Assim, acreditamos que a base para uma parceria de longo prazo está fundamentada em:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assim, acreditamos que a base para uma parceria de longo prazo está fundamentada em:"

Transcrição

1 Requisitos Sistema Integrado Fornecedores : Insumos & Manufatura de Produtos Acabados

2 Índice Introdução 4 Definições 6 Requisitos Gerais 7 Instalações Físicas 8 Matérias-primas e Materiais de Embalagem 11 Processo e Envase 12 Produto Acabado 14 Estocagem,Transporte e Distribuição 15 Higiene,Limpeza e Controle de Pragas 16 Pessoal e Treinamento 17 Responsabilidade Ambiental 18 Saúde e Segurança no Trabalho 19 Responsabilidade Social 20 Pesquisa e Desenvolvimento 21 Contatos e Referências 22 Anexo

3 INTRODUÇÃO Em todo o mundo, as empresas estão despertando para o fato de que possuem um papel fundamental na construção do futuro. Cresce a consciência de que o modelo atual de desenvolvimento apresenta claros sinais de esgotamento e é necessário buscar outro, que consiga aliar a prosperidade econômica ao atendimento das necessidades humanas e à preservação do planeta. Mais do que dar respostas às demandas de seus consumidores, as empresas, hoje, precisam ser capazes de reconhecer as necessidades da sociedade como um todo. Tudo isso faz parte de um só movimento em direção ao nosso projeto de contribuir para a construção de um mundo melhor. Não é possível ter um compromisso parcial com a transformação social e com o desenvolvimento sustentável. Esse compromisso precisa estar presente em todas as ações da empresa e ser cada vez mais intrínseco à nossa forma de fazer negócios. E sabemos que só será possível avançar nesse sentido com o envolvimento efetivo de todos aqueles que fazem parte da comunidade Natura. A Natura é a maior empresa de cosméticos no Brasil. O desenvolvimento sustentável e a qualidade das relações com todas as nossas partes interessadas norteiam o sucesso de nossa marca. Nossa reputação vem sendo construída há anos com produtos de qualidade e segurança para os nossos consumidores. A consolidação desta reputação se dá através de uma jornada para excelência que estamos apenas iniciando. Nesta jornada não estaremos sozinhos.assim esperamos que nossos parceiros embarquem conosco, com melhorias conjuntas e perenes em nossos processos. Estamos cientes de que nosso desenvolvimento e nosso sucesso empresarial estão ligados à capacidade de atender de forma diferenciada todos os nossos públicos de relacionamento, agregando valor por meio de produtos e serviços de qualidade, ao mesmo tempo em que contribuimos para a sustentabilidade da sociedade. É com essa visão que reafirmamos o compromisso de incorporar políticas e práticas inovadoras, éticas e transparentes à nossa gestão, em um processo de aprendizado permanente junto com seus diversos públicos Esperamos que nossos atuais e futuros parceiros conduzam seu negócio de maneira honesta e com integridade e respeitem os interesses daqueles com quem interagirem. Assim, acreditamos que a base para uma parceria de longo prazo está fundamentada em: 3

4 -Cumprimento de todos os requisitos legais: Licenças sanitárias e ambientais Normas do Ministério do trabalho Normas e requisitos legais ambientais - Respeito aos colaboradores Prover condições de trabalho seguro e saudável para seus colaboradores Não utilizar nenhuma forma de trabalho forçado, escravo ou infantil - Respeito aos Consumidores Prover produtos e serviços que oferecem, consistentemente, valor em termos de preço e qualidade e que sejam seguros na sua utilização. - Respeito ao Meio Ambiente Administrar o negócio de maneira ambientalmente responsável. Na segurança de processos e produtos, o fundamento da abordagem preventiva é a adoção de um sistema de controle de riscos e perigos e várias ferramentas podem ser adotadas: Análise Preliminar de Riscos, Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais, Análise dos Perigos e Pontos Críticos de Controle ( APPCC) ou a Análise de Modos de Falhas (FMEA). A adoção destas ferramentas sempre que possível será adotada em conjunto. Os requisitos gerais descritos neste documento definem os padrões necessários que que nossos parceiros devem perseguir em suas instalações. Dependendo do produto a ser produzido, requisitos adicionais podem ser aplicáveis e estes serão comunicados diretamente pelo seu contato com a Natura. 4

5 Definições Fornecedor Empresa que fornece matéria prima ou materiais de embalagem para a Natura. Manufatura de Produtos Acabados : Terceiros que produzem produtos acabados Parceiro: DEVE (I): PRECISA (N): Terminologia para definir terceiro ou fornecedor Imprescindível para todas as operações. Necessário para todas as operações RECOMENDA-SE- : Desejável como boa prática porém não imprescindível Prevenir: Controle: Limpeza: Contaminantes: Desinfeção: NQA: cgmp (*) Eliminar a ocorrência (objetivo de zero defeito) Garantir a qualidade e segurança do produto dentro das especificações concordadas com a Natura Remoção de sujeira,resíduos de produtos, poeira, graxa e outros materiais Qualquer agente microbiológico,físico ou químico, ou outra substância não intencionalmente colocado que possa comprometer a qualidade ou segurança do produto. É a redução, por meio de agentes químicos e/ou métodos físicos, do número de microrganismos no ambiente a um nível que não comprometa a qualidade ou segurança dos produtos Nível de Qualidade Aceitável para uma determinada população- definida e concordada entre as partes e avaliada através da norma NBR-5426 Boas práticas de manufatura atualizadas- fundamento de qualquer sistema de qualidade da indústria cosmética,alimentícia e farmacêutica. Dossiê de Qualidade Documento concordado entre o parceiro e Natura que contém toda a informação necessária para a manufatura de produtos. (*) current Good Manufacturing Practices 5

6 1.0 REQUISITOS GERAIS Objetivos A Natura acredita que um processo de Qualidade Assegurada é essencial pois este fornece uma estrutura para administrar a segurança e qualidade oferecida aos consumidores. Os pontos-chave de um sistema QA são: Um gerente/coordenador de Qualidade nomeado para administrar e melhorar o processo. Um Manual de Qualidade que define papéis, responsabilidades e os procedimentos e instruções de trabalho. Controle de documentos Um sistema implantado de análise de riscos e perigos relacionados a processos e produtos Um programa de treinamento estruturado. Uma série de objetivos com metas definidas monitorados através de indicadores estabelecidos pela Natura através do programa QLICAR. Todo parceiro deve ter uma Política de Qualidade atualizada e assinada pelo gerente mais experiente do site. A Política de Qualidade é o ponto de partida para o sistema QA inteiro e deve ser objetiva. Esta política deve definir a visão de qualidade da companhia, incluindo uma declaração da intenção de assegurar aos consumidores que terão os produtos e serviços como esperam assim como um compromisso de treinar seus colaboradores e buscar a melhoria contínua. É necessária a aplicação de um sistema de avaliação e controle de riscos em todas as etapas dos processos de manufatura e verificado para todas as linhas de produtos. O sistema APPCC é imprescindível para produtos alimentícios e/ou farmacêuticos. Qualquer mudança de especificação no produto, processo, auxiliares de processos, matéria prima ou materiais de embalagem deve ser autorizada por escrito previamente pela Natura a qualquer mudança efetuada. É imprescindível um manual de qualidade definindo o processo, procedimentos e instruções de trabalho, devidamente atualizado. O manual deve ser revisto regularmente pela equipe de gerenciamento objetivando a melhoria contínua. Todos os procedimentos relevantes e instruções de trabalho devem estar disponíveis para os colaboradores que influenciam na qualidade dos produtos e estes devem receber treinamento apropriado. É imprescindível um plano de controle de todos os parâmetros de insumos e produtos considerando- amostragem- limites e NQAs de aceitação O parceiro deve ter um plano de gerenciamento de incidentes/emergências para lidar com incidentes/emergências que podem comprometer a reputação da Natura. 6

7 2.0 Instalações físicas Objetivos: Ter premissas, equipamentos e facilidades localizados, projetados e construídos para que: Operação, limpeza, desinfeção e manutenção adequada seja facilitada para minimizar os riscos de contaminação de produtos. Haja um fluxo de processo lógico e o fluxo cruzado de material seja minimizado. O clima possa ser controlado onde necessário para o produto e/ou processo. Facilidades sanitárias adequadas são providenciadas, mantidas e segregadas adequadamente de áreas de produção. Prevenção de acesso de pragas 2.1 Infra-estrutura Áreas externas Ruas e áreas dentro da área do estabelecimento ou nas vizinhanças devem ter uma superfície firme adequada para o tráfego de veículos com rodas que minimize poeira e seja drenada adequadamente. Acesso ao site deve ser controlado Instalações e prédios Espaço adequado para o trabalho deve ser disponibilizado. O projeto das instalações físicas deve permitir limpeza fácil e adequada, prevenir a entrada e abrigo de pragas e prevenir a entrada de contaminantes ambientais (poeira). Áreas gerais e locais sociais (e. g. entradas, salas de espera, cantinas, banheiros, vestiários) não podem ser abertas diretamente a áreas de produção e devem ser mantidas limpas. No layout, um fluxo lógico de pessoas/processo e o mínimo de fluxo cruzado de materiais deve ser levados em conta Área de manutenção Prédios e instalações precisam ser construídos solidamente e com materiais não tóxicos e precisam ser fáceis de manter e limpar. Todas as janelas devem ter telas de proteção. Todos os pisos e ralos devem ser inclinados adequadamente para facilitar a drenagem.( projeto higiênico) Todo o piso deve ser fácil e regularmente limpos Laboratórios de controle Os laboratórios devem ser instalados em ambientes separados e não podem ser abertos diretamente para a produção. Instrumentos de controle para medições diretamente em linhas de produção devem ser montados de tal maneira que os controles possam ser realizados sem causar contaminação à produção contínua. Todos os equipamentos críticos devem ser calibrados regularmente. 7

8 Laboratórios que manipulam patógenos devem ser projetados e operados dentro de padrões apropriados Instalações sanitárias, vestiários e banheiros Vestiários e banheiros devem estar localizados de maneira adequada. As instalações devem ser bem iluminadas e ventiladas. Banheiros não podem ser abertos diretamente às áreas de produção. Instalações para lavagem de mãos e /ou sanitizantes devem ser providenciadas. Torneiras não devem ser manuseadas. 2.2 Utilidades Iluminação Luz natural ou artificial adequada deve ser providenciada. Iluminação em todas as áreas de produção e estocagem (incluindo locais fora da área de estocagem gerenciado por terceiros) devem ser equipadas com proteção para reter fragmentos de vidro no caso da quebra de lâmpada Ventilação, controle do ar ambiente e ar comprimido Ventilação adequada deve ser providenciada para remover calor, vapor e poeira excessiva e para secar a área em tempo hábil depois de limpeza com água. Quando condições climáticas como temperatura ou umidade são críticas para o produto ou segurança de materiais, um sistema de controle deve estar instalado com capacidade adequada e monitorado. Filtros de óleo devem ser utilizados em compressores de ar comprimido direta ou incidentemente em contato com o produto a não ser que o compressor não utilize óleo Água Água utilizada como ingrediente de produto, em contato com produtos intermediários, seja em forma líquida, vapor ou gelo, ou para limpeza e desinfeção deve ser potável e deve estar conforme as orientações da OMS para água potável (WHO Guidelines for Drinking Water 1 )- padrões da ANVISA Quando água de utilidades vier de fonte não potável, deve ser transportada em linhas completamente separadas da água potável e identificada por cor diferenciada. Água doméstica, água fornecida pelo sistema público ou utilizada para uso pessoal como a lavagem e preparo de alimentos e bebidas, deve estar de acordo com a legislação local e deve estar conforme as orientações da OMS para água potável Reutilização de água Quando aplicável, Água reutilizada deve ser transportada por um sistema separado que possa ser facilmente identificado. 8

9 Água de Descarte Estabelecimentos devem ter drenagem eficiente e sistemas de descarte de água com capacidade adequada,em boas condições e estar de acordo aos requisitos legais. É imprescindível a instalação e operação de uma estação de tratamento de efluentes que atenda aos padrões legais exigidos ( quando aplicável) Estocagem de resíduos Áreas de estocagem de resíduos devem ter uma superfície plana, drenagem adequada e provisões para manter a área limpa e organizada. As instalações devem ser projetadas de acordo com os padrões legais exigidos e de maneira a prevenir a contaminação do restante da área assim como o acesso de pragas Equipamentos Projetos de equipamentos Equipamentos devem ser projetados de modo a prevenir contaminação de produtos por lubrificantes, graxas, etc. Todas as superfícies de contato com o produto devem ser adequadas a cosméticos,fármacos ou alimentos. Equipamentos devem ser construídos sem pontos mortos. Equipamentos devem ser projetados para prevenir o risco de contaminação por corpos estranhos Materiais Materiais de equipamentos devem ser adequados a cosméticos e/ou alimentos, de fácil limpeza e resistente ao produto, materiais de limpeza e desinfetantes dentro das condições de uso especificadas. 9

10 3. MATÉRIAS PRIMAS E MATERIAIS DE EMBALAGEM Objetivos Ter um processo gerenciado que irá assegurar a segurança, qualidade e legalidade de todas as matérias primas e materiais de embalagem Seleção e Gerenciamento de Fornecedores Fornecedores devem ser aprovados. Elementos-chave do gerenciamento de fornecedores: Ter um processo de seleção e aprovação de todos os fornecedores. Avaliação de risco de matérias primas e materiais de embalagem para assegurar que testes e avaliações foram realizados. Especificações concordadas e contratos de compra Acompanhamento contínuo de performance dos fornecedores e. g. via avaliação de indicadores. A aquisição de matérias-primas provenientes da biodiversidade brasileira deverá ocorrer de acordo com o acordo comercial assinado com a Natura, atentando às indicações de necessidade de licenças ambientais, contratos e áreas acessadas 3.2. Especificações e aprovação Todas as matérias primas e materiais de embalagem devem ter especificações escritas que detalhem parâmetros críticos. Estes devem ser concordados com a Natura quando apropriado. Especificações devem ser concordadas pelo fornecedor.para matérias primas é imprescindível a ficha de segurança do produto (MSDS/FISP). Todas as matérias-primas e materiais de embalagem devem ser aprovados de acordo com as especificações e métodos de controle Natura. No caso de embalagens os padrões de defeito ( panóplias), padrões de cor e aparência devem ser aprovados pela Natura. Para matérias-primas controladas deve ser feito inventário e controle permanentes e os mesmos enviados a órgãos oficiais se solicitado Recebimento e armazenagem de matérias primas e materiais de embalagem Veículos e recipientes para o controle de materiais no recebimento devem ser inspecionados em relação a higiene e contaminação antes da descarga. Cada entrega de material deve ser registrado e verificado quanto a integridade e identidade do material assim como o controle de qualidade dos lotes Todo material deve ser claramente identificado: código/lote/validade. Todo material deve ser estocado de acordo com os requerimentos inclusos à especificação. Material não conforme deve ser identificado e separado de material aprovado. (Fisicamente ou via o sistema de gerenciamento de material) Todo material deve ser usado dentro de sua validade. Qualquer necessidade de extensão do shelf life deve ser aprovada pela Natura (GQF/P&D) no caso de bulk de produto e pelo fornecedor no caso de matérias primas. Recipientes de matéria prima não podem ser usados para qualquer outra finalidade que possa levar à contaminação de produtos e deverão ser descartadas quando vazios. 10

11 4. PROCESSO E ENVASE Objetivos Assegurar que os processos e envase sejam bem controlados resultando em um produto seguro e de acordo com a legislação que estejam de acordo com as especificações concordadas e padrões de qualidade. Para garantir a segurança do produto, recomenda-se uma avaliação de riscos preliminares através de ferramentas (APPCC,FMEA.APR,etc) Um sistema de controle e instruções de trabalho e especificações com metas e limites críticos estão disponíveis para qualidade e parâmetros de segurança dos produtos. Operadores treinados para entendê-los e os executar devidamente. Todos os processos, manutenção, amostragem e ações corretivas são executadas de tal maneira que consumidores e clientes sejam protegidos. Processos de mudança são gerenciados de maneira sistemática para assegurar qualidade e segurança do produto Processo e Análise de riscos O processo deve ser projetado para ser seguro e é necessária a avaliação de riscos em todas as suas etapas 4.2. Áreas de alto e baixo risco Se indicado pela avaliação de risco / APPCC/FMEA, áreas de alto risco definidos pela Natura, devem ser fisicamente segregadas e padrões específicos de higiene devem ser implementados. Requerimentos específicos de segregação serão discutidos pelo contato da Natura Controle de processos, registros de qualidade e calibração Um sistema de controle de processo deve ser implementado. Tipicamente incluirá: Operadores treinados e certificados em cgmp Instruções de trabalho e manuais de equipamentos para cada passo do processo, incluindo limpeza e instruções de manutenção no idioma apropriado. O tipo de medida, freqüência, documentação e armazenagem de parâmetros de processos Ações corretivas para manter o processo dentro de seus limites críticos. Procedimentos para o tratamento de não conformidades. Recomenda-se o Controle Estatístico de Processo para os parâmetros críticos de controle Toda documentação relevante deve ser legível,datada, registrada e acessível. O período destes registros será definido pelo contato da Natuta. Sempre que solicitado toda a documentação deverá ser enviada a Natura para verificação periódica. 11

12 Um sistema de auditoria interna precisa ser implementado para verificar a eficácia dos controles de processos e procedimentos. A calibração de equipamentos críticos deve ser registrada, documentada e realizada de acordo com as datas pré-estabelecidas Controle de corpos estranhos A contaminação por corpos estranhos deve ser prevenida. Recomenda-se a instalação de filtros e detectores de metais quando aplicável Gestão da mudança Não poderão ser feitas mudanças nas especificações do produto, processo, matéria prima ou materiais de embalagem sem autorização por escrito da Natura Produtos e materiais não conformes e devoluções Todas as não conformidades devem ter ações imediatas de acordo com procedimentos concordados. Estas situações precisam ser registradas e planos de melhoria definidos para prevenção de reincidências. Produtos bloqueados ou não conformes só podem ser liberados por pessoas autorizadas e pode ser necessária uma confirmação formal da Natura Retrabalho e Reprocesso Retrabalho será definido pelo contato da Natura. Retrabalho de produtos que não sejam da Natura não podem ser usados em produtos Natura Codificação de lotes e rastreabilidade Um sistema de rastreabilidade deve existir para permitir que materiais possam ser rastreados pelo processo até o produto acabado. O nível de rastreabilidade, o tamanho máximo de lotes e o formato de codificação serão passados pelo contato da Natura. Todos os estoques devem seguir o princípio de primeiro a entrar primeiro a sair (PEPS) 4.9. Manutenção Equipamentos e máquinas devem ser mantidos em um estado apropriado de manutenção Manutenção deve ser executada de tal maneira que o risco aos produtos seja minimizado. Se terceiros realizam a manutenção, devem existir procedimentos para assegurar que estão conformes com os requerimentos de higiene e segurança do produto. Após a manutenção um time de inspeção deve verificar a integridade das linhas, a não existência de corpos estranhos e a conformidade com os requerimentos relevantes de higiene. Todos os lubrificantes utilizados devem estar conforme os requistos de aplicação a indústria cosmética,farmacêutica e alimentícia- quando aplicável 12

13 5. PRODUTO ACABADO Objetivos Consistentemente produzir produtos seguros e que atinjam as especificações acordadas. Produtos possuem especificações bem definidas em relação a todos os pontos de segurança e qualidade relevantes. Produtos são seguros e permanecem dentro das especificações mínimas de qualidade Especificações Especificações de produtos acabados serão fornecidas pela Natura ou devem ser concordadas pela Natura. Todo produto fornecido deve cumprir as especificações. Mudanças no produto acabado devem ser autorizadas por escrito pela Natura. A fábrica deve assegurar que as especificações estejam atualizadas Verificação de conformidade à especificação Amostras de referência devem ser retiradas regularmente.as mesmas devem ser enviadas a Natura a cada lote/nota Fiscal. Inspeções regulares devem ser feitas durante a produção para verificar se o produto está conforme sua especificação, através de metodologias e ensaios definidos pela Natura. Em casos de não conformes, ações corretivas devem ser tomadas e verificadas quanto a sua eficácia. A Natura precisa ser informada periodicamente. Recomenda-se a adoção de uma metodologia estruturada para solução de problemas MASP- 5 porquês,etc para prevenir reincidência Reclamações do Consumidor/Cliente Reclamações, tanto de consumidor como do cliente, serão enviados para o parceiro quando considerado apropriado. Cada reclamação deve ser investigada e uma avaliação escrita encaminhada ao contato da Natura. 5.4 Dossiê de Qualidade A Natura deverá entregar um dossiê de qualidade contendo todos os procedimentos, especificações, padrões, critérios de aceitação, instruções especiais para a realização do produto objeto de contrato entre as partes. O dossiê deve ser concordado pelo parceiro e Natura 13

14 6. ESTOCAGEM, TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO Objetivos Assegurar que estocagem, transporte e armazenagem de todos os materiais seja controlada adequadamente de acordo com as especificações. Procedimentos estejam em funcionamento para assegurar que condições críticas para a segurança e qualidade do produto sejam mantidas e controladas Danos ou manuseio incorreto que resulte em danos de segurança ou perda de qualidade é prevenido Medidas sejam tomadas e procedimentos estejam em funcionamento para prevenir contaminação entre materiais e produtos, do meio ambiente ou de pragas Codificação de lotes e rastreabilidade sejam mantidas Produtos não conforme são claramente identificado e fisicamente separado de outros produtos 6.1. Geral Durante transporte, estocagem e distribuição: Veículos de transporte devem ser inspecionados. Contaminação cruzada, transferência de odor entre produtos, matérias primas precisa que ser prevenido. Danos às embalagens precisa que ser prevenido. Onde pallets forem usados, eles devem estar em boas condições, limpos e livres de defeitos. A cada lote enviado agregar um certificado de análise com o código do produto/lote de produção e nota fiscal Rastreabilidade A empresa precisa determinar o nível apropriado de rastreabilidade requerido e implementar sistemas capazes de alcançar este nível. Lote de produto acabado ser rastreável aos parâmetros de processo do lote, resultados de análise dos pontos de controle, informações do período de produção, registros de calibração dos equipamentos, lotes de matériasprimas e seus resultados analíticos, assim como os laudos de análise dos fornecedores- Recomenda-se estender a materiais de embalagem Transporte Veículos de transporte e containers devem ser adequados Estocagem Todo produto deve ser estocado fora do chão e longe o suficiente das paredes possibilitando inspeção e controle de pragas. Produtos e materiais devem ser identificados por data e especificadas de acordo com seu shelf life Princípios PEPS devem ser usado. Produtos vencidos não podem ser usados. Químicos não produtivos não podem ser estocados em áreas de manufatura a não ser em quantidades pequenas necessários para produção. Os resíduos de descarte devem ser estocados de tal maneira que o acesso por pestes e contaminação de alimentos, água potável, equipamento, prédios ou estradas seja prevenido. Recipientes de descarte devem ser identificados e mantidos fechados e limpos regularmente. 14

15 7. HIGIENE, LIMPEZA E CONTROLE DE PRAGAS Objetivos: Validar procedimentos de desinfecção e limpeza em funcionamento para prevenir contaminação de produtos O processo de manufatura permite limpeza adequada e efetiva frequências determinadas Procedimentos de limpeza e desinfecção são efetivos,documentados e disponíveis para os colaboradores. Atividades de limpeza e desinfecção são validados e monitorados Químicos de limpeza e desinfecção são removidos até um nível residual aceitável Um sistema de controle de pragas e o mau uso de químicos de controle de pragas seja prevenido 7.1. Princípios de Limpeza & Desinfecção Para todos os equipamentos de processo e áreas gerais, procedimentos de limpeza e desinfecção devem estar especificados : A freqüência de limpeza e desinfecção O tipo e concentração de detergente e desinfetante a ser usado, o tempo de contato e temperatura O nível de desmonte dos equipamentos (caso aplicável) O método de limpeza Químicos de limpeza devem ser estocados em uma área dedicada longe das linhas de produção. O estoque deve ser trancado e utilizado somente por pessoal autorizado Limpeza Limpeza úmida deve ser feita efetivamente com um detergente adequado e iniciado com uma remoção física dos resíduos. (Requerimentos específicos para limpeza a seco serão fornecidos pelo contato da Natura). Em processos abertos a remoção pode ser feita manualmente com ferramentas como raspadores ou aspiradores. Linhas de processo devem ser preferencialmente limpas imediatamente após o término da produção. 7.3 Desinfecção Dependendo no equipamento e/ou processo, desinfecção pode ser feito por calor ou desinfetantes químicos. Desinfecção deve ser sempre precedida por um procedimento de limpeza adequado a não ser que um método combinado seja utilizado. Quando a produção é reiniciada imediatamente, desinfecção é feita logo após a limpeza. Se após a limpeza a linha não for entrar em operação em seguida, deverá ser desinfetado imediatamente antes de reiniciado. 7.4 Sistemas (CIP) Sistemas de controle de limpeza CIP precisam ser monitorados. Para prevenir contaminação com químicos de limpeza, durante a produção o CIP deve ser adequadamente separado das linhas de produção. Controles específicos serão fornecidos pelo contato da Natura Controle de Pragas Um programa de controle de pestes deve estar em funcionamento. Por causa da natureza especialista de controle de pragas é recomendado que o controle seja feito por uma empresa terceirizada especializada. 15

16 8. PESSOAL & TREINAMENTO Objetivos Assegurar que todos os colaboradores sejam treinados adequadamente e entendam os aspectos críticos relevantes da qualidade de produtos e segurança do consumidor (cgmp) e que estejam conscientes da importância de gerenciar de forma adequada os aspectos e impactos ambientais significativos provenientes de suas atividades. Para assegurar que todo o pessoal que entre em contato direta ou indiretamente com os produtos: Mantenham um nível apropriado de higiene pessoal e reportem qualquer tipo de doença que possa comprometer a segurança do produto. 8.1 Padrões de Treinamento Todo pessoal deve receber treinamento apropriado que esteja alinhado com seu papel e responsabilidade. Registros de treinamentos precisam ser mantidos. Os programas de treinamento devem ser fundamentados em cgmp. 8.2 Doenças comunicáveis, ferimentos & consulta de saúde O gerenciamento deve assegurar que nenhuma pessoa, se ciente ou sob suspeita de estar sofrendo de /ou portando uma doença que possa resultar em um perigo à segurança do consumidor, seja permitido nas áreas de manufatura ou estocagem. 8.3 Procedimentos sanitários e de higiene pessoal Regras para padrões de higiene precisam estar disponíveis a todo o pessoal incluindo temporários ou subcontratados e visitantes. Os supervisores precisam assegurar que o colaborador tenha entendimento destas instruções. Todo o pessoal nas áreas de produção devem usar aventais/uniformes limpos. Roupas limpas em quantidades suficientes devem que ser fornecidas. Roupas de trabalho não podem ser utilizadas fora do perímetro da fábrica. Toucas devem ser usadas e cobrir completamente o cabelo. Onde luvas forem usadas, estas devem ser feitas de materiais não tóxicos e de durabilidade adequada. O pessoal deve manter as mãos e, quando aplicável, luvas limpas. A utilização de luvas não isenta a obrigação de lavagem regular das mãos. Relógios ou jóias não devem ser permitidos. Unhas devem estar curtas e mantidas limpas. Consumo de alimento, chiclete, cigarros deve ser limitado a áreas dedicadas fora da área de manufatura. Ferimentos abertos devm ser completamente cobertos por curativos a prova de água com coloração distinta do produto. 16

17 9. RESPONSABILIADADE AMBIENTAL Objetivos Gerenciar as atividades de maneira a identificar e minimizar os impactos ambientais, buscando a prevenção à poluição de seus processos, produtos e serviços, cumprindo a legislação ambiental aplicável e melhorando continuamente sua performance ambiental. 9.1 Geral É necessário Sistema de Gestão Ambiental básico incluindo política e concordância com os requerimentos legais e com a melhoria contínua Requisitos legais incluem- todas as licenças aplicáveis à legislação de esfera municipal, estadual e federal 9.2 Requisitos específicos Situações que podem comprometer a reputação da companhia devem ser reportadas imediatamente a Natura. Garantir o correto gerenciamento e destinação dos resíduos sólidos e líquidos gerados provenientes de suas atividades, em conformidade com a legislação ambiental e a prevenção à poluição Uma lista de não conformidades legais / reclamações ambientais dos últimos 3 anos & ações corretivas associadas deve estar disponível, quando aplicável É recomendado que se tenha procedimentos documentados / Instruções de trabalho para o controle de aspectos ambientais significativos: Emissões atmosféricas. Poluição sonora Contaminação de solo e mananciais Gerenciamento de substâncias perigosas Gerenciamento de utilidades Consumo de água Gerenciamento e Destinação de resíduos sólidos perigosos e não perigosos Gerenciamento de Efluentes líquidos As empresas que atuam em nome da Natura (tais como transportadoras, fabricantes de produtos acabados, empresas de gerenciamento de resíduos) devem apurar e reportar à Natura periodicamente sua performance ambiental através dos indicadores: Tema Indicador Unidade Resíduos Volume total de resíduos gerados Kg/unidade produzida sólidos Destinação de resíduos sólidos (incineração, reciclagem, % aterro, etc) Água Consumo de água M³/unidade produzida Reciclo de água relativo ao consumo total % Energia Consumo de energia Joules/unidade produzida Emissões atmosféricas Emissão de gases de efeito estufa ton CO2 17

18 10. SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Objetivo Ter um sistema de gerenciamento efetivo para assegurar que colaboradores estão trabalhando em condições seguras 10.1 Geral Recomenda-se um sistema efetivo de Saúde e Segurança no Trabalho em concordância com os requisitos legais do Ministério da Saúde e Trabalho. Condições seguras e saudáveis devem ser disponibilizadas para todos os colaboradores. Perigos e riscos associados com atividades de trabalho devem ser avaliados e controlados efetivamente Requerimentos Específicos Os colaboradores devem estar adequadamente treinados e entender os riscos relevantes e suas precauções antes de iniciar o trabalho em equipamentos. Máquinas e ferramentas devem estar protegidas ao acesso a partes em movimento, de acordo com os requerimentos legais. EPIs devem ser adequados,disponíveis e utilizados pelos colaboradores. Planos de emergência devem ser adequados, incluindo formas de evacuação seguras. Recomenda-se simulados de abandono de área. Ingredientes que apresentem características de segurança críticas (irritante, explosivo, enzimas, etc.) devem ser manuseados adequadamente. Fichas de Segurança de Materiais devem estar disponibilizados. 18

19 11. RESPONSABILIDADE SOCIAL Objetivos Reafirmar o compromisso de incorporar políticas e práticas de gestão responsável, baseadas na ética e na transparência, num processo de diálogo permanente com seus diversos públicos Compromissos éticos : Recomenda-se que a empresa tenha princípios éticos e que estes princípios estejam em um código de ética ou uma declaração de crenças e valores documentado e efetivamente lembrado nas ações do dia-a-dia. Recomenda-se que a empresa tenha uma política de diálogo aberto e transparência com os seus públicos Direitos Humanos: A empresa deve apoiar e respeitar a proteção de direitos humanos reconhecidos internacionalmente, assim como assegurar sua não-participação em violações desses direitos. (ver anexo 1) 12.3 Direitos do Trabalho: A empresa deve legalizar a relação de trabalho, apoiar a liberdade de associação e reconhecer efetivamente o direito à negociação coletiva Compromisso com o Futuro das Crianças: É imprescindível o respeito a legislação que proíbe o trabalho antes dos 16 anos (exceto aprendizes). A empresa deve possuir políticas formais que visem a erradicação do trabalho infantil e discutir com seus fornecedores esta questão, estimulando-os a cumprir a legislação. Além disso, possuir cláusula específica em seus contratos relativa à proibição deste tipo de trabalho Valorização da Diversidade: Recomenda-se o combate todas as formas de discriminação e a promoção de programas de contratação de deficientes físicos (oferecendo, inclusive recursos físicos para facilitar seu deslocamento), igualdade de remuneração e valorização das oportunidades oferecidas pela riqueza étnica e cultural de nossa sociedade Trabalho Forçado ou Compulsório: É imprescindível o respeito a legislação que proíbe o trabalho forçado. A empresa deve possuir políticas formais que visem a erradicação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório e discutir com seus fornecedores esta questão, estimulando-os a cumprir a legislação. Além disso, possuir cláusula específica em seus contratos relativa à proibição deste tipo de trabalho Combate à corrupção: A empresa deve combater a corrupção em todas as suas formas, inclusive extorsão e propina Gerenciamento do Impacto da Empresa Junto à Comunidade: A empresa precisa monitorar e reparar seus possíveis impactos na vida da comunidade (solicitação de equipamentos sociais, tráfego, zoneamento urbano, relações com vizinhos, etc.), mantendo canais de diálogo para o recebimento de demandas, reclamações e manifestações da comunidade. 19

20 12. PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Objetivos O objetivo é garantir maior envolvimento do parceiro nos projetos de desenvolvimento de novos produtos e tecnologia. Dessa forma, será possível trazer propostas para a Natura que gerem inovação e diferencial nos produtos, agregando valor ao portifólio da empresa Instalações Será considerado um diferencial- um departamento estruturado de P&D, principalmente quando dispor de projetos de novos materiais, processos de transformação ou engenharia em parceria com a Natura Processo de Desenvolvimento Sistemas de gestão de desenvolvimento de produtos: acesso a tecnologias no Brasil ou exterior, contratos com institutos de pesquisa ou universidades são recomendados. Procedimentos documentados das etapas de desenvolvimento de materiais /ou produtos até sua viabilidade técnico-financeira são recomendados Capital Intelectual Formação acadêmica do time de Pesquisa e Desenvolvimento compatível com as tecnologias adotadas é recomendada. Processo de educação continuada de modo a manter atualizada a gestão do conhecimento da organização é recomendada Capacidade para desenvolver projetos no prazo e custo concordados com a Natura é recomendada. Equipe de desenvolvimento que transpareça dinamismo, eficácia e transparência é recomendável. 20

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

Assim, acreditamos que a base para uma parceria de longo prazo está fundamentada em:

Assim, acreditamos que a base para uma parceria de longo prazo está fundamentada em: Requisitos Sistema Integrado Fornecedores : Brindes & Materiais de Apoio 2007 Índice Introdução 4 Definições 6 Requisitos Gerais 7 Instalações Físicas 8 Insumos 9 Manufatura 10 Produto Acabado 12 Estocagem,Transporte

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

Índice. Requisitos Gerais 6

Índice. Requisitos Gerais 6 Requisitos Sistema Integrado Fornecedores: Centros de Distribuição 2007 Índice Introdução 4 Definições 5 Requisitos Gerais 6 Instalações Físicas 7 Processo de Separação-Picking 8 Estocagem,Transporte e

Leia mais

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Brasil Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)

Leia mais

requisitos sistema integrado Brindes, Acessórios & Materiais de Apoio

requisitos sistema integrado Brindes, Acessórios & Materiais de Apoio requisitos sistema integrado Brindes, Acessórios & Materiais de Apoio . Essência APRESENTAÇÃO COMO LER ESSE MANUAL 1. Legislação 2. Programa de Gestão da Qualidade 3. Instalações físicas 4. insumos 5.

Leia mais

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia Representação da UNESCO no Brasil DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia 1ª Edição Brasília e São Paulo UNESCO e OBORÉ Setembro de 2009 2009 Organização das Nações

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

INTRODUÇÃO... 3 DEFINIÇÕES... 5 1. QUALIDADE / MONITORIA... 7 2. RECURSOS HUMANOS... 8 2.1. EMPREGADOS... 8 2.2. TURNOVER... 8 3. TREINAMENTO...

INTRODUÇÃO... 3 DEFINIÇÕES... 5 1. QUALIDADE / MONITORIA... 7 2. RECURSOS HUMANOS... 8 2.1. EMPREGADOS... 8 2.2. TURNOVER... 8 3. TREINAMENTO... Requisitos Sistema Integrado Fornecedores: Prestadores de Serviço de Atendimento 2006 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 DEFINIÇÕES... 5 1. QUALIDADE / MONITORIA... 7 2. RECURSOS HUMANOS... 8 2.1. EMPREGADOS... 8

Leia mais

requisitos sistema integrado Manufatura de Insumos

requisitos sistema integrado Manufatura de Insumos requisitos sistema integrado Manufatura de Insumos Essência APRESENTaçÃO COMO LER ESSE MANUAL 1. Legislação 2. Programa de Gestão da Qualidade 3. Instalações físicas 4. Recebimento e Controle de Insumos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

requisitos sistema integrado Manufatura de produtos acabados

requisitos sistema integrado Manufatura de produtos acabados requisitos sistema integrado Manufatura de produtos acabados Essência APRESENTAÇÃO COMO LER ESSE MANUAL 1. Legislação 2. Programa de Gestão da Qualidade 3. Instalações físicas 4. insumos 5. Manufatura

Leia mais

Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais

Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais Adotado e aberto à assinatura, ratificação e adesão pela resolução 2200A (XXI) da Assembléia Geral das Nações Unidas, de 16 de Dezembro

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

1.Infra-estrutura... 5. 2.Coleta... 6. 3. Transferência... 7. 4. Triagem/Roteirização... 8. 5.Distribuição... 9. 6. Gestão de ocorrências...

1.Infra-estrutura... 5. 2.Coleta... 6. 3. Transferência... 7. 4. Triagem/Roteirização... 8. 5.Distribuição... 9. 6. Gestão de ocorrências... Requisitos Sistema Integrado Prestadores de serviços: Transportadoras 2006 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Definições... 4 1.Infra-estrutura... 5 2.Coleta... 6 3. Transferência... 7 4. Triagem/Roteirização...

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM Resolução XXX, Ata Final, aprovada na IX Conferência Internacional Americana, em Bogotá, em abril de 1948. A IX Conferência Internacional Americana,

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM. (Aprovada na Nona Conferência Internacional Americana, Bogotá, 1948)

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM. (Aprovada na Nona Conferência Internacional Americana, Bogotá, 1948) In: http://www.cidh.oas.org/basicos/portugues/b.declaracao_americana.htm DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM (Aprovada na Nona Conferência Internacional Americana, Bogotá, 1948) A IX Conferência

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA 2010 Pág.: 2 de 9 A maioria das empresas exige dos seus fornecedores um excelente produto/serviço, a preço competitivo. Além disso, para nós da Saraiva, é muito importante

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

Novartis Código para Fornecedores

Novartis Código para Fornecedores Novartis Código para Fornecedores Version 1.0 01-04-2013 Introdução Finalidade Considerações éticas permeiam todas as dimensões de nossos negócios nossos processos de pesquisa, desenvolvimento, produção,

Leia mais

Estatuto sobre o Desenvolvimento Ético e Sustentável. entre a biomérieux e seus Fornecedores

Estatuto sobre o Desenvolvimento Ético e Sustentável. entre a biomérieux e seus Fornecedores Estatuto sobre o Desenvolvimento Ético e Sustentável entre a biomérieux e seus Fornecedores Prezados Fornecedores, Contribuir para a melhoria da saúde pública mundial através de diagnóstico in vitro é

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros Todas as actividades empresariais na Bristol-Myers Squibb (BMS) apoiam-se no alicerce do nosso compromisso com a integridade e a conformidade com todas as leis, regulamentos, directivas e códigos industriais

Leia mais

Relatório de avaliação dos compromissos assumidos com o Pacto Global

Relatório de avaliação dos compromissos assumidos com o Pacto Global Relatório de avaliação dos compromissos assumidos com o Pacto Global 07/06/2013 Sumário 1. O Pacto Global... 3 2. A Klabin e o Pacto Global... 5 3. Avaliação das iniciativas da Klabin para o cumprimento

Leia mais

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA O PRESIDENTE

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Anvisa - Legislação - Portarias

Anvisa - Legislação - Portarias Page 1 of 18 Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Portaria nº 327/SNVS/MS, de 30 de julho de 1997 (DOU de 07/08/97) A Secretária de Vigilância

Leia mais

SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09. UNIDO IV Documentos de Trabajo

SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09. UNIDO IV Documentos de Trabajo SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09 UNIDO IV Documentos de Trabajo Montevideo, 5 al 7 de octubre de 2009 ATUALIZAÇÃO DE BPF (RES. GMC Nº 56/96)

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES ÍNDICE PREFÁCIO par. pág. Razão de ser 1-3 13 Os objectivos 4-5 13 A origem 6-8 13 Agradecimentos: aos redactores 9 14 Agradecimentos: aos patrocinadores 10 14 Aos destinatários 11 14 ONDE COMEÇA O MANUAL

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

As 7 Regras de Ouro do Coach. 1. Aplicar o coaching com ética, integridade e honestidade. 2. Zelar pela credibilidade do coaching.

As 7 Regras de Ouro do Coach. 1. Aplicar o coaching com ética, integridade e honestidade. 2. Zelar pela credibilidade do coaching. As 7 Regras de Ouro do Coach 1. Aplicar o coaching com ética, integridade e honestidade. 2. Zelar pela credibilidade do coaching. 3. Sempre oferecer sigilo ao cliente e ater-se ao princípio do não julgamento.

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS SEXUAIS

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS SEXUAIS DECLARAÇÃO DOS DIREITOS SEXUAIS Reconhecendo que direitos sexuais são essenciais para o alcance do maior nível de saúde sexual possível, a Associação Mundial para a Saúde Sexual: DECLARA que direitos sexuais

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

Convenção Sobre os D ireitos. da Criança

Convenção Sobre os D ireitos. da Criança Convenção Sobre os D ireitos da Criança Convenção Sobre os Direitos Resumo não oficial da Criança Junho de 2000 Prefácio A presente publicação é um resumo não oficial da Convenção das Nações Unidas Sobre

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONVENÇÃO 184. Segurança e Saúde na Agricultura

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONVENÇÃO 184. Segurança e Saúde na Agricultura CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONVENÇÃO 184 Segurança e Saúde na Agricultura Genebra, 2001 Convenção 184 CONVENÇÃO SOBRE SEGURANÇA E SAÚDE NA AGRICULTURA A Conferência Geral da Organização Internacional

Leia mais

PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA

PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA "Nossos valores e normas" para Parceiros de negócios Código de conduta do parceiro de negócios da MSD [Edição 1] A MSD compromete-se com a sustentabilidade

Leia mais

PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO AMERICANA SOBRE DIREITOS HUMANOS EM MATÉRIA DE DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS, PROTOCOLO DE SAN SALVADOR

PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO AMERICANA SOBRE DIREITOS HUMANOS EM MATÉRIA DE DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS, PROTOCOLO DE SAN SALVADOR PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO AMERICANA SOBRE DIREITOS HUMANOS EM MATÉRIA DE DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS, PROTOCOLO DE SAN SALVADOR Preâmbulo Os Estados Partes na Convenção Americana sobre

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Máxima satisfação dos clientes

Máxima satisfação dos clientes www.kaeser.com Máxima satisfação dos clientes Proporcionar a melhor solução ao cliente Ofrecer preços em sintonia com as condições de mercado Produzir com a qualidade esperada Entregar nos prazos acordados

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos A Carta da Terra Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

SINDIRAÇÕES - Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal Página 2 de 31

SINDIRAÇÕES - Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal Página 2 de 31 INDICE Check List...03 Check List APPCC...23 SINDIRAÇÕES - Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal Página 2 de 31 do A Requisitos Regulamentares A.1 3 A.2 3 O fabricante tem número de registro

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE AS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS E DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS FABRICANTES DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. OBJETIVO Definir os

Leia mais

Comunicação sobre Progresso (Communication on Progress COP) 2015 para o Pacto Global das Nações Unidas (UN Global Compact)

Comunicação sobre Progresso (Communication on Progress COP) 2015 para o Pacto Global das Nações Unidas (UN Global Compact) Comunicação sobre Progresso (Communication on Progress COP) 2015 para o Pacto Global das Nações Unidas (UN Global Compact) TORCOMP Usinagem e Componentes Ltda. Brasil Setor de Automóveis e Peças Período

Leia mais

Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima de tudo, Perfeição.

Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima de tudo, Perfeição. COMMUNICATION ON PROGRESS MARCH 2014 MARCH 2015 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO UT-X FE POWDER CÓDIGO FISPQ-1616 REVISÃO 0 EMISSÃO 14/08/2012 APROVAÇÃO 14/08/2012 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

Prof Ahyrton Lourenço

Prof Ahyrton Lourenço Ministério da Justiça Secretaria Executiva Concurso Público para Provimento de Cargos do Quadro de Pessoal do Ministério da Justiça Especialista em Assistência Penitenciária e Técnico de Apoio à Assistência

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS 2003 É criada a G-COMEX ÓLEO & GÁS com o objetivo de prover soluções logísticas sob medida para o mercado de óleo, gás, energia e indústria

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais)

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) I. Preâmbulo Os requisitos que se seguem especificam

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

Pisoag do Brasil Ltda Diretor

Pisoag do Brasil Ltda Diretor Ban Ki-Moon Secretario Geral Nações Unidas New York NY 10017 USA Guarulhos, 13 de Maio de 2013 Sr. Secretario Geral, Gostaria de comunicar que a Pisoag do Brasil Ltda, apoia os Dez Principios do Pacto

Leia mais