1. Introdução.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Introdução. fymoribe@gmail.com"

Transcrição

1 Aplicação em cenário empresarial da utilização das metodologias de teste de software Fábio Yoshiaki Moribe¹ ¹ Departamento de Informática - Universidade Estadual de Maringá (UEM) Abstract. The software quality is an issue that comes along with the growth of agile Methodology that were created a few years ago, as a result, many companies started to adapt to these new methodologies to increase productivity and decrease their time spent on manual tasks. Thus, a study was done in a company that works with these "new" techniques, but not yet abandoned the existing traditional methods in the software market. Resumo. A qualidade de software é um assunto que vem crescendo bastante junto com as metodologias ágeis que foram criadas há alguns anos atrás, visto isso, muitas empresas começaram a adaptar com as novas metodologias para aumentarem a sua produtividade e diminuírem o tempo gasto com serviços manuais. Sendo assim, foi feito um estudo em uma empresa que trabalha com essas técnicas novas, porém ainda não abandonaram os métodos tradicionais existentes no mercado de software. 1. Introdução A sociedade está em uma era em que a tecnologia vem evoluindo a cada dia. Boa parte das empresas no Brasil e no mundo já é dependente de um computador e um software de qualidade para o gerenciamento de todos os setores da organização, donos de empresas estão procurando softwares com características e funcionalidade especifica, como: sistema seguro para armazenamento de dados importantes, eficiente e rápido ao ponto de agilizar as tarefas do dia-a-dia e de se adaptar com as constantes atualizações, visto que hoje em dia as atividades estão se modificando de uma maneira bastante rápida. Como citado, o mercado atual de software vem sendo um público muito exigente, onde os produtos criados pelas empresas estão sendo feitas com as prioridades em diferentes pontos, em especial o ponto de qualidade. A qualidade tornou-se um fator tão importante na área, que muitos negócios são fechados quando as empresas conseguem convencer que o produto possui as funcionalidades necessárias e com o máximo de qualidade. Sendo assim, criar e controlar um software com qualidade, não é uma tarefa trivial. Para ganhar qualidade nos produtos desenvolvidos, as empresas buscam diferentes alternativas, sendo os testes de software a mais conhecida e utilizada. Existem diferentes tipos de soluções para testes, como: teste unitário, caixa preta, regressão, testes de interface gráfica e também existem várias metodologias como testes ágeis e as de testes tradicionais. [Lemos e Vicenzi et al. 2004]. Todos os produtos deveriam ser testados antes de serem liberados para o mercado, porém, nos dias de hoje não são todas as empresas que realizam esse tipo de processo. Segundo pesquisas realizadas no Brasil, ainda são poucas as empresas que

2 instituem processos que comprovam a existência de metodologias de testes no processo de criação de software. Tendo o cenário de poucas empresas utilizando a metodologia de testes, no decorrer das próximas sessões desse trabalho será apresentado o conceito de testes, seus diferentes tipos, uma breve explicação de testes ágeis e tradicionais e uma abordagem aplicada em empresa de software que utiliza testes, demonstrando indicadores importantes para implantação deste processo. 2. Conceitos associados a Teste de Software O primeiro conceito que devemos saber antes de começar a entender o que é teste de software é as diferença entre os três termos descritos nas literaturas: defeito, erro e falha. As definições dos seguintes conceitos são: Defeito: É uma ação inconsistente cometido por algum desenvolvedor ao tentar entender uma determinada informação. Exemplo: Instrução ou comando incorreto; algo sólido no software, o defeito faz parte do produto, algo implementado no código de maneira incorreta. Erro: É a manifestação de um defeito em um software ou de alguma falha. Uma diferença entre um resultado obtido do resultado esperado. Falha: Comportamento operacional do software diferente do esperado pelo usuário. A falha é causada por diversos erros, porém, alguns erros podem nunca causar uma falha. [Neto 2012] Os conceitos de defeitos, erros e falhas no dia-a-dia são denominados bugs e encontrados em diversas formas. Sendo assim, para podermos encontrar essas inconsistências do software, precisamos saber os diferentes níveis de planejamento dos testes: Teste de Unidade: é a fase em que se testam as menores unidades de software desenvolvidas, o principal alvo desse tipo de teste são as sub-rotinas (funções e procedimentos) e os pequenos trechos de código, com objetivo de encontrar falhas e defeitos de lógica e de implementação em cada teste. Teste de Sistema: os testes são executados em condições parecidas com aquelas que um usuário utilizará no seu dia-a-dia, mesmo ambiente e com os mesmos dados de entrada que utilizaria frequentemente. Teste de Aceitação: são realizados normalmente por um grupo de usuários finais do sistema, simulam operações de rotina do sistema de modo a verificar se seu comportamento está como solicitado. Teste de Integração: tende a provocar falhas associadas às interfaces entre os módulos quando esses são integrados para construir a estrutura do software que foi estabelecido no projeto. Teste de Regressão: não corresponde a um nível de teste, mas é uma forma essencial para a redução de falhas recorrentes no produto. É a técnica que consiste em rodar uma bateria de testes a cada nova versão liberada do produto, para que tenha certeza que as novas funcionalidades implementadas, não tenham afetado outros pontos do código interligado com a nova implementação. [Neto 2012].

3 Além do planejamento, destacam-se algumas técnicas de testes importantes para o testador, contudo as técnicas podem diferenciar um pouco de acordo com o paradigma (orientado a objetos, aspectos ou estrutural) do sistema, porém, o objetivo das técnicas e dos tipos de testes não muda: sempre aumentar a qualidade do sistema e encontrar a maior quantidade possíveis de bugs. Em seguida serão citadas algumas técnicas mais utilizadas nas empresas de hoje em dia: Técnica Estrutural: Também conhecida como teste de caixa-branca, demanda conhecimento do código do produto para a implementação, pois utiliza o código fonte para simular diversos cenários. Um grafo do fluxo do caminho é associado ao software e alguns caminhos devem ser executados para que todos os critérios sejam satisfeitos [Hausen 2005], outras características que podem ser levantadas com os testes estruturais, são que: podem garantir que os maiores números de caminhos independentes de cada módulo tenham sido validados pelo menos uma vez, exercitam as decisões lógicas, podem estressar os possíveis laços e rotinas do software e também podem garantir a validade e a estrutura do armazenamento dos dados. [Lemos e Vicenzi et al. 2004] Técnica Funcional: Conhecido como Teste Caixa-Preta, este estabelece os casos de testes a partir dos requisitos funcionais do software. O principal objetivo é medir a qualidade funcional dos componentes do sistema e também que as especificações foram atendidas. O teste faz com que os usuários testem o sistema sem que tenha os códigos fonte, utilizam todos os requisitos para tentar cobrir os cenários mais recorrentes do diaa-dia, [Molinari 2003] confronta o que espera, com o que é retornado mudando os parâmetros de entradas e verificam se os parâmetros de saídas são os que realmente estão sendo esperados [Hausen 2005]. 3. Testes Tradicionais (CheckList) Antigamente os métodos tradicionais eram orientados a documentação, isso devido ao ambiente de desenvolvimento totalmente diferente do atual, onde as máquinas eram lentas e com custo elevado. Devido ao alto custo de manutenção de software era necessário planejar bem os passos antes de começar programar o projeto [Soares 2013]. Para isso a documentação e o levantamento de requisito eram fundamentais para economizar nos gastos do projeto. Contudo, nos dias atuais o método de teste tradicional está cada dia sendo menos utilizado, o paradigma mais utilizado atualmente é conhecido como metodologia de teste ágil. Entretanto, mesmo sendo menos utilizado no mercado atual o teste tradicional é de extrema importância em certas empresas para testar funcionalidades específicas ou também para a empresa economizar custos pois capacitar ou contratar um colaborador para fazer teste ágil é elevado (necessita bastante conhecimento) e mesmo depois de capacitar um novo funcionário a empresa ainda corre o risco de perder o empregado para o mercado de trabalho (outro grande problema da área de TI). A abordagem tradicional de teste é realizada em cima de muita documentação, com isso ela pode ser dividida em quatro partes: Planejamento, Projeto, Execução e Avaliação, onde cada fase existe um processo bem definido:

4 Planejamento: Fase caracterizada pela definição das propostas de testes com base nas expectativas do cliente. Devem ser considerados prazos, funcionalidades, custos e o esforço do projeto; Projeto: Os casos de testes planejados são agora projetados, fazendo casos de usos com base nos requisitos, o objetivo é a identificação dos casos que deverão ser construídos ou se a funcionalidade que o cliente pediu deve ser alterada para melhor satisfazê-lo, para ter certeza que foi realizado todos os testes os mesmo seguem um checklist. Execução: as funcionalidades estão implementadas e todos os testes que foram planejados nas fases anteriores são executados, é a fase mais importante, pois é nessa fase que os erros são encontrados. Avaliação: Os defeitos encontrados são analisados e registrados para que futuramente seja feito a alteração do mesmo [Morais e Matos 2010]. Um grande problema dessa metodologia era a dificuldade de cumprimento dos prazos, ou seja, sempre que o projeto ficava atrasado a parte de testes do software era comprometida. Sendo assim, mesmo o projeto seguindo os prazos previstos (tempo e custo) o mesmo era liberado com um déficit na qualidade, pois provavelmente estariam sendo executados com bastante pressão [Soares 2013]. 4. Testes Ágeis (Suíte de Testes) A abordagem ágil chegou junto com o Manifesto Ágil (declaração de princípios que fundamenta o desenvolvimento ágil de software), é voltado para cenários com mudanças constantes onde o tempo de resposta com o cliente deve ser mais rápido. Com a proposta de aumentar a produtividade das pessoas e diminuir o tempo em processo no desenvolvimento, foram criadas algumas metodologias dentro do desenvolvimento ágil, como Scrum, XP, Crystal, Lean. Dentro dessas propostas surgiram também os Testes Ágeis, onde foram criadas metodologias para testar o sistema de uma forma rápida e constante. Alguns nomes são bastante conhecidos: Behavior Driven Development (BDD): Serve para integrar regras e negócio com a linguagem de programação, com foco no comportamento do software, esse teste segue o modelo tradicional de implementação, onde a funcionalidade é desenvolvida e logo em seguida é criado um teste para verificar se está funcionando de acordo com o esperado [Soares 2011]. Teste Unitário: conhecido como teste de unidade, esse teste visa testar cada funcionalidade separadamente (isolar o cenário), é considerado um teste de caixa preta. É composto por métodos e classes que fazem os testes de forma automatizada. Para fazer esses testes existem bastantes ferramentas que auxiliam esse teste para diferentes linguagens, como junit (Java), dunit (Delphi), PHPUnit (PHP). Com a implementação dos testes automatizados é possível ter inúmeras vantagens, como tempo e custo. Os testes automatizados demandam mais tempo de programação, porém em longo prazo esses testes garantem que a funcionalidades continuem funcionando mesmo com novas implementações, pois não é necessária a validação manual nessas partes do sistema. Outras vantagens são: o aumento da qualidade do sistema (diminui erros e falhas); com alguns testes é possível garantir a

5 segurança dos dados e o principal: confiabilidade, pois se podem liberar produtos constantemente, não sendo necessária grande quantidade de tempo de validação antes de liberar o produto para o cliente [Função e Oliveira 2011]. 5. Aplicação de testes em uma empresa de Software Com as pesquisas descritas nas seções anteriores, pode-se entender o conceito de teste e os dois paradigmas de testes que vem sendo bastante discutido no mercado de trabalho. Para verificar melhor o conceito e poder validar quais as principais vantagens e desvantagens de cada método foi realizado um estudo em uma empresa de software na cidade de Maringá. A empresa é especializada em criação de Componentes de Software na área de Documentos Fiscais Eletrônicos, trabalha com as linguagens Delphi, NodeJs e está começando a utilizar a linguagem Java e segue a Metodologia Ágil, conhecida como Scrum (Framework utilizado para resolver problemas complexos a adaptativos, com o objetivo de entregar produtos com maior valor agregado. [Schwaber e Sutherland 2013]). A empresa possui cerca de dez produtos, todos com o objetivo de facilitar a emissão de notas fiscais eletrônica, onde o carro chefe da empresa é o Componente de Nota Fiscal Eletrônica. Para validação da teoria foi realizado um estudo durante sete meses com 16 colaboradores divididos em quatro equipes. Como a empresa trabalha com a metodologia ágil há mais de quatro anos, a mesma possui um processo bem definido. Seguindo a metodologia a empresa trabalha em Sprints (Ciclo de duração aproximadamente de um mês, no qual um produto pronto é entregue. A Sprint é composta por diversas reuniões entre os membros do time [Schwaber e Sutherland 2013]) que possui a duração equivalente a um mês, onde no final do ciclo os indicadores de cada equipe são levantados para geração do indicador do setor de desenvolvimento. A empresa trabalha com cinco macros indicadores do desenvolvimento que medem o quão produtivo o setor está sendo durante todo o tempo: Produtividade, Retrabalho, Qualidade, Processo e Ocupação. 1. Produtividade: É a quantidade de horas apontadas em tarefas que agregam valor aos produtos, funcionalidades novas e/ou melhorias. 2. Retrabalho: É a quantidade de horas apontadas em tarefas do tipo bug que são criadas por clientes ou pelos próprios colaboradores. Essa tarefa naturalmente não existiria se o funcionamento fosse correto após o seu desenvolvimento, por isso é denominado retrabalho. 3. Qualidade: É a quantidade de horas apontadas em tarefas do tipo checklist, criação de teste, automação de teste ou qualquer tipo de trabalho referente a qualidade de produto. 4. Processo: Quantidade de horas apontadas em reuniões previstas e não previstas realizadas durante a Sprint. 5. Ocupação: É a quantidade total de horas apontadas durante a sprint. Para a realização dessa pesquisa, foi observado a fundo três dos cinco indicadores descritos: Qualidade, Retrabalho e Processo.

6 Para conseguir parâmetros do indicador de qualidade foram verificados dois processos de qualidade que a empresa utiliza: o primeiro é a implementação de testes unitários, regressão ou integração como requisito do conceito de pronto da estória. O processo funciona da seguinte maneira: para cada atividade que o desenvolvedor finaliza, o mesmo deve estar com pelo menos um teste automatizado de falha ou ideal (independente do tipo do teste) escrito para aprovação do cenário da estória (requisitos mínimos para aceitação da estória pelo product owner). Com os testes escritos é possível observar se os requisitos ainda estavam funcionando mesmo com novas implementações. O segundo, é que todos os testes eram executados antes da release (é a entrega final de uma versão de um produto) ser liberada. Esse ciclo de atividades se encaixa no paradigma de testes ágeis automatizados, onde são possíveis realizar testes com maior velocidade e com diversos tipos de cenários, como: estressar servidores, utilizar processamento multi-threads, entre outros que com apenas testes manuais não seria possível testar. Mesmo com os testes automatizados, os tradicionais ainda eram indispensáveis para garantir a qualidade dos produtos da empresa. Com isso, antes de liberarem o produto para a parte de consultoria técnica, além da execução da suíte de testes também era necessário a execução do checklist de Validação. Este artefato consiste em uma listagem contendo o que o testador/desenvolvedor deveria fazer e também o que o mesmo deveria esperar acontecer ao executar aquela determinada funcionalidade (Veja na figura 1). Os principais itens desta listagem eram referentes ao cenário de bugs encontrados nos clientes, pois era necessário uma atenção redobrada para estes tipos de cenários, visto que se ocorresse novamente o mesmo problema, o usuário ficaria mais decepcionado.

7 Figura 1 - Checklist utilizado para validação de um dos produtos Os indicadores para o desenvolvimento é de acordo com a quantidade de horas apontadas no tipo da tarefa, a tarefa era classificada em: estória, bug, ação, riscos, checklist e teste. As horas apontadas em checklist e Testes eram convertidas em Qualidade, as horas apontadas em bug eram contabilizadas como retrabalho, as horas apontadas em estórias eram denominadas produtividade e as horas apontadas nos outros tipos eram contadas como processo. 6. Resultado Após os sete meses de coleta de dados no ambiente de desenvolvimento da empresa chegaram aos indicadores da tabela 1:

8 Tabela 1. Indicadores coletados durante o período de Marco à Setembro Os indicadores acima foram levantados depois de pesquisas realizadas pela diretoria, com o intuito de medir quanto o setor de desenvolvimento é produtivo e qual a porcentagem de qualidade que a empresa está trabalhando. Estes números levam a empresa a observar se realmente está seguindo na direção correta em relação a missão e a visão. A grande frase utilizada pelos responsáveis do setor de desenvolvimento para sempre manter a qualidade acima dos 10% (quantidade de horas gastas por todos os colaborados em relação a total de horas trabalhadas no mês) é que prazos e escopos são negociáveis, porém nunca a qualidade. Para a obtenção desses dados foi utilizado o apontamento de horas de todos os colaboradores durante o período integral de trabalho. A carga horária é de 44 horas semanais, sendo trabalhadas oito horas e quarenta e oito minutos por dia. Para os indicadores a coleta de dados é utilizado o apontamento de horas ideal de implementação. A hora ideal de implementação é o resultado das horas trabalhadas diárias subtraindo um determinado tempo. O tempo eliminado são as horas de descanso do funcionário, como: café, banheiro e atividades extras que a empresa disponibiliza. Então, com isso foi realizado o levantamento utilizando oito horas como sendo o ideal da empresa. Para cada atividade realizada pelo funcionário, o mesmo tinha a obrigação de apontar as horas na atividade, selecionar o tipo da atividade e descrever o que tinha sido realizado durante aquele tempo, com esses apontamentos foi possível levantar os números de cada mês. Pode perceber que os números da ocupação (total de horas trabalhadas no mês) em nenhum mês atingiram ao ideal. O fato de que o 100% é no cenário em que todos os funcionários trabalhem suas oito horas diárias todos os dias que foram planejados, sem que haja nenhuma falta ou contratempo durante este período, contudo, todos nós sabemos que é difícil esse número ser correto, pois no nosso dia-a-dia sempre acontecem imprevistos, sendo assim, a empresa calcula 100% como ideal, mas trabalha com uma margem de 5% para baixo para o índice de ocupação. Outro fato importante na tabela é que se somar os quatro primeiros indicadores (produtividade, retrabalho, qualidade e processo) não chegamos a 100%, pois os gerentes também armazenam um indicador que para este trabalho não é interessante, o indicador de interferência que demonstra o quanto de horas que a equipe de desenvolvimento perde verificando problemas com clientes junto com o setor de suporte técnico.

9 Visto os fatos importantes na tabela podemos destacar que a análise foi feita em cima dos indicadores macro da empresa, onde com eles podemos prever e planejar com maior chance de acerto os próximos meses. Os indicadores de retrabalho e produtividade são os que mais importam para a empresa, a produtividade que é o que a empresa está produzindo de novo para os clientes e o retrabalho é a quantidade de horas que está sendo perdida arrumando funcionalidades que já deveriam estar funcionando corretamente (e também o descontentamento de clientes). Com a verificação dos dados, podemos perceber que a taxa de retrabalho foi sempre abaixo de 10% (taxa de qualidade acima de 8%) isso devido ao processo de implementação de testes e validação do pacote que acontece na empresa. A validação do pacote ocorre da forma tradicional onde os desenvolvedores seguem um checklist para verificar praticamente todos os pontos críticos onde já foram encontrados problemas em clientes. Uma grande desvantagem desse método é o tempo de validação que é gasto, pois metade dos testes poderiam estar automatizadas, porém ainda não houve uma ação para refatorar o checklist e transformar em testes unitários. Entretanto, esmo com alguns pontos que ainda não podem ser testados automaticamente, os produtos da empresa possuem uma ampla gama de testes automatizados que sempre são executados no decorrer do mês. Com esses testes é possível prever muitas áreas do sistema que poderiam ser afetado com as novas modificações. Esses números também indicam uma grande falha que aconteceu durante o período. Se observarmos os meses de Junho, Julho e Agosto perceberam que a taxa de retrabalho a porcentagem foi bem abaixo se comparado com os outros meses, com isso, em consequência, verificamos que no mês seguinte o número de bugs foi a maior do período. Com esse valor diferente de falhas, o grande aprendizado levantado pelo gerente de projeto é que as vezes a alta produtividade não é tão vantajosa, pois caso o produto não esteja sendo implementado com a qualidade esperada, é certo que aparecerá maior números de erros. O número de produtividade foi elevado devido o começo da implementação de um novo produto na empresa, aumentando a taxa de produtividade em contra partida diminuindo a taxa de qualidade e com isso tendo como resultado o aumento do número de horas realizadas em retrabalho. O número de processo é um indicador que também chama a atenção, pois se percebe que foi decaindo a cada mês que foi passando, isso se leva ao fato da implementação da funcionalidade de integração continua (É um método utilizado para assegurar que o produto está sempre funcionando (compilando), cada vez que é incrementado um novo trecho de código [Teles 2004]) implementada na empresa para melhorar o índice também de qualidade. O tempo de espera na geração de uma release para ser testada era apontada em processo, com a integração continua implementada, não havia a necessidade de esperar tanto tempo antes de começar a passar os checklists, pois sempre que fosse validar uma tarefa ou até mesmo a release para os clientes, o mesmo já estaria pronta. No último mês onde o número de processo foi abaixo aconteceu que o processo de geração de builds já estava rodando e não era necessário mais a alta quantidade de horas em reuniões para definir como seria o processo. 7. Conclusão

10 Após a realização do trabalho, pode-se perceber que a atividade de teste de software é um dos fatores principais para que o produto obtenha sucesso no mercado. Os testes devem estar presentes no dia-a-dia de uma empresa desenvolvedora de software, independente da metodologia de testes citada. O ideal é que obtenha o maior indicador de qualidade possível, pois isso traz diversos benefícios. Mesmo que o tempo de implementação de uma funcionalidade seja maior, o ideal é que esse tempo tenha sido planejado para que o produto saia conforme o pedido do cliente, e que o produto não fique gerando grande quantidade de manutenções, pois esses gastos de manutenções poderiam ser convertidos em novas funcionalidades caso fossem realizado da melhor maneira no primeiro momento. No cenários empresarial percebe-se que a aplicação de testes não é uma tarefa fácil, pois existem cenários que dependem de fatores externos complicando o sucesso constante de todos os testes. Na empresa um fator que dificuldade bastante essa atividade é a dependência do servidor do governo. Com essa pesquisa pode-se perceber que nem sempre as horas gastas em implementação e produtividade são vantajosas. A implementação com maior tempo, porém com mais testes também é importante, pois o custo do software no espaço de tempo maior compensa o gasto realizado em horas de testes. 8. Bibliografia NETO, A.C.D. (2012) Verificação, Validação e Teste, Engenharia de Software Magazine - Introdução a Teste de Software, Edição 01, p.54 a 59. HAUSEN, A. C (2005). ValiMPI: Uma ferramenta de Teste Estrutural para Programas Paralelos em Ambiente de Passagem de Mensagem. Disponível em: equence=1 MOLINARI, L. (2003). Teste de Software. Produzindo Sistemas Melhores e MAis Confiáveis. São Paulo, 1. ed. LEMOS, O. A. L; VINCENZI, A. M. R et al. (2004) Teste de Unidade de Programas Orientados a Aspectos. 18º Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software. TELES, V. M. (2004). Extreme Programming: Aprenda como encantar seus usuários desenvolvendo software com agilidade e alta qualidade. Editora Novatec. p SCHWABER, K.; SUTHERLAND, J. (2013). The Scrum Guide - The Definitive Guide to Scrum: The Rules of the Game. Improving the Profession os Software Development. MORAIS, L; MATOS, R. (2010). Transição de Testes Tradicionais para Ágeis: Uma Experiência Prática. Disponível em: SOARES, I. (2011). Desenvolvimento orientado por comportamento (BDD). Java Magazine 91. Disponível em: FUNÇÃO, C.D.; OLIVEIRA D. A. (2011). Teste de Software: Desmembramento do Desenvolvimento. Paz e Bem! Tópico Especial: O papel do Psicopedagogo, Vol. 2,

11 Nº 1. Disponível em: SOARES, M. S. Comparação entre Metodologias Ágeis e Tradicionais para o Desenvolvimento de Software. Unipac - Universidade Presidente Antônio Calors. Visualizada em 2013.

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 01 INTRODUÇÃO A TESTES DE SOFTWARE Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático do Curso Introdução a Testes de Software Técnicas de Testes de Software

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO Robson L. Nascimento 1, Késsia R. C. Marchi¹ 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil robsonluisn@yahoo.com.br,

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Renan Leme Nazário, Ricardo Rufino Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil renazariorln@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson QUALIDADE Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software - SBQS Instituto Nokia de Tecnologia Unit Test Sucess Bug INdT Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua

Leia mais

Professor: Curso: Disciplina:

Professor: Curso: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Aula 1 Turma: Esp. Marcos Morais de Sousa Sistemas de informação Engenharia de Software I Dinâmica da disciplina, plano de curso e avaliação 03º semestre Prof. Esp. Marcos

Leia mais

EXIN Agile Scrum Fundamentos

EXIN Agile Scrum Fundamentos Exame Simulado EXIN Agile Scrum Fundamentos Edição Fevereiro 2015 Copyright 2015 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 23/04/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA Jeferson Boesing 1 ; Tiago Heineck 2 ; Angela Maria Crotti da Rosa 3 ; Leila Lisiane Rossi 4 INTRODUÇÃO Alunos

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software

Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Curso de Verão Centro de Competência em Software Livre Departamento de Ciência da Computação - IME / USP Realização: AgilCoop Verão Ágil 2010 Copyleft

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA Autores : Jeferson BOESING; Tiago HEINECK; Angela Maria Crotti da ROSA; Leila Lisiane ROSSI Identificação

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 11 Tema: Como desenvolver e

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

TESTES AUTOMATIZADOS COM JUNITE MOCKITO

TESTES AUTOMATIZADOS COM JUNITE MOCKITO TESTES AUTOMATIZADOS COM JUNITE MOCKITO Jaime William Dias 12, Dener Barranco 1, Douglas Delapria 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) 2 Universidade Estadual de Maringá (UEM) Paranavaí PR Brasil dener_barranco@hotmail.com,

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Rodrigo Tito Nova CS Informática Cristiano Oliveira ConsultCAD É sabido por todos que hoje, o processo de desenvolvimento do produto

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO MP1 DATA 05/03/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo

Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo Franklin Xavier Klabin, São Paulo, SP/Brasil. Used with permission. Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo Geral Executiva Nome da Portnet Informática Equipamentos Indústria

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

Prof. Me. Marcos Echevarria

Prof. Me. Marcos Echevarria Prof. Me. Marcos Echevarria Nas décadas de 80 e 90 a visão geral sobre a melhor maneira de desenvolver software era seguir um cuidadoso planejamento para garantir uma boa qualidade; Esse cenário era aplicável

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM Peterson Vieira Salme 1, Claudete Werner 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil petersonsalme@gmail.com, claudete@unipar.br

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Um case de sucesso em equipe ágil, dedicada e remota com evolução adaptativa e gradativa do Scrum.

Um case de sucesso em equipe ágil, dedicada e remota com evolução adaptativa e gradativa do Scrum. Um case de sucesso em equipe ágil, dedicada e remota com evolução adaptativa e gradativa do Scrum. José Eduardo Ribeiro Gerente de Projetos (Scrum Master) jose.eduardo@s2it.com.br Bruno Darcolitto Analista

Leia mais

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS O termo metodologia não possui uma definição amplamente aceita, sendo entendido na maioria das vezes como um conjunto de passos e procedimentos que

Leia mais

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM -

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - André Roberto Ortoncelli ar_ortoncelli@hotmail.com 2010 Organização da Apresentação Introdução as Metodologias Ágeis Scrum Conceitos Básicos Artefatos Papeis Cerimônias Estórias

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

extreme Digital Television (XDTv): um método Ágil para o Desenvolvimento de Aplicações para TV Digital.

extreme Digital Television (XDTv): um método Ágil para o Desenvolvimento de Aplicações para TV Digital. APÊNDICES A seguir são exibidos os documentos, formulários e questionários que contribuíram para a elaboração da tese, denominada: XDTv: um método Ágil para o Desenvolvimento de Aplicações para TV Digital.

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

Java Programação para Fábrica de Software. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br

Java Programação para Fábrica de Software. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br Java Programação para Fábrica de Software Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br Quem É o Lozano? Atua há mais de 15 anos em TI Consultoria para Amsterdam Sauer, Banco Bovorantim, Bob's,

Leia mais

A Evolução de XP segundo Kent Beck Parte 2

A Evolução de XP segundo Kent Beck Parte 2 A Evolução de XP segundo Kent Beck Parte 2 O que mudou nesses 5 anos? Danilo Toshiaki Sato dtsato@ime.usp.br Agenda PARTE 1 1. Introdução 2. O que é XP? 3. O que mudou em XP? Valores, Princípios e Práticas

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Uma retrospectiva sobre a utilização do Scrum em uma empresa pública: o que funcionou e o que precisa melhorar. Luiz Carlos L. S.

Uma retrospectiva sobre a utilização do Scrum em uma empresa pública: o que funcionou e o que precisa melhorar. Luiz Carlos L. S. Uma retrospectiva sobre a utilização do Scrum em uma empresa pública: o que funcionou e o que precisa melhorar Luiz Carlos L. S. Junior Colocar o Scrum para rodar em aproximadamente 15 projetos de TI Prazo:

Leia mais

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software O curso vai propiciar que você seja um especialista para atua atuar na área de Arquitetura de Software em diferentes organizações, estando apto a:

Leia mais

Sobre a Prime Control

Sobre a Prime Control Sobre a Prime Control A Prime Control é um Centro de Excelência em Qualidade de Software. Nossa missão é desenvolver, aperfeiçoar e realizar serviços de testes de software inovadores que agregam valor

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

Programação Orientada a Testes Rodrigo Rebouças de Almeida

Programação Orientada a Testes Rodrigo Rebouças de Almeida Programação Orientada a Testes Rodrigo Rebouças de Almeida http://rodrigor.com rodrigor@rodrigor.com Agenda Nossos objetivos hoje: Entender o que é programação orientada a testes Entender a sua função

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA O GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE UTILIZANDO METODOLOGIAS ÁGEIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Construção 2 VISÃO GERAL Fase Construção. Visão Geral 3

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Informática Industrial CST em Mecatrônica Industrial A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

Ferramenta para gestão ágil

Ferramenta para gestão ágil Ferramenta para gestão ágil de projetos de software Robson Ricardo Giacomozzi Orientador: Everaldo Artur Grahl Agenda Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Resultados e discussões

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB 18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB Autor(es) HARLEI MIGUEL DE ARRUDA LEITE Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

7 Mudanças Realizadas

7 Mudanças Realizadas 7 Mudanças Realizadas Este capítulo tem o objetivo de detalhar as mudanças realizadas no ambiente de trabalho da equipe estudada. Ele cita as alterações no produto de software utilizado pela equipe, que

Leia mais

Expresso Livre Módulo de Projetos Ágeis

Expresso Livre Módulo de Projetos Ágeis Expresso Livre Módulo de Projetos Ágeis Desenvolvedor / Orientador Rafael Raymundo da Silva Guilherme Lacerda Out / 2010 1 Sumário 1.Conhecendo a ferramenta...3 2.Gerência de projetos ágeis...3 2.1Product

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 5 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 5-05/05/2006 1 Dúvidas da aula passada RUP (Rational Unified Process) é uma ferramenta ou um processo? Resposta: os dois. O

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Karla Pires de Souza (FPM ) karlapsouza@hotmail.com Angelita Moutin Segoria Gasparotto (FPM ) angelita@usp.br A atividade de teste de

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Software

Gerenciamento de Projetos de Software Gerenciamento de Projetos de Software Framework Ágil, Scrum Prof. Júlio Cesar da Silva Msc. 2º Encontro Ementa & Atividades Aula 1: Fundamentos do Gerenciamento de Projetos (p. 4) 30/abr (VISTO) Aula 2:

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída DCC / ICEx / UFMG Testes de Software Testes de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Teste de software buscam por erros ou anomalias em requisitos funcionais e não funcionais Classificação

Leia mais

Simular de Financiamento

Simular de Financiamento Simular de Financiamento Versão: PI001 1. Objetivo deste documento Este documento tem como objetivo autorizar formalmente o início de um projeto e contém informações necessárias para o entendimento do

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 2 INTRODUÇÃO A cada dia que passa, cresce a pressão pela liberação para uso de novas tecnologias disponibilizadas pela área de TI, sob o argumento

Leia mais

Teste de Software: Um Breve Estudo do Importante Processo no Desenvolvimento de Softwares

Teste de Software: Um Breve Estudo do Importante Processo no Desenvolvimento de Softwares Teste de Software: Um Breve Estudo do Importante Processo no Desenvolvimento de Softwares André Assis Lôbo de Oliveira Francisco Guerra Fernandes Júnior Faculdades Alves Faria, 74445190, Brasil andrelobin@hotmail.com,

Leia mais

Wesley Torres Galindo

Wesley Torres Galindo Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com User Story To Do Doing Done O que é? Como Surgiu? Estrutura Apresentar

Leia mais

Software para especificação de motores de indução trifásicos

Software para especificação de motores de indução trifásicos Instituto Federal Sul-riograndense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Software para especificação de motores de indução trifásicos Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Neves

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 01 Processo de Desenvolvimento de Software Edirlei Soares de Lima Processo de Software O processo de software consiste em um conjunto estruturado

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS. Lílian Simão Oliveira

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS. Lílian Simão Oliveira LEVANTAMENTO DE REQUISITOS Lílian Simão Oliveira Níveis de erros Fonte: imaster.com um software São as características e funcionalidades que um software tem Engenharia de Requisitos O que é? Quem faz?

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais