Maria Amélia Chagas Gaiarsa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Maria Amélia Chagas Gaiarsa"

Transcrição

1 A polifonia como estratégia argumentativa em peças publicitárias baianas Maria Amélia Chagas Gaiarsa GT Propaganda RESUMO Este trabalho analisa a polifonia em peças publicitárias veiculadas em outdoor, na cidade de Salvador. Com base na teoria francesa da análise do discurso, procura-se mostrar como as estratégias argumentativas desses textos desvelam as ideologias presentes, através de diferentes enunciadores convocados pelo locutor, objetivando estabelecer essa relação entre língua e ideologia com vistas para os valores culturais. 0

2 A polifonia como estratégia argumentativa em peças publicitárias baianas Maria Amélia Chagas Gaiarsa Universidade Católica do Salvador INTRODUÇÃO Este trabalho dá continuidade à pesquisa que vimos realizando, há alguns anos, com o discurso publicitário baiano, analisando peças veiculadas em outdoor. A escolha por essa mídia deve-se ao fato de que, por se tratar de um veículo que precisa causar impacto, ela exige uma linguagem em que predominem a simplicidade e a clareza, permitindo uma leitura instantânea e focada, de fácil memorização. O que propomos neste trabalho é analisar as estratégias argumentativas dessas peças, de textos curtos, com base em alguns aspectos da teoria francesa da análise do discurso (AD), de Michel Pêcheux, mostrando, através da polifonia, como o sentido (ou sentidos), aí, é constituído. Segundo essa teoria, a constituição do sentido não se dá de forma literal, a partir dos elementos lingüísticos, mas num complexo relacionamento entre a linguagem e as suas condições de produção, que são o contexto histórico-social, os interlocutores e a situação. Essa noção de condições de produção se estabelece quando Pêcheux passa a considerar os protagonistas do discurso enquanto lugares determinados na estrutura de uma formação social, lugares cujo feixe de traços objetivos característicos pode ser descrito pela sociologia (In: Brandão,1998,36). Então, o locutor vai falar de um lugar social, numa determinada conjuntura socio-histórica, que vai estabelecer o que pode e deve ser dito, constituindo-se, dessa forma, o sujeito no discurso. Para a análise, partimos dessas condições de produção, obtidas através do atendimento das agências das respectivas peças, e analisamos as estratégias argumentativas das mesmas, considerando a heterogeneidade do discurso, que, segundo o 1

3 autor citado, é a questão da alteridade, qualidade do outro na identidade discursiva; esta vai ser construída a partir dos pontos de vista e lugares enunciativos encadeados no intradiscurso, quando o discurso do outro vai ser colocado em cena pelo sujeito. Portanto, ele vai situar o seu discurso em relação aos do outro, sendo este não apenas o destinatário para quem se dirige, mas outros discursos que emergem na sua fala, já constituídos historicamente (são os pré-construídos); é o nível do interdiscurso. A AD estabelece que o sujeito no discurso só adquire identidade a partir da sua interação com o outro, e que a constituição do sujeito e do sentido vai resultar de interpelações ideológicas presentes nessas vozes. Os acontecimentos vão ser vistos, portanto, na perspectiva desses diferentes enunciadores, dos quais, muitas vezes, o locutor não tem consciência. A base para essas considerações é a teoria polifônica de Oswald Ducrot. ANÁLISE A análise do discurso publicitário, devido à sua característica de linguagem plurissígnica, geralmente é feita enfocando os dois níveis de linguagem que o estruturam. São dois tipos que estão intimamente relacionados: a linguagem verbal, que se utiliza dos signos lingüísticos, e a não-verbal, que se apropria de elementos simbólicos, representados, principalmente, por imagens e sistemas tipográficos, considerando aí as cores, que exercem um papel de realce na significação desse discurso. Por isso, a leitura de uma peça publicitária não se dá de forma linear, pois sendo um signo misto, a interpretação é de imagem e palavra simultaneamente; a significação, portanto, vai depender dos dois, pois o texto ancora a imagem ajudando na compreensão da mesma e vice-versa. Pode ocorrer, entretanto, apenas um desses signos, como veremos em uma das peças desse trabalho. É através dessas estratégias de diferentes linguagens, que a publicidade atinge o seu objetivo primeiro, que é persuadir o consumidor, levando-o a adquirir um produto ou aderir a um serviço, considerando sempre as tendências do momento e os sistemas de valores da sociedade. Selecionamos para este trabalho, que é um recorte de uma monografia de nossa autoria, três peças criadas por agências baianas e veiculadas em outdoor, na cidade de Salvador, voltadas para empresas que prestam algum tipo de serviço à comunidade e que 2

4 não evidenciam, nas suas estratégias argumentativas, propriedades e/ou qualidades do respectivo serviço. PEÇA PUBL ICITÁRIA 1 Eu posso fazer gato, Você não Roubar energia é crime. Regularize sua situação. c o e l b a GRUPO IBERDROLA ( A imagem dessa peça é a fotografia da cara de um gato, à esquerda do texto, sobre fundo marrom, em que há um contraste claro-escuro, devido a um fechamento de luz). Iniciando pelas condições de produção, nessa peça, o locutor, com autoridade de publicitário/agência, vai falar de um lugar histórico, em que o governo brasileiro, mediante a situação financeira caótica do país, decide privatizar algumas das suas empresas. O governo do estado da Bahia, por sua vez, adere ao sistema de privatização, levando a leilão, em 1997, a COELBA, empresa de energia elétrica. Comprada pelo Grupo Iberdrola, tornou-se uma empresa particular, cuja sobrevivência depende do lucro; a ideologia capitalista prega que quanto mais uma empresa dá lucros, mais possibilidade ela tem de atender aos seus usuários, contemplando, portanto, a sua função social. Por isso, nesse caso, o investimento em publicidade emerge como necessidade vital. Ao contexto sócio-histórico em que se situa a Empresa, e que vai constituir o(s) sentido(s) do discurso dessa peça publicitária, é atribuído um valor que vai de encontro à finalidade comercial da mesma, que é o desvio de energia por um número significativo da população baiana, os famosos gatos, que vão interferir na margem de lucro. Esse valor decorre de uma ideologia característica do povo brasileiro, que quer levar vantagem em tudo, já arraigada no discurso fundador O jeitinho brasileiro, fazendo com que se burlem leis e obrigações sociais, sempre que possível, para se alcançar esse objetivo. A peça atende, portanto, ao objetivo da campanha que é a redução de perdas comerciais. Partindo dessas condições de produção, o discurso da campanha publicitária da 3

5 Coelba, da qual escolhemos a peça acima, vai, através das suas formações discursivas - palavras, expressões, proposições - procurar influenciar o usuário de energia elétrica a não mais fazer gatos, regularizando a sua situação. Isso vai se dar a partir da interação entre o sujeito-autor, o publicitário que se confunde, no discurso, com o próprio anunciante, e o sujeito-leitor, que é o alocutário-consumidor. Para a análise, recortamos o texto em três seqüências, considerando a marca como uma delas, já que a ela foi incorporada a pessoa jurídica da empresa, para identificação de holding, funcionando, pois, como estratégia argumentativa, o que será mais explicitado adiante. SEQÜÊNCIA 1: Eu posso fazer gato, você não Partindo inicialmente da análise da subjetividade, ou seja, da constituição do(s) sujeito(s) nesse discurso, observamos a marca lingüística de primeira pessoa (eu) que vai identificar, no texto, um L P (locutor pessoal). Observamos aí uma duplicidade nesse eu, já que ele se refere tanto ao anunciante, que dá voz ao publicitário, como ao gato iconizado na imagem. Há, portanto, duas leituras possíveis no texto, e é essa polissemia, tão constante na publicidade, que vai possibilitar a identificação desse duplo eu. O que vai ocorrer é que o L, locutor, responsável pelo dizer, vai introduzir, para que se efetue o sentido do enunciado, um enunciador (E 1 ), o gato, que vai se apossar da primeira pessoa, representando o seu ponto de vista, do qual o locutor, que fala na perspectiva do anunciante, vai se apropriar, assumindo, então, a posição de L P. Desse entrelaçamento de vozes, subentende-se, a partir do posto Eu posso fazer gato, você não, o pressuposto: só eu, Coelba, posso fazer ligações de energia elétrica (gatos); e você, referindo-se ao alocutário, não pode fazer nenhuma das duas coisas. A primeira leitura, causada pelo impacto da própria imagem, é a que se refere ao gato. A segunda vai ter como referente a logomarca da Empresa. Nessa formação discursiva (FD), a forte carga semântica de posso delega autoridade às duas vozes. Temos em você não o que Ducrot chama de negação polêmica (In: Maingueneau,1998,81), isto é, uma negação que se opõe a algo dito anteriormente. O que se argumenta aí, é que o alocutário, para quem o discurso é dirigido, não pode fazer gatos, considerando-se, principalmente, a segunda leitura. Por isso estamos classificando 4

6 essa negação como polêmica, por levar em conta o pressuposto de que você, que é o alocutário, acha que pode fazer gato. O texto anterior ao da negação é, portanto, rejeitado enquanto ato realizado pelo alocutário, na perspectiva deste, que acha que pode fazer gatos com a energia elétrica; a negação, então, incide sobre o pressuposto de que alguém que não pode, está fazendo gato. Podemos, então, considerar o você como um enunciador implícito ( E 2 ). Essa forma lingüística que faz uso da negação, segundo Ducrot, evidencia o conceito de enunciador, elemento responsável pela polifonia da linguagem. Como exigência do outdoor, feito para ser lido à distância, o caracter tipográfico usado nessa seqüência é simples, facilitando a leitura, e em tamanho proporcional em relação à diagramação do cartaz. As letras brancas sobre fundo marrom constituem um contraste que agrada e atrai, acirrando o gosto pelo visual. Em relação a esse fundo marrom, a sua escolha pode estar relacionada ao fato de se tratar de uma propaganda para uma empresa de energia elétrica, que está numa fase de conscientização de seus usuários para a correta utilização da mesma, já que essa cor, segundo Déribéré (In: Farina,1990,132), está associada a negócios e, segundo Sant Anna (1989), à solidez. Também, considerando Farina (1990, 134), o uso da cor marrom, nesse caso, pode levar o indivíduo (alocutário) a um desconforto e a um mal-estar, por se colocar dentre aqueles que fazem gatos, tendo, assim, uma atitude negativa perante a vida. De acordo com Calazans (1992,66), toda cor tem significado, mesmo que este significado seja subliminar, não consciente. Analisando a imagem do gato, percebe-se que a luminosidade está dividida; na parte do animal que está sobre o fundo mais escuro há um fechamento da luz, enquanto que esta se ressalta mais na parte que está sobre o fundo mais claro, claridade, essa, reforçada pela cor branca no rosto e pescoço do gato. Esse contraste de claro/escuro é um forte argumento imagístico, pois faz evocar no alocutário a importância da luz para a visibilidade, levando-o a concluir que, se não regularizar a sua situação com a Empresa, ficará no escuro. Podemos relacionar, também, esse jogo de luz com o duplo eu do discurso: a metade mais clara é o próprio gato e a mais escura, quase ocultando o ícone, simboliza a Coelba, que quer fazer desaparecer os gatos. Trata-se aí de uma polissemia da imagem, que fortalece a argumentação. Outro recurso argumentativo que pode ser percebido na imagem é a própria fisionomia do gato, com os olhos bem abertos, o que deixa transparecer o pressuposto: estou de olho em você. 5

7 SEQÜÊNCIA 2: ROUBAR ENERGIA É CRIME. REGULARIZE SUA SITUAÇÃO No primeiro enunciado da seqüência, o L convoca uma voz genérica que é o E 3 (gco), que fala na perspectiva da sabedoria popular, ou seja, daquilo que está na voz do povo: roubar é crime, enunciado considerado uma prática discursiva regulada por um aparelho ideológico (Brandão:1997,128), uma coerção da Justiça. Trata-se, portanto, de um interdiscurso, de uma formulação já enunciada em discursos anteriores, que vai ser diferenciado a partir do contexto histórico. É, então, dessa formação ideológica que o autor constrói a formação discursiva que vai dar sentido ao enunciado, descrevendo, assim, a enunciação dessa peça publicitária. É, pois, a argumentação dessa FD que desencadeia o sentido da peça, em que roubar energia é crime leva à conclusão: regularize sua situação, mobilizando o topos, princípio argumentativo: o roubo leva à punição. Em regularize sua situação, temos o L I (locutor impessoal), porta-voz do L 0 (Coelba), que assume a responsabilidade da fala contida nesse texto, marcada pelo tempo verbal, imperativo, que explicita a intenção primeira da peça que é persuadir, convencer o alocutário. Este último marca a sua presença no enunciado, oculto na forma verbal regularize, ocupando um importante papel, já que ele é o indíviduo que vai ser interpelado, assujeitando-se aos aparelhos ideológicos, reforçados na formação discursiva pela carga semântica de roubar. Apesar da intenção comunicativa primeira do discurso estar nas FD dessa seqüência, como o objetivo do outdoor é causar impacto e salientar o lado lúdico da linguagem publicitária, o seu caracter tipográfico é menor, embora em caixa alta, chamando a atenção pelo contraste das cores, amarelo sobre o marrom, considerando, também, que o amarelo é uma cor preferida para as letras que devem ser lidas à distância. SEQÜÊNCIA 3: c o e l b a GRUPO IBERDROLA 6

8 Nessa seqüência, temos o logotipo da empresa, que identifica o anunciante, que é o L O, delocutário ou referente. A presença do nome do grupo acionário justifica-se por estar o alocutário acostumado a ver a coelba como uma empresa estatal, desde a sua criação, e agora precisar vê-la como empresa empresa privatizada. há nessa explicitação uma estratégia argumentativa, pois o consumidor delituoso vai perceber que existe uma mudança que, provavelmente, não vai permitir que a situação continue a mesma, pois a coelba não é mais simplesmente coelba, ela agora é também o grupo iberdrola. dá-se, então, a identidade entre locutor, empresa e grupo. Como a função da logomarca é fazer com que a empresa fique gravada na memória das pessoas, constata-se que houve para com ela uma preocupação com os estímulos visuais. O azul anil das letras sobre o fundo branco e o facho de luz encobrindo a sílaba ba são representações gráficas que simbolizam a função da empresa, que é iluminar espaços. PEÇA PUBLICITÁRIA 2 CUIDADO COM O SURTO DE TORCICOLO HOSPITAL DA COT EVITE ACIDENTES NESTE VERÃO (A imagem dessa peça é a fotografia de uma jovem, em minúsculo biquini, deitada de bruços, na praia, numa posição bastante provocante). O lugar histórico é o hospital da COT (Clínica Ortopédica e Traumatológica), especializada em politraumatismo, que atende pacientes acidentados, além de prestar seviços de fisioterapia. Embora considerada uma das mais qualificadas e mais bem equipadas de Salvador, tem a concorrência de outras clínicas e hospitais, daí o investimento em publicidade, principalmente em ocasiões de festa, como carnaval e São 7

9 João. Há alguns anos atrás, a Cot estava na mídia também no período de férias, como com a campanha da qual essa peça faz parte, quando acidentes, de origens diversas, acontecem com mais freqüência. O locutor, portanto, vai enunciar de um aqui, COT, num tempo preciso que é o verão de A enunciação vai se dar dentro dessas condições de produção, quando ele, no processo de interação com o interlocutor (para o qual o discurso está voltado), vai fazer desse processo um produto discursivo. E é o sentido aí constituído que vai interagir com o alocutário, persuadindo-o a, em caso de necessidade, dirigir-se ao hospital da COT, e não a outro. Para atingir esse objetivo, o autor da peça não recorreu às características do objeto em si, ou seja, nada há no seu discurso que o remeta a um hospital, a não ser a logomarca. Para construir o sentido, podemos dizer que o sujeito foi interpelado por uma prática ideológica, que é o papel da mulher enquanto objeto sedutor, levando-o a não considerar qualquer possibilidade de lugar-comum, para a persuasão desse discurso. Nesse caso, o autor descontrói a expectativa do que deveria ser dito desse lugar social, um hospital, através da construção de um discurso lúdico. Para a análise, o recorte foi feito estabelecendo-se duas seqüências, já que a logomarca e o segundo texto foram considerados como apenas uma. SEQÜÊNCIA 1: CUIDADO COM O SURTO DE TORCICOLO. Nessa seqüência, o autor ou locutor marca a sua presença na impessoalidade, enquanto L I (locutor impessoal), na perspectiva do L O, que é a COT. O enunciado produzido, ancorado pela imagem, sugere um alocutário do sexo masculino, que vai interagir com o mesmo. Podemos dizer que se trata aí de uma persuasão indireta, pois, na verdade, o L I chama a atenção do interlocutor para evitar traumatismos, quando a clínica lucra mediante o oposto. É, portanto, uma estratégia argumentativa, cuja finalidade é chamar a atenção para o hospital da clínica. Nessa primeira leitura, o sentido da palavra cuidado está diretamente relacionado à imagem, pois nesse posto subentende-se o pressuposto: perigo à vista, tenha cautela ao dirigir-lhe o olhar. Conclui-se, daí, que o torcicolo decorreria exatamente da maneira brusca com que o homem pode se virar para admirar um corpo feminino, explorado, na 8

10 peça, em toda a sua sensualidade, através da posição em que se encontra a mulher e pelo detalhe provocante das nádegas, ressaltado pelo contraste da cor da sola dos pés. O colorido do corpo, vermelho-alaranjado, segundo Déribéré (In: Farina,128), lembra fogo, calor, energia, cores também associadas ao verão. Observa-se, nos detalhes, os cabelos jogados para o lado, deixando à mostra costas e ombros nus. Também chama a atenção o colorido do biquini, onde o rosa-choque do soutien e o preto da calcinha, por serem cores fortes, retêm o olhar, e ressaltam no contraste com o próprio colorido do corpo. Segundo pesquisa realizada por Modesto Farina (1990,140), sobre preferência de cores pelo consumidor, as mulheres casadas detestam o rosa-choque; isto nos levou a inferir que seja uma cor usada pelas jovens e admirada pelos homens, daí escolhida para vestir a modelo da peça. Observa-se também como o fundo amarelo claro e o mesmo tom na sola dos pés contrastam com o tom do corpo, fazendo com que o olhar do interlocutor seja imediatamente voltado para a mulher, como se esse tom claro, de um dia de verão, constituísse uma moltura para o quadro. Todo esse jogo com a imagem revela uma estratégia argumentativa que justifica o texto lingüístico. Podemos considerar essa peça como apelativa, no sentido de que usa a mulher como um objeto de prazer e que, indiretamente, pode causar malefícios. Mas, é evidente que, dessa forma, a retenção da marca na memória será maior do que se fossem enunciados serviços ou qualidades da empresa. Portanto, essa formação discursiva foi construída a partir de uma formação ideológica que assujeita, principalmente, indivíduos do sexo masculino; daí a força semântica da palavra cuidado associada ao corpo da mulher. No enunciado completo, Cuidado com o surto de torcicolo, subentende-se: cuidado ao se torcer todo para admirar um corpo feminino, pois isto pode lhe causar um torcicolo. O L I adverte, mas, caso ocorra o acidente, ele já está persuadindo o interlocutor para onde deverá se dirigir. Em virtude de no verão acontecerem diversos surtos de doenças acometidas por causas relacionadas à própria estação, como insolação, desidratação, gripe, etc, e a mídia estar sempre alertando o público a evitar exageros, podemos, pois, considerar que, no texto cuidado com o surto, o L I fala na perspectiva de uma voz genérica, o E 1 ( genérico), e aponta para um novo surto que seria o torcicolo. 9

11 É possível, nessa seqüência, uma segunda leitura, prevendo um interlocutor do sexo feminino, enquanto alguém preocupado com o olhar do seu companheiro para a sensualidade de uma possível rival. Ela também precisa ter cuidado ao se virar para ele de maneira brusca. A partir dessa leitura, que, provavelmente, não é a inicialmente proposta pela peça, o L I pode estar persuadindo um outro público, que não o alvo desse discurso. SEQÜÊNCIA 2: HOSPITAL DA COT EVITE ACIDENTES NESTE VERÃO Na logomarca, Hospital da Cot, temos a assinatura do anunciante marcando a sua presença, enquanto L O ; aí, ele se identifica. Em evite acidentes neste verão, a voz do locutor surge enquanto L I, num discurso que constitui o slogan da campanha que objetiva advertir o interlocutor contra os perigos do verão e, ao mesmo tempo, chamar a atenção para a clínica, pois, implicitamernte, é ela quem faz a advertência; o hospital da COT recomenda: evite acidentes neste verão. O verbo, aí, está pressuposto. Não nos propomos a considerar essa peça uma propaganda demagoga, mas está claro que o seu objetivo primeiro é chamar a atenção para a clínica, pois, na verdade, se todos os interlocutores seguissem à risca o seu conselho, ela faliria, pois não haveria clientes. É é justamente a certeza de que esses cuidados não serão tomados pela maioria da população, que a veiculação desse discurso não alterará o seu faturamento, e alcançará a sua finalidade que é levar o alocutário a procurá-la, caso seja acidentado. Em relação ao sistema tipográfico, percebemos a preocupação com a harmonia e a simplicidade dos caracteres, favorecendo a legibilidade da peça. O jogo nesse aspecto dá-se através do colorido dos mesmos, em que as cores preta e vermelha contrastam com o fundo branco, o que torna também a peça limpa e eficiente. Na verdade, quem grita mais alto (Sant Anna,188) nesse discurso é a imagem, pois é quem chama mais a atenção para o outdoor e é a responsável pelo teor argumentativo. Considerando o sistema tipográfico dos textos, a seqüência cuidado com o surto de torcicolo tem os caracteres em dimensão maior e colorido mais forte, justamente por 10

12 estar ancorada pela imagem, e por constituir o título da peça, planejado e diagramado para uma leitura instantânea. Em relação à logomarca, esta sobressai pela utilização da cor vermelha. O texto que a segue, Evite acidentes nexte verão, slogan ou tema da campanha, presente em todas as suas peças, é o que está em menor evidência, pois é um enunciado conciso e de fácil memorização, neste caso, já incorporado à própria logomarca, que o destaca. Concluindo a análise, salientamos a sutileza da estratégia argumentativa desse discurso que, através de um posto com uma significação tão evidente de preocupação com o alocutário, está o pressuposto que é justamente o objetivo da peça e para o qual ela se justifica, que é atender o alocutário acidentado no hospital da COT, a qualquer momento que for preciso. PEÇA PUBLICITÁRIA 3: PELO MENOS AQUI, PODE TER SEGUNDO TURNO motel Maxim s Como já foi colocado no início desse capítulo, há propagandas que dispensam a imagem, pela força argumentativa do seu discurso lingüístico. Uma dessas que alcançaram o seu objetivo apenas usando a linguagem verbal, foi uma peça para outdoor, veiculada no período da campanha eleitoral deste ano de 1998, cujo teor da significação despertou a crítica nacional, sendo a mesma elogiada por jornalistas como Danuza Leão e Ângela Tereza (Jornal do Brasil,10/10/98), Joyce Pascowitch (Folha de São Paulo,13/10/98), revista ISTO É (21/10/98) e programa de Jô Soares (In: Jornal A Tarde, 22/11/98). O processo sócio-histórico que vai motivar a significação desse discurso são as eleições para governador do Estado da Bahia, ocorridas no dia 03 de outubro de Por estar concorrendo um candidato do partido governista apoiado por forças políticas, segundo pesquisas, provável vencedor, a conjuntura de então reduzia a possibilidade de um segundo turno. Os aparelhos ideológicos aí regem um posicionamento político em que o poder e a invencibilidade acumulam atitudes e gestos que levam à posição acima. 11

13 O locutor, ocupando a sua posição de publicitário autorizado a assumir a enunciação, vai falar de um lugar social que é o Motel Maxim s, freqüentado por casais que nele buscam um ambiente propício para manter relações sexuais. O público alvo dessa peça, pertencente às classes A e B, vai ser, portanto, aquele que tem o hábito de sair para namorar, freqüentando motéis, ou que intencionam fazê-lo. Sempre presente na mídia, a forma de persuasão nas propagandas do motel Maxim s difere da dos demais concorrentes, pelas estratégias argumentativas do seu discurso, que faz uso de assuntos da época, presentes no comentário das pessoas; são anúncios de oportunidade. Essas são as condições de produção responsáveis pelas significações que vão estar presente nas formações discursivas. À ideologia do poder político, associa-se a ideologia do poder sexual do homem, que vai fazer com que as palavras da peça, segundo turno, mudem de sentido, constituindose na formação discursiva que representa a formação ideológica machista. Vai ocorrer aí o que Pêcheux defende: as palavras, expressões, proposições, etc., mudam de sentido segundo as posições sustentadas por aqueles que as empregam.(1997,160). Para a análise, consideraremos as duas proposições como uma única seqüência, pois a logomarca é o referente do dêitico aqui. PEÇA PUBLICITÁRIA 3 PELO MENOS AQUI, PODE TER SEGUNDO TURNO. motel Maxim s O sujeito, interpelado pelas condições de produção acima, vai falar enquanto L I, na perspectiva do L O. Na primeira proposição da seqüência, pelo menos aqui, o operador argumentativo pelo menos se dirige a uma outra voz que diz que em outro lugar não pode haver segundo turno; portanto, essa voz implícita de cuja perspectiva o locutor fala, é o E 1.Conseqüentemente, o aqui remete-se ao lá desse enunciador. 12

14 Essa voz implícita, por sua vez, é interpelada por uma ideologia política em que a força de um grupo leva-o a defender a impossibilidade de um segundo turno nas eleições; a formação discursiva pode faz transparecer essa formação ideológica. Interpelado por essa ideologia, ele se dirige ao alocutário, através de uma argumentação que, opondo-se a essa conjuntura política externa, vai propor: já que nas eleições não pode haver segundo turno, aqui, neste motel, você vai poder ter um segundo turno nas relações sexuais. Estão implícitas aí as condições propícias que o motel oferece para que isto aconteça. Dessa forma, o L I pretende atingir o seu público alvo, casais que freqüentam ou gostariam de freqüentar motéis, através de uma formação discursiva persuasiva que dispensa a explicitação de qualquer outro atributo relacionado a esses locais. A segunda parte da seqüência, motel Maxim s, marca a presença do anunciante, por ser a sua assinatura. Trata-se da logomarca, referente da forma remissiva adverbial aqui, na proposição anterior. Por se tratar do mesmo nome de um restaurante francês, famoso pelo luxo e status dos seus freqüentadores, a própria logomarca evoca essas qualidades, conduzindo ao pressuposto de que o conforto oferecido pelo motel favorece o segundo turno. Em relação à produção gráfica, o que se observa é uma preocupação com o poder apelativo da cor vermelha, como fundo da peça, já que foi dispensada aí a imagem, enquanto âncora para esse texto verbal. Segundo Déribéré (In: Farina,128), essa é a cor da paixão, do ardor, da proibição e da excitação, simbolizando, pois, o sentido do discurso. Em virtude desse fundo vermelho, os tipos são bem grandes, na cor branca, para que a visibilidade seja perfeita, independente da luminosidade. É justamente esse contraste do branco sobre o vermelho que chama, instantaneamente, a atenção de quem passa, para o cartaz. CONCLUSÕES 13

15 O que procuramos mostrar com este trabalho é como a teoria francesa da análise do discurso dá conta do(s) sentido(s) de um texto intencionalmente argumentativo, como é o publicitário, através da polifonia, que representa os diferentes pontos de vista que o locutor enuncia. A partir da leitura dessas peças, voltadas para empresas ou instituições que prestam serviços à comunidade, salientamos como esse tipo de discurso faz uso de ideologias presentes na cultura de um povo, através da perspectiva de diferentes enunciadores. Em relação à subjetividade, embora na publicidade o locutor impessoal esteja sempre presente enquanto porta-voz do anunciante, observamos, em nossa análise, que em todas as peças ele convoca uma ou mais vozes para a significação do discurso. É como se o locutor procurasse sempre se mascarar nesse ato persuasivo. Parece que há uma necessidade na publicidade de mostrar que a persuasão é feita pelo anunciante, presente na logomarca, mas através de uma argumentação que não é só dele, talvez para dar mais veracidade à sua intenção. Ele comprova o que quer argumentar a partir das vozes que convoca. Fica patente que, nesses discursos, há uma luta pelo poder de persuadir o outro, de fazer com que o outro aceite uma determinada idéia, daí a pertinência do caráter ideológico da publicidade. Essa luta vai se dar através das linguagens verbal e não-verbal. 14

16 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRANDÃO, Helena H.N. Introdução à análise do discurso. São Paulo: Ed. da Unicamp,1995. BRANDÃO, Helena H.N. Subjetividade Argumentação Polifonia:a propaganda da Petrobrás. São Paulo: Fundação Editora da UNESP,1998. CALAZANS, Flávio. Propaganda subliminar multimídia. São Paulo: Summus, DUCROT, Oswald. Argumentação e Topoi argumentativos. In: GUIMARÃES, Eduardo (org.). História e sentido na linguagem. Campinas: Pontes, p FARINA, Modesto. Psicodinâmica das cores em comunicação. 4.ed. São Paulo: Edgard Blücher, FIORIN, Luis. Linguagem e ideologia. São Paulo: Ed. Ática, 1993 GAIARSA, Maria Amélia Chagas. Discurso publicitário baiano: um estudo sobre ideologia, polifonia e argumentação. Salvador: UCSal/CEPEX, f. Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Leitura e Análise do Discurso, orientada por Joselice Macêdo de Barreiro. IASBECK, Luiz Carlos A. A arte dos slogans. In: PINHO, J. B. (org.). Trajetória e questões contemporâneas da publicidade brasileira. São Paulo: (Coleção GT S Intercom). n.3. p KOCH, Ingedore V. A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto,1992. LADEIRA, Julieta de Godoy. Contato imediato com Criação de propaganda. 2.ed.São Paulo: Global, MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências de análise do discurso. Campinas: Pontes, MOLES, Abraham. O cartaz. Trad. por Miriam Garcia Mendes. São Paulo: Perspectiva, ORLANDI, Eni P. A linguagem e seu funcionamento. 4.ed. Campinas: Pontes, ORLANDI, Eni P. Discurso e leitura. 2. ed. São Paulo: Cortez, p PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso. Campinas: Ed. Unicamp, PINHO, J. B. O poder das marcas. São Paulo: Summus,

17 POSSENTI, Sirio. Boletim da ABRALIM. n.13. dez.,1992. Concepções de sujeito na linguagem. p SANT ANNA, Armando. Propaganda teoria técnica e prática. 4.ed. São Paulo: Pioneira,1989. VESTERGAARD, T.e SCHRØEDER,K. A linguagem da propaganda.2ed. São Paulo: Martins Fontes,

10/06/2010. Prof. Sidney Facundes. Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva

10/06/2010. Prof. Sidney Facundes. Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva Teoria Gramatical Análise do Discurso Prof. Sidney Facundes Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva Análise do Discurso Conforme Maingueneua

Leia mais

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

O SENTIDO DE INDISCIPLINA NO DISCURSO DA COMUNIDADE ESCOLAR

O SENTIDO DE INDISCIPLINA NO DISCURSO DA COMUNIDADE ESCOLAR O SENTIDO DE INDISCIPLINA NO DISCURSO DA COMUNIDADE ESCOLAR Solange Almeida de Medeiros (PG UEMS) Marlon Leal Rodrigues (UEMS) RESUMO: O presente artigo se baseia em um projeto de pesquisa, em desenvolvimento,

Leia mais

Ana Carolina França e Silva 8215 Cybele Hideko Marcante 8222 Daiana Boraschi 8223 Leandro Ernandes 8674

Ana Carolina França e Silva 8215 Cybele Hideko Marcante 8222 Daiana Boraschi 8223 Leandro Ernandes 8674 Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste São Paulo 07 a 10 de maio de 2008. Ana Carolina França e Silva 8215

Leia mais

P R O G R A M A. OBJETIVO: Possibilitar, através de um maior domínio da frase e do parágrafo, uma melhor organização dos vários níveis de discurso.

P R O G R A M A. OBJETIVO: Possibilitar, através de um maior domínio da frase e do parágrafo, uma melhor organização dos vários níveis de discurso. PERÍODO 92.1/ 93.2 P R O G R A M A EMENTA: Aspectos do discurso lingüístico: a frase e o parágrafo. OBJETIVO: Possibilitar, através de um maior domínio da frase e do parágrafo, uma melhor organização dos

Leia mais

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso Língua e Produção 3º ano Francisco Análise do discurso Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção no discurso; As funções intrínsecas do texto. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite,

Leia mais

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 200 REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES Elizete Beatriz Azambuja Doutoranda em Linguística UEG Unidade de São Luís de Montes

Leia mais

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1 ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA Sheila Elias de Oliveira 1 Eduardo Guimarães 2 tem se dedicado desde a década de 1980 à reflexão sobre o sentido na linguagem e nas línguas de um ponto de vista

Leia mais

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p.

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Resenhado por: Adriana Sidralle Rolim O texto e a construção dos sentidos é um livro que aborda questões referentes ao

Leia mais

Leitura de imagens no ensino de Ciências: formulação e circulação de sentidos

Leitura de imagens no ensino de Ciências: formulação e circulação de sentidos Leitura de imagens no ensino de Ciências: formulação e circulação de sentidos Moraes, João Carlos Pereira 1 ; Barbosa, Alessandro Tomaz 2 Categoria 1: Reflexões e experiências de inovação na sala de aula.

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

A PROPÓSITO DA ANÁLISE AUTOMÁTICA DO DISCURSO: ATUALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS (1975)

A PROPÓSITO DA ANÁLISE AUTOMÁTICA DO DISCURSO: ATUALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS (1975) 1 A PROPÓSITO DA ANÁLISE AUTOMÁTICA DO DISCURSO: ATUALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS (1975) Marilei Resmini GRANTHAM Fundação Universidade Federal do Rio Grande Nesta brevíssima exposição, procuramos abordar alguns

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS DESCRITORES D01 Distinguir letras de outros sinais gráficos. Reconhecer as convenções da escrita. D02 Reconhecer

Leia mais

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4 GRUPO 1 GRUPO GRUPOS 3e UFG/CS RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS GRUPO I ADEQUAÇÃO A-ao tema = 0 a pontos B-à leitura da coletânea = 0 a pontos C-ao gênero textual = 0 a pontos D-à modalidade = 0 a pontos CRITÉRIOS

Leia mais

Slogan. Profa Marilene Garcia Baseada em Martins (1997)

Slogan. Profa Marilene Garcia Baseada em Martins (1997) Slogan Profa Marilene Garcia Baseada em Martins (1997) SLOGAN - DEFINIÇÕES Sant Anna (1982) define slogan como uma sentença ou máxima que expressa uma qualidade, uma vantagem do produto, ou uma norma de

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços comunicação Portfólio de Serviços Identidade Visual Identidade visual é uma representação gráfica da identidade corporativa, dos conceitos e valores da empresa. Pode parecer simples, mas a criação de uma

Leia mais

O TEXTO PUBLICITÁRIO NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA: A IMPORTÂNCIA DE UMA PERSPECTIVA FUNCIONAL E SOCIODISCURSIVA

O TEXTO PUBLICITÁRIO NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA: A IMPORTÂNCIA DE UMA PERSPECTIVA FUNCIONAL E SOCIODISCURSIVA O TEXTO PUBLICITÁRIO NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA: A IMPORTÂNCIA DE UMA PERSPECTIVA FUNCIONAL E SOCIODISCURSIVA 1. Introdução Hugo Bulhões Cordeiro Universidade Federal da Paraíba hbcordeiro@gmail.com

Leia mais

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 1 PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 Silmara Cristina DELA-SILVA Universidade Estadual Paulista (Unesp)... as palavras, expressões, proposições etc., mudam de sentido segundo as posições sustentadas

Leia mais

Faber-Castell: Colorido de Verdade 1.

Faber-Castell: Colorido de Verdade 1. Faber-Castell: Colorido de Verdade 1. Gabriel de Aguiar SOUZA 2 Bruna Nayara Ruthes 3 Jefferson PIONTKOSKI 4 Márcio José Ramos Gonzaga Junior 5 Felipe Colvara TEIXEIRA 6 Deivi Eduardo OLIARI 7 Centro Universitário

Leia mais

Logomarca SEATRA - Segurança e Assessoria do Trabalho 1. Márcio José Ramos GONZAGA Júnior 2 Deivi Eduardo OLIARI 3 Márcia Regina Annuseck 4

Logomarca SEATRA - Segurança e Assessoria do Trabalho 1. Márcio José Ramos GONZAGA Júnior 2 Deivi Eduardo OLIARI 3 Márcia Regina Annuseck 4 Logomarca SEATRA - Segurança e Assessoria do Trabalho 1 Márcio José Ramos GONZAGA Júnior 2 Deivi Eduardo OLIARI 3 Márcia Regina Annuseck 4 Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI, Indaial,

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 1 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Comunicação e linguagens. Carlos Straccia ATO DE COMUNICAÇÃO. Referências bibliográficas

Comunicação e linguagens. Carlos Straccia ATO DE COMUNICAÇÃO. Referências bibliográficas ATO DE COMUNICAÇÃO Referências bibliográficas INFANTE, Ulisses. Do texto ao texto: curso prático de leitura e redação. 5 ed. São Paulo: Scipione, 1998, p. 17. PEREIRA, José Haroldo. Curso básico de teoria

Leia mais

A MÍDIA QUE COLA. A empresa Ribeirão Outdoor foi fundada em 1997, pela empreendedora Luzia Simões, que já atuava no ramo publicitário a alguns anos.

A MÍDIA QUE COLA. A empresa Ribeirão Outdoor foi fundada em 1997, pela empreendedora Luzia Simões, que já atuava no ramo publicitário a alguns anos. MÍDIA KIT 2017 A MÍDIA QUE COLA A empresa Ribeirão Outdoor foi fundada em 1997, pela empreendedora Luzia Simões, que já atuava no ramo publicitário a alguns anos. A empresa conta com uma vasta experiência

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANGA

EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANGA EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANGA 1) ASSESSORIA E CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO O mapeamento do campo de atuação em assessoria e consultoria em comunicação, baseado na

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAMPANHA II

PLANEJAMENTO DE CAMPANHA II PLANEJAMENTO DE CAMPANHA II MIX DE MARKETING MIX DE MARKETING CONTEXTO EMPRESARIAL MACRO-AMBIENTE MICRO-AMBIENTE EMPRESA MARKETING MIX DE MARKETING Motiva Persuade Cria Preferência Cria Clima Favorável

Leia mais

DIFERENTES TIPOS DE LIDERANÇA: A DISCURSIVIDADE JOVEM NA MÍDIA IMPRESSA

DIFERENTES TIPOS DE LIDERANÇA: A DISCURSIVIDADE JOVEM NA MÍDIA IMPRESSA Anais do II Seminário Interno de Pesquisas do Laboratório Arquivos do Sujeito DIFERENTES TIPOS DE LIDERANÇA: A DISCURSIVIDADE JOVEM NA MÍDIA IMPRESSA Viviane Sales dos Anjos Iniciação Científica UFF/FAPERJ

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA DESCRITORES

LÍNGUA PORTUGUESA DESCRITORES LÍNGUA PORTUGUESA DESCRITORES 1. BIMESTRE - 2015 4.º ANO - LEITURA Inferir uma informação implícita em um Localizar informações explícitas em um 5.º ANO - LEITURA Estabelecer relações entre partes de um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 RELAÇÃO

Leia mais

DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE. Por Claudio Alves BENASSI

DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE. Por Claudio Alves BENASSI 1 DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE Por Claudio Alves BENASSI D uarte, pesquisador da linguística da Língua Brasileira de Sinais, dá uma importante contribuição para o avanço

Leia mais

ARGUMENTAÇÃO E POLIFONIA EM DICIONÁRIOS INFANTIS DE LÍNGUA PORTUGUESA

ARGUMENTAÇÃO E POLIFONIA EM DICIONÁRIOS INFANTIS DE LÍNGUA PORTUGUESA ARGUMENTAÇÃO E POLIFONIA EM DICIONÁRIOS INFANTIS DE LÍNGUA PORTUGUESA Maria Cláudia Teixeira 1 Resumo: Fundamentado na perspectiva teórica da Semântica Argumentativa, este artigo tem por objetivo analisar

Leia mais

Aula 3: Tese, seleção de ideias e introdução.

Aula 3: Tese, seleção de ideias e introdução. Aula 3: Tese, seleção de ideias e introdução. A tese é um recorte que você vai fazer dentro do tema específico proposto. É o seu olhar, o seu posicionamento, a sua visão de mundo sobre o tema. Sou contra

Leia mais

MARATONA CULTURAL 2009 CARTILHA DO CANDIDATO 2ª FASE

MARATONA CULTURAL 2009 CARTILHA DO CANDIDATO 2ª FASE MARATONA CULTURAL 2009 CARTILHA DO CANDIDATO 2ª FASE Você está recebendo a cartilha com as orientações para a construção dos trabalhos da 2ª fase da Maratona Cultural 2009. Fique atento aos procedimentos

Leia mais

O TEXTO ARGUMENTATIVO

O TEXTO ARGUMENTATIVO O TEXTO ARGUMENTATIVO A argumentação visa a persuadir o leitor acerca de uma posição. Quanto mais polêmico for o assunto em questão, mais dará margem à abordagem argumentativa. Os argumentos devem promover

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG A NOÇÃO DE LOCAL NOS JORNAIS DIÁRIOS DE TERESINA: OS DISCURSOS SOBRE RELIGIÃO E ESPORTE Hodercine Helane Barros de Melo (Bolsista do ICV), Paulo Fernando de Carvalho Lopes (Orientador, Departamentoto de

Leia mais

Artefatos culturais e educação...

Artefatos culturais e educação... Artefatos culturais e educação... USO DAS TDIC NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROFª. JOICE ARAÚJO ESPERANÇA Vídeos: artefatos culturais? Vídeos Filmes Desenhos animados documentários Propagandas Telenovelas

Leia mais

Coerência por ser responsável pelo sentido do texto, a coerência é fator fundamental da textualidade. Abrange não só os aspectos lógicos e semânticos,

Coerência por ser responsável pelo sentido do texto, a coerência é fator fundamental da textualidade. Abrange não só os aspectos lógicos e semânticos, ESTÁGIO EM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA AULA 03: REVISANDO ALGUNS CONCEITOS PARA UM TRABALHO PRODUTIVO COM A LÍNGUA PORTUGUESA. TÓPICO 02: PROPRIEDADES DE TEXTUALIDADE Fonte [1] Depois de ler os conceitos

Leia mais

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso cfernandes@utfpr.edu.br Profa. Dr. Carolina Mandaji Formação discursiva, Formação ideológica Formações ideológicas Conjunto de valores e crenças a partir dos

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente..

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente.. GÊNEROS TEXTUAIS PROJETO DIDÁTICO Aula 10 META Apresentar a criação de um produto fi nal, a partir de atividades de leitura e escrita, como possibilidade de ressignifi cação da aprendizagem dos gêneros

Leia mais

Objetivos desta aula. Noções de Marketing 21/10/09

Objetivos desta aula. Noções de Marketing 21/10/09 Noções de Marketing 21/10/09 Atendimento. Marketing em empresas de serviços. Marketing de relacionamento. Segmentação de mercado e segmentação do setor bancário. Propaganda e Promoção. Satisfação, Valor

Leia mais

Nota Prévia 7 Prefácio... 23

Nota Prévia 7 Prefácio... 23 Indice Nota Prévia 7 Prefácio................................................... 23 I PARTE - Definição, classificações e funções da Publicidade 25 O Que é Publicidade? 27 Importância e Desenvolvimento

Leia mais

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema UFG/CS PS/011-1 RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS I ADEQUAÇÃO (SERÁ CONSIDERADO O USO DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO SEGUNDA LÍNGUA) A- ao tema

Leia mais

Discurso e texto. L. PORTUGUESA 1ª série do Ensino Médio Professora Marianna Aguiar

Discurso e texto. L. PORTUGUESA 1ª série do Ensino Médio Professora Marianna Aguiar Discurso e texto L. PORTUGUESA 1ª série do Ensino Médio Professora Marianna Aguiar Discurso e texto: contexto de produção, circulação e recepção de textos. A linguagem é uma prática social humana de interação

Leia mais

TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação.

TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação. TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação. Você encontra as leituras de apoio ao exercício neste link: http://www.revel.inf.br/pt/edicoes/?mode=especial&id=13

Leia mais

DISCURSOS MIDIÁTICOS E CULTURA CONTEMPORÂNEA. Análise do Discurso; Discursos Midiáticos; Contemporaneidade;

DISCURSOS MIDIÁTICOS E CULTURA CONTEMPORÂNEA. Análise do Discurso; Discursos Midiáticos; Contemporaneidade; 1 DISCURSOS MIDIÁTICOS E CULTURA CONTEMPORÂNEA Sonia Maria ALVAREZ Universidade Braz Cubas; Faculdade de Tecnologia de Itaquaquecetuba sonia.alvarez@uol.com.br Rosália Maria Netto PRADOS Universidade de

Leia mais

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso cfernandes@utfpr.edu.br Profa. Dr. Carolina Mandaji Análise do Discurso Fernanda Mussalim Condições de produção do discurso Formação discursiva, formação ideológica

Leia mais

Aula10 DESIGNAÇÃO: CONSTRUÇÃO DE IMAGENS NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula10 DESIGNAÇÃO: CONSTRUÇÃO DE IMAGENS NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula10 DESIGNAÇÃO: CONSTRUÇÃO DE IMAGENS NO DISCURSO META Estudar o processo de designação considerando seu papel na criação de referentes no discurso. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Compreender

Leia mais

III SEAD ANÁLISE DO PROCESSO DE DESIGNAÇÃO DO PROFESSOR: O MOVIMENTO ENTRE LÍNGUA, HISTÓRIA E IDEOLOGIA

III SEAD ANÁLISE DO PROCESSO DE DESIGNAÇÃO DO PROFESSOR: O MOVIMENTO ENTRE LÍNGUA, HISTÓRIA E IDEOLOGIA III SEAD ANÁLISE DO PROCESSO DE DESIGNAÇÃO DO PROFESSOR: O MOVIMENTO ENTRE LÍNGUA, HISTÓRIA E IDEOLOGIA Kátia Maria Silva de MELO Universidade Federal de Alagoas katia-melo@uol.com.br Neste texto abordamos

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA: A LINGUAGEM DO MAPA. Prof. Clésio

A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA: A LINGUAGEM DO MAPA. Prof. Clésio A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA: A LINGUAGEM DO MAPA Prof. Clésio O domínio da representação gráfica se inclui no universo da comunicação visual, que por sua vez faz parte da comunicação social. Participa, portanto,

Leia mais

A MATEMÁTICA NO DISCURSO MIDIÁTICO: O ETHOS NO PROGRAMA DE TV PASSA OU REPASSA

A MATEMÁTICA NO DISCURSO MIDIÁTICO: O ETHOS NO PROGRAMA DE TV PASSA OU REPASSA A MATEMÁTICA NO DISCURSO MIDIÁTICO: O ETHOS NO PROGRAMA DE TV PASSA OU REPASSA Arthur de Araujo FILGUEIRAS Universidade Federal da Paraíba arthurfilgueiras@yahoo.com.br 1. INTRODUÇÃO A associação da matemática

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO

LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO P1-1º BIMESTRE 8 º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Comparar textos, buscando semelhança e diferenças quanto às ideias

Leia mais

MULHERES EM CONTRADIÇÃO: O PÓS-FEMINISMO E AS SANDÁLIAS MELISSA

MULHERES EM CONTRADIÇÃO: O PÓS-FEMINISMO E AS SANDÁLIAS MELISSA MULHERES EM CONTRADIÇÃO: O PÓS-FEMINISMO E AS SANDÁLIAS MELISSA Patricia Bronislawski (ICV/PET-Letras - UNICENTRO), Níncia Cecília Ribas Borges Teixeira (Orientadora), e-mail: ninciaborgesteixeira@yahoo.com.br.

Leia mais

PERFIS DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA

PERFIS DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA PERFIS DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDOS EIXO TEMÁTICO COMPETÊNCIAS ESPERADAS Variedades lingüísticas; Diálogo; Turnos. Gênero

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE DISCIPLINA: Análise do Discurso CARGA HORÁRIA: 45 horas PROFESSORA: Dra. Laura Maria Silva Araújo

Leia mais

significados que pretende comunicar em um determinado contexto sócio-cultural. A Linguística Sistêmico-Funcional (LSF) leva em consideração que as

significados que pretende comunicar em um determinado contexto sócio-cultural. A Linguística Sistêmico-Funcional (LSF) leva em consideração que as 1 Introdução No nosso dia-a-dia, estamos a todo momento emitindo opiniões, defendendo ideias. Opinamos em casa, no trabalho, na escola, na rua, em todos os lugares. Opinar, argumentar, persuadir o outro

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Na realização de uma avaliação educacional em larga escala, é necessário que os objetivos da

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM ANÁLISE DE DISCURSO (GEPEAD)

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM ANÁLISE DE DISCURSO (GEPEAD) GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM ANÁLISE DE DISCURSO (GEPEAD) Profa. Dra. Palmira HEINE (UEFS) O Grupo de Estudos e Pesquisa em Análise de Discurso (GEPEAD) teve seu surgimento no início de 2012, no âmbito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Questão: 02 O candidato alega que, na questão 02, tanto a alternativa E como a alternativa A apresentam-se corretas, visto que as linhas 12 e 13 mostram que os violinistas mais relaxados também tinham

Leia mais

DISCURSOS DO SUCESSO: A PRODUÇÃO DE SUJEITOS E SENTIDOS DO SUCESSO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO

DISCURSOS DO SUCESSO: A PRODUÇÃO DE SUJEITOS E SENTIDOS DO SUCESSO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO DISCURSOS DO SUCESSO: A PRODUÇÃO DE SUJEITOS E SENTIDOS DO SUCESSO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO Thiago Barbosa Soares 1 Carlos Piovezani 2 Sucesso é uma tradução dos novos valores presentes na sociedade brasileira

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

MEDIAÇÃO DA INFORMAÇÃO: alguns aspectos

MEDIAÇÃO DA INFORMAÇÃO: alguns aspectos DA INFORMAÇÃO: alguns aspectos Oswaldo Francisco de Almeida Júnior Marília - 2006 DEFINIÇÃO Serviço de Informação e Referência Um recorte do todo da biblioteca com pessoal, arquivo, equipamento, metodologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 SUJEITO

Leia mais

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6. Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.1 Padrão vs. não padrão 6.2 Variedades sociais 6.3 Classificação

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO Provas 2º Bimestre 2012 LÍNGUA PORTUGUESA DESCRITORES DESCRITORES DO 2º BIMESTRE

Leia mais

Sugestão de Atividades Escolares Que Priorizam a Diversidade Sociocultural 1

Sugestão de Atividades Escolares Que Priorizam a Diversidade Sociocultural 1 Sobre gênero e preconceitos: Estudos em análise crítica do discurso. ST 2 Ana Queli Tormes Machado UFSM Palavras-chave: gênero discursivo/textual, diversidade sociocultural, ensino de Língua Portuguesa

Leia mais

Liderança. A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos.

Liderança. A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos. CHEFIA E LIDERANÇA Liderança A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos. Liderança Liderar significa possuir a capacidade e o discernimento para

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE EFEITOS DE SENTIDO. Profa. Carol Casali

CONSTRUÇÃO DE EFEITOS DE SENTIDO. Profa. Carol Casali CONSTRUÇÃO DE EFEITOS DE SENTIDO Profa. Carol Casali ENUNCIADO UNIDADE ELEMENTAR DA COMUNICAÇÃO VERBAL; Se opõe à enunciação como o produto se opõe à produção; MARCA VERBAL DO ACONTECIMENTO (ENUNCIAÇÃO).

Leia mais

ENEM 2012 Questões 108, 109, 110, 111, 112 e 113

ENEM 2012 Questões 108, 109, 110, 111, 112 e 113 Questões 108, 109, 110, 111, 112 e 113 108. Na leitura do fragmento do texto Antigamente constata-se, pelo emprego de palavras obsoletas, que itens lexicais outrora produtivos não mais o são no português

Leia mais

Manual de marca. Aplicações da marca

Manual de marca. Aplicações da marca Manual de marca Aplicações da marca 1 assinatura institucional 2 1. assinatura institucional Logotipos são assinaturas institucionais e devem ser usados em todas as manifestações visuais da empresa. Sua

Leia mais

Palestra. Dicas para apresentação de projetos ao Hotel Tecnológico. Professora Rosângela Borges Pimenta

Palestra. Dicas para apresentação de projetos ao Hotel Tecnológico. Professora Rosângela Borges Pimenta Palestra Dicas para apresentação de projetos ao Hotel Tecnológico Professora Rosângela Borges Pimenta Dia 24 de maio de 2013 Câmpus Cornélio Procópio Roteiro para apresentação dos slides Estrutura da Apresentação

Leia mais

Gênero em sala de aula: identidade discursiva em anúncios publicitários

Gênero em sala de aula: identidade discursiva em anúncios publicitários Gênero em sala de aula: identidade discursiva em anúncios publicitários Lucila Carneiro Guadelupe (UFF) Neste trabalho, nos propomos a apresentar alguns aspectos da teoria semiolingüística de Patrick Charaudeau,

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA -

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - Rio de Janeiro / 2014 0 SUMÁRIO Público-alvo p. 2 Justificativa p.2 Objetivos Gerais p. 3 Objetivos Específicos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/Letras Escola Estadual Prof.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/Letras Escola Estadual Prof. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/Letras Escola Estadual Prof. José Fernandes Machado Professor Supervisor: Ladmires Carvalho Bolsistas:

Leia mais

CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO

CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO Wellyna Késia Franca de SOUSA e Eliane Marquez da Fonseca FERNANDES Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás wellynakesiahb@bol.com.br

Leia mais

Palavras-Chave: Poder. Discurso Jornalístico. Análise do Discurso. Resistência.

Palavras-Chave: Poder. Discurso Jornalístico. Análise do Discurso. Resistência. O DISCURSO JORNALÍSTICO - LUGAR EM QUE SE TRAVAM A POLÊMICA E A RESISTÊNCIA Janete Abreu HOLANDA Universidade Federal de Goiás jneteholanda@hotmail.com Maria de Lourdes Faria dos Santos PANIAGO Pós-Doc

Leia mais

O que se remonta de Espinosa em Pêcheux? Pedro de SOUZA

O que se remonta de Espinosa em Pêcheux? Pedro de SOUZA 1 O que se remonta de Espinosa em Pêcheux? Pedro de SOUZA O retorno sugerido pelo título - Remontemos de Espinosa a Foucault - remete muito mais a uma coincidência singular entre Michel Pêcheux e Baruch

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 2 MOVIMENTO PAULISTA DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO O Movimento Paulista de Segurança no Trânsito é um programa do Governo do Estado de São Paulo que tem como objetivo reduzir as

Leia mais

A FORMA-SUJEITO DO/NO DISCURSO NO PROCESSO METAFÓRICO DE CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS DO NOME PORTUGUÊS NA ARGENTINA

A FORMA-SUJEITO DO/NO DISCURSO NO PROCESSO METAFÓRICO DE CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS DO NOME PORTUGUÊS NA ARGENTINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A FORMA-SUJEITO

Leia mais

POSSENTI, S. Questões para analistas do discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2009, 183 p.

POSSENTI, S. Questões para analistas do discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2009, 183 p. POSSENTI, S. Questões para analistas do discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2009, 183 p. Fernanda Mussalim* Roberto Leiser Baronas** Questões para analistas do discurso traz quatorze textos que não

Leia mais

TEXTOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA EM SALA DE AULA

TEXTOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA EM SALA DE AULA Simpósio DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NA SALA DE AULA: perspectivas e possibilidades 15 e 16 de maio de 2014, Faculdade de Educação da USP, São Paulo TEXTOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA EM SALA DE AULA Luciana Nobre

Leia mais

Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. (...)

Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. (...) Podemos tratar a dêixis como o modo mais óbvio de efetivação do elo entre a produção linguística dos falantes e os contextos situacionais em que tal produção ocorre. Ela permite marcar no enunciado as

Leia mais

Disciplinas ministradas em outros cursos

Disciplinas ministradas em outros cursos Disciplinas ministradas em outros cursos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACOMB BIBLIOTECONOMIA NOME DA DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA REDAÇÃO E EXPRESSÃO II PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

Relações entre o visual e o verbal em propaganda.

Relações entre o visual e o verbal em propaganda. JULIA HELENA DA ROCHA URRUTIA Relações entre o visual e o verbal em propaganda. Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Textos Comunicacionais Profa. Dra. Irene Machado São Paulo,

Leia mais

Garoto Vivo na Vila Cemitério 1. Camilla AZIZ 2. Cecília CAVALCANTI 3. João Rafael COSTA 4. Rodrigo DUGUAY 5

Garoto Vivo na Vila Cemitério 1. Camilla AZIZ 2. Cecília CAVALCANTI 3. João Rafael COSTA 4. Rodrigo DUGUAY 5 Garoto Vivo na Vila Cemitério 1 Camilla AZIZ 2 Cecília CAVALCANTI 3 João Rafael COSTA 4 Rodrigo DUGUAY 5 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO O trabalho realizado tem como objetivo anunciar

Leia mais

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS Por Claudio Alves BENASSI omo vimos anteriormente, em relação ao uso que o sujeito com C surdez faz da modalidade escrita do surdo, o recurso didático Números Semânticos

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão: Elias Januário Revisão Final: Karla Bento de Carvalho Consultor: Luís Donisete Benzi Grupioni Projeto Gráfico/Diagramação: Fernando

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Leitura e Produção Textual Professor: Wilma Cléa Ferreira e-mail: wilmaclea@yahoo.com.br Código: Carga Horária: 60 H Créditos:

Leia mais

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION%

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION% RELAÇÕESDEPRESSUPOSIÇÃOEACARRETAMENTONACOMPREENSÃO DETEXTOS PRESUPPOSITIONANDENTAILMENTRELATIONSINTEXT COMPREHENSION KarinaHufdosReis 1 RESUMO: Partindo das definições de pressuposição e acarretamento,

Leia mais

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º AULA 2 Texto e Textualização Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º daniel.almeida@unifal-mg.edu.br O QUE É TEXTO? Para Costa Val, texto = discurso. É uma ocorrência linguística falada ou escrita,

Leia mais

PIMENTA TABASCO 1. André Luiz FRANCISCO 2 Fabio RAMOS 3 Centro Universitário Adventista de São Paulo, Engenheiro Coelho, SP

PIMENTA TABASCO 1. André Luiz FRANCISCO 2 Fabio RAMOS 3 Centro Universitário Adventista de São Paulo, Engenheiro Coelho, SP PIMENTA TABASCO 1 André Luiz FRANCISCO 2 Fabio RAMOS 3 Centro Universitário Adventista de São Paulo, Engenheiro Coelho, SP RESUMO O presente trabalho consiste em desenvolver uma campanha publicitária com

Leia mais

IX COLÓQUIO DO MUSEU PEDAGÓGICO 5 a 7 de outubro de Lilian Pereira da Cruz ** (UESB) Edvania Gomes da Silva *** (UESB)

IX COLÓQUIO DO MUSEU PEDAGÓGICO 5 a 7 de outubro de Lilian Pereira da Cruz ** (UESB) Edvania Gomes da Silva *** (UESB) IMAGENS DE POLÍTICO E DE POLÍTICA MATERIALIZADAS NOS MATERIAIS DE PROPAGANDA POLÍTICO- PARTIDÁRIA * Lilian Pereira da Cruz ** (UESB) Edvania Gomes da Silva *** (UESB) RESUMO: O presente trabalho, que apresenta

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 2.189, DE 2007 Estabelece normas para a utilização de marca publicitária pelo Governo Federal e para seus investimentos em

Leia mais

Outdoor Pós graduação Uni-anhanguera 1 Aline MAIA 2 Raquel RIBEIRO 3 Tereza YOSHIMURA 4 Centro Universitário de Goiás Uni-Anhanguera

Outdoor Pós graduação Uni-anhanguera 1 Aline MAIA 2 Raquel RIBEIRO 3 Tereza YOSHIMURA 4 Centro Universitário de Goiás Uni-Anhanguera Outdoor Pós graduação Uni-anhanguera 1 Aline MAIA 2 Raquel RIBEIRO 3 Tereza YOSHIMURA 4 Centro Universitário de Goiás Uni-Anhanguera Resumo do trabalho O outdoor referente ao curso de pós-graduação da

Leia mais

ORIENTAÇO ES PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE INTERVENÇA O

ORIENTAÇO ES PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE INTERVENÇA O ORIENTAÇO ES PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE INTERVENÇA O O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO? Na perspectiva do desenvolvimento das habilidades e competência do eixo do Programa de Aprendizagem em Atenção

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais