RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE"

Transcrição

1 RLTÓRIO D SUSTNTBILIDD 2009

2

3 RLTÓRIO D SUSTNTBILIDD 2009 CONSTRUIR O FUTURO

4 PÁG. 06 MNSGM DO PRSIDNT 07 O RLTÓRIO BPC 1.1. Políticas Internas e Sistemas de Gestão 1.2. Stakeholders da BPC 1.3. Desafios da BPC CRIÇÃO DISTRIBUIÇÃO D VLOR 2.1. Geração e Distribuição de Riqueza 2.2. nvolvimento com a Comunidade

5 ÍNDIC INTGRNTS 3.1. Caracterização dos Integrantes 3.2. Oportunidade e Desenvolvimento no Trabalho 3.3. mbiente de Trabalho 3.4. Benefícios SÚD SGURNÇ NO TRBLHO 4.1. Desempenho e ções de Prevenção QULIDD INOVÇÃO 5.1. posta na Qualidade 5.2. Conceção, Desenvolvimento e Inovação MBINT 6.1. coeficiência Operacional 6.2. Gestão de Resíduos 6.3. lterações Climáticas 6.4. Biodiversidade 6.5. Formação mbiental 34 NXOS Glossário Tabela GRI

6 ODBRCHT BNTO PDROSO CONSTRUÇÕS, S.. MNSGM DO PRSIDNT O ano de 2009 foi marcado pela contração dos negócios de uma forma geral, em particular na área da engenharia e construção. Neste cenário, adverso, procurámos concentrar a nossa atenção em projetos e mercados que viabilizassem os nossos objetivos de sobrevivência, crescimento e perpetuidade. Tendo como referência a nossa tecnologia empresarial (TO), demos expressão ao nosso compromisso voluntário e sistemático com a prática da ética nos negócios, fator absolutamente relevante para o desenvolvimento económico, social, cultural e ambiental das sociedades. ssim, e com foco na melhoria continua, desenvolvemos e implementámos nos nossos projetos um Sistema de Gestão Integrado Qualidade, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Meio mbiente e Responsabilidade Social (SGI-QSR). No referido sistema, assume especial relevância a valorização e melhoria das condições de vida e saúde das pessoas, a minimização dos impactes ambientais através da sua monitorização, a utilização de materiais que contribuam para redução do consumo de recursos naturais, a incorporação de novas tecnologias, o desenvolvimento social e económico, bem como, a inovação em processos de comunicação com clientes, acionistas, sócios e fornecedores. creditamos na capacidade do ser humano de se renovar e transformar situações adversas, encontrar respostas para reduzir a pobreza, aumentar as oportunidades de trabalho com adequadas compensações, promovendo, simultaneamente, o acesso ao conhecimento e às novas tecnologias. Temos pessoas qualificadas, motivadas e empenhadas que nos permitem reafirmar o nosso compromisso com o crescimento dos nossos negócios, com foco no desenvolvimento sustentável, contribuindo desta forma para a melhoria de vida no planeta, para as gerações atuais e futuras. Miguel Ângelo Bassi Peres 6

7 RLTÓRIO D SUSTNTBILIDD 2009 O RLTÓRIO publicação do primeiro Relatório de Sustentabilidade da Odebrecht Bento Pedroso Construções, S.. (BPC) demonstra o seu compromisso em divulgar as suas ações em termos de desempenho económico, ambiental e social. FINLIDD Com a elaboração do Relatório de Sustentabilidade de 2009, a BPC pretende comunicar as suas políticas, os seus processos de gestão e as suas práticas no âmbito da sustentabilidade. ste documento pretende ainda divulgar os principais vetores de atuação, a apresentação e monitorização dos objetivos traçados em 2009 e as metas definidas para o futuro. ORINTÇÃO D CORDO COM GRI elaboração deste documento teve como base as diretrizes da GRI, segundo as Linhas de Orientação G3, para o nível de aplicação B. NÍVL D PLICÇÃO C C+ B B+ + OBRIGTÓRIO UTODCLRÇÃO ÂMBITO OPCIONL VRIFICÇÃO POR TRCIR PRT VRIFICÇÃO GRI O presente relatório representa o desempenho da empresa entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de presenta informação complementar ao Relatório nual, nas dimensões económica, ambiental e social e respetivo desempenho no edifício sede e nas obras, nomeadamente os contratos da CRIL e do C Baixo Sabor. leitura deste relatório também poderá ser complementada através da consulta da Tecnologia mpresarial Odebrecht (TO). ORGNIZÇÃO MTRILIDD relevância do conteúdo deste documento e das questões identificadas como prioritárias, em termos de divulgação, foram definidas a partir da elaboração de um benchmark, enquadramento setorial e orientações de gestão. É objetivo deste relatório abranger os temas materiais identificados. No presente relatório começa-se por apresentar a BPC, o diagnóstico efetuado em termos de sustentabilidade, o mapeamento e diálogo com os stakeholders e as principais obras a decorrer em informação sobre o desempenho em matéria de sustentabilidade está dividida por cada desafio identificado: Criação e Distribuição de Valor, Integrantes, Saúde e Segurança no Trabalho, Qualidade e Inovação e mbiente. Por último, são apresentados os anexos que suportam o relatório, que incluem o Glossário e a Tabela de Correspondência com os indicadores da Global Reporting Initiative (GRI). 7

8 1. BPC Fundado em maio de 1953, o grupo Bento Pedroso Construções, S.. (BPC) atua nos setores de Construção Civil e Obras Púbicas. É hoje uma das mais conceituadas empresas de ngenharia e Construção em Portugal. Participa ativamente no desenvolvimento sócioeconómico e está diretamente relacionada com a história das maiores infraestruturas realizadas. Desde 1988, integra a organização Odebrecht, grupo empresarial brasileiro que presta serviços e fabrica produtos para clientes de cinco continentes. VISÃO Odebrecht BPC é uma organização formada por pessoas de conhecimento, capacitadas e focadas na satisfação dos seus clientes, desenvolvendo soluções inovadoras, no âmbito da engenharia, que contribuam para um mundo melhor. MISSÃO Tendo como base os princípios da TO, a missão da empresa é alcançar a excelência nas suas áreas de atuação como fator de diferenciação, promovendo compromissos de longo prazo com as comunidades onde atua, assentes na confiança, na melhoria das condições de vida das pessoas, na redução dos impactes ambientais e na conservação dos recursos naturais. VLORS Confiança nas pessoas, na sua capacidade e no seu desejo de evoluir; Servir o cliente, com ênfase na qualidade, na produtividade e na responsabilidade comunitária e ambiental; Parceria, com base no sucesso do empreendimento, partilhar os resultados obtidos; Reinvestimento dos resultados, criando novas oportunidades de trabalho e desenvolvimento das comunidades. 8

9 1.1. POLÍTICS INTRNS SISTMS D GSTÃO política de gestão integrada da BPC tem como objetivo alcançar a excelência em todas as áreas de atuação, cumprindo com a legislação em vigor, preservando a segurança, saúde e ambiente, promovendo a comunicação dentro e fora da empresa e a melhoria contínua do sistema integrado, com foco na satisfação do cliente. m 2006, a BPC integrou os seus Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança e Saúde no Trabalho, mbiente e Responsabilidade Social (SGI-QSR) tornando-se a primeira empresa de construção da Península Ibérica a obter estas certificações num modelo integrado. m 2009, assegurou a manutenção das certificações em Segurança e Saúde no Trabalho (OSHS 18001) e mbiente (NP N ISO 14001) e a recertificação nos normativos de Qualidade (NP ISO 9001) e Responsabilidade Social (S 8000). 9

10 ODBRCHT BNTO PDROSO CONSTRUÇÕS, S.. Princípios da Política Integrada BPC Segurança, Saúde e mbiente Legislação Melhoria Contínua Preservar o mbiente através de medidas preventivas e de minimização; Preservar a Segurança e Saúde, através de medidas preventivas e ações que contribuam para a melhoria das condições de trabalho e para a minimização e eliminação de riscos e danos para a Saúde. Cumprir com os requisitos legais e os critérios da organização; Cumprir com as normativas nos âmbitos de Qualidade, Segurança e Responsabilidade Social (S8000). Orientar os esforços para a melhoria contínua, através da implementação de programas de ação e objetivos e metas; Otimizar as ferramentas e os meios resultantes da utilização do sistema integrado, valiar o Sistema de Gestão Integrado através das auditorias internas, da avaliação de fornecedores, dos indicadores de Segurança e Saúde no Trabalho e Sócioambientais. Divulgar a política a todos os integrantes, clientes e fornecedores/prestadores de serviços/subcontratados e à comunidade em geral; Comunicação Manter uma relação aberta com as partes interessadas, incentivando o seu envolvimento e informando-as sobre o nosso desempenho e progresso; Divulgar o Código de Ética e assegurar a garantia do cumprimento dos requisitos da Norma S8000 através da monitorização, incluindo a Declaração de Compromisso a todos os Fornecedores/Prestadores de Serviços/ Subcontratados. Promover a permanente motivação dos integrantes, incentivando o seu auto-desenvolvimento; Satisfação lcançar a excelência nas áreas de atuação, como fator de diferenciação no mercado; Preservar a relação com o cliente, de forma a sermos a sua escolha. CÓDIGO D ÉTIC Publicado desde 2002, o Código de Ética está disponível no site da organização. Tópicos do código que refletem a postura da organização: Relações com os clientes; Oportunidade no trabalho; Igualdade; mbiente de trabalho; xercício do direito político; Relações com fornecedores; Relações com concorrentes; Respeito pelas leis; Responsabilidade social; mbiente, saúde e segurança. Sede da BPC. 10

11 RLTÓRIO D SUSTNTBILIDD STKHOLDRS D BPC No decorrer da sua atividade, a BPC promove o relacionamento com os principais stakeholders através de vários canais de comunicação, que se encontram descritos na seguinte tabela: Formação de Integrantes da BPC - Universidade de Coimbra. NVOLVIMNTO COM OS STKHOLDRS Grupo de stakeholders INTGRNTS CLINTS FORNCDORS COMUNIDDS LOCIS CONCORRNTS UNIVRSIDDS SINDICTOS OUTRS ORGNIZÇÕS (protocolos) NTIDDS RGULDORS PRCIROS D NGÓCIO Objetivos do envolvimento Promover a valorização profissional e pessoal; Garantir a segurança dos integrantes; Garantir o bem-estar, a saúde e a qualidade de vida; Incentivar a participação nas atividades e decisões da empresa. Melhorar a qualidade de serviço; postar em novos negócios. Promover o diálogo com os fornecedores e garantir o cumprimento das cláusulas de responsabilidade social; Promover a utilização de critérios ambientais e sociais; Garantir a ética e transparência nos negócios. Minimizar impactes negativos das atividades desenvolvidas; Promover a responsabilidade social; Promover o diálogo e transparência com as comunidades. Promover ética e transparência nos negócios desenvolvidos; Promover diálogo nos negócios. Partilhar experiência e know-how ; Promoção de eventos e ações de formação. Promover a concertação social; Participação dos integrantes. Promover o empreendedorismo; Desenvolver competências. Garantir o cumprimento da legislação. Promover ética e transparência nos negócios desenvolvidos; Promover diálogo nos negócios. Canais de comunicação Intranet; Reunião anual; Reuniões periódicas; Inquéritos de satisfação; Painéis informativos. Reuniões periódicas; Contacto direto e permanente. Relatório e Contas; Reuniões periódicas; Consulta para seleção e avaliação de fornecedores; Declarações de compromisso S ventos internos; Disponibilidade de atendimento no local das obras, através de pessoa de contacto da BPC; Reuniões periódicas; Contacto com as entidades locais. Relatório nual; Reuniões periódicas; ventos setoriais; ventos internos. Relatório nual; Reuniões no âmbito das associações; Programa Jovem Parceiro. Relatório nual; Reuniões periódicas; Participação em seminários/ congressos; ventos internos. Reuniões periódicas; ventos internos e externos. Participação em ações de formação; ventos setoriais. Relatório nual; Reuniões setoriais (NOP); ventos internos. 11

12 ODBRCHT BNTO PDROSO CONSTRUÇÕS, S DSFIOS D BPC BPC efetuou um diagnóstico para aferir os principais impactes e desafios da sua atividade e definir o seu posicionamento em matéria de sustentabilidade. Nesta análise foi considerado o desempenho de empresas congéneres, através de um benchmark a 10 empresas nacionais e internacionais, referências do setor, e as orientações de gestão da empresa. Decorrente desta análise e da perceção da BPC, foi elaborada a seguinte matriz de materialidade, com o objetivo de mapear os diferentes temas, face à sua dupla relevância. IMPORTÂNCI PR SOCIDD Transporte e Logística Gestão da marca e imagem Cadeia de valor coeficiência operacional em obra Conceção, Desenvolvimento e Inovação Gestão de Resíduos Diálogo com os stakeholders Investimento na comunidade Conservação e eficiência dos recursos (a nível interno) ficiência conómica Higiene e Segurança no Trabalho Qualidade (Foco no cliente) Integridade ética Valorização das pessoas Comunicação interna RLVÂNCI PR MPRS BPC M 2009 Criação de riqueza Receita: 134,2 milhões de Integrantes Número de integrantes: 370 Instituições Pagamento: 2,1 milhões de Comunidade Investimento: Fornecedores Pagamento: 107,9 milhões de mbiente Consumo de água: 105 mil m 3 Consumo de betão: 101,9 mil m 3 Consumo de agregados/inertes: 377,5 mil ton Produção de RDC: ton Investimento: 2,1 milhões de 12

13 RLTÓRIO D SUSTNTBILIDD 2009 Obras RLIZDaS Concessões Rodoviárias 519 Km P RODOVIS 550 Km P Ferrovias 146 Km RFR T s e TR s 3 Barragens 240 MW DP PONTS VIDUTOS 34 Km PORTOS ROPORTOS 12 Túneis 1,7 Km Projetos de Irrigação ha DI Metro 8,6 Km MTRO LISBO dificações m 2 MRL/XPO Obras em andamento IC-17 CRIL Sublanço Buraca / Pontinha CLINT: P stradas de Portugal Construção do proveitamento Hidroelétrico do Baixo Sabor (C) CLINT: DP Gestão de Produção de nergia, S.. Construção do Prolongamento da Linha marela a Santo Ovídio CLINT: Metro do Porto, S.. Obras conquistadas Construção da utoestrada da Concessão do Baixo Tejo CLINT: BT - uto-estradas do Baixo Tejo, S.. Construção do Prolongamento da Linha marela a Santo Ovídio CLINT: Metro do Porto, S.. Construção da Linha Ferroviária de lta Velocidade / ixo Lisboa - Madrid - PPP1 - Poceirão / Caia: contrato assinado entre o LGV - ngenharia e Construção de Linhas de lta Velocidade (C) e a Concessionários LOS - Ligações de lta Velocidade, S.. CLINTS: LOS (Construção) e RV - Rede Ferroviária de lta Velocidade, S.. (Concessão) 13

14 2. CRIÇÃO DISTRIBUIÇÃO D VLOR DSTQUS xecução de obras de grande dimensão e relevância para o desenvolvimento do país; Investimento de 20,6 milhões de euros; Investimento na formação e desenvolvimento das pessoas; Parcerias com entidades/organizações, com foco na Responsabilidade Social. OBJTIVOS PR O FUTURO Promover a contínua geração de riquezas morais e materiais, em benefício do cliente, dos utilizadores e das comunidades, nomeadamente através da participação proativa nos principais projetos a desenvolver em Portugal - lta Velocidade, concessões rodoviárias, o novo eroporto de Lisboa, Metro de Lisboa e Porto e barragens. PRINCÍPIO D TUÇÃO responsabilidade social dos integrantes da organização consiste em promover a contínua geração de riquezas morais, em benefício do cliente, dos utilizadores, das comunidades em que estão inseridos, bem como dos acionistas e dos próprios integrantes (TO). 14

15 2.1. Geração e distribuição de riqueza política de contratação local tem vindo a acentuar-se ao longo dos últimos anos, com o objetivo de distribuir riqueza dentro do tecido económico local e gerar oportunidades de emprego. Como resultado desta política, em 2009, mais de 90% dos fornecedores contratados são nacionais, sendo que nas obras em execução mais de 60% dos integrantes são contratados localmente. Fornecedores 107,9 milhões Geração de Riqueza - 134,2 milhões Integrantes 20,6 milhões Instituições Financeiras 2,1 milhões stado Comunidade 435 mil 75 mil 2.2. NVOLVIMNTO COM COMUNIDD O envolvimento da BPC com a comunidade é uma das marcas da nossa atuação, nomeadamente através da preservação cultural e patrimonial, de que são exemplo: Preservação do aqueduto das Águas Livres No sentido de preservar e salvaguardar este património, foi desenvolvido uma solução técnica para a sustentação dos referidos aquedutos classificados arqueologicamente como monumento nacional. ntigo Bairro Mineiro da Ferrominas - Torre de Moncorvo Na perspetiva de valorizar um ativo existente na comunidade local, e que venha posteriormente a impulsionar a atividade turística na zona, promovemos a recuperação do antigo bairro mineiro da Ferrominas, composto por 26 casas e que atualmente aloja os quadros do C Baixo Sabor. 15

16 Construção de um Campo de Jogos e Zonas de Lazer na scola de lfornelos / Requalificação da scola de Santa Cruz de Benfica. No âmbito da implementação de algumas Medidas Compensatórias do Projecto do IC-17-CRIL Sublanço Buraca -Pontinha, foram requalificados os espaços exteriores degradados através da conceção e construção de um parque desportivo e zonas de lazer e recreio qualificadas (lfornelos) bem como a requalificação do difício scolar de Santa Cruz de Benfica. nível da educação e formação a BPC está associada a diversos projetos, dos quais destacamos: prender a mpreender (a) Não se nasce empreendedor. prende-se. a BPC é associada sénior da, associação que promove o empreendedorismo, a criatividade e a inovação nas gerações futuras, inspirando os jovens a triunfarem numa economia global. destacar neste projeto a participação de integrantes da BPC em escolas públicas. No período de 2007 a 2009, participaram 25 voluntários da BPC e foram abrangidas 625 crianças. PIS mpresários pela Inclusão Social PIS é uma associação que conta com o lto Patrocínio do Senhor Presidente da Republica, Prof. níbal Cavaco Silva, e tem como objetivo combater o insucesso e abandono escolar através da prevenção e da remediação de fatores de risco dos alunos e famílias. ste projeto abrangeu mais de alunos. 16

17 3. INTGRNTS DSTQUS Formação Programa Rotas do Conhecimento; Sistema de valiação Plano de Vida e Carreira; Programa Jovens Parceiros; ções desenvolvidas no âmbito de Responsabilidade Social. OBJTIVOS PR O FUTURO Continuidade dos programas de formação e desenvolvimento dos integrantes ducação pelo e para o Trabalho; Preservar a igualdade nas oportunidades de trabalho, valorizando o desempenho e o mérito; Promover a saúde e qualidade de vida de cada um dos integrantes. PRINCÍPIO D TUÇÃO O Ser Humano é a origem e o fim de todas as ações na Sociedade, e o seu trabalho, o meio primordial de sobrevivência, crescimento e perpetuidade da spécie (TO). 17

18 ODBRCHT BNTO PDROSO CONSTRUÇÕS, S Caraterização dos integrantes O efetivo da BPC, no final de 2009, era de 370 Integrantes, sendo que a sua variação no período 2007 a 2009 está apresentada nos gráficos seguintes: Integrantes por categoria profissional DMINISTRÇÃO /DIRÇÃO Variação do efetivo por tipo de contrato NGNHIROS TÉCNICOS NCRRGDOS DMINISTRTIVOS /FINNCIROS QUDRO TRMO CRTO TRMO INCRTO OPRCIONIS Integrantes por região Integrantes por género LISBO BRGNÇ PORTO FRO OUTROS HOMNS MULHRS Integrantes por faixa etária Integrantes por nacionalidade De 61 até 65 anos De 56 até 60 anos PORTUGal BRSIL De 51 até 55 anos De 46 até 50 anos De 41 até 45 anos De 36 até 40 anos De 31 até 35 anos NGOL GUINé RGNTIN SUIÇ CBO VRD RINO UNIDO De 26 até 30 anos té 25 anos SPNH SÃO TOMÉ

19 RLTÓRIO D SUSTNTBILIDD 2009 Taxa de rotatividade (demissões / efetivos final ano) Taxa de absentismo 0,24 0,21 3,36 0,09 1,04 1, Formação de Integrantes da BPC - CRIL Oportunidade e Desenvolvimento no Trabalho Todos, na organização, têm igualdade nas oportunidades de trabalho. ssim, nos procedimentos de identificação, contratação, atribuição de desafios e responsabilidades, avaliação de desempenho e definição de remuneração prevalecem o mérito, as qualificações pessoais e profissionais e o potencial de cada um, conforme fixado nas políticas de pessoal da organização. (TO) ducação pelo e para o trabalho O crescimento da organização está diretamente vinculado ao desenvolvimento das pessoas que a integram, sendo uma das principais atribuições dos líderes ducar pelo Trabalho, o que, na prática, significa oferecer tempo, presença, experiência e os seus exemplos a cada um dos seus liderados, propiciando a sua integração com as demais gerações. Complementarmente, promove-se a ducação para o Trabalho, oferecendo oportunidades de expansão e aperfeiçoamento de conhecimentos e competências. Rácio do salário base entre homens e mulheres, por categorias de funções FORMÇÃO - ROTS DO CONHCIMNTO O Rotas do Conhecimento é um instrumento colocado à disposição dos integrantes no sentido de os mobilizar e apoiar nos seus Planos de Desenvolvimento. Tem como objetivo contribuir para o seu desenvolvimento pessoal e profissional. O integrante, refletindo com o líder acerca do seu Plano de Vida e Carreira, toma a iniciativa de planear, estruturar e implementar o seu próprio desenvolvimento. o longo da minha vida aprendi que o importante não é o que se aprende, mas o que se faz com o conhecimento, para multiplicá-lo e fazê-lo avançar (Norberto Odebrecht). Formação e educação Horas de formação por categoria profissional 1,44 1, ,91 1,00 1,00 0, ,69 0,66 0, DMINISTRTIVOS /FINNCIROS TÉCNICOS NGNHIROS DMINISTRTIVOS ncarregados ngenheiros Produção Técnicos No período de 2007 a 2009 o investimento na formação profissional ascendeu a 837 mil euros. 19

20 ODBRCHT BNTO PDROSO CONSTRUÇÕS, S.. Programa Jovem Parceiro É um programa destinado a jovens licenciados que pretendam iniciar a sua carreira profissional; O foco do programa Jovem Parceiro é identificar, integrar e educar os jovens no ambiente de trabalho; Desenvolverem uma carreira na organização, procurando a realização pessoal e profissional. Nos últimos anos foram integrados, no âmbito deste programa, 52 jovens. Integrantes do programa Jovens Parceiros mbiente de trabalho Todos os líderes devem garantir aos membros da sua equipa um ambiente de trabalho livre de insinuações ou restrições de qualquer natureza, para evitar possíveis constrangimentos pessoais. (Código de Ética) Comunicação Comunicar é influenciar e ser influenciado, na procura de o que é certo. (TO) TO estimula o diálogo, a negociação e o acordo que devem cruzar os processos de Planeamento, companhamento, valiação e Decisão. stes são uma responsabilidade não delegável do líder, que ao mesmo tempo, é sujeito e objeto desse processo. Somente assim, o líder desempenhará o seu papel de educador. comunicação é diária, direta e transversal, de forma a envolver todos os integrantes nos objetivos e filosofias da empresa. Plano de ação Plano de ação é o instrumento que identifica as prioridades do líder e os liderados que deverão transformar essas prioridades em resultados que satisfaçam, simultaneamente, o cliente e os acionistas. (TO) Nesta relação, três elementos são fundamentais: bertura Disposição de interagir, compartilhar experiências entre líder e liderado. Da abertura nasce a disposição de influenciar e ser influenciado. Reciprocidade Compromisso Intercâmbio, troca de conhecimentos, sentimentos e experiências. Da reciprocidade nasce a confiança em si mesmo, uns nos outros e na organização. Senso de parceria que emerge nas relações entre pessoas que compartilham objetivos comuns. Do compromisso nasce a disciplina como senso profundo de responsabilidade pelo que foi pactuado. ção de Formação. 20

21 RLTÓRIO D SUSTNTBILIDD 2009 Princípios de descentralização e delegação planeada (ciclo de Plano de ção - P) Tarefa Mpresarial planeamento DCISÃO 1ª Metade 2ª Metade Identificação Conquista Satisfação delegação avaliação acompanhamento 3.4. Benefícios Benefícios que a organização disponibiliza aos seus integrantes: Plano de Pensões Plano de contribuição definida pelo integrante, puro e sem risco atuarial, capitalizando reservas individuais do participante e contrapartidas da organização. O plano apoia o participante na formação do seu património, permitindo uma maior segurança e dignidade pós-carreira profissional. No período de 2007 a 2009, as contrapartidas da empresa ascenderam a cerca de 346 mil euros. Médico do Trabalho da BPC. Seguro de Vida e cidentes Pessoais INVSTIMNTO M PROGRMS D SÚD Seguro de Vida e cidentes Pessoais, sem qualquer custo para o integrante, com coberturas que variam entre as 24 e 48 remunerações mensais Seguro de Saúde Comparticipação da empresa em cerca de 80% do prémio

22 4. SÚD SGURNÇ NO TRBLHO DSTQUS ção de formação Salva Vidas ; ção de formação O Certo em Segurança ; valiação da qualidade do ar interior, iluminação dos postos de trabalho, exposição ao ruído (edifício sede). OBJTIVOS PR O FUTURO Intensificar as ações de formação; Melhoria contínua das condições de segurança nas frentes de trabalho; No âmbito do Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho, promover ação ampla de sensibilização das melhoras práticas de SHST; Promover ação de formação e prevenção da Saúde e Qualidade de Vida com foco nas doenças sociais, tabagismo, alcoolismo, droga, colesterol e diabetes. PRINCÍPIO D TUÇÃO Os líderes da organização têm o dever de promover a sua própria saúde e a de cada um de seus liderados, bem como a segurança das operações, a qualidade de vida e a conservação ambiental nas comunidades em que atua. (TO). 22

23 4.1. Desempenho e ações de prevenção Saúde, Higiene e Segurança no Trabalho (SHST) são condições básicas e inerentes ao bem-estar no desempenho da atividade profissional. promoção de um ambiente seguro é essencial à realização profissional e pessoal do indivíduo. renovação, em 2009, da certificação do Sistema de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho (OHSS 18001:2007) reforça o compromisso que a BPC atribui às questões de SHST e bem-estar dos seus integrantes. BPC promove uma análise permanente e atualizada dos riscos e medidas de prevenção, divulgando a informação alcançada e dinamizando a discussão sobre estas matérias; e implementa políticas e sistemas que asseguram informação de elevada visibilidade e transparência aos stakeholders. m 2009, intensificou-se a prevenção da sinistralidade laboral, com os objetivos de reduzir o absentismo e aumentar a produtividade. Índices de sinistralidade 7,12 6,68 37,86 35,24 6,68 1,00 0,47 2,89 0,72 0,46 1,2 0,17 15,99 8,54 11,68 2,34 4,98 0, IG - Índice de Gravidade, relaciona o nº de dias perdidos com o nº total de homens-hora trabalhadas II - Índice de Incidência, relaciona o nº de acidentes ocorridos com o nº total de integrantes Média NOP II Média NOP IG IF - Índice de Frequência, relaciona o nº de acidentes com baixa com o nº de horas-homem trabalhadas IFSB - Índice de Frequência Sem Baixa, relaciona o nº de acidentes sem baixa com o nº de horas-homem trabalhadas Média NOP IF Polinomial (IF - Índice de frequência, relaciona o nº de acidentes com baixa com o nº de horas-homem trabalhadas) 23

24 ODBRCHT BNTO PDROSO CONSTRUÇÕS, S.. Da aposta na prevenção resultou, em 2009, a redução dos índices relacionados com a sinistralidade, verificando-se uma otimização do desempenho em saúde e segurança. Registou-se uma taxa de absentismo de 3,36% e nenhum evento grave. xemplos de práticas de SHST poio médico permanente em medicina geral e ocupacional; Check-up anual aos integrantes; poio especializado e ações de consciencialização dos médicos da empresa no âmbito da educação alimentar; companhamento médico da BPC aos sinistrados; valiação Preliminar de Níveis de Risco (PNR); companhamento regular das frentes de trabalho pela Comissão SGI-QSR; Implementação do Plano de Contingência Gripe. Formação em SHST Durante o ano de 2009, desenvolveram-se diversas ações de formação, prevenção da sinistralidade laboral, proteção da saúde e prevenção de riscos profissionais, entre as quais merecem especial destaque as seguintes ações: ções em 2009 vento Descrição Caracterização ção de acolhimento ção de curta duração, versando os riscos gerais do estaleiro e destinadas aos integrantes que vão iniciar, pela primeira vez, atividades na obra. 398 ações CRIL: 994 participantes C Baixo Sabor: 741 participantes Treino Diário de Segurança (TDS) ção de sensibilização que se realiza antes do inicio do dia trabalho, abordando os principais perigos e riscos das atividades que irão executar nesse dia. 242 ações CRIL: participantes C Baixo Sabor: participantes 24

25 RLTÓRIO D SUSTNTBILIDD 2009 ções em 2009 (continuação) vento Descrição Caracterização Passaporte de segurança ções de formação específicas Suporte Básico de Vida ção de formação que pretende: valorizar a adoção de atitudes proativas de segurança; identificar situações de risco relativas às características dos equipamentos, substâncias e operações / tarefas profissionais a desenvolver; aplicar os princípios gerais de segurança, de prevenção e de proteção. Versando sobre atividades de risco, processos de trabalho inovadores ou pouco conhecidos dos recursos humanos envolvidos, novos equipamentos, condições particulares do local ou envolvente, etc. ção de formação ministrada pela scola Nacional de Bombeiros que tem como objetivo habilitar os integrantes com os conhecimentos teóricos e práticos que lhes permitam efetuar manobras de reanimação cardiorespiratória e PLS - Posição Lateral de Segurança. C Baixo Sabor: 514 participantes 493 ações CRIL: participantes C Baixo Sabor: participantes Sede: 12 participantes (equipa de primeira intervenção) Programa Salva-Vidas ção de formação, com a duração de três dias, voltada para a liderança (engenheiros, encarregados, e chefes de equipa), com a participação da utoridade para as Condições de Trabalho - CT, cliente e fiscalização. Participaram nesta formação mais de 907 pessoas. O Certo em Segurança ção de formação condensada do Programa Salva-Vidas, com duração média de duas horas, voltada para todos os integrantes e subcontratados. Participaram nesta formação mais de pessoas. 25

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Madalena Dray Consultora Socio-Ambiental Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Gente com Ideias Empresas Seguradoras do Grupo Caixa Geral de Depósitos

Gente com Ideias Empresas Seguradoras do Grupo Caixa Geral de Depósitos Tabela de conteúdos Global Reporting Initiative Relatório de Sustentabilidade 2009 Gente com Ideias mpresas Seguradoras do Grupo Caixa Geral de Depósitos 1 Tabela GRI TBL GRI Nota para consulta: a tabela

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Global Reporting Initiative

Global Reporting Initiative 1 2 Tabela GRI 3 Nota para consulta: a tabela GRI refere-se à localização dos indicadores no Relatório de Sustentabilidade 2011. localização dos mesmos noutra fonte de informação está devidamente identificada.

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

CNAI 10. Visita Técnica

CNAI 10. Visita Técnica CNAI 10 Visita Técnica Baixo Sabor, 21de Outubro de 2010 INVESTIMENTOS HÍDRICOS DO GRUPO EDP Amarante 01 de Julho 2010 PGAI Plano de Gestão Ambiental Integrado do Vale do Sabor e Região Circundante Medidas

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

SUSTENTABILIDADE: estratégia de geração de valor para a MMX. Agosto 2013

SUSTENTABILIDADE: estratégia de geração de valor para a MMX. Agosto 2013 SUSTENTABILIDADE: estratégia de geração de valor para a MMX Agosto 2013 ESTRATÉGIA EM SUSTENTABILIDADE Visão Uma estratégia de sustentabilidade eficiente deve estar alinhada com o core business da empresa

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

COMMUNICATION ON PROGRESS

COMMUNICATION ON PROGRESS COMMUNICATION ON PROGRESS (COP) 2014 1. Declaração de Compromisso Esta é a primeira comunicação de Progresso (COP) que fazemos abrangendo o período de Dezembro de 2013 a Dezembro de 2014. Quero reforçar

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

AVALIAÇÃO. Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição

AVALIAÇÃO. Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição AVALIAÇÃO Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição 2 3 AVALIAÇÃO Impacto do Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição Avaliação do Impacto - Metodologia RESULTADOS DO QUESTIONÁRIO DE AUTODIAGNÓSTICO -Visou

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais

NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP. Outubro 2014

NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP. Outubro 2014 NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP Outubro 2014 EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Outubro de 2014 Agenda 1. O Grupo EDP 2. O Sistema de Gestão da

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

1 solidez e compromisso com o futuro

1 solidez e compromisso com o futuro S o l i d e z e c o m p r o m i s s o c o m o F u t u r o 1 solidez e compromisso com o futuro 2 solidez e compromisso com o futuro EMPRESA Há mais de 55 anos estabelecida e reconhecida no mercado brasileiro

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016-30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis 10ª Semana da Responsabilidade Social Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis Enquadramento geral No mundo de hoje todas as sociedades têm ambições

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 Autor/ Departamento Segurança, Saúde e Sustentabilidade Ambiental Público-alvo

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

Empresas se veem numa nova lógica de mercado...

Empresas se veem numa nova lógica de mercado... Empresas se veem numa nova lógica de mercado... 20/04/2010 Acidente com uma plataforma de petróleo que causou o vazamento de 2,2 milhões de barris no mar. - 53,79% ... mas também enxergam novas oportunidades.

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda.

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. 1 Objetivo Descrever e comunicar os princípios que norteiam o relacionamento do Laboratório Weinmann Ltda. com as suas partes interessadas

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Ilustração de Antónia Tinturé Associação Zoófila Portuguesa, março de 2014 1 Índice Enquadramento... 2 Qualidade dos Serviços e gestão internaerro! Marcador não definido. Abrangência e divulgação... 7

Leia mais

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade Versão para público externo Mensagem da alta administração Em 93 anos de história da Votorantim, temos mantido a consistência na geração de valor, pautando

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

- Realizar uma ação de formação "Técnicos de Jardinagem e Espaços Verdes"

- Realizar uma ação de formação Técnicos de Jardinagem e Espaços Verdes EIXO 3 DESENVOLVIMENTO SOCIAL E ECONÓMICO OPERAÇÃO 8 ZAMBUJAL MELHORA! Entidades responsáveis "A Partilha" - Associação de Moradores do Bairro do Zambujal, Buraca; Escola Intercultural das Profissões e

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais)

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) I. Preâmbulo Os requisitos que se seguem especificam

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade Divulgação do primeiro relatório Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade O Turismo de Portugal apresentou ontem o seu Relatório de Sustentabilidade, tornando-se no primeiro Instituto Público

Leia mais

Mais clima para todos

Mais clima para todos Mais clima para todos 1 Mais clima para todos Na União Europeia, entre 1990 e 2011, o setor dos resíduos representou 2,9% das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), e foi o 4º setor que mais contribuiu

Leia mais

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os valores éticos como base da ação. Aidentidade de nosso Grupo assenta-se historicamente num conjunto de valores que foram ao longo dos anos visados e tutelados

Leia mais

Este princípio se refere ao grau de exposição ao risco socioambiental das atividades e das operações de uma instituição.

Este princípio se refere ao grau de exposição ao risco socioambiental das atividades e das operações de uma instituição. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Este Documento contém os aspectos a serem observados pelos administradores, colaboradores, prestadores de serviço, clientes e usuários dos produtos e serviços oferecidos pela Renascença

Leia mais

PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015. AX0003/00-Q5-RL-1001-15 Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV.

PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015. AX0003/00-Q5-RL-1001-15 Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV. PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015 AX0003/00-Q5-RL-1001-15 Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV.: CK AX0003/00-Q5-RL-1001-15 2 ÍNDICE PÁG. 1 - INTRODUÇÃO...

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 200/200 Neste documento você terá o extrato em números dos dados contidos no Relatório de Sustentabilidade 200/200 da Vonpar. Conforme a versão digital animada (disponível

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais