Segurança da Informação e os Riscos com os Terceirizados Como prevenir?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segurança da Informação e os Riscos com os Terceirizados Como prevenir?"

Transcrição

1 Segurança da Informação e os Riscos com os Terceirizados Como prevenir? 1

2 A Tecnologia transformou a Sociedade! Acessado em às 17:07. 2

3 Conjunto de esforços para que a empresa alcance seus objetivos com o menor risco possível, observando: A lisura e organização nos Processos; Conformidade Legal; Segurança da Informação; O papel de seus participantes. Busca-se o melhor desempenho dentro do cenário de menor risco. Fonte imagem: 3

4 Assim... Fazem parte da Governança Corporativa a Governança de TI A Segurança e confiabilidade da estrutura utilizada; O Planejamento dos processos envolvidos; A Conformidade legal dos recursos adotados. 4

5 A Tecnologia trouxe: Novos Métodos de Trabalho; Formas diferentes de se Exercer as Atividades Empresariais; Agilidade dos Processos; Facilidade na Comunicação; Acesso Irrestrito à Informação. 5

6 E quais são os Desafios? Inexistência de perímetros Abordagem tradicional de SI não é mais suficiente Novas ameaças, como social phishing, mobiles e APTs (Advanced Persistent Threats) Foco nas Pessoas e não mais na Tecnologia ZUI/AAAAAAAAAGU/RDaD76m5Rq4/s320/inovacao.gif em às 11:33. Acessado Proteção da Informação, esteja ela onde estiver 6

7 Vazamento informação Antes era assim Hoje é assim

8 A Segurança da Informação deve abranger: Pessoas Processos Tecnologia 8

9 Confidencialidade Legalidade Integridade 5 pilares SI Autenticidade Disponibilidade 9

10 A segurança deve acompanhar a informação, independente do lugar onde ela esteja. Acessado em

11 Desafios Segurança Digital: Mobilidade corporativa (aplicativos sociais e cloud computing) Consumerização (informação corporativa em dispositivos particulares) Terceiros (equipes terceirizadas) Fonte: Economia SC. Disponível em:http://economiasc.com.br/wp-content/uploads/2014/12/emprego1.jpg. Acesso em às 20h34min. 11

12 Desafios na Terceirização Compartilhamento da Identidade Digital, criação e/ou uso indebido ou sem criterios de segurança Acessos privilegiados Questões Trabalhistas Ausência de revogação dos acessos Acesso à Informações Confidenciais Furto de Recursos Tecnológicos ou Não devolução Ausência de Responsabilidade com a Segurança da Informação 12

13 COMO GERENCIAR RISCOS EM TERCEIRIZADOS? Autor desconhecido. Fonte: FETT. Disponível em: Acesso em às 15h07min. Finalidade comercial. 13

14 Política de Conduta Ética e de Segurança Digital para Terceirizados A Política deve reunir uma abordagem comportamental para o cumprimento de medidas e procedimentos técnicos que visem garantir a proteção da empresa contratante. Autor desconhecido. Fonte: FETT. Disponível em: Acesso em às 15h07min. Finalidade comercial. 14

15 Contrato de Prestação de Serviços Os contratos de prestação de serviços de terceiros devem receber cláusulas específicas principalmente relacionadas a: Segurança da Informação Confidencialidade Sigilo Profissional Propriedade Intelectual Regras de BYOD Descarte seguro Monitoramento Afastamento do vínculo empregatício Devolução e eliminação de dados após encerramento da prestação de serviços Autor desconhecido. Fonte: FETT. Disponível em: Acesso em às 15h07min. Finalidade comercial. 15

16 Acordos de Confidencialidade Protegem informações confidenciais fornecidas pela empresa na contratação, além de disciplinarem a forma pela qual elas deverão ser manipuladas e transmitidas Definem critérios a serem adotados na contratação de fornecedores e prestadores de serviços, garantindo a proteção de informações Estabelecem a propriedade ou posse das informações, podendo ainda constituir segredo comercial da empresa 16

17 Termo de Compromisso É preciso implementar o Termo de Compromisso (Ciência e Responsabilidade) que deve ser assinado pelo colaborador terceirizado e pela empresa terceirizada. Autor desconhecido. Fonte: Contractti. Disponível em: Acesso em às 17h37min. Finalidade comercial. Autor desconhecido. Fonte: FETT. Disponível em: Acesso em às 15h07min. Finalidade comercial. 17

18 A autorização para o uso de dispositivo móvel particular de terceirizado deve: Decorrer exclusivamente da impossibilidade da empresa terceirizada de fornecer ferramentas aos seus profissionais; Ser solicitada pelo gestor responsável pela contratação da empresa terceirizada, que deve assumir total responsabilidade pela liberação do acesso e sua revogação; Ser destinada para fins exclusivamente profissionais, limitados às atividades estabelecidas no Contrato de prestação de serviços; As informações fornecidas devem ser utilizadas de forma sigilosa, não podendo ser compartilhadas a terceiros; A empresa terceirizada se obriga a observar e cumprir as recomendações da Política de Segurança da Informação da empresa, sendo a única responsável pelas perdas e danos de qualquer natureza decorrentes de infrações a que houver dado causa pela sua inobservância; A assinatura do Termo entre as partes não enseja qualquer tipo de vínculo trabalhista ou quaisquer requisições de sobrejornada, sobreaviso, hora extra ou plantão. 18

19 É preciso implementar vacinas legais nos ambientes e sistemas que forem utilizados pela equipe terceirizada, para reforçar: Determinar que que a equipe alocada fique dentro da empresa contratante; o dever de sigilo; Vacinas Legais o acesso apenas a pessoa autorizada; o afastamento de vínculo, sobrejornada/sobreaviso. Autor desconhecido. Fonte: Emo7ion Tour. Disponível em: Acesso em às 12h31min. Finalidade educacional. Autor desconhecido. Fonte: FETT. Disponível em: Acesso em às 15h07min. Finalidade comercial. 19

20 Treinamento de Gestores Gestores devem orientar as relações entre colaboradores terceirizados de modo a evitar atrair riscos trabalhistas. Não devem ser utilizados termos em mídias sociais que denotem prova de subordinação individual. Autor desconhecido. Fonte: Silvana Lages. Disponível em: Acesso em às 17h58min. Finalidade comercial. Autor desconhecido. Fonte: FETT. Disponível em: Acesso em às 15h07min. Finalidade comercial. 20

21 Projeto de Lei de Terceirização Art. 8º Quando o empregado for encarregado de serviço para o qual seja necessário treinamento específico, a contratante deverá: I exigir da empresa prestadora de serviços a terceiros certificado de capacitação do trabalhador para a execução do serviço; ou II fornecer o treinamento adequado, somente após o qual poderá ser o trabalhador colocado em serviço. Autor desconhecido. Fonte: FETT. Disponível em: Acesso em às 15h07min. 21

22 Cláusula de Contrato de Prestação de Serviços Cumprimento dos Normativos A [NOME DA EMPRESA TERCEIRIZADA] obriga-se a observar e cumprir as recomendações da Política de Segurança da Informação da [Empresa], sendo a única responsável pelas perdas e danos de qualquer natureza decorrentes de infrações a que houver dado causa pela sua inobservância 22

23 Cláusula de Contrato de Prestação de Serviços Ausência de Vínculo De modo algum a assinatura do presente Termo entre as partes enseja qualquer tipo de vínculo trabalhista junto a [Empresa] ou quaisquer requisições de sobrejornada, sobreaviso, hora extra ou plantão 23

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602.

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 4/2008 O Conselho de Administração, com base no disposto no Art. 17 do Estatuto da CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência, em reunião do dia 19 de fevereiro de

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Segurança da Informação BM&FBOVESPA Última revisão: maio de 2014 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 4. ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5. DIRETRIZES... 4 6. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Página: 1 de 5 1. INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande importância para PRÓ-MEMÓRIA, sendo resguardada contra ameaças e riscos. Segurança da informação, segundo a NBR ISO/IEC 27002:2005,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES () Versão 2.0 08/08/2014 Política de Segurança da Informação e Comunicações - SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 ABRANGÊNCIA... 2 3 CONCEITOS... 2 3.1 Autenticidade...

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DEFENDA BUSINESS PROTECTION SERVICES & SOLUTIONS Direitos Autorais Este documento contém informações de propriedade da Defenda Business Protection Services & Solutions.

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

Política de. Segurança. Informação

Política de. Segurança. Informação Política de Segurança da Informação Diretrizes para a conduta adequada no manuseio, controle e proteção das informações contra a destruição, modificação, divulgação indevida e acessos não autorizados,

Leia mais

TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações

TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações T TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações Versão 1.2 24/08/2015 1 1. Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a FSB Comunicações, devendo ser adequadamente utilizada

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Nº de Páginas: 1 / 5 1. OBJETIVOS Os objetivos desta Política de Segurança da Informação são estabelecer orientações gerais de segurança da informação no âmbito da Braslight, fornecendo o apoio conceitual

Leia mais

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Janeiro 2016 O NÃO CUMPRIMENTO DESTE MANUAL PODERÁ RESULTAR EM AÇÕES DISCIPLINARES APROPRIADAS, INCLUINDO ADVERTÊNCIAS, QUE PODERÃO

Leia mais

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Projeto Integrador Módulo IV Política de Segurança Disciplinas: - Implantação e Gestão de S.I.: Prof. Diego Américo Guedes - Gerência de Redes de Computadores: Prof. Fernando Pirkel Tsukahara - Segurança

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Governança em T.I. GTI-V Noturno - 2015. Alunos: Douglas de Souza Braga Rafael vitor Hugo Bastos Kaysmier Walessa

Governança em T.I. GTI-V Noturno - 2015. Alunos: Douglas de Souza Braga Rafael vitor Hugo Bastos Kaysmier Walessa Governança em T.I GTI-V Noturno - 2015 Alunos: Douglas de Souza Braga Rafael vitor Hugo Bastos Kaysmier Walessa Politica de Segurança Ativos: Computadores: Sistema \ Hardwere \Segurança A infraestrutura

Leia mais

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14 ANEXO I PSI Índice 1. FINALIDADE... 4 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. FREQUÊNCIA DE REVISÃO... 4 4. PORTAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 4 5. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 5.1. Segurança da Informação... 4 5.2. Confidencialidade...

Leia mais

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida.

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida. Segurança da Informação é a proteção das informações contra os vários tipos de ameaças as quais estão expostas, para garantir a continuidade do negócio, minimizar o risco ao negócio, maximizar o retorno

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 11 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. Institui a política de segurança da informação do Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

Novembro/2013. Segurança da Informação BYOD/Redes Sociais Marco Vinicio Barbosa Dutra Coordenador de Segurança

Novembro/2013. Segurança da Informação BYOD/Redes Sociais Marco Vinicio Barbosa Dutra Coordenador de Segurança Novembro/2013 Segurança da Informação BYOD/Redes Sociais Marco Vinicio Barbosa Dutra Coordenador de Segurança Segurança da Informação BYOD/Consumerização Redes Sociais Perguntas Não vendo cofres, vendo

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING O Código de Conduta Ética é um instrumento destinado a aperfeiçoar os relacionamentos da organização e elevar o clima de confiança nela existente. Este Código tem

Leia mais

Conheça a NBR ISO/IEC 27002

Conheça a NBR ISO/IEC 27002 Conheça a NBR ISO/IEC 27002 A norma NBR ISO/IEC 27002 Código de Prática para a Gestão de Segurança da Informação, que tem como objetivo estabelecer diretrizes e princípios gerais para iniciar, implementar,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

Mobilidade Corporativa e os Riscos Trabalhistas

Mobilidade Corporativa e os Riscos Trabalhistas Mobilidade Corporativa e os Riscos Trabalhistas Webinar 3 24.04.2015 Instrutor(a): Caroline Teófilo 1 Como está a Sociedade Digital com a Mobilidade: Ausência de Fronteiras Físicas; Tempo Real Conectividade;

Leia mais

Política da Segurança da Tecnologia da Informação

Política da Segurança da Tecnologia da Informação Política da Segurança da Tecnologia da Informação INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande valor para a CREMER S/A, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos.

Leia mais

Plano de Segurança da Informação

Plano de Segurança da Informação Faculdade de Tecnologia SENAC - Goiás Projeto Integrador Governança da Tecnologia da Informação Plano de Segurança da Informação Diego Miranda José Rodrigues Neto Romário Sena Warley Gabriel Plano de Segurança

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DATA: 25/01/2016 VERSÃO 2.0 VERSÃO 2 25/01/2016 ÁLVARO BARBOSA SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 3 II. PAPÉIS E RESPONSABILIDADES... 4 II.1 - COMITÊ EXECUTIVO... 4 II.2 - CONTROLES

Leia mais

Política da Segurança da Informação

Política da Segurança da Informação Política da Segurança da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA BM&FBOVESPA 1. INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande valor para a BM&FBOVESPA, devendo ser adequadamente utilizada

Leia mais

Código de Ética LLTECH

Código de Ética LLTECH Código de Ética LLTECH Quem somos A LLTECH é uma empresa que oferece soluções inovadoras para automação e otimização de processos industriais, fornecendo toda a parte de serviços e produtos para automação

Leia mais

RESOLUÇÃO-TCU Nº 217, DE 15 DE OUTUBRO DE 2008.

RESOLUÇÃO-TCU Nº 217, DE 15 DE OUTUBRO DE 2008. RESOLUÇÃO-TCU Nº 217, DE 15 DE OUTUBRO DE 2008. Dispõe sobre a Política Corporativa de Segurança da Informação do Tribunal de Contas da União (PCSI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5

12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5 12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Uso de Dispositivos Móveis nos Aspectos relativos

Leia mais

PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004

PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004 PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004 O Ministro da Previdência Social, no uso de sua competência estabelecida no art. 87 da Constituição Federal e considerando o disposto no art. 23 da Lei nº 8.159,

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

GESTÃO DE SERVIÇOS DE TI: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E PROCESSOS. Realização:

GESTÃO DE SERVIÇOS DE TI: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E PROCESSOS. Realização: GESTÃO DE SERVIÇOS DE TI: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E PROCESSOS Realização: Ademar Luccio Albertin Mais de 10 anos de experiência em Governança e Gestão de TI, atuando em projetos nacionais e internacionais

Leia mais

ISO/IEC 17799. Informação

ISO/IEC 17799. Informação ISO/IEC 17799 Norma de Segurança da Norma de Segurança da Informação Segurança da Informação Segundo a norma ISO/IEC 17799, é a proteção contra um grande número de ameaças às informações, de forma a assegurar

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A. CESUP Licitações (SP) CREDENCIAMENTO 2011/0262 (7421) SL CREDENCIAMENTO Nº 2011/0262 (7421) SL

BANCO DO BRASIL S.A. CESUP Licitações (SP) CREDENCIAMENTO 2011/0262 (7421) SL CREDENCIAMENTO Nº 2011/0262 (7421) SL CREDENCIAMENTO Nº 2011/0262 (7421) SL OBJETO: Credenciamento de pessoa jurídica, inclusive empresa individual devidamente registrada no CREA ou CAU, cujo objeto social contemple atividades técnicas de

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES NORMA OPERACIONAL/DTI/ Nº 01, DE 1 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre a governança e

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer procedimentos para controle e uso de EPI - Equipamentos de Proteção Individual 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2.1. Esta NP (Normas e Procedimentos) é aplicável no âmbito

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS A quem se destina este Manual Este manual reúne o conjunto de normas e procedimentos a serem seguidos por TODOS aqueles que trabalham na S.C.C.V.M. S/A,

Leia mais

Título I Das Disposições Gerais

Título I Das Disposições Gerais PORTARIA Nº 207 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre as Diretrizes Básicas de Segurança da Informação no âmbito da Fundação Cultural Palmares. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES, no uso de suas

Leia mais

TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO. 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet

TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO. 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet 1.1 O Portal Vets4Vet, encontrado na internet sob o domínio www.vets4vet.com.br, tem por objetivo aproximar

Leia mais

Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012

Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012 Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012 Institui a Política de Segurança da Informação da Câmara dos Deputados e dá outras providências. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do. Grupo Energisa

Código de Ética e de Conduta do. Grupo Energisa Código de Ética e de Conduta do Grupo Energisa Caro colaborador, A prática do Código de Ética e de Conduta do Grupo Energisa é tão importante que fazemos questão que cada colaborador tenha seu próprio

Leia mais

10 Dicas para uma implantação

10 Dicas para uma implantação 10 Dicas para uma implantação de Cloud Computing bem-sucedida. Um guia simples para quem está avaliando mudar para A Computação em Nuvem. Confira 10 dicas de como adotar a Cloud Computing com sucesso.

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação Documento Política de Segurança da Informação Data Revisão Responsável Área 14/07/2008 1.0 Thiago Lima da Silva Suporte Interno ÍNDICE Introdução...4 1.Pessoal...4 1.1.Prestadores

Leia mais

TESTE. Sua empresa está em conformidade com a ISO 27002? POLÍTICA DE SEGURANÇA. 2. Algum responsável pela gestão da política de segurança?

TESTE. Sua empresa está em conformidade com a ISO 27002? POLÍTICA DE SEGURANÇA. 2. Algum responsável pela gestão da política de segurança? TESTE Sua empresa está em conformidade com a ISO 27002? O objetivo do teste tem cunho prático e o objetivo de auxiliá-lo a perceber o grau de aderência de sua empresa em relação às recomendações de Segurança

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Página 1 de 5 Código de Conduta e Ética 2012 Resumo A SAVEWAY acredita que seu sucesso está pautado na prática diária de elevados valores éticos e morais, bem como respeito às pessoas, em toda sua cadeia

Leia mais

FRAMEWORK DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: Da Implementação à Conformidade. Marcelo Veloso

FRAMEWORK DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: Da Implementação à Conformidade. Marcelo Veloso FRAMEWORK DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: Da Implementação à Conformidade Marcelo Veloso O Desafio Fonte: UOL, 2013 2 Fórum Nacional Segurança da Informação Brasília/DF 2 O Desafio

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO IFSUL

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO IFSUL POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO IFSUL 1 OBJETIVO A Política de Segurança da Informação do Instituto Federal Sul-rio-grandense estabelece as diretrizes para a segurança da informação, visando preservar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA - PORTAL

CÓDIGO DE ÉTICA - PORTAL 1. Disposições Preliminares Este Código de Ética tem como principal objetivo informar aos colaboradores, prestadores de serviço, clientes e fornecedores da Petronect quais são os princípios éticos que

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta a utilização dos serviços corporativos disponíveis na rede de computadores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

Estado do Piauí Tribunal de Contas

Estado do Piauí Tribunal de Contas RESOLUÇÃO TCE N O 09/2015, de 12 de março de 2015. Dispõe sobre a Política de Segurança da Informação do TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO PIAUÍ PSI/TCE-PI. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO PIAUÍ, no uso

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES 1. DEFINIÇÕES

TERMOS E CONDIÇÕES 1. DEFINIÇÕES TERMOS E CONDIÇÕES A prestação de serviços de Promoção de Negócios Customizada submete-se às disposições da Proposta e a estes Termos e Condições, os quais estabelecem juntos, para todos os fins legais,

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação 29 de janeiro 2014 Define, em nível estratégico, diretivas do Programa de Gestão de Segurança da Informação. ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 PÚBLICO ALVO... 3 3 RESPONSABILIDADES

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA SEGURANÇA CIBERNÉTICA Fevereiro/2015 SOBRE A PESQUISA Esta pesquisa tem como objetivo entender o nível de maturidade em que as indústrias paulistas se encontram em relação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO I - Aspectos Gerais... 2 II - Proteção da Informação... 2 III - Responsabilidades... 3 IV - Informações Confidenciais... 3 V - Informações Privilegiadas... 4

Leia mais

Cartilha do. de TI. - com ênfase na segurança das informações. Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI

Cartilha do. de TI. - com ênfase na segurança das informações. Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI Cartilha do gestor de solução de TI - com ênfase na segurança das informações Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI Apresentação O sucesso da atuação do Tribunal de Contas da União depende

Leia mais

ANEXO I Solicitação de acesso à rede corporativa (S.A.R.C) Poder Executivo do (RS) Cadastramento Bloqueio Desbloqueio Exclusão Justificativa Nome: Setor: Função: CPF: Identidade: Matricula: Ramal: Nome

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E OUTRAS AVENÇAS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E OUTRAS AVENÇAS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E OUTRAS AVENÇAS EQUATORIAL NEGÓCIOS INTELIGENTES LTDA, com sede em Goiânia/GO, à av. Paranaíba nº 538 Setor Central, inscrita no CNPJ nº 09.416.292/0001-12, neste ato

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA LOTE ITEM UN DESCRIÇÃO QUANTIDADE ENVIO DE MENSAGENS SHORT MESSAGE. no N

TERMO DE REFERÊNCIA LOTE ITEM UN DESCRIÇÃO QUANTIDADE ENVIO DE MENSAGENS SHORT MESSAGE. no N TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ENVIO DE MENSAGENS SMS SHORT MESSAGE SERVICE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Responsável: Superintendência Central de Governança Eletrônica Objeto LOTE ITEM

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 006/2014 EMENTA: Aprova Normas da Política de

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Alberto Fávero Ernst & Young Terco 28/05/2013

Alberto Fávero Ernst & Young Terco 28/05/2013 Alberto Fávero Ernst & Young Terco 28/05/2013 Painel Tendências e Mercado (Tecnologia / Cloud Computing) Alberto Fávero Alberto é Sócio de IT Risk & Assurance da Ernst & Young. Possui mais de 23 anos de

Leia mais

Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados?

Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados? Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados? Expectativa de 20 minutos Uma abordagem prática e sensata de usar os Serviços em Nuvem de forma segura. Segurança nas Nuvens O que é? Quais as Vantagens das

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Dispõe acerca de normas referentes à segurança da informação no âmbito da CILL Informática S/A. Goiânia-Go, novembro de 2015 Política de Segurança da Informação CILL

Leia mais

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós!

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós! Prezado Colaborador, O conteúdo desta cartilha tem como objetivo compartilhar alguns conceitos relacionados ao tema Segurança da Informação. Além de dicas de como tratar os recursos e as informações corporativas

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PR 29/07/2013 Instrução Normativa Nº 24/2013 Assunto: Institui a Política

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Capítulo: Proteção às Informações

Capítulo: Proteção às Informações Visão Geral 2 a 1 / 5 1 Para o, Inc., denominada a Empresa, as informações representam um ativo crucial. A proteção e utilização adequadas de informações em nossa posse são fundamentais para que a empresa

Leia mais

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 2 Sumário 1. Introdução...3 2. Postura pessoal e profissional...4 3. Relacionamento com público interno...6 4. Relacionamento

Leia mais

Política de segurança da INFORMAÇÃO

Política de segurança da INFORMAÇÃO Política de segurança da INFORMAÇÃO 1 - VISÃO GERAL Esse documento apoia o SGSI e se aplica a todos os empregados, estagiários e terceiros que utilizam as informações da Montreal de forma a atender: As

Leia mais

Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL

Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL O objetivo deste documento é informar aos fornecedores dos pontos e valores fundamentais de nosso processo de compras. A GS1 Brasil mantém a ética, a transparência

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale Comparação das práticas de governança corporativa adotadas pela VALE com aquelas adotadas pelas companhias norte-americanas em cumprimento às exigências da Bolsa de Valores de Nova Iorque De acordo com

Leia mais

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta 1 de 7 Revisão Data Assunto / revisão / modificação 00 16/04/15 Emissão Inicial. Nome Cargo Data Assinatura Consultor / Gerente EMITENTE Maciel Amaro Técnico / RD Valéria Ap. R. Amaro Diretora administrativa

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Sistema de Gestão da Segurança da Informação (SGSI) (Material Complementar)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Sistema de Gestão da Segurança da Informação (SGSI) (Material Complementar) Estratégias em Tecnologia da Informação Sistema de Gestão da Segurança da Informação (SGSI) (Material Complementar) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Teste: sua empresa está em conformidade com a ISO17799?

Teste: sua empresa está em conformidade com a ISO17799? 44 Novembro de 2002 Teste: sua empresa está em conformidade com a ISO17799? O artigo deste mês tem cunho prático e o objetivo de auxiliá-lo a perceber o grau de aderência de sua empresa em relação às recomendações

Leia mais

Política de Segurança da informação e Comunicação

Política de Segurança da informação e Comunicação Política de Segurança da informação e Comunicação 2015-2017 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autores 28/04/2015 1.0 Elementos textuais preliminares Jhordano e Joilson 05/05/2015 2.0 Elementos

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro ABNT NBR ISO/IEC 27002 Introdução Termos e definições Ativo: Qualquer coisa que possua valor para organização; Controle: Forma

Leia mais

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Setembro de 2010

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Setembro de 2010 FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE PRIVACIDADE A. Propósito Setembro de 2010 A Franklin Electric Co., Inc. e suas subsidiárias e afiliadas (em conjunto, a Empresa ) têm o compromisso de proteger a

Leia mais

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA TC/MS N 100, de 18 de novembro de 2009.

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA TC/MS N 100, de 18 de novembro de 2009. RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA TC/MS N 100, de 18 de novembro de 2009. Dispõe sobre a Política Corporativa de Segurança da Informação do Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

Leia mais

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA APRESENTAÇÃO Este é o Código de Conduta da Net Serviços de Comunicação S.A. e de suas controladas ( NET ). A NET instituiu este Código de Conduta norteado

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Os Desafios da Segurança para Mobilidade

Os Desafios da Segurança para Mobilidade Os Desafios da Segurança para Mobilidade Antes de começarmos, observem alguns dados importantes 2 Uma pesquisa de usuários móveis mostra que um em cada três usuários perdem seus dispositivos móveis Aproximadamente

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais