INDEZ Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. Setembro 2011 V1.2 DSSRES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDEZ 2010. Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. Setembro 2011 V1.2 DSSRES"

Transcrição

1 INDEZ 2010 Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Setembro 2011 V1.2 DSSRES INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE Direcção SUPORTE À REDE de Serviços DO ENSINO de SUPERIOR Suporte à Rede do Ensino Superior 1

2 FICHA TÉCNICA Título Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público Autor Direcção-Geral do Ensino Superior Direcção de Serviços de Suporte à Rede do Ensino Superior Edição Direcção-Geral do Ensino Superior Av. Duque d Ávila, Lisboa 2 INDEZ 2010 Pessoal Setembro existente 2011 em Instituições de Ensino Superior Público Versão 1.2

3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO NOTA METODOLÓGICA SÍNTESE CARACTERIZAÇÃO DO PESSOAL NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO A 31/12/ ANÁLISE DOS FUNCIONÁRIO EM TERMOS EQUIVALENTES A TEMPO INTEGRAL PESO DO PESSOAL NÃO DOCENTE NA ESTRUTURA DE PESSOAL ANÁLISE DO PESSOAL DOCENTE CUSTOS COM PESSOAL NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ESTRUTURA DE DIRIGENTES NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público 3

4 1. INTRODUÇÃO E METODOLOGIA APLICADA O presente estudo apresenta um conjunto de informação estatística sobre o pessoal docente e não docente do Ensino Superior Público, que tem por base os resultados de um inquérito anual - INDEZ - realizado pela Direcção de Serviços de Suporte à Rede do Ensino Superior da Direcção-Geral do Ensino Superior. Todos os dados foram submetidos pelas Instituições de Ensino Superior (IES) Públicas através de uma plataforma própria online, validados, quer a nível de coerência técnica através de validações automáticas, quer a nível de consistência da informação através da análise de relatórios, e finalmente aprovados pelo órgão máximo de cada IES. Os dados relativos ao ano de 2010 INDEZ 2010 foram submetidos entre Fevereiro e Março de 2011, e os dados relativos ao ano de 2009 INDEZ 2009 foram submetidos entre Março e Abril de Em Junho de 2011, foi feita uma primeira versão do estudo que foi divulgada junto do Concelho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) e do Concelho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) para análise e verificação dos dados. Na sequência de alguns pedidos de correcção aos dados que foram submetidos e validados pelas IES, a DGES procedeu à actualização do estudo, divulgando-o de seguida no seu sito de internet. Em Julho de 2011, foram recebidos, através do CRUP, comentários sobre o presente estudo, e dos quais se tomou boa nota. Dado ter sido, entretanto, disponibilizado pelo Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais os dados relativos aos alunos inscritos no ensino superior no ano lectivo de e aos alunos diplomados no ano lectivo de , achou-se por conveniente incluir estes dados no estudo. Nas instituições de natureza universitária estão incluídas as universidades, com as unidades orgânicas de ensino politécnico nos casos aplicáveis e respectivos serviços de acção social, e os institutos universitários. Nas instituições de natureza politécnica estão incluídos os institutos politécnicos, incluindo os serviços de acção social, e as escolas não integradas. Não foram consideradas no estudo as prestações de serviço. Os funcionários da carreira de investigação foram englobados no grupo do pessoal não docente. Nas análises que respeitam ao número de funcionários ou respectivo equivalente em tempo integral (ETI) são consideradas as pessoas que a 31 de Dezembro estavam em exercício efectivo de funções, ou que, tendo funções interrompidas nesta data, tal não pressupunha ausência de remuneração. 4 INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público

5 2. SÍNTESE A 31/12/2010 existiam nas Instituições de Ensino Superior Público um total de funcionários, sendo que: 67% dos funcionários pertenciam a instituições de natureza universitária e 33% a instituições de natureza politécnica; 53% dos funcionários eram mulheres e 47% homens; 1% dos funcionários tinham menos de 25 anos, 19% tinham entre 25 e 35 anos, 33% tinham entre 36 e 45 anos, 31% tinham entre 46 e 55 anos, 15% entre 56 e 65 anos, e 1% mais de 65 anos de idade; 59% dos funcionários são docentes, 38% não docentes e 2% são investigadores; Em 2009 existiam menos 530 funcionários. Dos docentes existentes, a 31/10/2010, nas Instituições de Ensino Superior Público: 62% pertenciam a instituições de natureza universitária e 38% a instituições de natureza politécnica; 48% tinham o doutoramento, 27% tinham a licenciatura, 24% tinham o mestrado e 1% tinham 12 ou menos anos de escolaridade; Apenas correspondiam em termos de equivalente em tempo integral (ETI). Dos funcionários que não são docentes (incluindo investigadores) existentes, a 31/10/2010, nas Instituições de Ensino Superior Público: 74% pertenciam a instituições de natureza universitária e 26% a instituições de natureza politécnica; 59% tinham 12 ou menos anos de escolaridade, 28% tinham a licenciatura, 6% tinham o doutoramento, 4% tinham o mestrado e 2% tinham o bacharelato. Em 2010, os custos totais com pessoal ascenderam a milhões de euros, sendo que: 71% foram gastos por instituições de natureza universitária e 29% em instituições de natureza politécnica; 74% foram gastos com pessoal docente e 26% com pessoal não docente (incluindo pessoal da carreira de investigação); 99,5% respeitam a remunerações e 0,5% a suplementos regulares e cargos de gestão; 93% foram suportados por Orçamento de Estado e 7% por Receitas Próprias; Em 2009, os custos totais com pessoal foram inferiores em mais de 10 milhões de euros. INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público 5

6 3. CARACTERIZAÇÃO DO PESSOAL NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO A 31/12/2010 Gráfico 1 - DISTRIBUIÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS POR ESCALÃO ETÁRIO E GÉNERO, A 31/12/ < 25 entre 25 e 35 entre 36 e 45 Politécnico entre 46 e entre 56 e > 65 < 25 entre 25 e 35 entre 36 e 45 Universitário entre 46 e entre 56 e > 65 Feminino Masculino Gráfico 2 - DISTRIBUIÇÃO DAS HABILITAÇÕES ACADÉMICAS DOS FUNCIONÁRIOS, A 31/12/ I Hab. Ignorada H Hab. Estrangeira G - Doutoramento F - Mestrado E - Pós-Graduação D - Licenciatura C - Bacharelato B CET A - 12 ou menos anos 1 Docente Não Docente Docente Não Docente Politécnico Universitário 6 INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público

7 Gráfico 3 - DISTRIBUIÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS POR FUNÇÃO, A 31/12/ % % Não Docente Investigador Docente Politécnico Universitário 4. ANÁLISE DOS FUNCIONÁRIO EM TERMOS EQUIVALENTES A TEMPO INTEGRAL Para esta análise foram considerados todos os funcionários que, a 31 de Dezembro do respectivo ano, estavam a exercer funções na instituição de ensino superior, ou que, tendo funções interrompidas nesta data, tal não pressupunha a ausência de remuneração. Excluem-se as prestações de serviços (tarefa ou avença). Gráficos 4 e 5 - ETI A 31/12/2010 U Madeira U Aberta ISCTE U Açores UBI U Évora UTAD U Algarve U Aveiro U Minho UNL U Lisboa U Coimbra UTL ENIDH ESHTE ESEnf Porto IP Cávado e do Ave ESEnf Coimbra ESEnf Lisboa IP Portalegre IP Beja IP Guarda IP Tomar IP Setúbal IP Viseu IP Bragança IP Coimbra IP Leiria Docente Não Docente Docente Não Docente Instituições de natureza universitária INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público Instituições de natureza politécnica 7

8 VARIAÇÃO DE ETI DE 2009 PARA 2010 Global Doc Ñ Doc ISCTE 6% 3% 11% 2% 2% 2% U Algarve 2% 3% UBI 1% 1% 1% UTAD 1% 2% U Minho 1% 1% U Açores 6% -4% U Aveiro UNL -1% -2% U Madeira -1% 2% -4% U Évora -3% -2% -5% UTL -3% -3% -4% U Coimbra -4% -4% -4% U Aberta -8% -6% -9% U Lisboa -9% -12% -5% Global Doc Ñ Doc IP Cávado e do Ave 15% 21% ESEnf Porto 7% 15% -9% 5% 7% 2% 5% 7% -1% IP Coimbra 4% 4% 3% IP Guarda 4% 5% 2% IP Tomar 4% 1% 7% IP Setúbal 4% 7% -3% IP Portalegre 3% 5% -1% ESEnf Lisboa 2% -4% 9% ESEnf Coimbra 1% 1% 2% 1% 5% -6% IP Bragança 1% 2% IP Beja 1% 3% -3% ESHTE 2% -5% 6% -1-1% 6% -8% ENIDH -2% -1% -4% IP Leiria -3% -5% -1% IP Viseu -9% -16% 4% 8 INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público

9 5. PESO DO PESSOAL NÃO DOCENTE NA ESTRUTURA DE PESSOAL Gráficos 6 e 7- PESSOAL NÃO DOCENTE NA ESTRUTURA DE PESSOAL, EM ETI, EM 31/12/2010 ISCTE UBI 34% 45% Média: 49% IP Cávado e do Ave 26% Média: 38% ESHTE 28% 28% U Algarve 46% IP Setúbal 3 U Évora 47% 31% UTL 47% ESEnf Porto ENIDH 31% 34% U Minho 47% 36% U Aveiro 47% ESEnf Coimbra 4 49% IP Viseu 4 4 U Madeira 49% IP Coimbra 4 UNL 49% IP Leiria 41% U Lisboa UTAD 49% 53% IP Bragança IP Beja IP Tomar 41% 43% 44% U Açores 54% IP Portalegre 45% U Coimbra U Aberta 57% 64% IP Guarda ESEnf Lisboa 45% 47% 49% Instituições de natureza universitária Instituições de natureza politécnica INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público 9

10 6. ANÁLISE DA CARREIRA E CATEGORIA DO PESSOAL DOCENTE Gráfico 8 - ANTIGUIDADE NA CATEGORIA, EM ANOS, DO PESSOAL DOCENTE (EM ETI), A 31/12/ Universitário Politécnico Carreira Convidado Equiparado Outro Gráfico 9 - DISTRIBUIÇÃO DO PESSOAL DOCENTE POR CATEGORIA EM INSTITUIÇÕES DE NATUREZA UNIVERSITÁRIA (31/12/2010) Professor visitante Educador de Infância Professor do Ensino Basico/Secundario Monitor Leitor Professor convidado Assistente convidado Professor Catedrático Assistente Professor Associado Professor Auxiliar INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público

11 Gráfico 10 - DISTRIBUIÇÃO DO PESSOAL DOCENTE POR CATEGORIA EM INSTITUIÇÕES DE NATUREZA POLITÉCNICA (31/12/2010) Professor coordenador convidado Monitor Professor do Ensino Basico/Secundario Professor adjunto convidado Professor Coordenador Assistente convidado Assistente Professor Adjunto CUSTOS COM PESSOAL NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Gráficos 11 e 12 - CUSTOS TOTAIS SUPORTADOS COM PESSOAL EM 2010 U Aberta 6,8M 4,9M U Madeira 9,0M 3,2M U Açores 12,0M 5,1M ISCTE 16,3M 3,3M UBI 19,0M 4,9M UTAD 20,7M 7,7M U Évora 26,9M 8,2M U Algarve 28,5M 9,0M U Aveiro 40,0M 15,1M U Minho 49,4M 16,5M UNL 47,7M 24,7M U Coimbra 57,0M 30,2M U Lisboa 62,8M 26M UTL 81,0M 28,4M 84,6M 31,6M 0M 50M 100M Docente Não Docente Instituições de natureza universitária ENIDH 1,9M 0,3M ESHTE 3,3M 0,9M IP Cávado e do Ave 3,4M 0,9M ESEnf Porto 5,3M 0,8M ESEnf Coimbra 5,7M 1,5M ESEnf Lisboa 5,6M 1,8M IP Portalegre 7,4M 2,3M IP Beja 7,7M 2,6M IP Guarda 7,9M 2,6M IP Tomar 8,6M 2,4M 10M 11,1M 12M 1,6M 3,1M 4,3M IP Viseu 13,9M 3,7M IP Setúbal 16,3M 2,9M IP Bragança 14,9M 4,6M IP Leiria 21,9M 6,5M IP Coimbra 23,3M 6,7M 37,6M 6,7M 38,3M 7,1M 0M 10M 20M 30M 40M 50M Docente Não Docente Instituições de natureza politécnica INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público 11

12 VARIAÇÃO DE CUSTOS TOTAIS COM PESSOAL DE 2009 PARA 2010 Global Doc Ñ Doc U Aveiro 7% 7% 6% UTL 5% 6% 3% UTAD 4% 2% 8% ISCTE 3% 4% -2% UNL 2% 6% U Madeira 2% 1% 4% U Algarve 1% 1% 2% 1% 4% UBI 1% 1% U Minho -1% 5% U Évora -1% -1% -1% U Açores -2% -7% U Coimbra -3% -5% 1% U Aberta -3% -3% -3% U Lisboa -8% -9% -5% Global Doc Ñ Doc IP Cávado e do Ave 39% 41% 31% IP Bragança 19% 19% 2 IP Viseu 12% 1 2 ESEnf Porto 9% 9% 4% ESHTE 7% 9% -2% 5% 7% IP Setúbal 3% 4% -2% 3% 7% -16% IP Tomar 2% 4% -2% 2% 3% 1% 2% -2% IP Portalegre 1% 3% IP Coimbra -1% 8% -22% IP Leiria -1% -4% -3% -4% 3% IP Beja -3% -6% 5% ESEnf Coimbra -3% -7% 15% ESEnf Lisboa -5% -11% 21% IP Guarda -1-12% -4% ENIDH -11% -8% -22% 12 INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público

13 A remuneração média foi calculada com base: nos funcionários que, a 31 de Dezembro do respectivo ano, estavam a exercer funções na instituição de ensino superior, ou que, tendo funções interrompidas nesta data, tal não pressupunha a ausência de remuneração; nos custos anuais com remunerações, suplementos e valores auferidos pelo exercício de cargos de gestão dos funcionários acima considerados. Gráficos 13 e 14 - REMUNERAÇÃO MÉDIA EM INSTITUIÇÕES DE NATUREZA UNIVERSITÁRIA (31/12/2010) Docente Não Docente UTAD Média: UTAD Média: U Algarve UBI UBI U Algarve UNL U Évora ISCTE ISCTE U Évora U Açores U Lisboa U Madeira U Aveiro U Minho U Madeira U Coimbra U Aberta U Lisboa U Açores U Aberta U Coimbra U Aveiro U Minho UTL UTL UNL INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público 13

14 Gráficos 15 e 16 - REMUNERAÇÃO MÉDIA EM INSTITUIÇÕES DE NATUREZA POLITÉCNICA (31/12/2010) Docente Não Docente IP Cávado e do Ave ESHTE Média: ENIDH Média: IP Leiria ESEnf Porto ESEnf Lisboa IP Tomar IP Portalegre IP Leiria IP Viseu IP Viseu IP Portalegre IP Beja IP Guarda IP Coimbra IP Setúbal IP Bragança IP Setúbal IP Coimbra ESEnf Coimbra IP Bragança IP Guarda IP Tomar IP Beja ENIDH ESEnf Coimbra ESEnf Lisboa IP Cávado e do Ave ESEnf Porto ESHTE INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público

15 Gráficos 17 e 18 PESO DOS CUSTOS COM PESSOAL NÃO DOCENTE NOS CUSTOS COM PESSOAL, EM 2010 ISCTE 17% valor médio: 28% UBI 2 U Évora 23% U Algarve 24% U Minho 25% U Madeira 26% UTL 27% UTAD 27% 27% U Aveiro 27% U Lisboa 29% U Açores 3 UNL 34% U Coimbra 35% U Aberta 42% ESEnf Porto 13% valor médio: 2 14% IP Setúbal 15% 15% 16% IP Viseu 21% ESEnf Coimbra 21% ESHTE 21% IP Cávado e do Ave 21% IP Tomar 22% 22% IP Coimbra 22% IP Leiria 23% IP Bragança 24% IP Portalegre 24% ESEnf Lisboa 24% IP Guarda 24% IP Beja 25% 26% 5% 1 15% 2 25% 3 Instituições de natureza universitária Instituições de natureza politécnica Gráficos 19 e 20 - % DE CUSTOS COM PESSOAL SUPORTADOS, EM 2010, POR RECEITAS PRÓPRIAS U Açores valor médio: 7% U Aveiro 1% U Algarve 3% U Aberta 3% U Lisboa 4% U Évora 5% ISCTE 6% UTAD 6% U Madeira 7% U Minho 7% 9% U Coimbra 9% UTL 11% UNL 13% UBI 19% IP Tomar IP Portalegre IP Cávado e do Ave ENIDH ESEnf Coimbra ESHTE ESEnf Lisboa IP Beja IP Leiria IP Setúbal IP Guarda IP Bragança IP Coimbra ESEnf Porto IP Viseu valor médio: 3% 1% 1% 1% 2% 5% 5% 9% 1 12% 15% 5% 1 15% 2 25% 5% 1 15% 2 Instituições de natureza universitária Instituições de natureza politécnica INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público 15

16 Gráficos 21 e 22 RÁCIO DE CUSTO COM PESSOAL POR ALUNO INSCRITO NO ANO DE 2010 U Aberta ISCTE UBI Média: IP Cávado e do Ave Média: ESHTE IP Viseu U Minho U Coimbra UTAD IP Coimbra IP Leiria IP Bragança IP Setúbal U Madeira U Lisboa IP Beja ESEnf Coimbra U Évora UNL U Aveiro IP Guarda IP Portalegre IP Tomar U Algarve U Açores UTL ENIDH ESEnf Porto ESEnf Lisboa Fonte: GPEARI e DGES Instituições de natureza universitária Instituições de natureza politécnica Para o cálculo do rácio de custo com pessoal por aluno inscrito por foram considerados: Os custos totais com pessoal em 2010; Os alunos inscritos em instituições de ensino superior em 31/12/2010, incluindo os alunos inscritos em CET (dados do GPEARI). 16 INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público

17 Gráficos 23 e 24 RÁCIO DE CUSTO COM PESSOAL POR DIPLOMADO EM 2009 ISCTE Média: UBI U Aberta U Aveiro U Madeira U Lisboa U Minho UTAD U Coimbra UNL U Algarve UTL U Açores U Évora IP Cávado e do Ave Média: IP Bragança IP Leiria ESHTE IP Viseu ESEnf Porto IP Portalegre IP Coimbra IP Beja ESEnf Coimbra IP Tomar IP Guarda IP Setúbal ESEnf Lisboa ENIDH Fonte: GPEARI e DGES Para o cálculo do rácio de custo com pessoal por diplomado em 2009 foram considerados: Os custos totais com pessoal em 2009; Os diplomados pelas instituições de ensino superior em 2009, incluindo os diplomados dos CET (dados do GPEARI). INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público 17

18 8. ESTRUTURA DE DIRIGENTES NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Neste ponto, consideraram-se como sendo dirigentes: O pessoal identificado como pertencente ao regime LVCR Cargos não inseridos em carreiras dirigentes O pessoal identificado como pertencente ao grupo profissional do Pessoal Dirigente ou Chefia O pessoal categorizado na categoria de origem, mas com função de dirigente identificada no campo Cargos de Gestão de acordo com os seguintes valores: Administrador, Administrador de Instituto Politécnico, Chefe de Divisão, Director, Director de Serviços, Director de Unidade Orgânica, Presidente, Presidente de Unidade Orgânica, Pró-Reitor, Reitor, Secretário, Subdirector, Subdirector-Geral, Vice-Presidente, Vice-Presidente de Unidade Orgânica e Vice-Reitor. Gráficos 25 e 26 - PESO DO Nº DE DIRIGENTES NA ESTRUTURA DE PESSOAL, A 31/12/2010 U Coimbra 1,4% IP Bragança 0,9% 1,5% ESEnf Coimbra IP Beja 1,1% 1,2% U Açores 2, ENIDH 1,2% U Algarve 2,1% IP Tomar 1,4% U Aveiro 2,3% IP Guarda IP Setúbal 1,5% 1,5% UNL 2,3% IP Coimbra 1,8% UBI 2,5% ESEnf Porto 1,9% UTAD 2,6% IP Viseu 1,9% 2, U Évora 2,8% ESEnf Lisboa 2,1% ISCTE 3,6% 2,2% U Lisboa 4, IP Cávado e do Ave 2,2% 2,2% U Minho 4,1% 2,4% UTL 4,5% IP Leiria 2,6% U Aberta 5,1% IP Portalegre ESHTE 3,6% 3,6% U Madeira 5,4% 4,2% 1% 2% 3% 4% 5% 6% 1% 2% 3% 4% 5% Instituições de natureza universitária Instituições de natureza politécnica 18 INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público

19 Para o cálculo do peso dos dirigentes nos custos totais com pessoal foram considerados: os funcionários que, a 31 de Dezembro de 2010, estavam a exercer funções na instituição de ensino superior, ou que, tendo funções interrompidas nesta data, tal não pressupunha a ausência de remuneração, e os respectivos custos anuais com remunerações, suplementos e valores auferidos pelo exercício de cargos de gestão; os funcionários que, a 31 de Dezembro de 2010, era considerados dirigentes de acordo com o indicado no início do ponto 9 e os respectivos custos anuais com remunerações, suplementos e valores auferidos pelo exercício de cargos de gestão. Gráficos 27 e 28 - PESO DOS DIRIGENTES NOS CUSTOS TOTAIS COM PESSOAL, EM 31/12/2010 U Coimbra UNL 2,3% 2,5% 3,5% ENIDH IP Tomar IP Setúbal ESEnf Coimbra 0,4% 2,6% 3,2% 3,3% U Açores U Algarve U Aveiro 3,8% 3,8% 4, IP Beja IP Guarda IP Coimbra 3,5% 3,7% 3,8% 4, U Évora UTL UTAD 4,5% 5, 5,4% IP Bragança IP Viseu ESEnf Lisboa 4, 4,6% 4,7% 4,9% UBI ISCTE U Lisboa 5,6% 6,1% 6,3% ESEnf Porto IP Leiria 5, 5,2% 5,9% 6,6% U Minho U Aberta U Madeira 6,9% 9,2% 9,6% IP Cávado e do Ave ESHTE IP Portalegre 8,4% 8,4% 8,7% 8,9% 2% 4% 6% 8% 1 12% 2% 4% 6% 8% 1 Instituições de natureza universitária Instituições de natureza politécnica INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público 19

20 DGES 2011 Direcção de Serviços de Suporte à Rede do Ensino Superior PESSOAL NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO EM 2010 Setembro INDEZ 2010 Av. Pessoal Duque D Ávila, existente 137 em Instituições de Ensino Superior Público DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE Lisboa SUPORTE À REDE DO ENSINO SUPERIOR

INDEZ Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público

INDEZ Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público INDEZ 2010 Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Junho 2011 IVasques Hewlett-Packard 20-03-2009 DGES DSSRES

Leia mais

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA no Ensino Superior CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Setembro 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte à

Leia mais

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015 RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA 1. Encontra se concluída a colocação na primeira fase do 39.º concurso nacional de acesso, tendo sido admitidos,

Leia mais

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE NOTA 1. No ano letivo de 2014-2015 foram admitidos no ensino superior público 41 464 estudantes através do concurso nacional de acesso 1. 2. Esses estudantes distribuíram-se da seguinte forma: QUADRO I

Leia mais

O QUE É IMPORTANTE PARA A SATISFAÇÃO ROFISSIONAL DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL?

O QUE É IMPORTANTE PARA A SATISFAÇÃO ROFISSIONAL DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL? O QUE É IMPORTANTE PARA A SATISFAÇÃO ROFISSIONAL DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL? Rui Brites, ISEG/Universidade Técnica de Lisboa e CIES Maria de Lourdes Machado, A3ES, CIPES e Instituto Politécnico

Leia mais

EMPREGABILIDADE DOS PSICÓLOGOS:

EMPREGABILIDADE DOS PSICÓLOGOS: EMPREGABILIDADE DOS PSICÓLOGOS: FACTOS E MITOS VÍTOR COELHO E ANA AMARO OBSERVATÓRIO DE EMPREGABILIDADE DA OPP Durante os últimos anos, periodicamente, têm sido apresentados dados contrastantes sobre os

Leia mais

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 - Universidades do CRUP - Institutos Politécnicos públicos - Hospitais H. Nouws, J.T. Albergaria, E.S. Vieira, C. Delerue-Matos, J.A.N.F. Gomes Relatório

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DADOS ESTATÍSTICOS EMPREGABILIDADE NOS CICLOS DE ESTUDOS DE ARQUITETURA E DESIGN EM PORTUGAL 2010

ANÁLISE COMPARATIVA DADOS ESTATÍSTICOS EMPREGABILIDADE NOS CICLOS DE ESTUDOS DE ARQUITETURA E DESIGN EM PORTUGAL 2010 ANÁLISE COMPARATIVA DADOS ESTATÍSTICOS EMPREGABILIDADE NOS CICLOS DE ESTUDOS DE ARQUITETURA E DESIGN EM PORTUGAL 2010 EMPREGABILIDADE A informação estatística recolhida neste documento é baseada no relatório

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2014 1/19

BALANÇO SOCIAL 2014 1/19 BALANÇO SOCIAL 2014 1/19 ÍNDICE INTRODUÇÃO. 3 1. Organograma do IDE, IP-RAM 5 2. Distribuição global dos recursos humanos.. 6 3. Estrutura etária dos recursos humanos. 10 4. Estrutura de antiguidades.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIREÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO 6ª DELEGAÇÃO DE CONTABILIDADE

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIREÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO 6ª DELEGAÇÃO DE CONTABILIDADE 6ª DELEGAÇÃO DE CONTABILIDADE Alterações orçamentais autorizadas, no trimestre a seguir indicado, ao abrigo do artigo 51.º da Lei n.º 91/21, de 20 de Agosto, alterada pela Lei n.º 52/, de 13 de Outubro,

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2011

Leia mais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001

Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001 Decreto Legislativo Regional nº. 003/2001 REVALORIZAÇÃO DAS CARREIRAS DO PESSOAL TÉCNICO CONTABILISTA E DE AUXILIAR DE CONTABILIDADE DA DIRECÇÃO REGIONAL DO ORÇAMENTO E TESOURO O Decreto Regulamentar Regional

Leia mais

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05 Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES DE PÓS-LICENCIATURA (Mestrados e Doutoramentos) DSAS- Direcção

Leia mais

CONSELHO COORDENADOR DOS INSTITUTOS SUPERIORES POLITÉCNICOS

CONSELHO COORDENADOR DOS INSTITUTOS SUPERIORES POLITÉCNICOS CONSELHO COORDENADOR DOS INSTITUTOS SUPERIORES POLITÉCNICOS 1 Índice Introdução... 05 1ª Parte: O Ensino Superior Politécnico em Portugal... 08 1.1. As instituições de Ensino Superior Público Politécnico

Leia mais

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária?

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Respondidas: Ignoradas: 0 < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Opções de resposta < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Respostas

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015

BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015 BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015 Índice Nota de apresentação... 3 Organograma da DREM... 4 1. Pessoal ao serviço por tipo de carreira e tipo de contratação, segundo o sexo... 5 2. Estrutura etária segundo

Leia mais

Governo e gestão das instituições de ensino superior em Portugal: o caso dos institutos politécnicos

Governo e gestão das instituições de ensino superior em Portugal: o caso dos institutos politécnicos Governo e gestão das instituições de ensino superior em Portugal: o caso dos institutos politécnicos JOSÉ JACINTO BILAU Professor Adjunto, Instituto Politécnico de Beja ESTIG, Portugal 1. Introdução O

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações Congénere 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Leia mais

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Evento: Local: Data: CONFERÊNCIA REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Centro de Formação Profissional de Santarém 10 de Março

Leia mais

SIADAP 3 AT Serviços Tributários. Procedimento de Reclamação - Linhas Orientadoras

SIADAP 3 AT Serviços Tributários. Procedimento de Reclamação - Linhas Orientadoras SIADAP 3 AT Serviços Tributários Procedimento de Reclamação - Linhas Orientadoras I - Reclamação - Artigo 51º da Portaria n.º 437-B/2009, de 24.04 A Reclamação deve ser apresentada terminada a fase de

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações 0130 0130 0130 0130 0130 0130 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina Universidade dos Açores - Ponta Delgada Universidade dos Açores -

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

CANDIDATURAS AO ENSINO SUPERIOR. Divisão do Ensino Secundário e Profissional - Gabinete de Acesso ao Ensino Superior

CANDIDATURAS AO ENSINO SUPERIOR. Divisão do Ensino Secundário e Profissional - Gabinete de Acesso ao Ensino Superior CANDIDATURAS AO ENSINO SUPERIOR 2011 Nota Introdutória Com a elaboração do presente documento pretende-se reunir um conjunto de informação estatística relativamente ao processo de candidatura às 3 fases

Leia mais

Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Portugueses. Documentos do CCISP. Sobre o Ensino Superior Português

Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Portugueses. Documentos do CCISP. Sobre o Ensino Superior Português Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Portugueses Documentos do CCISP Sobre o Ensino Superior Português 2010 Índice ÍNDICE... 2 1 BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA PORTUGUÊS DE ENSINO SUPERIOR...

Leia mais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais Maria Cristina Canavarro Teixeira Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior Agrária,

Leia mais

Conselho Coordenador da Avaliação

Conselho Coordenador da Avaliação Campus de Gualtar 4710-057 Braga P Serviços de Acção Social Conselho Coordenador da Avaliação Critérios de avaliação e valoração da Ponderação Curricular A Lei n 66-B/2007, de 28 de dezembro, prevê, no

Leia mais

AVEIRO. vagas colocados Engenharia Geográfica L1 30 7 ALGARVE. Engenharia Geológica L1 20 8 Física L1 22 8 Finanças (regime pós-laboral) L1 20 6 UBI

AVEIRO. vagas colocados Engenharia Geográfica L1 30 7 ALGARVE. Engenharia Geológica L1 20 8 Física L1 22 8 Finanças (regime pós-laboral) L1 20 6 UBI AÇORES Ciências da Engenharia Civil L1 20 1 Património Cultural L1 20 6 Ciências Agrárias L1 10 10 Informática - Redes e Multimédia L1 25 8 Engenharia e Gestão do Ambiente L1 20 0 ALGARVE Engenharia Civil

Leia mais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências e Tecnologia 0110 Universidade dos Açores - Angra

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2015, 2016, 2017 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2015, 2016, 2017 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2015, 2016, 2017 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direção de Serviços

Leia mais

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 0203 0203 0204 0204 0204 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 Universidade do Algarve - Faculdade

Leia mais

Candidatura 2011/12 SPO - ESMAIA

Candidatura 2011/12 SPO - ESMAIA Candidatura 2011/12 IMPORTANTE: ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI A CONSULTA DOS DOCUMENTOS OFICIAIS RELATIVAMENTE AOS ASPECTOS RELATIVOS AO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR, E POR ISSO, NÃO DISPENSA A CONSULTA PERIÓDICA

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. UTL em Números 2011 ISSN: 1645-3670. www.utl.pt

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. UTL em Números 2011 ISSN: 1645-3670. www.utl.pt UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA UTL em Números 2011 ISSN: 1645-3670 www.utl.pt Ficha Técnica Coordenador: Prof. Doutor António Palma dos Reis Edição Reitoria/DPD - Departamento de Planeamento e Documentação

Leia mais

Direção-Geral de Planeamento e Gestão Financeira

Direção-Geral de Planeamento e Gestão Financeira Direção-Geral de Planeamento e Gestão Financeira MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DE PLANEAMENTO E GESTÃO FINANCEIRA ORÇAMENTO POR AÇÕES - 2 0 1 5 - - DOTAÇÕES INICIAIS - - Í N D I C E -

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS Contacto: nelma.marq@gmail.com QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS O presente questionário pretende servir de apoio ao desenvolvimento de um estudo relacionado

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

Currículos. 1. Membros do Conselho de Administração. 1.1. Administradores Executivos. 1.1.1. Presidente CA Luís Filipe Ottolini Coimbra

Currículos. 1. Membros do Conselho de Administração. 1.1. Administradores Executivos. 1.1.1. Presidente CA Luís Filipe Ottolini Coimbra Currículos 1. Membros do Conselho de Administração 1.1. Administradores Executivos 1.1.1. Presidente CA Luís Filipe Ottolini Coimbra Ano de Nascimento: 1944 - Licenciatura em Engenharia Aeronáutica e Mecânica

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

*B11068494Z* B11068494Z. Data: 13-04-2011

*B11068494Z* B11068494Z. Data: 13-04-2011 *B11068494Z* B11068494Z 1 C I R C U L A R Nº B11068494Z Data: 13-04-2011 Serviço de Origem: ENVIADA PARA: Inspecção Geral da Educação Gabinete de Gestão Financeira Direcções Regionais de Educação Agrupamentos

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Boletim Estatístico Dezembro 2014 Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Índice 1. PROCESSOS E PEDIDOS DE INFORMAÇÃO DE SOBRE-ENDIVIDAMENTO... 3 1.1. Processos e Pedidos de Informação de Sobre-endividamento

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014...

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... Índice 1. Processos de Sobre-endividamento 1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... 4 2. Causas de Sobre-endividamento

Leia mais

PRIVADO ENSINO SUPERIOR. Ocupação dos Cursos de Formação Inicial

PRIVADO ENSINO SUPERIOR. Ocupação dos Cursos de Formação Inicial ENSINO SUPERIOR PRIVADO Ocupação dos Cursos de Formação Inicial Ensino Superior Privado Ocupação dos Cursos de Formação Novembro Inicial 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março As escolas superiores de enfermagem e de tecnologia da saúde são estabelecimentos de ensino politécnico dotados de personalidade jurídica e de

Leia mais

Relatório de Recursos Humanos 2014 da Administração Pública Regional dos Açores e Setor Empresarial Regional

Relatório de Recursos Humanos 2014 da Administração Pública Regional dos Açores e Setor Empresarial Regional Relatório de Recursos Humanos 2014 da Administração Pública Regional dos Açores e Setor Empresarial Regional Angra do Heroísmo Março de 2015 2 Índice Introdução... 4 Sumário Executivo... 5 1. Trabalhadores

Leia mais

EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO. Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013

EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO. Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013 EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013 O porquê? O que é? Metodologia de trabalho Resultados esperados O porquê? Após o Plano de Ação Ligar Portugal (2005-2010) - Espaços

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

EDUCAÇÃO EM NÚMEROS. Portugal 2015

EDUCAÇÃO EM NÚMEROS. Portugal 2015 EDUCAÇÃO EM NÚMEROS Portugal 2015 FICHA TÉCNICA Título Educação em Números - Portugal 2015 Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação

Leia mais

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º Natureza Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, adiante designados por SASULisboa, são uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direção de Serviços de

Leia mais

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL INQUÉRITO AO CRÉDITO Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Introdução O Inquérito ao Crédito Fevereiro 2009, realizado pela AIP-CE, teve como base uma amostra constituída

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS...

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS... ÍNDICE INTRODUÇÃO............ 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS......... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS...... 7 1.3 DISTRIBUIÇÃO POR GRUPOS PROFISSIONAIS...

Leia mais

Estatutos da FDUNL. Artigo 5.º Órgãos

Estatutos da FDUNL. Artigo 5.º Órgãos Estatutos da FDUNL Artigo 1.º Natureza 1. A Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, adiante designada por Faculdade, é uma unidade orgânica da Universidade Nova de Lisboa. 2. A Faculdade é

Leia mais

Ensino Superior. Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt

Ensino Superior. Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Ensino Superior Regulamento n.º 319/2013 Regulamento do Programa de Apoio Social a Estudantes através de atividades de tempo Parcial (PASEP) da Universidade

Leia mais

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 O candidato deve: PROFESSOR PLENO A Preparar Plano de Ensino e Pesquisa; B - Curriculum Vitae do docente anexando

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi)

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Investigação em Psicologia, adiante designado por Centro, é

Leia mais

A ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

A ACESSO AO ENSINO SUPERIOR A ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 1. Concurso Nacional de Acesso 1.1. Quem pode candidatar-se ao ensino superior? Podem candidatar-se ao ensino superior, os estudantes que satisfaçam cumulativamente, as seguintes

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento refere-se à creditação das

Leia mais

Regulamento da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa

Regulamento da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa Regulamento da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa (Proposta aprovada por unanimidade na reunião do Conselho Científico Plenário da Faculdade de Direito realizada no dia 14 de Outubro

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO (PPGE) MESTRADO ACADÊMICO EM EDUCAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO (PPGE) MESTRADO ACADÊMICO EM EDUCAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO (PPGE) MESTRADO ACADÊMICO EM EDUCAÇÃO Recomendado pela CAPES e Reconhecido pelo CNE: Parecer n. 122/2009

Leia mais

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

Indicadores de Desempenho para Apoiar os Processos de Avaliação e Acreditação dos Cursos

Indicadores de Desempenho para Apoiar os Processos de Avaliação e Acreditação dos Cursos Indicadores de Desempenho para Apoiar os Processos de Avaliação e Acreditação dos Cursos Alexandra Sevinate Pontes fevereiro 2012 Proposta de adaptação dos Indicadores de Desempenho ao Ensino a Distância

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DOCUMENTO METODOLÓGICO Inquérito ao Sistema Educativo Regional Código: 47 Versão: 1.0 INTRODUÇÃO A necessidade de formular Políticas

Leia mais

na captação de alunos.

na captação de alunos. O ISCTE-lUL e as universidades de Lisboa e Coimbra vão cobrar sete mil euros de propinas aos alunos internacionais por ano. A Nova SBE definiu seis mil euros. Aveiro propõe 5.500 euros. China, Brasil e

Leia mais

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE DOS CENTROS SEÇÃO II DOS DEPARTAMENTOS Art. 10. Os Departamentos que desenvolverão atividades de ensino, NAS MODALIDADES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA, em nível de graduação

Leia mais

Avaliação do Desempenho 2009

Avaliação do Desempenho 2009 Relatório Anual Instituto do Desporto de Portugal I.P. Avaliação do 2009 Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do na Administração Pública (SIADAP) Novembro 2010 I Introdução No âmbito da aplicação do

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES Artigo 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se a todos os docentes da Faculdade de Teologia

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS GRUPOS DE PESQUISA DA UNISC CADASTRADOS JUNTO AO CNPq

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS GRUPOS DE PESQUISA DA UNISC CADASTRADOS JUNTO AO CNPq UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS GRUPOS DE PESQUISA DA UNISC CADASTRADOS JUNTO AO CNPq CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º Os grupos de pesquisa são uma

Leia mais

E-Ciência em Portugal 4ª Conferência Open Access

E-Ciência em Portugal 4ª Conferência Open Access E-Ciência em Portugal 4ª Conferência Open Access U. do Minho, Braga, 26 Nov 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Estratégia

Leia mais

Anexo I CRITÉRIOS A APLICAR NA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO POR PONDERAÇÃO CURRICULAR CARREIRA DE TÉCNICO SUPERIOR

Anexo I CRITÉRIOS A APLICAR NA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO POR PONDERAÇÃO CURRICULAR CARREIRA DE TÉCNICO SUPERIOR Anexo I CRITÉRIOS A APLICAR NA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO POR PONDERAÇÃO CURRICULAR CARREIRA DE TÉCNICO SUPERIOR. Relativamente aos anos de 20-204, na avaliação de desempenho dos trabalhadores por ponderação

Leia mais

REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior

REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior IESE A preencher pelos serviços Despacho DSSRES: Data: Índice n.º RD: Data: Selo de registo de entrada na DGES REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior Este formulário destina-se

Leia mais

Macau é o primeiro território no quadro da Região da Grande China, onde vigora o regime de escolaridade gratuita de 15 anos.

Macau é o primeiro território no quadro da Região da Grande China, onde vigora o regime de escolaridade gratuita de 15 anos. Educação Desde a criação da RAEM, o Governo tem promovido o desenvolvimento do ensino não superior e do ensino superior de Macau, para concretizar a acção governativa de construção da prosperidade de Macau

Leia mais

Curriculum Vitae. António José Rocha Martins da Silva. (súmula) ajsilva@utad.pt

Curriculum Vitae. António José Rocha Martins da Silva. (súmula) ajsilva@utad.pt Curriculum Vitae (súmula) António José Rocha Martins da Silva ajsilva@utad.pt Setembro de 2013 IDENTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DADOS PESSOAIS Natural de Chimoio em Vila Pery (Moçambique), 23 de outubro de

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

MAPA VII DESPESAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, POR CLASSIFICAÇÃO ORGANICA, COM ESPECIFICAÇÃO DAS DESPESAS GLOBAIS DE CADA SERVIÇO E FUNDO

MAPA VII DESPESAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, POR CLASSIFICAÇÃO ORGANICA, COM ESPECIFICAÇÃO DAS DESPESAS GLOBAIS DE CADA SERVIÇO E FUNDO ANO ECONÓMICO DE 2010 Página 1 01 - ENCARGOS GERAIS DO ESTADO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COFRE PRIVATIVO DO TRIBUNAL DE CONTAS - SECÇÃO REGIONAL DA MADEIRA COFRE PRIVATIVO DO TRIBUNAL DE CONTAS - SECÇÃO REGIONAL

Leia mais

BDAP - Sessão de Formação

BDAP - Sessão de Formação Base de Dados de Recursos Humanos da Administração Pública BDAP - Sessão de Formação 1 Agenda (1h:30min) Introdução (DGAP) O que é a BDAP? Planeamento Apresentação dos Cenários de Carregamento da Informação

Leia mais

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00 Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015 1. Calendário Federativo Nacional Data Dia da Semana Evento Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar

Leia mais

3 Cursos de licenciaturas e diplomas de estudos superiores especializados constantes do Despacho n.º 25 156/2002, de 26 de Novembro, a considerar:

3 Cursos de licenciaturas e diplomas de estudos superiores especializados constantes do Despacho n.º 25 156/2002, de 26 de Novembro, a considerar: s previstos no art. 56.º do Estatuto da Carreira Docente que relevam para a aplicação da alínea c) do n.º 1 do art. 14.º do Decreto-Lei n.º35/2003, de 27 de Fevereiro, na redacção dada pelo Decreto-Lei

Leia mais

Preâmbulo... 3. I Grau de cumprimento do Plano Estratégico e do Plano Anual... 4. II Da Realização dos Objectivos Estabelecidos...

Preâmbulo... 3. I Grau de cumprimento do Plano Estratégico e do Plano Anual... 4. II Da Realização dos Objectivos Estabelecidos... Relatório Anual 2008/2009 INDICE Preâmbulo... 3 I Grau de cumprimento do Plano Estratégico e do Plano Anual... 4 2 II Da Realização dos Objectivos Estabelecidos... 5 III Da eficiência da Gestão Administrativa

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação (DSEE) Divisão

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO Joaquim Mourato (Presidente do CCISP e do IP de Portalegre) XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Centro de Congressos da Alfândega do Porto 18.10.2014 SUMÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO P O R T A R I A N. º 5 0 8 D E 1 5 D E J U L H O D E 2 0 1 1. O Reitor do Instituto Federal do Paraná, no uso da competência que lhe confere o Decreto de 13 de junho de 2011, da Presidência da República,

Leia mais

CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011

CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011 Colocados CONCURSO NACIONAL DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011 Etapa 1: colocação dos candidatos às vagas

Leia mais

SIADAP 3 Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores da Administração Pública

SIADAP 3 Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores da Administração Pública Agrupamento de Escolas de Serpa Avaliação de Pessoal Não Docente SIADAP 3 Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores da Administração Pública Legislação aplicável Lei n.º 66-B/2007 de 28 de

Leia mais

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ )

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) e justiça O que o sector da justiça em Portugal tem a ganhar com o desenvolvimento da SI 12 e 13 de Janeiro de 2004 Fundação Calouste Gulbenkian Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) Patrocínio O que o sector da

Leia mais

MEMORANDUM. No entanto, o exercício de funções pode ser acumulado com outras funções públicas ou com funções/atividades privadas.

MEMORANDUM. No entanto, o exercício de funções pode ser acumulado com outras funções públicas ou com funções/atividades privadas. Assunto: Acumulação de funções. MEMORANDUM Nos termos do artigo 26º do novo regime de vinculação, de carreiras e de remunerações dos trabalhadores da Administração Pública (LVCR) aprovado pela Lei n.º

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 1 - RECURSOS HUMANOS

ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 1 - RECURSOS HUMANOS ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 1 - RECURSOS HUMANOS Quadro 1: Contagem dos trabalhadores por grupo/cargo/carreira, segundo a modalidade de vinculação e género Quadro 2: Contagem dos trabalhadores por grupo/cargo/carreira,

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

LINHAS PROGRAMÁTICAS DO ESTATUTO DA CARREIRA DOS PROFESSORES E INVESTIGADORES UNIVERSITÁRIOS

LINHAS PROGRAMÁTICAS DO ESTATUTO DA CARREIRA DOS PROFESSORES E INVESTIGADORES UNIVERSITÁRIOS LINHAS PROGRAMÁTICAS DO ESTATUTO DA CARREIRA DOS PROFESSORES E INVESTIGADORES UNIVERSITÁRIOS Carlos A. Mota Soares carlosmotasoares@dem.ist.utl.pt (Professor Catedrático do IST) INTRODUÇÃO O presente ECDU,

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

EVOLUÇÃO POR CATEGORIAS DO PESSOAL DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR POLITÉCNICO PÚBLICO

EVOLUÇÃO POR CATEGORIAS DO PESSOAL DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR POLITÉCNICO PÚBLICO EVOLUÇÃO POR CATEGORIAS DO PESSOAL DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR POLITÉCNICO PÚBLICO 1993 2004 Observatório da Ciência e do Ensino Superior 2005 EVOLUÇÃO POR CATEGORIAS DO PESSOAL DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais