Importância dos Indicadores de Gestão para a Melhoria Contínua de SST

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Importância dos Indicadores de Gestão para a Melhoria Contínua de SST"

Transcrição

1 Importância dos Indicadores de Gestão para a Melhoria Contínua de SST

2 Importância dos Indicadores de Gestão para a Melhoria Contínua de SST Zuher Handar Médico do Trabalho Diretor Científico ANAMT

3 Modelo de determinaça o social da saúde proposto por Dahlgren e Whitehead (1991), adotado pela Comissão Nacional de Determinantes Sociais da Saúde (CNDSS Brasil)

4 ADOECIMENTO DOS TRABALHADORES Doenças Profissionais e Acidentes do Trabalho Têm relação com condições de trabalho específicas... Doenças Relacionadas ao Trabalho Têm sua frequência, surgimento (incidência) ou gravidade modificados pelo trabalho... Doenças Comuns ao Conjunto da População Não guardam relação de causa com o trabalho, mas impactam sobre a saúde, a qualidade de vida e a capacidade de trabalho dos trabalhadores...

5 Por que fazer Gestão da Saúde e da Segurança? Considerações Cultura de saúde e segurança pode trazer um incremento na atividade da empresa. Atualmente os organismos internacionais e os grande mercados tem identificado a necessidade de promover uma interação positiva e dinâmica entre a política econômica, social e ocupacional considerando a política social como fator de competitividade. Os principios da promoção da saúde e segurança no trabalho são sempre sustentados em pilares da melhora da qualidade do trabalho, que passam necesariamente pela aplicação de mais investimentos de saúde e segurança no trabalho.

6 A estratégia para garantir estabilidade competitiva da propria atividade corporativa, do produto e do serviço, dependem do controle dos custos, do tempo e da qualidade. Por que fazer Gestão da Saúde e da Segurança? Necessário analisar cidadosamente as relações que a saúde e a segurança tem com estes parámetros. Sem querer diminuir o imenso custo humano e social, devemos destacar o grande significado que a saúde, segurança e higiene do trabalho têm no desenvolvimento econômico do mercado industrial e sobre o desenvolvimento de uma sociedade inteira.

7 Por que fazer Gestão da Saúde e da Segurança? Custos da má Gestão da Saúde e Segurança Explicitos - custos de seguridade, indenização legal, investimentos específicos na propriedade, nos equipamentos e instalações, multas e sançoes, EPI, consultores, etc. Implícitos - todos os custos associados ao evento, a falta ou diminuição da produtividade do pessoal acidentado ou doente e da consequencia do infortunio ou agravo, como a perda de eficiencia, aumento dos custos para horas extras e perda de imagem É evidente como a consequencia de um acidente ou doença influí no parâmentro tempo ou melhor como um acidente e uma doença do trabalho determinam um aumento no prazo de entrega do produto devido ao alongamento do tempo da produção.

8 Por que fazer Gestão da Saúde e da Segurança? A gestão da saude e da segurança nesta nova e diferente ótica não pode limitar-se passivamente a considerar as implicações negativas à presença do risco. Deverá ao contrario, ser ativa para reduzir o nível do risco por meio da prevenção e proteção. Ser mais proativa para promover uma verdadeira cultura da saúde e segurança em um clima que determina um compromisso por comportamento seguro de todos os atores. A segurança nesta nova dimensão nao é mais considerada um custo, mas um investimento.

9 Por que fazer Gestão da Saúde e da Segurança? O impacto da cultura de SST sobre a competitividade depende antes de tudo da consequência sobre os proprios trabalhadores apresentam uma maior satisfação no trabalho, um menor absenteísmo e uma melhora geral da produtividade devida ao fato de desenvolver suas atividades em um ambiente de trabalho seguro e saudável e com recursos adequados. É importante destacar que estudos demonstram que os investimentos em SST podem contribuir para aumentar o capital e minimizar a perda associada aos acidentes e doenças. Em relação a isto é importante ainda destacar que estudos demonstram que somente, em media, 10% dos custos que resultam de um acidente ou doença são cobertos pela seguridade.

10 Por que fazer Gestão da Saúde e da Segurança? A capacidade de envolver todos os elementos do negócio da organização é que pode determinar o impacto positivo da cultura de saúde e segurança. O impacto depende: Eficacia do SGSST Clima existente Envolvimento da direção Modo de se fixar os objetivos e metas Conflito dos objetivos e metas para SST com os objetivos e metas gerais da organização Envolvimento dos trabalhadores Consciência de todos os envolvidos

11 Impactos de uma má Gestão da Saúde e Segurança no trabalho Absentismo elevado e mais tempo de inatividade, Moral baixa, levando à perda de produtividade. Perda de funcionários qualificados, experientes, mais a perda em investimento na sua formação. Dificuldade em recrutar empregados de alta qualidade. Pagamento de indenização. Associado custos legais. Multas. Conflitos com sindicatos, entidades públicas e / ou residentes locais. Perda de imagem.

12 Impactos de uma má Gestão da Saúde e Segurança no Trabalho Custo dos acidentes e doença relacionados ao trabalho Pagamento de benefícios Aposentadorias antecipadas (40%) Absentismo uma media de 5% da força de trabalho está ausente todos os dias (2 a 10%) Media de 5.4 dias de ausencia do trabalho Desemprego Um grande número de trabalhadores desempregados têm uma diminuição da capacidade de trabalho, não o suficiente para ter direito a uma pensão de invalidez, mas que diminui consideravelmente a sua re-inserção profissional. Famílias mais pobres: um acidente de trabalho para um trabalhador pode reduzir seriamente o rendimento familiar.

13 Importância dos Indicadores de Gestão para a Melhoria Contínua de SST Medindo Saúde/Doença

14 Os indicadores fazem parte da construção da vigilância em saúde de uma população específica. Indicadores de vigilância permitem comparar a saúde ou situação de risco de uma população com outra avaliar as tendências do comportamento da situação de saúde ao longo do tempo, definir as prioridades de orientação para os esforços de prevenção e de intervenção.

15 Qual a importância de utilizarmos os indicadores de saúde de uma população?

16 Conhecermos a situação de saúde das populações

17 Para que? 1. Para a definição de políticas, planos de ações e na avaliação do impacto de intervenções 2. Auxilia no exame de como a saúde humana, a política de saúde e o desenvolvimento econômico se influenciam mutuamente

18 O que significa medir ou avaliar o estado de saúde e bem estar de uma população?

19 Fazer diagnósticos Realizar intervenções Avaliar o impacto produzido nesta população.

20 Perguntas que devem ser formuladas: 1. O QUE MEDIMOS? 2. PARA QUE MEDIMOS? 3. QUANDO MEDIMOS? 4. COMO MEDIMOS? 5. QUEM REALIZA A MENSURAÇÃO? 6. POR QUE MEDIMOS? 7. PARA QUEM MEDIMOS?

21 O QUE QUEREMOS, PRECISAMOS OU DEVEMOS CONHECER?

22 1. Principais doenças e agravos à saúde que atingem uma determinada comunidade; 2. Os grupos mais suscetíveis; 3. As faixas etárias mais atingidas; 4. Os riscos mais relevantes; 5. Os mecanismos efetivos de controle para cada caso.

23 Estratégia: Uso da Epidemiologia Ocupacional Ferramenta de Gestão da Informação da Saúde do Trabalhador Identificação de necessidades e de problemas a partir de indicadores

24 Uso da Epidemiologia Descritiva Ocupa-se da distribuição de um agravo a saúde da população considerando as variáveis, indivíduos, tempo e lugar Pessoas expostas ou atingidas Idade Tempo de serviço/emprego Gênero (sexo) Escolaridade Condição socioeconômica Ocupação ou profissão Estilo de vida

25 Quando Distribuição no Tempo Distribuição e tendências por horas do dia, por turno, por jornada de trabalho Distribuição e tendências por dias da semana ou dias do mês Distribuição por meses ou por anos Onde: Distribuição no espaço ou lugar Estudo sobre croquis, layout, plantas físicas, seções, unidades, geoprocessamento, mapas, etc

26 Contribuição da Epidemiologia para estabelecimento de prioridades Numero de pessoas atingidas Gravidade Vulnerabilidade à prevenção Custo e efetividade Formulação de objetivos quantificados e indicadores Criação de alternativas e analise de custos/efetividade Monitoramento de programas; PPRA e PCMSO Orientação de condutas médicas Uso etiológico, causas das doenças

27 A vigilância da saúde dos trabalhadores

28 Detectar, conhecer, pesquisar e analisar os fatores determinantes e condicionantes dos agravos à saúde relacionados aos processos e ambientes de trabalho. Conhecer a realidade para transformá-la, buscando um aprimoramento da qualidade de vida no trabalho Vigilância é informação para ação Finalidade: Planejar, executar e avaliar intervenções sobre esses aspectos, de forma a eliminá-los ou controlá-los. Controle sistemático dos episódios relacionados com a saúde na população ativa

29 Objetivos 1. Conhecer a realidade de saúde da população trabalhadora, considerando: a caracterização de sua forma de adoecer e morrer; o levantamento histórico dos perfis de morbidade e mortalidade; a avaliação do processo, do ambiente e das condições em que o trabalho se realiza, identificando os riscos e cargas de trabalho a que está sujeita, nos seus aspectos tecnológicos, ergonômicos e organizacionais já conhecidos; a pesquisa e a análise de novas e ainda desconhecidas formas de adoecer e morrer em decorrência do trabalho;

30 Objetivos 2. Eliminar, atenuar e /ou controlar os fatores determinantes de agravos à saúde da população trabalhadora, considerando: Auditoria do processo, do ambiente e das condições em que o trabalho se realiza 3. Avaliar o impacto das medidas adotadas para a eliminação, atenuação e controle dos fatores determinantes e agravos à saúde, considerando: a possibilidade de transformar os perfis de morbidade e mortalidade; o aprimoramento contínuo da qualidade de vida no trabalho;

31 Objetivos 4. Subsidiar a tomada de decisões dos órgãos competentes, nas três esferas de governo, considerando: Estabelecimento de políticas Aprimoramento das normas legais existentes Aprimoramento das normas internas Criação de novas normas e regulamentos de gestão em defesa da saúde dos trabalhadores; Planejamento das ações e o estabelecimento de suas estratégias; Participação na estruturação de serviços de atenção à saúde dos trabalhadores; Participação na formação, capacitação e treinamento de recursos humanos com interesse na área;

32 Objetivos 5. Estabelecer sistemas de informação em saúde do trabalhador, considerando: a criação de bases de dados comportando todas as informações oriundas do processo de vigilância e incorporando as informações tradicionais já existentes; a divulgação sistemática das informações analisadas e consolidadas.

33 Encontro Nacional de Economia e Saúde na Gestão Empresarial São Paulo, 9 a 11

34

35 Prevalência de fatores de risco para doenças nãotransmissíveis em trabalhadores da Indústria (2006) Hipertensão arterial Pré-obesidade Obesidade Excesso de peso Obesidade central Tabagismo atual Consumo abusivo de bebidas alcoólicas Diabetes mellitus Colesterol total alto (> ou = 240 mg/dl) LDL-Colesterol alto ou muito alto (> ou = 160 mg/dl) HDL-Colesterol baixo (< 40 mg/dl) Síndrome metabólica Baixo nível de atividade física Sedentarismo (< kcal/semana) Componentes de dieta não-saudável: Sal: adição à comida pronta Banha: usada no preparo da comida Ausência de frutas e verduras diariamente História familiar de diabetes mellitus História familiar de hipertensão Fonte: Estudo Sesi, 2007 Números Prevalência 26,3 37,8 12,0 49,7 13,5 15,8 6,7 2,9 7,7 6,7 26,4 10,5 14,4 15,3 7,8 9,6 43,3 28,9 55,7

36

37 Encontro Nacional de Economia e Saúde na Gestão Empresarial São Paulo, 9 a 11

38

39 Encontro Nacional de Economia e Saúde na Gestão Empresarial São Paulo, 9 a 11

40

41

42 DISTRIBUIÇÃO DOS AFASTAMENTOS DE CURTO PRAZO As 10 Principais Ocorrências (2000 a 2007) N = 1154

43

44 Afastamentos Superiores a 15 dias (B31) Janeiro a Outubro de 2011 Fonte: INSS N =

45 Afastamentos Superiores a 15 dias (B31) Janeiro a Outubro de 2011 Transtornos mentais e comportamentais 10,21 % de casos Principais ocorrências 1. Transtornos do humor = casos 2. Transtornos mentais = casos 3. Transtornos neuróticos = casos

46 AFASTAMENTOS DE LONGO PRAZO (> 15 dias) (Empresa do Ramo do Zinco, 2000 a 2007) N = 65

47

48 APOSENTADORIA POR INVALIDEZ ENTRE EMPREGADOS DE EMPRESA NO RAMO DO PETRÓLEO PERÍODO DE ,7% 30,8% 20,8% 11,2% 34,1% Transtorno mental DCV Outros Osteomuscular Neoplasia

49

50 MORTALIDADE PROPORCIONAL ENTRE EMPREGADOS DE EMPRESA DO RAMO DO PETRÓLEO NO PERÍODO DE ,6% 30,1% 24,4% 14,6% 3,3% 3,7% 3,3% 3,7% 17,2% Causas externas DCV AIDS Outros Acidentes do trabalho Neoplasia Aparelho digestivo

51 Resultados Favoráveis e Continuos

52 1. Redução do custo de assistência médica 2. Redução do presenteísmo 3. Redução do absenteísmo 4. Redução da rotatividade ( turn over ) 5. Impactos sobre NTEP 6. Impactos sobre FAP 7. Otimização da alocação de recursos (custo-efetividade) 8. Atração de empregados 9. Retenção de empregados 10.Imagem externa da Empresa 11.Índices de sustentabilidade 12.ROI = return-on-investment

53 Indicadores de Saúde Ocupacional: Acompanhamento de Condições da Saúde dos Trabalhadores e Seus Determinantes

54 A Organizac a o Internacional do Trabalho (OIT) utiliza tre s indicadores para medir e comparar a ocorre ncia de acidentes do trabalho entre diferentes setores de atividade econo mica de um pai s (ILO, 1971): I ndice de freque ncia; I ndice de gravidade; Taxa de incide ncia.

55 I ndice de absentei smo de curto prazo por motivo de doenc a por me s I ndice de absentei smo de curto prazo por motivo de acidente do trabalho por me s Proporc a o de absentei smo de curto prazo devido a doenc as de cada grande grupo da 10a Revisa o da Classificac a o Internacional de Doenc as (CID) por ano Custo de absentei smo de curto prazo por motivo de doenc a por me s Custo de absentei smo de curto prazo devido a doenc as de cada grande grupo da 10a Revisa o da Classificac a o Internacional de Doenc as (CID) por ano

56 Proporc a o de afastamentos para benefi cio previdencia rio por doenc as de cada grande grupo da 10a Revisa o da Classificac a o Internacional de Doenc as (CID) por me s por espe cie de benefi cio Proporc a o de aposentadorias por invalidez por doenc as de cada grande grupo da 10a Revisa o da Classificac a o Internacional de Doenc as (CID) por ano por espe cie Coeficiente de mortalidade geral por ano

57 Coeficiente de mortalidade por causas [doenc as de cada grande grupo da 10a Revisa o da Classificac a o Internacional de Doenc as (CID)] por ano I ndice de gravidade de acidentes do trabalho I ndice de freque ncia de doenc as do trabalho

58 Nome do Indicador: Grupo demográfico: Numerador: Denominador: Medidas de frequência: Justificativa Limitação do Indicador

59 Saúde, Segurança e produtividade: Resumo dos beneficios Taxas de absentismo reduzidas. Produtividade claramente melhorada. Pedidos de indenização consideravelmente reduzidos. Relação com cliente e fornecedor melhorados Imagem" da empresa e reputação reforçadas. Empregados mais felizes, com níveis mais elevados de motivação, moral e concentração no trabalho. Retenção de funcionários melhorada.

60 Por que fazer Gestão da Saúde e da Segurança? A responsabilidade social da organização deve contribuir para uma economia de consciência mais competitiva e dinâmica do mundo, capaz de um crescimento económico sustentável, acompanhado por uma melhora qualitativa e quantitativa da ocupacão e por uma maior coesão social (Conselho Europeu de Lisboa, 2000)

61 A adoção de um Sistema de Gestão de SST que integra com os demais sistemas e em particular com o a Gestão da Responsabilidade Social pode contribuir para: Melhora do clima corporativo, com consequente melhora das condições de trabalho e da produtividade Melhora da credibilidade da organização que melhora a propia imagen e aumenta a propia competitividade Melhora das relações ocm o sindicato e as partes interessadas Fidelidade do cliente Por que fazer Gestão da Saúde e da Segurança? Aumento da participação de mercado graças a melhor percepção do produto Estimulo a melhora do proprio desempenho corporativo

62 Principios directivos te cnicos y e ticos relativos a la vigilancia de la salud de los trabajadores. Ginebra, Oficina Internacional del Trabajo, 1998 (Serie Seguridad y Salud en el Trabajo, nu m. 72) Occupational Health Indicators:A Guide for Tracking Occupational Health Conditions and Their Determinants. Council of State and Territorial Epidemiologists. In Collaboration with the National Institute for Occupational Safety and Health Centers for Disease Control and Prevention. Brasil, Ministerio da Saúde. Portaria GM n.º 3.120, de 1º de Julho de Instrução Normativa de Vigilância em Saúde do Trabalhador no SUS

63 Contribuições Dr. René Mendes Dr. Paulo Reis

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

A integração entre saúde ocupacional e assistencial. Dr. Marcos J. C. Baptista, MBA 30.06.2011

A integração entre saúde ocupacional e assistencial. Dr. Marcos J. C. Baptista, MBA 30.06.2011 A integração entre saúde ocupacional e assistencial Dr. Marcos J. C. Baptista, MBA 30.06.2011 Evolução dos modelos de saúde nas empresas Medicina Industrial Medicina do Trabalho Saúde Ocupacional Saúde

Leia mais

Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças Relacionados ao Trabalho

Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças Relacionados ao Trabalho Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças Relacionados ao Trabalho 28/04/2015 EDUARDO FERREIRA ARANTES Gerente Executivo de Qualidade de Vida A GESTÃO INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E QUALIDADE

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES

GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES Nov.2014 Negócio CONTRIBUIR PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE Educação Qualidade de Vida Declaração Estratégica Missão Promover a qualidade de vida do trabalhador

Leia mais

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional existentes. A Convenção

Leia mais

Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista

Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista 26/10/2011 A saúde das pessoas e o negócio Pessoa (bem-estar x doença) Produtividade (custo de oportunidade) Empresa (custo contábil) Stakeholders > 15

Leia mais

EDUARDO FERREIRA ARANTES Gerente Executivo de Qualidade de Vida O MODELO SESI-SP DE GESTÃO INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

EDUARDO FERREIRA ARANTES Gerente Executivo de Qualidade de Vida O MODELO SESI-SP DE GESTÃO INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EDUARDO FERREIRA ARANTES Gerente Executivo de Qualidade de Vida O MODELO SESI-SP DE GESTÃO INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA OS INVESTIMENTOS EM PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SEGURANÇA, SAÚDE,

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - MPS. Novo FAP Setor Financeiro

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - MPS. Novo FAP Setor Financeiro Novo FAP Setor Financeiro 1. Fortalecimento da Cultura de Prevenção na Seguridade Social: Proteção constit. e legal: Valor social do Trabalho. Fortalecer a ação da melhoria ambiental no trabalho: maior

Leia mais

OS INVESTIMENTOS EM PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SEGURANÇA, SAÚDE, ESPORTE E QUALIDADE DE VIDA DÃO RETORNO FINANCEIRO PARA AS EMPRESAS?

OS INVESTIMENTOS EM PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SEGURANÇA, SAÚDE, ESPORTE E QUALIDADE DE VIDA DÃO RETORNO FINANCEIRO PARA AS EMPRESAS? EDUARDO FERREIRA ARANTES Gerente Executivo de Qualidade de Vida 24 de Julho de 2014 OS INVESTIMENTOS EM PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SEGURANÇA, SAÚDE, ESPORTE E QUALIDADE DE VIDA DÃO RETORNO FINANCEIRO PARA

Leia mais

8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN

8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN 8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN Cultura de Saúde e Segurança no Trabalho: da Norma para o Valor Volvo do Brasil Quais os Valores e Práticas em Saúde e Segurança do Trabalho que asseguram

Leia mais

CULTURA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO: DA NORMA PARA O VALOR

CULTURA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO: DA NORMA PARA O VALOR CULTURA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO: DA NORMA PARA O VALOR 1 Dr. Zuher Handar Diretor Científico da Associação Nacional de Medicina do Trabalho - ANAMT zuherhandar@yahoo.com.br 2 Qual o tipo de situação

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

PAF Programa de Acompanhamento Funcional

PAF Programa de Acompanhamento Funcional PAF Programa de Acompanhamento Funcional MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR Márcio de Moura Pereira Motivação do Projeto SITUAÇÃO PROBLEMA Necessidade de atender a demandas já existentes de servidores e membros

Leia mais

Dr. José Carlos Steola

Dr. José Carlos Steola n t e p f a p r a t (s a t) Dr. José Carlos Steola Médico do Trabalho Coordenador do Depto de Proteção no Trabalho ( UNIMED de Araras) Médico do Trabalho da Usina Sta Lúcia Araras Médico Coordenador de

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

CURSO MACRORREGIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DO CORRIMENTO URETRAL E SIFÍLIS EM VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Rozidaili dos Santos Santana Penido

CURSO MACRORREGIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DO CORRIMENTO URETRAL E SIFÍLIS EM VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Rozidaili dos Santos Santana Penido CURSO MACRORREGIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DST: SÍNDROME S DO CORRIMENTO URETRAL E SIFÍLIS CONCEITOS BÁSICOS B EM VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Rozidaili dos Santos Santana Penido 1 O que é Vigilância

Leia mais

Gestão e Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho: da estratégia a ação

Gestão e Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho: da estratégia a ação Gestão e Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho: da estratégia a ação Ademir Vicente e Kátia Ferreira 01/09/2013 SESI Serviço Social da Indústria criado 1946 1.218 unidades http://www.youtube.com/watch?v=5h7ub2k-1bu

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Gustavo Nicolai Gerente de Saúde e Medicina Ocupacional 1. Sistema de Gestão Integrada de QMSR Ciência 2. Política de QMSR 3. Estrutura

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE Ângela Maria Fenner Assistente Social do INSS Conselheira do

Leia mais

PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA)

PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) Ministério da Saúde - MS Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ Diretoria de Recursos Humanos - DIREH COORDENAÇÃO DE SAÚDE DO TRABALHADOR - CST PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

Leia mais

SAT, NTEP E FAP. Decreto Nº 6.042: NTEP & FAP - Como se Preparar e Atuar Frente à Nova Legislação

SAT, NTEP E FAP. Decreto Nº 6.042: NTEP & FAP - Como se Preparar e Atuar Frente à Nova Legislação SAT, NTEP E FAP Decreto Nº 6.042: NTEP & FAP - Como se Preparar e Atuar Frente à Nova Legislação SAT, NTEP E FAP Airton Kwitko: Médico. Consultor de Empresas. Colunista da Revista CIPA (Coluna "O Ruído

Leia mais

Môsiris R. Giovanini Pereira AFT RS Mestre em Epidemiologia UFRGS

Môsiris R. Giovanini Pereira AFT RS Mestre em Epidemiologia UFRGS Môsiris R. Giovanini Pereira AFT RS Mestre em Epidemiologia UFRGS Gestão da Saúde do Trabalhador na Indústria Quais os indicadores de saúde do trabalhador da indústria? Como estabelecer políticas de promoção,

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS PPRDOC PROGRAMA DE E DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS APRESENTAÇÃO Prezados, A MCA Saúde e Bem-Estar é uma empresa especializada em planejar, implantar, aperfeiçoar e coordenar programas, projetos e

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL SESI-BA MODELO DE ATUAÇÃO PARA O PROGRAMA DE BASE NACIONAL

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL SESI-BA MODELO DE ATUAÇÃO PARA O PROGRAMA DE BASE NACIONAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL SESI-BA MODELO DE ATUAÇÃO PARA O PROGRAMA DE BASE NACIONAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A Indústria da Construção Diagnóstico

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ISSN 1984-9354 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO JAQUELINE ARAUJO DOS SANTOS (LATEC / UFF) Resumo: Os temas relacionados à qualidade de vida no trabalho estão cada vez mais sendo objeto de estudo e presentes

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

Especialista em bem-estar no ambiente de trabalho

Especialista em bem-estar no ambiente de trabalho Especialista em bem-estar no ambiente de trabalho NOSSA ESPECIALIDADE É MANTER SUA EMPRESA SAUDÁVEL A Engemed entende Medicina do Trabalho como sendo a análise completa de fatores ambientais, físicos e

Leia mais

A Engenharia de Segurança nos Serviços Públicos e Privados Visão do Futuro

A Engenharia de Segurança nos Serviços Públicos e Privados Visão do Futuro MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Secretaria de Políticas de Previdência Social Departamento de Políticas de Saúde e Segurança Ocupacional A Engenharia de Segurança nos Serviços Públicos e Privados Visão

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cumprimento

Leia mais

Benefícios por incapacidade no serviço público Aspectos conceituais

Benefícios por incapacidade no serviço público Aspectos conceituais Benefícios por incapacidade no serviço público Aspectos conceituais XIII Seminário Sul-Brasileiro de Previdência Pública AGIP Gramado (RS) - 2015 Baldur Schubert, médico. Representante da Organização Iberoamericana

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

VII REUNIÃO. Data: 28/08/2015 COGESP/SEPOG/PMF

VII REUNIÃO. Data: 28/08/2015 COGESP/SEPOG/PMF VII REUNIÃO Data: 28/08/2015 COGESP/SEPOG/PMF Organograma SEPOG COGESP/SEPOG/PMF Organograma COGESP Ângela Márcia e Noeme Milfont Samarkandra Bandeira Lena Neiva Tania Beserra Izabel Sizina Fabricio Torres

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008. Oficina 5

São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008. Oficina 5 Palestrante: Selma Lancman Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Oficina 5 REABILITAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE MENTAL 29 de Novembro de 2008 Terapeuta Ocupacional.

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Pós Graduação Enfermagem do Trabalho. Enfermagem em Saúde do Trabalhador

Universidade Federal Fluminense Pós Graduação Enfermagem do Trabalho. Enfermagem em Saúde do Trabalhador Universidade Federal Fluminense Pós Graduação Enfermagem do Trabalho Enfermagem em Saúde do Trabalhador DADOS. Mais de 6.000 pessoas morrem por dia no mundo: acidentes e doenças ligadas à atividades laborais;.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

4. Câncer no Estado do Paraná

4. Câncer no Estado do Paraná 4. Câncer no Estado do Paraná Situação Epidemiológica do Câncer Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná Uma das principais causas de morte nos dias atuais, o câncer é um nome genérico

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO DO TRABALHADOR EM TELEATENDIMENTO (CALL CENTERS) Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 O segmento transformou-se no

Leia mais

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO Percentual dos consumidores por tipo de contratação 19.9% Individual Planos novos 66.9% Coletivo Empresarial 13.2% Coletivo por Adesão 202.455.983 Brasileiros 50.270.398

Leia mais

Epidemiologia e Planejamento em Saúde como Ferramentas para a Assistência Farmacêutica

Epidemiologia e Planejamento em Saúde como Ferramentas para a Assistência Farmacêutica Epidemiologia e Planejamento em Saúde como Ferramentas para a Assistência Farmacêutica Gabriela Bittencourt Gonzalez Mosegui Instituto de Saúde da Comunidade ISC/UFF Adaptado de Carlos Magno C.B.Fortaleza

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cultura

Leia mais

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Toda empresa deve adotar uma Política de Higiene e Segurança do Trabalho e ao adotar políticas para as suas atividades, as empresas passam a dispor de instrumentos

Leia mais

EDITAL DA CAMPANHA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (SST) 2015/16 DO SESI-RS (Versão 2 alterada em 30 de junho de 2015)

EDITAL DA CAMPANHA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (SST) 2015/16 DO SESI-RS (Versão 2 alterada em 30 de junho de 2015) EDITAL DA CAMPANHA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (SST) 2015/16 DO SESI-RS (Versão 2 alterada em 30 de junho de 2015) Visando promover a qualidade de vida dos trabalhadores e ambientes de trabalho seguros

Leia mais

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Cristiane Kelly F. da Silva(UFPB) criskfsilva@yahoo.com.br Derylene da Fonseca Ferreira (UFPB)

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Como estimular suas equipes a serem saudáveis,

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

Fator Acidentário de Prevenção - FAP

Fator Acidentário de Prevenção - FAP Fator Acidentário de Prevenção - FAP Lei nº 10.666 De 8 de maio de 2003. quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010 Constituição Federal Direitos e Garantias Fundamentais (Título II) Direitos Sociais (Capítulo

Leia mais

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO 1 DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO Beatriz Adrieli Braz (Discente do 4º ano de administração AEMS) Bruna P. Freitas Godoi (Discente do 4º ano de administração AEMS) Ângela de Souza Brasil (Docente Esp.

Leia mais

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo Vigilantes, vigias, porteiros ou interessados em ingressar nessas funções. A empresa que presta serviços de vigilância tem a grande preocupação de manter a segurança de seu cliente, mas também de não receber

Leia mais

Responsabilidades do Empregador

Responsabilidades do Empregador Responsabilidades do Empregador RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA trabalhador poderá exigir que a obrigação seja satisfeita integralmente por um dos coobrigados (p.ex.: grupo de empresas, empreiteiros) RESPONSABILIDADE

Leia mais

E o pior temos ciência de empresas de consultoria que conseguiram este acesso junto a Previdência e estão "vendendo o serviço".

E o pior temos ciência de empresas de consultoria que conseguiram este acesso junto a Previdência e estão vendendo o serviço. Consultoria Virtual Pergunta Bom Dia! Sou representante da Empresa junto ao INSS - sistema de convenio. Entendendo que é um direito da empresa obter todo conhecimento necessário referente aos eventos previdenciários

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite ENGº MECÂNICO E DE SEGURANÇA DO TRABALHO

Leia mais

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO MÓDULO 1 ADMISSÃO 1.2 EXAME MÉDICO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE ARQUIVAR O NOVO, PARA EVITAR A SUPERLOTAÇÃO

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL Para REFLEXÃO Exemplo de aspectos ambientais significativos Descarga de efluentes líquidos Disposição de

Leia mais

Hipertensão, saúde do trabalhador e atenção primária

Hipertensão, saúde do trabalhador e atenção primária Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Programa de Saúde Urbana, Ambiente e Desigualdades Hipertensão, saúde do trabalhador e atenção primária Francisco Arsego de Oliveira Serviço

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR.

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. Márcia Maria Maia Advogada, pós-graduada em Direito Público e pós-graduanda em Direito e

Leia mais

SESI QUALIDADE DE VIDA PLANO DIRETOR

SESI QUALIDADE DE VIDA PLANO DIRETOR SESI QUALIDADE DE VIDA PLANO DIRETOR Fatos Mundiais 36 milhões mortes precoces (

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA?

MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA? Slide Master MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA? Dr. Cláudio M. da C. Barreto Tel. (21)99588.7203 Consultor em Medicina e Segurança do Trabalho Médico do Trabalho E-mail: claudiomcbarreto@gmail.com

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NAS EMPRESAS

IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NAS EMPRESAS IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NAS EMPRESAS O QUE É... SAÚDE? PREVENÇÃO DE DOENÇA STATUS DE SAÚDE?? PROMOÇÃO DE SAÚDE QUALIDADE DE VIDA? BEM-ESTAR? FELICIDADE Sâmia Simurro SAÚDE...Estado

Leia mais

Possibilidades e limites da Vigilância em DANT com enfoque territorial e de redes no Município de São Paulo

Possibilidades e limites da Vigilância em DANT com enfoque territorial e de redes no Município de São Paulo Possibilidades e limites da Vigilância em DANT com enfoque territorial e de redes no Município de São Paulo Subgerência de Doenças e Agravos Não Transmissíveis CCD/COVISA Equipe DANT Carmen Helena Seoane

Leia mais

VIII Fórum de Saúde e Segurança no Trabalho FEBRABAN 2011

VIII Fórum de Saúde e Segurança no Trabalho FEBRABAN 2011 VIII Fórum de Saúde e Segurança no Trabalho FEBRABAN 2011 Psiquiatria Ocupacional Prof. Duílio Antero de Camargo Psiquiatra clínico e forense Médico do Trabalho Instituto de Psiquiatria HC FM USP Núcleo

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO Profa. Lys Esther Rocha Agenda O que é Medicina do Trabalho? Conceito de Trabalho e Saúde A relação Saúde e Trabalho O Mundo do Trabalho Atual: características e desafios

Leia mais

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Sustentabilidade Para garantir um futuro próspero às próximas gerações, nós fomentamos a Sustentabilidade como um pilar fundamental para o

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP LEGISLAÇÃO A Portaria n 3214, de 08/06/1978, aprovou as normas regulamentadoras NR do capítulo V, Título II, da CLT, relativas a segurança e medicina do trabalho. Atualmente

Leia mais

I - INTRODUÇÃO A) JUSTIFICATIVA

I - INTRODUÇÃO A) JUSTIFICATIVA I - INTRODUÇÃO A) JUSTIFICATIVA Primeiramente, para se registrar um risco em qualquer documento (não apenas no ASO) do SESMT, obviamente tem que existir tal Risco. Porém, para ser considerado um risco,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Gisele Tolentino Caldeira Thaysa Zago Ázara Figueiredo

Gisele Tolentino Caldeira Thaysa Zago Ázara Figueiredo CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Ampliação da Aplicabilidade das Academias de Saúde Pública: Promoção da Saúde dos Trabalhadores do Sistema Único

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais