Programa de Segurança e Saúde do Trabalho "Segurança o Tempo Todo"

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Segurança e Saúde do Trabalho "Segurança o Tempo Todo""

Transcrição

1 Página: 1/14 1. OBJETIVO Descrever as principais rotinas gerenciais de segurança e saúde do trabalho à serem desenvolvidas pela equipe da ENDICON, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade e a capacidade de trabalho do trabalhador, além do atendimento das normas e requisitos legais vigentes. Este Programa visa criar condições para normatizar e fiscalizar o atendimento da totalidade de Normas Regulamentadoras existentes, assim como, a disseminação das informações relativas à segurança do trabalho, em todos os setores da organização (estratégico, tático e operacional). A contextualização das normas legais visa facilitar o entendimento de todos os envolvidos no processo, esclarecendo a política da empresa em saúde e segurança no trabalho objetivando tornar sistêmica sua gestão. 2. APLICAÇÃO Este procedimento se aplica à todos empregados ENDICON. 3. REFERÊNCIAS 3.1. PG : 003: Levantamento de Aspectos - Perigos e Avaliação de Impactos Riscos; 3.2. PG : 005: Não Conformidade e Ações Corretivas ou Preventivas 3.3. PG : Procedimento de Consequências 3.4. PG : Investigação e Análise de Acidentes ou Quase Acidentes de Trabalho 3.5. PG : Preparação e Resposta à Emergências 3.6. PG : Conscientização e Treinamento 3.7. PG : Seleção, Cadastro e Avaliação de Fornecedores 3.9. IT : Ordem de Serviço de Segurança do Trabalhador IT : Fornecimento, Orientação e Guarda de EPIs RE : Fiscalização RE : 004: Identificação de Aspectos / Perigos e Avaliação de Impactos / Riscos RE : 007: Ata de Reunião RE : Prontuário Clínico RE : Inspeção de Extintores de Incêndio Fixos

2 Página: 2/ RE : Inspeção de Extintores de Incêndio Veículos RE : Declaração de Recebimento de Documentos de Segurança do Trabalhador RE : Controle de Certificados de Aprovação de EPI RE : Autorização de Troca de Material RE : Controle de Ensaios / Calibração de Equipamentos RE : Análise Preliminar de Riscos APR RE : Itens de Controle de Ações de Segurança RE : Inspeção de Instalações RE : Auditoria de Documentos de Saúde e Segurança do Trabalho RE : Relato de Ocorrência / Melhoria RE : Lista de Presença RE : Habilitação de Acesso na Rede Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego, disponíveis no site Portaria MTB de 08 de junho de1978: Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do Trabalho, relativas a Segurança e Medicina do Trabalho 4. DEFINIÇÕES 4.1. Acidente: é um incidente que levou a um dano, doença ou fatalidade APR: : Análise Preliminar de Risco 4.3. ASO: : atestado de Saúde Ocupacional 4.4. CA: Certificado de Aprovação 4.5. CAT: : Comunicação de Acidente de Trabalho 4.6. CIPA: Comissão Interna de Prevenção de Acidentes 4.7. DDS: Diálogo Diário de Segurança 4.8. EPC: Equipamentos de Proteção Coletiva

3 Página: 3/ EPI: Equipamentos de Proteção Individual FISPQ: : Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Incidente: Evento(s) relacionado(s) ao trabalho ou doença (independente do grau de severidade) ou fatalidade que tenha ocorrido ou que poderia ter ocorrido. NOTA: Um incidente onde não haja ocorrência de dano, doença ou fatalidade pode também ser considerado como um quase acidente, problema que quase aconteceu, ato de livrar-se por um triz ou ocorrência perigosa. NOTA: Uma situação de emergência é um tipo particular de incidente IT: Instrução de Trabalho Não conformidade: Não atendimento a um requisito (Norma de referência, legislação, procedimento interno ou outros requisitos assumidos pela organização) NR: : Norma Regulamentadora PAE: : Planos de Ação Emergencial PCMSO: : Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) PPCI: Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio PPRA: : Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PRE: Preparação e Resposta à Emergências SESMT: : Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho SGI: Sistema de Gestão Integrado SST: : Segurança e Saúde do Trabalho TF: Taxa de Frequência TG: Taxa de Gravidade 5. ATIVIDADES 5.1. Composição e responsabilidades do SESMT O Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT) é obrigatório a todas as empresas, conforme definido pela Norma Regulamentadora nº. 04, da portaria de A fim de atender as determinações desta NR, a ENDICON possui uma área de SESMT corporativo e SESMT s locais, que estão totalmente alinhados com o enquadramento de grau de risco de cada unidade / regional.

4 Página: 4/ SESMT corporativo A estrutura corporativa do SESMT é representada através da Coordenação de Segurança no Trabalho, Certificações e Qualidade e está sediada na Matriz da empresa localizada em Belém PA e conta com Técnicos de Segurança que tem como principal responsabilidade a gestão corporativa do SESMT, através das seguintes atividades principais: - Orientar a empresa em relação as NRs aplicáveis à atividade exercidas; - Buscar a eliminação dos riscos existentes à saúde do trabalhador; - Quando o risco não puder ser eliminado, buscar soluções de prevenção coletiva; - Na impossibilidade da aplicação de uma solução de prevenção coletiva indicar o uso de EPI(s); - Criar normas e procedimentos corporativos; - Comunicar, treinar e monitorar o cumprimento das normas e procedimentos estabelecidos; - Analisar indicadores de desempenho de Segurança e Saúde Ocupacional das regionais, gerando indicadores icadores corporativos; - Promover ações preventivas de acordo com a análise dos indicadores; - Apresentar indicadores corporativos de Segurança e Saúde Ocupacional para a Alta Direção; - Informar todos os acidentes de trabalho ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) por meio da emissão do Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT); - Realizar levantamento e valoração de Perigos e Riscos conforme procedimento PG (Levantamento de Aspectos - Perigos e Avaliação de Impactos Riscos); - Elaboração e coordenação do PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), bem como da Análise Global do mesmo; - Gestão do PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Operacional); A figura abaixo apresenta o organograma macro da empresa onde pode ser visualizada a localização da Coordenação de Segurança do Trabalho Certificações e Qualidade. Presidência Vice Presidência de Gestão Diretoria Comercial Coordenação de Segurança do Trabalho - Certificações e Qualidade Segurança do Trabalho Qualidade Certificações ISO / OHSAS

5 Página: 5/ SESMT Local (unidade / regional) Os SESMT s das unidades / regionais conta com dimensionamento em conformidade com a NR- 04, possuindo estrutura ligada hierarquicamente a Gerencia da Regional e ligada ao SESMT corporativo através da Visão de Processo. Além de coordenar, implantar e / ou executar as atividades propostas por este procedimento e pelas instruções de trabalho vinculadas a este, o SESMT da unidade / regional terá ainda como atribuições: - Buscar a eliminação dos riscos existentes à saúde do trabalhador; - Quando o risco não puder ser eliminado, deverá buscar soluções de prevenção coletiva; - Na impossibilidade da aplicação de uma solução de prevenção coletiva indicar o uso de EPI(s); - Criar normas e procedimentos locais; - Comunicar, treinar e monitorar, no âmbito operacional, o cumprimento das normas e procedimentos locais e estabelecidos pelo SESMT corporativo; - Coordenar o atendimento de situações de emergências e a execução de treinamentos simulados; - Realizar auditorias de segurança nos postos de trabalho e nos ambientes acessórios; - Realizar treinamentos para os componentes da CIPA, caso julgue necessário; - Promover, em conjunto com a CIPA, campanhas de conscientização a serem realizadas na empresa (SIPAT, Campanha contra AIDS, Combate ao Alcoolismo, Cuidados no Trânsito especialmente para usuários de motocicletas, entre outras); - Conduzir a análise, investigação e registros de acidentes ocorridos na empresa, reportando os resultados destas investigações para a Gerencia Regional, para o SESMT corporativo e para o Cliente (quando definido em contrato); - Realizar a gestão do PPRA e do PCMSO da sua área de atuação, controlando a validade, solicitando nova avaliação e controlando a implementação das ações decorrentes destes programas; - Monitorar e gerenciar os riscos identificados através do PPRA que não puderem ser eliminados, estabelecendo rotinas internas de segurança e caso necessário, determinando medidas de controle como EPIs (Equipamento de Proteção Individual) ou preferencialmente EPCs (Equipamento de Proteção Coletiva). - Participar de comissões locais relacionadas a questões de segurança e saúde e ações relacionadas a implantação do Sistema de Gestão de Integrado no que tange a questões de segurança e saúde do trabalho; - Participar da atividade de Levantamento e valoração de Perigos e Riscos conforme procedimento PG (Levantamento de Aspectos - Perigos e Avaliação de Impactos Riscos); - Colaborar quando solicitado nos projetos e na implantação de novas instalações físicas e tecnológicas da empresa; Medicina do Trabalho O SESMT local é responsável por realizar programas que visem a saúde dos empregados da empresa. Programas como PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais) e PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) devem ser elaborados, melhorados e controlados periodicamente pelo SESMT.

6 Página: 6/14 O Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) será elaborado por Médico do Trabalho que poderá ser empregado contratado da empresa ou contratado apenas para elaboração do PCMSO, de acordo com o dimensionamento proposto pela NR. O PCMSO contemplará o planejamento de ações de saúde a serem executadas durante o ano, ações estas que ficarão sob responsabilidade do SESMT local. De acordo com as características de cada unidade / regional analisadas via PCMSO, serão realizados exames médicos de admissão, periódico, troca de função ou desligamento, que serão registrados através de um ASO (atestado de Saúde Ocupacional). O registro utilizado poderá ser o formulário RE (Prontuário Clínico) ou o formulário da clínica contratada Composição e responsabilidades da CIPA Conforme definido pela Norma Regulamentadora nº. 05, da portaria de 1978, toda a empresa deverá constituir e manter a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA), sendo esta comissão composta por representantes do empregador e dos empregados (esses eleitos de acordo com a legislação). O dimensionamento da CIPA da ENDICON segue a tabela apresentada pela Norma Regulamentadora nº. 05, tendo como base o contingente de cada pólo de operação. A definição da composição da CIPA e os respectivos mecanismos de dimensionamento de seu corpo funcional, de eleição e gestão da CIPA é de responsabilidade do SESMT local. A CIPA tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde do trabalhador, bem como observar, em conjunto com o SESMT as disposições das Normas Regulamentadoras, da portaria de As ações da CIPA serão desenvolvidas em conjunto com os profissionais do SESMT e registradas através de atas das reuniões realizadas (RE : 007: Ata de Reunião). A CIPA terá reuniões ordinárias de acordo com calendário pré estabelecido. Essas reuniões periódicas servirão para fixar metas e também avaliar o cumprimento das metas já estabelecidas, assim como discussão de situações de risco identificadas. É responsabilidade da CIPA identificar os riscos de trabalho, assim como elaborar o mapa de riscos e ações preventivas, com a participação do maior número de trabalhadores e com assessoria do SESMT. Periodicamente, verificações es do ambiente e das condições de trabalho devem ser realizadas visando identificação de situações de risco a segurança dos empregados. Faz parte das responsabilidades da CIPA também a divulgação aos empregados de informações relativas à segurança e saúde no trabalho. Ações de conscientização como a Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho deve ser realizada pelo menos anualmente, sendo desenvolvidas pela CIPA em conjunto com o SESMT. A CIPA deve participar junto com o SESMT de diversas atividades, tais como discussões para análise de impacto de alterações do ambiente / processo, desenvolvimento e implementação de programas relacionados à segurança e saúde no trabalho ou até mesmo análises de causas de doenças e acidentes de trabalho, auditorias as de segurança, conforme legislação.

7 Página: 7/14 Nas regionais onde são disponibilizados quadros de Placar de acidentes caberá também a CIPA a atualização do mesmo Capacitação Profissional / Treinamento Faz parte das responsabilidades da área de Recursos Humanos e SESMT Corporativo controlar e realizar ações para habilitação e capacitação dos empregados conforme procedimento PG (Conscientização e Treinamento). Essas ações controlam as funções da empresa, determinando os critérios mínimos exigíveis a cada função, como escolaridade, habilidades específicas, condições físicas, estabelecendo os treinamentos necessários a cada função. Cabe ao SESMT monitorar para que os programas de treinamentos, especialmente ecialmente no que se refere as capacitações exigidas por normas regulamentadoras, como NR-10, NR-12, NR-33 e NRque estejam com acesso a rede estejam com sua capacitação em dia e portando o crachá RE (Habilitação de Acesso na 35, estejam sendo seguido na íntegra e que os empregados Rede) Ordem de Serviço de Segurança do Trabalhador Com o objetivo de transmitir instruções de segurança para os trabalhadores de acordo com as Normas Regulamentadoras nº 01, em seu item 1.7 alíneas b e c, e NR-10, em seu item 10.7 alínea b e seus parágrafos, combinado com o item e subitens desta mesma norma, a ENDICON institui a instrução de trabalho IT (Ordem de Serviço de Segurança do Trabalhador) que será comunicado a todo empregado no momento da sua integração. Neste momento o empregado também assinará uma declaração de recebimento desta instrução (RE : Declaração de Recebimento de Documentos de Segurança do Trabalhador) Controles Operacionais Os processos operacionais desenvolvidos pelas regionais da Endicon possuem procedimentos de gestão que apresentam o fluxo de seu processo e a interação com instruções de trabalho ou procedimentos do cliente que apresentam o detalhamento sobre a execução da atividade e os principais controles necessário para minimização dos riscos de segurança e saúde do trabalhador e aspectos ambientais presentes na atividade. Todo empregado da ENDICON recebe conhecimento da documentação operacional referente a sua atividade ade na integração como novo empregado ou no momento da alteração da sua função na empresa, conforme definido através do procedimento PG (Conscientização e Treinamento), sendo informado neste momento mento o local onde estes documentos estarão disponíveis para consulta. Também é disponibilizado para consulta dos empregados a planilha de Identificação de Aspectos / Perigos e Avaliação de Impactos / Riscos (RE ) onde são relacionados os perigos e riscos a segurança e saúde do trabalhador por processo e os controles operacionais que são disponibilizados ao empregado como forma de minimizar os riscos presentes em cada atividade.

8 Página: 8/14 Quando aplicável, no posto de trabalho serão dispostas placas indicativas com os cuidados que o trabalhador deverá ter na execução de seu trabalho, bem como indicação de rotas de fuga e saídas de emergências para facilitar numa possível necessidade de abandono do local de trabalho por uma situação de emergência Gestão de Produtos Químicos Os Produtos Químicos que são manipulados pelos empregados ENDICON são mantidos em sua embalagem original, visando manter a codificação de riscos informados pelo fabricante. Além deste cuidado, todos os produtos químicos manipulados possuem, no seu local de armazenagem, a sua FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico) correspondente, de forma que o trabalhador possa conhecer todos os riscos químicos a que o mesmo está exposto Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI) O PPCI determina as medidas de prevenção a incêndio, especificando os materiais necessários, quantidades e localização destes. O PPCI será coordenado pelo SESMT, que será responsável pela validação deste programa junto ao Corpo de Bombeiros local, e pela realização de inspeções de funcionamento dos equipamentos Inspeção e Recarga de Extintores de Incêndio Os extintores de incêndio são equipamentos que devem estar dispostos em condições para uso em situações de emergências. Para garantir isto o SESMT local realiza inspeção visual mensais de todos os equipamentos instalados nas estruturas físicas e nos veículos da empresa. Para inspeção dos extintores das instalações físicas é utilizado como check-list e registro, o formulário RE (Inspeção de Extintores de Incêndio Fixos) e para os extintores de veículos é utilizado o formulário RE (Inspeção de Extintores de Incêndio Veículos). Os extintores descarregados (utilizados) ou com irregularidades identificadas durante as inspeções, devem ser corrigidas imediatamente, incluindo também a necessidade de recarga, sendo que sempre que for necessária a retirada de um equipamento para conserto ou recarga deverá ser disponibilizado outro equipamento no local. A ENDICON não realiza reteste dos equipamentos sendo optado pela substituição do equipamento quando expirado o prazo de reteste Inspeção de demais equipamentos que compõem o PPCI De acordo com a característica de operação da unidade / regional, poderá ser solicitado pelo programa outros equipamentos para combate a incêndio, sendo que neste caso caberá ao SESMT local a definição de inspeções necessárias para manter tais equipamentos em perfeitas condições de operação.

9 Página: 9/ Controle de Equipamentos de Proteção Individual O EPI somente poderá ser adquirido e utilizado pela ENDICON, se seu CA (Certificado de Aprovação) estiver válido. Os EPIs serão gratuitamente fornecidos aos empregados. O uso do EPI é obrigatório e deve ser inspecionado pelo SESMT e pela CIPA e o empregado deve ser treinado na utilização deste EPI, caso seja necessário. A Endicon definiu rotinas para controle de fornecimento, orientação, guarda, higienização e inspeção dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), descrevendo como deverão ser realizadas as entregas, orientações sobre o uso de EPI, manutenção, higienizaçãoização e conservação, bem como as inspeções realizadas nestes EPIs. Estas rotinas são gerenciadas da seguinte maneira: Controle de certificado de aprovação de EPIs Todos os EPIs utilizados pela Endicon são controladas pelo SESMT local com relação à validade do seu CA, este controle é realizado através do RE (Controle de Certificados de Aprovação de EPI), sendo que todos os certificados válidos dos equipamento em uso na regional são mantidos arquivados para consulta enquanto o equipamento permanecer em uso Fornecimento, orientação e guarda de EPI Com o objetivo de orientar aos empregados como deverá ser realizada a entrega e o fornecimento de orientações sobre o uso de EPI, sua manutenção e conservação, bem como a obrigatoriedade do uso dos EPI nas atividades que ofereçam riscos de acidentes com lesão ou doenças relacionadas ao trabalho, a ENDICON criou uma instrução de trabalho, a IT (Fornecimento, Orientação e Guarda de EPIs). Esta instrução de trabalho apresenta também as formas de registros de retirada e devolução de EPI por parte do empregado, devendo ser de conhecimento de todos os empregados da empresa que fazem uso de tais equipamentos Inspeção e higienização de EPIs Para realização de inspeção e higienização dos equipamentos de proteção individual (EPI), a ENDICON definiu instruções de trabalho de acordo com os processos de cada regional, onde são detalhados os EPIs específicos utilizados para as atividades do processo Controle de Equipamentos de Proteção Coletiva Os EPCs utilizados para a operação, são retirados junto ao almoxarifado local, por meio de solicitação via sistema Gestor Corp ou formulário de requisição específico (quando a unidade não dispor deste sistema). A responsabilidade pela liberação do material é do Coordenador / Supervisor de Operações do Processo ou do SESMT local, que emitirá o formulário RE (Autorização de Troca de Material). A retirada do material deverá ocorrer junto ao almoxarifado local mediante apresentação desta solicitação, sendo que o representante do Almoxarifado local fará o registro de entrega deste material na ficha do colaborador líder da equipe ou do veículo do mesmo, ficando sob responsáveis dos usuários, a manutenção, higiene e conservação deste material.

10 Página: 10/14 Para a realização de inspeção nos Equipamentos de Proteção Coletivos (EPCs), a ENDICON implementou também formulários específicos de acordo com os processos de cada regional, onde constam os EPCs específicos utilizados para as atividades do processo e inspeções realizadas nestes EPCs Controle de Ensaio Elétrico de EPI e EPC Na execução dos processos da ENDICON, existem EPIs, EPCs, ferramentas e equipamentos que necessitam de ensaios elétricos que visam atestar a sua eficiência diante das especificações para operação em circuitos elétricos. São exemplos de equipamentos que necessitam de ensaios periódicos: - Detector de ausência de tensão: emite um sinal sonoro e luminoso quando o alimentador que a equipe esta interagindo, venha a ser desenergizado; - Detector de tensão: utilizado para verificar a presença de energia elétrica; - EPIs: luvas; - EPCs: mangas isolantes, cobertura de cabos; - Ferramentas: chaves fenda, philips, alicate; - Equipamentos: Sky Munck; - Alicate mecânico / hidráulico São exemplos de equipamentos que necessitam de calibração: - Teste fase: utilizado para a comparação de fase, utilizado em transposições de condutores em finais de rede ou em atividades complexas; - Condutivímetro: instrumento utilizado para medir a condutividade da água; Estes equipamentos são ensaiados em intervalos especificados contra padrões de medição rastreáveis a padrões de medição internacionais ou nacionais. Estes ensaios serão realizados pelo Laboratório de Ensaio Elétrico da ENDICON ou por empresas homologadas como prestador de serviço crítico à SST, conforme procedimento PG (Seleção, Cadastro e Avaliação de Fornecedores). O planejamento da realização destes ensaios, bem como o registro das calibrações realizadas, são evidenciados através do RE (Controle de Ensaios / Calibração de Equipamentos). A responsabilidade pelo agendamento, acompanhamento da realização dos ensaios e arquivamento destes laudos é do SESMT local, podendo no entanto estes controles ser compartilhados com a área administrativa em algumas regionais. A liberação do uso do equipamento fica condicionado a aprovação do laudo do ensaio realizado, que se dará através da avaliação dos resultados dos ensaios frente aos requisitos apresentados através do RE Esta liberação será evidenciada através de carimbo de APROVADO com respectiva assinatura do responsável pela liberação do uso do equipamento. A identificação da validade do ensaio do equipamento está afixada no próprio equipamento ou na sua respectiva caixa. Quando o ensaio reprovar um equipamento, este será imediatamente marcado, separado e/ou inutilizado de forma que não possa ser reutilizado, ou acondicionado em ambiente com acesso restrito com clara identificação de MATERIAL OU EQUIPAMENTO NÃO CONFORME.

11 Página: 11/14 NOTA: A validade do ensaio elétrico nas ferramentas isolantes devem obedecer as especificações do fabricante, e na ausência desses, deverão ser realizadas anualmente, atendendo a determinação da Norma Regulamentadora Nº Análise Preliminar de Riscos - APR Antes de iniciar os serviços de construção ou manutenção elétrica, a equipe deverá realizar o preenchimento da APR (Análise Preliminar de Risco), onde verificará as condições de riscos em que se encontra o ambiente de trabalho e adotará as medidas de segurança cabíveis ou necessárias. Quando o cliente exigir o uso do seu modelo de APR, a Endicon seguirá esta determinação, no entanto quando o cliente não exigir o uso do seu modelo, este registro deverá ser através do formulário RE Preparação e Resposta à Emergências A fim de detalhar as diretrizes para o atendimento a situações de emergência, a partir de eventos ocorridos nas instalações ou durante atividades externas executadas pela equipe da ENDICON, e com a finalidade de preservar o patrimônio da empresa, o meio ambiente e garantir condições de segurança para todos empregados em seu ambiente de trabalho, a ENDICON desenvolveu um procedimento que apresenta o seu PRE, Preparação e Resposta à Emergências (PG ). Este procedimento apresenta: - A estrutura de pessoal capacitado para atendimento a situações de emergências; - A capacitação da equipe; - Os principais recursos disponíveis; - As inspeções a serem realizadas nos materiais disponíveis; - Os principais cenários de emergência e os PAE s (Planos de Ação Emergencial) definidos para cada um dos cenários mapeados; - As formas de disponibilização do PRE e dos PAE s para a equipe; - A realização de treinamentos simulados e atendimento a situações s de emergência real; - A Reposição de recursos consumidos e a destinação de resíduos gerados em simulados ou situações de emergência real; - O registro e condução da análise crítica do PRE Investigação e Análise de Acidentes e Quase Acidentes O procedimento PG (Investigação e Análise de Acidentes ou Quase Acidentes de Trabalho) foi desenvolvido com o objetivo de identificar promover uma investigação detalhada das causas dos acidentes e determinar providências para evitar que estes se repitam. Para isto o PG apresenta os passos necessários para realização da investigação das causas destas ocorrências, as principais funções que serão envolvidas nesta investigação e também o encaminhamento a ser dado às ações definidas a partir da investigação realizada.

12 Página: 12/ Relato de Ocorrência / Melhoria Qualquer empregado da Endicon poderá emitir ou solicitar ao seu líder imediato o registro do relato de uma ocorrência identificada ou propor uma melhoria sobre os temas de Qualidade, Saúde, Segurança e Meio Ambiente, através do registro RE Após o registro, o RE deverá ser entregue ao Supervisor da área, que deverá analisar e propor ações imediatas para solução do problema ou implementação da melhoria proposta pelo seu liderado. Caso necessário o Supervisor deverá envolver o SESMT e/ou o representante do SGI para auxiliá-lo lo na solução do relato, podendo definir pela abertura de uma não conformidade real ou potencial conforme procedimento PG (Não Conformidade e Ações Corretivas ou Preventivas). Cada líder será o responsável pela gestão dos Relatos de Ocorrência / Melhoria emitidos por sua equipe, sendo que nenhum RE deverá ficar sem encerramento mesmo que seja definido pela não implantação de uma melhoria proposta, devendo o emitente ser comunicado sobre esta decisão. O Relato de Ocorrência / Melhoria também será utilizado sempre que for verificado um desvio durante as inspeções de instalações, auditorias de documentação de saúde e segurança e qualquer outro desvio identificado durante a execução das atividades operacionais ou administrativas Diálogo Diário de Segurança - DDS O SESMT de cada regional deverá planejar a realização de DDS (Diálogo Diário de Segurança). Os DDSs devem ocorrer diariamente tendo o seu foco principal promover a conscientização sobre assuntos relacionados a Segurança do Trabalho, mas podendo também envolver temas sobre Saúde do Trabalhador e Meio Ambiente. Estes diálogos são constituídos de Treinamentos, Palestras ou mesmo Reuniões devendo os mesmos ser registrados através do RE (Lista de Presença). O SESMT corporativo também terá responsabilidade de sugerir temas a serem abordados nestes DSS Indicadores de Segurança e Saúde do Trabalho Anualmente o SESMT corporativo define indicadores de desempenho de segurança e saúde do trabalho e respectivas metas por cargo ou função para cada unidade / regional. Mensalmente, até o dia 5 do mês subseqüente, os responsáveis pelos SESMT locais deverão enviar para o SESMT corporativo, os indicadores de desempenho de segurança e saúde do trabalho da unidade / regional. Estes indicadores serão informados ao SESMT corporativo através do preenchimento do formulário RE (Itens de Controle de Ações de Segurança), onde constam os itens relacionados abaixo e as respectivas metas por cargo. Os principais indicadores monitorados são:

13 Página: 13/14 1. Fiscalização (em campo): Fiscalizações realizadas com base no formulário específico sugerido pelo Cliente ou, na ausência deste, através do formulário RE (Fiscalização), conforme estabelecido no procedimento PG (Procedimento de Consequências). 2. Inspeções: Corresponde a check-lists programados que serão realizados quando as equipes não estiverem realizando atividades de campo) EPI/EPC e Ferramentas: Inspeções realizadas conforme estabelecido nos itens e 5.9 deste procedimento Viaturas: Inspeções conforme formulário específico do tipo de veículo (definido por cada regional) Instalações: Inspeções a serem realizadas em escritórios, alojamentos, bases operacionais, almoxarifados, etc, utilizando para isto o registro RE (Inspeção de Instalações) 3. Diálogo Diário de Segurança (DDS): Este indicador controla o número de Diálogos de Saúde, Segurança e Meio Ambiente, que são realizados conforme detalhado no item 5.15 deste procedimento, devendo as mesmas ser evidenciadas através de Lista de Presença (RE ). 4. Palestras na comunidade: Palestras realizadas na comunidade local com o objetivo de disseminar questões de saúde, segurança e meio ambiente. 5. Participação ipação de reuniões de segurança: Participação em reuniões que discutem temas de segurança do trabalho, devendo também ser evidenciadas através de Ata de Reunião (REntos ou avaliações de segurança: Participação em treinamentos ou avaliações de segurança do trabalho ). 6. Participação em treinamentos 7. Auditoria em documentação de segurança: Auditorias a serem realizadas na documentação de segurança do trabalho, como O.S., CIPA, ASO, ficha EPIs, certificados eletricistas, NR 10, etc. As auditorias deverão ser evidenciadas através do preenchimento do formulário RE (Auditoria de Documentos de Saúde e Segurança do Trabalho). Junto com o RE , o SESMT local deverá repassar por para o SESMT corporativo os dados citados abaixo, com o objetivo de ser calculado os indicadores de TF (Taxa de Frequência) e TG (Taxa de Gravidade). - Número de empregados da regional; - Número de horas trabalhadas no mês; - Número de APR (Análise Preliminar de Riscos) aplicadas no mês. NOTA: Embora exista o reporte dos indicadores para o SESMT corporativo, cada unidade / regional realiza o gerenciamento dos seus indicadores, sendo responsáveis pela tomada de ações quando verificado desvios nas metas estabelecidas, no entanto com base nos resultados poderão também ser definidas ações corporativas que serão gerenciadas por cada SESMT.

14 Página: 14/ Procedimento de Consequências Com base em observações realizadas em campo, foi possível mapear os principais atos inseguros praticados pelos empregados durante a execução das tarefas. Após este mapeamento foi identificado que os empregados possuem o treinamento e conhecimento sobre os procedimentos de segurança do trabalho e utilização de EPIs, EPCs, ferramentas e equipamentos, entretanto, ainda assim devido a não possuírem cultura e/ou hábito de segurança, em muitos momentos estes procedimentos os não são seguidos. Desta forma houve a necessidade de aplicação de sanções disciplinares, a fim de coibir a pratica destes atos. Com o objetivo de cumprir com requisitos legais, exigidos na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), em seu Art. 157 Cabe às empresas: I- cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho, a ENDICON estabelece o PG (Procedimento de Conseqüências) para aplicação de sanções disciplinares aos seus empregados, de acordo com a irregularidade ou ato inseguro praticado durante a execução dos serviços ou sua jornada de trabalho. Uma vez mapeados os atos inseguros, aplicar-se-á uma consequência, de acordo com a gravidade, ade, previamente estabelecida e constante na Tabela de Sanções Disciplinares, apresentado através do PG Logomarca Para divulgação do Programa de Segurança e Saúde do Trabalho, a ENDICON utilizará a logomarca abaixo em seus documentos e na assinatura dos s. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS 6.1. Este documento somente será considerado válido se acompanhado da sua respectiva Folha de Controle de Aprovação de Documentos (RE ), referente a esta revisão Todas as cópias impressas deste documento que não possuírem carimbo de cópia controlada serão consideradas não controladas perante o Sistema de Gestão Integrado.

15

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho,

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUMÁRIO

RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUMÁRIO TERCEIRIZADAS NA SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO... 02 3. CONCEITOS... 02 4. NORMAS APLICÁVEIS E DOCUMENTOS DE REFERÊNCIAS... 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS... 03 6. PROCEDIMENTOS... 03 7. CONTROLE DE REGISTROS...

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Sustentabilidade Para garantir um futuro próspero às próximas gerações, nós fomentamos a Sustentabilidade como um pilar fundamental para o

Leia mais

Segurança e Medicina Ocupacional

Segurança e Medicina Ocupacional Segurança e Medicina Ocupacional Este documento apresenta as exigências mínimas para prestadores de serviços, referentes a Segurança e Medicina Ocupacional. 1 - Condições Básicas 1.1 - Plano de Segurança

Leia mais

LP EMPREENDIMENTOS CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO LTDA

LP EMPREENDIMENTOS CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO LTDA PROGRAMA DE GESTÃO DE SMS Procedimento Operacional Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados à Gerência de Operações, indicando o item a ser revisado, a proposta e a

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 2.a SEP PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Cortesia: Antônio Henriques & Isegnet Projeto de Inserção: 3RFollowGoGreener Aplicação: MPEM Rede Petro/SEBRAE Contato: www.isegnet.com.br

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

ANEXO NPSSO-HUBFS001 DIRETRIZES EM SSO SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL

ANEXO NPSSO-HUBFS001 DIRETRIZES EM SSO SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL 1 de 18 1. OBJETIVO Estabelecer e manter procedimentos para acessar, identificar e manter atualizados os requisitos legais aplicáveis pertinentes às áreas de segurança e saúde ocupacional. 2. CAMPO DE

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS

REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS 1. EPI s (Equipamentos de Proteção Individuais): Equipamento de Segurança de fabricação nacional ou estrangeira destinado a proteger a integridade física

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL TÍTULO : SAÚDE E SEGURANÇA 1. OBJETIVO: Informar, conscientizar e instruir os colaboradores, sobre possíveis riscos inerentes as funções desempenhadas em seu dia a dia do trabalho.

Leia mais

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA Sindilojas, 24 de julho de 2014 Legislação da CIPA Decreto-lei nº 7.036 de 10/11/1944 (Lei de Acidentes do Trabalho): Art. 82. Os empregadores, cujo número

Leia mais

NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT)

NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) Zelãene dos Santos SEGURANÇA DO TRABALHO E MEIO AMBIENTE NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) 4.1. As empresas privadas e públicas, os órgãos públicos

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTE

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTE CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTE OBJETIVO Prevenir acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção

Leia mais

AUDITORIAS INTEGRADAS DE SAÚDE E SEGURANÇA PRÁTICA DE SUCESSO NA GESTÃO DE CONTRATOS DA CELPE

AUDITORIAS INTEGRADAS DE SAÚDE E SEGURANÇA PRÁTICA DE SUCESSO NA GESTÃO DE CONTRATOS DA CELPE AUDITORIAS INTEGRADAS DE SAÚDE E SEGURANÇA PRÁTICA DE SUCESSO NA GESTÃO DE CONTRATOS DA CELPE Autores Andréa Katherine Vera Cruz Hugo Leonardo Vidal de Souza Araújo Sérgio Melo de Oliveira Moreira Simone

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI)

Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI) Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI) A legislação que trata de EPI no âmbito da segurança e saúde do trabalhador é estabelecida pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A Lei

Leia mais

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 1987-2012 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Legislação

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013

Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013 Julho/2012 Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013 Slogan: Segurança se faz com Educação MÊS Atividades * Reunião Ordinária e Posse da CIPA: 06/07/2012 * Implantação da Urna de Sugestões da CIPA.

Leia mais

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO MÓDULO 1 ADMISSÃO 1.2 EXAME MÉDICO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE ARQUIVAR O NOVO, PARA EVITAR A SUPERLOTAÇÃO

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA APOIO AO HOMEM DCA 164-1 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA

COMANDO DA AERONÁUTICA APOIO AO HOMEM DCA 164-1 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA COMANDO DA AERONÁUTICA APOIO AO HOMEM DCA 164-1 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA 18 JUN 2002 COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO Cria e regulamenta a Brigada de Incêndio e Emergência do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL. NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NAISST REGIMENTO INTERNO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art 1º. Este Regimento Interno estabelece e disciplina a estruturação e o

Leia mais

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs Pág.: 1/5 1 Objetivo 1.1 Esta Norma estabelece os procedimentos relativos ao funcionamento das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs na COPASA MG. 1.2 Aplica-se a todos os empregados e Unidades

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável do Brasil INDICAR NESTE QUADRO EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA. APROVAÇÃO T.E Nome Rubrica Nome Rubrica E DIREX

Desenvolvimento Sustentável do Brasil INDICAR NESTE QUADRO EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA. APROVAÇÃO T.E Nome Rubrica Nome Rubrica E DIREX Desenvolvimento Sustentável do Brasil Nº Fls.: 01/18 INDICAR NESTE QUADRO EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA Rev/ Rev/ Fls. 01 02 03 04 05 06 07 08 09 Fls. 01 02 03 04 05 06 07 08 09 01 16 02 17 03 18 04 19

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS ANTES DO INÍCIO DOS TRABALHOS Fornecer cópia deste manual a sua equipe de liderança, e exigir o seu cumprimento de acordo com o Artigo 157 Item I

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP LEGISLAÇÃO A Portaria n 3214, de 08/06/1978, aprovou as normas regulamentadoras NR do capítulo V, Título II, da CLT, relativas a segurança e medicina do trabalho. Atualmente

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA Nome da atividade: DE PERDAS AUDITIVA RESULTADOS ESPERADOS: - PREVENIR A INSTALAÇÃO DE PERDAS AUDITIVAS OCUPACIONAIS. - CONTROLAR A EVOLUÇÃO DE PERDAS JÁ EXISTENTES - DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE PERDAS AUDITIVAS

Leia mais

5.5.4 Para cada eleição deverá haver uma folha de votação que ficará arquivada na empresa por um período mínimo de 3 (três) anos.

5.5.4 Para cada eleição deverá haver uma folha de votação que ficará arquivada na empresa por um período mínimo de 3 (três) anos. NR 5 5.1 As empresas privadas e públicas e os órgãos governamentais que possuam empregados regidos pela ConsoIidação das Leis do Trabalho - CLT ficam obrigados a organizar e manter em funcionamento, por

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria MTE n.º 593, de 28 de abril

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

REGULAMENTO Título I DA COSAT Art. 1º - Os servidores (técnico-administrativos e docentes) da Universidade organizarão na sua unidade, acadêmica e

REGULAMENTO Título I DA COSAT Art. 1º - Os servidores (técnico-administrativos e docentes) da Universidade organizarão na sua unidade, acadêmica e REGULAMENTO Título I DA COSAT Art. 1º - Os servidores (técnico-administrativos e docentes) da Universidade organizarão na sua unidade, acadêmica e administrativa, e nos órgãos suplementares da administração

Leia mais

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação:

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação: MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 24, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (D.O.U. de 30/12/94 Seção 1 págs. 21.278 e 21.280) O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO,

Leia mais

Secretaria da Administração

Secretaria da Administração Secretaria da Administração Procedimento para Elaboração de Programas de Segurança para Empresas Contratadas PCMSO / PPRA / PCMAT / ARO Revisão 00 2014 1. Objetivo Estabelecer as exigências mínimas sobre

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 037

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 037 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão anual conforme Norma Regulamentadora 33 Alteração nos envolvidos para análise e aprovação. Demais envolvidos na análise

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO MED-SET QUALIDADE DE VIDA 1 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL EMPRESA: BORSARI - ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE

Leia mais

Técnico de Segurança do Trabalho

Técnico de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação 02

Leia mais

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Toda empresa deve adotar uma Política de Higiene e Segurança do Trabalho e ao adotar políticas para as suas atividades, as empresas passam a dispor de instrumentos

Leia mais

60.107 - EXAMES MÉDICOS DE SAÚDE OCUPACIONAL DATA DE APROVAÇÃO: 21/12/1999 ÍNDICE - EXAMES MÉDICOS DE SAÚDE OCUPACIONAL...01/02

60.107 - EXAMES MÉDICOS DE SAÚDE OCUPACIONAL DATA DE APROVAÇÃO: 21/12/1999 ÍNDICE - EXAMES MÉDICOS DE SAÚDE OCUPACIONAL...01/02 60.107 - EXAMES MÉDCOS DE SAÚDE OCUPACONAL DATA DE APROVAÇÃO: 21/12/1999 ÍNDCE CAPÍTULO - GENERALDADES...01/02 - Objetivo - Aplicação - Definições CAPÍTULO - EXAMES MÉDCOS DE SAÚDE OCUPACONAL...01/02 -

Leia mais

CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Disciplina: Segurança do Trabalho Alunos: Douglas Jeronymo Serra João Longo Profᵃ. Elizabeth Cox História da CIPA A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Leia mais

Saliente-se ainda que toda caldeira somente deverá ser operada por trabalhador habilitado para este fim, devidamente certificado.

Saliente-se ainda que toda caldeira somente deverá ser operada por trabalhador habilitado para este fim, devidamente certificado. Com o objetivo de manter sua empresa informada a respeito das obrigatoriedades legais previstas na atual redação das Normas Regulamentadoras de Segurança e Medicina do Trabalho, Portaria MTE. 3214/78,

Leia mais

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Segue abaixo checklist que será utilizado na auditoria no fornecedor ou subcontratado das empresas signatárias.. Formalização da Empresa Peso.

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional PCMSO Estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Segurança do Trabalho na EDP Brasil Elaine Ferreira Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Unidades EDP no Brasil 2.529 Colaboradores 4.090 Prestadores Serviços UHE LAJEADO UHE PEIXE ANGICAL PANTANAL

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? Objetivos da APR Entre os principais objetivos da análise preliminar de risco, podemos destacar:

O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? Objetivos da APR Entre os principais objetivos da análise preliminar de risco, podemos destacar: O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? A expressão APR significa Análise Preliminar de Risco é muito utilizada no dia-a-dia dos profissionais da área de segurança e saúde do trabalho. APR é uma técnica

Leia mais

Kayrós Consultoria. Soluções em EHS. Este é o tempo certo para investir em Segurança! kayrosehs@hotmail.com.br

Kayrós Consultoria. Soluções em EHS. Este é o tempo certo para investir em Segurança! kayrosehs@hotmail.com.br Soluções em EHS Soluções em EHS - Apresentação A Kayrós Consultoria atua nas áreas de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho trazendo soluções para micro, pequenas e médias empresas em toda a Baixada

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Título: Tipo do Documento: SubTipo: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Plano de Controle a Emergências

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS De que trata cada Norma Regulamentadora (NR), urbanas e rurais. Nos links (sublinhados), você pode conferir o texto original das Normas, direto no site do Ministério do Trabalho

Leia mais