Sistemas de Extinção por Gases Tendências Futuras. Pedro Pequito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Extinção por Gases Tendências Futuras. Pedro Pequito"

Transcrição

1 Sistemas de Extinção por Gases Tendências Futuras Pedro Pequito

2 ÍNDICE Incêndios em e concentrações, tempo de descarga, espaço ocupado e investimento Reacção em cadeia humana Combustív el Oxidante Energia

3 Incêndios em Incêndio em Data Center da Samsung provoca falhas em serviços 20 Abril O incêndio ocorreu na cidade de Gwacheon (Coreia do Sul), por volta das 6h00 locais, e deixou milhares de utilizadores de Smartphones e televisores Smart TV sem acesso aos serviços Smart Hub assim como também a alguns websites da Samsung (como por exemplo o O inicio provável do incêndio ocorreu num curto-circuito numa UPS

4 Incêndios em Data Center Fire Disrupts Key Services in Calgary By: Rich Miller July 16th, 2012 The city of Calgary is recovering from the impact of a data center fire that crippled city services and delayed hundreds of surgeries at local hospitals. The explosion and fire last Wednesday in a Shaw Communications facility knocked out both the primary and backup systems that supported key public services for local government and medical institutions.

5 Incêndios em Fire Destroys Wisconsin Data Center The March 19 of 2008, a Wisconsin data center was wiped out in a fire, leaving many business web sites offline. In the datacenter in GreenBay, servers, routers, and switches were destroyed at Camera Corner, a business that offered web hosting and other IT services. It took 10 days to get customer web sites back online. This picture was taking on ITRM's website. A total of 75 servers were destroyed and the CEO Rick Chernick indicated that the company had no live backup plan. More details on Datacenter Knowledge website.

6 Incêndios em Fire at Airtel data center disrupts services Short circuit in Mumbai knocks out mobile network 6 January 2012 by Yevgeniy Sverdlik - DatacenterDynamics A fire broke out at a Mumbai-area data center of the Indian telecommunications company Airtel in late December creating a network outage and disrupting mobile services for many of the company's customers for several hours, Indian newspaper The Economic Times reported.

7 Incêndios em Apr 01, 2010 A Google Data Center in Seattle catches fire causing domino fail effect. A fire at a Seattle data center, nicknamed "The Googtopia" has affected over 42,000 servers, bringing down search engine results pages across the globe. The blaze, which started after an electrical short on a Co2 handler caught fire and took out three walls surrounding the centre's electrical equipment room. So far the team has established that the servers themselves are undamaged and it looks likely that no data has been lost. "We have just been allowed into the building to physically inspect the damage," said Googtopia team in a company blog. According to their statement, Google returned 404 errors (page not found) for over an hour in many locations around the world after a fire in one of their data centers, but not because of the fire. According to Google, the Google Data Center Fire started as only a small blaze caused by systems designed to reduce CO2 emissions. Ironically, the worst damage was caused by the fire suppression sprinklers and not the fire.

8 Incêndios em Federal Spending Bill Provides Funds to Rebuild Horn Point Laboratory Computer Facilities Destroyed by Fire The Horn Point Laboratory's data center was destroyed by fire

9 Incêndios em The Fire Ate My Backup! January 30, 2008 by merc

10 Agentes Efetivos para um grande número de riscos. Adequados para equipamentos sob tensão. Facilidade para aceder a fogos ocultos. Não deixam resíduos após aplicação. Seguros para as pessoas. Espaço de armazenamento limitado.

11 Tipos de Agentes Gases químicos: HFCs: Hidro-fluoro-carbonos. FK: Fluorocetonas. Gases inertes: Árgon Azoto Misturas dos anteriores (incluindo CO 2 ) CO 2

12 Normas de projeto: Normas e Regulamentos Agentes químicos e Inertes: ISO NP EN NFPA 2001 CO2: NFPA 12 ISO 6183 Enquadramento Regulamentar: - DL 220/ Portaria 1532/ Nota Técnica 17 ANPC

13 Pontos de Paridade e Diferenciação MECANISMOS DE EXTINÇÃO CONCENTRAÇÃO EXTINÇÃO & TEMPO DE DESCARGA PRESSÕES DE ARMAZENAMENTO ESPAÇO OCUPADO ODP=0 Efetivos para um grande número de riscos. Adequados para equipamentos sobre tensão. Facilidade para aceder a fogos ocultos. Não deixam resíduos após aplicação QUESTÕES AMBIENTAIS SEGURANÇA HUMANA INVESTIMENTO

14 Mecanismos O fogo é uma serie complexa de reacções químicas onde intervêm: Reacção em cadeia Combustível. Oxidante. Energia. Combustível Energia Geram-se radicais livres que criam um mecanismo de reacção em cadeia. Oxidante Para extinguir um fogo: Remover ou reduzir qualquer um ou a combinação dos elementos intervenientes. Parar a reacção em cadeia.

15 Agentes Inertes: IG-01 IG-100 IG-55 IG-541 CO2 Mecanismos Redução do nível de oxigénio para valores inferiores a 15% Agentes Químicos: Novec 1230 / FK FM 200 / HFC-227ea FE-13 / HFC-23 - Absorção de calor - Quebra da reacção em cadeia 21% 15% O2 para existir combustão ~12% - A mistura agente extintor/ar tem uma capacidade calorifica muito maior que o ar por si só. - Inibição dos radicais livres Normal Extinção Inert

16 Concentração de projeto vs Espaço ocupado Comparação para um risco classe A de 200 m³ FM-200 (42 bar): 7,9% = 0,63 kg/m³ 126 kg - 1 x 120 ltr. Novec 1230 (25 bar): 5,3% = 0,78 kg/m³ 156 kg - 1 x 180 ltr. FE-13 (42 bar): 18% = 0,8 kg/m³ 160 kg - 2 x 120 ltr. IG-541 (300 bar): 39,9% = 0,51 m³/m³ 102 m³ - 5 x 80 ltr. CO 2 (50 bar): 50% = 1,33 kg/m³ 266 kg - 6 x 45 kg

17 Eficiência + Eficiência -

18 Ensaios Ensaio de tabuleiro com heptano 1:

19 Ensaios Ensaio de tabuleiro com heptano 2:

20 Ensaios Ensaio de tabuleiro com heptano 2:

21 Segurança Agentes químicos: O risco para as pessoas é o efeito da sensibilidade cardíaca (cardiotoxicidade) a determinadas concentrações. NOAEL - LOAEL Agentes inertes: O risco para as pessoas é formação de atmosferas com baixo nível de oxigénio (hipóxia). NEL - LEL CO2: O CO2 regula a actividade respiratória. A concentrações elevadas impede a sua eliminação e a absorção de oxigénio no sangue.

22 Segurança Definições para agentes químicos: NOAEL: Concentração mais alta de agente à qual não se observa resposta cardiotóxica. LOAEL: Concentração mais baixa de agente à qual se observa resposta cardiotóxica. Introdução do conceito PBPK para halocarbonados - Integração como parte informativa na versão de Modelo que estabelece limites de tempo de exposição aos gases halocarbonados. - Para agentes químicos, devem ser criadas condições para ser evacuado o compartimento em 5 minutos, quando projectados abaixo do LOAEL (inclusive para valores abaixo do NOAEL)

23 Segurança Definições para agentes inertes: NEL: Concentração cuja aplicação numa sala reduz o oxigénio para 12%. LEL: Concentração cuja aplicação numa sala reduz o oxigénio para 10%. Introdução do conceito de tempo de exposição para inertes - Integração como parte informativa na versão de Para agentes inertes, devem ser criadas condições para ser evacuado o compartimento em 5 minutos, quando projetados abaixo do NEL e em 3 minutos quando projetados entre o NEL e o LEL

24 % CO 2 Tempo de exposição Efeitos 2 Várias horas Dor de cabeça, dispneia com actividade física reduzida 3 1 hora Dispneia em repouso 4-5 Vários minutos 6 Segurança CO2 1-2 minutos 16 minutos Várias horas Aumento da pressão arterial Dispneia incómoda Visão e audição afectadas Dor de cabeça, dispneia Tremores 7-10 Poucos minutos Menos de 1 hora Vertigens, aumento ritmo cardiaco, Inconsciência Vários minutos Sonolência, espasmos minuto Convulsões, coma, morte

25 Segurança Concentração de projeto NOAEL LOAEL Ranking Novec ,3% - 6,0% * 10% >10% HFC-23 18% - 18%* 30% >30% FM-200 7,9% - 9,0% * 9% 10,5% IG ,9% - 41,2% * 43% 52% IG-55 40,3% - 47,5% * 43% 52% HFC ,2% - 12,1% 7,5% 10% Halon % - 5% - CO 2 35% - 65% ** 5% n.a. * ISO Classe A B Ranking + - **NFPA 12 Superficial - Profundo

26 Margem de Segurança

27 Sol Efeito de Estufa Alguma radiação solar é refletida pela Terra e pela atmosfera A radiação Solar passa através da atmosfera limpa Gases com efeito de estufa Alguma da radiação Atmosfera infravermelha é absorvida e reemitida pelos gases com efeito de estufa. Como resultado a atmosfera inferior e a superfície da terra é aquecida A maioria da radiação é absorvida pela superfície terrestre aquecendo-a Terra A radiação infravermelha é emitida pela superfície terrestre

28 GWP e ALT GWP = Global Warming Potential Contribuição de um gás para o aquecimento global 1unidade de gás com efeito de estufa GWP = 1unidade do gás de referencia (CO 2) Exemplo: Metano (21) GWP = CO2 (1) 1 kg de Metano tem o mesmo impacto para o aquecimento global que 21 kg de CO 2 Atmospheric Life Time = ALT Tempo que um gás com efeito de estufa permanece na atmosfera como um poluente, até ser convertido noutro composto químico ou até desaparecer. O potencial de um gás com efeito de estufa é função: - Absorção de IR (Global Warming Potential) - Vida atmosférica (Atmospheric Life Time)

29 Comparação ambiental

30 Protocolo de Kyoto e Regulamento UE Objetivo: Evitar o aquecimento global. Ações: Redução das emissões de gases com efeito de estufa. Metodologia: Identificação das aplicações e planeamento dum uso racional e eficiente. Regulamento CE 842/2006 e 517/2014 (Gases fluorados) HFCs em proteção contra incêndios: - Proibição de instalações novas que contenham HFC-23 (FE-13) a partir de Janeiro de Utilização permitida para os outros, como p. ex. HFC-227ea (FM-200) -Redução (não proibição) progressiva até Implementação do controlo de fugas de acordo com o Regulamento 1497/2007 (perda de 10% da pressão ou 5% da carga, serão os parâmetros normalmente a controlar) - Certificação de técnicos e empresas / APSEI - Etiquetado com informação do conteúdo, Regulamento 1494/2007.

31 A dimensão da circulo representa a eficiência A Tendência Segurança Ambiental + $$$ IG-541, IG-55 $$ $$$ Novec Segurança CO2 $ FM-200 Segurança + $$ - Segurança Ambiental Halon 1301 FE-13

32 Em Portugal: Aproximadamente 4000 instalações 53 extinções efectivas Aplicações

33 Bandotecas Cofres Aplicações

34 Salas elétricas Quadros elétricos QGBTs PTs Grupos de Emergencia Aplicações

35 Telecomunicações Sala de quadros Sala de UPS Sala de baterias Call centers Aplicações

36 Aplicações Centros de produção de energia Salas de controlo Tuneis de cabos Turbinas

37 Aplicações Contentores de telecomunicações

38 Hospitais Salas CT scan Salas MRI Datacenter Aplicações

39 Torres de controlo Aplicações

40 Acervos de Bibliotecas Aplicações

41 Obrigado pela vossa atenção

ECARO-25 Sistema de Agente Limpo Superior

ECARO-25 Sistema de Agente Limpo Superior c l e a n a g e n t f i r e s u p p r e s s i o n S U P R E S S Ã O D E I N C Ê N D I O p o r A G E N T E L I M P O TECNOLOGIA AVANÇADA QUE OFERECE o melhor desempenho COM S U P R E S S Ã O D E I N C Ê

Leia mais

LOXIC. de redução de oxigénio

LOXIC. de redução de oxigénio LOXIC de redução de oxigénio APSEI NFPA Fire & Security 2012 Índice 1.Teoria Teoria da da combustão 8. Condições que favorecem estes sistemas 2. Conceito 3. Sistemas hipóxicos vs injeção de azoto 9. Projeto

Leia mais

O Sistema de Gás Inerte com o Melhor Custo Benefício.

O Sistema de Gás Inerte com o Melhor Custo Benefício. O SISTEMA DE GÁS INERTE É TÃO SEGURO QUE PROTEGE ATÉ O SEU ORÇAMENTO. O Sistema de Gás Inerte com o Melhor Custo Benefício. Os sistemas de gás inerte representam a maneira segura e natural para extinguir

Leia mais

Sistemas Fixos de Protecção Contra Incêndio DEPOIS DO HALON

Sistemas Fixos de Protecção Contra Incêndio DEPOIS DO HALON Sistemas Fixos de Protecção Contra Incêndio DEPOIS DO HALON Este documento, e outros relativos à prevenção e protecção contra incêndio, encontra-se na página da Internet dos Consultores de Risco da Allianz

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Serviços de instalação e manutenção/assistência técnica de Secção A: equipamentos fixos de refrigeração, ar condicionado e bombas de calor que contenham gases fluorados com efeito

Leia mais

tecnologia para combate a incêndios

tecnologia para combate a incêndios tecnologia para combate a incêndios FirePro - índice 3 História 4 Princípio de funcionamento 5 Características técnicas 6 Comparação entre vários sistemas de extinção de incêndio 7 Principais vantagens

Leia mais

Digisensor Sistema de Segurança Ltda.

Digisensor Sistema de Segurança Ltda. Digisensor Sistema de Segurança Ltda. Sergio Heiji Nonaka Rodrigo Hideo Maehana Sistemas de Detecção, Alarme e Combate a Incêndio Novembro/2010 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA - Empresa especializada na elaboração

Leia mais

SISTEMAS AUTOMÁTICOS DE EXTINÇÃO DE INCÊNDIO POR AGENTES GASOSOS

SISTEMAS AUTOMÁTICOS DE EXTINÇÃO DE INCÊNDIO POR AGENTES GASOSOS DE INCÊNDIO POR AGENTES GASOSOS OBJETIVO Dotar os projetistas, instaladores e entidades fiscalizadoras de documentação técnica de referência apropriada na conceção, projeto, manutenção e inspeção destes

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume V Riscos de Incêndio. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume V Riscos de Incêndio. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume V Riscos de Incêndio um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO. Felipe Decourt

PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO. Felipe Decourt PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO Felipe Decourt Sumário O FOGO E AS CLASSES DE INCÊNDIO O INCÊNDIO E SUAS CONSEQUÊNCIAS INCÊNDIOS EM ÁREAS DE MISSÃO CRÍTICA DANOS NÃO-TÉRMICOS GASES ÁCIDOS DANOS NÃO-TÉRMICOS RUIDO

Leia mais

OBJECTIVOS PRINCIPAIS:

OBJECTIVOS PRINCIPAIS: Câmara Municipal de Aveiro SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS EM EDIFICIOS ESCOLARES (SCIE) Meios de 1ª Intervenção - EXTINTORES AGRUPAMENTO EIXO 28 Setembro 2011 Sandra Fernandes

Leia mais

Interacção da Radiação com a Matéria

Interacção da Radiação com a Matéria Interacção da Radiação com a Matéria Já sabemos que: As radiações eletromagnéticas têm comportamento ondulatório e corpuscular. Cada radiação apresenta as suas características individuais; Os corpúsculos

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Proteção e combate a incêndio

Proteção e combate a incêndio Proteção e combate a incêndio Conceito de fogo Fogo é um processo químico de transformação. Podemos também defini-lo como o resultado de uma reação química que desprende luz e calor devido à combustão

Leia mais

Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio

Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Com experiência de 20 anos no mercado de instrumentação e um amplo portfólio de produtos e serviços, a Contech lança linha de proteção contra incêndio. Um fornecedor completo para atender as necessidades

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre Data de revisão: 2013-07-15 Motivo da Revisão: Conformidade com o Regulamento (CE) No. 1272/2008 SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA HI 701-25 Identificador do produto:

Leia mais

EXTINTORES PORTÁTEIS DE INCÊNDIO

EXTINTORES PORTÁTEIS DE INCÊNDIO EXTINTORES PORTÁTEIS DE INCÊNDIO, Junho 2003 www.allianz.pt Sumário 1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE EXTINTORES...4 TIPO DE PROPULSÃO DO AGENTE EXTINTOR:...4 TIPO DE AGENTE EXTINTOR...4 COMPONENTES DE UM

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. GHG PROTOCOL... 2 2.1 Premissas... 3 2.1.1 Definições... 3 2.1.1.1. Período... 3

Leia mais

Inergen A alternativa para o Halon 1301 em harmonia com o meio-ambiente

Inergen A alternativa para o Halon 1301 em harmonia com o meio-ambiente Introdução Inergen A alternativa para o Halon 1301 em harmonia com o meio-ambiente A área de proteção a incêndios passa por uma profunda transformação face ao fim da produção de Halon, um agente extintor

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 17 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.VI.02/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 17 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.VI.02/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 17 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.VI.02/2007-05-31 SISTEMAS DE EXTINÇÃO POR AGENTES GASOSOS RESUMO Dotar os projectistas, instaladores e entidades fiscalizadoras de

Leia mais

Esquemas. & diagramas. caderno 9

Esquemas. & diagramas. caderno 9 Esquemas & diagramas caderno 9 Segurança contra incêndios em edifícios > Simbologia gráfica para plantas Legenda para projectos de SCIE 1 - Resistência ao fogo Elemento resistente ao fogo com função de

Leia mais

A efectiva contribuição da climatização para a poluição ambiental. Efeitos dos diferentes fluidos e actuais tendências na sua utilização

A efectiva contribuição da climatização para a poluição ambiental. Efeitos dos diferentes fluidos e actuais tendências na sua utilização A efectiva contribuição da climatização para a poluição ambiental por L. Roriz Efeitos dos diferentes fluidos e actuais tendências na sua utilização Discutir a efectiva contribuição da climatização para

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

GESTÃO DE EQUIPAMENTOS COM ODS E FGHG

GESTÃO DE EQUIPAMENTOS COM ODS E FGHG Página 1 de 16 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 4 5.1 ENQUADRAMENTO... 4 5.2 OBRIGAÇÕES DA EDPR-PT...

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 Outubro/2014 VERSÃO 01 AUTOR Guilherme Pacheco Schuchter Belo Horizonte, MG Brasil guilherme@waycarbon.com COLABORADORES Jussara Utsch Belo Horizonte, MG Brasil jussara.utsch@scdcbrasil.com.br

Leia mais

O zono. B uraco do ozono

O zono. B uraco do ozono O zono O ozono (O 3 ) é um gás cuja molécula é formada por três átomos de oxigénio; existente na atmosfera numa percentagem mínima (tem efeitos prejudiciais para os seres vivos quando se encontra junto

Leia mais

Esta aula apresentará os elementos chave para a criação de um sistema elétrico, confiável, para um Data Center. Em seguira serão apresentadas

Esta aula apresentará os elementos chave para a criação de um sistema elétrico, confiável, para um Data Center. Em seguira serão apresentadas Esta aula apresentará os elementos chave para a criação de um sistema elétrico, confiável, para um Data Center. Em seguira serão apresentadas características de controle de um ambiente de DC, envolvendo

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Revisão A

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Revisão A INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Aprovação: Portaria Nº XXX, de XX de XXXX de 201X, publicada no Diário Oficial da União de XX de XXXXX de 201X, Seção XX, página XX Assunto: Extintores de incêndio

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

Mudança do Clima. Luiz Gylvan Meira Filho

Mudança do Clima. Luiz Gylvan Meira Filho SABESP São Paulo, 12 de novembro de 2008 Mudança do Clima Luiz Gylvan Meira Filho Pesquisador Visitante Instituto de Estudos Avançados Universidade de São Paulo A terra recebe energia do sol na forma de

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado Automotivo

Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado Automotivo Universidade Federal de Uberlandia - UFU Faculdade de Engenharia Mecânica - FEMEC Laboratório de Energia e Sistemas Térmicos LEST Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado

Leia mais

TÍTULO: Introdução ao stress térmico em ambientes quentes. AUTORIA: Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis, Lda)

TÍTULO: Introdução ao stress térmico em ambientes quentes. AUTORIA: Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis, Lda) TÍTULO: Introdução ao stress térmico em ambientes quentes AUTORIA: Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis, Lda) PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 124 (Setembro/Outubro de 1999) Enquadramento do tema A temperatura interior

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais 1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais A atmosfera da Terra é fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos. Evoluiu, a partir do gás carbônico (CO 2 ) e vapor d água (H 2 O),

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

Tendências do Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado A utomotivo

Tendências do Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado A utomotivo Universidade Federal de Uberlandia - UFU Faculdade de Engenharia Mecânica - FEMEC Laboratório de Energia e Sistemas Térmicos LEST Tendências do Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas

Leia mais

SAP Sales OnDemand Work Smarter. Sell Better. Win More. Claudio Tancredi Diretor de Vendas Cloud para America Latina

SAP Sales OnDemand Work Smarter. Sell Better. Win More. Claudio Tancredi Diretor de Vendas Cloud para America Latina SAP Sales OnDemand Work Smarter. Sell Better. Win More. Claudio Tancredi Diretor de Vendas Cloud para America Latina Agenda Cenário atual A solução Demonstração Informações adicionais My Customer Automação

Leia mais

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos 1. Estrutura da atmosfera 1. Estrutura da atmosfera 2. Composição química Dióxido de carbono D i ó x i d o Árgon Outros gases Oxigénio

Leia mais

1. Qual a legislação que se aplica em matéria de gases fluorados com efeito de estufa na Região?

1. Qual a legislação que se aplica em matéria de gases fluorados com efeito de estufa na Região? Perguntas Frequentes Gases com Efeito de Estufa 1. Qual a legislação que se aplica em matéria de gases fluorados com efeito de estufa na Região? O Decreto-Lei nº 56/2011, de 21 de abril, que assegura a

Leia mais

O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015

O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015 O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015 CONTEÚDOS 1. APSEI e a normalização 2. O que são normas? 3. Legislação de SCI

Leia mais

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ De acordo com a NBR 14725-4:2012 Data da revisão: 09/07/2013 Revisão: 03 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Referência

Leia mais

Prestação de Serviços de Gestão Documental APRESENTAÇÃO. Mod.087.01 Prestação de Serviços de Gestão Documental 1 de 22

Prestação de Serviços de Gestão Documental APRESENTAÇÃO. Mod.087.01 Prestação de Serviços de Gestão Documental 1 de 22 Prestação de Serviços de Gestão Documental APRESENTAÇÃO Mod.087.0 Prestação de Serviços de Gestão Documental de 22 Mod.087.0 Prestação de Serviços de Gestão Documental 2 de 22 PRESTAÇÃO de SERVIÇOS de

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO DEFINIÇÃO DO FOGO O FOGO É UMA REAÇÃO QUIMICA QUE LIBERA LUZ E CALOR. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 193 QUAL É O NUMERO DO CORPO DE BOMBEIROS?

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS Luiz Felipe de Camargo Kastrup Faculdade de Saúde Pública USP Paulo Bernardi Junior Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX 1. IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA Nome do produto: Identificação: Tipo de formulação: Utilização: SIPFOL MAX Aminoácidos, magnésio e oligoelementos Concentrado

Leia mais

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões Boas Práticasde Trabalhoem Laboratório Olga Conde Moreira Seminário no âmbito do Projeto AGROPECUÁRIA, TECNOLOGIA ALIMENTAR E AMBIENTE APRENDER CIÊNCIA HANDS-ON Programa Ciência Viva 12 de Março de 2014

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÉ-VESTIBULAR RUMO À UNIVERSIDADE CAMPUS JOÃO MONLEVADE QUÍMICA AMBIENTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÉ-VESTIBULAR RUMO À UNIVERSIDADE CAMPUS JOÃO MONLEVADE QUÍMICA AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÉ-VESTIBULAR RUMO À UNIVERSIDADE CAMPUS JOÃO MONLEVADE QUÍMICA AMBIENTAL ORIENTADORA: PROF.ª DRA. KARLA VIEIRA P R OF. LUCAS SIQUEIRA O QUE É Parte da química que estuda

Leia mais

Tecnologia ao seu dispor

Tecnologia ao seu dispor Tecnologia ao seu dispor EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE 1987 Janeiro Fundação como empresa de prestação de serviços na área da electrónica e Centro de Assistência Técnica para o Sul do País de um fabricante de

Leia mais

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA Elizabeth Cristina Tavares Veloso 1, Juracy Regis de Lucena Junior 2. 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB,

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto Abreviatura: Materialnr. 1024558 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 2010 Certificate issued in according

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS 1. Introdução Por Edson Haddad, Ricardo Serpa e Rodolfo Arias As atividades que

Leia mais

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões:

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões: CONGRESSO DAS COMUNICAÇÕES 08 - TIC E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS - 11 NOVEMBRO 09H00 10H30 ABERTURA OFICIAL DO CONGRESSO ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E O FUTURO Segundo o Relatório Stern, caso nada seja feito, os

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

ENERGIA E SUSTENTABILIDADE. Isabel Cabrita, Pedro Azevedo, Ana Teresa Crujeira & Isabel Guerreiro II SEMINÁRIO DE SUSTENTABILIDADE FBAUL, 2010-02-25

ENERGIA E SUSTENTABILIDADE. Isabel Cabrita, Pedro Azevedo, Ana Teresa Crujeira & Isabel Guerreiro II SEMINÁRIO DE SUSTENTABILIDADE FBAUL, 2010-02-25 ENERGIA E SUSTENTABILIDADE Isabel Cabrita, Pedro Azevedo, Ana Teresa Crujeira & Isabel Guerreiro II SEMINÁRIO DE SUSTENTABILIDADE FBAUL, 2010-02-25 The world is not on course for a sustainable energy future.

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

Vitor Rodrigues SEPURA

Vitor Rodrigues SEPURA Vitor Rodrigues SEPURA SEGURANÇA E FIABILIDADE EM TETRA Concebido para utilizadores de Rádios profissionais Segurança prevenindo interceptação Sistema móvel de Rádio Digital Proporcionando voz e dados

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6

FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6 FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Descrição do artigo: Limpa Churrasqueiras HUJE 1.2 Utilizações previstas: Limpeza de Gorduras

Leia mais

Soluções de proteção contra incêndio para unidades de produção de painéis de derivados da madeira

Soluções de proteção contra incêndio para unidades de produção de painéis de derivados da madeira Soluções de proteção contra incêndio para unidades de produção de painéis de derivados da madeira Solução setorial Unidades de produção de painéis de derivados da madeira EGURANÇA R ao longo do processo

Leia mais

Administração de CPD Internet Data Center

Administração de CPD Internet Data Center Administração de CPD Internet Data Center Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados a um dos principais tipos

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados SIGOU Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados 1 O que é a ECOLUB? A ECOLUB, referência na requalificação de resíduos industriais perigosos, é uma marca registada da SOGILUB, Sociedade de Gestão Integrada

Leia mais

Prevenção e Combate a Incêndios

Prevenção e Combate a Incêndios Prevenção e Combate a Incêndios Fogo É uma forma de combustão Combustão É uma forma de oxidação Incêndio É um acidente provocado pelo fogo Analogias Geométricas do Fogo Triângulo do Fogo Tetraedro do Fogo

Leia mais

2ª Edição Abril de 2013

2ª Edição Abril de 2013 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CERTIF SERVIÇO DE INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA DE EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO, AR CONDICIONADO E BOMBAS DE CALOR QUE CONTENHAM GASES FLUORADOS COM EFEITO DE ESTUFA

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

NOME DO PRODUTO: MEGA PODIUM Revisão 01 FISPQ Nº 00030 Página 1de 5

NOME DO PRODUTO: MEGA PODIUM Revisão 01 FISPQ Nº 00030 Página 1de 5 FISPQ Nº 00030 Página 1de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: MEGA PODIUM NOME COMERCIAL MEGA PODIUM (COLA UNIVERSAL) NOME DO FABRICANTE JN COM E IND DE PROD QUIMICOS LTDA RUA A

Leia mais

Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética;

Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética; Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética; Monitorização energética dos edifícios Isabel Santos ECOCHOICE Estoril, Abril

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

Incêndio: Objetivos de Projeto

Incêndio: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Incêndio: Objetivos de Projeto Criar dispositivos capazes de detectar, informar onde iniciou e debelar com presteza um incêndio, evitando danos materiais e perdas de vidas. NORMAS QUE DEVEM

Leia mais

05.0501 Amaciante Ypê Aconchego

05.0501 Amaciante Ypê Aconchego Página 1 de 7 Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1. Nome do 1.2. Código do Produto: 1.3. Aplicação Produto para tratamento de roupas.

Leia mais

Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF. Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos

Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF. Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos Uso irresponsável dos recursos naturais: Erosão do solo Contaminação de lençóis de água Extinção de espécies

Leia mais

The Carbon Disclosure Project

The Carbon Disclosure Project The Carbon Disclosure Project Agosto 2012 Ciclo do Carbono O ciclo do carbono é uma sucessão de transformações que sofre ao longo do tempo. Umas das principais fontes de carbono: CO2 atmosférico CO2 atm

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono Escolha do agente extintor Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono É de notar que não se refere as substâncias halogenados por se encontrarem proibidos

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto Outras nomes comerciales É também válido para os seguintes números de material: 1001389;

Leia mais

DL 35/2008 Regulação Operações com ODS (*) QUAIS OS LIMITES DE MANUSEAMENTO?

DL 35/2008 Regulação Operações com ODS (*) QUAIS OS LIMITES DE MANUSEAMENTO? » DL 35/2008 Regulação Operações com ODS (*) Técnicos Qualificados no Manuseamento de Fluidos Frigorigéneos que afectam a camada de ozono (CFC-HCFC): QUAIS OS LIMITES DE MANUSEAMENTO? Técnicos do grupo

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança De acordo com o Regulamento (CE) No 1907/2006

Ficha de Dados de Segurança De acordo com o Regulamento (CE) No 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança De acordo com o Regulamento (CE) No 1907/2006 Soft Care Crema Revisão: 2012-11-26 Versão 02 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1 Identificador

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS)

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS) Página: 1/5 1 - Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: TEMED (N,N,N,N -Tetramethylenediamine) - Código de identificação do produto: 161-0800N - Nome da Empresa: BioAgency Biotecnologia

Leia mais

PARASIL AC90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA

PARASIL AC90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA PARASIL AC90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA Nome do Produto: Nome da Companhia: PARASIL AC90 MACROFLEX COMERCIAL LTDA. RUA DONA ALZIRA,

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Revisão A

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Revisão A INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Aprovação: Portaria nº 1237, de 29 de maio de 2014, publicada no Diário Oficial da União de 30 de maio de 2014, Seção 1, página 54 Assunto: Extintores de incêndio

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI

NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI ANEXO II NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI Equipamento de Proteção Individual EPI Enquadramento NR 06 Anexo I A PROTEÇÃO DA CABEÇA Proteção da cabeça contra: A.1.1. Impactos de objetos sobre o crânio;

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

Processos bioquímicos Típico perfil de CO 2. Fotossíntese CO 2 (dis) Depth

Processos bioquímicos Típico perfil de CO 2. Fotossíntese CO 2 (dis) Depth Gases reativos Desvios da NAEC (Concentração Normal de Equilíbrio da ATM) A extensão que um gás é não conservativo é refletida no grau de desvio da saturação. % saturação = [A] local x 100 NAEC A [A (l)

Leia mais

n o 2 INTRODUÇÃO GUIAS BÁSICOS DE SEGURANÇA

n o 2 INTRODUÇÃO GUIAS BÁSICOS DE SEGURANÇA n o 2 Armazenamento e Manipulação de Inflamáveis GUIAS BÁSICOS DE SEGURANÇA INTRODUÇÃO O campo dos produtos inflamáveis é amplo e diversificado, estando presente como matéria prima, produto intermediário,

Leia mais

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME COMERCIAL Thinner 2750 NOME DO FABRICANTE ANJO QUIMICA DO BRASIL LTDA Rodovia SC, 447 Km 02 Criciúma Santa Catarina CEP: 88.817-440

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança 1. Identificação da substância/preparação e da Empresa Família química: EINECS: Estado físico: Uso da substância ou preparação: Empresa: Leitada asfáltica composta de inertes e emulsão betuminosa de alta

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 74/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 74/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

1 www.fike.com.br. FIKE, soluções que protegem pessoas e patrimônios.

1 www.fike.com.br. FIKE, soluções que protegem pessoas e patrimônios. 1 www.fike.com.br FIKE, soluções que protegem pessoas e patrimônios. O que é a FIKE? A FIKE é uma empresa globalizada, dinâmica e com ações locais, reconhecida mundialmente como provedora e desenvolvedora

Leia mais

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 441 27 de abril de 2012 Página 2 de 13 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 3.1. Externas... 5 3.2. Internas... 5 4. Definições

Leia mais

Agentes extintores HFC-227ea e FE-13

Agentes extintores HFC-227ea e FE-13 Agentes extintores HFC-227ea e aguilera extinción Índice O que é o HFC-227ea? O que é o? 2 Normativa 2 Sistemas de aplicação 2 Tipos de sistemas e tipos de fogo 2 Segurança para as pessoas 3 Dimensionado

Leia mais