Termopares. Princípios - I. Óptica. Tomografia Medir Temperatura Eléctrica. Laser Termopares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Termopares. Princípios - I. Óptica. Tomografia Medir Temperatura Eléctrica. Laser Termopares"

Transcrição

1 Termopares - Princípios e Aplicações - Princípios - I Óptica Tomografia Medir Temperatura Eléctrica Laser Termopares

2 Pi Princípios i - II O que é um termopar Efeito de Seebeck (Princípio i Físico) T1 i Metal B Metal A i T2 T2 T1 Pi Princípios i - III Como se mede a temperatura Princípio de Funcionamento V Metal A V2 V2 = V3 V1 V1-V3 = f( T) V3 Metal B E= (Tj-Tr) E - Força Electromotriz (mv) - Coeficiente i de Seebeck (mv/k)

3 Princípios - IV Como se classificam os termopares Tipo de Material Tipo de Revestimento Tipo de Junção Princípios - V Tipo de material Termopares CC Características Genéricas Cromel/Alumel NiCr/NiAl Tipo K -200 a 1270 Ferro/Constantan Fe/CuNi Tipo J 0 a 750 Atmosferas oxidantes e inertes. Limitações em vácuo e em atmosferas redutoras. Atmosferas redutoras, inertes e em vácuo. Limitações em atmosferas oxidantes a elevadas temperaturas. Atmosferas oxidantes ou inertes. Limitações em atmosferas redutoras. Cromel/Constantan NiCr/CuNi Tipo E a 900 Cobre/Constantan Atmosferas humidas. Cu/CuNi Tipo T a 350 Limitações em atmosferas oxidantes. Platina 10% Ródio/Platina Atmosferas oxidantes ou inertes Pt10%Rh/Pt Tipo S 0 a 1450 Sensível a contaminações Platina 13% Ródio/Platina Atmosferas oxidantes ou inertes Pt13%Rh/Pt Tipo R 0 a 1450 Sensível a contaminações Platina 30% Ródio/Platina 6% Ródio Tipo B 0 a 1820 Atmosferas oxidantes ou inertes Sensível a contaminações Muito utilizado na industria Vidro.

4 Princípios - VI Revestimento Ferrosos Metálicos Não Ferrosos Cerâmicos Aplicações

5 Aplicações Princípios - VII Tipo de Junção Exposta Ligada à Terra Isolada

6 Aplicações Aplicações -50 ºC

7 Princípios - VIII Critérios de Selecção Gama de Temperatura Características do Meio Tempo de Resposta Resolução Temporal das Medidas de Temperatura

8 Limitações-I Quais as fontes de erro nas medições Perturbações induzidas pela sonda Efeitos catalíticos Efeitos de transferência de calor Pirómetros de sucção Limitações-I Quais as fontes de erro nas medições Perturbações induzidas pela sonda Natureza Química Natureza Térmica Natureza Aerodinâmica Reacções na superfície Sonda como poço de calor Geometria inadequada

9 Limitações-I Quais as fontes de erro nas medições Efeitos catalíticos Apesar da elevada resistência à oxidação, quando expostos a atmosferas redutoras, podem actuam como agentes catalíticos, recombinando radicais dando origem a erros. Solução Minimizar o aquecimento catalítico revestindo os fios com um adequado material não-catalítico Limitações-I Quais as fontes de erro nas medições Efeitos de transferência de calor Condução A magnitude Quando do erro, de onde vem Sempre que Tamanho do glóbulo Radiação existe um Qual a magnitude gradiente de da junção destes erros temperatura Exemplo: um termopar com Comprimento do fio 300 mm de diâmetro pode Donde vem ter um erro de 250ºC quando a temperatura do Combustão: gás é de 1400ºC temperatura de chama

10 Limitações-I Quais as fontes de erro nas medições Geometria da sonda Posição do termopar dentro do pirómetro Geometria do invólucro Magnitude da velocidade de sucção Quando se usa Pirómetros de sucção O que pode influenciar i as medidas + IMPORTANTE Usam-se para proteger o termopar do meio ambiente De que é feito um pirómetro de sucção Limitações-II Compensação da inércia térmica do termopar Desprezando: Perda por Condução; Perdas por Radiação; Actividade catalítica na superfície... A compensação é feita segundo a equação: T G T W dt dt W onde é a constante de tempo característica do termopar.

11 Limitações-III Determinação da constante de tempo do termopar A equação que traduz o valor da constante de tempo é: C pv Ah 2 C pd 4k Nu que depende de h e Nu locais e das características geométricas e térmicas do fio. Métodos de avaliar a a easuapecsão precisão: Método 1/e; Método Plateau. Limitações-IV Método 1/e A constante de tempo é tomada como o tempo que leva ao decaimento da temperatura a 1/e do seu valor inicial. Método Plateau A constante de tempo é obtida pela evolução da sua resolução temporal ao longo do decaimento.

12 Limitações-V Imprecisões na medição da constante de tempo Estimativa do nível do patamar no método Plateau; Degradação do termopar ao longo do tempo com contaminação de partículas; Erros associados à dependência de da velocidade e temperatura. Em que situações podem então ser aplicados termopares

13 Termopares - Aplicações Gerais e Industriais - Aplicações-I TUBAGENS Tipos J, K e E - 900ºF Tipo T - 700ºF

14 Aplicações-II Termopares usados em pequenas cavidades. Aplicações-III Termopares p/ Infravermelhos I

15 Aplicações-IV Termopares p/ Infravermelhos II Aplicações-V Termopares de superfície I

16 Aplicações- VI Termopares de superfície II Ângulo de 90º Uso eléctrico até 250ºC Aplicações-VII Termopares de superfície III Medem até 480ºC Medem até 250ºC Ex: paredes, moldes

17 Aplicações-VII Termopares de superfície IV Ex: superfícies vibratórias, chapas de aço A medição é feita com tempos curtos. Aplicações- IX Termopares de superfície V Ex: superfícies móveis, pneus A medição é feita com movimento.

18 Aplicações- X Termopares de superfície VI Fácil utilização e mobilidade Aplicações- XI

19 Aplicações-XII Aplicações- XIII

20 Aplicações- XVI Aplicações- XVII Aplicações Gerais Uso Veterinário Mini Hipodérmicos Eletrônica Aplicações Industriais

21 Aplicações- XVIII A seleção dos termopares em diferentes países implica um diferente código de cores. Efeito Termoelétrico Aplicações- XX

TM362 - Sistemas de Medição 2. Prof. Alessandro Marques.

TM362 - Sistemas de Medição 2. Prof. Alessandro Marques. TM362 - Sistemas de Medição 2 Prof. Alessandro Marques www.metrologia.ufpr.br Sensores self-generating ou sensores ativos! Exemplos: Piezoelétricos; Termopares; Piroelétricos; Fotovoltaicos ; Eletroquímicos.

Leia mais

Temperatura. Termometria INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Escalas termométricas. Conceitos importantes. Relação entre as escalas 2/6/2011

Temperatura. Termometria INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Escalas termométricas. Conceitos importantes. Relação entre as escalas 2/6/2011 Termometria INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Professor Miguel Neto Temperatura É a ciência que estuda e desenvolve os instrumentos de medidas de temperatura. Está divida em: Pirometria: Medição de altas temperaturas,

Leia mais

Medição de Temperatura

Medição de Temperatura Medição de Temperatura Dificuldades no estabelecimento de um padrão Kelvin O Kelvin, unidade de temperatura termodinâmica, é a fração 1/273.16 da temperatura termodinâmica do ponto triplo da água. Uma

Leia mais

Métodos de Transferência de Calor

Métodos de Transferência de Calor Sensores de Temperatura A medição de temperatura requer essencialmente a transferência de uma certa quantidade de energia térmica do objecto para o sensor, que este converte num sinal eléctrico cujas características

Leia mais

a - coeficiente de temperatura da resistência, W/W(ºC)

a - coeficiente de temperatura da resistência, W/W(ºC) As termoresistências, ou termómetros de resistência, são sensores de alta precisão e excelente repetibilidade de leitura. O seu funcionamento baseia-se na variação da resistência eléctrica de modo proporcional

Leia mais

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Calibração e utilização de um sensor de temperatura Química 12º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Actividades de Projecto Laboratorial Janeiro 2006 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng.

Leia mais

As Três Leis Termoelétricas

As Três Leis Termoelétricas Efeito Seebeck Em 1821, Thomas Johann Seebeck descobriu que um circuito feito de dois metais diferentes, com junções em temperaturas diferentes desviaria o ímã da bússola. Seebeck inicialmente acreditava

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR CONVECÇÃO NATURAL E FORÇADA À VOLTA DE CILINDROS METÁLICOS TP4

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR CONVECÇÃO NATURAL E FORÇADA À VOLTA DE CILINDROS METÁLICOS TP4 TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR CONVECÇÃO NATURAL E FORÇADA À VOLTA DE CILINDROS METÁLICOS TP4 LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA QUÍMICA I 2009/2010 1. Objectivo Determinação do coeficiente de convecção natural e

Leia mais

Universidade de Coimbra. Biosensores e Sinais Biomédicos (2007-2008)

Universidade de Coimbra. Biosensores e Sinais Biomédicos (2007-2008) Universidade de Coimbra Biosensores e Sinais Biomédicos (2007-2008) Trabalho Prático N 1 ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE SENSORES DE TEMPERATURA: Objectivo TERMOPARES E TERMÍSTORES Determinação da resposta

Leia mais

Escola de Verão em Física 2006/2007

Escola de Verão em Física 2006/2007 Escola de Verão em Física 2006/2007 Qual o melhor isolador térmico para uma casa? eira d a M Fe Vidro Vidro duplo rro Esferovite Actualmente há uma maior necessidade em descobrir novos métodos para reduzir

Leia mais

No escoamento sobre uma superfície, os perfis de velocidade e de temperatura têm as formas traduzidas pelas equações:

No escoamento sobre uma superfície, os perfis de velocidade e de temperatura têm as formas traduzidas pelas equações: Enunciados de problemas de condução do livro: Fundamentals of Heat and Mass Transfer, F.P. Incropera e D.P. DeWitt, Ed. Wiley (numeros de acordo com a 5ª Edição). Introdução à Convecção 6.10 - No escoamento

Leia mais

Técnicas de medida. Algumas considerações

Técnicas de medida. Algumas considerações Técnicas de medida Algumas considerações Divisão das grandezas a medir Dimensionais Físicas Eléctricas (DC, baixa e alta frequência) Outras (químicas, ópticas, analíticas e radiação) Tipos de medida Medida

Leia mais

Mecanismos de Condução nos Condutores - Exercícios

Mecanismos de Condução nos Condutores - Exercícios UFPI - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS PROF. MARCOS ZURITA FEVEREIRO DE 2011 Mecanismos de Condução nos Condutores

Leia mais

Capítulo 9 - Medição de Temperatura

Capítulo 9 - Medição de Temperatura Capítulo 9 - Medição de Temperatura 9.1 Introdução A temperatura é uma importante grandeza a ser medida em muitos processos, pois é um fator limite para muitas operações Pode-se pensar em temperatura como

Leia mais

Instrumentos Aeronauticos. Parte II

Instrumentos Aeronauticos. Parte II Instrumentos Aeronauticos Parte II Indicador de ângulo de ataque Alarme AOA Medidor de AOA Medidor de AOA Medidor de AOA Circuito Pontas de prova Termômetros Mecânicos dilatação linear Eletrônicos termo

Leia mais

Análise do processo de transferência térmica na sinterização. Fornos utilizados para queima de produtos cerâmicos

Análise do processo de transferência térmica na sinterização. Fornos utilizados para queima de produtos cerâmicos Análise do processo de transferência térmica na sinterização Fornos utilizados para queima de produtos cerâmicos 16/11/16 Análise do processo de transferência térmica na sinterização Análise do processo

Leia mais

Funcionamentos Sonda lambda

Funcionamentos Sonda lambda Linea 1.4 16v Turbo Funcionamnetos 10-020 - SONDA LAMBDA Características De tipo "planar", estão montadas a montante e a jusante do catalisador e informam a centralina de injeção sobre o andamento da combustão

Leia mais

Transferência de Calor

Transferência de Calor Transferência de Calor Introdução e Modos de Transferência Prof. Universidade Federal do Pampa BA000200 Campus Bagé 08 de maio de 2017 Transferência de Calor: Introdução 1 / 29 Introdução à Transferência

Leia mais

MEDIDA DE PRESSÃO EM FLUIDOS EM MOVIMENTO

MEDIDA DE PRESSÃO EM FLUIDOS EM MOVIMENTO MEDIDA DE PRESSÃO EM FLUIDOS EM MOVIMENTO Até agora tratamos da medição de fluidos estáticos. Para fluidos em movimento podemos definir: Pressão estática: é a pressão real do fluido. Seria medida idealmente

Leia mais

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DE GRADIENTE DE TEMPERATURA ENTRE PAREDES EXTERNAS E INTERNAS UTILIZANDO DISPOSITIVO TERMOELÉTRICO Hérisson Fagundes Ribeiro 1 Fernando

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia. Transmissão de calor. 3º ano

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia. Transmissão de calor. 3º ano UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia Transmissão de calor 3º ano Aula 3 Equação diferencial de condução de calor Condições iniciais e condições de fronteira; Geração de Calor num Sólido;

Leia mais

Transferência de Calor Condução e Convecção de Calor

Transferência de Calor Condução e Convecção de Calor Transferência de Calor Condução e Material adaptado da Profª Tânia R. de Souza de 2014/1. 1 O calor transferido por convecção, na unidade de tempo, entre uma superfície e um fluido, pode ser calculado

Leia mais

2. Conceitos e Definições

2. Conceitos e Definições 2. Conceitos e Definições Sistema e Volume de Controle Sistema Termodinâmico: região do espaço delimitada fisicamente por superfícies geométricas arbitrárias reais ou imaginárias, que podem ser fixas ou

Leia mais

CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA

CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA 1) Uma casa possui uma parede composta com camadas de madeira, isolamento à base de fibra de vidro e gesso, conforme indicado na figura. Em um dia frio

Leia mais

TM362 - Sistemas de Medição 2. Prof. Alessandro Marques.

TM362 - Sistemas de Medição 2. Prof. Alessandro Marques. TM362 - Sistemas de Medição 2 Prof. Alessandro Marques www.metrologia.ufpr.br Medição de temperatura SM 2 Termômetro O primeiro termômetro foi inventado por Galileu no início do século XVII. densidade

Leia mais

ESZO Fenômenos de Transporte

ESZO Fenômenos de Transporte Universidade Federal do ABC ESZO 001-15 Fenômenos de Transporte Profa. Dra. Ana Maria Pereira Neto ana.neto@ufabc.edu.br Bloco A, torre 1, sala 637 Mecanismos de Transferência de Calor Calor Calor pode

Leia mais

Entre sistemas a temperaturas diferentes a energia transfere-se do sistema com temperatura mais elevada para o sistema a temperatura mais baixa.

Entre sistemas a temperaturas diferentes a energia transfere-se do sistema com temperatura mais elevada para o sistema a temperatura mais baixa. Sumário Do Sol ao Aquecimento Unidade temática 1. Mecanismos de transferência de calor: a radiação, a condução e a convecção. O coletor solar e o seu funcionamento. Materiais condutores e isoladores do

Leia mais

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 1.1 - Aspectos gerais... 1 1.2 Vidro... 2 1.2.1 - Vidro na construção... 2 1.2.2 - Vidro temperado...

Leia mais

2.1 Breve história da termodinâmica

2.1 Breve história da termodinâmica 2.1 Breve história da termodinâmica TERMODINÂMICA calor força, movimento No início, estudava os processos que permitiam converter calor em trabalho (força e movimento). 2.1 Breve história da termodinâmica

Leia mais

Exercícios e exemplos de sala de aula Parte 3

Exercícios e exemplos de sala de aula Parte 3 Introdução à transferência de calor PME2398 Termodinâmica e suas Aplicações 1 o semestre / 2013 Prof. Bruno Carmo Exercícios e exemplos de sala de aula Parte 3 1- Uma placa de alumínio, com 4mm de espessura,

Leia mais

INDICE GERAL. xv xvii. Nota dos tradutores Prefácio

INDICE GERAL. xv xvii. Nota dos tradutores Prefácio r INDICE GERAL Nota dos tradutores Prefácio xv xvii CAPíTULO 1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS 1.1 Materiais e engenharia 1.2 Ciência e engenharia de materiais 1.3 Classes de materiais 1.4

Leia mais

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA Prof. Fabricia SENSORES DE PRESENÇA Sensores de Presença; Sensores e Posição; Sensores Ópticos; Sensores de Velocidade. Sensores Industriais Sensores Ópticos;

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Aula 25 Radiação UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez REVISÃO: Representa a transferência de calor devido à energia emitida pela matéria

Leia mais

Estudo do Comportamento e Desempenho de Aleta Tipo Pino

Estudo do Comportamento e Desempenho de Aleta Tipo Pino MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Estudo do Comportamento e Desempenho de Aleta Tipo Pino RELATÓRIO DE TRABALHO DE

Leia mais

Aula 3 de FT II. Prof. Geronimo

Aula 3 de FT II. Prof. Geronimo Aula 3 de FT II Prof. Geronimo Raio crítico de isolamento O conceito de raio crítico de isolamento, é introduzido para geometrias onde a área de troca de calor varia com uma dimensão especificada. Por

Leia mais

Catalisador: O que é e para que serve.

Catalisador: O que é e para que serve. Catalisador: O que é e para que serve. O que significa a palavra catalisador? Por definição, catalisador catalítico é toda a substância que propicia a reação química de outras substâncias sem mesmo participar

Leia mais

E = V x B. Baseando-se nesta lei, o medidor electromagnético é um tipo gerador eléctrico.

E = V x B. Baseando-se nesta lei, o medidor electromagnético é um tipo gerador eléctrico. Os caudalímetros são medidores de caudal que se utilizam para medição, controlo e regulação de fluídos electricamente condutivos em condutas fechadas, especialmente nos sectores de Tratamento e Distribuição

Leia mais

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing MIG BRAZING O processo MIG BRAZING é um processo de SOLDABRASAGEM porque ocorre a fusão parcial do metal de base e a capilaridade é mínima. Soldagem Fusão do MA e MB; Soldabrasagem Fusão do MA e parcial

Leia mais

Forno-fornalha para queima dos gases da carbonização

Forno-fornalha para queima dos gases da carbonização Forno-fornalha para queima dos gases da carbonização Prof.ª Angélica de Cássia Oliveira Carneiro DEF UFV Setembro 2011 Visando atender a demanda dos pequenos produtores por tecnologias mais eficientes,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA:

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA: ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 0.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 200/20 NOME: Nº: TURMA: AVALIAÇÃO: Prof.. A energia eléctrica pode ser produzida em centrais termoeléctricas. Nessa produção há perdas de

Leia mais

Mecanismos de transferência de calor

Mecanismos de transferência de calor Mecanismos de transferência de calor Condução Potência calor: Q cond A T 1 T x : condutibilidde térmica; A: área de transferência x: espessura ao longo da condução T 1 T : diferença de temperatura ifusividade

Leia mais

SENSOR DE OXIGÊNIO DE ALTA TEMPERATURA TEORIA DE OPERAÇÃO

SENSOR DE OXIGÊNIO DE ALTA TEMPERATURA TEORIA DE OPERAÇÃO SENSOR DE OXIGÊNIO DE ALTA TEMPERATURA TEORIA DE OPERAÇÃO Durante as operações de combustão um fenômeno importante natural ocorre. As moléculas de oxigênio procuram migrar da alta concentração na atmosfera

Leia mais

Termômetros à Dilatação de Líquidos

Termômetros à Dilatação de Líquidos Disciplina: Instrumentação e Controle de Sistemas Mecânicos Mensuração da Temperatura Parte 2 Termômetros à Dilatação de Líquidos Materiais se dilatam com o aquecimento e contraem-se com o esfriamento,

Leia mais

Unimonte, Engenharia Física Aplicada, Prof. Marco Simões Transferência de calor, exercícios selecionados do Sears & Zemansky, cap.

Unimonte, Engenharia Física Aplicada, Prof. Marco Simões Transferência de calor, exercícios selecionados do Sears & Zemansky, cap. Unimonte, Engenharia Física Aplicada, Prof. Marco Simões Transferência de calor, exercícios selecionados do Sears & Zemansky, cap. 17 17.65) Suponha que a barra da figura seja feita de cobre, tenha 45,0

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física aboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Condutividade térmica Instituto Superior de Engenharia do Porto- Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431

Leia mais

FUNDIÇÃO ODONTOLÓGICA

FUNDIÇÃO ODONTOLÓGICA FUNDIÇÃO ODONTOLÓGICA DEFINIÇÃO É o processo de se obter objetos vazando líquidos ou metal viscoso em um molde preparado ou forma. O objetivo de uma fundição é o de produzir réplicas de um objeto qualquer.

Leia mais

Transferência de calor

Transferência de calor Transferência de calor 1.1 Calor: Forma de energia que se transmite espontaneamente de um corpo para o outro quando entre eles existir uma diferença de temperatura. O calor é uma energia em trânsito provocada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA MEDIÇÃO DE TEMPERATURA UTILIZANDO TERMOPARES RELATÓRIO DE PROJETO DE INSTRUMENTAÇÃO

Leia mais

consiste em forçar a passagem de um bloco de metal através do orifício de uma matriz mediante a aplicação de pressões elevadas

consiste em forçar a passagem de um bloco de metal através do orifício de uma matriz mediante a aplicação de pressões elevadas consiste em forçar a passagem de um bloco de metal através do orifício de uma matriz mediante a aplicação de pressões elevadas é o processo em que a peça é empurrada contra a matriz conformadora, com redução

Leia mais

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Aula: Materiais e Vida da Ferramenta

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Aula: Materiais e Vida da Ferramenta SEM534 Processos de Fabricação Mecânica Aula: Materiais e Vida da Ferramenta Materiais para Ferramenta Propriedades desejadas: Dureza a Quente Resistência ao desgaste Tenacidade Estabilidade química Evolução

Leia mais

Condições variam com o tempo. 1 ) Temperatura na superfície de um sólido é alterada e a temperatura no interior do sólido começa a variar

Condições variam com o tempo. 1 ) Temperatura na superfície de um sólido é alterada e a temperatura no interior do sólido começa a variar Condução de calor em regime transiente Condições variam com o tempo ) Temperatura na superfície de um sólido é alterada e a temperatura no interior do sólido começa a variar ) Passa-se algum tempo antes

Leia mais

Propriedades Elétricas. Condutores

Propriedades Elétricas. Condutores Propriedades Elétricas Condutores Condutores - 0 K Nivel de Fermi Estados vazios Estados preenchidos Mar (Gás) de Fermi Bandas cheias e gaps (abaixo) Condutividade Elétrica em CONDUTORES (Metais) Metais:

Leia mais

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA DE USINAGEM EM AÇOS DE CORTE FÁCIL ATRAVÉS DO MÉTODO DO TERMOPAR FERRAMENTA-PEÇA

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA DE USINAGEM EM AÇOS DE CORTE FÁCIL ATRAVÉS DO MÉTODO DO TERMOPAR FERRAMENTA-PEÇA POSMEC 215 Simpósio do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Faculdade de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia 18 e 19 de Novembro de 215, Uberlândia - MG MEDIÇÃO DE TEMPERATURA

Leia mais

Instrumentos de detecção e de medição

Instrumentos de detecção e de medição Instrumentos de detecção e de medição Pág. 2 Índice Introdução.3 Explosivímetros.4 Detectores de gases.5 Manómetros.6 Calibragem 7 Bibliografia.7 Pág. 3 Título Instrumentos de detecção e de medição de

Leia mais

Aula 6 de FT II. Prof. Gerônimo

Aula 6 de FT II. Prof. Gerônimo Aula 6 de FT II Prof. Gerônimo Transferência de calor em superfícies estendidas Superfície estendida é comumente usado para descrever um caso especial importante envolvendo a transferência de calor por

Leia mais

PAPEL DE NANO-ADITIVOS NA FUNCIONALIZAÇÃO DE ARGAMASSAS

PAPEL DE NANO-ADITIVOS NA FUNCIONALIZAÇÃO DE ARGAMASSAS 4º Congresso Português de Argamassas e ETICS, Coimbra, 29/30 Março 2012 PAPEL DE NANO-ADITIVOS NA FUNCIONALIZAÇÃO DE ARGAMASSAS S. LUCAS 1, A. L. VELOSA 1, J. B. AGUIAR 2, V. M. FERREIRA 1 1 Universidade

Leia mais

FENÔMENOS DE TRANSPORTES

FENÔMENOS DE TRANSPORTES FENÔMENOS DE TRANSPORTES AULA 11 FUNDAMENTOS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR PROF.: KAIO DUTRA Transferência de Calor Transferência de calor (ou calor) é a energia em trânsito devido a uma diferença de temperatura.

Leia mais

ÍNDICE 04 Eléctrodos 05 Eléctrodos de e ORP combinados para submersão 06 Eléctrodos de combinados 08 Eléctrodos de simples 09 Eléctrodos de ORP combin

ÍNDICE 04 Eléctrodos 05 Eléctrodos de e ORP combinados para submersão 06 Eléctrodos de combinados 08 Eléctrodos de simples 09 Eléctrodos de ORP combin Eléctrodos Industriais Eléctrodos Industriais www.hannacom.pt ÍNDICE 04 Eléctrodos 05 Eléctrodos de e ORP combinados para submersão 06 Eléctrodos de combinados 08 Eléctrodos de simples 09 Eléctrodos de

Leia mais

Curso engenharia de Energia

Curso engenharia de Energia UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS - UFGD FACULDADE DE ENGENHARIA Curso engenharia de Energia Prof. Dr. Omar Seye omarseye@ufgd.edu.br Disciplina: COMBUSTÃO E COMBUSTÍVEIS Introdução: Leis da Conservação

Leia mais

Posição x Deslocamento

Posição x Deslocamento 1 SENSORES Parte 5 Prof. Dr.-Ing. Fernando A.N. Castro Pinto Curso de Pós Graduação em Mecatrônica Universidade Federal do Rio de Janeiro Depto/Programa LAVI Engenharia Mecânica Lab. Acústica & Vibrações

Leia mais

25/Mar/2015 Aula /Mar/2015 Aula 9

25/Mar/2015 Aula /Mar/2015 Aula 9 20/Mar/2015 Aula 9 Processos Politrópicos Relações politrópicas num gás ideal Trabalho: aplicação aos gases perfeitos Calor: aplicação aos gases perfeitos Calor específico politrópico Variação de entropia

Leia mais

O que é Tratamento Térmico de Aços?

O que é Tratamento Térmico de Aços? O que é Tratamento Térmico de Aços? Definição conforme norma NBR 8653 Operação ou conjunto de operações realizadas no estado sólido compreendendo o aquecimento, a permanência em determinadas temperaturas

Leia mais

Aula anterior: Esta Aula: Próxima aula:

Aula anterior: Esta Aula: Próxima aula: Aula anterior: Composição da atmosfera: do que é composta; fontes e sumidouros; como alcançou o estado atual. Breve discussão sobre pressão, densidade, temperatura. Esta Aula: Temperatura, pressão e densidade

Leia mais

Utilização de sistemas de concentração termossolar para geração de vapor utilizando a tecnologia com espelhos de Fresnel

Utilização de sistemas de concentração termossolar para geração de vapor utilizando a tecnologia com espelhos de Fresnel III dia da indústria heliotérmica Utilização de sistemas de concentração termossolar para geração de vapor utilizando a tecnologia com espelhos de Fresnel Júlio César Passos Departamento de Engenharia

Leia mais

Imprimir

Imprimir 1 de 14 28/02/2011 16:13 Imprimir PRODUTOS / Sensores 24/05/2010 10:27:02 O mundo dos Sensores - Parte II Veja na segunda parte deste artigo a abordagem dos principais sensores utilizados na indústria,

Leia mais

Prefácio... Abreviaturas e Definições... Simbologia...

Prefácio... Abreviaturas e Definições... Simbologia... Sumário Prefácio... Abreviaturas e Definições.................................................. Simbologia... VII XI XIII Capítulo 1 Características Termodinâmicas Preliminares de Ciclo Fechado com Turbina

Leia mais

Prob Considere uma placa plana infinita de espessura 2L com uma distribuição inicial de temperaturas como mostra a figura: T A 2nL.

Prob Considere uma placa plana infinita de espessura 2L com uma distribuição inicial de temperaturas como mostra a figura: T A 2nL. Aula 1 Prob. 1.1 - Considere uma placa plana infinita de espessura 2L com uma distribuição inicial de temperaturas como mostra a figura: T T 0 T A 2nL 2L - 0 isto é, na parte central entre nl e +nl a temperatura

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José 1/26

Prof. MSc. David Roza José 1/26 1/26 Mecanismos Físicos A condensação ocorre quando a temperatura de um vapor é reduzida para abaixo da temperatura de saturação. Em equipamentos industriais o processo normalmente decorre do contato entre

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PRODUTO

INFORMAÇÕES SOBRE O PRODUTO INFORMAÇÕES SOBRE O PRODUTO Isolado a PVC - com ou sem blindagem de fios de aço ou de folha de alumínio Cabos de extensão e compensação, versão de pares múltiplos - adequados para o uso em medição de temperatura

Leia mais

Análise Térmica Diferencial (DTA) Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC)

Análise Térmica Diferencial (DTA) Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Análise Térmica Diferencial (DTA) Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) APLICAÇÃO DE MÉTODOS

Leia mais

Reacções de Oxidação-Redução

Reacções de Oxidação-Redução Reacções de Oxidação-Redução Há transferência de electrões entre espécies reagentes, com variação do número de oxidação de elementos dessas espécies. Regras simples para determinar o número de oxidação

Leia mais

2 - CLASSIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE SOLDAGEM

2 - CLASSIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE SOLDAGEM 1 - SOLDAGEM: TERMO GENÉRICO Disciplina Titulo da aula Expositor Materiais Dentários I Soldagem odontológica Prof. Dr. Eclérion Chaves Processo de união de metais, envolvendo ou não o fluxo de um metal

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores

Fundamentos de Automação. Sensores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2º e 3º CICLOS INFANTE D. PEDRO BUARCOS. Currículo da disciplina de Ciências Físico Químicas. 8ºAno de escolaridade

ESCOLA BÁSICA 2º e 3º CICLOS INFANTE D. PEDRO BUARCOS. Currículo da disciplina de Ciências Físico Químicas. 8ºAno de escolaridade ESCOLA BÁSICA 2º e 3º CICLOS INFANTE D. PEDRO BUARCOS Currículo da disciplina de Ciências Físico Químicas 8ºAno de escolaridade BLOCO 1 A ENERGIA (Tema: Terra em Transformação) Unidade Conteúdo Nº de FONTES

Leia mais

Aspectos a serem medidos Velocidade Magnitude Colunas de mercúrio / Pesos de referência

Aspectos a serem medidos Velocidade Magnitude Colunas de mercúrio / Pesos de referência 1 ou Volumétrico Não é uma grandeza primária É derivada da velocidade e área ou variação da massa por. densidade comprimento, tempo comprimento massa, tempo Aspectos a serem medidos Velocidade Magnitude

Leia mais

Temperatura (T, 0 C)

Temperatura (T, 0 C) Figura 2.9 Variação no limite de escoamento de uma liga de alumínio e do cobre puro com a variação na taxa de deformação e temperatura de teste para uma liga de alumínio, Dieter (1988), e para o cobre

Leia mais

RELAÇÕES MASSA/ VOLUME

RELAÇÕES MASSA/ VOLUME RELAÇÕES MASSA/ VOLUME Atributos físicos e químicos do solo -Aula 7- Prof. Alexandre Paiva da Silva DENSIDADE DO SOLO 1 Introdução Porque uma amostra de solo de mata ou de um horizonte superior é mais

Leia mais

Q t. Taxa de transferência de energia por calor. TMDZ3 Processos de Transmissão de calor. Prof. Osvaldo Canato Jr

Q t. Taxa de transferência de energia por calor. TMDZ3 Processos de Transmissão de calor. Prof. Osvaldo Canato Jr Taxa de transferência de energia por calor P Q t no SI : Q J; t s; P J / s W ( watt) Condução Para um bloco com corte transversal de área A, espessura x e temperaturas T 1 e T 2 em suas faces, têm-se:

Leia mais

7. Sensores de Temperatura - Termopar

7. Sensores de Temperatura - Termopar 7. Sensores de Temperatura - Termopar Para a compreensão dos termopar de forma objetiva, precisamos compreender alguns efeitos físicos bem conhecidos, entre eles o Efeito Termoelétrico de Seedbeck, Efeito

Leia mais

PIR - Projetos de Instalações de Refrigeração

PIR - Projetos de Instalações de Refrigeração PIR - Projetos de Instalações de Refrigeração Prof. Mauricio Nath Lopes (mauricio.nath@ifsc.edu.br) Objetivo geral: Capacitar os alunos na execução de projetos de câmaras frigoríficas de pequeno porte.

Leia mais

Fisica do Calor ( ) Prof. Adriano Mesquita Alencar Dep. Física Geral Instituto de Física da USP A01. Introdução

Fisica do Calor ( ) Prof. Adriano Mesquita Alencar Dep. Física Geral Instituto de Física da USP A01. Introdução Fisica do Calor (4300159) Prof. Adriano Mesquita Alencar Dep. Física Geral Instituto de Física da USP A01 Introdução Data Programa do curso agosto 9 agosto 12 agosto 16 agosto 19 agosto 23 agosto 26 Temperatura

Leia mais

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA Prof. Fabricia SENSORES DE PRESENÇA Sensores de Presença; Sensores e Posição; Sensores Ópticos; Sensores de Velocidade. Sensores Industriais Sensores Ópticos;

Leia mais

Grupo hotrod Resistências elétricas Resistência do tipo cartucho

Grupo hotrod Resistências elétricas Resistência do tipo cartucho Grupo 05.06 - hotrod Resistências elétricas Resistência do tipo cartucho Fornecedor: Tipo Descrição Página Resistência do tipo cartucho - hotrod 06 Ficha técnica + aplicações 01 Linha de cartuchos + informações

Leia mais

Origens históricas dos raios-x. Tubos de Crookes

Origens históricas dos raios-x. Tubos de Crookes Origens históricas dos raios-x Tubos de Crookes http://www.answers.com/topic/crookes-tube Origens históricas dos raios-x Tubo de Raios-X http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/energianuclear/imagens/energia-nuclear99.jpg

Leia mais

Ensaio de fluência. Nas aulas anteriores de ensaios de materiais, Nossa aula. O que é a fluência

Ensaio de fluência. Nas aulas anteriores de ensaios de materiais, Nossa aula. O que é a fluência A U A UL LA Ensaio de fluência Introdução Nossa aula Nas aulas anteriores de ensaios de materiais, estudamos que todo corpo submetido a um esforço mecânico sofre uma deformação elástica, em maior ou menor

Leia mais

Propriedades Físicas da Matéria

Propriedades Físicas da Matéria Propriedades Físicas da Matéria Condutividade Térmica k Massa Específica ρ Calor Específico a Pressão Constante cp Difusividade Térmica α Viscosidade Cinemática (ν) ou Dinâmica (μ) Coeficiente de Expansão

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 06: Métodos de inspecção e diagnóstico. 6.3. Termografia de infra-vermelho. Eduardo S. Júlio 1/22 João Ramos ESTG Leiria

Leia mais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais O método empregado depende do objetivo. O que estou necessitando? Rapidez? Precisão? Exatidão? Medir em tempo real? Umidade: métodos Quantitativos Métodos

Leia mais

Alcance, A - Dá o valor máximo que um aparelho pode medir. Pode existir também uma gama de valores, isto é, um valor máximo e um mínimo.

Alcance, A - Dá o valor máximo que um aparelho pode medir. Pode existir também uma gama de valores, isto é, um valor máximo e um mínimo. 6. APARELHOS DE MEDIDA E MEDIÇÕES ------- Alcance, A - Dá o valor máximo que um aparelho pode medir. Pode existir também uma gama de valores, isto é, um valor máximo e um mínimo. Menor divisão da escala

Leia mais

Experiência VI (aula 10) Resfriamento de um líquido

Experiência VI (aula 10) Resfriamento de um líquido Experiência VI (aula 10) Resfriamento de um líquido 1. Objetivos 2. Introdução 3. Arranjo e procedimento experimental 4. Análise de dados 5. Referências 1. Objetivos A partir de um arranjo experimental

Leia mais

SENSORES E ACTUADORES Temperatura

SENSORES E ACTUADORES Temperatura SENSORES E ACTUADORES Temperatura J.R.Azinheira Nov 2008 Bibliografia:, J.R. Azinheira, 2002, IST-DEM (disponível na página da UC em 'Material de Apoio' -> 'Bibliografia Complementar') ÍNDICE Cadeia de

Leia mais

Oxy-Cut Processos de Fabrico. Trabalho de pesquisa efetuado por Rodrigo Chora

Oxy-Cut Processos de Fabrico. Trabalho de pesquisa efetuado por Rodrigo Chora Oxy-Cut Processos de Fabrico Trabalho de pesquisa efetuado por Rodrigo Chora Uma breve introdução O oxicorte é uma técnica muito utilizada para o corte de objetos metálicos. Este método consiste no corte

Leia mais

Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria automotiva

Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria automotiva Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria automotiva Freddy Baruch 11 Novembro 2015 Page 1 SAUDAÇÃO BOM DIA! Page 2 APRESENTAÇÃO Page 3 APRESENTAÇÃO Quem somos - Apresentação Pessoal Freddy

Leia mais

Duração do exame: 2:30h Leia o enunciado com atenção. Justifique todas as respostas. Identifique e numere todas as folhas da prova.

Duração do exame: 2:30h Leia o enunciado com atenção. Justifique todas as respostas. Identifique e numere todas as folhas da prova. Duração do exame: :3h Leia o enunciado com atenção. Justifique todas as respostas. Identifique e numere todas as folhas da prova. Problema Licenciatura em Engenharia e Arquitetura Naval Mestrado Integrado

Leia mais

Ensino Médio Unid. São Judas Tadeu Professor (a): Leandro Aluno (a): Série: 2ª Data: / / LISTA DE FÍSICA II

Ensino Médio Unid. São Judas Tadeu Professor (a): Leandro Aluno (a): Série: 2ª Data: / / LISTA DE FÍSICA II Ensino Médio Unid. São Judas Tadeu Professor (a): Leandro Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2016. LISTA DE FÍSICA II Orientações: - A lista deverá ser respondida na própria folha impressa ou em folha de papel

Leia mais

Termodinâmica e Estrutura da Matéria. 19/Fev/2016 Aula 1

Termodinâmica e Estrutura da Matéria. 19/Fev/2016 Aula 1 Termodiâmica e Estrutura da Matéria 19/Fev/016 Aula 1 Temperatura e a Lei Zero da Termodiâmica Sistema Termodiâmico Termómetros e Escalas de Temperatura Descrição macroscópica dos gases ideais Equação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE PRODUTOS

CARACTERIZAÇÃO DE PRODUTOS CARACTERIZAÇÃO DE PRODUTOS ALTAMUL Altamul é uma linha de refratários produzida a partir da mulita eletrofundida, (3Al2O32SiO2), com liga cerâmica de mulita, podendo ainda ser adicionado Óxido de Alumínio

Leia mais

Lista de exercícios Caps. 4 e 5 TM-114 Transferência de Calor e Massa (Turma B) 2008/1

Lista de exercícios Caps. 4 e 5 TM-114 Transferência de Calor e Massa (Turma B) 2008/1 Lista de exercícios Caps. 4 e 5 TM-114 Transferência de Calor e Massa (Turma B) 2008/1 1. (Incropera et al., 6 ed., 4.2) Uma placa retangular bidimensional está sujeita às condições de contorno especificadas.

Leia mais