O DIÁLOGO, EM CONTRAPOSIÇÃO AO AUTORITARISMO, PARA UMA EDUCAÇÃO PARA A PAZ NA PERSPECTIVA DE PAULO FREIRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DIÁLOGO, EM CONTRAPOSIÇÃO AO AUTORITARISMO, PARA UMA EDUCAÇÃO PARA A PAZ NA PERSPECTIVA DE PAULO FREIRE"

Transcrição

1 O DIÁLOGO, EM CONTRAPOSIÇÃO AO AUTORITARISMO, PARA UMA EDUCAÇÃO PARA A PAZ NA PERSPECTIVA DE PAULO FREIRE Resumo CITTOLIN, Simone Francescon 1 - UTFPR CLARO, Ana Lucia de Araújo 2 - IESM Grupo de Trabalho: Violência nas Escolas Agência financiadora: não contou com financiamento Este trabalho tem por objetivo discutir a importância do diálogo, em contraposição ao autoritarismo, para uma Educação para a Paz na perspectiva do pensamento educacional de Paulo Freire. A fim de fundamentar a discussão, inicialmente o texto apresenta conceitos de paz e educação para a paz à luz de autores como Jares (2002), Andrade (2005), David (2006) e de documentos da UNESCO (1995, 1999), para posteriormente explorar o significado de diálogo na perspectiva de Paulo Freire, dialogando com estudiosos desse educador e da Educação para a paz como, além dos já mencionados, Freire (2006) e Bartlett (2008) e com obras do próprio Paulo Freire (1987, 1996). Nessa discussão, entende-se o diálogo como fator preponderante na resolução de conflitos que devem ser resolvidos de forma não-violenta, em uma convivência em que prevaleça o carinho, a compaixão e a tolerância, proporcionando assim, segundo os estudiosos estudados, a base para uma Pedagogia da Educação para a Paz, que mostre as práticas sociais injustas, incentive a colaboração, a tolerância com o diferente, o espírito de justiça e solidariedade. Para Freire, no entanto, isso somente é possível através de uma educação problematizadora, da qual o diálogo é componente chave, que encoraja os alunos a se tornarem ativos em pensar sobre e agir sobre seus mundos. A partir da discussão apresentada, afirma-se que o diálogo se constitui, na teorização de Freire, a base de uma educação problematizadora em que, ao contrário do modelo autoritário, educador e educando realizam juntos uma leitura crítica do mundo, empenhando-se na transformação constante da realidade, em busca da paz e da justiça social. Palavras-chave: Educação. Educação para a paz. Diálogo. Educação problematizadora. Autoritarismo. 1 (autor) Professora da Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Toledo e Aluna do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Tuiuti do Paraná. 2 (co-autor) Graduada em pedagogia pela Universidade Estadual do Piauí-UESPI, especialista em Supervisão/Coordenação pedagógica pela Pontifícia Universidade Católica de Belo Horizonte MG - PUC. Professora do Instituto de Ensino Superior Múltiplo e Mestranda em Educação pela Universidade Tuiuti do Paraná.

2 28398 Introdução A trajetória profissional e existencial de Paulo Freire foi profundamente marcada pela preocupação com a efetivação de um processo educativo, com base no diálogo, que além de promover o acesso aos conhecimentos humanos acumulados, propiciasse a libertação da consciência humana, de tal forma que a emancipação do sujeito possa lhe fornecer plenas condições de atuar em seu contexto social promovendo as transformações necessárias para a sua permanente construção e humanização. Discutir o diálogo para uma Educação para a Paz na perspectiva do pensamento educacional de Paulo Freire não é tarefa fácil, uma vez que o educador não tem escritos específicos sobre o tema. No entanto, a discussão se torna fundamental pela relação umbilical que suas profundas discussões sobre diversidade, conflito, diálogo, relações humanas e transformação social têm com a Educação para a Paz. A fim de fundamentar a discussão, inicialmente apresentaremos conceitos de paz e educação para a paz à luz de autores como Jares (2002), Andrade (2005), David (2006) e de documentos da UNESCO (1995, 1999), para que tenhamos uma visão global dos amplos objetivos da Educação para a Paz. Em seguida, o texto explorar o significado de diálogo na perspectiva de Paulo Freire, dialogando com estudiosos desse educador e da Educação para a paz como, além dos já anteriormente mencionados, Freire (2006) e Bartlett (2008) e com obras do próprio Paulo Freire (1987, 1996). Tanto os estudiosos mencionados quanto Paulo Freire apontam o diálogo como fator preponderante na resolução de conflitos que devem ser resolvidos de forma não-violenta, em uma convivência em que prevaleça o carinho, a compaixão e a tolerância, proporcionando assim, a base para uma Pedagogia da Educação para a Paz, que mostre as práticas sociais injustas, incentive a colaboração, a tolerância com o diferente, o espírito de justiça e solidariedade. Para Freire, no entanto, isso somente é possível através de uma educação problematizadora, da qual o diálogo é componente chave, que encoraja os alunos a se tornarem ativos em pensar sobre e agir sobre seus mundos, em busca da paz. Nesse sentido, objetivamos enfatizar a importância do diálogo, em contraposição ao autoritarismo, para uma Educação para a Paz, que tem por finalidade a transformação social, superando a violência e instaurando a justiça social.

3 28399 Conceito de Paz e Educação para a Paz De acordo com David (2006), seis significados de paz são geralmente convencionados por muitos pesquisadores sobre paz: a paz como ausência de guerra; paz como justiça e desenvolvimento; a paz como o respeito e tolerância entre as pessoas; a paz como equilíbrio na e com a ecosfera; paz interior (paz de espírito); e paz como "integridade". Para Jares (2002), a paz é o contrário de violência e afeta diretamente a vida do ser humano. A paz, que está nos níveis interpessoal, intergrupal, nacional e internacional, se caracteriza pela ausência de violência e pela presença de justiça e igualdade. Nessa direção aponta para uma ideia chave quando diz que a paz nega a violência, não os conflitos, que fazem parte da vida. (JARES, 2002, p. 132) Não há paz isoladamente, e se essa é concebida como um resultado das relações humanas, não pode ser entendida como ausência de conflitos, mas ao contrário, entende-se que o conflito, por ser inerente às relações sociais, é também, integrante das relações pacíficas, uma vez que a paz comporta diferenças, divergências e mesmo oposições, as quais não são, necessariamente, causa de separação ou rompimento dos vínculos sociais. Percebese, desse modo, a importância da educação para a paz pelo prisma relacional, em que tanto práticas quanto valores são dirigidos para a consecução de relações em que os conflitos sejam ocasião de acordos, de diálogo e de troca. (ANDRADE,2005) Para que tenhamos uma visão global dos amplos objetivos da Educação para a Paz, é necessário que nos reportemos à Declaração da UNESCO de 1995, em Paris, sobre Educação para a Paz, direitos humanos e democracia. A declaração apresenta como objetivo final da educação para a paz, o desenvolvimento em cada indivíduo de um senso de valores universais e tipos de comportamento nos quais uma cultura de paz se baseia. A educação deve desenvolver a capacidade de resolução de conflitos de forma não-violenta. Deve, portanto, promover também o desenvolvimento da paz interior na mente dos alunos, para que eles possam estabelecer mais firmemente as qualidades de tolerância, a compaixão, a partilha e carinho. Mas em que constitui a Cultura da Paz mencionada anteriormente na Declaração da UNESCO? A Cultura da Paz, segundo a própria UNESCO (1999),

4 28400 constitui dos valores, atitudes e comportamentos que refletem o respeito à vida, à pessoa humana e à sua dignidade, aos direitos humanos entendidos em seu conjunto, interdependentes e indissociáveis. Viver em uma cultura de paz significa repudiar todas as formas de violência, especialmente a cotidiana, e promover os princípios da liberdade, justiça, solidariedade e tolerância, bem como estimular a compreensão entre os povos e as pessoas. Na sequência veremos que é nesse sentido que Paulo Freire entende o diálogo, como fator preponderante na resolução de conflitos que devem ser resolvidos de forma não-violenta em uma convivência em que prevaleça o carinho, a compaixão e a tolerância. Paulo Freire e a Educação para a Paz Paulo Freire, um dos mais conhecidos e mais influentes teóricos da educação do século XX, apesar de não ter escritos específicos sobre a Paz, teve impacto incalculável na Educação para a Paz pelas profundas discussões sobre diversidade, conflito, diálogo, relações humanas e transformação social. O pensamento de Paulo Freire é definido como uma das bases para a Educação para a Paz, pois toda a história de vida do educador esteve voltada para a ideia de um mundo melhor, dito de outra forma, de um mundo de Paz. Sua insistência no diálogo proporciona a base para a pedagogia da Educação para a Paz. (BARTLETT, 2008) Não foi por acaso que Paulo Freire foi contemplado com o Prêmio UNESCO de Educação para a Paz, em 1986, e foi indicado para o Prêmio Nobel da Paz em Ana Maria Freire (2006, p. 338) declara que, foi pela sua postura de coerência impregnada de generosidade, mansidão e respeito diante das diferenças étnicas, religiosas, políticas; por sua tolerância autêntica diante das diversidades de posturas e leituras de mundo culturais dos homens e mulheres no mundo; por seu comportamento de cuidado ético com as vidas; por sua luta incessante pela Paz através da sua compreensão de educação para a autonomia e libertação. Então, quando falamos de Paulo Freire, de que Educação para a Paz estamos falando? Falamos de uma Paz percebida no contexto da mediação dos conflitos através do diálogo, e portanto, na prevenção de violências e na superação das injustiças sociais. Para Paulo Freire, citado em Freire (2006), A Paz se cria, se constrói na e pela superação das realidades sociais perversas. A Paz se cria, se constrói na construção incessante da justiça social. Segundo o entendimento desse educador, a Paz, então, se antagoniza com as injustiças e tem como seu adversário a Guerra.

5 28401 A Paz, segundo Paulo Freire, nos assegura momentos de bem-estar e de esperança para um futuro melhor. A Paz é uma ruidosa alegria, que nos mobiliza para a fraternidade e busca da felicidade. (FREIRE, 2006, p. 389) A Paz em que prevalece o cuidado com o humano e o planeta que nos abriga, e que, através da verdadeira tolerância, possibilita às vidas para a coexistência harmônica. Já a guerra, por sua vez, tem como intenção destruir o outro e o mundo concreto construído pelas culturas sociais mais diversas através dos milênios. A guerra fala em nome da rivalidade e não da cooperação. As guerras definem as diferenças injustas de riqueza e pobreza e seus promotores se valem do medo e das fragilidades humanas e impõem o terror, o pavor e a tortura. A guerra é intolerante e cria desesperança. Mas e de que e de quem, Guerra e paz, estão a favor? As guerras estão, como sempre estiveram, a serviço dos donos do poder e dos que lucram com a fabricação e distribuição dos utensílios e tecnologias de destruição das guerras. Já a Paz... A paz está a serviço de todos os seres do Planeta. (FREIRE, 2006, p. 391) Ainda segundo Ana Maria Freire, Paulo escutou o povo. Ele ouviu, sentiu, sofreu junto, entendeu, pensou e apresentou soluções de superação. Foi da dialética escutar x refletir x engajar-se, ou em outras palavras, da prática-teoria-prática que Paulo criou sua teoria pedagógica-política. Assim, a construção adequada de uma Educação para a Paz, requer um processo de estudo rigoroso e ao mesmo tempo abertura para ouvir o mundo, a vida e a si mesmo, e dialogar. Uma Educação para a Paz, através da perspectiva dos conflitos mediados e nas convivências não-violentas é o que se espera. É importante que os conflitos sejam reconhecidos como oportunidades de crescimento através da diversidade e que sejam mediados através do diálogo. Portanto, o diálogo não exclui o conflito. O conflito faz parte da vida. O conflito é inevitável, pois temos diferentes pontos de vista sobre questões e ideias. Em um contexto mais amplo, se olharmos para o que está acontecendo ao redor do mundo hoje, vamos descobrir que a maioria dos conflitos ocorre como resultado de choque de interesses ou posições apostas sobre uma mesma questão. A dialogicidade é seguramente uma das dimensões fundamentais da Educação para a Paz, se entendermos os conflitos como inerentes ao ser humano. É preciso, perceber que a maneira pela qual os conflitos são tratados, mediados ou resolvidos, determinam as possibilidades de paz ou de violências.

6 28402 Para os educadores de paz, a violência é em si opressiva, a alternativa é não-violência ativa. Freire promove o uso do diálogo como uma atividade não-violenta para sensibilizar e buscar alternativas a esta realidade. Como para Paulo Freire, a Paz não é uma condição natural, um fato intrinsecamente humano comum a todos os povos, assim como não é a violência, ambas sendo processuais e construídas, é preciso formar o ser humano, desde a mais tenra idade, na Cultura da Paz, que exige mostrar e não esconder, as práticas sociais injustas, incentivando a colaboração, a tolerância com o diferente, o espírito de justiça e solidariedade. (FREIRE, 2006, p. 391) Freire propõe que isso somente é possível através de uma educação na problematização, que encoraja os alunos a se tornarem ativos em pensar sobre e agir sobre seus mundos. A Educação problematizadora depende de diálogo e consciência crítica, relações democráticas entre professor-aluno, a co-criação de conhecimento através da interação, e um currículo fundamentado nos interesses e experiências dos alunos. Problematizar, segundo o educador, é diferente de apresentar respostas prontas para a solução dos problemas. Responder questões implica em pensar. Pensar é aproximar-se da realidade e destruir os mitos que são propagados com o objetivo de perpetuar a dominação e a estabilidade dos privilegiados. Problematizar é pensar coletivamente, organizando o saber popular acrescido do conhecimento científico, associando a outros temas, contextualizando no tempo e no espaço e, conforme o diálogo vai se estabelecendo, as inverdades vão sendo destruídas, e a realidade passa a ser desvelada. Num trabalho conjunto, o diálogo serve de base para planejar ações concretas que busquem a superação das situações-problemas de forma não-violenta, e por consequência, a transformação da realidade. Dessa forma, a educação na problematização se baseia no diálogo e na consciência crítica, relações democráticas entre professores e alunos e criação de conhecimento através da interação. O diálogo é, portanto, na manifestação de Freire (1996), o componente chave na educação da problematização. Ana Maria Freire (2006) conclui ainda que a Educação para a Paz, através das perspectivas dos conflitos mediados pelo diálogo e nas convivências não-violentas, é a grande mudança que se espera, para que junto dela, os conteúdos das diferentes áreas do conhecimento possam ser aprendidos, entendidos e utilizados para a preservação da vida, para o desenvolvimento humano sustentável, e para transformação constante da realidade, em busca da paz e da justiça social.

7 28403 Diálogo versus Autoritarismo na Perspectiva Freireana Uma característica do pensar e do agir, da maneira de se relacionar e aprender em Paulo Freire diz respeito à forma como ele vê o outro. O combate ao autoritarismo, o aprender a ouvir, a valorização dos saberes que vem da experiência e da cultura popular, e principalmente a abertura para o diálogo com os diferentes e com os adversários para melhor compreender os antagonismos são características essenciais do pensamento educacional de Paulo Freire. Nesse sentido, Paulo Freire (1987) faz uma crítica severa ao educador autoritário que em lugar de comunicar-se, em lugar de dialogar, faz comunicados e depósitos de respostas prontas para a solução de problemas que os educandos devem receber pacientemente, memorizar e repetir. Neste modelo educacional em que a relação é autoritária, os educandos sofrem com a ausência do diálogo, pois a relação educador-educando se faz de forma vertical, de cima para baixo, na pretensão de definir aqueles que sabem e, portanto, tem o poder, e aqueles que não sabem, realçando assim as diferenças que são vistas como entraves ao desenvolvimento. A mudança é um sonho impossível de se realizar e a realidade é apresentada como algo já posto, imutável, à qual é preciso se adaptar. Totalmente contrário a esse modelo, o educador que dialoga, comprometido com uma Educação para a Paz, é comprometido com a mudança, e ao dialogar com os educandos não pode apenas falar sobre sua visão de mundo, ou tentar impô-la. Juntos, ambos realizam uma leitura crítica do mundo que destrói mitos e desoculta verdades escondidas sobre as verdadeiras causas das injustiças sociais. Freire reconhece no diálogo um caminho viável de comunicação que tem como uma de suas finalidades romper com esquemas verticais de relações, com relações autoritárias, de cima para baixo, pois estas, que teriam como pretensão coibir atos considerados de indisciplina, acabam por provocar o contrário, isto é, criam ainda mais conflitos. E por mais que sejam reconhecidos como oportunidades de crescimento, a maneira como os conflitos são tratados, mediados e resolvidos, determinam as possibilidades de paz ou de violências. Nesse outro modelo, então, a educação ocorre numa relação horizontal em que educador e educando estabelecem constante diálogo, não invadindo, nem manipulando, mas empenhando-se na transformação constante da realidade.

8 28404 Outra questão relevante para Freire (1996) seria o respeito permanente que educador e educando devem sempre ter no diálogo um para com o outro, numa Cultura da Paz. Repeito esse que exige do educador assumir sua autoridade de professor no interior da sala de aula, autoridade essa que não pode se confundir com prática autoritária em que o respeito inexiste, tomando decisões, orientando atividades, conduzindo o processo educacional, porém resguardando a autonomia e a liberdade de que deve gozar o educando. Para Freire, o clima de respeito que nasce das relações justas, sérias, humildes, generosas, em que a autoridade docente e a liberdade dos alunos se assumem eticamente, autentica o caráter formador do espaço pedagógico. (FREIRE, 1996, p. 103) O encantamento de Freire reside na sua insistência de que a educação pode ser usada para a libertação, assim como ela tem sido usada para a opressão. Somente através de uma educação problematizadora, dialógica e libertadora, as pessoas passam a compreender sistemas sociais de opressão e equipam-se para agir e mudar essas situações. Considerações finais A partir da discussão apresentada, afirma-se que o diálogo se constitui, na teorização de Freire, a base de uma educação problematizadora em que, ao contrário do modelo autoritário, educador e educando realizam juntos uma leitura crítica do mundo, empenhandose na transformação constante da realidade, em busca da paz e da justiça social. Paz que é muito mais do que a ausência de guerra, é conviver com nossas diferenças - de sexo, raça, língua, religião ou cultura - sem deixar de promover o respeito pela justiça e direitos humanos. Paz que é um processo contínuo, uma meta de longo prazo, que requer engenharia constante, vigilância e participação ativa de todos os indivíduos. Paz que é uma escolha a ser feita em cada situação, em cada conflito, uma decisão de vida cotidiana. Para uma efetiva Educação para a Paz, é fundamental reconhecer o diálogo como mediador dos conflitos, e que estes sejam reconhecidos como oportunidades de crescimento através da diversidade. Assim, ao percebermos quais as formas mais adequadas de mediar de maneira não-violenta os conflitos, estaremos promovendo uma Cultura de Paz, entendida no sentido da convivência na diversidade, na atenção aos direitos humanos e repúdio às injustiças sociais. Aquele que é educado através do diálogo tem suas decisões, tanto na escola como fora dela, direcionadas à busca, junto com o outro, do bem comum, ao que é melhor ou mais

9 28405 adequado em cada situação, contribuindo assim para uma sociedade pacífica, em que haja justiça social. Justiça social que, de acordo e concordando com Ana Maria Freire, pode se fazer com a generosidade, amorosidade, e tolerância levada a todos os povos, todos os gêneros, todas as religiões e todas as idades, num mundo sem fome, sem falta de hospital e saúde, sem falta de escolas e sem analfabetismo generalizado, sem falta de moradia e saneamento, sem falta de comida e entretenimento, sem discriminações, sem elitismo, sem autoritarismo e sem a centralização desumanizante daqueles que se autodenominam os donos da democracia (FREIRE, 2006). Para finalizar, pergunto-me: por que não há na escola, dentro da perspectiva aqui discutida, incentivo ao diálogo, ao questionamento, para que as crianças percam o medo de se expor e possam exercitar a crítica e o posicionamento? Será que é por que representa um perigo formar cidadãos unidos, capazes de argumentar, de questionar, dialogar, e transformar a realidade? A Educação, afinal, está a serviço de quem? Percebemos ações que aparentemente beneficiam os oprimidos, mas que, na verdade, tem unicamente uma finalidade anestesiante. E é com profundo pesar que percebemos que as massas ainda continuam mudas, alienadas e que reformas são promovidas, sim, desde que não abalem os poderes centrais de decisão, a manutenção dos privilégios e a estrutura desigual. REFERÊNCIAS ANDRADE, F. C. A Educação para a Paz nas escolas: o papel do(a) educador(a) à luz da reflexão freiriana. V Colóquio Internacional Paulo Freire. Recife: 19 a 22 setembro BARTLETT, L. Paulo Freire and Peace Education. Encyclopedia of Peace Education, Teachers College, Columbia University, Disponível em: Acesso em: 27 mar DAVID, J. F. Peace and Conflict Studies: An African Overview of Basic Concepts. In: SHEDRACK, G. B. Introduction to Peace and Conflict Studies in West Africa. Ibadan: Spectrum Books Limited, FREIRE, A. M. Educação para a paz Segundo Paulo Freire. Revista Educação. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: PUC/RS, ano XXIX, n. 2, p , Maio/Agosto, FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessárias para a prática educativa. 14. ed. São Paulo: Paz e Terra, Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

10 28406 JARES, X. Educação para a paz : sua teoria e sua prática. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, UNESCO. Declaration and integrated framework of action on education for peace, human rights and democracy. Paris: UNESCO, UNESCO. Culture of peace: A declaration on culture of peace, Disponivel em: htm. Acesso em: 01 abr 2013.

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli Freire inicia sua obra esclarecendo o alvo (docentes formados ou em formação), colocando que

Leia mais

PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM. Simone de Oliveira Camillo

PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM. Simone de Oliveira Camillo PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Simone de Oliveira Camillo PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: diferentes concepções PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM paradigmas que orientam a formação docente; prática docente e

Leia mais

Educação para a paz segundo Paulo Freire

Educação para a paz segundo Paulo Freire para a paz segundo Paulo Freire Education for Peace in Paulo Freire perspective ANA MARIA ARAÚJO FREIRE (NITA) RESUMO Ana Maria Araújo Freire, com o artigo A educação para a paz, segundo Paulo Freire,

Leia mais

5 º ANO Unidade Letiva 1 - Viver juntos METAS OBJETIVOS CONTEÚDOS B. Construir uma chave de leitura religiosa da pessoa, da vida e da história.

5 º ANO Unidade Letiva 1 - Viver juntos METAS OBJETIVOS CONTEÚDOS B. Construir uma chave de leitura religiosa da pessoa, da vida e da história. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA Escola Básica Fernando Caldeira Departamento de Ciências Humanas e Sociais Educação Moral e Religiosa Católica - 5º ano Ano letivo 2016/2017 5 º ANO Unidade Letiva 1 -

Leia mais

AS INFLUENCIAS DO PENSAMENTO FILOSÓFICO DE ROUSSEAU NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO

AS INFLUENCIAS DO PENSAMENTO FILOSÓFICO DE ROUSSEAU NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA - ICV RESUMO EXPANDIDO (2009-2010) AS INFLUENCIAS DO PENSAMENTO FILOSÓFICO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Currículo escolar. Desafios e potencialidades. Formação dos jovens.

PALAVRAS-CHAVE: Currículo escolar. Desafios e potencialidades. Formação dos jovens. 01470 CURRÍCULO ESCOLAR: DESAFIOS E POTENCIALIDADES NA FORMAÇÃO DOS JOVENS Maria Perpétua do Socorro Beserra Soares 1 Eixo Temático: Didática e Prática de Ensino na Relação com a Sociedade Subeixo: Temas

Leia mais

LIBERTAR-SE A SI E AOS OPRESSORES: A TAREFA HUMANISTA DOS OPRIMIDOS

LIBERTAR-SE A SI E AOS OPRESSORES: A TAREFA HUMANISTA DOS OPRIMIDOS LIBERTAR-SE A SI E AOS OPRESSORES: A TAREFA HUMANISTA DOS OPRIMIDOS Gilnei da Rosa 1 Introdução O Homem nasce com possibilidade de tornar-se humano, mas somente chega a sê-lo, efetivamente, na e através

Leia mais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais INTRODUÇÃO Para o ensino de Ciências Naturais é necessária a construção

Leia mais

Índice. 1. Professor-Coordenador e suas Atividades no Processo Educacional Os Saberes dos Professores...4

Índice. 1. Professor-Coordenador e suas Atividades no Processo Educacional Os Saberes dos Professores...4 GRUPO 5.3 MÓDULO 4 Índice 1. Professor-Coordenador e suas Atividades no Processo Educacional...3 2. Os Saberes dos Professores...4 2.1. O Papel do Coordenador Pedagógico... 5 2 1. PROFESSOR-COORDENADOR

Leia mais

A constituição de inéditos viáveis na formação contínua do educador matemático da Educação de Jovens e Adultos

A constituição de inéditos viáveis na formação contínua do educador matemático da Educação de Jovens e Adultos 1 MESA REDONDA: "SER EDUCADOR MATEMÁTICO NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS" A constituição de inéditos viáveis na formação contínua do educador matemático da Educação de Jovens e Adultos Rejane

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas Profa. Karina de M. Conte 2017 DIDÁTICA II Favorecer a compreensão do processo de elaboração, gestão,

Leia mais

Marco Referencial da PUCRS

Marco Referencial da PUCRS Tríplice compromisso dos membros da PUCRS: com a verdade, a fraternidade e a transcendência Emílio H. Moriguchi Nos próximos parágrafos, gostaríamos de realizar uma breve reflexão sobre os aspectos éticos

Leia mais

AÇÕES COMPARTILHADAS NA ESCOLA

AÇÕES COMPARTILHADAS NA ESCOLA AÇÕES COMPARTILHADAS NA ESCOLA Gadotti (1996) relata que dentre as mudanças estruturais mais importantes introduzidas nas escolas, destacaramse o restabelecimento dos Conselhos de Escola e os Grêmios Estudantis,

Leia mais

CARTA DE RECIFE 2010

CARTA DE RECIFE 2010 CARTA DE RECIFE 2010 EXTENSÃO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL: PROCESSOS DE FORMAÇÃO E CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NAS INSTITUIÇÕES COMUNITÁRIAS Apresentação O Fórum Nacional de Extensão e Ação Comunitária das

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR Profª. Carla Verônica AULA 03 SUPERVISÃO E PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Identificar os princípios da gestão participativa; Analisar a dialética do ambiente escolar; Perceber

Leia mais

Curso de Pedagogia São Camilo Uniceu Pólo Inácio Monteiro

Curso de Pedagogia São Camilo Uniceu Pólo Inácio Monteiro Curso de Pedagogia São Camilo Uniceu Pólo Inácio Monteiro Unidade Educacional: II Educação: Comunicação Científica e Usos Tecnológicos para o Conhecimento Tutor: Thais Blasio Nome: Simone da Costa Silva

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 2º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 5 º Ano

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 2º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 5 º Ano Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas º Ciclo ENSINO BÁSICO Planificação Anual de EMRC 5 º Ano º Periodo Unidade Letiva - Viver juntos Competências chave Metas Curriculares B. Construir

Leia mais

PROPOSTA TRANSFORMADORA FINALIDADE DA EDUCAÇÃO

PROPOSTA TRANSFORMADORA FINALIDADE DA EDUCAÇÃO FINALIDADE DA EDUCAÇÃO Proporcionar aos homens e as mulheres o desenvolvimento da vivacidade, da invenção e reinvenção, a participação política, a sua condição de sujeito histórico. O saber sistematizado

Leia mais

Participe, seja um colaborador na construção de um Cultura de Paz! A Semana da Paz é uma forma de pensar ações que sejam contínuas e duradouras!

Participe, seja um colaborador na construção de um Cultura de Paz! A Semana da Paz é uma forma de pensar ações que sejam contínuas e duradouras! SEMANA DA PAZ 2011 18 à 25 de Setembro O Serviço Social do Comércio (SESC/PG) em parceria com o Núcleo de Estudos e Formação de Professores em Educação para a Paz e Convivências (NEP/UEPG) convida a todos

Leia mais

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB )

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) GT 4 LINGUAGENS, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO. Gilmara Teixeira Costa (gilmara-teixeira-01@hotmail.com/ Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) Juliana Maria Soares dos Santos (PPGFP UEPB)¹

Leia mais

Questões Conhecimentos Pedagógicos

Questões Conhecimentos Pedagógicos Questões Conhecimentos Pedagógicos PROVA 1: 12 Questões SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO Questões PREFEITURA DE SALVADOR Concurso 2010 FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS E POLÍTICO-FILOSÓFICOS

Leia mais

O papel do professor mediador escolar e comunitário

O papel do professor mediador escolar e comunitário Mediação Escolar e Comunitária O papel do professor mediador escolar e comunitário Edson Felix de Pontes Setembro de 2016 PMEC Quem sou? Onde estou? Para onde vou? PMEC Quem sou? Para entender o papel

Leia mais

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio A introdução da Sociologia no ensino médio é de fundamental importância para a formação da juventude, que vive momento histórico de intensas transformações sociais, crescente incerteza quanto ao futuro

Leia mais

Música no contexto escolar

Música no contexto escolar Música no contexto escolar Professor Marcelo Melo Licenciado em Música Pós Graduado em Educação Popular e Movimento Social Mestrando em Educação Superior Experiências - SMED - Prefeitura Municipal de Cidreira-

Leia mais

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem O desenvolvimento social e cognitivo do estudante pressupõe que ele tenha condições, contando com o apoio dos educadores, de criar uma cultura inovadora no colégio, a qual promova o desenvolvimento pessoal

Leia mais

APRENDER A LER E A ESCREVER: UMA PRÁTICA CURRICULAR PAUTADA EM PAULO FREIRE

APRENDER A LER E A ESCREVER: UMA PRÁTICA CURRICULAR PAUTADA EM PAULO FREIRE APRENDER A LER E A ESCREVER: UMA PRÁTICA CURRICULAR PAUTADA EM PAULO FREIRE 10/2011 Pensamento de Paulo Freire Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) SOUZA, Edilene Oliveira Francisco pr.edilene@yahoo.com.br

Leia mais

Planificação Anual Departamento CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

Planificação Anual Departamento CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Ano 5º Ano letivo 2013 / 2014 Disciplina EMRC Turmas A, B, C, D, E, F, G, H, I, J Professores:

Leia mais

Relações pedagógicas. Professor aluno. Ensino aprendizagem. Teoria e prática. Objetivo e avaliação. Conteúdo e método

Relações pedagógicas. Professor aluno. Ensino aprendizagem. Teoria e prática. Objetivo e avaliação. Conteúdo e método Relações pedagógicas Professor aluno Ensino aprendizagem Teoria e prática Objetivo e avaliação Conteúdo e método A linha mestra que norteia qualquer ação na educação está relacionada à relação humana.

Leia mais

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática Profª. M.e Cláudia Benedetti Profa. M.e Cláudia Benedetti Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: MAFALDA COMO RECURSO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: MAFALDA COMO RECURSO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: MAFALDA COMO RECURSO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA Raquel Alves do Nascimento UNIPÊ Centro Universitário de João Pessoa raquel_aan@hotmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

Currículo Escolar. Contextualização. Instrumentalização. Teleaula 2. Refletir sobre currículo. Profa. Me. Inge R. F. Suhr

Currículo Escolar. Contextualização. Instrumentalização. Teleaula 2. Refletir sobre currículo. Profa. Me. Inge R. F. Suhr Currículo Escolar Teleaula 2 Contextualização Profa. Me. Inge R. F. Suhr Que realidade se põe? Como isso afeta a questão do currículo? Refletir sobre currículo Expansão industrial X finalidade da educação

Leia mais

ATITUDES DO EDUCADOR: UMA REFLEXÃO TECIDA NO COTIDIANO

ATITUDES DO EDUCADOR: UMA REFLEXÃO TECIDA NO COTIDIANO ATITUDES DO EDUCADOR: UMA REFLEXÃO TECIDA NO COTIDIANO Dalva Guimarães dos Reis * Resumo: Neste artigo são apresentadas algumas atitudes docentes, consideradas essenciais ao exercício do profissional do

Leia mais

Pedagogia de Jesus parte 2

Pedagogia de Jesus parte 2 Programa MAIS UM POUCO Formação para Escola Dominical Pedagogia de Jesus parte 2 Andreia Fernandes Oliveira Objetivo Pensar, a partir da pedagogia de Jesus, a prática pedagógica na Escola Dominical. A

Leia mais

EXPLORAÇÃO DE PROBLEMAS, LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA E FORMAÇÃO DE CONCEITOS CIENTÍFICOS

EXPLORAÇÃO DE PROBLEMAS, LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA E FORMAÇÃO DE CONCEITOS CIENTÍFICOS EXPLORAÇÃO DE PROBLEMAS, LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA E FORMAÇÃO DE CONCEITOS CIENTÍFICOS Silvanio de Andrade Universidade Estadual da Paraíba silvanioandrade@ig.com.br Resumo: O presente mini-curso

Leia mais

TESE DE DOUTORADO MEMÓRIAS DE ANGOLA E VIVÊNCIAS NO BRASIL: EDUCAÇÃO E DIVERSIDADES ÉTNICA E RACIAL

TESE DE DOUTORADO MEMÓRIAS DE ANGOLA E VIVÊNCIAS NO BRASIL: EDUCAÇÃO E DIVERSIDADES ÉTNICA E RACIAL TESE DE DOUTORADO MEMÓRIAS DE ANGOLA E VIVÊNCIAS NO BRASIL: EDUCAÇÃO E DIVERSIDADES ÉTNICA E RACIAL Marciele Nazaré Coelho Orientadora: Profa. Dra. Roseli Rodrigues de Mello Por: Adriana Marigo Francisca

Leia mais

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Acolhimento aos alunos. . Observação de mapas. Observação de imagens

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Acolhimento aos alunos. . Observação de mapas. Observação de imagens ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS D. MIGUEL DE ALMEIDA DISCIPLINA: Educação Moral e Religiosa Católica ANO: 5.º ANO LETIVO 2013/2014 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

Leia mais

Resenha do filme Escritores da Liberdade

Resenha do filme Escritores da Liberdade Resenha do filme Escritores da Liberdade Sala 203 a sala dos desafios e superações O filme ESCRITORES DA LIBERDADE tem origem na Alemanha/ EUA, foi lançado no ano de 2007, com duração de 122 min., seu

Leia mais

CARTA DE COMPORTAMENTOS

CARTA DE COMPORTAMENTOS STOP BULLYING! Uma abordagem baseada nos direitos humanos para combater o bullying e a discriminação CARTA DE COMPORTAMENTOS Projeto Co- Projeto Stop Bullying: Uma abordagem baseada nos direitos humanos

Leia mais

A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014 A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA BARROSO, Poliana Polinabarroso@saocamilo-es.br BICALHO, Alessandro Erick alessandrobicalho@saocamilo-es.br

Leia mais

Sumário. 1 As pedagogias não institucionais: aprendizagem e educação fora da escola... 1

Sumário. 1 As pedagogias não institucionais: aprendizagem e educação fora da escola... 1 Sumário 1 As pedagogias não institucionais: aprendizagem e educação fora da escola... 1 Antecedentes e referências... 3 Da natureza para a cidade... 4 Da desescolarização às tramas da aprendizagem... 7

Leia mais

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik O ensino de ciências segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais O ensino de Ciências tem

Leia mais

RELAÇÕES COM ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS E COM A IGREJA

RELAÇÕES COM ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS E COM A IGREJA SOCIEDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO CONSELHO GERAL INTERNACIONAL RELAÇÕES COM ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS E COM A IGREJA E COM A IGREJA 1 Nestes momentos fragmentados, ficamos muito felizes com as coisas

Leia mais

O PIBID E AS NOVAS FRONTEIRAS DO CONHECIMENTO 1

O PIBID E AS NOVAS FRONTEIRAS DO CONHECIMENTO 1 O PIBID E AS NOVAS FRONTEIRAS DO CONHECIMENTO 1 Resumo Larissa da Trindade Paulino PIBID/UEMG/Ciências Sociais UEMG - Unidade Barbacena Dr. Renato da Silva Melo Orientador O Pibid é um projeto de iniciação

Leia mais

Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas

Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas TEMAS ATUAIS DE DIREITOS HUMANOS E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA PROF. HELENA DE SOUZA ROCHA Igualdade e Não discriminação Igualdade = conceito antigo, que pode

Leia mais

FORMAÇÃO E PROFISSIONALIZAÇÃO DOCENTE

FORMAÇÃO E PROFISSIONALIZAÇÃO DOCENTE FORMAÇÃO E PROFISSIONALIZAÇÃO DOCENTE Maria Luiza de Souza e Souza 1 Joana Paulin Romanowski. Formação e profissionalização docente. Curitiba: Ibpex, 2007. 196p. Uma boa proposta para provocar a problemática

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Nesta tese pesquisamos as concepções das categorias de empowerment, participação e dialogicidade, no contexto da Promoção da Saúde, como política pública proposta por alguns países

Leia mais

3º seminário de Proteção Escolar. Diretoria de Ensino de São Vicente

3º seminário de Proteção Escolar. Diretoria de Ensino de São Vicente 3º seminário de Proteção Escolar Diretoria de Ensino de São Vicente GESTÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO MEDIAÇÃO ESCOLAR DO SÉC. XXI ELISABETE CANDIDA CAETANO DE SOUZA E.E. Dr. Reynaldo Kuntz Busch Praia Grande

Leia mais

PEDAGOGIA FREIREANA E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: repensando os saberes necessários à prática docente

PEDAGOGIA FREIREANA E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: repensando os saberes necessários à prática docente PEDAGOGIA FREIREANA E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: repensando os saberes necessários à prática docente Autores: GEIZA MARIA CAVALCANTE BRASIL E PÉRICLES LUIZ SALES DE SOUZA Introdução O presente trabalho é um estudo

Leia mais

Manual do Aluno Engenharia Insper i

Manual do Aluno Engenharia Insper i Manual do Aluno Engenharia Insper i Capítulo 1 A visão do Insper para a Engenharia A missão dos cursos de engenharia do Insper é: Desenvolver jovens engenheiros que estarão preparados para reconhecer as

Leia mais

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO "Que tristes os caminhos se não fora a presença distante das estrelas"? (Mario Quintana)

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESCOLAR: AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR

FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESCOLAR: AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESCOLAR: AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO A escola é a

Leia mais

Leituras de Paulo Freire: (ou) considerações sobre os conceitos de teleologia, axiologia e epistemologia

Leituras de Paulo Freire: (ou) considerações sobre os conceitos de teleologia, axiologia e epistemologia Leituras de Paulo Freire: (ou) considerações sobre os conceitos de teleologia, axiologia e epistemologia Filipi Vieira Amorim 1 Júlia Guimarães Neves 2 Resumo: O ensaio, de natureza teórica, busca dialogar

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA PESQUISA NA FORMAÇÃO DOS FUTUROS PEDAGOGOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

A RELEVÂNCIA DA PESQUISA NA FORMAÇÃO DOS FUTUROS PEDAGOGOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA 1 A RELEVÂNCIA DA PESQUISA NA FORMAÇÃO DOS FUTUROS PEDAGOGOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Vanessa Ribeiro ANDRETO 1 Andréia Cristiane Silva WIEZZEL 2 RESUMO: O presente projeto de cunho qualitativo,

Leia mais

A RELEVÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A RELEVÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL A RELEVÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita Maria Luz Freitas Soares (1) ; Luciana Rocha Paula (2) ; Ernandes Damasceno da Costa (2) ; João da Paixão

Leia mais

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática Profª. M.e Cláudia Benedetti Profa. M.e Cláudia Benedetti Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

PROFESSORES REFLEXIVOS EM UMA ESCOLA REFLEXIVA. ALARCÃO, ISABEL 4ª ed., São Paulo, Cortez, 2003

PROFESSORES REFLEXIVOS EM UMA ESCOLA REFLEXIVA. ALARCÃO, ISABEL 4ª ed., São Paulo, Cortez, 2003 PROFESSORES REFLEXIVOS EM UMA ESCOLA REFLEXIVA ALARCÃO, ISABEL 4ª ed., São Paulo, Cortez, 2003 CAP. 1 Alunos, professores e escola face à sociedade da informação A sociedade da informação em que vivemos;

Leia mais

Sociologia Geral e da Educação

Sociologia Geral e da Educação Sociologia Geral e da Educação Objetivo:Discutir a função social da escola Conteúdos: capítulos 7, 8 e 9 Metodologia: Aula expositiva dialogada Apresentação do vídeo Para que serve a escola Apresentação

Leia mais

Informações da disciplina de EMRC 5.º ano. Aulas Previstas (45 minutos )

Informações da disciplina de EMRC 5.º ano. Aulas Previstas (45 minutos ) Departamento de Ciências Socias e Humanas 2016/ 2017 Educação Moral e Religiosa Católica 5.º ano RESUMO DA PLANIFICAÇÃO Informações da disciplina de EMRC 5.º ano Resumo da Planificação: Conteúdos 1.º Período

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica,

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica, PROJETO TECENDO CIDADANIA: PROJETO DE APOIO AO ESTUDO DOS TEMAS TRANSVERSAIS Autores: Leonardo Cristovam de JESUS, aluno do IFC Campus Avançado Sombrio e bolsista do projeto. Ana Maria de MORAES, Pedagoga

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia INTRODUÇÃO O projeto foi organizado por acreditarmos que o papel da escola e sua função

Leia mais

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino.

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. A idéia de ação mediada que trazemos para compreender a sala de aula inspira-se nos estudos de James Wertsch, discutidas em seu livro Mind as Action

Leia mais

A Mística do Educador:

A Mística do Educador: A Mística do Educador: A educação popular é um ato de amor. É um gesto humano e político de entrega a fim de que as pessoas se realizem como gente, como classe e como povo. A missão educativa junto a sujeitos

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY Introdução Este artigo é resultado de uma experiência com formação continuada

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Sociologia Série: 2º Eixo Tecnológico:

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico Edital Nº

Leia mais

INDICADORES DE ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA

INDICADORES DE ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS INDICADORES DE ALFABETIZAÇÃO MARIA DAS GRAÇAS ALVES CASCAIS gracacascais@yahoo.com.br MANAUS,

Leia mais

construindo caminhos para a aprendizagem significativa www.juliofurtado.com.br www.juliofurtado.com.br 1 2 Ver o lado positivo potencializa a energia de realização. O olhar inclusivo é a porta para a construção

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Unidades de Aprendizagem: refletindo sobre experimentação em sala de aula no ensino de Química

Unidades de Aprendizagem: refletindo sobre experimentação em sala de aula no ensino de Química Unidades de Aprendizagem: refletindo sobre experimentação em sala de aula no ensino de Química Caroline Pires Ruas 1 ; Viviane Conceição D. Madeira 2 Introdução Esse trabalho é o resultado de duas aplicações

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 Índice 1. Ética Geral...3 1.1 Conceito de ética... 3 1.2 O conceito de ética e sua relação com a moral... 4 2 1. ÉTICA GERAL 1.1 CONCEITO DE ÉTICA Etimologicamente,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA VISÃO DOS ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE O MEIO AMBIENTE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA VISÃO DOS ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE O MEIO AMBIENTE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA VISÃO DOS ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE O MEIO AMBIENTE Ana Paula Martins Santos (1); Angélica Sousa Santos (2) (1) Licenciada em Ciências Biológicas, Centro de Educação

Leia mais

A CONSTRUÇÃO CURRICULAR NO CONTEXTO DO ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE EM CRITÉRIOS FUNDAMENTADOS NO PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

A CONSTRUÇÃO CURRICULAR NO CONTEXTO DO ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE EM CRITÉRIOS FUNDAMENTADOS NO PENSAMENTO DE PAULO FREIRE 1 A CONSTRUÇÃO CURRICULAR NO CONTEXTO DO ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE EM CRITÉRIOS FUNDAMENTADOS NO PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Carla Garcia Santana Gomes - UFSCar campus Sorocaba Anaí Helena Basso Alves

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU519 DISCIPLINA: PRATICA EDUCATIVA I - DIDÀTICA CARGA HORÁRIA: 75h EMENTA: OBJETIVOS:

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O ENSINO RELIGIOSO

REFLEXÕES SOBRE O ENSINO RELIGIOSO REFLEXÕES SOBRE O ENSINO RELIGIOSO Prof. Márcio Antônio Sousa da Silva(Org.) Brasília - DF Nos últimos anos, o ensino religioso no Brasil tem sido alvo de debate, não mais como nos períodos correspondentes

Leia mais

H I STORIA UTOPIAS ANPUH. J ohn M. Monteiro. ORGANIZAÇÃO Ilana Blaj. Associação N acional d e História

H I STORIA UTOPIAS ANPUH. J ohn M. Monteiro. ORGANIZAÇÃO Ilana Blaj. Associação N acional d e História " H I STORIA & UTOPIAS ORGANIZAÇÃO Ilana Blaj J ohn M. Monteiro ANPUH Associação N acional d e História HISTÓRIA & UTOPIAS Textos apresentados no XVII Simpósio Nacional de História Organização John Manuel

Leia mais

23/08/2013. Pedagogia. Sete princípiosde diferenciaçãoda qualidade profissional docente conforme Pinheiro (2013):

23/08/2013. Pedagogia. Sete princípiosde diferenciaçãoda qualidade profissional docente conforme Pinheiro (2013): Pedagogia Profª Adriana Barroso de Azevedo Planejamento das atividades de ensino: processo de construção de aula e ambiência de aprendizagem Do ensinar conteúdos à ambiência da aprendizagem desafios da

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE REFLEXIVA CRÍTICA COMO POSSIBILIDADE DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR*

PRÁTICA DOCENTE REFLEXIVA CRÍTICA COMO POSSIBILIDADE DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR* PRÁTICA DOCENTE REFLEXIVA CRÍTICA COMO POSSIBILIDADE DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR* Autora: Suênya Marley Mourão Batista Mestre em Educação Universidade Federal do Piauí UFPI.

Leia mais

DISCUTINDO CURRÍCULO NA ESCOLA CONTEMPORANEA: OLHARES E PERSPECTIVAS CRÍTICAS

DISCUTINDO CURRÍCULO NA ESCOLA CONTEMPORANEA: OLHARES E PERSPECTIVAS CRÍTICAS DISCUTINDO CURRÍCULO NA ESCOLA CONTEMPORANEA: OLHARES E PERSPECTIVAS CRÍTICAS Resumo Esse relato surgiu a partir de uma pesquisa exploratória realizada por 12 professores participantes envolvidos em 15

Leia mais

PLANEJAMENTO Disciplina: Ensino Religioso Série: 7º ano Prof.:Cristiano Souza 1ª UNIDADE EIXOS COGNITIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES

PLANEJAMENTO Disciplina: Ensino Religioso Série: 7º ano Prof.:Cristiano Souza 1ª UNIDADE EIXOS COGNITIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES Disciplina: Ensino Religioso Série: 7º ano Prof.:Cristiano Souza 1ª UNIDADE EIXOS COGNITIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES O homem e sua relação com o Transcendente LIDERANÇA CHAMADOS PARA FORMAR UMA NAÇÃO Favorecer

Leia mais

Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda

Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda A proposta pedagógica das instituições de Educação Infantil deve ter como objetivo garantir à

Leia mais

TRABALHOS ACADÊMICOS

TRABALHOS ACADÊMICOS TRABALHOS ACADÊMICOS 86 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Jorge Eto 1 ; Marco Aurélio Borges Rodrigues Mariano 2, Daniela Dellacorte 3, Tânia de Oliveira 4, Gerson Bibiano 5 RESUMO:

Leia mais

PROGRAMA INTERNACIONAL DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA INTERNACIONAL DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA INTERNACIONAL DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL Integrar, na educação formal e na aprendizagem ao longo da vida, os conhecimentos, valores e habilidades necessárias para um modo de vida sustentável.

Leia mais

PRINCÍPIOS ÉTICOS FUNDAMENTAIS Fábio Konder Comparato. I Introdução

PRINCÍPIOS ÉTICOS FUNDAMENTAIS Fábio Konder Comparato. I Introdução 1 A felicidade PRINCÍPIOS ÉTICOS FUNDAMENTAIS Fábio Konder Comparato I Introdução Objetivo supremo da vida humana: aquele que escolhemos por si mesmo, não como meio de alcançar outros fins. A felicidade

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DA REFORMA AGRARIA- PRONERA PROJETO SOCIO EDUCATIVO: EJA NO CAMPO construindo saberes PARTICIPANTES ATIVOS:

PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DA REFORMA AGRARIA- PRONERA PROJETO SOCIO EDUCATIVO: EJA NO CAMPO construindo saberes PARTICIPANTES ATIVOS: PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DA REFORMA AGRARIA- PRONERA PROJETO SOCIO EDUCATIVO: EJA NO CAMPO construindo saberes PARTICIPANTES ATIVOS: Delsa Maria Alves Maria Caline Ribeiro Maria Jose ribeiro INTRODUÇÃO:

Leia mais

SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS. Presidência da República

SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS. Presidência da República SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS Presidência da República PAINEL ECOLOGIA HUMANA E FORMAÇÃO NA DIVERSIDADE RELAÇÃO ENTRE O PROGRAMA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS- PNDH-3 E O ESTATUTO DO IDOSO UNIVERSALIZAR

Leia mais

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3 Índice 1. Princípios orientadores e funções da avaliação 2 2. Objetivos da avaliação 2 3. Processos de avaliação 3 3.1. Diagnóstica 3 3.2. Formativa 3 3.3. Instrumentos de avaliação 4 3.3. Períodos de

Leia mais

FORMAÇÃO DO ALUNO PESQUISADOR POR MEIO DA EXTENSÂO UNIVERSITÀRIA: UMA EXPERIÊNCIA EMANCIPADORA E TRANSFORMADORA

FORMAÇÃO DO ALUNO PESQUISADOR POR MEIO DA EXTENSÂO UNIVERSITÀRIA: UMA EXPERIÊNCIA EMANCIPADORA E TRANSFORMADORA 1 FORMAÇÃO DO ALUNO PESQUISADOR POR MEIO DA EXTENSÂO UNIVERSITÀRIA: UMA EXPERIÊNCIA EMANCIPADORA E TRANSFORMADORA VERCELLI, Ligia de Carvalho Abões Uninove ligia@uninove.br LIBERATO, Amanda Maria Franco

Leia mais

Assessoria da Área Pedagógica

Assessoria da Área Pedagógica Assessoria da Área Pedagógica Jane Carla Claudino Tosin jtosin@positivo.com.br 0800 725 3536 Ramal 1171 Imagem: http://escolakids.uol.com.br/dia-das-comunicacoes.htm acesso em 04/05/2016 Educação humanizada

Leia mais

1ºPeríodo Viver juntos 5. ano Unidade Lectiva 1 GESTÃO E PLANIFICAÇÃO

1ºPeríodo Viver juntos 5. ano Unidade Lectiva 1 GESTÃO E PLANIFICAÇÃO 1ºPeríodo Viver juntos 5. ano Unidade Lectiva 1 GESTÃO E PLANIFICAÇÃO METAS: - Construir uma chave de leitura religiosa da pessoa, da vida e da história (Objs 1, 2 e 3). - Conhecer a mensagem e a cultura

Leia mais

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Foucault e a educação Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Prefácio A educação abrange os processos de ensinar e de aprender e se desenvolve em todos os espaços possíveis:

Leia mais

REPRESENTAÇÕES EM RELAÇÃO À FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE: ALGUMAS REFLEXÕES DOS ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

REPRESENTAÇÕES EM RELAÇÃO À FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE: ALGUMAS REFLEXÕES DOS ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA REPRESENTAÇÕES EM RELAÇÃO À FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE: ALGUMAS REFLEXÕES DOS ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Verginia Batista Resumo O presente artigo intitulado

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 763 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Resolução 037/11-COGEP

Leia mais

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo **

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Educação e Cinema Education and Cinema Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Rosália Duarte é professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, da PUC do Rio de

Leia mais

ESCOLA SONHO DE CRIANÇA PROPOSTA PEDAGÓGICA DA ESCOLA SONHO DE CRIANÇA

ESCOLA SONHO DE CRIANÇA PROPOSTA PEDAGÓGICA DA ESCOLA SONHO DE CRIANÇA PROPOSTA PEDAGÓGICA DA ESCOLA SONHO DE CRIANÇA A visão de educação da Escola Sonho de Criança é de concepção humanista, já que valoriza o ser humano no desenvolvimento das suas potencialidades. Acreditamos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO 8º ENCONTRO PARA ESTUDOS COM ORIENTADORES Agosto de 2014 FORMADORA REGIONAL: Elyda Cristina

Leia mais

REFERENCIAIS DA PEDAGOGIA DE PAULO FREIRE NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

REFERENCIAIS DA PEDAGOGIA DE PAULO FREIRE NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM REFERENCIAIS DA PEDAGOGIA DE PAULO FREIRE NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM RAMACCIOTTI, Angélica Santos Doutoranda, PPGE Educação: Currículo da PUC-SP SAUL, Ana Maria PUC-SP/ PPGE Currículo Resumo Este

Leia mais

TÍTULO: A CAPOEIRA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

TÍTULO: A CAPOEIRA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR TÍTULO: A CAPOEIRA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DIADEMA AUTOR(ES): MARISA

Leia mais