Estratégia 2013 // 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégia 2013 // 2015"

Transcrição

1 Estratégia 2013 // 2015 setembro 2014

2 [I. Enquadramento] A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) foi criada pelo Decreto-Lei n.º 326- B/2007, de 28 de setembro e incorpora, desde 1 de outubro de 2007, as atribuições da ex Inspeção-Geral do Trabalho (IGT) e do ex Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST). Com a entrada em funções do XIX Governo Constitucional, a ACT é integrada no Ministério da Economia e do Emprego pelo Decreto-Lei nº 86-A/2011, de 12 de julho. Na lei orgânica do MEE, Decreto-Lei nº 126-C/2011, de 29 de dezembro, é estabelecida à ACT a missão de: promoção da melhoria das condições de trabalho, através da fiscalização do cumprimento das normas em matéria laboral e o controlo do cumprimento da legislação relativa à segurança e saúde no trabalho, bem como a promoção de políticas de prevenção dos riscos profissionais, quer no âmbito das relações laborais privadas, quer no âmbito da Administração Pública. O Decreto Regulamentar n.º 47/2012 de 31 de julho publica a nova lei orgânica da ACT. Neste contexto foi definida em setembro de 2012 uma Estratégia para o período , agora objeto de 2ª revisão 1, na sequência da 4ª alteração à lei orgânica do XIX Governo constitucional, aprovada por DL n.º119/2013 de 21 de agosto, que operou a alteração da tutela da ACT para o Ministério da Solidariedade, do Emprego e da Segurança Social (MSESS), mantendo-se as atribuições anteriormente estabelecidas à ACT 2. O presente documento constitui, assim, a Estratégia revista, definindo as orientações estratégicas, valores, objetivos e programas-base de ação que irão nortear a atividade da ACT. 1 1ª revisão em junho de 2013, na sequência de nomeação de nova equipa dirigente 2 DL n.º167-c/2013, de 31 de dezembro aprova a lei orgânica do MSESS 2

3 O quadro de crise, com excesso de procura de emprego, agudiza o trabalho precário, sob as mais diversas vertentes: trabalho a termo, e trabalho temporário sem fundamentação fáctico-jurídica adequada, trabalho não declarado, subdeclarado e até falso trabalho independente e, ainda, o aumento dos salários em atraso. Agudiza também a exposição dos trabalhadores a riscos profissionais, dado o controlo de custos nas empresas com impacto neste domínio, com potenciais repercussões nos acidentes de trabalho. As alterações na legislação do trabalho, em particular a flexibilização da gestão dos tempos de trabalho, as inúmeras cessações de contratos de trabalho, que apresentam, muitas vezes, irregularidades processuais, requerem da ação inspetiva uma intervenção mais exigente e concertada. A Estratégia para identifica dois grandes Objetivos Estratégicos a partir desta realidade redução dos acidentes de trabalho e intensificação do acompanhamento das situações de crise empresarial para a concretização dos quais são fixados seis grandes Programas, quatro correspondendo à ação externa da ACT e dois ao desenvolvimento das condições internas. Explicitam-se ainda, dentro de cada Programa, as grandes linhas de ação que serão concretizadas nos Planos de Atividades e com os objetivos/indicadores do Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) a fixar anualmente. O presente documento visa garantir a coerência da ação da ACT até 2015, dando os referenciais necessários ao planeamento das ações a desenvolver e à definição dos indicadores para a sua monitorização. 3

4 [II. Caraterização da ACT] A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) é um serviço central da administração direta do Estado, dotado de autonomia administrativa. A ACT tem sede em Lisboa e exerce competências em todo o território continental. Em termos orgânicos, a ACT é dirigida por um inspetor-geral, coadjuvado por dois subinspetoresgerais. É ainda órgão da ACT o conselho consultivo para a promoção da segurança e saúde no trabalho. A estrutura nuclear da ACT integra os Serviços Centrais, sediados em Lisboa e respetivas delegações com uma área territorial de jurisdição correspondente às unidades de nível III das nomenclaturas das Unidades Territoriais para Fins Estatísticos (NUTS). A estrutura descentralizada, visa assegurar uma presença em todo o território continental, de forma a garantir uma atuação caracterizada pela proximidade relativamente aos trabalhadores, empresas e cidadãos. A ACT encontrase organizada de acordo com a seguinte estrutura: 4

5 Represen tações Segurança e Saúde no Trabalho Relações Laborais As atribuições da ACT encontram-se expressas, de forma detalhada no artigo 2º do Decreto regulamentar nº 47/2012 de 31 de julho lei orgânica da ACT e artº 11º do DL n.º167-c/2013, de 31 de dezembro No quadro seguinte sintetizam-se as referidas atribuições expressas na lei orgânica, de modo a permitir uma perceção rápida das áreas e formas de intervenção: Áreas de atuação / Formas de intervenção Promover Controlar Fiscalizar Participar / Colaborar Gerir Processos / Coordenar Comunicar, Informar e Sensibilizar Apoiar organizações Sindicais e Patronais Cumprimento das disposições legais regulamentares e convencionais * * * Relações laborais (incluindo trabalho de estrangeiros e trabalho de menores) * * * * * Contra ordenações * Conhecimentos científicos e técnicos sobre SST * * * * Politicas SST * * * * Formação SST * * * Sistema de prevenção de riscos profissionais * * Funcionamento dos serviços de Segurança e Saúde no Trabalho * * * Representação nacional do Sistema Internacional de alertas para SST * * * Sistema Industrial responsável * * Representação / Colaboração Internacional * * 5

6 [III. Diagnóstico] A ACT, enquanto organismo responsável pelo controlo do cumprimento da legislação em matéria de relações laborais e de segurança e saúde no trabalho, tem desenvolvido nos últimos anos, um conjunto de iniciativas conducentes ao desempenho do seu papel na regulação das condições de trabalho, à modernização dos seus recursos, à promoção da eficiência e qualidade da prestação de serviços. Esta evolução é tanto mais importante quanto o contexto de crise socioeconómica que o país atravessa tende a agravar as condições de trabalho, pelo que importa adaptar a organização às novas exigências, prosseguindo simultaneamente o caminho da melhoria de desempenho e de eficiência. Como indicadores das condições de trabalho salientam-se por exemplo os salários em atraso em situações de crise empresarial e os acidentes de trabalho. No quadro seguinte podemos constatar que no período quer o total de acidentes de trabalho, quer o número de acidentes de trabalho mortais registaram uma tendência decrescente. Acidentes de trabalho e taxas de incidência Acidentes de trabalho Total de acidentes de trabalho Acidentes de trabalho mortais Taxa Incidência dos Acidentes de trabalho Total de acidentes de trabalho 5.546, , , , , , , , , , ,0 Acidentes de trabalho mortais 8,7 8,3 8,1 7,1 7,0 7,0 5,8 6,3 5,3 5,1 5,0 Fonte: GEP/MSSS, Acidentes de Trabalho 6

7 A taxa de incidência de acidentes de trabalho, isto é, o indicador que relativiza as ocorrências relativamente à população em risco, era de acidentes de trabalho por cada trabalhadores, sendo a região Norte a que detinha maior índice imediatamente seguida da região Centro. Tratava-se, aliás das duas únicas regiões com valores acima da média nacional. Taxa de incidência de acidentes de trabalho (por trabalhadores) Portugal Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Açores Madeira Fonte: GEP/MSSS, Acidentes de Trabalho Apesar da tendência decrescente assinalada, em 2012 foram objeto de ação inspetiva da ACT 149 acidentes de trabalho mortais. Nº de Acidentes Mortais Tipo de acidente Nas instalações In itinere Em viagem, transporte ou circulação Total

8 No que se refere ao acompanhamento de situações de crise empresarial, a pedido ou por iniciativa da ACT, em 2012 foram objeto de intervenção empresas abrangendo um total de trabalhadores tendo dado origem a autos de notícia. Àquela ação corresponderam verificações da legalidade procedimental em situações de redução ou suspensão temporária dos contratos de trabalho por facto respeitante ao empregador e foram objeto de maior número de verificações, situações de salários em atraso, extinção de postos de trabalho, pedidos de retribuição em mora, despedimento coletivo, encerramento definitivo e lay off, fundo de garantia salarial, de acordo com o mapa seguinte: Matérias objeto de Verificações em situações de crise empresarial Matérias Total de verificações Salários em atraso Extinção de posto de trabalho 809 Pedido de declaração de retribuição em mora 579 Despedimento colectivo 385 Encerramento definitivo 335 Lay off 229 Fundo de Garantia Salarial 216 Insolvência 196 Pedido de modelo de FGS 123 Encerramento temporário 44 Total geral A situação de crise faz recear o aumento destes números, exigindo assim um maior esforço de atuação por parte da ACT. 8

9 A atuação da ACT está naturalmente condicionada pela envolvente, sendo imprescindível, na formulação da estratégia, diagnosticar a nível externo as oportunidades e ameaças que se apresentam e, a nível interno, os pontos fortes que fortalecem a atuação da ACT e os pontos fracos que constituem constrangimentos à sua ação. Complementarmente, a elaboração da Estratégia tem ainda em consideração os referenciais estratégicos de nível internacional e nacional, em vigor, e que se revestem influentes das condições de trabalho, nomeadamente: 9

10 Convenções da Organização Internacional do Trabalho e referencial sobre Políticas e Estratégias para Agenda do Trabalho Digno da OIT; Diretiva-Quadro 89/391/CE e respetiva transposição pela Lei nº 102/2009, de 10 de Setembro., e Diretivas especiais dela decorrentes e Diretivas de Serviços e de Reconhecimento das Qualificações Profissionais; Lei n.º 3/2014 de 28 de janeiro e Lei nº 35 /2014, de 20 de Junho organização dos serviços de SST; Estratégia Comunitária e Nacional para a Segurança e Saúde no Trabalho; Estratégia Europa 2020 e Plano Nacional de Reformas crescimento inteligente, verde e sustentável; Compromisso para o crescimento, a competitividade e Emprego de Janeiro de 2012; Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN); IV Plano Nacional para a Igualdade de Género, Cidadania e Não Discriminação ; II Plano Nacional contra o Tráfico de Seres Humanos ; O II Plano Nacional para a Integração de Imigrantes ; Legislação nacional relativa as relações e condições de trabalho; Referenciais relativos à gestão de riscos de corrupção e infrações conexas, à igualdade de género, à sustentabilidade e à redução de custos na Administração Pública. Princípios orientadores das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos,

11 Salienta-se, em especial, o Compromisso para o crescimento, a competitividade e Emprego de Janeiro de 2012, que afirma a necessidade de garantir que, a par da redução do défice orçamental em percentagem do PIB, sejam criadas as condições para uma recuperação forte e duradoura do crescimento económico, multiplicando as oportunidades para o investimento, para a criação de emprego e manutenção e melhoria da sua qualidade, apresentando assim como objetivo a criação de empregos de qualidade. Mais diretamente ligados à missão da ACT são de relevar os objetivos de combate à economia informal (II.K.) e o Cap. relativo à legislação laboral, subsídio de desemprego e relações laborais (IV), explicitando medidas em matéria de organização do tempo de trabalho, regime de feriados e férias, despedimento, regime jurídico das compensações em caso de cessação do contrato de trabalho e criação do fundo de compensação do trabalho, promoção da mediação e da arbitragem laboral, fiscalização das condições de trabalho, criação do centro de relações laborais tripartido e subsídio de desemprego e negociação coletiva. De referir, em particular, o ponto IV.H. pela explicitação da Fiscalização das Condições de Trabalho e Comunicações à Autoridade para as Condições do Trabalho, que estabelece um conjunto de simplificações com dispensas de comunicação à ACT e deferimentos tácitos ou autorizações por via eletrónica, o que cria, necessariamente, um conjunto de desafios de eficácia e eficiência na sua ação. Neste ponto é ainda salientado que deve ser reforçada a atuação da ACT para garantir o cumprimento da Lei, nomeadamente por organização de campanhas em todos os casos em que são visíveis violações da lei, na verificação das situações solicitadas pelos Parceiros Sociais em todos os encerramentos ilegais de empresas ou situações de salários em atraso e, em geral, nos casos que ponham em causa a concorrência leal. É ainda relevante o referencial da OIT de Políticas e Estratégias para (adotado pelo Conselho de Administração da OIT na sua 304ª sessão, em março de 11

12 2009), que serve de base ao atual plano de ação da OIT para o período de (adotado pelo Conselho de Administração da OIT na sua 307ª sessão, em março de 2010) e tem por objetivo melhorar a situação da segurança e saúde do trabalho em todo o mundo, incentivando os responsáveis para a tomada de decisões e elaboração e aplicação de políticas e programas de ação nacionais que visam introduzir melhorias no sistema nacional de saúde e segurança do trabalho, por forma a alcançar o maior grau de efetividade das normas internacionais referidas (Convenção nº 155 da OIT, do seu Protocolo 2002, e da Convenção n.º 187). 12

13 [IV. Modelo de formulação estratégica] A instituição de uma lógica de gestão por objetivos faz parte integrante de uma abordagem moderna à gestão pública preocupada com os resultados/efeitos da sua ação sobre as necessidades a que responde. A definição clara de objetivos e a avaliação rigorosa de resultados constituem marcos essenciais no ciclo de gestão dos organismos públicos e são requisitos indispensáveis à sua prestação de contas perante a sociedade. O processo de elaboração da Estratégia da ACT adota, assim, uma formulação assente numa gestão por objetivos de acordo com o SIADAP, nível 1, concretizável em Planos de Atividades e avaliações anuais.

14 A estratégia da ACT está subordinada às orientações superiores da tutela, e incorpora também os referenciais atrás referidos, sendo ainda influenciada pela conjuntura económica, financeira e social do País. O modelo de gestão preconizado é constituído por 6 etapas, que conduzem da estratégia à avaliação passando pela sua operacionalização. 14

15 1. Definição da estratégia A estratégia preconizada para o período assenta em três patamares: 1.1 Missão e Visão A missão de uma organização reflete a sua razão de ser, concretizada nas atividades que desenvolve. É o quadro de referência para a sua ação. A missão da ACT decorre da sua lei orgânica: Promoção da melhoria das condições de trabalho através da a fiscalização do cumprimento das normas em matéria laboral e o controlo do cumprimento da legislação relativa à segurança e saúde no trabalho, bem como a promoção de políticas de prevenção dos riscos profissionais, quer no âmbito das relações laborais privadas, quer no âmbito da Administração Pública. A partir da missão, considera-se como Visão: Consolidação da ACT como a entidade pública de referência na promoção da segurança, saúde e bem-estar no trabalho e da garantia de elevados padrões de cumprimento dos normativos em matéria laboral, num quadro de uma globalização justa e de um desenvolvimento sustentável, e de igualdade de oportunidades. 15

16 A visão e a missão criam, não só o enfoque, mas também o suporte à ação a qual, por sua vez, exige uma agenda de adaptação interna à ACT, de forma a garantir sustentadamente uma resposta eficaz e eficiente aos problemas e desafios que se lhe colocam Objetivos estratégicos Entende-se como objetivos estratégicos os resultados a alcançar, traduzidos na alteração do estado das condições de trabalho, enquanto objeto de atuação da ACT, constituindo-se como referencial para o conjunto da sua ação e passíveis de serem avaliados. Os objetivos estabelecidos têm assim natureza transversal e concretizam a sua missão. Constituem grandes objetivos para o período : Objetivo estratégico (OE1) Promover a redução dos acidentes de trabalho Objetivo estratégico (OE2) Reforçar o acompanhamento das situações de crise empresarial Para a concretização dos objetivos estratégicos concorrem um conjunto de programas de caráter substantivo ligados às áreas de atuação da ACT, bem como programas de suporte técnico e organizacional à preparação e avaliação de políticas e ao desenvolvimento de condições internas à prossecução da ação prevista, tendo em conta os recursos mobilizados. Assim, do ponto de vista operacional, no tocante às áreas de atuação da ACT, são definidos os seguintes programas: 16

17 Regulação das Condições de Trabalho conjunto de ações visando a aplicação da legislação laboral através de campanhas em setores prioritários e de ações inspetivas no domínio das condições de trabalho em geral, numa perspetiva preventiva e de controlo; Auto regulação pelas Empresas conjunto de ações que contribuem para que os agentes económicos garantam por si próprios condições de trabalho adequadas nomeadamente pela aplicação da legislação em vigor, através da disponibilização de informação técnica, instrumentos de trabalho, realização de eventos e estabelecimento de parcerias Sistema de saúde e segurança no trabalho conjunto de ações necessárias ao funcionamento com qualidade dos serviços de saúde e segurança no trabalho nas empresas, através da certificação das entidades prestadoras de serviços e da promoção da formação técnica em saúde e segurança no trabalho, bem como da dinamização da rede de prevenção de riscos profissionais Atendimento resposta às solicitações das empresas e dos trabalhadores e seus representantes em matéria informativa e de reclamações relativas à aplicação da legislação laboral e outras condições de trabalho, nomeadamente em matéria de SST. Do ponto de vista do suporte técnico e organizacional, visando as adequadas condições de funcionamento interno: Políticas de trabalho - conjunto de ações visando o conhecimento do mercado laboral, nas suas caraterísticas e tendências, contribuir para as políticas de trabalho, na sua conceção e na avaliação da sua implementação, e assegurar as representações internas e externas, nos organismos internacionais e europeus. Desenvolvimento Organizacional medidas conducentes à evolução da ACT em função da sua Estratégia e Planos de Ação, através de processos de modernização administrativa, do controlo orçamental e do desenvolvimento de competências dos seus trabalhadores 17

18 18

19 O diagrama estratégico resulta, assim, numa visão global do caminho para o período e estará na base dos exercícios de planeamento anuais, onde se procederá à confirmação e ajuste das iniciativas previstas para esse horizonte temporal Princípios orientadores A estratégia preconizada assenta em cinco princípios ou valores que devem nortear toda a atuação da ACT em linha com os objetivos do SIADAP/QUAR: Criação de Valor Valor acrescentado para os destinatários (Estado Governo Parceiros Sociais Empresas Cidadãos) em consonância com a estratégia definida e com o alinhamento de todos os ativos, tangíveis e intangíveis Eficácia Garantir a obtenção dos resultados (impactos) da implementação da estratégia e planos de ação ao nível das áreas nucleares que compõem a essência das suas atribuições Eficiência Garantir a otimização da utilização dos recursos através de uma melhor aplicação dos meios, nomeadamente da modernização de processos e adequação dos modelos organizativos Pessoas e Qualidade Investir no desenvolvimento profissional e na motivação dos colaboradores de forma a garantir a melhoria contínua da qualidade dos serviços prestados pela ACT nas áreas inspetiva e da promoção das condições de trabalho Sustentabilidade Gestão sustentável no desenvolvimento das condições de trabalho numa perspetiva económica, social e ambiental 19

20 A operacionalização da Estratégia da ACT para o triénio articulará os Princípios Orientadores da Ação com os Objetivos Estratégicos, procurando assim melhorar o comportamento e desempenho em todos os níveis da organização. Os Objetivos Estratégicos e os Princípios Orientadores manter-se-ão ao longo do período como linhas de orientação para novas iniciativas ou necessidade de revisão das identificadas, e correspondem ao compromisso da ACT com as propostas formuladas. 2. Operacionalização da estratégia Como se referiu, os Objetivos são concretizados através de 4 grandes Programas, que se desdobram agora em Linhas de Ação, a partir das quais serão explicitados os projetos e atividades de cada Plano Anual de Atividades, apoiados ainda por 2 Programas de suporte. Entende-se por Programa a área de atuação da ACT tendo em conta os diferentes tipos de necessidades e de população alvo em matéria de condições de trabalho e por Linhas de Ação as formas de intervenção adotadas pela ACT naquelas áreas de atuação, tendo sempre presente os objetivos fixados. Nos quadros seguintes apresenta-se uma interligação entre os Programas e Linhas de Ação que deverão nortear os projetos/atividades a desenvolver anualmente e que conduzam à concretização dos objetivos estratégicos da ACT. 20

21 Programas Linhas de ação Assegurar o cumprimento da legislação laboral, através de uma abordagem equilibrada entre fiscalização e promoção do cumprimento voluntário Desenvolver campanhas setoriais com stakeholders Regulação das Condições de Trabalho Identificar necessidades de alteração do quadro legislativo de forma a promover um mercado de trabalho laboral justo e equitativo Garantir a coerência, celeridade e eficácia dos processos de contraordenação laboral Avaliar e atualizar metodologias de atuação dos inspetores do trabalho garantindo a eficácia da sua ação Programas Linhas de ação Desenvolver e disponibilizar instrumentos de auto-avaliação que facilitem o cumprimento da legislação laboral Aprofundar parcerias estratégicas e de cooperação com parceiros sociais Auto-regulação pelas Empresas Garantir a produção e difusão de informação técnica especializada em matéria laboral, incluindo SST Aprofundar metodologias de prevenção dos acidentes de trabalho e doenças profissionais em setores com maior incidência de sinistralidade Promover o debate e troca de informações e experiências em matéria de condições de trabalho 21

22 Programas Linhas de ação Assegurar uma Estratégia Nacional para a Segurança e Saúde no Trabalho Dinamizar a rede de prevenção de riscos profissionais, através do desenvolvimento de parcerias estratégicas Sistema de SST Assegurar a certificação das empresas prestadoras de serviços de SST Garantir o sistema de formação dos técnicos de SST Apoiar estudos e projetos na área de SST Avaliar e atualizar metodologias de ação para os técnicos de promoção da SST Programas Linhas de ação Garantir uma resposta efetiva às solicitações dos públicos-alvo Atendimento Melhorar os meios online e dinamizar a sua utilização, aproximando a ACT dos cidadãos e das empresas Simplificar o acesso aos serviços da ACT, nomeadamente através da intensificação do recurso às novas tecnologias Promover a satisfação dos clientes externos da ACT 22

23 Programas Linhas de ação Acompanhar a evolução do mercado laboral para adequação da atuação da ACT, reforçando a capacidade de recolha e tratamento da informação Acompanhar a evolução das políticas laborais a nível nacional e preparar a sua implementação nos domínios de ação da ACT Políticas de trabalho Desenvolver de parcerias estratégicas geradoras de um maior envolvimento com os parceiros sociais e institucionais e com a comunidade técnico-científica. Participar na elaboração de políticas europeias em matéria de trabalho Garantir as representações em instituições internacionais e europeias congéneres Acompanhar e implementar a nível nacional os trabalhos da Agência Europeia de SST Desenvolver novos serviços, inovadores, capazes de responder à evolução das necessidades, do conhecimento, das tecnologias e dos recursos Programas Linhas de ação Desenvolver uma cultura de melhoria contínua dos processos de trabalho e de gestão interna através da harmonização de procedimentos e partilha de informação Promover ações de melhoria da satisfação e motivação dos colaboradores da ACT Desenvolvimento Organizacional Promover a melhoria das condições de bem-estar, saúde e segurança no trabalho na ACT Rever os conteúdos de comunicação num plano integrado, tendo em conta os novos meios de comunicação, novos objetivos e novos públicos-alvo, articulando estreitamente a área de comunicação e as restantes áreas funcionais na sua elaboração. Promover ações de otimização dos recursos numa ótica de sustentabilidade Promover o aumento das competências dos trabalhadores 23

24 Criação de Valor Eficácia Eficiência Pessoas e Qualidade Sustentabilidade 3. Alinhar a organização A concretização da estratégia exige uma organização orientada pelos valores/princípios identificados. Assim, estes princípios devem estar presentes na concretização dos Programas, com maior ou menor envolvimento de acordo com a natureza destes conforme mapa seguinte: Relação dos programas com os princípios orientadores Princípios orientadores Programas Regulação das condições de Trabalho Auto-regulação pelas Empresas Sistema de SST Atendimento Políticas de trabalho Desenvolvimento organizacional -- relação principal relação secundária 24

25 As Unidades Orgânicas (Serviços Centrais e Delegações) concretizam, na sua esfera de ação específica, objetivos alinhados com os grandes Objetivos Estratégicos, tendo em conta os Programas definidos e a complementaridade das ações interserviços. A matriz seguinte estabelece o contributo mais relevante de cada unidade orgânica para a concretização dos Programas que garantem os Objetivos Estratégicos. Programas Direção DSAAI DPSST DSAG Delegações Regulação das Condições de Trabalho Auto regulação pelas -- Empresas Sistema de SST Atendimento Políticas de Trabalho -- Desenvolvimento Organizacional Concretização Acompanhamento/contributo 25

26 4. Planeamento das ações A concretização da Estratégia a partir da Linhas de Ação definidas exige a fixação de objetivos operacionais concretizados sob a forma de Projetos e/ou Atividades. A sua realização permitirá responder às exigências do Sistema de Avaliação de Desempenho da Administração Pública (SIADAP), designadamente no que respeita à performance organizacional ensaiada em sede de Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) e apoiará o processo de formulação dos objetivos e avaliação dos próprios funcionários. Assim, os Objetivos Estratégicos deverão ser desdobrados e alinhados com objetivos de nível intermédio (das várias unidades orgânicas que integram a ACT), refletindo o seu contributo para a estratégia global. O Plano Anual de Atividades, instrumento operacional indispensável, será elaborado tendo presente os Objetivos Estratégicos e as Linhas de Ação, contendo, para além dos Projetos/Atividades correntes, novas iniciativas a desenvolver. Serão definidos objetivos das direções, projetos/atividades, indicadores e metas a atingir, atribuindo-se recursos e controlando-se os resultados. 5. Monitorização Através da monitorização da Estratégia pretende-se uma gestão ativa e dinâmica que permita uma atuação atempada sempre que ocorram desvios que comprometam ou inviabilizem o cumprimento dos Objetivos Estratégicos definidos. Durante a fase de implementação da estratégia é importante a existência de um processo gerador informação, isto é, que assegure a recolha de dados que permitam avaliar a execução dos objetivos planeados e comunique os resultados de modo a que sejam tomadas decisões sempre que se vislumbre desalinhamento ao planeado. 26

27 O processo de monitorização decorre, essencialmente, da avaliação do cumprimento dos objetivos anuais inseridos nol Planos de Atividades, tendo em conta o grau de realização dos Projetos e Atividades e a evolução dos indicadores associados aos Objetivos Estratégicos de médio prazo. Define-se o período semestral para a monitorização ao nível dos objetivos e reporte da monitorização das atividades e projetos dos planos anuais. 6. Avaliar e Ajustar O modelo de gestão definido possibilita que a estratégia seja um elemento dinâmico capaz de se adaptar às mudanças e condicionalismos internos e externos. Identificamos como elementos internos suscetíveis de terem impactos na estratégia: Os resultados da monitorização dos objetivos Alterações nos projetos/atividades previstas Baixo grau de execução dos objetivos ou projetos Falta dos recursos necessários ao desenvolvimento das atividades Mas a execução da Estratégia também pode ser condicionada por fatores externos como as restrições orçamentais, que podem condicionar o normal desempenho da atividade. Em suma: 27

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

O Novo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Sua Implicação na Administração Pública

O Novo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Sua Implicação na Administração Pública O Novo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Sua Implicação na Administração Pública 4 de Junho de 2015 Auditório da Casa das Histórias da Paula Rego 1 1991: Arranque das Políticas

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março No âmbito do Compromisso Eficiência, o XIX Governo Constitucional determinou as linhas gerais do Plano de Redução e Melhoria da

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016-30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

Balanço da Campanha. Felgueiras, 4 de março de 2015

Balanço da Campanha. Felgueiras, 4 de março de 2015 Balanço da Campanha Felgueiras, 4 de março de 2015 Preparação da Campanha Envolvimento dos parceiros sociais APICCAPS, CTCP, FESETE, SINDEQ e Academia do Design e Calçado Compromisso de apoio à Campanha

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016. Brochura PNS

Plano Nacional de Saúde 2012-2016. Brochura PNS Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Brochura PNS OBJETIVOS GERAIS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE O Plano Nacional de Saúde 2012-2016 (PNS 2012-2016) propõe-se reforçar a capacidade de planeamento e operacionalidade

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015-30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

ASSEGURAR O DESENVOLVIMEMTO SUSTENTADO DO SETOR PRIVADO DE EMPREGO E DOS RECURSOS HUMANOS

ASSEGURAR O DESENVOLVIMEMTO SUSTENTADO DO SETOR PRIVADO DE EMPREGO E DOS RECURSOS HUMANOS PROGRAMA ELEITORAL PARA AS ELEIÇÕES DA APESPE RH ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DO SETOR PRIVADO DE EMPREGO E DOS RECURSOS HUMANOS 30.09.2015 LISTA ÚNICA ASSEGURAR O DESENVOLVIMEMTO SUSTENTADO DO SETOR PRIVADO

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1)

SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1) SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 Página 1 de 13 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTOS

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL

PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL O Plano de Atividades do Conselho Económico e Social para o ano de 2015 foi preparado para cumprimento do que se encontra determinado pela Lei

Leia mais

Relatório de Atividades 2012

Relatório de Atividades 2012 Atividades 2012 ÍNDICE Paginas Nota Introdutória 8 I. Apresentação da ACT 10 1. Enquadramento legal, atribuições e estrutura orgânica 10 2. Missão, Visão e Valores 13 II. Auto-avaliação dos serviços 16

Leia mais

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 Antes de concretizar a análise do referido Plano cumpre-nos dizer que é necessário que todos

Leia mais

Nota Introdutória 1. I. Apresentação da ACT 2. 1. Enquadramento legal, atribuições e estrutura orgânica 2. 2. Missão, Visão e Valores 7

Nota Introdutória 1. I. Apresentação da ACT 2. 1. Enquadramento legal, atribuições e estrutura orgânica 2. 2. Missão, Visão e Valores 7 Atividades 2011 Índice Nota Introdutória 1 I. Apresentação da ACT 2 1. Enquadramento legal, atribuições e estrutura orgânica 2 2. Missão, Visão e Valores 7 II. Auto-avaliação dos serviços 9 1. Análise

Leia mais

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos Sistema de Gestão da Qualidade Políticas 2013 1 Índice 1. Enquadramento 2. Visão, Missão e Políticas 3. Posicionamento Estratégico 4. Políticas 5. Mapa de controlo das alterações efetuadas 2 1. Enquadramento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 3926-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 116 17 de junho de 2015 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 179-B/2015 de 17 de junho O Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL O Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), que define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª

PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª Os RTSST-Montepio, primeira estrutura do género a ser eleita em Portugal ao abrigo da Lei 35/2004, entenderam formular o presente parecer em complemento

Leia mais

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC Joana Miguel Santos Caso de Sucesso: Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social

Leia mais

Ministério da Solidariedade Emprego e Segurança Social PLANO DE AÇÃO PARA A IGUALDADE

Ministério da Solidariedade Emprego e Segurança Social PLANO DE AÇÃO PARA A IGUALDADE Ministério da Solidariedade Emprego e Segurança Social 2014 2017 PLANO DE AÇÃO PARA A IGUALDADE Índice NOTAS DE ABERTURA... 3 Ministro da Solidariedade Emprego e Segurança Social... 3 Equipa Interdepartamental

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Plano de Atividades 2012

Plano de Atividades 2012 Plano de Atividades [Índice] Mensagem 3 I. Enquadramento 4 II. Caracterização da ACT 7 1. Atribuições 8 2. Estrutura organizacional 9 3. Recursos 12 III. Enquadramento estratégico 15 1. Referenciais estratégicos

Leia mais

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo Município de Arganil Câmara Municipal Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil Preâmbulo A Lei nº 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, definindo-o

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Breve caracterização da Direção-Geral das Artes... 3 1.2 Missão, Visão, Valores... 5 1.3 Identificação das Partes Interessadas... 5 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Quem somos Desenvolvemos SI desde 1988 Trabalhamos com Grandes Empresas e Organismos

Leia mais

Plano de Ação 2016 GRACE

Plano de Ação 2016 GRACE Plano de Ação 2016 GRACE Mensagem da Direção É tempo de preparar mais um ano de intensa atividade do GRACE, procurando consolidar o capital de experiência e partilha acumulado e alargar novas perspetivas

Leia mais

Discurso do IGT na conferência da EDP

Discurso do IGT na conferência da EDP Discurso do IGT na conferência da EDP 1. A Segurança e Saúde no Trabalho é, hoje, uma matéria fundamental no desenvolvimento duma política de prevenção de riscos profissionais, favorecendo o aumento da

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação.

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação. Discurso do Ministro da Saúde na tomada de posse do Bastonário e Órgãos Nacionais da Ordem dos Farmacêuticos 11 de janeiro de 2013, Palacete Hotel Tivoli, Lisboa É com satisfação que, na pessoa do Sr.

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado AEVA SERVIR

Regulamento Interno do Voluntariado AEVA SERVIR O presente regulamento interno tem como principal objetivo regular e facilitar o processo de gestão de voluntários na, sendo facultada informação no que concerne à caraterização e princípios do voluntariado,

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO As entidades empregadoras que pretendam promover despedimentos coletivos, conforme estipulado no número 5 do artigo 360º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009 de

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 REDE RURAL NACIONAL NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das fichas de medida/ação está condicionado, nomeadamente,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Guarda 27 06 2015 Eurico Nunes. Programa Operacional Inclusão Social e Emprego

Guarda 27 06 2015 Eurico Nunes. Programa Operacional Inclusão Social e Emprego Guarda 27 06 2015 Eurico Nunes Programa Operacional Inclusão Social e Emprego Programa 01 Enquadramento do PO ISE 02 Dados gerais PO ISE 03 Operações 04 Candidaturas 05 Alertas e Sugestões Enquadramento

Leia mais

Orientar a acção para os resultados, na efectivação de condições de trabalho seguras, dignas e sustentáveis

Orientar a acção para os resultados, na efectivação de condições de trabalho seguras, dignas e sustentáveis Plano de Acção Inspectiva 2008-2010 Orientar a acção para os resultados, na efectivação de condições de trabalho seguras, dignas e sustentáveis 1 I Introdução II Referenciais da acção inspectiva da ACT

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

Regulamento de Funcionamento

Regulamento de Funcionamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. PEDRO DO SUL Avaliação de Desempenho Pessoal não Docente Regulamento de Funcionamento Regulamento da Avaliação de Desempenho do Pessoal não Docente do Agrupamento de Escolas

Leia mais

Planeamento e gestão de recursos. Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011

Planeamento e gestão de recursos. Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011 Planeamento e gestão de recursos Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011 1 Componentes da Reforma da 2004 Administração Pública ADE LQIP EPD SIADAP 2007 PRACE SIADAP Revisão Estatuto

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO NORMAS DE FUNCIONAMENTO Preâmbulo O Voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de uma forma livre, responsável

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve

Programa Operacional Regional do Algarve Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Domínio Temático CI Competitividade e Internacionalização Prioridades de investimento: 11.2 Aprovado

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS I. Compromisso ético A Autarquia da Batalha vincula-se a um Compromisso Ético de assegurar a gestão operacional e

Leia mais

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E ÀS EMPRESAS, COM IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL DA REGIÃO DO ALGARVE Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 1 1 CONTEÚDOS

Leia mais

ACORDO SOBRE CONDIÇÕES DE TRABALHO, HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO E COMBATE À SINISTRALIDADE

ACORDO SOBRE CONDIÇÕES DE TRABALHO, HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO E COMBATE À SINISTRALIDADE CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL ACORDO SOBRE CONDIÇÕES DE TRABALHO, HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO E COMBATE À SINISTRALIDADE Lisboa, 9 de Fevereiro de 2001 ACORDO

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE VILA DO CONDE

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE VILA DO CONDE BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE VILA DO CONDE NORMAS DE FUNCIONAMENTO Preâmbulo O Voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo,

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 1 TEMA: Formação profissional contínua no Código do Trabalho. INTRODUÇÃO:

NOTA TÉCNICA N.º 1 TEMA: Formação profissional contínua no Código do Trabalho. INTRODUÇÃO: NOTA TÉCNICA N.º 1 TEMA: Formação profissional contínua no Código do Trabalho. INTRODUÇÃO: O presente documento visa divulgar o entendimento da ACT sobre algumas questões que se colocam no âmbito da formação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa Interior da capa PREFÁCIO O edifício normativo da Organização Internacional de Trabalho compreende diferentes instrumentos: Convenções, Recomendações, Resoluções, Conclusões e Directrizes. Destacam-se

Leia mais

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Paulo Maria Bastos da Silva Dias Índice 1. Nota de Abertura... 1 2. Áreas de Intervenção e Desenvolvimento... 4 2.1 Formação e Aprendizagem ao Longo da

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 369/XII IGUALDADE DE GÉNERO (ONGIG) APROVA O REGIME JURÍDICO DAS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS PARA A. Exposição de Motivos

PROJETO DE LEI N.º 369/XII IGUALDADE DE GÉNERO (ONGIG) APROVA O REGIME JURÍDICO DAS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS PARA A. Exposição de Motivos PROJETO DE LEI N.º 369/XII APROVA O REGIME JURÍDICO DAS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS PARA A IGUALDADE DE GÉNERO (ONGIG) Exposição de Motivos As Organizações não-governamentais para a Igualdade de Género

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

ESTATUTO DO ANIMADOR SOCIOCULTURAL

ESTATUTO DO ANIMADOR SOCIOCULTURAL ESTATUTO DO ANIMADOR SOCIOCULTURAL PREÂMBULO A Animação Sociocultural é o conjunto de práticas desenvolvidas a partir do conhecimento de uma determinada realidade, que visa estimular os indivíduos, para

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

CONTRIBUTOS DA UGT SOBRE A DINAMIZAÇÃO DA CONTRATAÇÃO COLECTIVA ATRAVÉS DA DESCENTRALIZAÇÃO DE BASE NEGOCIAL. (documento de 10 de Janeiro de 2011)

CONTRIBUTOS DA UGT SOBRE A DINAMIZAÇÃO DA CONTRATAÇÃO COLECTIVA ATRAVÉS DA DESCENTRALIZAÇÃO DE BASE NEGOCIAL. (documento de 10 de Janeiro de 2011) CONTRIBUTOS DA UGT SOBRE A DINAMIZAÇÃO DA CONTRATAÇÃO COLECTIVA ATRAVÉS DA DESCENTRALIZAÇÃO DE BASE NEGOCIAL (documento de 10 de Janeiro de 2011) I. Resolução do Conselho de Ministros n.º 101-B/2010de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PROPOSTA DE LEI N.º 2/XII/1.ª. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PROPOSTA DE LEI N.º 2/XII/1.ª. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 2/XII/1.ª Exposição de Motivos Em sede da Comissão Permanente de Concertação Social foi firmado, em 22 de Março de 2011, entre o Governo e a maioria dos Parceiros Sociais, o Acordo

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval. Capitulo I Disposições Gerais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval. Capitulo I Disposições Gerais Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval Capitulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito) 1. O Banco Local de Voluntariado do Cadaval, adiante designado por BLVC, tem como entidade

Leia mais

Regulamento do Banco Local de Voluntariado de Boticas. Preâmbulo. A Lei n.º 71/98, de 3 de novembro estabelece as bases do

Regulamento do Banco Local de Voluntariado de Boticas. Preâmbulo. A Lei n.º 71/98, de 3 de novembro estabelece as bases do Regulamento do Banco Local de Voluntariado de Boticas Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de novembro estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e garantir a todos os cidadãos

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.a Promoção do espírito

Leia mais

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Considerando: A importância do voluntariado no exercício ativo de cidadania, traduzido na relação solidária com o próximo; A sua relevância cultural

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I VALE PROJETO SIMPLIFICADO

Leia mais

CONFERÊNCIA AS RECENTES REFORMAS DO MERCADO LABORAL EM PORTUGAL: PERSPECTIVAS DOS PARCEIROS SOCIAIS 1

CONFERÊNCIA AS RECENTES REFORMAS DO MERCADO LABORAL EM PORTUGAL: PERSPECTIVAS DOS PARCEIROS SOCIAIS 1 CONFERÊNCIA AS RECENTES REFORMAS DO MERCADO LABORAL EM PORTUGAL: PERSPECTIVAS DOS PARCEIROS SOCIAIS 1 A atual conjuntura económica e financeira portuguesa, fortemente marcada pela contração da atividade

Leia mais

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 As entidades de supervisão do sistema financeiro internacional procederam ao longo dos últimos anos a profundas adaptações, por via legislativa e organizacional,

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL 14 de Março de 2007 Considerando os Parceiros Sociais e o Governo que: 1. A aposta estratégica na qualificação da população portuguesa é opção central para

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão dos Orçamentos 14.11.2014 2014/2185(BUD) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a proposta de decisão do Parlamento Europeu e do Conselho relativa à mobilização do Fundo Europeu

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve

Programa Operacional Regional do Algarve Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Domínios Temáticos ISE e Competitividade e Internacionalização Prioridades de investimento: 8.3/8.8/9.6/9.10/8.5

Leia mais

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 121. o, n. o 2, e o artigo 148. o, n. o 4,

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 121. o, n. o 2, e o artigo 148. o, n. o 4, C 247/102 PT Jornal Oficial da União Europeia 29.7.2014 RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 8 de julho de 2014 relativa ao Programa Nacional de Reformas de Portugal para 2014 e que formula um parecer do Conselho

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais