REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS"

Transcrição

1 REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS 1. EPI s (Equipamentos de Proteção Individuais): Equipamento de Segurança de fabricação nacional ou estrangeira destinado a proteger a integridade física do trabalhador, de uso individual, conforme estabelecido nas NR-06, NR-10, NR-18, NR-22, NR-29, NR-30 e NR-31 da Portaria de 08/06/78, devendo possuir C.A. Certificado de Aprovação emitido pelo Ministério do Trabalho, que deve estar gravado de forma indelével em seu corpo. Obrigação da CONTRATADA quanto aos EPI s: Adquirir os EPI s adequados às atividades dos empregados, conforme exigência e padrão do SESMT (Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho) da CONTRATANTE (Anexo III); Fornecer os EPI s ao empregado, mediante recibo; Treinar o trabalhador sobre o uso e conservação adequada de todos os EPIs, inclusive de sua eficácia, mantendo evidência deste treinamento; Tornar obrigatório o seu uso, sob pena de aplicação das sanções previstas no ART. 482 da CLT; Substituir os EPI s, imediatamente, quando danificados ou extraviados; Proporcionar meios aos funcionários para a higienização, manutenção periódica dos EPIs e bolsas para acondicionamento adequado; Obedecer aos prazos para ensaio de rigidez dielétrica; Comunicar ao MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) qualquer irregularidade observada no EPI; Os equipamentos com rigidez dielétrica deverão ser ensaiados da seguinte forma: o Equipamentos flexíveis ensaios de 6 em 6 meses; o Equipamentos Rígidos ensaios anuais. Vestimentas: Todos os funcionários envolvidos nos trabalhos deverão estar obrigatoriamente uniformizados, com roupas profissionais contendo identificação visual da CONTRATADA, portando Cartões Individuais de Identificação (crachás). Nas atividades no Sistema Elétrico de Potência (SEP), além das exigências anteriores, os uniformes deverão ser anti-chamas atendendo plenamente a NR-10 e obrigatoriamente camisas de mangas longas, conforme padrão CONTRATANTE. 2. EPC s (Equipamentos de Proteção Coletivos): Equipamento destinado a proteger toda a equipe de trabalho, clientes e o público em geral durante a realização de atividades, nas quais possam existir riscos com potencial para gerar danos ou lesões. A CONTRATADA deve fornecer todos os EPC s necessários à execução dos serviços, conforme exigência do SESMT da CONTRATANTE (Anexo III), além de bolsas para condicioná-los adequadamente. Quanto aos ensaios dielétricos deverão seguir as mesmas regras aplicáveis aos EPI s. 3. Treinamentos exigidos: Conforme Anexo III. 4. Procedimentos Operacionais Padrão (POP s): Para atividades no SEP e em altura superior a 2 metros, as empresas CONTRATADAS devem treinar seus funcionários nos POP s (Procedimentos Operacionais Padrão). Quando não houver POP padronizado para a atividade a ser realizada, a CONTRATANTE deverá elaborar este procedimento e aprovar junto ao Líder da CONTRATANTE, antes de realizar a atividade. Cada veículo operacional deverá possuir um caderno impresso com todos os POP s das tarefas realizadas pelas equipes.

2 5. Veículos: A CONTRATADA deverá obedecer às determinações legais a respeito de veículos utilizados na prestação dos serviços e da capacitação do motorista, e ainda, as instruções seguintes: Os veículos devem estar em boas condições de uso e com as manutenções em ordem; Acessórios de segurança: devem estar funcionando perfeitamente e apresentar bom estado de conservação: extintor portátil de pó químico seco, triângulo refletivo luminoso, cintos de segurança e espelhos retrovisores externos e internos; Veículos que transportam materiais e equipamentos devem possuir compartimentos apropriados para acomodá-los e uma proteção separando os ambientes dos bancos dianteiros destes materiais e equipamentos. Ex. veículos utilizados para atividades de corte, religação, ligação nova, etc; Veículos acima de 4 toneladas deverão ter a disposição, no mínimo, 2 calços padrão da CONTRATANTE e sinalizador sonoro para a ré; Os motoristas devem possuir Carteira Nacional de Habilitação CNH vigente e em categoria compatível com o veículo conduzido; A isolação do braço/lança da Cesta aérea deverá ser compatível com as tensões de trabalho, com testes dielétricos, inclusive os lines, comprovados pelos Laudos; Os veículos equipados com guindauto ou outro tipo de guindaste devem possuir trava de segurança no sistema de freio e sinalizador sonoro para acionamento da sapata; Não será permitido o transporte de pessoas na carroceria de caminhões, caminhonetes, e pick-ups que devem possuir cabine para transporte de pessoas, em conformidade com as determinações do CONTRAN. Será permitido o uso de cabine suplementar exclusivamente quando devidamente homologada e aprovada pelo órgão competente de trânsito; Não será permitida a fixação de escada no equipamento guindauto para execução de serviços aéreos. 6. Ferramentas e equipamentos: As ferramentas e equipamentos deverão atender as exigências do Líder da CONTRATANTE e ser padrão Rede Energia, de qualidade assegurada, estarem em perfeitas condições de conservação e adequadas para o serviço ao qual se destinam. Em serviços no SEP deverão ser eletricamente isoladas, atendendo a NR-10, não sendo permitidas improvisações e gambiarras. 7. Legislação vigente: A CONTRATADA deverá cumprir toda a Legislação Federal, Estadual e Municipal vigente sobre Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho, além das normas a seguir discriminadas: SESMT (Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho): a CONTRATADA deverá atender a NR-4 para execução do contrato. Em atividades do SEP, caso a CONTRATADA não seja legalmente obrigada a manter profissional especializado, deverá contratar um profissional de segurança para orientar e acompanhar as equipes; CIPA: A CONTRATADA deverá atender a NR-5 e fornecer ao SESMT da CONTRATANTE uma cópia do registro de inscrição da CIPA junto a Superintendência Regional do Trabalho a relação de seus membros após cada eleição e calendário anual contendo data, horário e local das reuniões da CIPA; PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional): A CONTRATADA deverá atender a NR-7, inclusive com evidências dos treinamentos de primeiros socorros aos funcionários; PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais): A CONTRATADA deverá atender a NR-9 e apresentar evidências da execução do plano de ação; PCMAT (Programa de Condições de Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção Civil): A CONTRATADA deverá atender a NR-18 para serviços de construção

3 civil. Especial atenção deverá ser dada às atividades em altura superior a 2 metros, com elaboração de Procedimento Operacional Padrão aprovado pelo Líder da CONTRATANTE; Instalações Sanitárias e refeições: atender a NR_24. Cada veículo operacional deverá possuir garrafa térmica para transporte de água potável, sendo que nas bases deverão possuir equipamentos com filtros de água. 8. Processo que antecede o início das Atividades do Contrato: Documentações Apresentar ao Líder da CONTRATANTE: o Cópias das carteiras de trabalho; o Cópias dos cursos de capacitação/qualificação; o Cópias dos cursos de NR-10 básico e complementar; o Cartas de autorização; o Cópias dos Atestados de Saúde Ocupacionais (ASO s). Inspeção Inicial - Todas as equipes deverão passar por esta checagem organizada pelo Líder da CONTRATANTE onde verificarão: o Condições dos EPI s exigidos para as atividades; o Condições dos EPC s exigidos por equipe; o Condições das ferramentas e equipamentos exigidos; o Condições dos veículos das equipes; o Validade dos testes dielétricos. O Líder da Área CONTRATANTE da Rede Energia somente aprovará cada funcionário e cada equipe da CONTRATADA para iniciar as atividades, depois de verificado o atendimento de todos os requisitos de segurança. Para inclusão ou substituição de qualquer funcionário a CONTRATADA deverá atender todos os requisitos anteriores. 9. Durante a vigência do Contrato: Inspeções de Segurança: A CONTRATANTE fará inspeções de segurança periódicas nos canteiros de obra, sedes administrativas e locais de prestação de serviços pela CONTRATADA, com o objetivo de fiscalizar o cumprimento das determinações legais, o uso e estado de conservação dos Equipamentos de Proteção Individual EPI S, Equipamentos de Proteção Coletiva EPC s, ferramentas, máquinas, veículos, equipamentos e procedimentos operacionais, conforme preenchimento da Planilha de Inspeção de Segurança do Trabalho - Anexo I desta instrução. A CONTRATADA deverá acatar as recomendações contidas nas notificações decorrentes das inspeções de segurança e sanar as irregularidades apontadas no prazo indicado, sob pena de ser determinada a suspensão dos trabalhos, pelo Líder da Área CONTRATANTE, ficando estabelecido que essa suspensão não exime a CONTRATADA das obrigações e penalidades previstas no Contrato, bem como, não obriga a CONTRATANTE ao pagamento das horas não trabalhadas decorrentes desta suspensão. Comunicações de Acidentes: Quando da ocorrência de acidente, a CONTRATADA deverá comunicar imediatamente ao Líder da Área e ao SESMT (Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho) da CONTRATANTE, inicialmente por telefone e através do preenchimento do Comunicado de Evento Acidental padrão CONTRATANTE. Quando da ocorrência de acidente fatal a CONTRATADA deverá comunicar de imediato também a autoridade policial competente e o órgão regional vinculado ao Ministério do Trabalho e Emprego - MTE. A CONTRATADA deverá isolar o local diretamente relacionado ao acidente, mantendo suas características até a liberação pela autoridade policial competente e pelo órgão regional do Ministério do Trabalho e Emprego MTE. A CONTRATADA deverá apresentar para a CONTRATANTE, em caso de acidente do trabalho, num prazo máximo de 10 dias do ocorrido (acidentes leves e médios) e 20 dias do ocorrido (Acidentes Graves/Fatais), um Relatório de Análise de Evento Acidental conforme padrão CONTRATANTE, contendo o registro do acidente e as medidas realizadas. Nos

4 acidentes graves ou fatais, o Líder da Área da CONTRATANTE designará um representante para participar das análises. É vedada à CONTRATADA qualquer divulgação da ocorrência de acidentes, o que caberá exclusivamente à CONTRATANTE. A CONTRATADA deverá entregar mensalmente, até o 4º (quarto) dia útil de cada mês, ao SESMT da CONTRATANTE, o relatório de estatística de acidentes, conforme modelo padrão da CONTRATANTE e cópia de todas as Comunicações de Acidentes de Trabalho - CAT emitidas durante o mês anterior. Após análise, pela Comissão de Investigação definida pela CONTRATANTE, de cada acidente ocorrido, a CONTRATANTE poderá determinar à CONTRATADA a realização de novos treinamentos e acompanhar sua realização e eficácia. Suspensão dos trabalhos por motivo de segurança: O Líder da Área da CONTRATANTE poderá suspender a execução de qualquer trabalho no qual esteja evidente risco grave e iminente que ameace a segurança de empregados, máquinas, equipamentos e o público em geral. A suspensão da execução do trabalho motivada por falta de condições de segurança e conseqüentemente, a não observância das normas e instruções citadas neste instrumento, não exime a CONTRATADA das obrigações e penalidades contratuais. DSS: A CONTRATADA deverá realizar entre seus funcionários o Diálogo de Saúde e Segurança, no mínimo uma vez por semana, sobre os temas cotidianos das atividades dessas empresas, e específicos, orientados pela CONTRATANTE, para fins de esclarecimento quanto aos riscos envolvidos nestas atividaders e às normas de saúde e segurança, a serem observadas. O líder da CONTRATANTE ou alguém designado por este, se reunirá periodicamente com os responsáveis da CONTRATADA para elaborar um plano de trabalho e desenvolvimento de temas que realmente contribuam para a motivação dos funcionários quanto à segurança e saúde ocupacional. 10. Avaliação Mensal dos Indicadores de Segurança da CONTRATADA: O SESMT da CONTRATANTE efetuará, mensalmente, uma avaliação geral sobre os resultados de segurança da CONTRATADA, que relacionará a parte documental do Anexo II e a parte de campo do Anexo I, que poderá gerar multa prevista em Contrato, em caso de desconformidade da atuação da CONTRATADA, em relação às normas previstas neste documento e/ou na legislação de saúde e segurança do trabalho aplicáveis às atividades objeto do Contrato, eventualmente aqui não dispostas expressamente. Na ocorrência de Acidente Grave e ou Fatal, mediante a análise da Comissão de Investigação do Acidente da CONTRATANTE, poderá ser aplicada multa prevista em Contrato, até o grau máximo. A multa será aplicada mediante a glosa (desconto) do valor correspondente, na fatura referente ao mês definido pelo Líder da CONTRATANTE. 11. A CONTRATANTE se reserva ao direito de fazer exigências relativas à Segurança do Trabalho, sempre que julgar necessário, com o objetivo de proteger os funcionários, bens e equipamentos.

5 12. ANEXOS: Anexo I - PLANILHA DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO - Frente:

6 - Verso:

7 ANEXO II AVALIAÇÃO MENSAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO - Frente:

8 - Verso:

9 Anexo III TREINAMENTOS, EPI s e EPC s POR ATIVIDADE: 1 - Eletricista de Construção e Manutenção de Redes de Distribuição Desenergizadas : 1.1 Curso NR-10 Básico e Complementar - (80h); 1.2 Curso de Reciclagem de NR-10 Bianual (2 em 2 anos); 1.3 Curso de Construção e Manutenção de Redes de Distribuição Aérea (COMAN); 1.4 Curso para Líderes de Eletricistas (para o Líder da equipe); 1.5 Curso de Operação de Guindauto (para quem vai operar); 1.6 Curso Direção Defensiva (para motoristas); 1.7 Curso de Operação/manobras de Subestação (caso tenha esta função); 1.8 Avaliação Psicológica de Aptidão para Função (a critério do Líder da CONTRATANTE); 1.9 EPI's mínimos: capacete de segurança, óculos de segurança (com ou sem lente corretiva), Calçado de segurança, uniforme anti-chama, capa de chuva ou conjunto impermeável, perneira, protetor solar FPS mínimo 30, protetor auricular, cinto pára-quedista com linha de vida e trava-queda, luva de vaqueta, luvas isolantes classe 1 e 2 e de coberturas e manga isolante classe 2 (somente para os eletricistas que realizam as manobras); 1.10 EPC's mínimos: mantas isolantes Baixa Tensão ( BT ), cones de sinalização, bastão de manobra de 4 elementos, bastão de manobra para grampo de LV (3,2 m), fita isolação/sinalização, detector tensão, multímetro, conjuntos aterramentos temporários BT (para redes abertas e multiplexadas) e Média Tensão ("MT ), kit resgate, placas de sinalização 2 - Eletricista de Linha Viva de Distribuição : 2.1 Curso NR-10 básico e complementar (80h); 2.2 Curso de reciclagem de NR-10 Bianual (2 em 2 anos); 2.3 Curso de construção e manutenção de redes de distribuição aérea (COMAN); 2.4 Curso de linha viva de distribuição método ao contato tensões 13,8 e 34,5kV; 2.5 Curso para líderes de eletricistas; 2.6 Curso de Operação de sky isolado; 2.7 Curso de Direção Defensiva (para motoristas); 2.8 Curso de Operação/manobras de Subestação (caso tenha esta função) 2.9 Avaliação Psicológica de Aptidão para Função (a critério do Líder da Contratante) Obs: Para Poda de Árvores em Linha Viva os requisitos são os mesmos EPIs mínimos: capacete de segurança, óculos de segurança (com ou sem lentes corretivas), calçado de segurança, uniforme anti-chama, capa de chuva ou conjunto impermeável, perneira, protetor solar FPS mínimo 30, protetor auricular, cinto pára-quedista com linha de vida e trava-queda, luva de vaqueta, luva isolante e de cobertura, manga isolante (conforme classe de tensão); 2.11 EPC's mínimos: mantas isolantes BT, cones, bastão de manobra de 4 elementos, bastão de manobra para grampo de LV (3,2 m), fita isolação/sinalização, detector tensão, multímetro, conjuntos aterramentos temporários BT (para redes abertas e multiplexadas) e MT, kit resgate, placas de sinalização; todos equipamentos de isolação das estruturas. 3 - Eletricista de serviços comerciais : 3.1 Curso NR-10 básico e complementar (80h); 3.2 Curso de reciclagem de NR-10 Bianual (2 em 2 anos); 3.3 Curso de construção e manutenção de redes de distribuição aérea (COMAN); 3.4 Curso de Direção Defensiva (para motoristas); 3.5 Curso de Operação/manobras de Subestação (caso tenha esta função) 3.6 EPIs necessários: capacete de segurança, óculos de segurança (com ou sem lentes corretivas), protetor facial, Calçado de segurança, uniforme anti-chama, capa de chuva ou conjunto impermeável, perneira, protetor solar FPS mínimo 30, protetor auricular, cinto pára-quedista com linha de vida e travaqueda, luva de vaqueta, luva isolante e de cobertura (classe de tensão 0 e classe 2 para manobras) e manga isolante; 3.7 EPC's mínimos: mantas isolantes BT, cones, bastão de manobra de 4 elementos, bastão de manobra para grampo de LV (3,2 m), fita isolação/sinalização, detector tensão, multímetro, conjuntos aterramentos temporários BT (para redes abertas e multiplexadas) e MT, kit resgate, placas de sinalização;

10 4 - Eletricista de Podas de Árvores em redes desenergizadas : 4.1 Curso NR-10 Básico e Complementar - (80h); 4.2 Curso de reciclagem de NR-10 Bianual (2 em 2 anos); 4.3 Curso de Poda de Árvores incluindo manuseio de moto-mecanizados e técnicas de podas de vegetação 4.4 Curso para líderes de eletricistas (para o Líder da equipe); 4.5 Curso Direção Defensiva (para motoristas); 4.6 Avaliação Psicológica de Aptidão para Função (a critério do Líder da Contratante). 4.7 EPIs mínimos: capacete de segurança, óculos de segurança (com ou sem lentes corretivas), calçado de segurança, uniforme anti-chama, calça anti-corte, protetor auricular, capa de chuva ou conjunto impermeável, perneira, protetor solar FPS mínimo 30, cinto pára-quedista com linha de vida e trava-queda, luva de vaqueta, luva isolante classe 1 e 2 e de cobertura (somente para os eletricistas que fazem as manobras) e manga isolante; 4.8 EPC's mínimos: mantas isolantes BT, cones, bastão de manobra de 4 elementos, bastão de manobra para grampo de LV (3,2 m), fita isolação/sinalização, detector tensão, multímetro, conjuntos aterramentos temporários BT (para redes abertas e multiplexadas) e MT, kit resgate, placas de sinalização; 5 - Eletricista de Linhas de Transmissão : 5.1 Curso NR-10 Básico e Complementar - (80h); 5.2 Curso de reciclagem de NR-10 Bianual (2 em 2 anos); 5.3 Curso de Manutenção de Linhas de Transmissão (a inclusão de método de linha viva ao potencial e a distância, deve ser definido pelo Líder da CONTRATANTE, conforme atividades a serem desenvolvidas); 5.4 Curso para líderes de eletricistas (para o Líder da equipe) ; 5.5 Curso de Operação de guindauto (para quem vai operar); 5.6 Curso Direção Defensiva (para motoristas); 5.7 Avaliação Psicológica de Aptidão para Função (a critério do Líder da CONTRATANTE). 5.8 EPI's mínimos: capacete de segurança, óculos de segurança (com ou sem lentes corretivas), Calçado de segurança, uniforme anti-chama, capa de chuva ou conjunto impermeável, perneira, protetor solar FPS mínimo 30, cinto pára-quedista com linha de vida e trava-queda, luva de vaqueta. Os outros EPI's devem ser definidos pelo SESMT da CONTRATANTE 5.9 EPC's mínimos: a ser definido pelo SESMT da CONTRATANTE 6 - Eletricista/Técnico de Manutenção de Subestação : 6.1 Curso NR-10 Básico e Complementar - (80h); 6.2 Curso de reciclagem de NR-10 - Bianual (2 em 2 anos); 6.3 Curso de Manutenção de Subestações (a inclusão do método de linha viva ao potencial, ao contato e a distância, deve ser definido pelo Líder da CONTRATANTE, conforme atividades a serem desenvolvidas); 6.4 Curso para líderes de eletricistas; 6.5 Curso de Operação de guindauto (para quem vai operar); 6.6 Curso de Direção Defensiva (para motoristas); 6.7 Avaliação Psicológica de Aptidão para Função (a critério do Líder da CONTRATANTE). 6.8 EPI's mínimos: capacete de segurança, óculos de segurança (com ou sem lentes corretivas), Calçado de segurança, uniforme anti-chama, capa de chuva ou conjunto impermeável, perneira, protetor solar FPS mínimo 30, cinto pára-quedista com linha de vida e trava-queda, luva de vaqueta. Os outros EPI's devem ser definidos pelo SESMT da CONTRATANTE 6.9 EPC's mínimos: a ser definido pelo SESMT da CONTRATANTE

11 7 - Eletricista/técnico de Proteção, Controle e Automação de Subestação : 7.1 Curso NR-10 Básico e Complementar - (80h); 7.2 Curso de reciclagem de NR-10 Bianual (2 em 2 anos); 7.3 Curso de Proteção, Controle e Automação de Subestação; 7.4 Curso para líderes de eletricistas (para Líder da equipe); 7.5 Curso de Direção Defensiva (para motoristas); 7.6 EPI's mínimos: capacete de segurança, óculos de segurança (com ou sem lentes corretivas), calçado de segurança, uniforme anti-chama, capa de chuva ou conjunto impermeável, perneira, protetor solar FPS mínimo 30, cinto pára-quedista com linha de vida e trava-queda, luva de vaqueta. Os outros EPI's devem ser definidos pelo SESMT da CONTRATANTE 7.7 EPC's mínimos: a ser definido pelo SESMT da CONTRATANTE 8 - Atividades com Motocicletas leituristas, cortes no selo ou outros : 8.1 Curso de Direção Defensiva; 8.2 Primeiros Socorros; 8.2 Avaliação psicológica de aptidão para a função (a critério do Líder da CONTRATANTE); 8.3 EPI s mínimos obrigatórios: Capacete; luvas; botas e roupas apropriadas; antena e mata-cachorro; Obs. 1: Requisitos de cursos, de EPI s e de EPC s por atividade poderá ser complementada pelo SESMT e Líder da CONTRATANTE. Obs.2: Requisitos de Atividades, de cursos, de EPI s e de EPC s não previstas neste documento deverão ser definidos pelo SESMT e Líder da CONTRATANTE. Obs. 3: A CONTRATANTE se reserva o direito de exigir o cumprimento de normas relacionadas à segurança do trabalho, eventualmente não contempladas neste documento, ou que venham a ser criadas, em virtude de novas tecnologias.

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

Segurança e Medicina Ocupacional

Segurança e Medicina Ocupacional Segurança e Medicina Ocupacional Este documento apresenta as exigências mínimas para prestadores de serviços, referentes a Segurança e Medicina Ocupacional. 1 - Condições Básicas 1.1 - Plano de Segurança

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As Normas Regulamentadoras aplicáveis aos serviços a

Leia mais

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores deverão cumprir a Norma Regulamentadora nº

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/6 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUMÁRIO

RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUMÁRIO TERCEIRIZADAS NA SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO... 02 3. CONCEITOS... 02 4. NORMAS APLICÁVEIS E DOCUMENTOS DE REFERÊNCIAS... 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS... 03 6. PROCEDIMENTOS... 03 7. CONTROLE DE REGISTROS...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/9 0I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS 1 O SESMT Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho elaborou esta norma com o objetivo de estabelecer as condições mínimas no cumprimento

Leia mais

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho "Segurança o Tempo Todo"

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho Segurança o Tempo Todo Página: 1/14 1. OBJETIVO Descrever as principais rotinas gerenciais de segurança e saúde do trabalho à serem desenvolvidas pela equipe da ENDICON, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais,

Leia mais

ANEXO V REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2011

ANEXO V REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2011 ANEXO V REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2011 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Determinar a metodologia para substituição de condutor de média tensão, em vão de rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição

Leia mais

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho 1 0 Dia Realizar a apresentação dos participantes 1. Técnica de Lista de presença; apresentação e O multiplicador

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

ANEXO IX. 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas integralmente.

ANEXO IX. 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas integralmente. ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE REFORMA, CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO PREVENTINA DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÃO E USINAS 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As normas

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE ANEXO Q12.6 NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS CD-70-911-CPG-003 1 / 7 ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPRESAS PARA EXECUTAR CONSTRUÇÃO OU REFORMAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO E ILUMINAÇÃO PÚBLICA

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPRESAS PARA EXECUTAR CONSTRUÇÃO OU REFORMAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO E ILUMINAÇÃO PÚBLICA VALIDADE DO CADASTRO - ANUAL. REQUISITOS TÉCNICOS Introdução Este documento tem como objetivo orientar prestadores de serviços de Construção ou reformas de redes de distribuição e Iluminação Pública, no

Leia mais

CONTRADAS / TERCEIRIZADAS / CONVENIADAS NS - 03

CONTRADAS / TERCEIRIZADAS / CONVENIADAS NS - 03 DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA Comissão Técnica de Controle das Condições de Trabalho - CTCCT Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho - SESMT MANUAL DE SEGURANÇA E MEDICINA

Leia mais

ANEXO VIII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM LINHAS DE TRANSMISSÃO 69-138 kv

ANEXO VIII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM LINHAS DE TRANSMISSÃO 69-138 kv ANEXO VIII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM LINHAS DE TRANSMISSÃO 69-138 kv 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS GERAIS DE EMERGÊNCIA EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS GERAIS DE EMERGÊNCIA EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS GERAIS DE EMERGÊNCIA EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO Autor(es) Lisandro DSSO Data: Julho / 2007 REVISÃO Autor(es)

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

NR 6 E P I. Equipamento de Proteção Individual. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978

NR 6 E P I. Equipamento de Proteção Individual. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 NR 6 E P I Equipamento de Proteção Individual Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A sexta Norma Regulamentadora, cujo título é Equipamento de Proteção Individual (EPI), estabelece: definições legais,

Leia mais

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Introdução A Engemix possui uma equipe de Engenheiros de Segurança e Meio Ambiente capacitada para dar todo subsídio técnico para implantação, operação e desmobilização

Leia mais

SUMÁRIO 1 Finalidade 2 Âmbito de Aplicação 3 Conceitos Básicos 4 Descrição 5 Diretrizes de Segurança e Saúde do Trabalho para Empresas Contratadas

SUMÁRIO 1 Finalidade 2 Âmbito de Aplicação 3 Conceitos Básicos 4 Descrição 5 Diretrizes de Segurança e Saúde do Trabalho para Empresas Contratadas SUMÁRIO 1 Finalidade 2 Âmbito de Aplicação 3 Conceitos Básicos 4 Descrição 5 Diretrizes de Segurança e Saúde do Trabalho para Empresas Contratadas 1 FINALIDADE Estabelecer critérios e padronizar os procedimentos

Leia mais

Documentos Obrigatórios em UANs

Documentos Obrigatórios em UANs Documentos Obrigatórios em UANs Profa. Ms Kelly Ribeiro Amichi DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Para o funcionamento de uma UAN, existe a documentação obrigatória exigida pela legislação. Essa documentação deve

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: INSTALAÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE PÁRA-RAIOS EM TANQUE DE TRANSFORMADOR, EM REDE ENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: INSTALAÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE PÁRA-RAIOS EM TANQUE DE TRANSFORMADOR, EM REDE ENERGIZADA. Página: 1/7 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para instalação e substituição de pára-raios em tanque de transformador, em rede energizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para Substituição e Manutenção de Chaves Fusíveis de Transformador em rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

ANEXO IV SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

ANEXO IV SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO IV SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO 1. OBJETIVO Definir os deveres e as responsabilidades da Contratada e estabelecer as orientações e procedimentos concernentes às atividades de Segurança e Medicina

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Jaime Junior dos Santos Aes Sul Distribuidora Gaúcha de Energia jaime.santos@aes.com

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA Página: 1/11 DO-OP-01/P-2 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia na operação de chaves fusíveis e chaves facas. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas

Leia mais

Prever, separar e inspecionar os equipamentos, ferramentas, aparelhos, dispositivos, materiais, EPI s e EPC s necessários. Capacete de segurança

Prever, separar e inspecionar os equipamentos, ferramentas, aparelhos, dispositivos, materiais, EPI s e EPC s necessários. Capacete de segurança 80 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP QUADRO DEMONSTRATIVO DAS ETAPAS DE SEGURANÇA: Objetivo: Padronizar os procedimentos de segurança Inspeção Geral em TP

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DIRETRIZES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS NA GERAÇÃO HÍDRICA

ESPECIFICAÇÃO DIRETRIZES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS NA GERAÇÃO HÍDRICA Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 03-09/11/2011 09/11/2011 APROVADO POR José Roberto Rocha Carvalho SUMÁRIO 1. RESUMO... 4 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO 1 Objetivo Promover a permanente melhoria e contínua compatibilização do trabalho com a prevenção da vida, integridade e patrimônio do SAAE Sorocaba e a promoção da saúde e segurança dos profissionais.

Leia mais

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O SESMT - 2013 ESTE PROCEDIMENTO DEVERÁ SER SEGUIDO POR TODAS AS EMPRESAS CONTRATADAS POR LICITAÇÕES, COMPRAS DIRETAS DE OBRAS, SERVIÇOS DE ENGENHARIA E NA GESTÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS. DEVERÁ SER FORNECIDA

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 1 PROGRAMA OBRAS SEGURAS 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS 3 VOCÊ PARTICIPA DO PROGRAMA 4 VISITA TÉCNICA 5 PRINCIPAIS DESVIOS 6 SUSPENSÃO Programa Obras Seguras PROGRAMA

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1. Do Objeto A Empresa que firmar contrato com a Universidade São Judas Tadeu, obriga-se a cumprir integralmente os Procedimentos

Leia mais

Equipamento de Proteção Individual

Equipamento de Proteção Individual Equipamento de Proteção Individual NR 6 Equipamento de Proteção Individual De acordo com a NR-6 da Portaria nº 3214 de 8 de junho de 1978, do Ministério do Trabalho e Emprego, considera-se Equipamento

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO

CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO As empresas concessionárias de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, representando a categoria

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS ANTES DO INÍCIO DOS TRABALHOS Fornecer cópia deste manual a sua equipe de liderança, e exigir o seu cumprimento de acordo com o Artigo 157 Item I

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA GUINCHO VELOX e HUCK ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 2 2.1. USO DOS GUINCHOS... 3 2.2. LUBRIFICAÇÃO... 3 2.3.

Leia mais

GLOBAL BUSINESS SERVICES-GBS BRASIL. Gestão de Contratistas Brasil. Data de aprovação 10/06/2014. Aprovadores:

GLOBAL BUSINESS SERVICES-GBS BRASIL. Gestão de Contratistas Brasil. Data de aprovação 10/06/2014. Aprovadores: Regulamento GLOBAL BUSINESS SERVICES-GBS BRASIL Empresa Endesa Brasil Enel Green Power Caráter Âmbito Gestão de Contratistas Brasil Endesa Brasil Data de aprovação 10/06/2014 REGULAMENTO DE GESTÃO DE CONTRATISTA

Leia mais

EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Definição Conforme a NR 06: EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Item 6.1 - Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora NR 6, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo dispositivo

Leia mais

- PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09

- PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09 - PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09 - ANÁLISE GLOBAL - DESTAQUE AVIAÇÃO AGRÍCOLA LTDA. - SÃO PEDRO DO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS NAS DEPÊNDENCIAS DA UDESC

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS NAS DEPÊNDENCIAS DA UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC CNPJ 83.891.283/0001-36 CONTATO (48)3321-8155 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS

Leia mais

RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA. Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil UFC - 2012

RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA. Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil UFC - 2012 RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Aluna: Thalita Ripardo Ximenes Orientadora: Profª.. Dra. Ana Barbara de Araujo Nunes Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil

Leia mais

EPI Conforme Norma Regulamentadora NR 6, Equipamento de Proteção Individual EPI Fundamento Legal Artigo 166 da CLT A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, equipamento de proteção

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAREM SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC.

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAREM SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAREM SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC. SERVIÇOS CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO As empresas prestadoras de serviços

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP PCMSO/GEAP 6.1.23.1 Providenciar atestados e exames Todo trabalho em eletricidade deve ser planejado, organizado e executado por empregado capacitado e autorizado. Para executar trabalhos em altura, o

Leia mais

2 CAMPO DE APLICAÇÃO Todas as empresas contratadas para executar projetos, serviços e obras na empresa.

2 CAMPO DE APLICAÇÃO Todas as empresas contratadas para executar projetos, serviços e obras na empresa. Responsável Técnico: Eduardo Machado Homem Gerência de Segurança do Trabalho Público-alvo: Empregados próprios e prestadores de serviços das unidades da Vale Fertilizantes. 1 OBJETIVO Nº: PRO-3209-74-24-03

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II Cursos: Administração Ciências Econômicas Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo São José do Rio Preto SP.

FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II Cursos: Administração Ciências Econômicas Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo São José do Rio Preto SP. FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II Cursos: Administração Ciências Econômicas Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo São José do Rio Preto SP. CURSO: ENGENHARIA CIVIL Disciplina: HIGIENE E SEGURANÇA DO

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO DE SEGURANÇA

ORDEM DE SERVIÇO DE SEGURANÇA 1 ORDEM DE SERVIÇO DE SEGURANÇA NOME DO FUNCIONÁRIO MATRÍCULA CPF DEPARTAMENTO SIGLA ATIVIDADE DESENVOLVIDA MOTORISTA DE VEÍCULOS DESCRIÇÃO SUMÁRIA Dirigir e/ou operar veículos leves e pesados, transportando

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES (AS) DA EMPRESA. 03 EPI s EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES (AS) DA EMPRESA. 03 EPI s EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Rua Doutor Faivre, 888 - Fone: (41) 3264-4211 Fax: (41) 3264-4292 01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA NOME: CNPJ: ENDEREÇO: MUNICÍPIO: CEP: FONE / FAX: PROPRIETÁRIO: ENCARREGADO: 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES

Leia mais

Higiene e Segurança no Trabalho

Higiene e Segurança no Trabalho Curso Técnico em Mecânica Integrado ao Ensino Médio. Higiene e Segurança no Trabalho EPI & EPC Joinville, outubro de 2014 Medidas de Proteção no Trabalho Quando se fala em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS.

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA

ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA O Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás - IPASGO, C.N.P.J. 01.246.693/0001-60, em cumprimento às determinações

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE 50.05.007 1/10 1. FINALIDADE Regulamentar a utilização do Equipamento de Proteção Individual EPI, no âmbito da UFTM, visando proporcionar condições de trabalho mais seguras, evitar o risco de acidentes

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR TREINAMENTO REFERENTE A CURSO BÁSICO E COMPLEMENTAR DA NR-10.

PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR TREINAMENTO REFERENTE A CURSO BÁSICO E COMPLEMENTAR DA NR-10. PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR TREINAMENTO REFERENTE A CURSO BÁSICO E COMPLEMENTAR DA NR-10. Abril/2007 PROJETO BÁSICO Página 1 PROJETO BÁSICO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR

Leia mais

CURSO NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 26 a 30 de maio de 2008

CURSO NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 26 a 30 de maio de 2008 CURSO NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 26 a 30 de maio de 2008 OBJETIVO: Capacitar os participantes para prevenção em acidentes com eletricidade, em atendimento ao novo texto da

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

Eng. Joaquim Gomes Pereira. Eng. Eletricista e de Segurança a no Trabalho Coordenador da NR10

Eng. Joaquim Gomes Pereira. Eng. Eletricista e de Segurança a no Trabalho Coordenador da NR10 1 Eng. Joaquim Gomes Pereira. Eng. Eletricista e de Segurança a no Trabalho Coordenador da NR10 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS LEGISLAÇÃO E AUDITORIA FISCAL CLT //

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA EXECUÇÃO DE EXTENSÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PARA ATENDER A ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSOS LOGRADOUROS DE PORTO ALEGRE 1. GENERALIDADES O

Leia mais

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO Contratação de Serviços de Engenharia para Instalação de Novos Pontos de IP e Complementação da Eficientização do Sistema de Iluminação Pública de Porto Alegre ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Coordenação: Jildésio Souza Beda. Participantes: Jildésio Souza Beda, José Cezar Nonato, Kamila Franco Paiva.

FICHA TÉCNICA. Coordenação: Jildésio Souza Beda. Participantes: Jildésio Souza Beda, José Cezar Nonato, Kamila Franco Paiva. NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO DISTRIBUIÇÃO COM A REDE AÉREA PRIMÁRIA 2ª EDIÇÃO JULHO - 2014 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA FICHA

Leia mais

AUDITORIAS INTEGRADAS DE SAÚDE E SEGURANÇA PRÁTICA DE SUCESSO NA GESTÃO DE CONTRATOS DA CELPE

AUDITORIAS INTEGRADAS DE SAÚDE E SEGURANÇA PRÁTICA DE SUCESSO NA GESTÃO DE CONTRATOS DA CELPE AUDITORIAS INTEGRADAS DE SAÚDE E SEGURANÇA PRÁTICA DE SUCESSO NA GESTÃO DE CONTRATOS DA CELPE Autores Andréa Katherine Vera Cruz Hugo Leonardo Vidal de Souza Araújo Sérgio Melo de Oliveira Moreira Simone

Leia mais

Encarregado. Encarregado e Eletricistas

Encarregado. Encarregado e Eletricistas 1/11 Passo 01: Receber a ordem de serviço e formulário de preenchimento dos serviços executados. Passo 02: Planejar a execução da tarefa: - Separar materiais e ferramentas necessários para a execução da

Leia mais

21/05/2013. A natureza equipou os seres com Equipamento de proteção natural. Gianfranco Pampalon. E o homem, a natureza equipou com inteligência...

21/05/2013. A natureza equipou os seres com Equipamento de proteção natural. Gianfranco Pampalon. E o homem, a natureza equipou com inteligência... A natureza equipou os seres com Equipamento de proteção natural Gianfranco Pampalon E o homem, a natureza equipou com inteligência... 1 Definição: 6.1 EPI é todo dispositivo ou produto, de uso individual

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

Implantação da NR 35 nos canteiros de obras

Implantação da NR 35 nos canteiros de obras SEMINÁRIO GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS CANTEIROS DE OBRA Implantação da NR 35 nos canteiros de obras BH 17/08/2012 Atividades dos Trabalhos em Altura Construção civil Taludes e Telhados Telecomunicações

Leia mais

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL TÍTULO : SAÚDE E SEGURANÇA 1. OBJETIVO: Informar, conscientizar e instruir os colaboradores, sobre possíveis riscos inerentes as funções desempenhadas em seu dia a dia do trabalho.

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE: Regulamentar a utilização do Equipamento de Proteção Individual EPI, no âmbito do DEMLURB, a fim de proporcionar melhores

Leia mais

SMS NAS ATIVIDADES DE CAMPO DA ESTEIO PANORAMA

SMS NAS ATIVIDADES DE CAMPO DA ESTEIO PANORAMA SMS NAS ATIVIDADES DE CAMPO DA ESTEIO PANORAMA INTRODUÇÃO SMS, para os menos habituados à sigla ou ao conceito, Segurança, Meio-ambiente e Saúde, ou o conjunto de procedimentos aplicados à produção que

Leia mais

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 1 pág de 16 Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 2 pág de 16 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Secretaria da Administração

Secretaria da Administração Secretaria da Administração Procedimento para Elaboração de Programas de Segurança para Empresas Contratadas PCMSO / PPRA / PCMAT / ARO Revisão 00 2014 1. Objetivo Estabelecer as exigências mínimas sobre

Leia mais