NR-36 NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM EMPRESAS DE ABATE E PROCESSAMENTO DE CARNES E DERIVADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NR-36 NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM EMPRESAS DE ABATE E PROCESSAMENTO DE CARNES E DERIVADOS"

Transcrição

1 NR-36 NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM EMPRESAS DE ABATE E PROCESSAMENTO DE CARNES E DERIVADOS

2

3 MOACIR JOSÉ CERIGUELI Engenheiro de Segurança do Trabalho; Professor de cursos de Engenharia de Segurança do Trabalho e de Técnicos de Segurança do Trabalho em diversas instituições (UnC, Univates, SENAI e SENAC); Membro do GTT Grupo Técnico Tripartite do DSST/MTE da NR-36, na condição de Assessor Técnico; Ex-comandante do Corpo de Bombeiros Voluntários de Videira/SC. NR-36 NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM EMPRESAS DE ABATE E PROCESSAMENTO DE CARNES E DERIVADOS MANUAL DE APLICAÇÃO

4 EDITORA LTDA. Todos os direitos reservados Rua Jaguaribe, 571 CEP São Paulo, SP Brasil Fone (11) Produção Gráfica e Editoração Eletrônica: RLUX Projeto de capa: FÁBIO GIGLIO Impressão: DIGITAL PAGE Agosto, 2013 Versão impressa - LTr ISBN Versão digital - LTr ISBN Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Cerigueli, Moacir José NR-36 : Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados / Moacir José Ceriguelli. São Paulo : LTr, Bibliografia 1. Doenças profissionais 2. Higiene do trabalho 3. Normas regulamentadoras Brasil 4. Saúde ambiental 5. Segurança e saúde Administração 6. Segurança do trabalho 7. Trabalho e classes trabalhadoras Doenças I. Título CDD Índice para catálogo sistemático: 1. Segurança e saúde no trabalho : Normas regulamentadoras : Bem-estar social

5 DEDICATÓRIA À minha esposa Ivete e aos meus filhos, Amanda e Gabriel, pela compreensão e incentivo.

6

7 AGRADECIMENTOS Diversos profissionais contribuíram direta ou indiretamente na elaboração dos comentários referentes à nova Norma Regulamentadora (NR-36). As reuniões para a construção da Norma no Grupo de Trabalho Tripartite (GTT), bem como os seminários para sua discussão e disseminação, nos proporcionaram experiência e enriquecimento dos conhecimentos que passam a compor a presente obra. Gostaria de lembrar as mensagens de apoio e contribuições e agradecê-las, pois nos motivaram a pôr em prática esta obra, a qual, espero, possa contribuir para a melhoria das condições de Segurança e Saúde dos trabalhadores das indústrias frigoríficas deste nosso País.

8

9 Participaram da construção na NR-36 (GTT): Nome Função Representação Rômulo Machado e Silva Coordenador Governo Rosemary Dutra Leão Titular Governo Paulo Antônio Barros de Oliveira Titular Governo Marly de Cerqueira Vasconcelos Titular Governo Thaís Helena de Carvalho Barreira Titular Governo Heiler Ivens de Souza Natali Titular MPT Governo Sarah de Mattos Oliveira Assessora Técnica Governo Laudiemy Rodrigues Martins Assessora Técnica Governo Siderlei Oliveira Titular Trabalhadores Roberto Ruiz Titular Trabalhadores Adir de Souza Titular Trabalhadores Defendente Francisco Thomazoni Titular Trabalhadores Carlucio Gomes da Rocha Titular Trabalhadores Maria Elídia Vicente Assessora Técnica Trabalhadores José Modelski Júnior Assessor Técnico Trabalhadores Ricardo Gouvea Titular Patronal Vilço Medeiros Titular Patronal João Luis Rosenbaum Titular Patronal Oscar Antônio Trombeta Titular Patronal Alexandre Perlatto Titular Patronal Marcia Ricci O. Jacob Assessora Técnica Patronal Moacir José Cerigueli Assessor Técnico Patronal

10 Foram colaboradores na construção desta obra: Nome Formação profissional Contribuição Ane Gleisi Vivan Fonoaudióloga Capítulo XII PCA Alexandre Perlatto Advogado Análise técnica/jurídica Audrey Fioravanço Médica do Trabalho Capítulo XII Clóvis Veloso de Queiroz Neto Advogado Divulgação Erick Ubaldo Batista Leão Engenheiro de Segurança Capítulo IX Item Fernando Henrique de Freitas e Silva Fisioterapeuta Ergonomista Capítulos IV e V João Carlos Lanziotti Médico do Trabalho Capítulo XII Item João Luis Rosenbaum Médico do Trabalho Análise técnica/saúde José Augusto Nunes Especialista em Amônia Capítulo IX Item José Carlos Franke Médico do Trabalho Capítulos V, IX e XII Junior Clacindo Defani Ergonomista Capítulos XI e XVI Leila Bumlai Borges Fonoaudióloga Capítulo XII PCA Luiz Gustavo Pires de Camargo Advogado Capítulo IX Item Marcia Ricci O. Jacob Engenheira de Segurança Capítulos I, VI, VII, VIII e XII Mário Fantazzini Mech. Eng., Sefety Eng., Occ Hygienist Capítulo VI Item Maurício Busatto Casagrande Engenheiro de Segurança Capítulo XI Item Newton Medeiros Engenheiro de Segurança Anexo II Paulo Sérgio Candido Advogado Capítulo XIII Ricardo Gouvea Advogado Análise técnica/jurídica Rodrigo Bleyer Bazzo Advogado Capítulo XIII Vilço de Medeiros Advogado Análise técnica/jurídica Agradecimento especial: ü Cesar L. Pasold Júnior, advogado Responsável pela revisão jurídica.

11 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO NOTA DO AUTOR INTRODUÇÃO CAPÍTULO I CAPÍTULO II CAPÍTULO III CAPÍTULO IV CAPÍTULO V CAPÍTULO VI CAPÍTULO VII CAPÍTULO VIII CAPÍTULO IX CAPÍTULO X CAPÍTULO XI CAPÍTULO XII CAPÍTULO XIII CAPÍTULO XIV CAPÍTULO XV CAPÍTULO XVI GLOSSÁRIO LEGENDAS SIGLAS ANEXOS BIBLIOGRAFIA

12

13 Todos os adoecimentos estão relacionados com o trabalho! Seja nas causas. Seja nas consequências. Mendes, R. (2012)

14

15 APRESENTAÇÃO Após muitos anos de debate sobre o adoecimento dos funcionários nos frigoríficos, com um viés especial para o setor avícola, a ação conjunta de trabalhadores, empresários e governo resultou em uma grande vitória, a aprovação da NR-36, que passa a regular as condições de Segurança e Saúde do Trabalho nessas indústrias. A Norma Regulamentadora do setor Frigorífico (NR-36) foi construída em conjunto com todas as partes envolvidas, Governo, Trabalhadores e Empresários do setor, que consensaram ponto a ponto o seu conteúdo. Para tanto, não houve a necessidade de imposição por parte do Governo, o que nos leva a ter certeza dos seus resultados quando efetivamente implementada pelas empresas. Sabe-se da necessidade de entendimento e conhecimento técnico para colocá- -la em funcionamento. Desta forma, é fundamental compreendê-la nos seus diversos âmbitos para que as estratégias e os planos de ação das empresas sejam assertivos. Por essa razão, a Bancada de representantes dos Trabalhadores recomenda o livro NR-36 Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados, estruturado pelo Engenheiro de Segurança do Trabalho e Professor Moacir José Cerigueli, que também participou do processo de elaboração da referida Norma. A presente obra expressa e resume o trabalho de muitos anos de estudos, pesquisa e debates em torno do tema. Boa leitura! Siderlei Oliveira Representante da Bancada dos Trabalhadores na NR. 15

16

17 PREFÁCIO A saúde do trabalhador sempre foi prioridade das agroindústrias brasileiras. Investimentos pesados e estudos detalhados na melhoria do bem-estar no trabalho fizeram parte do desenvolvimento do setor, em especial nos últimos anos. O resultado desses investimentos pode ser constatado pelos indicadores do Fator Acidentário de Prevenção (FAP), feito pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), apresentado pelo próprio autor na Introdução desta obra. São diversos avanços constatados, mas ainda faltava um balizamento governamental, uma Norma Regulamentadora que criasse um ambiente de segurança jurídica na relação entre empresas e colaboradores. Assim nasceu a Norma Regulamentadora n. 36, fruto de longo trabalho e ampla discussão entre representantes patronais, sindicatos dos trabalhadores, Procuradoria e Ministério do Trabalho e Emprego. Altamente complexa, a nova Norma pontua uma série de adequações e investimentos por parte dos frigoríficos. Antes de aplicá-la, é fundamental entendê- -la plenamente nos seus âmbitos técnicos e jurídicos, para que a estratégia de investimento em infraestrutura seja a mais racional possível. Nesse contexto, a busca por orientações e fontes confiáveis é fundamental. Por tal motivo, a União Brasileira de Avicultura (Ubabef) recomenda o livro NR-36 Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados, organizado pelo Engenheiro de Segurança do Trabalho e Professor Moacir José Cerigueli um dos maiores especialistas em Segurança e Saúde no Trabalho em frigoríficos do Brasil, que participou ativamente do processo de elaboração da Norma e com a colaboração de diversos líderes e profissionais do setor. Extremamente detalhada e com a didática do experiente Professor Moacir, a obra traz uma profunda reflexão sobre os pontos da Norma, suas aplicações e fundamentações. É um marco proativo e balizador sobre essa nova normativa, um verdadeiro porto seguro neste momento de grandes mudanças. É uma nova referência para o setor, e segue em pleno alinhamento com os trabalhos e workshops promovidos pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo Serviço Social da Indústria (SESI), em parceria com a União Brasileira de Avicultura (Ubabef), a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), a Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs) e a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo). 17

18 De fato, esta obra é importante fonte de consulta para qualquer membro da cadeia produtora de cárneos, seja ele dirigente sindical, líder setorial, presidente ou diretor de agroindústria, técnico ou gestor das áreas de recursos humanos, engenharia de segurança, medicina do trabalho e de abate e processamento. Aproveite bem o conteúdo desta obra! São muitos anos de trabalho, pesquisa e debates em torno do tema, distribuídos nas páginas a seguir. Boa leitura! Francisco Turra Presidente Executivo União Brasileira de Avicultura Ubabef 18

19 NOTA DO AUTOR Homenagem às vítimas de Santa Maria/RS Durante a construção desta obra, deparamos com um dos maiores eventos trágicos do País, o incêndio da Boate Kiss em Santa Maria/RS, que vitimou mais de duas centenas de pessoas. Não se pretende aqui estabelecer qualquer relação desse triste e lamentável fato com a construção e vigência desta NR, bem como não existe por parte do autor a pretensão de explorar ou julgar de quem quer que sejam as responsabilidades sobre o ocorrido. Sabe-se que há diversas situações que contribuíram para a grandiosidade do evento, e condições semelhantes se repetem em diversos outros locais deste País afora. Neste momento, gostaríamos de: 1) solidarizar-nos com as vítimas e seus familiares; 2) propor que as entidades civis jurídicas constituídas, imbuídas de seu objetivo principal, não ignorem os meios de garantir segurança e saúde de seus colaboradores; 3) acreditar que as autoridades legalmente constituídas com o fim de zelar pela segurança e saúde da população brasileira jamais se omitam de suas competências técnicas e éticas; 4) conclamar as pessoas deste País, a começar pelos que têm formação na área de SST, para a construção de uma sociedade com valores em SST. Deseja-se que daqui a alguns meses tudo isto não seja meramente uma lembrança triste do passado. Oxalá que, do triste resultado e (por que não dizer?) da vergonhosa falta de respeito às regras de segurança, aprendamos doravante a cultivar perenemente os mais simples e elementares conceitos de Segurança. 19

20

21 INTRODUÇÃO Como toda atividade industrial, os frigoríficos também apresentam riscos ambientais específicos. Dessa forma, a Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados (NR-36) foi criada com o objetivo de controlar tais fatores, provenientes da operação de abate e processamento de carne. O foco da NR está nos abatedouros de carne suína, bovina e aves, não excluindo outros tipos de abate de animais. Não há como negar que a abertura da economia brasileira, promovida na década de 1990, também obrigou as empresas do segmento a se tornarem mais competitivas, sob o risco de sucumbirem, fato que não poupou muitas delas. Algumas optaram pela profissionalização de sua gestão; outras, não tão atentas a esse fator, simplesmente mudaram de controle ou deixaram de existir. Muitos especialistas atribuem a este aspecto econômico o início do surgimento do que muitos consideram uma epidemia das doenças ocupacionais do segmento agroindustrial do País. O surgimento do Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário (NTEP) (Lei n /2006 e Decreto n /2007), sem querer entrar no mérito da sua validação técnica, acabou por revelar uma condição extremamente preocupante para o segmento. Após a eclosão das doenças ocupacionais no início dos anos 1990, houve diversas tentativas a fim de se criar um marco regulatório para o segmento, esforços estes que tiveram início no Sul do Brasil, mais precisamente no estado de Santa Catarina por parte do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), especificamente por intermédio da Delegacia Regional do Trabalho (DRT) (atualmente, Superintendência Regional do Trabalho e Emprego SRTE). De modo simples, podemos elencar os seguintes acontecimentos: ü 1999 DRT/SC (atual SRTE/SC) desencadeia o projeto Frigo, com fiscalizações focadas junto às empresas frigoríficas; ü 2001 Contando com o apoio do Ministério Público do Trabalho (MPT), diversas empresas do segmento daquele estado assinam um TAC coletivo, comprometendo-se a trabalhar um conjunto de melhorias em SST; ü 2003 Surge a Proposta de Nota Técnica para o segmento por parte do MTE, (não foi publicada); 21

22 ü 2007 Estruturação e implementação do Protocolo de Segurança & Saúde do Trabalho (PSST) por parte das principais empresas vinculadas ao Sindicarne/SC; ü 2008 Surgem as primeiras Ações Civis Públicas (ACPs) contra as empresas do segmento, tendo como foco aspectos exclusivos de SST, promovidas pelo MPT com apoio da SRTE, ainda no estado de Santa Catarina; ü 2008 Carta de Florianópolis sobre saúde e segurança no trabalho em frigoríficos; ü 2010 Iniciam as tratativas para a criação da NR do setor Frigorífico; ü 2013 Publicação da Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados. A força motivadora para a criação deste manual de aplicação da NR-36 consiste na controvérsia de o Brasil ser referência global na produção de carne, mas não conseguir garantir com a mesma supremacia as necessárias condições de segurança, saúde e qualidade de vida a quem torna isso possível, ou seja, a grande massa de trabalhadores. Prevenir acidentes e doenças é, legalmente, uma obrigação das empresas e de inestimável benefício para os empregados e a sociedade onde a empresa está inserida, uma vez que, na grande maioria, é a maior força econômica e empregatícia de inúmeros municípios brasileiros. Dessa forma, sabe-se que, quando acidentes e doenças são prevenidos, além de melhorar a produtividade, a qualidade, os prazos e custos da linha de produção das empresas, zela-se pelo bem-estar de inúmeros cidadãos brasileiros. O setor Frigorífico Brasileiro, cujo processo produtivo profissionalizou-se nos últimos anos, estabelecendo agressivas escalas de produção nunca vistas antes, também se deparou com enormes desafios no campo de seus recursos humanos, quer sejam eles decorrentes da falta ou precariedade destes, quer seja pela necessidade imperiosa da organização do trabalho perante os avanços e benefícios dos trabalhadores, e, ainda pela inexperiência em lidar com os novos fatores sociais da denominada vida moderna, os quais passaram a ter maior importância na vida do trabalhador. Apesar de um cenário preocupante, tido inclusive como caótico por parte de alguns, há empresas e empresários comprometidos com a melhoria progressiva da qualidade de vida dos trabalhadores, com ou sem uma NR específica. Essa preocupação, associada com as ações dos atores públicos anteriormente mencionados, além do propósito efetivo de construção de uma Norma Regulamentadora, já tem provocado uma melhoria significativa nos indicadores de segurança e saúde do segmento. 22

23 Dados oficiais, antes mesmo da publicação da Norma Regulamentadora, demonstram essa evolução. Índices divulgados via Fator Acidentário de Prevenção (FAP (1) ), pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), apontavam, em 2009, por exemplo, o setor Avícola no 48º lugar no ranking por frequência, em 44º lugar por gravidade e em 105º lugar por custo. O índice divulgado em 2012 aponta o mesmo segmento econômico respectivamente, em 190º, 159º e 232º lugar. Nesse sentido, o estabelecimento de uma Norma Regulamentadora específica contribuirá para melhorar ainda mais esse cenário, gerar maior segurança jurídica às questões do trabalho que envolvem as agroindústrias frigoríficas, além de criar um padrão de qualidade crescente nas atividades de abate e processamento de carnes no Brasil. Apresentação: A nova NR traz no seu bojo o desafio de tornar a atividade dos trabalhadores da indústria do abate e processamento de carne menos árdua, elevando-a num patamar diferenciado de SST entre as empresas do setor Industrial do Brasil, principalmente quando levarmos em consideração tempo de exposição ao trabalho. A nova Norma Regulamentadora também procura estabelecer marcos regulatório em diversos pontos peculiares da sua atividade. Regulamentar os termos específicos de SST de uma atividade econômica tão importante para o País, como é atualmente o setor Frigorífico, significa estabelecer uma nova relação capital-trabalho em que os objetivos são os mais básicos possíveis, porém não menos importantes no atual cenário. Almeja-se com a NR-36, embora não limitados a estes objetivos: a) reduzir a incidência de doenças ocupacionais do segmento; b) diminuir a ocorrência de acidentes do trabalho; c) melhorar as condições gerais de trabalho da indústria frigorífica, em especial no tocante ao ritmo de trabalho, à carga de trabalho (tempo de exposição), à minimização da exposição aos riscos ocupacionais e à melhoria das condições gerais de trabalho dos frigoríficos. Em cada item da Norma, ou em um pequeno conjunto destes, encontraremos explicações que norteiam o entendimento da demanda legal estabelecida em consonância ao propósito da presente obra anteriormente expresso. (1) O índice do FAP é um dado apresentado no Anuário Estatístico da Previdência Social. É apurado de acordo com a gravidade, a frequência e o custo dos benefícios previdenciários decorrentes de afastamentos por doença e/ou acidentes de trabalho. Quanto mais alta a colocação no ranking, pior a situação do setor. Em 2012, o índice foi publicado pela Portaria Interministerial MPS/MF n. 424, de

24 Objetivos: Objetivo geral: O objetivo da presente obra é dar apoio aos profissionais de segurança e saúde no trabalho, instituições, empresas e auditores fiscais do trabalho, para gerenciar a aplicação da Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados, que tem como premissa básica dar garantia de segurança, saúde e qualidade de vida no trabalho a todos os trabalhadores do segmento. Objetivos específicos: Os objetivos específicos desta obra são os seguintes: a) ser o guia norteador para os profissionais de SST, CIPA, recursos humanos, jurídico e gestores das empresas na implementação da presente NR; b) ser o referencial balizador para Auditores Fiscais dos órgãos governamentais e dos representantes dos trabalhadores (entidades sindicais); c) esclarecer os itens que possam não estar totalmente elucidados aos diversos profissionais que forem aplicar a presente NR; d) registrar parte dos principais embates na construção da NR-36, que, se oportuno, poderá elucidar no futuro quais eram as intenções dos normatizadores à época, visando a uma melhor interpretação da Norma. A Norma e sua interpretação: A trigésima sexta Norma Regulamentadora, editada pelo Ministério do Trabalho, foi publicada pela Portaria n. 555 de 18 de abril de 2013 e possui respaldo jurídico na legislação ordinária deste País por meio do artigo 200 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), mas o art. 253 foi seu grande fator motivador, em especial para se determinar o conjunto das pausas. A NR-36 foi fruto de uma discussão tripartite, com a participação ativa do Ministério Público do Trabalho em todas as reuniões. Iniciou-se a discussão por intermédio de um Grupo de Estudos Tripartite (GET), com representantes das Centrais Sindicais de Trabalhadores, das Confederações Patronais e membros do Ministério do Trabalho e Emprego. Após a consulta pública à qual a proposta de NR foi submetida, prosseguiram-se os trabalhos de discussão com o Grupo de Trabalho Tripartite (GTT) até atingir sua redação final, encaminhada à Comissão Tripartite Paritária Permanente (CTPP) e aprovada. Após a revisão final do texto pelo MTE, a NR-36 foi publicada. Passaremos, então, a conhecê-la de forma mais detalhada. 24

25 A nova Norma Regulamentadora tem como essência aspectos de ergonomia. Nesse tipo de atividade, eles têm contribuição direta sobre a saúde, a segurança e a qualidade de vida dos trabalhadores. Ambientes climatizados, fechados, imposições de regras rígidas de sanidade e a própria característica de negócio abate são alguns desses principais elementos. Todavia, é na necessidade da constituição de um modelo de gestão que a nova NR está pautada. Gestão integrada de seu sistema de produção à gestão de Segurança e Saúde, dos seus recursos humanos, e, em especial, dos riscos ocupacionais presentes no processo. 25

26

27 CAPÍTULO I Objetivos O objetivo desta Norma é estabelecer os requisitos mínimos para a avaliação, controle e monitoramento dos riscos existentes nas atividades desenvolvidas na indústria de abate e processamento de carnes e derivados destinados ao consumo humano, de forma a garantir permanentemente a segurança, a saúde e a qualidade de vida no trabalho, sem prejuízo da observância do disposto nas demais Normas Regulamentadoras NR do Ministério do Trabalho e Emprego. Nas negociações do Grupo de Trabalho Tripartite, para a construção da Norma, a grande discussão ficou relacionada à sua abrangência. Não faltaram sugestões e oportunidades para ir além do objetivo central do que se propunha inicialmente. Do texto atual, fica claro que todas as indústrias (frigoríficas) que realizam abates e processamento de carnes estão sujeitas à aplicação do seu conteúdo. A palavra-chave aqui é indústria, o que exclui diversas atividades correlatas tais como açougues, mercearias, fábricas de subprodutos, rações, granjas e diversas áreas de apoio da própria indústria frigorífica, bem como do processamento de derivados (couro, por exemplo) ; porém, contempla todo processo fim do abate de animais, quer sejam eles de pequeno porte (aves, peixes, coelhos), de médio porte (suínos e javalis) ou de grande porte (bovinos, equinos, bufalinos, entre outros). A princípio, como regra, a NR-36 aplica-se às empresas (indústrias), cujo CNAE situa-se num dos seguintes grupos da tabela a seguir, o que não exclui a interpretação dada pela auditoria fiscal da Superintendência Regional do Trabalho e Empregado (SRTE) de cada Unidade da Federação (Estados), ligada ao Ministério do Trabalho e Emprego em função das características do processo da empresa. O oposto também pode se tornar verdadeiro, desde que as empresas comprovem que seus processos industriais não são objeto da condição prevista nos objetivos da presente NR. 27

28 C INDÚSTRIAS DE TRANSFORMAÇÃO C 10 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS C Abate e fabricação de produtos da carne C Abate de reses, excetos suínos /01 Frigorífico abate de bovinos /02 Frigorífico abate de equinos /03 Frigorífico abate de ovinos e caprinos /04 Frigorífico abate de bufalinos /05 Matadouro abate de reses sob contrato,exceto abate de suínos C Abate de suínos, aves e outros pequenos animais /01 Abate de aves /02 Abate de pequenos animais /03 Frigorífico abate de suínos /04 Matadouro abate de suínos sob contrato C Preparação de produtos da carne /01 Fabricação de produtos de carne C Preservação do pescado e fabricação de produtos do pescado C Preservação do pescado e fabricação de produtos do pescado /01 Preservação de peixes, crustáceos e moluscos /02 Fabricação de conservas de peixes, crustáceos e moluscos 28

Moacir José Cerigueli. 17 de outubro de 2014

Moacir José Cerigueli. 17 de outubro de 2014 Moacir José Cerigueli 17 de outubro de 2014 2º PROTEGE NORMA REGULAMENTADORA Nº 36 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM EMPRESAS DE ABATE E PROCESSAMENTO DE CARNES E DERIVADOS 17 de Outubro de 2014 Cuiabá/MT

Leia mais

Norma Regulamentadora - NR 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos. Histórico e Momento Atual

Norma Regulamentadora - NR 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos. Histórico e Momento Atual Norma Regulamentadora - NR 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos Histórico e Momento Atual A NR 12 teve sua redação substancialmente alterada pela Portaria MTE nº 197/2010 e encontra-se em

Leia mais

Evolução da Legislação em Ergonomia no Brasil: a construção social da Portaria No. 3.751

Evolução da Legislação em Ergonomia no Brasil: a construção social da Portaria No. 3.751 Seminário sobre a Norma Regulamentadora 17- Fundacentro- 23/11/2010 Evolução da Legislação em Ergonomia no Brasil: a construção social da Portaria No. 3.751 Autoria: Lys Esther Rocha As relações de trabalho

Leia mais

Experiência: NEGOCIAÇÃO TRIPARTITE: UMA NOVA METODOLOGIA PARA NORMALIZAÇÃO

Experiência: NEGOCIAÇÃO TRIPARTITE: UMA NOVA METODOLOGIA PARA NORMALIZAÇÃO Experiência: NEGOCIAÇÃO TRIPARTITE: UMA NOVA METODOLOGIA PARA NORMALIZAÇÃO Instituição: Ministério do Trabalho e Emprego Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Segurança E Saúde No Trabalho

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP LEGISLAÇÃO A Portaria n 3214, de 08/06/1978, aprovou as normas regulamentadoras NR do capítulo V, Título II, da CLT, relativas a segurança e medicina do trabalho. Atualmente

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite ENGº MECÂNICO E DE SEGURANÇA DO TRABALHO

Leia mais

Propostas de Adeqüação das Leis Trabalhistas e de Segurança do Trabalho Rural

Propostas de Adeqüação das Leis Trabalhistas e de Segurança do Trabalho Rural Propostas de Adeqüação das Leis Trabalhistas e de Segurança do Trabalho Rural Área dos estabelecimentos agropecuários O Brasil possui 851 milhões de hectares 27% = Área ocupada com a produção agropecuária

Leia mais

DAS NORMAS REGULAMENTADORAS PARA AS EMPRESAS

DAS NORMAS REGULAMENTADORAS PARA AS EMPRESAS PRINCIPAIS IMPACTOS DAS REVISÕES DAS NORMAS REGULAMENTADORAS PARA AS EMPRESAS Engº Luiz Antonio Chiummo Agosto/2014 NORMAS REGULAMENTADORAS PUBLICAÇÕES EM 2013/2014 NR 04 SESMT Ajustes com novas definições

Leia mais

O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE)

O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE) Página 1 de 5 O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE) Texto extraído do Jus Navigandi http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=10065 Leonardo Bianchini Morais

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA 1ª edição 2009 2ª edição 2013 3ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico. Engenheiro de Segurança do Trabalho. Advogado. Mestre em meio

Leia mais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais MORAIS, Leonardo Bianchini. O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico

Leia mais

A importância do RH no processo de contestação do FAP. WOLNEI TADEU FERREIRA Outubro 2014 FIESP

A importância do RH no processo de contestação do FAP. WOLNEI TADEU FERREIRA Outubro 2014 FIESP A importância do RH no processo de contestação do FAP WOLNEI TADEU FERREIRA Outubro 2014 FIESP Como é definido o FAP? Como é calculado: o FAP anual reflete a aferição da acidentalidade nas empresas relativa

Leia mais

Parte Geral Doutrina INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO LILIANA COLLINA MAIA

Parte Geral Doutrina INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO LILIANA COLLINA MAIA Parte Geral Doutrina A Responsabilidade das Empresas Frente aos Programas Previdenciários SAT e PPP e as Reais Consequências para a Saúde do Trabalhador Brasileiro LILIANA COLLINA MAIA Advogada em Belo

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial ARTIGOS FAP: AS MUDANÇAS PARA AS EMPRESAS COM A FLEXIBILIZAÇÃO DAS ALÍQUOTAS PARA O CUSTEIO DOS RISCOS AMBIENTAIS DO TRABALHO

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais 1ª edição 2006 2ª edição, autor 2006 3ª edição 2011 4ª edição 2013 5ª edição janeiro, 2014 6ª edição outubro, 2014

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Proposta Inicial Versão Preliminar Junho/2013 MODELO DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE LABORAL

Leia mais

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho);

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho); ASPECTOS LEGAIS SOBRE A SEGURANÇA D O TRABALHO E SUA IMPLICAÇÃO PARA A EMPRESA NA SUA GESTÃO JURÍDICA. SEGURANÇA DO TRABALHO São os conjuntos de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

A CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho no Brasil

A CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho no Brasil A CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho no Brasil Pesquisa revela que a CIPA é uma ferramenta indispensável para a prevenção de acidentes e doenças do trabalho e melhorias nas condições

Leia mais

Gestão da Implementação das Normas Regulamentadoras. Pontuando a Revisão das. NR-1 e NR-15. AFT Luiz Alfredo Scienza Ministério do Trabalho e Emprego

Gestão da Implementação das Normas Regulamentadoras. Pontuando a Revisão das. NR-1 e NR-15. AFT Luiz Alfredo Scienza Ministério do Trabalho e Emprego Gestão da Implementação das Normas Regulamentadoras Pontuando a Revisão das NR-1 e NR-15 AFT Luiz Alfredo Scienza Ministério do Trabalho e Emprego Processo de Regulação Normativa em SST GOVERNO TRABALHADORES

Leia mais

PROPOSTAS DE ENUNCIADOS SOBRE PERÍCIAS JUDICIAIS EM ACIDENTE DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS

PROPOSTAS DE ENUNCIADOS SOBRE PERÍCIAS JUDICIAIS EM ACIDENTE DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS PROPOSTAS DE ENUNCIADOS SOBRE PERÍCIAS JUDICIAIS EM ACIDENTE DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS 1. PRINCÍPIO DA PARTICIPAÇÃO DO MAGISTRADO. ATUAÇÃO COLABORATIVA. Tendo em vista os termos do artigo 225

Leia mais

INPAME. www.inpame.org.br. Instituto Nacional de Prevenção aos. Fones: (11) 3765 2155 / 3719 1059. Filiado à:

INPAME. www.inpame.org.br. Instituto Nacional de Prevenção aos. Fones: (11) 3765 2155 / 3719 1059. Filiado à: INPAME Instituto Nacional de Prevenção aos Acidentes em Máquinas M e Equipamentos www.inpame.org.br Fones: (11) 3765 2155 / 3719 1059 Filiado à: PROTEÇÃO AO TRABALHO EM MÁQUINAS Palestra realizada em Florianópolis

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município: CASA BRANCA Área Profissional: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA

Leia mais

Dr. José Carlos Steola

Dr. José Carlos Steola n t e p f a p r a t (s a t) Dr. José Carlos Steola Médico do Trabalho Coordenador do Depto de Proteção no Trabalho ( UNIMED de Araras) Médico do Trabalho da Usina Sta Lúcia Araras Médico Coordenador de

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) Fonte: elaboração própria abril de 2013 EMENTA: CONTEXTO LEGISLATIVO. OS PRINCIPAIS SETORES. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SUBSTITUÍDAS. CRITÉRIO

Leia mais

PROVA E CONTRAPROVA DO NEXO EPIDEMIOLÓGICO

PROVA E CONTRAPROVA DO NEXO EPIDEMIOLÓGICO PROVA E CONTRAPROVA DO NEXO EPIDEMIOLÓGICO 1ª edição 2008 2ª edição 2009 3ª edição 2015 WLADIMIR NOVAES MARTINEZ Advogado especialista em Direito Previdenciário PROVA E CONTRAPROVA DO NEXO EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

Ética: instrumento base para a gestão de uma EFPC. Carlos Alberto Pereira

Ética: instrumento base para a gestão de uma EFPC. Carlos Alberto Pereira Ética: instrumento base para a gestão de uma EFPC Carlos Alberto Pereira Estrutura de Gestão do Sindapp GESTÃO: 3 ANOS Assembleia Geral Diretoria Conselho Fiscal Diretor(a)-Presidente Diretor(a) Vice-Presidente

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO José Maximiano Candido Neto 1, Rafael

Leia mais

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO E O PERFIL PROFISSIOGRÁFIO PREVIDENCIÁRIO - PPP

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO E O PERFIL PROFISSIOGRÁFIO PREVIDENCIÁRIO - PPP MPAS - Ministério da Previdência e Assistência Social SPS - Secretaria de Previdência Social SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO E O PERFIL PROFISSIOGRÁFIO PREVIDENCIÁRIO - PPP O CUSTO DA AUSÊNCIA DE SEGURANÇA

Leia mais

A NOVA NR 01 - Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho Posicionamento ANAMT

A NOVA NR 01 - Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho Posicionamento ANAMT A NOVA NR 01 - Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho Posicionamento ANAMT VERSÃO PARA CONSULTA I Importância da NR 01 Para iniciar nossa avaliação da Norma Regulamentadora (NR), cumpre-nos destacar

Leia mais

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Cristiane Kelly F. da Silva(UFPB) criskfsilva@yahoo.com.br Derylene da Fonseca Ferreira (UFPB)

Leia mais

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012 Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos Atualizado até a EC n. 70/2012 Dânae Dal Bianco Procuradora do Estado de São Paulo, mestre em Direito da Seguridade Social pela Universidade de

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE ASSUNTOS GERAIS

ACOMPANHAMENTO DE ASSUNTOS GERAIS ACOMPANHAMENTO DE ASSUNTOS GERAIS Cassius Marcellus Zomignani Reunião GRTS dia 28.04.2011 PORTARIA MTE nº 1.510/2009 - Instrução Normativa MTE nº 85/2010 (DOU de 27.07.2010) - disciplina a fiscalização

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - MPS. Novo FAP Setor Financeiro

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - MPS. Novo FAP Setor Financeiro Novo FAP Setor Financeiro 1. Fortalecimento da Cultura de Prevenção na Seguridade Social: Proteção constit. e legal: Valor social do Trabalho. Fortalecer a ação da melhoria ambiental no trabalho: maior

Leia mais

Descomplicando a Segurança do Trabalho. Ferramentas para o Dia a Dia

Descomplicando a Segurança do Trabalho. Ferramentas para o Dia a Dia Descomplicando a Segurança do Trabalho Ferramentas para o Dia a Dia 1ª edição 2012 2ª edição 2014 PAULO LEAL Arquiteto. Engenheiro de Segurança do Trabalho. Gestor em Meio Ambiente em Problemas Urbanos.

Leia mais

PANORAMA DOS RECURSOS JUNTO À PREVIDÊNCIA SOCIAL. Salvador Marciano Pinto Presidente do CRPS

PANORAMA DOS RECURSOS JUNTO À PREVIDÊNCIA SOCIAL. Salvador Marciano Pinto Presidente do CRPS PANORAMA DOS RECURSOS JUNTO À PREVIDÊNCIA SOCIAL Salvador Marciano Pinto Presidente do CRPS O CRPS é um órgão integrante da estrutura do MPS, subordinado diretamente ao Ministro de Estado da Previdência

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

O IMPACTO DO SAT E FAP NAS EMPRESAS

O IMPACTO DO SAT E FAP NAS EMPRESAS O IMPACTO DO SAT E FAP NAS EMPRESAS DEZEMBRO 2009 O IMPACTO DO SAT E FAP NAS EMPRESAS O CHAMADO SAT SEGURO ACIDENTE DE TRABALHO O CHAMADO SAT Aspectos gerais Previsão legal: art. 195, I, a da Constituição

Leia mais

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR Histórico das alterações: Nº Revisão Data de alteração 00 20.01.204 Emissão inicial do documento. Sumário das Alterações Pág. 1 1. Resumo Esta norma estabelece requisitos técnicos para a concessão do Selo

Leia mais

LOCAL: FUNDACENTRO SÃO PAULO/SP DATA: 12 de junho de 2003

LOCAL: FUNDACENTRO SÃO PAULO/SP DATA: 12 de junho de 2003 XXVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO COMITÊ PERMANENTE NACIONAL SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO LOCAL: FUNDACENTRO SÃO PAULO/SP DATA: 12 de junho de 2003 1) Abertura, considerações

Leia mais

Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde

Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde Profª Dolores Sanches Wünsch NEST/UFRGS 1 Questões Iniciais Papel das

Leia mais

Fator Acidentário de Prevenção - FAP

Fator Acidentário de Prevenção - FAP Fator Acidentário de Prevenção - FAP Lei nº 10.666 De 8 de maio de 2003. quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010 Constituição Federal Direitos e Garantias Fundamentais (Título II) Direitos Sociais (Capítulo

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 Acordo Coletivo de Trabalho que entre si fazem, de um lado, a Federação Única dos Petroleiros e os seguintes sindicatos: Sindicato do Ramo Químico/Petroleiro do Estado

Leia mais

Autarquia dos Servidores Públicos do Município Regime Próprio de Previdência

Autarquia dos Servidores Públicos do Município Regime Próprio de Previdência Autarquia dos Servidores Públicos do Município Regime Próprio de Previdência Página 01 Paranaguá Previdência Lei Complementar do Município Nº 53/2006 Página 02 PREZADO SEGURADO Com início das atividades

Leia mais

Comentários ao Estatuto do Idoso

Comentários ao Estatuto do Idoso STJ00096116 Wladimir Novaes Martinez Advogado especialista em Dil'8ito Pl'evidenciál'io Comentários ao Estatuto do Idoso 3ª edição I1lli EDITORA LTDA. Todos os direitos reservados Rua Jaguaribe, 571 CEP

Leia mais

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Gustavo Nicolai Gerente de Saúde e Medicina Ocupacional 1. Sistema de Gestão Integrada de QMSR Ciência 2. Política de QMSR 3. Estrutura

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 (quinta-feira) 15 Obrigação Salário- Maternidade Salário-Família Folha de Pagamento Código Receita 1007 1163 Fato Gerador e Fundamento Legal Parto e aborto espontâneo, conforme certidão

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO. Repercussão Trabalhista, Previdenciária, Cível e Penal

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO. Repercussão Trabalhista, Previdenciária, Cível e Penal SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Repercussão Trabalhista, Previdenciária, Cível e Penal ÓBITOS NO MUNDO METODOLOGIA OIT BRASIL - 2009 92,7 milhões 2.496 ÓBITOS 2,693 BRASIL - 2008 92,4 milhões 2.817 ÓBITOS

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO ENGENHARIA QUÍMICA E ALIMENTOS EQA5510: ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO FLORIANÓPOLIS, JULHO DE 2013. PROFESSOR ORIENTADOR: HAIKO

Leia mais

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos:

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos: NR4- SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho UFMS Faculdade de Engenharia Civil Prof. MSc. Elizabeth Spengler Cox e M. Leite Alunos: Jeverson Vasconcelos de Souza

Leia mais

PROPOSTA DE POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS I. APRESENTAÇÃO II. INTRODUÇÃO.

PROPOSTA DE POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS I. APRESENTAÇÃO II. INTRODUÇÃO. PROPOSTA DE POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS I. APRESENTAÇÃO A presente proposta apresenta os fundamentos para a criação de uma política de segurança e saúde

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA E O e-social UMA VISÃO GERAL

SAÚDE E SEGURANÇA E O e-social UMA VISÃO GERAL SAÚDE E SEGURANÇA E O e-social UMA VISÃO GERAL Jose Luiz P. de Barros Gerente de Segurança do Trabalho GST Diretoria de Qualidade de Vida DQV Membro Titula da CTPP Membro Titula da CT-SST Membro Titula

Leia mais

Contribuição da Fundacentro em SST Portuário e Aquaviário. Prof. Maria Amélia

Contribuição da Fundacentro em SST Portuário e Aquaviário. Prof. Maria Amélia Contribuição da Fundacentro em SST Portuário e Aquaviário Prof. Maria Amélia Convenção 152 No final da década de 90 o governo brasileiro ratificou a convenção 152 que trata da Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO. Antonio Carlos Castellar de Castro. Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF

PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO. Antonio Carlos Castellar de Castro. Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO Antonio Carlos Castellar de Castro Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF RESUMO O advento do Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP em 01/01/2004 no nosso

Leia mais

Prefeitura do Município de Rondonópolis Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis Av. Dr. Paulino de Oliveira, 1411 Jardim Marialva CEP 78720-

Prefeitura do Município de Rondonópolis Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis Av. Dr. Paulino de Oliveira, 1411 Jardim Marialva CEP 78720- CONTRATO Nº 002/2015 CONTRATO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CODER COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE RONDONÓPOLIS,, E (O)A EMPRESA: SESI SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA ABAIXO QUALIFICADOS, PARA O FIM QUE NELE SE DECLARA.

Leia mais

Caderno sobre Saúde, Meio Ambiente e Segurança do Trabalho

Caderno sobre Saúde, Meio Ambiente e Segurança do Trabalho Caderno sobre Saúde, Meio Ambiente e Segurança do Trabalho Apresentação Houve um tempo em que o dinheiro e o trabalho humano viviam em luta. Sem acordo, esses importantes polos do desenvolvimento não negociavam

Leia mais

Resultados do Planejamento Estratégico CTPN NR 32

Resultados do Planejamento Estratégico CTPN NR 32 Comissão Tripartite Permanente Nacional da Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Assistência à Saúde Resultados do Planejamento Estratégico CTPN NR 32 CNC - RJ 26,

Leia mais

Saúde do Trabalhador. 15ª Conferência Interestadual dos Bancários da Bahia e Sergipe

Saúde do Trabalhador. 15ª Conferência Interestadual dos Bancários da Bahia e Sergipe 15ª Conferência Interestadual dos Bancários da Bahia e Sergipe Saúde: Ausência de Sintomas. Saúde (X ou =) Doenças. Saúde: Bem-estar Bio-psico-social. Causas mais frequentes do adoecimento: Estruturação

Leia mais

E o pior temos ciência de empresas de consultoria que conseguiram este acesso junto a Previdência e estão "vendendo o serviço".

E o pior temos ciência de empresas de consultoria que conseguiram este acesso junto a Previdência e estão vendendo o serviço. Consultoria Virtual Pergunta Bom Dia! Sou representante da Empresa junto ao INSS - sistema de convenio. Entendendo que é um direito da empresa obter todo conhecimento necessário referente aos eventos previdenciários

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II

DIREITO DO TRABALHO II DIREITO DO II Me. Ariel Silva. l Órgãos de segurança SESMT: O Serviço Especializado em engenharia de segurança e em Medicina do Trabalho, SESMT, constitui-se no órgão técnico da empresa composto exclusivamente

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz - Jornalista, analista político e diretor de Documentação do Diap Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas

Leia mais

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho,

Leia mais

DATA: 02 e 03/Dezembro/2014 Reunião do CPN; P A U T A

DATA: 02 e 03/Dezembro/2014 Reunião do CPN; P A U T A Página: 1 de 6 Presentes: Bancada dos trabalhadores: Marcos Antônio (FORÇA SINDICAL)-Iranildo Domingos (FORÇA SINDICAL); Jairo José (NCST); Arilson Ferreira (SINTRACO-BA/CTB); Valdemir Souza(Fetracom);

Leia mais

Desoneração sobre folha de pagamento

Desoneração sobre folha de pagamento Desoneração sobre folha de pagamento Luciana Lupinucci Agosto/2015 Qual o conceito de contribuição patronal? Em regra, as empresas possuem os seguintes encargos previdenciários (INSS patronal), incidentes

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA NA ROTINA FISCAL DAS EMPRESAS

IMPACTOS DAS MUDANÇAS NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA NA ROTINA FISCAL DAS EMPRESAS IMPACTOS DAS MUDANÇAS NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA NA ROTINA FISCAL DAS EMPRESAS A pesquisa Muito se fala sobre as mudanças na legislação tributária e é certo de que estas sempre impactam na rotina fiscal

Leia mais

3.1 - SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

3.1 - SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO MAPA DE AVALIAÇÃO ANUAL DE ACIDENTES DE TRABALHO - 2013 Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 07/01/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Obrigação 3 - Conceitos 3.1 - Serviço Especializado

Leia mais

Regulamento de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco do Estado de São Paulo

Regulamento de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco do Estado de São Paulo Decreto Estadual nº 56.819, de 10 de março de 2011 I GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Regulamento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. MSD PREV Sociedade de Previdência Privada

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. MSD PREV Sociedade de Previdência Privada CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA MSD PREV Sociedade de Previdência Privada CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. PRINCÍPIOS ÉTICOS DO SISTEMA FECHADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR... 3 3. CONDUTAS...

Leia mais

As bandeiras de luta do movimento sindical atual, o seu significado e importância para os trabalhadores

As bandeiras de luta do movimento sindical atual, o seu significado e importância para os trabalhadores As bandeiras de luta do movimento sindical atual, o seu significado e importância para os trabalhadores 40 HORAS SEMANAIS SEM REDUÇÃO SALARIAL A luta pela redução da jornada acontece desde os primórdios

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 13/2012 DATA DA ENTRADA: 12 de junho de 2012 INTERESSADO: Dr. MHM CRM-MT XXXX CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra. Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO:

Leia mais

GESTÃO DA SAÚDE MENTAL. Rogério Caldeira

GESTÃO DA SAÚDE MENTAL. Rogério Caldeira GESTÃO DA SAÚDE MENTAL Rogério Caldeira GESTÃO DA SAÚDE MENTAL Por que fazer? TRANSTORNOS MENTAIS 2012 Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as doenças mentais e neurológicas atingem aproximadamente

Leia mais

INFORMATIVO JS Segurança e Saúde no Trabalho www.js.srv.br 2015 1.224 denúncias

INFORMATIVO JS Segurança e Saúde no Trabalho www.js.srv.br 2015 1.224 denúncias INFORMATIVO JS Segurança e Saúde no Trabalho www.js.srv.br SEMINÁRIO: UM ALERTA À CONSTRUÇÃO CIVIL: MAIS PREVENÇÃO, MAIS VIDA! NA CONSTRUÇÃO DE UMA NAÇÃO MAIS SEGURA Somente no primeiro semestre de 2015,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000643/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/02/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001147/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000547/2013-53 DATA DO

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

III SEMINÁRIO DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO EM EMPRESAS MÉDICAS MUDANÇAS PARA EMPRESAS MÉDICAS RECURSO HUMANOS - esocial

III SEMINÁRIO DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO EM EMPRESAS MÉDICAS MUDANÇAS PARA EMPRESAS MÉDICAS RECURSO HUMANOS - esocial RAIMUNDO PINHEIRO Médico / Bacharel em Direito / Conselheiro do Cremeb Diretor Médico Empresa de saúde Privada III SEMINÁRIO DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO EM EMPRESAS MÉDICAS MUDANÇAS PARA EMPRESAS MÉDICAS RECURSO

Leia mais

LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011.

LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. Pág. 1 de 6 LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. ALTERA A LEI N 302, DE 28/12/2001, QUE DISCIPLINA SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL/AC E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS.

Leia mais

ACORDO TRIPARTITE SAÚDE DOS TRABALHADORES DA SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE DE ENDEMIAS - SUCEN/SP CONSIDERANDO:

ACORDO TRIPARTITE SAÚDE DOS TRABALHADORES DA SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE DE ENDEMIAS - SUCEN/SP CONSIDERANDO: ACORDO TRIPARTITE SAÚDE DOS TRABALHADORES DA SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE DE ENDEMIAS - SUCEN/SP CONSIDERANDO: Que a SUCEN implantou a partir do ano de 1998 uma experiência de atuação da Comissão de Saúde

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

Acidente de Trabalho Realidade, Estatísticas e Proteção

Acidente de Trabalho Realidade, Estatísticas e Proteção 5º ENCONTRO PARA CAPACITAÇÃO DO PROGRAMA TRABALHO, JUSTIÇA E CIDADANIA Acidente de Trabalho Realidade, Estatísticas e Proteção João Batista Amancio AFT - Auditor Fiscal - Médico do Trabalho GRTE Campinas/

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO CARTA DEL LAVORO (Aprovada no Grande Conselho Fascista, de 21 de abril de 1927) DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO I - A Nação italiana é um organismo com finalidades, vida, meios, de ação superior,

Leia mais

PARECER LTCAT / É ÓBVIO, ELE NÃO MORREU! CANAL 3R / COTESIA ISEGNET

PARECER LTCAT / É ÓBVIO, ELE NÃO MORREU! CANAL 3R / COTESIA ISEGNET "ESTAMOS DISPONIBIZANDO ESTE MATERIAL APÓS UM SÉRIE DE PERGUNTAS DE USUÁRIOS SOBRE O TEMA: LAUDO TÉCNICO E LTCAT. PERCEBEMOS EQUIVOCOS PERPETUADOS SEM FUNDAMENTOS OU NEXO COM A REALIDADE. UMA TENTATIVA

Leia mais

Atuais regras do FAP valem por mais um ano

Atuais regras do FAP valem por mais um ano Page 1 of 5 Texto publicado segunda, dia 26 de setembro de 2011 NOTÍCIAS Atuais regras do FAP valem por mais um ano POR MARÍLIA SCRIBONI As atuais regras do Fator Previdenciário de Proteção vão valer por

Leia mais

RELATÓRIO DA REUNIÃO DA COMISSÃO DE POLÍTICA E RELAÇÕES TRABALHISTAS CPRT/CBIC

RELATÓRIO DA REUNIÃO DA COMISSÃO DE POLÍTICA E RELAÇÕES TRABALHISTAS CPRT/CBIC 1 RELATÓRIO DA REUNIÃO DA COMISSÃO DE POLÍTICA E RELAÇÕES TRABALHISTAS CPRT/CBIC DIA: 08-03-2012 LOCAL: Sede da CBIC, Brasília-DF HORÁRIO: Das 11h às 16h Presenças: Antonio Carlos Mendes Gomes (Presidente

Leia mais