Relatório de Sustentabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Sustentabilidade"

Transcrição

1 Relatório de Sustentabilidade Intercalar 09 Português

2 FOXY_A/FOTOLIA Sobre este Relatório

3 Sobre este Relatório O presente relatório reporta-se à actividade desenvolvida pela Luís Simões (LS), no ano civil de 2009, nas seguintes áreas de negócio: transporte, logística e manutenção e comercialização de semi-reboques. Este relatório intercalar actualiza os indicadores de desempenho da LS publicados no 1º Relatório de Sustentabilidade e inclui o conteúdo correspondente ao Relatório & Contas (nos capítulos Garantir a robustez financeira e Contas ). O relatório de Sustentabilidade será publicado com uma periodicidade Bianual, em que os dados e objectivos económicos (Relatório & Contas) sejam actualizados anualmente, assim como os indicadores de desempenho da LS. O relatório regeu-se pelo protocolo Global Reporting Initiative (GRI) G3 e o seu conteúdo baseia-se na estratégia de sustentabilidade da LS, cuja elaboração teve em conta os princípios GRI, principalmente o da materialidade e o do envolvimento de stakeholders. Para mais detalhes sobre a forma de aplicação destes princípios, consultar o capítulo LS na rota da Sustentabilidade. Os indicadores reportados, que reflectem a realidade de todas as áreas de negócio, foram compilados para o Grupo. Foram também tidos em conta os documentos referidos pelo GRI, nomeadamente o GHG Protocol, e os dados publicados na legislação. O ponto de contacto para esclarecimento de dúvidas é: Cláudia Simões FOXY_A/FOTOLIA 3

4 Universo LS

5 Universo LS PRESENÇA A actividade da Luís Simões desenvolve-se maioritariamente na Península Ibérica, como apresentado abaixo: Sede Seguros Plataformas Cross-Docking Centros de Operações Logísticas (COL s) Centros de Operações de Transporte (COT s) Centros de Assistência Técnica (CAT s) SECTORES DE ACTIVIDADE Os principais sectores de actividade da LS são: transporte de mercadorias, logística, manutenção e comercialização de viaturas, e ainda as áreas de rent-acargo e seguros, mas que por terem menor expressão não se encontram relatadas neste documento. 5

6 INDICADORES CHAVE DO GRUPO Logística e Transportes Ano 2008 Ano 2009 Área de armazéns (m 2 ) Lugares de Europaletes Unidades de picking/mês Unidades de co-packing/mês Idade média da frota própria (anos) 2,5 3,5 Número de rotas diárias Toneladas transportadas por ano Quilómetros percorridos por ano Manutenção Área total dos 3 centros de assistência (m 2 ) Estações lavadoras de viaturas pesadas 2 2 Capacidade instalada de manutenção (horas) FORMAÇÃO A COLABORADORES No que diz respeito à formação dos colaboradores, a LS conta com: Duas décadas de formação estruturada; Cerca de 31 mil horas no ano de 2009 a 1753 colaboradores. 60 Anos de empreendedorismo, valores éticos, visão estratégica, tecnologia e inovação... para ir mais longe... até onde for o futuro. INOVAÇÃO E TECNOLOGIA A nível da Inovação e Tecnologia, a LS tem: Sistemas de informação integrados com os clientes e com as aplicações de negócio, permitindo a rastreabilidade da mercadoria, da origem ao destino (dentro e fora dos armazéns); Separação de rotas automatizada para túneis de expedição; Automatização de movimento de paletes; Traçabilidade de lotes na cadeia de abastecimento; Seguimento de operações com padrões de aceitabilidade, permitindo que o controlo se focalize nas excepções; Domínio de aplicações de BI ( Business Inteligence) que suportam os diferentes Balanced Score Card. 6

7 MACEO/FOTOLIA Relatório de Sustentabilidade 2009 Índice Mensagem do Presidente 01 Perfil LS Visão Missão Valores Políticas 01.1 Organigrama 01.2 Governação 01.3 Negócios História LS 02 LS na Rota da Sustentabilidade 02.1 Desenvolvimento da Estratégia 02.2 Enquadramento Sectorial e Orientações da Gestão 02.3 Envolvimento dos Stakeholders 02.4 Matriz de Materialidade 02.5 Estratégia de Sustentabilidade 03 Serviço de Qualidade e Responsabilidade Elevadas 03.1 Enquadramento 03.2 Segurança Alimentar 03.3 Qualidade da Frota Subcontratada 03.4 Auditorias Externas 03.5 Comunicação com os Clientes 04 Garantir a Robustez Financeira 04.1 Enquadramento 04.2 Principais Indicadores Consolidados 04.3 Análise Macroeconómica Análise do Sector do Transporte 04.5 Análise do Sector da Logística 04.6 Desempenho Económico 04.7 Principais Acontecimentos em Prespectivas para o Futuro Inovação e Vanguardismo 05.1 Enquadramento 05.2 Inovação nos Transportes e Logística 06 Captação, Formação e Retenção de Colaboradores 06.1 Enquadramento 06.2 Colaboradores 06.3 Qualificação e Categorias 06.4 Distribuição por Faixa Etária e Género 06.5 Atracção, Retenção e Desenvolvimento Profissional 07 Saúde e Segurança no Trabalho 07.1 Enquadramento 07.2 Monitorizar e Mitigar os Riscos associados à Actividade 07.3 Vigilância da Saúde 08 Promover a Segurança Rodoviária 08.1 Enquadramento 08.2 Formação para a Segurança 08.3 Reconhecimento 09 Eficiência Energética no Transporte de Mercadorias 09.1 Enquadramento 09.2 Investimento na Frota Própria 09.3 Desempenho do Motorista 09.4 Frota Subcontratada LS 10 Desempenho Ambiental das Instalações 10.1 Enquadramento 10.2 Eficiência Energética e Emissões Associadas 10.3 Gestão de Resíduos 10.4 Consumo de Água 11 Promover a Cidadania Interna e Externa 11.1 Enquadramento 11.2 Principais Acções em Público Interno 11.3 Principais Acções Público Externo

8 MACEO/FOTOLIA Relatório de Sustentabilidade Comunicação Interna e Externa 12.1 Enquadramento 12.2 Canais de Comunicação Interna 12.3 Canais de Comunicação Externa 12.4 Formas de Envolvimento com os Stakeholders 13 Contas 13.1 Relatório de Gestão 13.2 Balanço Consolidado 13.3 Demonstração Consolidada por Natureza 13.4 Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Consolidados 13.5 Demonstração Consolidada de Resultados por Funções 13.6 Demonstração Consolidada de Fluxos de Caixa Relatório e Parecer do Fiscal Único Certificação Legal de Contas Transportes Luís Simões, S.A. Relatório de Gestão Demonstrações Financeiras Relatório e Parecer do Fiscal Único e Certificação Legal de Contas Luís Simões Logística Integrada, S.A. (Sociedade Unipessoal) Conta de Perdas e Ganhos Estado das Alterações no Património Líquido Estado dos Fluxos de Caixa Memória Relatório de Gestão Transportes Reunidos, Lda Relatório de Gestão Demonstrações Financeiras Certificação Legal de Contas Distribuição Luís Simões, S.A. Relatório de Gestão Demonstrações Financeiras Relatório e Parecer do Fiscal Único e Certificação Legal de Contas LS - Luís Simões SGPS, S.A. Relatório de Gestão Demonstrações Financeiras Relatório e Parecer do Fiscal Único e Certificação Legal de Contas RETA - Locação e Gestão de Frotas, S.A. Relatório de Gestão Demonstrações Financeiras Relatório e Parecer do Fiscal Único e Certificação Legal de Contas SOCAR - Equipamentos de Transporte e Serviços Técnicos, S.A. Relatório de Gestão Demonstrações Financeiras Relatório e Parecer do Fiscal Único e Certificação Legal de Contas Lusiseg - Mediadores de Seguros, Lda Relatório de Gestão Demonstrações Financeiras LS - Gestão Empresarial e Imobiliária, S.A. Relatório de Gestão Demonstrações Financeiras Relatório e Parecer do Fiscal Único e Certificação Legal de Contas Solmoninhos - Consultoria, Gestão e Execução Imobiliária, Lda Relatório de Gestão Demonstrações Financeiras Patrimundus - Investimentos Imobiliários, S.A. Relatório de Gestão Relatório e Parecer do Fiscal Único e Certificação Legal de Contas Glossário Tabela GRI

9 Administradores LS

10 Mensagem do Presidente Com a preparação e publicação do nosso primeiro relatório de sustentabilidade, referente a 2008, entrámos numa nova era de comunicação. Nesta nova era de comunicação assumimos compromissos para o futuro, e um deles é o de que manteremos o nosso meio envolvente informado acerca da evolução da nossa sustentabilidade. Trata-se de uma evolução na continuidade, já que a preocupação com o desenvolvimento sustentável foi uma constante ao longo das nossas seis décadas de existência, apesar de muitas vezes o termos assegurado de uma forma mais empírica e informal. Os compromissos identificados em 2008 foram seguidos e aqui se publicam os progressos referentes ao ano de Realço que só seremos sustentáveis se criarmos prosperidade. E foi-nos possível, neste ano de todas (e profundas) as crises, melhorar índices relevantes, tais como o número de postos de trabalho, os resultados e as vendas, entre outros, de que destacaria a redução do consumo de combustível pelo seu relevante impacto positivo aos níveis económico e ambiental. Para tal contribuiu o nosso determinado empenho em superar todas as dificuldades e encontrarmos soluções, de modo a estarmos alinhados com os nossos clientes na criação de um futuro sustentável para as pessoas e para os negócios. Estamos conscientes e preparados para gerir a sustentabilidade em período de crise, ainda que esta se preveja longa. Sentimos que é nossa missão criar valor na cadeia de abastecimento, de modo a elevar a capacidade competitiva dos nossos clientes. Só garantindo a prosperidade dos negócios dos nossos clientes seremos capazes de fidelizá-los, de garantirmos a nossa sustentabilidade económica, social e ambiental, e de irmos mais longe até onde for o futuro! José Luís Simões Presidente 10

11 STUART MONK/FOTOLIA Relatório de Sustentabilidade Perfil LS

12 01 Perfil LS VISÃO A LS tem como visão: Ser a referência ibérica em termos de qualidade de serviço do sector dos Transportes e Logística. MISSÃO No que diz respeito à sua missão, a LS pretende: Garantir soluções eficientes e competitivas de Transporte, Logística e Serviços auxiliares, promovendo a satisfação de clientes e sociedade em geral, sob o ponto de vista, económico, social e ambiental. VALORES Para realizar com sucesso esta missão, é essencial a divulgação e a partilha dos seguintes valores fundamentais: Orientação para o cliente: Superar as expectativas dos clientes, através da prestação de serviços de valor acrescentado, suportados por soluções flexíveis, inovadoras e tecnologicamente avançadas; Respeito pelas pessoas: Garantir a qualificação contínua de todos os colaboradores, desenvolvendo competências para diferentes e desafiadores desempenhos das actividades com qualidade e em segurança; Sustentabilidade: Favorecer o desenvolvimento sustentado da organização através de uma conduta transparente, social e eticamente responsável; Confiança: Pautar a actuação do grupo e dos seus colaboradores pelo respeito por colegas, clientes e fornecedores, acreditando nas capacidades de trabalho de cada um e na defesa dos valores LS; Lealdade: Basear a prática quotidiana no profissionalismo, no rigor de operações e na transparência das relações, colocando o interesse da LS acima do interesse pessoal, por forma a salvaguardar a credibilidade e boa imagem institucional; Inovação: Focalizar a gestão em processos estruturados e suportados por modernos sistemas tecnológicos, contribuindo para o desenvolvimento de vantagens competitivas face ao mercado; Ambiente: Implementar boas práticas ambientais, reduzindo os efeitos adversos resultantes da actividade e protegendo o meio envolvente; Preocupação pela segurança: Assegurar as melhores condições de trabalho com acções preventivas, por forma a eliminar os riscos inerentes à actividade e preservando o bem-estar dos colaboradores; Património: Manter a qualidade de instalações, equipamentos e marcas, garantindo a valorização e respeito de todos, especialmente dos colaboradores, e dignificando o seu posto de trabalho. POLÍTICAS Para concretizar a sua missão e a sua visão, a gestão da empresa compromete-se a seguir as seguintes políticas: Qualidade Disponibilizar os recursos relevantes ao incremento da qualidade dos negócios e à sua melhoria contínua; Privilegiar os ganhos de eficiência e de eficácia dos processos, como vantagem competitiva das empresas e valor acrescentado ao cliente, tendo em vista a sua fidelização; Desenvolver a competência e motivação dos colaboradores face aos objectivos do negócio, em matéria de qualidade, segurança, higiene e saúde no trabalho, ambiente e segurança alimentar. Segurança Alimentar Preservar a qualidade e segurança alimentar dos produtos, nas operações e serviços prestados, assegurando a comunicação com todas as partes intervenientes na cadeia alimentar: fornecedores, colaboradores, clientes e autoridades competentes. Segurança e Saúde no Trabalho Disponibilizar os recursos necessários à prevenção dos riscos profissionais, à melhoria das condições de segurança no desempenho das actividades e à vigilância da saúde dos colaboradores, desenvolvendo as suas competências e reforçando a consciencialização em matéria de segurança e saúde no trabalho. Ambiente Implementar medidas de minimização dos impactes ambientais resultantes da actividade, bem como de gestão e controlo dos resíduos produzidos, e sensibilizando os colaboradores para comportamentos e hábitos que promovam a protecção do ambiente. Responsabilidade Social Desenvolver acções dirigidas aos colaboradores, por forma a promover a valorização pessoal, profissional e familiar, e actividades de informação, sensibilização e/ou de solidariedade, direccionadas para entidades externas com as quais interactuamos. 12

13 01.1 ORGANIGRAMA A estrutura organizacional da LS está distribuída da seguinte forma: Conselho de Administração Presidente Inovação e Processos Áreas de Suporte Áreas de Negócio Gabinete de Comunicação Transporte Ibérico Diversificação Serviços Compartilhados Reta&Socar- Semi-Reboques Lusiseg - Seguros Sistemas de Informação Logística Ibérica Imobiliário 13

14 01.2 GOVERNAÇÃO O Conselho de Administração da Luís Simões SGPS considera que a condução dos negócios do Grupo é feita de acordo com padrões apropriados ao bom governo das sociedades. As empresas Luís Simões são detidas a 100% pela família Luís Simões. O Conselho de Administração inclui os três elementos da 2.ª geração e metade dos elementos da 3.ª geração já incorpora os quadros da organização. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Composição: 3 Administradores do Grupo - José Luís Simões, Leonel Simões e Jorge Simões; Directora Corporativa Financeira; Três consultores externos. Periodicidade: 4 vezes/ano. Objectivos: Aprovação da estratégia do Grupo, nomeadamente planos estratégicos do Grupo e planos estratégicos de cada empresa; Análise das grandes prioridades do Grupo: Resultados, investimentos, estrutura directiva e assuntos societários. COMITÉS EXECUTIVOS (por empresa) Composição: Director Geral; Responsáveis da 1ª. linha. Periodicidade: 3 a 4 vezes/ano. Objectivos: Assegurar que os objectivos de vendas e resultados de cada empresa são superados; Assegurar que os planos de acção estão implementados; Garantir a avaliação da gestão de desempenho das equipas; Garantir que a comunicação acontece aos diferentes níveis de gestão. COMITÉ DIRECTIVO Composição: Presidente Executivo; Directores Gerais e Corporativos. Periodicidade: 4 vezes/ano. Objectivos: Assegurar que os objectivos de vendas e resultados da LS são superados; Aprovar planos de investimento; Aprovar políticas de recursos humanos. VISITA DO PRESIDENTE Feita pelo Presidente Executivo do Grupo a cada site/empresa/área corporativa da LS. Periodicidade: a cada 2 anos. Objectivos: Conhecer antecipadamente as situações de relevo, para posterior tomada de decisões; Transmitir critérios; Fomentar a convivência entre os colaboradores. 14

15 01.3 NEGÓCIOS Negócio Logística LS Objecto Localização Geográfica Dimensão Desenvolvimento de actividades de logística integrada, compreendendo transporte primário, armazenagem, preparação de pedidos, controlo de inventários, distribuição de produtos e outros serviços de valor acrescentado, como a manipulação de produtos ou logística de eventos promocionais. Península Ibérica. 17 centros operacionais (7 em Portugal e 8 em Espanha), 3 plataformas de cross docking 1 e 13 plataformas de cross-docking subcontratadas (3 em Portugal e 10 em Espanha), correspondendo a uma área total superior a 250mil m 2. 5 Centros de co-packing (3 Portugal e 2 em Espanha). 300 equipamentos de movimentação envolvidos nas actividades de armazenagem. Rede de distribuição com mais de 800 rotas de distribuição por dia. Mais de 700 colaboradores em Portugal e Espanha. Carteira de Clientes 300 empresas dos mais variados sectores: Alimentação e bebidas, higiene e limpeza, PLV, electrodomésticos e electrónica de consumo, sector automóvel. 23 maiores clientes representam 80% do total de vendas. Taxa de retenção de clientes (2009): DLS - 76% do volume de vendas assegurado por clientes com 3 ou mais anos; LSL - 73% do volume de vendas assegurado por clientes com 3 ou mais anos. Evolução do Volume de Vendas Vendas (Milhões de Euros) Negócio Logística LS 15 1 Plataformas de Coimbra, Alicante e Granada

16 Negócio Transportes LS Negócio Diversificação LS Objecto Transporte de mercadorias por rodovia e apenas em regime complementar de alguns fluxos, por navio e comboio. É constituída por três empresas que actuam em Portugal e Espanha: Transportes Luís Simões SA, Luís Simões Logística Integrada SA e Transportes Reunidos Lda. Objecto Manutenção e reparação de viaturas pesadas. Montagem e comercialização de semi-reboques. Localização Geográfica Maior incidência nos fluxos ibéricos, onde é líder de mercado. Localização Geográfica Carregado, Gaia e Perafita. 9 centros operacionais distribuídos por Portugal (3) e Espanha (6). Área total de 19 mil m 2. Dimensão Gestão de cerca de viagens/dia. Dimensão Duas estações lavadoras de viaturas pesadas, nos centros de assistência técnica do Carregado e de Gaia. 800 Colaboradores (TLS + TR + LST). 66 operacionais (próprios e em regime de parceria), com uma capacidade instalada de horas /ano de manutenção. Carteira de Clientes Produtos alimentares e bebidas, papel, grande distribuição e componentes auto clientes em clientes são responsáveis por 80% das vendas. Taxa de retenção de clientes (2009): 88% do volume de vendas assegurado por clientes com 3 ou mais anos. Carteira de Clientes Os produtos e serviços comercializados pela Socar destinam-se a empresas do sector de transportes rodoviários de mercadorias, sejam eles privados ou públicos. A Socar dispõe de uma carteira de clientes muito atomizada, do sector de transportes e logística. Evolução do Volume de Vendas Vendas (Milhões de Euros) Evolução do Volume de Vendas Vendas (Milhões de Euros) ,5 11,9 16,3 9,6 16

17 História LS Apresentamos a forma como a LS evoluiu desde a década de 30, data da sua fundação, até aos dias de hoje e o que sucedeu em Portugal e no Mundo, durante o mesmo espaço temporal. Luís Simões De carroça, Fernando Luís Simões transporta hortaliças e fruta para os mercados de Lisboa. Compra da primeira camioneta. Aumento da frota. Aparecimento da Novobra, empresa de construção civil, um cliente decisivo na dinâmica comercial da Luís Simões. Diversificação dos serviços de transporte de produtos hortícolas para transporte de materiais de construção. Entrada no mercado de transporte de cereais a granel. Fundação da empresa Transportes Luís Simões Limitada (1968). Fernando Luís Simões cede a gestão da Transportes Luís Simões Limitada aos filhos (1973). Primeiros passos na informatização da empresa. Iniciam-se os transportes especiais de carga indivisível. Levada a cabo a primeira experiência na distribuição domiciliária com cobertura total do território português. Ministrada a primeira acção de formação aos motoristas. Internacionalização para Espanha. Aposta na diversificação de actividades. Consolidação da presença no mercado espanhol; Inicio da actividade logística, de forma a antecipar as consequências logísticas do mercado Europeu; Segmentação e diversificação dos negócios; TLS: Certificação ISO 9002: ª empresa de transportes em Portugal a ser certificada; Criação da holding e estruturação dos diferentes negócios; Inauguração do Centro de Operações Logísticas do Carregado; Certificação ISO 9002:1994 Empresas DLS e LSE (Luís Simões España). Década/Ano Mundo/Portugal Crise económica. ONU aprova a Declaração dos Direitos Humanos. Franco crescimento do sector da construção civil. Boom ao nível de obras públicas do Estado Novo. Desenvolvimento da indústria de alimentos compostos para animais. Recessão dos Estados Unidos da América derivada da crise petrolífera. Revolução de 25 de Abril de Crise económica. Avanços na tecnologia informática. São realizadas pesquisas, a nível mundial, para viabilizar a utilização de etiquetas RFID de baixo custo em todos os produtos. 17

18 Luís Simões RETA: Certificação ISO 9002:1994. Substituição de todas as aplicações informáticas de apoio aos negócios. Aquisição da LOALSA e posicionamento como operador logístico integrado à escala Ibérica. Introdução da informática embarcada nos veículos com GPS. Instalação nos armazéns da rádiofrequência e leitura óptica por código de barras. DLS, TLS, RETA, LSE: Transição para a certificação ISO 9001:2000. Fusão da LOALSA e Luís Simões España, dando origem à Luís Simões Logística Integrada, S.A. Criação do Portal LSnet - ferramenta tecnológica avançada na gestão em ambiente web e fonte de informação privilegiada de consulta pelos clientes. Auditoria de Grupo LS, SGPS (DLS, LSLI, TLS e RETA): Renovação da Certificação pela Norma ISO 9001:2000. Crescimento exponencial da logística em Espanha - duplica a facturação face a Inauguração do Centro de Operações Logísticas do Futuro, no Carregado. Apresentação do 1º Relatório de Sustentabilidade LS. Década/Ano Alteração da Legislação Comunitária sobre os tempos de condução e repouso. Ratificação do Protocolo de Quioto. Utilização do tacógrafo digital na Europa. 18 Mundo/Portugal

19 danimages/fotolia Relatório de Sustentabilidade LS na Rota da Sustentabilidade

20 02 LS na Rota da Sustentabilidade 02.1 DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA O desenvolvimento da estratégia de sustentabilidade da Luís Simões teve como base a análise dos resultados do envolvimento dos stakeholders, do enquadramento sectorial, das orientações de gestão e das boas práticas internas e também do benchmarking das empresas congéneres. Enquadramento Sectorial e Benchmarking actualmente. É de esperar um processo de selecção natural das empresas nos próximos anos, apressando uma profunda reestruturação do sector, que as várias medidas impostas, do ponto de vista ambiental, legal e fiscal, já faziam adivinhar; Maior tendência para a concentração das empresas, como arma para reduzir estruturas fixas e aumentar a cobertura geográfica e competitividade na resposta ao cliente; Existência de picos de mercado, passando a estratégia da LS por ter um mix de frota própria e alheia, que permite flexibilidade para responder a este desafio, dando solidez suficiente para merecer a confiança dos grandes clientes, onde sem dúvida reside a aposta estratégica da LS. Envolvimento de Stakeholders Matriz de Materialidade Identificação de Desafios Compromissos Posicionamento e Princípios de Sustentabilidade 02.2 ENQUADRAMENTO SECTORIAL E ORIENTAÇÕES DE GESTÃO Transportes Análise das Orientações de Gestão e Boas Práticas Internas Desafios Excesso de oferta, tanto em Portugal como em Espanha, face à procura existente, facto agravado pela instabilidade económica que se vive Diferenciação LS Flexibilidade no serviço, demonstrando ser uma empresa sempre virada para a solução ao cliente; Inovação permanente na forma de fazer e gerir transporte, apostando na tecnologia e informação aliada à capacidade base de transportar mercadorias com eficácia; Frota moderna e bem preparada de acordo com os standards mais exigentes a nível europeu; Condutores com alto nível de formação e competência, tendo em vista o cumprimento das normas de segurança e a redução do impacto ambiental da actividade de transporte; Profissionais experientes na gestão de operações de transporte. 20

21 Logística Desafios Procura de soluções globais por parte do mercado; Exigência de cada vez maior valor acrescentado nos serviços logísticos; Exigência de grande domínio, rigor e qualidade nos processos; Eficiência energética das operações logísticas; Cumprimento dos requisitos ambientais quanto à gestão de resíduos; Garantias sobre a segurança dos produtos, nomeadamente sobre os produtos alimentares. Diferenciação LS Cobertura da Península Ibérica com proximidade com os clientes directos e clientes indirectos (clientes dos nossos clientes); Soluções tecnológicas adaptadas ao controlo dos processos e ajustadas às necessidades dos clientes; Inovação orientada para a concepção de soluções de maior valor acrescentado para o cliente; Enfoque na Qualidade do serviço, reconhecida pelo mercado, nomeadamente quanto à Segurança alimentar; Envolvimento na redução do consumo energético das instalações; Solução de gestão de resíduos com redução significativa do seu volume e consequente decréscimo do impacte ambiental associado ao seu transporte Diversificação Desafios Fragilidade económica e financeira da maioria das empresas de transportes os seus principais clientes - com particular relevância, para as pequenas e médias empresas; O aumento do preço dos combustíveis e o abrandamento económico, traduzido em dificuldades acrescidas no sector dos transportes, que provocam o decréscimo acentuado da actividade ao nível da manutenção e reparação e na aquisição de equipamentos novos; Exigência operacional de funcionamento 24h/dia e necessidade de adequação dos horários às necessidades dos clientes, conciliando a flexibilidade de horários necessária ao sector de actividade com a vida pessoal dos colaboradores; Exigências cada vez maiores ao nível do cumprimento dos requisitos ambientais. Diferenciação LS Processo reestruturado, com um novo layout da oficina do Carregado, permitindo desenvolver a actividade com maiores níveis de produtividade; Todos os colaboradores das áreas operacionais trabalham aos sábados de forma a responder prontamente às necessidades dos clientes (Equipas a 100%). Como medida compensatória, são concedidos a estes trabalhadores dois dias seguidos de descanso semanal (terça e quartafeira por exemplo), para além do domingo. Desta forma, a LS procura promover o bem-estar familiar destes mesmos colaboradores e, em simultâneo, possibilitar o desenvolvimento de várias actividades de lazer, bem como a possibilidade de tratar de assuntos pessoais junto de diversas entidades (Bancos, Segurança Social, Finanças, etc.). Operador de Armazém Centro de Assistência Técnica, Carregado 21

22 02.3 ENVOLVIMENTO DOS STAKEHOLDERS A identificação das partes interessadas, nomeadamente das suas preocupações e expectativas, tem uma importância vital no processo de definição de uma estratégia de sustentabilidade, bem como no conteúdo de um relatório de sustentabilidade. Desta forma, a LS fez o mapeamento dos stakeholders, com base na análise da importância que a LS tem para esses stakeholders e vice-versa. No âmbito do 1º relatório de Sustentabilidade referente ao ano de 2008, foram realizadas 12 entrevistas a partes interessadas externas, bem como dois focus group com os stakeholders internos, para aferir a percepção que têm da empresa, assim como as suas expectativas. Clientes Autoridades Nacionais/ Regionais/Locais Universidades Comunicação Social Colaboradores Subcontratados Permanentes Banca Outros Fornecedores Subcontratados Eventuais ONG s Sindicatos Associações Mensagem do Presidente da República ( ) A responsabilidade social, responsabilidade que, quando se tem, se evidencia pela relação com os seus colaboradores, pela preocupação de ter uma frota de veículos amiga do ambiente, com as tecnologias mais avançadas para respeitar as exigências, como foi dito, de um desenvolvimento sustentável, e, para além disso, o apoio que fornece graciosamente ao Banco Alimentar contra a Fome. São, por isso, estes aspectos que eu quero sublinhar hoje aqui. Primeiro, a capacidade competitiva da empresa no plano internacional. Segundo, o não adiar investimentos e preparar-se para enfrentar os desafios num tempo que é de crise internacional. Mas, ao mesmo tempo, manter este seu sentido de responsabilidade social ( ). Presidente da República Excerto do discurso proferido pelo Presidente da República, Prof. Doutor Aníbal Cavaco Silva, na Inauguração do Centro de Operações Logísticas do Futuro, no Carregado, a 17 de Novembro de

23 De salientar, que as entrevistas efectuadas aos stakeholders permitiram a identificação dos pontos fortes, dos pontos fracos, das oportunidades e das ameaças à LS, descritos na seguinte tabela: Pontos Fortes Pontos Fracos Comunicação e imagem; Formação e retenção de talentos; Investimento em alternativas de transporte com menos gases com efeito estufa (GEE); Inovação e internacionalização; Satisfação do cliente; Robustez financeira; Segurança rodoviária; Gestão ambiental. Impactes ambientais da actividade consumo de combustíveis fósseis; Impactos na comunidade ruído, trânsito e parqueamento nas vias; Stresse laboral (profissão de motorista); Comunicação interna; Variabilidade no comportamento dos motoristas frota própria versus alheia; Pouca comunicação estratégica com clientes em Espanha. Oportunidades Ameaças Desenvolvimento de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) para apoio ao negócio; Alargamento do Sistema de Gestão de Qualidade (SGQ) às áreas da segurança no trabalho e ambiente; Intermodalidade, cargas fraccionadas e distribuição urbana; Desempenho ambiental e eficiência como diferenciação numa sociedade com crescente consciência ambiental; Desenvolvimento de tecnologias de energias renováveis; Implementação dos sistemas de apoio aos motoristas; Uniformização dos convénios em Espanha; Estreitamento de relações com as universidades. Excesso de oferta no mercado; Crise actual; Liquidez financeira dos subcontratados de transportes; Oscilação dos preços de combustível; Pouca disponibilidade no mercado de mão-de-obra qualificada (mecânicos e motoristas); Regulamentação laboral inflexível; Posição periférica (península ibérica) face à legislação sobre os tempos de condução; Pressão regulamentar e da sociedade. Tabela 1 - Resultados da escuta de stakeholders externos e internos 23

Relatório de Sustentabilidade

Relatório de Sustentabilidade Relatório de Sustentabilidade MACEO/FOTOLIA O presente relatório reporta-se à actividade desenvolvida pela Luís Simões (LS), no ano civil de 2008, nas seguintes áreas de negócio: transporte, logística

Leia mais

PEFKOS/FOTOLIA. Relatório DE

PEFKOS/FOTOLIA. Relatório DE PEFKOS/FOTOLIA Relatório DE SUSTENTABILIDADE INTERCALAR 2010 português JEFF KINSEY/FOTOLIA Sobre este Relatório Sobre este Relatório O presente relatório reporta-se à actividade desenvolvida pela Luís

Leia mais

PEFKOS/FOTOLIA. Relatório DE

PEFKOS/FOTOLIA. Relatório DE PEFKOS/FOTOLIA Relatório DE SUSTENTABILIDADE INTERCALAR 2011 português JEFF KINSEY/FOTOLIA Sobre este Relatório Sobre este Relatório No presente relatório são reportados indicadores e práticas em matéria

Leia mais

Ir mais longe até onde for o futuro!

Ir mais longe até onde for o futuro! Ir mais longe até onde for o futuro! DOSSIER DE IMPRENSA 2010 Luís Simões A Luís Simões (LS) é composta por 10 empresas juridicamente autónomas e agrupadas em 3 unidades de negócio: transporte, logística

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES Sessão de Abertura A regulação e supervisão da actividade seguradora e de fundos de pensões Balanço, objectivos e estratégias futuras É com

Leia mais

Trucks 4 Terminals: A LEANER OPERATION. Copyright: LS - Luís Simões Dalila Tavares Junho 2015

Trucks 4 Terminals: A LEANER OPERATION. Copyright: LS - Luís Simões Dalila Tavares Junho 2015 Trucks 4 Terminals: A LEANER OPERATION Copyright: LS - Luís Simões Dalila Tavares Junho 2015 Quem somos? Perfil Empresa Grupo familiar fundado em 1948 Capital 100% propriedade da família Luís Simões Capital

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

5ª Semana da Responsabilidade Social Lisboa, 05/05/2010. O Grupo LS como factor do Desenvolvimento do Território

5ª Semana da Responsabilidade Social Lisboa, 05/05/2010. O Grupo LS como factor do Desenvolvimento do Território 5ª Semana da Responsabilidade Social Lisboa, 05/05/2010 O Grupo LS como factor do Desenvolvimento do Território MARIA ANTÓNIA DO ROSÁRIO O Grupo LS como factor do desenvolvimento MARIA ANTÓNIA do Território

Leia mais

Informática Embarcada XtraN & Luís Simões

Informática Embarcada XtraN & Luís Simões Vitor Daniel Ferreira Lopes / CESI vtr_lps@hotmail.com RESUMO Este documento é realizado no âmbito da disciplina de Gestão e Sistemas de Informação e tem como principal objectivo o enquadramento de uma

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l

E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l Novembro de 2011 S U M Á R I O E X E C U T I V O IDC Portugal:

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

A ALD Automotive no mundo

A ALD Automotive no mundo DOSSIER DE IMPRENSA A ALD Automotive no mundo A ALD Automotive é uma empresa de Aluguer Operacional e Gestão de Frotas que integra o Grupo Société Générale, um dos grupos líderes em serviços financeiros

Leia mais

Código de Boas Práticas da APOL Logistics & Supply Chain Maio 2010. PwC

Código de Boas Práticas da APOL Logistics & Supply Chain Maio 2010. PwC Código de Boas Práticas da APOL PwC Agenda Enquadramento Principais riscos/desafios dos clientes Benefícios do Outsourcing Continnunm da criação de valor Código de Boas Práticas Enquadramento Definição

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Formamos Pessoas! Concebemos Soluções! Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Elaborado por Revisto por Aprovado por GT-ISO GT-ISO DT 17 de Novembro de 2011 Código do Documento : MP_DG_MSGQ Versão 2.1

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Triana. Nossa visão: ser uma empresa líder em tecnologias de informação, com os melhores profissionais e com reconhecimento a nível Internacional.

Triana. Nossa visão: ser uma empresa líder em tecnologias de informação, com os melhores profissionais e com reconhecimento a nível Internacional. ÍNDICE 1 Triana Triana: uma empresa Moçambicana líder nacional no fornecimento de soluções de Tecnologias de Informação e Comunicação. O enfoque da nossa actuação é orientar e encontrar as melhores soluções

Leia mais

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Lisboa, 20 de Novembro 2009 Cláudio Casimiro claudio.casimiro@ceeeta.pt tel. +351 213 103 510 fax +351 213 104 411 Rua Dr. António Cândido,

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE

OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE 1. REFERÊNCIAS [1] - Bases Gerais para a Implementação de Sistemas de Gestão da Manutenção de Material Circulante, Instrução Técnica 5, INCFA

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional 1024036 - PROFIFORMA, GABINETE DE CONSULTADORIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, LDA Missão É missão do CQEP Profiforma: -

Leia mais

Soluções com valor estratégico

Soluções com valor estratégico Soluções com valor estratégico Contexto O ambiente económico e empresarial transformou-se profundamente nas últimas décadas. A adesão de Portugal à U.E., a adopção do euro e o mais recente alargamento

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Microsoft Dynamics CRM Customer Solution Case Study APCER Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Sumário País Portugal Sector Serviços Perfil do Cliente

Leia mais

Advisory(Assessoria de Gestão)

Advisory(Assessoria de Gestão) Advisory(Assessoria de Gestão) Explorar a floresta aproveitando a incerteza, sem se perder entre as árvores As empresas que estão claramente focadas na criação de valor demonstram que sabem o que fazem,

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 ÍNDICE 01 Relatório de Gestão... 1 02 Conjuntura Económica... 2 03 A Empresa... 3 04 Análise Financeira... 9 1 MEIOSTEC S.A.

Leia mais

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade Divulgação do primeiro relatório Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade O Turismo de Portugal apresentou ontem o seu Relatório de Sustentabilidade, tornando-se no primeiro Instituto Público

Leia mais

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra tinha 2.001 empresas em 2004,

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DE 2010 Relatório de Actividades e Contas do Grupo Regional do Norte 2010 ÍNDICE 1. Introdução 2. Funcionamento do Grupo Regional do Norte 2.1. Período de funcionamento

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Caros Colaboradores, A missão de Jerónimo Martins é promover a eficiência em todas as suas áreas de negócio,

Leia mais

Declaração de Princípios.

Declaração de Princípios. POR UMA NOVA ANTRAM MAIS FORTE E INTERVENTIVA Regular o Mercado Fortalecer as Empresas Modernizando e Qualificando o Sector Reforçar o apoio aos associados. Programa eleitoral da Lista A Candidata aos

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

O que é a Responsabilidade Social Empresarial?

O que é a Responsabilidade Social Empresarial? O que é a Responsabilidade Social Empresarial? 1.5. Campos de acção da RSE Resumo O mundo dos negócios é extremamente heterogéneo. Assim as diferentes abordagens e estratégias sobre responsabilidade compromisso

Leia mais

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA O que é o ALD ProFleet2? É um serviço de dados que utiliza um sistema telemático avançado de gestão de frotas e que lhe permite administrar, localizar em

Leia mais

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO No âmbito do procedimento de consulta pública do Plano Estratégico de Transportes 2008-2020 (PET), vem a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza apresentar o seu parecer. SOBRE OS PRESSUPOSTOS

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

As melhores prá ticas adoptadas pelas ISC. na á rea de auditoria

As melhores prá ticas adoptadas pelas ISC. na á rea de auditoria As melhores prá ticas adoptadas pelas ISC na á rea de auditoria Cabo Verde, 24-26 de Outubro de 2012 VII Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução 2. Mudanças nos contextos societais e de governação

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais