Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data"

Transcrição

1

2 01 Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data O presente questionário deve ser utilizado em complemento dos Questionários de Avaliação Financeira, de Gestão e Excelência Módulos Base dos Índices de Benchmarking (IBP Índice de Benchmarking Português e BI Benchmark Index). As actividades de Segurança e Saúde são organizadas: (Fonte: Relatório da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho) Em conjunto Serviços Internos Serviços Extrenos Interempresas Em Separado Para a Segurança e Higiene: Serviços Internos Serviços Extrenos Interempresas Trabalhador Designado Para a Saúde Serviços Internos Serviços Extrenos Interempresas A empresa tem implementado um Sistema de Segurança e Saúde do Trabalho (OHSAS 18001:1999): Não Sim, em curso de certificação Sim, certificado

3 02 UMA INTRODUÇÃO AO QUESTIONÁRIO O presente questionário foi concebido, pelo CTCV - Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro, de forma a avaliar o posicionamento competitivo da organização e evidenciar a sua capacidade de gestão em matéria de Saúde e Segurança do Trabalho (SST). A abrangência da SST, na sua abordagem mais actual, não se esgota no cumprimento das obrigações legais das organizações para com os trabalhadores. O conceito de SST deve ser orientado pelos princípios gerais de prevenção, os quais pretendem reforçar uma atitude pró-activa, referindo-se a um conjunto de boas práticas de gestão e de prevenção, que se relacionam com todas as funções e processos das organizações. Assim, a integração desta vertente na gestão vem de encontro às preocupações empresariais, contribuindo para um melhor desempenho, tendo em vista sustentar elevados padrões ao nível das condições de trabalho, propícios a uma melhoria da produtividade e competitividade, e assumindo um papel importante na vertente social das organizações. O sistema de avaliação proposto é composto por dois instrumentos de avaliação dirigidos ao nível da capacidade e qualidade da gestão (meios), e de desempenho (resultados). São utilizados dois tipos de indicadores: Indicadores de Gestão e Capacidade. Permitem a parametrização de aspectos qualitativos, traduzindo a competências de gestão baseada em aspectos como organização e estruturação, políticas e práticas de gestão Indicadores de Desempenho. Evidenciam a concretização da capacidade e descrevem a prestação da organização relativamente a aspectos específicos de três tipos: Indicadores de Sinistralidade Laboral, Índices de Absentismo e Indicadores de Actividade. Para além destes parâmetros, foi utilizado um outro tipo de questão, com cariz qualitativo: Indicadores de Funcionamento. Pretendem identificar opções de funcionamento das organizações, de cariz qualitativo e que normalmente não se podem classificar em termos de "melhor prática" mas que ajudam a explicar o posicionamento da organização, complementando os indicadores de capacidade e desempenho.

4 03 Secção I - Avaliação de Gestão e Capacidade O presente questionário foi concebido de forma a apoiar uma organização a avaliar a sua posição competitiva ao nível da gestão e capacidade em matéria de SST. O questionário abrange um conjunto de factores: Política, Objectivos e Responsabilidades; Planeamento e Programação das Actividades de SST; Actividade de SST Ao preencher o questionário é importante ser objectivo. Só assim será possível evidenciar os pontos fortes e identificar oportunidades de melhoria na sua organização. Por favor, preencha os dados adequados ou escolha a resposta que descreve, da forma mais correcta, a sua organização. Deverá utilizar os critérios definidos em anexo ao questionário e estar preparado para validar formalmente as suas respostas a cada uma das perguntas, sempre que aplicável, justificando e evidenciando a sua prática. A qualificação em sim deve ser atribuída sempre que a organização cumpra na generalidade os critérios definidos. A notação em parte deve cumprir pelo menos 50% dos critérios estabelecidos ou evidenciar um nível de desenvolvimento organizacional equivalente. Os restantes casos devem ser qualificados em não. Em caso de dúvida entre duas respostas ou no caso de necessitar de ajuda, por favor, contacte o seu Consultor Nacional de Benchmarking SECÇÃO I Questionário 1 Política, Objectivos e Responsabilidades - Este factor pretende avaliar se existe uma política formal e comunicada, que reflecte o comprometimento da organização na orientação pelos princípios gerais de prevenção para, no mínimo, cumprir a legislação sobre SST em vigor, se estão estabelecidos objectivos que evidenciem um compromisso de melhoria e se as responsabilidades estão definidas. 1. Existe uma declaração de política que reflecte o comprometimento da organização com a Saúde e Segurança do Trabalho? Não Em parte Sim 2. Estão definidos objectivos anuais mensuráveis para a SST? Não Em parte Sim 3. Estão estabelecidas as responsabilidades em matéria de SST, em todos os níveis da organização? Não Em parte Sim

5 04 2 Planeamento e programação da actividade de SST - A actividade de prevenção deve ser planeada, integrada a todos os níveis da organização, de modo a promover a identificação de perigos, a avaliação e o controlo de riscos nas suas actividades correntes como base de toda a intervenção na área de SST, integrando as respectivas medidas de prevenção. 1. Os perigos foram identificados e os riscos avaliados, de uma forma sistemática e documentada? Não Em parte Sim 2. Estão identificados os requisitos legais e outros requisitos aplicáveis em matéria de SST? Não Em parte Sim 3. Existe um programa de prevenção de riscos profissionais? Não Em parte Sim 3 Actividade de SST - Pretende-se avaliar as práticas de SST na organização, nomeadamente em questões como a prevenção e capacidade de resposta a emergências. 1. Estão definidos e implementados planos de emergência? 2. Os colaboradores estão adequadamente informados e formados/treinados sobre os riscos a que estão expostos? Não Em parte Sim Não Em parte Sim 3. Existem sistemas para avaliação de desempenho ou estatísticas que permitam monitorizar os objectivos em matérias de SST? Não Em parte Sim 4. A organização efectua análise de acidentes de trabalho e doenças profissionais? Não Em parte Sim 5. São efectuadas regularmente auditorias e/ou inspecções de segurança? Não Em parte Sim 6. Os trabalhadores são consultados, informados e formados em todos os aspectos da SST relacionados com o seu trabalho? Não Em parte Sim 7. Existe um programa de promoção e vigilância da saúde? Não Em parte Sim

6 05 Secção I Anexo Objectivo, Crtérios e Definições 1.1 Objectivo A política da SST estabelece uma orientação geral e define os princípios de acção, que reflectem o comprometimento da organização na gestão e melhoria das condições de saúde e segurança do trabalho. Existe uma declaração de política documentada, actualizada e assinada pela gestão de topo. Está acessível para as partes interessadas e é comunicada a todos os trabalhadores. Estão definidas as orientações e responsabilidades da organização. A política reflecte os princípios gerais de prevenção 1.2 Objectivo Os objectivos e metas da organização devem estar estabelecidos e devem incluir objectivos específicos em matéria de SST, consistentes com a política de SST e que reflectem o compromisso de monitorização, controlo e melhoria contínua. Existem objectivos específicos e mensuráveis, documentados e comunicados (v.g. redução de níveis de risco, eliminação ou redução da frequência de determinados incidentes indesejados, acções de melhoria). Cumprem os requisitos legais e normativos. Consideram a opinião dos trabalhadores e das partes interessadas. Resultam da identificação do perigo, da avaliação e do controlo de riscos. São avaliados periodicamente e, se necessário, revistos e actualizados. 1.3 Objectivo Analisar se as responsabilidades dos diversos actores da SST na organização estão atribuídas a todos os níveis da organização. Existe um ou mais representantes da Direcção com a responsabilidade de assegurar as funções de gestão ao nível da SST. A descrição de funções e/ou procedimentos de trabalho estão documentados e são abrangentes das responsabilidades dos colaboradores em matéria de SST.

7 Objectivo Verificar se é efectuada a identificação e avaliação dos riscos para a segurança e saúde nos locais de trabalho e vigilância do ambiente de trabalho. Abarca a avaliação das condições sanitárias e a higiene no trabalho, os factores da organização do trabalho que possam apresentar riscos para a segurança e saúde dos trabalhadores, os equipamentos de protecção colectiva e individual, a exposição dos trabalhadores aos factores de risco e o controlo dos sistemas concebidos para os eliminar e/ou para os reduzir. Existência de procedimentos para a avaliação de riscos com uma metodologia de trabalho definida. A avaliação de riscos actualizada, isto é, realizada pelo menos uma vez após introdução de alterações significativas nas condições e ambiente de trabalho. Avaliação de riscos é adequadamente abrangente, sistematizada e existe registo documental. A participação dos trabalhadores no processo de avaliação de riscos está evidenciada. Definições Perigo: Fonte ou situação com um potencial para o dano, em termos de lesões ou ferimentos para o corpo humano ou de danos para a saúde, para o património, para o ambiente do local de trabalho ou uma combinação destes. Riscos: Combinação da probabilidade e da(s) consequência(s) da ocorrência de um determinado acontecimento perigoso Avaliação do risco: Processo global de estimativa da grandeza do risco e de decisão sobre a sua aceitabilidade. Vigilância do Ambiente de Trabalho Designação genérica que compreende a identificação e a avaliação dos factores ambientais que possam afectar a saúde dos trabalhadores. A vigilância do ambiente de trabalho centra-se, embora não exclusivamente, numa série de aspectos básicos que afectam a saúde: ergonomia, prevenção dos acidentes e das doenças, higiene industrial, organização do trabalho e factores psicossociais presentes no local de trabalho. 2.2 Objectivo O plano deve visar, no mínimo, o cumprimento das disposições legais, regulamentares e normativas, promover as actividades de SST na organização e melhorar continuamente o seu desempenho. Existência de procedimentos estabelecidos para identificar e aceder aos requisitos legais e outros requisitos que a organização subscreva, aplicáveis em matéria de SST. Disponibilidade, acessibilidade e comunicação dos requisitos legais e outros aplicáveis. Estão definidos os procedimentos para monitorizar a execução dos controlos tornados obrigatórios pela legislação em vigor em matéria de SST

8 Objectivo Verificar se são programadas as acções de melhoria das condições de trabalho. O(s) programa(s) deve(m) ser coerente(s) com os resultados da identificação de perigos e avaliação de riscos e os objectivos de SST estabelecidos na organização. Estabelecidos os critérios de acordo com objectivos e resultados da identificação de perigos e avaliação de riscos. Estabelecidas as responsabilidades da execução e prazos de realização, e definidos os recursos a alocar. Os programas incluem acções de formação/informação. 3.1 Objectivo Pretende-se verificar se a organização dispõe de capacidade de resposta às situações de emergência identificadas como potenciais de ocorrência. Esta capacidade reflecte-se nos meios técnicos e humanos existentes e na sua organização. Existência de um ou mais planos de emergência (p.e. incêndio, sismo, derrames). Estão identificados e disponíveis meios técnicos e humanos adequados. São efectuados regularmente simulacros para avaliar a capacidade e a eficácia de resposta. Definições Plano de Emergência Documento que inclui a informação relevante para resposta a situações de emergência que possam ocorrer na organização. Situação de Emergência Acontecimento não programado que necessita de uma resposta pronta dado que dela podem resultar lesões corporais graves, danos ambientais e/ou prejuízos materiais significativos. 3.2 Objectivo Plano de Formação em matéria de SST: baseado na identificação de necessidades, a formação deve ser planeada formalmente por forma a assegurar a consciencialização e as competências sobre SST requeridos para a actividade dos trabalhadores, incluindo perigos e riscos, precauções a ser tomadas e procedimentos a ser seguidos, de acordo com o nível de risco a que estão expostos. Existe um plano e registos da formação de colaboradores, decorrente da análise de necessidades de formação em matéria de SST. Existem mecanismos de informação sobre os riscos a que estão expostos os trabalhadores e respectivas medidas de protecção e prevenção, relativas às instalações, locais, equipamentos e processos de trabalho. Estão identificados e disponíveis meios de protecção adequados.

9 Objectivo A avaliação de desempenho refere-se a sistemas de monitorização e medição periódica de parâmetros chave desempenho em SST, com recurso a um conjunto de indicadores quantitativos e/ou qualitativos que permitam aferir o grau de cumprimento dos objectivos de SST. Existe um sistema de medições reactivas do desempenho (estatísticas) para a monitorização de acidentes, doenças e outras evidências históricas do desempenho deficiente em SST. O sistema integra medições pró-activas do desempenho que monitorizam a conformidade com o programa de gestão da SST, com critérios operacionais e com os requisitos legais e regulamentares aplicáveis. Existem registos de dados e resultados da monitorização que são utilizados para as subsequentes análises das acções preventivas e correctivas. 3.1 Objectivo Para além do registo dos acidentes, este item pretende verificar se a organização tem uma prática de análise e investigação de acidentes e doenças profissionais tendo em vista identificar as suas causas e implementar medidas correctivas tendentes a minimizar as suas consequências e/ou a sua ocorrência. Estão atribuídas responsabilidades para a investigação de acidentes e doenças profissionais. Existem documentos de registo e metodologia (procedimento) para investigação sistemática das causas dos acidentes e doenças profissionais (p.e. guiões de entrevista, check lists) incluindo recomendação de acções correctivas ou de melhoria. É feito o seguimento das acções decorrentes da investigação sobre os acidentes e doenças profissionais. 3.2 Objectivo Pretende-se verificar se são efectuadas regularmente auditorias e/ou inspecções de segurança sobre o grau de controlo e observância das normas e medidas de prevenção nos locais de trabalho. Não inclui a avaliação de riscos. Auditoria anual (independente, interna ou externa) para avaliação do cumprimento das normas, medidas de prevenção e boas práticas nos locais de trabalho. Integra a avaliação do desempenho das actividades de SST e eventuais acções correctivas e de melhoria.

10 Objectivo Pretende-se verificar se está assegurada a participação dos trabalhadores e os seus representantes em matéria de SST, nomeadamente pela sua consulta, informação e formação em todos os aspectos da SST relacionados com o seu trabalho, incluindo as disposições relativas a situações de emergência. Existem representantes dos trabalhadores em matéria de SST, de acordo com a legislação e a prática nacional. Existe uma comissão de HST com representação dos trabalhadores, em actividade, verificada com registos (actas) das reuniões com periodicidade mínima anual. Os trabalhadores e os seus representantes estão motivados e dispõem de tempo e de recursos para participar activamente nos processos de organização, planificação e implementação, e avaliação em matéria de SST. Definições Comissão de Higiene e Segurança no Trabalho Comissão consultiva integrada pelos representantes dos trabalhadores (para as questões de SST) e por representantes dos empregadores, que foi estabelecida e desempenha as suas funções ao nível da organização em conformidade com a legislação e as práticas nacionais. Representante dos trabalhadores para questões de SST Pessoa eleita ou designada em conformidade com a legislação e a prática nacionais para representar os trabalhadores nas questões relativas à SST no local de trabalho. 3.7 Objectivo Pretende-se averiguar se existe um programa de promoção e vigilância da saúde, bem como a organização e manutenção dos registos clínicos e outros elementos informativos relativos a cada trabalhador. São realizados os exames de admissão, periódicos e ocasionais, de acordo com a legislação aplicável (ver Relatório da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Ponto VIII 1). São realizados exames complementares de diagnóstico, incluindo os exames exigidos por legislação específica e acções de imunização dos trabalhadores (ver Relatório da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Ponto VIII 2 e 3). São realizadas acções de promoção e sensibilização para a saúde no trabalho (ver Relatório da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Ponto VIII 4). Definições Vigilância da Saúde dos Trabalhadores É uma expressão genérica que compreende procedimentos e investigações para avaliar a saúde dos trabalhadores com vista a detectar e identificar eventuais anomalias. Os resultados desta vigilância deveriam utilizar-se para a protecção e promoção, individual e colectiva, da saúde no local de trabalho, assim como a saúde da população trabalhadora exposta a riscos. Os procedimentos de avaliação da saúde podem incluir, embora não limitar-se, a exames médicos, controlos biológicos, avaliações radiológicas, questionários ou uma análise dos registos da saúde.

11 10 SECÇÃO II Dados Ano Comentários 1 Número Total de Horas.Homem Trabalháveis 2 Número Total de Horas.Homem Trabalhadas 3 Número de Acidentes com Baixa 4 N.º de Dias Úteis Perdidos 5 Ausências por Acidentes de Trabalho 6 Ausências por Doença Profissional 7 N.º de Trabalhadores em Formação 8 N.º de Horas de Formação 9 Custos com Formação 10 Custos com Prevenção Tenha em atenção que os valores devem referir-se ao ano em análise. Se tiver dúvidas sobre que informação está a ser solicitada, por favor, consulte as definições apresentadas nas páginas seguintes ou o seu Consultor. Nacional de Benchmarking.

12 11 Secção II Definições de Dados 1 Número Total de Horas.Homem Trabalháveis Número total de horas que teoricamente a organização laborará durante o conjunto de dias úteis do ano, não contando com o número de horas suplementares, com o absentismo ou com as horas não trabalhadas por outros motivos. Para o cálculo, considera-se para cada PNT (Período Normal de Trabalho) as horas trabalháveis do ano iguais ao somatório do produto do número de trabalhadores em cada dia útil multiplicado pelo período normal de trabalho e pelo número de dias úteis do ano. Excluir os dias de férias e feriados. Fontes: Balanço Social Ponto ; Relatório da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Ponto V Número Total de Horas.Homem Trabalhadas Número de horas contabilizadas, depois de às horas trabalháveis se terem adicionado as horas de trabalho suplementar e deduzido as horas não trabalhadas. Total de horas efectivamente trabalhadas, que inclui o tempo passado no local de trabalho durante o ano, as horas extraordinárias, e exclui as horas remuneradas não trabalhadas, como férias anuais pagas, feriados, ausência por doença remunerada e as horas não trabalhadas por acções de formação profissional. Fontes: Balanço Social Ponto ; 3 Número de Acidentes com Baixa Número total de ocorrências que se tenham verificado no local e no tempo de trabalho e que tenham produzido, directa ou indirectamente, lesão corporal, perturbação funcional ou doença de que resulte redução da capacidade de trabalho ou de ganho ou a morte, e que tenham induzido baixa. Apesar dos acidentes de trajecto estarem englobados na definição de acidentes de trabalho, pelas suas características, são objecto de um tratamento em separado e não estão incluídos no número de acidentes de trabalho apresentados. Fontes: Balanço Social Ponto 3.1.2; Relatório da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Ponto IX N.º de Dias Úteis Perdidos Número total de dias de trabalho perdidos em consequência dos acidentes apenas ocorridos no ano civil de referência. Por acidentes de trabalho entende-se a definição genérica dada no item anterior. Caso se tenham verificado acidentes mortais, casos de incapacidade permanente absoluta ou incapacidade permanente parcial superior a 70%, este número deverá ser agravado de dias/ocorrência e no caso de incapacidade permanente parcial este número deve ser ponderado pela percentagem de incapacidade (Resolução da 6ª Conferência Internacional das Estatísticas do Trabalho - OIT). Fontes: Balanço Social Ponto e 3.1.4; Relatório da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Ponto IX Ausências por Acidentes de Trabalho Total de horas perdidas no ano civil de referência, de acordo com a definição genérica de acidente de trabalho dada nos itens anteriores. Fontes: Balanço Social Ponto ; Relatório da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Ponto IX Ausências por Doença Profissional Total de horas perdidas no ano civil de referência, por baixa de doença profissional. Fontes: Balanço Social Ponto ; Relatório da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Ponto IX 2.

13 12 7 N.º de Trabalhadores em Formação Número de participantes pelas acções de formação e sensibilização e treino em matéria de saúde, higiene e segurança. Por formação em SHST entendem-se os cursos ou reuniões de trabalho que tratem da segurança, incluindo auditorias, elaboração de procedimentos, elaboração de planos de segurança. No treino incluem-se as sessões práticas de utilização de equipamentos de combate a incêndios, exercícios, simulacros e utilização de equipamentos de protecção individual. Fontes: Balanço Social Ponto ; Relatório da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Ponto VI e N.º de Horas de Formação Número total de horas de formação e sensibilização em matéria de saúde, higiene e segurança. Calcula-se pelo somatório do produto das acções realizadas pela duração de cada acção, no âmbito indicado no item anterior. Fontes: Balanço Social Ponto ; Relatório da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Ponto VI e Custos com Formação Consideram-se as despesas em cursos e acções tendentes a sensibilizar, alertar e preparar os trabalhadores para a prevenção de riscos profissionais. Fonte: Balanço Social Ponto Custos com Prevenção Total de custos com a prevenção de acidentes e doenças profissionais. Inclui despesas com a medicina no trabalho (pessoal médico, medicamentos, meios auxiliares de diagnóstico, exames médicos, entre outros), custos de estrutura para a medicina no trabalho (criação e manutenção de estruturas destinadas à medicina do trabalho e à segurança dos trabalhadores), custos com equipamento de protecção (colectiva e individual, sinalização de segurança, entre outros), custos com a formação em prevenção de riscos (ver item anterior) e outros custos (diagnósticos, auditoria, consultoria, monitorizações, entre outros). Fontes: Balanço Social Ponto 3.3.3; 3.7.1; 3.7.2; 3.7.3; Relatório da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Ponto VI e 2.3. Outras Definições Volume de Negócios Anual Definido como o valor total das Vendas (de produtos e mercadorias) e Prestações de Serviços em Euros. Nota Importante: Dado introduzido no Questionário Financeiro Proveitos e Custos Financeiros Fonte: Modelo 22 Anexo A - A104 (POC 71+72) N.º de Trabalhadores Número médio de pessoas ao serviço durante o ano, calculado pela divisão do somatório do número de pessoas ao serviço no final de cada mês por 12 (ou pelo número de meses de actividade da organização). Caso não tenha disponível este número, e não se tenham verificado entradas/saídas extraordinárias de pessoas, pode ser considerado o número de pessoas a 31 de Dezembro do ano correspondente ao exercício. Nota Importante: Dado introduzido no Questionário de Gestão Gestão de Recursos Humanos. Fontes: Balanço Social Ponto 6; Relatório da Actividade do Serviço de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Ponto II

14 13 CRITÉRIOS DE BENCHMARKING Por favor seleccione os critérios relativamente aos quais deseja comparar o desempenho da sua organização. Identifique as categorias que deseja incluir. Para efectuar selecções regionais pode escolher mais que uma região. No entanto, para as outras categorias apenas pode escolher um critério. Pode escolher um código CAE ou uma Área de Actividade, mas não ambos. Regiões Nacionais: Todas Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Madeira Açores CAE Classificação das Actividades Económicas Código CAE

15 14 Áreas de Actividade: Agricultura, Silvicultura e Pescas Minas e Extracção de Minérios Alimentação, Bebidas e Tabaco Têxteis e Vestuário Madeira e Papel Química, Plásticos e Cerâmica Fabrico de Produtos Metálicos Produção de Máquinas em Geral Indústria Eléctrica e Electrónica Indústria de Transportes Serviços Públicos, Energia, Correios e Telecomunicações Comércio por Grosso e de Retalho Turismo Serviços de Transporte Serviços Financeiros/ Imobiliários Serviços Sociais/ Governamentais Outros Serviços Construção Civil/ Obras Públicas Outras Indústrias Educação Volume de Negócios: Mais de 0m 1m 5m 10m 50m Menos de 1m 5m 10m 50m Número de Trabalhadores: Mais de Menos de

16

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data 01 Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data O presente questionário deve ser utilizado em complemento dos Questionários de Avaliação Financeira, de Gestão e Excelência Módulos Base dos Índices

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA OHSAS 18001/NP 4397

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA OHSAS 18001/NP 4397 LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA 2003 LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A INTERPRETAÇÃO DA NORMA APCER - Associação Portuguesa de Certificação Carlos Rodrigues Júlio Faceira Guedes Revisto pela

Leia mais

ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 3 - HIGIENE E SEGURANÇA

ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 3 - HIGIENE E SEGURANÇA ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 3 - HIGIENE E SEGURANÇA Quadro 19: Número de acidentes de trabalho e de dias de trabalho perdidos com baixa, por género Quadro 20: Número de casos de incapacidade declarados

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo 1 - Em que consiste a prevenção? Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo eliminar ou reduzir

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002)

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) TÍTULO: Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) FUNDAMENTOS A nível dos países

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª

PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª Os RTSST-Montepio, primeira estrutura do género a ser eleita em Portugal ao abrigo da Lei 35/2004, entenderam formular o presente parecer em complemento

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP 4397 2008

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP 4397 2008 Norma Portuguesa NP 4397 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos Systèmes de gestion de la sécurité et santé du travail Exigences Occupational health and safety management systems

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data 01 Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data O presente questionário deve ser utilizado em complemento dos Módulos Base (Questionários de Avaliação Financeira de Gestão e da Excelência) dos

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6)

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) Objectivos do Curso No final da acção, os formandos deverão ser capazes de: Colaborar na definição da política geral da empresa relativa à

Leia mais

Sistemas de gestão da segurança em estabelecimentos industriais uma abordagem pragmática. Luís Santos (Auditor de Segurança)

Sistemas de gestão da segurança em estabelecimentos industriais uma abordagem pragmática. Luís Santos (Auditor de Segurança) Sistemas de gestão da segurança em estabelecimentos industriais uma abordagem pragmática Luís Santos (Auditor de Segurança) Abordagem 1. Pilares de sustentabilidade de um SGS 2. Ameaças à integridade 3.

Leia mais

Todas as informações fornecidas serão tratadas com a mais estrita confidencialidade.

Todas as informações fornecidas serão tratadas com a mais estrita confidencialidade. 2 BENCHMARKING Todas as informações fornecidas serão tratadas com a mais estrita confidencialidade. Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data INTRODUÇÃO O presente questionário, concebido

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

PREFÁCIO. O presente documento contém algumas transcrições da própria OHSAS 18001 (1999), que se encontram entre aspas e em itálico.

PREFÁCIO. O presente documento contém algumas transcrições da própria OHSAS 18001 (1999), que se encontram entre aspas e em itálico. PREFÁCIO Este documento tem por objectivo constituir um apoio na interpretação da norma OHSAS 18001 (1999) - Occupational Health and Safety Management Systems - Specification, para a implementação de um

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade COMO ORGANIZAR O SGQ SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade A Gestão da Qualidade foca o produto / a realização do serviço;

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional João Crisóstomo Pereira Borges Universidade de Coimbra - Faculdade de Medicina ARS de Centro, IP Especialista em Saúde Pública e em Medicina do Trabalho

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XX Indicadores de Segurança. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XX Indicadores de Segurança. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XX Indicadores de Segurança um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução.

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução. por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Legislação aplicada no âmbito de S.H.S.T. Prescrições mínimas de segurança e saúde sobre os componentes materiais do Trabalho

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho SST

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho SST SISTEMA GESTÃO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 1. INTRODUÇÃO O Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho (SGSST) proporciona um conjunto de ferramentas que potenciam a melhoria da eficiência da

Leia mais

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL A profissionalização dos membros da Organização, enquanto factor determinante da sua eficácia na prevenção e no combate aos incêndios florestais, requer a criação de um programa

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS: Módulo I - Noções de Estatística e Fiabilidade (30 Horas)! Obtenção, análise e classificação de amostras;! Tratamento

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Vital para a Competitividade da sua Organização

Vital para a Competitividade da sua Organização ISO 27001 Segurança da Informação Vital para a Competitividade da sua Organização Quem Somos? Apresentação do Grupo DECSIS Perfil da Empresa Com origem na DECSIS, Sistemas de Informação, Lda., fundada

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 7 Empresa: Alberto Rites Lda. Entidade patronal 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública www.apcer.pt Hélder Estradas 4 de Novembro de 2005 QUEM SOMOS Constituída em Abril de 1996 (IPQ, AIPortuguesa AIPortuense, actual

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXI Acidentes de Trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE XIX Serviços de Apoio ÍNDICE SECÇÃO I - ASPECTOS GERAIS... 2 1. Introdução... 2 SECÇÃO II - Especificações dos Serviços de Apoio... 4 2. Serviço de Limpeza... 4 3. Serviço de Alimentação... 5 4. Serviço

Leia mais

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente.

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. OBJECTIVOS DE UM SISTEMA DE GESTÃO A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. A Gestão da Segurança foca o indivíduo, o colaborador; Tem como objectivo a sua protecção

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Formadora: Bárbara Varela. UFCD 3783 Fases do Projecto

Formadora: Bárbara Varela. UFCD 3783 Fases do Projecto Formadora: Bárbara Varela UFCD 3783 Fases do Projecto Tema e Objectivo específico: Subtema: Seminário: Como minimizar os riscos no Trabalho Prevenção de Riscos Profissionais Objectivos Específicos: Identificar

Leia mais

Proposta de Serviços XXI. REDE MAQUIJIG Business Solutions. Refª 2097/2014 13-05-2014. a Sua empresa de Serviços

Proposta de Serviços XXI. REDE MAQUIJIG Business Solutions. Refª 2097/2014 13-05-2014. a Sua empresa de Serviços Proposta XXI REDE MAQUIJIG Business Solutions Refª 2097/2014 13-05-2014 a Sua empresa Índice 1. Introdução 2. Medicina do trabalho 3. Segurança no Trabalho 4. Higiene e Segurança Alimentar 5. Formação

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

CURSO: TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA NO TRABALHO CARGA HORÁRIA: 540 Horas (420 h em sala + 120 h em contexto de trabalho)

CURSO: TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA NO TRABALHO CARGA HORÁRIA: 540 Horas (420 h em sala + 120 h em contexto de trabalho) Destinatários/Público-alvo: Activos com qualificação de nível superior (Licenciatura ou Bacharelato), que tenham interesse e motivação pelas actividades de Segurança e Higiene do Trabalho, considerando-se,

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Em sede do compromisso para uma "Better Regulation", assumido pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, foi proposta, nomeadamente,

Leia mais

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria 7 de Maio 2013 O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria Realidade da SST em Portugal Parte I A realidade das empresas em SST pode ser analisada com base nos dados conhecidos sobre:

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Conteúdos: 1 Psicossociologia do Trabalho (25 horas)

Conteúdos: 1 Psicossociologia do Trabalho (25 horas) : 1 Psicossociologia do Trabalho (25 horas) Objectivo(s): Aplicar técnicas e métodos de avaliação dos factores psicossociais. Proceder a nível psicossocial a alterações na organização do trabalho ou no

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO GUIA DO CURSO SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES CONHECER COMPREENDER AVALIAR ATUAR ÍNDICE Enquadramento do curso 3 Objetivos do curso 4 Competências a adquirir 5 Públicos-alvo

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

O seu CNB terá todo o prazer em lhe oferecer ajuda adicional, se esta for necessária.

O seu CNB terá todo o prazer em lhe oferecer ajuda adicional, se esta for necessária. 01 Pessoa de Contacto Cargo Nome da Empresa Consultor Data O presente questionário deve ser utilizado em conjugação com os Questionários de Avaliação Financeira e de Gestão, Módulos base dos Índices de

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 162 (Janeiro/Fevereiro de 2006) KÉRAMICA n.º 282 (Janeiro/Fevereiro de 2007)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 162 (Janeiro/Fevereiro de 2006) KÉRAMICA n.º 282 (Janeiro/Fevereiro de 2007) TÍTULO: Agentes Físicos - Vibrações AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 162 (Janeiro/Fevereiro de 2006) KÉRAMICA n.º 282 (Janeiro/Fevereiro de 2007) INTRODUÇÃO O Decreto-Lei n.º 46/2006,

Leia mais

Tendências do Mercado de SST em Portugal. João Florindo

Tendências do Mercado de SST em Portugal. João Florindo Tendências do Mercado de SST João Florindo 1 O que nos preocupa na UE Para o universo de 217 milhões de trabalhadores da EU, registam-se: 4.000 mortes devido a acidentes de trabalho (EEAT 2011) 159.500

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Serviços de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho

Serviços de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho Trimestral n.º 3-28 de Janeiro de 2013 Serviços de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho NEWSLETTER SHST XZ Consultores, SA - Empresa autorizada pela ACT por despacho nº 446/2006 SMTB, Lda. - Entidade

Leia mais

ANTEPROJECTO DE DECRETO-REGULAMENTAR SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE ALERTA RÁPIDO DE ALIMENTOS SIARA. Decreto-Regulamentar n.º /09 De de PREÂMBULO

ANTEPROJECTO DE DECRETO-REGULAMENTAR SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE ALERTA RÁPIDO DE ALIMENTOS SIARA. Decreto-Regulamentar n.º /09 De de PREÂMBULO ANTEPROJECTO DE DECRETO-REGULAMENTAR SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE ALERTA RÁPIDO DE ALIMENTOS SIARA Decreto-Regulamentar n.º /09 De de PREÂMBULO A globalização das trocas comerciais, que no caso particular

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008 Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão Maio 2008 Agenda 1. Risco Operacional a definição 2. Cálculo de capital requisitos regulamentares relação com perfil de risco utilidade

Leia mais

LIDERANÇA NA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONTEXTUALIZAÇÃO NACIONAL. Cristina Duarte Contente

LIDERANÇA NA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONTEXTUALIZAÇÃO NACIONAL. Cristina Duarte Contente LIDERANÇA NA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONTEXTUALIZAÇÃO NACIONAL 1 A LIDERANÇA NA SEGURANÇA NO TRABALHO CONTEXTUALIZAÇÃO NACIONAL OBJETIVO DEMOSTRAR COMO AS EMPRESAS NACIONAIS ASSUMEM A LIDERANÇA NA

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho Patrícia Serra 1 Objetivos das Auditorias ao SGSST Verificar se o SG cumpre eficazmente a política, os objetivos e metas definidos pela organização

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais