Boeing 727 Datacenter

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boeing 727 Datacenter"

Transcrição

1 Boeing 727 Datacenter 1 Boeing 727 Datacenter O DESENVOLVIMENTO DO BOEING 727 O INÍCIO Mesmo antes do modelo 707 estar pronto para o serviço, a Boeing compreendeu a necessidade de complementar este avião com outro, menor, de pequeno e médio alcance. Em fevereiro de 1956 começou a estudar o mercado e suas necessidades. Havia um grande número de fatores importantes impostos pelas necessidades da época, que tomaram parte importante no desenho final da aeronave. Um destes fatores era o rápido crescimento que havia atingido o mercado das viagens aéreas, com os passageiros se multiplicando em número maior do que a capacidade dos aviões de transportá-los. A melhor solução de curto prazo foi aumentar a densidade de assentos nos aviões já existentes e/ou alongar a fuselagem dos que comportariam tal conversão, liberando mais espaço para a acomodação de passageiros. Isto poderia ser feito rapidamente, mas os aeroportos que deveriam receber estes aviões convertidos, entretanto, teriam de ser aumentados também, de modo que tudo demoraria muito. Este foi o fator de partida que levou a Boeing a pensar em um novo avião. Ele deveria ter características boas de pouso e decolagem, enquadrando-se nas pistas existentes. Operações em rotas curtas exigiriam também a equação de um problema até então inexistente: a maior velocidade possível aliada a uma menor altitude, o que reduziria a relação custo/assentos para um valor menor, aumentando as chances de sucesso da aeronave. Rotas curtas significavam uma alta taxa de pousos e decolagens em relação ao número de horas voadas, o que afetou não apenas o desenho do trem de pouso, como também dos acessos para reabastecimento de combustível e de tudo o mais que seria necessário para o grande número de escalas planejadas para cada vôo. Além disso, operações em pequenos aeroportos no centro das cidades impunham a necessidade de se ter motores silenciosos, o que na opinião dos engenheiros da Boeing, seria fator determinante na aceitação ou rejeição do modelo em estudo. MÃOS A OBRA Não foi então surpresa o fato do grupo de desenho da Boeing passar três anos examinando quase 70 diferentes propostas, antes de finalizar uma ampla definição do avião mais adequado ao particular espectro de necessidades da época. Entre os 65 desenhos considerados, havia diversas configurações de motores, enflexamento das asas e inclusive uma cauda em V. As estimativas iniciais da Boeing apontavam para um mercado potencial de 300 ou mais aeronaves, o que influenciava fortemente a tendência de se utilizar ao máximo neste modelo, sistemas e componentes dos já existentes modelos 707 e 720, diminuindo assim os custos, vez que não se esperava a venda de muitas unidades. A busca do layout adequado para o posicionamento dos motores não seria uma tarefa fácil em razão das particularidades envolvidas no projeto. Outro desafio grandioso era desenvolver uma asa eficiente e esta seria facilitada se não houvesse a necessidade de usá-la também para a montagem dos motores, encorajando a equipe ao estudo de várias configurações de motores na cauda. Vários desenhos foram feitos, alguns com dois ou quatro motores nas asas e outros com dois ou quatro motores na cauda, mas três motores pareceram a melhor solução. As configurações foram evoluindo e incluíram uma com dois motores nas asas e o terceiro na

2 Boeing 727 Datacenter 2 cauda, como o DC-10 e o Tristar, dois em uma asa e um na outra (!) e os três na fuselagem traseira, até que se chegou na selecionada, um no final da cauda, com a entrada de ar à frente do estabilizador vertical e dois motores situados em pods (suportes) nas laterais da fuselagem traseira, na mesma linha da entrada de ar do motor central. No início a intenção era usar no 727 uma versão Allison do motor Rolls Royce Spey, mas quando houve a proposta do Pratt & Whitney JT8D, este foi selecionado. O modelo teria as três unidades motoras equipadas com reversores, possibilitando uma operação mais segura em pequenos aeroportos. Foi uma decisão ousada, pois desde os Fokker ou Ford no início da aviação comercial, não se usavam trimotores na aviação comercial. O desenho escolhido, o que mais se aproximava do 727 que conhecemos hoje foi o 323K, que tinha corpos de choque nas asas, semelhantes aos do Convair 990 e um estabilizador vertical na base do leme, com envergadura de 29,3 m, comprimento de fuselagem de 33,5 m e altura de 12,2 m. O trem de pouso principal deste projeto recolhia-se para trás, dentro do corpo de choque, depois eliminado em modificações que trouxeram as atuais formas e dimensões ao modelo. Um dos pontos mais importantes para o sucesso do avião foi o desenho de uma asa avançada, que deveria garantir a performance necessária, que incluía necessidades díspares, como velocidades baixas de pouso e decolagem (para operação em pequenos aeroportos) e altas velocidades de cruzeiro, com baixa altitude entre estas operações. De fato, a Boeing compreendia que o sucesso ou o fracasso de todo o projeto poderia ser determinado pelo desenho da asa da aeronave, iniciando então um projeto detalhado para desenvolver de uma asa que tivesse estas características. Isto ocorreu muito antes ainda de se ter sequer à confirmação do desenvolvimento final da aeronave, já conhecida oficialmente como o Boeing 727. E eles conseguiram: a asa perfeita do 727 praticamente se "desmonta" em certas fases do vôo, alterando completamente sua configuração, sendo um das grandes qualidades da aeronave. Como resultado, cada asa incorporou seções de aerofólio especiais e incluiu quatro slats nos últimos dois terços do bordo de ataque, com flaps kruegger no primeiro terço. Existem ainda ailerons internos (para altas velocidades) e externos (baixas velocidades), 7 spoilers na superfície inferior, sendo os 5 de fora para uso em vôo e 2 especiais para uso em decolagem, que são utilizados também como freios. Na época, o design da asa era altamente complexo, um dos mais avançados projetos até então feitos para aeronaves comerciais, necessitando de extensos testes em túnel de vento. A Boeing utilizou-se de um modelo 707, o "Dash 80" para testar durante quase um ano, as novidades para a asa do novo modelo. Nele também foi instalado um motor na fuselagem traseira, o que foi muito positivo para o sucesso do projeto. Os engenheiros usaram também a parte superior da fuselagem do Boeing 707, economizando nos ferramentais e desenhando uma nova parte inferior, com menor altura e capacidade que a do modelo anterior, pois o 727 seria empregado em rotas curtas, onde o volume de bagagens e encomendas seria menor. Esta estrutura de fuselagem proporcionou ao 727 a capacidade operacional que o tornaria atrativo às empresas que trabalhavam em rotas curtas. Uma escada ventral, atuada hidraulicamente e uma unidade de força auxiliar própria (APU) finalizavam a receita de uma aeronave que pudesse operar de aeroportos pequenos e sem recursos. Esta capacidade de embarcar e desembarcar seus próprios passageiros, aliada à partida nos motores com recursos próprios abriu a possibilidade de se empregar o 727 em rotas por todo os Estados Unidos, até mesmo aonde os jatos antes não chegavam. PRIMEIRAS ENCOMENDAS DO BOEING 727 Apesar de sua longa gestação, o projeto 727 ainda dependia de uma decisão final da Boeing para seguir em frente. A fabricação e a certificação do modelo dependiam de suficiente interesse das companhias aéreas, o que minimizaria os riscos da Boeing. A United Airlines demonstrou grande interesse desde as fases iniciais de estudo do 727 e suas necessidades

3 Boeing 727 Datacenter 3 tiveram considerável influência no resultado final do projeto. A Eastern Air Lines era outro cliente potencial e destas duas empresas a Boeing esperava 80 encomendas (40 de cada empresa). Em agosto de 1960 foi dado o sinal verde para a construção do 727, mas apenas em 05 de dezembro deste ano é que as encomendas foram firmadas, sendo 40 firmes para a Eastern e 20 firmes e 20 opções para a United. O valor total das encomendas foi (em valores da época) 350 milhões de dólares. O primeiro 727 de produção, nas cores da United (N7001U), fez seu primeiro vôo em 09 de fevereiro de 1963, alguns meses antes do previsto pelo cronograma, seguido por um demonstrador da Boeing (N72700) em 12 de março e outros dois aviões de produção em seguida (N7002U em 10 de abril e N7003U em 22 de maio). Estes quatro 727's completaram o programa de testes para certificação da FAA em 24 de dezembro de 1963, ganhando tempo e permitindo as primeiras entregas para a United e Eastern no prazo contratual. As duas empresas iniciaram o serviço em 01 e 06 de fevereiro de 1964 (Eastern e United) ambas descobrindo que havia poucos os problemas para resolver no avião, sendo suas características de economia e performance melhores do que as previstas pela fábrica. A United achou o 727 muito mais barato de se operar que o Caravelle, mesmo em operação nas rotas mais curtas da empresa, o que significou a venda de mais 727 para ela, que operou o modelo por 37 anos, até No exterior, em 15 de maio de 1964 a Lufthansa foi a primeira empresa a receber e operar o 727. Porém, na época o avião tinha o perfil que se adequava muito apenas as duas empresas iniciais (United e Eastern), fazendo com que o livro de encomendas da Boeing totalizasse apenas 127 unidades vendidas até o final de Claramente, se a empresa quisesse vender os 300 aviões que previa inicialmente, deveria tornar o Boeing 727 atrativo e rentável também para outros operadores. Para isto, a Boeing certificou versões com maiores pesos brutos e várias opções de quantidade de combustível, permitindo mais flexibilidade de operação. No verão de 1964 as encomendas mal passavam as 200 unidades, não havendo indicações de que o modelo sequer chegasse a cobrir a meta inicial de venda. NOVOS DESENVOLVIMENTOS Em uma tentativa de ampliar o mercado, imediatamente a Boeing anunciou o C, modelo conversível entre carga/passageiros, com o piso reforçado e uma larga porta de carga no lado dianteiro esquerdo, contando ainda com sistema de acomodação de cargas igual ao do C. Em comparação com o básico, que possuía acomodação para 94 passageiros em classes mistas ou 131 em configuração de alta densidade, o C poderia ser totalmente cargueiro ou ter capacidade de operar em modo misto, com carga e passageiros ao mesmo tempo, com um sistema de anteparos móveis, apenas trocando parte da capacidade de passageiros pelo espaço necessário para a carga prevista daquele vôo. Logo em seguida, foi anunciado o QC (Quick Change), que possuia assentos, cozinhas e banheiros paletizados, permitindo uma mudança entre uma configuração totalmente passageiros para totalmente cargueira em apenas uma hora. O primeiro C entrou em serviço em 23 de abril de 1966 com a Northwest Airlines e o modelo inicial do QC em maio do mesmo ano na United Airlines. No final de 1964 tornou-se claro para a Boeing que estava aumentando a demanda para aviões de alta capacidade, destinados a vôos curtos e isto levou a decisão de se construir uma versão alongada do 727, anunciada em agosto de Esta decisão mostrou-se um marco na comercialização desta aeronave. O novo modelo foi designado Boeing e não tinha diferenças significativas em relação ao , exceto pela inserção de duas extensões de 3,05 m, uma antes e outra após o trem de pouso. A capacidade de combustível, peso bruto e motorização permaneciam inalteradas, deixando aos compradores a decisão de optar por mais

4 Boeing 727 Datacenter 4 combustível e alcance, com menor capacidade de passageiros ou até um total de 189 pessoas, com menos combustível e alcance. PRIMEIRAS ENCOMENDAS DO A primeira empresa aérea a encomendar a nova versão, pouco após o anúncio oficial da criação da aeronave foi a Northeast, que depois foi absorvida pela Delta. Após a certificação do , em 29 de novembro de 1967, o operador voou o primeiro serviço regular do modelo poucos dias depois. Este avião, pela sua maior capacidade, teria melhores condições de conquistar o mercado, pensava a Boeing. E, na realidade, ela precisava estar certa sobre a vendagem do novo modelo, pois o programa havia consumido muitos recursos da empresa e tinha de dar certo. O futuro da própria Boeing corria riscos. Nesta época o total de encomendas chegava a pouco mais de 500 unidades, das quais 130 eram da versão -200, aproximando-se de 400 as compras de As vendas deste modelo cresceriam até que pouco mais de 500 aviões da versão -100 fossem entregues antes do fechamento da sua linha de produção, no final de Isso enfatiza o acerto da Boeing em decidir pelo desenvolvido o modelo alongado, que venderia depois quase unidades entre o normal e o Advanced, totalizando a incrível marca de Boeing's 727 produzidos. Quando o foi lançado, abriu-se aos compradores a opção de escolher entre mais passageiros ou combustível, de acordo com o tamanho dos estágios de vôo que deveriam ser efetuados pelos aviões. A Boeing sabia que mais passageiros significavam menor alcance, mas acreditava que posteriores desenvolvimentos nos motores reverteriam esta situação. Mais uma vez, a empresa estava certa... O SE DESENVOLVE A suposição feita pela equipe da Boeing se confirmou em 1967, com o surgimento das versões JT8D-7 ou JT8D-9, de kg de empuxo, que foram depois melhorados até kg. Não apenas a potência dos motores aumentou, mas as novas versões eram também mais econômicas, permitindo operação dos 727 com maior capacidade ou alcance. Isto levou a Boeing a anunciar, em 12 de maio de 1971, a versão de maior peso bruto, conhecida como Advanced, que não só possuía estas características, como também tinha o interior redesenhado, maior capacidade de combustível, além da certificação para pousos automáticos na categoria IIIA. Esta aeronave foi aprovada pela FAA em 14 de junho de 1972 e entrou em operação regular no ano seguinte. Entre as características padrão e/ou opcionais disponíveis no modelo Advanced, incluiam-se naceles que reduziam a emissão de ruído dos motores, asas com superfícies mais finas, freios melhorados e pneus maiores para suportar o aumento de peso bruto. Em nome de uma melhor aeronave a Boeing não parou por aí: o novo modelo tinha um sistema de ar-condicionado melhorado e várias configurações possíveis em relação aos tanques de combustível, com tanques extras à frente ou atrás do porão de cargas, aumentando a capacidade máxima para até litros. Esta maior capacidade de combustível vinha acompanhada de um novo computador, que dava informações de performance (que tornou-se padrão), garantindo que os motores operassem com a maior eficiência possível em qualquer condição de carga, alcance e ambiente de operação encontrados pela aeronave. Uma opção que melhorava significativamente a performance na decolagem e no estágio inicial de subida em condições de alta pressão ou em aeroportos de alta altitude estava disponível

5 Boeing 727 Datacenter 5 através dos motores JT8D-17R, com kg de empuxo. Conhecido como APR (em português, reserva automática de performance), o equipamento é capaz de detectar qualquer perda significante de potência de um motor durante os períodos críticos de operação, aumentando automaticamente a potência nos outros motores para até kg como medida visando a compensar o problema, garantindo a segurança da aeronave. O SUCESSO DO 727 Pelo uso de tecnologia avançada e constantes melhoramentos e refinamentos na estrutura do avião, a Boeing garantiu que o notável modelo 727 obtivesse e mantivesse, durante um bom tempo, o recorde no número de vendas de jatos comerciais de grande porte. A decisão da companhia em 1978, de produzir o 757, um modelo para pequenas e médias distâncias, baseado em tecnologia moderna aplicada na fuselagem básica do 727, significou que a linha deste avião deveria ser encerrada entre 1983/84. Apesar desta decisão, a performance e eficiência da frota ainda em operação, garante ao 727 uma vida produtiva e longa na aviação mundial, incluindo seu uso em empresas de grande porte, como Delta Air Lines e Northwest nos Estados Unidos e em nosso país, pelas empresas Fly, Varig, Vaspex, Total e Via Brasil. O baixo custo do modelo aliado às novas tecnologias e equipamentos que lhe podem ser incorporados, permitindo uma operação mais silenciosa, entre outros melhoramentos hoje disponíveis, tornam o 727 uma silhueta ainda comum ao redor do mundo, principalmente nos Estados Unidos. Há várias opções de atualização do 727, como os hushkits, winglets e novas opções de motores, como os da versão da BF Goodrich, conhecida como Super 27. ESTA É UMA VERSÃO ESPECIAL PARA IMPRESSÃO DA MATÉRIA DISPONÍVEL NO SITE BOEING 727 DATACENTER. POR FAVOR, SE UTILIZAR PARTE DESTE MATERIAL, CITE A FONTE. Sérgio Ricardo Marques Gonçalves ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO DESTE ARQUIVO: 18/08/2002

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi HISTÓRICO AEROPORTOS 1. PRINCÍPIOS GERAIS: Cinco Liberdades do Ar: 1. Uma aeronave tem direito de sobrevoar um outro país, sem pousar, contanto que o país

Leia mais

Conviasa recebe dois novos Embraer E190

Conviasa recebe dois novos Embraer E190 Conviasa recebe dois novos Embraer E190 Por Rubens Barbosa Filho A companhia aérea estatal venezuelana Conviasa (Consorcio Venezolano de Industrias Aeronáuticas y Servicios Aéreos, S.A.) recebeu em 25

Leia mais

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves Curso n 4 Aeronaves Aeronaves são quaisquer máquinas capazes de sustentar vôo, e a grande maioria deles também são capazes de alçar vôo por meios próprios. Índice 1 Classificação o Mais leve do que o ar

Leia mais

Pictures shown are artist s renderings Artist rendering

Pictures shown are artist s renderings Artist rendering N661EC Pictures shown are artist s renderings UM JATO REALMENTE DO SÉCULO 21. O Legacy 600 é perfeito para os negócios no mercado atual. Um jato super midsize com incrível conforto e confiabilidade. Mesmo

Leia mais

787 Panorama do Airplane Health Management. Copyright 2013 Boeing. All rights reserved. 1

787 Panorama do Airplane Health Management. Copyright 2013 Boeing. All rights reserved. 1 787 Panorama do Airplane Health Management 1 Bem-vindo ao Airplane Health Management Definição de Airplane Health Management (AHM) A importância do AHM Recursos oferecidos Operations Control Center O AHM

Leia mais

tecnologia engenharia aeronáutica y

tecnologia engenharia aeronáutica y tecnologia engenharia aeronáutica y Ilustração mostra uma futura aptidão do novo KC-390: reabastecer aviões militares em pleno voo 62 z novembro DE 2014 Projeto global Embraer desenvolve novo avião militar

Leia mais

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais,

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, aerodinâmica e maneira de pilotagem que se aplicam aos aviões

Leia mais

CONFORTO INIGUALÁVEL. DESEMPENHO DE SUCESSO. DADOS DE DESEMPENHO

CONFORTO INIGUALÁVEL. DESEMPENHO DE SUCESSO. DADOS DE DESEMPENHO PT-SBC DESEMPENHO DE SUCESSO. Por qualquer perspectiva que você o examine, o Phenom 300 o impressionará por seu excepcional desempenho. Com motores Pratt & Whitney Canada, ele pode ser facilmente operado

Leia mais

Características do Design Manutenção Economia Versatilidade

Características do Design Manutenção Economia Versatilidade O A-Viator é um bimotor de hélices turbinadas, asa na parte superior e com capacidade para 11 lugares, desenvolvido para satisfazer as crescentes demandas de operadores por uma aeronave de alto desempenho

Leia mais

O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação

O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação No dia 15 de dezembro de 1989, o voo KLM 867, operado por um Boeing 747-406M, o PH-BFC, decolou de Amsterdam com destino ao Aeroporto de Narita, no Japão,

Leia mais

AERONAVES E SUAS PARTES

AERONAVES E SUAS PARTES AERONAVES E SUAS PARTES Definição de Avião Um avião é definido como uma aeronave de asa fixa mais pesada que o ar, movida por propulsão mecânica, que é mantido em condição de vôo devido à reação dinâmica

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Tópicos Abordados Fundamentos Básicos Sobre o Funcionamento de uma Aeronave. Superfícies de Controle.

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 98 6. Considerações Finais Mesmo com a alta dos preços do petróleo, a aviação vem caminhando a passos largos. Pelo menos é o que mostram os recentes números divulgados pela ANAC. As três maiores companhias

Leia mais

Pneus de Aviões: PreviNE. Vitais, mas quase esquecidos. prevenção, investigação, Cuidar da Aviação é a nossa obrigação!!!

Pneus de Aviões: PreviNE. Vitais, mas quase esquecidos. prevenção, investigação, Cuidar da Aviação é a nossa obrigação!!! Pneus de Aviões: Vitais, mas quase esquecidos Os aviões foram construídos para voar, mas entre os itens mais críticos para a sua segurança estão os pneus, que os suportam no solo. Embora tenham grande

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

P2 VATSIM rating. Portugal vacc

P2 VATSIM rating. Portugal vacc P2 VATSIM rating Portugal vacc Maio 2012 Índice Objectivo... 3 Exame P2... 3 Definições... 4 Instrumentos e medidas... 4 Forças... 4 Dispositivos... 5 Movimentos... 5 Planeamento... 6 Considerações...

Leia mais

Introdução Forças aerodinâmicas Empuxo = Arrasto Sustentação = Peso Arrasto

Introdução Forças aerodinâmicas Empuxo = Arrasto Sustentação = Peso Arrasto Introdução Os aviões estão entre as invenções mais incríveis. Um Boeing 747, por exemplo, pode levar 600 pessoas - e pesa quase 400 toneladas quando está abastecido para a decolagem. Mesmo assim, ele percorre

Leia mais

O MÁXIMO EM CONFORTO. SEU PARCEIRO DE NEGÓCIOS PERFEITO DADOS DE DESEMPENHO

O MÁXIMO EM CONFORTO. SEU PARCEIRO DE NEGÓCIOS PERFEITO DADOS DE DESEMPENHO N991EC SEU PARCEIRO DE NEGÓCIOS PERFEITO Mesmo no caso de viagens que poderiam parecer mais difíceis para um jato executivo, o Legacy 600 não o decepcionará. Pode ficar tranquilo quanto à sua capacidade

Leia mais

Boeing 747 Dreamlifter aterrisa no aeroporto errado, mas consegue decolar

Boeing 747 Dreamlifter aterrisa no aeroporto errado, mas consegue decolar Boeing 747 Dreamlifter aterrisa no aeroporto errado, mas consegue decolar Um Boeing 747 Dreamlifter da Boeing pousou no aeroporto errado em Wichita, Kansas, na quarta-feira e quase não conseguiu decolar

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

Para que é usado o Antonov 225, o maior avião do mundo?

Para que é usado o Antonov 225, o maior avião do mundo? Para que é usado o Antonov 225, o maior avião do mundo? Da BBC Brasil Aeronave russa, que tem 84 m de comprimento e pesa 175 toneladas, é grande o suficiente para transportar 50 carros, sendo também usado

Leia mais

Programa 787 Sistema Elétrico e Baterias

Programa 787 Sistema Elétrico e Baterias Programa 787 Sistema Elétrico e Baterias Mike Sinnett Vice-president & Engenheiro Chefe de Projeto Programa 787 Fevereiro 2013 1 Welcome Sistemas elétricos de uma aeronave Sistema elétrico do 787 Dreamliner

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL MARCAS DE IDENTIFICAÇÃO, DE NACIONALIDADE E DE MATRÍCULA. Aprovação: Resolução ANAC nº 220, de 20 de março de 2012, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

As 7 maiores máquinas voadoras já construídas pelo homem

As 7 maiores máquinas voadoras já construídas pelo homem As 7 maiores máquinas voadoras já construídas pelo homem Voar como os pássaros tem sido um sonho da humanidade desde os tempos mais remotos. Ele finalmente se tornou realidade no final do século XVIII

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES - CGA

CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES - CGA CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES - CGA Vinícius Roggério da Rocha MonolitoNimbus.com.br/ComissarioNerd Aerodinâmica Parte da Física que estuda o movimento de fluidos gasosos e as forças envolvidas Superfície

Leia mais

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais.

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. PORTUGUÊS BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. CORPORATIVO ENERGIA O Bell 206L4 foi projetado para ser o local de trabalho em voo ideal. Ele

Leia mais

BELL 412EP Uma aeronave indispensável para o uso diário com uma cabine ampla proporcionando flexibilidade de multi-missão.

BELL 412EP Uma aeronave indispensável para o uso diário com uma cabine ampla proporcionando flexibilidade de multi-missão. PORTUGUÊS BELL 412EP Uma aeronave indispensável para o uso diário com uma cabine ampla proporcionando flexibilidade de multi-missão. CORPORATIVO Quer seja administrar uma empresa ou um país, tudo se resume

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

8teste de voo. vulcanair p68c

8teste de voo. vulcanair p68c 8teste de voo TESTE DE VOO 76 A v iã o R ev u e IDEAL PARA QUALQUER Com dois motores de 200 hp supereconômicos, o P68C surge como uma opção de bimotor que se adapta a qualquer tarefa por Décio Corrêa fotos

Leia mais

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO PR-JAJ VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. Quando se fala em desempenho, o Phenom 100 é o líder em sua classe. Com motores Pratt and Whitney, sua capacidade de alcance de voo de quase 1.200 nm e de decolagem

Leia mais

O PRIMEIRO VÔO DO SEU AVIÃO

O PRIMEIRO VÔO DO SEU AVIÃO 1 O PRIMEIRO VÔO DO SEU AVIÃO POR Chris Heintz [Este artigo é parte de uma série, onde o engenheiro aeronáutico Chris Heintz discute aviões leves concepção e construção]. Com a chegada da primavera, é

Leia mais

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE. MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE. MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO N330XX VAI MAIS LONGE. MAIS RÁPIDO. Quando se fala em desempenho, o Phenom 100 é o líder em sua classe. Com motores Pratt and Whitney, sua capacidade de alcance de voo de quase 1.200 nm e de decolagem

Leia mais

BELL HUEY II Uma aeronave indispensável para o uso diário com uma cabine ampla proporcionando flexibilidade de multimissão.

BELL HUEY II Uma aeronave indispensável para o uso diário com uma cabine ampla proporcionando flexibilidade de multimissão. PORTUGUÊS BELL HUEY II Uma aeronave indispensável para o uso diário com uma cabine ampla proporcionando flexibilidade de multimissão. TRANSPORTE E INSERÇÃO DE TROPAS BUSCA E RESGATE Não procure mais, o

Leia mais

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2 0,1,67e5,2'$$(521È87,&$ '(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2 6Ë0%2/2 '$7$ &$7(*25,$ ',675,%8,d 2,$& (;3(',d 2 ()(7,9$d 2 3130-121-1296 12/Dez/96 31/Dez/96 NOSER D - ET - X 7Ë78/2 352&(',0(1726

Leia mais

Apresentação da Disciplina 4 MÓDULO I 5 41

Apresentação da Disciplina 4 MÓDULO I 5 41 1 2 Apresentação da Disciplina 4 MÓDULO I 5 41 3 Caro Aluno, Esta disciplina é apresentada a você de forma a identificar a importância periódica da pesagem de uma aeronave, assim como de seu balanceamento

Leia mais

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia Seminário DCA-BR - Fontes Renováveis de Energia na Aviação São José dos Campos 10 de junho de 2010 Cmte Miguel Dau Vice-Presidente Técnico-Operacional

Leia mais

LABACE: TAM Aviação Executiva traz dez aeronaves, duas delas pela primeira vez no Brasil

LABACE: TAM Aviação Executiva traz dez aeronaves, duas delas pela primeira vez no Brasil LABACE: TAM Aviação Executiva traz dez aeronaves, duas delas pela primeira vez no Brasil CESSNA Citation Latitude A TAM Aviação Executiva, representante exclusiva no Brasil das fabricantes Cessna Aircraft

Leia mais

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br CE CERTIFICADO EMPILHADEIRAS A transmissão 2-3 T possui estrutura avançada tipo flutuante, a única na China. Estruturas flutuantes são projetadas para reduzir a transmissão das vibrações ao chassis em

Leia mais

EMBRAER CERTIFICA JATO EXECUTIVO PHENOM 100 JUNTO A ANAC Certificação nos Estados Unidos é esperada em breve, seguida pelas primeiras entregas

EMBRAER CERTIFICA JATO EXECUTIVO PHENOM 100 JUNTO A ANAC Certificação nos Estados Unidos é esperada em breve, seguida pelas primeiras entregas EMBRAER CERTIFICA JATO EXECUTIVO PHENOM 100 JUNTO A ANAC Certificação nos Estados Unidos é esperada em breve, seguida pelas primeiras entregas São José dos Campos, 9 de dezembro de 2008 O jato executivo

Leia mais

edição 23 julho agosto 2010 r$12,00 embarque imediato

edição 23 julho agosto 2010 r$12,00 embarque imediato edição 23 julho agosto 2010 r$12,00 embarque imediato EspEcial 32 páginas com muita coisa extra Ensaio Em voo RV-9A e TBM 850 dizem A que VieRAM dia-a-dia da cachaça O Museu TAM ReABRe glorioso EntrEvista

Leia mais

COMO FUNCIONA UM AVIÃO

COMO FUNCIONA UM AVIÃO Maj Av Mario Cesar Berto Centro Técnico Aeroespacial - CTA Instituto de Aeronáutica e Espaço - IAE Divisão de Ensaios em Vôo - AEV berto@iae.cta.br COMO FUNCIONA UM AVIÃO Resumo. O sonho de voar acompanha

Leia mais

Vídeo: Primeiro vôo do C- Series

Vídeo: Primeiro vôo do C- Series Vídeo: Primeiro vôo do C- Series Após meses de espectativa vôo hoje pela manhã em Montreal, Canadá o primeiro protótipo do CSeries. O CSeries é a primeira aeronave projetada pela Bombardier desde 1978

Leia mais

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático 1 Capítulo 2 - Seleção do local para a APU Os passos que devem ser dados desde a concepção de uma aeronave são: 1) No Planejamento: Admitir que a seleção e a instalação da APU são tão importantes quanto

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL Este manual tem como objetivo guiar os operadores dos aeródromos participantes do projeto piloto de indicadores

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T13 Março 2014

Teleconferência de Resultados 4T13 Março 2014 Teleconferência de Resultados Março 2014 Agenda 1. Destaques e 2013 2. Indústria 3. Estratégia GOL 4. Smiles 5. Resultado Financeiro e Operacional 6. Projeções Financeiras 2 1. Destaques e 2013 Destaques

Leia mais

Anatomia de um avião STOL: Projetando uma decolagem curta moderna e aterrando o avião. A função das formas. Por Chris Heintz

Anatomia de um avião STOL: Projetando uma decolagem curta moderna e aterrando o avião. A função das formas. Por Chris Heintz Anatomia de um avião STOL: Projetando uma decolagem curta moderna e aterrando o avião. A função das formas Por Chris Heintz [Este artigo é parte de uma série, onde o engenheiro aeronáutico Chris Heintz

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL +-------------------+ ESPECIFICAÇÃO DE AERONAVE Nº EA-7501 EA-7501-04 Detentor do CHT: Folha 1 INDÚSTRIA

Leia mais

ensaio em voo 08 mar abr 2010

ensaio em voo 08 mar abr 2010 08 mar abr 2010 escolha Precisa Texto: Edmundo Reis Fotos: Marcio Jumpei pilatus pc-12 NG Faz muito por muito pouco e ainda voa muito bem, o avião suíço ganha o mercado brasileiro mostrando serviço 09

Leia mais

Embraer KC-390. Marcos Galvão Leite das Chagas

Embraer KC-390. Marcos Galvão Leite das Chagas Embraer KC-390 Marcos Galvão Leite das Chagas Introdução O Embraer KC-390 é um projeto de aeronave para transporte tático/logístico e reabastecimento em voo que estabelece um novo padrão para o transporte

Leia mais

Argentinas do Passado

Argentinas do Passado Empresas Argentinas do Passado no Brasil Por Carlos A. Spagat Após a derrubada de Perón em 1955, a Argentina foi varrida por uma onda de liberalismo, que incluiu a autorização para criar empresas aéreas

Leia mais

275$163257($e5(2. $+LVWyULDGR7UDQVSRUWH$pUHRQR%UDVLO

275$163257($e5(2. $+LVWyULDGR7UDQVSRUWH$pUHRQR%UDVLO 275$163257($e5(2 $+LVWyULDGR7UDQVSRUWH$pUHRQR%UDVLO Segundo o Departamento de Aviação Civil (DAC), a exploração dos serviços de transporte aéreo no Brasil só foi liberada à iniciativa privada no ano de

Leia mais

TRANSIÇÃO PARA O. Adaptação: Ernesto Klotzel 48 FLAP INTERNACIONAL 49 FLAP INTERNACIONAL

TRANSIÇÃO PARA O. Adaptação: Ernesto Klotzel 48 FLAP INTERNACIONAL 49 FLAP INTERNACIONAL TRANSIÇÃO PARA O Da hélice para o turbofan, os cuidados que devem ser observados por pilotos que estão migrando de tipo de equipamento. Os conceitos mudam radicalmente e a transição exige um bom treinamento

Leia mais

3.1.2. Os candidatos (de engenharia mecânica) poderão optar por duas subequipes em ordem de preferência.

3.1.2. Os candidatos (de engenharia mecânica) poderão optar por duas subequipes em ordem de preferência. PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NA EQUIPE F- CARRANCA AERODESIGN SAE NO ANO DE 2016 A F- Carranca, equipe de AeroDesign da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), informa que realizará

Leia mais

EM QUALQUER LUGAR, A QUALQUER HORA EM QUALQUER AMBIENTE

EM QUALQUER LUGAR, A QUALQUER HORA EM QUALQUER AMBIENTE PILATUS PORTER PC-6 EM QUALQUER LUGAR, A QUALQUER HORA EM QUALQUER AMBIENTE DISTRIBUIDOR EXCLUSIVO NO BRASIL Capacidade Confiança Versatilidade 4 6 8 Opções Dimensões e Geometria Peso e Balanceamento,

Leia mais

KC-137 Uma alternativa para a FAB

KC-137 Uma alternativa para a FAB KC-137 Uma alternativa para a FAB José Alves Daniel Filho, Graduando em Ciências Econômicas UPIS DF. daniell.filho@gmail.com Em meados da década de 1980, a Força Aérea Brasileira visando atender o requerimento

Leia mais

Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge

Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge lacjorge@gmail.com VANTS NA AGRICULTURA Vantagens sobre aeronaves convencionais e satélites Custo

Leia mais

QUANDO O ASSUNTO É ALCANCE, O CÉU É O LIMITE. DEFINA SEU ESPAÇO. DADOS DE DESEMPENHO

QUANDO O ASSUNTO É ALCANCE, O CÉU É O LIMITE. DEFINA SEU ESPAÇO. DADOS DE DESEMPENHO N608EC QUANDO O ASSUNTO É ALCANCE, O CÉU É O LIMITE. Não há limite para onde o Legacy 650 pode levá-lo. Seu alcance invejável pode transportá-lo com facilidade de Londres a Nova York, para viagens de

Leia mais

representante em Portugal. Conversámos com Michael Hutzelmann sobre o posicionamento da companhia, projectos futuros e actuais investimentos

representante em Portugal. Conversámos com Michael Hutzelmann sobre o posicionamento da companhia, projectos futuros e actuais investimentos A Luthansa apresentou recentemente o seu novo representante em Portugal. Conversámos com Michael Hutzelmann sobre o posicionamento da companhia, projectos futuros e actuais investimentos Sandra M. Pinto

Leia mais

www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO

www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES CGA Aerodinâmica Ciência que estuda as forças produzidas

Leia mais

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO 2-1 Utilização de Aeródromos a. Nenhum aeródromo civil poderá ser utilizado por aeronaves civis se não estiver devidamente registrado ou homologado e, ainda, divulgado

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI AÉREO

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI AÉREO ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI AÉREO JUSTIFICATIVA O Rio de Janeiro ao longo dos anos vem ampliando seu destaque no cenário nacional e internacional, sendo sede de diversos

Leia mais

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA INSTRUTOR DE VOO PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA Este é um manual de apoio ao programa de instrução adotado pelo Aeroclube de Piracicaba, para qualquer dúvida além desse manual consultar o MMA 58-16 através

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Tópicos Abordados Relatório de Projeto. Técnicas de Estruturação para uma boa Avaliação. Elaboração do Relatório

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO]

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO] REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 03 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010.

Leia mais

Conheça nossa empresa

Conheça nossa empresa Conheça nossa empresa Empresa Damaeq Integridade, Vontade de Superar-se, Satisfação do Cliente. Varredora Coletora Rebocável. A varredora Mecânica Coletora de Lixo Damaeq, é ideal para varrição de ruas,

Leia mais

IBM Cognos Financial Statement Reporting (FSR) e British Airways

IBM Cognos Financial Statement Reporting (FSR) e British Airways IBM Cognos Financial Statement Reporting (FSR) e British Airways A British Airways obtém maior controle do processo de geração de relatório externo através do IBM Cognos FSR Visão Geral Com sede em Harmondsworth,

Leia mais

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil Manual de Voo VFR Virtual Varig Brasil Setembro 2010 REGRAS DE VÔO Regras de vôo visual(vfr) -Visual Flight Rules(VFR). -São regras que evitam a colisão de aeronaves com obstáculos ou com outras aeronaves

Leia mais

Voar já foi mais agradável

Voar já foi mais agradável Voar já foi mais agradável Foram quase 80 anos aprimorando os serviços de bordo, antes que milhares de passageiros fossem obrigados a pagar por tudo que, até pouco, parecia ser um direito adquirido. Este

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA Relatório de Estágio São Paulo, 26 de agosto de 2011 Aluna: Michelle Moreira FOLHA DE APROVAÇÃO Relatório Final de Estágio Curricular

Leia mais

45 ANOS DO PRIMEIRO VOO DO EMB 100 BANDEIRANTE. Semana da Asa 2013

45 ANOS DO PRIMEIRO VOO DO EMB 100 BANDEIRANTE. Semana da Asa 2013 45 ANOS DO PRIMEIRO VOO DO EMB 100 BANDEIRANTE Semana da Asa 2013 A Semana da Asa e o Bandeirante A Semana da Asa foi Idealizada pelo aviador Godofredo Vidal em 1935 e viabilizada pela Comissão de Turismo

Leia mais

Fundamentos da Engenharia Aeronáutica - Aplicações ao Projeto SAE-AeroDesign. Figura 1.1 - Vista do vôo do 14-Bis em Paris.

Fundamentos da Engenharia Aeronáutica - Aplicações ao Projeto SAE-AeroDesign. Figura 1.1 - Vista do vôo do 14-Bis em Paris. 1 CAPÍTULO 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1.1 - Introdução Paris, França, 23 de outubro de 1906 em um dia de vento calmo no campo de Bagatelle às 16 horas e 45 minutos de uma terça feira se concretizou através

Leia mais

GE Aviation e o Gripen NG - Manutenção do motor F-414 poderá ser feita no Brasil

GE Aviation e o Gripen NG - Manutenção do motor F-414 poderá ser feita no Brasil GE Aviation e o Gripen NG - Manutenção do motor F-414 poderá ser feita no Brasil Por Roberto Caiafa Na última quinta feira, 30 de outubro, a GE Celma, subsidiária da GE Aviation baseada em Petrópolis (RJ),

Leia mais

NEW HOLLAND CR CR9060

NEW HOLLAND CR CR9060 NEW HOLLAND CR CR9060 A extraordinária colheitadeira de alta capacidade da New Holland. Líder mundial em colheita, a New Holland vem sempre pesquisando e desenvolvendo produtos para atender às necessidades

Leia mais

SUPLEMENTO COMERCIAL. Domingo, 15 de Novembro de 2015 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE

SUPLEMENTO COMERCIAL. Domingo, 15 de Novembro de 2015 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE SUPLEMENTO COMERCIAL. Domingo, 15 de Novembro de 2015 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE www.flyeverjets.com 2 Everjets inaugura voos regulares

Leia mais

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 2-1 Utilização de Aeródromos CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO a. Nesta publicação encontram-se relacionados somente aeródromos brasileiros abertos ao tráfego aéreo, de acordo com a IMA 58-10, de

Leia mais

Pavimentadora da classe de 10 m com uma ampla gama de aplicações. Pavimentadora de Concreto SP 850

Pavimentadora da classe de 10 m com uma ampla gama de aplicações. Pavimentadora de Concreto SP 850 Pavimentadora da classe de 10 m com uma ampla gama de aplicações Pavimentadora de Concreto SP 850 Pavimentadora de concreto SP 850 para uma pavimentação em concreto com qualidade superior Ampla variedade

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CAPACIDADE OPERACIONAL RIOGALEÃO

DECLARAÇÃO DE CAPACIDADE OPERACIONAL RIOGALEÃO DECLARAÇÃO DE CAPACIDADE OPERACIONAL RIOGALEÃO Temporada S15 29/03/15 a 24/10/15 27 de março de 2015 RIOgaleão - Aeroporto Internacional Tom Jobim Sigla ICAO: SBGL Horário de Funcionamento: H24 Responsável

Leia mais

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia Manual de Fraseologia 1 Neste tutorial você aprenderá a realizar comunicação com os órgãos de controle de tráfego aéreo. Introdução Após ter realizado seu planejamento de voo e envio do mesmo seguirá com

Leia mais

COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM CONFIABILIDADE? Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos -

COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM CONFIABILIDADE? Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos - COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos - - A VEM - A VARIG ENGENHARIA E MANUTENÇÃO - VEM é uma empresa especializada em manutenção

Leia mais

www.peugeot.com.br/professional

www.peugeot.com.br/professional www.peugeot.com.br/professional Todos os veículos Peugeot estão de acordo com o PROCONVE, Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores. Colar etiqueta de identificação da Concessionária.

Leia mais

Roteiro Aula 05 Saber Direito.

Roteiro Aula 05 Saber Direito. 1 Roteiro Aula 05 Saber Direito. QUESTÕES AMBIENTAIS As preocupações com os impactos ambientais dos aeroportos surgiram nos Estados Unidos e na Europa ao final dos anos 60, devido ao rápido crescimento

Leia mais

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 Pela primeira vez, o setor de aviação está lançando todas as diretrizes operacionais com mais de 300 dias de antecedência, o que contribui decisivamente

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO DE POUSOS E DECOLAGENS EM AEROPORTOS. ESTUDO DE CASO DO AEROPORTO DE CONGONHAS. Aline Paulin paulin.a@ig.com.

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO DE POUSOS E DECOLAGENS EM AEROPORTOS. ESTUDO DE CASO DO AEROPORTO DE CONGONHAS. Aline Paulin paulin.a@ig.com. OTIMIZAÇÃO DO FLUXO DE POUSOS E DECOLAGENS EM AEROPORTOS. ESTUDO DE CASO DO AEROPORTO DE CONGONHAS. Aline Paulin paulin.a@ig.com.br Graduação em Logística e Transportes Faculdade de Tecnologia de Jahu

Leia mais

Módulo I... 4 a 43. Módulo II...45 a 78

Módulo I... 4 a 43. Módulo II...45 a 78 1 2 Módulo I... 4 a 43 Módulo II.......45 a 78 3 MÓDULO I INTRODUÇÃO ESTRUTURAS DE AERONAVES Caro aluno, As aeronaves são veículos complexos, tanto em sua estrutura como em sua operação. Os profissionais

Leia mais

TAP Portugal permite o transporte de animais na cabine ou no porão, dependendo do peso, do tamanho e espécie do animal.

TAP Portugal permite o transporte de animais na cabine ou no porão, dependendo do peso, do tamanho e espécie do animal. TAP Portugal permite o transporte de animais na cabine ou no porão, dependendo do peso, do tamanho e espécie do animal. Leis de cada país que regem a importação e exportação de animais devem ser respeitadas,

Leia mais

CAMPEONATO DE AVIÕES À ELÁSTICO DEMOISELLE

CAMPEONATO DE AVIÕES À ELÁSTICO DEMOISELLE CAMPEONATO DE AVIÕES À ELÁSTICO DEMOISELLE REGULAMENTO 2013 São José dos Campos - SP ÍNDICE 1 Público Alvo e Máximo de Participantes...2 2 Regras Gerais...2 3 Regras de Projeto...2 3.1 Materiais Permitidos...2

Leia mais

Configuração do trem de aterragem (1)

Configuração do trem de aterragem (1) Trem de Aterragem O trem de aterragem é um sistema de extrema importância, uma vez que permite a operação da aeronave no solo; O trem tem que ser colocado numa posição adequada para que proporcione estabilidade

Leia mais

ENPI - ENCONTRO NACIONAL DE PILOTOS E INSTRUTORES

ENPI - ENCONTRO NACIONAL DE PILOTOS E INSTRUTORES ENPI - ENCONTRO NACIONAL DE PILOTOS E INSTRUTORES O QUE É O ENPI O ENPI é um encontro Nacional com o objetivo de promover cursos práticos e teóricos para pilotos que pretendam evoluir no voo em técnica

Leia mais

Linha de Pavimentadoras SD Dynapac

Linha de Pavimentadoras SD Dynapac Linha de Pavimentadoras SD Dynapac Dynapac SD2500C / SD2500CS - Esteiras Dynapac SD2500W / SD2500WS - Rodas Nova linha de pavimentadoras D inovação e alta performance a se necessidades de sua obra. IMPACTO

Leia mais

FANTASMA C-47 em combate no Século XXI

FANTASMA C-47 em combate no Século XXI FANTASMA C-47 em combate no Século XXI Roberto Portella Bertazzo, Bacharel em História pela UFJF e Membro da Sociedade Latino Americana de Historiadores Aeronáuticos (LAAHS) Membro de Centro de Pesquisas

Leia mais

Atuação da Força Tarefa Previncênio. IX Encontro Sobre Prevenção e Combate a Incêndios Florestais

Atuação da Força Tarefa Previncênio. IX Encontro Sobre Prevenção e Combate a Incêndios Florestais Atuação da Força Tarefa Previncênio IX Encontro Sobre Prevenção e Combate a Incêndios Florestais Belo Horizonte, 27 de novembro de 2014 Atribuições da DPIFE Rodrigo Bueno Belo Diretor de Prevenção e Combate

Leia mais

Aviação agrícola. trabalho, com uma razoável aproximação.

Aviação agrícola. trabalho, com uma razoável aproximação. Aviação agrícola Voand A aplicação aérea é uma atividade com No entanto, existem fatores que influen podendo aumentar ainda mais o des Aprodutividade do trabalho efetuado com aeronaves agrícolas assu me

Leia mais

CAMINHÕES FNM UM GENUÍNO MADE IN BRAZIL NO EXÉRCITO

CAMINHÕES FNM UM GENUÍNO MADE IN BRAZIL NO EXÉRCITO CAMINHÕES FNM UM GENUÍNO MADE IN BRAZIL NO EXÉRCITO A Fábrica Nacional de Motores (FNM) foi criada em plena segunda guerra mundial (1942), com a finalidade de produzir motores de aviões, o que fez com

Leia mais

MÓDULO 12 HELIPORTOS Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 16/05/2014)

MÓDULO 12 HELIPORTOS Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 16/05/2014) MÓDULO 12 HELIPORTOS Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 16/05/2014) 1 - INTRODUÇÃO O grande desenvolvimento verificado atualmente no transporte aéreo através de helicópteros tem como razões: as facilidades

Leia mais

Esclarecimento à Sociedade

Esclarecimento à Sociedade PRESS RELEASE 21 de julho de 2007 Esclarecimento à Sociedade São Paulo, 21 de julho de 2007 Ainda sob o impacto da tragédia ocorrida na última terça-feira (17), a TAM vem a público mais uma vez para prestar

Leia mais

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015 DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015 25 de Abril de 2014 1. PISTA DE POUSO E DECOLAGEM (*) CAPACIDADE DE PISTA Período Hora (LT) Capacidade (mov/hora) 26/10/2014

Leia mais

ANÁLISE DO PRODUTO NX CAM TURBOMACHINERY MILLING

ANÁLISE DO PRODUTO NX CAM TURBOMACHINERY MILLING Dr. Charles Clarke ANÁLISE DO PRODUTO NX CAM TURBOMACHINERY MILLING Fatores de mercado... 3 Aplicações especializadas existentes... 4 Uma nova geração de software que proporciona flexibilidade... 4 Operações

Leia mais

1 06 Com o and n os o d e Voo o, o, Voo o o em C ur u v r a Prof. Diego Pablo

1 06 Com o and n os o d e Voo o, o, Voo o o em C ur u v r a Prof. Diego Pablo 1 06 Comandos de Voo, Voo em Curva Prof. Diego Pablo 2 Comandos de Voo Eixo Vertical Centro de Gravidade Os movimentos do avião se dão em torno de eixos imaginários, que se cruzam no Centro de Gravidade

Leia mais