COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA/ANO. Prof. Dr. José Abdo A. Hellu

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA/ANO. Prof. Dr. José Abdo A. Hellu"

Transcrição

1 COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA/ANO Prof. Dr. José Abdo A. Hellu

2 OBJETIVOS DO PROTOCOLO: Obter meia (½) fêmeapor ano para reposição. Atingir um pico de lactação por vaca/ano.

3 LIMITAÇÕES Clima e estações do ano: vantagens e desvantagens de cada estação para se alcançar o objetivo desejado. Fisiopatologia reprodutiva da vaca.

4 LIMITAÇÕES: CLIMA E ESTAÇÕES DO ANO Verão Vantagens: mais disponibilidade de alimentos. Pastagens abundantes.

5 Verão LIMITAÇÕES: CLIMA E ESTAÇÕES DO ANO Desvantagens: maior infestação de parasitas e suas consequências. Animal infestado de carrapatos. Animal com anemia.

6 Verão LIMITAÇÕES: CLIMA E ESTAÇÕES DO ANO Desvantagens: mais problemas de casco. Curral com muito barro. Animal com problemas no casco.

7 Verão LIMITAÇÕES: CLIMA E ESTAÇÕES DO ANO Desvantagens: maior incidência de mastites. Imagem de um úbere com mastite. Ordenha de animal com mastite.

8 Verão Desvantagens: maior dificuldade na criação de bezerros, visto maior incidência de: Onfalites e miiases(bicheira) de umbigo; Diarréias virais; Diarréias bacterianas; Pneumonias; Ectoparasitas LIMITAÇÕES: CLIMA E ESTAÇÕES DO ANO Bezerro morto.

9 Inverno LIMITAÇÕES: CLIMA E ESTAÇÕES DO ANO Vantagens: diminuem os problemas sanitários e em geral melhor preço do leite. Desvantagens: menor disponibilidade de pastagens, exigindo suplementação balanceada. Animais no estábulo.

10 LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA Gestação longa; Parto distocicos e retenções de placenta; Puerpério (pós-parto): déficit metabólico e endometrites; Anestro; Retardo no retorno à ciclicidade.

11 LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA Gestação: A média é de 282 dias. A gestação dos fetos machos tem uma duração mais longa que a das fêmeas da mesma raça (1 a 2 dias). Peso ao nascer: média de 28 a 44,5 Kg. A taxa de crescimento fetal atinge seu ápice em torno dos 230 dias de gestação, ganhando 250g/dia e daí em diante a taxa declina.

12 Parto: LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA 90 % dos problemas da vaca leiteira acontecem no peri parto (pré e pós-parto). 60% dos bezerros perdidos durante ou logo após o parto são machos, devido ao tamanho desses. 70% não são natimortos (respiraram) A distocia devido ao erro no acasalamento, principalmente em primíparas, pode alcançar até 80% das perdas peri natais.

13 Charge ilustrativa da distocia.

14 LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA Indução do parto: É indicado sempre que a gestação ultrapassa os 289 dias, evitando o crescimento exagerado do feto. Procedimento: aplicação de 20 a 30 mg de Dexametasona por vaca, de preferência à noite, induzindoopartoduranteodia(30a35horasapós). Aumenta o índice de retenção placentária.

15 LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA Puerpério - períodoquesesegueaopartoduranteoqualé iniciada a lactação e os ciclos reprodutivos são restabelecidos. Involução Uterina: 45 a 49 dias (avaliada por palpação retal). O útero da vaca é considerado totalmente involuído quando napalpaçãoretalelecabenamãodoexaminador. Importante para definir o tipo de tratamento no caso das endometrites.

16 Puerpério: LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA Normal:entre42a47dias. Patológico (retenção de placenta): entre 70 e 90 dias. 1 dia 30 dia Regressão uterina pós-parto.

17 Limitações: fisiopatologia reprodutiva da vaca Puerpério -modificações importantes que ocorrem no puerpério: Regressão ou involução uterina; Eliminação da contaminação bacteriana; Regeneração do endométrio; Retorno da atividade cíclica

18 LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA Puerpério - involução uterina normal. 12 horas 5 dias 10 Kg 5 kg

19 LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA Puerpério - involução uterina normal. 9 dias 30 dias 2 kg 0,5 a 1 kg

20 Limitações: fisiopatologia reprodutiva da vaca Puerpério e a incidência de infecções: FATORES PREDISPONENTES (parto, produção de colostro, edema de úbere, etc) IMUNIDADE (em função do escore corporal, estresse, déficit nutricional e mineral, etc)

21 LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA Eliminação normal da contaminação bacteriana: Infecção puerperal espontânea provocada pelo desenvolvimento bacteriano no lóquio uterino. Até 15 dias pós parto = 93% De 15 a 30 dias pós parto = 78% De 31 a 45 dias pós parto = 50% De 45 a 60 dias pós parto = 9%

22 LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA Regeneração normal do endométrio: Ascarúnculasno5ºdiapósparto jáestãonecrosadas. No 12º dia estão totalmente descamadas e voltam ao tamanho original entre a 2ª e a 3ª semana pós parto( vaso constrição). 20 dias pós parto o epitélio intercaruncular já está reconstituído. Do 25º ao 30º dia pós parto o epitélio uterino cobre totalmente as carúnculas e a reconstituição do endométrio é total

23 LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA Regeneração do endométrio: Endométrio com 30 dias. Fatores que Interferem na Regeneração do Endométrio: Problemas no peri-parto (distocia), retenção de placenta, infecção grave, descalcificação, etc. A deficiência nutricional agrava o problema.

24 LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA Fatores que interferem na taxa de involução uterina: Parições involução parece ser mais rápida nas primíparas. Estação do ano mais rápida na primavera e verão, provavelmente devido à maior oferta de alimento. Amamentação provavelmente acelera a involução. Retorno da atividade cíclica, acelera a involução. Distocia, retenção da placenta, infecções uterinas, retardam a involução

25 Zebuínas de corte bem manejadas: 1 a 2%. LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA Retenção de anexos fetais: Mestiças leiteiras bem manejadas : 10%. Puras leiteiras bem manejadas: > 20% Puras leiteiras mal manejadas: > 50% Retenção de placenta.

26 Puerpério patológico: LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA Endometrite Aguda

27 Puerpério Patológico Puerpério patológico: piometra(endometrite crônica) Geralmente assintomática; Degradação do endométrio, Repetições de cio, Falhas na ovulação, Cistos foliculares.

28 Anestro patológico: Limitações: fisiopatologia reprodutiva da vaca Cistos Foliculares

29 Anestro patológico: LIMITAÇÕES: FISIOPATOLOGIA REPRODUTIVA DA VACA

30 ANESTRO PATOLÓGICO Anestroé a ausência de atividade ovariana, sem manifestação de cio. Anestro patológico: Ausência de atividade hormonal devido a déficit nutricional; Piométra, feto mumificado (manutenção do CL); Ovários císticos (deficiência de LH e/ou GnRH); Subestro, cio silencioso (vacas de alta lactação).

31 DISTOCIAS E RETENÇÕES DE ANEXOS FETAIS Endometrite Aguda (febre, dor, toxemia, inapetência) Acentua o déficit metabólico fisiológico Agalaxia Endometrite crônica Perda de parte Cistos foliculares da lactação Repetições de cio Perda de remuneração Aumento do intervalo entre partos

32 RETORNO A CICLICIDADE O ciclo estral é o intervalo entre o início de dois períodos sucessivos de receptividade sexual (intervalo entre dois cios). Duração = 21 dias (18 24 dias). Vacas com manifestação de cio.

33 Charge ilustrativa de vaca em cio.

34 COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA / ANO? Duração do ano 365 dias Gestação 282 dias 83 dias do puerpério = 34 dias/observação do cio fértil Puerpério exame e tratamento _

35 COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA/ANO? Problemas no puerpério Anestro Intervalo entre partos Problemas no puerpério anestro Aumento no intervalo entre partos.

36 DESEMPENHO REPRODUTIVO Ótimo intervalo entre parto : 12 meses Bovinos Corte: mais fácil de atingir Bovinos Leite: muito difícil (15 meses) Fertilidade (%): Gado de corte: 70 a 75 % Gado de leite: 50 % Vaca holandês pura de origem (P.O).

37 MEDICAMENTOS J.A SAÚDE ANIMAL DIRECIONADOS AO PERI-PARTO DA VACA E Á PROTEÇÃO DO RECÉM-NASCIDO.

38 TURBO CÁLCIO: PROTEÇÃO COMPLETA NO PÓS-PARTO. TRATAMENTO DE: Hipocalcemia Acetonemia Toxemia Retenção de placenta

39 TURBO CÁLCIO e sua composição 3 em 1: Gluconato de cálcio Fonte de cálcio Glicerofosfato de cálcio Fonte de fósforo Cloreto de magnésio Fonte de magnésio Sorbitol Fonte de energia de fácil utilização -fígado frutose - peristaltismo intestinal - diurético eliminação de toxinas Metionina lipotrópico impede o acúmulo de gordura no fígado - hepato protetor facilita a metabolização de toxinas Tiamina(Vit. B1) ajuda no metabolismo de carboidratos e gorduras; -tônico da inervação periférica

40 TURBO CÁLCIO FORTIFICANTE Modo de uso e dosagem: Via intravenosa, 1 ml por kg. Fórmula: Cada 100 mldo produto contém: Gluconatode Cálcio... 20,00 g Glicerofosfatode Cálcio... 2,00 g Cloreto de Magnésio... 6,00 g Cloridrato de Tiamina (Vitamina B1)... 0,06 g Sorbitol... 4,20 g DL Metionina... 0,30 g DL AcetilMetionina... 0,90 g Veículo q.s.p ,00 ml Apresentação: 500 ml.

41 LACTOCINA: A ocitocina da marca J.A. Estimula a contração uterina pós-parto; Provoca o esvaziamento rápido do útero evitando a endometrite aguda; Associada ao TURBO CÁLCIO (aumenta a força muscular), reduz drasticamente os índices de retenção placentária.

42 LACTOCINA Mododeusoedosagem: Via intramuscular, intravenosa ou subcutânea, de1a5mlporanimal. Fórmula: Cada ml do produto contém: Ocitocina sintética UI Veículo q.s.p ml Apresentação: Caixa contendo 12 frascos de 5 ml

43 DICLOTRIL: Associação de antimicrobianoe anti-inflamatórioindicada no combate da endometrite aguda, proporcionando conforto ao animal.

44 DICLOTRIL Mododeusoedosagem: Vias intravenosa, intramuscular ou subcutânea, 1 ml/40 kg. Infecções graves e anaplasmose,1ml/20kg(acada24h,durante3a5dias). ANTIMICROBINO Protocolo de tratamento J.A para fêmeas de grande porte. Retenção de placenta: 1 dia:20ml, 2 dia:15ml, 3 dia: 15 ml, via intramuscular ou intravenosa. Fórmula: Cada 100 mldo produto contém: Cloridrato de Enrofloxacina...10,00 g Diclofenacode Sódio... 3,75 g Veículo q.s.p ,00 ml Apresentações: 10 ml, 50 mle 250 ml.

45 PRÓ-BEZERRO: Antibiótico e antiparasitário de longa ação, indicado no controle das doenças do umbigo (onfalitee miíase) e suas consequências durante o primeiro mês de vida do bezerro. Mododeusoedosagem: Via intramuscular profunda. Dose única: 1 ml/8 kg Fórmula: Cada frasco-ampola contém: Benzilpenicilina Benzatina UI Ivermectina mg Veículo q.s.p ml Apresentações: 5 mle 50 ml.

46 Prof. Dr. José Abdo A. Hellu

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/54 Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/54 Eficiência reprodutiva IP e PS MN e IA Taxa de concepção Detecção de estro

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO TIAGO LEIVA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO Cria em gado de corte: o bezerro é o produto comercializado. Gado de leite (alta produção): a vaca precisa parir

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO

ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO ESTRATÉGIAS DE ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS DE ALTA PRODUÇÃO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO PERÍODO DE TRANSIÇÃO (3 semanas pré-parto a 3 semanas pós-parto) aperíodo de tempo onde a vaca passa por grandes alterações

Leia mais

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS ANEXO TÉCNICO DO MANUAL DE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO EM BOVINOS PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS Os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são utilizados de forma

Leia mais

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios OVÁRIOS Fonte de gametas e hormônios OVOGÊNESE No feto células germinativas multiplicamse ovogônias Cresce meiose I para na prófase I ovócito I nascimento milhares de ovócitos primários. Ovócito primário

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda.

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Manejo reprodutivo Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Para produzir é preciso reproduzir!!! Eficiência Reprodutiva Rebanho Bovino Brasileiro Vacas e novilhas > 24

Leia mais

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura E-mail afs@ufba.br Departamento de Produção Animal Escola de Medicina Veterinária

Leia mais

Manual de Inseminação. Artificial em Tempo Fixo. (IATF) em gado leiteiro.

Manual de Inseminação. Artificial em Tempo Fixo. (IATF) em gado leiteiro. Manual de Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) em gado leiteiro. Introdução: As vacas leiteiras, durante a lactação, apresentam características fisiológicas particulares que diferenciam o comportamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura! ÍNDICE: INTRODUÇÃO: Este manual tem a finalidade de orientar os produtores, técnicos e vendedores a respeito da forma correta para a utilização de suplementos minerais, suplementos minerais protéicos,

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 15 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Fertagyl, 0,1 mg/ml solução injetável para bovinos e coelhos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada.

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada. !"#"! $"%!! Introdução Durante sua evolução, os ovinos e os caprinos desenvolveram alternativas reprodutivas para assegurar o nascimento de suas crias nos períodos de maior fartura de água e alimentos.

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE. IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC)

SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE. IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC) SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC) Suplementação mineral Visa complementar os minerais fornecidos

Leia mais

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Define-se como hipotermia (hipo: diminuição e termia: temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal,

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Universidade Federal do Ceará INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Doutorando: MV Msc Rodrigo Vasconcelos de Oliveira Introdução Bovinocultura=> + eficiência reprodutiva Limitações: Anestro pós-parto longo

Leia mais

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES Acadêmicas: Caroline Wrague e Luiza P. Nunes INTRODUÇÃO: A produção ovina ocorre predominantemente em sistemas de criação extensiva no Sul do Brasil. A quantidade e qualidade

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 16 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Receptal, 0,004 mg/ml solução aquosa injetável destinada a vacas, éguas, porcas e coelhas. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS Henrique Coelho Médico Veterinário MOSCA DOS CHIFRES CICLO DA Cocchliomyia hominivorax - Só realiza postura nas bordas de ferimento de animais de sangue quente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

Hipocalcemia da vaca leiteira

Hipocalcemia da vaca leiteira Hipocalcemia da vaca leiteira Sinonímias paresia obstétrica ou do parto febre vitular hipocalcemia da parturiente Afecção caracterizada por Hipocalcemia fraqueza muscular geral paralisia flácida colapso

Leia mais

MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM BOVINOS Introdução A IATF é uma realidade na pecuária brasileira. Sua utilização proporciona tantas vantagens que se

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

Predef (Acetato de Isoflupredona)

Predef (Acetato de Isoflupredona) Uso Veterinário Administração intramuscular ou intra-sinovial. Descrição: Cada ml contém 2 mg de acetato de isoflupredona; 4,5 mg de citrato de sódio anidro; 120 mg de polietilenoglicol 3350; 1 mg de povidona;

Leia mais

MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS. Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação

MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS. Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação CABRAS GESTANTES Primeira fase (fase inicial): da cobertura até o terceiro mês de gestação:

Leia mais

Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto. José Luiz Moraes Vasconcelos

Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto. José Luiz Moraes Vasconcelos Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto José Luiz Moraes Vasconcelos De que vaca e de que pasto estamos falando? Cenários? Holandesa ou mestiça? Pasto bom ou ruim? Verão ou inverno? Produção

Leia mais

IMUNOCASTRAÇÃO. Universidade Estadual de Londrina Camila Lorena de Lucio 4º ano de Zootecnia.

IMUNOCASTRAÇÃO. Universidade Estadual de Londrina Camila Lorena de Lucio 4º ano de Zootecnia. IMUNOCASTRAÇÃO Universidade Estadual de Londrina Camila Lorena de Lucio 4º ano de Zootecnia. Cronograma 1.Introdução 2. Suínos 3. Bovinos 4.Imunocastração 5. Considerações finais 1. Introdução A castração

Leia mais

SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA

SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA José Luiz Moraes Vasconcelos e Mauro Meneghetti DPA FMVZ UNESP, Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Prof. Me.: Whelerson Luiz Vitro vitro@fea.br Disciplina de Bovinocultura FEA Andradina 2015 Introdução O desempenho adequado de qualquer sistema de produção

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

Cyperclor Plus Pour On

Cyperclor Plus Pour On Ectoparasiticidas 2 Cyperclor Plus Pour On CYPERCLOR PLUS POUR ON controla e trata as infestações causadas pelos principais ectoparasitas de bovinos e suínos, contém Clorpirifós, Citronela, BPO (Butóxido

Leia mais

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

INCREMENTO DA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE VACAS LEITEIRAS COM A ADMINISTRAÇÃO DE CLOPROSTENOL SÓDICO EM DIFERENTES PERÍODOS DO PÓS-PARTO

INCREMENTO DA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE VACAS LEITEIRAS COM A ADMINISTRAÇÃO DE CLOPROSTENOL SÓDICO EM DIFERENTES PERÍODOS DO PÓS-PARTO INCREMENTO DA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE VACAS LEITEIRAS COM A ADMINISTRAÇÃO DE CLOPROSTENOL SÓDICO EM DIFERENTES PERÍODOS DO PÓS-PARTO INCREASE THE EFFICIENCY OF DAIRY COWS WITH REPRODUCTIVE MANAGEMENT

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO E PRODUÇÃO EM BOVINOS UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS MATHEUS GUAPO PAVARINA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP

Leia mais

MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II. Nutrição da matriz gestante

MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II. Nutrição da matriz gestante Data: Agosto/2001 MELHORANDO A PRODUTIVIDADE DAS MATRIZES SUÍNAS PARTE II Nutrição da matriz gestante O princípio geral para um programa nutricional de matrizes suínas bem sucedido, basea-se na premissa

Leia mais

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas.

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas. PROGRAMA PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DAS VAGAS PARA O CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO, EDITAL Nº 764, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015, NA ÁREA DE REPRODUÇÃO ANIMAL 1) FÊMEA - PARTE TEÓRICA: 1.1 Revisão

Leia mais

Manual. do Produtor. de bezerro de corte

Manual. do Produtor. de bezerro de corte Manual do Produtor de bezerro de corte INTRODUÇÃO 02 A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracterizase como um período fundamental no processo de produção. As técnicas

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS Estudos Clínicos revelam a eficácia de Alizin na Terapia Medicamentosa de Piometra em Cadelas A piometra nas cadelas e nas

Leia mais

ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA

ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA PROVAS PÚBLICAS PARA PROF. ADJUNTO ESTRATÉGIAS DO MANEIO ALIMENTAR E REPRODUTIVO DO MERINO DA BEIRA BAIXA EXPLORADO NA SUA FUNÇÃO LEITEIRA Carlos S. C. Rebello de Andrade ESACB 1996 INTRODUÇÃO A alimentação

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS Ricardo Dias Signoretti 1 Em sistemas de produção de bovinos leiteiros a criação de bezerras na fase compreendida do nascimento ao desaleitamento,

Leia mais

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP

Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Prof. Dr. Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso gobesso.fmvz@usp.br Laboratório de Pesquisa em Alimentação e Fisiologia do Exercício VNP/FMVZ/USP Campus de Pirassununga/SP Nutrição - Reprodução Exigência

Leia mais

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO O colostro é o leite obtido na primeira ordenha após o parto. Da segunda à 10 a ordenha pós-parto, o leite obtido se chama leite de transição, pois vai ficando mais

Leia mais

06/06/2014. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate

06/06/2014. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate Considerações no pré-parto: Limpeza e desinfecção da maternidade Verificar condições do escamoteador suinesp@gmail.com Ao nascimento Secar o leitão Principalmente boca e narinas Evitar perda de T C corporal

Leia mais

Cuidados com a gestante. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG

Cuidados com a gestante. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG Cuidados com a gestante Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG Período gestacional Cadelas 56-60 dias Gatas 58-72 dias (63) Data do cruzamento Objetivos Parto seguro Bem-estar da cadela/ gata e

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/35 Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/35 Introdução Cronologia dos conceitos

Leia mais

CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ALEITAMENTO ARTIFICAL. Med. Vet. Eduardo Lopes de Oliveira.

CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ALEITAMENTO ARTIFICAL. Med. Vet. Eduardo Lopes de Oliveira. CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ALEITAMENTO ARTIFICAL. Med. Vet. Eduardo Lopes de Oliveira. Cuidados Iniciais Fornecimento do Colostro Cura do Umbigo Identificação com brinco e tatuagem Remoção de tetas supranumerárias

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL Senepol SL Programa SLde Melhoramento Estância Santa Luzia SENEPOL Benefícios dos Touros Senepol Santa Luzia Venda permanente Reprodutores & Doadoras Qualidade diferenciada a preço justo Na condução, Pedro

Leia mais

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária INTRODUÇÃO REVISÃO DOS ASPECTOS ANATÔMICOS http://www.fao.org/wairdocs/ilri/x5442e/x5442e05.gif 1- corno uterino

Leia mais

Fatores de risco específicos da vaca para retenção de placenta, metrite e mastite clínica da raça Holandês

Fatores de risco específicos da vaca para retenção de placenta, metrite e mastite clínica da raça Holandês UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE CLÍNICAS VETERINÁRIA www.ufpel.edu.br/nupeec Fatores de risco específicos da vaca para retenção de placenta, metrite e mastite clínica

Leia mais

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS:

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: CENTRO DE ESTUDOS DE PEQUENOS RUMINANTES AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: Luiz Alberto O. Ribeiro Departamento de Medicina Animal Faculdade de Veterinária Porto Alegre / BRASIL Causas do baixo desempenho

Leia mais

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos ebook Avanza Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos Sumário 01 02 03 04 05 Introdução - Aumente a produtividade da sua criação Fertilização In Vitro Transferência de Embriões

Leia mais

Escolha de Reprodutrizes

Escolha de Reprodutrizes UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Escolha de Reprodutrizes Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

Os macroelementos nos bovinos

Os macroelementos nos bovinos Jornal O Estado de São Paulo - SÃO PAULO/SP Suplemento Agrícola 1082, em 22/02/1976, página 11. Os macroelementos nos bovinos No corpo dos bovinos há perto de 96 elementos, 30 dos quais em volumes mensuráveis.

Leia mais

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos?

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 4: NUTRIÇÃO Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Q Quais uais são são as as necessidades

Leia mais

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br CLASSIFICAÇÃO NÍVEL DE TECNOLOGIA ADOTADO: extensivo, semi-extensivo, semi-intensivo e intensivo

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Amamentação: sobrevivência infantil e. qualidade de. vida. 2 Nutricionista Materno Infantil Rejane Radunz

Amamentação: sobrevivência infantil e. qualidade de. vida. 2 Nutricionista Materno Infantil Rejane Radunz Amamentação: sobrevivência infantil e qualidade de vida 1 2 Nutricionista Materno Infantil Rejane Radunz PROMOVENDO O ALEITAMENTO MATERNO POR QUE A AMAMENTAÇÃO É IMPORTANTE? A Organização Mundial da Saúde

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

10 ml, 30 ml e 100 ml

10 ml, 30 ml e 100 ml Anti inflamatórios 10 ml, 30 ml e 100 ml COMPOSIÇÃO INDICAÇÕES Flunixin meglumine 83,0 mg Inflamações CARACTERÍSTICAS Envenamento bootrópico Antiinflamatório Cólicas Antitérmico Diarréia de bezerros Analgésico

Leia mais