DIAGNÓSTICO, AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS DO FSA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO, AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS DO FSA"

Transcrição

1 DIAGNÓSTICO, AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS DO FSA

2 AUDIOVISUAL BRASILEIRO Ø 0,46% DO PIB Ø 0,58% DO VALOR AGREGADO Ø EMPREGOS DIRETOS Ø EMPREGOS INDIRETOS Ø ESTABELECIMENTOS EMPREGADORES NO SETOR AUDIOVISUAL Ø 9% DE TAXA DE CRESCIMENTO ANUAL Ø CRESCIMENTO DE 10% NA PARTICIPAÇÃO RELATIVA DO SETOR NA ECONOMIA BRASILEIRA Ø O SETOR AUDIOVISUAL É DIRETAMENTE RESPONSÁVEL POR UMA GERAÇÃO DE RENDA DE R$ 24,5 BILHÕES NA ECONOMIA BRASILEIRA. Ø O VALOR RECOLHIDO EM IMPOSTOS DIRETOS SERIA DE R$2,13 BILHÕES E OS IMPOSTOS INDIRETOS, POR SUA VEZ, TOTALIZARIAM R$1,25 BILHÃO.

3 RUMO AO FSA 2.0 Como o FSA pode contribuir ainda mais para o desenvolvimento do conjunto do setor audiovisual brasileiro, considerando em equilíbrio todos os elos de suas cadeias de valor, assim como todas as plataformas e formatos de conteúdos, com mais eficiência e mais eficácia, de modo a executar a totalidade dos recursos disponíveis e obter melhores resultados para o setor e para a sociedade?

4 MARCOS DO FSA M.P /01 q Política Nacional docinema q Criação do Conselho Superior do Cinema q Criação da Agência Nacional do cinema q CONDECINE, art.39,x, Funcines, PAR LEI /06 q Cria o Fundo Setorial do Audiovisual - FSA q PRODECINE q PRODAV q PRÓ-INFRA LEI /11 q Programação / TV por assinatura q Canais de espaço qualificado q CONDECINE Teles q Critérios para aplicação dos recursos LEI /12 q Institui o Programa Cinema Perto de Você q RECINE q Cinema da Cidade DECRETO 6.299/07 q Regulamenta lei /06 q Aplicação dosrecursos q Composição/competências do CGFSA q ANCINE como secretaria executiva FSA DECRETO 8.281/14 q Dispõe sobre o PRODAV q Aplicação de valores não reembolsáveis q Definição de agentes financeiros

5 FONTES DE RECURSOS DO FSA ORIGEM Teles Títulos Remessa Dívida Ativa Condecine Restituição de Recursos de Fomento Não Aplicação Lei Audiovisual Dívida Ativa-Não Aplicação Retorno de Investimento Amortização dos Financiamentos FISTEL Remuneração dos Depósitos TOTAL

6 BALANÇO FINANCEIRO DO FSA VALOR ARRECADADO: R$ ,00 VALOR RETIDO: R$ ,00 VALOR DESTINADO AO FSA: R$ ,00(EMPENHADO); R$ ,00 (REPASSADO AOS BANCOS) VALOR COMPROMETIDO: R$ ,00 VALOR EFETIVAMENTE DESEMBOLSADO: ,00 VALOR CONTRATADO (SELECIONADO A DESEMBOLSAR): R$ ,00 RECEITA: R$ ,00 (RETORNO INVESTIMENTO); R$ ,00 (AMORTIZAÇÃO FINANCIAMENTO) VALOR DISPONÍVEL HOJE (AÇÕES NÃO LANÇADAS E RENDIMENTOS): R$ ,00 (ORÇAMENTO). EXCLUINDO VALORES COMPROMETIDOS: R$ ,00

7 REPARTIÇÃO / CONTEÚDO Distribuição dos recursos disponibilizados por objeto financiável Produção para TV Distribuição de recursos disponibilizados por modalidade de seleção Desenvolvimento 7% Distribuição 4% Arranjos Regionais 9% TVs Públicas 14% Produção - TV 30% Produção - Cinema 59% Suporte Automático 10% Suporte Seletivo 67%

8 LINHAS DE CINEMA SUPORTE SELETIVO: PRODECINE 01, 02, 04 E 05 SUPORTE AUTOMÁTICO: PRODAV 06 E 07 PARA PROJETOS DE PRODUÇÃO CINEMATOGRÁFICA EDITAIS INTERNACIONAIS: PRODECINE 06, 07, 08, 09 E 10 ARRANJOS REGIONAIS: CHAMADAS PÚBLICAS LANÇADAS EM PARCERIA COM GOVERNOS E MUNICÍPIOS. CHAMADAS PÚBLICAS SAV/MINC: CHAMADAS PUBLICADAS ATÉ 2016 (LONGA BO, DOC, INFANTO- JUVENIL, AFIRMATIVO)

9 LINHAS DE CINEMA / VALORES Recursos disponibilizados (R$) /Modalidade de Seleção Ano de operação Suporte Seletivo Editais SAV Editais Internacionais - moeda nacional Editais Internacionais - moeda estrangeira SUAT Arranjos Regionais Total , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,67 TOTAL , , , , , , ,60

10 LINHAS DE CINEMA / REPARTIÇÃO Arranjos Regionais 14% SUAT 13% Editais Internacionais 2% Editais SAV 4% Suporte Seletivo 67%

11 EXECUÇÃO FINANCEIRA Modalidade de Seleção RECURSOS DISPONIBILIZADOS (R$) TOTAL SELECIONADO (R$) TOTAL CONTRATADO (R$) TOTAL DESEMBOLSADO (R$) % SELECIONADO % CONTRATADO % DESEMBOLSADO Suporte Seletivo , , , ,23 62,2% 44,2% 37,7% Editais SAV , , , ,37 92,6% 36,3% 36,3% Editais Internacionais - moeda nacional , , , ,00 13,7% 4,6% 4,6% Editais Internacionais - moeda estrangeira ,00* , ,0% 0,0% 0,0% SUAT - Projeção de aportes em projetos de Produção- Cinema ,41** , , ,11 37,9% 21,0% 21,0% Arranjos Regionais - Projeção de aportes em Produção- Cinema ,93** , , ,62 34,3% 12,8% 12,8% Total , , , ,33 55,3% 35,6% 31,3%

12 LINHAS DE CINEMA / EXECUÇÃO Modalidade RECURSOS DISPONIBILIZADOS (R$) TOTAL SELECIONADO (R$) TOTAL CONTRATADO (R$) TOTAL DESEMBOLSADO (R$) % SELECIONADO % CONTRATADO % DESEMBOLSADO Suporte Seletivo , , , ,23 62,2% 44,2% 37,7% Editais SAV , , , ,37 92,6% 36,3% 36,3% Editais Internacionais - moeda nacional , , , ,00 13,7% 4,6% 4,6% Editais Internacionais - moeda estrangeira ,00* , ,0% 0,0% 0,0% SUAT , , , ,11 37,9% 21,0% 21,0% Arranjos Regionais , , , ,62 34,3% 12,8% 12,8% Total , , , ,33 55,3% 35,6% 31,3%

13 LINHAS DE CINEMA / POR REGIÃO Produção/Cinema Projetos contemplados SP 29% SU 7% CO 4% ES-MG 3% NE 13% NO 2% Produção/Cinema Recursos aportados SP 33% SU 5% CO 5% ES-MG 2% NE 7% NO 1% RJ 42% RJ 47%

14 LINHAS DE CINEMA / POR TIPO Animação 6% Document ário 15% Ficção 79% Segmento de lançamento Participação das animações nos projetos de produção % Projetos % Recursos Salas de Exibição 6,2% 6,8% TV 11,9% 14,8%

15 LINHAS DE CINEMA / POR OBRA Ano de seleção Cobertura orçamentária média solicitada Cobertura orçamentária média concedida Média do valor aprovado (R$) ,6% 24,4% , ,7% 20,5% , ,1% 28,5% , ,0% 31,2% , ,7% 44,7% , ,9% 47,8% , ,1% 54,5% ,56 Total geral 46,8% 42,7% ,20

16 LINHAS DE CINEMA / CO INTER 28% % Projetos selecionados com coprodução internacional 22% 17% 15% 20% 17% 15% 18% 22% 11% 9% 10% 6% 0% Ano de seleção

17 LINHAS DE CINEMA / ORÇAMENTO Região geográfica Custo médio de produção - Ficção CO ,99 ES-MG ,81 NE ,47 NO ,98 RJ ,97 SP ,45 SUL ,93 Total geral ,99

18 LINHAS DE CINEMA / TEMPO OBJETO FINANCIADO meses COMERCIALIZAÇÃO 10,2 DESENVOLVIMENTO 7,9 PRODUÇÃO - CINEMA 10,3 PRODUÇÃO - TV 7,3 GERAL 8,5 Suporte seletivo meses meses /2016 PRODECINE 01 12,1 10,6 PRODECINE 02 11,0 9,6 PRODECINE 04 6,6 7,1 PRODECINE 05 10,0 12,4 Geral Suporte seletivo 10,7 9,7

19 LINHAS DE CINEMA / LANÇAMENTOS Lançamentos nacionais Lançamentos nacionais com FSA (Abril) 2017

20 LINHAS DE CINEMA / LANÇAMENTOS 70.0% 52.5% 35.0% 17.5% 0.0% (Abril) 2017 Participação do FSA nas obras nacionais Participação do FSA no público nacional Participação do FSA na renda nacional

21 LINHAS DE CINEMA / RESULTADOS Obras nacionais Obras nacionais que contam com o FSA Faixa de público de bilheteria Qtde. % % Acumulado Qtde. % % Acumulado Até ingressos % 50% 54 28% 28% De a % 70% 44 22% 50% De a ingressos % 84% 33 17% 67% De a ingressos de a 1 milhão de ingressos 73 8% 92% 35 18% 85% 23 3% 95% 12 6% 91% Acima de 1 milhão de ingressos 48 5% 100% 18 9% 100% Total % 100% % 100% A média geral de público dos filmes nacionais é de ingressos, enquanto a das obras que contam com o FSA é de bilhetes.

22 LINHAS DE CINEMA / RETORNO

23 LINHAS DE CINEMA / PERFORMANCE Ingressos Totais Ingressos Filmes Estrangeiros Ingressos Filmes Brasileiros Ingressos Filmes Bras (FSA)

24 LINHAS DE TV SUPORTE SELETIVO: CHAMADAS PRODAV 01 E 02; SUPORTE AUTOMÁTICO: CHAMADAS PRODAV 06 E 07, DESTINAÇÕES DE RECURSOS PARA PROJETOS DE PRODUÇÃO PARA TV; ARRANJOS REGIONAIS: CHAMADAS PÚBLICAS LANÇADAS EM PARCERIA COM GOVERNOS E MUNICÍPIOS. CHAMADAS TVS PÚBLICAS: CHAMADAS PUBLICADAS EM 2014 E 2015, DESTINADAS À PRODUÇÃO DE OBRAS COM DESTINAÇÃO INICIAL AO CAMPO PÚBLICO DE TELEVISÃO (SEGMENTOS COMUNITÁRIO, UNIVERSITÁRIO, EDUCATIVO E CULTURAL).

25 LINHAS DE TV / POR MODALIDADE Arranjos Regionais 9% TVs Públicas 14% Suporte Automático 10% Suporte Seletivo 67%

26 LINHAS DE TV / POR MODALIDADE Ano de seleção PRODAV 01 PRODAV 02 Número de projetos selecionados por modalidade de seleção Suporte Seletivo SUAT Arranjos Regionais TVs Públicas Total Geral (abril) Total Geral Total de horas de programação selecionadas.

27 LINHAS DE TV / POR REGIÃO PROJETOS VALORES RJ-SP 49% NO 6% NE 18% CO 7% ES-MG 4% RJ-SP 61% NO 6% NE 12% CO 6% ES-MG 3% SU 12% SU 16%

28 LINHAS DE TV / POR TIPO Telefil me 19% Obra seria da 81%

29 LINHAS DE TV / SERIADAS POR TIPO Suporte Seletivo SUAT Arranjos TVs Públicas Animação Documentário Ficção

30 LINHAS DE TV / RECURSOS R$160,000, R$120,000, R$80,000, R$40,000, R$' Total contratado Total desembolsado

31 LINHAS DE TV / RECURSOS Modalidade Obras lançadas Total contratado (R$) Total recuperado (R$) % Recuperado Arranjos Regionais , ,96 0,6% Suporte Automático ,40 0,00 0,0% TVs Públicas ,00 0,00 0,0% Suporte Seletivo , ,43 7,7% Prodav , ,43 8,6% Prodav ,09 0% 0,0% Geral , ,39 6,8%

32 TV PAGA / 2016

33 RUMO AO FSA 2.0 Como o FSA pode contribuir ainda mais para o desenvolvimento do conjunto do setor audiovisual brasileiro, considerando em equilíbrio todos os elos de suas cadeias de valor, assim como todas as plataformas e formatos de conteúdos, com mais eficiência e mais eficácia, de modo a executar a totalidade dos recursos disponíveis e obter melhores resultados para o setor e para a sociedade?

34 RUMO AO FSA 2.0 / MUDANÇAS > EXECUÇÃO INTEGRAL (R$ 7 BI EM 10 ANOS) > EQUILÍBRIO ENTRE ELOS E REGIÕES > NOVOS ELOS (INFRA, DIFUSÃO ETC.) > MENOS LINHAS > NOVOS REGULAMENTOS > REVISÃO DAS PARTICIPAÇÕES DO FSA

35 RUMO AO FSA 2.0 / MUDANÇAS > MAIS RECURSOS NO AUTOMÁTICO > NOVOS AGENTES FINANCEIROS > NOVOS MEIOS E CONTEÚDOS > FUNDOS E OUTROS MECANISMOS > REVISÃO DO SELETIVO > AGILIZAÇÃO E DESBUROCRATIZAÇÃO

36 RUMO AO FSA 2.0 / FOCOS > DISPUTA DO MERCADO EM TODOS OS FRONTS > DIVERSIDADE > MAIS VALOR DE PRODUÇÃO > CARTEIRAS E EMPRESAS > MELHORIA DO AMBIENTE DE NEGÓCIOS > MELHORIA DAS EXTERNALIDADES POSITIVAS

FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL FSA INTRODUÇÃO

FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL FSA INTRODUÇÃO FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL FSA INTRODUÇÃO LEI Nº 11.437, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006 CRIAÇÃO DO FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL (FSA), CATEGORIA DE PROGRAMAÇÃO ESPECÍFICA DO FUNDO NACIONAL DE CULTURA (FNC)

Leia mais

FINANCIAMENTO A PROJETOS DE TV

FINANCIAMENTO A PROJETOS DE TV FINANCIAMENTO A PROJETOS DE TV Paulo Alcoforado Secretário de Políticas de Financiamento Agência Nacional do Cinema Índice 1. Perfil dos Agentes Econômicos 2. Vocações de Produção Regionais 3. Lógica de

Leia mais

POLÍTICA PÚBLICA AUDIOVISUAL

POLÍTICA PÚBLICA AUDIOVISUAL POLÍTICA PÚBLICA AUDIOVISUAL OPORTUNIDADES E DESAFIOS PARA A PRODUÇÃO REGIONAL ROSANA ALCÂNTARA AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA MERCADO AUDIOVISUAL CEARENSE 2015 AGENDA Panorama do Audiovisual no Brasil Contribuição

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Breve histórico do setor cinematográfico e audiovisual brasileiro e. mundial Introdução...1

Sumário. Capítulo 1 Breve histórico do setor cinematográfico e audiovisual brasileiro e. mundial Introdução...1 Sumário Capítulo 1 Breve histórico do setor cinematográfico e audiovisual brasileiro e mundial... 1 1.1. Introdução...1 1.2. Considerações básicas sobre a estruturação do mercado cinematográfico e audiovisual

Leia mais

Fontes de Financiamento. Débora Ivanov Agosto/2014

Fontes de Financiamento. Débora Ivanov Agosto/2014 Fontes de Financiamento Débora Ivanov Agosto/2014 Fontes de financiamento Polí:cas públicas Mercado Internacional Federais Locais Indireto/Incen:vos Direto Incen:vos/Direto Ar:go 1 PAR ICMS Co- produções

Leia mais

Financiamento da indústria audiovisual. 24 de setembro de 2010

Financiamento da indústria audiovisual. 24 de setembro de 2010 Financiamento da indústria audiovisual 24 de setembro de 2010 Econômicos Cinema brasileiro > Desafios Crescer Ser mais competitivo (+ receita, + prêmios, + vendas internacionais) Atrair mais investimento

Leia mais

ANEXO II. Dados relativos à obra audiovisual Título da obra: Títulos alternativos, se houver:

ANEXO II. Dados relativos à obra audiovisual Título da obra: Títulos alternativos, se houver: ANEXO II Formulário de conclusão do requerimento do Certificado de Produto Brasileiro - CPB para obra audiovisual não publicitária brasileira, nos termos do Capítulo III e do artigo 31 da Instrução Normativa

Leia mais

Perguntas freqüentes FAQ

Perguntas freqüentes FAQ Perguntas freqüentes FAQ CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODECINE 01/2008 PRODUÇÃO CINEMATOGRÁFICA 1) Como faço para enviar meu projeto? O primeiro passo para inscrever um projeto em qualquer uma das seleções

Leia mais

Atuação do BNDES no Audiovisual. Nordeste Lab 2016

Atuação do BNDES no Audiovisual. Nordeste Lab 2016 Atuação do BNDES no Audiovisual Nordeste Lab 2016 Luciane Gorgulho, maio de 2016 Agenda O BNDES A Economia Criativa O Setor audiovisual O apoio do BNDES ao Setor audiovisual Tendências e Oportunidades

Leia mais

Fundo Setorial do Audiovisual - FSA. Débora Ivanov Agosto/2014

Fundo Setorial do Audiovisual - FSA. Débora Ivanov Agosto/2014 Fundo Setorial do Audiovisual - FSA Débora Ivanov Agosto/2014 As chamadas - produção, comercialização e desenvolvimento - Chamadas SELETIVO Longas Produção Prodecine 1 Distribuidor Prodecine 2 FSA Produção

Leia mais

Estratégia mercadológica e comunicação

Estratégia mercadológica e comunicação Estratégia mercadológica e comunicação Agência Nacional do Cinema é uma agência reguladora que tem como atribuições o fomento, a regulação e a fiscalização do mercado do cinema e do audiovisual no Brasil

Leia mais

Serão selecionadas até 25 séries, com o mínimo de 13 episódios de 26 de duração.

Serão selecionadas até 25 séries, com o mínimo de 13 episódios de 26 de duração. CONVOCATÓRIA TV CULTURA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE OBRAS AUDIOVISUAIS 2017 1. OBJETIVO Este Edital tem por objetivo a seleção de projetos de obras audiovisuais brasileiras independentes, pela Fundação

Leia mais

Oportunidades e desafios no setor audiovisual. Debora Ivanov SEBRAE Paraná Seminário Desafios para Empreender

Oportunidades e desafios no setor audiovisual. Debora Ivanov SEBRAE Paraná Seminário Desafios para Empreender Oportunidades e desafios no setor audiovisual Debora Ivanov SEBRAE Paraná Seminário Desafios para Empreender Crescimento do mercado Cinema - salas 2.278 2.110 2.206 2.354 2.517 2.678 2.833 3.005 96% digitalizadas

Leia mais

CONVOCATÓRIA TV CULTURA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE OBRAS AUDIOVISUAIS 2017

CONVOCATÓRIA TV CULTURA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE OBRAS AUDIOVISUAIS 2017 ERRATA CONVOCATÓRIA TV CULTURA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE OBRAS AUDIOVISUAIS 2017 1. OBJETIVO Este Edital tem por objetivo a seleção de projetos de obras audiovisuais brasileiras independentes, para licenciamento

Leia mais

PROTEÇÃO DO CONTEÚDO NACIONAL E REGIONALIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO

PROTEÇÃO DO CONTEÚDO NACIONAL E REGIONALIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO PROTEÇÃO DO CONTEÚDO NACIONAL E REGIONALIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática 28 de maio de 2014 Jandira Feghali O mercado audiovisual mundial

Leia mais

Seminário FSA CHAMADAS 2013/14

Seminário FSA CHAMADAS 2013/14 Seminário FSA CHAMADAS 2013/14 REGULAMENTO GERAL DO PRODAV NOÇÕES SOBRE O REGULAMENTO GERAL DO PRODAV O PRODAV é um programa de ação governamental organizado com base nos recursos do Fundo Setorial do

Leia mais

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor Vanessa Duarte de Carvalho Deptº de Saneamento Ambiental do BNDES Belo Horizonte, 26 de novembro de 2010 Agenda RESÍDUOS SÓLIDOS BNDES

Leia mais

PANORAMA DO CINEMA BRASILEIRO (2000-2009) Por Roberto Moreira, Débora Ivanov e Fabrício Gallinucci São Paulo, Dezembro de 2010

PANORAMA DO CINEMA BRASILEIRO (2000-2009) Por Roberto Moreira, Débora Ivanov e Fabrício Gallinucci São Paulo, Dezembro de 2010 PANORAMA DO CINEMA BRASILEIRO (2000-2009) Por Roberto Moreira, Débora Ivanov e Fabrício Gallinucci São Paulo, Dezembro de 2010 A pesquisa foi realizada a partir de banco de dados da Ancine Agência Nacional

Leia mais

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL.

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. A CLASSE C IDENTIFICA CINEMA, INTERNET E TV POR ASSINATURA COMO

Leia mais

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Porque Investir? 20,3 x 4,9 x R$ 540 Milhões 8.340 Postos de Trabalho R$ 26.5 Milhões R$ 113 Milhões 32 filmes investidos e lançados pela RioFilme entre

Leia mais

Perguntas Frequentes FAQ. Chamadas Públicas MCT/FINEP/FSA. Contratação dos Selecionados

Perguntas Frequentes FAQ. Chamadas Públicas MCT/FINEP/FSA. Contratação dos Selecionados Perguntas Frequentes FAQ Chamadas Públicas MCT/FINEP/FSA Contratação dos Selecionados 1. Sou titular de projeto selecionado para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual. O que devo fazer? Se o seu

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

AS TAXAS E CIDES ARRECADADAS PELAS INDEPENDËNCIA FUNCIONAL DESTAS: O CASO ESPECÍFICO DA ANCINE.

AS TAXAS E CIDES ARRECADADAS PELAS INDEPENDËNCIA FUNCIONAL DESTAS: O CASO ESPECÍFICO DA ANCINE. AS TAXAS E CIDES ARRECADADAS PELAS AGÊNCIAS REGULADORAS E SEU PAPEL NA INDEPENDËNCIA FUNCIONAL DESTAS: O CASO ESPECÍFICO DA ANCINE. Um dos princípios básicos para a construção de agências reguladoras independentes

Leia mais

Os Planos do Ministério das Cidades para a Habitação

Os Planos do Ministério das Cidades para a Habitação Os Planos do Ministério das Cidades para a Habitação CÂMABA BRASILEIRA DA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO - CBIC Brasília/DF, 05 de outubro de 2016 PAÍS Imperativo para atingir metas de agendas e acordos Internacionais

Leia mais

APRESENTAÇÃO APL AUDIOVISUAL

APRESENTAÇÃO APL AUDIOVISUAL APRESENTAÇÃO APL AUDIOVISUAL AMOSTRA 101 Empresas presentes no Arranjo 64 Empresas formalmente filiadas ao APL 26 Questionários estruturados 21 Entrevistas semiestruturadas PERFIL DAS EMPRESAS PERFIL DAS

Leia mais

MERCADO AUDIOVISUAL. Paulo Alcoforado Secretário de Políticas de Financiamento

MERCADO AUDIOVISUAL. Paulo Alcoforado Secretário de Políticas de Financiamento MERCADO AUDIOVISUAL Paulo Alcoforado Secretário de Políticas de Financiamento Índice Apresentação I. PERFIL DOS AGENTES ECONÔMICOS II. III. VOCAÇÕES DE PRODUÇÕES REGIONAIS LINHAS DE DESENVOLVIMENTO, PRODUÇÃO

Leia mais

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA 31 de outubro de 2016 INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA Paulo Mól Superintendente do IEL A economia brasileira está perdendo competitividade ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2016/17

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2005 (Do Sr. Fernando de Fabinho)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2005 (Do Sr. Fernando de Fabinho) PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2005 (Do Sr. Fernando de Fabinho) Autoriza o Poder Executivo a criar o Pólo de Desenvolvimento e Turismo da região geográfica Nordeste, com sede na cidade de Paulo Afonso

Leia mais

GRADE HORÁRIA. Sala 1 (BNDES) Sala 2 (Petrobras) Lounges Sala de vidro. A programar. Sessão temática: Ficção. Sessão temática: Animação

GRADE HORÁRIA. Sala 1 (BNDES) Sala 2 (Petrobras) Lounges Sala de vidro. A programar. Sessão temática: Ficção. Sessão temática: Animação GRADE HORÁRIA Terça-feira 29/11 Sala 1 (BNDES) Sala 2 (Petrobras) Lounges Sala de vidro 9h30-11h00 Painel: panorama do mercado audiovisual A programar Encontro com os canais 11h00-11h30 Intervalo Intervalo

Leia mais

Perguntas freqüentes - FAQ

Perguntas freqüentes - FAQ Perguntas freqüentes - FAQ CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODECINE 03/2008 COMERCIALIZAÇÃO 1) Como faço para enviar meu projeto? O primeiro passo para inscrever um projeto em qualquer uma das seleções

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Mariana MG 18.295.303/0001-44 / - 2014 27/10/2014 11:01:02 1 - BASES DE CÁLCULO DAS CONTRIBUIÇÕES DEVIDAS, RELATIVAS ÀS FOLHAS DO ENTE 1.1 - Do ENTE ("patronal"), relativa: a) Aos servidores 4.696.251,36

Leia mais

III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015.

III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015. III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015. Apoio Específico aos Municípios Linha de Financiamento para Modernização

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos

Financiadora de Estudos e Projetos Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ampliando mercado de Placas de CI através s da Certificação São Paulo -SP 28 de novembro de 2006 João Florencio da Silva Analista do Escritório

Leia mais

Resultados Comitê Setorial de IND P&G. 23 de novembro de 2006

Resultados Comitê Setorial de IND P&G. 23 de novembro de 2006 Resultados Comitê Setorial de IND P&G 23 de novembro de 2006 Carteira de Projetos CARTEIRA 2004 CARTEIRA 2005 CARTEIRA 2006 PROPOSTA CARTEIRA 2007 IND PG 1 IND PG 2 16 projetos IND PG 6 IND PG 8 13 projetos

Leia mais

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Seminário Internacional sobre Diretivas RoHS e WEEE Brasília, 08 de fevereiro de 2011 Complexo Industrial da Saúde

Leia mais

Ministério do Trabalho FGTS. Secretaria-Executiva do Conselho Curador do FGTS

Ministério do Trabalho FGTS. Secretaria-Executiva do Conselho Curador do FGTS FGTS Secretaria-Executiva do Conselho Curador do FGTS Histórico 1943 - CLT - Garantia de estabilidade de emprego após 10 anos na mesma empresa. - Pesquisa do em 1966: apenas 15% dos trabalhadores celetistas

Leia mais

Edital Chamada Pública de Projetos Novas Ideias Para Um Mundo Melhor Fábrica Itabirito

Edital Chamada Pública de Projetos Novas Ideias Para Um Mundo Melhor Fábrica Itabirito Edital Chamada Pública de Projetos 2017 Novas Ideias Para Um Mundo Melhor Fábrica Itabirito Edital Chamada Pública Somar esforços é parte integrante da política de relacionamento e desenvolvimento da Coca-Cola

Leia mais

5) Quem pode participar? Empresas produtoras brasileiras independentes registradas na ANCINE e nas respectivas Juntas Comerciais.

5) Quem pode participar? Empresas produtoras brasileiras independentes registradas na ANCINE e nas respectivas Juntas Comerciais. CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV - 01/2012 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) em projetos de produção de obras audiovisuais destinadas ao mercado de televisão

Leia mais

Vanderlan Vasconselos. Coordenação MCT/FINEP/RS. Agência Brasileira de Inovação 2004/2005

Vanderlan Vasconselos. Coordenação MCT/FINEP/RS. Agência Brasileira de Inovação 2004/2005 Vanderlan Vasconselos Coordenação MCT/FINEP/RS. Agência Brasileira de Inovação 2004/2005 MISSÃO Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, centros

Leia mais

Seminário Mudanças Climáticas, Pobreza e Desigualdades: Fortalecendo a participação social no apoio a populações atingidas por desastres climáticos

Seminário Mudanças Climáticas, Pobreza e Desigualdades: Fortalecendo a participação social no apoio a populações atingidas por desastres climáticos Seminário Mudanças Climáticas, Pobreza e Desigualdades: Fortalecendo a participação social no apoio a populações atingidas por desastres climáticos 08 de Dezembro de 2011 O BNDES Fundado em 20 de Junho

Leia mais

CIRCULAR Nº Art. 7º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação.

CIRCULAR Nº Art. 7º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. CIRCULAR Nº 2825 Documento normativo revogado pela Circular 3280, de 09/03/2005. Estabelece, altera e sistematiza os procedimentos cambiais relativos às exportações financiadas. A Diretoria Colegiada do

Leia mais

Viabilização de Investimentos no Setor Elétrico. ABiNEE TEC Nelson Siffert São Paulo 24 de abril de Foto: Usina Hidrelétrica Barra Grande

Viabilização de Investimentos no Setor Elétrico. ABiNEE TEC Nelson Siffert São Paulo 24 de abril de Foto: Usina Hidrelétrica Barra Grande 1 Viabilização de Investimentos no Setor Elétrico ABiNEE TEC 2007 Foto: Usina Hidrelétrica Barra Grande Nelson Siffert São Paulo 24 de abril de 2007 Agenda BNDES Financiamentos do BNDES - Setor Elétrico

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 02/2016

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 02/2016 CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 02/2016 Seleção de propostas de programação de obras audiovisuais destinadas ao mercado de televisão para investimento pelo Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). O FUNDO

Leia mais

SECOVI. Teotonio Costa Rezende. Diretor Executivo de Habitação Caixa Econômica Federal

SECOVI. Teotonio Costa Rezende. Diretor Executivo de Habitação Caixa Econômica Federal SECOVI Teotonio Costa Rezende Diretor Executivo de Habitação Caixa Econômica Federal Sumário Plano de Negócios Cenário Medidas para aumentar o crédito PMCMV Faixa 1,5 Expectativas PMCMV 2017 Histórico

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS LINHA DE DESENVOLVIMENTO PRODAV 03 Versão 2015/2016

PERGUNTAS E RESPOSTAS LINHA DE DESENVOLVIMENTO PRODAV 03 Versão 2015/2016 PERGUNTAS E RESPOSTAS LINHA DE DESENVOLVIMENTO PRODAV 03 Versão 2015/2016 INSCRIÇÃO Como é feita a inscrição nas linhas de desenvolvimento do FSA? A inscrição será eletrônica por meio do acesso e preenchimento

Leia mais

Por que o Brasil tem dificuldades em atrair investimentos para concessões, privatizações e PPPs?

Por que o Brasil tem dificuldades em atrair investimentos para concessões, privatizações e PPPs? Por que o Brasil tem dificuldades em atrair investimentos para concessões, privatizações e PPPs? Bruno Werneck Março, 2017 Princípio do Equilíbrio Econômico-Financeiro Proteção da proporção entre encargos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL BALANÇO FINANCEIRO - TODOS OS ORÇAMENTOS 1 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO 2014 ESPECIFICAÇÃO 2014 Receitas Orçamentárias - - Despesas Orçamentárias 7.583.637,48 - Ordinárias - - Ordinárias 2.011.924,00

Leia mais

MAPEAMENTO E IMPACTO ECONÔMICO DO SETOR AUDIOVISUAL NO BRASIL

MAPEAMENTO E IMPACTO ECONÔMICO DO SETOR AUDIOVISUAL NO BRASIL MAPEAMENTO E IMPACTO ECONÔMICO DO SETOR AUDIOVISUAL NO BRASIL 2016 REALIZAÇÃO APRO Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais Paulo Roberto Schmidt Presidente Sonia Regina Piassa Diretora

Leia mais

Linha MPME Inovadora para empresas de TIC de Santa Catarina. André Medrado Florianópolis 04/08/2014

Linha MPME Inovadora para empresas de TIC de Santa Catarina. André Medrado Florianópolis 04/08/2014 Linha MPME Inovadora para empresas de TIC de Santa Catarina André Medrado Florianópolis 04/08/2014 Condições do Programa Porte: MPME s Beneficiárias Controle do Capital: Nacional ou Estrangeiro Financiamento

Leia mais

Contratação de Serviços Públicos

Contratação de Serviços Públicos Contratação de Serviços Públicos MODELOS DE CONTRATAÇÃO I. MODELO CONVENCIONAL DE CONTRATO DE EMPREITADA (LEI 8.666/93) II. MODELO DE CONCESSÃO PÚBLICA (Tradiconal) (LEI 8.987/95) III. MODELO DE PPP (Concessão

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Artur Nogueira SP 45.735.552/0001-86 / - 2014 22/08/2014 11:17:41 1 - BASES DE CÁLCULO DAS CONTRIBUIÇÕES DEVIDAS, RELATIVAS ÀS FOLHAS DO ENTE 1.1 - Do ENTE ("patronal"), relativa: a) Aos servidores 3.174.240,11

Leia mais

II SEMINÁRIO MERCADO AUDIOVISUAL 2016 OPORTUNIDADES PARA VENDA DE CONTEÚDO AUDIOVISUAL

II SEMINÁRIO MERCADO AUDIOVISUAL 2016 OPORTUNIDADES PARA VENDA DE CONTEÚDO AUDIOVISUAL II SEMINÁRIO MERCADO AUDIOVISUAL 2016 OPORTUNIDADES PARA VENDA DE CONTEÚDO AUDIOVISUAL TÓPICOS 1. A O2 Play 2. Selos de Curadoria - Uma nova estratégia de distribuição 3. Case Paratodos 4. Como trabalhar

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Eusébio CE 23.563.067/0001-30 / - 2015 24/10/2015 17:45:56 1 - BASES DE CÁLCULO DAS CONTRIBUIÇÕES DEVIDAS, RELATIVAS ÀS FOLHAS DO ENTE 1.1 - Do ENTE ("patronal"), relativa: a) Aos servidores 2.527.574,18

Leia mais

MANUAL DO PATROCINADOR Conselho Regional de Contabilidade - SC 31/08/2016

MANUAL DO PATROCINADOR  Conselho Regional de Contabilidade - SC 31/08/2016 MANUAL DO PATROCINADOR www.manualdopatrocinador.com.br Conselho Regional de Contabilidade - SC 31/08/2016 Panorama Panorama Incentivo Fiscal Estímulos concedidos pelo governo, na área fiscal, para viabilização

Leia mais

BNDES. Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital. Fabio Stefano Erber Diretor. Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente

BNDES. Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital. Fabio Stefano Erber Diretor. Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente Experiência do no Financiamento ao Setor de Bens de Capital Fabio Stefano Erber Diretor Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente Haroldo Fialho Prates Chefe do DEPIP 14 de junho de 2004 Atuação Estratégica

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS (REGIÃO SUL)

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS (REGIÃO SUL) CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS (REGIÃO SUL) 12/2015 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) em projetos de produção independente de obras audiovisuais

Leia mais

Workshop ABRAGAMES: Chamada Pública BRDE/FSA PRODAV 14/2016. Produção de Jogos Eletrônicos

Workshop ABRAGAMES: Chamada Pública BRDE/FSA PRODAV 14/2016. Produção de Jogos Eletrônicos Workshop ABRAGAMES: Chamada Pública BRDE/FSA PRODAV 14/2016 Produção de Jogos Eletrônicos 2 O FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL FSA O Fundo Setorial do Audiovisual - FSA, criado em 2006 pela Lei nº 11.437,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL Nº 08/2017- PROEX Programa de Apoio Institucional de Extensão (PIAEX) Prefeitura Municipal de Aracaju e UFS Projeto: Atuação dos alunos do curso de secretariado executivo nas secretarias das escolas

Leia mais

Apoio à Inovação Nov/2015

Apoio à Inovação Nov/2015 Apoio à Inovação Nov/2015 http://www.bndes.gov.br O objetivo do BNDES é fomentar e apoiar operações associadas à formação de capacitações e ao desenvolvimento de ambientes inovadores, com o intuito de

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODECINE 10/2017 COPRODUÇÃO CHILE- BRASIL

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODECINE 10/2017 COPRODUÇÃO CHILE- BRASIL CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODECINE 10/2017 COPRODUÇÃO CHILE- BRASIL Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) em projetos de obras cinematográficas de longa-metragem,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017) Dá nova redação à Instrução Normativa nº 22, de 14 de dezembro de 2015, do Ministério das Cidades, que regulamenta o Programa Carta de

Leia mais

BNDES e o Apoio ao Setor de P&G. André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014

BNDES e o Apoio ao Setor de P&G. André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014 BNDES e o Apoio ao Setor de P&G André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014 BNDES BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Instrumento chave

Leia mais

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Nome: Denise Maria Lara de Souza Seabra Formação: Enga. Civil e Sanitarista Instituição: Caixa Econômica Federal Agenda Contextualização

Leia mais

DEMOCRACIA E CULTURA. 4º encontro regional da CNTU: Democracia, comunicação e cultura

DEMOCRACIA E CULTURA. 4º encontro regional da CNTU: Democracia, comunicação e cultura DEMOCRACIA E CULTURA 4º encontro regional da CNTU: Democracia, comunicação e cultura SUMÁRIO 1. O marco legal: a criação do Ministério da Cultura e a Constituição de 1988 2. A Política Nacional de Cultura

Leia mais

Concurso de 2013 ANEXO XIII APOIO À DISTRIBUIÇÃO CINEMATOGRÁFICA

Concurso de 2013 ANEXO XIII APOIO À DISTRIBUIÇÃO CINEMATOGRÁFICA 1 ANEXO XIII PROGRAMA DE APOIO À DISTRIBUIÇÃO CINEMATOGRÁFICA 1. Programa e Secções 1.1. O Programa de Apoio à Distribuição Cinematográfica destina-se a comparticipar as despesas com planos de distribuição

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.6 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.6 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.6 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1-12 BALANÇO PATRIMONIAL

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 Escola Secundária Cacilhas-Tejo MATRIZ DE EXAME (AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 ENSINO RECORRENTE MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS Duração da Prova:

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO CULTURAIS NOVEMBRO 2008

FONTES DE FINANCIAMENTO CULTURAIS NOVEMBRO 2008 FONTES DE FINANCIAMENTO CULTURAIS NOVEMBRO 2008 1 Conceito de Financiamento Público da Cultura Conjunto de ofertas governamentais e não governamentais de recursos para a concretização de produção cultural

Leia mais

CONVOCATÓRIA E REGULAMENTO 2016

CONVOCATÓRIA E REGULAMENTO 2016 CONVOCATÓRIA E REGULAMENTO 2016 VII FESTIVAL INTERNACIONAL PACHAMAMA CINEMA DE FRONTEIRA Abertura: 29 de abril de 2016 Encerramento: 12 de agosto de 2016 1) INTRODUÇÃO Fundação Elias mansour, Saci Produções

Leia mais

enfrentarem os desafios 2016

enfrentarem os desafios 2016 Contribuição do BNDES para as empresas Economia enfrentarem os desafios 2016 Fevereiro de 2016 1 A racionalidade da contribuição do BNDES aos desafios de 2016 Apoiar necessidades das empresas; atender

Leia mais

REGULAMENTO. CURTA 5 III Festival de Curtas Metragens do Instituto Federal da Bahia - IFBA

REGULAMENTO. CURTA 5 III Festival de Curtas Metragens do Instituto Federal da Bahia - IFBA Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia Campus Eunápolis COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Av. David Jonas Fadini, s/ n, Juca Rosa, Eunápolis BA CEP 45823-431

Leia mais

Instrumentos de Financiamento. 27 e 28 de Junho NATAL-RN

Instrumentos de Financiamento. 27 e 28 de Junho NATAL-RN Instrumentos de Financiamento 27 e 28 de Junho NATAL-RN Agenda A Finep Reembolsável Inovacred Finep Startup Programa Telecom Análise e Acompanhamento Não-reembolsável Agenda A Finep Reembolsável Inovacred

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de outubro de 2012, que estabelece diretrizes para elaboração

Leia mais

Capítulo 9. Conta Única do Tesouro Nacional

Capítulo 9. Conta Única do Tesouro Nacional Capítulo 9. Conta Única do Tesouro Nacional 9.5. Questões de concursos públicos Orçamento e Contabilidade Pública, 6ª Edição 1. (Cespe TRE-RJ Analista Judiciário Contabilidade 2012) Questão bastante simples!

Leia mais

Lei da TV Paga: políticas públicas e regulação do audiovisual 1

Lei da TV Paga: políticas públicas e regulação do audiovisual 1 Lei da TV Paga: políticas públicas e regulação do audiovisual 1 Resumo Heverton Lima 2 Após a criação da Ancine, os mecanismos de incentivo à produção audiovisual fomentaram paulatinamente uma estrutura

Leia mais

Soluções BNDES para pequenos negócios. Belo Horizonte - MG 20/06/2017

Soluções BNDES para pequenos negócios. Belo Horizonte - MG 20/06/2017 Soluções BNDES para pequenos negócios Belo Horizonte - MG 20/06/2017 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada Informação

Leia mais

Apresentação. Resultados 3T08 13 DE NOVEMBRO DE 2008

Apresentação. Resultados 3T08 13 DE NOVEMBRO DE 2008 Apresentação Resultados 3T08 13 DE NOVEMBRO DE 2008 Participantes Jorge Cury - Diretor Presidente Marco Mattar - Diretor Vice Presidente Financeiro e Diretor Técnico Rebeca Ouro-Preto - Diretora de Relações

Leia mais

Apresentação dos Resultados do 1T10. Teleconferência de Resultados

Apresentação dos Resultados do 1T10. Teleconferência de Resultados Apresentação dos Resultados do 1T10 Teleconferência de Resultados Visão Geral do 1T10 2 Destaques A Companhia Alcançou Resultados Operacionais Positivos e Concluiu Plano de Capitalização Plano de Capitalização

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO DO PIAUÍ GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO DO PIAUÍ GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 503/2015, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2015. Estima a receita e fixa a despesa do município de São Francisco do Piauí para o exercício financeiro de 2016. O PREFEITO MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO DO PIAUÍ,

Leia mais

FINALIZAÇÃO DE OBRAS CINEMATOGRÁFICAS

FINALIZAÇÃO DE OBRAS CINEMATOGRÁFICAS ANEXO IX PROGRAMA DE APOIO AO CINEMA SUBPROGRAMA DE APOIO À PRODUÇÃO, NA MODALIDADE DE APOIO À FINALIZAÇÃO DE OBRAS CINEMATOGRÁFICAS 1. Candidatos e beneficiários 1.1. Podem candidatar-se os produtores

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTANHAL FUNDAÇÃO CULTURAL DO MUNICÍPIO DE CASTANHAL VI FESTIVAL DE CURTAS- METRAGENS CURTA CASTANHAL 2014 EDITAL REGULAMENTO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTANHAL FUNDAÇÃO CULTURAL DO MUNICÍPIO DE CASTANHAL VI FESTIVAL DE CURTAS- METRAGENS CURTA CASTANHAL 2014 EDITAL REGULAMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTANHAL FUNDAÇÃO CULTURAL DO MUNICÍPIO DE CASTANHAL VI FESTIVAL DE CURTAS- METRAGENS CURTA CASTANHAL 2014 EDITAL REGULAMENTO LICITAÇÃO PÚBLICA MODALIDADE CONCURSO ARTÍSTICO (ÁUDIOVISUAL)

Leia mais

INCENTIVADO A PRODUÇÃO DE BLOCKBUSTERS NO BRASIL

INCENTIVADO A PRODUÇÃO DE BLOCKBUSTERS NO BRASIL INCENTIVADO A PRODUÇÃO DE BLOCKBUSTERS NO BRASIL Fabio Sá Earp * Rodrigo Guimarães e Souza ** 1.INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar que o público para cinema no Brasil é, pelo menos em parte, função

Leia mais

FINANCIAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS DE PESQUISA. COMANDANTE SANTIAGO Tel: (61) / 4067

FINANCIAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS DE PESQUISA. COMANDANTE SANTIAGO Tel: (61) / 4067 FINANCIAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS DE PESQUISA COMANDANTE SANTIAGO davi.santiago@defesa.gov.br Tel: (61) 3312-4068 / 4067 SUMÁRIO PROPÓSITO O INTERESSE DA DEFESA NACIONAL PORTARIA MCT/MD Nº 750 PARCEIROS

Leia mais

SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL DO RS

SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL DO RS SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL DO RS Conforme Art. 7º, inc. IV da Constituição Federal de 1988, o Salário Mínimo deve atender as necessidades básicas do trabalhador e de sua família, como moradia, educação, saúde,

Leia mais

CURSO PARA PROFISSIONAIS DA ÁREA DE ECONOMIA DA INDÚSTRIA CINEMATOGRÁFICA DE DO AUDIOVISUAL

CURSO PARA PROFISSIONAIS DA ÁREA DE ECONOMIA DA INDÚSTRIA CINEMATOGRÁFICA DE DO AUDIOVISUAL Instituto de Economia UFRJ Av. Pasteur 250 Praia Vermelha Rio de Janeiro - RJ CURSO PARA PROFISSIONAIS DA ÁREA DE ECONOMIA DA INDÚSTRIA CINEMATOGRÁFICA DE DO AUDIOVISUAL Objetivo geral O objetivo do curso

Leia mais

Resultados 3T11. Telefônica Brasil S.A. São Paulo, 10 de Novembro de Relações com Investidores Telefónica do Brasil

Resultados 3T11. Telefônica Brasil S.A. São Paulo, 10 de Novembro de Relações com Investidores Telefónica do Brasil Resultados 3T11 Telefônica Brasil S.A. São Paulo, 10 de Novembro de 2011. Disclaimer Para fins de comparabilidade, os números do 3T10, acumulado 2011 e 2010 foram elaborados de forma combinada. Desta forma,

Leia mais

Regulamento Documentários. 2. Formato pra exibição no festival: DCP. 3. Produções finalizadas a partir de janeiro de 2016.

Regulamento Documentários. 2. Formato pra exibição no festival: DCP. 3. Produções finalizadas a partir de janeiro de 2016. Regulamento 2017 Objetivos O É Tudo Verdade Festival Internacional de Documentários tem por objetivo promover o documentário e proporcionar uma maior reflexão sobre o gênero. Período A 22ª edição do festival

Leia mais

O crescimento do mercado de TV paga e os desafios para a televisão brasileira

O crescimento do mercado de TV paga e os desafios para a televisão brasileira O crescimento do mercado de TV paga e os desafios para a televisão brasileira ABTA 2012 São Paulo, agosto de 2012 Manoel Rangel Diretor Presidente A televisão (programação linear) no mundo é, cada vez

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 217, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 217, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 217, DE 2014 Altera a Lei nº 12.868, de 15 de outubro de 2013, que dispõe sobre o financiamento de bens de consumo duráveis a beneficiários do Programa Minha Casa, Minha Vida

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Altera a Lei nº 11.540, de 12 de novembro de 2007, que dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT; altera o Decreto-Lei. 719,

Leia mais

Análise do DEMONSTRATIVO FINANCEIRO

Análise do DEMONSTRATIVO FINANCEIRO Análise do DEMONSTRATIVO FINANCEIRO Resumo dos Resultados Gerais - 9M12 Item Resultado 9M12 Variação em relação a 9M11 (em %) Lucro Líquido R$ 4,2 bilhões +17,7% Patrimônio Líquido R$ 22,5 bilhões +24,6%

Leia mais

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional Encontros Regionais de Municípios ABM Sudeste Rio de Janeiro, Outubro de 2015 Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional Marcus Vinicius Rego Gerente Nacional de Segmentos de

Leia mais

11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira

11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira 11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira 188 PDI 2015-2019 11.1 Planejamento orçamentário e financeiro O Orçamento Público, em sentido amplo, é um documento legal (aprovado por lei)

Leia mais

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos Hospital Unimed de Piracicaba Investimentos + Fontes Financiamentos Base: 06/2007 Fontes de Financiamentos: BIRD Banco Mundial BID Banco do Brasil BNDES FINEP Ex Im Bank Crédito Mobiliário Bancos Privados.

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO Nº 02, DE 18 DE JUNHO DE PROGRAMA ANCINE DE INCENTIVO À QUALIDADE DO CINEMA BRASILEIRO

EDITAL DE SELEÇÃO Nº 02, DE 18 DE JUNHO DE PROGRAMA ANCINE DE INCENTIVO À QUALIDADE DO CINEMA BRASILEIRO EDITAL DE SELEÇÃO Nº 02, DE 18 DE JUNHO DE 2007. PROGRAMA ANCINE DE INCENTIVO À QUALIDADE DO CINEMA BRASILEIRO A AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA torna público que estará recebendo inscrições para o Processo

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cascais

Agrupamento de Escolas de Cascais 1º PERÍODO -74 TEMPOS LETIVOS ENSINO SECUNDÁRIO Disciplina: Economia A 11.º Ano Planificação Apresentação mútua e da disciplina Estabelecimento de regras e de métodos de trabalho Apresentação/negociação

Leia mais

Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. Trimestre de 2012

Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. Trimestre de 2012 Ministério do Trabalho e Emprego Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. de 2012 1. Resultados do Programa de Microcrédito no 2 de 2012.

Leia mais

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC Seminário Sistema Nacional de Fomento e o Crédito do Desenvolvimento: Condições e Possibilidades Carlos André Lins Rodriguez Gerente de Clientes

Leia mais