G A R A N T I A D E O F E R T A, V I S Ã O I N O V A D O R A E OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS ENERGIA NO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "G A R A N T I A D E O F E R T A, V I S Ã O I N O V A D O R A E OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS ENERGIA NO"

Transcrição

1 G A R A N T I A D E O F E R T A, V I S Ã O I N O V A D O R A E OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS ENERGIA NO

2 Sumário Matriz diversificada Investimentos Panorama setorial Hidrelétricas Petróleo e gás Etanol Biodiesel Outras fontes Fontes de informação Setor público Setor privado Academia e sociedade civil Gráficos, mapas e estatísticas Sistema existente e planejado Usinas de biodiesel autorizadas e em processo de autorização Usinas de etanol do Brasil

3 ENERGIA NO BRASIL Garantia de oferta, visão inovadora e oportunidades de investimentos ENERGIA NO BRASIL Garantia de oferta, visão inovadora e oportunidades de investimentos Eficiência em diversas frentes de geração energética é resultado de planejamento histórico e investimentos contínuos. O Pré-Sal é a mais nova fronteira a ser desenvolvida. O etanol se configura como alternativa de qualidade e custos viáveis entre os combustíveis renováveis. Outras fontes estão em permanente pesquisa e desenvolvimento no País. Além da atuação nacional, o Brasil realiza tradicionalmente parcerias com outros países para trocar experiências e garantir o fornecimento interno. O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) é o carro-chefe dos investimentos atuais em infraestrutura energética. No total, serão aplicados R$ 352 bilhões na ampliação do parque nacional. 1 Matriz diversificada A confiabilidade e a disponibilidade de um conjunto variado de fontes de energia garantem ao Brasil uma sólida posição de segurança de fornecimento energético no longo prazo. A matriz energética nacional é considerada a mais renovável entre as grandes economias do mundo, com 46% de sua produção proveniente de fontes como água (usinas hidrelétricas), biomassa, ventos e bagaço de cana-de-açúcar (etanol), ante a média de 7% nos países desenvolvidos. Outras alternativas relevantes no suprimento de energia são o petróleo e o gás natural. O primeiro já é produzido em escala capaz de atender toda a demanda nacional e vislumbra também uma grande fronteira a ser explorada após a descoberta de reservas na camada Pré-Sal, no sudeste do litoral brasileiro. Trata-se de uma faixa que se estende ao longo de 800 quilômetros entre os estados do Espírito Santo e Santa Catarina e engloba três bacias sedimentares (Espírito Santo, Campos e Santos). Os depósitos estão situados entre 5 mil metros e 7 mil metros, abaixo do leito do Oceano Atlântico, sob uma camada de sal. A lâmina de água na região tem uma profundidade que varia entre 1 mil e 2 mil metros. Quando começar a explorar ativamente as bacias do Pré-Sal, o Brasil poderá passar a uma posição de grande exportador de derivados de petróleo. Apenas para os blocos Tupi e Iara, a Petrobras estima reservas de até 12 bilhões de barris de óleo equivalente (BOE), o que poderá dobrar as reservas comprovadas brasileiras, hoje na casa dos 15 bilhões de BOE. Estimativas oficiais apontam que todo o polo Pré-Sal poderá ultrapassar 50 bilhões de BOE, sendo que as mais otimistas chegam a superar os 100 bilhões de BOE. A confortável posição brasileira em relação à energia não é um acaso, mas resultado de uma política de mais de 50 anos, criada para desenvolver um cenário diversificado de alternativas energéticas e para promover um maior grau de eficiência em geração, distribuição e utilização. No campo dos combustíveis, a trajetória nacional pode ser observada do ponto de vista do petróleo e derivados, com a criação da Petrobras, em 1953, e do uso do etanol, impulsionado pelo Programa Nacional do Álcool (Pró-Álcool), lançado em Este último contou 3

4 Esquema de perfuração do Pré-Sal Fonte: Petrobras. com investimentos maciços destinados a promover o desenvolvimento de tecnologias da cadeia de produção e distribuição que viabilizassem o uso do álcool na frota nacional em lugar dos derivados do petróleo, que passava pelo seu primeiro choque. O caminho aberto pelo programa possibilitou ao País a pesquisa e o desenvolvimento de uma gama de soluções que na prática podem ser percebidas, por exemplo, nas plantações de cana-de-açúcar com alta produtividade, nos motores do tipo flex fuel capazes de serem movidos com diferentes tipos de combustíveis e também em toda a indústria de bens de capital ligada ao setor sucroalcooleiro. 4

5 ENERGIA NO BRASIL Garantia de oferta, visão inovadora e oportunidades de investimentos Energia elétrica Em mais de 120 anos de história, a geração hidrelétrica no Brasil é um exemplo de planejamento de longo prazo. Ao final da década de 1940, no intuito de planejar a expansão do setor, foram criadas a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (CHESF) e, na década seguinte, a Centrais de Minas Gerais (CEMIG) e Furnas Centrais Elétricas. Os anos 1960 foram marcados pela entrada em operação da Eletrobrás, que coordenava o sistema de geração e distribuição, assim como de outras empresas regionais. Em 1984, foi inaugurada a usina de Itaipu, a maior hidrelétrica do mundo em geração de energia, resultado de um acordo binacional com o Paraguai. A potência instalada da usina é de MW, com 20 unidades geradoras. A capacidade geradora de Itaipu é suficiente para suprir cerca de 80% de toda a energia elétrica consumida no Paraguai e 20% da demanda do sistema interligado brasileiro. Cooperação A atuação brasileira no campo energético também é tradicionalmente marcada por ações internacionais, que incluem acordos globais e bilaterais, cooperações específicas, exportação e importação e forte atuação comercial. Por exemplo, o País exporta energia elétrica para a Argentina e Uruguai e importa gás da Bolívia. A Petrobras exerce um papel relevante nesse aspecto: atua em 27 países por meio de unidades de exploração, empresas subsidiárias e representações comerciais e financeiras. A cooperação internacional ofertada pelo Brasil compreende projetos de capacitação técnica e fortalecimento institucional, que contribuem para que outros países em desenvolvimento se beneficiem da experiência brasileira. A participação em fóruns globais de energia busca alavancar interesses brasileiros na área, fomentar parcerias e estimular investimentos em tecnologia e infraestrutura. Planejamento Atualmente, o planejamento do setor energético brasileiro é feito com base em estudos, balanços e planos sistemáticos elaborados pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), ligada ao Ministério de Minas e Energia. Esse é um dos principais instrumentos utilizados para garantir a contínua expansão do setor de forma sustentada. Outra iniciativa nesse sentido é o conjunto de leilões de geração de energia elétrica, com prazos de entrega de um, três e cinco anos, além de leilões especiais para reservas e para energias alternativas, como a eólica. Dessa maneira, é possível prever, após cada leilão, a quantidade de investimentos a serem feitos, os preços de longo prazo e a quantidade de energia a ser entregue. Proinfa e inclusão Com a meta de desenvolver novas fontes renováveis para a geração de eletricidade e, ao mesmo tempo, valorizar as características e potencialidades regionais e locais, promover a criação de empregos e a capacitação de mão de obra, além de reduzir a emissão de gases de efeito estufa, o Ministério e Minas e Energia instituiu em 2002 o Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa). Em uma primeira fase, foi estabelecida a meta de implantação de MW de capacidade instalada de centrais eólicas, biomassa e pequenas centrais hidrelétricas (PCH), divididos em partes iguais para as três fontes. A inclusão social também é um dos pilares da atuação do Brasil no campo energético. Após a realização de um diagnóstico sobre a dimensão da população sem acesso à energia elétrica, e que demonstrou um total de dez milhões de pessoas excluídas, foi criado em 2003 o programa Luz para Todos. Tal meta foi atendida pelo programa em 2009, por meio de projetos inovadores, como o uso de geradores, energia solar e pequenas usinas geradoras. Luz para Todos Para alcançar a meta de levar energia elétrica a 10 milhões de pessoas, foram investidos R$ 9,7 bilhões, dos quais R$ 6,5 bilhões pelo governo federal e o restante pelos governos estaduais e empresas distribuidoras. Na prática, o programa promoveu uma verdadeira revolução nas localidades mais distantes dos centros urbanos do País, oferecendo possibilidades de desenvolvimento humano antes impossíveis, como o acesso à informação, melhoria da qualidade de vida nas residências, novos negócios, entre outros. Em razão do seu sucesso e do aumento da demanda surgida nos últimos anos, o programa Luz para Todos foi ampliado para até 2010, com o objetivo de propiciar cerca de um milhão de novas instalações. 5

6 Outro ponto relevante da história da energia no Brasil é a busca pela eficiência. Em 1985, após décadas de pesquisa, foi criado o Procel Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica. Seu principal objetivo é promover a racionalização da produção e do consumo de energia elétrica, por meio da eliminação de desperdícios e da redução de custos. As ações existentes atuam na redução das perdas técnicas das concessionárias, no aperfeiçoamento da eficiência em aparelhos elétricos e na racionalização do uso de energia. Investimentos O modelo energético brasileiro apresenta um forte potencial de expansão, o que resulta em uma série de oportunidades de investimento de longo prazo. A estimativa do Ministério de Minas e Energia para o período indica investimentos públicos e privados da ordem de R$ 352 bilhões para a ampliação do parque energético nacional. Os recursos públicos serão em sua maior parte provenientes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), iniciativa federal lançada em 2007 com medidas econômicas previstas para até o ano de 2011, com a intenção de promover a aceleração da expansão econômica no País. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é também fonte federal de financiamento. Do total de investimentos previstos, mais de dois terços R$ 246 bilhões serão dirigidos ao setor de petróleo e gás natural, em atividades de exploração, produção e oferta de derivados. Para a área hidrelétrica estão previstos cerca de R$ 83 bilhões. Hoje, apenas um terço do potencial hidráulico nacional é utilizado. Usinas de grande porte a serem instaladas na região Amazônica constituem a nova fronteira hidrelétrica nacional e irão interferir não apenas na dimensão do sistema de geração, mas também no perfil de distribuição de energia em todo o País, abrindo novas possibilidades de desenvolvimento regional e nacional no campo dos negócios e da inclusão. Aproximadamente R$ 23 bilhões devem ser aplicados na expansão da produção e oferta de biocombustíveis etanol e biodiesel. O cenário internacional aponta o interesse de vários países em conhecer e adotar o uso dos biocombustíveis em suas frotas. Nesses casos, o Brasil pode ser fornecedor não apenas do produto, mas também de serviços e conhecimento. Os investimentos no setor energético brasileiro são garantidos por um conjunto de condições institucionais específicas, como a existência de um marco regulatório consolidado, a estabilidade econômica, concessões de longo prazo e os cuidados com o meio ambiente. A regulação do setor é feita pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e pela Agência Nacional de Petróleo (ANP). As duas agências atuam de forma a garantir a isonomia entre as empresas do setor, regras claras para o funcionamento do mercado e o cumprimento dos contratos. 2 Panorama setorial São apresentados a seguir os principais setores da área de energia no Brasil, com seus principais aspectos. Mais detalhes podem ser obtidos junto às fontes de informação citadas ao final deste documento. Hidrelétricas Cerca de 90% da energia elétrica produzida no Brasil tem origem não fóssil com geração em usinas hidrelétricas, termelétricas de biomassa ou eólicas. Desse total, 73% são originados em 160 unidades hidrelétricas. A tradição de mais de cem anos na construção desse tipo de usina coloca o Brasil em posição de referência nesse campo, com forte vantagem comparativa e poder de inovação. As unidades de Jirau e Santo Antônio, em fase de construção no rio Madeira, por exemplo, utilizam tecnologia de turbinas bulbo, o que diminui expressivamente a necessidade de alagamento e, consequentemente, o deslocamento de populações, a desapropriação de terras e o impacto ambiental. A preocupação com o meio ambiente é constante nas construções de novas usinas, sempre submetidas às avaliações do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA). O Plano Decenal de Expansão de Energia Elétrica para o período prevê a expansão da demanda por eletricidade em uma taxa anual de 5,4% por 10 anos, e ainda a adição de nova capacidade instalada de cerca de MW. Dessa forma, a capacidade instalada passará de MW para MW, 80% desse total proveniente de fontes renováveis. Petróleo e gás O Brasil é autossuficiente em petróleo, com uma produção atual de 2,7 milhões de BOE por dia 6

7 ENERGIA NO BRASIL Garantia de oferta, visão inovadora e oportunidades de investimentos (considerando-se a produção da Petrobras tanto no Brasil quanto no exterior). A Petrobras, companhia de capital aberto, mas sob controle acionário do governo federal, é uma das líderes em tecnologia de prospecção em águas profundas, resultado do perfil da produção no Brasil, predominantemente offshore. Agora, a empresa está frente a mais um grande desafio: explorar a recémdescoberta camada Pré-Sal, com investimentos de R$ 49,4 bilhões para o período entre O volume a ser explorado naquela área poderá posicionar o Brasil entre as dez principais reservas do mundo. O primeiro campo em operação é o de Tupi, que iniciou suas atividades em maio de 2009 e abriu o caminho para chegar à meta de produção de aproximadamente 3,6 milhões de barris de óleo equivalente em Em relação ao gás natural, foram construídos, nas últimas décadas, diferentes caminhos para garantir a distribuição do produto em todo o território, tanto para uso doméstico quanto para uso industrial e geração de eletricidade em usinas termelétricas. Foram feitos investimentos em produção nas bacias de Campos, Santos e Espírito Santo, além da construção do gasoduto Brasil-Bolívia, por onde é transportado o gás importado do país vizinho. Ainda, foram construídos terminais de importação e regaseificação nos portos do Rio de Janeiro e em Pecém (Ceará). Atualmente, o Brasil produz praticamente metade do gás natural que utiliza, sendo que a outra parte é importada. A produção nacional hoje é de 56 milhões de m 3 /dia. As importações são provenientes majoritariamente da Bolívia e de países como Argentina e Trinidad e Tobago. Etanol Maior produtor e exportador de etanol de canade-açúcar do mundo, o Brasil se posiciona hoje na vanguarda dos países em desenvolvimento no campo das energias renováveis. O ciclo completo de produção do etanol, desde o desenvolvimento de variedades especiais de cana-de-açúcar, formas de plantio, o processamento, a armazenagem e a distribuição, além da tecnologia dos motores flex fuel, são genuinamente nacionais. Atualmente, as pesquisas se concentram nas novas frentes de elaboração de variedades de canade-açúcar, etanol de segunda geração e otimização das formas de produção agrícola e industrial. Nesse campo, destacam-se a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), do governo federal, e o Centro de Tecnologia Canavieira, ligado à União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA). Nos últimos 30 anos, o Brasil evitou emissões de cerca de 800 milhões de toneladas de CO2 por meio do uso do etanol como substituto da gasolina. O volume total produzido em 2008 alcançou a marca dos 27 bilhões de litros, com um aumento de 17,9% se comparado com o período anterior. As estimativas oficiais são de que este número irá crescer para 37 bilhões de litros em Usinas de etanol no Brasil Fonte: Empresa de Pesquisa Energética. As pesquisas apontam a cana-de-açúcar como a matéria-prima mais eficiente e sustentável para a produção de etanol em larga escala. Dados da Embrapa e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o etanol produzido com cana-de-açúcar gera 8,3 vezes mais energia renovável do que a fóssil empregada em sua produção; já o etanol retirado do milho gera 1,24 vezes mais energia consumida. Em 2008, o Brasil contava com 360 milhões de hectares de áreas agriculturáveis, com 220 milhões de hectares dedicados a pastagens, e outros 70 milhões para cultivos agrícolas diversos, dos quais apenas 8,5 milhões de hectares eram usados para plantações de cana-de-açúcar metade destinada à produção de açúcar e outra metade à de etanol. Assim, existe espaço de sobra para expandir os canaviais sem prejuízos de áreas florestais da Amazônia, situada a milhares de quilômetros das regiões produtoras de etanol. Em resumo, toda a produção brasileira de etanol hoje ocupa apenas 1,2% da área agricultável no Brasil e, por isso, não pressiona a produção de alimentos. A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) atesta que o etanol brasileiro é mais competitivo em termos de preço do que qualquer outro produzido em outros países. O mercado interno é forte e marcado pela presença de mais de 100 modelos de automóveis com motores flex 7

8 fluel, que aceitam tanto a gasolina quanto o etanol em qualquer proporção para funcionarem. Essa tecnologia, lançada em 2003, permite que 28% do total da frota nacional de veículos que é da ordem de 23,5 milhões de unidades sejam movidos por motores mistos (etanol e gasolina). Para 2020, esse percentual deverá chegar a 50% da frota, segundo estimativas da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA). (Pequenas Centrais Hidrelétricas). No caso da eólica, a produção é ainda pequena, de cerca de 400 MW, se comparada ao potencial estimado até o momento, de MW. O Ministério de Minas e Energia promoverá, em 2009, o primeiro leilão de energia eólica do Brasil, com o objetivo de testar a capacidade atual de produção e os planos futuros de investimento, além das possibilidades de preço. Biodiesel O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) regulamenta a produção e a distribuição do biodiesel brasileiro, produzido com oleaginosas. O Brasil está entre os cinco maiores produtores e consumidores de biodiesel do mundo em apenas quatro anos de produção organizada. De acordo com o Programa, a adição de biodiesel ao diesel tradicional é de 5%. A produção de biodiesel tem um caráter social expressivo, com forte capacidade de geração de emprego e renda. Estudos do Ministério da Agricultura e do Ministério do Desenvolvimento Agrário estimam que a cada 1% de substituição de óleo diesel por biodiesel produzido no modelo de agricultura familiar são gerados até 180 mil empregos diretos e indiretos, no campo e na cidade. Outras fontes Como forma de promover maior diversificação da matriz de energia, o Brasil também implementa políticas de geração nuclear, eólica e de soluções especializadas para localidades isoladas, esta última no âmbito do programa Luz para Todos. Nova fronteira A Petrobras, que atua de forma constante na busca de novas fontes de energia, escolheu o bagaço da cana-de-açúcar como nova fronteira energética para termelétricas. A termelétrica de Juiz de Fora, em Minas Gerais, é a primeira no mundo a utilizar o insumo como combustível, em um projeto-piloto. Em 2010, a empresa terá condições de oferecer a energia produzida a partir da cana-de-açúcar em leilões de comercialização. Os investimentos destinados ao projeto atingem R$ 30 milhões, sendo R$ 20 milhões voltados para a compra de etanol e o restante para a instalação de infraestrutura. O objetivo da empresa não é substituir o gás natural como insumo, mas propiciar a criação de mais uma alternativa ao óleo diesel como combustível complementar termelétrico. A nova tecnologia poderá ser utilizada para autogeração pelos produtores de etanol e açúcar, entre outras possibilidades. A Eletronuclear, estatal responsável pelo complexo nuclear de Angra dos Reis, retomou, no início de 2009, a construção da usina Angra 3, interrompida em No que se refere aos aspectos ambientais, Angra já obteve todas as autorizações necessárias e a nova planta deve entrar em operação comercial no final de O incremento de mais MW na estrutura atual de produção vai ampliar a capacidade de geração de energia elétrica da região Sudeste, a maior consumidora de energia do País. No âmbito do Proinfa, existem projetos em diversas frentes de energias novas, como biomassa, eólica e PCH 8

9 ENERGIA NO BRASIL Garantia de oferta, visão inovadora e oportunidades de investimentos 3 Fontes de informação Setor público MME Ministério de Minas e Energia Informações sobre o organograma do ministério, políticas públicas e programas de governo. Assessoria de imprensa: Ministério das Relações Exteriores Departamento de Energia Posicionamento internacional do Brasil sobre temas de energias renováveis e não renováveis. Assessoria de imprensa: EPE Empresa Brasileira de Energia Leilões, planos de longo prazo, balanços setoriais, estudos, estatísticas e licitações. Assessoria de imprensa: Eletronuclear Eletrobras Termonuclear S.A. A empresa, plano estratégico, relatórios e balanços, tecnologia, segurança e meio ambiente. Assessoria de imprensa: ANP Agência Nacional de Petróleo Regras do mercado, informações ao consumidor, parâmetros técnicos de petróleo e estatísticas do setor petrolífero no Brasil. Assessoria de imprensa: / 8332 / 8333 Eletrobras Informações sobre os sistemas de geração e transmissão de energia elétrica no País, programas e fundos setoriais, relação com investidores. Assessoria de imprensa: ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Detalhamento da Sistema Interligado Nacional, indicadores de desempenho, boletins de consumo de energia. Assessoria de imprensa: Embrapa Agroenergia Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Agroenergia Notícias e acesso a pesquisas e pesquisadores ligados ao tema da agroenergia. Assessoria de imprensa: PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica Notícias e informações gerais, anúncios de prêmios e biblioteca, além de balanços do programa. Assessoria de imprensa: Petrobras Planos de negócios, informações gerais, espaço para investidores, canal específico para fornecedores, estatísticas e detalhamento das áreas de atuação. Assessoria de imprensa: ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica Dados sobre leilões, regras de mercado, consultas públicas, estatísticas gerais, espaço de atendimento ao consumidor. Assessoria de imprensa:

10 Setor privado ABCE Associação Brasileira de Concessionárias de Energia Elétrica Agenda de eventos, notícias, informações básicas sobre o setor de energia elétrica. Assessoria de imprensa: ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Informações sobre as associadas, comunicados, cursos e seminários, estatísticas, informações sobre os interesses do setor. Assessoria de imprensa: / ABRACE Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia Notícias e opiniões do setor. Assessoria de imprensa: ABRADEE Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica Agenda regulatória, banco de dados, cursos, documentos técnicos, eventos e legislação. Assessoria de imprensa: Academia e sociedade civil Escola Superior de Agricultura Luiz de Queirós (ESALQ/USP) Link para pesquisadores e trabalhos acadêmicos. Tel.: / 8030 Instituto Brasileiro do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Informações para a promoção do desenvolvimento do setor de petróleo e gás. Tel.: COPPE RJ Laboratório de Fontes Alternativas de Energia Link para pesquisadores e trabalhos acadêmicos. Tel.: UnB Universidade de Brasília Departamento de Energia Elétrica Link para pesquisadores e trabalhos acadêmicos. Tel.: ABDIB Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base Portal com as principais notícias veiculadas sobre infraestrutura, associadas, relatórios, ações em curso, estudos, análises e comunicados. Assessoria de imprensa: APINE Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Energia Elétrica Notícias sobre o setor. Assessoria de imprensa: UNICA União da Indústria de Cana-de-Açúcar Dados e cotações, cursos e eventos, ações de divulgação e mobilização, informações sobre o setor. Assessoria de imprensa:

11 ENERGIA NO BRASIL Garantia de oferta, visão inovadora e oportunidades de investimentos 4 Gráficos, mapas e estatísticas Sistema existente e planejado Distribuição das hidrelétricas existentes e planejadas Usinas de biodiesel autorizadas e em processo de autorização Malha rodoviária e ferroviária atual 11

12 12 Usinas de etanol do Brasil

13 ENERGIA NO BRASIL Garantia de oferta, visão inovadora e oportunidades de investimentos 13

14 República Federativa do Brasil Presidência da República Secretaria de Comunicação Social Brasília - DF + 55 (61)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Fortaleza, junho de 2015

Fortaleza, junho de 2015 Fortaleza, junho de 2015 All About Energy 2015 Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Membro da Academia

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL 1 Biodiesel Estratégias: Ampliação de Acesso (inserção social e redução das disparidades regionais) Objetivos:

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA NO BRASIL: HISTÓRICO E SITUAÇÃO ATUAL

A CRISE ENERGÉTICA NO BRASIL: HISTÓRICO E SITUAÇÃO ATUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA DISCIPLINA: SEMINÁRIO IA A CRISE ENERGÉTICA NO BRASIL: HISTÓRICO E SITUAÇÃO ATUAL KENYA GONÇALVES NUNES ENGENHEIRA AGRÔNOMA

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ APRESENTAÇÃO Paralela à necessidade e a previsão de investimentos do Brasil na geração de energia elétrica, que deverá destinar recursos da ordem de R$ 274,8 bilhões nos próximos quatro anos, através do

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

Planejamento Integrado no Setor elétrico

Planejamento Integrado no Setor elétrico 2ª REUNIÃO ORDINÁRIA DEINFRA ENERGIA FIESP Planejamento Integrado no Setor elétrico Prof. Nivalde J. de Castro Coordenador do GESEL 12 de março de 2012 Sumário I. Planejamento no setor elétrico. II. Fontes

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia. Cuiabá Maio de 2012

José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia. Cuiabá Maio de 2012 José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia Cuiabá Maio de 2012 Missão: Promover e fomentar a Política Energética, com apoio institucional às ações que visem o desenvolvimento tecnológico, social,

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Aula 1 Conhecendo o Setor Elétrico Brasileiro Aula 1: Conhecendo o Setor Elétrico Brasileiro Prof. Fabiano F. Andrade 2011 Tópicos da Aula Histórico do Ambiente Regulatório

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus,

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Como Financiar os Investimentos em Infraestrutura no Brasil? FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO - OS NÓS DA INFRAESTRUTURA São Paulo, 13 de setembro de 2012 Luciano Coutinho Presidente No longo prazo, economia

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

Objetivo. Introdução COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO

Objetivo. Introdução COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO Objetivo COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO O objetivo do trabalho é o de propor soluções técnicas e de logística, viáveis para a continuidade do fornecimento de gás natural à população,

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online Cerona fecha contrato com a ENGEVIX A Cerona - Companhia de Energia Renovável acaba de anunciar a escolha da ENGEVIX como gestora de todo o processo de instalação

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS - 2006. Principais Grupos

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS - 2006. Principais Grupos Principais Grupos Empresas correntes 2003 2004 2005 2006 Realizado Realizado Realizado LOA Setor Produtivo Estatal 17.301 18.285 20.554 31.404 - Grupo PETROBRAS (No País) 13.839 14.960 16571 24.095 - Grupo

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Nelson Colaferro Presidente do Conselho de Administração Brasília 28/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Comissão de Serviços de Infra-Estrutura Desafios para um país emergente Luis Eduardo Duque Dutra Chefe de Gabinete da Diretoria Geral Professor Adjunto EQ/UFRJ

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

ENERGIA AGENDA ATUAL. Seminário BRASIL E OS TEMAS GLOBAIS. Adilson de Oliveira

ENERGIA AGENDA ATUAL. Seminário BRASIL E OS TEMAS GLOBAIS. Adilson de Oliveira ENERGIA AGENDA ATUAL Seminário BRASIL E OS TEMAS GLOBAIS Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 1. Revolução energética Independência das disponibilidades locais de energia Uso intensivo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Perspectivas, Impactos e Desafios, na Visão dos Agentes do Setor Elétrico PAC e os Aspectos Regulatórios da Geração Luiz Fernando Leone Vianna Quem é APINE? Constituída

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB)

PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB) PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB) 1. Biodiesel no Brasil No Brasil, biodiesel é o biocombustível derivado de biomassa renovável para uso em motores a combustão interna com ignição

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL GRUPO DE TRABALHO Coordenação: GEOBERTO ESPÍRITO SANTO VICE-PRESIDENTE DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO Rio de Janeiro, 1 de junho de 2012. PLANO DECENAL DE EXPANSÃO

Leia mais

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Resumo Leilões de Fontes Alternativas de Energia: avaliação de resultados

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Elyas Medeiros Assessor do CGEE Líder do Estudo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

A Cooperação Energética Brasil-Argentina

A Cooperação Energética Brasil-Argentina 9 A Cooperação Energética Brasil-Argentina + Sebastião do Rego Barros + Rodrigo de Azeredo Santos Os atuais desafios brasileiros na área energética fizeram com que as atenções de técnicos, investidores,

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

BIO 2012 VI Seminário LatinoAmericano y del Caribe de Biocombustibles. O Programa Brasileiro de Produção de Biocombustíveis e a Inclusão Social

BIO 2012 VI Seminário LatinoAmericano y del Caribe de Biocombustibles. O Programa Brasileiro de Produção de Biocombustíveis e a Inclusão Social BIO 2012 VI Seminário LatinoAmericano y del Caribe de Biocombustibles O Programa Brasileiro de Produção de Biocombustíveis e a Inclusão Social ÍNDICE Histórico do Programa Números do Programa Nacional

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor...

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor... 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01 LT 500 KV MANAUS BOA VISTA E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4 a. Identificação do Empreendedor... 1/4 b. Informações

Leia mais

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 PRINCIPAIS INDICADORES DO SETOR DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil São Paulo, 5 de dezembro de 2013 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL Principais Programas e Resultados Lei de

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Zilmar José de Souza, Assessor em Bioeletricidade, UNICA, SP, Brasil Agenda - Situação atual da bioeletricidade

Leia mais

ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Fórum Internacional A Sustentabilidade no Século XXI Joel de Lima - Diretoria Geral Brasileira Pelotas, 11 de novembro de 2010 RETROSPECTO HISTÓRICO:

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais