Tribunal de Justiça de Pernambuco. Diretoria de Informática. Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tribunal de Justiça de Pernambuco. Diretoria de Informática. Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados"

Transcrição

1 Tribunal de Justiça de Pernambuco Diretoria de Informática Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados

2 Guia de Utilização Mantis Histórico de Alterações Data Versão Descrição Autor Aprovado Por 02/09/ Criação do documento. Jeane Mendes 18/09/ Atualização do documento com Jeane Mendes necessidades de alteração de André Poroca e Cristiano. 23/09/ Alteração no detalhamento da máquina de estados inserindo Jeane Mendes / Arthur Henriques informações relevantes. 03/10/ Atualização do documento para contemplar a interação entre Laísa Nascimento / Arthur Henriques GEDES e UGBD. Alterações na estrutura da seção que apresenta o detalhamento da máquina de estados. 19/12/ Atualização das Seções 2.2 e 2.3, Laísa Nascimento acrescentando detalhes acerca do registro de informações quando o software é liberado pela UES para homologação. 26/01/ Atualização do documento para Laísa Nascimento atender as mudanças referentes à nova máquina de estados. 10/02/ Atualização do documento para Laísa Nascimento atender a mudança dos nomes dos estados. Os nomes dos estados da máquina foram alterados para que a nova máquina contemple as ocorrências já existentes, que seguiam a máquina da versão deste documento. A nova máquina também foi simplificada com relação à máquina da versão desse documento. 11/03/ Atualização do documento Laísa Nascimento Página 2 de 22

3 Guia de Utilização Mantis acrescentando texto explicativo sobre a mudança de estado quando o analista encontra problemas durante a homologação 04/05/ Alterações nas Seções 1.0 e 2.1. Laísa Nascimento Criação da Seção /05/ Alteração nas Seções 2.2 e 2.4. Juliana Xavier 08/05/ Alteração na seção 2.4 Melhoria e Arthur Henriques campo Descrição Índice de tabelas e descrição da tabela 1 19/05/ Alteração do da Unidade de Arthur Henriques Qualidade de Desenvolvimento na pág /05/ Alteração da Seção 2.3. Inclusão de Laísa Nascimento texto explicativo acerca do procedimento de solicitação de serviços à GEPROD. 01/06/ Substituição em todo o texto dos Arthur Henriques Versão não publicada termos caso e ocorrência por solicitação. Substituição em todo o texto do termo...colocando como responsável... por... a solicitação é atribuída a.... Reestruturação da seção 2.5 Categorias e estruturas de texto requeridas para abertura de solicitação. 10/06/ Criação da Seção 2.2 Laísa Nascimento 23/07/ Inclusão do estado REJEITADO na máquina de estados e seus relacionamentos com os demais estados. Atualização dos diagramas. Retirada do diagrama de sequência (figura 2). Atualização da seção 2.4 Arthur Página 3 de 22

4 Guia de Utilização Mantis 3/08/ Alteração Seção 2.4 Fluxo de Arthur estados alternativo adotado na interação com as demais gerências. Nova máquina de estados para interação UES/UGBD 11/11/ Atualização da nova máquina de Juliana Xavier estados para interação UES/UGBD. 24/11/ Atualização do fluxo de implantação Juliana Xavier após a sua validação junto à UGBD e UGAPL.. 07/01/ Atualização do fluxo de implantação Juliana Xavier após a apresentação aos Analistas de Negócio. Exclusão das seções 2.4 e /01/ Alterar a seção para tornar o Juliana Xavier campo Critérios de Aceitação opcional. 05/02/ Alteração da máquina de estados de Juliana Xavier solicitação de mudança e de implantação do sistema. 11/02/ Alteração do responsável por colocar as solicitações filha em produção (seção 2.4). Juliana Xavier 26/03/ Detalhamento de procedimentos Gustavo Carvalho realizados durante o uso do fluxo de estados adotado na GEDES e alteração da estrutura de texto padrão. 09/04/ Alterando o texto para deixar claro Gustavo Carvalho que a estrutura padrão deve ser inserida no campo Descrição do Mantis. 20/05/ Inclusão da máquina de estados de Gustavo Carvalho erros para fábricas externas. 21/06/ Alteração na seção 2.5. Juliana Xavier Ana Luisa 02/08/ Alteração da seção para Juliana Xavier Página 4 de 22

5 Guia de Utilização Mantis tornar o campo Impacto obrigatório. 02/09/ Alteração da seção 2.3 para indicar a quem deve ser atribuída a solicitação homologada pelo Analista. 01/10/ Alteração da seção 2.3 para incluir o procedimento de verificação do sistema em produção pelo Analista de Negócio. Juliana Xavier Juliana Xavier Página 5 de 22

6 Guia de Utilização Mantis Índice 1.1 Público alvo Convenções, termos e abreviações Acesso ao sistema Organização dos Projetos Fluxo de estados adotado na GEDES Fluxo de estados para implantação de sistemas Fluxo de estados para correção de erros por Fábricas Externas Categorias e estruturas de texto requeridas para abertura de solicitação Na interação entre UN e Fábrica de Software Categorias Estrutura de texto padrão...21 Página 6 de 22

7 Índice de Figuras Figura 1 Fluxo da Solicitação de Mudança...12 Figura 2 Fluxo de Implantação do Sistema...15 Figura 3 Fluxo de Solicitação de Correção de Erros para Fábricas Externas...19 Índice de Tabelas Tabela 1 - Requisitos para preenchimento de abertura de casos de UN para Fábrica de Software...19

8 1 Introdução Este documento compreende as informações pertinentes ao detalhamento da forma de utilização do sistema Mantis pela Gerência de Desenvolvimento do Tribunal de Justiça de Pernambuco. A Seção 2 compreende: acesso ao sistema, organização de projetos, fluxos de estados, categorias e estruturas de texto padronizadas. As Seções 2.3 e 2.4 descrevem os estados existentes e o fluxo entre eles. O foco da Seção 2.5 está nas informações que devem ser relatadas ao se criar uma solicitação. 1.1 Público alvo Este documento destina-se a todos os trabalhadores envolvidos em projetos desenvolvidos pela GEDES e interessados em geral. 1.2 Convenções, termos e abreviações Esta seção explica o conceito de alguns termos importantes que serão mencionados no decorrer do documento. Estes termos são descritos na tabela a seguir, estando apresentados por ordem alfabética. Convenções, termos e abreviações. Termo Descrição DINFO GEDES GEPROD Scrum Sprint TJPE UES UGAPL UGCPD UGBD UN UTS Diretoria de Informática Gerência de Desenvolvimento do TJPE Gerência de Produção do TJPE Metodologia ágil para gerenciamento de projetos Iteração que segue o ciclo PDCA (Plan Do Check Act) e entrega incremento de software pronto Tribunal de Justiça de Pernambuco Unidade de Engenharia de Software Unidade de Gerenciamento de Aplicações Unidade de Gerenciamento do CPD Unidade de Gerenciamento de Banco de Dados Unidade de Negócio Unidade de Testes de Software

9 Termo Descrição 2 Mantis A solução Mantis Bug Tracker é originalmente um sistema responsável pela gerência de bugs em sistemas, organizando-os em categorias, clientes, entre outras características. Seu uso foi estendido para se tornar um gerenciador de solicitações em projetos e, portanto, serve como um centralizador de solicitações relacionadas ao desenvolvimento de sistemas pela Gerência de Desenvolvimento do Tribunal de Justiça de Pernambuco em seus diversos projetos. 2.1 Acesso ao sistema Para que o usuário possa acessar o Mantis e seus sistemas contidos, ele precisa estar previamente cadastrado. O cadastramento é realizado preferencialmente pelo chefe da unidade onde o novo usuário está alocado. Caso o chefe não use o Mantis ou não tenha perfil de Gerente no mesmo, a solicitação de criação de conta pode ser realizada via à Unidade de Gerenciamento de Aplicações Na solicitação de cadastramento deve ser informado o e o nome do usuário, além dos sistemas aos quais o usuário deve ter acesso. A utilização do sistema deve ser feita acessando o endereço onde devem ser informados o login e a senha do usuário pré-cadastrado. 2.2 Organização dos Projetos O Mantis está organizado por Projetos. Cada projeto está associado a uma unidade/sistema e tem como participantes as pessoas envolvidas no projeto: analistas, desenvolvedores, clientes. A criação de um projeto é responsabilidade do gerente do projeto, que deve ter os seguintes cuidados no momento da criação: 1. Identificar o local de criação. Um projeto pode estar na raiz ou ser subprojeto de um projeto já existente. O criador deve ficar atento para o local correto de criação do sistema, pois deve respeitar a estrutura já existente (descrita mais adiante). 2. Verificar se o projeto está privado. Caso seja criado como público, todos os usuários do Mantis terão acesso ao projeto. 3. Inserir os participantes. Ao ser criado, um projeto não tem participantes. É necessário que o o criador inclua todos os usuários do Mantis que participarão do projeto, caso contrário, eles não visualizarão e conseqüentemente não acessarão o projeto. Cada participante deve

10 ser adicionado com o perfil adequado. Idealmente, um projeto deve ter apenas um participante com o perfil de gerente. 4. Inserir as categorias. Toda solicitação Mantis requer uma categoria associada (ver Seção ). Ao criar um projeto, é necessário inserir as categorias que farão parte do projeto. Caso não sejam inseridas, alguns participantes (dependendo do perfil de usuário no projeto) não conseguirão abrir uma solicitação, visto que a categoria é um campo obrigatório na abertura de uma solicitação. Cada unidade possui seu projeto e respectivos subprojetos. A necessidade de um novo projeto deve ser avaliada/autorizada pelo chefe da unidade e a criação realizada por algum membro (chefe ou não) da unidade que possua perfil de gerente no Mantis. Cada unidade de negócio e a unidade de engenharia de software têm subprojetos que devem ser utilizados conforme a necessidade de cada uma.

11 2.3 Fluxo de estados para Solicitações de Mudança Esta seção apresenta o fluxo de estados seguido por cada solicitação de criação ou melhoria dos sistemas que estão sob responsabilidade da Gerência de Desenvolvimento do Tribunal de Justiça de Pernambuco. O ciclo de vida de uma solicitação segue os estados presentes no fluxo. No Mantis, para cada estado (ou Status) em que se encontra a solicitação haverá um responsável (campo atribuído a ) que garantirá que as atividades associadas àquele estado serão realizadas. A Figura 1 apresenta o fluxo de estados definido. Uma solicitação deve ser criada no Mantis (Opção Relatar Caso) a partir de uma demanda para criação de um novo sistema ou por necessidade de melhoria em um sistema já existente. A solicitação é então associada ao projeto da unidade de destino ao qual está relacionada 1. O estado inicial da solicitação de mudança é EM ANÁLISE. Enquanto o analista responsável estiver avaliando a solicitação e elaborando a documentação necessária, a solicitação continua no estado EM ANÁLISE. Ao finalizar as atividades de análise, o analista atribui a solicitação para a Fábrica de Software e altera o seu estado para A EXECUTAR. Caso a Fábrica de Software/TIME SCRUM detecte que as declarações na abertura do caso não são satisfatórias, modifica o estado para REJEITADO, encaminha de volta a solicitação com a justificativa da rejeição para o analista responsável e aguarda nova atribuição para a Fábrica de Software. Enquanto o analista estiver fazendo as devidas modificações na especificação, a solicitação ficará no estado EM ANÁLISE. Após o término da análise, o analista modifica o estado da solicitação para A EXECUTAR e a encaminha de volta para a Fábrica de Software. Ao iniciar o projeto ou a sprint, o TIME SCRUM que ficar responsável pela resolução da solicitação altera o seu estado para EM EXECUÇÃO e atribui ao time a solicitação. Quando o TIME SCRUM concluir as atividades relacionadas à solicitação inicial, deverá atribuir o caso para a UTS ou UN, dependendo se a solicitação será testada pela Equipe de Testes. Caso a Equipe de Testes esteja participando da sprint, o responsável pela sprint ou projeto deverá atribuir o caso para a UTS, mas não muda o seu estado, ou seja, a solicitação permanece EM EXECUÇÃO. Ao iniciar os testes, a UTS deve colocar a solicitação para o estado EM TESTES. Caso sejam encontrados erros durante os testes, e este for diretamente relacionado ao caso testado, a UTS modifica o estado para REJEITADO e encaminha de volta a solicitação à Fábrica de Software. Se o erro encontrado não for diretamente relacionado ao caso testado, a UTS deve criar um novo caso no Mantis que descreve o erro encontrado. Em seguida, a UTS deve atribuir este novo caso ao analista de negócio da UN responsável. Este novo caso entrará na priorização do analista e, possivelmente, entrará no escopo da próxima sprint. Caso o erro seja crítico (impeditivo) e se o time de desenvolvimento tiver como corrigi-lo dentro do prazo da sprint (ou 1 O projeto relacionado está entre os projetos existentes na unidade a qual se destina a solicitação.

12 por alguma folga natural ou por retirar outros casos do escopo), o caso criado poderá entrar ainda no escopo da sprint corrente. Após a correção dos erros encontrados pela UTS, o seguinte procedimento deve ser adotado: o TIME SCRUM deve atribuir de novo o caso corrigido para a UTS, caso ainda se esteja dentro do período de desenvolvimento da sprint, para que esta valide a correção. Caso já esteja em tempo de liberar para homologação, a correção deve ser diretamente atribuída para a UN e ter o seu estado modificado para LIBERADO PARA HOMOLOGAÇÃO. Para os que não forem encontrados erros, a UTS deve atribuir o caso para a Gerência de Configuração. A partir daí, a Gerência de Configuração prepara o ambiente de homologação, atribui o caso para a UN e muda o estado da solicitação para LIBERADO PARA HOMOLOGAÇÃO. Caso a Equipe de Testes não esteja participando da sprint, o responsável pela sprint ou projeto atribui a solicitação para a UN e muda o estado da solicitação para LIBERADO PARA HOMOLOGAÇÃO.

13 Figura 1 Fluxo da Solicitação de Mudança Ao receber a solicitação no estado LIBERADO PARA HOMOLOGAÇÃO, o Analista de Negócio inicia a homologação e altera o estado do caso para EM HOMOLOGAÇÃO. Caso sejam encontrados erros durante a homologação, o analista responsável modifica o estado para REJEITADO e encaminha de volta a solicitação à Unidade de Engenharia de Software responsável. Na Unidade de Engenharia de Software será avaliada a atividade necessária para a correção e a solicitação poderá ter o estado modificado para EM EXECUÇÃO. Após as atividades de correção, o responsável pelo projeto ou sprint atribui a solicitação para a UN e muda o estado da solicitação para LIBERADO PARA HOMOLOGAÇÃO. Ao finalizar as atividades de homologação, o analista promoverá o estado para HOMOLOGADO. Caso não seja o momento de colocar a solicitação em produção, ela deve continuar atribuída ao Analista de Negócio. Quando chegar o momento da solicitação ir para Produção, a mesma deve ser atribuída à Gerência de Configuração. A partir daí, a Gerência de Configuração cria uma nova solicitação de mudança para implantação seguindo o fluxo descrito na seção 2.4. Se erros forem detectados em casos já homologados, mas que ainda não entraram em produção, devese atribuir o caso para a Unidade de Engenharia de Software responsável e mudar o estado deste para REJEITADO. Se este caso fizer parte do escopo da sprint corrente, o time deverá tentar corrigir o erro ainda na mesma sprint. Contudo, se o caso não fizer parte do escopo da sprint corrente, três situações podem ocorrer: (a) o time tenta corrigir o erro ainda na sprint corrente porque há folga; (b) negocia-se a saída de outros casos para tentar corrigir o erro ainda na sprint corrente; (c) a correção do erro fica para sprints futuras. Depois que o sistema tiver sido colocado em produção, a Gerência de Configuração atribui a solicitação de mudança novamente para o Analista de Negócio no estado EM PRODUÇÃO. O Analista de Negócio, por sua vez, deve verificar se realmente o sistema modificado está funcionando corretamente em produção. Em caso positivo, o Analista deve atribuir a solicitação para o usuário null e adicionar uma anotação ao caso do

14 mantis informando que essa verificação foi realizada. Caso o Analista encontre algum problema no sistema em produção, deve colocar a solicitação no estado REJEITADO e atribuí-la novamente à Unidade de Engenharia de Software responsável. Estado IMPEDIMENTO O estado de impedimento pode ser utilizado em vários momentos durante o ciclo de vida da solicitação. Ele indica que existe algum impedimento que está impossibilitando o andamento das atividades. O impedimento pode ser de dois tipos: Impedimento Interno: Indica algum obstáculo na resolução da solicitação que independe da intervenção de outras unidades. Não provoca mudança de atribuição da solicitação, e o motivo do impedimento deverá ficar descrito como anotação. Por exemplo: agendamento de reuniões internas, dependências com outras atividades, erros de configuração de ambiente e/ ou componentes, etc. Impedimento Externo: Indica algum obstáculo na resolução da solicitação que depende da intervenção de outras unidades. Não provoca mudança de atribuição da solicitação e o motivo do impedimento deverá ficar descrito como anotação. Por exemplo: agendamento de reuniões com os usuários, esclarecimento de requisitos, restrições de acesso, etc. Os dois tipos de impedimento são representados pelo estado IMPEDIMENTO. Estado REJEITADO O estado REJEITADO poderá ser utilizado: Quando não houver subsídios satisfatórios na solicitação para a implementação da solução ou quando a especificação da solicitação não se encontrar plenamente compreensível; Quando houver necessidade de correção no sistema detectada durante a homologação; Quando for necessário reabrir uma solicitação que já estava homologada. Em todos os casos deverá ser feita a justificativa da rejeição no campo Anotação do caso Mantis. Os casos rejeitados deverão ser atribuídos ao responsável pela resolução do problema identificado. Quando a rejeição for resultante de uma decisão gerencial, a solicitação será atribuída ao gestor do sistema que decidirá sobre a solução.

15 2.4 Fluxo de estados para implantação de sistemas Sistema WEB Quando um sistema WEB estiver pronto para ser posto em produção, a Gerência de Configuração cria uma solicitação (Opção Relatar Caso) para implantação do sistema. Nesse momento, a solicitação ficará no estado GERAÇÃO RELEASE. A Gerência de Configuração analisa o caso e, se houver alguma inconsistência, a solicitação deverá ser rejeitada (estado: REJEITADO). Quando a equipe resolver as pendências identificadas, o responsável pelo projeto deve retornar o caso para o estado GERAÇÃO RELEASE e atribuí-lo novamente à Gerência de Configuração. O caso continuará nesse estado até que o pacote esteja pronto para a produção e possa ser remetido para a unidade responsável. Caso haja necessidade de alteração no Banco de Dados, a Gerência de Configuração atribui a solicitação para a Unidade de Gerenciamento de Banco de Dados e muda o seu estado para EXECUÇÃO SCRIPT. A UGBD, por sua vez, analisa os scripts que devem ser executados e, caso não haja nenhum problema, executa os scripts enviados. Caso identifique algum problema na execução dos scripts, a UGBD deve rejeitar o caso (estado: REJEITADO) e atribuí-lo para o representante da Fábrica de Software responsável pelo projeto/sprint. Uma vez corrigido o problema, o responsável pelo projeto/sprint atribui o caso novamente para a UGBD e altera o estado do caso para EXECUÇÃO SCRIPT. Quando as alterações necessárias no banco de dados forem executadas com sucesso, a UGBD deve atribuir o caso de volta para a Gerência de Configuração e alterar o estado do caso para BANCO EM PRODUÇÃO. A Gerência de Configuração deve atribuir a solicitação para a UGAPL, e mudar o seu o estado para LIBERAÇÃO RELEASE. Enquanto a UGAPL estiver executando os procedimentos necessários para colocar o sistema em produção, a solicitação continua no estado LIBERAÇÃO RELEASE. Ao colocar o sistema efetivamente no ar, a UGAPL muda no estado para solicitação para EM PRODUÇÃO. Feito isso, a Unidade de Aplicações retorna a solicitação à Gerência de Configuração. A partir daí, a Gerência de Configuração verifica se o sistema está realmente em produção e coloca as solicitações filha do pacote no estado EM PRODUÇÃO. Esse fluxo está representado na Figura 2.

16 Figura 2 Fluxo de Implantação do Sistema Sistema Delphi Quando um sistema em delphi estiver pronto para ser posto em produção, a Gerência de Configuração cria uma solicitação (Opção Relatar Caso) para implantação do sistema. Nesse momento, a solicitação ficará no estado GERAÇÃO RELEASE. A Gerência de Configuração analisa o caso e, se houver alguma inconsistência, a solicitação deverá ser rejeitada (estado: REJEITADO). Quando a equipe resolver as pendências identificadas, o responsável pelo projeto deve retornar o caso para o estado GERAÇÃO RELEASE e atribuí-lo novamente à Gerência de Configuração. O caso continuará nesse estado até que o pacote esteja pronto para a produção e possa ser remetido para a unidade responsável. Caso haja necessidade de alteração no Banco de Dados, a Gerência de Configuração atribui a solicitação para a Unidade de Gerenciamento de Banco de Dados e muda o seu estado para EXECUÇÃO SCRIPT. A UGBD, por sua vez, analisa os scripts que devem ser executados e, caso não haja nenhum

17 problema, executa os scripts enviados. Caso identifique algum problema na execução dos scripts, a UGBD deve rejeitar o caso (estado: REJEITADO) e atribuí-lo para o representante da Fábrica de Software responsável pelo projeto/sprint. Uma vez corrigido o problema, o responsável pelo projeto/sprint atribui o caso novamente para a UGBD e altera o estado do caso para EXECUÇÃO SCRIPT. Quando as alterações necessárias no banco de dados forem executadas com sucesso, a UGBD deve atribuir o caso de volta para a Gerência de Configuração e alterar o estado do caso para BANCO EM PRODUÇÃO. A partir daí, a Gerência de Configuração deve colocar o novo sistema no ar (estado: EM PRODUÇÃO) e as solicitações filha do pacote no estado EM PRODUÇÃO. Sistema de Distribuição por várias Cidades Quando um sistema precisar ser distribuído em várias cidades (Ex.: Juizados Cíveis, Criminal, Judwin 1 o Grau) e estiver pronto para ser posto em produção, a Gerência de Configuração cria uma solicitação (Opção Relatar Caso) para implantação do sistema. Nesse momento, a solicitação ficará no estado GERAÇÃO RELEASE. A Gerência de Configuração analisa o caso e, se houver alguma inconsistência, a solicitação deverá ser rejeitada (estado: REJEITADO). Quando a equipe resolver as pendências identificadas, o responsável pelo projeto deve retornar o caso para o estado GERAÇÃO RELEASE e atribuí-lo novamente à Gerência de Configuração. O caso continuará nesse estado até que o pacote esteja pronto para a produção e possa ser remetido para a unidade responsável. Caso haja necessidade de alteração no Banco de Dados, a Gerência de Configuração atribui a solicitação para a Unidade de Gerenciamento de Banco de Dados e muda o seu estado para EXECUÇÃO SCRIPT. A UGBD, por sua vez, analisa os scripts que devem ser executados e, caso não haja nenhum problema, executa os scripts enviados. Caso identifique algum problema na execução dos scripts, a UGBD deve rejeitar o caso (estado: REJEITADO) e atribuí-lo para o representante da Fábrica de Software responsável pelo projeto/sprint. Uma vez corrigido o problema, o responsável pelo projeto/sprint atribui o caso novamente para a UGBD e altera o estado do caso para EXECUÇÃO SCRIPT. Quando as alterações necessárias no banco de dados forem executadas com sucesso, a UGBD deve atribuir o caso de volta para a Gerência de Configuração e alterar o estado do caso para BANCO EM PRODUÇÃO. A partir daí, a Gerência de Configuração deve atribuir a solicitação para a UGCPD e mudar o seu estado para LIBERAÇÃO RELEASE. Enquanto a UGCPD estiver executando os procedimentos necessários para colocar o sistema em produção, a solicitação continua no estado LIBERAÇÃO RELEASE. Ao colocar o sistema efetivamente no ar, a UGCPD muda no estado para solicitação para EM PRODUÇÃO. Feito isso, a Unidade de Gerenciamento do CPD retorna a solicitação à Gerência de Configuração. A partir daí, a Gerência de Configuração verifica se o sistema está realmente em produção e coloca as solicitações filha do pacote no estado EM PRODUÇÃO. Esse fluxo está representado na Figura 2.

18 Estado IMPEDIMENTO Se a solicitação estiver nos estados NOVO, GERAÇÃO RELEASE, APLICAÇÃO, EXECUÇÃO SCRIPT ou BANCO EM PRODUÇÃO e houver algum impedimento que está impossibilitando o andamento das atividades, o caso deverá ser colocado no estado IMPEDIMENTO. Quando o problema for resolvido, o caso volta para o estado que estava anteriormente. O impedimento indica algum obstáculo na resolução da solicitação. Não provoca mudança de atribuição da solicitação, e o motivo do impedimento deverá ficar descrito como anotação.

19 2.5 Fluxo de estados para correção de erros por Fábricas Externas Este fluxo de estados deve ser utilizado exclusivamente ao solicitar a correção de erros encontrados durante os testes de sistemas desenvolvidos ou mantidos por Fábricas Externas. Quando um erro for encontrado pela equipe de analistas de negócio do TJPE, uma nova solicitação deve ser criada no estado inicial, que é o ATRIBUÍDO, e em seguida ser atribuída ao usuário do Mantis que representa a Fábrica Externa. Em seguida, quando o erro tiver sido corrigido pela Fábrica Externa, o representante desta deve mudar o estado da solicitação para LIBERADO P/ HOMOLOGAÇÃO e atribuir de volta ao analista de negócio do TJPE. Neste momento, o analista do TJPE irá validar a correção realizada. Caso o erro tenha sido realmente corrigido, ele coloca a solicitação no estado final FECHADO e seleciona o motivo de resolução adequado (no caso, corrigido). Caso a correção não tenha sido satisfatória, o analista deve então mudar o estado da solicitação para REJEITADO e atribuir de volta ao representante da Fábrica Externa. Se a solicitação estiver com o estado REJEITADO, o representante da Fábrica deverá corrigir o erro e, ao concluir, colocá-la novamente no estado LIBERADO P/ HOMOLOGAÇÃO. Esse fluxo REJEITADO- LIBERADO P/ HOMOLOGAÇÃO continua até que a solicitação tenha sido corrigida com êxito. Além destas transições, a solicitação de correção do erro poderá em qualquer momento ser cancelada ou postergada. Nestes casos, deve-se atualizar o estado da solicitação para FECHADO e no motivo da resolução escolher a opção que melhor representa a situação (cancelamento ou adiamento da resolução). Apenas o Analista de Negócio poderá colocar a solicitação no estado FECHADO. Além disso, a solicitação poderá ser colocada a qualquer momento no estado IMPEDIMENTO, sinalizando dessa forma algum obstáculo na resolução da solicitação que independe da intervenção de outras unidades. Não provoca mudança de atribuição da solicitação, e o motivo do impedimento deverá ficar descrito como anotação.

20 Figura 3 Fluxo de Solicitação de Correção de Erros para Fábricas Externas Unidade de negócio (TJPE) Fábrica Externa Atribuído Atribuir para a Fábrica Externa Liberado p/ homologação Atribuir para o Analista do TJPE Fechado Rejeitado Atribuir para a Fábrica Externa Marcadores que podem acontecer em qualquer etapa do fluxo Impedimento Indica algum obstáculo na resolução da ocorrência que independe da intervenção de outras unidades. Não provoca mudança de atribuição e o motivo do impedimento deverá ficar descrito como anotação. Máquina de estados do MANTIS (Erros para Fábricas Externas ) Versão: 1.1 Criada por : UMCSTI-EQD Data: 20/05/2010 Última alteração: 17/06/2010

21 2.6 Categorias e estruturas de texto requeridas para abertura de solicitação Na interação entre UN e Fábrica de Software Neste item trataremos das solicitações das Unidades de Negócio para a Unidade de Engenharia de Software Categorias Uma categoria é requerida na abertura de uma solicitação no Mantis. Erro Indica que a solicitação está sendo aberta para tratar de algum erro que vem ocorrendo no sistema. Esse tipo de solicitação é adequado quando o funcionamento do sistema não corresponde à especificação do mesmo; Melhoria Indica que a solicitação está sendo aberta para tratar de alguma melhoria que será realizada no sistema. Essa melhoria pode ser tanto, adaptativa quanto evolutiva. Melhoria adaptativa é necessária quando o sistema deve se adequar a um novo ambiente, seja ele um novo computador com uma nova plataforma, ou uma nova conexão com outra base de dados, ou outra adaptação dessa natureza. Esse tipo de melhoria não altera os requisitos funcionais do sistema. O objetivo da melhoria evolutiva é alterar um requisito funcional já existente culminando com o aprimoramento do software; Novo Requisito Indica que a solicitação está sendo aberta para tratar de uma nova funcionalidade que o sistema deverá oferecer.

22 Estrutura de texto padrão Padrões de estrutura de texto são requeridos na abertura de uma solicitação no Mantis. Independentemente da categoria, ao abrir a solicitação, o relator deverá prover as seguintes informações no campo Descrição : Campo Descrição Classificação Objetivo Objetivo da solicitação Mandatório Descrição Perfil do Usuário Passos para Reproduzir Critérios de Aceitação Impacto Solução/dica Esse campo é onde o relator deve informar com a maior riqueza de detalhes o que está acontecendo, descrevendo o cenário atual e se possível o cenário esperado. No caso de sistemas que tenham documentação, se a solicitação for de novo requisito ou melhoria, o cenário esperado deve referenciar a documentação já atualizada do sistema. Sempre que aplicável, acrescentar a navegação de menu e o Print Screen da tela, que apontam onde encontrar o cenário, seja para erros seja para melhoria/novos requisitos. Perfil do usuário que será afetado. No caso de erros, é o perfil de usuário para o qual o problema está ocorrendo. Este campo é obrigatório para todas as solicitações, exceto para aquelas criadas pela UMCSTI-EQD e pela UTS. Neste campo devem ser informados os passos necessários para a reprodução de um erro. Este campo é opcional para todas as solicitações, exceto para aquelas que são do tipo ERRO. Critérios que o relator levará em consideração ao homologar a solução dada. Esses critérios também servirão de base para a escrita dos casos de teste. Contudo, em solicitações de mudança muito simples, em que a descrição já descreve de certa forma os critérios de aceitação, esse campo é opcional. Quais partes do sistema são afetadas com o atendimento dessa solicitação? Se houver documentação, lembrar de referenciar. Por exemplo, uma mudança no requisito X, afeta os requisitos Y e Z. Esse campo é útil quando o relator conhece o sistema e tem idéia do que deve ser feito. Por exemplo, um relatório A está dando erro. Por experiência, o relator sabe que esse problema é devido ao parâmetro X da tabela Y do banco de dados. Então, pode adicionar na solicitação essa dica de onde deve estar o problema. Mandatório Opcional Opcional Opcional Obrigatório Opcional Tabela 1 - Requisitos para preenchimento de abertura de casos de UN para Fábrica de Software.

Mantis Sistema de controle de chamados Versão 1.2.1 Roteiros

Mantis Sistema de controle de chamados Versão 1.2.1 Roteiros Mantis Sistema de controle de chamados Versão 1.2.1 Roteiros Roteiros Versão 1.2.1 by ilab Sistemas Especialistas Sumário I Sumário Roteiros I Introdução 2 Roteiros II Verificar posição dos chamados 4

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Channel. Gerenciamento de Operações. Tutorial. Atualizado com a versão 4.2

Channel. Gerenciamento de Operações. Tutorial. Atualizado com a versão 4.2 Channel Gerenciamento de Operações Tutorial Atualizado com a versão 4.2 Copyright 2011 por JExperts Tecnologia Ltda. todos direitos reservados. É proibida a reprodução deste manual sem autorização prévia

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE CHAMADOS (GLPI)

MANUAL DO SISTEMA DE CHAMADOS (GLPI) MANUAL DO SISTEMA DE CHAMADOS (GLPI) 1 Acessando o GLPI Para acessar o sistema, basta abrir o seu navegador de internet e acessar a URL http://suporte.genix. ind.br, será aberta a tela a seguir: Após acessar

Leia mais

Versão: 1.0. Código: PRC 14 Data aprovação: PROCESSO DE DEPLOY. Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por.

Versão: 1.0. Código: PRC 14 Data aprovação: PROCESSO DE DEPLOY. Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por. Dono do Processo Andrey A. de Oliveira Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Alexandre Morgado Substituto: Guilherme Maranhão 1 OBJETIVOS Estabelecer e manter um procedimento padronizado

Leia mais

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática.

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. 1 Introdução 1.1 Propósito O propósito deste documento de especificação de requisitos é definir os requisitos

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor H6Projetos Documento de Requisitos Versão 1.3 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2013 1.0 Preenchimento do Capítulo 2 Requisitos Funcionais Evilson Montenegro 26/09/2013 1.1 Preenchimento

Leia mais

Essencial ao Desenvolvimento de Software

Essencial ao Desenvolvimento de Software Documento de Requisitos Essencial ao Desenvolvimento de Software De que se trata o artigo? Apresenta o documento de requisitos de software, destacando-o como um dos principais documentos pertinentes ao

Leia mais

Guia do usuário GLPI. Versão 0.78.5 Modificada- Thiago Passamani

Guia do usuário GLPI. Versão 0.78.5 Modificada- Thiago Passamani Guia do usuário GLPI Versão 0.78.5 Modificada- Thiago Passamani 1 -O que é GLPI? GLPI(Gestionnaire Libre de Parc Informatique ) é a uma sigla em Francês, que significa Gestão de Parque de Informática Livre.

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

MANUAL DE USO SERASAJUD

MANUAL DE USO SERASAJUD MANUAL DE USO SERASAJUD JULHO DE 2015 Controle de Revisão Data da Revisão Versão Documento Versão DF-e Manager Executor Assunto Revisado 08/10/2013 1.0 Rodrigo Vieira Ambar/Gigiane Martins Criação 18/03/2104

Leia mais

Manual Geral do OASIS

Manual Geral do OASIS Manual Geral do OASIS SISTEMA DE GESTÃO DE DEMANDA, PROJETO E SERVIÇO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO OASIS Introdução Esse manual tem como objetivo auxiliar aos usuários nos procedimentos de execução do sistema

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS 1/38 DOCUMENTO DE REQUISITOS GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Versão 1.1 Identificação do Projeto CLIENTE: NOME DO CLIENTE TIPO DO SISTEMA OU PROJETO Participantes Função Email Abilio Patrocinador

Leia mais

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas SESAU Coordenadoria Setorial de Gestão a Informática - CSGI Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Maceió 06/02/2012 Técnico Responsável: Bruno Cavalcante

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Robótica. Manual de Inscrição. Sistema OLIMPO Instruções

Olimpíada Brasileira de Robótica. Manual de Inscrição. Sistema OLIMPO Instruções Olimpíada Brasileira de Robótica Manual de Inscrição Sistema OLIMPO Instruções Versão 1.1 Abril 2013 OLIMPO Sistema de Gerenciamento de Olimpíadas e Eventos Científicos Olimpíada Brasileira de Robótica

Leia mais

Rem Commodatum. Rem Commodatum - Versão 1.0. Manter Visitas Técnicas. Iteração 01 - Release 1.0. Versão do Documento: 1.0

Rem Commodatum. Rem Commodatum - Versão 1.0. Manter Visitas Técnicas. Iteração 01 - Release 1.0. Versão do Documento: 1.0 Rem Commodatum Rem Commodatum - Versão 1.0 Iteração 01 - Release 1.0 Manter Visitas Técnicas Versão do Documento: 1.0 Data Versão do Documento Histórico de Revisão Descrição Autor 20/09/2011 1.0 Elaboração

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. HELP SUPORTE e HELP - REMOTO (Versão de usuário: 2.0)

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. HELP SUPORTE e HELP - REMOTO (Versão de usuário: 2.0) MANUAL DE UTILIZAÇÃO HELP SUPORTE e HELP - REMOTO (Versão de usuário: 2.0) 1 Sumário 1 Introdução...3 2 O que é o HELP Suporte?...3 3 Cadastro no Help Suporte...3 4 Como Acessar e Utilizar o HELP SUPORTE...3

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS Ademilson Ângelo Cabral Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades Integradas

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

Versão: 2.0. Código: PRC 14 Data aprovação: PROCESSO DE DEPLOY. Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por.

Versão: 2.0. Código: PRC 14 Data aprovação: PROCESSO DE DEPLOY. Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por. Dono do Processo Guilherme Maranhão Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Alexandre Morgado Substituto: Maxmiliano Franco 1 OBJETIVOS Estabelecer e manter um procedimento padronizado

Leia mais

TREINAMENTO DE USUÁRIO APROVADOR/HOMOLOGADOR. SIPPES Sistema de Pagamento de Pessoal

TREINAMENTO DE USUÁRIO APROVADOR/HOMOLOGADOR. SIPPES Sistema de Pagamento de Pessoal TREINAMENTO DE USUÁRIO APROVADOR/HOMOLOGADOR SIPPES Sistema de Pagamento de Pessoal Sumário CONFIGURAR ORGANIZAÇÃO MILITAR 1. USUÁRIOS... 6 1.1. Administrador de Parâmetros Cadastrais OM... 6 2. PRÉ-CONDIÇÕES...

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

1. O que é GLPI? 2. Processo de atendimento

1. O que é GLPI? 2. Processo de atendimento 1. O que é GLPI? GLPI (Gestionnaire Libre de Parc Informatique) é a uma sigla em Francês, que significa Gestão de Parque de Informática Livre. Essa é uma ferramenta de helpdesk (suporte ao usuário) para

Leia mais

Instalação Mesa Virtual 2.0 Impacta

Instalação Mesa Virtual 2.0 Impacta Instalação Mesa Virtual 2.0 Impacta Esse documento descreve os passos necessários para a correta instalação e configuração inicial do software Mesa Virtual 2.0 funcionando com uma central PABX Impacta.

Leia mais

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 19/09/2014 1.0 Implementação de itens essenciais para futuro aprimoramento.

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 19/09/2014 1.0 Implementação de itens essenciais para futuro aprimoramento. Documento de Requisitos 1 Documento de Requisitos Versão 1.2 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 19/09/2014 1.0 Implementação de itens essenciais para futuro aprimoramento. Camilo Fernandes

Leia mais

Especificação de Requisitos

Especificação de Requisitos Projeto/Versão: Versão 11.80 Melhoria Requisito/Módulo: 000552 / Conector Sub-Requisito/Função: Multas Tarefa/Chamado: 01.08.01 País: Brasil Data Especificação: 13/05/13 Rotinas Envolvidas Rotina Tipo

Leia mais

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte BCON Sistema de Controle de Vendas e Estoque Declaração de escopo Versão 1.0 Histórico de Revisão Elaborado por: Filipe de Almeida do Amaral Versão 1.0 Aprovado por: Marcelo Persegona 22/03/2011 Time da

Leia mais

Contact Center CPqD. Operação. Manual do Cliente. Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011

Contact Center CPqD. Operação. Manual do Cliente. Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011 Contact Center CPqD Operação Manual do Cliente Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011 Contact Center CPqD Operação Manual do Cliente Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO DE OBRAS RARAS DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIOS. Versão 1.2 Histórico de Revisão

DIGITALIZAÇÃO DE OBRAS RARAS DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIOS. Versão 1.2 Histórico de Revisão DIGITALIZAÇÃO DE OBRAS RARAS DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIOS Versão 1.2 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 12/05/2011 1.0 Criação do Documento Ronan Alves 13/05/2011 1.1 Criação do Documento

Leia mais

Tribunal de Justiça de Pernambuco Diretoria de Informática. Documento de Visão do Sistema Sistema de Fluxo Eletrônico de Cartas Precatórias. v1.

Tribunal de Justiça de Pernambuco Diretoria de Informática. Documento de Visão do Sistema Sistema de Fluxo Eletrônico de Cartas Precatórias. v1. Tribunal de Justiça de Pernambuco Diretoria de Informática Documento de Visão do Sistema Sistema de Fluxo Eletrônico de Cartas Precatórias v1.4 Histórico de Alterações Data Versão Descrição Autor Aprovado

Leia mais

LIBERAÇÃO FINANCEIRA NO PEDIDO DE VENDA

LIBERAÇÃO FINANCEIRA NO PEDIDO DE VENDA LIBERAÇÃO FINANCEIRA NO PEDIDO DE VENDA As liberações financeiras somente são verificadas no faturamento do pedido, como conseqüência há situações em que o cliente tem limite de crédito excedido, vencido

Leia mais

Treinamento Auditor Fiscal. Instrutor: Jaime Naves Gestora: Adriana Nunes

Treinamento Auditor Fiscal. Instrutor: Jaime Naves Gestora: Adriana Nunes Treinamento Auditor Fiscal Instrutor: Jaime Naves Gestora: Adriana Nunes Conceito: O Auditor Fiscal WEB é uma solução que permite a usuários de qualquer segmento empresarial realizar auditorias sobre os

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 2. Tela Inicial... 2 3. Abrindo uma nova Solicitação... 3 4. Acompanhando as solicitações abertas... 4 5. Exibindo Detalhes da Solicitação... 6 6.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.0 Afonso Ueslei da Fonseca

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.0 Afonso Ueslei da Fonseca Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.0 Afonso Ueslei da Fonseca Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

Manual do Painel de Gestão

Manual do Painel de Gestão Manual do Painel de Gestão Acesso e Navegação Manual do Painel de Gestão Página 1 A. O Painel de Gestão O Painel de Gestão é a nova interface disponível para as instituições financeira para fazer a gestão

Leia mais

MANUAL SISTEMA AJG/CJF

MANUAL SISTEMA AJG/CJF MANUAL DO SISTEMA AJG/CJF ÍNDICE 1. SEJA BEM VINDO AO AJG... 3 1.1 Seja Bem-Vindo!... 3 2. SOBRE A AJUDA... 4 2.1 Como navegar no ajuda on-line... 4 3. SOBRE O SISTEMA... 5 3.1 Sobre o sistema... 5 3.2

Leia mais

Sistema de Controle de Chamados Símula Manual do Cliente

Sistema de Controle de Chamados Símula Manual do Cliente Sistema de Controle de Chamados Símula Manual do Cliente Autor: Fábio Braga de Oliveira Versão: 1.0 Data: 29/01/2009 Índice 1Objetivo...3 2Fluxo do chamado...3 3Abrindo um chamado...4 4Recebendo o retorno

Leia mais

Corregedoria-Geral de Justiça. Serviço Notarial e de Registro. Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO

Corregedoria-Geral de Justiça. Serviço Notarial e de Registro. Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO Corregedoria-Geral de Justiça Serviço Notarial e de Registro Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO Atualizado em 29/04/2015 CONTEÚDO APRESENTAÇÃO... 4 CAPÍTULO 1 DOWNLOAD DO SISNOR CARTÓRIO... 5 CAPÍTULO 2

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS 2 SUMÁRIO SEÇÃO 1 - FLUXO DAS VARAS QUE NÃO POSSUEM CENTRAL DE MANDADOS... 03 1. CUMPRIMENTOS (PERFIS DE ANALISTA E TÉCNICO

Leia mais

MANUAL PARA ENTREGA DOS DOCUMENTOS NÃO-ESTRUTURADOS SISTEMA AUDESP

MANUAL PARA ENTREGA DOS DOCUMENTOS NÃO-ESTRUTURADOS SISTEMA AUDESP MANUAL PARA ENTREGA DOS DOCUMENTOS NÃO-ESTRUTURADOS SISTEMA AUDESP Índice Introdução Sistema AUDESP: Documentos Não Estruturados... 03 1.1 Coletor AUDESP : Download... 05 1.2 - Coletor AUDESP: Criação

Leia mais

CPqD Gestão Pública. Gestão Escolar Guia de treinamento. Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010

CPqD Gestão Pública. Gestão Escolar Guia de treinamento. Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010 CPqD Gestão Pública Gestão Escolar Guia de treinamento Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010 CPqD Gestão Pública Gestão Escolar Guia de treinamento Versão do produto: 4.0.0 Edição

Leia mais

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas Manual de Registro de Saída Procedimentos e Especificações Técnicas Versão 1.0 Dezembro 2010 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO GERAL... 3 2 INTRODUÇÃO AO MÓDULO REGISTRO DE SAÍDA - SIARE... 3 2.1 SEGURANÇA... 4 2.2

Leia mais

M A N U A L D O U S U Á R I O

M A N U A L D O U S U Á R I O M A N U A L D O U S U Á R I O S I S T E M A D E A B E R T U R A D E C H A M A D O S D E S E R V I Ç O S Sumário 1. Apresentação... 3 2. Introdução do GLPI... 4 3. Acessando o GLPI... 5 4. Abertura e Registro

Leia mais

Empresa de Informática Infinity LTDA. Gerenciamento de Configuração. Sistema de Gerenciamento de Plano Corporativo de Celulares

Empresa de Informática Infinity LTDA. Gerenciamento de Configuração. Sistema de Gerenciamento de Plano Corporativo de Celulares Empresa de Informática Infinity LTDA Gerenciamento de Configuração Sistema de Gerenciamento de Plano Corporativo de Celulares 22/05/2012 Índice Analítico 1. Introdução 1.1 Finalidade 1.2 Escopo 1.3 Definições,

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO UNIVERSITÁRIO DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES SISTEMA 1ª EDIÇÃO SETEMBRO/2013

Leia mais

1. Introdução... 2. 2. Instalação máquinas cliente... 2. 3. Configurações gerais... 3. 4. Cadastro de pessoas... 4

1. Introdução... 2. 2. Instalação máquinas cliente... 2. 3. Configurações gerais... 3. 4. Cadastro de pessoas... 4 MANUAL DE UTILIZAÇÃO Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Instalação máquinas cliente... 2 3. Configurações gerais... 3 4. Cadastro de pessoas... 4 5. Cadastro de usuários para o sistema... 6 6. Cadastro de

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 12.09.2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline 20.10.2015 1.0 Atualização

Leia mais

GESTEC Gestão e Tecnologia. Sistema de Gestão Escolar

GESTEC Gestão e Tecnologia. Sistema de Gestão Escolar Sistema de Gestão Escolar Manual do Usuário versão 2.0 Dezembro/2011 1 Índice Introdução... 4 Acesso ao Sistema... 5 Cadastro de Funcionários... 5 Cadastro de Tipos de Usuários... 8 Cadastro de Usuários...

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB 0 Sumário Introdução... 2 Funcionalidades... 2 Requisitos Necessários... 2 Faturamento Web... 3 Faturamento Simplificado... 4 Faturamento Detalhado... 9 Faturamento

Leia mais

SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário

SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário 1 Apresentação... 3 1- Introdução... 4 2- Acessando GLPI:... 5 3- Abrindo chamado:... 6 3.1-

Leia mais

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO 2 ÍNDICE 1. PRÉ REQUISITOS PARA UTILIZAÇÃO DO SIGEP WEB 04 2. PROCEDIMENTOS PARA DOWNLOAD DO SISTEMA 04 3. INSTALANDO O SIGEP WEB 07 4. CONFIGURAÇÕES DO SISTEMA 09 COMPARTILHANDO O BANCO

Leia mais

Manual de usuário - GLPI Página 1

Manual de usuário - GLPI Página 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Versão: 1.1 - DTI Manual de usuário

Leia mais

CONTACT CENTER MANUAL DE USUÁRIO

CONTACT CENTER MANUAL DE USUÁRIO ÍNDICE QUE VALORES [CONTAC CENTER] TRAZ PARA VOCÊ? UTILIZANDO O CONTACT CENTER (NOÇÕES BÁSICAS) 2 CONTAC CENTER CLIENTE 3 ABRINDO UM CHAMADO 5 ACOMPANHANDO O CHAMADO 5 CONTAC CENTER Noções básicas para

Leia mais

MANUAL TISS Versão 3.02.00

MANUAL TISS Versão 3.02.00 MANUAL TISS Versão 3.02.00 1 INTRODUÇÃO Esse manual tem como objetivo oferecer todas as informações na nova ferramenta SAP que será utilizada pelo prestador Mediplan, a mesma será responsável para atender

Leia mais

Questões mais freqüentes

Questões mais freqüentes CNH DIGITAL VENDA DIGITAL CONFIGURAÇÕES MINIMAS EQUIPAMENTOS - MODELOS HOMOLOGADOS AUTORIZAÇÃO DE ACESSO CONEXÕES SINCRONIZAÇÃO IHS PROPOSTAS RECIBOS VIA DA PROPOSTA DO CONSORCIADO FECHAMENTO DO BORDERÔ

Leia mais

Expresso Livre Módulo de Projetos Ágeis

Expresso Livre Módulo de Projetos Ágeis Expresso Livre Módulo de Projetos Ágeis Desenvolvedor / Orientador Rafael Raymundo da Silva Guilherme Lacerda Out / 2010 1 Sumário 1.Conhecendo a ferramenta...3 2.Gerência de projetos ágeis...3 2.1Product

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR WEB

MANUAL DO PRESTADOR WEB MANUAL DO PRESTADOR WEB Sumário 1. Guia de Consulta... 3 2. Guia de Procedimentos Ambulatoriais... 6 3. Guia de Solicitação de Internação... 8 4. Prorrogação de internação... 8 5. Confirmação de pedido

Leia mais

AUDITORIA DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA PRESTADOS PELA RADDAR ONLINE À AFFEGO NO PERÍODO 2005/2006

AUDITORIA DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA PRESTADOS PELA RADDAR ONLINE À AFFEGO NO PERÍODO 2005/2006 AUDITORIA DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA PRESTADOS PELA RADDAR ONLINE À AFFEGO NO PERÍODO 2005/2006 Autor: George Alexandre P. de Andrade (Analista de Sistemas, Bacharel em Engenharia Elétrica)

Leia mais

SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00

SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00 SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00 Conteúdo 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 CONVENÇÕES, TERMOS E ABREVIAÇÕES... 3 1.1.1 Identificação dos Requisitos... 3 1.1.2 Prioridades

Leia mais

INFORMATIVO DE RELEASE MASTERSAF NF-E VERSÃO 1.58_7

INFORMATIVO DE RELEASE MASTERSAF NF-E VERSÃO 1.58_7 MASTERSAF NF-E VERSÃO 1.58_7 ÍNDICE Introdução... 1 Novas Funcionalidades / Melhorias... 1 Opção de cancelamento... 1 Retorno de Nota Represada... 1 Correções... 1 Código do Retorno de Cancelamento...

Leia mais

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software Coordenação Geral de Tecnologia da Informação 2 Índice 1. Processos Organizacionais... 7 1.1. A gestão da demanda... 7 1.2. e Responsabilidades... 7

Leia mais

Índice APRESENTAÇÃO... 1 CONFIGURAÇÕES DO SAGE ONE... 2 CADASTROS... 8 PRINCIPAL... 15 NOTAS FISCAIS... 16 2.1. Primeiros Passos...

Índice APRESENTAÇÃO... 1 CONFIGURAÇÕES DO SAGE ONE... 2 CADASTROS... 8 PRINCIPAL... 15 NOTAS FISCAIS... 16 2.1. Primeiros Passos... Índice 1. 2. 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. 2.5. 2.6. 3. 3.1. 3.2. 3.3. 3.4. 3.5. 3.6. 3.7. 3.8. 4. 5. 5.1. 5.2. 5.3. APRESENTAÇÃO... 1 CONFIGURAÇÕES DO SAGE ONE... 2 Primeiros Passos... 2 Minha Empresa... 3 Certificado

Leia mais

Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul. Manual: Sistema de Controle Patrimonial Inventário

Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul. Manual: Sistema de Controle Patrimonial Inventário Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul Manual: Sistema de Controle Patrimonial Inventário Sumário 1. Introdução... 3 2. Acessar o Controle Patrimonial Web... 4 2.1. Login... 4 3. Inventário...

Leia mais

MODULO DE GESTÃO MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo.

MODULO DE GESTÃO MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo. MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA 1. Informações Gerais. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo. O item do menu Manutenção de Matrícula tem por objetivo manter

Leia mais

Índice. http://www.gosoft.com.br/atualiza/gosoftsigadmservico.pdf Versão 4.0

Índice. http://www.gosoft.com.br/atualiza/gosoftsigadmservico.pdf Versão 4.0 Índice I ENVIO DE BOLETOS POR E-MAIL... 2 APRESENTAÇÃO... 2 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONDOMÍNIO... 4 ALTERAÇÕES NO SIGADM IMÓVEIS... 6 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONCILIAÇÃO BANCÁRIA... 8 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONDOMÍNIO

Leia mais

Documento de Visão. Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto. Versão 1.0

Documento de Visão. Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto. Versão 1.0 Documento de Visão Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto Versão 1.0 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 23/10/2010 #1 Elaboração do documento. Eduardo Neto Versão 1.0 Documento de Visão A2ME

Leia mais

SISTEMA DE INSPEÇÕES EXTRAJUDICIAIS

SISTEMA DE INSPEÇÕES EXTRAJUDICIAIS SISTEMA DE INSPEÇÕES EXTRAJUDICIAIS Manual do Usuário Unidade de Apoio à Corregedoria - DINFO e-mail: dinfo.uac@tjpe.jus.br Tribunal de Justiça de Pernambuco PRAÇA DA REPÚBLICA S/N - SANTO ANTÔNIO CEP:

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Ilan Chamovitz Datasus Departamento de Informática e Informação do SUS Ministério da Saúde - Brasil

Leia mais

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 2 INTRODUÇÃO Esse documento contém as instruções básicas para a utilização do TabFisc Versão Mobile (que permite ao fiscal a realização do seu trabalho

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO VERSÃO 2014 Fevereiro de 2014 SIGFIS-Sistema Integrado

Leia mais

Manual do sistema SMARsa Web

Manual do sistema SMARsa Web Manual do sistema SMARsa Web Módulo Gestão de atividades RS/OS Requisição de serviço/ordem de serviço 1 Sumário INTRODUÇÃO...3 OBJETIVO...3 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo gestão de atividades...4

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA GT WEB CALL. Teledata

MANUAL DO SISTEMA GT WEB CALL. Teledata MANUAL DO SISTEMA GT WEB CALL Teledata Indíce analítico 1. Prefácio...3 2. Funcionalidades...3 3. Abrir chamados...7 4. Atribuir chamados...9 5. Consultar chamados...10 6. Fechar chamados...12 7. Relatórios...15

Leia mais

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 02 Planejamento dos Testes Plano de Teste Análise de Risco

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA NONA REGIÃO ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

Manual usuario sipon. Índice. Introdução. Características do Sistema. De Wiki Intranet. 1 Introdução 1.1 Características do Sistema

Manual usuario sipon. Índice. Introdução. Características do Sistema. De Wiki Intranet. 1 Introdução 1.1 Características do Sistema Manual usuario sipon De Wiki Intranet Índice 1 Introdução 1.1 Características do Sistema 1.2 Regras Gerais (Tipos de Jornada, Prazos, Tolerância, Justificativas, Limites do Banco de Horas etc) 1.2.1 Tipos

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte.

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. MANUAL DE SUPORTE Controle de Suporte Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. SUMÁRIO Considerações Iniciais... 3 Acesso... 4 Controle de Suporte... 5 1. Solicitação de Atendimento...

Leia mais

MANUAL DO PORTAL FGI VERSÃO 3.0

MANUAL DO PORTAL FGI VERSÃO 3.0 MANUAL DO PORTAL FGI VERSÃO 3.0 CONTEXTO O Portal FGI é a ferramenta que serve para a comunicação entre o BNDES FGI e os Agentes Financeiros cotistas e como interface para o processamento operacional da

Leia mais

Procedimento Documentado. Sistema de Homologação de Cobrança. Versão 1.0. Departamento de Produtos e Serviços Página 1

Procedimento Documentado. Sistema de Homologação de Cobrança. Versão 1.0. Departamento de Produtos e Serviços Página 1 Procedimento Documentado Sistema de Homologação de Cobrança Versão 1.0 Departamento de Produtos e Serviços Página 1 Histórico Data Versão Descrição Responsável 14/03/2014 1.0 Criação do Procedimento Documentado

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS Versão 1.0 SUMÁRIO 1. Descrição do Local de Acesso... 1 2. Módulo Registrar Diárias... 3 3. Módulo Aprovar Diárias... 11 4. Registrar Prestação de Contas...

Leia mais

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.10.1.8-05-12-2012

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.10.1.8-05-12-2012 Florianópolis, 05 de dezembro de 2012. Abaixo você confere as características e funcionalidades da nova versão 4.10.1.8-05-12-2012 do Channel. Para quaisquer dúvidas ou na necessidade de maiores esclarecimentos,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Módulo de operação Ativo Bem vindo à Vorage CRM! Nas próximas paginas apresentaremos o funcionamento da plataforma e ensinaremos como iniciar uma operação básica através do nosso sistema,

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

O QUE É DOCUMENTO PARA O SIGA

O QUE É DOCUMENTO PARA O SIGA APRESENTAÇÃO O SIGA - Sistema Integrado de Gestão Administrativa é o sistema oficial de gestão documental do Poder Judiciário baiano que permite a criação, transferência, assinatura e demais atos de tramitação

Leia mais

Manual do SINASC Módulo SISNET MANUAL SISNET. Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC 2006 1

Manual do SINASC Módulo SISNET MANUAL SISNET. Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC 2006 1 MANUAL SISNET Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC 2006 1 Módulo SISNET Capitulo 01 - Introdução O SISNET efetua a transferência dos dados existentes nos sistemas locais para o nível superior

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4.

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4. MANUAL TÉCNICO-OPERACIONAL DO MÓDULO DE MONITORAMENTO DO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR Brasília/DF, 23 julho de 2009 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. ACESSO AO SISTEMA... 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO...6

Leia mais

Manual do Sistema. SMARsa. Módulo WEB

Manual do Sistema. SMARsa. Módulo WEB Manual do Sistema SMARsa Módulo WEB Notas da Atualização do Manual Na versão 4.1 deste manual consta: 1º. Aguardando Recebimento: Adicionado o campo de digitação do numero de remessa para o recebimento.

Leia mais