, $SUHVHQWDomR,, 1RWD,QWURGXWyULD. ,,, 2EMHFWLYRVH(VWUDWpJLD,9 $FWLYLGDGHVH3URMHFWRV3UHYLVWRV 9$EUHYLDWXUDV8WLOL]DGDV. Plano de Actividades 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ", $SUHVHQWDomR,, 1RWD,QWURGXWyULD. ,,, 2EMHFWLYRVH(VWUDWpJLD,9 $FWLYLGDGHVH3URMHFWRV3UHYLVWRV 9$EUHYLDWXUDV8WLOL]DGDV. Plano de Actividades 2008"

Transcrição

1 3/$12'($&7,9,'$'(6

2

3 Ë1',&(, $SUHVHQWDomR,, 1RWD,QWURGXWyULD %UHYH FDUDFWHUL]DomR GR DPELHQWH LQWHUQR H H[WHUQR HP TXH VH LQVHUHDDFWLYLGDGHGD'5),GHQWLILFDomRGRVFOLHQWHV 7LSLILFDomRGRVSURGXWRVHVHUYLoRVIRUQHFLGRV ([SOLFLWDomRGRSURFHVVRGHHODERUDomRGRSODQRHGRVPHFDQLVPRV XWLOL]DGRVSDUDDVVHJXUDUDSDUWLFLSDomR,,, 2EMHFWLYRVH(VWUDWpJLD,9 $FWLYLGDGHVH3URMHFWRV3UHYLVWRV *HUDO 'LUHFomR 'LUHFomR GH 6HUYLoRV GH &RRUGHQDomR 3DWULPyQLR H $SRLRV )LQDQFHLURV 'LUHFomRGH6HUYLoRVGH*DUDQWLDVH$XWDUTXLDV/RFDLV 'LUHFomRGH6HUYLoRVGH&UpGLWR3~EOLFRH$VVXQWRV([WHUQRV 'LUHFomRGH6HUYLoRVGR7HVRXUR 9$EUHYLDWXUDV8WLOL]DGDV 1

4 , $SUHVHQWDomR 2

5 O Decreto Regulamentar Regional n.º 5/2008/M, de 26 de Março, aprovou a orgânica da Direcção Regional de Finanças, que é o organismo da Secretaria Regional do Plano e Finanças responsável pela definição e orientação da política da Região na área das finanças, promovendo as acções tendentes à sua execução. Em cumprimento do Decreto-Lei n.º 183/96, de 27 de Setembro, junto se apresenta o Plano de Actividades da DRF para 2008, norteado pela incumbência de assegurar o cumprimento das obrigações decorrentes das competências que lhe estão legalmente acometidas, bem como pelas orientações da Tutela. O Plano de Actividades para 2008 pretende consolidar a articulação entre os objectivos estratégicos e os objectivos funcionais e, em última instância, com os objectivos individuais de cada um dos seus colaboradores. Por outro lado, em consequência de reestruturações internas decorrentes da alteração das competências da Direcção Regional (que também justifica o atraso na apresentação deste documento) e da realocação de recursos humanos às diversas unidades orgânicas, colocam-se novos desafios ao nível do funcionamento interno será, então, um ano de mudanças internas que deverão atingir uma velocidade de cruzeiro no segundo semestre. Decorrente das actividades e projectos realizados em 2007, prevê-se a implementação e consolidação de alguns procedimentos internos que simplifiquem e agilizem o trabalho desenvolvido. Aos funcionários, uma vez mais, uma especial palavra de agradecimento pelo seu envolvimento e empenho na elaboração deste plano de actividades. I. Apresentação 3

6 Maio de 2008 O Director Regional, Rui Manuel Teixeira Gonçalves Aprovado por Sua Excelência o Secretário Regional do Plano e Finanças O Secretário Regional do Plano e Finanças, José Manuel Ventura Garcês I. Apresentação 4

7 ,, 1RWD,QWURGXWyULD 5

8 %UHYHFDUDFWHUL]DomRGRDPELHQWHLQWHUQRHH[WHUQRHPTXHVHLQVHUHDDFWLYLGDGH GD'5) 1.1 Ambiente interno Nos termos do n.º 1 do artigo 2.º do Decreto Regulamentar Regional 5/2008/M, de 26 de Março, a Direcção Regional de Finanças tem como missão administrar a tesouraria do Governo Regional, executar a política regional no sector das finanças e controlar as acções necessárias ao domínio da actividade financeira da Região Autónoma da Madeira. Assim, de acordo com o artigo 2.º do citado diploma, são suas DWULEXLo}HV: a) Contribuir para a definição e controlo da política financeira regional, estudando e propondo as medidas necessárias à sua execução; b) Propor medidas de incentivo à actividade económica e acompanhar e controlar a sua aplicação; c) Acompanhar e produzir relatórios, de índole financeira, sobre as participações da RAM em sociedades, sobre as concessões e sobre as parcerias público -privadas, que permitam que sejam tomadas as medidas necessárias para zelar pelos activos e pela função accionista da RAM e para garantir a sua sustentabilidade; d) Exercer, sem prejuízo do disposto em lei especial, sob a direcção do Secretário Regional do Plano e Finanças, a função de accionista no sector público empresarial da RAM sob a tutela da SRPF; e) Acompanhar e produzir relatórios, de índole financeira, sobre as Instituições de Utilidade Pública, nos termos da lei; f) Emitir pareceres sobre apoios financeiros e diplomas que impliquem perda de receita ou aumento da despesa pública da Região; g) Conceder e controlar os apoios financeiros e os empréstimos concedidos, nos termos da lei, e administrar os activos financeiros da Região; II. Nota Introdutória - Ambiente interno 6

9 h) Coordenar as operações relativas à emissão e gestão da dívida pública regional directa e prestar apoio na emissão e gestão da dívida de entidades participadas; i) Acompanhar as políticas e as medidas produzidas a nível nacional e comunitário, bem assim os assuntos decorrentes do relacionamento com as instâncias nacionais e comunitárias, na área financeira, emitindo pareceres e produzindo relatórios e estudos, de forma a garantir a salvaguarda e a defesa dos interesses da Região; j) Instruir e acompanhar os processos de concessão de avales da Região e fiscalizar as entidades beneficiárias, nos termos da lei; l) Assegurar a aquisição de activos e a assunção e regularização de passivos e responsabilidades financeiras da Região; m) Recuperar créditos decorrentes de operações de intervenção financeira; n) Propor medidas de apoio financeiro às autarquias locais da Região e acompanhar a sua situação económico financeira e contabilística, nos termos da legislação em vigor; o) Propor medidas de acompanhamento, controlo e aperfeiçoamento do sistema de liquidação, cobrança e arrecadação das receitas da Região, com vista à sua maximização; p) Assegurar o controlo da movimentação e utilização dos fundos da Região; q) Transmitir instruções e sugestões sobre matérias da sua competência a todos os serviços da administração regional e local; r) Produzir e difundir estudos e trabalhos elaborados no âmbito das suas competências ou com a sua colaboração; s) Assegurar o funcionamento de um serviço de documentação ao qual incumbe recolher e manter actualizada a documentação e informação técnica necessária à sua actividade; t) Exercer todas as demais atribuições que lhe forem expressamente cometidas por diploma regional ou que decorram do normal exercício das suas funções. II. Nota Introdutória - Ambiente interno 7

10 $RQtYHORUJkQLFR, a actuação da DRF rege-se ainda por: - Portaria n.º 37/2008, de 9 de Abril, que determina a estrutura nuclear dos serviços da Direcção Regional de Finanças e as competências das respectivas unidades orgânicas, fixando o limite máximo de unidades orgânicas flexíveis; - Despacho n.º 48/2008, de 10 de Abril, que cria a Divisão de Autarquias Locais; - Despacho n.º 5/2008, de 15 de Abril, que cria estruturas administrativas e procede à afectação funcional de funcionários. 'LUHFWRU5HJLRQDO Secção de Pessoal, Aprovisionamento e Apoio Direcção de Serviços de Coordenação, Património e Apoios Financeiros Direcção de Serviços de Garantias e Autarquias Locais Direcção de Serviços de Crédito Público e Assuntos Externos Direcção de Serviços do Tesouro Divisão de Autarquias Locais Departamento de Emissão de Ordens de Pagamento No âmbito das competências da DRF, existem ainda RXWURVGLSORPDV que regem a sua actuação. Na área da dívida indirecta da Região, o Decreto Legislativo Regional n.º 24/2002/M, de 23 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto Legislativo Regional n.º 19/2005/M, de 24 de Novembro, e pelo art.º 13.º do Decreto Legislativo Regional n.º 2- II. Nota Introdutória - Ambiente interno 8

11 A/2008/M, de 16 de Janeiro (rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 11/2008, de 14 de Março) estabelece o regime jurídico da concessão de avales pela RAM. Relativamente às autarquias locais, o Decreto Legislativo Regional n.º 6/2005/M, de 1 de Junho, que aprovou o regime de cooperação técnica e financeira entre a administração pública regional e a administração local da RAM, vem definir os procedimentos a adoptar naquela área no âmbito das competências da DRF. Internamente, existem ainda: O Manual de Procedimentos e de Funcionamento da Tesouraria do Governo Regional da Madeira, aprovado através do Despacho n.º 70/2003, de 9 de Maio, cuja revisão foi aprovada pelo Despacho n.º 474/2005, de 20 de Dezembro, do Secretário Regional do Plano e Finanças, no qual se definem as competências dos serviços e se identificam os documentos e os procedimentos associados à arrecadação e gestão de receita e à realização de despesa; O Manual de Procedimentos respeitante aos avales da RAM, aprovado através do Despacho n.º 475/2005, de 21 de Dezembro, do Secretário Regional do Plano e Finanças, no qual se definem as competências dos serviços e se identificam os documentos e os procedimentos associados à sua atribuição; O Manual de Procedimentos respeitante ao património financeiro da RAM, aprovado através do Despacho n.º 161/2006, de 26 de Maio, do Secretário Regional do Plano e Finanças, no qual se definem as competências dos serviços e se identificam os documentos e os procedimentos associados ao seu acompanhamento; O Despacho n.º 1/2006, de 27 de Abril, alterado pelo Despacho n.º 3/2006, de 17 de Julho, que designa a Comissão da Qualidade para desenvolvimento dos trabalhos no âmbito da implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade segundo a NP EN ISO 9001:2000 na Direcção de Serviços do Tesouro e o gestor da qualidade; II. Nota Introdutória - Ambiente interno 9

12 O Despacho n.º 1/2008, de 21 de Fevereiro, que atribui a responsabilidade de coordenação e gestão dos conteúdos e a responsabilidade de actualização dos mesmos relativamente à página da DRF na Internet Recursos humanos Em Janeiro de 2008, o número de efectivos da DRF ascendia a 29. Relativamente ao período homólogo de 2007, isto representa um decréscimo de 3 funcionários, ou seja, de 9%. 3HVVRDODSUHVWDUVHUYLoRQD'5)DGH-DQHLURGHSRUJUXSRGHSHVVRDO *UXSRGH3HVVRDO 1žGH)XQFLRQiULRV 3HVR5HODWLYR Dirigente 6 20,7% Técnico Superior 5 17,2% Técnico-Profissional 2 6,9% Administrativo 12 41,4% Auxiliar 4 13,8% 7RWDO A repartição do pessoal pelas diversas unidades orgânicas da DRF encontra-se discriminada no quadro seguinte. 3HVVRDODSUHVWDUVHUYLoRQD'5)DGH-DQHLURGHSRUXQLGDGHRUJkQLFD 8QLGDGH2UJkQLFD 1žGH)XQFLRQiULRV 3HVR5HODWLYR Direcção 5 17,2% DSCPAF 4 13,8% DSGAL 5 17,2% DSCPAE 3 10,3% DST 12 41,4% 7RWDO II. Nota Introdutória - Ambiente interno 10

13 @ Plano de Actividades Recursos orçamentais O orçamento de funcionamento da DRF para 2008 ascende a ,00 ¼ dos quais 98% são destinados a despesas com pessoal. '2 ) $ ($ %& ' ($ * + -,/.10! " #$ ! , 3896/:/3546 0* 3546 Pessoal ,0% Aquisição de Bens ,6% Aquisição de Serviços ,3% Aquisição de Bens de Capital ; <=<5<>#? ACB B 7+D 7+D B 7 4 9B + E ;F;HGI 7 +B D B D 8 B AC + +B D J D 9B D + 9B D 7 B CB D + Unid: euros Foram igualmente inscritos no PIDDAR os 3 seguintes projectos da DRF, que mereceram a aprovação da SRPF: - Implementação de medidas de simplificação e modernização dos serviços da DRF (10.000,00 ¼ - Certificação dos serviços da Tesouraria do Governo Regional (10.000,00 ¼ - Formação e aperfeiçoamento profissional (2.500,00 ¼ Estes projectos, que totalizam em termos de despesa ,00¼ GHFRUUHP GD programação das actividades e projectos da DRF constante deste Plano de Actividades. II. Nota Introdutória - Ambiente interno 11

14 Instalações, equipamentos e recursos tecnológicos A DRF está instalada no Palácio do Governo, cuja administração e gestão está sob a tutela da Vice-Presidência do Governo Regional, a par de outros serviços da própria Secretaria Regional do Plano e Finanças, da Vice-Presidência e da Secretaria Regional de Educação. Ocupa ainda instalações, cedidas pela I.H.M. Investimentos Habitacionais da Madeira, EPE, em Santo Amaro, designadamente uma sala para aprovisionamento do arquivo morto. Ao nível dos equipamentos e recursos tecnológicos: - Todos os funcionários, com excepção do pessoal auxiliar, dispõem de computador pessoal com acesso à Internet e ao correio electrónico; - A maioria dos colaboradores, de acordo com as necessidades do serviço, têm acesso ao programa informático de controle orçamental da DRI, com diferentes níveis de autorização; - Existe pelo menos uma impressora por cada unidade orgânica, sendo que, afecta à Direcção, se encontra a única impressora laser a cores da Direcção Regional para a realização de trabalhos essencialmente direccionados para clientes externos; - Existem ainda duas fotocopiadoras, uma que é simultaneamente fax e impressora, e outra afecta à DST, unidade orgânica que possui também um fax, um scanner, para digitalização de cheques, e uma máquina para destruição de papel; - Todos os técnicos superiores têm ao seu encargo uma pen drive, que permite a movimentação, bem como a salvaguarda de ficheiros; - Para além dos 4 monitores e da impressora laser adquiridos, não se perspectiva a aquisição de equipamento em 2008, a não ser para a substituição de equipamento não operacional. II. Nota Introdutória - Ambiente interno 12

15 1.2 Ambiente externo A actividade da DRF é influenciada por diversas variáveis exógenas, designadamente político-legais, económico-financeiras e sócio-culturais. No campo político-legal, a esfera de actuação da DRF será balizada pelo Plano de Desenvolvimento Económico e Social , pelo Programa do Governo e pela legislação referida anteriormente, que inclui também o diploma que aprovou o Orçamento da Região para De destacar nesta área o enfoque dado ao objectivo de aperfeiçoamento e modernização da Administração Pública. Por outro lado, no capítulo de Finanças Públicas, o Programa do Governo prevê: - A prioridade das despesas de investimento em detrimento das despesas correntes; - A promoção de parcerias público-privadas. É de referir, ainda, os condicionalismos decorrentes do actual relacionamento institucional entre o Governo da República e o Governo Regional da Madeira que se perspectiva que venha a condicionar a acção da DRF. Relativamente às variáveis económico-financeiras, como sejam as orientações macroeconómicas e orçamentais, as condicionantes do mercado e os condicionalismos decorrentes dos fundos estruturais e dos apoios do Orçamento do Estado, as mesmas concorrem para uma conjuntura orçamental desfavorável, que exigirá ainda maiores responsabilidades à DRF. Ao nível sócio-cultural, é de destacar a corrente predominante de que a actuação pública deve suprir todas as carências, bem como a grande resistência à mudança (externa, mas também interna à própria administração e extensiva a todos os níveis hierárquicos), que dificultam e condicionam a actuação que a DRF se propõe desenvolver em prol do interesse colectivo. II. Nota Introdutória - Ambiente externo 13

16 ,GHQWLILFDomRGRVFOLHQWHV 2.1 Clientes internos Caracterizando-se os clientes internos como os destinatários de cada fase do processo, os clientes da DRF são essencialmente as unidades orgânicas que a compõem, bem como outros serviços da SRPF, clientes intermédios nos processos da competência da Direcção Regional, nomeadamente o Gabinete do Secretário Regional e a Direcção Regional de Orçamento e Contabilidade. 2.2 Clientes externos No que concerne aos clientes externos, os destinatários finais dos serviços, temos: Administração Pública Regional, incluindo Institutos, Serviços e Fundos Autónomos; Empresa Inter-Municipal da RAM, Associação de Municípios da RAM, Delegação Regional da Associação Nacional de Freguesias e Autarquias Locais da RAM; Entidades com Participação Social da RAM; Diversos Departamentos da Administração Pública Central: Inspecção-Geral de Finanças, Direcção-Geral das Autarquias Locais, Direcção-Geral do Orçamento, Direcção-Geral do Tesouro e Finanças, Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional e Secção Regional da Madeira do Tribunal de Contas; Instituições de Crédito Nacionais e Internacionais; Empresas Privadas, Associações Empresariais, Profissionais, Religiosas e Culturais e Cidadãos em geral. II. Nota Introdutória - Identificação dos clientes 14

17 7LSLILFDomRGRVSURGXWRVHVHUYLoRVIRUQHFLGRV Face às atribuições que estão cometidas à DRF, e tendo em conta as actividades e projectos a desenvolver em 2008, os produtos e serviços que poderão ser fornecidos são os que seguidamente se indicam: Produção e divulgação de documentos, estudos, relatórios e outra informação disponível ou solicitada; Concessão de avales; Concessão de apoios financeiros; Gestão da dívida pública directa, do património financeiro e da Tesouraria da Região; Apoio às autarquias locais na implementação e desenvolvimento do POCAL e SIPOCAL, bem como prestação de apoio técnico e financeiro; Elaboração de pareceres; Acesso electrónico ao extracto dos pagamentos a fornecedores; Notificação electrónica aos fornecedores relativamente a pagamentos; Disponibilização de ferramentas que permitam o pagamento on-line de serviços fornecidos pela Administração Pública Regional. II. Nota Introdutória - Tipificação dos produtos e serviços fornecidos 15

18 ([SOLFLWDomRGRSURFHVVRGHHODERUDomRGRSODQRHGRVPHFDQLVPRVXWLOL]DGRVSDUD DVVHJXUDUDSDUWLFLSDomR A elaboração do Plano de Actividades de 2008, que decorreu num contexto de colaboração e participação de todos os funcionários, compreende as seguintes fases: Fase 1 - Definição da estratégia e dos objectivos a prosseguir, comunicação dos mesmos aos funcionários e solicitação de propostas às diversas unidades orgânicas; Fase 2 - Desenvolvimento e apresentação de propostas de actividades e de projectos; Fase 3 - Compilação e uniformização de propostas e elaboração de documento provisório; Fase 4 - Consulta às diversas unidades orgânicas relativamente ao documento provisório; Fase 5 - Elaboração e aprovação do Plano; Fase 6 - Divulgação do Plano a todos os funcionários da DRF e aos cidadãos em geral através da página da DRF na Internet. II. Nota Introdutória Processo de elaboração do plano e mecanismos utilizados 16

19 ,,,2EMHFWLYRVH(VWUDWpJLD 17

20 A actividade e o posicionamento da DRF podem ser caracterizados no quadro que se segue, o qual procede a uma análise SWOT (pontos fortes e pontos fracos, oportunidades e ameaças). $QiOLVH6:27GD'5) 3RQWRV)RUWHV Capacidade de trabalho e competências dos colaboradores Elevada quantidade de informação disponível Compromisso com a mudança por parte da gestão de topo 2SRUWXQLGDGHV Sinergias com outras entidades para partilha de informação e de boas práticas Informação automatizada Automatização e racionalização de processos Contexto de medidas de modernização da administração pública 3RQWRV)UDFRV Sistema informático desajustado Sistema de informação pouco desenvolvido Fraca modernização administrativa Volume elevado de trabalho face aos recursos disponíveis e à actual organização de processos $PHDoDV Acelerada mutação da realidade económica e tecnológica Elevada burocracia na Administração Pública Instabilidade no relacionamento institucional entre os Governos da República e Regional Conjuntura económica desfavorável A PLVVmR da DRF passa, pois, por desenvolver as atribuições que lhe são acometidas na definição, orientação e execução da política regional na área das finanças, com economia, eficiência e eficácia. III. Objectivos e Estratégia 18

21 Ser um organismo de referência da administração pública regional, que sirva de catalizador das mudanças e das reformas que se impõem para garantir a eficiência e a qualidade dos serviços prestados, num quadro de motivação, competência e responsabilidade dos colaboradores. Para que tal missão seja prosseguida, a DRF adoptou como YLVmR: As GLUHFWUL]HV/orientações que se impõem à actuação da DRF são: 1. Assegurar a sustentabilidade das finanças públicas regionais, de modo a salvaguardar e aprofundar a autonomia financeira regional, através, nomeadamente, da racionalização e optimização dos recursos públicos disponíveis, e da maximização das receitas regionais; 2. Contribuir para a implementação de medidas impulsionadoras do aumento da competitividade da economia regional, designadamente ao nível da criação de incentivos e benefícios fiscais, e do aprofundamento da coesão social e territorial; 3. Contribuir para o aperfeiçoamento e a modernização do sistema administrativo da RAM. Para prosseguir estas orientações, foram definidos quatro REMHFWLYRVHVWUDWpJLFRV: 1. Preparar a proposta de Orçamento da Região até 15 de Outubro de 2008, nas áreas de actuação da DRF, norteada pela racionalização e optimização de recursos públicos; 2. Emitir pareceres e prestar informações no prazo máximo de 10 dias úteis, sem ultrapassar, sob forma alguma, os prazos legalmente fixados; 3. Concluir o levantamento e sistematização de processos das áreas de competências da Direcção Regional até ao final de 2008; III. Objectivos e Estratégia 19

22 4. Ter em pleno funcionamento todos os procedimentos de melhoria do serviços implementados até ao final de Ao nível dos REMHFWLYRV IXQFLRQDLV, apresentam-se os mesmos alocando-os aos respectivos objectivos estratégicos e unidades orgânicas, e efectuando igualmente uma correspondência aos projectos e actividades que constam no capítulo IV deste plano. 'LUHFomRGH6HUYLoRVGH&RRUGHQDomR3DWULPyQLRH$SRLRV)LQDQFHLURV Objectivo Estratégico 2EMHFWLYRV)XQFLRQDLV Actividades/ Projectos Elaborar até 10 de Outubro de 2008 a proposta de orçamento relativa ao património e aos apoios financeiros Emitir pareceres e prestar informações, no prazo máximo de 6 dias úteis, em 85% a 90% dos casos Reformular os manuais de procedimentos nas áreas do património e dos apoios financeiros até A01 A03 A01 a A06 P01 'LUHFomRGH6HUYLoRVGH*DUDQWLDVH$XWDUTXLDV/RFDLV Objectivo Estratégico 2EMHFWLYRV)XQFLRQDLV Actividades/ Projectos Elaborar até 10 de Outubro de 2008 a proposta de orçamento relativa à dívida indirecta e aos apoios às autarquias locais Emitir pareceres e prestar informações, no prazo máximo de 6 dias úteis, em 85% a 90% dos casos. A01 A08 A01 a A10 III. Objectivos e Estratégia 20

23 'LUHFomRGH6HUYLoRVGH&UpGLWR3~EOLFRH$VVXQWRV([WHUQRV Objectivo Estratégico 2EMHFWLYRV)XQFLRQDLV Actividades/ Projectos Elaborar até 10 de Outubro de 2008 a proposta de orçamento relativa à dívida directa e juros Emitir pareceres e prestar informações, no prazo máximo de 6 dias úteis, em 80% a 90% dos casos. A06 A01 a A08 'LUHFomRGH6HUYLoRVGR7HVRXUR Objectivo Estratégico 2EMHFWLYRV)XQFLRQDLV Actividades/ Projectos Prestar informações no prazo máximo de 10 dias úteis, com excepção da Conta do Tesoureiro até ao final de Abril de Assegurar que até é obtida a certificação do Sistema de Gestão da Qualidade da DST. A01 a A03 P01 São definidos, portanto, objectivos para cada unidade orgânica, com excepção da Direcção, uma vez que os objectivos desta são os objectivos estratégicos. Logo, em termos de avaliação do cumprimento dos objectivos, a Direcção será avaliada pelo desempenho da DRF no seu conjunto. Agregando os objectivos funcionais das várias unidades orgânicas por objectivo estratégico, temos o quadro que se segue que permite visualizar os objectivos funcionais que concorrem para cada objectivo estratégico. III. Objectivos e Estratégia 21

24 Objectivo Estratégico Objectivo Funcional Unid. Orgân. 1. Preparar a proposta de Orçamento da Região até 15 de Outubro de 2008, nas áreas de actuação da DRPF, norteada pela racionalização e optimização de recursos públicos. 2. Emitir pareceres e prestar informações no prazo máximo de 10 dias úteis, sem ultrapassar, sob forma alguma, os prazos legalmente fixados. 1.1 Elaborar até 10 de Outubro de 2008 a proposta de orçamento relativa ao património e aos apoios financeiros. 1.2 Elaborar até 10 de Outubro de 2008 a proposta de orçamento relativa à dívida indirecta e aos apoios às autarquias locais. 1.3 Elaborar até 10 de Outubro de 2008 a proposta de orçamento relativa à dívida directa e juros. 2.1/2.2/2.3 Emitir pareceres e prestar informações, no prazo máximo de 6 dias úteis, em 85% a 90% dos casos. 2.4 Prestar informações no prazo máximo de 10 dias úteis, com excepção da Conta do Tesoureiro até ao final de Abril de DSCPAF DSGAL DSCPAE DSCPAF/DSGAL /DSCPAE DST 3. Concluir o levantamento e sistematização de processos das áreas de competências da Direcção Regional até ao final de Ter em pleno funcionamento todos os procedimentos de melhoria do serviços implementados até ao final de Reformular os manuais de procedimentos nas áreas do património e dos apoios financeiros até Assegurar que até é obtida a certificação do Sistema de Gestão da Qualidade da DST. DSCPAF DST III. Objectivos e Estratégia 22

25 ,9 $FWLYLGDGHVH3URMHFWRV3UHYLVWRV 23

26 *HUDO 1.1 Recursos humanos Atendendo às alterações ao nível das atribuições da DRF, com os ajustamentos efectuados ao nível de pessoal, prevê-se que em 2008 o saldo entre entradas e saídas de pessoal seja nulo. Em termos de promoção, em 2008 reúnem-se os requisitos para efectivar-se a promoção de quatro técnicos superiores de 1.ª classe para técnicos superiores principais, de um técnico-profissional de 2.ª classe para técnico-profissional de 1.ª classe e de um assistente administrativo principal para assistente administrativo especialista, cuja concretização está dependente dos recursos disponíveis, das orientações gerais do Governo Regional sobre esta matéria e do próprio desempenho dos funcionários. Já ao nível das progressões na carreira, mantém-se em vigor da legislação que determina a não contagem do tempo de serviço para efeitos de progressão na carreira, pelo que não ocorrerá nenhuma progressão em IV. Actividades e Projectos - Geral 24

27 1.2 Formação Profissional O plano de formação profissional para os colaboradores da DRF assenta essencialmente nas acções de formação promovidas pela DRAPL, que englobam a maior parte das necessidades dos colaboradores. Será dada continuidade ao segundo ciclo de formação em inglês, que teve início em 2007, direccionada para pessoal da carreira técnica superior para reciclagem e desenvolvimento de competências na área do inglês técnico, como também ao pessoal administrativo para formação ao nível de noções básicas. Pontualmente, e sempre que se reconheça essa necessidade, poderão ser frequentadas acções de formação externas para além das referidas anteriormente, ou ainda organizados intercâmbios com outros organismos congéneres. Os objectivos para 2008 na área da formação são os seguintes: Que pelo menos 70% dos funcionários frequentem no mínimo uma acção de formação; Que os funcionários que não frequentaram acções de formação nos dois últimos anos frequentem acções de formação, internas ou externas, em 2008; Que o índice de eficácia da formação seja superior ou igual a 3,5. Adiante apresenta-se o mapa de formação para 2008, por unidade orgânica e tendo em atenção as acções de formação a promover pela DRAPL ou pela DTIM, de acordo com a prioridade acima definida. Logo, primeiramente procurar-se-á satisfazer as necessidades para as quais aquelas entidades promovam acções de formação e, eventualmente, recorreremos a outras entidades quando assim não aconteça e de acordo com as prioridades e as disponibilidades do serviço. IV. Actividades e Projectos - Geral 25

28 8QLGDGH 2UJkQLFD Direcção $FomRGH)RUPDomR POCP Sua Articulação com a Rede Integrada de Gestão Orçamental dos Recursos do Estado (RIGORE) CAGEP Curso Avançado de Gestão Pública SIADAP Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho da Administração Pública Secretariado Avançado O Protocolo nos Serviços Públicos Excel Avançado Word Avançado Inglês Especialização em Técnicas Administrativas Especialização em Gestão Administrativa de Recursos Humanos Organização e Técnicas de Arquivo Access Iniciação As Tecnologias e a Organização do Trabalho na Área Administrativa Técnicas e Ferramentas da Gestão do Tempo Curso Prático para Auxiliares Administrativos (reciclagem) IV. Actividades e Projectos Plano de formação para

29 8QLGDGH2UJkQLFD DSCPAF $FomRGH)RUPDomR Auditoria Financeira Análise Económico-Financeira nas Entidades Públicas Auditoria e Controlo Interno na Administração Pública Os Princípios da Escrita Eficaz: Como Melhorar a Legibilidade dos Documentos POCP Sua Articulação com a Rede Integrada de Gestão Orçamental dos Recursos do Estado (RIGORE) Inglês A Aplicação do POCP Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública Contratos Financeiros e Operações Bancárias SIADAP Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho da Administração Pública As Tecnologias e a Organização do Trabalho na Área Administrativa Excel Avançado IV. Actividades e Projectos Plano de formação para

30 8QLGDGH2UJkQLFD DSGAL $FomRGH)RUPDomR Auditoria e Controlo Interno na Administração Pública Análise Económico-Financeira nas Entidades Públicas A Aplicação do POCP Fiscalidade - IVA FORGEP Programa de Formação em Gestão Pública POCP Sua Articulação com a Rede Integrada de Gestão Orçamental dos Recursos do Estado (RIGORE) SIADAP Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho da Administração Pública Inglês Regime Jurídico das Empreitadas de Obras Públicas Contratos Financeiros e Operações Bancárias Financiamento das Autarquias Locais Contabilidade Autárquica Auditoria Financeira Revisão de Preços das Empreitadas de Obras Públicas Word Avançado Excel Avançado Access Iniciação Outlook IV. Actividades e Projectos Plano de formação para

31 8QLGDGH2UJkQLFD DSCPAE $FomRGH)RUPDomR A Reforma dos Fundos Comunitários e o Desenvolvimento Local e Regional no Âmbito do Próximo QCA A Gestão Privada de Serviços Públicos: Modelagem de Parcerias Público Privadas Auditoria e Controlo Interno na Administração Pública FORGEP Programa de Formação em Gestão Pública POCP Sua Articulação com a Rede Integrada de Gestão Orçamental dos Recursos do Estado (RIGORE) Inglês A Avaliação de Projectos e Programas Sócio-Económicos Estatística: Os Números, Tratamentos e Interpretações A Aplicação do POCP Programação em Excel SIADAP Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho da Administração Pública IV. Actividades e Projectos Plano de formação para

32 8QLGDGH2UJkQLFD DST $FomRGH)RUPDomR A Construção de Questionários Auditoria e Controlo Interno na Administração Pública Word Avançado Access Iniciação FORGEP Programa de Formação em Gestão Pública POCP Sua Articulação com a Rede Integrada de Gestão Orçamental dos Recursos do Estado (RIGORE) SIADAP Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho da Administração Pública Gestão Eficaz do Relacionamento Interpessoal Inglês Internet e Correio Electrónico Word Iniciação Excel Iniciação O Atendimento de Público: A Qualidade e Imagem da Organização O Protocolo nos Serviços Públicos Assistentes Administrativos: Introdução à Administração Pública Excel Avançado Outlook Curso Prático para Auxiliares Administrativos (reciclagem) IV. Actividades e Projectos Plano de formação para

33 Síntese das actividades e projectos a desenvolver em 2008 ',5(&d 2 &ygljr 'HVLJQDomR A01 Relatório de Actividades de 2007 A02 Plano de Actividades de 2009 A03 Avaliação de Desempenho A04 Gestão do Conteúdo da Página da DRF na Internet A05 Representação em Comissões, Conselhos e Grupos de Trabalho A06 Acompanhamento do Programa do Governo e das Leis de Finanças A07 Elaboração do Folheto Informativo Semanal A08 Actualização dos Indicadores Económico-Sociais da RAM A09 Secretariado A10 Serviços de Apoio ao Funcionamento e de Recursos Materiais A11 Serviço de Expediente A12 Arquivo A13 Recursos Humanos P01 Implementação de Procedimentos e Sistemas para Modernizar, Desburocratizar e Melhorar a Qualidade do Serviço P02 Reformulação do Sistema de Arquivo P03 Sistema de Informação P04 Concepção e Elaboração do Folheto Informativo Mensal P05 Elaboração de Estudo Comparativo sobre Sistemas Fiscais P06 Cadastro e Inventário dos Bens da DRF IV. Actividades e Projectos Geral 31

34 ',5(&d 2'(6(59,d26'(&225'(1$d 23$75,0Ï1,2($32,26),1$1&(,526 &ygljr A01 A02 A03 A04 A05 A06 P01 'HVLJQDomR Património Financeiro - Prestação de Informação a Entidades Internas e Externas Património Financeiro - Gestão dos Activos Financeiros da Região Apoios Financeiros - Prestação de Informação a Entidades Internas e Externas Apoios Financeiros - Instrução, Análise, Parecer e Acompanhamento Apoios Financeiros - Parecer Prévio da SRPF Acompanhamento das Instituições de Utilidade Pública Reformulação de Manuais de Procedimentos da DSCPAF ',5(&d 2'(6(59,d26'(*$5$17,$6($87$548,$6/2&$,6 &ygljr 'HVLJQDomR A01 Avales - Prestação de Informação a Entidades Internas e Externas A02 Avales - Instrução, Análise, Parecer e Acompanhamento A03 Avales - Administração de Processos de Regularização e Recuperação de Créditos A04 Contratos-Programa com as Autarquias Locais Acordos de Colaboração e de Cooperação Gestão e Controlo das Linhas de Crédito Bonificado A05 das Autarquias Locais e EIMRAM A06 Emissão de Pareceres no Âmbito da Legislação Aplicável às Autarquias Locais Análise e Acompanhamento dos Documentos Previsionais e de Prestação de Contas das A07 Autarquias Locais A08 Prestação de Informação a Entidades Internas e Externas sobre as Autarquias Locais Acompanhamento da Implementação do POCAL, do Sistema de Informação do POCAL (SIPOCAL) A09 e do Sistema de Informação das Autarquias Locais (SIAL) A10 Controlo e Coordenação das Verbas do Orçamento do Estado para as Autarquias Locais IV. Actividades e Projectos Geral 32

35 ',5(&d 2'(6(59,d26'(&5e',723Ò%/,&2($ (;7(5126 &ygljr A01 A02 A03 A04 A05 A06 A07 A08 'HVLJQDomR Planos de Amortização da Dívida Directa Contracção de Empréstimos Regularização de Responsabilidades Decorrentes de Juros de Mora Acompanhamento do Endividamento de Institutos, Serviços e Fundos Autónomos e das Entidades com Participação Social da RAM Acompanhamento das Operações de Cobertura de Risco de Taxa de Juro Prestação de Informação a Entidades Internas e Externas sobre a Dívida Pública Regional Directa Rating Assuntos Nacionais e Comunitários ',5(&d 2'(6(59,d26'27(62852 &ygljr 'HVLJQDomR A01 Gestão Corrente da Tesouraria A02 Gestão e Controlo de Dinheiros Públicos A03 Pagamentos Electrónicos A04 Transferência do Arquivo da DST em Suporte de Papel para Suporte Digital P01 Sistema de Gestão da Qualidade IV. Actividades e Projectos Geral 33

36 'LUHFomR 1. Competências legais A DRF é superiormente dirigida pelo Director Regional de Finanças, a quem compete, designadamente: a) Assegurar, sem prejuízo do disposto em lei especial, a representação da RAM nos órgãos de administração das empresas públicas, cujas funções, quando exercidas pelo director regional ou por funcionários da DRF, sê-lo-ão por inerência; b) Exercer, por inerência ou em representação da DRF, o desempenho de funções em conselhos consultivos, comissões de fiscalização ou outros órgãos colegiais no âmbito das atribuições da DRF; c) Exercer as competências que lhe são conferidas no Estatuto do Pessoal Dirigente e as conferidas por lei ou que nele forem delegadas. Na Direcção encontra-se inserida a SPAA Secção de Pessoal, Aprovisionamento e Apoio que tem como atribuições assegurar todas as funções relacionadas com os assuntos de pessoal, incluindo formação, garantir o aprovisionamento e o controlo da utilização dos bens duradouros e não duradouros essenciais ao normal funcionamento da DRF, bem como apoiar administrativamente as unidades orgânicas da DRF. 2. Recursos humanos &DUJR&DWHJRULD 1žGH IXQFLRQiULRV Director Regional 1 Secretária Particular 1 Chefe de Secção 1 Auxiliares Administrativos 2 7RWDO IV. Actividades e Projectos Direcção 34

37 3. Recursos materiais Para o exercício das suas competências a Direcção dispõe do seguinte equipamento: 3 Computadores (1 portátil); 2 Impressoras (sendo uma a cores e para todos os serviços da DRF); 1 Fotocopiadora/Fax (para todos os serviços da DRF). 4. Actividades a desenvolver em 2008 As actividades e os projectos a desenvolver pela Direcção encontram-se sintetizados no quadro abaixo. $FWLYLGDGH$3URMHFWR3 A01 Relatório de Actividades de 2007 A02 Plano de Actividades de 2009 A03 Avaliação de Desempenho A04 Gestão do Conteúdo da Página da DRF na Internet A05 Representação em Comissões, Conselhos e Grupos de Trabalho A06 Acompanhamento do Programa do Governo e das Leis de Finanças A07 Elaboração do Folheto Informativo Semanal A08 Actualização dos Indicadores Económico-Sociais da RAM A09 Secretariado A10 Serviços de Apoio ao Funcionamento e de Recursos Materiais A11 Serviço de Expediente A12 Arquivo A13 Recursos Humanos P01 Implementação de Procedimentos e Sistemas para Modernizar, Desburocratizar e Melhorar a Qualidade do Serviço P02 Reformulação do Sistema de Arquivo P03 Sistema de Informação P04 Concepção e Elaboração do Folheto Informativo Mensal P05 Elaboração de Estudo Comparativo sobre Sistemas Fiscais P06 Cadastro e Inventário dos Bens da DRF IV. Actividades e Projectos Direcção 35

38 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $ DESIGNAÇÃO: 5HODWyULRGH$FWLYLGDGHVGH SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSCPAF; DSGAL; DSCPAE; DST COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Rui Gonçalves; Roman Neto; Andreia Bernardo; Maria José Araújo; Teresa Pereira; Ricardo Rodrigues &Ï',*2 A01.1 $&d (6 Solicitar contributos de cada unidade orgânica e entregar instruções para elaboração do relatório de actividades 5(63216È9(/ &K9LNML>O>KCPIQRP 3(/$(;(&8d 2 S T Q P Q S S P U L M V RG A01.2 Elaborar e entregar contributos RN; AB; MJA; TP; RR A01.3 Analisar os contributos, bem como proceder à sua compilação e uniformização AB A01.4 Elaborar documento provisório AB A01.5 A01.6 Analisar documento provisório com as diversas unidades orgânicas Elaborar versão final do relatório de actividades RG; AB; MJA; TP; RR AB IV. Actividades e Projectos Direcção 36

39 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $ DESIGNAÇÃO: 3ODQRGH$FWLYLGDGHVGH SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSCPAF; DSGAL; DSCPAE; DST COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Rui Gonçalves; Andreia Bernardo; Maria José Araújo; Teresa Pereira; Roman Neto; Ricardo Rodrigues &Ï',*2 A02.1 $&d (6 Definir objectivos e estratégia, solicitar contributos de cada unidade orgânica e entregar instruções para elaboração do plano de actividades 5(63216È9(/ &K9LNML>O>KCPIQRP 3(/$(;(&8d 2 S T Q P Q S S P U L M V RG A02.2 Elaborar e entregar contributos RN; AB; MJA; TP; RR A02.3 Analisar os contributos, bem como proceder à sua compilação e uniformização AB; RN A02.4 Elaborar documento provisório AB; RN A02.5 A02.6 A02.7 Analisar documento provisório com as diversas unidades orgânicas Elaborar versão final do plano de actividades Elaborar proposta de orçamento de funcionamento da DRF RG; AB; MJA; TP; RR AB; RN AB IV. Actividades e Projectos Direcção 37

40 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $ DESIGNAÇÃO: $YDOLDomRGH'HVHPSHQKR SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSCPAF; DSGAL; DSCPAE; DST; DRAPL COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves; CCA RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Todos os colaboradores da DRF &Ï',*2 A03.1 $&d (6 Acordar a ficha de avaliação de desempenho de cada funcionário referente a (63216È9(/ &K9LNML>O>KCPIQRP * * 3(/$(;(&8d 2 SWT Q P Q SXS P U L M V * A03.2 Auto-avaliação * A03.3 Avaliação prévia * A03.4 Harmonização das avaliações CCA A03.5 Entrevista de avaliação * A03.6 Homologação RG A03.7 Reclamação e decisão final * A03.8 Recurso * A03.9 Elaborar relatório anual da avaliação do desempenho a remeter à DRAPL AB * Todos os colaboradores da DRF, caso a caso, envolvendo na acção A03.8 o Secretário Regional do Plano e Finanças * * No caso de avaliação extraordinária, o cronograma será ajustado IV. Actividades e Projectos Direcção 38

41 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $ DESIGNAÇÃO: *HVWmRGR&RQWH~GRGD3iJLQDGD'5)QD,QWHUQHW SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSCPAF; DSGAL; DSCPAE; Gabinete COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves; Roman Neto RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Roman Neto; Matilde Gouveia; Maria José Araújo; Rui Paixão; Carla Dória; Teresa Pereira &Ï',*2 A04.1 $&d (6 Elaborar informação a constar na página da DRF na Internet 5(63216È9(/ &K9LNML>O>KCPIQRP 3(/$(;(&8d 2 S T Q P Q S S P U L M V RN; MG; MJA; RP; CD; TP A04.2 Recolher e uniformizar informação RN A04.3 A04.4 Remeter informação para efeitos de introdução na página da Internet Monitorizar a página da Internet e alertar para eventuais ajustamentos RN RN; MG; MJA; RP; CD; TP IV. Actividades e Projectos Direcção 39

42 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $ DESIGNAÇÃO: 5HSUHVHQWDomRHP&RPLVV}HV&RQVHOKRVH*UXSRVGH7UDEDOKR SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSCPAF; DSGAL; DSCPAE COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Rui Gonçalves; Andreia Bernardo; Iago Cardoso; Matilde Pereira; Maria José Araújo; Teresa Pereira; Roman Neto; &Ï',*2 A05.1 A05.2 A05.3 A05.4 A05.5 A05.6 $&d (6 Comissão de Acompanhamento do Quadro Comunitário de Apoio (QCA III) e do QREN Unidade de Gestão, Comissão de Acompanhamento e Conselho Consultivo do POPRAM III e do PO Comissão de Acompanhamento do PIC Leader + Conselho Consultivo do Banco de Portugal Comissão Regional para os Assuntos Europeus Comissão de Acompanhamento de Implementação e Funcionamento dos Regulamentos de Financiamento das ABVs da RAM 5(63216È9(/ &K9LNML>O>KCPIQRP 3(/$(;(&8d 2 SWT Q P Q SXS P U L M V RG RG;TP;RN RG;RN RG RG;TP MP A05.7 Conselho Consultivo do IVBAM AB;IC A05.8 FET-M RG A05.9 Conselho de Administração da PATRIRAM AB A05.10 Comissão de Acompanhamento da Constituição da Nova Sociedade no Sector da Banana MJA IV. Actividades e Projectos Direcção 40

43 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $ DESIGNAÇÃO: $FRPSDQKDPHQWRGR3URJUDPDGR*RYHUQRHGDV/HLVGH)LQDQoDV SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSGAL; DSCPAE COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Teresa Pereira; Rui Paixão; Roman Neto &Ï',*2 A06.1 A06.2 A06.3 $&d (6 Recolher e fornecer informação ao Gabinete da SRPF no âmbito do acompanhamento do Programa do Governo no que diz respeito a 2008 Analisar e acompanhar o cumprimento da Lei de Finanças das Regiões Autónomas Analisar e acompanhar o cumprimento da Lei de Finanças Locais 5(63216È9(/ &Y9ZN[Z>\>YC]I^R] 3(/$(;(&8d 2 _W` ^ ] ^ _X_ ] a Z [ b RN TP;RN RP;RN IV. Actividades e Projectos Direcção 41

44 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $ DESIGNAÇÃO: (ODERUDomRGR)ROKHWR,QIRUPDWLYR6HPDQDO SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSCPAE COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Roman Neto &Ï',*2 $&d (6 5(63216È9(/ &Y9ZN[Z>\>YC]I^R] 3(/$(;(&8d 2 _W` ^ ] ^ _X_ ] a Z [ b A07.1 Recolher informação RN A07.2 Elaborar Folheto Informativo Semanal RN A07.3 Divulgar o Folheto Informativo via correio electrónico RN IV. Actividades e Projectos Direcção 42

45 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $ DESIGNAÇÃO: $FWXDOL]DomRGRV,QGLFDGRUHV(FRQyPLFR6RFLDLVGD5$0 SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSCPAE COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Roman Neto &Ï',*2 A08.1 $&d (6 Recolher e actualizar mensalmente a informação ao nível dos indicadores económico-sociais a disponibilizar na Internet 5(63216È9(/ &Y9ZN[Z>\>YC]I^R] 3(/$(;(&8d 2 _W` ^ ] ^ _X_ ] a Z [ b RN IV. Actividades e Projectos Direcção 43

46 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $ DESIGNAÇÃO: 6HFUHWDULDGR SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: Gabinete COORDENAÇÃO: Graça Freitas RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Graça Freitas* &Ï',*2 $&d (6 5(63216È9(/ &Y9ZN[Z>\>YC]I^R] 3(/$(;(&8d 2 _W` ^ ] ^ _X_ ] a Z [ b A09.1 Preparar agenda diária GF A09.2 Estabelecer comunicações telefónicas GF A09.3 Marcar e preparar reuniões GF A09.4 Tratar das deslocações em serviço GF A09.5 Registar e classificar a correspondência recebida, e preparar para despacho GF * Através de Despacho de , da Chefe do Gabinete, nas ausências e impedimentos de Graça Freitas, será Filomena Gouveia a desenvolver as acções necessárias. IV. Actividades e Projectos Direcção 44

47 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $ DESIGNAÇÃO: 6HUYLoRVGH$SRLRDR)XQFLRQDPHQWRHGH5HFXUVRV0DWHULDLV SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DC COORDENAÇÃO: Graça Freitas RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Graça Freitas; Filomena Gouveia; Helena Ferreira; Gabriela de Jesus; Maria José Gouveia &Ï',*2 A10.1 A10.2 A10.3 $&d (6 Assegurar os serviços de comunicações, limpeza e conservação das instalações da DRF Assegurar a aquisição e gestão do material e equipamento necessários ao funcionamento da DRF Prestar informação de cabimento orçamental referente a todas as despesas da DRF, bem como controlar a respectiva execução orçamental 5(63216È9(/ &Y9ZN[Z>\>YC]I^R] 3(/$(;(&8d 2 _ ` ^ ] ^ ] a Z [ b GF;GJ;MJG GF;FG DC A10.4 Efectuar o serviço de fotocópias GJ;MJG A10.5 Assegurar o apoio administrativo a reuniões promovidas pela DRF GF A10.6 Entrega de correspondência e protocolo GJ;MJG IV. Actividades e Projectos Direcção 45

48 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $ DESIGNAÇÃO: 6HUYLoRGH([SHGLHQWH SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSCPAF; DSGAL; DSCPAE COORDENAÇÃO: Helena Ferreira RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Helena Ferreira; Filomena Gouveia; João Borges; Patrícia Silva &Ï',*2 A11.1 A11.2 A11.3 $&d (6 Elaborar ofícios e demais documentos a expedir Expedir toda a correspondência e demais documentação da DRF Assegurar as tarefas inerentes aos assuntos de expediente 5(63216È9(/ &c9dned>f>ccgihrg 3(/$(;(&8d 2 iwj h g h ixi g k d e l HF;FG;JB;PS HF HF IV. Actividades e Projectos Direcção 46

49 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $ DESIGNAÇÃO: $UTXLYR SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSCPAF; DSGAL; DSCPAE; DST; DREM COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Graça Freitas; Filomena Gouveia; Helena Ferreira; João Borges; Patrícia Silva; DST; DREM &Ï',*2 A12.1 A12.2 A12.3 $&d (6 Classificar a documentação entrada e expedida na DRF Proceder ao arquivo da documentação da DRF Proceder à organização e catalogação da documentação do serviço de documentação 5(63216È9(/ &c9dned>f>ccgihrg 3(/$(;(&8d 2 imj h g h i i g k d e l GF;FG;HF;JB;PS GF;FG;HF;JB;PS; DST HF;DREM IV. Actividades e Projectos Direcção 47

50 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $ DESIGNAÇÃO: 5HFXUVRV+XPDQRV SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: Gabinete COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Rui Gonçalves; Graça Freitas; Filomena Gouveia &Ï',*2 A13.1 A13.2 A13.3 A13.4 A13.5 A13.6 A13.7 A13.8 $&d (6 Acompanhar o cumprimento dos requisitos legais para efeitos de promoção do pessoal da DRF Apoiar na tramitação dos processos de concurso internos e externos, das operações inerentes à mobilidade, evolução na carreira, reclassificação e transição de categoria Organizar, manter e actualizar os processos individuais de pessoal Manter actualizados os dados dos funcionários da DRF na BDAP, quando solicitado Elaborar anualmente o balanço social e a lista de antiguidade do pessoal Instruir os processos relativos a trabalho extraordinário, deslocações em serviço e benefícios sociais do pessoal e seus familiares Emitir certidões, declarações, notas de tempo de serviço de pessoal e outros documentos exigidos relativos a pessoal Elaborar mensalmente os mapas de assiduidade do pessoal 5(63216È9(/ &c9dned>f>ccgihrg 3(/$(;(&8d 2 iwj h g h ixi g k d e l RG;FG FG FG FG FG FG;GF FG FG A13.9 Elaborar os mapas de férias FG IV. Actividades e Projectos Direcção 48

51 )LFKDGHDFWLYLGDGH CÓDIGO: $FRQWLQXDomR DESIGNAÇÃO: 5HFXUVRV+XPDQRV SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: Gabinete COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Rui Gonçalves; Graça Freitas; Filomena Gouveia &Ï',*2 A13.10 $&d (6 Gerir a formação dos colaboradores em (63216È9(/ &c9dned>f>ccgihrg 3(/$(;(&8d 2 iwj h g h ixi g k d e l FG A13.11 Preparar o plano de formação para 2009 RG A13.12 Apoiar as actividades de segurança, higiene e saúde no trabalho GF IV. Actividades e Projectos Direcção 49

52 )LFKDGHSURMHFWR CÓDIGO: 3 DESIGNAÇÃO:,PSOHPHQWDomR GH 3URFHGLPHQWRV H 6LVWHPDV SDUD 0RGHUQL]DU 'HVEXURFUDWL]DUH0HOKRUDUD4XDOLGDGHGR6HUYLoR SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DRI; DRAPL COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Rui Gonçalves &Ï',*2 $&d (6 5(63216È9(/ &c9dned>f>ccgihrg 3(/$(;(&8d 2 imj h g h i i g k d e l P01.1 Indicadores de Gestão RG P01.2 Elaborar relatório semestral de avaliação do ponto de situação da simplificação da Administração Pública Regional a remeter à DRAPL, quando se justifique RG IV. Actividades e Projectos Direcção 50

53 )LFKDGHSURMHFWR CÓDIGO: 3 DESIGNAÇÃO: 5HIRUPXODomRGR6LVWHPDGH$UTXLYR SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSCPAF; DSGAL; DSCPAE; DST; DRI; ARM COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Todos os Colaboradores da DRF; DRI &Ï',*2 P02.1 P02.2 P02.3 $&d (6 Implementar uma nova aplicação informática para a gestão documental Implementar o novo plano de classificação e manual de arquivo da DRF Analisar e introduzir ajustamentos à proposta do ARM de regulamento de conservação arquivística da DRF 5(63216È9(/ &n9onpo>q>ncrisrr 3(/$(;(&8d 2 twu s r s txt r v o p w DRI Todos os Colaboradores da DRF Todos os Colaboradores da DRF IV. Actividades e Projectos Direcção 51

54 )LFKDGHSURMHFWR CÓDIGO: 3 DESIGNAÇÃO: 6LVWHPDGH,QIRUPDomR SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSCPAF; DSGAL; DSCPAE; DRI COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Grupo de Trabalho &Ï',*2 P03.1 $&d (6 Constituir Grupo de Trabalho e estabelecer as directrizes do mesmo 5(63216È9(/ &n9onpo>q>ncrisrr 3(/$(;(&8d 2 twu s r s txt r v o p w RG P03.2 Elaborar o plano de trabalho GT P03.3 Discutir e aprovar o plano de trabalho RG;GT P03.4 Proceder ao desenvolvimento dos trabalhos GT IV. Actividades e Projectos Direcção 52

55 )LFKDGHSURMHFWR CÓDIGO: 3 DESIGNAÇÃO: &RQFHSomRH(ODERUDomRGR)ROKHWR,QIRUPDWLYR0HQVDO SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSCPAE COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Roman Neto &Ï',*2 $&d (6 5(63216È9(/ &n9onpo>q>ncrisrr 3(/$(;(&8d 2 twu s r s txt r v o p w P04.1 Conceber o Folheto Informativo Mensal RN P04.2 Recolher informação RN P04.3 Elaborar Folheto Informativo Mensal RN P04.4 Divulgar o Folheto Informativo via correio electrónico RN IV. Actividades e Projectos Direcção 53

56 )LFKDGHSURMHFWR CÓDIGO: 3 DESIGNAÇÃO: (ODERUDomRGH(VWXGR&RPSDUDWLYRVREUH6LVWHPDV)LVFDLV SERVIÇO RESPONSÁVEL: Direcção OUTROS SERVIÇOS INTERVENIENTES: DSGAL; DSCPAE COORDENAÇÃO: Rui Gonçalves RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Miguel Freitas; Roman Neto &Ï',*2 $&d (6 5(63216È9(/ &n9onpo>q>ncrisrr 3(/$(;(&8d 2 twu s r s txt r v o p w P05.1 Recolher informação MF;RN P05.2 Elaborar Estudo Comparativo dos Sistemas Fiscais da RAM, da RAA, de Canárias, bem como de Portugal, da Irlanda e de um país da Europa Central MF;RN IV. Actividades e Projectos Direcção 54

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo N. 75 / 2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Inspecção do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 20 de outubro de Série. Número 161

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 20 de outubro de Série. Número 161 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 20 de outubro de 2015 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA, TURISMO E CULTURA Portaria n.º 195/2015

Leia mais

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I Modelo de Governação do Fundo para a Modernização da Justiça ENQUADRAMENTO O Fundo para a Modernização da Justiça (FMJ) foi criado pelo artigo 167.º da Lei n.º 55/2010, de

Leia mais

, $SUHVHQWDomR,, 1RWD,QWURGXWyULD. ,,, 2EMHFWLYRVH(VWUDWpJLD ,9 $FWLYLGDGHVH3URMHFWRV3UHYLVWRV

, $SUHVHQWDomR,, 1RWD,QWURGXWyULD. ,,, 2EMHFWLYRVH(VWUDWpJLD ,9 $FWLYLGDGHVH3URMHFWRV3UHYLVWRV 3/$12'($&7,9,'$'(6 Ë1',&(, $SUHVHQWDomR,, 1RWD,QWURGXWyULD %UHYH FDUDFWHUL]DomR GR DPELHQWH LQWHUQR H H[WHUQR HP TXH VH LQVHUHDDFWLYLGDGHGD'5),GHQWLILFDomRGRVFOLHQWHV 7LSLILFDomRGRVSURGXWRVHVHUYLoRVIRUQHFLGRV

Leia mais

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional CARTA DE MISSÃO Ministério da Defesa Nacional Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional 1. Missão do organismo As atribuições

Leia mais

ARTIGO 1. O artigo 4 do decreto n 23/01, de 12 de Abril passa a ter a seguinte redacção: Artigo 4. (Direcção dos Serviços de Auditoria e Fiscalização)

ARTIGO 1. O artigo 4 do decreto n 23/01, de 12 de Abril passa a ter a seguinte redacção: Artigo 4. (Direcção dos Serviços de Auditoria e Fiscalização) ARTIGO 1 O artigo 4 do decreto n 23/01, de 12 de Abril passa a ter a seguinte redacção: Artigo 4 (Direcção dos Serviços de Auditoria e Fiscalização) 1. A direcção dos serviços de Auditoria e Fiscalização

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA Jerónimo Martins SGPS, S.A. ARTIGO 1.º (Atribuições) 1. A Comissão de Governo da Sociedade e de Responsabilidade Corporativa

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Decreto executivo n.º 1/06 de 9 de Janeiro Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento, estruturação e organização do Secretariado Executivo do

Leia mais

CONTABILIDADE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. ÁREA DE FORMAÇÃO Contabilidade e Fiscalidade PERFIL PROFISSIONAL

CONTABILIDADE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. ÁREA DE FORMAÇÃO Contabilidade e Fiscalidade PERFIL PROFISSIONAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CONTABILIDADE ÁREA DE FORMAÇÃO Contabilidade e Fiscalidade PERFIL PROFISSIONAL Técnico Especialista em Contabilidade LEGISLAÇÃO APLICÁVELL Decreto-lei nº 88/2006, de

Leia mais

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA Art. 1º - A Secretaria de Relações Institucionais SERIN, criada pela Lei nº 10.549, de 28 de dezembro de 2006, tem

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) 1. A Comissão de Controlo do Governo Societário (CCGS) é designada pelo Conselho de Administração

Leia mais

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA Direção de Serviço de Reformas Cargo Função Técnico Diretor de Serviço Dirigir e enquadrar os projetos de modernização e reforma no âmbito do

Leia mais

FREGUESIA DE OLIVEIRA DO DOURO

FREGUESIA DE OLIVEIRA DO DOURO FREGUESIA DE OLIVEIRA DO DOURO REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Página 1 Artigo 1º Objecto 1 - O presente regulamento tem por objectivo estabelecer as regras, métodos e procedimentos de controlo que permitam

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

Programa Operacional da Administração Pública (POAP),

Programa Operacional da Administração Pública (POAP), Programa Operacional da Administração Pública (POAP), 2004-2006 Ministério das Finanças e da Administração Pública CONTEÚDO DO DOCUMENTO da Eixo 3 Qualificar para modernizar a do Programa Operacional Emprego,

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional n.º 42/2006/A de 31 de Outubro de 2006

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional n.º 42/2006/A de 31 de Outubro de 2006 ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 42/2006/A de 31 de Outubro de 2006 Decreto Legislativo Regional n.º 42/2006/A de 31 de Outubro Cria a Agência para a Modernização

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC)

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) 1. Missão A RCRC tem por missão facilitar o acesso a informação estratégica, em vários suportes, aproximar e criar interfaces entre

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS COPPETEC. Regimento Interno. 01 de outubro de 2007

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS COPPETEC. Regimento Interno. 01 de outubro de 2007 FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS COPPETEC. 01 de outubro de 2007 Regimento elaborado e aprovado pelo Conselho de Administração da Fundação COPPETEC em 01/10/2007, conforme

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO 2014-2017 B I B L I O T E C A E S C O L A R Nota Introdutória A Biblioteca Escolar existe para servir toda a comunidade escolar.

Leia mais

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL A VIDA ASSOCIATIVA É UM INSTRUMENTO DE EXERCÍCIO DA SOCIABILIDADE. POR MEIO DELA CONQUISTA SE NOVOS AMIGOS, EXPANDE SE CONHECIMENTOS,

Leia mais

7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG

7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG 7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG Exmos. Senhores Associados: No cumprimento das competências definidas

Leia mais

Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011 I Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DOS RECURSOS HUMANOS, DA EDUCAÇÃO E CULTURAE DO PLANO E FINANÇAS Portaria n.º 10/2011

Leia mais

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L Mapa de Pessoal para o Ano de 0 - artigos 4.º e 5.º da Lei n.º -A/008 Unidades s/subunidades s Cargo/carreira /categoria Chefe de divisão - Dirigente intermédio

Leia mais

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1)

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1) PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1) A duração desta prova é de 30 minutos MATERIAL O material desta prova é constituído por este caderno de questões e pela folha de respostas para

Leia mais

REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL De acordo com o Plano Estratégico apresentado ao Conselho Geral da Universidade da Madeira (UMa) ficou estabelecida a constituição de um Observatório

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 005/2008 de 08 de Julho

DELIBERAÇÃO Nº 005/2008 de 08 de Julho DELIBERAÇÃO Nº 005/2008 de 08 de Julho Nos termos do artigo 2º dos Estatutos da ANAC, aprovado pelo Decreto Lei nº 31 / 2006, a Agência Nacional das Comunicações tem por finalidade principal a actividade

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

FREGUESIA DE MONÇÃO E TROVISCOSO

FREGUESIA DE MONÇÃO E TROVISCOSO União das Freguesias de Monção e Troviscoso Concelho de Monção FREGUESIA DE MONÇÃO E TROVISCOSO Regulamento de Controlo Interno 1 Regulamento do Sistema de Controlo Interno da Freguesia de Monção e Troviscoso

Leia mais

SERVIÇOS DE GESTÃO ACADÉMICA - QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUAR

SERVIÇOS DE GESTÃO ACADÉMICA - QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUAR SERVIÇOS DE GESTÃO ACADÉMICA - QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUAR 2013 - A - OBJETIVO ESTRATÉGICO DA UA: Aprofundar uma cultura de qualidade B - OBJETIVOS OPERACIONAIS DA UA: a) Prosseguir o

Leia mais

DIRETRIZES DO CCA-IST

DIRETRIZES DO CCA-IST DIRETRIZES DO CCA-IST 13.05.2013 PLANEAMENTO DO SIADAP PARA 2013/2014 A Lei do Orçamento de Estado para 2013 introduziu alterações significativas no SIADAP 1, que obrigam a mudanças nos procedimentos desenvolvidos

Leia mais

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII)

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada Nota justificativa O Modelo de Intervenção Integrada surge no âmbito da Rede Social,

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 12629 Despacho (extrato) n.º 5181/2013 Em conformidade com o estipulado na alínea b) do n.º 1 do artigo 37.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de fevereiro, torna -se público para os devidos efeitos que por

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 3/2013

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 3/2013 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 3/2013 Por alteração da Orientação de Gestão da Orientação de Gestão n. º 1/2012 (06-01-2012), n.º 1/2010 (29-03-2010) e da Orientação de Gestão n.º 7/2008 (21-01-2009) REGRAS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

REGISTO DE ALTERAÇÕES

REGISTO DE ALTERAÇÕES Versão Nº REGISTO DE ALTERAÇÕES Data de elaboração Data de divulgação 1 2008.07.23 2008.08.01 2 2012.02.15 2012.06.01 Elaborado por António Gomes, Celeste Mendes, Carlos Falcão, Ganda Cêncio, Herculana

Leia mais

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 32 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS Nos termos do Regulamento do

Leia mais

REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ

REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ Versão aprovada em CD de 08 de Junho de 2015 Documento Regulamento de Laboratórios do ISPAJ Data 08/06/2015 Conselho de Direcção 08/06/2015 Data entrega Assembleia

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução Nº 46/2000 de 30 de Março

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução Nº 46/2000 de 30 de Março GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Resolução Nº 46/2000 de 30 de Março Considerando que as novas tecnologias, ao garantirem uma melhor qualidade de produtos e serviços, potenciam o aumento da competitividade

Leia mais

REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS. CAPÍTULO I Princípios gerais

REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS. CAPÍTULO I Princípios gerais REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito 1 A presente lei regula as relações jurídico-tributárias geradoras da obrigação de pagamento de taxas às autarquias

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Introdução A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro e a Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, com a nova redacção conferida pela Lei nº 5-A/2002 de 11 de Janeiro,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO 2015 Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL Relatório Anual 2015 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO PO MAR 2020 ANO DE 2015 CCI: 2014PT14MFOP001 PROGRAMA OPERACIONAL: PROGRAMA OPERACIONAL

Leia mais

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO OBJECTIVO O objectivo deste regulamento é definir os requisitos para integração e manutenção de auditores na bolsa de auditores da Ordem dos Farmacêuticos. ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO Actividades desenvolvidas

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A FISCALIZAÇÃO DA CONTRATAÇÃO PÚBLICA

SEMINÁRIO SOBRE A FISCALIZAÇÃO DA CONTRATAÇÃO PÚBLICA REPÚBLICA DE ANGOLA SECRETARIA PARA OS ASSUNTOS DA CONTRATAÇÃO PÚBLICA DA CASA CIVIL DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA SEMINÁRIO SOBRE A FISCALIZAÇÃO DA CONTRATAÇÃO PÚBLICA 1 ÓRGÃOS DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA JUNTO

Leia mais

A política ambiental na fiscalidade dos transportes

A política ambiental na fiscalidade dos transportes A política ambiental na fiscalidade dos transportes O papel da regulação pelo IMTT 18-09-2008 1 Missão O IMTT, I. P., tem por missão regular, fiscalizar e exercer funções de coordenação e planeamento do

Leia mais

Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo - MAPA DE PESSOAL

Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo - MAPA DE PESSOAL Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo - MAPA DE PESSOAL Postos de trabalho Atribuições / Competências/ Atividades Cargo/carreira/ Categoria Atribuições/Atividades Área de formação académica e/ou

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

TÍTULO VIII PODER LOCAL

TÍTULO VIII PODER LOCAL TÍTULO VIII PODER LOCAL CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 235.º Autarquias locais 1. A organização democrática do Estado compreende a existência de autarquias locais. 2. As autarquias locais são pessoas

Leia mais

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA L sa Regulamento de Apoio Financeiro ao Movimento Associativo da Freguesia das Alcáçovas APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Junta de Freguesia das Alcáçovas Abril 2010 INTRODUÇÃO O movimento

Leia mais

MUDE PARA UMA NOVA EMPRESA, A SUA! APOSTE NA FORMAÇÃO!

MUDE PARA UMA NOVA EMPRESA, A SUA! APOSTE NA FORMAÇÃO! MUDE PARA UMA NOVA EMPRESA, A SUA! APOSTE NA FORMAÇÃO! IPN - INSTITUTO PEDRO NUNES APRESENTAÇÃO Criado em 1991, por iniciativa da Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra, o Instituto

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

PLANO TIC 1

PLANO TIC 1 2015-2016 PLANO TIC 1 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres Estrada Nacional n.º 16 6370-147 Fornos de Algodres Tel.: 271700110 Fax: 271700118 www.ae-fa.pt e-mail: aefa.og@ae-fa.pt 2 Equipa PTE

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P.TJAM 67 Planejamento Estratégico Elaborado por: Carla Winalmoller

Leia mais

Grupos Parlamentares de Amizade

Grupos Parlamentares de Amizade Grupos Parlamentares de Amizade Resolução da Assembleia da República n.º 6/2003, de 24 de janeiro (TP), com as alterações introduzidas pela Resolução da Assembleia da República n.º 26/2010, de 30 de março

Leia mais

FREGUESIA DE VILA DE FRADES (MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA)

FREGUESIA DE VILA DE FRADES (MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA) FREGUESIA DE VILA DE FRADES (MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA) Regulamento de Controlo Interno da Freguesia de Vila de Frades Artigo 1º Objecto 1- O presente regulamento tem por objectivo estabelecer as regras,

Leia mais

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário -Sumário O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário 1.ª Convenção SOGILUB Porque o Óleo tem mais Vidas Enquadramento legal Comunitário nacional Mário Grácio 9 de Novembro de 2010 O sector

Leia mais

Segunda-feira, 20 de junho de Aviso n.º 118/2016. Aviso n.º 119/2016. Aviso n.º 120/2016. Aviso n.º 121/2016. Aviso n.

Segunda-feira, 20 de junho de Aviso n.º 118/2016. Aviso n.º 119/2016. Aviso n.º 120/2016. Aviso n.º 121/2016. Aviso n. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 20 de junho de 2016 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS PARLAMENTARES E EUROPEUS Despacho n.º 252/2016 Designa, em regime de comissão

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA GERAL DO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO CAPÍTULO I DA NATUREZA E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Natureza) A Secretaria Geral é o serviço ao qual compete tratar

Leia mais

Alfândegas. O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente. localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos,

Alfândegas. O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente. localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos, Alfândegas Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 Alfândegas O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos, com

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO A MISSÃO DO REGULADOR FERROVIÁRIO HOJE E NUM CONTEXTO DE UMA REDE ONDE PODERÃO CIRCULAR MÚLTIPLOS OPERADORES FERROVIÁRIOS DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 SEMINÁRIO O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO

Leia mais

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO PLANOS ESTRATÉGICOS DE DESENVOLVIMENTO URBANO AVISO DE CONCURSO Nº ALT20 06 2016 18 ALT20 16 2016 19 ALT20 43 2016 20 DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Cargo/Carreira/categoria Atribuições / Competências/Actividades Nº de postos Planeados Nº de postos de trabalho providos Observações (Universo

Leia mais

Capítulo 4 ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZAÇÃO

Capítulo 4 ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZAÇÃO Capítulo 4 ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZAÇÃO 104 Banco de Cabo Verde / Relatório Anual de 2008 Capítulo 4 - Enquadramento Institucional e Organização 1. Órgãos de Gestão do Banco de Cabo Verde

Leia mais

Regulamento. Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Objectivos

Regulamento. Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Objectivos Regulamento Artigo 1.º Âmbito O presente documento estabelece as normas de funcionamento da Loja Solidária da SocioHabitaFunchal, estabelecendo-se como medida de apoio aos inquilinos da Câmara Municipal

Leia mais

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Uma avaliação dos professores justa, séria e credível, que seja realmente capaz de distinguir o mérito e de estimular e premiar o bom desempenho,

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 1. Âmbito O presente Regulamento visa definir as condições de acesso e financiamento a projectos

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS), representada pelo seu Presidente, Dr. e a Unidade de Saúde Familiar (USF), representada pelo seu Coordenador, Dr., constituída com base na homologação pelo Conselho

Leia mais

Mapa de Pessoal da FLUL / 2014 (Artº 5º da LVCR) ANDREIA - MAPA DE TRABALHO

Mapa de Pessoal da FLUL / 2014 (Artº 5º da LVCR) ANDREIA - MAPA DE TRABALHO Mapa Pessoal da FLUL / 04 Atribuições / competências / actividas a) Unida orgânica/centros competência ou produto/área actividas Cargos / Carreiras / Categorias (Lei nº -A/008, 7/0, e Decretos-leis nºs

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. Publicação e atualizações

Leia mais

REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO INTERNA DA CAAJ CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1º. Objeto

REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO INTERNA DA CAAJ CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1º. Objeto REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO INTERNA DA CAAJ CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento de organização interna, abreviadamente designado regulamento, estabelece as funções, competências

Leia mais

QUE MEIOS FINANCEIROS?

QUE MEIOS FINANCEIROS? QUE MEIOS FINANCEIROS? PARA A CONSERVAÇÃO DA NATUREZA ATRAVÉS DO PO SEUR? HELENA PINHEIRO DE AZEVEDO MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E BIODIVERSIDADE 22 JUN 2015 TAPADA DE MAFRA Organização:

Leia mais

SISTAFE SISTAFE SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO. Criação: Lei 09/2002 Regulamentação: Decreto 23/2004

SISTAFE SISTAFE SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO. Criação: Lei 09/2002 Regulamentação: Decreto 23/2004 SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO Criação: Lei 09/2002 Regulamentação: Decreto 23/2004 1 Objectivos Estabelecer e harmonizar regras e procedimentos de programação, gestão, execução, controlo

Leia mais

Certificação ISO no

Certificação ISO no Certificação ISO 27001 no Instituto t de Informática, I.P. (MTSS) 30-11-2010 1 Agenda O Instituto t de Informática, I.P.; Sistema de Gestão Integrado (ISO 9001, 27001, 20000) Manutenção da Certificação

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS

MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS O primeiro outorgante, o Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P., doravante designado

Leia mais

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso Anexo A Protocolo do Estudo de Caso 140 Protocolo do Estudo de Caso - Especificação do Processo de Recolha de Informação O processo de recolha de informação no decorrer do estudo de caso respeita a três

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T17. Bibliografia. Conceitos a reter. Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) Livro EFP, Cap. 12. Orçamento do Estado

Economia e Finanças Públicas Aula T17. Bibliografia. Conceitos a reter. Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) Livro EFP, Cap. 12. Orçamento do Estado Economia e Finanças Públicas Aula T17 Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) 5.1 Noção de orçamento e ciclo orçamental 5.1.1 Noção, âmbito e importância do OE 5.1.2 O conteúdo da Proposta de Lei do OE 5.1.3

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA E O MINISTÉRIO FEDERAL DE TRABALHO E DE ASSUNTOS SOCIAIS DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA Considerando a necessidade

Leia mais

Mapa de Pessoal Proposta

Mapa de Pessoal Proposta Mapa Pessoal - 206 Atribuições/ competências/ atividas Definição da política da Universida. Governação e representação externa da Universida. Unida Orgânica.º Grau - Chefe Equipa al 4 5 0 4 5 0 in Gestão

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS)

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) Preâmbulo A Resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro, visa a criação e implementação do Programa. Esta é uma mediada da política social activa, que tem como objectivo desenvolver parcerias

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores. Sector Externo

MOÇAMBIQUE. Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores. Sector Externo MOÇAMBIQUE Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores Sector Externo CATEGORIA DE DADOS: Agregados da Balança de Pagamentos Descritor Nacional (no caso de diferente, precisar): PRINCIPAIS INDICADORES:

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

Orientações de Gestão

Orientações de Gestão 2016 Orientações de Gestão Centro Hospitalar Póvoa de Varzim Vila do Conde, EPE Póvoa do Varzim, 25 de Fevereiro de 2016 Orientação de Gestão n.º 1/2016 PROCEDIMENTOS A ADOTAR NA VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO

Leia mais

Estatutos para associações, clubes e colectividades

Estatutos para associações, clubes e colectividades Estatutos para associações, clubes e colectividades Artigo 1.º Designação e Objectivos O/A (nome da colectividade ou associação), adiante designada por (sigla) é uma associação de fins (concretização dos

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 17 de abril de Série. Número 73

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 17 de abril de Série. Número 73 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 17 de abril de 2014 Série Sumário PONTA DO OESTE - SOCIEDADE DE PROMOÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA ZONA OESTE DA MADEIRA, S.A. Aviso n.º 103/2014 Define

Leia mais

Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde

Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde Termos de Referência Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Título: Consultoria para o planeamento

Leia mais