Sondagem Industrial. Ano 1 - nº 2-1º trimestre de 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sondagem Industrial. Ano 1 - nº 2-1º trimestre de 2009"

Transcrição

1 Ano 1 - nº 2-1º trimestre de 2009 A procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o provável desempenho futuro da indústria alagoana à vista da expectativa dos empresários sobre as diretrizes e estratégias a serem seguidas na condução de seus negócios. São avaliados os indicadores Nível de Atividade, Estoques e Lucratividade do trimestre anterior, as expectativas para os próximos seis meses e os principais problemas enfrentados pelas empresas. R E S U M O E X E C U T I V O No primeiro trimestre de 2009, a economia brasileira sofreu considerável desaceleração no ritmo de crescimento de sua atividade produtiva em razão da queda acentuada da produção industrial, mais especificamente dos setores produtores de bens de capital e de consumo duráveis. Alguns fatores contribuíram para tal desempenho: a) racionamento das linhas de financiamento dos bancos públicos e privados, não obstante todo o esforço do Banco Central para expandir a liquidez do sistema por meio da redução do compulsório bancário; e b) aumento dos estoques provocado pela interrupção das linhas de crédito e aumento da incerteza seja dos consumidores, seja das empresas. A retomada da produção industrial e dos investimentos, indubitavelmente, dependerão da recuperação dos mecanismos de financiamento como também da confiança dos consumidores e dos empresários, sem falar da normalização dos níveis de exportação, principalmente dos bens manufaturados, que têm sido prejudicadas pelo ritmo de atividade em nível da economia global como pelo processo de apreciação da taxa de câmbio, que compromete a competitividade das empresas e suas respectivas margens de lucro. Os dados obtidos na no primeiro trimestre de 2009, de maneira semelhante aos observados no trimestre anterior, exibem avaliação distinta para as MPE e as médias e grandes empresas. No caso das primeiras, tanto em relação a 2008 como ao trimestre imediatamente anterior, apresentou maior estabilidade na maioria dos indicadores avaliados, com exceção à variação dos níveis de estoques. Enquanto as grandes e médias sentiram de maneira pronunciada os efeitos da desaceleração no nível de atividade econômica observado em nível nacional, principalmente em função da estratégia adotada pelo setor sulcroalcooleiro, que para fazer frente à crise e a escassez de crédito, aumentou o volume de vendas para o mercado interno objetivando fazer caixa e se financiar. Do ponto de vista das expectativas dos empresários para a economia seis meses à frente, a mediana das respostas são bastante satisfatórias tanto para as MPE como para as médias e grandes empresas. E as razões estão no comportamento diferenciado da economia nordestina frente à crise. As estimativas da Datamétrica são de crescimento de 1% para economia do NE em contra uma taxa negativa de -0,19 para o Brasil neste mesmo ano - e de 4% para Por sua vez, os dados têm demonstrado que o NE tem sido menos afetado pela conjuntura adversa basicamente em razão de Três fatores: i) menor peso da industria pesada, mais especificamente bens de consumo duráveis e de capital, que é mais dependente de financiamentos de longo prazo; ii) o percentual dos que ganham até um salário mínimo, que vem obtendo ganhos reais, e o peso do setor público na geração de emprego é significativo no Nordeste e tem contribuído para sustentar a massa salarial; e iii) o NE é a região com maior participação nos programas sociais e este ano deve receber cerca de R$ 14,3 bilhão, 44,8% acima do segundo colocado que é o Sudeste. Alagoas, ainda de acordo com a Datamétrica, deverá crescer 0,8% este ano e cerca de 3,8% no próximo ano acompanhando a recuperação do crescimento da economia nordestina e brasileira. As projeções para 2009 da transferência de recursos pelos programas do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome para Alagoas é da ordem de R$ 960 milhões, beneficiando 2,5 milhões de pessoas. A redução da produção de açúcar por parte de um player tão importante como a Índia e a valorização dos preços desta commoditie no mercado internacional têm contribuído para melhoria das expectativas do setor sucroalcooleiro alagoano em relação à próxima safra. As estimativas do setor são de aumento da produção e do preço médio em nível internacional para a safra 2009/2010. Informativo da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas

2 NÍVEL DE ATIVIDADE A avaliação dos empresários das MPE no primeiro trimestre de 2009 em relação ao mesmo período no ano anterior, ver gráfico nº 1, é de estabilidade para o nível de utilização da capacidade instalada, mas com um discreto viés de evolução negativa na freqüência das respostas quanto ao comportamento dos indicadores volume de produção e evolução do número de empregados. No tocante as médias e grandes empresas a discrepância é maior na comparação das avaliações dos dois trimestres em relação ao volume de produção e utilização da capacidade instalada em função do aumento da produção e conseqüente formação de estoques por parte das médias e grandes empresas, mais especificamente usinas, no último trimestre de A comparação do primeiro trimestre de 2009 com o trimestre imediatamente anterior, conforme gráfico nº 2, reflete tanto a sazonalidade do setor sucroalcooleiro como este efeito cíclico potencializado pela estratégia adotada por estas empresas para fazer frente a crise do subprime : devido a escassez de linhas de crédito (ACC) foram obrigadas a aumentar o volume de vendas para o mercado interno para fazer caixa, o que contribuiu para o aumento da produção e do nível de utilização da capacidade instalada no quarto trimestre de 2008 e um efeito mais acentuado de retração no trimestre seguinte. A maior estabilidade na freqüência das respostas das MPE exibidas nos gráficos nº 1 e nº 2 abaixo, mesmo que com discreto viés de baixa, ratifica tendência já observada na Sondagem passada que estas empresas estão sendo menos impactadas pela crise em razão de vários fatores, dentre os quais: aumento do salário mínimo; menor dependência de mecanismos de crédito de longo prazo - já que a maioria produz bens de consumo não duráveis de menor valor agregado; se beneficiar da demanda gerada pelos programas de transferência de renda, por ter no público da base da pirâmide um importante mercado. Ademais, estas empresas são muito dependentes do mercado interno alagoano que teve os efeitos da crise atenuado pelo fato da folha de pagamento do setor público nos três níveis ser um forte indutor da dinâmica da demanda doméstica. 1

3 NÍVEL DE ESTOQUES O nível dos estoques na avaliação das MPE, quando comparado com mesmo trimestre do ano anterior, como pode ser observado no gráfico nº 3, é de recuperação à estabilidade com variação bem mais pronunciada na freqüência das respostas dos empresários em relação aos estoques planejados no primeiro trimestre de Nos primeiros três meses de 2008 a economia estava crescendo em ritmo muito forte, o que implicou queda acentuada no nível dos estoques, todavia, a desaceleração da economia ao final deste mesmo ano, apesar de impactar menos as MPE, os levou a se aproximar de patamar pouco abaixo da estabilidade. No que tange às médias e grandes empresas, se observa em relação ao nível dos estoques processo de ajuste menos acentuado ao ocorrido nas MPE, enquanto que no planejado, em razão das explicações dadas na análise do volume de produção, houve oscilação mais forte entre os níveis acima e abaixo do previsto na comparação dos dois trimestres. Na avaliação tomando-se como referência o período imediatamente anterior, gráfico nº 4, se observa para as MPE relativa estabilidade tanto dos níveis de estoques como no tocante ao que os empresários haviam planejado, o que corrobora o ponto de vista de maior ajustamento das MPE ao período de crise seja em virtude de possuir estrutura mais flexível, seja porque têm sofrido menos os seus reflexos negativos. No que diz respeito às médias e grandes empresas, na comparação com igual período, verifica-se oscilação acentuada em ambos os níveis de estoques em virtude, basicamente, dos seguintes aspectos: queima de estoques das empresas para fazer caixa e reduzir o custo de oportunidade financeiro e, no caso específico das usinas, para financiar a própria produção em virtude do esgotamento das linhas de ACC. 2

4 VARIAÇÃO DA LUCRATIVIDADE A relativa estabilidade dos indicadores de lucratividade para o caso das MPE, seja na comparação com o primeiro trimestre de 2008, seja em relação ao trimestre imediatamente anterior, ver gráficos nº 5 e nº 6, ratifica a análise realizada nesta Sondagem que a crise continua impactando de forma diferenciada estas empresas, principalmente, em razão dos segmentos de renda que constituem a base da pirâmide beneficiários dos programas de transferência de renda do Governo Federal assim como o enorme contingente de funcionários públicos terem sido pouco afetados. A continuidade destes programas e os incentivos à indústria da construção civil são fatores que poderão sustentar a estabilidade da lucratividade dessas empresas ao longo de No tocante as médias e grandes empresas, como era de se esperar, a escassez de crédito associado ao aumento no custo dos financiamentos e a retração das vendas, também dependentes de mecanismos de financiamento, contribuíram para a deterioração do lucro operacional e da situação financeira destas empresas na comparação com mesmo período em 2008, como em relação ao trimestre imediatamente anterior. As Usinas estão em uma situação financeira difícil, inclusive para saldar suas dívidas com bancos e fornecedores, devido à falta de crédito. 3

5 EXPECTATIVAS PRÓXIMOS 6 MESES De maneira geral, as expectativas para a maioria dos indicadores de Sondagem apresentados no gráfico nº 7 são de melhoria das perspectivas econômicas das MPE como das grandes e médias empresas, principalmente quando se inclui na amostra as Usinas. Estes resultados captados pela freqüência das respostas das empresas traduzem a idéia de que a economia brasileira sairá mais rápido da crise, com o processo de recuperação mais acelerado se dando a partir do quarto trimestre de 2009, na medida em que suas exportações serão alavancadas pelo crescimento da economia chinesa e seu mercado interno pelos programas de investimento em infra-estrutura do PAC, maior oferta de crédito por parte dos bancos oficiais e estimulo à construção civil. No tocante as perspectivas para o desempenho da economia do Nordeste, se estima crescimento de aproximadamente 1% em 2009 ano em que o Brasil deverá registrar taxa negativa e de mais de 4% em Três fatores principais estariam permitindo uma melhor performance da economia nordestina frente à crise: i) o peso da industria pesada, mais especificamente bens de consumo duráveis e de capital, que é mais dependente de financiamentos de longo prazo é muito pequeno na região; ii) o percentual dos que ganham até um salário mínimo, que vem obtendo ganhos reais, e o peso do setor público na geração de emprego é significativo no Nordeste e tem contribuído para sustentar a massa salarial; e iii) o NE é a região com maior participação nos programas sociais e este ano deve receber cerca de R$ 14,3 bilhão, 44,8% acima do segundo colocado que é o Sudeste. Alagoas, de acordo com a Datamétrica, deverá crescer 0,8% este ano e cerca de 3,8% no próximo ano acompanhando a recuperação do crescimento da economia nordestina e brasileira. As projeções para 2009 da transferência de recursos pelos programas do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome para Alagoas é da ordem de R$ 960 milhões, beneficiando 2,5 milhões de pessoas. A redução da produção de açúcar por parte de um player tão importante como a Índia e a valorização dos preços desta commoditie no mercado internacional têm contribuído para melhoria das expectativas do setor sucroalcooleiro alagoano em relação à próxima safra. As estimativas do setor são de aumento da produção e do preço médio em nível internacional para a safra 2009/2010. PRINCIPAIS PROBLEMAS Como já observado em Sondagens anteriores, as questões macroeconômicas impactam de forma diferenciada nos problemas enfrentados pelas MPE, médias e grandes empresas, conforme gráfico nº 8. A carga tributária elevada é o único problema, do elenco apresentado aos empresários, que afetam com relativa intensidade grande, médias, pequenas e micro empresas. É importante destacar que os principais problemas enfrentados pelas médias e grandes empresas estão diretamente associado à política monetária adotada pelo Banco Central e maior aversão a risco dos bancos e instituições financeiras. O ajuste na selic em um ritmo aquém do exigido pela retração da atividade produtiva, principalmente na indústria, tem tido reflexos importantes sobre o câmbio que apresenta processo pronunciado de apreciação. A principal explicação para a mudança de posição dos investidores no mercado futuro de câmbio, ou seja, de comprado para vendido está no expressivo diferencial entre a taxa de juros selic e as taxas básicas dos países desenvolvidos que tem pos- 4

6 sibilitado a recomposição de operações do tipo carry trade, na qual os investidores tomam recursos emprestados em países com taxa de juros baixíssimas e aplicam no Brasil obtendo ganhos tanto nas taxas de juros como de câmbio, cujo aumento da oferta de dólares reforça a tendência de apreciação. A saída seria cortes mais expressivos na selic ou algum tipo de controle de entrada de capitais especulativos. Outro fator que tem contribuído para tal tendência está na entrada de capitais de curto prazo para aplicações em renda variável, principalmente em ações de empresas produtoras de commodities cuja valorização tem sido motivada por expectativas de retomada do ritmo de crescimento da economia chinesa, o que pode ser uma aposta bastante arriscada. O racionamento de crédito dos bancos privados e em menor proporção das instituições públicas tem elevado os juros que juntamente com o acirramento da competição nos mercados impactam negativamente nas margens de lucro das médias e grandes empresas. NOTAS TÉCNICAS A Sondagem industrial é elaborada pela Unidade Pesquisa Industrial da FIEA. A construção da amostra teve como base o Cadastro de Estabelecimentos Empregadores (CEE) do Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE), anobase 2005 e do Cadastro Industrial da FIEA (2006). A metodologia de geração das amostras é conhecida como Amostragem Probabilística. Os parâmetros de precisão e confiança foram especificados em precisão de 5% e nível de confiança de 95%. As informações solicitadas são de natureza qualitativa e resultam do levantamento direto com base em questionário próprio, cada pergunta permite cinco alternativas excludentes a respeito da evolução ou expectativa de evolução da variável em questão. As alternativas estão associadas, da pior para a melhor, aos escores 0, 25, 50, 75 e 100. As perguntas relativas à sondagem propriamente dita (nível de atividade, estoques e lucratividade e situação financeira) têm como 5

7 Autorizada a reprodução desde que citada a fonte. Indicadores de Desempenho Publicação mensal da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas - FIEA Federação das Indústrias do Estado de Alagoas - FIEA Presidente José Carlos Lyra de Andrade 1º Vice-presidente (supervisão) José da Silva Nogueira Filho Unidade Técnica UNITEC/FIEA Coordenador Helvio Vilas Boas Elaboração Núcleo de Pesquisas do IEL/AL Coordenadora Eliana Sá - (82) Informações Técnicas Reynaldo Rubem Ferreira Júnior - (82) /3079 Luciana Santa Rita - (82) /3079 Diagramação Unidade Corporativa de Comunicação Social - UNICOM Endereço: Av. Fernandes Lima, Farol Edifício Casa da Indústria Napoleão Barbosa 6º andar - CEP:

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Abril de 2016 Publicado em Junho de 2016 PIB do 1º Trimestre de 2016: Fundo do Poço à Vista? A evolução do PIB brasileiro no primeiro trimestre de 2016, conforme dados publicados

Leia mais

PANORAMA CONJUNTURAL

PANORAMA CONJUNTURAL PANORAMA CONJUNTURAL A Frágil Recuperação da Indústria Agosto de 2016 Publicado em Outubro de 2016 A retração de 3,8% da produção indústrial na passagem de julho para agosto, não só anulou os aumentos

Leia mais

S O N D A G E M I N D U S T R I A L R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS 1º TRIMESTRE DE 2008.

S O N D A G E M I N D U S T R I A L R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS 1º TRIMESTRE DE 2008. S O N D A G E M I N D U S T R I A L / R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1º TRIMESTRE DE 8. Em qualquer relatório financeiro que possa influenciar a decisão de alocação de recursos,

Leia mais

S O N D A G E M I N D U S T R I A L R S. FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Janeiro 2008.

S O N D A G E M I N D U S T R I A L R S. FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Janeiro 2008. S O N D A G E M I N D U S T R I A L / R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Janeiro 8. Expectativas positivas A Sondagem Industrial do RS é uma pesquisa

Leia mais

S O N D A G E M I N D U S T R I A L. R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Outubro de 2006.

S O N D A G E M I N D U S T R I A L. R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Outubro de 2006. S O N D A G E M I N D U S T R I A L / R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Outubro de 26. SONDAGEM INDUSTRIAL DO RIO GRANDE DO SUL III TRIMESTRE - 26

Leia mais

CBIC DA CONSTRUÇÃO 58,5 47,0. Apesar de breve melhora, empresários industriais da construção civil estão cautelosos para os próximos meses

CBIC DA CONSTRUÇÃO 58,5 47,0. Apesar de breve melhora, empresários industriais da construção civil estão cautelosos para os próximos meses DA CONSTRUÇÃO CBIC Palmas, Tocantins - Ano IV, Nº 13, Julho/Setembro de 2014 Apesar de breve melhora, empresários industriais da construção civil estão cautelosos para os próximos meses Seguindo trajetória

Leia mais

SET/16 AGO/16. 52,9 43,9 48,4 Queda da produção. 47,1 46,0 47,4 Queda no número de empregados 67,0 66,0 71,2 Redução no uso da capacidade

SET/16 AGO/16. 52,9 43,9 48,4 Queda da produção. 47,1 46,0 47,4 Queda no número de empregados 67,0 66,0 71,2 Redução no uso da capacidade Indicador PRODUÇÃO NÚMERO DE EMPREGADOS UTILIZ. DA CAPACIDADE INSTALADA (UCI) - % UCI EFETIVA- USUAL EVOLUÇÃO DOS ESTOQUES ESTOQUE EFETIVO- PLANEJADO MÉDIA HIST. Setembro e 3º trimestre de 2016 Produção

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL EXPECTATIVAS SÃO NEGATIVAS PARA O INÍCIO DE 2016

SONDAGEM INDUSTRIAL EXPECTATIVAS SÃO NEGATIVAS PARA O INÍCIO DE 2016 SONDAGEM INDUSTRIAL ANO 16 #12 DEZ 2015 EXPECTATIVAS SÃO NEGATIVAS PARA O INÍCIO DE 2016 No encerramento de 2015 os indicadores da sondagem industrial mostraram que a atividade encerrou o ano em queda

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS Indicadores dos Níveis de Atividade e Emprego mantém tendência de retração na Indústria da Construção de Alagoas e do Nordeste no 4º Trimestre de 2015 4º TRI/2015

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS Indicadores do Nível de Atividade e Empregos registraram queda na Indústria da Construção de Alagoas e do Nordeste no 2º Trimestre de 2014 2º TRI/2014 2 SONDAGEM

Leia mais

Sondagem Industrial do Estado de São Paulo

Sondagem Industrial do Estado de São Paulo Sondagem Industrial do Estado de São Paulo Produção atinge pior resultado da série histórica no mês de dezembro Janeiro/2014 Indicador nov/14 dez/14 O que representa Produção 42.9 30.5 Número de Empregados

Leia mais

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009 Principais pontos Relatório de Inflação Banco Central ATIVIDADE ECONÔMICA As medidas anticíclicas vêm se traduzindo em melhoras recentes. A economia brasileira apresenta sinais de gradual recuperação.

Leia mais

ANO 17. #02. FEV 2016

ANO 17. #02. FEV 2016 ANO 17. #02. FEV 2016 SONDAGEM INDUSTRIAL - MG ATIVIDADE MOSTRA MELHORA EM RELAÇÃO A 2015 Em fevereiro os indicadores de atividade industrial mostraram melhora em relação ao mês anterior e alguns indicadores

Leia mais

Figura 1: Sondagem industrial Brasil

Figura 1: Sondagem industrial Brasil O boletim do mês de novembro mostra a evolução do volume de produção, a utilização da capacidade instalada (UCI) e a evolução do número de empregados na indústria. Além disso, há uma análise sobre o índice

Leia mais

Sondagem Industrial. Ano 2 - nº 1-1º trimestre de 2010

Sondagem Industrial. Ano 2 - nº 1-1º trimestre de 2010 A procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o provável desempenho futuro da indústria

Leia mais

Resultados de junho 2015

Resultados de junho 2015 Resultados de junho No 1º semestre de, as micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas apresentaram queda de 11,9% no faturamento real sobre o mesmo período de 2014 (já descontada a inflação). O resultado

Leia mais

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - CIESP Campinas (SP) 29 de julho de 2009 1 CIESP Campinas - 29/07/09 Crise de 2008 breve histórico Início:

Leia mais

Sondagem Industrial do RN: Indústrias Extrativas e de Transformação

Sondagem Industrial do RN: Indústrias Extrativas e de Transformação Atividade industrial potiguar volta a crescer em maio RESUMO E COMENTÁRIOS A Sondagem das indústrias Extrativas e de do Rio Grande do Norte, elaborada pela FIERN, mostra que, em maio, o nível de produção

Leia mais

INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS

INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS Custos industriais aceleram ao longo de 2015 e fecham o ano com crescimento de 8,1% O Indicador de Custos Industriais (ICI) apresentou crescimento dessazonalizado de 3,3%

Leia mais

PESQUISA DE INVESTIMENTO ALAGOAS

PESQUISA DE INVESTIMENTO ALAGOAS PESQUISA DE INVESTIMENTO ALAGOAS Crise impacta nos investimentos da indústria em Alagoas Indicador que mede a disseminação da decisão de investimento das indústrias alagoanas apresenta intensa redução

Leia mais

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 186/15 02/12/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Novembro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Outubro

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Rio de Janeiro 3º trimestre de 2011 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, OUTUBRO DE 2011 04 2011 A economia brasileira

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO ACRE - FIEAC Assessoria Econômica SONDAGEM INDUSTRIAL BOLETIM 3º TRIMESTRE 2005

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO ACRE - FIEAC Assessoria Econômica SONDAGEM INDUSTRIAL BOLETIM 3º TRIMESTRE 2005 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO ACRE - FIEAC Assessoria Econômica SONDAGEM INDUSTRIAL BOLETIM 3º TRIMESTRE 25 RIO BRANCO/OUTUBRO-25 SONDAGEM INDUSTRIAL RESULTADOS ACRE Assessoria Econômica do Sistema

Leia mais

Indústria da construção mostra pequenos sinais de melhora

Indústria da construção mostra pequenos sinais de melhora SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 9 setembro de 2012 www.cni.org.br Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Desempenho menos negativo ainda não aponta

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

Pioram as condições de financiamento para capital de giro

Pioram as condições de financiamento para capital de giro Especial Financiamento para capital de giro - 1º trimestre de 2016 Pioram as condições de financiamento para capital de giro A relação entre a evolução da dívida e o lucro operacional aumentou para 39,5%

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Dezembro de 2014 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial no Ano de 2014... 4 3.

Leia mais

Volume Total de Crédito

Volume Total de Crédito Parte I Volume de Crédito A) Recursos Livres e Recursos Direcionados Período R$ milhões Variação % Junho2005 535.594 Junho2015 3.102.172 490,2% Volume Total de Crédito 4.000.000 2.000.000 R$ milhões B)

Leia mais

Brasil e SP fecharam postos de trabalho em todos os setores da economia

Brasil e SP fecharam postos de trabalho em todos os setores da economia Brasil e SP fecharam postos de trabalho em todos os setores da economia Os dados de março de 2016 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) reafirmam a desaceleração do mercado de trabalho.

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL - MG EXPECTATIVAS APONTAM TENDÊNCIA DE MELHORA NA ATIVIDADE

SONDAGEM INDUSTRIAL - MG EXPECTATIVAS APONTAM TENDÊNCIA DE MELHORA NA ATIVIDADE ANO 17. #07. JUL 2016 SONDAGEM INDUSTRIAL - MG EXPECTATIVAS APONTAM TENDÊNCIA DE MELHORA NA ATIVIDADE No mês de julho os indicadores de atividade apresentaram recuo mais intenso do que no mês anterior,

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de

Leia mais

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS Sumário BALANÇO DE 2016 SONDAGEM DE EXPECTATIVAS DA INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO PERSPECTIVAS 2 Como começamos 2016 BALANÇO 2016 Inflação de preços livres se manteve

Leia mais

Construção encerra o semestre em crescimento

Construção encerra o semestre em crescimento SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 2 Número 6 junho de 2011 www.cni.org.br Destaques Análise Econômica Indústria da construção retoma ritmo de crescimento

Leia mais

Brasil - PIB Trimestral 2010.IV 2010.II 2011.II 2010.III 2011.I

Brasil - PIB Trimestral 2010.IV 2010.II 2011.II 2010.III 2011.I 2009.II 2009.III 2009.IV 2010.I 2010.II 2010.III 2010.IV 2011.I 2011.II 2011.III 2011.IV 2012.I 2012.II 2012.III 2012.IV 2013.I PIB 1º trimestre de 2013 29/05/13 O produto interno bruto (PIB) do 1º trimestre

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI ISSN 2317-7322 Ano 6 Número 6 Junho de SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Cenário negativo se amplia O cenário adverso para as empresas da indústria da construção persiste em junho, com impactos

Leia mais

IndústriABC. Ano I - Agosto/2016. Região do Grande ABC / SP X = 50 0 X < avaliação otimista - estoque acima do planejado - UCI acima do usual

IndústriABC. Ano I - Agosto/2016. Região do Grande ABC / SP X = 50 0 X < avaliação otimista - estoque acima do planejado - UCI acima do usual Segundo estimativa do próprio governo, a economia brasileira em 20 deverá apresentar outra retração, em torno de 3,1%. No primeiro trimestre deste ano, comparado a igual período do ano anterior, a retração

Leia mais

Cenário Moveleiro. Análise econômica e suporte para as decisões empresariais. Número 01/2006. Cenário Moveleiro Número 01/2006 1

Cenário Moveleiro. Análise econômica e suporte para as decisões empresariais. Número 01/2006. Cenário Moveleiro Número 01/2006 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Número 01/2006 Cenário Moveleiro Número 01/2006 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

Para além da política macroeconômica. Geraldo Biasoto Junior

Para além da política macroeconômica. Geraldo Biasoto Junior Para além da política macroeconômica Geraldo Biasoto Junior Agosto de 2010 Política econômica no Brasil Cisão entre a macro e a microeconomia Taxa de juros = instrumento exclusivo de política econômica

Leia mais

173/15 30/10/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

173/15 30/10/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 173/15 30/10/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Outubro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Setembro

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI ISSN 2317-7322 Ano 5 Número 12 Dezembro de SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Dificuldades da construção se ampliam no fim de O quadro de desaquecimento na indústria da construção, que já

Leia mais

Perspectivas positivas para a construção civil

Perspectivas positivas para a construção civil Edição de lançamento dezembro de 2009 www.cni.org.br Destaques APRESENTAÇÃO Pág. 02 nível de atividade Nível de atividade cresceu em dezembro Pág. 03 situação financeira Margem de lucro é mais que satisfatória

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Indicadores de Desempenho Julho de 2014

Indicadores de Desempenho Julho de 2014 Alguns fatores contribuiram para acentuar a desaceleração da produção industrial, processo que teve início a partir de junho de 2013 como pode ser observado no gráfico nº 1. A Copa do Mundo contribuiu

Leia mais

EXPECTATIVAS DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO MELHORAM EM DEZEMBRO

EXPECTATIVAS DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO MELHORAM EM DEZEMBRO (0-200) EXPECTATIVAS DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO MELHORAM EM DEZEMBRO O de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) atingiu 79,9 pontos em dezembro, com queda de 1,4% em relação a novembro, descontados

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Junho de 2016 SUMÁRIO EMPREGO, RENDA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar Cana-de-açúcar 85 86 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 DÉFICIT NA PRODUÇÃO MUNDIAL DE AÇÚCAR, AUMENTO DA DEMANDA E QUEDA NOS ESTOQUES MANTERÃO TENDÊNCIA DE PREÇOS ALTOS A perspectiva é de

Leia mais

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA Quatro desafios da economia da América Latina em 2015 Crescimento moderado da economia global; Queda do preço das comodities

Leia mais

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira de Crédito no SFN Em 2016, o mercado de crédito fechou com retração de 3,5%. Esta performance frustrante reflete o processo de desalavancagem das famílias e

Leia mais

Carta ao Cotista Julho Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Julho Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Julho 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional A economia chinesa expandiu-se 7% no primeiro semestre, o resultado foi ligeiramente melhor do que o previsto pelo mercado. Dados recentes

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Rio de Janeiro Balanço de 2011

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Rio de Janeiro Balanço de 2011 GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Rio de Janeiro Balanço de 2011 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, FEVEREIRO DE 2012 08 2012 O ano de 2011 foi marcado

Leia mais

Maior desaceleração e alerta para inadimplência

Maior desaceleração e alerta para inadimplência jan/11 jul/11 jan/11 jul/11 Maior desaceleração e alerta para inadimplência O crescimento do crédito total do SFN em 12 meses desacelerou 0,7 p.p. em abril, fechando em 10,, totalizando R$ 3,1 trilhões,

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Março de 2016 SUMÁRIO EMPREGO, REN DA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

Endividamento das Grandes Empresas. Fonte: Nota do Centro de Estudos do Instituto IBMEC (CEMEC), Agosto/2016

Endividamento das Grandes Empresas. Fonte: Nota do Centro de Estudos do Instituto IBMEC (CEMEC), Agosto/2016 Endividamento das Grandes Empresas Fonte: Nota do Centro de Estudos do Instituto IBMEC (CEMEC), Agosto/2016 Sumário A partir de dados das demonstrações contábeis de uma amostra de 605 empresas não financeiras

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão?

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO Observa-se tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento quedas generalizadas do crescimento

Leia mais

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 O papel da construção no desenvolvimento sustentado Há cinco anos, o setor da construção iniciou um ciclo virtuoso de crescimento: Esse ciclo foi pavimentado

Leia mais

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Maio 2017 mai/15 jun/15 jul/15 ago/15 set/15 out/15 nov/15 dez/15 jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Janeiro de 2017 SUMÁRIO EMPREGO, RENDA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

S O N D A G E M I N D U S T R I A L R S. FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Outubro de 2006.

S O N D A G E M I N D U S T R I A L R S. FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Outubro de 2006. S O N D A G E M I N D U S T R I A L / R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Outubro de 6. ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO RIO INDUSTRIAL DO RIO GRANDE

Leia mais

Banco de Dados Nov/10

Banco de Dados Nov/10 Banco de Dados Nov/10 Movimento mundial de desvalorização do dólar. Enfraquecimento da moeda americana. Moedas asiáticas Tailândia, Malásia, Cingapura. Moedas dos países do leste europeu: Hungria, Polônia,

Leia mais

Especial Energia e Indústria 3º trimestre de 2015

Especial Energia e Indústria 3º trimestre de 2015 Especial Energia e Indústria 3º trimestre de 2015 Programas de eficiência energética é a principal medida para enfrentar o aumento do custo da energia A Sondagem Industrial do RS do 3º trimestre de 2015

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Boletim 1112/2016 Ano VIII 01/12/2016 Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Nível de ocupação melhorou porque foram gerados 111 mil postos de trabalho

Leia mais

Elevação na taxa de juros média

Elevação na taxa de juros média Elevação na taxa de juros média Carteira de Crédito no SFN Apesar da projeção de um crescimento nominal de 2,0% em 2017 pelo Banco Central, o ritmo de queda do estoque de crédito intensificou-se em janeiro.

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 01 e 04 de Novembro de 2016 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações

Leia mais

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Outubro/2011 Cenário para as Micro e Pequenas Empresas Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Números das Micro e Pequenas Empresas no Brasil 2 Micro e pequenas empresas (até 99 funcionários)

Leia mais

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Neste edição especial do boletim Mercado de trabalho do CEPER-FUNDACE, serão comparados dados do Cadastro Geral de Empregados e

Leia mais

Março/2016. Novas Projeções para Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março/2016. Novas Projeções para Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março/2016 Novas Projeções para 2016 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Atividade econômica nos últimos meses e resultado do PIB no quarto trimestre e em 2015 2 A sequencia de resultados

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Especial: Mercado de Trabalho (resultados de 2012) Abril/13 Especial: Mercado de trabalho Este especial é um suplemento dos Indicadores Sebrae-SP, que traz dados inéditos sobre o

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL DE SC Agosto de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL DE SC Agosto de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL DE SC Agosto de 2015 Perspectivas continuam em baixa A Sondagem industrial, realizada junto a 169 indústrias catarinenses no mês de agosto, mostrou que as expectativas da indústria

Leia mais

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Crescimento chinês da construção Taxa de crescimento entre 2007 a 2012 90% 82,61% 83,30% 80% 76,70% 70% 68,07% 60% 50% 40% 41,8% 30% 20% 10% 9,95%

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS ABRIL/2015 Resumo DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 2 Consumo aparente mensal R$ bilhões constantes*

Leia mais

IMPE INDICADORES DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESULTADOS DE MAIO DE 2007

IMPE INDICADORES DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESULTADOS DE MAIO DE 2007 IMPE INDICADORES DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESULTADOS DE MAIO DE 2007 Rio de Janeiro, 10 de julho de 2007 ÍNDICE ÍNDICE...1 1 Introdução...2 2 Índice de Desempenho (IDES)

Leia mais

Portugal: o PIB do 3T surpreende em alta e acelera para 0,8% t/t

Portugal: o PIB do 3T surpreende em alta e acelera para 0,8% t/t dezembro 6 ANÁLISE ECONÓMICA Portugal: o PIB do 3T surpreende em alta e acelera para,8% t/t Myriam Montañez O crescimento da economia portuguesa durante o 3T de 6 alcançou os,8% t/t, um nível consideravelmente

Leia mais

A produção industrial caiu 1,6% em junho: Quatorze meses de estagnação

A produção industrial caiu 1,6% em junho: Quatorze meses de estagnação A produção industrial caiu 1,6% em junho: Quatorze meses de estagnação Resumo * A produção industrial voltou a registrar fraco desempenho em junho. * Com o resultado de junho, completam-se quatorze meses

Leia mais

O Plano Real e a Micro e Pequena Empresa (MPE) Paulista

O Plano Real e a Micro e Pequena Empresa (MPE) Paulista SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISAS ECONÔMICAS O Plano Real e a Micro e Pequena Empresa (MPE) Paulista (Relatório de Pesquisa) Execução: Julho 1998 Sumário 1.

Leia mais

O crescimento brasileiro é sustentável?

O crescimento brasileiro é sustentável? O crescimento brasileiro é sustentável? Adalmir Marquetti * RESUMO - O presente texto discute as condições necessárias para a continuidade da retomada do crescimento nos próximos anos. Aponta-se que há

Leia mais

Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil

Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil Reinaldo Gonçalves Professor titular Instituto de Economia - UFRJ 1 2 3 Hipótese central apesar de haver melhoras nos indicadores de vulnerabilidade

Leia mais

Conjuntura econômica: Cenários e Desafios

Conjuntura econômica: Cenários e Desafios Conjuntura econômica: Cenários e Desafios Sinergia -abril de 2014 Patrícia Toledo Pelatieri Elementos para Reflexão O cenário recente é carregado de muita incerteza, o que gera um pessimismo muito além

Leia mais

Resultados do ano de 2008

Resultados do ano de 2008 Resultados do ano de 2008 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

INDICADORES DE COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA

INDICADORES DE COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Indicadores CNI INDICADORES DE COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Indústria brasileira perde participação na economia mundial A indústria brasileira continua a apresentar desempenho negativo no mercado mundial,

Leia mais

CHEGADA DO NATAL MARCA INTERRUPÇÃO DA SEQUÊNCIA DE ALTAS NA CONFIANÇA DO COMÉRCIO

CHEGADA DO NATAL MARCA INTERRUPÇÃO DA SEQUÊNCIA DE ALTAS NA CONFIANÇA DO COMÉRCIO (0-200) CHEGADA DO NATAL MARCA INTERRUPÇÃO DA SEQUÊNCIA DE ALTAS NA CONFIANÇA DO COMÉRCIO O de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) atingiu 99,1 pontos em dezembro, ante os 98,9 pontos observados

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução O presente artigo tem

Leia mais

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 ECONOMIA SEGUE PARALISADA PAIS NÃO ENFRENTOU SUAS DIFICULDADES DE FORMA ADEQUADA AMBIENTE AFETADO POR INCERTEZAS ECONÔMICAS E DIFICULDADES

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Pecuária de Leite

Balanço 2016 Perspectivas Pecuária de Leite Pecuária de Leite 121 122 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 TENDÊNCIA MUNDIAL É DE QUEDA NA PRODUÇÃO, MAS BRASIL PODE SER EXCEÇÃO NESTE CENÁRIO A baixa demanda de importantes países importadores

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 23 e 26 de Janeiro de 2017 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL RIO GRANDE DO SUL COPA DO MUNDO

SONDAGEM ESPECIAL RIO GRANDE DO SUL COPA DO MUNDO SONDAGEM ESPECIAL COPA DO MUNDO 72,7% dos empresários da construção civil do RS esperam impactos positivos com a realização da copa do mundo 39% acredita que esses impactos se materializem entre 2012-14

Leia mais

Agosto/2014. Cenário Econômico: Mais um Ano de Baixo Crescimento. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Agosto/2014. Cenário Econômico: Mais um Ano de Baixo Crescimento. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Agosto/2014 Cenário Econômico: Mais um Ano de Baixo Crescimento Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Diversos Indicadores mostram uma Piora da Atividade Econômica no 2º Trimestre 2 A produção

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P J U L H O, 2 0 1 7 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: R$ 4,9 bilhões Saldo: R$ 525,4 bilhões Financiamentos

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Ano II Número II julho de 2016

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Ano II Número II julho de 2016 INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Ano II Número II julho de 2016 www.fieto.com.br INCERTEZA ECONÔMICA AFETA NEGATIVAMENTE OS INVESTIMENTOS DA INDÚSTRIA TOCANTINENSE A crise econômica e política presenciada em

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - Método direto

Demonstração dos Fluxos de Caixa - Método direto CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ nº. 17.098.794/0001-70 Administração CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Av. Paulista, 2300 11º andar São Paulo/SP CEP 01310-300 Fone: (11) 3555-6350

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Novembro de 2016 SUMÁRIO EMPREGO, RENDA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

Setembro/16. PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Setembro/16. PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Setembro/16 PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Resultados do PIB no 2º Trimestre de 2016 2 O PIB completa sexto trimestre seguido de queda Fonte:

Leia mais

Indústria e Comércio comprometem o desempenho da RARP em setembro de 2015

Indústria e Comércio comprometem o desempenho da RARP em setembro de 2015 Brasil, RARP e município de Ribeirão Preto fecham vagas em todos os setores Os dados do mês de setembro de 2015 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) reforçam o cenário de pouco otimismo,

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Gustavo Loyola XII CONGRESSO BRASILEIRO DE FOMENTO COMERCIAL Foz do Iguaçu (PR), abril de 2016 Estrutura 2 Cenário Internacional Cenário doméstico Conclusão Cenário

Leia mais

Indicadores econômicos Estudo das Dívidas em Atraso das Pessoas Jurídicas. SPC Brasil e CNDL. Dados referentes a novembro de 2014

Indicadores econômicos Estudo das Dívidas em Atraso das Pessoas Jurídicas. SPC Brasil e CNDL. Dados referentes a novembro de 2014 Indicadores econômicos Estudo das Dívidas em Atraso das Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a novembro de 2014 RELEASE DE IMPRENSA RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA Pessoas jurídicas inadimplentes

Leia mais