tellus eget eros lobortis sagittis vitae id dui. Phasellus mattis, lorem in elementum rutrum, mauris eros elementum erat, sed varius tellus metus nec sapien. Nam id aliquet odio. Aenean at accumsan nisi. Vestibulum ante ipsum primis in faucibus orci luctus et ultrices posuere cubilia Curae; Aliquam sit amet turpis ut risus ultricies vehicula eu vitae mauris. Maecenas sit amet odio non tellus consectetur elementum eget ut ex. Praesent id sem magna. In egestas nibh in vulputate dignissim. Aliquam nisl sapien, blandit a risus quis, condimentum feugiat augue. Ut accumsan quis mi imperdiet tristique. Phasellus mattis ligula eget libero porttitor, non dictum odio rutrum. Nullam et nunc pellentesque, elementum diam eget, interdum neque. Vestibulum risus nunc, suscipit id semper eget, feugiat quis erat. Nulla tincidunt condimentum purus. In hac habitasse platea dictumst. Morbi velit lorem, accumsan sed elementum in, volutpat eget velit. Sed nec nulla nec lorem laoreet tempus vitae pharetra sem. Aenean non lacinia arcu. Phasellus tincidunt lacinia dapibus. Fusce nec ultrices sem. Morbi in pretium nulla. Etiam vitae pulvinar dolor. Sed vulputate mi eget lorem suscipit, at pellentesque nibh dignissim. Ut eget maximus erat. Ut commodo tincidunt massa nec posuere. Ut at risus eros. Nulla justo mauris, tempor nec elementum ut, laoreet ut mauris. Ut auctor non nulla eu imperdiet. Ut placerat, quam id consectetur vestibulum, metus nulla consectetur magna, ac mollis est magna quis libero. Donec vitae gravida enim, eget interdum augue. Vestibulum tempor lobortis egestas. Ut lobortis sagittis faucibus. Maecenas finibus lectus ac malesuada finibus. Cras condimentum, lectus sed semper vehicula, turpis justo auctor mi, a facilisis mauris odio in erat. Praesent venenatis lacus quis auctor vehicula. Suspendisse pulvinar gravida metus, a congue nunc pharetra at. Praesent sagittis consectetur ipsum vel rhoncus. Maecenas pretium nulla at nisi pretium, ut egestas nisi vulputate. Vestibulum iaculis sem bibendum enim commodo, eget iaculis ante elementum. Nam sed efficitur felis. Cras eleifend scelerisque erat, a placerat lorem ultricies euismod. Nam vitae erat ut arcu mattis laoreet et in nisl. Integer congue gravida leo at volutpat. Donec aliquet magna in odio finibus suscipit non sit amet eros. Fusce finibus eu sapien eget congue. In scelerisque risus eu nunc posuere volutpat. Vestibulum elementum sapien non leo tempus, ut feugiat ipsum condimentum. Nullam non arcu

30 fermentum, accumsan urna accumsan, faucibus risus. Phasellus feugiat risus est, eget maximus diam mollis ut. Sed quis libero dolor. Mauris aliquam dui sem, at condimentum felis porttitor eget. Ut nec iaculis tellus, quis gravida lacus. Sed accumsan, ipsum eu pretium vestibulum, tellus lacus vestibulum nunc, vel bibendum sapien lorem et lacus. Curabitur eget mauris a lectus porta eleifend nec vel libero. Aenean non odio euismod, rutrum justo id, ultricies felis. Quisque aliquam tortor eget sapien hendrerit fringilla. Curabitur rutrum nibh erat, et condimentum lacus pulvinar non. Phasellus cursus fermentum ipsum, id viverra ante pharetra consectetur. Maecenas id viverra turpis. Nulla malesuada, justo ut imperdiet congue, quam ex pellentesque dolor, vel gravida est massa nec orci. Vivamus sagittis auctor velit vitae commodo. Quisque fermentum risus efficitur aliquam porta. Donec gravida sodales ex quis dignissim. Nunc sit amet eros sit amet erat facilisis aliquet. Donec lectus tellus, cursus et magna vel, vestibulum volutpat nibh. Nunc mollis posuere nibh a facilisis. Integer gravida varius sodales. Suspendisse massa mauris, pharetra at pulvinar eu, consequat vel risus. Donec aliquam erat tortor, et dapibus lorem sagittis eleifend. Nullam non rutrum ex. Curabitur in est in turpis semper varius nec eu lectus. Proin lacinia aliquet pretium. Duis vel finibus dolor, sed vestibulum nunc. Nullam at ligula vehicula velit gravida mollis. Donec eget vehicula ipsum. Quisque felis ante, gravida eu urna quis, aliquet ultricies justo. Fusce ac venenatis sapien. Integer hendrerit, eros sed laoreet finibus, massa purus malesuada arcu, quis luctus sem ex ac justo. Donec maximus luctus augue, vitae pharetra erat suscipit ut.

ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Teleconumicações e de Computadores

ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Teleconumicações e de Computadores ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Teleconumicações e de Computadores MERCM Mestrado em Eng. de Redes de Comunicação e Multimédia Dissertação

Leia mais

CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação. Apresentações. Prof. Jesús P. Mena-Chalco 3Q-2016

CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação. Apresentações. Prof. Jesús P. Mena-Chalco 3Q-2016 1 CCM002 Metodologia de Pesquisa em Ciência da Computação Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 3Q-2016 2 Pratique, pratique, pratique,. Pode inovar, não ha regra apenas sugestões. Pode falar

Leia mais

BRAND GUIDELINES RTP MÚSICA

BRAND GUIDELINES RTP MÚSICA RTP MÚSICA VERSÃO VERTICAL GRELHA / EIXOS BRAND GUIDELINES GRELHA / EIXOS VERSÃO VERTICAL VERSÃO HORIZONTAL BRAND GUIDELINES VERSÃO MOSCA COMPORTAMENTOS CROMÁTICOS (VERSÃO HORIZONTAL E VERTICAL) Cor Directa

Leia mais

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Modelo canônico de Projeto de pesquisa em conformidade

Leia mais

MANUAL DE NORMAS Normas Normas.indd indd :09:36 12:09:36

MANUAL DE NORMAS Normas Normas.indd indd :09:36 12:09:36 MANUAL DE NORMAS Universo cromático Pantone 470 C C M Y K 0% 58% 100% 33% Black 50% Black Família Tipográfica Barmeno Regular utilizado nas palavras municipal de lisboa abcdefghijklmnopqrstuvxz ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVXZ

Leia mais

POCH MANUAL DE NORMAS

POCH MANUAL DE NORMAS POCH MANUAL DE NORMAS 2015 A MARCA A marca é o elemento mais identificativo da identidade corporativa. A normalização da mesma é essencial para preservar a sua legibilidade e percepção. Por esse motivo,

Leia mais

MANUAL NORMAS GRÁFICAS

MANUAL NORMAS GRÁFICAS MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS NOVEMBRO 2016 MIGUEL GATA INTRODUÇÃO 2 MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS BEM-VINDO ao Manual de Normas Gráficas da ESCOLA PROFISSIONAL PRÁTICA UNIVERSAL BRAGANÇA Dada a importância que

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

IFDR, IP MANUAL DE NORMAS

IFDR, IP MANUAL DE NORMAS IFDR, IP MANUAL DE NORMAS Este guia de normas representa, no seu conteúdo, o conjunto das regras básicas de utilização da marca, bem como das suas declinações e complementos visuais. A utilização dos elementos

Leia mais

Manual de Normas Gráficas

Manual de Normas Gráficas Manual de Normas Gráficas A criação da identidade visual da Proxira, tem por base um sistema de aplicações coerente, organizado e bem definido. O manual de identidade visual apresentado reúne os elementos

Leia mais

MANUAL DE NORMAS. Guia de identidade visual. Abril. 2016

MANUAL DE NORMAS. Guia de identidade visual. Abril. 2016 MANUAL DE NORMAS Guia de identidade visual Abril. 2016 A logomarca tem como base a interação com as pessoas. É por isso que é tão importante que todos os que trabalham com a logomarca Nosso Shopping percebam

Leia mais

Monografia Índice Completo

Monografia Índice Completo Monografia Definição: dissertação a respeito de um assunto único; estudo minucioso a fim de esgotar determinado tema relativamente restrito. Monografia é uma dissertação sobre um ponto particular de uma

Leia mais

KIT DE NORMAS GRAFICAS

KIT DE NORMAS GRAFICAS KIT DE NORMAS GRAFICAS ÍNDICE 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 INTRODUÇÃO CONCEÇÃO DO SELO CORES DO SELO SELO MONOCROMÁTICO REFERÊNCIAS DE COR OUTRAS CORES FUNDOS FOTOGRÁFICOS ÁREA DE PROTEÇÃO REDUÇÃO TIPOGRAFIA

Leia mais

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO - TECCOGS ISSN:

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO - TECCOGS ISSN: Normas para publicação Formatação da página (margens): Topo: 3,3 cm Inferior: 3 cm Esquerda: 2,3 cm Direita: 2 cm Título: Fonte: Arial, 14 Alinhamento do texto: à esquerda Norma para publicação Autoria:

Leia mais

DE PRODUTOS. VISITE NOSSO SITE: FORMA DE BAURU C/ ROLO PARA PINTURA 15CM C/ ESPREMEDOR DE LARANJA C/

DE PRODUTOS. VISITE NOSSO SITE:  FORMA DE BAURU C/ ROLO PARA PINTURA 15CM C/ ESPREMEDOR DE LARANJA C/ CATÁLOGO 2015 DE PRODUTOS FORMA DE BAURU C/1 009118 ROLO PARA PINTURA 15CM C/1 009197 ESPREMEDOR DE LARANJA C/1 009149 FURA COCO C/1 009301 Página 12 Página 12 VISITE NOSSO SITE: www.grupoufs.com.br HISTÓRIA

Leia mais

A A. Caixas. Prof.: Ivan R. Pagnossin. Tutora: Juliana Giordano. Largura. Altura. Altura total. Linha-base. Profundidade. Ponto-de-referência

A A. Caixas. Prof.: Ivan R. Pagnossin. Tutora: Juliana Giordano. Largura. Altura. Altura total. Linha-base. Profundidade. Ponto-de-referência Prof.: Ivan R. Pagnossin Tutora: Juliana Giordano Coordenadoria de Tecnologia da Informação Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada Definição e dimensões Largura Altura Profundidade g Altura total Linha-base

Leia mais

MUSEU do FUTEBOL manual da marca

MUSEU do FUTEBOL manual da marca manual da marca MUSEU do FUTEBOL manual da marca 03 06 07 11 13 14 15 19 23 24 25 conceito ASSINATURAS PREFERENCIAIS ASSINATURAS secundárias dimensões da marca uso da tipologia Auxiliar opções de uso da

Leia mais

12EDIÇÃO In-Lex ANUÁRIO das Sociedades de Advogados IN-LEX

12EDIÇÃO In-Lex ANUÁRIO das Sociedades de Advogados IN-LEX www.in-lex.pt ª 12EDIÇÃO In-Lex 2017 ANUÁRIO das Sociedades de Advogados IN-LEX Lorem ipsum dolor sit amet, Suspendisse at tellus. Nullam in nisl. Curabitur dolor metus, consectetuer adipiscing elit. nisl.

Leia mais

www.in-lex.pt ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO EDIÇÕES E DIVULGAÇÃO CONTACTOS IN-LEX

www.in-lex.pt ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO EDIÇÕES E DIVULGAÇÃO CONTACTOS IN-LEX www.in-lex.pt Para mais informação consulte o nosso site ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 Data da Publicação Dimensões Papel Capa Papel Miolo Hardcover Início de 2015 230 (largura) x 297 (altura)

Leia mais

Cartão Loja. Cartão Pessoal. José Maria Diretor Administrativo. Buscamos e aviamos sua receita TELEVENDAS.

Cartão Loja. Cartão Pessoal. José Maria Diretor Administrativo. Buscamos e aviamos sua receita TELEVENDAS. Aplicações Cartão Loja Buscamos e aviamos sua receita www.pharmasu.com.br Matriz: Av. C-159 nº 670 Filial T-9: Av. T- 9 nº 2.811 (62) 3526-4910 Farmacia Ipasgo: Av. Anhanguera nº 8517 Campinas (62) 3526-5900

Leia mais

Câmara Municipal de Vagos Normas Gráficas

Câmara Municipal de Vagos Normas Gráficas 01 Índice Introdução # 3 Marca # 4 Logótipo # 5 Símbolo # 6 Construção Identidade # 7 Versões # 8-9 - 10 Arquitetura Marca # 11 Identidade Inglês # 12 Identidade Espanhol # 13 Área de proteção # 14 Dimensões

Leia mais

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 2015

Leia mais

TÍTULO DA MONOGRAFIA

TÍTULO DA MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE COMPUTAÇÃO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO NOME SOBRENOME TÍTULO DA MONOGRAFIA Belém 2017 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Revista Universitária de Comunicação e Multimédia Número 1/bimestral/Abril/2010/UTAD/gratuita

Revista Universitária de Comunicação e Multimédia Número 1/bimestral/Abril/2010/UTAD/gratuita Revista Universitária de Comunicação e Multimédia Número 1/bimestral/Abril/2010/UTAD/gratuita Concursos Empregos Proxima edição/fi cha técnica 19 Prêmio Design MCB http://www.mcb.sp.gov.br web designer

Leia mais

MARCA BRAGANÇA MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS NOVEMBRO 2014

MARCA BRAGANÇA MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS NOVEMBRO 2014 MARCA BRAGANÇA MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS NOVEMBRO 2014 INTRODUÇÃO 2 MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS BEM-VINDO ao Manual de Normas Gráficas da Marca de Bragança. Dada a importância que tem a imagem gráfica na

Leia mais

XXII Jornada Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas. 30/05 a 04/06/2016

XXII Jornada Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas. 30/05 a 04/06/2016 XXII Jornada Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas 30/05 a 04/06/2016 Apresentação Oral Apenas trabalhos experimentais concluídos Instruções para Resumos Expandidos Formatação Os resumos devem ser

Leia mais

Título da Dissertação

Título da Dissertação FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Título da Dissertação Nome do Autor VERSÃO DE TRABALHO Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Orientador: Nome do Orientador 24 de Janeiro

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MUNICÍPIO DE BRAGANÇA NOVEMBRO 2014 INTRODUÇÃO 2 MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS BEM-VINDO ao Manual de Normas gráficas do Município de Bragança. Dada a importância que tem a imagem

Leia mais

A C R A M A L D A U N A

A C R A M A L D A U N A MANUAL DA MARCA BRIEFING & PROCESSO CRIATIVO 01 CONCEITO E CONSTRUÇÃO DA MARCA 02 GRADE 04 PALETA DE CORES 05 APLICAÇÕES MONOCROMÁTICAS 05 APLICAÇÕES 06 CRÉDITOS 07 01 BRIEFING & PROCESSO CRIATIVO BRIEFING...

Leia mais

Normas para apresentação e elaboração de Trabalhos Finais de Licenciatura e Mestrado

Normas para apresentação e elaboração de Trabalhos Finais de Licenciatura e Mestrado Normas para apresentação e elaboração de Trabalhos Finais de Licenciatura e Mestrado Normas para apresentação e elaboração dos Trabalhos Finais Nota prévia: As normas agora aprovadas devem ser entendidas

Leia mais

NOME SOBRENOME TÍTULO DO TRABALHO

NOME SOBRENOME TÍTULO DO TRABALHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO NOME SOBRENOME TÍTULO DO TRABALHO FORTALEZA

Leia mais

Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Manual de Identidade Visual

Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Manual de Identidade Visual Universidade Federal da Integração Latino-Americana Manual de Identidade Visual Índice 1. Sistema Básico 2. Sistema Aplicativo 1.1 Assinatura Institucional 1.1.1 Preferencial / Versão Horizontal 1.1.2

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL Catarinense. Manual de Identidade Visual do Instituto Federal Catarinense

INSTITUTO FEDERAL Catarinense. Manual de Identidade Visual do Instituto Federal Catarinense INSTITUTO FEDERAL Manual de Identidade Visual do Instituto Federal CECOM/Reitoria - 2016 Apresentação A marca Instituto Federal é o principal elemento da identidade visual institucional, que simboliza

Leia mais

Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES

Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado da Bahia Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES sumário sumário 7 Apresentação 8 A NOVA MARCA FECOMÉRCIO

Leia mais

Normas para apresentação e elaboração de Trabalhos Finais de Licenciatura e Mestrado

Normas para apresentação e elaboração de Trabalhos Finais de Licenciatura e Mestrado Normas para apresentação e elaboração de Trabalhos Finais de Licenciatura e Mestrado Versão n.º2-01/02/2011 Normas para apresentação e elaboração dos Trabalhos Finais Nota prévia: As normas agora aprovadas

Leia mais

Informações do contratante. Pré-contrato. Informações do Titular. Informações de Endereço Residencial. Informações de Endereço Comercial

Informações do contratante. Pré-contrato. Informações do Titular. Informações de Endereço Residencial. Informações de Endereço Comercial Informações do contratante Nome: carol Email: carolina.mello@axeisaude.com.br Data de Nascimento: 12/12/1990 Sexo: Feminino Fone: (99) 23232-3232 CEP: 15010-085 Tipo de Plano: Coletivo Adesão CPF: 123..

Leia mais

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone buscar no site OK Página inicial links rápidos a fazenda santa maria nononononono não- título em destaque texto complementar Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Praesent vestibulum

Leia mais

Sindicatos. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES DOS SINDICATOS LIGADOS À CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO

Sindicatos. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES DOS SINDICATOS LIGADOS À CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES DOS SINDICATOS LIGADOS À CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO ligados à Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo Manual de

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL RECEITA ESTADUAL RS Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL RECEITA ESTADUAL RS Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul Conceituação.2 O maior patrimônio de muitas grandes empresas é sua identidade visual ou sua imagem corporativa. E como essas empresas

Leia mais

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

wireframe do novo site

wireframe do novo site wireframe do novo site home METRÔ PAINÉIS S ANUNCIE QUEM SOMOS Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nam imperdiet sed eros ut luctus. Suspendisse eu vulputate massa. Nullam dignissim,

Leia mais

d ce R E V I S T A D I G I TA L

d ce R E V I S T A D I G I TA L d ce R E V I S T A D I G I TA L Doce Revista Digital Há 25 anos no mercado, a imagem da Doce Revista é marcada pelo jornalismo ágil e independente. É a única publicação nacional voltada exclusivamente

Leia mais

Como Usar Este Modelo por [Autor do Artigo]

Como Usar Este Modelo por [Autor do Artigo] TÍTULO SUBTÍTULO Edição nº Título Subtítulo Data da Edição Como Usar Este Modelo DIGITE O SLOGAN AQUI Este boletim informativo é criado principalmente usando colunas de texto, para que o texto quebre automaticamente

Leia mais

[ PROPOSTA DE IDENTIDADE VISUAL UNIÃO DE FREGUESIAS DE COIMBRA - SÉ NOVA, SANTA CRUZ, ALMEDINA, S. BARTOLOMEU ] [ ]

[ PROPOSTA DE IDENTIDADE VISUAL UNIÃO DE FREGUESIAS DE COIMBRA - SÉ NOVA, SANTA CRUZ, ALMEDINA, S. BARTOLOMEU ] [ ] [ PROPOSTA DE IDENTIDADE VISUAL UNIÃO DE FREGUESIAS DE COIMBRA - SÉ NOVA, SANTA CRUZ, ALMEDINA, S. BARTOLOMEU ] [ 10.07.14 ] INTRODUÇÃO A proposta de identidade institucional da união das freguesias de

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual ATENÇÃO Devido à enorme diversidade de tipos de impressão e modelos de impressoras existentes, alertamos que as cores resultantes da impressão deste arquivo podem variar drasticamente.

Leia mais

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design Índice Capítulo Apresentação... O logo e seus elementos... Variações cromáticas... Reduções e reservas... Aplicação em fundos de cor... Tipografias de apoio... Usos indevidos... Cartão de Visita... Pág.

Leia mais

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE MENU EMBRACE THE FUTURE ÁREAS DE NEGÓCIO SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS EM DESTAQUE PORTUGAL MARROCOS ARGÉLIA EDIFÍCIO PLATINUM GANA ANGOLA ARGENTINA O Grupo Ramos Ferreira vai ser responsável, em parceria

Leia mais

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento Sorriso Entrevista Dr Alisson explica as vantagens dos aparelhos Autoligados Comportamento O que te faz feliz? Fique Ligado Participe, curta, compartilhe e ganhe brindes especiais Escova de dentes: A maior

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL APRESENTAÇÃO DA MARCA Uma nova marca, um novo momento, Apontando Para o futuro. Apresentamos o novo logotipo da Azuma Kirin Company, com sua assinatura. Neste arquivo você encontra

Leia mais

ECA-USP. Manual Simplificado de Identidade Visual. Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat

ECA-USP. Manual Simplificado de Identidade Visual. Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat ECA-USP Manual Simplificado de Identidade Visual Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat Logotipo Grade de Construção Identidade Visual/Cor Grade de Construção Identidade

Leia mais

Manual - Design UFAM

Manual - Design UFAM Manual - Design UFAM Índice Introdução 3 Aplicações principais 20 A marca Inspiração/Conceito Desenho da marca Assinaturas Malha de construção Versões monocromáticas Aplicaçao sobre fundos Redução máxima

Leia mais

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo INSTITUTO POLITÉCNICO MANUAL DE REGRAS BÁSICAS CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo Capa Tese de Mestrado INSTITUTO POLITÉCNICO Dimensões da capa: A4+lombada variável+a4 Papel: Coché

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL I. Objetivos e Descrição Redesign do website que a empresa possui, acrescentando novos recursos, informações mais detalhadas dos produtos e serviços,

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.6 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

Colégio Interamericano de Defesa

Colégio Interamericano de Defesa 2016-2017 Colégio Interamericano de Defesa Manual de Procedimentos de Admissão FORT LESLEY J. MCNAIR WASHINGTON, D.C. Conteúdo Mensagem da Diretora... 1 Orientações... 2 Requisitos de admissão... 3 Biografia

Leia mais

R.Boquino Manual de Identidade Visual

R.Boquino Manual de Identidade Visual R.Boquino Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Mato Grosso do Sul aguardamos envio de uma imagem de mato grosso do sul Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS

Leia mais

A comunicação entre as diretoras e consultoras de vendas da Mary Kay Inc

A comunicação entre as diretoras e consultoras de vendas da Mary Kay Inc A comunicação entre as diretoras e consultoras de vendas da Mary Kay Inc Ana Cláudia Coutinho Leal Andyara Stephanie dos Santos Almeida Daiany Aparecida da Silva Batista Joyce Grazielle Castilho Nereu

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MEMORIAL DESCRITIVO DE PRODUTO JORNALÍSTICO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MEMORIAL DESCRITIVO DE PRODUTO JORNALÍSTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, JORNALISMO E SERVIÇO SOCIAL COLEGIADO DE JORNALISMO PROJETOS EXPERIMENTAIS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MEMORIAL

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 1 Conceito Uma das características mais marcantes do Grupo Mirante é a forte ligação com os aspectos regionais da cultura maranhense. Por esse motivo, o Grupo leva o nome de

Leia mais

Anexo A Guião de entrevista aos diretores de comunicação

Anexo A Guião de entrevista aos diretores de comunicação Anexo A Guião de entrevista aos diretores de comunicação 1. O que lhe sugere a designação Comunicação Estratégica Digital? 2. Na definição da(s) estratégia(s) de comunicação da marca/organização que gere

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL INTEGRADA VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PROPOSTA COMERCIAL INTEGRADA VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PROPOSTA COMERCIAL INTEGRADA VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing 13/Nov/13 A FAMÍLIA TRAPO FOI RENOVADA, MAS CONTINUA CAUSANDO MUITA CONFUSÃO. A REDE RECORD, RECORD NEWS e PORTAL R7, oferecem

Leia mais

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.6 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope 32 20

Leia mais

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO Ludmyla Sathler Aguiar do Nascimento 1 GD12 Educação Matemática e Inclusão A leitura e compreensão textual expõem o quanto

Leia mais

Equipe abntex2. Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Equipe abntex2. Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de Relatório

Leia mais

Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade?

Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade? Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade? Índice O que é a Marca? Conceito 4 Personalidade da Marca 5 Como ela é? Marca Principal Versão

Leia mais

Mills fecha o primeiro trimestre com forte crescimento em todas as linhas de resultados e lucro líquido de R$ 18,7 milhões, com expansão de 56%.

Mills fecha o primeiro trimestre com forte crescimento em todas as linhas de resultados e lucro líquido de R$ 18,7 milhões, com expansão de 56%. Mills fecha o primeiro trimestre com forte crescimento em todas as linhas de resultados e lucro líquido de R$ 18,7 milhões, com expansão de 56%. Rio de Janeiro, 13 de maio de 2010 - A Mills Estruturas

Leia mais

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 2015

Leia mais

Normas para envio de artigos:

Normas para envio de artigos: NORMAS PARA ENVIO DE ARTIGOS Formatação da página: recuo superior e da lateral esquerda de 3 cm. Recuo inferior e da lateral direita de 2,5 cm, conforme a formatação deste documento. Título: fonte Arial,

Leia mais

Empresa. Fluxograma. Nosso site. Manual de Montagem. Produtos. Fachadeiro Multidirecional Torre Articulado Tesoura Bancada/Elástico. Soluções.

Empresa. Fluxograma. Nosso site. Manual de Montagem. Produtos. Fachadeiro Multidirecional Torre Articulado Tesoura Bancada/Elástico. Soluções. Capa Empresa 6 Fluxograma 14 Manual de Montagem Nosso site 8 9 Produtos 17 Fachadeiro Multidirecional Torre Articulado Tesoura Bancada/Elástico Soluções 9 Índice QUALIDADE SEGURANÇA INOVAÇÃO 03 05 Desde

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS PRINCÍPIOS BÁSICOS LOGÓTIPO. ALER CLIENTE. ALER ANO. 2014

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS PRINCÍPIOS BÁSICOS LOGÓTIPO. ALER CLIENTE. ALER ANO. 2014 PRINCÍPIOS BÁSICOS LOGÓTIPO. ALER CLIENTE. ALER ANO. 2014 1.1. SÍMBOLO, LOGÓTIPO E BRANDLINE 01. 12 - VERSÃO PRINCIPAL BRANDLINE SÍMBOLO LOGÓTIPO Apresentação da identidade ALER -. A identidade é composta

Leia mais

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão wireframe homepage tipo Quem somos Doações em dinheiro Onde r ajuda para animais carentes equipe Doações em mantimentos onde denunciar maus tratos banner 720 álbum x 160 de fotos Doaçòes medicinais Feiras

Leia mais

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.6 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

ap e em Em busca dos melhores São Paulo, 16 de outubro de 2015

ap e em Em busca dos melhores São Paulo, 16 de outubro de 2015 São Paulo, 16 de outubro de 2015 Secretaria Executiva Comunicação Visual: Patrocínio Conceito Criar um evento independente da marca Captativa porém com relações subliminares. O objetivo de criar um evento

Leia mais

O QUE É MARCA? Tem a capacidade de traduzir a essência de uma organização em seus produtos, serviços e na forma de se relacionar e se comunicar.

O QUE É MARCA? Tem a capacidade de traduzir a essência de uma organização em seus produtos, serviços e na forma de se relacionar e se comunicar. MANUAL da Marca O QUE É MARCA? Marca é a expressão da cultura, do jeito de ser de uma organização. Marcas são experiências construídas junto às pessoas, que refletem uma forma única de ser, de se relacionar

Leia mais

MANUAL DE USO DE MARCA

MANUAL DE USO DE MARCA MANUAL DE USO DE MARCA INTRODUÇÃO A MARCA FAPEU A marca é um dos bens mais preciosos de uma empresa. Ela existe para ser vista e lembrada pelos consumidores, identificando-se com os produtos, serviços

Leia mais

STEEL TECH 340 H STEEL TECH 340 H STEEL TECH 340 H FOGÃO A GÁS GC604. Dimensões: 400x600x265mm Peso: 23Kg. Potência: 2x3600W FOGÃO A GÁS GC606

STEEL TECH 340 H STEEL TECH 340 H STEEL TECH 340 H FOGÃO A GÁS GC604. Dimensões: 400x600x265mm Peso: 23Kg. Potência: 2x3600W FOGÃO A GÁS GC606 HOTMAX 600 Hotmax 600 1.200,50 FOGÃO A GÁS GC604 Lorem Corpo ipsum e painéis dolor feitos sit amet, em aço-inox. consectetur adipiscing elit. Duis porttitor orci hendrerit GPL ou gás mauris natural. pellentesque

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ Sumário Sumário 1. Apresentação 2. O logo e seus elementos...... 3. Variações Cromáticas 4. Reduções e Reservas 5. Aplicação em fundo de cor 6. Tipografias de apoio 7. Usos indevidos..................

Leia mais

GUIA SIMPLIFICADO DE IDENTIDADE VISUAL. Club Athletico Paulistano

GUIA SIMPLIFICADO DE IDENTIDADE VISUAL. Club Athletico Paulistano GUIA SIMPLIFICADO DE IDENTIDADE VISUAL Club Athletico Paulistano GUIA SIMPLIFICADO DE IDENTIDADE VISUAL Fevereiro 2013 INTRODUÇÃO Este guia traz os elementos básicos da identidade visual da marca Club

Leia mais

Wireframes. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com

Wireframes. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com Wireframes 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Definição Wireframes Diagrama que representa todos os elementos de uma página, definindo esses elementos, a hierarquia entre eles, agrupamentos e suas

Leia mais

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema Ven.ti.la.dor adj (ventilar+dor2) Que ventila; ventilante. sm 1 Aparelho que renova o ar de ambientes fechados ou que o põe em circulação; aparelho que produz corrente de ar. Recursos Naturais { Cores

Leia mais

Presidente Pio Guerra Diretor Superintendente Roberto Castelo Branco Diretor Técnico Aloísio Ferraz Diretora Administrativo Financeira Adriana Lira

Presidente Pio Guerra Diretor Superintendente Roberto Castelo Branco Diretor Técnico Aloísio Ferraz Diretora Administrativo Financeira Adriana Lira FICHA TÉCNICA Conselho Deliberativo - Pernambuco Associação Nordestina da Agricultura e Pecuária - ANAP Banco do Brasil - BB Banco do Nordeste do Brasil - BNB Caixa Econômica Federal - CEF Federação da

Leia mais

Arquitetura de Informação - 7

Arquitetura de Informação - 7 Arquitetura de Informação - 7 Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Ícone Imagem Banner Logotipo Título 1 Título 2 Tabela Disclaimer Título 1 Título 2 Ícone Ícone Imagem

Leia mais

TABLETS. a nova febre dos brasileiros. CHEGOU O VERÃO dicas para a estação mais quente do ano. + saúde com ALIMENTOS ORGÂNICOS. moda SAFÁRI FASHION

TABLETS. a nova febre dos brasileiros. CHEGOU O VERÃO dicas para a estação mais quente do ano. + saúde com ALIMENTOS ORGÂNICOS. moda SAFÁRI FASHION edição especial LÁ VEM O SOL TABLETS a nova febre dos brasileiros CHEGOU O VERÃO dicas para a estação mais quente do ano + saúde com ALIMENTOS ORGÂNICOS moda SAFÁRI FASHION ESTA PÁGINA ESTÁ RESERVADA PARA

Leia mais

Manual de aplicação da marca

Manual de aplicação da marca Manual de aplicação da marca Uso da Marca Submarcas Tipografias Índice 05 06 07 08 10 11 12 13 15 LOGOTIPO REDUÇÃO MÁXIMA ÁREA DE PROTEÇÃO VERSÃO P&B / NEGATIVO APLICAÇÃO DO SÍMBOLO ÁREA DE PROTEÇÃO SÍMBOLO

Leia mais

Manual de identidade visual Brazil Let s Bee. Brand Book

Manual de identidade visual Brazil Let s Bee. Brand Book Brandbook Brand Book Este guia foi feito para inspirar e auxiliar as pessoas que constroem a marca Brazil Let s Bee. As recomendações aqui contidas devem ser seguidas rigorosamente a fim de comunicar o

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO

MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO SUMÁRIO 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 1.10 1.11 1.12 1.13 1.14 1.15 1.16 Introdução Assinatura institucional Malha de construção Assinatura

Leia mais

Wireframes. Definição. Wireframes

Wireframes. Definição. Wireframes Wireframes Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Definição Wireframes Diagrama que representa todos os elementos de uma página, definindo esses elementos, a hierarquia entre eles, agrupamentos e suas importâncias

Leia mais

Index. RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872. RGB: 0-168-89 Hex: #00A859. RGB: 96-96-98 Hex: #606062

Index. RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872. RGB: 0-168-89 Hex: #00A859. RGB: 96-96-98 Hex: #606062 Index RGB: 174-51-54 Hex: #Ae3336 RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872 RGB: 0-168-89 Hex: #00A859 RGB: 168-207-69 RGB: 210-226-139 RGB: 75-75-77 Hex: #A8CF45 Hex: #D2E28B Hex: #4B4B4D RGB: 96-96-98 Hex: #606062

Leia mais

Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa

Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa 1 Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio A Identidade Visual da Afeal é um de seus principais

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, JORNALISMO E SERVIÇO SOCIAL COLEGIADO DE JORNALISMO PROJETOS EXPERIMENTAIS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA

Leia mais

HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS

HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS LONDRINA PR 2015 HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE

Leia mais

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA CAPITANIA MULTI CRÉDITO PRIVADO OS CAMINHOS PARA UMA Apresentação de Produto 2º Tri 2009 APOSENTADORIA PLANEJADA Capitânia Asset & Risk Management www.capitania.net Rua Dona Leopoldina, 48 São João -Porto

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PIRACICABA

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PIRACICABA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PIRACICABA MANUAL DE REDAÇÃO 2016 SUMÁRIO 1. SOBRE O GUIA DE REDAÇÃO:... 4 1.1 FOCO E ESCOPO:... 4 1.2 MISSÃO:... 4 1.3 PUBLICO ALVO:... 4 2. SUBMISSÃO DE ARTIGOS:... 4 2.1 PROCESSO

Leia mais

Anexo 1. Ficha do curso Criação de testes na plataforma Moodle

Anexo 1. Ficha do curso Criação de testes na plataforma Moodle Anexo 1 Ficha do curso Criação de testes na plataforma Moodle TEMPLATE 01 FICHA DO CURSO/UNIDADE CURRICULAR Designação curso/unidade curricular do Criação de testes na plataforma Moodle Nº total de horas

Leia mais

Prémio Nacional de Ilustração

Prémio Nacional de Ilustração Prémio Nacional de Ilustração MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS 1 Manual de Normas Gráficas Este manual de normas gráficas é um instrumento de trabalho que visa definir um conjunto de

Leia mais

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Selos de Certificação Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Sumário 01. Abertura 02. Versões Cromáticas 03. Regras de Uso 04. Exemplos de Aplicações 05. Arquivos 2 01. Abertura Os Selos de Certifi

Leia mais

I Congresso Internacional da Sociedade Chilena de Ciências das Religiões

I Congresso Internacional da Sociedade Chilena de Ciências das Religiões I Congresso Internacional da Sociedade Chilena de Ciências das Religiões Diálogo, educação e tolerância religiosa Concepción - Chile Del 23 al 26 de Mayo de 2017 WWW.SCHCR.CL!1 Primeira Circular 27 de

Leia mais