Proposta da ANET. Preâmbulo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta da ANET. Preâmbulo"

Transcrição

1 Proposta da ANET Preâmbulo A realidade do ensino superior em Portugal e na Europa sofreu nos últimos anos enormes transformações das quais o conhecido Processo de Bolonha constitui o exemplo mais relevante e, como há muito escrevemos, em boa hora o governo português decidiu aderir ao processo de Bolonha. Passou-se de um primado do grau académico baseado na formação inicial para o primado da competência para executar, projectar, dirigir, liderar, alicerçado na necessidade de constante actualização de conhecimentos, atitudes e competências. Se é verdade que a formação inicial constitui a ignição no aprender de uma actividade profissional, não é menos verdade que a formação ao longo da vida (formal, não formal ou informal) constitui a aceleração do desenvolvimento profissional de cada indivíduo. A escola deixou, definitivamente, de ser um lugar onde se vai antes da entrada no mundo profissional e passou a ser um lugar que se visita, com alguma frequência, durante toda a vida activa. nteriorizando por completo o Processo de Bolonha, a ANET tem vindo a manter com as escolas parcerias activas transmitindo-lhes a sua visão sobre os actos profissionais que os seus futuros diplomados irão desempenhar, procurando a evolução curricular dos seus cursos, mostrando-lhes a necessidade de abertura de vagas para diplomados de 1º ciclo em engenharia e de implementação das unidades curriculares avulso como determina o art.º 46-A do D.L. 107/2008 de 25 de Junho. Por outro lado, tem fomentado junto dos seus membros a necessidade de voltar à escola para desenvolver novas competências e adquirir novos graus académicos. Como resultado desta estratégia temos hoje cursos de engenharia mais adaptados às necessidades do país e um número crescente de membros que vão concluindo o segundo ciclo em Engenharia, outros com o grau de mestre pré-bolonha e alguns que concluíram já o terceiro ciclo do ensino superior (doutoramento). É neste contexto que surge a Lei 31/2009 de 3 de Julho que «Aprova o regime jurídico que estabelece a qualificação profissional exigível aos técnicos responsáveis pela elaboração e subscrição de projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra, que não esteja sujeita a legislação especial, e os deveres que lhes são aplicáveis e revoga o Decreto n.º 73/73, de 28 de Fevereiro.». Esta Lei coloca as profissões de Arquitecto, Arquitecto Paisagista, e como capacitadas para a realização de projectos (da sua área de saber) deixando para acordo a 1

2 estabelecer entre a Ordem dos s e a Associação Nacional dos s Técnicos o problema das estruturas com recurso a soluções não correntes (alínea b do nº 2 do art.º 10). De forma análoga considera como capacitadas para a Direcção e Fiscalização de Obra as profissões de Arquitecto, Arquitecto Paisagista,, e outros técnicos qualificados (Agentes Técnicos de Arquitectura e Engenharia que sejam detentores de Certificado de Aptidão Profissional de nível 4 ou os detentores de um diploma de um Curso de Especialização Tecnológica em Condução de Obras), remetendo no seu art.º 27º a necessidade de se estabelecerem protocolos que elenquem «a globalidade dos tipos de obra e de projecto existentes, não afectando a regulação de qualificação prevista em lei especial que disponha sobre a elaboração de projecto ou plano concreto ou defina a qualificação mínima de técnicos para elaboração de projecto;». É com esta análise da realidade actual que surge a proposta da Associação Nacional dos s Técnicos. Considerandos 1. Qualquer acto profissional só deve ser realizado por quem tem competência para o fazer, competindo às associações de direito público atestar tal competência; 2. As associações de direito público devem implementar uma estratégia de exigência e de rigor com todos os seus membros e devem procurar ajudar as escolas na melhoria e actualização permanentes dos seus currículos; 3. Para experiência profissional e formação académica iguais, independentemente da associação de direito público a que o sujeito pertença, competência igual; 4. Os actos profissionais que um e um estão habilitados a realizar após a conclusão do estágio e do curso de ética e deontologia (início da profissão) diferem, naturalmente, na complexidade do acto, dado os anos de formação; 5. É clara a intenção do legislador quando da redacção da Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, no seu artigo 10.º n.º 3 abrir a possibilidade para os s Técnicos fazerem projectos da Categoria V. 6. Ao fim de dez anos de experiência profissional comprovada a diferença de anos no curso de formação inicial dilui-se completamente. 2

3 7. O ideal da portaria referida no artigo 27.º da Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, deveria ser uma portaria simples e clarificadora, tendo em conta que a Portaria n.º 701-H/2008, de 29 de Julho já elenca os actos de engenharia e a Portaria n.º 16/2004, de 10 de Janeiro tem uma estrutura clara em termos de adopção como base para a Direcção de Obra e Fiscalização. 8. Com a adopção dos dois referenciais referidos no ponto 7 evita-se uma dispersão de legislação, tornando possível acomodar todas as situações existentes. Proposta 1. A criação de três escalões para os s Técnicos e de dois para os s:, Sénior e Técnico Especialista; e Especialista. A diferença do número de escalões assenta na duração da formação inicial que é diferente; 2. Entende-se por um sujeito com um diploma de primeiro ciclo em Engenharia e com aprovação em estágio profissional e curso de ética e deontologia organizado pela ANET; 3. Entende-se por Sénior um membro da ANET com cinco anos de experiência profissional comprovada (em cinco anos é possível adquirir as mesmas competências e conhecimentos que em dois anos de formação inicial) ou com um diploma de segundo ciclo em engenharia da sua especialidade; 4. Entende-se por Especialista um membro da ANET com um diploma de 2º ciclo em engenharia da sua especialidade e com dez anos de experiência profissional e formação comprovadas para o conjunto de actos profissionais específicos onde é considerado especialista pela ANET; 5. Entende-se por um sujeito com um diploma de segundo ciclo em Engenharia e com aprovação em estágio profissional e curso de ética e deontologia organizado pela OE; 6. Entende-se Especialista um membro da OE com dez anos de experiência profissional e formação comprovadas para o conjunto de actos profissionais específicos onde é considerado especialista pela OE; 3

4 7. Para efeitos da atribuição de actos de maior complexidade existe paridade entre os escalões de Sénior e e os escalões de Especialista e Especialista. 8. A Adopção para a elaboração do Quadro a descriminação da Portaria n.º 701- H/2008, de 29 de Julho e para os Quadros e o Decreto-Lei n.º 12/2004, de 9 de Janeiro de a Portaria n.º 16/2004 de 10 de Janeiro. 4

5 ANEXO A: Proposta da ANET 5

6 Projecto de Portaria (a que se refere o nº 7 do artigo 27º da Lei nº 31/2009, de 3 de Julho) Portaria nº /2009 A Lei nº 31/2009, de 3 de Julho, que revogou o Decreto nº 73/73, de 28 de Fevereiro, aprovou o regime jurídico que estabelece a qualificação exigível aos técnicos responsáveis pela elaboração e subscrição de projectos, pela fiscalização e pela direcção de obra, que não esteja sujeita a legislação especial. Nos termos do disposto nos nºs. 1 e 2 do artigo 27º da referida Lei, competia à Ordem dos Arquitectos, à Ordem dos s e à Associação Nacional dos s Técnicos definir, através de protocolos a estabelecer entre si, as qualificações específicas adequadas à elaboração de projectos, à direcção de obra e à fiscalização de obra. Esses protocolos deveriam estar concluídos, nos termos do disposto no nº 6 daquele artigo, dentro de dois meses contados da data de publicação do diploma, ou seja, até 3 de Setembro de E, como dispõe o nº 7 do mesmo preceito, caso não se verificasse, dentro desse prazo, a celebração dos aludidos protocolos, como veio a suceder, aquela definição seria aprovada por portaria. Pela presente portaria é, pois, aprovada a definição das qualificações específicas adequadas à elaboração de projecto, à direcção de obra e à fiscalização de obra, no âmbito dos projectos e obras compreendidos no artigo 2º, nos termos das definições estabelecidas pelo artigo 3º, ambos da Lei nº 31/2009, de 3 de Julho, e com respeito pelas pertinentes disposições desta, nomeadamente as contidas no respectivo artigo 4º. Não são contempladas na presente portaria as qualificações específicas adequadas à elaboração de projecto, à direcção e à fiscalização de obra, cuja definição tenha sido já objecto de tratamento em legislação especial ou em protocolo celebrado ao abrigo de legislação especial. Foram ouvidas, nos termos do disposto no nº 8 do artigo 27º da citada Lei, as associações públicas profissionais acima referidas. Assim: Ao abrigo do disposto no n.º 7 do artigo 27.º da Lei nº 31/2009, de 3 de Julho, manda o Governo, pelos Ministros das Obras Públicas, Transportes e Comunicações e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o seguinte: Artigo 1.º Objecto A presente portaria regulamenta as qualificações específicas profissionais exigíveis aos técnicos responsáveis pela elaboração de projectos, pela fiscalização de obras e pela direcção de obras, previstas na Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, sem prejuízo do disposto em legislação especial. Artigo 2.º Qualificações específicas A definição das qualificações específicas da Elaboração de Projectos, referidas no artigo anterior, é feita em função da classificação das obras pelas categorias,, e V prevista no artigo 11º do Anexo e no Anexo à Portaria n.º 701-H/2008, de 29 de Julho, sendo extensível a outras obras aí não previstas, nos termos dos quadro do Anexo à presente 6

7 portaria, enquanto a definição das qualificações específicas da Direcção e Fiscalização de Obras, referidas no artigo anterior, é feito com base nas classes de alvará previstas na Portaria n.º 16/2004 de 10 de Janeiro a que se refere o Decreto-Lei n.º 12/2004, de 9 de Janeiro de, nos termos dos quadros e do anexo à presente Portaria. Artigo 3º Outras qualificações As funções de elaboração de projecto de engenharia podem ser desempenhadas por s e s Técnicos, membros da O.E. e da ANET respectivamente, e os de elaboração de projecto de arquitectura por Arquitectos membros da O.A., ainda que detentores de especialidades diversas das identificadas como adequadas referidas no Quadro do Anexo à presente portaria, quando aqueles possuam, pelo menos, cinco anos de experiência profissional relevante nos trabalhos respectivos, desde que os mesmos digam respeito a obras classificadas nas categorias, e referidas no artigo 2º. Artigo 4º Certificação de experiência profissional 1. Quando nos termos da Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, e da presente portaria, seja exigido determinado período de actividade e experiência profissionais para o desempenho de qualquer função, os mesmos são certificados pela associação profissional onde o técnico se encontra inscrito. 2. A certificação referida no número anterior é feita através de avaliação curricular e dos demais documentos que a associação profissional considere necessários, devendo incluir as actividades de apoio às funções de elaboração de projecto, à coordenação de projecto, à direcção de obra e à direcção de fiscalização de obra. Artigo 5.º Entrada em vigor A presente portaria entra em vigor em 1 de Novembro de

8 ANEXO (a que se refere o artigo 2.º da portaria) Quadro Elaboração de Projectos Projecto de Arquitectura Projecto de Paisagismo Projecto de Engenharia Obras segundo a sua complexidade (Portaria 701H/2008 de 29 de Julho) Arquitectos Paisagistas s Técnicos s s Técnicos s Técnicos Sénior (5 anos) s Técnicos Especialistas (10 anos) s s Especialistas (10 anos) Categoria Categoria Categoria Categoria V 8

9 Quadro Direcção de Obra Obras segundo o Decreto-Lei n.º 12/2004, de 9 de Janeiro e Portaria 16/2004, de 10 de Janeiro Arquitectos Paisagistas s Técnicos s Técnicos s Técnicos Sénior (5 anos) s Técnicos Especialistas (10 anos) s s s Especialistas (10 anos) Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Classe Classe Classe a V Classe V a X móveis classificados, em vias de classificação ou inseridos em zona especial ou automática de protecção 9

10 Obras segundo o Decreto-Lei n.º 12/2004, de 9 de Janeiro e Portaria n.º 16/2004 de 10 de Janeiro Quadro Direcção de Fiscalização da Obra Arquitectos Paisagistas s Técnicos s Técnicos s Técnicos Sénior (5 anos)a) s Técnicos Especialistas (10 anos) b) s s s Especialistas (10 anos) Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Classe Classe Classe a V Classe V a X móveis Classificados, em vias de classificação ou inseridos em zona especial ou automática de protecção 10

11 ANEXO B: Alterações sobre a proposta do nc 11

12 Projecto de Portaria (a que se refere o nº 7 do artigo 27º da Lei nº 31/2009, de 3 de Julho) Portaria nº /2009 A Lei nº 31/2009, de 3 de Julho, que revogou o Decreto nº 73/73, de 28 de Fevereiro, aprovou o regime jurídico que estabelece a qualificação exigível aos técnicos responsáveis pela elaboração e subscrição de projectos, pela fiscalização e pela direcção de obra, que não esteja sujeita a legislação especial. Nos termos do disposto nos nºs. 1 e 2 do artigo 27º da referida Lei, competia à Ordem dos Arquitectos, à Ordem dos s e à Associação Nacional dos s Técnicos definir, através de protocolos a estabelecer entre si, as qualificações específicas adequadas à elaboração de projectos, à direcção de obra e à fiscalização de obra. Esses protocolos deveriam estar concluídos, nos termos do disposto no nº 6 daquele artigo, dentro de dois meses contados da data de publicação do diploma, ou seja, até 3 de Setembro de E, como dispõe o nº 7 do mesmo preceito, caso não se verificasse, dentro desse prazo, a celebração dos aludidos protocolos, como veio a suceder, aquela definição seria aprovada por portaria. Pela presente portaria é, pois, aprovada a definição das qualificações específicas adequadas à elaboração de projecto, à direcção de obra e à fiscalização de obra, no âmbito dos projectos e obras compreendidos no artigo 2º, nos termos das definições estabelecidas pelo artigo 3º, ambos da Lei nº 31/2009, de 3 de Julho, e com respeito pelas pertinentes disposições desta, nomeadamente as contidas no respectivo artigo 4º. Não são contempladas na presente portaria as qualificações específicas adequadas à elaboração de projecto, à direcção e à fiscalização de obra, cuja definição tenha sido já objecto de tratamento em legislação especial ou em protocolo celebrado ao abrigo de legislação especial. Foram ouvidas, nos termos do disposto no nº 8 do artigo 27º da citada Lei, as associações públicas profissionais acima referidas. Assim: Ao abrigo do disposto no n.º 7 do artigo 27.º da Lei nº 31/2009, de 3 de Julho, manda o Governo, pelos Ministros das Obras Públicas, Transportes e Comunicações e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o seguinte: Artigo 1.º Objecto A presente portaria regulamenta as qualificações específicas profissionais exigíveis aos técnicos responsáveis pela elaboração de projectos, pela fiscalização de obras e pela direcção de obras, previstas na Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, sem prejuízo do disposto em legislação especial. Artigo 2.º Qualificações específicas A definição das qualificações específicas referidas no artigo anterior é feita em função da classificação das obras pelas categorias,, e V prevista no artigo 11º do Anexo e no 12

13 Anexo à Portaria n.º 701-H/2008, de 29 de Julho, sendo extensível a outras obras aí não previstas, nos termos dos quadros a do Anexo à presente portaria. Artigo 3º Outras qualificações As funções de elaboração de projecto de engenharia podem ser desempenhadas por s e s Técnicos, membros da O.E. e da ANET respectivamente, e os de elaboração de projecto de arquitectura por Arquitectos membros da O.A., ainda que detentores de especialidades diversas das identificadas como adequadas referidas no Quadro do Anexo à presente portaria, quando aqueles possuam, pelo menos, cinco anos de experiência profissional relevante nos trabalhos respectivos, desde que os mesmos digam respeito a obras classificadas nas categorias, e referidas no artigo 2º. Artigo 4º Certificação de experiência profissional 3. Quando nos termos da Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, e da presente portaria, seja exigido determinado período de actividade e experiência profissionais para o desempenho de qualquer função, os mesmos são certificados pela associação profissional onde o técnico se encontra inscrito. 4. A certificação referida no número anterior é feita através de avaliação curricular e dos demais documentos que a associação profissional considere necessários, devendo incluir as actividades de apoio às funções de elaboração de projecto, à coordenação de projecto, à direcção de obra e à direcção de fiscalização de obra. Artigo 5.º Entrada em vigor A presente portaria entra em vigor em 1 de Novembro de

14 ANEXO (a que se refere o artigo 2.º da portaria) Quadro Função / Obra Especialista / 10 anos a) Sénior / 5 anos b) Especialista / 10 anos c) Arquitectos Arquitectos Paisagistas ELABORAÇÃO DE PROJECTO PROJECTO DE EDFÍCOS Arquitectura Fundações Fundações directas em solo de boa qualidade / Geotécnica Fundações directas em solo de má qualidade / Geotécnica Fundações indirectas / Geotécnica Fundações especiais V / Geotécnica Estruturas de edificações Estruturas correntes Estruturas com exigências especiais Estruturas de Hospitais, Estádios e grandes instalações desportivas ou culturais V Estruturas de edifícios com altura igual ou inferior a 30 metros Estruturas de edifícios com altura superior a 30 metros e igual ou inferior a 60 metros Estruturas de edifícios com altura superior a 60 metros V Obras de Escavação e contenção Escavações com talude inclinado, sem entivação, até um máximo de 6 metros de altura, com contenção por muros de betão armado Escavações entivadas até 3 metros de altura ou não entivadas acima de 6 metros, com contenção por muros simples de betão armado / Geotécnica 14

15 Especialista / 10 anos a) Sénior / 5 anos b) Especialista / 10 anos c) Arquitectos Arquitectos Paisagistas ELABORAÇÃO DE PROJECTO Escavações entivadas com mais de 3 metros de altura, com contenção por muros de betão armado escorados, ancorados ou com contrafortes / Geotécnica Escavações e contenções especiais V nstalações, equipamentos e sistemas para edifícios l) nstalações, equipamentos e sistemas de águas e esgotos nstalações, equipamentos e sistemas de águas e esgotos para edifícios de categoria nstalações, equipamentos e sistemas de águas e esgotos para edifícios de categoria nstalações, equipamentos e sistemas de águas e esgotos para edifícios de categoria nstalações, equipamentos e sistemas de águas e esgotos para edifícios de categoria V nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos para edifícios da categoria nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos para edifícios da categoria nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos para edifícios da categoria nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos para edifícios da categoria V nstalações, equipamentos e sistemas de transporte de pessoas e cargas nstalações simples de equipamentos electromecânicos nstalações de ascensores, escadas e tapetes rolantes / Ambiente V V ; Mecânica ; Mecânica 15

16 Especialista / 10 anos a) Sénior / 5 anos b) Especialista / 10 anos c) Arquitectos Arquitectos Paisagistas ELABORAÇÃO DE PROJECTO Sistemas de segurança integrada Sistemas de gestão técnica centralizada PONTES, VADUTOS E PASSADÇOS V V ; Mecânica ; Mecânica Em infra-estruturas rodoviárias Passadiços com vãos inferiores a 20 metros sem condicionamentos especiais Passadiços com vãos entre 20 a 40 metros sem condicionamentos especiais Passadiços com vãos superiores a 40 metros ou com geometria complexa e de qualquer vão Pontes e Obras de Arte similares com vão único e igual ou inferior a 10 metros e viés superior a 70.º Obras de Arte com vão máximo igual ou inferior a 40 metros e extensão menor que 400 m sem condicionamento de apoios Pontes e viadutos que não sejam considerados segundo a regulamentação em vigor como pontes correntes para efeitos de análise sísmica, ou com vão superior 40m ou com extensão superior 400 m Pontes e viadutos fortemente enviesados ou com traçado planimétrico complexo, nomeadamente em meios urbanos Pontes e viadutos com vão máximo igual ou superior a 60 metros, e com extensão superior a 400 metros / Mecânica d) / Mecânica d) / Mecânica d) / Mecânica d) / Mecânica d) / Mecânica d) V Pontes e viadutos com vão máximo igual ou superior a 120 metros V Em infra-estruturas ferroviárias Pontes e obras similares ferroviárias com vão único até 10 m e viés superior a 70.º Pontes e viadutos ferroviários com vão máximo igual ou inferior a 20 m e viés superior a 70.º Pontes e viadutos ferroviários com vão superior a 20 m e inferior a 40 m ou viés inferior a 70.º / Mecânica d) / Mecânica d) / Mecânica d) 16

17 Especialista / 10 anos a) Sénior / 5 anos b) Especialista / 10 anos c) Arquitectos Arquitectos Paisagistas ELABORAÇÃO DE PROJECTO Pontes e viadutos ferroviários com vãos superiores a 40 metros V / Mecânica d) Pontes e viadutos ferroviários para velocidades de projecto superiores a 220 km/h e vão inferior a 20 m, sem viés Pontes e viadutos ferroviários para velocidades superiores a 220 km/h com vão superior a 20 m ou viés inferior a 70.º ESTRADAS E ARRUAMENTOS / Mecânica d) V / Mecânica d) Caminhos municipais, vicinais e estradas florestais / Geotécnica Arruamentos urbanos com faixa de rodagem simples / Geotécnica Arruamentos urbanos com dupla faixa de rodagem Estradas nacionais e municipais com faixa de rodagem simples ou dupla Auto-estradas V CAMNHOS-DE-FERRO Ramais de caminho-de-ferro de características correntes e feixes industriais vias férreas de eléctricos, de metropolitano e de linhas de rede ferroviária nacional Catenária Vias férreas de alta velocidade e muito alta velocidade V Sinalização e equipamentos de segurança de vias-férreas convencionais Sinalização e equipamentos de segurança de vias-férreas alta velocidade V / Electrónica e Telecomunicações / Electrónica e Telecomunicações 17

18 Especialista / 10 anos a) Sénior / 5 anos b) Especialista / 10 anos c) Arquitectos Arquitectos Paisagistas ELABORAÇÃO DE PROJECTO AERÓDROMOS Aeródromos Aeroportos V Sistemas de ajuda à navegação e controlo de tráfego aéreo V / Electrónica e Telecomunicações OBRAS HDRÁULCAS Pequenos açudes de correcção torrencial e pequenas obras de regularização fluvial Pequenas obras de rega ou de enxugo, sem obras de arte especiais Obras de rega ou de enxugo envolvendo pequenas obras de arte ou instalações especiais Obras importantes de correcção fluvial Canais e vias navegáveis Aproveitamentos hidroagrícolas e hidroeléctricos não envolvendo a construção de grandes barragens ; Geotécnica/Geológica e de Minas / Ambiente ; Geotécnica/ Geológica e de Minas/ Ambiente / Geotécnica/ Geológica e de Minas / Ambiente / Geotécnica e) / Ambiente / Geotécnica e) / Ambiente Grandes barragens V TÚNES Túneis com escavação a céu aberto sem condicionantes geotécnicos especiais Túneis com escavação a céu aberto com condicionantes geotécnicos especiais ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ 18

19 Especialista / 10 anos a) Sénior / 5 anos b) Especialista / 10 anos c) Arquitectos Arquitectos Paisagistas ELABORAÇÃO DE PROJECTO Túneis subterrâneos em qualquer tipo de terreno Túneis subterrâneos em zonas urbanas ou com intensa ocupação Túneis subaquáticos ABASTECMENTO E TRATAMENTO DE ÁGUA Condutas adutoras de água e de funcionamento gravítico, para aglomerados até habitantes Sistemas ou partes de sistemas de abastecimento de água (redes e ou adutores por bombagem), excluindo tratamento, de aglomerados até habitantes nstalações simples de tratamento de água, incluindo apenas desinfecção e ou correcção de agressividade Sistemas ou partes de sistemas de abastecimento de água, excluindo tratamento, para mais de habitantes Estações de tratamento de água servindo até habitantes desde que não apresentem exigências especiais quanto a operação e processos de tratamento e a automatismos (como ozonização ou adsorção por carvão activado) Estações de tratamento de água para mais de habitantes ou para população inferior mas envolvendo exigências especiais, como, por exemplo, processos de ozonização ou adsorção por meio de carvão activado V V ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ / Ambiente / Ambiente / Ambiente V DRENAGEM E TRATAMENTO DE ÁGUAS RESDUAS Emissários de águas residuais de funcionamento gravítico, para aglomerados até habitantes Sistemas ou partes de sistemas de águas residuais (redes), excluindo tratamento, de funcionamento gravítico, de aglomerados até habitantes nstalações sumárias de tratamento de águas residuais, do tipo fossa séptica e órgão complementar ou tanque mhoff e leitos de secagem Sistemas ou partes de sistemas de águas residuais, excluindo tratamento, de funcionamento gravítico, para mais de habitantes ; Mecânica/ Ambiente ; Mecânica/ Ambiente ; Mecânica/ Ambiente ; Mecânica/ Ambiente Sistemas elevatórios de águas residuais ; Mecânica/ Ambiente Estações de tratamento de águas residuais servindo até habitantes por processos convencionais, com produção de efluentes de qualidade 19

20 Especialista / 10 anos a) Sénior / 5 anos b) Especialista / 10 anos c) Arquitectos Arquitectos Paisagistas ELABORAÇÃO DE PROJECTO correspondente a tratamento ; Mecânica/ Ambiente Sifões invertidos para águas residuais ; Mecânica/ Ambiente Emissários submarinos V ; Mecânica/ Ambiente Estações de tratamento de águas residuais para mais de habitantes ou para população inferior desde que a linha de tratamento integre tratamentos avançados físico-químicos, ou de origem a efluentes de qualidade superior à processos não convencionais, por exemplo resultante da aplicação de um tratamento secundário V ; Mecânica/ Ambiente Sistemas de reutilização de águas residuais V ; Mecânica/ Ambiente SSTEMAS DE RESÍDUOS URBANOS E NDUSTRAS Sistemas de remoção de resíduos sólidos, de âmbito restrito, simples ; Mecânica; Ambiente Sistemas de resíduos sólidos, excluindo tratamento, de aglomerados até habitantes Estações de tratamento de resíduos sólidos servindo até habitantes, sem exigências especiais e por processos de aterro controlado Sistemas de resíduos sólidos, excluindo tratamento, para mais de habitantes ; Mecânica; Ambiente ; Mecânica; Ambiente; ; Mecânica; Ambiente; Estações de transferência de resíduos sólidos ; Mecânica; Ambiente Estações de tratamento de resíduos sólidos para mais de e até habitantes, sem exigências especiais, ou para população inferior mas tendo dessas exigências Estações de tratamento de resíduos sólidos para mais de habitantes ou para população inferior mas com exigências especiais ; Mecânica; Ambiente; V ; Mecânica; Ambiente Sistemas de recuperação de energia a partir dos resíduos sólidos V ; Mecânica/ Ambiente Sistemas de reutilização e reciclagem de resíduos tratados V ; Mecânica/ Ambiente Estações de tratamento de resíduos perigosos V ; Mecânica/ Ambiente OBRAS PORTUÁRAS E DE ENGENHARA COSTERA Obras de acostagem (cais, pontes-cais, duques d alba, pontões flutuantes) ; Geotécnica/ 20

21 Especialista / 10 anos a) Sénior / 5 anos b) Especialista / 10 anos c) Arquitectos Arquitectos Paisagistas ELABORAÇÃO DE PROJECTO Docas secas e eclusas Planos inclinados e plataformas de elevação Rampas-varadouro Quebra-mares Esporões, defesas frontais e retenções de protecção marginal Alimentação artificial de praias Tomadas e rejeições de água em costa aberta Tomadas e rejeições de água em estuários Tubagens submarinas em costa aberta Tubagens submarinas em estuários Dragagens e depósito de dragados Terraplenos portuários Sinalização marítima farolins, em costa aberta no estuário V ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ Sistemas de ajuda à navegação e controlo de tráfego marítimo V 21

22 Especialista / 10 anos a) Sénior / 5 anos b) Especialista / 10 anos c) Arquitectos Arquitectos Paisagistas ELABORAÇÃO DE PROJECTO ESPAÇOS EXTERORES / Electrónica e Telecomunicações Projectos de concepção, tratamento ou recuperação de: Jardins privados e públicos Jardins e sítios históricos V Zonas Polidesportivas Campos de golfe Minas, pedreiras, saibreiras e areeiros Parques infantis Lagos artificiais Pedonalização de ruas Ciclovias Estabilização e integração de taludes V Matas Compartimentação do campo Parques de qualquer natureza Loteamentos urbanos nstalações industriais Parques de campismo Campos de golfe Zonas desportivas, de recreio e lazer Áreas envolventes do Património Cultural ou Natural Espaços livres e zonas verdes urbanas Enquadramentos de edifícios de vária natureza Cemitérios Áreas degradadas Projectos de rega 22

23 Especialista / 10 anos a) Sénior / 5 anos b) Especialista / 10 anos c) Arquitectos Arquitectos Paisagistas ELABORAÇÃO DE PROJECTO Drenagem superficial Ambiente Obras de regularização fluvial e de linhas de drenagem natural Edifícios para habitação, escolas, igrejas, hospitais, teatros, cinemas e outros Ambiente Hóteis e restaurantes Conjuntos industriais Grandes instalações de equipamentos técnicos ntegração de estradas de qualquer tipo (AE, P, C, EN, ER) Arruamentos urbanos, vias e caminhos municipais Aproveitamentos hidroagrícolas Ambiente; Agronómica; Agrária Estações de tratamento de água e esgotos PRODUÇÃO, TRANSFORMAÇÃO, TRANSPORTE E DSTRBUÇÃO DE ENERGA ELÉCTRCA Produção (centrais com potências instaladas iguais ou inferiores a 5 kva), postos de transformação com potências instaladas iguais ou inferiores a 500 kva, redes de distribuição em baixa tensão de pequena dimensão. Produção (centrais com potências instaladas até kva), postos de transformação com potências até 10 MVA, redes de distribuição de energia eléctrica em baixa tensão de média ou grande dimensão. Produção (centrais com potências instaladas até 10 MVA), subestações, postos de transformação e de seccionamento com potências instaladas até 100 MVA, linhas eléctricas de média, alta ou muito alta tensão de pequena dimensão. Produção (centrais com qualquer potência instalada, subestações, postos de transformação e de seccionamento com qualquer potência instalada, linhas eléctricas de média, alta ou muito alta tensão de média ou grande dimensão. OUTROS PROJECTOS Arquitectura Estruturas Especiais Torres (telecomunicações, vigia, eólicas, etc.) V Ambiente 23

24 Especialista / 10 anos a) Sénior / 5 anos b) Especialista / 10 anos c) Arquitectos Arquitectos Paisagistas ELABORAÇÃO DE PROJECTO Projectos das categorias ou ou / Mecânica d) Projecto da categoria / Mecânica d) Projecto da categoria V V / Mecânica d) Mastros Projectos das categorias ou ou / Mecânica d) Projecto da categoria / Mecânica d) Projecto da categoria V V / Mecânica d) Chaminés Projectos das categorias ou ou Projecto da categoria Projecto da categoria V V Postes (electricidade, etc.) Projectos das categorias ou ou / Mecânica d) Projecto da categoria / Mecânica d) Projecto da categoria V V / Mecânica d) Coberturas Projectos das categorias ou ou / Mecânica d) Projecto da categoria / Mecânica d) Projecto da categoria V V / Mecânica d) 24

25 Especialista / 10 anos a) Sénior / 5 anos b) Especialista / 10 anos c) Arquitectos Arquitectos Paisagistas ELABORAÇÃO DE PROJECTO Silos Projectos das categorias ou ou / Mecânica d) Projecto da categoria / Mecânica d) Projecto da categoria V V / Mecânica d) Esculturas Antenas Projectos das categorias ou a V ou / Mecânica d) Projecto da categoria / Mecânica d) Projecto da categoria V V / Mecânica d) Estaleiro, Segurança e Saúde Estaleiro, segurança e saúde correntes Projectos das categorias ou Estaleiro, segurança e saúde com exigências especiais ou Projecto da categoria Projecto da categoria V V Demolições Demolições correntes Projectos das categorias ou Demolições com exigências especiais ou / Geotécnica Projectos da categoria 25

26 Especialista / 10 anos a) Sénior / 5 anos b) Especialista / 10 anos c) Arquitectos Arquitectos Paisagistas ELABORAÇÃO DE PROJECTO Projectos da categoria V V Avaliação ambiental e sustentabilidade em projectos Correntes Projectos das categorias ou Com exigências especiais ou Ambiente Projectos da categoria Ambiente Projectos da categoria V V Ambiente a) Os projectos de engenharia, de obras classificadas na categoria V são elaborados por engenheiros que sejam membros sénior da Ordem dos s, ou sejam detentores de especialização adequada reconhecida por aquela ordem profissional, ou tenham mais de dez anos de exercício efectivo profissional em projectos de obras de natureza ou complexidade similares; b) Profissional com pelo menos 5 anos de exercício efectivo da profissão, possuindo experiência profissional e formação complementar especifica comprovada ou um grau académico de 2º ciclo em Engenharia da sua especialidade obtido em escola reconhecida pela ANET e pela OE; c) Profissional com pelo menos 10 anos de exercício efectivo da profissão, possuindo experiência profissional relevante e detentor de formações complementares especificas devidamente comprovadas e de, pelo menos, um grau académico de 2º ciclo em Engenharia da sua especialidade obtido em escola reconhecida pela ANET e pela OE; d) Para obras de estruturas metálicas; e) Desde que não impliquem obras de estruturas de betão armado; l) Não se vê mencionada a instalação de gás, obrigatória na quase totalidade dos edifícios para qualquer utilização (DL 521/99, de 10 Dezembro. O DL 263/89, de 17 de Agosto enquadra esta função para os projectos de instalações e de rede de gás. m) Esta função vem atribuir ao Técnico de gás inscrito na DGEG Tendo em atenção que as atribuições são cometidas, segundo o projecto, a engenheiros, engenheiros técnicos e arquitectos, como pode o técnico de gás exercer esta função se a maior parte dos inscritos tem apenas o 9.º ano? Para ser técnico de gás não é necessário ser engenheiro ou engenheiro técnico. Para as instalações de redes de gás não está prevista, na legislação em vigor, qualquer inscrição na DGEG para engenheiros ou engenheiros técnicos, a não ser para o projecto (DL 263/89, de 17 de Agosto. 26

27 Quadro Função / Obra Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Especialista / 10 anos b) Sénior / 5 anos c) Especialista / 10 anos e) Arquitecto Arquitecto Paisagista d) DRECÇÃO DE OBRA EDFÍCOS Com projectos parcelares com categoria Com projectos parcelares com categoria ATAE c/ CAP ou DET ATAE c/cap ou DET / Geotécnica / Geotécnica Com projectos parcelares com categoria / Geotécnica Com projectos parcelares com categoria V V / Geotécnica Classificados, em vias de classificação ou inseridos em zona especial ou automática de protecção nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos para edifícios da categoria nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos para edifícios da categoria nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos para edifícios da categoria nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos para edifícios da categoria V nstalações, equipamentos e sistemas de Gás Com projectos de categoria Com projectos de categoria V GP-03 ou GP-04, inscrito na DGEG GP-03 ou GP-04, inscrito na DGEG Técnico de gás, inscrito na DGEG Técnico de gás, inscrito na DGEG / Geotécnica m) Com projectos de categoria m) 27

28 Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Especialista / 10 anos b) Sénior / 5 anos c) Especialista / 10 anos e) Arquitecto Arquitecto Paisagista d) DRECÇÃO DE OBRA Com projectos de categoria V V m) nstalações, equipamentos e sistemas de transporte de pessoas e cargas Com projectos de categoria Com projectos de categoria Sistemas de segurança integrada Sistemas de gestão técnica centralizada PONTES, VADUTOS E PASSADÇOS Com projectos de categoria V V ATAE c/cap ou DET m) ; Mecânica ; Mecânica ; Mecânica ; Mecânica Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria V V ESTRADAS E ARRUAMENTOS Com projectos de categoria ATAE c/cap ou DET / Geotécnica Com projectos de categoria / Geotécnica 28

29 Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Especialista / 10 anos b) Sénior / 5 anos c) Especialista / 10 anos e) Arquitecto Arquitecto Paisagista d) DRECÇÃO DE OBRA Com projectos de categoria V V CAMNHOS-DE-FERRO Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria V V AERÓDROMOS Aeródromos Aeroportos V OBRAS HDRÁULCAS Com projectos de categoria ATAE c/cap ou DET / Ambiente Com projectos de categoria / Ambiente Com projectos de categoria / Ambiente Com projectos de categoria V V Grandes barragens V TÚNES Com projectos de categoria Com projectos de categoria ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ 29

30 Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Especialista / 10 anos b) Sénior / 5 anos c) Especialista / 10 anos e) Arquitecto Arquitecto Paisagista d) DRECÇÃO DE OBRA Com projectos de categoria V ABASTECMENTO E TRATAMENTO DE ÁGUA Com projectos de categoria Com projectos de categoria V ATAE c/ CAP ou DET ATAE c/ CAP ou DET ; Geotécnica/ / Ambiente / Ambiente Com projectos de categoria / Ambiente Com projectos de categoria V V DRENAGEM E TRATAMENTO DE ÁGUAS RESDUAS Com projectos de categoria Com projectos de categoria ATAE c/ CAP ou CET ATAE c/ CAP ou DET / Ambiente / Ambiente Com projectos de categoria / Ambiente Com projectos de categoria V V RESÍDUOS URBANOS E NDUSTRAS Com projectos de categoria ; Mecânica/ Ambiente Com projectos de categoria ; Mecânica/ Ambiente Com projectos de categoria ; Mecânica/ Ambiente Com projectos de categoria V V ; Mecânica OBRAS PORTUÁRAS E DE ENGENHARA COSTERA 30

31 Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Especialista / 10 anos b) Sénior / 5 anos c) Especialista / 10 anos e) Arquitecto Arquitecto Paisagista d) DRECÇÃO DE OBRA Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria V V ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ESPAÇOS EXTERORES Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria V PRODUÇÃO, TRANSFORMAÇÃO, TRANSPORTE E DSTRBUÇÃO DE ENERGA ELÉCTRCA Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria V V V ATAE c/cap ou DET ; Agronómica/ Agrária/ Ambiente ; Agronómica /Agrária/ Ambiente ; Agronómica/Agrária/ Ambiente 31

32 Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Especialista / 10 anos b) Sénior / 5 anos c) Especialista / 10 anos e) Arquitecto Arquitecto Paisagista d) DRECÇÃO DE OBRA ESTRUTURAS ESPECAS Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria V V a) Os técnicos admitidos como alternativa aos engenheiros e engenheiros técnicos nos termos da Portaria a que se refere o n.º 4 do art.º 9.º do DL n.º 12/2004, de 9 de Janeiro, alterado pelo DL n.º 18/2008, de 29 de Janeiro, podem desempenhar as funções de director de obra, em obras cuja estimativa de custo ou valor de adjudicação não ultrapasse o valor limite da classe 2 de habilitações do alvará, de acordo com o disposto no art.º 13.º da Lei 31/2009, de 3 de Julho. b) Quando se trate de obras classificadas na categoria V, as funções de director de obra são desempenhadas por engenheiros que sejam membros seniores da Ordem dos s, ou sejam detentores de especialização adequada reconhecida por aquela ordem profissional, ou tenham mais de dez anos de exercício efectivo profissional em projectos de obras de natureza ou complexidade similares; c) Profissional com pelo menos 5 anos de exercício efectivo da profissão, possuindo experiência profissional e formação complementar especifica comprovada ou um grau académico de 2º ciclo em Engenharia da sua especialidade; d) Quando se trate de obras em que o projecto de paisagismo seja projecto ordenador, as funções de director de obra podem ser desempenhadas por arquitectos paisagistas. e) Profissional com pelo menos 10 anos de exercício efectivo da profissão, possuindo experiência profissional relevante e detentor de formações complementares especificas devidamente comprovadas e de, pelo menos, um grau académico de 2º ciclo em Engenharia da sua especialidade; 32

33 Quadro Função / Obra Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Especialista / 10 anos b) Sénior / 5 anos c) Especialista / 10 anos f) Arquitecto d) Arquitecto Paisagista e) DRECÇÃO DE FSCALZAÇÃO DA OBRA EDFÍCOS Com projectos parcelares com categoria Com projectos parcelares com categoria Com projectos parcelares com categoria Com projectos parcelares com categoria V V Classificados, em vias de classificação ou inseridos em zona especial ou automática de protecção nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos para edifícios da categoria nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos para edifícios da categoria nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos para edifícios da categoria nstalações, equipamentos e sistemas eléctricos para edifícios da categoria V nstalações, equipamentos e sistemas de comunicação (voz, dados, imagem e outros) nstalações, equipamentos e sistemas de comunicação para edifícios de categoria nstalações, equipamentos e sistemas de comunicação para edifícios de categoria nstalações, equipamentos e sistemas de comunicação para edifícios de categoria V / Electrónica e Telecomunicações / Electrónica e Telecomunicações 33

34 Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Especialista / 10 anos b) Sénior / 5 anos c) Especialista / 10 anos f) Arquitecto d) Arquitecto Paisagista e) DRECÇÃO DE FSCALZAÇÃO DA OBRA nstalações, equipamentos e sistemas de comunicação para edifícios de categoria V Centros de comunicação telefónica e ou equipamentos de telecomunicação e centros de informática Rede de cablagem estruturada e de transmissão de dados e voz nstalações, equipamentos e sistemas de Gás V V V / Electrónica e Telecomunicações / Electrónica e Telecomunicações / Electrónica e Telecomunicações / Electrónica e Telecomunicações Com projectos de categoria m) Com projectos de categoria m) Com projectos de categoria m) Com projectos de categoria V V m) nstalações, equipamentos e sistemas de transporte de pessoas e cargas Com projectos de categoria Com projectos de categoria ; Mecânica ; Mecânica Sistemas de segurança integrada V ; Mecânica Sistemas de gestão técnica centralizada V 34

35 Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Especialista / 10 anos b) Sénior / 5 anos c) Especialista / 10 anos f) Arquitecto d) Arquitecto Paisagista e) DRECÇÃO DE FSCALZAÇÃO DA OBRA PONTES, VADUTOS E PASSADÇOS ; Mecânica Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria V V ESTRADAS E ARRUAMENTOS Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria V V CAMNHOS-DE-FERRO Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria V V AERÓDROMOS Aeródromos Aeroportos V OBRAS HDRÁULCAS Com projectos de categoria Com projectos de categoria 35

36 Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Especialista / 10 anos b) Sénior / 5 anos c) Especialista / 10 anos f) Arquitecto d) Arquitecto Paisagista e) DRECÇÃO DE FSCALZAÇÃO DA OBRA Com projectos de categoria Com projectos de categoria V V Grandes barragens V TÚNES Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria V ABASTECMENTO E TRATAMENTO DE ÁGUA V ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ Com projectos de categoria / Ambiente Com projectos de categoria / Ambiente Com projectos de categoria / Ambiente Com projectos de categoria V V DRENAGEM E TRATAMENTO DE ÁGUAS RESDUAS Com projectos de categoria / Ambiente Com projectos de categoria / Ambiente Com projectos de categoria / Ambiente Com projectos de categoria V V RESÍDUOS URBANOS E NDUSTRAS 36

37 Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Especialista / 10 anos b) Sénior / 5 anos c) Especialista / 10 anos f) Arquitecto d) Arquitecto Paisagista e) DRECÇÃO DE FSCALZAÇÃO DA OBRA Com projectos de categoria ; Mecânica/ Ambiente Com projectos de categoria ; Mecânica/ Ambiente Com projectos de categoria ; Mecânica/ Ambiente Com projectos de categoria V V ; Mecânica OBRAS PORTUÁRAS E DE ENGENHARA COSTERA Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria V ESPAÇOS EXTERORES Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria V PRODUÇÃO, TRANSFORMAÇÃO, TRANSPORTE E DSTRBUÇÃO DE ENERGA ELÉCTRCA V V ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Geotécnica/ ; Agronómica/Agrária/ Ambiente ; Agronómica/Agrária/ Ambiente ; Agronómica/Agrária/ Ambiente Com projectos de categoria Com projectos de categoria 37

38 Outros Técnicos qualificados (ATAE c/ CAP nível 4; DET em Condução de Obras) Especialista / 10 anos b) Sénior / 5 anos c) Especialista / 10 anos f) Arquitecto d) Arquitecto Paisagista e) DRECÇÃO DE FSCALZAÇÃO DA OBRA Com projectos de categoria Com projectos de categoria V REDES DE COMUNCAÇÕES Com projectos de categoria Com projectos de categoria ESTRUTURAS ESPECAS V Electrotécnica/Energia e / Electrónica e Telecomunicações Electrotécnica/Energia e / Electrónica e Telecomunicações Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria Com projectos de categoria V V f) Quando se trate de obras de construção de edifícios, bem como de outros trabalhos preparatórios e complementares a esta, com uma estimativa de custo ou valor de adjudicação até ao valor limite da classe 2 de habilitações do alvará, prevista na portaria a que se refere o n.º 5 do artigo 4.º do Decreto- Lei n.º 12/2004, de 9 de Janeiro com excepção das obras em edifícios com estruturas metálicas, com estruturas complexas ou que envolvam obras de contenção periférica e fundações especiais, bem como das obras em bens imóveis classificados, em vias de classificação ou inseridos em zona especial ou automática de protecção e, ainda, das obras referidas no n.º 4 do artigo 8.º da Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho as funções de director de fiscalização de obra podem ser desempenhadas por agentes técnicos de arquitectura e engenharia com Certificado de Aptidão Profissional (CAP) de nível 4 ou Curso de Especialização Tecnológica (CET) na área de condução de obra, de acordo com o disposto na alínea d) do n.º 1 e do n.º 4 do artigo 13.º do mesmo diploma; 38

39 g) Quando se trate de obras classificadas na categoria V, as funções de director de fiscalização de obra são desempenhadas por engenheiros que sejam membros sénior da Ordem dos s, ou sejam detentores de especialização adequada reconhecida por aquela ordem profissional, ou tenham mais de dez anos de exercício efectivo profissional em projectos de obras de natureza ou complexidade similares; h) Profissional com pelo menos 5 anos de exercício efectivo da profissão, possuindo experiência profissional e formação complementar especifica comprovada ou um grau académico de 2º ciclo em Engenharia da sua especialidade; i) Quando se trate de obras com uma estimativa de custo ou valor de adjudicação até ao valor limite da classe 5 de habilitações do alvará, prevista na portaria a que se refere o n.º 5 do artigo 4.º do Decreto -Lei n.º 12/2004, de 9 de Janeiro e, sem este limite, em obras em bens imóveis classificados, em vias de classificação ou inseridos em zona especial ou automática de protecção, com excepção das obras em edifícios com estruturas complexas ou que envolvam obras de contenção periférica e fundações especiais e, ainda, das obras referidas no n.º 4 do artigo 8.º da Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, as funções de director de fiscalização de obra podem ser desempenhadas por arquitectos, de acordo com o disposto na alínea b) do n.º 1 e do n.º 3 do artigo 13.º do mesmo diploma; j) Quando se trate de obras em que o projecto de paisagismo seja projecto ordenador e que tenham uma estimativa de custo ou valor de adjudicação até ao valor limite da classe 5 de habilitações do alvará, prevista na portaria a que se refere o n.º 5 do artigo 4.º do Decreto -Lei n.º 12/2004, de 9 de Janeiro, com excepção das obras em edifícios com estruturas metálicas ou com estruturas complexas, ou que envolvam obras de contenção periférica e fundações especiais, bem como das obras em bens imóveis classificados, em vias de classificação ou inseridos em zona especial ou automática de protecção e, ainda, das obras referidas no n.º 4 do artigo 8.º da Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, as funções de director de fiscalização de obra podem ser desempenhadas por arquitectos paisagistas, de acordo com o disposto na alínea c) do n.º 1 e do n.º 4 do artigo 13.º do mesmo diploma. k) Profissional com pelo menos 10 anos de exercício efectivo da profissão, possuindo experiência profissional relevante e detentor de formações complementares especificas devidamente comprovadas e de, pelo menos, um grau académico de 2º ciclo em Engenharia da sua especialidade; l) Não se vê mencionada a instalação de gás, obrigatória na quase totalidade dos edifícios para qualquer utilização (DL 521/99, de 10 Dezembro. O DL 263/89, de 17 de Agosto enquadra esta função para os projectos de instalações e de rede de gás. m) Esta função vem atribuir ao Técnico de gás inscrito na DGEG Tendo em atenção que as atribuições são cometidas, segundo o projecto, a engenheiros, engenheiros técnicos e arquitectos, como pode o técnico de gás exercer esta função se a maior parte dos inscritos tem apenas o 9.º ano? Para ser técnico de gás não é necessário ser engenheiro ou engenheiro técnico. Para as instalações de redes de gás não está prevista, na legislação em vigor, qualquer inscrição na DGEG para engenheiros ou engenheiros técnicos, a não ser para o projecto (DL 263/89, de 17 de Agosto. 39

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Anexo B A Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, que revogou o Decreto n.º 73/73, de 28 de Fevereiro, aprovou o regime jurídico que estabelece a qualificação exigível aos

Leia mais

de obra. ANEXO III Qualificações para elaboração de projetos de especialidades de engenharia (a que se refere o n.º 3 do artigo 10.º) QUADRO N.

de obra. ANEXO III Qualificações para elaboração de projetos de especialidades de engenharia (a que se refere o n.º 3 do artigo 10.º) QUADRO N. Diário da República, 1.ª série N.º 105 1 de junho de 2015 3421 b) As obras sejam realizadas em imóveis classificados, em vias de classificação ou inseridos em zona especial ou automática de proteção, independentemente

Leia mais

ANEXO II. Qualificações para exercício de funções de direção de obra ou de direção de fiscalização de obra

ANEXO II. Qualificações para exercício de funções de direção de obra ou de direção de fiscalização de obra Diário da República, 1.ª série N.º 105 1 de junho de 2015 3415 Tipo de projeto a coordenar g) Demolição e preparação dos locais da construção, perfurações e sondagens; h) Instalações elétricas; i) Instalações

Leia mais

PL 493/ Exposição de Motivos

PL 493/ Exposição de Motivos PL 493/2012 2013.02.14 Exposição de Motivos Através da Lei n.º 31/2009, de 3 de julho, foi aprovado o regime jurídico que estabelece a qualificação profissional exigível aos técnicos responsáveis pela

Leia mais

Qualificação Profissional Mínima Exigível aos Engenheiros e outros Técnicos na Atividade da Construção (DECLARAÇÕES)

Qualificação Profissional Mínima Exigível aos Engenheiros e outros Técnicos na Atividade da Construção (DECLARAÇÕES) Qualificação Profissional Mínima Exigível aos Engenheiros e outros Técnicos na Atividade da Construção (DECLARAÇÕES) Lei n.º 40/2015 de 1 de junho Aprova o regime jurídico que estabelece a qualificação

Leia mais

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento SUB Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano 1 Classificação e Qualificação do Solo Solo Urbano Espaço Central 2 Classificação e Qualificação do Solo Solo

Leia mais

Empresas titulares de alvará de empreiteiro de obras públicas

Empresas titulares de alvará de empreiteiro de obras públicas Empresas titulares de alvará de empreiteiro de obras públicas (O alvará é válido por tempo indeterminado, sem prejuízo do controlo oficioso do cumprimento dos requisitos) Alvará 1747 - PUB Data de inscrição

Leia mais

REVISÃO DO DL 73/73 DIPLOMA II Anexo II ANEXO II

REVISÃO DO DL 73/73 DIPLOMA II Anexo II ANEXO II ANEXO II CLASSIFICAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS SEGUNDO A SUA COMPLEXIDADE I a IV PROPOSTA DE REAJUSTAMENTO DO ANEXO 1 DA PROPOSTA DE DECRETO-LEI APRESENTADO PELO GRUPO DE TRABALHO CONSTITUÍDO PELA APPC, OE,

Leia mais

PLANEAMENTO e GESTÃO da CONSTRUÇÃO

PLANEAMENTO e GESTÃO da CONSTRUÇÃO Instituto Superior Técnico MESTRADO em CONSTRUÇÃO e REABILITAÇÃO 2013/2014 PLANEAMENTO e GESTÃO da CONSTRUÇÃO Pedro Gameiro Henriques pgameiro@civil.ist.utl.pt ENQUADRAMENTO LEGAL Livro de obra e responsabilidades

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Alteração ao Regulamento nº 342/2014 Regulamento dos Núcleos de Especialização A Ordem dos

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Alteração ao Regulamento nº 342/2014 Regulamento dos Núcleos de Especialização A Ordem dos ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Alteração ao Regulamento nº 342/2014 Regulamento dos Núcleos de Especialização A Ordem dos Engenheiros Técnicos (OET), atribui aos engenheiros técnicos o

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA FONTE DA TELHA

PLANO DE PORMENOR DA FONTE DA TELHA CÂMARA MUNICIPAL DE ALMADA Arquitetura Paisagista Plano de Pormenor - Lisboa, Março 2015 - PLANO DE PORMENOR DA FONTE DA TELHA Fonte da Telha > Estimativa Orçamental DEMOLIÇÕES 1. Edifícios e estruturas

Leia mais

REQUERIMENTO DE REGISTO

REQUERIMENTO DE REGISTO REQUERIMENTO DE REGISTO PRESTADORES ESTABELECIDOS NOUTROS ESTADOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA (Art. 6.º-A do Decreto-Lei n.º12/2004, de 09.01, com a redação introduzida pelo Decreto-Lei n.º69/2011, de 15.06)

Leia mais

Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular ORDEM DOS ENGENHEIROS Colégio Nacional de Engenharia Electrotécnica Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PERGUNTAS & RESPOSTAS O presente documento inclui um conjunto de perguntas e respostas sobre Formação de Peritos Qualificados no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Regulamento de Inscrição nos Colégios de Especialidade A Lei 157/2015, de 17 de setembro, altera e

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Regulamento de Inscrição nos Colégios de Especialidade A Lei 157/2015, de 17 de setembro, altera e ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Regulamento de Inscrição nos Colégios de Especialidade A Lei 157/2015, de 17 de setembro, altera e republica o Estatuto da Ordem dos Engenheiros Técnicos

Leia mais

Engenharia e. O que é engenharia? Sumário. Engenharia Civil. Engenharia envolve... Atualmente temos que preparar os estudantes:

Engenharia e. O que é engenharia? Sumário. Engenharia Civil. Engenharia envolve... Atualmente temos que preparar os estudantes: Engenharia e Engenharia Civil Sergio Scheer 1º semestre de 2016 Atualmente temos que preparar os estudantes: para empregos que ainda não existem... para usar tecnologias que ainda não foram inventadas...

Leia mais

Requerimento. sujeitas a licenciamento

Requerimento. sujeitas a licenciamento Requerimento Comunicação Prévia para alterações ao projecto Licenciado ou com Admissão de Comunicação Prévia durante a execução da obra Alterações que se fossem obra nova estariam sujeitas a licenciamento

Leia mais

Requisitos de qualificação para a elaboração de projetos

Requisitos de qualificação para a elaboração de projetos Requisitos de qualificação, relevantes para as intervenções de Reabilitação do Edificado e do Património (REP), dos técnicos responsáveis pela elaboração e subscrição de projetos, pela fiscalização e pela

Leia mais

COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO

COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular 1- Projecto de Instalações Eléctricas Técnicos

Leia mais

Fundações públicas previstas na Lei n.º 62/2007 (art.º 2.º, n.º 1 al. e) e n.º 2); Hospitais EPE (art.º 5, n.º 3).

Fundações públicas previstas na Lei n.º 62/2007 (art.º 2.º, n.º 1 al. e) e n.º 2); Hospitais EPE (art.º 5, n.º 3). Fundações públicas previstas na Lei n.º 62/2007 (art.º 2.º, n.º 1 al. e) e n.º 2); Hospitais EPE (art.º 5, n.º 3). Ajuste directo (art. 19.º) a) A escolha do ajuste directo só permite a celebração de contratos

Leia mais

Proposta de alterações à Portaria 701-H/2008

Proposta de alterações à Portaria 701-H/2008 Proposta de alterações à Portaria 701-H/2008 Anexo A LEGENDA: Portaria n.º 701-H/2008, de 29 de Julho Alterações introduzidas com a Portaria n.º 1379/2009, de 30 de Outubro Alterações introduzidas com

Leia mais

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Ordem dos Engenheiros, 21 de Novembro de 2011 Mário Grilo DECRETO LEI nº 220/2008, de 12 de Novembro

Leia mais

relativo à Proposta de Lei n.º 227/XII (GOV) relativo à Proposta de Lei n.º 227/XII (GOV) Autoria de Projecto Autoria de Projecto

relativo à Proposta de Lei n.º 227/XII (GOV) relativo à Proposta de Lei n.º 227/XII (GOV) Autoria de Projecto Autoria de Projecto Lei n.º 31/2009 de 3 de Julho e Portaria n.º 1379/2009 de 30 de Outubro Autoria de Projecto [art.º 4º, 6º e 7º e 10º a 12º da Lei n.º 31/2009 de 3 de Julho e art.º 5º da Portaria n.º 1379/2009 de 30 de

Leia mais

Actos de Engenharia - Projectos de Telecomunicações ITED / ITUR. Papel de Ordem dos Engenheiros

Actos de Engenharia - Projectos de Telecomunicações ITED / ITUR. Papel de Ordem dos Engenheiros 10º ENCONTRO NACIONAL DO COLÉGIO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Actos de Engenharia - Projectos de Telecomunicações ITED / ITUR Papel de Ordem dos Engenheiros Coimbra, 6 de Outubro de 2010 Sousa Oliveira

Leia mais

SEPARATA. N. o 2 5 Jun 2009

SEPARATA. N. o 2 5 Jun 2009 SEPARATA Propriedade Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Edição Gabinete de Estratégia e Planeamento N. o 2 5 Jun 2009 Centro de Informação e Documentação PROJECTO DE DECRETO -LEI QUE REGULA

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro Altera o Código Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 47 344, de 25 de Novembro de 1966, e procede à primeira

Leia mais

Licenciamento de Obras de Edificação Alterações ao projecto licenciado durante a execução da obra que envolvam alterações da implantação ou ampliação

Licenciamento de Obras de Edificação Alterações ao projecto licenciado durante a execução da obra que envolvam alterações da implantação ou ampliação Requerimento Licenciamento de Obras de Edificação Alterações ao projecto licenciado durante a execução da obra que envolvam alterações da implantação ou ampliação Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS PARA A Nota Introdutória Os elementos instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação (RJUE) estão definidos na Portaria nº 113/2015,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES Novo Regime Geral de Resíduos (RGR) Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de Junho 1. Quando vai entrar em vigor e modo de

Leia mais

Ordem dos Engenheiros Técnicos Regulamento dos Atos de Engenharia 2016

Ordem dos Engenheiros Técnicos Regulamento dos Atos de Engenharia 2016 Regulamento dos Os atos de Engenharia por especialidade decorrem essencialmente do disposto no amplo universo dos instrumentos legais e regulamentares que preveem a prática de atos de engenharia, estabelece

Leia mais

Instalações eléctricas estabelecidas em condomínios fechados

Instalações eléctricas estabelecidas em condomínios fechados Instalações eléctricas estabelecidas em condomínios fechados Despacho do Director Geral de Geologia e Energia, de 13 de Maio de 2005 Enquadramento Legal Decreto Lei n.º 177/2001, de 4 de Junho republica

Leia mais

ATOS DE ENGENHARIA CIVIL

ATOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. ENGENHARIA CIVIL ATOS DE ENGENHARIA CIVIL 1 Projeto 1.1 Edificações 1.1.1 Estabilidade e contenção periférica Contenção periférica Plano de escavação Fundações superficiais Fundações profundas Muros

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

ICP - Autoridade Nacional de Comunicações. Regulamento n.º XXXX/2011

ICP - Autoridade Nacional de Comunicações. Regulamento n.º XXXX/2011 ICP - Autoridade Nacional de Comunicações Regulamento n.º XXXX/2011 Metodologia de elaboração e execução dos planos de monitorização e medição dos níveis de intensidade dos campos electromagnéticos resultantes

Leia mais

B1 - DECLARAÇÃO DE HABILITAÇÃO DE EMPREITEIRO DE OBRAS PÚBLICAS (al. a) do n.º 5 do art. 81.º do CCP)

B1 - DECLARAÇÃO DE HABILITAÇÃO DE EMPREITEIRO DE OBRAS PÚBLICAS (al. a) do n.º 5 do art. 81.º do CCP) A preencher pelos Serviços Código da Empresa: Instrutor: B1 - DECLARAÇÃO DE HABILITAÇÃO DE EMPREITEIRO DE OBRAS PÚBLICAS (al. a) do n.º 5 do art. 81.º do CCP) Exm.º Senhor, Presidente do Conselho Diretivo

Leia mais

Formação Pós-Graduada Cursos de Especialização e Cursos de Formação Avançada. Preâmbulo

Formação Pós-Graduada Cursos de Especialização e Cursos de Formação Avançada. Preâmbulo Formação Pós-Graduada Cursos de Especialização e Cursos de Formação Avançada Preâmbulo Considerando que, nos termos do nº 1 do artigo 15º da Lei de Bases do Sistema Educativo, Lei nº 46/86, de 14 de Outubro,

Leia mais

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.)

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.) 1. De acordo com a legislação em vigor (Decreto-Lei n.º 338/98, de 3 de Novembro), na sua área de jurisdição, compete à APSS, S.A. conceder licenças para a execução de obras directamente relacionadas com

Leia mais

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO 1ENGENHARIA O PROJECTO (I) O Projecto corresponde à preparação da realização depois de decidido o que é que se quer fazer (planeamento); especifica-se como é que se vai fazer (resolvendo problemas que

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA Registo de entrada RE SERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA (Art.º 63 do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

ÍNDICE ÍNDICE DE FIGURAS

ÍNDICE ÍNDICE DE FIGURAS CENTRAL TERMOELÉCTRICA DE SINES ATERRO CONTROLADO DE CINZAS DE FUEL-ÓLEO E OUTROS RESÍDUOS CARACTERÍSTICOS DA PRODUÇÃO TERMOELÉCTRICA RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO VOLUME

Leia mais

TIM2. Até 30 de Novembro de 2013 (DL 79/2006)

TIM2. Até 30 de Novembro de 2013 (DL 79/2006) TIM2 Até 30 de Novembro de 2013 (DL 79/2006) 1. Candidatos COM curso de Eletromecânico de Refrigeração e Climatização, nível 2, e 2 anos de prática na instalação ou manutenção de equipamentos de AVAC.

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS

ORDEM DOS ENGENHEIROS ORDEM DOS ENGENHEIROS RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A ELABORAÇÃO E SUBSCRIÇÃO DE PROJETOS DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS 1. Introdução De acordo com o disposto no nº 2 do artº 3 do Regulamento

Leia mais

DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO

DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO PLANEAMENTO E ENGENHARIA DE AEROPORTOS DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO 1 DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM PLANEAMENTO E ENGENHARIA DE AEROPORTOS 1. Objectivos O Diploma de Especialização em Planeamento e Engenharia

Leia mais

Curso de Qualificação para Marítimos com Funções Específicas de Protecção (Proficiency for Designated Security Duties PDSD)

Curso de Qualificação para Marítimos com Funções Específicas de Protecção (Proficiency for Designated Security Duties PDSD) Curso de Qualificação para Marítimos com Funções Específicas de Protecção (Proficiency for Designated Security Duties PDSD) 1. Enquadramento O presente curso enquadra-se no definido pela Directiva nº 94/58/CE,

Leia mais

Ordenamento do Espaço Rural

Ordenamento do Espaço Rural Ordenamento do Espaço Rural Ano lectivo 2005/2006 Capítulo 4 Ordenamento do Espaço Rural 1 4.1 A Política Nacional de Ordenamento do Território 2 Ordenamento do Território Assenta no sistema de gestão

Leia mais

PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ARQUITECTURA NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ARQUITECTURA NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ARQUITECTURA NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA CURRICULUM PROFISSIONAL DE. (Nome) Bacharel ou Licenciado em Engenharia Civil ÍNDICE 1. DADOS BIOGRÁFICOS 2. GRAU

Leia mais

Regulamento Geral de Exames

Regulamento Geral de Exames Versão: 01 Data: 14/07/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-07 Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos Científicos das Escolas do IPB GPGQ Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos

Leia mais

Concepção de Instalações Eléctricas E D. José Rui Ferreira. Setembro CIE (BT) - 5º Ano Energia

Concepção de Instalações Eléctricas E D. José Rui Ferreira. Setembro CIE (BT) - 5º Ano Energia Concepção de Instalações Eléctricas E D José Rui Ferreira Setembro 2002 ITED Infra-estruturas de Telecomunicações em EDifícios Índice -Introdução - Legislação - Inscrição de Empresas / Técnicos -Projecto

Leia mais

Reclamaçãollmpugnação

Reclamaçãollmpugnação Conselho Dircctivo Nacional Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração Engenheiro Nelson Madeira Baltazar ANET- Associação Nacional dos Engenheiros Técnicos, associação pública profissional,

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO ALTERAÇÃO FEVEREIRO DE 2016 Assunto: Alteração ao Plano de Pormenor da Zona de Expansão Sul-Nascente da Cidade de Sines Justificação para não sujeição a avaliação

Leia mais

Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de São Roque Cursos de Educação e Formação de Jovens Tipo 2 Oferta formativa 2008/2009. Curso: Cozinheiro/a

Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de São Roque Cursos de Educação e Formação de Jovens Tipo 2 Oferta formativa 2008/2009. Curso: Cozinheiro/a Curso: Cozinheiro/a Condições de admissão: Idade igual ou superior a 15 anos Certificado do 6º ano de escolaridade / Frequência do 7º ou 8º anos de escolaridade Competência Geral: O/A Cozinheiro/a é o/a

Leia mais

SEGURANÇA EM ESTALEIROS TEMPORÁRIOS E MÓVEIS

SEGURANÇA EM ESTALEIROS TEMPORÁRIOS E MÓVEIS SEGURANÇA EM ESTALEIROS TEMPORÁRIOS E MÓVEIS Exercício 39 21 Es 48 21 Grua (12m lança) Vias de circulação Central de betão Armazém de ferro Ferramentaria Estacionamento Guarda/porteiro Ep SEGURANÇA EM

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS

DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS 12 de Junho de 2002 Rute Roque OBJECTIVO E ENQUADRAMENTO LEGAL Cumprir o Decreto-Lei nº 292/2000 de 14 de Novembro (REGIME LEGAL SOBRE A POLUIÇÃO SONORA

Leia mais

(Preâmbulo) Artigo 1.º Objecto e âmbito

(Preâmbulo) Artigo 1.º Objecto e âmbito Instituto Politécnico de Bragança Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e de reingresso no ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado (Preâmbulo) A legislação decorrente da

Leia mais

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários DECRETO N.º 53/XI Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

A regulamentação da segurança das pequenas barragens. Situação actual

A regulamentação da segurança das pequenas barragens. Situação actual A regulamentação da segurança das pequenas barragens. Situação actual Emanuel Maranha das Neves A Engenharia dos Aproveitamentos Hidroagrícolas: actualidade e desafios futuros. LNEC, 13 15 de Outubro de

Leia mais

PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA

PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA PROJECTO DE NORMA EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA Com a entrada em vigor do novo Plano de Contas para as Empresas de Seguros são alteradas algumas políticas e critérios contabilísticos

Leia mais

O novo regime Jurídico ITED-ITUR. Ciclo de Seminários Setembro - Outubro 2009

O novo regime Jurídico ITED-ITUR. Ciclo de Seminários Setembro - Outubro 2009 O novo regime Jurídico ITED-ITUR Ciclo de Seminários Setembro - Outubro 2009 Regime Jurídico ITED-ITUR Decreto-Lei nº 123/2009, de 21/05 Com rectificação nº 43/2009 (22 de Junho) e alteração do Decreto-Lei

Leia mais

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Possíveis Saídas Profissionais: As engenheiras e os engenheiros electrotécnicos podem exercer a sua actividade profissional em: a) projecto de instalações eléctricas,

Leia mais

Estabelece o regime contra-ordenacional do Regulamento de Segurança de Barragens aprovado pelo Decreto-Lei n.º 344/2007, de 15 de Outubro

Estabelece o regime contra-ordenacional do Regulamento de Segurança de Barragens aprovado pelo Decreto-Lei n.º 344/2007, de 15 de Outubro DECRETO N.º 268/X Estabelece o regime contra-ordenacional do Regulamento de Segurança de Barragens aprovado pelo Decreto-Lei n.º 344/2007, de 15 de Outubro A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

1 de 6 11-06-2009 19:23 Portaria n.º 216-E/2008, de 3 de Março Enuncia todos os elementos que devem instruir os pedidos de emissão dos alvarás de licença ou autorização de utilização das diversas operações

Leia mais

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização PENELA 05 setembro de 2015 Redes de defesa da floresta contra incêndios Legislação

Leia mais

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património 1º (Objecto A presente lei cria o Imposto Único sobre o Património (IUP) que se gere pelos princípios e normas previstos nesta lei e pelo respectivo regulamento. 2º IUP- Imposto Único sobre o Património

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.021 PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM O PROT - Norte Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 1 ENQUADRAMENTO PNPOT: directivas gerais Resolução do Conselho de Ministros 29/2006, de 23

Leia mais

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Área de Especialização em Energias Renováveis e Sistemas de Potência Edição 2007/2008 Enquadramento Especialização de Energias Renováveis e Sistemas

Leia mais

Processo N.º / / CML REQUERENTE

Processo N.º / / CML REQUERENTE Espaço reservado aos serviços do Município EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO PROJECTOS DE ESPECIALIDADES Processo N.º / / CML REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação Fiscal

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Cláusula 1ª Área de especialização A Universidade do Porto, através da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

Diplomas. Segunda alteração à Lei de Bases da Proteção Civil (Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho)

Diplomas. Segunda alteração à Lei de Bases da Proteção Civil (Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho) Diplomas Lei n.º 80/2015, de 3 de agosto Segunda alteração à Lei de Bases da Proteção Civil (Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho) A alteração teve como finalidade a atualização da Lei de Bases atendendo à importância

Leia mais

Regulamentos. É aprovado o Regulamento de creditação de formação anterior e de experiência profissional da Universidade do Porto

Regulamentos. É aprovado o Regulamento de creditação de formação anterior e de experiência profissional da Universidade do Porto Regulamentos CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Aprovado pelo Despacho Reitoral GR.01/04/ 2012 de 5 de abril de 2012 Considerando que, nos termos do n. 3 do artigo 45. do Decreto -Lei

Leia mais

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Aplicação O presente Regulamento disciplina a ocupação e uso do solo da área abrangida pela operação de loteamento do Rossio em

Leia mais

Plano de formação do IEFP. 2007

Plano de formação do IEFP. 2007 APRENDIZAGEM Formação Inicial com Certificação Escolar e Profissional Estes cursos, com duração aproximada de 3 anos, desenvolvem-se em alternância, entre um Centro de Formação Profissional e uma empresa,

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

PREÇO UNIT. CUSTO CUSTO CUSTO CONTA ITEM UN. QUANT. R$ R$ 10³ US$ 10³ $A 10³

PREÇO UNIT. CUSTO CUSTO CUSTO CONTA ITEM UN. QUANT. R$ R$ 10³ US$ 10³ $A 10³ MANUAL DE INVENTÁRIO HIDRELÉTRICO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS TÍTULO: ORÇAMENTO PADRÃO - ESTUDOS FINAIS ARQUIVO 56ope.xls REVISÃO: 1 Data base-dez-2008 1,1771 2,3944 0,6984 PREÇO UNIT. CUSTO CUSTO CUSTO.10.

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Envie-se a presente informação ao Sr. Director Municipal do Departamento de Gestão Urbanística, Arq. Aníbal caldas. Anabela Moutinho Monteiro Chefe da 111.02.2011 N/Inf.: (...) N/Ref.ª: (...)

Leia mais

Legislação temática Resíduos

Legislação temática Resíduos Diploma Resumo Data Alterações, revogações e normas complementares Portaria nº 1028/92 Estabelece normas de segurança e identificação para o transporte dos óleos usados 05-11-1992 Decreto-Lei nº 138/96

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL CONSTRUÇÃO CIVIL 2007 1 2 1 3 4 2 5 6 3 7 8 4 9 10 5 11 12 6 CONSIDERAÇÕES GERAIS O Plano de Segurança e Saúde

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto-Lei n.º /

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto-Lei n.º / MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Decreto-Lei n.º / Os equipamentos radioeléctricos emissores de bordo das aeronaves têm sofrido uma permanente evolução tecnológica e revelam-se

Leia mais

S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009

S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009 S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009 O Plano Estratégico de Gestão de Resíduos da Região Autónoma dos Açores,

Leia mais

CENTRAL TERMOELÉCTRICA DO RIBATEJO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO

CENTRAL TERMOELÉCTRICA DO RIBATEJO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A TER Termoeléctrica do Ribatejo, S.A., detida a 100% pela EDP Electricidade de Portugal, S.A., pretende licenciar a Central Termoeléctrica do Ribatejo (CRJ), constituída por 3 grupos de

Leia mais

Anúncio de pré-informação

Anúncio de pré-informação União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxembourg, Luxemburgo +352 29 29 42 670 ojs@publications.europa.eu Informação e formulários em linha: http://simap.europa.eu

Leia mais

O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários.

O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários. OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO- 3ª Fase REGULAMENTO Artº 1º Âmbito e Aplicação 1. A operação de loteamento do Rossio 3ª fase, elaborada no âmbito do D.L. nº 555/99, de 16 de Dezembro, alterado

Leia mais

Portaria 311/2002, de 22 de Março (Alterada pela Portaria 299/2011, de 24 de Novembro)

Portaria 311/2002, de 22 de Março (Alterada pela Portaria 299/2011, de 24 de Novembro) Portaria 311/2002, de 22 de Março (Alterada pela Portaria 299/2011, de 24 de Novembro) O Decreto-Lei 4/93, de 8 de Janeiro, que aprovou o Regulamento de Taxas de Instalações Eléctricas, remeteu expressamente,

Leia mais

PARECER N.º 267 / 2010

PARECER N.º 267 / 2010 PARECER N.º 267 / 2010 ASSUNTO: ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENFERMEIRO ESPECIALISTA, NO MOMENTO ACTUAL A atribuição do título enfermeiro especialista certifica um profissional com um conhecimento aprofundado

Leia mais

Os programas de ensino superior de engenharia e o futuro das instalações elétricas em Portugal

Os programas de ensino superior de engenharia e o futuro das instalações elétricas em Portugal Os programas de ensino superior de engenharia e o futuro das instalações elétricas em Portugal 26/04/2017 José Rui Ferreira Lei 14/2015 Artigo 5.º Técnico responsável pela execução 1 - Para o acesso e

Leia mais

Legislação. para a Exploração de Postos de Enchimento de Gás Natural Carburante.

Legislação. para a Exploração de Postos de Enchimento de Gás Natural Carburante. Princípios e Bases do Sector do Gás Natural Decreto-Lei n.º 66/2010: Estabelece o procedimento aplicável à extinção das tarifas reguladas de venda de gás natural a clientes finais, com consumos anuais

Leia mais

Ref.ª Newsletter 04/2014

Ref.ª Newsletter 04/2014 Há 20 anos a contribuir para a segurança das empresas. Ref.ª Newsletter 04/2014 Enquadramento Legal: Decreto-Lei n.º 220/2008, 12 de Novembro: Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndios em Edifício

Leia mais

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL PREÂMBULO O programa de doutoramento organiza, estrutura e explicita o percurso dos estudantes de doutoramento

Leia mais

Artº 3º Promotores O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários.

Artº 3º Promotores O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários. OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO- 4ª Fase REGULAMENTO Artº 1º Âmbito e Aplicação 1. A operação de loteamento do Rossio 4ª fase, elaborada no âmbito do D.L. nº 555/99, de 16 de Dezembro, alterado

Leia mais

CÓDIGO DA ESTRADA EDIÇÃO DE BOLSO

CÓDIGO DA ESTRADA EDIÇÃO DE BOLSO CÓDIGO DA ESTRADA EDIÇÃO DE BOLSO (4.ª Edição) Actualização N.º 5 Código da Estrada Edição de Bolso 2 TÍTULO: AUTOR: CÓDIGO DA ESTRADA EDIÇÃO DE BOLSO Actualização N.º 5 BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2007-R, DE 27 DE ABRIL EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA

NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2007-R, DE 27 DE ABRIL EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2007-R, DE 27 DE ABRIL EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA Com a entrada em vigor do novo Plano de Contas para as Empresas de Seguros são alteradas algumas

Leia mais

LEI HABILITANTE. Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 4/2015, de 7 de janeiro;

LEI HABILITANTE. Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 4/2015, de 7 de janeiro; LEI HABILITANTE O presente Código tem como legislação habilitante os diplomas que a seguir se enunciam e que se encontram ordenados por referência as respetivas Partes: PARTE A GERAL Artigos 112.º, n.º

Leia mais

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas e a Associação Nacional dos Municípios Portugueses.

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas e a Associação Nacional dos Municípios Portugueses. DL 242/2006 A dinamização do mercado do arrendamento urbano e a reabilitação e renovação urbanas almejadas no Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), aprovado pela Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro,

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE EQUIPAMENTOS DA FRENTE MARÍTIMA DA COSTA NOVA - ÍLHAVO

PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE EQUIPAMENTOS DA FRENTE MARÍTIMA DA COSTA NOVA - ÍLHAVO PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE EQUIPAMENTOS DA FRENTE MARÍTIMA DA COSTA NOVA - ÍLHAVO PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO janeiro de 2012 ÍNDICE 1 PROGRAMA DE EXECUÇÃO... 3 1.1 IMPLEMENTAÇÃO DO

Leia mais

Currículo do Curso de Engenharia Civil

Currículo do Curso de Engenharia Civil Currículo do Curso de Engenharia Civil Engenheiro Civil ATUAÇÃO O curso de graduação em Engenharia Civil tem como perfil do formando egresso/profissional o engenheiro, com formação generalista, humanista,

Leia mais

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. LOCALIZAÇÃO 3 III. ENQUADRAMENTO PDM 3 VII. CEDÊNCIAS E INFRAESTRUTURAS 3 V. PROPOSTA 3 VI. ÍNDICES URBANÍSTICOS 4 VII.

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PROFESSORES Em vigor a partir de 13 de Setembro de 2013-1 - PARTE 0 PREÂMBULO 0.1 Introdução Uma das principais finalidades

Leia mais

ESTRUTURA ECOLÓGICA DA ÁREA URBANA DE BEJA

ESTRUTURA ECOLÓGICA DA ÁREA URBANA DE BEJA BEJA 1/6 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROPOSTA DA ESTRUTURA ECOLÓGICA DA CIDADE... 4 2/6 1. INTRODUÇÃO Com a Estrutura Ecológica Urbana pretende-se criar um «continuum naturale» integrado no espaço urbano,

Leia mais

PROJETO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO PARA O NÚCLEO POMBALINO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito de aplicação

PROJETO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO PARA O NÚCLEO POMBALINO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito de aplicação PROJETO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO PARA O NÚCLEO POMBALINO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação O presente normativo estabelece as regras para a ocupação do espaço

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP INFORMAÇÃO 113/2012 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº 179163/2012 176799/2012 INTERESSADO: FRANCISCO JOSÉ VELA ASSUNTO: CONSULTA TÉCNICA 1. IDENTIFICAÇÃO E HISTÓRICO O profissional Engenheiro Civil Francisco José

Leia mais