SISTEMA AQUÍFERO: TORRES VEDRAS (O25)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA AQUÍFERO: TORRES VEDRAS (O25)"

Transcrição

1

2 SISTEMA AQUÍFERO: TORRES VEDRAS (O25) Figura O25.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Torres Vedras Sistema Aquífero: Torres Vedras (O25) 354

3 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia Hidrográfica: Ribeiras do Oeste Distrito: Lisboa Concelhos: Alenquer, Cadaval e Torres Vedras Enquadramento Cartográfico Folhas 361, 362, 374 e 375 da Carta Topográfica na escala 1: do IGeoE Folhas 30-A, 30-B, 30-C e 30-D do Mapa Corográfico de Portugal na escala 1: do IPCC Folhas 30-A, 30-B, 30-C e 30-D da Carta Geológica de Portugal na escala 1: do IGM 30A 30B CADAVAL TORRES VEDRAS ALENQUER 30C 30D Figura O Enquadramento geográfico do sistema aquífero Torres Vedras Enquadramento Geológico Estratigrafia e Litologia A formação aquífera mais importante é a Formação de Torres Vedras (também conhecida por Grés com vegetais fósseis, de Torres Vedras e de Cercal) do Cretácico inferior. Esta formação é composta por arenitos feldspáticos e cauliníferos, com granulometria variável, em geral mal calibrados, com abundantes lentículas argilosas, siltes e alguns níveis conglomeráticos. Sistema Aquífero: Torres Vedras (O25) 355

4 Devido às semelhanças litológicas entre o Cretácico inferior e as formações mais altas do Jurássico, também constituídas por arenitos com lentículas argilosas, alguns níveis destas foram incluídas no sistema aquífero, dado que vários furos captam ambas formações. A espessura dos arenitos cretácicos pode atingir nalguns locais 260 m. Tectónica O sistema aquífero está incluído numa estrutura importante, o anticlinal de Torres Vedras, que constitui a terminação ocidental do anticlinal de Montejunto. A falha de Montejunto, com uma orientação NE-SW, rodando progressivamente para a direcção E-O, na região de Torres Vedras (falha de Torres Vedras), delimita os referidos anticlinais do terrenos envolventes. Na região de Torres aquela falha estabelece o limite entre os arenitos cretácicos da Formação de Torres Vedras e as formações do Jurássico superior, a sul. A falha de Torres Vedras é cortada por falhas mais recentes de orientação NW-SE (Zbyszewski et al., 1955). Hidrogeologia Características Gerais Devido à presença de numerosas lentículas argilosas o sistema aquífero tem um carácter confinado, multicamada, como indica o facto de algumas captações apresentarem artesianismo repuxante, na altura da construção. A área total ocupada pelo sistema é de cerca de 80 km 2. Parâmetros Hidráulicos e Produtividade Os caudais produzidos pelos furos que captam o sistema podem ser caracterizados pelas estatísticas seguintes (Quadro O25.1), baseadas em 25 dados (caudais em L/s) (Figura O25.3): Média Desvio Mínimo Q 1 Mediana Q 3 Máximo Padrão 8,1 4,8 2,0 4,0 6,0 10,0 20,0 Quadro O25.1 Principais estatísticas da produtividade A transmissividade estimada a partir de 67 valores de caudal específico situa-se entre 2,5 e 400 m 2 /dia. A maioria dos valores situa-se entre 23 e 240 m 2 /dia. As regiões sul e leste do sistema são caracterizadas por maiores caudais devido a uma fracturação mais intensa e menor conteúdo em argila. O sistema aquífero é alimentado por precipitação directa e por drenância (Neves Palma & Vieira da Silva, 1982). Sistema Aquífero: Torres Vedras (O25) 356

5 Figura O25.3 Distribuição cumulativa dos caudais (L/s) Análise Espaço-temporal da Piezometria Devido à grande irregularidade dos níveis observados nas captações, provavelmente uma consequência das diferenças exibidas pelas várias camadas intersectadas, não é possível esboçar um mapa piezométrico. Em termos gerais, verifica-se uma correlação significativa entre os níveis medidos, na altura da construção das captações, e a cota do terreno onde estão implantadas. No entanto, como foi referido, verifica-se uma acentuada irregularidade na distribuição dos valores, havendo variações bruscas em níveis medidos em captações próximas. Como se trata de um sistema multicamada, é provável que cada camada captada seja caracterizada por um nível próprio. Outra característica notável é a presença de depressões locais, ultrapassando a cota de -30m, o que indicia situações de sobreexploração local, certamente devida às deficientes condições de recarga de algumas das camadas captadas. A área a norte de Torres Vedras, perto das localidades de Paúl e Casal Corado, constitui um dos exemplos daquela situação. É possível que, com o abandono recente de algumas captações, que passaram a funcionar apenas como captações de reserva, a situação se tenha, entretanto, modificado. Como já foi referido, na altura de construção, algumas captações apresentavam artesianismo repuxante, indicando que o aquífero, pelo menos em alguns locais, apresenta confinamento. Balanço Hídrico Na sua generalidade, a alimentação do sistema aquífero faz-se por recarga directa. Os recursos deverão situar-se entre o 6 e os 9 hm 3 /ano. Este valor foi obtido considerando uma área de afloramento de cerca de 80 km 2 e uma recarga média situada entre 75 e 110 mm/ano, correspondente a 10% a 15% da precipitação média local, que é de 750 mm. As saídas para abastecimento público situavam-se, antes da entrada em vigor de um novo sistema de abastecimento, com recurso a águas superficiais, entre 0,8 e 1,6 hm 3 /ano. As extracções para rega e indústria são difíceis de estimar por falta de informação actualizada. Provavelmente não excederão os 7 hm 3 /ano. Admitindo estas estimativas, o sistema estaria a Sistema Aquífero: Torres Vedras (O25) 357

6 ser explorado próximo do seu potencial máximo. No entanto, não se dispõe de séries de observações piezométricas que permitam confirmar, ou não, estas considerações. Qualidade Considerações Gerais Para fazer a caracterização hidroquímica do sistema foram usadas 22 análises de amostras colhidas em Maio de 1996 (Claro, E., 1997). Estas análises dizem respeito aos parâmetros principais. Existem também alguns dados relativos a constituintes orgânicos, metais pesados, etc., de análises realizadas em A fácies dominante é cloretada sódica e bicarbonatada sódico-magnesiana (Figura O25.4). Os principais aspectos da qualidade são resumidos na tabela (Quadro O25.2). n Média Desvio Padrão Mínimo Q 1 Mediana Q 3 Máximo Condutividade (µs/cm) ph 22 6,6 0,8 5,1 5,9 6,7 7,1 8,5 Bicarbonato (mg/l) Cloreto (mg/l) Sulfato (mg/l) , ,5 Nitrato (mg/l) 22 8,4 15,3 0 1,0 2,5 7,5 68,6 Sódio (mg/l) Potássio (mg/l) 22 4,4 3,4 0,6 1,9 3,5 5,2 12,7 Cálcio (mg/l) Magnésio (mg/l) Quadro O Principais estatísticas da água do sistema aquífero Torres Vedras Figura O Diagrama de Piper relativo às águas do sistema Torres Vedras Sistema Aquífero: Torres Vedras (O25) 358

7 Qualidade para Consumo Humano As águas deste sistema apresentam uma qualidade bastante boa, pois apenas se registam alguns casos, poucos numerosos, de violação dos VMAs respeitantes aos nitratos, sódio, potássio e ferro. Uma caracterização mais completa pode ser verificada pela leitura do quadro O25.3. Os resultados estão expressos em percentagens. Parâmetros Anexo VI Anexo I -Categoria A1 <VMR >VMR >VMA <VMR >VMR >VMA ph Condutividade Cloreto Dureza 0 Sulfato Cálcio 9 91 Magnésio Sódio Potássio Nitrato Nitrito Amónia Oxidabilidade Ferro Manganês Fosfatos Quadro O25.3 Apreciação da qualidade face aos valores normativos Em relação aos parâmetros amónio, nitritos, oxidabilidade, ferro, manganês e fosfatos apenas se dispõe de 6 análises de amostras colhidas em No mesmo período foram realizadas várias análises de metais pesados, compostos orgânicos e compostos organofosforados. Todos os resultados se situavam abaixo dos respectivos limites de detecção. Uso Agrícola A qualidade da água para fins agrícolas pode ser avaliada a partir da sua classificação, de acordo com os critérios propostos pelo USSLS. A maioria das amostras enquadra-se na classe Sistema Aquífero: Torres Vedras (O25) 359

8 C 2 S 1 (73%), significando risco médio de salinização e risco baixo de alcalinização (Figura O25.5). As restantes amostras pertencem à classe C 3 S 1. Figura O Diagrama de classificação da qualidade para uso agrícola Bibliografia Camarate França, J.; Zbyszewski, G.; Moitinho de Almeida, F. (1961) - Carta Geológica de Portugal na Escala 1/ e Notícia Explicativa da Folha 30-A LOURINHÃ. Serviços Geológicos de Portugal. Lisboa. 27 pág. Claro, E.(1997) - Estágio Profissionalizante, inédito. Manuppella, G.; Antunes, M. T.; Pais, J.; Ramalho, M. M.; Rey, J. (1999) Carta Geológica de Portugal na Escala 1/ e Notícia Explicativa da Folha 30-A LOURINHÃ. Departamento de Geologia. Instituto Geológico e Mineiro. Lisboa. 83 pág. Neves Palma & Vieira da Silva, A. (1982) - Aquífero Cretácico de Torres Vedras (Portugal). Barcelona. 70 pág. Sistema Aquífero: Torres Vedras (O25) 360

9 Zbyszewski, G.; Moitinho D'Almeida, F.; Torre de Assunção, C. (1955) - Carta Geológica de Portugal na Escala 1/ e Notícia Explicativa da Folha 30-C TORRES VEDRAS. Serviços Geológicos de Portugal. Lisboa. 33 pág. Zbyszewski, G.; Torre de Assunção, C. (1965) - Carta Geológica de Portugal na Escala 1/ e Notícia Explicativa da Folha 30-D ALENQUER. Serviços Geológicos de Portugal. Lisboa. 104 pág. Zbyszewski, G.; Veiga Ferreira, O.; Manuppella, G., Torre Assunção, C. (1966) - Carta Geológica de Portugal na Escala 1/ e Notícia Explicativa da Folha 30-B BOMBARRAL. Serviços Geológicos de Portugal. Lisboa. 90 pág. Sistema Aquífero: Torres Vedras (O25) 361

SISTEMA AQUÍFERO: BACIA DE ALVALADE (T6)

SISTEMA AQUÍFERO: BACIA DE ALVALADE (T6) SISTEMA AQUÍFERO: BACIA DE ALVALADE (T6) Figura T6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Bacia de Alvalade (T6) 641 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ALPEDRIZ (O19)

SISTEMA AQUÍFERO: ALPEDRIZ (O19) SISTEMA AQUÍFERO: ALPEDRIZ (O19) Figura O19.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero de Alpedriz Sistema Aquífero: Alpedriz (O19) 311 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CHÃO DE CEVADA - QUINTA DE JOÃO DE OURÉM (M11)

SISTEMA AQUÍFERO: CHÃO DE CEVADA - QUINTA DE JOÃO DE OURÉM (M11) SISTEMA AQUÍFERO: CHÃO DE CEVADA - QUINTA DE JOÃO DE OURÉM (M11) Figura M11.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Chão de Cevada- Quinta João de Ourém Sistema Aquífero: Chão de Cevada-Quinta

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: POUSOS-CARANGUEJEIRA (O14)

SISTEMA AQUÍFERO: POUSOS-CARANGUEJEIRA (O14) SISTEMA AQUÍFERO: POUSOS-CARANGUEJEIRA (O14) Figura O14.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Pousos- Caranguejeira Sistema Aquífero: Pousos-Caranguejeira (O14) 288 Identificação Unidade

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: PERAL MONCARAPACHO (M13)

SISTEMA AQUÍFERO: PERAL MONCARAPACHO (M13) SISTEMA AQUÍFERO: PERAL MONCARAPACHO (M13) Figura M13.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Peral-Moncarapacho Sistema Aquífero: Peral-Moncarapcho (M13) 562 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM DIREITA (T1)

SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM DIREITA (T1) 603 SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM DIREITA (T1) Figura T1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Bacia do Tejo-Sado/Margem Direita (T1) 603 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: MONFORTE-ALTER DO CHÃO (A3)

SISTEMA AQUÍFERO: MONFORTE-ALTER DO CHÃO (A3) SISTEMA AQUÍFERO: MONFORTE-ALTER DO CHÃO (A3) Figura A3.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Monforte-Alter do Chão (A3) 58 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: OURÉM (O15)

SISTEMA AQUÍFERO: OURÉM (O15) SISTEMA AQUÍFERO: OURÉM (O15) Figura O15.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Ourém (O15) 297 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacias Hidrográficas:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: LUZ-TAVIRA (M15)

SISTEMA AQUÍFERO: LUZ-TAVIRA (M15) SISTEMA AQUÍFERO: LUZ-TAVIRA (M15) Figura M15.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Luz-Tavira Sistema Aquífero: Luz-Tavira (M15) 575 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ALMÁDENA-ODEÁXERE (M2)

SISTEMA AQUÍFERO: ALMÁDENA-ODEÁXERE (M2) SISTEMA AQUÍFERO: ALMÁDENA-ODEÁXERE (M2) Figura M2.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Almádena-Odeáxere Sistema Aquífero: Almádena-Odeáxere (M2) 446 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ALUVIÕES DO TEJO (T7)

SISTEMA AQUÍFERO: ALUVIÕES DO TEJO (T7) SISTEMA AQUÍFERO: ALUVIÕES DO TEJO (T7) Figura T7.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Aluviões do Tejo (T7) 649 Identificação Unidade Hidrogeológica: Bacia do Tejo-Sado

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VISO-QUERIDAS (O30)

SISTEMA AQUÍFERO: VISO-QUERIDAS (O30) SISTEMA AQUÍFERO: VISO-QUERIDAS (O30) Figura O30.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viso-Queridas (O30) 393 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacias

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: TENTÚGAL (O5)

SISTEMA AQUÍFERO: TENTÚGAL (O5) SISTEMA AQUÍFERO: TENTÚGAL (O5) Figura O5.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero de Tentúgal Sistema Aquífero: Tentúgal (O5) 205 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacias

Leia mais

Estudo da interacção água subterrânea/água superficial nos sistemas associados à Lagoa de Albufeira, em periodo de barra aberta

Estudo da interacção água subterrânea/água superficial nos sistemas associados à Lagoa de Albufeira, em periodo de barra aberta Estudo da interacção água subterrânea/água superficial nos sistemas associados à Lagoa de Albufeira, em periodo de barra aberta Ana Sofia Duarte Paula G. Fernandes M. Rosário Carvalho 1. Introdução e objectivos

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24)

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) Figura O24.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Cesareda Sistema Aquífero: Cesareda (O24) 348 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: LUSO (A12)

SISTEMA AQUÍFERO: LUSO (A12) SISTEMA AQUÍFERO: LUSO (A12) Figura A12.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero do Luso Sistema Aquífero: Luso (A12) 126 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo Bacias Hidrográficas:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: MOURA FICALHO (A10)

SISTEMA AQUÍFERO: MOURA FICALHO (A10) SISTEMA AQUÍFERO: MOURA FICALHO (A10) Figura A10.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Moura-Ficalho (A10) 108 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo Bacia

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ALUVIÕES DO MONDEGO (O6)

SISTEMA AQUÍFERO: ALUVIÕES DO MONDEGO (O6) SISTEMA AQUÍFERO: ALUVIÕES DO MONDEGO (O6) Figura O6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Aluviões do Mondego Sistema Aquífero: Aluviões do Mondego (O6) 212 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1)

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) Figura M1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Covões Sistema Aquífero: Covões (M1) 438 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: GABROS DE BEJA (A9)

SISTEMA AQUÍFERO: GABROS DE BEJA (A9) SISTEMA AQUÍFERO: GABROS DE BEJA (A9) Figura A9.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Gabros de Beja (A9) 100 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo Bacia

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CRETÁCICO DE AVEIRO (O2)

SISTEMA AQUÍFERO: CRETÁCICO DE AVEIRO (O2) SISTEMA AQUÍFERO: CRETÁCICO DE AVEIRO (O2) Figura O2.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Cretácico de Aveiro (O2) 173 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental

Leia mais

ÁGUA SUBTERRÂNEA BAIXO MONDEGO

ÁGUA SUBTERRÂNEA BAIXO MONDEGO ÁGUA SUBTERRÂNEA BAIXO MONDEGO Ana Isabel Andrade Departamento de Ciências da Terra FCTUC ÁGUA SUBTERRÂNEA BAIXO MONDEGO Enquadramento geológico NW SE Quaternário: depósitos aluvionares Mesozóico: formações

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10)

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) Figura M10.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero S. João da Venda-Quelfes Sistema Aquífero: S. João da Venda-Quelfes (M10) 531 Identificação

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ESTREMOZ-CANO (A4)

SISTEMA AQUÍFERO: ESTREMOZ-CANO (A4) SISTEMA AQUÍFERO: ESTREMOZ-CANO (A4) Figura A4.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Estremoz-Cano (A4) 66 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo Bacia Hidrográfica:

Leia mais

ORLA OCIDENTAL (O) Introdução

ORLA OCIDENTAL (O) Introdução ORLA OCIDENTAL (O) Introdução Os terrenos que constituem a Orla Ocidental depositaram-se numa bacia sedimentar, cuja abertura coincide com os primeiros estádios da abertura do Atlântico, a Bacia Lusitaniana.

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11)

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) Figura A11.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Elvas-Campo Maior (A11) 117 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo

Leia mais

ÁREAS CONTAMINADAS NO CONCELHO DO SEIXAL

ÁREAS CONTAMINADAS NO CONCELHO DO SEIXAL ÁREAS CONTAMINADAS NO CONCELHO DO SEIXAL Lisboa, 13 de Abril de 2010 Síntese Geral No concelho do Seixal encontram-se vários passivos ambientais, resultantes do depósito de águas residuais, contaminadas

Leia mais

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA RH-VIII BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS MACAÉ, DAS OSTRAS E LAGOA DE IMBOASSICA ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA RH-VIII

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA RH-VIII BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS MACAÉ, DAS OSTRAS E LAGOA DE IMBOASSICA ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA RH-VIII ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA RH-VIII BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS MACAÉ, DAS OSTRAS E LAGOA DE IMBOASSICA ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA RH-VIII Introdução Neste estudo são apresentadas: Características geológicas; Características

Leia mais

Palavras-chave: Aquífero, Hidroquímica, Gnaisses, Condutividade eléctrica, ph, Caudais.

Palavras-chave: Aquífero, Hidroquímica, Gnaisses, Condutividade eléctrica, ph, Caudais. SISTEMA AQUÍFERO DOS GNAISSES DE ÉVORA Alice FIALHO (1) ; António CHAMBEL (2) ; Jorge DUQUE (3) RESUMO Com base em estudos hidrogeológicos efectuados anteriormente nos arredores da cidade de Évora, foi

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: S. BARTOLOMEU (M16)

SISTEMA AQUÍFERO: S. BARTOLOMEU (M16) SISTEMA AQUÍFERO: S. BARTOLOMEU (M16) Figura M16.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero S. Bartolomeu Sistema Aquífero: S. Bartolomeu (M16) 585 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7)

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) Figura O7.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Figueira da Foz-Gesteira Sistema Aquífero: Figueira da Foz-Gesteira (O7) 224 Identificação

Leia mais

VI Hidrogeologia Condições Hidrogeomorfológicas e climatológicas

VI Hidrogeologia Condições Hidrogeomorfológicas e climatológicas VI Hidrogeologia Condições Hidrogeomorfológicas e climatológicas A maior parte da área da Folha 17A (Viseu) insere-se numa zona aplanada, integrante dos Planaltos Centrais (Plataforma do Mondego e do Planalto

Leia mais

Hidroquímica, Vulnerabilidade e Protecção do Aquífero de Torres Vedras

Hidroquímica, Vulnerabilidade e Protecção do Aquífero de Torres Vedras Hidroquímica, Vulnerabilidade e Protecção do Aquífero de Torres Vedras Ana Carina Ferreira Veríssimo Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Geológica e de Minas Júri Presidente: Prof.

Leia mais

A Orla Mesocenozóica Ocidental, na área de jurisdição da DRAOT Lisboa e Vale do Tejo, compreende os seguintes 16 sistemas aquíferos (Figura 1):

A Orla Mesocenozóica Ocidental, na área de jurisdição da DRAOT Lisboa e Vale do Tejo, compreende os seguintes 16 sistemas aquíferos (Figura 1): 1. INTRODUÇÃO As redes de monitorização de águas subterrâneas constituem a ferramenta de base necessária para um melhor conhecimento do recurso e consequentemente para um adequado planeamento e gestão

Leia mais

EVOLUÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA ZONA ENVOLVENTE AO COMPLEXO QUÍMICO DE ESTARREJA. PERSPETIVAS FUTURAS

EVOLUÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA ZONA ENVOLVENTE AO COMPLEXO QUÍMICO DE ESTARREJA. PERSPETIVAS FUTURAS EVOLUÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA ZONA ENVOLVENTE AO COMPLEXO QUÍMICO DE ESTARREJA. PERSPETIVAS FUTURAS T.E. LEITÃO Doutora em Hidrogeologia, LNEC, tleitao@lnec.pt J.P. LOBO FERREIRA Doutor

Leia mais

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA 14 CONCLUSÕES A região de Moura, situada no Baixo Alentejo, é caracterizada por uma das menores precipitações médias anuais do Alentejo (550 mm/ano). Contrastando com toda a área envolvente, é conhecida

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO A PEQUENAS COMUNIDADES

QUALIDADE DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO A PEQUENAS COMUNIDADES ÁGUA DE ABASTECIMENTO A PEQUENAS COMUNIDADES HEITOR 1, Ana Margarida Fernandes Lic. Farmácia, INSA Largo 1º Dezembro, s/nº. 4000-404 Porto, +351 22 2007877 Resumo As águas de origem subterrânea representam

Leia mais

RESERVAS ESTRATÉGICAS DE ÁGUA SUBTERRÂNEA NA REGIÃO CENTRO (PROJECTO IMAGES)

RESERVAS ESTRATÉGICAS DE ÁGUA SUBTERRÂNEA NA REGIÃO CENTRO (PROJECTO IMAGES) Teresa CONDESSO de MELO (1, 4) ; Judite FERNANDES (2) ; Carla MIDÕES (2) ; Carlos COSTA ALMEIDA (2) ; Helena AMARAL (2) ; Ana Rita GOMES (3) ; Maria José MADRUGA (3) ; Manuel MARQUES da SILVA (4) ; João

Leia mais

Mendonça, J. J. L., Almeida, C. e M. A. M. Silva (1999)

Mendonça, J. J. L., Almeida, C. e M. A. M. Silva (1999) Mendonça, J. J. L., Almeida, C. e M. A. M. Silva (1999) Produtividade de Captações e Características Hidrogeológicas dos Sistemas Aquíferos Descontínuos do Maciço Hespérico na Área da Bacia Hidrográfica

Leia mais

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS E LIMITAÇÕES HIDROGEOLÓGICAS DO AQUÍFERO CRETÁCICO INFERIOR DA REGIÃO DE LISBOA PARA O SEU

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS E LIMITAÇÕES HIDROGEOLÓGICAS DO AQUÍFERO CRETÁCICO INFERIOR DA REGIÃO DE LISBOA PARA O SEU 9º SEMINÁRIO SOBRE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Campus de Caparica, 7 e 8 de Março de 2013 Faculdade de Ciências e Tecnologiada Universidade Nova de Lisboa PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS E LIMITAÇÕES HIDROGEOLÓGICAS

Leia mais

OBJECTIVOS. P2 Avaliaçã. ção o de Disponibilidades Hídricas H Riscos de Contaminaçã. ção. Propostas de Prevençã. ção o e Protecçã.

OBJECTIVOS. P2 Avaliaçã. ção o de Disponibilidades Hídricas H Riscos de Contaminaçã. ção. Propostas de Prevençã. ção o e Protecçã. P2 Avaliaçã ção o de Disponibilidades Hídricas H e Riscos de Contaminaçã ção. Propostas de Prevençã ção o e Protecçã ção OBJECTIVOS MODELO HIDROGEOLÓGICO GICO DA ILHA DA MADEIRA MODELO DE BALANÇO HÍDRICO

Leia mais

IX ESTADO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE ORIGEM SUBTERRÂNEA NO CONCELHO DE ALCOCHETE COM UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS SIG

IX ESTADO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE ORIGEM SUBTERRÂNEA NO CONCELHO DE ALCOCHETE COM UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS SIG IX-032 - ESTADO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE ORIGEM SUBTERRÂNEA NO CONCELHO DE ALCOCHETE COM UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS SIG Victor Cavaleiro (1) Prof. Catedrático, Investigador do GeoBioTec, Departamento de

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES LAS PALMAS, 7 e 8 JULHO 2003 A DQA estabelece um quadro comum de acção cujo cronograma de implementação determina

Leia mais

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA 8 SISTEMA AQUÍFERO MOURA-FICALHO O escoamento hídrico subterrâneo desta região é dominado pela existência de um aquífero de tipo cársico-fissurado que se desenvolve entre Vila Verde de Ficalho e Moura

Leia mais

João Alberto Oliveira Diniz Adson Brito Monteiro Fernando Antônio Carneiro Feitosa Marcos Alexandre de Freitas Frederico Cláudio Peixinho

João Alberto Oliveira Diniz Adson Brito Monteiro Fernando Antônio Carneiro Feitosa Marcos Alexandre de Freitas Frederico Cláudio Peixinho João Alberto Oliveira Diniz Adson Brito Monteiro Fernando Antônio Carneiro Feitosa Marcos Alexandre de Freitas Frederico Cláudio Peixinho Pesquisadores em Geociências Representação gráfica mostrando os

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: SICÓ-ALVAIÁZERE (O11)

SISTEMA AQUÍFERO: SICÓ-ALVAIÁZERE (O11) SISTEMA AQUÍFERO: SICÓ-ALVAIÁZERE (O11) Figura O11.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sicó-Alvaiázere Sistema Aquífero: Sicó-Alvaiázere (O11) 266 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

Difratometria por raios X

Difratometria por raios X 57 A amostra 06 foi coletada no fundo de um anfiteatro (Figura 23), em uma feição residual de um degrau no interior da voçoroca, este material, aparentemente mais coeso, também consiste em areia muito

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DA FORMAÇÃO CAPIRU NA REGIÃO NORTE DE CURITIBA-PR, BRASIL. Ernani Francisco da Rosa Filho 1, Marcos Justino Guarda 2

COMPARTIMENTAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DA FORMAÇÃO CAPIRU NA REGIÃO NORTE DE CURITIBA-PR, BRASIL. Ernani Francisco da Rosa Filho 1, Marcos Justino Guarda 2 COMPARTIMENTAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DA FORMAÇÃO CAPIRU NA REGIÃO NORTE DE CURITIBA-PR, BRASIL Ernani Francisco da Rosa Filho 1, Marcos Justino Guarda 2 RESUMO O número de habitantes da Região Metropolitana

Leia mais

Geomorfologia e Hidrogeologia da Várzea e Costeiras de Loures

Geomorfologia e Hidrogeologia da Várzea e Costeiras de Loures Da Janela da Minha Escola / / A Sala de Aula da Várzea e Costeiras de Loures (Laboratório de Educação e Sustentabilidade) Geomorfologia e Hidrogeologia da Várzea e Costeiras de Loures Geomorfologia e Hidrogeologia

Leia mais

AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ASSOCIADOS AOS AQUIFEROS DA FORMAÇÃO SERRA GERAL E SUA CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA

AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ASSOCIADOS AOS AQUIFEROS DA FORMAÇÃO SERRA GERAL E SUA CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ASSOCIADOS AOS AQUIFEROS DA FORMAÇÃO SERRA GERAL E SUA CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA Pedro Antônio Roehe Reginato 1 RESUMO - Este trabalho tem por objetivo apresentar uma caracterização

Leia mais

ESTUDO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DO ALENTEJO (ERHSA) - CONTRIBUIÇÃO DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

ESTUDO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DO ALENTEJO (ERHSA) - CONTRIBUIÇÃO DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA ESTUDO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DO ALENTEJO (ERHSA) - CONTRIBUIÇÃO DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA António CHAMBEL (1) ; Jorge DUQUE (2) RESUMO O Projecto Estudo dos Recursos Hídricos Subterrâneos do

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO - EXPERIÊNCIA DA COPASA MG NO TRIÂNGULO MINEIRO.

UTILIZAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO - EXPERIÊNCIA DA COPASA MG NO TRIÂNGULO MINEIRO. UTILIZAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO - EXPERIÊNCIA DA COPASA MG NO TRIÂNGULO MINEIRO. Délio Corrêa Soares de Melo 1 Resumo: Este artigo procura fornecer uma visão geral dos aspectos

Leia mais

HIDROESTRATIGRAFIA QUÍMICA PRELIMINAR DOS AQÜÍFEROS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL. José Luiz Flores Machado 1

HIDROESTRATIGRAFIA QUÍMICA PRELIMINAR DOS AQÜÍFEROS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL. José Luiz Flores Machado 1 HIDROESTRATIGRAFIA QUÍMICA PRELIMINAR DOS S NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL. José Luiz Flores Machado 1 Resumo - Os estudos realizados visaram a determinação das características químicas das águas

Leia mais

NAZARÉ E DE ALCOBAÇA

NAZARÉ E DE ALCOBAÇA Área Temática: Vulnerabilidade e Protecção de Aquíferos (A autora escreve de acordo com a antiga ortografia) NITRATOS NOS CONCELHOS DE NAZARÉ E DE ALCOBAÇA Carla Maria de Paiva Chaves Lopes Caroça carlacaroca@sapo.pt

Leia mais

A GEOFÍSICA NA PROTECÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS. MAPEAMENTO DE ZONAS DE RISCO NO VALE DO TEJO-SADO RECORRENDO A PROSPECÇÃO GEOELÉCTRICA.

A GEOFÍSICA NA PROTECÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS. MAPEAMENTO DE ZONAS DE RISCO NO VALE DO TEJO-SADO RECORRENDO A PROSPECÇÃO GEOELÉCTRICA. A GEOFÍSICA NA PROTECÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS. MAPEAMENTO DE ZONAS DE RISCO NO VALE DO TEJO-SADO RECORRENDO A PROSPECÇÃO GEOELÉCTRICA. Rui M. D. GONÇALVES 1, António. R. ANDRADE AFONSO 2 RESUMO A definição

Leia mais

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / Rodrigo Proença de Oliveira

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / Rodrigo Proença de Oliveira Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010 Rodrigo Proença de Oliveira Avaliação do escoamento IST: Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos Rodrigo Proença de Oliveira, 2009 2 Ciclo hidrológico:

Leia mais

Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201

Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201 Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201 2015/04/23 Em cumprimento do disposto no Decreto-Lei 306/07, alterado pelo Decreto-Lei n.º 92/2010 de 26 de Julho, serve o presente edital para

Leia mais

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL % N.º de Cumprimento superiores ao VP Valor mínimo Valor máximo do VP Agendadas Realizadas Escherichia coli - UFC/100 ml 0 0 0 0 100 6 6 100 Coliformes

Leia mais

2012/2013. Projeto de Geologia: Recursos, Riscos e Património. Maio de Turma A 11.ºAno. Inês Alves Mariana Gomes Stanislav Tsisar

2012/2013. Projeto de Geologia: Recursos, Riscos e Património. Maio de Turma A 11.ºAno. Inês Alves Mariana Gomes Stanislav Tsisar 2012/2013 Projeto de Geologia: Recursos, Riscos e Património Maio de 2013 Turma A 11.ºAno Inês Alves Mariana Gomes Stanislav Tsisar Recurso geológico Água da fonte de Vale da Mó A água mineral das Termas

Leia mais

Notícia Explicativa da Folha 8A (São Martinho de Angueira)

Notícia Explicativa da Folha 8A (São Martinho de Angueira) Notícia Explicativa da Folha 8A (São Martinho de Angueira) CARTA GEOLÓGICA DE PORTUGAL, ESCALA 1: 50 000 CAPÍTULO HIDROGEOLOGIA Ana Paula Pereira Renata Santos Unidade Geologia, Hidrogeologia e Geologia

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÃO DE HIDRÁULICA E DOS RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÃO DE HIDRÁULICA E DOS RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS Origem nº 1 Aspecto - limp. c/sed. Cheiro terroso terroso Cor - 85 Turvação 50 60 Sólidos suspensos totais 80 85 Condutividade 4 5 Oxidabilidade 8,5 10,0 Sulfatos 5,,5 Ferro 10 12 Manganésio 0,2 0,1 Coliformes

Leia mais

SUBSIn Utilização do InSAR na detecção e caracterização de subsidência e deslizamentos do solo na região de Lisboa

SUBSIn Utilização do InSAR na detecção e caracterização de subsidência e deslizamentos do solo na região de Lisboa SUBSIn Utilização do InSAR na detecção e caracterização de subsidência e deslizamentos do solo na região de Lisboa Projecto FCT PTDC/CTE-GEX/65261/2006 Financiamento: Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Leia mais

Exercícios de Geologia

Exercícios de Geologia Geologia 12º ano Colégio Júlio Dinis Exercícios de Geologia BOM TRABALHO I 1. As manchas cinzentas, na figura 1, representam áreas cobertas pelo gelo, na Península Ibérica, durante a última glaciação,

Leia mais

Controlo de Vulnerabilidade dos Aquíferos Costeiros das Bacias Hidrográficas:

Controlo de Vulnerabilidade dos Aquíferos Costeiros das Bacias Hidrográficas: Controlo de Vulnerabilidade dos Aquíferos Costeiros das Bacias Hidrográficas: Ribeira Seca, Ribeira dos Picos, Ribeira de Santa Cruz, Ribeira dos Saltos, Ribeira de Principal, Ribeira de São Miguel e Ribeira

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO ELVAS - CAMPO MAIOR

SISTEMA AQUÍFERO ELVAS - CAMPO MAIOR ESTUDO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DO ALENTEJO SISTEMA AQUÍFERO ELVAS - CAMPO MAIOR Julho, 2000 1 SISTEMA AQUÍFERO DE ELVAS - CAMPO MAIOR 1.1 - Enquadramento geomorfológico e geográfico A área considerada

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DA BACIA DO RIO TAQUARÍ/ANTAS-RS

HIDROGEOLOGIA DA BACIA DO RIO TAQUARÍ/ANTAS-RS HIDROGEOLOGIA DA BACIA DO RIO TAQUARÍ/ANTAS-RS Marcos I. Leão 1, Nelson O. L. Caicedo 1 e Alfonso Risso 1 Resumo O presente trabalho apresenta uma metodologia para a análise hidrogeológica, baseada em

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO Francisco MIRA (1) ; António CHAMBEL (2) ; Jorge DUQUE (3) RESUMO Este trabalho

Leia mais

Professora responsável: Patrícia Oliveira

Professora responsável: Patrícia Oliveira FICHA-RELATÓRIO SOBRE BASALTO, região da Malveira No Projecto Rocha Amiga Professora responsável: Patrícia Oliveira Malveira, Maio 2008 Classificação Categoria principal: Magmática Categoria subordinada:

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 06 Ciclo Hidrológico Profª Heloise G. Knapik O Ciclo Hidrológico O Ciclo Hidrológico - Fases Precipitação: retorno da água para

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PONTA DELGADA, 15 Março 2002 REDE DE MONITORIZAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS 1 OBJECTIVOS A rede de monitorização de

Leia mais

PROJETO PILOTO DE RECARGA ARTIFICIAL NA BACIA DO RIO UNA, MUNICÍPIO DE TAUBATÉ.

PROJETO PILOTO DE RECARGA ARTIFICIAL NA BACIA DO RIO UNA, MUNICÍPIO DE TAUBATÉ. PROJETO PILOTO DE RECARGA ARTIFICIAL NA BACIA DO RIO UNA, MUNICÍPIO DE TAUBATÉ. Hélio Nóbile Diniz 1 ; Getulio Teixeira Batista 2 ; Jair Santoro 3 & Marcelo dos Santos Targa 4 1 e 3) Instituto Geológico

Leia mais

SÍNTESE DO ESTUDO DA RECARGA DE ÁGUAS

SÍNTESE DO ESTUDO DA RECARGA DE ÁGUAS SÍNTESE DO ESTUDO DA RECARGA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO CONCELHO DE ALMADA Catarina G. CARIA Mestre em Geologia Aplicada (Hidrogeologia), cgameirocaria@gmail.com Manuel M. OLIVEIRA Doutor em Hidrogeologia,

Leia mais

CONTROLE GEOLÓGICO NO POTENCIAL DO AQUÍFERO BARREIRAS- BAIXO CURSO DO CEARÁ MIRIM/RN

CONTROLE GEOLÓGICO NO POTENCIAL DO AQUÍFERO BARREIRAS- BAIXO CURSO DO CEARÁ MIRIM/RN CONTROLE GEOLÓGICO NO POTENCIAL DO AQUÍFERO BARREIRAS- BAIXO CURSO DO CEARÁ MIRIM/RN José Braz Diniz Filho 1 & Telma Tostes Barroso 2 RESUMO - As feições geológicas de subsuperfície foram investigadas,

Leia mais

Aspectos hidrogeológicos e hidroquímicos de um setor do aquífero Barreiras no município de Nísia Floresta/RN

Aspectos hidrogeológicos e hidroquímicos de um setor do aquífero Barreiras no município de Nísia Floresta/RN Aspectos hidrogeológicos e hidroquímicos de um setor do aquífero Barreiras no município de Nísia Floresta/RN Paula Stein 1, Leandson Roberto F. de Lucena 2, Natalina Maria Tinôco Cabral 1, Elmo Marinho

Leia mais

Actividade Laboratorial

Actividade Laboratorial Escola Básica e Secundária do Cerco 11º Ano Biologia e Geologia Física e Química A Actividade Laboratorial Qual a influência do CO 2 nas águas naturais? Enquadramento programático em Biologia e Geologia

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ANÁLISES HIDROQUÍMICAS E DA METODOLOGIA COP PARA DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE DO AQUÍFERO CÁRSTICO SALITRE NA REGIÃO DE IRECÊ-BA.

UTILIZAÇÃO DE ANÁLISES HIDROQUÍMICAS E DA METODOLOGIA COP PARA DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE DO AQUÍFERO CÁRSTICO SALITRE NA REGIÃO DE IRECÊ-BA. UTILIZAÇÃO DE ANÁLISES HIDROQUÍMICAS E DA METODOLOGIA COP PARA DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE DO AQUÍFERO CÁRSTICO SALITRE NA REGIÃO DE IRECÊ-BA. Tereza Cristina Bittencourt Nossa Luiz Rogério Bastos

Leia mais

Hidrologia Aplicada - Profª Ticiana Marinho de Carvalho Studart. Introdução - Aula 02 - Pág. 15

Hidrologia Aplicada - Profª Ticiana Marinho de Carvalho Studart. Introdução - Aula 02 - Pág. 15 Introdução - Aula 02 - Pág. 15 Introdução - Aula 02 - Pág. 14 DIVISORES Primeiro passo - delimitação do seu contorno Linha de separação que divide as precipitações em bacias vizinhas SÃO 3 OS DIVISORES

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOSH NAS ILHAS DE SÃO MIGUEL E SANTA MARIA DA

MONITORIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOSH NAS ILHAS DE SÃO MIGUEL E SANTA MARIA DA MONITORIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOSH NAS ILHAS DE SÃO MIGUEL E SANTA MARIA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORESA ENQUADRAMENTO Directiva Quadro da Água (DQA) Avaliação da qualidade ecológica das águas superficiais

Leia mais

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades.

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades. Informação sobre interpretação de Análise de Solo, segundo o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais, Instituto Agronômico de Campinas. Quadro 1 - Fatores para conversão de

Leia mais

*Nome/Denominação social *Identificação fiscal nº, *residência/sede em, *Província ; *Município, *Comuna ; *Telefone ; *Telemóvel ; *Fax ; * ;

*Nome/Denominação social *Identificação fiscal nº, *residência/sede em, *Província ; *Município, *Comuna ; *Telefone ; *Telemóvel ; *Fax ; * ; Captação de Água Superficial ou Subterrânea (artigo 80.º do RUGRH) Os dados assinalados com * devem ser obrigatoriamente apresentados com o pedido de título de utilização dos recursos hídricos. Os restantes

Leia mais

A QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA PLANÍCIE DE RECIFE-JABOATÃO DOS GUARARAPES/PE

A QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA PLANÍCIE DE RECIFE-JABOATÃO DOS GUARARAPES/PE A QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA PLANÍCIE DE RECIFE-JABOATÃO DOS GUARARAPES/PE Waldir Duarte Costa Filho 1 ; Waldir Duarte Costa 2 ; Almany Costa Santos 3 ; José Carlos da Silva 4 &

Leia mais

Fontes Pontuais. Fontes não Pontuais

Fontes Pontuais. Fontes não Pontuais Fontes Pontuais Fontes não Pontuais Fonte: Raven et al, 1998 Verh. Internat. Verein. Limnol., Vol 30 Fonte: Likens, 1992 Fonte: Likens, 1992 Annual lead budget for a forest watershed-ecosystem at Hubbard

Leia mais

REMEDIAÇÃO AMBIENTAL DA ANTIGA ÁREA MINEIRA DE MORTÓRIOS

REMEDIAÇÃO AMBIENTAL DA ANTIGA ÁREA MINEIRA DE MORTÓRIOS REMEDIAÇÃO AMBIENTAL DA ANTIGA ÁREA MINEIRA DE MORTÓRIOS GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO REMEDIAÇÃO AMBIENTAL DA ANTIGA ÁREA MINEIRA DE MORTÓRIOS

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM ESQUERDA (T3)

SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM ESQUERDA (T3) SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM ESQUERDA (T3) Figura T3.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Bacia do Tejo-Sado/Margem Esquerda (T3) 615 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

Manejo Integrado e Sustentável dos Recursos Hídricos Transfronteiriços da Bacia do Amazonas Considerando a Variabilidade e as Mudanças Climáticas

Manejo Integrado e Sustentável dos Recursos Hídricos Transfronteiriços da Bacia do Amazonas Considerando a Variabilidade e as Mudanças Climáticas Manejo Integrado e Sustentável dos Recursos Hídricos Transfronteiriços da Bacia do Amazonas Considerando a Variabilidade e as Mudanças Climáticas OTCA / GEF / PNUMA GEF Amazonas Componente III Estratégias

Leia mais

Água Subterrânea e o Abastecimento Urbano no Rio Grande do Sul

Água Subterrânea e o Abastecimento Urbano no Rio Grande do Sul Água Subterrânea e o Abastecimento Urbano no Rio Grande do Sul Carlos Alvin Heine Superintendente de Recursos Hídricos e Meio Ambiente COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO - CORSAN Água no Planeta Terra

Leia mais

PAÍSES LUSÓFONOS E OS RECURSOS HÍDRICOS

PAÍSES LUSÓFONOS E OS RECURSOS HÍDRICOS PAÍSES LUSÓFONOS E OS RECURSOS HÍDRICOS A água é a fonte da vida quer para nós, seres humanos, quer para todos os outros seres vivos. É essencial à vida. Não importa quem somos, o que fazemos, onde vivemos,

Leia mais

ESTUDO DA RECARGA DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT

ESTUDO DA RECARGA DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT ESTUDO DA RECARGA DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT Alterêdo Oliveira Cutrim 1 & Aldo da Cunha Rebouças 2 Resumo - Esta pesquisa foi realizado na cidade de Rondonópolis, com o objetivo de

Leia mais

CONTAMINAÇÃO NA ÁGUA SUBTERRÂNEA PROVOCADA PELO LIXIVIADO DE ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

CONTAMINAÇÃO NA ÁGUA SUBTERRÂNEA PROVOCADA PELO LIXIVIADO DE ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CONTAMINAÇÃO NA ÁGUA SUBTERRÂNEA PROVOCADA PELO LIXIVIADO DE ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Schueler, A.S. e Mahler, C.F. GETRES - COPPE / UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil RESUMO: O presente trabalho apresenta

Leia mais

José Cláudio Viégas Campos 1 ; Paulo Roberto Callegaro Morais 1 & Jaime Estevão Scandolara 1

José Cláudio Viégas Campos 1 ; Paulo Roberto Callegaro Morais 1 & Jaime Estevão Scandolara 1 DIAGNÓSTICO PRELIMINAR DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA ATRAVÉS DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA E PH MUNICÍPIOS DE CAMPO NOVO E BURITIS, ESTADO DE RONDÔNIA, BRASIL. José Cláudio Viégas Campos 1 ; Paulo Roberto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOQUÍMICA E QUALIDADE DO SISTEMA AQÜÍFERO GUARANI EM POÇOS TUBULARES PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO.

CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOQUÍMICA E QUALIDADE DO SISTEMA AQÜÍFERO GUARANI EM POÇOS TUBULARES PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO. CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOQUÍMICA E QUALIDADE DO SISTEMA AQÜÍFERO GUARANI EM POÇOS TUBULARES PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO. Claudio L. Dias 1 ; Maria de Fátima B. da Silva 2 ; Dorothy

Leia mais

MACIÇO ANTIGO (A) Introdução

MACIÇO ANTIGO (A) Introdução MACIÇO ANTIGO (A) Introdução O Maciço Antigo (Maciço Hespérico, ou Ibérico), é a unidade geológica que ocupa a maior extensão em Portugal, sendo constituído, essencialmente, por rochas eruptivas e metassedimentares.

Leia mais

Introdução ao Ciclo hidrológico

Introdução ao Ciclo hidrológico Introdução ao Ciclo hidrológico Água Uma realidade com várias dimensões Ciclo hidrológico Movimento permanente Sol evaporação + Gravidade precipitação escoamento superficial escoamento subterrâneo O conceito

Leia mais

Sónia AMARO 1 ; Luís RIBEIRO 2 ; Eduardo PARALTA 3 ; Francisco CARDOSO PINTO 4 1

Sónia AMARO 1 ; Luís RIBEIRO 2 ; Eduardo PARALTA 3 ; Francisco CARDOSO PINTO 4 1 APLICAÇÃO DE EFLUENTES DE SUINICULTURAS COMO FERTILIZANTES NA AGRICULTURA: IMPACTO NA QUALIDADE DOS MEIOS HÍDRICOS Um caso de estudo em Santiago do Cacém, Alentejo Sónia AMARO 1 ; Luís RIBEIRO 2 ; Eduardo

Leia mais

ASPECTOS DO AQÜÍFERO GUARANI NA REGIÃO DE MARÍLIA - SP

ASPECTOS DO AQÜÍFERO GUARANI NA REGIÃO DE MARÍLIA - SP ASPECTOS DO AQÜÍFERO GUARANI NA REGIÃO DE MARÍLIA - SP Emílio Carlos Prandi 1 ;João Augusto de Oliveira Filho 1 ; João Carlos Polegato 1 & Luiz Antônio da Silva 1 Resumo - Na região Oeste do Estado de

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 1º trimestre de 2010 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Definições Disciplina que tem como objectivo construir mapas recorrendo a diversas técnicas gráficas e semiológicas. Mapa Localizar Compreender e explicar

Leia mais

Karen Vendramini Itabaraci N. Cavalcante Rafael Mota Aline de Vasconcelos Silva

Karen Vendramini Itabaraci N. Cavalcante Rafael Mota Aline de Vasconcelos Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA ASPECTOS HIDROGEOLÓGICOS E HIDROQUÍMICOS DO BAIRRO BENFICA FORTALEZA, CEARÁ Karen Vendramini Itabaraci N. Cavalcante Rafael Mota

Leia mais

MEDIDAS HIDROQUÍMICAS NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA REGIÃO DE IRAUÇUBA, NORTE DO CEARÁ

MEDIDAS HIDROQUÍMICAS NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA REGIÃO DE IRAUÇUBA, NORTE DO CEARÁ MEDIDAS HIDROQUÍMICAS NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA REGIÃO DE IRAUÇUBA, NORTE DO CEARÁ Oderson Antônio de Souza Filho ; Liano Silva Veríssimo ; Carla Maria S. Vidal Silva & Maria Marlúcia Freitas Santiago

Leia mais