APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RECICLADOS (RCD-R) EM ESTRUTURAS DE SOLO REFORÇADO COM GEOSSINTÉTICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RECICLADOS (RCD-R) EM ESTRUTURAS DE SOLO REFORÇADO COM GEOSSINTÉTICOS"

Transcrição

1

2 UNIVERSIDADE DE BRASÍLA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL Programa de Pós-Graduação em Geotecnia APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RECICLADOS (RCD-R) EM ESTRUTURAS DE SOLO REFORÇADO COM GEOSSINTÉTICOS Prof. Eder Santos, D.Sc., UPE/POLI Prof. Ennio Palmeira, Ph.D., UnB Fortaleza - CE Novembro

3 Avaliação Experimental de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino RCD-R RCD-R Reciclagem no DF 02

4 CHEGADA DO CAMINHÃO À USINA INSPEÇÃO DEVOLUÇÃO RECEBIMENTO ARMAZENAGEM TRIAGEM RCD (Classe B) RCD CINZA RCD MISTO BRITAGEM PENEIRAMENTO E BRITAGEM COLETA SELETIVA PENEIRAMENTO AGREGADO DE RCD BICA-CORRIDA

5 CHEGADA DO CAMINHÃO À USINA INSPEÇÃO DEVOLUÇÃO RECEBIMENTO ARMAZENAGEM RCD (Classe B) TRIAGEM CATADORES RCD CINZA RCD BRITAGEM PENEIRAMENTO E BRITAGEM COLETA SELETIVA PENEIRAMENTO AGREGADO DE RCD BICA-CORRIDA

6 Avaliação Experimental de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino RCD-R RCD-R Reciclagem no DF Usina de Reciclagem Solo = RCD 02

7 Avaliação Experimental de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Solo Reforçado SOLO REFORÇADO Vantagens Técnicas 03

8 Avaliação Experimental de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Solo Reforçado ASPECTOS ECONÔMICO-AMBIENTAIS DAS ESR PARÂMETROS ECOLÓGICOS (ESR/ECA) x 100 Conteúdo energético dos materiais de construção 65 Descarte de terra na produção dos materiais 70 Emissão de poeira 65 Mão-de-obra no transporte dos materiais 60 Mão-de-obra na construção 35 04

9 Avaliação Experimental de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Solo Reforçado SOLO REFORÇADO Vantagens Técnicas Material de aterro 03

10 Avaliação Experimental de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Solo Reforçado % PASSA ,001 0,01 0, DIÂMETRO DOS GRÃOS (mm) 100 NCMA 1997 FHWA 2001

11 Avaliação Experimental de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Solo Reforçado SOLO REFORÇADO Vantagens Técnicas Material de Aterro Solos granulares 03

12 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos Materiais RCD-R 04

13 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos Materiais RCD-R 04

14 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos Materiais RCD-R Elemento de Reforço 04

15 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos INSTALAÇÃO DA UnB Campo Experimental Instalação 05

16 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos INSTRUMENTAÇÃO Inclinômetro 08

17 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos INSTRUMENTAÇÃO Inclinômetro Extensômetro de cabo de aço 08

18

19 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos INSTRUMENTAÇÃO Inclinômetro Extensômetro de Cabo de Aço Extensômetro Elétricos 08

20 5a. Camada 3a. Camada 1a. Camada 2,52 m SOLO DE FUNDAÇÃO

21 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos INSTRUMENTAÇÃO Inclinômetro Extensômetro de Cabo de Aço Extensômetro Elétricos 08

22 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos CONSTRUÇÃO DOS MUROS 10

23 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Resultados dos Materiais ANÁLISE GRANULOMÉTRICA 11

24 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Resultados dos Materiais ENSAIO DE COMPACTAÇÃO r d max med = 19,3 kn/m 3 CV = 6,4% w ot med = 13,7 % CV = 18,2% 13

25 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Resultados dos Materiais CISALHAMENTO DIRETO f med = 38 CV = 11,4% C med = 14 kpa CV = 51,9% 14

26 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Resultados dos Materiais ENSAIO DE ph AMOSTRA ph RCD-R ,80 RCD-R ,85 RCD-R ,87 RCD-R ,82 RCD-R ,88 ph med = 8,84 kpa CV = 0,4% 15

27 Avaliação Exp. de Muros Ref. com RCD-R e Solo Fino Comparação dos Muros 1 e 2 DESLOCAMENTOS DA FACE Muro 2 (GT) 30

28 Avaliação Exp. de Muros Ref. com RCD-R e Solo Fino Comparação dos Muros 1 e 2 MOV. HORIZONTAL DA FACE Muro 1 (GG) 31

29 Avaliação Exp. de Muros Ref. com RCD-R e Solo Fino Comparação dos Muros 1 e 2 RECALQUE NA SUPERFÍCIE Muro 1 (GG) 32

30 Avaliação Exp. de Muros Ref. com RCD-R e Solo Fino Comparação dos Muros 1 e 2 DEFORMAÇÃO DOS REFORÇOS Muro 2 (GT) 33

31 Avaliação Exp. de Muros Ref. com RCD-R e Solo Fino Comparação dos Muros 1 e 2 DEFORMAÇÃO DOS REFORÇOS Muro 2 (GT) 34

32 Avaliação Exp. de Muros Ref. com RCD-R e Solo Fino Comparação dos Muros 1 e 2 DEFORMAÇÃO DOS REFORÇOS Muro 2 (GT) 35

33 Avaliação Exp. de Muros Ref. com RCD-R e Solo Fino Comparação dos Muros 1 e 2 MOV. DO SOLO DE FUNDAÇÃO Muro 1 (GG) = 10,7 mm Muro 2 (GT) = 9,2 mm 36

34 Avaliação Exp. de Muros Ref. com RCD-R e Solo Fino Conclusões CONCLUSÕES RCD-R: Areia Pedregulhosa Análise Gravimétrica : Material inerte / Falta de Procedimento Parâmetros Geotécnicos: Baixa variabilidade RCD-R: Extrato alcalino Deslocamento da Face: Embarrigamento / Irregularidades

35 Avaliação Exp. de Muros Ref. com RCD-R e Solo Fino Conclusões CONCLUSÕES Recalques na Superfície: Comportamentos distintos Solo de Fundação: Camara de areia argilosa Deformação dos Reforços: Muro 1 = Mudança Esforços Muro 2 = Próximo a face

36

37 Avaliação Experimental de ECSR Utilizando-se RCD-R do DF Agradecimentos ORIGINAL BLOCOS PRÉ-MOLDADOS PISOS

38 Areia Solo RCD-R 11

39 Partículas finas Partículas grossas

40 Área de descarga Alimentador Britador Transportador de correia

41 MECANISMOS B C A

42 Avaliação Experimental de ESR com Materiais Alternativos RCD RCD Distrito Federal Quantificação 940 kg/hab.ano Impactos 01

43 Aplicação de RCD-R em Estruturas de Solo Reforçado Materiais e Métodos Vista Superior Vista Lateral

44 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos Degradação dos Elementos de Reforço Dano Mecânico 02

45 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos Degradação dos Elementos de Reforço Dano Mecânico Dano Químico 05

46 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos Degradação dos Elementos de Reforço Dano Mecânico Dano Químico Ensaios 04

47 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos INSTALAÇÃO DA UnB Campo Experimental Instalação Inundação da Base 05

48

49

50 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos INUNDAÇÃO 06

51 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Resultados dos Materiais DEGRADAÇÃO REFORÇO 17

52 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Resultados dos Materiais DEGRADAÇÃO REFORÇO AMOSTRA GT Fator de Redução Rolo 1,03 Exumada 1,64 Sapo 1,00 AMOSTRA GG Fator de Redução Rolo 1,12 Exumada 1,20 Sapo 1,28 17

53 Avaliação Exp. de Muros Ref. com RCD-R e Solo Fino Resultados do Muro 1 MOV. HOR. DA FACE MURO 1 y/h = 55% d x = 106,5 mm 18

54 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Materiais e Métodos INSTALAÇÃO DA UnB Campo Experimental 05

55 Avaliação Experimental de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino RCD RCD Geração 01

56 Avaliação Experimental de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino RCD 120 RCD milhões de ton/ano Alemanha Suécia Áustria Brasil 01

57 Avaliação Experimental de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino RCD RCD 940 kg por hab.ano Jundiaí São Paulo Brasil Distrito Federal 01

58 Avaliação Experimental de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino RCD RCD 70 % de RCD no RSU Salvador Recife Ribeirão Preto Distrito Federal 01

59 Avaliação Experimental de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino RCD RCD 940 kg por 70 % de RCD hab.ano 70no milhões RSU de ton/ano Geração Quantificação 0 Suécia Belo Paulo Alemanha Salvador Jundiaí Impactos São Horizonte Ribeirão Áustria Brasil Preto Distrito Brasil Federal 01

60 Avaliação Exp. de Muros Reforçados com RCD-R e Solo Fino Resultados dos Materiais ANÁLISE GRAVIMÉTRICA 16

EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO

EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO Amaro Gabriel Joaquim Priscila Santos Salgado Orientador:

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Amaro G. Joaquim 1, Priscila S. Salgado 2, Ivonei Teixeira 3 & Cassio E. L. de Paiva 4

1 INTRODUÇÃO. Amaro G. Joaquim 1, Priscila S. Salgado 2, Ivonei Teixeira 3 & Cassio E. L. de Paiva 4 EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD DA REGIÃO DE AMERICANA-BRASIL PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO Amaro G. Joaquim 1, Priscila

Leia mais

APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO COMO AGREGADO RECICLADO EM ESTACAS DE COMPACTAÇÃO

APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO COMO AGREGADO RECICLADO EM ESTACAS DE COMPACTAÇÃO APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO COMO AGREGADO RECICLADO EM ESTACAS DE COMPACTAÇÃO 1 Introdução A procura pelo progresso e crescimento das grandes cidades impulsionou o aumento do número

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO CURSOS QUE ATENDE DEPARTAMENTO ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

ITEM E Medidas de Carga e Deformação

ITEM E Medidas de Carga e Deformação ITEM E Medidas de Carga e Deformação ITEM E Vista do túnel ITEM E Barra Instrumentada no piso ITEM E Barra na seção do túnel ITEM E Esquema do Ensaio (KNE) ITEM E Instalação do extensômetro para ensaio

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. Hewerton Bartoli Presidente

LOGÍSTICA REVERSA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. Hewerton Bartoli Presidente LOGÍSTICA REVERSA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação e normas evolução Cenário atual

Leia mais

Compacidade das areias e Limites de Atterberg

Compacidade das areias e Limites de Atterberg Conceitos Básicos P.P. (2011) GEOTÉCNIA Compacidade das areias e Limites de Atterberg Introdução (revisão) Mineralogia: argila se caracterizam por seu tamanho muito pequeno e sua atividade elétrica superficial

Leia mais

GEOCOMPOSTO PARA REFORÇO UTILIZADO EM ATERRO DE CONQUISTA

GEOCOMPOSTO PARA REFORÇO UTILIZADO EM ATERRO DE CONQUISTA GEOCOMPOSTO PARA REFORÇO UTILIZADO EM ATERRO DE CONQUISTA Paulo Cesar Belesso Ferretti Engenheiro Civil Maccaferri do Brasil paulo.ferretti@maccaferri.com.br Leilo Luti de Lima Eng. Civil Gerente Unidade

Leia mais

PREMIO CBIC DE INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

PREMIO CBIC DE INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE 2012 PREMIO CBIC DE INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE CICLO DE VIDA SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: DA GERAÇÃO AO DESTINO FINAL PARCERIA COM: PRÊMIO CBIC DE INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE - 2012 PROJETO:

Leia mais

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Secção de Urbanismo, Transportes, Vias e Sistemas Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Anexo 3 Secção de Urbanismo,

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM COLCHÃO DRENANTE EM CAMPO DE FUTEBOL SOBRE LAJE DO ESTACIONAMENTO ESPORTE CLUBE BANESPA

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM COLCHÃO DRENANTE EM CAMPO DE FUTEBOL SOBRE LAJE DO ESTACIONAMENTO ESPORTE CLUBE BANESPA APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM COLCHÃO DRENANTE EM CAMPO DE FUTEBOL SOBRE LAJE DO ESTACIONAMENTO ESPORTE CLUBE BANESPA Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Valéria C. Pellicci

Leia mais

MUROS DE CONTENÇÃO E ESTABILIDADE DE TALUDES. Trabalho Prático

MUROS DE CONTENÇÃO E ESTABILIDADE DE TALUDES. Trabalho Prático Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT - Campus de Sinop Curso de Engenharia Civil Geotecnia II MUROS DE CONTENÇÃO E ESTABILIDADE DE TALUDES Trabalho Prático Prof.: Flavio A. Crispim Sinop - MT 2016

Leia mais

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - IV OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO DO RAP E RAM

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - IV OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO DO RAP E RAM Prof. Engº Pery C. G. de Castro Revisado em outubro de 2009 PARTE - IV OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO DO RAP E RAM 1 EXECUÇÃO DA RECICLAGEM NA PISTA EXECUÇÃO DA RECICLAGEM NA PISTA 1) Caminhão tanque com emulsão

Leia mais

TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC

TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC 1 - Considere uma estaca cravada, de betão, com secção circular de 0,5 m de diâmetro. Calcule a carga vertical máxima

Leia mais

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil.

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de 2002. Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. O CONSELHO

Leia mais

1. conhecimento. O processo de secagem é necessário como pré-tratamento de outros processos. Bloco desidratado (teor de água: 80%)

1. conhecimento. O processo de secagem é necessário como pré-tratamento de outros processos. Bloco desidratado (teor de água: 80%) 1. conhecimento O processo de secagem é necessário como pré-tratamento de outros processos Lodos concentrados (teor de água> 95%) Desidratação física Bloco desidratado (teor de água: 80%) Processo de secagem

Leia mais

RCD em novos produtos.

RCD em novos produtos. A construção civil no Brasil tem uma importante repercussão quer no consumo de recursos naturais, quer na geração de impactos ambientais. A reciclagem dos resíduos de construção e demolição (RCD) tem surgido

Leia mais

MONTAGEM E EXECUÇÃO DE ENSAIOS DE PLACA EM LABORATÓRIO

MONTAGEM E EXECUÇÃO DE ENSAIOS DE PLACA EM LABORATÓRIO MONTAGEM E EXECUÇÃO DE ENSAIOS DE PLACA EM LABORATÓRIO Rafael Batezini Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Brasil, rafaelbatezini@gmail.com Maciel Donato Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo,

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO QUESTÕES: Não estudar apenas por esta lista 1) Cite três importantes aplicações da moderna física do solo. 2) Cite as principais causas de compactação do solo. 3) Descreva

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 Versão: 002 Vigência: 05/2016 Atualização: 06/2016 GRUPO ATERRO

Leia mais

τ τ τ 5 - PROPRIEDADES RESISTENTES DOS SOLOS Lei de Coulomb τ - resistência ao corte c - coesão σ - tensão normal total φ - ângulo de atrito interno

τ τ τ 5 - PROPRIEDADES RESISTENTES DOS SOLOS Lei de Coulomb τ - resistência ao corte c - coesão σ - tensão normal total φ - ângulo de atrito interno 5 - PROPRIEDADES RESISTENTES DOS SOLOS Lei de Coulomb τ = c + σ tg φ Representação gráfica τ - resistência ao corte c - coesão σ - tensão normal total φ - ângulo de atrito interno τ τ τ τ = c + σ tg φ

Leia mais

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais;

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; 2014 Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; Relatório diário das atividades executadas; Caracterização

Leia mais

Study of the added recycled fibers with the use of variable sizes for applications in geotechnical

Study of the added recycled fibers with the use of variable sizes for applications in geotechnical Estudo do agregado reciclado com o uso de fibras de tamanhos variáveis para aplicações em obras geotécnicas Thaísa Ferreira Macedo 1 ; Kalinny Patrícia Vaz Lafayette 2 ; Frederico José Barros Santos 3

Leia mais

FRANCIELE B. M. IYOMASA 1

FRANCIELE B. M. IYOMASA 1 CARACTERIZAÇÃO DOS AGREGADOS RECICLADOS DE RESIDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE LIMEIRA COM VISTAS A SUA UTILIZAÇÃO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS URBANOS (CHARACTERIZATION OF RECYCLED AGGREGATES

Leia mais

Reciclagem de Pavimentos - Eficiência de uma Técnica Sustentável

Reciclagem de Pavimentos - Eficiência de uma Técnica Sustentável Reciclagem de Pavimentos - Eficiência de uma Técnica Sustentável Qual o papel do engenheiro hoje? Ecológico e sustentável Avaliação de soluções adequadas Financeiramente Tecnicamente Ecológico e sustentável

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL Moura, Washington A.(1); Gonçalves, Jardel P. (2); (1) Eng. Civil, Doutor em Engenharia Civil, professor

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Materiais adotados nas camadas do pavimento anaelza00@hotmail.com Aula Passada Histórico Definições Esforços no Pavimento Seção Tipo 2

Leia mais

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. 1 Material de apoio 2 Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto,

Leia mais

Use of construction waste as raw material for civil construction industry Example of Salvador city/brazil

Use of construction waste as raw material for civil construction industry Example of Salvador city/brazil WORKSHOP ON CONSTRUCTION AND DEMOLITION WASTE RECYCLING. 3 à 5 de maio de 2015 Use of construction waste as raw material for civil construction industry Example of Salvador city/brazil Irineu A.S. de Brum

Leia mais

LABORATÓRIO de MECÂNICA dos SOLOS - Noções de Resistência à Compressão - Ensaio de Compressão Simples e Diametral

LABORATÓRIO de MECÂNICA dos SOLOS - Noções de Resistência à Compressão - Ensaio de Compressão Simples e Diametral UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO de MECÂNICA dos SOLOS - Noções de Resistência à Compressão - Ensaio de Compressão

Leia mais

INFRAESTRUTURA DO CURSO DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA

INFRAESTRUTURA DO CURSO DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA UNESC - UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNACET UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS, ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS CURSO DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA INFRAESTRUTURA DO CURSO DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA Coordenação

Leia mais

MONITORAMENTO DOS ÍNDICES DE RECICLAGEM MECÂNICA DE PLÁSTICOS NO BRASIL (Ano Base 2012) Desenvolvido para

MONITORAMENTO DOS ÍNDICES DE RECICLAGEM MECÂNICA DE PLÁSTICOS NO BRASIL (Ano Base 2012) Desenvolvido para MONITORAMENTO DOS ÍNDICES 2013 DE RECICLAGEM MECÂNICA DE PLÁSTICOS NO BRASIL (Ano Base 2012) Desenvolvido para São Paulo Setembro 2013 MONITORAMENTO DOS ÍNDICES DE RECICLAGEM MECÂNICA DE PLÁSTICO NO BRASIL

Leia mais

Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes

Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes PROPOSTAS INICIAIS PARA DIRETRIZES DE LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE MANEJO Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes INEXISTÊNCIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS PRIORIDADE COLETA CORRETIVA Geradores Empresas

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 2 Classificação de Solos Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto

Leia mais

Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO

Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO 4.1. Introdução A redução da resistência mecânica é um aspecto de grande preocupação na aplicação de rochas em engenharia civil e, por isso, constitui tema de vários relatos

Leia mais

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Alexandre Rodrigues de Barros Paulo César Correia Gomes Aline da Silva Ramos Barboza Universidade Federal De Alagoas

Leia mais

Região localizada no bairro Barra da Tijuca, zona oeste do RJ; Área com aproximadamente m²; Eventos: Rock in Rio e Olimpíadas de 2016.

Região localizada no bairro Barra da Tijuca, zona oeste do RJ; Área com aproximadamente m²; Eventos: Rock in Rio e Olimpíadas de 2016. Cidade do Rock Região localizada no bairro Barra da Tijuca, zona oeste do RJ; Área com aproximadamente 250.000 m²; Eventos: Rock in Rio e Olimpíadas de 2016. Caracterização do Solo Tabela 1 - Descrição

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E TECNOLÓGICAS MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO Edicarlos Damacena

Leia mais

Número PE094/2013. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número PE094/2013. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 1 CARRO, de mao, capacidade para 80 litros, estrutura em ferro, com pneu com camara. Un 25,00 Ref. SAEB => 39.20.00.00108863-7 2 FACAO de 12 polegadas, lamina em aco carbono SAE 1070, sem bainha.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DISCIPLINA DE SOLOS I UNIDADE VII

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DISCIPLINA DE SOLOS I UNIDADE VII UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DISCIPLINA DE SOLOS I Propriedades Físicas UNIDADE VII PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO Dr. José Ribamar Silva 1. Introdução - O estudo da morfologia do solo inferências sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CONCRETOS ESPECIAIS PROF. WELLINGTON MAZER

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CONCRETOS ESPECIAIS PROF. WELLINGTON MAZER PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CONCRETOS ESPECIAIS PROF. WELLINGTON MAZER INSTRUÇÕES INICIAIS FORMA DE AVALIAÇÃO 2 Provas teoricas Dia 17/12/2013 Dia 18/03/2014 Praticas de Laboratório Nota

Leia mais

Ensaios de campo em trechos de pavimentos experimentais executados com materiais alternativos

Ensaios de campo em trechos de pavimentos experimentais executados com materiais alternativos Ensaios de campo em trechos de pavimentos experimentais executados com materiais alternativos Vinicius Carmindo Borges Santana, Lilian Ribeiro de Rezende Escola de Engenharia Civil/ UFG, 74605-220, Brasil.

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA PROF. DR. JOSÉ LEOMAR FERNANDES JÚNIOR Departamento de Transportes - STT Escola de Engenharia de São Carlos - USP 1 Resíduos

Leia mais

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade e Teoria do adensamento Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade É a diminuição do volume sob a ação de cargas aplicadas. É uma característica que todos os materiais possuem

Leia mais

Análise das características físicas de bica corrida reciclada de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação

Análise das características físicas de bica corrida reciclada de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Análise das características físicas de bica corrida reciclada de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Rebecca Carla França da Silva (1), Felipe Torres Tavares Cerveira Proença (2),

Leia mais

I - MATERIAIS E ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO

I - MATERIAIS E ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO PAVIMENTAÇÃO A CUBOS DE GRANITO DE 0.11 0.11 M I - MATERIAIS E ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO 1 - AREIA A areia deverá ser de grão médio, constituída por partículas rijas e angulosas, de preferência siliciosas,

Leia mais

Para análise e solução dos problemas mais importantes de engenharia de solos é necessário o conhecimento das características de resistência ao

Para análise e solução dos problemas mais importantes de engenharia de solos é necessário o conhecimento das características de resistência ao Vários materiais sólidos empregados em construção normalmente resistem bem as tensões de compressão, porém têm uma capacidade bastante limitada de suportar tensões de tração e de cisalhamento. Geralmente

Leia mais

IV Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental

IV Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental OPORTUNIDADES DE APLICAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS EM FUNÇÃO DAS CARACTERISTICAS DOS RESIDSUOS DA CONSTRUÇÂO CIVIL DE UMA UNIDADE DE RECICLAGEM DE PEQUENO PORTE Laís Carlos Boaventura Santos (1) Urbanista

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO III GRUPO DE ESTUDO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO - GLT ANÁLISE DE FUNDAÇÃO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO DE REFORÇO NO NOVO DIQUE DO PORTO DE LA PLATA ARGENTINA

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO DE REFORÇO NO NOVO DIQUE DO PORTO DE LA PLATA ARGENTINA UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO DE REFORÇO NO NOVO DIQUE DO PORTO DE LA PLATA ARGENTINA Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim PERÍODO 2006 Revisado ABRIL 2011 - Departamento Técnico.

Leia mais

ENSAIOS DE CAMPO Cone / Piezocone (Cone Penetration Test - CPT / Piezo Cone Penetration Test - CPTu)

ENSAIOS DE CAMPO Cone / Piezocone (Cone Penetration Test - CPT / Piezo Cone Penetration Test - CPTu) ENSAIOS DE CAMPO Cone / Piezocone (Cone Penetration Test - CPT / Piezo Cone Penetration Test - CPTu) NORMAS - NBR 12069: Ensaio de penetração de cone (CPT) in situ; - ASTM D-344: Standard test method for

Leia mais

RUBBERBRAS. Placas de Revestimento Feitas de Pneus Radiais

RUBBERBRAS. Placas de Revestimento Feitas de Pneus Radiais RUBBERBRAS Placas de Revestimento Feitas de Pneus Radiais AGENDA Vídeo Institucional Produtos e Serviços Benefícios Aplicações do produto AGENDA Vídeo Institucional Produtos e Serviços Benefícios Aplicações

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE CÉLULA EMERGENCIAL COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC PLANALTINA DE GOIÁS - GO

IMPERMEABILIZAÇÃO DE CÉLULA EMERGENCIAL COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC PLANALTINA DE GOIÁS - GO IMPERMEABILIZAÇÃO DE CÉLULA EMERGENCIAL COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC PLANALTINA DE GOIÁS - GO AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel M. Meucci ANO - 2014 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL INTRODUÇÃO Construção Civil Importância no desenvolvimento social e econômico. Novas moradias, indústrias, estradas... Geradora de impactos ambientais e consumo

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO 1. Objetivo Determinar o coeficiente de permeabilidade à carga constante e à carga variável, com percolação de água através do solo em regime de escoamento laminar.

Leia mais

Canteiro e Locação de obra. Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria

Canteiro e Locação de obra. Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria Canteiro e Locação de obra Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria Canteiro de Obras Canteiro de obras (Definição segundo a NBR 12264) Conjunto de áreas destinadas à execução e apoio dos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO, CAMADA DE SEPARAÇÃO, REFORÇO E CURA DE CONCRETO NO COMPLEXO ESPORTIVO DE DEODORO RIO DE JANEIRO - RJ

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO, CAMADA DE SEPARAÇÃO, REFORÇO E CURA DE CONCRETO NO COMPLEXO ESPORTIVO DE DEODORO RIO DE JANEIRO - RJ UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO FILTRO, CAMADA DE SEPARAÇÃO, REFORÇO E CURA DE CONCRETO NO COMPLEXO ESPORTIVO DE DEODORO RIO DE JANEIRO - RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor:

Leia mais

Disciplina: Materiais de Construção Civil I. Carga horária: 80 h/a Período: 2º

Disciplina: Materiais de Construção Civil I. Carga horária: 80 h/a Período: 2º Disciplina: Materiais de Construção Civil I Ano letivo: Carga horária: 80 h/a Período: 2º Pré-requisito: ------ EMENTA Origem dos materiais utilizados na construção civil, suas propriedades físico-químicas,

Leia mais

A aposta em soluções de baixo custo

A aposta em soluções de baixo custo Em que pensamos quando falamos em soluções de baixo custo? Materiais baratos? Sistemas de execução rápida e simples? Soluções duradouras? Solução inicial mais barata vs solução global mais económica? Qual

Leia mais

TAMIRES TIEMI IWATA ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE AGREGADOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO, PARA FINS DE PAVIMENTAÇÃO

TAMIRES TIEMI IWATA ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE AGREGADOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO, PARA FINS DE PAVIMENTAÇÃO TAMIRES TIEMI IWATA ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE AGREGADOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO, PARA FINS DE PAVIMENTAÇÃO Guaratinguetá 2013 TAMIRES TIEMI IWATA ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS FÍSICAS

Leia mais

Patologias das Edificações

Patologias das Edificações Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Patologias das Edificações Prof. André L. Gamino Tipos Comuns: Patologias das alvenarias; Patologias

Leia mais

Parte 1: Conceitos Básicos GEOTÉCNICA. Granulometria

Parte 1: Conceitos Básicos GEOTÉCNICA. Granulometria Parte 1: Conceitos Básicos GEOTÉCNICA Granulometria Conceitos Geotécnicos Básicos Grãos individuais Tamanho, forma, rugosidade, mineralogia, superfície específica Relações entre fases Porosidade, índice

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO MISTO DE SOLO REFORÇADO E SOLO GRAMPEADO NA BASE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO MISTO DE SOLO REFORÇADO E SOLO GRAMPEADO NA BASE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO MISTO DE SOLO REFORÇADO E SOLO GRAMPEADO NA BASE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim PERÍODO 2005 Revisado ABRIL 2011 - Departamento

Leia mais

RECICLAGEM DE PAVIMENTOS COM ADIÇÃO DE CIMENTO PORTLAND

RECICLAGEM DE PAVIMENTOS COM ADIÇÃO DE CIMENTO PORTLAND RECICLAGEM DE PAVIMENTOS COM ADIÇÃO DE CIMENTO PORTLAND William Fedrigo Washington Peres Núñez Jorge Augusto Pereira Ceratti RECICLAGEM DE PAVIMENTOS COM ADIÇÃO DE CIMENTO PORTLAND PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO

Leia mais

Capítulo I Introdução, Objetivos, Justificativas, Definições

Capítulo I Introdução, Objetivos, Justificativas, Definições Capítulo I Introdução, Objetivos, Justificativas, Definições 1.1. INTRODUÇÃO A pedra britada, ou simplesmente brita como é normalmente chamada, é um dos bens minerais mais abundantes no território nacional,

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE ÁREA DE EXPANSÃO EM ATERRO SANITÁRIO COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC MAUÁ - SP

IMPERMEABILIZAÇÃO DE ÁREA DE EXPANSÃO EM ATERRO SANITÁRIO COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC MAUÁ - SP IMPERMEABILIZAÇÃO DE ÁREA DE EXPANSÃO EM ATERRO SANITÁRIO COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC MAUÁ - SP AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel M. Meucci ANO - 2015 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases 1º PERÍODO 1 02010-9 Introdução à Computação 4-2 06216-2 Leitura e produção de textos para

Leia mais

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE.001 2 1/ Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO

Leia mais

Fone: Florianópolis - SC 1

Fone: Florianópolis - SC 1 . CISTERNA 2350 L DADOS TÉCNICOS: Volume útil - 2300 L Material fabricado - Polietileno de média densidade Resitência UV - Fator UV 4 Peso corpo - 55 kg Altura total - 1.670 m Diâmetro máximo - 1,420 m

Leia mais

AVALIAÇÃO DE COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS CONTENDO AREIA RECICLADA REFORÇADOS COM FIBRAS DE SISAL

AVALIAÇÃO DE COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS CONTENDO AREIA RECICLADA REFORÇADOS COM FIBRAS DE SISAL AVALIAÇÃO DE COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS CONTENDO AREIA RECICLADA REFORÇADOS COM FIBRAS DE SISAL Noelise Gomes Uzeda Sousa 1 ; Paulo Roberto Lopes Lima 2 ; Daniele Justo 3 ; Cintia Maria Ariani Fontes 2 1.

Leia mais

Tecnologia de aditivos e adições para conreto

Tecnologia de aditivos e adições para conreto santos.geniclesio@br.sika.com Tecnologia de Aditivos e adições para concreto Parte 04 Eng Geniclesio Santos Coordenador Técnico Salvador, 15 de setembro de 2014 1.1. Programa Parte 1 1.1. Apresentação

Leia mais

unesp POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DE AGREGADOS RECICLADOS DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO TARCÍSIO DO AMARAL PANCIERI

unesp POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DE AGREGADOS RECICLADOS DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO TARCÍSIO DO AMARAL PANCIERI unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ TARCÍSIO DO AMARAL PANCIERI POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DE AGREGADOS RECICLADOS DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Agregados. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Instrutor

Materiais e Processos Construtivos. Agregados. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Instrutor Agregados Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º Instrutor Março/2005 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS

ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS 1.Introdução A compactação é um método de estabilização de solos que se dá por aplicação de alguma forma de energia (impacto, vibração, compressão estática ou dinâmica).

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO - RCD CONTRIBUTOS PARA UMA GESTÃO ADEQUADA

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO - RCD CONTRIBUTOS PARA UMA GESTÃO ADEQUADA O CONTRIBUTO NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RESÍDUOS DE E DEMOLIÇÃO - RCD CONTRIBUTOS GESTÃO ADEQUADA Hipólito de Sousa * FEUP Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto * Resultados associadas a

Leia mais

FLEXÍVEIS Suportam deformações de amplitude variável, dependendo de seu reforço à tração.

FLEXÍVEIS Suportam deformações de amplitude variável, dependendo de seu reforço à tração. IMPERMEABILIZAÇÃO Têm a função de proteger a edificação contra patologias que poderão surgir como possível infiltração de água. Classificação RÍGIDAS Baixa capacidade de deformação FLEXÍVEIS Suportam deformações

Leia mais

INTER RESÍDUOS AEP 28 JULHO 2012 APRESENTAÇÃO. 28/06/12 Elsa Nascimento

INTER RESÍDUOS AEP 28 JULHO 2012 APRESENTAÇÃO. 28/06/12 Elsa Nascimento INTER RESÍDUOS AEP 28 JULHO 2012 APRESENTAÇÃO Quem somos Somos uma empresa vocacionada para a Gestão Ambiental, sendo uma referência no mercado da gestão global de resíduos, sobretudo pela originalidade

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES FISICAS DE BLOCOS DE CONCRETO COM ADIÇÃO DE BORRACHA DE PNEU TRITURADA Sandra Regina Bertocini; Ludmila Soares Carneiro Inovação Sustentável INTRODUÇÃO A cada ano, dezenas de

Leia mais

Resíduos Diversos em Pavimentação: Uma Experiência

Resíduos Diversos em Pavimentação: Uma Experiência Resíduos Diversos em Pavimentação: Uma Experiência Mariluce de Oliveira Ubaldo COPPE-UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil, mariluce@coc.ufrj.br Laura Maria Goretti da Motta COPPE-UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil,

Leia mais

PROJECTO REAGIR Reciclagem de Entulho no Âmbito da Gestão Integrada de Resíduos

PROJECTO REAGIR Reciclagem de Entulho no Âmbito da Gestão Integrada de Resíduos PROJECTO REAGIR Reciclagem de Entulho no Âmbito da Gestão Integrada de Resíduos Câmara Municipal de Montemor-o-Novo Divisão de Ambiente e Serviços Urbanos Eng. Ana Simão PROJECTO REAGIR Reciclagem de Entulho

Leia mais

PRÁTICA DE FUNDAÇÕES NA FORMAÇÃO BARREIRAS

PRÁTICA DE FUNDAÇÕES NA FORMAÇÃO BARREIRAS PRÁTICA DE FUNDAÇÕES NA FORMAÇÃO BARREIRAS Prof. Fábio Lopes Soares, DSc. (UFPB) Consultor da PROJETO Consultoria de Engenharia Consultor da ENGEOBASE Engenharia de Fundações Apresentação - Introdução;

Leia mais

TEMAS SUGERIDOS PARA PG - PROJETO DE GRADUAÇÃO Orientadores: Prof. Joaquim Mota / Profa. Magnólia M. Campêlo Mota

TEMAS SUGERIDOS PARA PG - PROJETO DE GRADUAÇÃO Orientadores: Prof. Joaquim Mota / Profa. Magnólia M. Campêlo Mota TEMAS SUGERIDOS PARA PG - PROJETO DE GRADUAÇÃO Orientadores: Prof. Joaquim Mota / Profa. Magnólia M. Campêlo Mota Prezados Alunos, Estamos apresentando sugestões de temas para PG nas áreas: Engenharia

Leia mais

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros LARCI/ICAL Latin American Regional Climate Initiative Alguns aspectos sobre a reciclagem de orgânicos no Brasil 1- Porque reciclar orgânicos

Leia mais

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: TRITURADOR DE ENTULHO MODULAR PARA OBRAS BRITADORES DE RCC

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: TRITURADOR DE ENTULHO MODULAR PARA OBRAS BRITADORES DE RCC RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: TRITURADOR DE ENTULHO MODULAR PARA OBRAS BRITADORES DE RCC Cenário Brasileiro 520kg/hab x ano Geração per capita de RCC no Brasil (fonte: MMA) 40 à 70% representatividade

Leia mais

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte Dr. Cristiano Kenji Iwai Belo Horizonte Março/2013 Introdução Condições da disposição de resíduos no Brasil

Leia mais

Resumos para apresentação em pôster

Resumos para apresentação em pôster Lista dos trabalhos s do Eixo V - Engenharias, Tecnologias e Meio Ambiente Todos os trabalhos aprovados somente será apresentado no evento se todos os autores do trabalho estiverem com suas inscrições

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DO FOSFOGESSO COMO AGREGADO MIÚDO NA COMPOSIÇÃO DO CONCRETO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DO FOSFOGESSO COMO AGREGADO MIÚDO NA COMPOSIÇÃO DO CONCRETO ANÁLISE EXPERIMENTAL DO FOSFOGESSO COMO AGREGADO MIÚDO NA COMPOSIÇÃO DO CONCRETO Tarcísio Pereira Lima Aluno de Engenharia Civil na Universidade de Ribeirão Preto UNAERP Universidade de Ribeirão Preto

Leia mais

PRÁTICAS DE PEQUENAS OBRAS NO MEIO RURAL

PRÁTICAS DE PEQUENAS OBRAS NO MEIO RURAL PRÁTICAS DE PEQUENAS OBRAS NO MEIO RURAL Construção & Desenvolvimento Sustentável Modelo de produção linear Recursos naturais não renováveis Entulho Ciclo fechado de produção Reciclagem Reutilização Garantia

Leia mais

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO Problema transformado em oportunidade Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação

Leia mais

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA Usada para caracterizar o tamanho das partículas de um material Distinguem-se pelo tamanho cinco tipos de sólidos particulados: Pó: partículas de 1 μm até 0,5 mm Sólidos Granulares:

Leia mais

A Nova Política de Gestão de Resíduos no Distrito Federal GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS

A Nova Política de Gestão de Resíduos no Distrito Federal GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS A Nova Política de Gestão de Resíduos no Distrito Federal GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SITUAÇÃO ATUAL DA GESTÃO DE RESÍDUOS NO DF DISTRITO FEDERAL

Leia mais

Harmonia e robustez em qualquer ambiente. com quadros modulares. Pragma

Harmonia e robustez em qualquer ambiente. com quadros modulares. Pragma Harmonia e robustez em qualquer ambiente com quadros modulares Pragma Personalizável? Muito, muito personalizável Pragma, o quadro que se integra a qualquer ambiente Pragma, a nova oferta de quadros modulares

Leia mais

NOÇÕES DE SOLO. Rita Moura Fortes

NOÇÕES DE SOLO. Rita Moura Fortes NOÇÕES DE SOLO Rita Moura Fortes rita.fortes@latersolo.com.br Terminologia de solos e rochas TERMINOLOGIA Engenharia Civil Terra: construção civil material natural não consolidado, possível de ser escavado

Leia mais

Sustentabilidade Construção e Resíduos Sólidos da Construção Civil

Sustentabilidade Construção e Resíduos Sólidos da Construção Civil Sustentabilidade Construção e Resíduos Sólidos da Construção Civil CIDADES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS Biodiversidade Efeito estufa Emissões de gás Consumo de energia Gerenciamento de Recursos Poluição

Leia mais

Resíduos Sólidos. Geotecnia Ambiental 1

Resíduos Sólidos. Geotecnia Ambiental 1 Resíduos Sólidos Geotecnia Ambiental 1 Resíduo Qualquer matéria que é descartada ou abandonada ao longo de atividades industriais, comerciais, domésticas ou outras. NBR 10.004 Geotecnia Ambiental 2 Resíduos

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL /10 ENSAIOS EM AGREGADOS

RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL /10 ENSAIOS EM AGREGADOS Ensaios NBR ISO/IEC 17025 Falcão Bauer Falcão Bauer Página: 1/5 CRL 0003 Laboratório de Ensaio Acreditado pela Cgcre/lnmetro de acordo com a NBR ISO/IEC 17025 sob o n CRL003. RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL

Leia mais

DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO

DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO Concretos fornecidos podem não estar atingindo a resistência à compressão pedida nos projetos estruturais. Polêmica envolve construtores, concreteiras, projetistas

Leia mais

Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações.

Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações. Caleira Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações. Especificações técnicas do produto Caleiras 102 E 150 Condução de águas pluviais Tubo em PVC rígido Cor: cinza (existe ainda a possibilidade

Leia mais

Fundação: 26 de junho de 1942 No de funcionários: 304. Principais Produtos: Celulose sulfito fibra longa branqueada e Papéis Tissue

Fundação: 26 de junho de 1942 No de funcionários: 304. Principais Produtos: Celulose sulfito fibra longa branqueada e Papéis Tissue Fundação: 26 de junho de 1942 No de funcionários: 304 Principais Produtos: Celulose sulfito fibra longa branqueada e Papéis Tissue Processo químico de obtenção da celulose: Sulfito de cálcio Matéria-prima:

Leia mais