Energias Renováveis Vento e Ondas Desafios, Tecnologias e Oportunidades. Energia dos Oceanos. Berlenga.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Energias Renováveis Vento e Ondas Desafios, Tecnologias e Oportunidades. Energia dos Oceanos. Berlenga. antonio.vidigal@edp."

Transcrição

1 Energias Renováveis Vento e Ondas Desafios, Tecnologias e Oportunidades Berlenga Energia dos Oceanos Edp Inovação

2 EDP Empresa de referência no mercado Ibérico, com uma presença de destaque no mercado Brasileiro e forte investimento nos E.U.A. E.U.A. Capacidade de produção MW Renováveis Europa Capacidade de produção MW Energia produzida Energia produzida GWh GWh Brasil Capacidade de produção MW Distribuição de electricidade GWh mil Clientes Portugal Capacidade de produção MW Distribuição de electricidade GWh mil Clientes Distribuição de gás 188 mil Clientes Espanha Capacidade de produção MW Distribuição de electricidade GWh 623 mil Clientes Comercialização de gás 496 mil Clientes

3 Porque renováveis offshore? A energia eólica onshore e centros de produção hídrica dominam o portfólio de energias renováveis da EDP Eólico Onshore e Hidrica Crescimento elevado / Perfil de investimento de baixo risco Total investment in A EDP está interessada em qualquer tipo de energia com maturidade tecnológica e económica. Perspectivas futuras para a energia eólica offshore, ondas e solar. 3

4 Uma pergunta a colocar à partida Qual a temperatura em queremos viver?

5 A resposta vai decidir vários aspectos Quais são os animais de estimação que queremos ter?????

6 Mas podemos já ter decidido Que temperatura teremos escolhido?

7 A próximas gerações sofrerão o impacto

8 Alguns dos cenários poderão ser dramáticos

9 Nem o cenário mais optimista considera uma penetração de energias renováveis muito elevada PJ AIE PJ PJ 16 % Greenpeace PJ PJ 33% Outras Renováveis Hidroeléctrico Biomassa Nuclear Carvão Gás Natural Oil PJ 12%

10 mas existe uma quantidade enorme de energia renovável disponível. Mas é precisa muita determinação para capturar essa energia

11 Google search finds seafaring solution Google may take its battle for global domination to the high seas with the launch of its own computer navy. The company is considering deploying the supercomputers necessary to operate its internet search engines on barges anchored up to seven miles (11km) offshore. In the patent application seen by The Times, Google writes: Computing centres are located on a ship or ships, anchored in a water body from which energy from natural motion of the water may be captured, and turned into electricity and/or pumping power for cooling pumps to carry heat away Data centres consumed 1 per cent of the world s electricity in By 2020 the carbon footprint of the computers that run the internet will be larger than that of air travel, a recent study by McKinsey, a consultancy firm, and the Uptime Institute, a think tank, predicted.

12 Energia das Ondas. Densidade energética adequada A energia existe e está disponível para ser transformada: uma onda com 2m de amplitude e 10s de período, as excede os 50 kw por metro de comprimento de onda

13 Energia das Ondas. Recurso O recurso mundial disponível para aproveitamento através de energia das ondas é comparável com a potência total instalada. 16% do recurso disponível localiza-se na Europa (320 GW, dos quais 21 GW em Portugal)

14 Avaliação das tecnologias de aproveitamento de energia das Ondas Avaliação das tecnologias das ondas Principais Critérios IDENTIFICAÇÃO PESQUISA & ANÁLISE Estado de desenvolvimento Viabilidade e credibilidade da tecnologia Viablidade e credibilidade económica Aspectos de negociação WORKSHOP SELECÇÃO Due Diligence 3 ou 4 tecnologia de energia das ondas em diferentes estados de desenvolvimento 14

15 Energia das ondas. Tecnologia Coluna de água Oscilante (onshore, nearshore or offshore) Absorção pontual Sistema flutuante ou submerso geralmente hidraulico Articulado Galgamento (onshore, nearshore or offshore)

16 As fotos são ilustrativas e não representam o estado actual de desenvolvimento das tecnologias Fases de desenvolvimento tecnológico 5 Fase Comercial Definição de um business plan para a tecnologia 4 Fase Pre-comercial Geração de energia para a rede, apesar de não existir um business plan definido 3 Testes em mar Escala 1/4-1/1 2 Simulação em tanque Escala 1/40 1/10 1 Simulação Numérica O desenvolvimento da energia das ondas exige uma atitude sistemática

17 Energia das Ondas. O Racional Português Devido às condições da costa Portuguesa e ao apoio governamental, a EDP tem vindo a acompanhar de perto o tema da energia das ondas + Melhores localizações Apoio Governamental Estratégia Open technology = Zonas prioritárias* Melhor classificação. Pior classificação Recurso 40 kw/m Rede eléctrica próxima da costa Boa Logística 1 1 Capacidade de 250 MW 5 tecnologias identificadas Decreto-Lei define 250MW a serem atribuídos em 3 fases: Fase de demonstração (20 MW) Fase Pre-Commercial (100 MW) Fase Commercial (130 MW) 2 Tarifa garantida durante 15 anos Tarifa máxima de 260 MWh garantida durante 15 anos 3 Processo de licenciamento simplificado Processo de licenciamento simplificado (one-shop-stop) EDP realizou um estudo detalhado sobre 48 tecnologias de aproveitamento de energia das ondas As tecnologias actuais ainda estão num afase inicial de desenvolvimento Apesar disso, 5 tecnologias foram identificadas como tecnologias com potencial 2 Contactos para definir um consórcio vencedor A EDP tem desenvolvido contactos com promotores, parceiros industriais, centros de investigação e com 3 empresas que desenvolvem tecnologia Potencial de 4 GW ao longo da costa Portuguesa * Wave Energy Center study

18 Projecto Ondas de Portugal Estratégia Open Technology Objectivo Construir um cluster de energia das ondas em Portugal, através do desenvolvimento de um projecto com várias tecnologias apoiado por I&D e pela indústria.* Principais etapas Projectos de demonstração de tecnologias da energia das ondas Subestação terrestre Subestação submarina Cluster industrial e de I&D * Articulado com a Zona Piloto de Energia das Ondas a ser desenvolvida em Portugal Industrial Electrónica Metalo-mecanica Portos Questões ambientias Etc. I&D Ancoragem Cabo submarino Ligações submarinas Monitorização avançada Estimação de recurso Configuração do parque Etc.

19 Energia Eólica Deep Offshore A indústria eólica está a desenvolver-se mais rapidamente do que as outras indústrias referidas anteriormente Antigamente Actualmente

20 Os moinhos são uma importante marca da Cidade de Cascais, conhecidos desde o Século X, a era dos Viking, altura em que Ibn Mugãna publicou os seus versos sobre a vida rural em Al Qabdaq, agora conhecido como Alcabideche. A energia eólica já tem uma curva de aprendizagem muito longa Alcabideche : Existem Moinhos desde o século X

21 Deep Offshore Wind

22 Deep Offshore Wind Estado da arte e perspectivas de mercado Estado da arte - Fundações: Águas pouco profundas (< 30m): Monopile Até 50m de profundidade: Tripod Profundidades superiores a 50m: Fortes limitações económicas para fundações fixas em geral Fundações flutuantes ainda em desenvolvimento mas com forte impacto na viabilidade económica dos parques m? Fundações Protótipos (até 2015): Hywind (Statoil Hydro): profundidades >100m SWAY: profundidades >80m Blue H Group: profundidades >40m Force Technology: profundidades >50m Blue H Group nrel Hywind

23 EC Call FP7-Energy-2008-TREN 1 Demonstration of large scale systems off-shore wind farms Estamos formar um consórcio para candidatura ao Call FP 7 que encerra em 10 de Outubro.

24 A energia offshore é uma oportunidade. Um paralelo aconteceu há 50 anos atrás, em Portugal: Hulha Branca 1951: Castelo do Bode Venda Nova Pracana Belver Devemos agora apostar na Hulha Azul Carvão azul? GWh % GWh % Thermal % % Hydro % % Total % % Castelo do Bode

25 Como aconteceu há 50 anos atrás Laboratórios do LNEC nos anos 50 Todo o know-how foi desenvolvido em Portugal, através da criação de um cluster que cobria desde as áreas de I&D até às áreas de projecto e indústria. Devemos apostar numa estratégia semelhante para a energia das ondas, escolhendo os parceiros adequados A barragem de Venda Nova foi modelada pelo LNEC

26 É necessário uma quantidade significativa de capital público e privado para desenvolver esta estratégia. Como contribuição a EDP lançou um CVC Objectivos do CVC da EDP Principais detalhes do CVC Objectivos estratégicos Objectivos Financeiros Permitir à EDP ter acesso a uma grande qautnidade de tecnologias inovadoras Promove a transferência de conhecimento resultante de inovação Realçar a EDP como uma empresa inovadora CVC must have a return similar to benchmarks with identical risk profile Os investimentos são feitos em tecnologias inovadoras e não em tecnologias comerciais. Investimentos são feitos em tecnologia ou projectos com regras bem definidas Os invetimentos são feitos com uma perspectiva de saída a médio-longo prazo (5-7 anos).

27 A energia Offshore está disponível para ser capturada. Vamos, em conjunto, aproveitar este recurso... Obrigado! Baleal

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais Energia Offshore Jorge Cruz Morais factores da alteração Aumento da Procura Emissões de CO2 O consumo mundial de energia primária Evolução do consumo mundial de energia primária, 1970-2009 Mtep 11.164

Leia mais

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal WAVE ENERGY CENTRE Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal Versão 0.1 1 INDICE 11.. OO RREECCUURRSSOO EENNEERRGGÉÉTTIICCOO... 3 22.. AACCTTUUAAIISS PPRROOTTÓÓTTIIPPOOSS

Leia mais

Energia Eólica Offshore

Energia Eólica Offshore Energia Eólica Offshore Levantamento do potencial do país, limitações e soluções tecnológicas Ana Estanqueiro Conferência Energia 2020, 8 de Fevereiro de 200 Co-autor - Paulo Costa Agradecimentos - T.

Leia mais

Energias Renováveis e Limpas: Um Exemplo que Vem do Mar

Energias Renováveis e Limpas: Um Exemplo que Vem do Mar Energias Renováveis e Limpas: Um Exemplo que Vem do Mar Grupo de Oceanografia Tropical - GOAT Prof. Dr. Carlos A. D. Lentini clentini@ufba.br http://www.goat.ifis.ufba.br Simpósio Internacional Sustentabilidade

Leia mais

ENERGIA DAS ONDAS. António F. O. Falcão Instituto Superior Técnico. Seminário sobre a Física e a Energia, Lisboa, 21 de Novembro de 2005

ENERGIA DAS ONDAS. António F. O. Falcão Instituto Superior Técnico. Seminário sobre a Física e a Energia, Lisboa, 21 de Novembro de 2005 ENERGIA DAS ONDAS António F. O. Falcão Instituto Superior Técnico Seminário sobre a Física e a Energia, Lisboa, 21 de Novembro de 2005 Albufeira Marés Correntes de maré ENERGIA DOS OCEANOS Correntes marítimas

Leia mais

Voltar a explorar o mar

Voltar a explorar o mar Voltar a explorar o mar Voltar a explorar o mar Com uma visão de longo prazo, a EDP está constantemente a analisar as tecnologias de aproveitamento das energias renováveis, com vista à futura comercialização

Leia mais

A energia que vem do mar... CENFIM. CALDAS DA RAINHA 17 Set 2008

A energia que vem do mar... CENFIM. CALDAS DA RAINHA 17 Set 2008 A energia que vem do mar... CENFIM CALDAS DA RAINHA 17 Set 2008 Ideias Chave 3 Ideias Chave Ondas Fonte Nova de Energia Primária Renovável Ao largo da costa portuguesa poder-se-iam instalar 5 GW de parques

Leia mais

ENERGIA DAS ONDAS: PANORÂMICA NACIONAL E INTERNACIONAL

ENERGIA DAS ONDAS: PANORÂMICA NACIONAL E INTERNACIONAL Seminário sobre ENERGIA DOS OCEANOS, Peniche, 19 de Setembro de 2008 ENERGIA DAS ONDAS: PANORÂMICA NACIONAL E INTERNACIONAL António F. O. Falcão Instituto Superior Técnico Uma caminhada de 35 anos : 1974

Leia mais

Impactes Económicos, Ambientais e Conflitos de Uso. Custos e Barreiras ao Desenvolvimento. Medidas de Apoio e Iniciativas em PT

Impactes Económicos, Ambientais e Conflitos de Uso. Custos e Barreiras ao Desenvolvimento. Medidas de Apoio e Iniciativas em PT O problema que se nos coloca oca Impactes Económicos, Ambientais e Conflitos de Uso Custos e Barreiras ao Desenvolvimento Medidas de Apoio e Iniciativas em PT Conclusões Módulo I Formação dirigentes e

Leia mais

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt O recurso energético e o mercado potencial Estado actual da tecnologia Custos A Energia das Ondas em Portugal Conclusões Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Leia mais

superiores da Administração Pública para as energias renováveis oceânicas 08.02.2011, Lisboa; Frank Neumann

superiores da Administração Pública para as energias renováveis oceânicas 08.02.2011, Lisboa; Frank Neumann Formação dos dirigentes e quadros superiores da Administração Pública para as energias renováveis oceânicas MÓDULO I I I Tópicos Tipos de dispositivos de energia das ondas Tecnologias específicas das ondas

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS Desafios para o Futuro A estratégia e perspectivas da EDP

ENERGIAS RENOVÁVEIS Desafios para o Futuro A estratégia e perspectivas da EDP ENERGIAS RENOVÁVEIS Desafios para o Futuro A estratégia e perspectivas da EDP Pedro Paes EDP/DSA Direcção de Sustentabilidade Exponor, 26 Setembro 2013 Agenda O sector energético desafios e oportunidades

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

WindFloat Public Session and DemoWfloat Workshop. Caracterização do Potencial Energético do Vento na Costa Portuguesa.

WindFloat Public Session and DemoWfloat Workshop. Caracterização do Potencial Energético do Vento na Costa Portuguesa. WindFloat Public Session and DemoWfloat Workshop Caracterização do Potencial Energético do Vento na Costa Portuguesa. Ana Estanqueiro Apúlia, 9 de Julho de 2013 Vantagens Potencial eólico mais elevado,

Leia mais

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Seminário Anual WavEC Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Direção-Geral de Energia e Geologia Pedro Cabral Potencial renovável marinho

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia Aplicação da Directiva 2009/28/CE Apresentação das previsões da APREN desenvolvidas no âmbito do Projecto Europeu REPAP 2020 63% 31% 85% Enquadramento

Leia mais

VII Conferência Anual do Turismo

VII Conferência Anual do Turismo VII Conferência Anual do Turismo O Contributo das Actividades do Mar Sustentabilidade Antonio Vidigal CEO da EDP Inovação Funchal, 3 de Maio de 2013 1 Não há falta de Energia Renovável e o Mar é um dos

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

Powered by. Desenvolvimento

Powered by. Desenvolvimento Desenvolvimento de Sistemas Sustentáveis 1 Urbancraft Energia, S.A. FDO INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES, SGPS, S.A. ALEXANDRE BARBOSA BORGES, SGPS, S.A. 50% 50% A URBANCRAFT ENERGIA, S.A é uma sociedade

Leia mais

António Vidigal. Presidente da EDP Inovação

António Vidigal. Presidente da EDP Inovação António Vidigal Presidente da EDP Inovação EDP Inovação A EDP é uma empresa Global com presença em diversos Continentes. USA Europa Wind Power Brasil Portugal Espanha O Core Business da EDP é energia renovável

Leia mais

Construção e Energias Renováveis. Volume IV Energia das Ondas. um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.com

Construção e Energias Renováveis. Volume IV Energia das Ondas. um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.com Construção e Energias Renováveis Volume IV Energia das Ondas um Guia de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização de.

Leia mais

Importância das sinergias para o desenvolvimento das Energias Renováveis Marinhas Frederico Pinto Ferreira

Importância das sinergias para o desenvolvimento das Energias Renováveis Marinhas Frederico Pinto Ferreira Importância das sinergias para o desenvolvimento das Energias Renováveis Marinhas Frederico Pinto Ferreira Workshop - Oportunidades de negócio em energias renováveis marinhas ATLANTIC POWER CLUSTER INEGI

Leia mais

Perspectiva dos Operadores

Perspectiva dos Operadores OS NOVOS DESAFIOS DO MIBEL Perspectiva dos Operadores Rui Cartaxo 1 de Junho de 2010 Rede Eléctrica Nacional, S.A. A especialização geográfica dos perfis de produção faz sentido mas implica mais e melhores

Leia mais

Contributo para o quase zero de energia no edificado

Contributo para o quase zero de energia no edificado Energia nos EDIFÌCIOS: 40 % da energia primária consumida Contributo para o quase zero de energia no edificado 24% das emissões de GEE 30% do consumo de electricidade (per capita: 1,5 MWh/ano) Edifícios

Leia mais

Celso F. França Costa Consultor na MEGAJOULE. MEGAJOULE Consultoria no mercado de energia eólica

Celso F. França Costa Consultor na MEGAJOULE. MEGAJOULE Consultoria no mercado de energia eólica Celso F. França Costa Consultor na MEGAJOULE MEGAJOULE Consultoria no mercado de energia eólica A Megajoule Criada em Fevereiro de 2004 contando os seus fundadores com mais de 10 anos de experiência na

Leia mais

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL 1ª Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência Lisboa, 01 e 02 de Julho de 2010 O Grupo EDP tem presença significativa no mundo E.U.A Capacidade

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS Conferência e exposição ipad angola 2011 Luanda, 15 de Setembro de 2011 Fontes de Energias renováveis no Contexto angolano APRESENTAÇÃO SANDRA CRISTÓVÃO

Leia mais

Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore

Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore Alex Raventos Wave Energy Centre (WavEC) alex@wavec.org 8 de Fevereiro 2011 Auditório ISCSP, Lisboa Formação sobre as energias renováveis

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS TECNOLOGIAS PARA CONVERSÃO DE ENERGIA DAS ONDAS

CLASSIFICAÇÃO DAS TECNOLOGIAS PARA CONVERSÃO DE ENERGIA DAS ONDAS CLASSIFICAÇÃO DAS TECNOLOGIAS PARA CONVERSÃO DE ENERGIA DAS ONDAS Ronchi, F.P. 1 Schaeffer, L. ² ¹Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e Materiais (PPGEM). Laboratório

Leia mais

Projeto WindFloat. XIX Congresso da Ordem dos Engenheiros. Lisboa, 20 de Outubrode 2012

Projeto WindFloat. XIX Congresso da Ordem dos Engenheiros. Lisboa, 20 de Outubrode 2012 Projeto WindFloat XIX Congresso da Ordem dos Engenheiros Lisboa, 20 de Outubrode 2012 WindFloat Projeto pioneiro a nível mundial para exploração do recurso eólico em águas profundas Projeto de demonstração

Leia mais

Case Study. EDP Renováveis - Roménia

Case Study. EDP Renováveis - Roménia EDP Renováveis - Roménia A solução implementada pela Wavecom tem como objectivo a interligação de dois parques eólicos da EDPR, localizados na Roménia, com os seus centros de despacho. Wavecom - Soluções

Leia mais

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012 Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo 05/06/2012 Responder às PME Como está organizada a Galp? Qual a estratégia? Onde vai crescer? Quais os investimentos previstos? Em que mercados? Quais as

Leia mais

Hypercluster do mar. Setembro 2009

Hypercluster do mar. Setembro 2009 Hypercluster do mar Setembro 2009 Hypercluster do mar Segurança Marítima Projecto MarBIS Fórum cientifico e tecnológico Considerações finais 2 Hypercluster do mar Parcerias com empresas petrolíferas com

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA. Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento

5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA. Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento 5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA Peniche, 7 de Novembro de 2007 Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento O Sol pode ser um recurso? Moura e Amareleja: 2.200 KWh/m2 Soma da irradiação anual global,

Leia mais

Consumo e geração de energia equilibrados

Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Em Portugal, a rede de transporte de energia foi concebida tendo em conta a produção maciça e contínua de energia proveniente

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS?

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O ISQ e a ASK querem ajudar empreendedores e empresários à procura de financiamento a obterem o apoio de que necessitam para lançar ou desenvolver os seus

Leia mais

7º Congresso do Comité Português da URSI

7º Congresso do Comité Português da URSI 7º Congresso do Comité Português da URSI Os desafios da eólica offshore flutuante Antonio Vidigal CEO da EDP Inovação Lisboa, 22 de Novembro de 2013 1 Não há falta de Energia Renovável, o Mar é um dos

Leia mais

Energia Solar Térmica Ponto da situação e caminhos para 2020

Energia Solar Térmica Ponto da situação e caminhos para 2020 Energia Solar Térmica Ponto da situação e caminhos para 2020 João Farinha Mendes ENERGIA 2020 Um objectivo a 10 anos 8-9 Fevereiro 2010 2 As Energias Renováveis no Programa do XVIII Governo - Objectivos

Leia mais

Simplificação Processual no Licenciamento para as Energias Renováveis

Simplificação Processual no Licenciamento para as Energias Renováveis Simplificação Processual no Licenciamento para as Energias Renováveis O Projecto Políticas Públicas do WavEC, Centro de Energia das Ondas Nuno Matos Núcleo de Políticas Públicas e Disseminação Breves Dados

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM A Utilização da Energia Eólica e o Desenvolvimento Energético da Sociedade Rio de Janeiro, 2 de outubro de 2002 Substituição da força motriz humana e animal nas atividades agrícolas China 2000 A.C. A Evolução

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO Estratégia para o Crescimento Verde A ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL António Sá da Costa 22 de Janeiro de 2015 ÍNDICE 1. A ENERGIA EM PORTUGAL 2. CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO E INDÚSTRIAS CRIATIVAS

EMPREENDEDORISMO E INDÚSTRIAS CRIATIVAS EMPREENDEDORISMO E INDÚSTRIAS CRIATIVAS O MAR QUE NOS INSPIRA NOVAS POTENCIALIDADES NUNO MATOS 1 11 DE ABRIL DE 2014 AGENDA - Questão prévia: Empreendedorismo no Mar é junto à costa? - As Dimensões do

Leia mais

Feed-in Tariffs: Experiência Internacional

Feed-in Tariffs: Experiência Internacional Feed-in Tariffs: Experiência Internacional Rodrigo Sousa Coordenação regulatória internacional Geração Distribuída e Tarifas Feed-In Universidade de Brasília 04/07/2013 Sistemas de apoio para a promoção

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015 2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra Lisboa, 13 de Junho de 2015 EMEL EMEL Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, E.M. S.A., tem como objecto a gestão

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

As novas barragens e o controlo de segurança

As novas barragens e o controlo de segurança As novas barragens e o controlo de segurança Carlos Pina Investigador Coordenador do LNEC ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil FEUP - Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto 21 de

Leia mais

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 0 Índice I Introdução II Internacionalização III Estratégia em Portugal 1 I Introdução

Leia mais

Renováveis em Cabo Verde

Renováveis em Cabo Verde Promoção das Energias Renováveis em Cabo Verde III Conferencia da RELOP Rio de Janeiro 4 e 5 de Novembro 2010 Apresentação :Rito Évora Administrador ARE Índice Porquê energias renováveis? Onde estamos?

Leia mais

O novo sector elétrico

O novo sector elétrico O novo sector elétrico FISTA 2015 Lisboa, 11 de Março de 2015 A inovação no setor elétrico está a avançar a um ritmo acelerado Eólica offshore Solar PV escala utilities Veículos elétricos Baterias de rede

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Wave Energy: From Demonstration to Commercialization

Wave Energy: From Demonstration to Commercialization : From Demonstration to Commercialization antonio.sarmento@ist.utl.pt Wave Centro de Energia das Ondas Recurso Situação actual da tecnologia Economia Desafios, riscos e barreiras Políticas públicas de

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

VII Jornadas Pascal. Energia: os desafios do futuro António Comprido Secretário-Geral da Apetro

VII Jornadas Pascal. Energia: os desafios do futuro António Comprido Secretário-Geral da Apetro VII Jornadas Pascal António Comprido Secretário-Geral da Apetro Porto, 2 de Junho de 2011 1 Estrutura da apresentação Onde estamos Para onde caminhamos Quais os desafios que enfrentamos 2 Onde estamos

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Através dos Oceanos Aproveitamento Energético e Aspectos Tecnológicos Marcus Vinicius de Oliveira Engenheiro Eletricista - UFMG 29 de Maio de 2012 Energia dos Oceanos Formas

Leia mais

A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL

A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL Ciclo de Mesas Redondas A APREN e as Universidades A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL Comemoração do Dia nacional da Água 1 de outubro de 2014 2 A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL PROGRAMA 10:30 10:50 Sessão

Leia mais

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA Filipe Fernandes Arouca, 2010 A JPM Automação e Equipamentos Industrias SA - Apresentação Historial Fundada há mais de uma década, a JPM é uma empresa tecnologicamente

Leia mais

Energia nuclear em. Carlos Pimenta. Centro de Estudos em Economia da Energia, dos Transportes e do Ambiente

Energia nuclear em. Carlos Pimenta. Centro de Estudos em Economia da Energia, dos Transportes e do Ambiente Energia nuclear em Portugal? Carlos Pimenta Centro de Estudos em Economia da Energia, dos Transportes e do Ambiente A matriz energética portuguesa Gas Natural 10 % Hidroelectricidade 5 % Biomassa 11 %

Leia mais

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III*

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fundos de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fotomeramenteilustrativa. Trata-se dapch Buritido GrupoAtiaiaEnergiaS.A., que não faz parte do produto

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade.

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Tipo de parceria:joint venture Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Empresa da Eslováquia certificadaespecializada na produção de painéis

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A.

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A. DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A. I INTRODUÇÃO 1. Em 16 de Maio de 2005, a Autoridade da Concorrência

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

GHG Protocol in EDP. Pedro Sirgado

GHG Protocol in EDP. Pedro Sirgado GHG Protocol in EDP Pedro Sirgado EDP Empresa de referência no mercado Ibérico, com uma presença de destaque no mercado Brasileiro e forte investimento nos E.U.A. Renováveis E.U.A. Capacidade de produção

Leia mais

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade Tecnologia nacional potencia sustentabilidade 1 Tecnologia nacional potencia sustentabilidade O desenvolvimento de soluções inovadoras que melhoram a eficiência das organizações e a qualidade de vida das

Leia mais

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro.

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro. Castelo de Vide 16.02.2009 Mais eco. Mais futuro. O mundo está nas nossas mãos... 1 O consumo energético mundial tem registado forte crescimento nos últimos anos, agravando o volume de emissões de CO 2

Leia mais

Inserção da energia eólica na

Inserção da energia eólica na Inserção da energia eólica na matriz de geração brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O papel das energias renováveis

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo

Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo Cristina Brunet de Figueiredo Coordenadora da Comissão de Responsabilidade Social do IBP Coordenadora de Comunicação e Relações Externas

Leia mais

CABO VERDE. Estratégia Para a Energia Sustentável em

CABO VERDE. Estratégia Para a Energia Sustentável em Estratégia Para a Energia Sustentável em CABO VERDE Plano de Ação para as Energias Renováveis Plano de Ação para a Eficiência Energética Agenda de Ação para Energia Sustentável para Todos Enquadramento

Leia mais

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa NOTA TECNICA I COMPARAÇÃO DA ELETRICIDADE GERADA EM CICLOS COMBINADOS A GÁS NATURAL E A PARTIR DE BIOMASSA No Decreto No. 3371 do MME (24/2/2000) foi instituído o Programa Prioritário de Termeletricidade

Leia mais

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades:

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades: 1. QUEM SOMOS 2 A APREN A APREN - Associação Portuguesa de Energias Renováveis, é uma associação sem fins lucrativos, constituída em Outubro de 1988, com a missão de coordenação, representação e defesa

Leia mais

REDES COMUNITÁRIAS. Casos Internacionais. Stokcab Municipios de Estocolmo. MetroWeb Municipios de Milão

REDES COMUNITÁRIAS. Casos Internacionais. Stokcab Municipios de Estocolmo. MetroWeb Municipios de Milão REDES COMUNITÁRIAS Casos Internacionais Stokcab Municipios de Estocolmo MetroWeb Municipios de Milão BorderLight.net Municipios da Suécia / Cidade de Uppsala Utopia.net Municipios do Estado do Utah 0 O

Leia mais

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade XIV Reunión Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energía Salvador - Bahía 28 a 30 de Abril de 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia

Leia mais

Out. 2011 Um Edifício Energeticamente Eficiente CONCEITO É um Laboratório de Formação e de Investigação e Desenvolvimento (ID&I) na área da energia. Demonstração Experimentação Investigação Transferência

Leia mais

Planeamento Estratégico. Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua

Planeamento Estratégico. Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua Planeamento Estratégico Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua AGENDA 1. O Grupo Martifer 2. As Pessoas 4. A Estratégia 5. Monitorização Ferramenta Balance Scord Card 2 GRUPO MARTIFER Dimensão: Mais

Leia mais

Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras

Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras Por ENE-E.P. ENE-E.P. Empresa Nacional de Electricidade (ENE-E.P).

Leia mais

Smart Cities Portugal

Smart Cities Portugal Smart Cities Portugal A rede Smart Cities Portugal tem por objetivo promover o trabalho em rede numa lógica inter-cluster, para o desenvolvimento e produção de soluções urbanas inovadoras para smart cities,

Leia mais

ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO

ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO VI CONFERENCIA RELOP A QUALIDADE DE REGULAÇÃO DA ENERGIA E DOS SERVIÇOS NOS PALOP ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO Eng. Júlio Capitango Luanda, Maio de 2013 Índice 1. Enquadramento 2. Organização do Sector

Leia mais

1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1

1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1 Tema de Pesquisa: Internacional 07 de Dezembro de 2012 Revista de Imprensa 07-12-2012 1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1 2. (PT) -

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Energia Eólica e Impactes Tarifários Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação dos custos da Produção em Regime Especial 3. O Sobrecusto

Leia mais

CIDADES INTELIGENTES DIREITO DA ENERGIA RITA NORTE

CIDADES INTELIGENTES DIREITO DA ENERGIA RITA NORTE CIDADES INTELIGENTES DIREITO DA ENERGIA RITA NORTE CIDADES INTELIGENTES NOTAS INTRODUTÓRIAS As cidades - espaços de oportunidades, desafios e problemas Diagnóstico dos espaços urbanos: Transformação demográfica

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais