INSTITUCIONAL SERVIÇOS DE ROTINAS TRIBUTÁRIOS SERVIÇOS DE ROTINAS CONTÁBEIS SERVIÇOS DE ROTINAS TRABALHISTAS AUDITORIA PERÍCIA CONTÁBIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUCIONAL SERVIÇOS DE ROTINAS TRIBUTÁRIOS SERVIÇOS DE ROTINAS CONTÁBEIS SERVIÇOS DE ROTINAS TRABALHISTAS AUDITORIA PERÍCIA CONTÁBIL"

Transcrição

1 INSTITUCIONAL Empresas Prestadoras dos Serviços Contábeis (ESC), sob o enfoque institucional, prestam serviços para pessoas Físicas e Jurídicas SERVIÇOS PRESTADOS SERVIÇOS RECORRENTES SERVIÇOS QUE POSSUEM HONORÁRIOS MENSAIS E SEMIFIXOS (MENSALIDADES); Mediante a existência do contrato prestação de serviços com clientes por tempo indeterminado; SERVIÇOS DE ROTINAS TRIBUTÁRIOS SERVIÇOS NÃO RECORRENTES SERVIÇOS QUE NÃO POSSUEM HONORÁRIOS MENSAIS E SEMIFIXOS (MENSALIDADES); São trabalhos esporádicos e pontuais, que possuem características especificas e são cumpridos dentro de um determinado prazo, por meio de contrato de prestação de serviços. SERVIÇOS DE ROTINAS CONTÁBEIS SERVIÇOS DE ROTINAS TRABALHISTAS PERÍCIA CONTÁBIL SERVIÇOS EM ÓRGÃOS PÚBLICOS AUDITORIA CONSULTORIA

2 INSTITUCIONAL SERVIÇOS PRESTADOS SERVIÇOS RECORRENTES SERVIÇOS NÃO RECORRENTES MERCADO Preços determinados pelo mercado; Forte concorrência MERCADO Média concorrência no mercado; Serviços específicos e pontuais; Preços formados empiricamente; ESTRTURA Práticas empresariais; Forte concorrência ESTRTURA Práticas empresariais Programa PQEC Capital Intelectual; Forte concorrência

3 ASPECTOS SISTÊMICOS INDÚSTRIA FISCO ESTADUAL FISCO FEDERAL IMUNES E ISENTAS ÓRGÃOS PÚBLICOS CLIENTES ESC (EMPRESAS DOS SERVIÇOS CONTÁBEIS) FISCO MUNICIPAL SERVIÇOS BANCOS COMÉRCIO REGULAMENTAÇÃO DO CFC/CRCS JUNTAS COMERCIAIS MERCADO PRIVADO

4 ALINHAMENTO ORGANIZACIONAL ESTRUTURA DEPARTAMENTAL ESTRUTURA CÉLULA DE TRABALHO ESC - DIRETORIA ÁREA TRABALHISTA Administrativo e Financeiro ÁREA CONTÁBIL CÉLULA ÁREA TRIBUTÁRIA Departamento Contábil Departamento Fiscal Departamento Trabalhista Departamento Legal e Consultoria ESTRUTURA MISTA ÁREA LEGAL E CONSULTORIA Estrutura departamental interna na ESC; Estrutura de gastos diferenciada; STAF OPERACIONAL Possuí unidade externa de PRESTAÇÃO DOS SERVIÇO em clientes tomadores de serviços ESC - DIRETORIA ADMINISTRATIVO FINANCEIRO

5 EVOLUÇÃO OPERACIONAL IMPACTO DA TECNOLOGIA ROTINAS MECÂNICAS ROTINAS INTELECTUAIS NOVO CÓDIGO CIVIL E-SOCIAL VOLUMES MECÊNICOS SOFTWARES DE CONTABILIDADE INTERNET IFRS - NBC UNIVERSALIZAÇÃO DO SIMPLES SPED CONTRIBUIÇÕES, FISCAL, ECD, ECF; ESTUDOS ESPORÁDICOS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS ELETRÔNICAS: Federal; Estadual e Municipal PROJETO SPED PROCESSO DE FISCALIZAÇÃO COAF

6 EVOLUÇÃO OPERACIONAL ROTINAS DOS SERVIÇOS CONTÁBEIS MODELO ROTINAS DOS SERVIÇOS TRABALHISTAS MODELO Imputação de Dados e Informações Conferência de Dados e Informações Geração de Relatórios e Informações Legislação e Normas Contábeis Atendimento a Clientes Mecânico Mecânico Misto Intelectual Intelectual Admissão e Demissão Imputação de Dados e Informações Conferência de Dados e Informações Geração de Relatórios e Informações Legislação Trabalhista Atendimento a Clientes Misto Mecânico Mecânico Misto Intelectual Intelectual ROTINAS DOS SERVIÇOS TRIBUTÁRIOS MODELO Imputação de Dados e Informações Mecânico Conferência de Dados e Informações Mecânico Geração de Relatórios e Informações Misto Legislação Tributária Intelectual Atendimento a Clientes Intelectual

7 EVOLUÇÃO OPERACIONAL ROTINAS MECÂNICAS ROTINAS OPERACIONAIS FUNCIONALIDADE ROTINAS CARACTERISTICAS IMPUTAÇÃO DE DADOS E INFORMAÇÕES Serviços de Rotinas Contábeis Sua operação está fortemente atrelado em ferramentas tecnológicas (automatizado); CONFERÊNCIA DE DADOS E INFORMAÇÕES MECÂNICO Serviços de Rotinas Tributárias Serviços de Rotinas Trabalhistas Com os layouts utilizados pelo projeto SPED, obrigatoriamente, boa parte do fluxo de informações está em meios eletrônicos (importação, integração); Pouca ação humana nesses processos operacionais.

8 EVOLUÇÃO OPERACIONAL ROTINA MISTA ROTINAS OPERACIONAIS FUNCIONALIDADE ROTINAS CARACTERISTICAS ADMISSÃO E DEMISSÃO GERAÇÃO DE RELATÓRIOS E INFORMAÇÕES MISTO Serviços de Rotinas Trabalhistas Serviços de Rotinas Contábeis Serviços de Rotinas Tributárias Sua operação está dividida entre as ferramentas tecnológicas (automatizado) e a ação humana; O fluxo de informações eletrônicas (importação, integração), precisam ser analisadas e interpretadas pelo colaborador da Empresas dos Serviços Contábeis; Serviços de Rotinas Trabalhistas Ação humana nesses processos operacionais são relevantes.

9 EVOLUÇÃO OPERACIONAL ROTINA INTELECTUAL ROTINAS OPERACIONAIS FUNCIONALIDADE ROTINAS CARACTERISTICAS LEGISLAÇÃO INTELECTUAL Serviços de Rotinas Contábeis Serviços de Rotinas Tributárias Sua operação está fortemente ligada a ação humana; O fluxo de informações eletrônicas (importação, integração), serão o objeto de análise; ATENDIMENTO A CLIENTES Serviços de Rotinas Trabalhistas Ação humana nesses processos operacionais são fundamentais. Prevalecerá competência técnica e o bom atendimento.

10 PRECIFICAÇÃO - ASPECTOS ESTRATÉGICOS No processo de formação dos preços dos honorários dos serviços contábeis, é importante organizar as seguintes variáveis: SERVIÇOS OFERTADOS: Separar os serviços por características, público comprador e por segmentação de mercado; CLIENTES: Separar perfil de clientes - segmentos de mercado e necessidades;

11 PRECIFICAÇÃO - ASPECTOS ESTRATÉGICOS CRESCIMENTO NO MERCADO/FATURAMENTO INTERNO ALTA BAIXA ESTRELA (Investimentos Valor Agregado) Em forte crescimento; Serviços e Clientes de alta rentabilidade; Médios Riscos; Especialização; CRIANÇA (Investimentos) Grande Potencial de crescimento; Conglomerado de empresas; Baixos Riscos; Margem de Mercado; VACA LEITEIRA (Produto Estruturado) Clientes e Serviços estáveis; Baixo crescimento; Médios Riscos; Rotinas convencionais clientes commodities; ABACAXI (Descarte ou Reestruturação) Clientes e Serviços complicados e pouco lucrativo; Baixo crescimento; Altos Riscos; Alta inadimplência e complicação operacional; ALTA BAIXA POSICIONAMENTO DOS CLIENTES E SERVIÇOS/FATURAMENTO INTERNO

12 DIGITALIZAÇÃO DO FLUXO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS CONTABILIDADE DIGITAL SISTEMA DE COLETA DAS INFORMAÇÕES SPED RECEPTORES DE INFORMAÇÕES AMBIENTE DE MERCADO AMBIENTE INTERNO MERCADO E CLIENTES NOTA FISCAL ELETRÔNICA SISTEMA CONTÁBIL MOVIMENTO FINANCEIRO SISTEMA TRIBUTÁRIO INFORMAÇÕES TRABALHISTAS SISTEMA TRABALHISTA

13 DIGITALIZAÇÃO DO FLUXO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS CONTABILIDADE DIGITAL ESTRATÉGIAS VANTAGENS OPERACIONAIS ESTRATÉGIAS DIFICULDADES OPERACIONAIS Simplificação nos processos de imputação dos dados e informações; Redução nos recursos humanos e gastos operacionais com rotinas mecânicas; Mitigação de erros nos processos de imputação dos dados e informações; Fluxo de informações Cliente vs ESC; Parametrização do sistema especialista Contábil, Fiscal e Trabalhista; Integrações de diferentes sistemas; Manutenção e guarda das informações eletrônicas;

14 DIGITALIZAÇÃO DO FLUXO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS CONTABILIDADE ON-LINE

15 DIGITALIZAÇÃO DO FLUXO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS CONTABILIDADE ONLINE CLIENTES USUÁRIOS SISTEMA DE CAPTURA (WEB SERVICE) SPED CLIENTE RECEPTORES DE INFORMAÇÕES AMBIENTE DE MERCADO AMBIENTE INTERNO MERCADO SISTEMA CONTÁBIL SISTEMA TRIBUTÁRIO SISTEMA TRABALHISTA

16 O QUE ESTAMOS VENDENDO? SERVIÇOS CONTÁBEIS FRAGMENTADOS? ESCRITURAÇÃO FISCAL FECHAMENTO DE BALANÇO APURAÇÃO DE IMPOSTOS FECHAMENTO DE FOLHA DE PAGAMENTO DECLARAÇÕES EMISSÃO DE GUIAS TERCEIRIZAÇÃO PLENA DA ÁREA CONTÁBIL DO NOSSO CLIENTE? ROTINAS DOS SERVIÇOS CONTÁBEIS IMPUTAÇÃO DE DADOS E INFORMAÇÕES CONFERÊNCIA DE DADOS E INFORMAÇÕES GERAÇÃO DE RELATÓRIOS E INFORMAÇÕES LEGISLAÇÃO E NORMAS CONTÁBEIS ATENDIMENTO A CLIENTES MODELO MECÂNICO MECÂNICO MISTO INTELECTUAL INTELECTUAL

17 ESTRUTA DOS GASTOS OPERACIONAIS MODELO TRADICIONAL ROTINAS OPERACIONAIS CAPACIDADE OPERACIONAL GASTO TOTAL GASTO HORA MODELO TRADICIONAL DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS SERVIÇOS DE ROTINAS CONTÁBEIS HORAS ,94 52,98 ROTINAS OPERACIONAIS 900 Imputação de Dados ,33 51,30 Conferência de Dados ,44 50,60 Geração de Relatórios e Informações ,21 56,63 Acompanhamento a Legislação e Normas ,30 65,68 Atendimento a Clientes ,65 57,15 ESTRUTA DOS GASTOS OPERACIONAIS MODELO - ON-LINE ROTINAS OPERACIONAIS CAPACIDADE OPERACIONAL GASTO TOTAL GASTO HORA SERVIÇOS DE ROTINAS CONTÁBEIS HORAS ,94 52,98 ROTINAS OPERACIONAIS 900 Imputação de Dados ,12 9,27 Conferência de Dados ,81 9,27 Geração de Relatórios e Informações ,21 56,63 Acompanhamento a Legislação e Normas ,30 65,68 Atendimento a Clientes ,65 57,15 Gastos alocados para o modelo de Contabilidade ON- LINE Corte nos gastos com pessoas (colaboradores)

18 SERVIÇOS DE ROTINAS CONTÁBEIS 900 GASTOS HORA MARGEM IMPOSTO PV UNITÁRIO HORAS PV TOTAL Imputação de Dados ,30 1,4224 1, , ,99 Conferência de Dados ,60 1,4224 1, , ,87 Geração de Relatórios e Informações ,63 1,4224 1, , ,50 Acompanhamento a Legislação e Normas 18 65,68 1,4224 1, , ,93 Atendimento a Clientes ,15 1,4224 1, , ,00 TOTAL 842,29 SERVIÇOS DE ROTINAS CONTÁBEIS 900 GASTOS HORA MARGEM IMPOSTO PV UNITÁRIO HORAS PV TOTAL Imputação de Dados 468 9,27 1,4224 1, , ,81 Conferência de Dados 170 9,27 1,4224 1, , ,81 TOTAL 29,63 Geração de Relatórios e Informações ,63 1,4224 1, ,50 Acompanhamento a Legislação e Normas 18 65,68 1,4224 1, ,98 Atendimento a Clientes ,15 1,4224 1, ,33 MODELO VARIÁVEL: PRECIFICAÇÃO TARIFÁRIA TAXA HORA

19 MODELO TRADICIONAL DE RESULTADO DRE RECEITAS TRIBUTOS RESULTADO BRUTO GASTOS RESULTADO LÍQUIDO MARGEM Imputação de Dados 81,99 (9,02) 72,97 (51,30) 21,67 26% Conferência de Dados 80,87 (8,90) 71,98 (50,60) 21,37 26% Geração de Relatórios e Informações 90,50 (9,96) 80,55 (56,63) 23,92 26% Acompanhamento a Legislação e Normas 314,93 (34,64) 280,28 (197,05) 83,23 26% Atendimento a Clientes 274,00 (30,14) 243,86 (171,44) 72,42 26% TOTAL 842,29 (92,65) 749,64 (527,02) 222,61 26% MODELO ONLINE DE RESULTADO DRE RECEITAS TRIBUTOS RESULTADO BRUTO GASTOS RESULTADO LÍQUIDO MARGEM Imputação de Dados 14,81 (1,63) 13,18 (9,27) 3,92 26% Conferência de Dados 14,81 (1,63) 13,18 (9,27) 3,92 26% TOTAL 29,63 (3,26) 26,37 (18,54) 7,83 26% DRE RECEITAS TRIBUTOS RESULTADO BRUTO GASTOS RESULTADO LÍQUIDO MARGEM Imputação de Dados 25,00 (2,75) 22,25 (9,27) 12,98 52% Conferência de Dados 25,00 (2,75) 22,25 (9,27) 12,98 52% TOTAL 50,00 (5,50) 44,50 (18,54) 25,96 52% MODELO APURADO INTERNAMENTE MODELO APURADO INTERNAMENTE

20 MERCADO ATENDIDO CONTABILIDADE ONLINE LUCRO PRESUMIDO VOLUME DE NFE VOLUME FINANCEIRO SIMPLES NACIONAL CLIENTES QUE NÃO CONSOME OUTRAS ROTINAS OPERACIONAIS CLIENTES DE DETERMINADO SEGUIMENTO EMPRESARIAL IMUNES E ISENTAS MODALIDADE TRIBUTÁRIA: MEI, PJ LUCRO REAL NÃO É ATENDIDO

21 ESTRUTURA INDUSTRIAL RT CT CV PE ANÁLISE DE GASTOS ESTRUTURA SERVIÇOS PE RT CT CF Eficiência operacional na prestação dos serviços contábeis, em ambiente de forte concorrência, ocorrerá mediante a otimização de recursos e processos operacionais; CF Quanto maior a otimização nos processos operacionais, maior será a capacidade de absorção de novos serviços contábeis; CV ROTINAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ROTINAS CONTÁBEIS TOTAL DOS GASTOS HORA PV UNITÁRIO HORAS GASTO PV TOTAL HORAS AJUSTADAS GASTOS AJUSTADOS Imputação de Dados 51,30 90, ,40 720, ,20 Conferência de Dados 50,60 88, ,20 177, ,20 Geração de Relatórios e Informações 56,63 99, ,26 198, ,63 Acompanhamento a Legislação e Normas 65,68 115, ,72 460, ,36 Atendimento a Clientes 57,15 100, ,30 200, , , ,85 608,69

22 ANÁLISE DE GASTOS SERVIÇOS DE ROTINAS CONTÁBEIS GASTOS GASTOS AJUSTADO EFICIÊNCIA IMPUTAÇÃO DE DADOS (410,40) (205,20) 205,20 CONFERÊNCIA DE DADOS (101,20) (101,20) 0,00 GERAÇÃO DE RELATÓRIOS E INFORMAÇÕES (113,26) (56,63) 56,63 ACOMPANHAMENTO A LEGISLAÇÃO E NORMAS (262,72) (131,36) 131,36 ATENDIMENTO A CLIENTES (114,30) (114,30) 0,00 TOTAL (1.001,88) (608,69) 393,19

23 ESTRUTURA ECONÔMICA ESTRUTURA DE SERVIÇOS - UNITÁRIO Para que ocorra a melhoria na lucratividade nos contratos de prestação dos serviços, sem o aumento nos honorários cobrados, haverá necessidade de otimização nos processo operacionais; Diluído em decorrência do volume de clientes atendidos GT GF GV Gasto que prevalece na estrutura das ESC. Diluído no volume de clientes atendidos. CAPACIDADE OPERACIONAL Gasto pouco relevante na estrutura das ESC.

24 ROTINAS OPERACIONAIS TOTAL TOTAL GASTO HORA NATUREZA SERVIÇOS DE ROTINAS CONTÁBEIS ,94 52,98 ROTINAS OPERACIONAIS Imputação de Dados ,33 51,30 Mecânico Conferência de Dados ,44 50,60 Mecânico Geração de Relatórios e Informações ,21 56,63 Misto Acompanhamento a Legislação e Normas ,30 65,68 Intelectual Atendimento a Clientes ,65 57,15 Intelectual ROTINAS OPERACIONAIS TOTAL TOTAL GASTO HORA NATUREZA SERVIÇOS DE ROTINAS CONTÁBEIS ,94 52,98 ROTINAS OPERACIONAIS Imputação de Dados? 4.338,12? Mecânico Conferência de Dados? 1.575,81? Mecânico GERAÇÃO DE RELATÓRIOS E INFORMAÇÕES ,21 56,63 MISTO ACOMPANHAMENTO A LEGISLAÇÃO E NORMAS ,30 65,68 INTELECTUAL ATENDIMENTO A CLIENTES ,65 57,15 INTELECTUAL

25 IMPUTAÇÃO DE DADOS CONFERÊNCIA DE DADOS MODELO ONLINE DE RESULTADO GASTOS TOTAIS ROTINAS MECÂNICAS UNITÁRIO , , , , , , ,93 UNITÁRIO RECEITAS 50, , , , , , ,00 TRIBUTOS (5,50) (275,00) (550,00) (1.100,00) (1.650,00) (2.200,00) (2.750,00) RESULTADO BRUTO 44, , , , , , ,00 GASTOS (5.913,93) (5.913,93) (5.913,93) (5.913,93) (5.913,93) (5.913,93) (5.913,93) RESULTADO LÍQUIDO (5.869,43) (3.688,93) (1.463,93) 2.986, , , ,07 MARGEM % -148% -29% 30% 50% 59% 65% , ,07 pe total = gasto total valor margem valor unitária , , pe total = 5.913,93 44,50 = 132, (5.869,43) (3.688,93) (1.463,93) pe total = 133 Clientes

26 SISTEMA DE COLETA DAS INFORMAÇÕES TENDÊNCIAS PLANEJAMENTO EMPRESAS CONTÁBEIS BANCO DE DADOS (SPED E NBC) INFORMAÇÕES NORMATIVAS INFORMAÇÕES GERENCIAIS STAKEHOLDERS DA EMPRESA (PÚBLICO INTERNO) STAKEHOLDERS DO MARCADO AMBIENTE DE MERCADO AMBIENTE INTERNO MERCADO NOTA FISCAL ELETRÔNICA SISTEMA CONTÁBIL VARIÁVEIS DE MERCADO DOS NOSSOS CLIENTES MOVIMENTO FINANCEIRO SISTEMA TRIBUTÁRIO OBJETOS, METAS, VALORES E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS INFORMAÇÕES TRABALHISTAS SISTEMA TRABALHISTA MODELO DE GESTÃO PROCESSO DE GESTÃO PLANEJAMENTO EXECUÇÃO CONTROLE

27 CRESCIMENTO SUSTENTAÇÃO COLHEITA TENDÊNCIAS PLANEJAMENTO EMPRESAS CONTÁBEIS VACA LEITEIRA STAR CICLO DE VIDA MODELOS DE NEGÓCIOS E SERVIÇOS

28 TENDÊNCIAS PLANEJAMENTO EMPRESAS CONTÁBEIS SURGIMENTO DE NOVAS FUNÇÕES OPERACIONAIS INVESTIMENTOS EM CAPACITAÇÃO DOS COLABORADORES INTELECTUAL MISTO MECÂNICA COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

29 TENDÊNCIAS PLANEJAMENTO EMPRESAS CONTÁBEIS TEORIA DA CONTABILIDADE MENTAL - APLICAÇÃO AUTOMATIZAÇÃO ROTINAS MECÂNICAS DIVERSIFICAÇÃO DE SERVIÇOS SEGMENTAÇÃO NICHOS DE MERCADOS BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO INTER RELAÇÃO CONHECIMENTO INTERDICIPLINAR

30 Esvazie a sua mente... Não tenha formato! Sem contornos... Como água! Quando você coloca água em um copo, ela se molda ao copo... Quando você coloca água em uma garrafa, ela se molda a garrafa... Água pode fluir ou destruir... Seja água meu amigo! BRUCE LEE MUITO OBRIGADO PELA PATICIPAÇÃO DE TODOS!!!

Material de Apoio Comercial. Retornos de Resultados!

Material de Apoio Comercial. Retornos de Resultados! Material de Apoio Comercial Retornos de Resultados! Estrutura do Comercial 1 a 6 - Segmentação de Clientes por Serviços Contábeis A a F - Portfólio de Serviços Contábeis (Assessorias e Consultorias) e

Leia mais

Controladoria para Empresas dos Serviços Contábeis

Controladoria para Empresas dos Serviços Contábeis Controladoria para Empresas dos Serviços Contábeis Paulo Henrique Vaz Mestre em Ciências Contábeis e Atuariais PUC/SP; Graduado e Especialista e Contabilidade; Palestrante e Professor da Unisescon; Professor

Leia mais

UTILITIES E SETOR PÚBLICO

UTILITIES E SETOR PÚBLICO Segmento SERVIÇOS UTILITIES E SETOR PÚBLICO Para o subsegmento de utilities e setor público, as soluções de software de gestão para o segmento de serviços da TOTVS permitem controle, redução de custos,

Leia mais

WWW.CONTABILIDADEIDEALE.COM.BR A Ideale Contabilidade & Consultoria Empresarial é uma empresa especializada na prestação de serviços de contabilidade, constituída por uma equipe de profissionais com vasta

Leia mais

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4 Sumário Capítulo 1 Breves Noções Históricas...1 1.1. Breves Noções Históricas...1 1.2. A Contabilidade no Brasil...3 1.3. O Símbolo da Contabilidade...4 Capítulo 2 Conceitos Iniciais...5 2.1. A Definição

Leia mais

Saiba tudo sobre o esocial

Saiba tudo sobre o esocial Saiba tudo sobre o esocial Introdução Com a criação do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), o Governo propiciou maior controle e agilidade na fiscalização das informações contábeis e fiscais

Leia mais

MAGAZINES E LOJAS DE DEPARTAMENTO

MAGAZINES E LOJAS DE DEPARTAMENTO Segmento VAREJO MAGAZINES E LOJAS DE DEPARTAMENTO As soluções de software de gestão para o segmento de varejo da TOTVS oferecem condições imperdíveis de gerenciamento para o seu magazine ou loja de departamento.

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MERCADO

EXPERIÊNCIA DE MERCADO QUEM SOMOS A Dias e Ribeiro Serviços Contábeis é uma empresa com um foco: atender o cliente de modo personalizado. Para isto se estruturou com ferramentas tecnológicas, profissionais competentes e uma

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

APRENDA A FORMAR PREÇO DE VENDA. 08 a 11 de outubro de a 12 de novembro de 2016

APRENDA A FORMAR PREÇO DE VENDA. 08 a 11 de outubro de a 12 de novembro de 2016 APRENDA A FORMAR PREÇO DE VENDA 08 a 11 de outubro de 2014 09 a 12 de novembro de 2016 Missão do Sebrae Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orientar na implantação e no desenvolvimento de

Leia mais

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3 Parte I Gestão 1 CAPÍTULO 1 Gestão rural no século XXI 3 Estrutura do estabelecimento agropecuário 4 Novas tecnologias 7 A era da informação 8 Controle de ativos 9 Recursos humanos 10 Produção para atender

Leia mais

IRPJ, CSLL, PIS, COFINS

IRPJ, CSLL, PIS, COFINS Alguns Clientes O objetivo da Studio Fiscal é oferecer serviços de consultoria tributária, buscando otimizar a carga tributária das empresas com base em trabalhos que envolvem gestão contábil, fiscal e

Leia mais

ECF Obrigatoriedade, prazo e multas

ECF Obrigatoriedade, prazo e multas ECF Obrigatoriedade, prazo e multas 4 de abril de 2016 Escrituração Contábil Fiscal (ECF) substitui a DIPJ desde 2015 A ECF referente ao ano-calendário 2015 deve ser entregue até 30 de junho de 2016. A

Leia mais

Métodos de Custeio. Prof. Alan S. Fonseca. Fonseca, Alan Sales da. Métodos de custeio / Alan Sales da Fonseca. Varginha, slides; il.

Métodos de Custeio. Prof. Alan S. Fonseca. Fonseca, Alan Sales da. Métodos de custeio / Alan Sales da Fonseca. Varginha, slides; il. Métodos de Custeio F676m Fonseca, Alan Sales da. Métodos de custeio / Alan Sales da Fonseca. Varginha, 2015. 19 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Contabilidade

Leia mais

ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016

ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS Princípios da Contabilidade de Custos Finalidade; Objetivos e enfoque (gerencial, formal e aspectos legais) 18/02/2016 CONTABILIDADE X CUSTOS Contabilidade é a ciência que

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA SEMANA DO CONTABILISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA SEMANA DO CONTABILISTA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA SEMANA DO CONTABILISTA PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Alexandre Henrique Salema Ferreira Ana Maria da Paixão Duarte OBJETIVO Discorrer acerca do Planejamento Tributário no campo

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : CIÊNCIAS CONTÁBEIS. CRÉDITOS Obrigatórios: 136 Optativos: 16. 1º Semestre

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : CIÊNCIAS CONTÁBEIS. CRÉDITOS Obrigatórios: 136 Optativos: 16. 1º Semestre Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:28:06 Curso : CIÊNCIAS

Leia mais

Escrituração Contábil Fiscal Destaques MP 627/03

Escrituração Contábil Fiscal Destaques MP 627/03 www.pwc.com Câmara Técnica de Contabilidade e Finanças - Aesbe Escrituração Contábil Fiscal Destaques MP 627/03 Maio de 2014 Índice ECF Escrituração Contábil Fiscal Sugestão de mudança Alguns comentários

Leia mais

OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS

OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS E-BOOK Governança das Obrigações Acessórias FIQUE ATENTO! A automação dos órgãos fiscalizadores, como a Receita Federal e a Secretaria da Fazenda, exige total controle e planejamento

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA

Leia mais

MISSÃO VISÃO INOVAÇÃO ÉTICA CONFIANÇA COMPROMETIMENTO EFICIÊNCIA TRANSPARÊNCIA

MISSÃO VISÃO INOVAÇÃO ÉTICA CONFIANÇA COMPROMETIMENTO EFICIÊNCIA TRANSPARÊNCIA QUEM SOMOS A VP Consultoria é uma empresa que atua nos segmentos de Consultoria Contábil e Fiscal, de Recursos Humanos, Tributário e Societário e de Gestão Financeira. Contamos com uma equipe de profissionais

Leia mais

Estruturação e Organização de Empresas. Valuation. Consultoria para empresas em recuperação judicial. Consultoria em Planejamento Estratégico

Estruturação e Organização de Empresas. Valuation. Consultoria para empresas em recuperação judicial. Consultoria em Planejamento Estratégico Estruturação e Organização de Empresas Consultoria em Planejamento Estratégico Valuation Consultoria para empresas em recuperação judicial ASCENSÃO E QUEDA DO NEGÓCIO MATURIDADE CRESCIMENTO CRESCIMENTO

Leia mais

RISCOS TRIBUTÁRIOS E CONTÁBEIS NA ELABORAÇÃO DOS HONORÁRIOS CONTÁBEIS

RISCOS TRIBUTÁRIOS E CONTÁBEIS NA ELABORAÇÃO DOS HONORÁRIOS CONTÁBEIS RISCOS TRIBUTÁRIOS E CONTÁBEIS NA ELABORAÇÃO DOS HONORÁRIOS CONTÁBEIS Palestrante: Paulo Vaz Introdução 1 Introdução - Histórico Década de 1980: Surgimento dos primeiros sistemas de informática para escrituração

Leia mais

II.2 GESTÃO AMBIENTAL Função: Estudos e Pesquisas

II.2 GESTÃO AMBIENTAL Função: Estudos e Pesquisas II.1 ADMINISTRAÇÃO JURÍDICA 1. Diferenciar nos processos administrativos: pessoa física e/ou pessoa jurídica. 2. Interpretar formas de contrato e compreender suas características. 3. Identificar as características

Leia mais

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

COMO ABRIR UMA IGREJA

COMO ABRIR UMA IGREJA COMO ABRIR UMA IGREJA Este ebook tem por finalidade proporcionar um esclarecimento sobre como as igrejas são vistas pelo governo, quais tributos ela deve pagar e como deve ser constituída. As igrejas,

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. Definições BDI: Uma taxa que se adiciona ao custo de uma obra para cobrir as despesas indiretas que tem o construtor, mais

Leia mais

RESUMO. PALAVRA CHAVE: SPED e a contabilidade

RESUMO. PALAVRA CHAVE: SPED e a contabilidade 2 RESUMO O texto se refere ao Sistema Publico de Escrituração Digital, um sistema informatizado da receita federal que substitui as obrigações fiscais e contábeis das empresas para forma eletrônica facilitando

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE GESTÃO DA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA GESTÃO DE PESSOAS DIREITO EMPRESARIAL E TRABALHISTA CONTABILIDADE Os recursos

Leia mais

Ementas. Certificate in Business Administration CBA

Ementas. Certificate in Business Administration CBA Ementas Certificate in Business Administration CBA Agosto 2012 Módulo Fundamental Administração Financeira EMENTA: Disciplina desenvolve a capacidade de contribuição para as decisões gerenciais aplicando

Leia mais

Calcular resultados. e apontar soluções

Calcular resultados. e apontar soluções Calcular resultados e apontar soluções Trajetória Mais de três décadas calculando resultados e apontando soluções. A Contabilidade Dias foi fundada em 1984, em Belo Horizonte, por Antônio Augusto Dias,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Contabilidade Tributária e Fiscal Eixo tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

Paulo Ricardo de Souza Cardoso Receita Federal do Brasil

Paulo Ricardo de Souza Cardoso Receita Federal do Brasil A legalidade e a segurança jurídica na relação Fisco- Contribuinte. O que fazer em favor de uma relação harmoniosa e equilibrada entre o Fisco e o contribuinte? Paulo Ricardo de Souza Cardoso Receita Federal

Leia mais

O cruzamento de informações sob a ótica dos órgãos de controle A VISÃO DO FISCO

O cruzamento de informações sob a ótica dos órgãos de controle A VISÃO DO FISCO O cruzamento de informações sob a ótica dos órgãos de controle A VISÃO DO FISCO Como você produz e formata suas informações? Qual a qualidade dessas informações? Elas são consistentes? Houve mudanças/evolução

Leia mais

Márcio Tonelli ECD e ECF LIÇÕES DE 2015 EXPECTATIVAS PARA 2016

Márcio Tonelli ECD e ECF LIÇÕES DE 2015 EXPECTATIVAS PARA 2016 Márcio Tonelli tt.consultoria.sped@gmail.com ECD e ECF LIÇÕES DE 2015 EXPECTATIVAS PARA 2016 NÚMEROS QUE IMPRESSIONAM Quantidade de versões de produção: Com alteração do número da versão: 13 Sem alteração

Leia mais

CENTRAL DE BALANÇOS PEDRO ONOFRE FERNANDES. abril de 2010 AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL. Sistema Público de Escrituração Digital

CENTRAL DE BALANÇOS PEDRO ONOFRE FERNANDES. abril de 2010 AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL. Sistema Público de Escrituração Digital CENTRAL DE BALANÇOS abril de 2010 PEDRO ONOFRE FERNANDES AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUMÁRIO Sistema Público de Escrituração Digital SPED Objetivo Premissas Abrangência Central de Balanços

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

Sumário. Prefácio, xix

Sumário. Prefácio, xix Sumário Prefácio, xix 1 Introdução, 1 Objetivo do livro, 2 1.1 Citações importantes sobre planejamento financeiro com destaque para o fluxo de caixa no contexto empresarial, 2 2 Administração financeira

Leia mais

1 - Aplicativos Informatizados (para a Habilitação Administração) (Administração); Administração Administração (EII) Administração - Ênfase em

1 - Aplicativos Informatizados (para a Habilitação Administração) (Administração); Administração Administração (EII) Administração - Ênfase em 1 - Aplicativos Informatizados (para a Habilitação ) (); (EII) - Ênfase em Análise de Sistemas - Habilitação em de Empresas - Habilitação em de Negócios - Habilitação em Hoteleira - Habilitação em Análise

Leia mais

SPED PIS/COFINS e Cordilheira Software Contábil

SPED PIS/COFINS e Cordilheira Software Contábil SPED PIS/COFINS e Cordilheira Software Contábil Bloco 0 Abertura do arquivo Operações de serviços Bloco A Operações de CTRC e outros serviços com ICMS Apuração dos valores dos impostos Fechamento do arquivo

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis

Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Características gerais Objetivos Suporte à Contabilidade Gerencial (Controladoria) Suporte à tomada de

Leia mais

Racionalizar e uniformizar as obrigações acessórias. Tornar mais célere a identificação de ilícitos tributários

Racionalizar e uniformizar as obrigações acessórias. Tornar mais célere a identificação de ilícitos tributários ORIGEM O Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) surgiu em 2007 da necessidade de integrar (uniformizar) as informações prestadas pelos contribuintes com o fisco brasileiro. OBJETIVOS DO PROJETO

Leia mais

Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS. Slide 2. Slide 3 DADOS DISPONÍVEIS AO FISCO

Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS. Slide 2. Slide 3 DADOS DISPONÍVEIS AO FISCO Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS Nilson José Goedert Contador 2016 Slide 2 Obrigações Federais para Pessoas Jurídicas em Geral: 1. SPED Sistema Público de Escrituração

Leia mais

Onde são informadas atualmente?

Onde são informadas atualmente? EFD-Reinf O que é EFD-Reinf? Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída (CPRB). A EFD-Reinf abarca todas as retenções do contribuinte sem relação

Leia mais

EFD-Reinf 29/06/2016. Apresentação. I -O que é o EFD-Reinf

EFD-Reinf 29/06/2016. Apresentação. I -O que é o EFD-Reinf EFD-Reinf Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída O que vem por ai??? Danilo Lollio Estaapresentaçãoé de propriedade da Wolters Kluwer Prosoft.

Leia mais

QUADRO DE DISCIPLINAS

QUADRO DE DISCIPLINAS QUADRO DE DISCIPLINAS Disciplinas 1 Horas- Aula 2 1. Fundamentos do Gerenciamento de Projetos 24 2. Gerenciamento do Escopo em Projetos 24 3. Gerenciamento da Qualidade em Projetos 12 4. Gerenciamento

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS PARA INCLUSÃO DA CONSULTORIA NA LISTA CURTA

PRÉ-REQUISITOS PARA INCLUSÃO DA CONSULTORIA NA LISTA CURTA PRÉ-REQUISITOS PARA INCLUSÃO DA CONSULTORIA NA LISTA CURTA A etapa pública do processo de licitação se iniciada pelo chamamento público à manifestação de Interesse de consultorias (pessoa jurídica), que

Leia mais

GUIA DIÁRIO DE ALTERAÇÕES ICMS Santa Catarina Não foi publicada nenhuma alteração até o fechamento dessa edição do Guia.

GUIA DIÁRIO DE ALTERAÇÕES ICMS Santa Catarina Não foi publicada nenhuma alteração até o fechamento dessa edição do Guia. GUIA DIÁRIO DE ALTERAÇÕES 19.10.2015 1. ICMS Santa Catarina Não foi publicada nenhuma alteração até o fechamento dessa edição do Guia. 2. Legislação Federal SOLUÇÃO DE CONSULTA DISIT/SRRF07 Nº 7045, DE

Leia mais

SPED. Cruzamento das Informações: CRUZAMENTOS: Aspectos conceituais 24/09/2009. Acompanhamento Diferenciado: DACON DIRF DIPJ DCOMP DCTF DARF

SPED. Cruzamento das Informações: CRUZAMENTOS: Aspectos conceituais 24/09/2009. Acompanhamento Diferenciado: DACON DIRF DIPJ DCOMP DCTF DARF Cruzamento das Informações: DACON DIRF SPED DCTF DIPJ DCOMP DARF Palestrante: Thamara Jardim CRUZAMENTOS: Aspectos conceituais Acompanhamento Diferenciado: Art. 2º O acompanhamento diferenciado deverá

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO É um plano administrativo que cobre todas as operações da empresa, para um período de

Leia mais

NFC-e. SEFAZ/GO GIEF Your - Gerência Logo Here de Informações Econômico-Fiscais Coordenação Documentário Fiscal

NFC-e. SEFAZ/GO GIEF Your - Gerência Logo Here de Informações Econômico-Fiscais Coordenação Documentário Fiscal SEFAZ/GO GIEF Your - Gerência Logo Here de Informações Econômico-Fiscais Coordenação Documentário Fiscal Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica NFC-e NFC-e Antonio Carlos Godoi Coordenador de Documentos

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

PAUTA DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

PAUTA DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) PAUTA DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) O que é ECF? Escrituração Contábil Fiscal - (ECF) é uma obrigação imposta às Pessoas Jurídicas estabelecidas no Brasil exigidas pela RFB que substituiu a Declaração

Leia mais

Custos Industriais. Aula 6. Contextualização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos

Custos Industriais. Aula 6. Contextualização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Custos Industriais Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Dentro da legislação brasileira, no quesito referente a custos, temos que atender às normas vigentes, mas isso nos impede de usar

Leia mais

BENS DE CONSUMO. Tudo para que a sua empresa tenha uma gestão completa, flexível e integrada, e conquiste resultados ainda melhores.

BENS DE CONSUMO. Tudo para que a sua empresa tenha uma gestão completa, flexível e integrada, e conquiste resultados ainda melhores. Segmento MANUFATURA BENS DE CONSUMO Para o subsegmento de bens de consumo, as soluções de software de gestão da TOTVS produzem resultados em série. Um conjunto de funcionalidades que atuam na essência

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação, xiii

SUMÁRIO. Apresentação, xiii SUMÁRIO Apresentação, xiii 1 A Contabilidade e a Gestão Tributária, 1 1.1 Introdução, 1 1.2 Os objetivos da atividade de gestão tributária, 1 1.3 Características profissionais exigidas para o cargo de

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS Alessandro Dessimoni Temas abordados 1. Alta carga tributária; 2. A burocracia e entraves da legislação; 3. Interpretação restritiva do Fisco sobre

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO TRIBUTÁRIA

PLANEJAMENTO E GESTÃO TRIBUTÁRIA EMENTA PLANEJAMENTO E GESTÃO TRIBUTÁRIA DISCIPLINA: Contabilidade Empresarial EMENTA: A disciplina enfoca a legislação e órgãos normatizadores, o balanço patrimonial, a demonstração do resultado do exercício,

Leia mais

Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do Estado de São Paulo Projeto Nota Fiscal Paulista

Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do Estado de São Paulo Projeto Nota Fiscal Paulista Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do Estado de São Paulo Projeto Nota Fiscal Paulista 14/08/07 OBJETIVO Incentivar os adquirentes de mercadorias, bens e serviços de transporte interestadual e intermunicipal

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE GESTÃO PUBLICA MUNICIPAL

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE GESTÃO PUBLICA MUNICIPAL ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE GESTÃO PUBLICA MUNICIPAL CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O presente termo de referência tem por objeto dar subsídio à Contratação de empresa especializada em implantação,

Leia mais

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1 Administração Prof.: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 1 Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio das empresas.

Leia mais

Mapeando o SPED PIS/COFINS

Mapeando o SPED PIS/COFINS Mapeando o SPED PIS/COFINS 1 SPED PIS/COFINS Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010 2 BLOCO DESCRIÇÃO QTDE REGISTROS 0 Abertura, Identificação e Referências 16 A Documentos Fiscais - Serviços

Leia mais

MBA em FINANÇAS EMPRESARIAIS

MBA em FINANÇAS EMPRESARIAIS MBA em FINANÇAS EMPRESARIAIS 1) OBJETIVO O objetivo do MBA é proporcionar ao participante os conhecimentos e as técnicas indispensáveis à Gestão Financeira da empresa. Nas últimas décadas, a atuação do

Leia mais

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas 17 de novembro de 2016 Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas Agenda Nossa missão Estrutura Processo Orçamentário Orçamento Matricial Despesas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração Coordenação-Geral de Recursos Humanos

MINISTÉRIO DA FAZENDA Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração Coordenação-Geral de Recursos Humanos ÓRGÃO: GRA-PR QUADRO GERAL DO PLANO SETORIAL DE APRENDIZAGEM PERMANENTE - 2007 Campos de Conhecimento Número de Carga Custo Total Participante Horária FINANÇAS PÚBLICAS 23 180 15.980,00 TÉCNICO-COMPLEMENTAR

Leia mais

Sped ECF. Uma solução para apurar o imposto de renda pessoa jurídica

Sped ECF. Uma solução para apurar o imposto de renda pessoa jurídica Sped ECF by ROFF Labs Uma solução para apurar o imposto de renda pessoa jurídica Sumário 1 A solução Sped ECF by ROFF Labs 2 Sobre o ROFF Labs 2 Uma Solução para apuração dos impostos IRPJ e CSLL Integrado

Leia mais

Papel do Atuário na Gestão de Negócios Gláucia Carvalho Superintendente Atuarial ENA

Papel do Atuário na Gestão de Negócios Gláucia Carvalho Superintendente Atuarial ENA Papel do Atuário na Gestão de Negócios Gláucia Carvalho Superintendente Atuarial ENA - 2015 AGENDA 2 COMO SOMOS VISTOS? NECESSIDADE DE INTEGRAÇÃO: MACROPROCESSOS E A ÁREA ATUARIAL NOSSO CONTEXTO: DIVULGAÇÃO

Leia mais

A aliaç aliaç e V ida Útil CPC 27 E ICPC 10

A aliaç aliaç e V ida Útil CPC 27 E ICPC 10 CPC 27 E ICPC 10 Março 2010 Qual o tempo que um bem gera resultados econômicos positivos para uma entidade? Os períodos atualmente considerados estão consistentes com a realidade? Existem defasagens entre

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

TECNOLOGIA PROTEGENDO O FUTURO

TECNOLOGIA PROTEGENDO O FUTURO Integratto Family Office INVESTINDO EM TECNOLOGIA PROTEGENDO O FUTURO Integratto Family Office O Integratto Family Office Nasajon é um software integrado que oferece credibilidade e segurança no gerenciamento

Leia mais

R.H - Descrição de Cargos

R.H - Descrição de Cargos CARGO: Auxiliar Contábil Sumário: R.H - Descrição de Cargos Desenvolver trabalhos na área de contabilidade especificamente na tarefa de contabilização dos documentos, levantando requisitos, obedecendo

Leia mais

ALTA CONTABILIDADE E CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. alta.

ALTA CONTABILIDADE E CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. alta. ALTA CONTABILIDADE E CONSULTORIA TRIBUTÁRIA alta. cenário Nos últimos anos, dentro do contexto da competitividade mundial, as empresas tiveram que adotar ou assimilar políticas globalizadas de administração

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso Ciências Contábeis

Trabalho de Conclusão de Curso Ciências Contábeis Trabalho de Conclusão de Curso Ciências Contábeis A seguir são dispostos os regulamentos para os projetos de elaboração e desenvolvimento do TCC- Trabalho de Conclusão para o Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL TURMA 2016 53 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS MBA EM GESTÃO FINANCEIRA, CONTROLADORIA E AUDITORIA TURMA 27 Vitória-ES APRESENTAÇÃO O curso de MBA em Gestão Financeira, Controladoria

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Livros Contábeis e Fiscais Conforme disposto nas Leis 6.404/76 e 11.638/07 e RIR/99, as empresas estão obrigadas a manter escriturados os seguintes livros:

Leia mais

Jornada do CFO O papel do executivo financeiro na crise. Othon Almeida, Sócio líder do CFO Program da Deloitte

Jornada do CFO O papel do executivo financeiro na crise. Othon Almeida, Sócio líder do CFO Program da Deloitte Jornada do CFO 2015 O papel do executivo financeiro na crise Othon Almeida, Sócio líder do CFO Program da Deloitte A jornada do CFO O panorama econômico brasileiro mudou ao longo das décadas... 2016-2018:???????

Leia mais

CIRCULAR Nº 13/2012. Ref.: SISCOSERV Informações de transações efetuadas por residentes no Brasil e no exterior. São Paulo, 12 de setembro de 2012.

CIRCULAR Nº 13/2012. Ref.: SISCOSERV Informações de transações efetuadas por residentes no Brasil e no exterior. São Paulo, 12 de setembro de 2012. São Paulo, 12 de setembro de 2012. CIRCULAR Nº 13/2012 Prezado Cliente, Ref.: SISCOSERV Informações de transações efetuadas por residentes no Brasil e no exterior A Lei nº 12.546/2011 instituiu a obrigação

Leia mais

Lucro Fiscal x Lucro Societário

Lucro Fiscal x Lucro Societário Lei n o 12. 973/14 Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Comercial Prof. Eric Aversari Martins Um Breve Histórico 11.638/07 Harmonização das Normas Contábeis 11.941/09 Instituição

Leia mais

Relatório Anual. São Rafael Sociedade de Previdência Privada

Relatório Anual. São Rafael Sociedade de Previdência Privada 2011 Relatório Anual São Rafael Sociedade de Previdência Privada Prezados Participantes: O ano de 2011 foi mais um ano marcado por muitas incertezas nas economias mundiais acarretando uma instabilidade

Leia mais

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios COMUNICADO O SEBRAE NACIONAL Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, por meio da Universidade Corporativa SEBRAE, comunica que, na prova, serão avaliados conhecimentos conforme as áreas descritas

Leia mais

SEFAZ Concurso Público 02/2014 Gabarito Definitivo Auditor-Fiscal da Receita Estadual. Bloco 1

SEFAZ Concurso Público 02/2014 Gabarito Definitivo Auditor-Fiscal da Receita Estadual. Bloco 1 SEFAZ Concurso Público 02/2014 Gabarito Definitivo Auditor-Fiscal da Receita Estadual Bloco 1 01 E Língua Portuguesa 02 B Língua Portuguesa 03 C Língua Portuguesa 04 A Língua Portuguesa 05 C Língua Portuguesa

Leia mais

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO A CONVERGÊNCIA DAS NORMAS INTERNACIONAIS AO SETOR PÚBLICO MARIA DA CONCEIÇAO BARROS DE REZENDE SITUAÇAO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração

USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 5: Demonstração do Resultado do Exercício Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Leia mais

1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia. LOCAL: Recife-PE 22/11/2013

1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia. LOCAL: Recife-PE 22/11/2013 DIVISÃO DE CONSULTORIA 1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia LOCAL: Recife-PE 22/11/2013 TEMA DA PALESTRA: Gestão de Fluxos de Trabalho e Indicadores

Leia mais

introdução ao marketing - gestão do design

introdução ao marketing - gestão do design introdução ao marketing - gestão do design Universidade Presbiteriana Mackenzie curso desenho industrial 3 pp e pv profa. dra. teresa riccetti Fevereiro 2009 A gestão de design, o management design, é

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS Tributação Indireta no contexto do IFRS Possíveis Impactos no ICMS/ISS Reunião GEDEC 28/10/2015 Escopo da Apresentação Foram analisados os CPCs que possam gerar controvérsias ou possíveis impactos fiscais

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL 1 Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Receita Bruta de até R$ 36

Leia mais

RELAÇÃO CUSTO/VOLUME/LUCRO

RELAÇÃO CUSTO/VOLUME/LUCRO 1. CUSTOS / PLANEJAMENTO E DECISÓRIO 1.1 Relação Custo/Volume/Lucro A relação Custo/Volume/Lucro é a relação que o volume de vendas tem com os custos e lucros. 1.1.1 Custos e Despesas Variáveis Os custos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE Cultura Religiosa O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano e da sociedade. As principais

Leia mais

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários 65ª Série Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA INSTITUIÇÃO

Leia mais

FUNDAMENTOS DE CUSTOS CÁLCULO DA MARGEM E PONTO DE EQUILÍBRIO

FUNDAMENTOS DE CUSTOS CÁLCULO DA MARGEM E PONTO DE EQUILÍBRIO FUNDAMENTOS DE CUSTOS CÁLCULO DA MARGEM E PONTO DE EQUILÍBRIO Ponto de Equilíbrio Ponto de equilíbrio: - Quanto eu tenho que vender para obter lucro? - Por quanto eu vou vender os serviços? Calculo da

Leia mais

Gestão de Projetos do esocial

Gestão de Projetos do esocial WORKSHOP Gestão de Projetos do esocial Primeiro workshop Online Motivadores Apoiar os profissionais a implantarem o esocial e alcançarem melhores resultados neste processo. Objetivos da Apresentação Como

Leia mais

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, Bairro Jardim (11) Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13)

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, Bairro Jardim (11) Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) TRIBUTOS SOBRE MERCADORIAS E SERVIÇOS APRESENTAÇÃO: A legislação tributária brasileira é tida como uma das mais complexas do mundo. Além disto, tem sido objeto de constantes alterações, o que obriga os

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

Adequação ao esocial Como se preparar?

Adequação ao esocial Como se preparar? www.pwc.com.br/esocial Adequação ao esocial Como se preparar? 28 de abril de 2014 Agenda 1 2 3 4 5 Introdução O que é o esocial? Pesquisa Como as empresas estão se preparando? Impactos Quais são os principais

Leia mais